Genießen Sie diesen Titel jetzt und Millionen mehr, in einer kostenlosen Testversion

Kostenlos für 30 Tage, dann für $9.99/Monat. Jederzeit kündbar.

Ao norte, ao chão

Ao norte, ao chão

Vorschau lesen

Ao norte, ao chão

Länge:
53 Seiten
15 Minuten
Herausgeber:
Freigegeben:
Dec 7, 2017
ISBN:
9788592579692
Format:
Buch

Beschreibung

Os poemas de Ao norte, ao chão revelam uma trama em sentido ambivalente: ela se manifesta no verso, "esta linha/ em que não vamos ao fim/ para que se possa respirar/ e haja ainda o que seguir", conforme "Percurso", um dos pontos altos deste livro de Laís Ferreira; a trama também se faz presente na tendência à narratividade, que é contida, em ritmo cadenciado, às vezes alcançando um suave prosaísmo. De qualquer modo, sua poesia ressalta na oscilação de experiências em torno do amor, que se apresenta "como as redes, as iscas, as buscas/ próximas ao mar". Outro sinal dessas buscas se torna evidente na recorrência com que cartas são evocadas e especuladas, funcionando como um símile da intensidade dos sentimentos.
O amor também se mostra, indiretamente, no seu trabalho em relação às imagens, que se encadeiam, reproduzindo a dinâmica da rede. Em Ao norte, ao chão, as imagens se desdobram em outras, o que garante uma série de emoções a um mesmo símbolo, seja ele o "mar", seja ele o "bolso" – duas constantes na poesia de Laís Ferreira.
Contudo, o verso "é próximo ao chão/ embora se escalone ao céu", sugerindo uma poética de contrastes. Eles estão presentes em referências a patologias contemporâneas e à perspectiva trágica de certos poemas, como "Os sem nomes do amor": "É triste, mas não somos a terra:/ não retemos poeira, grão e cal./ O que cai em nós não germina,/ não há morte precursora da vida.// No entanto, sob as unhas descansam/ um verso por quem se foi, a esperança." É uma obra que, nos contrastes, desvela que tudo está tão próximo e tão distante.
Herausgeber:
Freigegeben:
Dec 7, 2017
ISBN:
9788592579692
Format:
Buch

Über den Autor


Buchvorschau

Ao norte, ao chão - Laís Ferreira

Créditos

A maré

Neste volume dos bolsos, aguardo

um maço de lenços, um raio

para que se ilumine, irradie

a junção das vértebras

a instabilidade dos homens,

a estabilidade tardia da fé.

Meus amigos foram às ilhas,

ilhas se perdem na paisagem

enquanto ainda a chamamos

sabendo que há fronteira, tráfego

lixo amontoado, as liquidações

a insistirem que a continuidade

constitui um sentença sem juiz.

Amanhã virá, é claro, o sol

estará lá, como o mar e a terra

talvez mais sujos, talvez o barro

não apareça tanto. As marés

parecem dizer algo de amor.

Hoje se cruza a costa, navega-se

amanhã, impossível molhar os pés.

Hoje não falaremos de amor

Hoje não falaremos de amor.

Não que não nos interesse:

é claro, na manhã passada

um beija-flor alcançou a beira

do nono andar. A escuta

alcançou a paciência do outro.

Trançamos nossos cabelos,

os rostos pedem este vento

calma e alguma ternura.

Mas não falaremos de amor.

Os homens estão errados,

as flores morrem na rua

e nos livros que lemos

a realidade parece incrédula

frente à própria ficção.

A palavra segue no bolso

como um recado, receita

para cozinhar legumes

sem que percam a água

proteínas. Hoje, quebramos

o primeiro ovo podre

desde quando partilhamos

este alimento, esta esperança.

Mas

Sie haben das Ende dieser Vorschau erreicht. Registrieren Sie sich, um mehr zu lesen!
Seite 1 von 1

Rezensionen

Was die anderen über Ao norte, ao chão denken

0
0 Bewertungen / 0 Rezensionen
Wie hat es Ihnen gefallen?
Bewertung: 0 von 5 Sternen

Leser-Rezensionen