You are on page 1of 2

DIREITO ADMINISTRATIVO

DATA: 01/02/2013 Aula 01 Professor: Servio Pblico: Por Maria Silvia Zanello de Pietro. Atividade material que a lei atribui ao Estado para desempenhar diretamente ou por meio de seus delegados visando satisfazer necessidades coletivas por um regime total ou parcialmente pblico. Envolve um substrato material, ou seja, um comodidade/utilidade, e um substrato formal, ou seja, os princpios (dentre eles o princpio da continuidade). Relao Jurdica de Consumo: Relao entre consumidor (usurio do servio) e fornecedor que tem por objeto a aquisio de um produto ou contratao de um servio. Consumidor: Art. 2 caput, do CDC. Art. 2 Consumidor toda pessoa fsica ou jurdica que adquire ou utiliza produto ou servio como destinatrio final. Pargrafo nico. Equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indeterminveis, que haja intervindo nas relaes de consumo. Fornecedor: Art. 3 caput, do CDC. Art. 3 Fornecedor toda pessoa fsica ou jurdica, pblica ou privada, nacional ou estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividade de produo, montagem, criao, construo, transformao, importao, exportao, distribuio ou comercializao de produtos ou prestao de servios. 1 Produto qualquer bem, mvel ou imvel, material ou imaterial. 2 Servio qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remunerao, inclusive as de natureza bancria, financeira, de crdito e securitria, salvo as decorrentes das relaes de carter trabalhista. Servio Pblico pode ser objeto jurdico da relao de consumo. S o Servio Pblico remunerado por tarifa que pode ser objeto da relao de consumo. Servio Pblico Individualizado (uti singuli) e remunerado por tarifa, pode ser objeto da relao jurdica de consumo.

Princpio da Continuidade do Servio Pblico art. 22 CDC. possvel interromper um servio pblico quando da sua no utilidade? Lei 8.987/95, art. 6, 3, II.

DIREITO ADMINISTRATIVO
DATA: 01/02/2013 Aula 01 Art. 22. Os rgos pblicos, por si ou suas empresas, concessionrias, permissionrias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, so obrigados a fornecer servios adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais, contnuos. Pargrafo nico. Nos casos de descumprimento, total ou parcial, das obrigaes referidas neste artigo, sero as pessoas jurdicas compelidas a cumpri-las e a reparar os danos causados, na forma prevista neste cdigo.