You are on page 1of 4

Cláusula Penal

Arras ou Sinal
Profa. Daize Fernanda Wagner
Direito Civil II

CLÁUSULA PENAL
(ou pena convencional)
1. Conceito
É pacto acessório através do qual as partes num NJ fixam
previamente a indenização devida para o caso de haver
inadimplemento culposo da obrigação principal, de alguma
cláusula do contrato ou de mora.

2. Finalidades
Pré-liquidação de danos
Função inibitória do inadimplemento (ação psicológica junto ao devedor,
influenciando para que ele não deixe de adimplir a obrigação)

Exemplos:
Contrato de CV, em não sendo adimplido no termo estabelecido, há a incidência de 10% de multa
sobre o valor total do contrato.
Contrato de locação – locatário que atrasa o pagamento do aluguel, paga “multa” (cláusula penal
moratória)
Contrato de CV de carro, em não sendo adimplido, há obrigação de indenizar pré-estabelecida de
R$ 20.000,00

3. Tipos de Cláusula Penal


a) Compensatória – para o caso de descumprimento da obrigação
principal – art. 410 CC
Cabe ao credor escolher:
ou executa a cláusula penal
ou ajuiza ação cobrando PD
ou ajuiza ação para forçar o cumprimento da obrigação principal, por meio de fixação de multa
cominatória (se a natureza da obrigação possibilitar).
O credor deve escolher – ele não pode executar a Cláusula Penal e
ainda exigir PD!
Limites para a Cláusula Penal Compensatória
O limite máximo é o valor da obrigação principal, sob pena de invalidade – art.
412, CC.
“O
“O valor da cláusula penal apenas não pode exceder o da obrigação principal e
vencido o prazo da obrigação (...) incorre este, de pleno direito, na pena
convencional. A cláusula penal, nos termos da doutrina e da jurisprudência,
representa o valor das perdas e danos fixado antecipadamente (...)”
(TJPR, AC 7.052, Rel. Silvia Wolff, j. 15-8-2000).

Art. 416, CC – prejuízo maior que o estabelecido na cláusula


penal
O credor somente poderá exigir indenização maior se isto tiver sido
possibilitado no NJ e
Deverá provar o prejuízo que excedeu o valor da cláusula penal

Art. 413 CC – O juiz deve reduzir eqüitativamente o valor da


cláusula penal quando:
Quando for excessiva ou
Quando a obrigação já tiver sido cumprida em parte (para evitar
enriquecimento sem causa)

b) Moratória – para o caso de descumprimento


de alguma cláusula específica ou
em caso de mora.

OBS - Seu valor será sempre inferior ao da cláusula penal compensatória, já


que objetiva apenas a pré-liquidação de danos decorrentes do atraso ou do
inadimplemento de uma cláusula.
Em ocorrendo a mora, o credor pode exigir cumulativamente a cláusula penal e
a execução da obrigação principal – art. 411, CC.

Limites para a Cláusula Penal Moratória


Limitemáximo: 10% do valor da obrigação principal.
Aplicação da Lei da Usura (Decreto-lei 22.626, de 1933), art.
8 e 9.
Contratos de Consumo – CDC, art. 52, § 1. – limite máximo:
2% do valor da obrigação principal
Nulidade da obrigação principal
O acessório segue o principal!
Se a obrigação principal for nula, assim também o será a
cláusula penal.
Art. 92 CC – trata dos bens, mas pode ser aplicado para as
obrigações.

DAS ARRAS OU SINAL


Conceito
São o sinal, valor dado em dinheiro ou o bem móvel entregue por uma
parte à outra, quando do contrato preliminar, visando trazer a
presunção de celebração do contrato definitivo.

“Tudo quanto uma das partes contratantes entrega à outra, como


penhor (garantia) da firmeza da obrigação contraída.” (Beviláqua)

Tipos de Arras
Arras confirmatórias
Seu objetivo é firmar presunção de acordo final; de princípio de pagamento.
Prestadas as arras, as partes não poderão voltar atrás.

Art. 417, CC. Se, por ocasião da conclusão do contrato, uma parte der à outra,
a título de arras, dinheiro ou outro bem móvel, deverão as arras, em caso de
execução, ser restituídas ou computadas na prestação devida, se do mesmo
gênero da principal.

Em caso de inadimplemento, cabe perdas e danos

Art. 418, CC.


CC. Se a parte que deu as arras não executar o contrato, poderá a outra tê-lo por
desfeito, retendo-as; se a inexecução for de quem recebeu as arras, poderá quem as deu
haver o contrato por desfeito, e exigir sua devolução mais o equivalente, com atualização
monetária segundo índices oficiais regularmente estabelecidos, juros e honorários de
advogado.
advogado.
Art. 419, CC.
CC. A parte inocente pode pedir indenização suplementar, se provar maior prejuízo,
valendo as arras como taxa mínima. Pode, também, a parte inocente, exigir a execução do
contrato, com as perdas e danos, valendo as arras como mínimo da indenização.

Arras penitenciais
Ocorrem no caso de constar no contrato a possibilidade de arrependimento.
Aqui, as arras tem função unicamente indenizatória (incluída a penalidade), e não
a de confirmar o contrato definitivo.
Deve haver cláusula expressa no contrato prevendo o direito de arrependimento.
Nas arras penitenciais não cabe falar em indenização suplementar!***
Art. 420, CC.

Súmula 412,STF
“No compromisso de compra e venda com cláusula de
arrependimento, a devolução do sinal, por quem o deu, ou
a sua restituição em dobro, por quem a recebeu, exclui
indenização a maior, a título de perdas e danos, salvo os
juros moratórios e os encargos do processo.”