You are on page 1of 146

1

2
MUNDO FÍSICO Finalmente, a Home Page Mundo Fı́sico, resultado de ou-
tro projeto, abrangendo como temas assuntos relacionados à
A Fı́sica como você nunca viu! Fı́sica, desde aplicações, informes, curiosidades e descober-
tas. Esta home page pretende auxiliar a instrumentalizar
os alunos do ensino médio e da própria Universidade para
Nossa Apostila uma melhor compreensão de conceitos fı́sicos e aplicações
tecnológicas. Essa página centraliza, amplia e divulga os
A edição dessa apostila, coroa os esforços feitos nos últimos resultados obtidos nos outros projetos, servindo como base
dois anos onde realizou-se o curso pré-vestibular, cada vez de partida para novas idéias e possibilidades sugeridas pe-
mais enfocado no vestibular da UDESC, e cada vez envol- los alunos da UDESC, e pelos internautas que nos visitam
vendo uma equipe maior e mais qualificada de alunos, pro- diariamente. A página ainda não completou um ano de ati-
fessores e colaboradores. vidades no ar, mas já conta com mais de 10 mil acessos,
chegando hoje a mais de 300 acessos diários.
Adaptada ao novo vestibular UDESC 2005, esperamos que
esse material seja suficiente para a revisão dos conteúdos Todos os quatro projetos canalizam os esforços de dezenas,
exigidos pela Universidade. talvez centenas de alunos, alguns professores e colaborado-
res, que sem medir esforços, se dispuzeram a fazer com que
Advertimos aos alunos que as aulas semanais, oito de Fı́sica, idéias simples se tronassem realidade.
quatro de Quı́mica e quatro de Matemática, apenas, não
serão suficientes para a revisão completa dos conteúdos da Nosso Endereço na Internet
nossa Apostila, exigindo dos mesmos, algumas horas de lei-
tura e estudo caseiro, trabalhando em exercı́cios comple- http://www.mundofisico.joinville.udesc.br
mentares especialmente selecionados para essas atividades
extra-classe. Convidamos a todos para que visitem o nosso site!

Projetos de Extensão
O projeto de extensão Entendendo a Fı́sica para o Ves-
tibular desenvolve atividades de Ensino de Fı́sica e Ma-
temática para alunos da Rede Estadual de Santa Cata-
rina ministrando aulas para os estudantes e preparando-
os para ingressarem na Universidade. Haverá desta forma
maior divulgação desta Instituição e dos cursos que ela ofe-
rece. Paralelamente, desenvolve-se um programa social de
assistência às comunidades carentes de Joinville, através da
doação de 40 cestas básicas com alimentos. Queremos, com
este projeto, que os futuros licenciados em Fı́sica estejam
cada vez mais compromissados com a formação de cidadãos
crı́ticos e melhor preparados para sua inserção social.

Outro o projeto chamado A Fı́sica na Escola prevê a


formação de um grupo de alunos voluntários que ministrarão
palestra nas escolas públicas de ensino médio de Joinville,
abordando assuntos relacionados à Fı́sica e suas aplicações.
O aluno atendido pelo projeto, terá maior acesso ao conhe-
cimento cientı́fico e sua relação com o dia-a-dia, e poderá
conhecer um pouco mais da história da Fı́sica, suas relações
com os aspectos culturais, polı́ticos, sociais e econômicos,
e terá contato com futuros professores de Fı́sica, e poderá
conhecer um pouco melhor o ofı́cio do ensino, essa profissão
promissora e fundamental para o desenvolvimento do nosso
paı́s.

Outro projeto, o Jornal do Mundo Fı́sico é uma publicação


mensal, abrangendo como temas assuntos relacionados à
Fı́sica, desde aplicações, informes, curiosidades e desco-
bertas. Este jornal pretende, além de instrumentalizar os
alunos do ensino médio e da própria Universidade para
Joinville-SC, 5 de outubro de 2004
compreensão e respectiva aplicação tecnológica, promover
condições para que os alunos possam transformar cada vez Professor Luciano Camargo Martins
mais a si e a seu mundo. A tiragem mensal é de 1.500 Coordenador do Mundo Fı́sico
exemplares e o jornal pode ser lido pela internet. e-Mail: dfi2lcm@joinville.udesc.br
Sumário

FÍSICA
1

Fı́sica A – Aula 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1

Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Uma Força Constante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Uma Força Variável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Tipos de Forças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Potência P . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Energia cinética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Teorema Trabalho-Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Fı́sica A – Aula 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

Energia Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Energia Potencial Gravitacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Força Elástica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Energia Potencial Elástica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Fı́sica A – Aula 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

Trabalho e Energia Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5


Forças Conservativas e Dissipativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
A Conservação da Energia Mecânica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Degradação da Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
Fı́sica B – Aula 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

Grandezas Fı́sicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
Sistema Internacional(SI) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
Notação Cientı́fica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
ii

Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Fı́sica B – Aula 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

Algarismos Significativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Critérios de Arredondamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
REGRAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Operações com Algarismos Significativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Relações entre Grandezas Fı́sicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Como Construir um Gráfico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Fı́sica B – Aula 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

Grandezas Escalares e Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12


Grandezas Escalares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Grandezas Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Fı́sica B – Aula 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

A Primeira Lei de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15


O Conceito de Força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
A Primeira Lei de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
O que é Inércia? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Equilı́brio de uma Partı́cula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Fı́sica C – Aula 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

As Leis de Kepler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
A Lei das Órbitas (1609) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
A Lei da Áreas (1609) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
A Lei dos Perı́odos (1618) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Fı́sica C – Aula 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

Gravitação Universal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Uma Força Elementar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Fı́sica C – Aula 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

Fluidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
iii

Densidade e Massa especı́fica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20


Pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Pressão Hidrostática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Pressão Manométrica e Absoluta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Fı́sica C – Aula 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

Hidrostática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Lei de Stevin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Princı́pio de Pascal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Princı́pio de Arquimedes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.1 Exercı́cios Complementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Fı́sica D – Aula 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

Cinemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Movimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Ponto Material . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Repouso, Movimento e Referencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Trajetória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Deslocamento × Distância Percorrida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Deslocamento Escalar ∆s . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Velocidade Escalar Média . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Velocidade Escalar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Aceleração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Aceleração Escalar Média (am ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Fı́sica D – Aula 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

Movimento Uniforme (MU) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27


Equação Horária do MU . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Gráfico da Velocidade v × t . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Gráfico da Posição x × t . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Fı́sica C – Aula 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

Movimento Uniformemente Variado (MUV) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29


Aceleração e Velocidade no MRUV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Posição versus tempo no MRUV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
A Equação de Torricelli . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
iv

Fı́sica D – Aula 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

Queda Livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Convenções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Velocidade Escalar Final . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Tempo de Queda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Lançamento Vertical . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Fı́sica D – Aula 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Movimento Circular Uniforme (MCU) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33


Movimento Periódico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Perı́odo (T ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Frequência (f ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Velocidade Escalar v . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Velocidade Angular ω . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Vetores no MCU . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Fı́sica D – Aula 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

Termodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Calor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Escalas Termométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Conversão de Temperaturas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Intervalos de Temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Fı́sica E – Aula 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

Eletricidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Carga Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Tipos de Materiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Eletrização por Atrito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Eletrização por Contato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Eletrização por Indução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Fı́sica E – Aula 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

Eletricidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Eletroscópio de Folhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
A Lei de Coulomb . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
v

Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Fı́sica E – Aula 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

Campo Elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
O Vetor Campo Elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Cálculo do Campo Elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Campo Elétrico Uniforme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Fı́sica E – Aula 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

Potencial Elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Diferença de Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Fı́sica E – Aula 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

Superfı́cies Equipotenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Fı́sica E – Aula 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

Condutores em Equilı́brio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Equilı́brio Eletrostático . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
O Poder das Pontas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Condutor Oco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Potencial Elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Condutor Esférico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Blingdagem Eletrostática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Como Funciona o Pára-Raios? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Saiba Mais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Capacidade Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Unidades SI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Capacitores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Fı́sica E – Aula 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

Associação de Capacitores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Associação de Capacitores em Série . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Associação de Capacitores em Paralelo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Energia de um Caacitor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
vi

Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54

QUÍMICA
55

Quı́mica A – Aula 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

Estrutura Atômica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Modelos Atômicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Resumo do Modelo de Rutherford . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Representação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Quı́mica A – Aula 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

Modelos Atômicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
O Modelo Atômico de Bohr . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
O Modelo Atômico Atual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Quı́mica A – Aula 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

Ligações Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Estabilidade dos Átomos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Teoria do Octeto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Classificação dos Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Estruturas de Lewis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Quı́mica A – Aula 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

Ligações Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Ligação Iônica ou Eletrovalente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Ligação Metálica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Ligação Covalente ou Molecular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Quı́mica A – Aula 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

A Estrutura da Matéria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Propriedades Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Os Gases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
vii

Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Quı́mica A – Aula 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

Teoria Cinética dos Gases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67


Gás Ideal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Gás Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Leis dos Gases Ideais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Lei Combinada dos Gases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Lei dos Gases Ideais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Lei das Pressões Parciais de Dalton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Volumes Parciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Mudanças de Estado Fı́sico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Fusão e Solidificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Vaporização e Condensação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Diagrama de Fases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Sublimação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Quı́mica A – Aula 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70

Ácidos e Bases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Ácidos e Bases de Arrhenius . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Nomenclatura dos Ácidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Bases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Caracterı́sticas das Bases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Classificação das Bases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Outros Conceitos de Ácidos e Bases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Conceitos de Brönsted-Lowry . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Par Conjugado Ácido–Base . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Conceito de Lewis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Comparando Coceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Estequiometria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
O mol . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Quı́mica A – Aula 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

Soluções Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Concentração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Tı́tulo τ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Porcentagem em Massa P . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Concentração Comum C . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Molaridade M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Equivalente-Grama . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Número de Equivalentes-Gramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Normalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
viii

Resumo das Principais Equações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74


Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Quı́mica B – Aula 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

O que é Quı́mica? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Um Pouco de História... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
A Importância da Quı́mica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Método Cientı́fico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Fenômenos Quı́micos e Fı́sicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Quı́mica B – Aula 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77

Matéria e Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Lei da Conservação da Massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Estados da Matéria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Mudanças de Estado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Partı́culas e Átomos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Elementos e Substâncias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Sistemas e Misturas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
Quı́mica B – Aula 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79

Metais, Semimetais e Ametais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79


Isótopos e Isóbaros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
Classificação dos Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
Íons e Valência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
Propriedades Periódicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Quı́mica B – Aula 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

Propriedades Periódicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Tamanho do Átomo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Potencial de Ionização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
Eletroafinidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
Eletronegatividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
Reatividade Quı́mica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
Densidade (ρ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Volume Atômico v . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Ponto de Fusão (PF ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
ix

Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Quı́mica B – Aula 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84

Ligações Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Compostos Iônicos e Moleculares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Quı́mica B – Aula 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85

Ligações Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Geometria Molecular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Forças Intermoleculares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Quı́mica B – Aula 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

Equações e Reações Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88


Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Determinação dos Coeficientes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Dicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Tipos de Reações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Para Saber Mais! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Você Sabia? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Matemática A – Aula 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

Relações e Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
Relações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
Tipos de Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Matemática A – Aula 02 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96

Funções Polinomiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
0
Função Polinomial de 1 Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
o
Função Polinomial de 2 grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Matemática A – Aula 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99

Funções Especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Função Modular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Cuidado! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
x

Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Função Exponencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
Matemática A – Aula 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

Funções Especiais (II) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101


Função Logarı́tmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
Funções Trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
Relações trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Transformações Trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Matemática B – Aula 01 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Notação Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Tipos de matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Igualdade de Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
Matemática B – Aula 02 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

Operações com Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106


Adição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
Subtração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Multiplicação por um Número Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Multiplicação de Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Inversão de Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
Matemática B – Aula 03 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108

Determinantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
Determinante de 1a Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
Determinante de 2a Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
Determinante de 3a Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
Menor Complementar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
Cofator . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
Teorema de Laplace . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
Propriedades dos determinantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
xi

Matemática C – Aula 01 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111

Teoria dos Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111


História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
Conjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
Representação de Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
Classificação dos Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
Igualdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
Subconjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
Conjunto das Partes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
Operações com Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
Matemática C – Aula 02 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

Conjuntos Numéricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115


O Nascimento do Número . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
Conjuntos Numéricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
Operações com Números Inteiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
Potenciação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
Matemática C – Aula 03 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

Números complexos (C) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117


Potências Naturais de i . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
Forma Algébrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
Igualdade de Complexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
Operações com Complexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
Representação Geométrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
Módulo de um número complexo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
Argumento de um Complexo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
Forma Trigonométrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
Matemática C – Aula 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120

Razões e Proporções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120


Razão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
Escala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
Proporção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
Grandezas Diretamente Proporcionais: (GDP) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
Grandezas Inversamente Proporcionais (GIP) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
xii

Matemática C – Aula 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122

Regras de Três Simples e Composta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122


Regra de Três Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
[Regra de Três Composta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
3.1 Exercı́cios Complementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
Matemática C – Aula 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123

Juros e Porcentagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123


Juros Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
Porcentagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
Razão Centesimal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
Fator de Multiplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
Análise Combinatória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
Princı́pio Fundamental da Contagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
Fatorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
Matemática C – Aula 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128

Arranjo, Combinação e Permutação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128


Arranjos Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Combinações Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Permutações Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Exercı́cios de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Mais Exercı́cios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

Tabela Periódica 131


Fı́sica

onde F é o módulo da força constante e d é o deslocamento


Fı́sica A Aula 1 (em módulo). O sinal + é usado quando a força e o des-
locamento possuem o mesmo sentido, e o sinal −, quando
possuem sentidos contrários.
Importante
Energia Observe que o trabalho é uma grandeza escalar, apesar de
ser definida a partir de dois vetores (F e d).
A energia se apresenta de diversas formas na natu-
Unidades
reza. Por exemplo os alimentos que nos proporcionam
energia quı́mica, a combustão da gasolina libera energia
térmica, energia elétrica é utilizados em diversos aparelhos, 1 N · m = 1 J = 1 joule = 107 erg
transformando-se em energia sonora, energia luminosa, etc.
Para medir a quantidade de energia transferida de um corpo
1 kJ = 103 J
para outro vamos introduzir o conceito de trabalho.
Quando a força for aplicada ao corpo formando um ângulo
φ com a horizontal, temos a seguinte fórmula mais geral:
Trabalho
W = F d cos φ (1.2)
O significado da palavra trabalho, na Fı́sica, é diferente do
seu significado habitual, empregado na linguagem comum. onde F é o módulo da força constante, d é o deslocamento
O trabalho, na Fı́sica é sempre relacionado a uma força (em módulo) e φ o ângulo entre os vetores F e d, ou seja,
que desloca uma partı́cula ou um corpo. Dizemos que uma entre a direção da força e o deslocamento.
força F realiza trabalho quando atua sobre um determinado
corpo que está em movimento. A partir dessa descrição
podemos dizer que só há trabalho sendo realizado se houver
deslocamento, caso contrário o trabalho realizado será nulo.
Assim, se uma pessoa sustenta um objeto, sem deslocá-lo,
ela não está realizando nenhum trabalho sobre o corpo.
Quando uma força F atua sobre um corpo no mesmo sentido
de seu movimento (ou deslocamento) ela está favorecendo
o movimento desse corpo, considera-se positivo o trabalho
realizado pela força. Podemos também calcular o trabalho W realizado pela força
F através da área sob a curva do gráfico F × x:

Uma Força Constante


Quando a força F atua no sentido contrário ao movimento
do corpo, contra o movimento (deslocamento), o trabalho
realizado pela força é considerado negativo.

Desta maneira podemos escrever que trabalho W realizado W ≡ Área sob a curva
por uma força horizontal constante, durante um desloca-
mento horizontal d é: Observe que neste caso deveremos descobrir o sinal do tra-
balho através da análise do gráfico, e do sentido relativo
W = ±F d (1.1) entre a força e o deslocamento (ou do ângulo φ).
2 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Uma Força Variável

0 gráfico abaixo representa a ação de uma força variável que


age sobre um corpo, provocando um deslocamento linear,
desde o ponto x0 até o ponto x00 .

Neste caso, o trabalho pode ser determinado pela área sob


a curva, desenhando-se o gráfico em papel quadriculado, ou
de forma aproximada pela área de um trapézio:

 
F 00 + F 0 Figura 1.1: James Watt (1736-1819)
W = Fd = (x00 − x0 )
2

Observe que essa fórmula considera a força média (aproxi-


mada) multiplicada pelo deslocamento.

Tipos de Forças

Existem diversos tipos de forças que podem atuar em um


corpo: força elástica, força peso, força elétrica, força de Em alguns casos, pode-se escrever W = F d e, substituindo
contato, etc... na equação acima temos

W F dt
P= = = Fv .
Potência P t t
já que v = d/t.
Consideramos duas pessoas que realizam o mesmo trabalho. Unidade de Potência
Se uma delas levar um tempo menor que a outra para a
realização desse trabalho, tem de fazer um esforço maior e,
por tanto, dizemos que desenvolveu uma potência maior. 1 J/s = 1 watt = 1 W
Um carro é mais potente que o outro quando ele “ar-
ranca”mais rápido e atinge uma dada velocidade num in- Energia cinética
tervalo de tempo menor do que o outro carro..
Um aparelho de som é mais potente que o outro quando ele Para variar a velocidade de um corpo em movimento é pre-
ele transforma mais energia elétrica em sonora num menor ciso o concurso de forças externas, as quais realizam certo
intervalo de tempo. Uma máquina é caracterizada não só trabalho. Esse trabalho é uma forma de energia que o corpo
pelo trabalho que ela efetua, mas pelo trabalho que pode absorve (ou perde) pelo fato de estar em movimento em
efetuar em determinado tempo. relação a um dado sistema de referência.
Então podemos concluir que potência é o trabalho realizado Chamamos essa energia de movimento de energia de
durante um determinado tempo, ou seja: cinética. Para uma partı́cula de massa m e velocidade v
a energia cinética é:
1
P = W/t Ec = mv 2
2
Fı́sica A – Aula 1 3

e assim como o trabalho, mede-se a energia cinética em 3. (UMC-SP) Sobre trabalho, potência e energia, pode-se
joules. afirmar que:
a) potência e energia são sinônimos.
b) trabalho e potência se expressam com a mesma unidade.
Teorema Trabalho-Energia c) para trabalho e energia usa-se a mesma unidade.
d) potência é a capacidade de realizar trabalho.
Suponhamos que FR seja a resultante das forças que atuam
e) trabalho é a relação energia-tempo.
sobre uma partı́cula de massa m. O trabalho dessa resul-
f) para trabalho e energia usa-se a mesma unidade.
tante é igual à diferença entre o valor final e o valor inicial
da energia cinética da partı́cula:
1 1 4. O produto da força pelo deslocamento do corpo em que
W = ∆Ec = mvf2 − mvi2
2 2 ela atua está associado com:
a) trabalho
Esse enunciado, conhecido como teorema do trabalho-
b) potência
energia indica que o trabalho da resultante das forças que
c) distância
atua sobre uma partı́cula modifica sua energia cinética.
d) aceleração
e) velocidade
Pense um Pouco!
• Que trabalho realizamos sobre um corpo que é levan-
tado a uma determinada altura? Esse trabalho seria
positivo ou negativo? Exercı́cios Complementares
• Se você pudesse segurar um elefante a uma determinada
altura, você estaria realizando trabalho? Por quê?
• Um menino puxa um carrinho sem rodas, por um bar-
bante. 5. (UFSC) O gráfico a seguir representa a resultante das
forças, em newtons, que atuam num corpo de massa igual
1. Há algum trabalho sendo realizado sobre o carri- a 10, 0 kg, em função do deslocamento total em metros.
nho? Por quê? O trabalho é positivo ou negativo. Supondo que a velocidade é de 14 12 m/s, determine, em
2. O menino desenvolve alguma potência? Por quê? m/s, a velocidade do corpo depois de percorrer 40, 0 m.
3. O carrinho tem energia cinética? Por quê?

Exercı́cios de Aplicação

1. (ESAL-MG) Um homem está em repouso com um cai-


xote também em repouso às costas.
a) Como o caixote tem um peso, o homem está realizando
trabalho.
b) O homem está realizando trabalho sobre o caixote pelo
fato de o estar segurando
c) O homem está realizando trabalho pelo fato de estar fa-
zendo força.
d) O homem não realiza trabalho pelo fato de não estar se
deslocando.
e) O homem não realiza trabalho pelo fato de o caixote estar
sujeito à aceleração da gravidade.

2. (UFSE) Um corpo está sendo arrastado por uma su-


perfı́cie horizontal com atrito, em movimento uniforme.
Considere as afirmações a seguir: I. O trabalho da força
de atrito é nulo. II. O trabalho da força peso é nulo. III.
A força resultante que arrasta o corpo é nula. Dentre as
afirmações:
a) É correta a I, somente.
b) É correta a II, somente. 6. Um projétil de massa 10, 0 g penetra com velocidade
c) É correta a III, somente. horizontal de 100 m/s e sai de uma tábua de espessura de
d) São incorretas I, II, III. 10, 0 mm, com velocidade de 90, 0 m/s. Calcule a força com
e) São corretas II e III. que a tábua exerce sobre o projétil.
4 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Força Elástica
Chamamos de corpos elásticos aqueles que, ao serem de-
formados, tendem a retornar à forma inicial.

7. Um móvel de massa 2, 90 kg é submetido à uma força


constante e adquire, a partir do repouso, a velocidade de
20, 0 m/s em 8, 00 s. Calcule:
a) o trabalho W realizado pela força;
b) a potência P desenvolvida pela força;

Fı́sica A Aula 2
Figura 1.1: Robert Hooke (1635-1703)

Uma mola helicoidal, feita geralmente de aço, como carac-


Energia Potencial terı́stica própria uma constante elástica k, que define a
proporcionalidade entre a intensidade força F aplicada e a
Um corpo possui energia quando é capaz de realizar traba- respectiva deformação x causada na mola. A lei de Hooke
lho. Suponha, então, um corpo situado a uma certa altura relaciona essas quantidades na forma
acima do solo. Se este corpo for abandonado, chegando ao
solo, é fácil perceber que será capaz de realizar um certo F = −kx
trabalho: amassar um objeto, perfurar o solo, etc. Pode-se
pois concluir que aquele corpo possuı́a energia na posição Observe que x mede a deformação linear da mola a partir
elevada. do seu tamanho de equilı́brio (sem força).
A energia que um corpo possui, em virtude de estar situado Atrvés a equação acima, pode-se ver que a unidade SI da
a uma certa altura acima da superfı́cie da Terra, é denomi- constante elástica deve ser N/m. Na prática, a constante
nada energia potencial gravitacional. Há outras situações, k mede a “dureza´´ da mola: quanto maior o valor de k,
semelhantes a essa, nas quais um corpo também possui ener- mais difı́cil será a sua deformação, ou seja, mais força será
gia em virtude da posição que ele ocupa. Por exemplo, um necessária para deformá-la uma certa quantidade x.
corpo situado na extremidade de uma mola comprimida (ou
esticada) possui energia em virtude de sua posição. Se um
corpo comprimir uma mola e soltarmos esse corpo, ele será Energia Potencial Elástica
empurrado pela mola e poderá realizar trabalho. Neste caso,
a energia que o corpo possui na ponta da mola comprimida Quando aplicamos uma força e deformamos uma mola esta-
ou esticada é denominada energia potencial elástica. mos transferindo a ela uma energia, essa energia fica arma-
zenada na mola. Definimos que a energia armazenada em
uma mola comprimida ou distendida é chamada de energia
Energia Potencial Gravitacional potencial elástica, através de

1 2
Para uma massa m a uma altura h acima do solo, nosso Ep = kx
2
referencial usual de energia zero, podemos definir a energia
potencial gravitacional Ep como
Pense um Pouco!
Ep = mgh
• A energia potencial gravitacional depende da ace-
onde g é a aceleração da gravidade. No SI, g vale aproxi- leração da gravidade, então em que situações essa ener-
madamente 9, 8 m/s2 . gia é positiva, nula ou negativa?
Fı́sica A – Aula 3 5

• A força elástica depende da massa da mola? Por quê? a) Determine a enregia potencial elástica armazenada na
mola.
• Se uma mola é comprimida por um objeto de massa b) Se apenas energia da mola for utilizada integralmente
grande, quando solto a mola não consegue se mover, o para impulsionar um bloco de 100 g, qual é a velocidade
que acontece com a energia potencial elástica? máxima adquirida pelo bloco?

7. Qual o trabalho necessário para se comprimir uma mola,


Exercı́cios de Aplicação cuja constante elástica é 500 N/m, em 10, 0 cm?

8. Um menino situado no alto de um edifı́cio, segura um


1. Um garoto atira uma pedra para cima com um estilin- corpo de massa 1, 5 kg a uma altura igual a 10 m acima do
gue. solo.
a) Qual a forma de energia armazenada no estilingue? a) Qual a energia potencia gravitacional do corpo naquela
b) Que forma de energia possui a pedra quando atinge sua posição?
altura máxima? b) Qual a energia potencia gravitacional do mesmo corpo,
c) Existe energia no estilingue depois do lançamento? Co- quando situado a 6, 0 m do chão?
mente.

2. Um para-quedista desce com velocidade constante, de-


pois de um certo tempo de queda. Fı́sica A Aula 3
a) O que acontece com sua energia potencial Ep ?
b) Sua energia cinética está variando? Comente.

3. Um indivı́duo encontra-se sobre uma balança de mola,


pisando sobre ela com seus dois pés. Se ele levantar um
Trabalho e Energia Potencial
dos pés e mantiver o outro apoiado, no interior de um ele-
vador completamente fechado, quando observa que o peso
indicado na balança é zero. Então, conclui que:
a) está descendo com velocidade constante
b) o elevador está com aceleração igual à da gravidade
c) a força de atração gravitacional exercida sobre ele é anu-
lada pela reação normal do elevador
d) a balança está quebrada, visto que isto é impossı́vel

4. Duas pedras, sendo uma de 20 kg e outra de 30 kg, estão


a 500 m de altura em relação ao solo. Você diria que:
a) ambas as pedras têm igual energia potencial;
b) a pedra de menor massa tem maior energia potencial
c) nada podemos afirmar com relação à energia potencial
das pedras
d) a pedra de massa menor tem maior capacidade de realizar
trabalho
e) a pedra de maior massa tem maior energia potencial

5. (UFRN) Uma mola heliciodal, de massa desprezı́vel,


está suspensa verticalmente e presa a um suporte horizon-
tal. Quando se pendura um corpo de 40 kg na extremidade
livre dessa mola, ela apresenta deformação de 2, 0 cm para
o sistema em equilı́brio. Se acrescentarmos a essa massa
outra de 10 kg, no ponto de equilı́brio, a nova deformação
será de:
a) 3,0 m
b) 2,5 cm
c) 2,0 m Figura 1.1: James Prescott Joule (1818-1889).
d) 1,5 cm
e) 1,0 m
A energia potencial gravitacional está relacionada à posição
de um corpo no campo gravitacional. Em geral, quando
movemos o corpo, alteramos sua energia potencial.
Exercı́cios Complementares
Para elevar um corpo em equilı́brio do solo até uma altura
h, devemos aplicar uma força que prealizará um trabalho
6. Uma mola cuja constate elástica é 1000 N/m encontra-se (positivo) de mesmo módulo que o trabalho realizado pela
comprimida em 10 cm. força peso do corpo (negativo).
6 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

mecânica desse corpo se conserva. Por este motivo, as forças


citadas são denominadas forças conservativas. Exemplo:
ao dar corda em um relógio, você está armazenando ener-
Fext.= −P gia potencial elástica numa mola, e essa energia estará dis-
ponı́vel para fazer com que o relógio trabalhe durante um
     certo tempo. Isso só é possı́vel porque a energia elástica foi
      armazenada (conservada).

  m     Por outro lado, se existissem forças de atrito atuando du-


rante o deslocamento do corpo, sua energia mecânica não se
     conserva, por que parte dela (ou até ela toda) se dissipa sob
     forma de calor. Por isso dizemos que as forças de atrito são
forças dissipativas. Exemplo: se você arrastar um caixote

P pelo chão horizontal, durante um longo percurso, verá que


todo o trabalho realizado foi perdido, pois nenhuma parte
dessa energia gasta foi armazenada, ou está disponı́vel no
caixote.

Figura 1.2: Um corpo sendo suspenso em equilı́brio. A Conservação da Energia Mecânica


Um sistema mecânico no qual só atuam forças conservativas
O trabalho realizado pela força externa Fext. , é armazenado
é dito sistema conservativo, pois a sua energia mecânica
no sistema corpo-Terra na forma de energia potencial gra-
(E) se conserva, isto é, mantém-se com o mesmo valor em
vitacional Ep , e vale:
qualquer momento ou posição, podendo alternar-se nas suas
Ep = −mgh formas cinética e potencial (gravitacional ou elástica):
se definirmos o valor zero (Ep = 0) no chão, onde h = 0. E = E c + Ep
Já para o sistema massa-mola, temos uma força externa
sendo aplicada no sistema fazendo com que a mola sofra
uma deformação, sendo essa força Degradação da Energia
F = −kx A energia está constantemente se transformando, mas não
pode ser criada nem destruı́da.
o trabalho W externo necessário para esticar a mola uma
quantidade x será
1 • Em uma usina hidrelétrica, a energia mecânica da
W = kx2 queda d’água é transformada em energia elétrica.
2
e chamamos essa energia, agora armazenada na mola, de • Em uma locomotiva a vapor, a energia térmica é trans-
energia potencial elástica. formada em energia mecânica para movimentar o trem.

• Em uma usina nuclear, a energia proveniente da fissão


dos núcleos atômicos se transforma em energia elétrica.

• Em um coletor solar, a energia das radiações proveni-


entes do sol se transforma em energia térmica para o
aquecimento de água.

Pense um Pouco!
• Um corpo cai sobre uma plataforma apoiada numa
mola e volta a subir. Ele pode atingir, na volta, al-
tura maior do que aquela de que foi abandonado? Por
quê?

• Indique algumas fontes de energia e explique a forma de


Figura 1.3: Uma mola esticada, em equilı́brio. aproveitá-las para a realização de trabalho mecânico.

• Quando se ergue um objeto a uma certa altura, como


Forças Conservativas e Dissipativas se realiza menor trabalho: suspendendo-o diretamente
por uma corda, na vertical, ou transportando-o através
Quando sobre um corpo em movimento atua apenas seu de um plano inclinado (sem atrito) até a altura dese-
peso, ou força elástica exercida por uma mola, a energia jada? Por quê?
Fı́sica B – Aula 1 7

• Compare a energia necessária para elevar de 10 m uma 8. Um corpo de massa 5, 0 kg é elevado do solo a um ponto
massa na Terra e a energia necessária para elevar de situado a 3, 0 m de altura. Considere g = 10 m/s2 . Deter-
10 m a mesma massa na Lua. Explique a diferença. mine:
a) o trabalho realizado pela força peso do corpo nesse des-
locamento;
Exercı́cios de Aplicação b) o aumento na energia potencial gravitaconal do corpo.

9. (Fatec-SP) Um corpo de massa 2, 0 kg escorrega, a partir


1. Quais as transformações de energia que ocorrem quando do repouso do ponto A, por uma pista vertical sem atrito.
um jogador chuta uma bola? Na base da pista, o corpo comprime a mola de constante
elástica 800 N/m. Sendo h = 1, 8 m e g = 10 m/s2 , qual a
2. Quais as principais diferenças entre energia potencial e deformação máxima sofrida pela mola?
energia cinética?

3. Uma força é dita conservativa quando:


a) não realiza trabalho
b) o trabalho por ela realizado não depende da trajetória de
seu ponto de aplicação
c) realiza apenas trabalhos positivos
d) o trabalho por ela realizado não depende da massa do
corpo em que está aplicada
e) dissipa energia térmica
Figura 1.4: Questão 9.
4. Um sistema fı́sico tem energia quando:
a) está sujeito apenas a ações de forças conservativas;
b) está sujeito a forças conservativas e dissipativas;
c) está capacitado a realizar trabalho;
d) possui grande quantidade de átomos
Fı́sica B Aula 1
e) perde calor

Grandezas Fı́sicas
Exercı́cios Complementares
Apesar de existirem muitas grandezas fı́sicas, são estabele-
5. O princı́pio da conservação da energia afirma que: cidos padrões e definidas unidades para que tenhamos um
a) a energia cinética de um corpo é constante número mı́nimo de grandezas denominadas fundamentais.
b) a energia potencial elástica mais a energia cinética é sem- Utilizando as grandezas fundamentais definem-se unidades
pre constante para todas as demais grandezas, as chamadas grandezas de-
c) a energia não pode ser criada nem destruı́da, mas apenas rivadas.
transformada em calor devido aos atritos A partir de uma das grandezas fundamentais, o compri-
d) a energia total de um sistema, isolado ou não, permanece mento por exemplo, cuja unidade é o metro (m), pode-se
constante definir as unidades derivadas, como área (m2 ) e volume
e) a energia não pode ser criada nem destruı́da, mas apenas (m3 ). Utilizando o metro e outra grandeza fundamental,
transformada de uma modalidade para outra a de tempo, definem-se as unidades de velocidade (m/s) e
aceleração (m/s2 ).
6. A energia mecânica de um corpo:
a) é a soma da sua energia potencial e cinética
b) depende apenas do referencial Sistema Internacional(SI)
c) depende da aceleração do corpo
d) é sempre constante, independente do tipo de forças atu- Até o final do século XV III era muito grande a quantidade
antes sobre ele de padrões existentes. Cada região escolhia arbitrariamente
e) depende apenas da velocidade do corpo as suas unidades. Por motivos históricos, os paı́ses de lı́ngua
inglesa utilizam até hoje os seus padrões regionais. O ele-
7. Para esticar uma mola em 40 cm, é necessária uma força vado aumento nos intercâmbios econômicos e culturais levou
de 20 N . Determine: ao surgimento do Sistema Internacional de Unidades ou SI,
a) A constante elástica da mola; o sistema métrico.
b) O trabalho realizado pelo agente externo que estica a Em 1971, a 14a Conferência Geral de Pesos e Medidas es-
mola; colheu sete grandezas como fundamentais, formando assim
c) O trabalho realizado pela mola; a base do SI. Além das grandezas, definiu-se também os
d) O trabalho que seria necessário para deformar a mola em sı́mbolos, unidades derivadas e prefixos. A tabela 1.1 mos-
80 cm; tra as unidades fundamentais do SI. A tabela 1.2 apresenta
e) A força necessária para esticar a mola em 80 cm. algumas unidades derivadas do SI.
8 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Grandeza Unidade Sı́mbolo O módulo de qualquer número g pode ser escrito como um
comprimento metro m produto de uma mantissa a, entre um e dez, por outro, que
massa quilograma kg é uma potência de dez:
tempo segundo s
corrente elétrica ampère A g = a × 10n ,
temperatura kelvin K
onde devemos ter 1 ≤ a < 10.
quantidade de matéria mol mol
intensidade luminosa candela cd
Exemplos
Tabela 1.1: Unidades fundamentais do SI.
• 243 = 2, 43 × 100 = 2, 43 × 102
Grandeza Unidade Sı́mbolo
área metro qua- m2 • 5.315 = 5, 315 × 1000 = 5, 315 × 103
drado
volume metro cúbico m3 • 0, 00024 = 2, 4 × 0, 0001 = 2, 4 × 10−4
densidade quilograma kg/m3 • 0, 00458 = 4, 58 × 0, 001 = 4, 58 × 10−3
por metro
cúbico
velocidade metro por se- m/s Regra Prática
gundo
aceleração metro por m/s2 • Números maiores que 1: deslocamos a vı́rgula para
segundo ao a esquerda, até atingir o primeiro algarismo do número.
quadrado O número de casas deslocadas para a esquerda corres-
força newton N = Kg m/s2 ponde ao expoente positivo da potência de 10.
pressão pascal P a = N/m2 • Números menores do que 1: deslocamos a vı́rgula
trabalho, energia, calor joule J para a direita, até o primeiro algarismo diferente de
potência watt W = J/s zero. O número de casas deslocadas para a direita cor-
carga elétrica coulomb C = As responde ao expoente negativo da potência de 10.
diferença de potencial volt V = J/C
resistência elétrica ohm Ω = V /A

Tabela 1.2: Algumas unidades derivadas do SI.


Pense um Pouco!
Prefixo Sı́mbolo Potência de dez • Quais são as unidades de Peso e de massa? por que
correspondente elas não são iguais?
pico p 10−12
• Um analgésico deve ser inserido na quantidade de
nano n 10−9 3 mg/kg de massa corporal, mas a dose administrada
micro µ 10−6 não pode exceder 200 mg. Cada gota contém 5 mg
mili m 10−3 do remédio. Quantas gotas devem ser prescritas a um
centi c 10−2 paciente de 80 kg?
deci d 10−1
deca D 101
hecto H 102 Exercı́cios de Aplicação
quilo k 103
mega M 106
giga G 109 1. (UENF-RJ) A tabela abaixo mostra as dimensões e as
tera T 1012 unidades, no sistema internacional,

Tabela 1.3: Prefixos, sı́mbolos e potências de dez. Grandeza Dimensão Unidades SI


Comprimento L m (metro)
Massa M kg (quilograma)
Notação Cientı́fica
Tempo T s (segundo)
A medida de uma determinada grandeza fı́sica pode resultar
em um número que seja extremamente grande ou extrema- das grandezas mecânicas primárias:
mente pequeno, por exemplos temos: a) Sabendo que força = massa · aceleração, expresse a uni-
dade de força em unidades de grandezas primárias.
• distância da Terra à Lua: 384.000.000 m. b) Determine os valores de n e p, se a expressão M Ln T n−p
corresponde à dimensão de energia cinética.
• diâmetro de um átomo de hidrogênio: 0, 0000000001 m.
2. (FGV-SP) A dimensão de potência em função das gran-
Para manipular tais números, utilizamos a notação ci- dezas fundamentais, massa (M ), comprimento (L) e tempo
entı́fica, fazendo uso das potências de 10. (T ) é:
Fı́sica B – Aula 2 9

a) M L2 T −2
b) M L2 T −1
c) M L2 T 2
Fı́sica B Aula 2
d) M L2 T −3
e) M LT −2

3. (Unifor-CE) Considerando que cada aula dura 50 min,


Algarismos Significativos
o intervalo de tempo de duas aulas seguidas, expresso em
segundos, é de: A precisão de uma medida simples depende do instrumento
a) 3, 0 × 102 . utilizado em sua medição. Uma medida igual a 2, 00 cm não
b) 3, 0 × 103 . deve ser escrita como 2, 0 cm ou 2 cm.
c) 3, 6 × 103 . Denominamos algarismos significativos todos os algarismos
d) 6, 0 × 103 . conhecidos com certeza, acompanhados de um último duvi-
e) 7, 2 × 103 . doso, que expressam o valor da medida de uma grandeza,
ou seja: todos os algarismos que representam a medida de
uma grandeza são algarismos significativos, sendo chamados
Exercı́cios Complementares de corretos, com exceção do último, que recebe o nome de
algarismo duvidoso.

4. (UFPI) A nossa galáxia, a Vı́a Láctea, contém cerca de O algarismo duvidoso de uma medida será sublinhado para
400 bilhões de estrelas. Suponha que 0, 05% dessas estre- destacá-lo, quando for preciso.
las possuam um sistema planetário onde exista um planeta Exemplos
semelhante à Terra. O número de planetas semelhantes à
Terra, na Vı́a Láctea, é: 1. A medida 2, 35 cm apresenta três algarismos significa-
a) 2 × 104 . tivos (2, 3 e 5), sendo dois algarismos corretos (2 e 3)
b) 2 × 106 . e um algarismo duvidoso (5).
c) 2 × 108 .
d) 2 × 1011 . 2. A medida 0, 00057 mm apresenta somente dois alga-
e) 2 × 1012 . rismos significativos ( 5 e 7), sendo um correto (5) e
um duvidoso (7). Observe que os zeros à esquerda
5. Transforme em quilômetros: não são algarismos significativos, pois servem apenas
a) 3600 m; para posicionar a vı́rgula no número. Nesse caso, é
b) 2160000 cm; aconselhável escrever a medida em notação cientı́fica:
c) 0, 03 m; 5, 7 × 10−4 mm.
d) 5780 dm;
3. A medida 150, 00 km apresenta cinco algarismos signi-
e) 27600 m;
ficativos, sendo os quatro primeiros corretos, e o último
f) 5800 mm;
zero é o algarismo duvidoso. Em notação cientı́fica es-
6. (Unifor-CE) Um livro de Fı́sica tem 800 páginas e 4, 0 cm crevemos: 1, 5000 × 102 km. Note que ao escrever-
de espessura. A espessura de uma folha do livro vale, em mos um número usando as potências de 10 mantemos
milı́metros: a quantidade de algarismos significativos deste número,
a) 0, 025. ou seja, mantemos sua precisão.
b) 0, 050. 4. Considere a medida do comprimento de uma haste com
c) 0, 10. régua com divisões em centı́metros:
d) 0, 15.
e) 0, 20. 0 cm 1 2 3 4 5 6 7

7. Escreva os seguintes números em notação cientı́fica:


a) 570.000
b) 12.500 Qual das opções abaixo melhor representa o compri-
c) 50.000.000 mento da haste?
d) 0, 0000012 a) 5, 0 cm
e) 0, 032 b) 5, 40 cm
f) 0, 72
c) 5 cm
g) 82 × 103
h) 640 × 105 d) 5, 5 cm
i) 9.150 × 10−3 e) 5, 2 cm
j) 200 × 10−5
k) 0, 05 × 103 5. Considere a figura:
l) 0, 0025 × 10−4
0 cm 1 2 3 4 5 6 7
10 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

A mesma haste do exemplo anterior, medida agora com Multiplicação e Divisão


uma régua milimetrada:
O resultado de uma multiplicação e divisão não pode ter
a) 5, 2 cm
maior número de algarismos significativos do que o fa-
b) 5, 240 cm tor mais pobre (em algarismos significativos). Procede-se a
c) 5, 45 cm operação normalmente e arredonda-se o resultado.
Exemplos
d) 5, 24 cm
e) 5, 21 cm • 4, 23 m × 2, 000 m = 8, 46 m2 = 8, 5 m2
6. Indique o número de algarismos significativos de cada • 4, 98 cm ÷ 2, 00 s = 2, 49 cm/s = 2, 5 cm/s
número abaixo:
a) 7, 4 2 significativos
Relações entre Grandezas Fı́sicas
b) 0, 0007 1 significativo
c) 0, 034 2 significativos Muitos fenômenos fı́sicos podem ser reduzidos ao estudo da
relação entre duas grandezas. Quando isto ocorre, os dados
d) 7, 40 × 10−10 3 significativos obtidos das medições podem ser expressos por uma repre-
sentação gráfica num plano cartesiano por meio de dois eixo
perpendiculares entre si.
Critérios de Arredondamento
Através da representação gráfica da relação entre duas gran-
Considere a velocidade da luz c = 2, 9979 . . . × 10 8 m/s. dezas pertencentes a um determinado fenômeno fı́sico, po-
Como devemos proceder para escrever “c” com um número demos obter algumas conclusões sobre o comportamento de
menor de algarismos significativos? Devemos utilizar os uma das grandezas (variável dependente) em relação a outra
critérios de arredondamento. (variável independente).

Podemos escrever: Consideremos o seguinte exemplo: Uma pessoa com febre foi
medicada, ingerindo uma dose do medicamento às 8 horas
c = 2, 998 × 108 m/s 4 significativos e uma outra dose às 12 horas da manhã. A temperatura da
8
c = 3, 00 × 10 m/s 3 significativos pessoa foi verificada de hora em hora e os resultados obtidos
8
c = 3, 0 × 10 m/s 2 significativos são mostrados abaixo.

Tempo (h) Temperatura (◦ C)


REGRAS 0 39,0
1 39,0
• Se o algarismo a ser eliminado é menor que 5, ele é 2 38,5
simplesmente eliminado. 3 38,0
√ 4 38,5
Exemplo: 2 = 1, 41421 . . . = 1, 414
5 37,5
• Se o algarismo a ser eliminado é igual ou maior que 6 37,0
5, ele é eliminado, mas acrescentamos uma unidade no 7 36,5
algarismo anterior. 8 36,5
9 36,5
Exemplo: π = 3, 1415926 . . . = 3, 1416

Podemos representar os dados da tabela acima em um


Operações com Algarismos Significativos gráfico. A representação gráfica das variáveis temperatura
(variável dependente: eixo vertical) e tempo (variável inde-
Adição e Subtração pendente: eixo horizontal) está mostrada na Fig. 1.1.
O resultado da adição e subtração de dois números não pode O gráfico cartesiano mostrado anteriormente, além de faci-
ter maior número de casas decimais, do que a parcela mais litar a visualização do comportamento da temperatura da
pobre (em casas decimais). Procede-se a operação normal- pessoa durante as 9 horas de observação, permite também,
mente e arredonda-se o resultado. algumas conclusões.
Exemplos
Como Construir um Gráfico
• 5, 3 m + 4, 38 m = 9, 68 m = 9, 7 m
Para que gráficos sejam construı́dos de forma objetiva e
• 138, 95 m − 12, 3 m = 126, 65m = 126, 7 m clara é necessário respeitar algumas regras simples:

Sublinhamos o algarismo duvidoso, identificando-o, para a • O eixo vertical é chamado de eixo das abscissas e o
seguir procedermos o arredondamento. horizontal de eixo das coordenadas;
Fı́sica B – Aula 2 11

40.0
Exercı́cios de Aplicação

39.0 1. Determine o comprimento de cada haste:


0 cm 1 2 3 4 5 6 7
38.0
T(oC)

a)
37.0 0 cm 1 2 3 4 5 6 7

36.0 b)
0 cm 1 2 3 4 5 6 7
35.0
0.0 2.0 4.0 6.0 8.0 10.0
c)
t(h)
0 cm 1 2 3 4 5 6 7
Figura 1.1: Gráfico da temperatura em função do tempo
d)
0 cm 1 2 3 4 5 6 7
• a variável dependente deve ser colocada no eixo vertical
e a variável independente no eixo horizontal;
e)
• os eixos devem se encontrar no canto inferior es- 0 cm 1 2 3 4 5 6 7
querdo do papel, ou espaço (retângulo) reservado para
o gráfico; f)
• as escalas são independentes e devem ser construı́das
2. (UFSE) A escala de uma trena tem, como menor divisão,
independentemente;
o milı́metro. Essa trena é utilizada para se medir a distância
• as divisões numéricas das escalas (lineares) devem ser entre dois traços paralelos, muito finos, feitos por um estilete
regulares; sobre uma superfı́cie plana e lisa. Considerando que não
houve erro grosseiro, o resultado de uma só medição, com
• o valor zero (0) não precisa estar em nenhuma das es- o número correto de algarismos significativos, é mais bem
calas; representado por:
a) 2 m
• as escalas devem crescer da esquerda para a direita, e b) 21 dm
de baixo para cima; c) 214 cm
d) 2, 143 m
• antes de iniciar a construção de um gráfico deve-se ve-
e) 2.143, 4 m
rificar a escala a ser usada levando em consideração os
valores extremos, ou seja, o maior e o menor valor assu-
mido por ambas as variáveis do gráfico. Divide-se então
o espaço disponı́vel, em cada eixo, para que acomode
Exercı́cios Complementares
todos os pontos experimentais;
3. (Cesgranrio) Um estudante deseja medir o comprimento
• o teste final para saber se as escalas estão boas é feito
de sua mesa de trabalho. Não dispondo de régua, decide
verificando-se se é fácil de ler as coordenadas de qual-
utilizar um toco de lápis como padrão de comprimento. Ve-
quer ponto nas escalas.
rifica então que o comprimento da mesa equivale ao de 13, 5
tocos de lápis. Chegando ao colégio, mede com uma régua
o comprimento do seu toco de lápis, achando 8, 9 cm. O
Pense um Pouco! comprimento da mesa será corretamente expresso por:
a) 120, 15 cm
• A função da posição x em relação ao tempo t de um b) 120, 2 cm
ponto material em movimento retilı́neo, expressa em c) 1 × 102 cm
unidades do SI, é d) 1, 2 × 102 cm
e) 102 cm
x = 10 + 5, 0t
4. (PUC-MG) Um estudante concluiu, após realizar a me-
Determine: dida necessária, que o volume de um dado é 2, 36 cm 3 .
a) a posição do ponto material no instante 5, 0 s; Levando-se em conta os algarismos significativos, o volume
b) o instante em que a posição do ponto material é total de cinco dados, idênticos ao primeiro, será correta-
x = 50 m; mente expresso por:
c) esboce o gráfico x × t do movimento. a) 6, 8 cm3
12 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

b) 7 cm3 No exemplo anterior do carro, poderı́amos dizer, por exem-


c) 13, 8 cm3 plo, que ele se movimenta num certo instante com veloci-
d) 16, 80 cm3 dade ~v , de módulo v = 80 km/h, na direção norte-sul e sen-
e) 17, 00 cm3 tido de sul para norte. Essa velocidade vetorial instantânea
pode ser representada por um vetor, como mostra a figura
5. Medindo a espessura de um caderno comum de 100 fo- 1.1.
lhas, sem considerar as capas, um estudante obteve a me-
dida de 1, 0 cm. A ordem de grandeza da espessura média
de uma folha é:
a) 10−1 mm
b) 10−2 mm
c) 10−3 mm
d) 10−4 mm
e) 10−5 mm

Fı́sica B Aula 3

Grandezas Escalares e Vetoriais


Figura 1.1: Exemplo de representação vetorial
Na Fı́sica tratamos de dois tipos principais de grandezas: as
grandezas escalares e grandezas vetoriais. Como afirmamos anteriormente, para representar grande-
zas vetoriais é preciso indicar, além do módulo, a direção e
o sentido da grandeza. Podemos fazer essa indicação utili-
Grandezas Escalares zando um vetor (veja a figura 1.2). O vetor pode ser repre-
sentado por um segmento de reta orientado cujo tamanho -
A grandeza escalar é aquela que fica perfeitamente ca- intensidade - é proporcional à intensidade da grandeza que
racterizada quando conhecemos apenas sua intensidade representa.
acompanhada pela correspondente unidade de medida.
Para melhor entendermos o significado e a representação de
Como exemplos de grandeza fı́sica escalar podemos citar a
um vetor, observe a figura 1.3.
massa de um corpo (por exemplo, 50 kg), a temperatura
(por exemplo 36 o C), o volume (5 m3 , por exemplo), a den-
sidade (para a água, 1000 kg/m3 ), a pressão (105 N/m2 ), a
energia (por exemplo 100 J) e muitas outras.
Para operar com grandezas escalares, segue-se as regras de
operações algébricas comuns, arredondando-se quando ne-
Figura 1.2: A reta s, que contém o vetor, indica a direção
cessário.
e a seta indica o sentido

Grandezas Vetoriais
Dada a velocidade instantânea de um móvel qualquer (por
exemplo, um carro a 80 km/h), constatamos que apenas
essa indicação é insuficiente para dizermos a direção em que
o móvel segue. Isso acontece porque a velocidade é uma
grandeza vetorial.
Para uma grandeza fı́sica vetorial ficar totalmente caracte-
rizada, é necessário saber não apenas a sua intensidade ou
módulo mas também a sua direção e o seu sentido. Ge-
ralmente a grandeza vetorial é indicada por uma letra com
uma setinha (por exemplo, ~v ) e o módulo ou intensidade,
por |~v | ou simplesmente por v. Figura 1.3: Representação de algums vetores
A grandeza fı́sica vetorial pode ser representada grafica-
mente por um segmento de reta (indicando a direção da Na figura de cima os vetores representados possuem mesma
grandeza) dotado de uma seta (indicativa de seu sentido) e direção e sentido; na figura de baixo os vetores apresentam
trazendo ainda seu valor seguido da unidade de medida (in- a mesma direção e sentidos opostos. Portanto, podemos
dicação de seu módulo ou intensidade). Tal representação é notar que vetores de mesma direção são paralelos, o que
denominada vetor. não garante que tenham o mesmo sentido.
Fı́sica B – Aula 3 13

Soma de Vetores Paralelos

Quando os vetores tem a mesma direção, podemos deter-


minar o módulo do vetor soma estabelecendo convencional-
mente um sentido como positivo e somando algebricamente
os seus módulos. Observe:

Figura 1.4: De acordo com a convenção adotada, o Figura 1.5: O deslocamento d~ equivale aos deslocamentos d~1
módulodo vetor será d = a + b − c. e d~2 . Portanto d~ = d~1 + d~2 .

Os vetores ~a, ~b e ~c possuem a mesma direção (horizontal).


Adotamos como positivo o sentido horizontal para a direita. Soma de Vetores
Assim, os vetores ~a e ~b são positivos e o vetor ~c é negativo.
~ é dado por A soma de vetores perpendiculares entre si ou de direções
O módulo do vetor soma, d,
quaiaquer não apresenta muita diferença. Para um móvel,
d=a+b−c partir de A e atingir B num deslocamento d~1 e, em seguida,
atingir C num deslocamento d~2 equivale a partir de A e atin-
Se obtermos um valor positivo para d, ~ isso significa que seu gir C num deslocamento d~ (veja figura 1.7). Desta forma,
sentido é positivo, ou seja, o vetor é horizontal para a direita;
se for negativo, o seu sentido é negativo, isto é, o vetor é d~ = d~1 + d~2
horizontal para a esquerda.
Na determinação do módulo do vetor d~ resultante, não po-
Vetores Perpendiculares demos aplicar o teorema de Pitágoras, tendo em vista que
o ângulo entre d~1 e d~2 não é reto (90o ). Assim, aplicamos a
Imaginaremos agora, que um móvel parte de um ponto A e regra do paralelogramo, como mostra a figura 1.8.
sofre um deslocamento d~1 no sentido leste, atingindo um Os vetores ~a e ~b formam um paralelogramo cuja diagonal é o
ponto B e, em seguida, um deslocamento d~2 no sentido vetor resultante ~c. De acordo com a regra do paralelogramo,
norte, atingindo um ponto C (veja a figura 1.5) se ~a e ~b formam entre si um ângulo α, o módulo do vetor
Podemos notar facilmente que o deslocamento d~1 , de A para resultante ~c será dado pela expressão:
B, e o d~2 , de B para C, equivalem a um único deslocamento,
~ de A para C. Desta forma, o deslocamento d~ é a soma
d, c2 = a2 + b2 + 2ab · cos α
vetorial ou resultante dos deslocamentos d~1 e d~2 , ou seja,

d~ = d~1 + d~2 Decomposição de Vetores

Este resultado é válido para qualquer grandeza vetorial. Ao somarmos dois vetores, podemos obter um único vetor,
Veja a figura 1.6. o vetor resultante, equivalente aos dois vetores somados. Ao
decompormos dois vetores, realizamos um processo inverso.
Os vetores ~a e ~b tem como vetor soma resultante o vetor ~c.
Dado um vetor ~a, obtêm-se outros dois vetores a~x e ~ay tal
É crucial notar que a colocação do vetor ~b na origem ou na
que a~x + a~y = ~a (veja a figura 1.9).
extremidade do vetor ~a não altera o vetor soma ~c. Deve-
se observar que os vetores ~a, ~b e ~c formam um triângulo O vetor ~ay pode ser deslocado para a extremidade do vetor
retângulo, em que ~c é a hipotenusa ~a e ~b são catetos. Para ~ax de tal forma que o vetor ~a e seus vetores componentes ~a x e
obtermos o módulo do vetor resultante, basta aplicar o te- ~ay formem um triângulo retângulo (figura 1.10). Aplicando
orema de Pitágoras: a trigonometria ao triângulo retângulo, podemos determinar
o módulo dos componentes ~ax (horizontal) e ~ay (vertical)
c2 = a 2 + b 2 de ~a em função do ângulo α. Desta forma, no triângulo
14 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Figura 1.8: A diagonal do paralelogramo, cujos lados são os


Figura 1.6: O vetor ~c é a resultante ou soma vetorial de ~a vetores ~a e ~b, é o vetor resultante ~c. Podemos deslocar o
e ~b. vetor ~b para outra extremidade de ~a, reproduzindo a figura
anterior.

• O módulo da soma de dois vetores pode ser igual à


soma de seus módulos? Quando?

• O módulo de um vetor pode ser negativo? Por quê?

Figura 1.7: O deslocamento d~ equivale aos deslocamentos d~1 Exercı́cios de Aplicação


e d~2 .

rachurado da figura 1.10, temos 1. Um móvel desloca-se 120 m no sentido oeste-leste, e em


seguida, 50 m no sentido norte-sul.
cateto adjacente ax a) Represente esquematicamente esses deslocamentos.
cos α = ⇒ cos α =
hipotenusa a b) Determine o módulo do deslocamento resultante.
ax = a · cos α
2. Na figura, F1 = F2 = 100 N . Determine o módulo da
onde ax é o módulo da componente horizontal ~ax do vetor resultante de F1 e F2 . (Dado: cos 120o = -0,50.)
~a. Temos ainda
cateto oposto ~ay
sin α = ⇒ sin α =
hipotenusa a
ay = a · sin α
onde ay é o módulo da componente vertical ~ay do vetor ~a.
Podemos relacionar o módulo do vetor e o módulo de seus
componentes ortogonais, aplicando o teorema de Pitágoras
no triângulo formado por ~a e seus componentes ~a x e ~ay :

a2 = a 2 x + a 2 y

Pense um Pouco!
3. Um projétil é atirado com velocidade de 400 m/s fa-
• Qual a condição para que a soma de dois vetores seja zendo um ângulo de 45◦ com a horizontal. Determine os
nula? componentes vertical e horizontal da velocidade do projétil.
Fı́sica B – Aula 4 15

5. Um vetor velocidade é decomposto em dois outros, per-


pendiculares entre si. Sabendo que o módulo do vetor é
10 m/s e que um dos componentes tem módulo igual a
8 m/s, determine o módulo do vetor correspondente ao ou-
tro componente.

6. Um projétil é lançado do solo segundo uma direção que


forma 53o com a horizontal com uma velocidade de 200 m/s
(veja a figura a seguir). Determine o módulo dos componen-
tes horizontal, v~x , e vertical, v~y , dessa velocidade. (Dados:
sen 53o = 0, 80; cos 53o = 0, 60.)

Figura 1.9: O vetor ~a pode ser decomposto em um compo-


nente horizontal, ~ax , e outro vertical, a~y .

7. Um avião voa no sentido sul-norte com uma velocidade


de 900 km/h. Num determinado instante passa a soprar um
forte vento com velocidade 50 km/h, no sentido sudoeste-
nordeste.
a) Faça um esquema gráfico representando a velocidade do
avião e do vento.
b) Determine o módulo da velocidade resultante. (Dados:
cos 45o = 0, 71).

Figura 1.10: O vetor ~a e seus componentes ~ax e a~y formam


um triângulo retângulo, onde ~a é a hipotenusa e ~ax e ~ay são
os catetos.
Fı́sica B Aula 4
Exercı́cios Complementares
A Primeira Lei de Newton
4. Na figura abaixo estão representadas duas forças: F~1 , de O Conceito de Força
módulo F1 = 5, 0 N e F~2 , de módulo F2 = 3, 0 N , formando
entre si um ângulo α = 60◦ . Determine a força resultante Geralmente utilizamos uma força com o objetivo de empur-
F~R para o sistema de forças mostrado. rar, puxar ou levantar objetos. Essa idéia é correta, porém
incompleta. A idéia de puxar ou empurrar está quase sem-
pre associada a idéia de contato, o que exclui uma carac-
terı́stica fundamental da noção de força: a ação à distância.
A atração gravitacional entre o Sol e a Terra, por exemplo,
é exercida a milhões de quilômetros de distância.
A palavra força não possui uma definição única, expressa em
palavras. A Fı́sica moderna admite a existência de quatro
tipos de força na natureza, chamadas mais adequadamente
de interações: gravitacional, eletromagnética, e as forças
nucleares forte e fraca.
Em relação ao estudo dos movimentos e de suas causas,
pode-se dizer que força é a ação capaz de modificar a velo-
cidade de um corpo.
Como muitas outras grandezas em Fı́sica, a força é uma
grandeza vetorial, ou seja, possui módulo direção e sentido.
16 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Podemos resumir, então a definição de força da seguinte O que é Inércia?


forma:
Todos os corpos apresentam a tendência de se manter em
Força é uma grandeza vetorial que caracte- repouso ou em movimento retilı́neo uniforme. Essa proprie-
riza a ação de um corpo sobre outro e que dade dos corpos é chamada inércia. A palavra inércia é de-
tem como efeito a deformação ou a alteração rivada do latim inertia, que significa indolência ou preguiça.
da velocidade do corpo sobre o qual ela está Os corpos têm uma espécie de resistência às modificações de
sendo aplicada. sua velocidade.

A Primeira Lei de Newton


Equilı́brio de uma Partı́cula
Dizemos que uma partı́cula se encontra em equilı́brio,
quando a resultante das forças atuando sobre ela for nula.
Se a resultante é nula, não ocorre alteração na velocidade
do objeto. Assim,se ele estiver em repouso, chamamos o
equilı́brio de estático; se ele estiver em movimento retilı́neo
e uniforme, o equilı́brio será chamado de dinâmico.

Pense um Pouco!
• Qual a relação entre a Primeira Lei de Newton e o cinto
de segurança? e o encosto para a cabeça no banco do
carro?

• Por que quando um ônibus freia repentinamente, os


passageiros são “arremessados” para a frente? e o que
ocorre quando o ônibus é acelerado?

Figura 1.1: Isaac Newton (1642-1727). Exercı́cios de Aplicação


Antes de falarmos da Primeira Lei de Newton, devemos pen-
sar em uma pergunta: “o que acontece com o movimento 1. (UFMG) Um corpo de massa m está sujeito à ação de
de um corpo livre de qualquer força?” Essa pergunta pode uma força F~ que o desloca segundo um eixo vertical em sen-
ser respondida em duas partes. A primeira trata do efeito tido contrério ao da gravidade. Se esse corpo se mover com
da inexistência de forças sobre o corpo em repouso: se ne- velocidade constante é porque:
nhuma força atua sobre o corpo em repouso, ele continua em a) a força F~ é maior do que a da gravidade.
repouso. A segunda parte trata do efeito da inexistência de b) a força resultante sobre o corpo é nula.
forças sobre o corpo em movimento: se nenhuma força atua c) a força F~ é menor do que a gravidade.
sobre o corpo em movimento, ele continua em movimento. d) a diferença entre os módulos das forças é diferente de
Mas que tipo de movimento? Já que não existem forças zero.
atuando sobre o corpo, sua velocidade não varia de módulo e) a afirmação da questão está errada, pois qualquer que
ou direção. Desta forma, o único movimento possı́vel do seja F~ o corpo estará acelerado porque sempre existe a ace-
corpo na ausência de qualquer força atuando sobre ele é o leração da gravidade.
movimento retilı́neo uniforme.
2. (Vunesp-SP) Assinale a alternativa que representa o
A Primeira Lei de Newton reúne as duas respostas anterio-
enunciado da Lei da Inércia, também conhecida como pri-
res em um único enunciado:
meira Lei de Newton.
Todo corpo tende a manter seu estado de a) Qualquer planeta gira em torno do Sol descrevendo uma
repouso ou de movimento retilı́neo e uni- órbita elı́ptica, da qual o Sol ocupa um dos focos.
forme, a menos que forças externas provo- b) Dois corpos quaisquer se atraem com uma força proporci-
quem variação na sua velocidade. onal ao produto de suas massas e inversamente proporcional
ao quadrado da distância entre eles.
De acordo com a primeira Lei de Newton, podemos afirmar c) Quando um corpo exerce uma força sobre outro, este re-
que na ausência de forças, todo corpo tende a ficar como age sobre o primeiro com uma força de mesma intensidade
está: parado se estiver parado, em movimento retilı́neo uni- e direção, mas de sentido contrário.
forme, se estiver em movimento (retilı́neo uniforme). Por d) A aceleração que um corpo adquire é diretamente propor-
este motivo essa lei também é chamada de Princı́pio da cional à resultante das forças que nele atuam, e tem mesma
Inércia. direção e sentido dessa resultante.
Fı́sica C – Aula 1 17

e) Todo corpo continua em seu estado de repouso ou de mo- tas ocorre sobre um plano bem definido, e cada planeta tem
vimento uniforme em uma linha reta, a menos que sobre ele o seu plano orbital diferente, e todos esses planos devem ter
estejam agindo forças com resultante não nula. pelo menos um ponto em comum, o Sol.

3. (Vunesp-SP) As estatı́sticas indicam que o uso do cinto


de segurança deve ser obrigatório para prevenir lesões mais
graves em motoristas e passageiros no caso de acidentes.
Fisicamente, a função do cinto está relacionada com a:
a) primeira Lei de Newton.
b) lei de Snell.
c) lei de Ampère.
d) lei de Ohm.
e) primeira Lei de Kepler.

Exercı́cios Complementares
Figura 1.1: 1a Lei de Kepler.

4. (Unitau-SP) Uma pedra gira em torno de um apoio fixo,


presa por uma corda. Em um dado momento, corta-se a A Lei da Áreas (1609)
corda. Pela Lei da Inércia, conclui-se que:
a) a pedra se mantém em movimento circular. A reta unindo o planeta ao Sol varre áreas
b) a pedra sai em linha reta, segundo a direção perpendicu- iguais em tempos iguais. O significado fı́sico desta
lar à corda no instante do corte. lei é que a velocidade orbital não é uniforme, mas
c) a pedra sai em linha reta, segundo a direção da corda no varia de forma regular: quanto mais distante o pla-
instante do corte. neta está do Sol, mais devagar ele se move. Di-
d) a pedra pára. zendo de outra maneira, esta lei estabelece que a
e) a pedra não tem massa. velocidade areolar (referente a área) é constante.
5. (Ucsal-BA) Uma mesa, em movimento uniforme re-
tilı́neo, só pode estar sob a ação de uma:
a) força resultante não-nula na direção do movimento.
b) única força horizontal.
c) força resultante nula.
d) força nula de atrito.
e) força vertical que equilibre o peso.

6. (Fiube-MG) Uma partı́cula se desloca ao longo de uma


reta com aceleração nula. Nessas condições, podemos afir-
mar corretamente que sua velocidade escalar é:
a) nula.
b) constante e diferente de zero.
c) inversamente proporcional ao tempo. Figura 1.2: 2a Lei de Kepler.
d) diretamente proporcional ao tempo.
e) diretamente proporcional ao quadrado do tempo.
A Lei dos Perı́odos (1618)

Fı́sica C Aula 1 O quadrado do perı́odo orbital dos planetas é


diretamente proporcional ao cubo de sua distância
média ao Sol.

As Leis de Kepler Esta lei estabelece que planetas com órbitas maiores se mo-
vem mais lentamente em torno do Sol e, portanto, isso im-
plica que a força entre o Sol e o planeta decresce com a
A Lei das Órbitas (1609) distância ao Sol. Sendo P o perı́odo orbital do planeta, a
o semi-eixo maior da órbita, que é igual à distância média
A órbita de cada planeta é uma elipse, com o
do planeta ao Sol, e K uma constante, Podemos expressar
Sol em um dos focos. Como consequência da órbita
a 3a lei como:
ser elı́ptica, a distância do Sol ao planeta varia ao P2
longo de sua órbita. =K
a3
Lembre-se, a elipse é uma linha plana, com focos no seu Se medimos P em anos (o perı́odo orbital da Terra), e a em
mesmo plano. Isso implica em que o movimento dos plane- unidades astronômicas (1 u.a. = distância média da Terra
18 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

ao Sol), então K = 1, e podemos escrever a 3a lei como: maior;


c) Quanto mais próximo de uma estrela (menor raio médio
P2 da órbita) gravita um planeta, menor é o seu perı́odo de
=1
a3 revolução;
e podemos concluir que, para os planetas internos (a < d) Satélites diferentes gravitando em torno da Terra, na
1 u.a.) o perı́odo orbital (ano) será menor do que o ano mesma órbita têm perı́odos de revolução iguais;
terrestre. E para os planetas exteriores (a > 1 u.a.), o e) Devido à sua maior distância do Sol (maior raio médio da
perı́odo é maior do que o terrestre. órbita) o ano de Plutão tem duração menor que o da Terra.

Pense um Pouco! Exercı́cios Complementares


• Se um novo planeta for descoberto a meia distância
entre o Sol e a Terra, qual o seu perı́odo orbital. 5. Com relação às leis de Kepler, podemos afirmar que:
a) Não se aplicam ao estudo da gravitação da Lua em torno
• Um sátelite em órbita na Terra, passando pelo ponto da Terra;
mais próximo da Terra, está mais rápido ou mais lento b) só se aplicam ao nosso Sistema Solar;
se comparado ao ponto em que está mais afastado da c) aplicam-se à gravitação de quaisquer corpos em torno de
Terra? uma grande massa central;
d) contrariam a mecânica de Newton;
e) não prevêem a possibilidade da existência de órbitas cir-
Exercı́cios de Aplicação culares.

6. Considere dois satélites de massas ma e mb , sendo ma =


1. A tabela abaixo mostra como fica a 3a Lei de Kepler
2mb , descrevendo a mesma órbita em torno da Terra. Com
para os planetas visı́veis a olho nu. Complete os dados que
relação à velocidade dos dois teremos:
estão faltando.
a) va > vb
Planeta a(u.a.) P (ano) a3 P2 b) va < vb
Mercúrio 0,387 0,241 0,058 0,058 c) va = vb
Vênus 0,723 0,615 0,378 d) va = vb /2
Terra 1,000 1,000 1,000 1,000 e) n.r.a
Marte 1,524 1,881 3,537
Júpter 5,203 11,862 140,700 7. Um planeta descreve uma órbita elı́ptica em torno do
Saturno 9,534 29,456 Sol. O ponto A é o ponto da órbita mais próximo do Sol; o
ponto B é o ponto mais distante. No ponto A:
2. Adotando o Sol como referencial, aponte a alternativa a) a velocidade de rotação do planeta é máxima;
que condiz com a 1a lei de Kepler da Gravitação Universal b) a velocidade de translação do planeta se anula;
(lei das órbitas): c) a velocidade de translação do planeta é máxima;
a) As órbitas planetárias são curvas quaisquer, desde que d) a força gravitacional sobre o planeta se anula;
fechadas; e) n.r.a
b) As órbitas planetárias são espiraladas;
c) As órbitas planetárias não podem ser circulares;
d) As órbitas planetárias são elı́pticas, com o Sol ocupando
o centro da elipse; Fı́sica C Aula 2
e) As órbitas planetárias são elı́pticas, com o Sol ocupando
um dos focos da elipse.

3. A 2a lei de Kepler (Lei das Áreas) permite concluir que


um planeta possui:
Gravitação Universal
a) maior velocidade quando se encontra mais longe do Sol;
b) maior velocidade quando se encontra mais perto do Sol; A lei da gravitação universal, proposta por Newton, foi
c) menor velocidade quando se encontra mais perto do Sol; um dos maiores trabalhos desenvolvidos sobre a interação
d) velocidade constante em toda sua trajetória; entre massas, pois é capaz de explicar desde o mais simples
e) n.r.a. fenômeno, como a queda de um corpo próximo à superfı́cie
da Terra, até, o mais complexo, como as forças trocadas
4. Assinale a alternativa que está em desacordo com as Leis entre corpos celestes, traduzindo com fidelidade suas órbitas
de Kepler da Gravitação Universal: e os diferentes movimentos. Segundo a lenda, Newton, ao
a) O quociente do cubo do raio médio da órbita pelo qua- observar a queda de uma maça, concebeu a idéia que ela
drado do perı́odo de revolução é constante para qualquer seria causada pela atração exercida pela terra. A natureza
planeta de um dado sistema solar; desta força atrativa é a mesma que deve existir entre a Terra
b) quadruplicando-se o raio médio da órbita de um satélite e a Lua ou entre o Sol e os planetas; portanto, a atração
em torno da Terra, seu perı́odo de revolução fica 8 vezes entre as massas é, com certeza, um fenômeno universal.
Fı́sica C – Aula 2 19

Uma Força Elementar OBSERVAÇÕES

Sejam duas partı́culas de massas m1 e m2 , separadas por 1. A força gravitacional é sempre de atração;
uma distância r. Segundo Newton, a intensidade da força
F de atração entre as massas é dada por 2. A força gravitacional não depende do meio onde os cor-
pos se encontram imersos;
m1 m2
F =G 3. A constante da gravitação universal G teve seu valor
r2
determinado experimentalmente por Henry Cavendish,
onde G é uma constante, a constante da gravitação uni- em 1798, por meio de um instrumento denominado ba-
versal, sendo seu valor expresso, no Sistema Internacional, lança de torção e esferas de chumbo.
por
G = 6, 67 × 10−11 N · m2 /kg 2
Pense um Pouco!






















  
 F 
  
  
  
 






















































































 




 




21 




 




 




  












 




 




 




 




 




 











 


 




 




 




 




 




 




 




 






 
 


 
 


 
 


 
 


 
 


 
 










 • Qual a direção e o sentido da força de atração gravi-








 



 



 



 



 



 






 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 m



 2 tacional exercida pela Terra sobre os corpos que estão





 



 



 



 

F

 



 



 






 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 





















 





 






 



 





 





 











 





 





 





 





 





 





 





 





 





 





 





 





 





 





 





 




 próximos à superfı́cie?


  




12
















































 m



































































• A aceleração da gravidade na Lua é 6 vezes menor do
que a aceleração da gravidade próxima à superfı́cie da
1
Terra. O que acontece com o peso e a massa de um
astronauta na Lua?
Figura 1.1: Duas partı́culas se massas m1 e m2 sempre se
• O valor da aceleração da garvidade é relevante para os
atraem mutuamente, dando origem a um par de forças F12
esportes?
e F21 .

As forças F12 e F21 é a da reta que une as partı́culas, e o


sentido tal que as massas sempre se atraem mutuamente,
Exercı́cios de Aplicação
com mesma intensidade de força, ou seja
1. Duas partı́culas de massas respectivamente iguais a
F12 = F21 M e m estão no vácuo, separadas por uma distância d.
A respeito das forças de interação gravitacional entre as
Podemos, ainda, enunciar a lei da gravitação universal do partı́culas, podemos afirmar que:
seguinte modo: a) têm intensidades inversamente proporcional a d;
b) têm intensidades diretamente proporcional ao produto
Dois corpos se atraem gravitacionalmente com Mm;
força cuja intensidade é diretamente proporcional c) não constituem entre si um par ação e reação;
ao produto de suas massas e inversamente propor- d) podem ser atrativas ou repulsivas;
cional ao quadrado da distância entre seus centros e) teriam intensidade maior se o meio fosse o ar.
de massa.
2. A razão entre os diâmetros dos planetas Marte e Terra é
Após a formulação da lei da Gravitação, com o desenvol- 1/2 e entre as respectivas massas é 1/10. Sendo de 160 N o
vimento do cálculo integral, Newton também mostrou que peso de um garoto na Terra, pode-se concluir que seu peso
a força gravitacional entre esferas homogêneas também em Marte será de:
segue a mesma forma estabelecida para as partı́culas. E a) 160 N
também vale a mesma força para uma partı́cula e uma es- b) 80 N
fera homogênea. Esse resultado foi tão surpreendente para c) 60 N
o proóprio Newton, que inicialmente nem ele acreditou no d) 32 N
que havia provado matematicamente! e) 64 N
Aplicando-se a lei de gravitação para um corpo de massa m 3. Uma menina pesa 400 N na superfı́cie da Terra, onde
na superfı́cie da Terra, temos então se adota g = 10m/s2 . Se a menina fosse transportada até
uma altura igual ao raio da Terra (6.400 km), sua massa e
MT m GMT
F =G 2 = m = mg = P seu peso seriam, respectivamente:
RT RT2 a) 40 kg e 100 N
b) 40 kg e 200 N
onde RT e MT são o raio e a massa da Terra, respectiva-
c) 40 kg e 400 N
mente, e à força obtida chamamos peso.
d) 20 kg e 200 N
Medidas atuais mostram que MT = 5, 98 × 1024 kg e e) 10 kg e 100 N
RT = 6, 37 × 106 m. A constante g que aparece acima é jus-
tamente a aceleração da gravidade na superfı́cie da Terra. 4. Um corpo é colocado na superfı́cie terrestre é atraı́do
Experimente calcular g com os dados fornecidos! por esta com uma força F . O mesmo corpo colocado na
20 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

superfı́cie de um planeta de mesma massa da Terra e raio Para um corpo homogêneo, ρ será a própria densidade do
duas vezes menor será atraı́do pelo planeta com uma força material. Para um corpo não homogêneo, como por exem-
cujo módulo é: plo uma corpo oco, a expressão acima resulta na densidade
a) 4F média do corpo.
b) 2F
c) F
d) F/2 Unidades SI
e) F/4
m: massa em quilogramas (kg)
V : volume em metro cúbico (m3 )
Exercı́cios Complementares ρ: massa especı́fica em quilogramas por metro cúbico
(kg/m3 )

5. Se a massa da Terra não se alterasse, mas o seu raio fosse


reduzido à metade, o nosso peso seria: Observação
a) reduzido à quarta parte
b) reduzido à metade No caso da água, cuja massa especı́fica vale 1 g/cm3 , obser-
c) o mesmo vamos que cada cm3 de água tem massa de 1 g. Assim é que,
d) dobrado numericamente, massa e volume serão iguais para a água,
e) quadruplicado desde que medidos em gramas e em centı́metros cúbicos res-
pectivamente. Como 1 litro corresponde a 1000cm3 , no caso
6. Um corpo de massa m gira em torno da Terra, em órbita da água temos uma densidade de 1 kg/l. E com um metro
circular, com velocidade escalar constante v. Sendo G a cúbico equivale a 1000 litros, teremos também para a água,
constante gravitacional e M a massa da Terra, o raio da a densidade 1000 kg/m3 .
trajetória descrita pelo corpo será:
a) G/M v 2
b) G/mv 2 Pressão
c) Gm/v 2
d) GM/v 2 Pressão p é a força normal, por unidade de área, que um
e) GM m/v 2 fluido em equilı́brio exerce em contato com uma parede.
Podemos representar matematicamente por:
7. Sabe-se que no interior de uma nave em órbita circular
F
em torno da Terra um astronauta pode flutuar, como se não p=
A
tivesse peso. Esse fato ocorre porque:
a) a nave está fora do campo gravitacional da Terra;
b) há ausência de atmosfera; Unidades SI
c) a atração exercida pela Lua é maior do que a atração
exercida pela Terra; p: pressão em N/m2 = pascal = P a
d) ambos, astronauta e nave, estão em queda livre no seu F : força normal (ortogonal) em newtons ou N
movimento circular;
A: área onde é exercida a força, em metros quadrados m 2
e) há uma redução na massa dos corpos.

Pressão Atmosférica
Fı́sica C Aula 3 Pressão exercida pelo peso da camada de ar existente sobre
a superfı́cie da Terra. Ao nı́vel do mar, à temperatura de
0 ◦ C é igual a 1 atm.
Fluidos É comum o uso de unidades de pressão não pertencentes ao
SI: atmosfera (atm) e milı́metros de mercúrio (mmHg):
Chegou o momento de descrevermos o comportamento dos
fluidos, para isso falaremos de temas como densidade, 1 atm = 760 mmHg = 1, 01 × 105 P a
pressão, empuxo e outros temas que nos levarão a um apro-
fundamento da Hidrostática.
Pressão Hidrostática

Densidade e Massa especı́fica No estudo da hidrostática, que faremos a seguir, vamos con-
siderar o lı́quido ideal, isto é, incompressı́vel e sem viscosi-
Massa especı́fica ρ de uma substância é a razão entre deter- dade.
minada massa desta substância e o volume correspondente. Suponhamos um recipiente cilı́ndrico de área de base A,
Temos então: contendo um lı́quido de massa especı́fica ρ. Qual a pressão
m
ρ= que o lı́quido exerce no fundo do recipiente ?
v
Fı́sica C – Aula 3 21

Pressão Manométrica e Absoluta


A pressão absoluta é a pressão total exercida em uma
dada superfı́cie, incluindo a pressão atmosférica, quando for
o caso. A pressão absoluta será sempre positiva ou nula.
Em muitos casos, como na calibração de um pneu, estamos
interessados apenas na diferença entre a pressão interna de
um reservatório (o pneu) e a pressão externa (o ar, que está

h na pressão atmosférica local). A essa diferença chamamos

ρ
pressão manométrica, e os aparelhos que a medem cha-
mamos de manômetros.

pman. = pint. − patm.

A A pressão manométrica pode ser negativa, positiva ou nula.


Será negativa quando a pressão interna de um reservatório
for menor do que a pressão atmosférica externa. Exemplos:
quando retiramos ar de um recipiente, fazendo-se um vácuo
parcial; ou quando sugamos um canudinho de refrigerante,
Figura 1.1: Vaso cilı́ndrico de área A e altura h, cheio de baixamos a pressão interna da boca, criando uma “pressão
um lı́quido de densidade ρ. negativa”.

Da definição de massa especı́fica, temos:


m Pense um Pouco!
ρ=
v
• Porque não sentimos a pressão atmosférica normal, já
V = Ah que ela é tão grande?

m • Um barco flutua no mar. Quais as forças relevantes


ρ=
Ah para que isso ocorra?
e portanto:
• Como é possı́vel se deitar numa cama de pregos sem se
machucar?
m = ρAh

Por outro lado, a força que o lı́quido exerce sobre a área A • Como funciona o canudinho de refrigerante? Explique.
é o seu próprio peso:
F = P = mg
Exercı́cios de Aplicação
mas como
m = ρAh
então temos 1. Uma massa de 1 kg de água ocupa um volume de 1 litro
F = ρAhg a 40◦ C. Determine sua massa especı́fica em g/cm3 , kg/m3
e kg/l.
e finalmente, pelaa definição de pressão,
F 2. Determine a massa de um bloco de chumbo que tem
p= = ρgh .
A arestas de 10 cm, sendo que a densidade do chumbo é igual
11, 2 g/cm3 .
A pressão que o lı́quido exerce no fundo do recipiente de-
pende da massa especı́fica do lı́quido (ρ), da aceleração da
3. Uma esfera oca, de 1.200 g de massa, possui raio externo
gravidade local (g) e da altura (h) do lı́quido acima do ponto
de 10, 0 cm e raio interno de 9, 0 cm. Sabendo que o volume
considerado. Na prática esse resultado e geral, e pode ser
de uma esfera de raio R é dado por V = 34 πR3 . Usando
usado para a determinação da pressão hidrostática em qual-
π = 3, 14, determine:
quer fluido (lı́quido ou gás) em equilı́brio.
a) a densidade média da esfera;
Observe que a pressão total dentro de um fluido homogêneo b) a densidade do material de que é feita a esfera.
em equilı́brio será então:
p = patm + ρgh 4. Um cubo maciço de alumı́nio (densidade = 2,7 g/cm 3 ),
de 50 cm de aresta, está apoiado sobre uma superfı́cie ho-
onde patm é a pressão atmosférica, que atua sobre todos os rizontal. Qual é a pressão, em P a e em atm, exercida pelo
corpos imersos no ar. cubo sobre a superfı́cie?
22 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Exercı́cios Complementares Na realidade, temos que dividir a pressão num determi-


nado ponto do lı́quido em dois tipos: i) pressão hidrostática:
aquela que só leva em consideração o lı́quido:
5. Existe uma unidade inglesa de pressão – a libra-força
por polegada quadrada – que se abrevia lbf /pol 2 , a qual é
phid = ρgh
indevidamente chamada de libra. Assim, quando se cali-
bram os pneus de um automóvel, muitas pessoas dizem que
e ii) pressão absoluta: aquela que leva em consideração o
colocaram “26 libras” de ar nos pneus. Agora responda:
lı́quido e o ar sobre o lı́quido:
a) por que num pneu de automóvel se coloca mais ou me-
nos 25lbf /pol2 enquanto que no de uma bicicleta de cor-
rida (cujos pneus são bem finos) se coloca aproximadamente pabs = patm + ρgh
70 lbf /pol2
b) Sendo 1 lbf /pol 2 = 0, 07 atm, qual a pressão tı́pica (em Conseqüências da Lei de Stevin
atm) no pneu de um carro?
c) A pressão que nos interessa, neste caso do pneu, é a No interior de um lı́quido em equilı́brio estático:
pressão manométrica ou a pressão absoluta. Por quê?
1. pontos de um mesmo plano horizontal suportam a
mesma pressão;
Fı́sica C Aula 4 2. a superfı́cie de separação entre lı́quidos não miscı́veis é
um plano horizontal;

3. em vasos comunicantes quando temos dois lı́quidos não


Hidrostática miscı́veis temos que a altura de cada lı́quido é inversa-
mente proporcional às suas massas especı́ficas (densi-
Lei de Stevin dades);

Consideremos um recipiente contendo um lı́quido ho-


mogêneo de densidade ρ, em equilı́brio estático. As pressões
que o lı́quido exerce nos pontos A e B são, respectivamente:

pa = ρgha e pb = ρghb

Figura 1.2: Vasos comunicantes, com dois lı́quidos não


miscı́veis em equilı́brio.

py = p x

patm + ρy ghy = patm + ρx ghx


ρy hy = ρ x hx
ρy hx
=
ρx hy

4. a diferença de pressão entre dois pontos dentro do


Figura 1.1: Cilindro de área de base A e altura h fluı́do, depende apenas do seu desnı́vel vertical (∆h),
e não da profundidade dos pontos.
A lei de Stevin ou princı́pio hidrostático afirma que a
diferença de pressão entre os pontos A e B será: Princı́pio de Pascal

pb − pa = ρg(hb − ha ) = ρg∆h Pascal fez estudos em fluı́dos e enunciou o seguinte princı́pio:

O useja, a diferença entre dois nı́veis diferentes, no interior A pressão aplicada a um fluı́do em equilı́brio
de um lı́quido, é igual ao produto da sua massa especı́fica transmite-se integral e instantaneamente à
pela aceleração da gravidade local e pela diferença de nı́vel todos os pontos do fluı́do e às paredes do
entre os pontos considerados. recipiente que o contém.
Fı́sica C – Aula 4 23

Ou seja, se um corpo está mergulhado num fluido de den-


sidade ρf e desloca volume Vf d do fluido, num local onde a
aceleração da gravidade é g, temos:

Pf = m f g

e como
mf
ρf =
Vf d
a massa do fluido deslocado será

mf = ρ f V f d

e portanto
Pf = ρ f V f d g

e, de acordo com o Princı́pio de Arquimedes


Figura 1.3: A prensa hidráulica.
E = ρ f Vf d g

A Prensa Hidráulica ou simplesmente


E = ρV g
Uma das aplicações deste princı́pio é a prensa hidráulica
como mostramos a seguir: ficando a nosso cargo a interpretação correta dos termos
envolvidos.
Observe que:
p1 = p 2
Flutuação
F1 F2
=
A1 A2 Segundo o princı́pio de Arquimedes, quando temos um
corpo na superfı́cie de um fluı́do cujo peso (do corpo) é
F1 A1 anulado (igual em módulo) pelo empuxo que ele sofre antes
=
F2 A2 de estar completamente submerso, o corpo irá flutuar so-
Isso mostra que uma força pequena F1 é capaz de suportar, bre ele, quando abandonado. Baseado nessa aplicação são
no outro êmbolo, um peso muito grande (F2 ), isso é muito construı́dos todos os tipos de barcos e navios.
utilizado, como por exemplo, em posto de gasolina. Para um corpo de peso P flutuando, a condição de equilı́brio
A prensa hidráulica é o equivalente hidráulico do princı́pio deve ser satisfeita:
da alavanca, de Arquimedes, usado na Mecânica. É bom X
lembrar que estas “engenhocas”multiplicam realmente a Fy = +E − P = 0
força, mas não a energia. O trabalho mı́nimo necessário
para elevar um carro é o mesmo, independente da máquina ou seja
que se utilize (Wmin = mgh). P =E
Na prensa mostrada na Fig. 1.3, uma força −F~2 (para
baixo) deverá sef feita no êmbolo da direita, para manter Pode-se mostrar também que se um corpo tiver uma densi-
o equilı́brio do sistema. Em geral, usa-se o êmbolo maior dade média ρc maior que a densidade ρf de um certo fluido,
para suspender uma carga externa, ou levantar um objeto ele não poderá flutuar nesse fluı́do, e acabará afundando se
do chão (macaco hidráulico). for solto na sua superfı́cie.

Princı́pio de Arquimedes Pense um Pouco!


Arquimedes, há mais de 200 anos a.C., estabeleceu que a • A pressão atmosférica varia com a altitude? Por quê?
perda aparente do peso do corpo é devido ao surgimento do
empuxo, quando estamos mergulhados num lı́quido, como a • Como pode um navio de ferro flutuar na água, já que
água, por exemplo. ρF e > ρH2O ?

Os corpos mergulhados totalmente ou par- • Quando fechamos a porta de um pequeno quarto a ja-
cialmente, num fluido, recebem do mesmo nela (fechada) balança. Explique.
uma força vertical, de baixo para cima, de
intensidade igual ao peso do fluido deslo- • Mergulhando na água um objeto suspenso por um fio,
cado, denominada empuxo. você observa que a tração no fio muda. Explique.
24 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Exercı́cios de Aplicação que contém água, através de um fio conforme a figura. De-
termine a intensidade da tração T no fio que segura a bola
(Considere g = 10 m/s2 ).
1. (UFRJ) O impacto de uma partı́cula de lixo que atin-
giu a nave espacial Columbia produziu uma pressão da
        
100 N/cm2 . Nessas condições e tendo a partı́cula 2 cm2 ,
        
a nave sofreu uma força de:         
a) 100 N         
        
b) 200 N
        
c) 400 N         
d) 800 N         
        
e) 1600N
        
        
2. Uma piscina com 5, 0 m de profundidade está cheia com         
água. Considere g = 10 m/s2 e patm = 1, 0 × 105 P a e         
        
determine:
        
a) a pressão hidrostática a 3, 0 m de profundidade;     T    
b) a pressão absoluta no fundo da piscina;         
        
c) a diferença de pressão entre dois pontos separados, ver-
ticalmente, por 80 cm.         
3. (Clássico) Para determinar a pressão atmosférica, Torri-
celli fez a seguinte experiência: um tubo de vidro, de 1 m
de comprimento, foi cheio de mercúrio e depois emborcado
num recipiente contendo mercúrio; constatou que, ao nı́vel Fı́sica D Aula 1
do mar, o mercúrio no tubo mantém uma altura de 760 mm
acima da sua superfı́cie livre (no recipiente). Se a densidade
do mercúrio é 13, 6 g/cm3 e a aceleração da gravidade local
é de 9, 8 m/s2 , qual a pressão atmosférica constatada por
Torricelli? Cinemática
4. Num posto de gasolina, para a lavagem de um automóvel A Cinemática é a parte da Mecânica que estuda e descreve
de massa 1.000 kg, o mesmo é erguido a uma certa altura. O o movimento dos corpos, sem se preocupar com suas causas
sistema utilizado é uma prensa hidráulica. Sendo os êmbolos (forças).
de áreas 10 cm2 e 2.000 cm2 , e a aceleração da gravidade
local de 10 m/s2 , pergunta-se:
a) em qual êmbolo deve-se apoiar o carro? Movimento
b) em qual êmbolo deve-se pressionar para se sustentar o
carro? Observando os corpos a nossa volta, podemos ter intuiti-
c) qual a força aplicada no êmbolo para equilibrar o au- vamente uma idéia do que são os estados de movimento e
tomóvel? repouso. Mas esses dois conceitos (movimento e repouso)
são relativos: ao dormir você pode estar em repouso em
relação às paredes de seu quarto; entretanto, em relação ao
1.1 Exercı́cios Complementares sol, você é um viajante espacial. A parte da Fı́sica que trata
do movimento é a Mecânica. Ela procura compreender as
causas que produzem e modificam os movimentos. A se-
5. Água e óleo de densidades 1, 0 e 0, 8, respectivamente, guir, vamos estudar uma subdivisão da Mecânica chamada
são colocados em um tubo em “U”. Sendo de 16 cm a Cinemática, que trata do movimento sem se referir às causas
altura da coluna de óleo, determine a altura da coluna de que o produzem.
água medida acima do nı́vel de separação entre os lı́quidos.

6. Os icebergs são grandes blocos de gelo que vagam em Ponto Material


latitudes elevadas, constituindo um sério problema para a
navegação, sobretudo porque deles emerge apenas uma pe- Em determinadas situações, ponto material pode represen-
quena parte, ficando o restante submerso. Sendo V o vo- tar qualquer corpo, como um trem, um avião, um carro,
lume total do iceberg e ρg = 0, 92 g/cm3 a densidade do uma bala de canhão, um mı́ssil etc. Por que ponto e por
gelo, determine a porcentagem do iceberg que fica acima da que material? Ponto, porque, na resolução de problemas, es-
superfı́cie livre da água, considerada com densidade igual a taremos desprezando as dimensões do corpo em movimento,
ρf = 1, 0 g/cm3 . sempre que as distâncias envolvidas forem muito grandes em
relação às dimensões do corpo. Material, porque, embora
7. Uma bola com volume de 0, 002 m3 e densidade média as dimensões do corpo sejam desprezadas, sua massa será
de 200 kg/m3 encontra-se presa ao fundo de um recipiente considerada.
Fı́sica D – Aula 1 25

Repouso, Movimento e Referencial neste movimento, em relação ao referencial adotado. O


deslocamento de um corpo é uma grandeza vetorial, cujo
Examine as seguintes situações: módulo equivale ao comprimento do segmento de reta, com-
preendidos entre os pontos inicial e final do movimento.
• Quando estamos dentro de um veı́culo em movimento,
a paisagem circundante é fundamental para estabele-
cermos os conceitos de movimento e repouso A
• Quando observamos o movimento do sol através da
esfera celeste, podemos concluir que a Terra se movi-
5m
menta ao redor do Sol.
3m
• Uma pessoa nasce e cresce em um ambiente fechado,
sem janelas, não saindo dali durante toda a sua
existência. Nesse caso, pode ser que essa pessoa não
tenha condições de afirmar se aquele ambiente está em
B C
repouso ou em movimento. 4m
Em todos esses casos, percebemos que o movimento é deter-
Na figura, uma partı́cula, saindo do ponto A, percorre a tra-
minado a partir de um referencial: a paisagem é o referencial
jetória ABC. A distância percorrida pela partı́cula é a soma
do carro e o Sol é o referencial da Terra; se uma pessoa pas-
dos trechos AB (3 metros) e BC (4 metros), totalizando 7
sar a sua vida toda num ambiente absolutamente fechado,
metros. Já o deslocamento é representado pela distância
não terá referencial para perceber qualquer movimento, a
entre o ponto A e ponto C, que é igual a 5 metros.
não ser o de seu próprio corpo.

Trajetória A
Este é outro conceito importante no estudo do movimento. 5m
Vamos partir da figura abaixo. Ela representa uma esfera
abandonada de um avião que voa com velocidade constante: 3m
A8−132

B C
4m
Observações

• O deslocamento foi representado por um segmento de


reta orientado que denominamos de vetor; os vetores
representam as grandezas vetoriais.

• O deslocamento é a menor distância entre o ponto de


saı́da e o ponto de chegada do corpo.

• Numa trajetória retilı́nea a distância percorrida e o des-


Em relação ao solo, a trajetória da esfera é um arco de locamento podem ser iguais.
parábola; e em relação ao avião, a trajetória é um segmento
de reta vertical.
Então, podemos concluir que a trajetória: Deslocamento Escalar ∆s
É a variação de espaço s. É medido em metros, quilômetros,
• é a linha descrita ou percorrida por um corpo em mo-
centı́metros, etc. Ou seja:
vimento;
• depende do referencial adotado. ∆s = s − s0
onde s0 é o espaço inicial s é o espaço final.
Deslocamento × Distância Percorrida
O deslocamento escalar pode ser positivo, negativo ou nulo.
A distância percorrida por um corpo durante um movimento Quando ∆s > 0 o movimento é a favor da orientação da tra-
é a grandeza escalar que corresponde ao comprimento do jetória; quando ∆s < 0 o movimento é contra a orientação
segmento que representa a trajetória descrita pelo corpo da trajetória, mas se ∆s = 0 a posição final é igual a inicial.
26 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Importante A cada segundo a velocidade aumenta 3, 6 km/h, ou seja,


a velocidade varia +3, 6 (km/h) a cada segundo. Isso é, a
Há duas possibilidades para ∆s = 0: aceleração é:

• o corpo pode não ter se movimentado; 3, 6 km/h 1, 0 m/s


a=+ = = 1 m/s2
s s
• o corpo pode ter se movimentado mas retornado a
posição inicial; Aqui temos uma aceleração positiva, pois a velocidade vai
aumentando (em módulo) com o tempo.

Velocidade Escalar Média


Outro Exemplo
Quando falamos que um veı́culo percorreu 100 km em 2 h
é fácil determinar que em média ele 50 km a cada 1 h. Imagine o seguinte movimento:
Nós dividimos a distância total e o tempo total da viagem.
t(s) 0 1 2 3
Isso não significa que o veı́culo andou sempre na mesma
v(m/s) 50 45 40 35
velocidade, pois o veı́culo pode ter parado em um posto de
combustı́vel para abastecer. A cada segundo a velocidade varia (diminui) em −5 m/s,
Nós sabemos apenas a distância total e o tempo total da vi- ou seja:
agem, nada sabemos dos acontecimentos durante a mesma. −5 m/s
a= = −5 m/s2
Mas se o motorista quisesse a viagem no mesmo tempo e an- s
dando sempre na mesma velocidade ele deveria andar sem-
Nesse caso a aceleração é negativa, pois a velocidade vai
pre a 50 km/h. É a velocidade escalar média. Normalmente
diminuindo (em módulo) com o tempo.
não usaremos o termo distância e sim deslocamento escalar
(∆s) e, para indicarmos o tempo decorrido usaremos inter-
valo de tempo (∆t). Dessa maneira: Aceleração Escalar Média (am )
∆s s − s0 É a variação total da velocidade em relação ao intervalo
Vm = =
∆t t − t0 total de tempo.
A unidade de velocidade no SI é o m/s. ∆v v − v0
am = =
Para transformar velocidades em km/h em m/s fazemos: ∆t t − t0

1000 m 1
1 km/h = = m/s Unidades SI
3600 s 3, 6
e também No SI medimos a velocidade em m/s, o tempo em segundos
1 m/s = 3, 6 km/h (s), e a aceleração em m/s2 .

Velocidade Escalar Exercı́cios de Aplicação


Vamos recordar: a velocidade indica a rapidez e o sentido
do movimento. 1. (PUC) Um atleta fez um percurso de 800 m num tempo
de 1 min e 40 s. A velocidade escalar média do atleta é de:
a) 8, 0 km/h
Exemplos
b) 29, 0 m/s
1. Va = +10 m/s: a cada segundo o móvel anda 10 m c) 29, 0 km/h
e indica movimento no sentido da orientação da tra- d) 20, 0 m/s
jetória. e) 15, 0 km/h

2. Vb = −10 m/s: a rapidez é a mesma do móvel anterior 2. (UEL) Um móvel percorreu 60, 0 m com velocidade de
e o movimento é no sentido oposto ao da orientação da 15, 0 m/s e os próximos 60, 0 m a 30, 0 m/s. A velocidade
trajetória. média durante as duas fases foi de:
a) 15, 0 m/s
b) 20, 0 m/s
Aceleração c) 22, 5 m/s
d) 25, 0 m/s
Mede a rapidez da mudança da velocidade, é a variação da e) 30, 0 m/s
velocidade em função do tempo. Imagine um movimento
com a velocidade mudando a cada segundo: 3. (VUNESP) Ao passar pelo marco “km 200”de uma rodo-
via, um motorista vê um anúncio com a inscrição “ABAS-
t(s) 0 1 2 3 TECIMENTO E RESTAURANTE A 30 MINUTOS”. Con-
v(km/h) 10,0 13,6 17,2 21,8 siderando que esse posto de serviços se encontra junto ao
Fı́sica D – Aula 2 27

marco “km 245”dessa rodovia, pode-se concluir que o anun- iguais. Se, além da velocidade apresentar valor constante e
ciante prevê, para os carros que trafegam nesse trecho, uma a trajetória for retilı́nea, o movimento é dito movimento
velocidade média, em km/h, de: retilı́neo uniforme (MRU).
a) 80
b) 90
c) 100 Equação Horária do MU
d) 110
e) 120 Ao longo de um movimento, a posição de um móvel varia no
decorrer do tempo. É útil, portanto, encontrar uma equação
que forneça a posição de um móvel em um movimento uni-
forme no decorrer do tempo. A esta equação denominamos
Exercı́cios Complementares equação horária do movimento uniforme.
Considere então, o nosso amigo corredor percorrendo com
4. (FUVEST) Partindo do repouso, um avião percorre a velocidade constante v a trajetória da figura.
pista com aceleração constante e atinge a velocidade de
360 km/h em 25 segundos. Qual o valor da aceleração,
em m/s2 ?
a) 9,8
b) 7,2 t t
0
c) 6,0
d) 4,0 O x0 x X
e) 2,0

5. (PUC) Um trem está com velocidade escalar de 72 km/h Figura 1.1: Movimento uniforme (MU).
quando freia com aceleração escalar constante de módulo
igual a 0, 40 m/s2 . O intervalo de tempo que o trem gasta Onde: x0 é a sua posição inicial no instante t0 = 0 e x é a
para parar, em segundos, é de: sua nova posição no instante t posterior. A velocidade do
a) 10 corredor no intervalo de tempo ∆t = t − t0 = t é
b) 20
c) 30 ∆x v − v0
d) 40 v= =
∆t t
e) 50
e se v é sempre constante, para qualquer instante t, então
6. (ACAFE) Um carro inicia a travessia de uma ponte com temos um movimento uniforme (MU). Neste caso, como a
uma velocidade de 36 km/h , ao passar a ponte o motorista trajetória do movimento é retilı́nea, temos um movimento
observa que o ponteiro do velocı́metro marca 72 km/h. Sa- retilı́neo uniforme (MRU).
bendo que a travessia dura 5, 0segundos, a aceleração do Invertendo-se a equação acima, podemos escrever a
carro durante a travessia é de: equação horária do movimento:
a) 1 m/s2
b) 2 m/s2 x(t) = x0 + vt
c) 3 m/s2
d) 4 m/s2 que nos dá a posição x(t) em cada instante t > 0, para todo
e) n.d.a o movimento.

Gráfico da Velocidade v × t
Fı́sica D Aula 2
No movimento uniforme, o diagrama da velocidade em
função do tempo v × t x é uma reta paralela ao eixo dos
tempos, uma vez que a velocidade é constante e não varia
Movimento Uniforme (MU) ao longo do tempo.

Suponhamos que você esteja dirigindo um carro de tal v v v


v>0
forma que o ponteiro do velocı́metro fique sempre na mesma
posição, por exemplo 80 km/h, no decorrer do tempo. Nessa v=0
condição, você irá percorrer 80 km a cada hora de viagem, O t O t O t
em duas horas percorrerá 160 km, e assim por diante. O mo- v<0
vimento descrito nessa situação é denominado movimento
uniforme (MU).
Você já deve ter notado, então, que no movimento uniforme Figura 1.2: Gráfico v × t para o MU: para a direita v > 0
o valor do módulo da velocidade é constante e não nulo, isto (a); para a esquerda v < 0 (b) e repouso v = 0 (c).
é, o móvel percorre espaços iguais em intervalos de tempo
28 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Importante

• Quando o movimento é na direção positiva do eixo ori-


entado (o sentido positivo usual é para a direita) a velo- a
cidade do móvel é positiva (v > 0). Neste caso x cresce
com o tempo;
b
• Quando o movimento é na direção negativa do eixo ori- θ
entado (sentido negativo usual é para a esquerda) a
velocidade do móvel é negativa (v < 0), e neste caso, x
decresce com o tempo. c
Neste caso como a velocidade está abaixo do eixo das
abscissas, esta possui valor negativo, ou seja está em Figura 1.4: Inclinação de uma reta tan θ = b/c.
sentido contrário ao da trajetória.

• É importante notar que a velocidade corresponde a al- x v>0


tura da reta horizontal no gráfico v × t.

• A área de um retângulo é dada pelo produto da base


pela altura: o deslocamento, pelo produto da veloci-
dade pelo tempo. xo
v
        O t
       
       
  ∆ x = vt  = Area
  
        Figura 1.5: Gráfico x × t para o movimento uniforme (MU)

O t progressivo.

Figura 1.3: O deslocamento é igual a área sob a curva do


Pense um Pouco!
gráfico v × t.
• Um trem com 1 km de extensão viaja à velocidade de
1 km/min. Quanto tempo leva o trem para atravessar
um túnel de 2 km de comprimento?
Gráfico da Posição x × t
• Como seria o gráfico x × t para um objeto em repouso?
Como a equação horária no movimento uniforme é uma
equação do primeiro grau, podemos dizer que, para o movi- • No gráfico x × t, qual a interpretação fı́sica da inter-
mento uniforme, todo gráfico x × t é uma reta inclinada em secção da reta com o eixo do tempo t?
relação aos eixos. Quando o movimento é progressivo (para
a direita) a reta é inclinada para cima, indicando que os va-
lores da posição aumentam no decorrer do tempo; quando o Exercı́cios de Aplicação
movimento é retrógrado (para a esquerda), a reta é inclinada
para baixo indicando que os valores da posição diminuem
no decorrer do tempo. 1. (UEL) Um automóvel mantêm uma velocidade escalar
Observe no gráfico que, de acordo com a equação horária, a constante de 72, 0 km/h. Em 1h:10min ele percorre uma
velocidade pode ser dada pela inclinação da reta, ou seja distância igual a:
a) 79, 2 km
b) 80, 8 km
v = tan θ c) 82, 4 km
d) 84, 0 km
A inclinação da reta também denominada é chamada de e) 90, 9 km
declividade ou coeficiente angular da reta.
Lembre-se de que a tangente de um ângulo, num triângulo 2. (ITAÚNA-RJ) A equação horária de um certo movi-
retângulo, é dada pela relação entre cateto oposto e o cateto mento é x(t) = 40 − 8t no SI. O instante t, em que o móvel
adjacente: passa pela origem de sua trajetória, será:
a) 4 s
Para o movimento progressivo temos o seguinte gráfico: b) 8 s
E para o movimento retrógrado observa-se que: c) 32 s
Fı́sica C – Aula 3 29

x v<0 Fı́sica C Aula 3

xo Movimento Uniformemente Variado


(MUV)

O t Analisando um movimento de queda livre, podemos verificar


que o deslocamento escalar vai aumentando com o decorrer
do tempo, isso mostra que a velocidade escalar do corpo va-
ria com o tempo. Trata-se então de um movimento variado.
Figura 1.6: [Gráfico x×t para o movimento uniforme (MU) Galileu já havia descoberto esse movimento e concluiu que,
retrógrado. desprezando a resistência do ar, quando abandonamos do re-
pouso os corpos próximos a superfı́cie da terra caem com ve-
locidades crescentes, e que a variação da velocidade é cons-
d) 5 s tante em intervalos de tempos iguais. Podemos então con-
e) 10 s cluir que este é um movimento uniformemente variado
(MUV).
3. (UEL) Duas pessoas partem simultaneamente de um
Observamos um MUV quando o módulo da velocidade de
mesmo local com velocidades constantes e iguais a 2 m/s e
um corpo varia de quantidades iguais em intervalos de tem-
5 m/s, caminhando na mesma direção e no mesmo sentido.
pos iguais, isto é, apresenta aceleração constante e diferente
Depois de meio minuto, qual a distância entre elas?
de zero.
a) 1, 5 m
b) 60, 0 m No caso da trajetória ser retilı́nea, o movimento é deno-
c) 150, 0 m minado movimento retilı́neo uniformemente variado
d) 30, 0 m (MRUV). Portanto em um movimento retilı́neo uniforme.
e) 90, 0 m
Aceleração e Velocidade no MRUV
Exercı́cios Complementares a = constante 6= 0

Como a aceleração escalar é constante, ela coincide com a


4. (UEPG-PR) Um trem de 25 m de comprimento, com aceleração escalar média:
velocidade constante de 36 km/h, leva 15s para atravessar
totalmente uma ponte. O comprimento da ponte é: ∆v v − v0
a) 120 m a = am = =
∆t t − t0
b) 100 m
c) 125 m fazendo t0 = 0, podemos escrever a equação horária da ve-
d) 80 m locidade, ou seja
e) nenhuma resposta é correta
v = v0 + at
5. (TUIUTI-PR) Um motorista passa, sem perceber, em
um radar da polı́cia a 108 km/h. Se uma viatura está,
logo adiante a uma distância de 300 m do radar, em quanto v MRUV v MRUV v MRU
tempo o motorista passará pela viatura?
a) 7 s
b) 13 s O a>0 t O a>0 t O a=0 t
c) 20 s vo > 0 vo < 0 vo > 0
d) 10 s
e) 16 s
Figura 1.1: v × t para o MRUV com a ≥ 0.
6. (UESBA) Se dois movimentos seguem as funções horárias
de posição x1 (t) = 100 + 4t e x2 (t) = 5t, com unidades do
SI, o encontro dos móveis se dá no instante:
a) 0 s Posição versus tempo no MRUV
b) 400 s
c) 10 s Analisando o gráfico de v×t, podemos obter a função horária
d) 500 s dos espaço calculando o deslocamento escalar desde t = 0
e) 100 s até um instante t qualquer. Como:
30 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

v MRUV a<0 v MRUV a<0 v MRU a=0 A Equação de Torricelli


vo > 0 vo = 0 vo < 0
O fı́sico italiano Evangelista Torricelli estudou matemática
O t O t O t em Roma. Nos últimos meses de vida de Galileu, Torricelli
se tornou seu aluno e amigo ı́ntimo, o que lhe proporcionou
a oportunidade de rever algumas teorias do mestre. Uma
das conseqüências disso foi a unificação que Torricelli fez das
funções horárias estabelecidas por Galileu para o movimento
Figura 1.2: v × t para o MRUV com a ≤ 0.
uniformemente variado.
Torricelli eliminou o tempo da função

∆s = área v = v0 + at

obtendo
  t = (v − v0 )/a
v + v0
∆s = t
2 e substituindo o valor de t na função horária dos espaços,
temos
como:   
v + v0 v − v0
s = s0 + vm t = s0 +
∆s = s − s0 2 a

onde vm é a velocidade média do movimento.


e
Finalmente, obtemos a equação de Torricelli:

v = v0 + at v 2 = v02 + 2a∆s

temos
Pense um Pouco!
1
s − s0 = (v0 + at + v0 )t
2 • Imagine que você está no interior de um automóvel em
movimento. O automóvel é suficientemente silencioso
1 1 e macio para que você não perceba sua velocidade e
s − s0 = (2v0 + at)t = v0 t + at2 variações de velocidade. Apenas olhando para o ve-
2 2
locı́metro do automóvel, sem olhar pelas janelas e pára-
logo, brisas, é possı́vel classificar o movimento do automóvel?

• Pode-se usar a equação de Torricelli para se determinar


1
s(t) = s0 + v0 t + at2 a altura atingida por um projétil lançdo verticalmente
2
para cima? Como?
é a função horária dos espaços s(t).

x x x Exercı́cios de Aplicação
a>0 a>0 a>0
vo = 0 vo < 0 vo < 0
xo = 0 xo < 0
1. (UEL) Uma partı́cula parte do repouso e, em 5 segundos
O t O t O t percorre 100 metros. Considerando o movimento retilı́neo
xo = 0 uniformemente variado, podemos afirmar que a aceleração
da partı́cula é de:
a) 8, 0 m/s2
Figura 1.3: x × t para o MRUV com a > 0. b) 4, 0 m/s2
c) 20 m/s2
d) 4, 5 m/s2
x a<0 x x e) n.d.a.
vo = 0
xo = 0
2. (UFPR) Um carro transitando com velocidade de
O O a<0 O a<0 15 m/s, tem, seu freio acionado. A desaceleração produ-
t t t
vo > 0 vo = 0 zida pelo freio é de 10 m/s2 . O carro pára após percorrer:
xo = 0 xo > 0
a) 15, 5 m
b) 13, 35 m
c) 12, 15 m
Figura 1.4: x × t para o MRUV com a < 0. d) 11, 25 m
e) 10, 50 m
Fı́sica D – Aula 4 31

3. (ACFE-SC) A velocidade de um certo corpo em movi- Corpos em queda livre têm a mesma aceleração quaisquer
mento retilı́neo é dada pela expressão v(t) = 10 − 2t, no SI. que sejam suas massas.
Calcule o espaço percorrido pelo corpo entre os instantes 2 s Esta aceleração de queda livre é denominada aceleração
e 3 s. da gravidade e, nas proximidades da terra, é suposta cons-
a) 3 m tante e com módulo g = 9.8 m/s2 , valor este que por prati-
b) 5 m cidade, é usualmente aproximado para g = 10 m/s2 .
c) 8 m
d) 16 m Na realidade, a aceleração da gravidade, embora seja inde-
e) 21 m pendente da massa do corpo em queda livre, varia com o
local, dependendo da latitude e da altitude do lugar.
Se o corpo em queda livre tiver uma trajetória retilı́nea,
Exercı́cios Complementares seu movimento será uniformemente variado; neste caso, a
aceleração escalar do corpo será constante e valerá sempre
a = −g, independente do sentido do movimento. Desta
4. (CEFET) Na decolagem, um certo avião partindo do forma, se um objeto for lançado para cima (v0 > 0), ele irá
repouso, percorre 500 m em 10, 0 s. Considerando-se sua frear (desacelerar) até parar (v = 0) e depois seu sentido de
aceleração constante, a velocidade com que o avião levanta movimento será invertido (v > 0).
vôo é:
a) 100 m/s
b) 200 m/s Convenções
c) 125 m/s
• o sentido positivo do eixo vertical é debaixo para cima;
d) 50 m/s
e) 144 m/s • quando a e v possuem o mesmo sinal, o movimento é
acelerado (v cresce em módulo);
5. (UNESP) Um móvel descreve um movimento retilı́neo
obedecendo a função horária x(t) = 8 + 6t − t2 no SI. Esse • quando a e v possuem o sinais contrários, o movi-
movimento tem inversão de seu sentido no instante: mento é desacelerado, freado ou então dito também re-
a) 8 s tardado (v diminui em módulo);
b) 3 s
c) 6 s
d) 2 s Velocidade Escalar Final
e) 4/3 s
Em um local onde o efeito do ar é desprezı́vel e a aceleração
6. (UNESP) No instante em que o sinal de trânsito au- da gravidade é constante e com módulo g, um corpo é aban-
toriza a passagem, um caminhão de 24 m de comprimento donado a partir do repouso de uma altura h acima do solo.
que estava parado começa atravessar uma ponte de 145 m Vamos obter a velocidade escalar final de um corpo ao solto
de comprimento, movendo-se com uma aceleração constante (v0 = 0), atingir o solo. Pela equação de Torricelli:
de 2, 0 m/s2 . O tempo que o caminhão necessita para atra-
vessar completamente a ponte é: v 2 = v02 + 2a∆s = v02 + 2a(s − s0 )
a) 12 s
b) 145 s sendo s0 = h e s = 0, temos:
c) 13 s
d) 169 s v 2 = 0 + 2(−g)(0 − h) = 2gh
e) 14 s
então p
v=− 2gh
Fı́sica D Aula 4 será a sua velocidade escalar ao atingir o chão. Escolhemos
o sinal negativo (−) porque o corpo está descendo, contra o
sentido crescente do eixo vertical (que é para cima).
Observe que quanto maior a altura inicial h, maior a ve-
Queda Livre locidade final v, como era de se esperar, mas que v não é
proporcional a h.
Um corpo é dito em queda livre quando esta sob ação ex-
clusiva da gravidade terrestre ( ou da gravidade de outro
corpo celeste). Tempo de Queda
Foi Galileu quem estudou corretamente pela primeira vez, Vamos obter agora o tempo de queda livre desde que um
a queda livre de corpos. corpo é solto (v0 = 0) de uma altura h, até atingir o solo.
Galileu concluiu que todos os corpos em queda livre, isto é, Pela equação horária da velocidade do MRUV, temos:
livres do efeito da resistência do ar, tem uma propriedade
comum; v(t) = v0 + at
32 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

v a = −g • o movimento do projétil é uniformemente variado por-


que a aceleração escalar é constante e diferente de zero;
vo = 0 • como foi lançado para cima, a velocidade inicial do
projétil é positiva (v0 > 0);

tq • orientando-se o eixo vertical para cima, como de cos-


tume, a aceleração escalar vale −g;

0 t • A partir do ponto mais alto da trajetória, o projétil in-


verte o sentido de seu movimento e , portanto, sua ve-
locidade é nula no ponto mais alto (ponto de inversão);

• O tempo de subida ts do projétil é calculado como se


segue:
se
Figura 1.1: v × t para a queda livre. v(t) = v0 − gt

e v(ts ) = 0 para a posição mais alta, temos


e para a queda livre será
v(t) = v0 − gt 0 = v0 − gts

e sendo v0 = 0 e v = − 2gh temos e finalmente
p v0
− 2gh = 0 − gt ts =
g
e finalmente s
√ Pode-se mostrar que o tempo de descida é igual ao
2gh 2h
t= = tempo de subida. Mostre você mesmo.
g g
• a velocidade escalar de retorno ao solo é calculada como

x a = −g se segue:

h vo = 0 como o tempo total de vôo é 2ts , temos


 
xo = h v(2ts ) = v0 − g(2ts ) = v0 − g
2v0
g

ou seja, a velocidade de retorno será

0 tq t
v = −v0

A mesma aceleração que retarda a subida do projétil é a


que o acelera na descida e tem módulo constante g, por-
tanto concluı́mos que que ao retornar ao solo, o projétil
Figura 1.2: x × t para a queda livre.
chaga com a mesma velocidade inicial de lançamento,
Observe que quanto maior a altura inicial h, maior o tempo em módulo.
de queda t, como também era de se esperar, e que t também
não é proporcional a h. • A altura máxima atingida pelo projétil é calculada a
partir da equação de Torricelli:

Lançamento Vertical v 2 = v02 + 2a∆s

Em um local onde o efeito do ar é desprezı́vel e a ace- e como v = 0 e ∆s = h, temos


leração da gravidade é constante e com módulo igual a g, um
projétil é lançado verticalmente para cima com velocidade 0 = v02 + 2(−g)h
de módulo igual a v0 .
donde
Estudemos as propriedades associadas a este movimento:
v02
1 h=
s(t) = s0 + v0 t − gt2 2g
2
e Observe que quanto maior a velocidade inicial v 0 , maior
v(t) = v0 − gt a altura h atingida pelo projétil, como era de se esperar,
Observa-se que: e que h não é proporcional a v0 .
Fı́sica D – Aula 5 33

Pense um Pouco! c) 90 m
d) 30 m
• Por que uma folha inteira e outra amassada não chegam e) 60 m
juntas ao chão, quando soltas simultaneamente de uma
mesma altura? 5. (UNICAMP) Uma atração que está se tornando muito
popular nos parques de diversão consiste em uma plata-
• Um corpo pode ter aceleração a 6= 0 e v = 0? Como? forma que despenca, a partir do repouso, em queda livre de
uma altura de 75 m. Quando a plataforma se encontra a
• Um corpo pode estar subindo (v > 0) e acelerando para 30 m do solo, ela passa a ser freada por uma força constante
baixo (a < 0)? Como? e atinge o repouso quando chega ao solo. A velocidade da
• por que não se deve dar um tiro para cima com uma plataforma quando o freio é acionado é dada por :
arma de fogo? a) 10 m/s
b) 30 m/s
c) 75 m/s
d) 20 m/s
Exercı́cios de Aplicação e) 40 m/s

1. (UFAL) Uma pedra é abandonada de uma altura de 6. (CEFET-PR) Um balão meteorológico está subindo com
7, 2 m, adotando g = 10 m/s2 e desprezando-se a resistência velocidade constante de 10 m/s e se encontra a uma altura
do ar, pode-se afirmar que a sua velocidade escalar ao atingir de 75 m, quando dele se solta um aparelho. O tempo que o
o solo será: aparelho leva para chegar ao solo é:
a) 12 m/s a) 2 s
b) 36 m/s b) 4 s
c) 360 m/s c) 5 s
d) 18 m/s d) 3 s
e) 180 m/s e) 7 s

2. (FUVEST) Um corpo é solto, a partir do repouso, do


topo de um edifı́cio de 80 m de altura. Despreze a resistência
do ar e adote g = 10 m/s2 . O tempo de queda até o solo e
Fı́sica D Aula 5
o módulo da velocidade com que o corpo atinge o solo são:
a) 4, 0 s e 72 km/h
b) 2, 0 s e 72 km/h
c) 2, 0 s e 144 km/h Movimento Circular Uniforme
d) 4, 0 s e 144 km/h (MCU)
e) 4, 0 s e 40 km/h
Em um movimento onde a trajetória é uma circunferência
3. (FUVEST) Um corpo é disparado do solo, vertical-
(ou arco de uma circunferência) e a velocidade escalar é
mente para cima, com velocidade inicial de módulo igual
constante, este é denominado como movimento circular
a 2, 0.102 m/s. Desprezando a resistência do ar e adotando
uniforme (MCU). Neste movimento a partı́cula é locali-
g = 10 m/s2 , a altura máxima alcançada pelo projétil e o
zada pela sua posição angular θ, que varia uniformemente
tempo necessário para alcançá-la são respectivamente:
com o tempo.
a) 4, 0 km e 40 s
b) 2, 0 km e 40 s No movimento circular uniforme o vetor velocidade muda o
c) 2, 0 km e 10 s tempo todo, porém mantém fixo o seu módulo (velocidade
d) 4, 0 km e 20 s escalar).
e) 2, 0 km e 20 s

Movimento Periódico
Exercı́cios Complementares Um movimento é chamado periódico quando todas as suas
caracterı́sticas (posição, velocidade e aceleração) se repetem
4. (FMTM-MG) As gaivotas utilizam um método interes- em intervalos de tempo iguais.
sante para conseguir degustar uma de suas presas favoritas – O movimento circular e uniforme é um exemplo de mo-
o caranguejo. Consiste em suspendê-lo a uma determinada vimento periódico, pois, a cada volta, o móvel repete a
altura e aı́ abandonar sua vı́tima para que chegue ao solo posição, a velocidade e a aceleração.
com uma velocidade de módulo igual a 30 m/s, suficiente
para que se quebre por inteiro. Despreze a resistência do
ar e adote g = 10 m/s2 . A altura de elevação utilizada por Perı́odo (T )
essas aves é:
a) 15 m Define-se como perı́odo (T ) o menor intervalo de tempo
b) 45 m para que haja repetição das caracterı́sticas do movimento.
34 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I


 
 

 

 

  

    v  2 
 logo, para o MCU temos

  
  
  
  
   "
  !"   "! 

!"
!" "!"! v = 2πRf
!"
!" "!"!

  
   !R" !" "!"! Velocidade Angular ω

v1

 
  !"
!" "!"!

v
 
 

  !"
!! "!"! θ Define a velocidade angular ω de forma semelhante à de-

 
 3  
  " !"  finição de velocidade v, só que nesse caso estamos interes-

 
 

 
sados na variação da posição angular ocorrida no MCU.


  
   
 
 
Então:
∆θ θ − theta0
 
 

ω= =
 
∆t t
 
   Para uma volta completa, temos que o deslocamento angu-
lar será 2π e t = T , temos
 2π
v4 ω= = 2πf
T

Figura 1.1: O movimento circular uniforme (MCU). Unidades SI

A velocidade angular ω é medida em rad/s no SI.


No movimento circular e uniforme, o perı́odo é o intervalo
de tempo para o móvel dar uma volta completa. Relação entre v e ω
Como é uma medida de tempo, a unidade SI do perı́odo é
o segundo. Como a velocidade escalar no MCU é v = 2πRf e ω = 2πf ,
então
v = ωR
Frequência (f )
Ou seja, a velocidade escalar v é proporcional à velocidade
Define-se a frequência (f ) de qualquer movimento periódico angular ω.
como o número de vezes que as caracterı́sticas do movimento
se repetem durante uma unidade de tempo, ou seja, 1 s. Vetores no MCU
No movimento circular uniforme, a frequência é o número de
voltas realizadas na unidade de tempo. Se o móvel realiza Já vimos que no movimento circular e uniforme, a veloci-
n voltas em um intervalo de tempo t, a frequencia f é dada dade vetorial tem módulo constante, porém direção variável
por: e, portanto o vetor v é variável. Sendo a velocidade vetorial
n variável, vamos analisar a aceleração vetorial a.
f=
t
Sendo o movimento uniforme, a componente tangencial at
e por definição, como no MCU o tempo de uma volta com- da aceleração vetorial é nula:
pleta (n = 1) é o próprio perı́odo do movimento, temos que
∆v
at = =0
1 ∆t
f=
T
Sendo a trajetória curva, a componente normal an da ace-
leração, ou também chamada de aceleração centrı́peta não
A unidade SI da frequência f é s−1 ou também chamado
é nula (an 6= 0).
de hertz, cuja abreviação é Hz. Pode-se também medir a
frequência em rotações por minuto ou rpm. O módulo da aceleração centrı́peta pode ser calculado pela
seguinte expressão:

Exemplo ∆v 2v sin(∆θ/2)
ac = =
∆t ∆t
Se um movimento tem frequência de 2, 0 Hz, então são da- e como ∆θ = ω∆t, e o ângulo ∆θ é pequeno para ∆t pe-
das duas voltas completas por segundo, ou seja, o perı́odo queno, temos
do movimento deve ser de 1/2 s. Como o minuto tem 60 ∆θ ∆θ
sin '
segundos, esse movimento terá uma frequência de 120 rpm. 2 2
e
2ωR∆θ/2
ac = = ω2R
Velocidade Escalar v ∆θ/ω
ou então, como v = ωR
Para uma volta completa, em uma circunferência de raio R,
temos que v2
ac =
∆s 2πR R
v= =
∆t T
Fı́sica D – Aula 6 35
()&
)&
()& ()&
)&
()& ()&
)&
()& ()&
)&
()& v)& ()&
()& (t))(
)(
./&
/& .
. /& &
/ . )& ( .
( /& &
/ . )& ( .
( /& &
/ . )& ( .
( /& &
/ . )& ( .
( /& &
/ . -,-,)& ( (+& . / /. )()(+* #$ a) 20 rad/s
*-,+&
*-,+& +*+* 01&
1& 01& 01& 01& 01& 1010
00 1& 1& 1& 1&
v (t+ ∆ t) b) 30 rad/s
-,-,*+& *+&
** +*+*+* ac ∆v
23 1&
& 2
0 1&
1& &
3
01&
0 2
0 1&&
3
01&
0 2
0 1&&
3
01&
0 v (t)
2
0 1&&
3
01&
0 0 %&1010 %' 32
2 &
3 c) 40 rad/s
∆θ=ο∆ t-,+&
-,-,+& ** +*+* d) 50 rad/s
-,-,+&
∆θ=ο∆ t
v (t+ ∆ t)
** +*+* θ = ο t
+& e) 60 rad/s
-,-,+& *+&* +*+*
+&
R
Exercı́cios Complementares

4. (ACAFE) Um automóvel percorre uma estrada com ve-


locidade escalar constante e igual a 8, 0 m/s e suas rodas
possuem raio R = 0, 40 m. A frequência de rotação da roda
é:
Figura 1.2: A aceleração centrı́peta (normal). a) 5 Hz
b) 8 Hz
c) 12 Hz
Pense um Pouco! d) 6 Hz
e) 10 Hz
• Certos fenômenos da natureza, como a trajetória da
Terra em torno do Sol e o movimento dos satélites apre- 5. (FUVEST) Um ciclista percorre uma pista circular de
sentam movimento circular uniforme? Dê exemplos. 500 m de raio, com velocidade escalar constante de 20 m/s.
A aceleração do ciclista é:
• Imagine um disco girando em torno do seu centro.
a) 0, 5 m/s2
As velocidades de todos os seus pontos são iguias em
b) 0, 8 m/s2
módulo? Explique.
c) 1, 4 m/s2
• Como são os vetores de velocidade de diferentes pontos d) 0, 6 m/s2
de uma mesma roda (disco) que gira? Faça um esboço e) 1, 2 m/s2
dos vetores.
6. (CEFET-PR) A órbita da Terra em torno do Sol, em
• Qual a velocidade angular do ponteiro dos segundos de razão da sua baixa excentricidade, é aproximadamente uma
um relógio mecânico? circunferência. Sabendo-se que a terra leva um ano para re-
alizar uma volta completa em torno do Sol e que a distância
média da Terra ao Sol é 150 milhões de km, os módulos
Exercı́cios de Aplicação dos vetores da velocidade e aceleração em km/s e m/s 2 são
respectivamente:
a) 10 e 2, 0 × 10−3
1. (FCC) Uma partı́cula executa um movimento uniforme b) 20 e 2, 0 × 10−3
sobre uma circunferência de raio 20 cm. Ela percorre me- c) 30 e 6, 0 × 10−3
tade da circunferência em 2, 0 s. A frequência, em hertz, e d) 20 e 6, 0 × 10−3
o perı́odo do movimento, em segundos, valem, respectiva- e) 10 e 6, 0 × 10−3
mente :
a) 4,0 e 0,25
b) 1,0 e 1,0
c) 0,25 e 4,0 Fı́sica D Aula 6
d) 2,0 e 0,5
e) 0,5 e 2,0

2. (UFES) Uma pessoa está em uma roda-gigante que tem Termodinâmica


raio de 5 m e gira em rotação uniforme. A pessoa passa pelo
ponto mais próximo do chão a cada 20 segundos. Podemos A Termodinâmica é a parte da Fı́sica Clássica que estuda os
afirmar que a frequência do movimento dessa pessoa, em sistemas térmicos, os processos de transformações fı́sicas que
rpm, é: ocorrem em tais sistemas, bem como as trocas de energia,
a) 1 calor e o trabalho mecânico.
b) 2
c) 3
d) 4 Temperatura
e) 5
Temperatura e calor são grandezas básicas no estudo da
3. (ITA) Um automóvel percorre uma trajetória com velo- termofı́sica e tanto a sua compreensão como a sua perfeita
cidade escalar constante. A roda do automóvel, cujo raio é distinção são de importância vital para o entendimento de
30 cm, dá 40 voltas em 2, 0 s. A Velocidade escalar angular toda a termofı́sica. De maneira simplificada pode-se definir
da roda é, em rad/s: que temperatura como uma grandeza que permite avaliar o
36 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

nı́vel de agitação das moléculas de um corpo. De acordo com


a teoria cinética dos gases, as moléculas de um gás movem-se
livre e desordenadamente em seu interior, separadas umas
das outras, e apenas interagindo entre si durante colisões
eventuais. A medida que se aquece o gás, a velocidade com
que suas moléculas se movem aumenta, caracterizando um
aumento na energia cinética dessas moléculas, da mesma
forma um resfriamento do gás provoca a diminuição da ve-
locidade e da energia cinética de suas moléculas. Como a
velocidade e conseqüentemente a energia cinética de cada
átomo que constitue uma molécula não é a mesma, o estado
térmico de um corpo é avaliado pela energia cinética média
de seus átomos: quanto maior for a energia cinética média
das partı́culas que compõem um corpo, maior será a sua
temperatuta.

Calor
Colocando dois corpos de temperaturas diferentes em con-
tato térmico, observamos o mais quente esfriar e o mais
frio esquentar. O corpo mais quente perde calor e o corpo
mais frio ganha calor. Os corpo trocarão calor até a atingi-
Figura 1.1: Os pontos de referência nas diferentes escalas.
rem a mesma temperatura, neste caso estarão em equilı́brio
térmico. Essa é a chamada lei zero da Termodinâmica.
Portanto o calor é a energia em trânsito do corpo mais escalas termométricas pode ser obtida facilmente através de
quente para o corpo mais frio por causa da diferença de proporções matemáticas. Imagine-se três termômetros de
temperatura dos corpos em contato térmico. Então, a uni- construção idêntica, cada um graduado em uma das escalas
dade de medida de calor é a mesma unidade de energia. (Celsius , Fahrenheit e Kelvin), em equilı́brio térmico com
No Sistema Internacional, a unidade de energia é o joule um mesmo corpo. Obviamente, os três termômetros estarão
ou J, e na Quı́mica se usa a caloria ou cal. A equivalência indicando o mesmo estado térmico e, portanto, apresentarão
entre as unidades é: as colunas de mercúrio no mesmo nı́vel. Observando-se os
pontos fixos já definidos para cada escala, e chamando de
TC ,TF e T , as temperaturas do corpo nas escalas Celsius,
1 cal = 4, 186 J Fahrenheit e Kelvin, respectivamente, podem-se estabelecer
as proporções:

Escalas Termométricas
TC − 0 ◦ C TF − 32 ◦ F T − 273 K
Dentre os diversos tipos, estudaremos as escalas ter- = =
100 ◦ C − 0 ◦ C 212 ◦ F − 32 ◦ F 373 K − 273 K
mométricas a partir do termômetro de mercúrio, o mais
simples e comum. É constituı́do de uma haste oca de vi-
logo:
dro, ligada a um bulbo contendo mercúrio. Ao ser colocado
em contato com um corpo ou ambiente cuja temperatura se
TC TF − 32 ◦ F T − 273 K
quer medir, o mercúrio se dilata ou contrai, de forma que = =

5 C 9 ◦F 5K
cada comprimento de sua coluna corresponde a um valor de
temperatura. A parede da haste é graduada conveniente- Observe que ambas as escalas Celsius e Kelvin são
mente, para indicar a temperatura correspondente a cada centı́gradas, pois o intervalo e calibração (do ponto de fusão
comprimento da coluna de mercúrio. do gelo ao de ebulição da água) é dividido em 100 graus, ou
As escalas termométricas mais importantes são a Celsius, 100 partes. Na escala Fahrenheit, este intervalo é subdivi-
a Fahrenheit e a Kelvin, e são atribuı́dos aos pontos fixos dido em 180 partes (graus frahrenheit).
(ponto de fusão PF e ponto de ebulição da água PE ), os
valores abaixo:
Intervalos de Temperatura
Conversão de Temperaturas Converter temperaturas de uma escala para a outra não é
o mesmo que converter intervalos de temperatura entre as
Embora usualmente se empregue o grau celsius (◦ C) como escalas. Exemplo, um intervalo de temperatura de 10 ◦ C
unidade prática de temperatura, a conversão entre escalas é corresponde, na escala absoluta (ou Kelvin) a um intervalo
muito importante, pois o kelvin é a unidade de temperatura de 10 K, e na escala Fahrenheit, o intervalo correspondente
do SI, e o grau fahrenheit (◦ F ) ainda é bastante utilizado será de 18 ◦ F , pois para cada grau celsius, temos 1,8 grau
em livros e filmes de lı́ngua inglesa. A relação entre as fahrenheit.
Fı́sica E – Aula 1 37

A menor temperatura que existe na natureza é o chamado d) 25


zero absoluto ou seja, 0 K. Por isso a escala Kelvin é e) 64
dita absoluta. Nas outras escalas, os zeros foram escolhidos
arbitrariamente, não levando em conta a possibilidade de 5. (CENTET-BA) Num termômetro de escala X, 20 ◦ X
haver uma menor temperatura possı́vel na natureza, o que correspondem a 25 ◦ C, da escala Celsius, e 40 ◦ X corres-
só foi descoberto depois da criação das primeiras escalas pondem a 122 ◦ F , na escala Fahrenheit. Esse termômetro
térmicas. apresentará, para a fusão do gelo e a ebulição da água, os
respectivos valores, em ◦ X:
a) 0 e 60
b) 0 e 80
Pense um Pouco! c) 20 e 60
d) 20 e 80
• Qual a temperatura normal do corpo humano, em ◦ F ? e) 60 e 80
• A temperatura ideal da cerveja é em torno de 4 ◦ C, an- 6. (PUC) Uma revista cientı́fica publicou certa vez um ar-
tes de beber. Se dispomos apenas de um termômetro tigo sobre o planeta Plutão que, entre outras informações,
com escala Kelvin, qual a temperatura absoluta corres- dizia “...sua temperatura atinge −380 ◦ ...”. Embora o au-
pondente ao mesmo estado térmico da cerveja ideal? tor não especificasse a escala termométrica utilizada, certa-
mente se refere à escala:
a) Kelvin
Exercı́cios de Aplicação b) Celsius
c) Fahrenheit
d) Kelvin ou Celsius
1. Ao tomar a temperatura de um paciente, um médico só e) Fahrenheit ou Celsius
dispunha de um termômetro graduado na escala Fahrenheit.
Se o paciente estava com febre de 42 ◦ C, a leitura feita pelo
médico no termômetro por ele utilizado foi de :
a) 104 ◦ F Fı́sica E Aula 1
b) 107, 6 ◦ F
c) 72 ◦ F
d) 40 ◦ F
e) 106, 2 ◦ F Eletricidade
2. (URCAMP-SP) No interior de um forno, um termômetro Carga Elétrica
Celsius marca 120◦ C. Um termômetro Fahrenheit e um
Kelvin marcariam na mesma situação, respectivamente: No século XVIII, Benjamin Franklin verificou experimen-
a) 248 ◦ F e 393 K talmente que existem dois tipos de cargas diferentes, a as
b) 198 ◦ F e 153 K batizou como cargas negativas (−) e positivas (+). Nesta
c) 298 ◦ F e 153 K época os cientistas pensavam que a carga era um fluı́do que
d) 393 ◦ F e 298 K podia ser armazenado nos corpos, ou passar de um para ou-
e) nenhuma resposta é correta tro.

3. (ACAFE) Uma determinada quantidade de água está a Atualmente, dizer-se que carga elétrica é uma propriedade
uma temperatura de 55 ◦ C. Essa temperatura corresponde intrı́nseca de algumas partı́culas. Assim como massa, a
a: carga é uma propriedade elementar das partı́culas.
a) 55 ◦ F A experiência realizada por Harvey Fletcher e Robert Milli-
b) 328 ◦ F kan desmosntrou que a quantidade de carga elétrica é uma
c) 459 ◦ K grandeza quantizada, ou seja, não pode assumir qualquer
d) 131 ◦ F valor. Essa descoberta levou à conclusão de que a quan-
e) 383 ◦ K tidade de carga elétrica Q é sempre um número inteiro n
vezes a quantidade de carga elementar e:
Q = ne
Exercı́cios Complementares
onde e = 1, 60 × 10−19 C. A unidade SI da carga elétrica é
o coulomb ou C.
4. (UEL) Um termômetro foi graduado, em graus Celsius,
incorretamente. Ele assinala 1 ◦ C para o gelo em fusão e
97 ◦ C para a água em ebulição, sob pressão normal. Pode- Tipos de Materiais
se afirmar que a única temperatura que esse termômetro
assinala corretamente, em graus Celsius é: Em relação à eletricidade, os materiais são classificados
a) 12 como condutores ou isolantes.
b) 49 Para que um material seja condutor de energia elétrica, é
c) 75 necessário que ele possua portadores de carga elétrica livres
38 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

(elétrons, ı́ons positivos ou ı́ons negativos) e mobilidade para isolante, a eletrização será local, isto é, restrita aos pontos
esses portadores. Os metais são bons condutores de eletrici- de contato.
dade, pois possuem elétrons ”livres”e mobilidade para esses Se os dois corpos forem condutores - um eletrizado e o ou-
elétrons; o mesmo acontece com as soluções eletrolı́ticas, tro neutro - e colocados em contato, poderemos imaginá-los
que apresentam os ı́ons como portadores de carga elétrica, como um único corpo eletrizado. A separação entre eles
e com os gases ionizados, que possuem elétrons e ı́ons como resultará em dois corpos eletrizados com cargas de mesmo
portadores de carga elétrica. sinal. Na figura, um dos condutores está inicialmente neu-
O vidro, a água pura, a madeira e os plásticos de modo geral tro (a eletrização por contato pode ocorrer também com
são bons isolantes de eletricidade. Além dos condutores e dois condutores inicialmente eletrizados).
dos isolantes, existem os materiais semicondutores, como o
silı́cio e o germânio.

Eletrização por Atrito


Ao atritar vigorosamente dois corpos, A e B, estamos forne- (a) (b) (c)
cendo energia e pode haver transferência de elétrons de um
para o outro. Se os corpos atritados estão isolados, ou seja, Generalizando, podemos afirmar que, na eletrização por
não sofrem a influência de quaisquer outros corpos, as car- contato:
gas elétricas cedidas por um são exatamente as adquiridas
pelo outro: • os corpos ficam ou eletricamente neutros ou com cargas
QA = −QB de mesmo sinal;
Isto é, A e B adquirem quantidades de carga elétrica iguais • quando o sistema é formado por corpos isolados das in-
em módulo, mas de sinais contrários. A figura representa fluências externas, a quantidade de carga elétrica total
o que acontece quando um pedaço de metal é atritado com final é igual à quantidade de carga elétrica total inicial
um pano de lã. (princı́pio da conservação de carga elétrica):

QA + Q B = Q 0 A + Q 0 B

Na expressão acima, Q representa a quantidade de


carga elétrica inicial e Q0 , a quantidade de carga elétrica
final. Em particular, se os corpos A e B forem iguais:

Q0 A = Q0 B = (QA + QB)/2

Podemos ainda observar que:


(a) (b)
1. se os corpos colocados em contato são de tama-
Quando esfregamos as mãos, não eletrizamos nenhuma de- nhos diferentes, a divisão de cargas é proporcional
las. Para que haja eletrização por atrito, uma condição ne- às dimensões de cada um;
cessária é que os corpos sejam de materiais diferentes, isto
2. quando um corpo eletrizado é colocado em contato
é, eles não podem ter a mesma tendência de ganhar ou per-
com a Terra, ele se torna neutro, uma vez que
der elétrons. Em Quı́mica, essa tendência é traduzida por
sua dimensão é desprezı́vel se comparada com à
uma grandeza denominada de eletroafinidade. Os materi-
da Terra. Simbolicamente, a ligação à Terra é
ais podem ser classificados de acordo com essa tendência,
representada conforme a figura.
elaborando-se a chamada série triboelétricas:
+ + + Vidro → Mica → Lã → Seda → Algodão →
Madeira → Âmbar → Enxofre → Metais − − −
Ao atritarmos dois materiais quaisquer de uma série tri-
boelétrica, o que estiver posicionado à esquerda ficará eletri-
zado positivamente; o que estiver à direita ficará eletrizado
negativamente. Na eletrização por atrito, pelo menos um
dos corpos deve ser isolante. Se atritarmos dois condutores,
eles não vão manter a eletrização.
(a) (b)
Eletrização por Contato
Em (a), o corpo está isolado da Terra e, portanto,
A eficiência nessa forma de eletrização depende de os cor- mantém sua carga elétrica. Quando o contato com
pos serem condutores ou isolantes. Se um dos corpos for a Terra é estabelecido (b), o corpo se neutraliza
Fı́sica E – Aula 1 39

Eletrização por Indução

Nesse tipo de eletrização não há contato entre os corpos.


Vejamos como acontece.

(a) (b)

Primeiramente, precisamos de um corpo eletrizado (a), cha-


mado de indutor, que pode ser condutor ou isolante, pois (a) (b)
não terá contato com o outro. O segundo corpo (b) a ser
eletrizado, chamado de induzido, deverá ser condutor, po- Na presença do indutor, desfazemos o contato entre b e a
dendo ser uma solução eletrolı́tica ou dois corpos B1 e B2 Terra; em seguida, afastamos os corpos: o corpo b fica ele-
ligados eletricamente. trizado com carga oposta à do indutor a.

Pense um Pouco!
• Uma pessoa pode levar um pequeno choque ao descer
de um carro num dia seco. Explique.
• Atritando-se dois materiais diferentes criamos carga
elétrica? Por quê?

Exercı́cios de Aplicação

(a) (b) 1. Dispõese de três esferas metálicas idênticas e isoladas


uma da outra. Duas delas, A e B, estão neutras, enquanto
a esfera C contém uma carga elétrica Q. Faz-se a esfera C
tocar primeiro a esfera A e depois a esfera B. No final desse
procedimento, qual a carga elétrica das esferas A, B e C,
O indutor (a) eletrizado positivamente, atrai as cargas
respectivamente?
elétricas negativas do induzido (b). Assim, na face do in-
duzido mais próxima do indutor, temos acúmulo de cargas 2. ”Série triboelétrica é um conjunto de substâncias orde-
negativas, que não chegam ao indutor porque o ar entre eles nadas de tal forma que cada uma se eletriza negativamente
é isolante. Por outro lado, a face do induzido mais afastada quando atritada com qualquer uma que a antecede e positi-
do indutor fica positiva. A essa altura, podemos nos per- vamente quando atritada com qualquer uma que a sucede.
guntar se o corpo (b) está eletrizado. Ele não está, pois o Exemplo: vidro - mica - lã - seda - algodão - cobre.”Baseado
número de prótons no corpo continua igual ao número de na informação acima, responda:
elétrons. Dizemos que o corpo (b) está induzido, porque a) Atrita-se um pano de lã numa barra de vidro, inicial-
houve apenas uma separação das cargas. Quando retira- mente neutros. Com que sinais se eletrizam?
mos o indutor, as cargas no induzido se reagrupam e ele b) E se o pano de lã fosse atritado numa esfera de cobre,
volta à situação neutra. Para eletrizar o induzido, devemos, também inicialmente neutro?
na presença do indutor, estabelecer o contato do induzido
(corpo b) com um terceiro corpo, chamado de terra. Esse 3. Uma esfera metálica neutra encontra-se sobre um suporte
terceiro corpo pode ser um outro corpo qualquer, até mesmo isolante e dela se aproxima um bastão eletrizado positiva-
o planeta Terra. mente. Mantém-se o bastão próximo à esfera, que é então
40 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

ligada à terra por um fio metálico. Em seguida, desliga-se c) +++ —


o fio e afasta-se o bastão. d) +++ —
a) A esfera ficará eletrizada positivamente.
b) A esfera não se eletriza, pois foi ligada à terra.
c) A esfera sofrerá apenas separação de suas cargas.
d) A esfera ficará eletrizada negativamente.
Fı́sica E Aula 2
e) A esfera não se eletriza, pois não houve contato com o
bastão eletrizado.

4. Dispõe-se de uma esfera condutora eletrizada positiva- Eletricidade


mente. Duas outras esferas condutoras, B e C, encontram-
se inicialmente neutras. Os suportes das três esferas são iso- Eletroscópio de Folhas
lantes. Utilizando os processos de eletrização por indução
e por contato, descreva procedimentos práticos que permi- É constituı́do de duas folhas metálicas, finas e flexı́veis, liga-
tam obter: I. as três esferas eletrizadas positivamente II. a das em sua parte superior a uma haste, que se prende a uma
eletrizada positivamente e B negativamente III. a eletrizada esfera, ambas condutoras. O isolante impede a passagem de
negativamente e B positivamente cargas elétricas da haste para a esfera. Normalmente, as
folhas metálicas são mantidas dentro de um frasco transpa-
rente, a fim de aumentar a sua justeza e sensibilidade.
Exercı́cios Complementares

5. (U. Fortaleza-CE) Um bastão é atritado com um pano.


A seguir, repele uma esfera eletrı́zada negativamente. Pode-
se afirmar corretamente que o bastão foi eletrizado
a) positivamente, por contacto com o pano.
b) positivamente, por ter-se aproximado da esfera.
c) negativamente, por ter-se aproximado da esfera.
d) negativamente, por atrito com o pano.
e) neutralizado, ao aproximar-se da esfera

6. (PUCC-SP) Dispõe-se de uma barra de vidro, um pano


de lã e duas pequenas esferas condutoras, A e B, apoiadas
em suportes isolados, todos eletricamente neutros. Atrita-
se a barra de vidro com o pano de lã; a seguir coloca-se a
barra de vidro em contato com a esfera A e o pano com a
esfera B. Após essas operações: (a) (b)
a) o pano de lã e a barra de vidro estarão neutros.
b) a barra de vidro repelirá a esfera B.
c) o pano de lã atrairá a esfera A. Figura 1.1: O eletroscópio de folhas (a) na preseça de um-
d) as esferas A e B se repelirão. bastão eletrizado negativamente (b)
e) as esferas A e B continuarão neutras.
Aproximando-se da esfera o corpo que se quer verificar, se
7. (UNIRIO-RJ) Uma esfera metálica, sustentada por uma ele estiver eletrizado, ocorrerá a indução eletrostática, ou
haste isolante, encontra-se eletrizada com uma pequena seja: se o corpo estiver carregado negativamente, ele repele
carga elétrica Q. Uma segunda esfera idêntica e inicialmente os elétrons livres da esfera para as lâminas, fazendo com
descarregada aproxima-se dela, até tocá-la, como indica a que elas se abram devido à repulsão; se o corpo estiver com
figura ao lado. Após o contato, a carga elétrica adquirida cargas positivas, ele atrai os elétrons livres das lâminas, fa-
pela segunda esfera é: zendo também com que elas se abram, novamente, devido à
a) Q/2 repulsão.
b) Q A determinação do sinal da carga do corpo em teste, que
c) 2Q já se sabe estar eletrizado, é obtida carregando-se anterior-
d) 0 mente o eletroscópio com cargas de sinal conhecido. Dessa
forma, as lâminas terão uma determinada abertura inicial.
8. (UF-PI) Temos uma placa condutora apoiada em um su-
porte isolante. Estando ela inicialmente neutra, aproxima-
se pela sua esquerda, um bastão carregado negativamente. A Lei de Coulomb
Em conseqüência da indução eletrostática, ocorrerá uma re-
distribuição de cargas na placa. Esquematicamente, tere- Esta lei diz respeito à intensidade das forças de atração ou
mos: de repulsão, que agem em duas cargas elétricas puntiformes
a) — +++ (cargas de dimensões desprezı́veis), quando colocadas em
b) — — presença uma da outra.
Fı́sica E – Aula 2 41

Exercı́cios de Aplicação

1. Duas esferas condutoras eletrizadas, de pequenas di-


mensões, atraem-se mutuamente no vácuo com força de in-
tensidade F ao estarem separadas por certa distância r.
Como se modifica intensidade da força quando a distância
entre as esferas é aumentada para 4r?

2. As cargas elétricas −q e +q 0 , puntiformes, atraem-se com


força de intensidade F , estando à distancia r uma da outra
no vácuo. Se a carga q 0 for substituı́da por outra −3q 0 e a
distância entre as cargas for duplicada, como se modifica a
força de interação elétrica entre elas?

3. Considere um eletroscópio de folhas descarregado. Ex-


Figura 1.2: Na presença de um bastão eletrizado positiva-
plique o que acontece quando um corpo eletrizado negati-
mente
vamente é:
a) aproximado da esfera do eletroscópio;
Considere duas cargas elétricas puntiformes, q 1 e q2 , sepa- b) encostado na esfera do eletroscópio.
radas pela distância r. Sabemos que, se os sinais dessas
cargas forem iguais, elas se repelem e, se forem diferentes,
se atraem. Isto acontece devido à ação de forças de natureza Exercı́cios Complementares
elétrica sobre elas.
Essas forças são de ação e reação e, portanto, têm a mesma
intensidade, a mesma direção e sentidos opostos. Deve-se 4. Duas partı́culas eletrizadas com cargas elétricas de
notar também que, de acordo com o princı́pio da ação e mesmo valor absoluto mas sinais contrários atraem-se no
reação, elas são forças que agem em corpos diferentes e, vácuo com força de intensidade 4, 0 × 10−3 N , quando situ-
portanto, não se anulam. adas a 9, 0 cm uma da outra. Determine o valor das cargas,
sendo k = 9 × 109 N · m2 /C 2 .
Charles de Coulomb verificou experimentalmente que:
5. (Santa Casa-SP) A figura representa um eletroscópio de
As forças de atração ou de repulsão entre duas car- folhas inicialmente descarregado. A esfera E, o suporte S e
gas elétricas puntiformes são diretamente propor- as folhas F são metálicos. Inicialmente, o eletroscópio está
cionais ao produto das cargas e inversamente pro- eletricamente descarregado. Uma esfera metálica, positiva-
porcionais ao quadrado da distância que as separa. mente carregada, é aproximada, sem encostar, da esfera do
eletroscópio. Em qual das seguintes alternativas melhor se
A expressão matemática dessa força é: representa a configuração das folhas do eletroscópio (e suas
cargas), enquanto a esfera positiva estiver perto de sua es-
q1 q2 fera?
F =k
r2

onde q1 e q2 são os módulos das cargas elétricas envolvidas,


e k uma constante eletrostática que, no SI, para as cargas
situadas no vácuo é

k = 9 × 109 N · m2 /C 2

Pense um Pouco!
• Baseado na lei de Coulomb, explique como funciona o
eletroscópio; 6. Duas cargas puntiformes q1 = −5, 0 µC e q2 = +8, 0 µC
estão sobre o eixo horizontal, separadas por uma distância
r. Assinale a alternativa correta:
• Se dobrarmos a distância r entre duas cargas dadas, o
a) As cargas se repelem mutuamente
que acontece com a força elétrica entre elas?
b) q2 atrai q1 com mais intensidade do que q1 atrai q2
c) o sistema forma um dipolo
• Se colocarmos muitos elétrons no centro de uma chapa d) As cargas se atraem elétricamente
metálica quadrada, o que acontecerá com essa carga? e) A força sobre as cargas são verticais
42 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

sua vizinhança possuam uma propriedade segundo a qual


Fı́sica E Aula 3 todo corpo colocado nesse local sofrerá a ação de uma força
atrativa.
Uma observação muito importante deve ser feita: o campo
elétrico num ponto P qualquer da vizinhança da carga Q,
Campo Elétrico assim como o campo gravitacional num ponto qualquer nas
vizinhanças da Terra, existe independentemente da presença
Quando empurramos uma caixa, estamos aplicando sobre da carga de prova q ou da massa m. Estas apenas testam
ela uma certa força. Não é difı́cil imaginar de que forma essa a existência dos campos elétrico e gravitacional nos pontos
força foi transmitida à caixa, pois de imediato associamos considerados.
à aplicação da força o contato travado com a caixa. Pen-
semos agora na interação entre cargas elétricas: conforme O Vetor Campo Elétrico
estudamos anteriormente, se aproximarmos de uma carga
Q uma outra carga q, que denominaremos carga de prova, O campo elétrico é melhor caracterizado em cada ponto do
verificaremos a ação de uma força F~ (atrativa ou repulsiva, espaço por um vetor Ê, denominado vetor campo elétrico.
conforme os sinais das cargas) sobre a carga q. Nesse caso, A definição do vetor campo elétrico é tal, que por seu
não há contato entre os corpos, o que torna mais difı́cil a intermédio poderemos estudar muitas caracterı́sticas do
compreensão da forma de transmissão da força. Durante campo elétrico, a partir do estuco desse vetor num ponto.
muito tempo afirmou-se que a força eletrostática era uma Consideremos P um ponto genérico de um campo elétrico
interação direta e instantânea entre um par de partı́culas gerado por uma fonte qualquer. Coloquemos em P , suces-
eletrizadas, conceito este denominado ação a distância. sivamente, cargas de prova q1 , q2 , q3 , ..., q. A intensidade
da força elétrica atuante nas cargas de prova irá variar, mas
a direção da força será a mesma, conforme indicamos na
sequência de figuras seguintes:

(a) (b) (c)


Se trabalhássemos apenas com cargas em repouso, a ação a
distância nos bastaria para que resolvêssemos a maioria dos Concluı́mos que a relação entre a força e a carga em que ela
problemas do eletromagnetismo. No entanto, o estudo de atua é uma caracterı́stica do ponto P considerado, denomi-
cargas em movimento não pode ser deixado de lado e nesse nada vetor campo elétrico. Assim, teremos:
caso a teoria da ação a distância é falha, sendo necessário ~ = F~ /q
E
buscarmos outra forma de explicar a interação elétrica. E foi
com Faraday (1791-1867) que nasceu a idéia que constitui Quanto ao sentido do vetor E, ~ distinguimos dois casos:
hoje um dos mais importantes recursos em Fı́sica: a noção ~ e F~ têm o mesmo sentido;
a) q é positiva: E
de campo. b) q é negativa: E~ e F~ têm sentidos contrários.
Dizemos que a presença da carga Q afeta a região do espaço Podemos concluir, da equação, que as unidades de intensi-
próxima a ela, ou seja, que a carga Q cria nas suas vizi- dade do vetor campo elétrico serão unidades de força por
nhanças uma “propriedade”que dá a essa região “algo”mais unidades de carga. Assim, no sistema internacional de uni-
que atributos geométricos, “algo”que transmitirá a qualquer dades, teremos:
carga de prova colocada nessa região a força elétrica exer-
cida pela carga Q. Designamos por campo elétrico tal pro-
priedade. Assim, a força F~ é exercida sobre q pelo campo Unidade SI
elétrico criado por Q. Esquematicamente teremos:
~ será
por definição, a unidade de de campo elétrico é E
Ação à distância: carga ⇐⇒ carga newton/coulomb, ou seja N/C.
Teoria de campo: carga ⇐⇒ campo ⇐⇒ carga
A noção de campo é utilizada em muitas outras situações Linhas de Campo
fı́sicas, como por exemplo a interação gravitacional. Na fi-
gura a seguir, em vez de pensarmos numa atração direta da A denominação linhas de campo ou linhas de força designa
Terra sobre o corpo de massa m, podemos dizer que a Terra uma maneira de visualizar a configuração de um campo
cria em torno de si um campo gravitacional; em outras pa- elétrico. Esse artifı́cio foi empregado por Faraday e mesmo
lavras, a presença da Terra faz com que todos os pontos de hoje pode ser conveniente seu uso.
Fı́sica E – Aula 3 43

Apresentamos a seguir a significação das linhas de força:

1. São linhas traçadas de forma que a tangente a cada


~ São orientadas no
ponto nos fornece a direção de E.
sentido do vetor campo.

As linhas de campo ”morrem”nas cargas negativas


2. As linhas de campo são traçadas de forma que o número
• duas cargas de sinais iguais:
de linhas que atravessa a unidade de área de uma secção
perpendicular às mesmas é proporcional ao módulo de
~ Dessa forma, onde elas estiverem mais próximas,
E.
~ é maior; onde elas estiverem mais afastadas, | E|
|E| ~ é
menor.

3. Observe que, por definição, o campo elétrico é único


As figuras seguintes mostram linhas de campo de alguns em cada ponto do espaço, e portanto, duas linhas de
campos elétricos particulares: campo nunca se cruzam.

Cálculo do Campo Elétrico


• campo gerado por uma carga puntiforme positiva.
Campo de uma Carga Puntiforme

O campo elétrico devido a uma carga puntiforme Q fixa é


facilmente determinado analisando-se a figura seguinte:

As linhas de campo ”nascem”nas cargas positivas.

• carga puntiforme negativa:


44 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

No ponto P da figura, colocamos urna carga de prova q, o campo elétrico vertical, de cima para baixo de intensidade
vetor campo elétrico no ponto P tem intensidade dada por: E ≈ 100 N/C. Este campo é quase uniforme, visto em
E = F/q. pequena escala (alguns metros), sobre o chão plano.
O campo gerado por uma carga puntiforme Q num ponto
P qualquer do espaço tem intensidade dada por:

E=
F Q
=k 2
Pense um Pouco!
q r
• Qual as semelhanças e diferenças entre a força elétrica
Utilizando uma linguagem não muito rigorosa, podemos di- e a gravitacional? Faça um paralelo.
zer que as cargas positivas geram campos de afastamento e
as cargas negativas geram campos de aproximação.
• Num sistema de cargas puntiformes é possı́vel se encon-
trar algum ponto P onde o campo elétrico seja nulo?
Campo Elétrico para Várias de Cargas Dê exemplos.
Se cada uma das cargas estivesse sozinha, originaria no
ponto P um campo elétrico devido à sua presença indi- • Um dipolo é formado por um par de cargas +q e −q.
vidual. Dado o efeito aditivo da força elétrica, o campo Esboce as linhas de campo de um dipolo.
elétrico devido à presença de n cargas puntiformes será a
soma vetorial dos campos produzidos individualmente por
cada uma das cargas, isto é:
Exercı́cios de Aplicação
n
X
~ =E
E ~1 + E
~2 + E
~3 + . . . = ~i
E
i=1 1. (Fatec-SP) Em um ponto P do espaço existe um campo
~ horizontal de 5×104 N/C, voltado para a direita.
elétrico E
Importante: esta soma deve ser feita usando-se a soma de
vetores. a) Se uma carga de prova de l, 5 µC, positiva, é colocada em
P , qual será o valor da força elétrica que atua sobre ela?
EF9
F9
EFE9J9 EF9
F9
EFE J9 EF9
F9
EFE J9 EF9
F9
EFE J9 EF9
F9
EFE J9 EF9
F9
EFE J9 EF9
F9
EFE J9 EF9
F9
EFE J9 EF9
F9
EFE J9 EF9
F9
EFE J9 EF9
F9
EFE J9 EF9
F9
EFE J9 EF9
F9
EFE J9 EF9
F9
EFE J9 EF9
F9
EFE J9 E
EF9
F9
EFE 4 J9 FEFE
FE9 I JIJ9 EFE JIJ9
F9 I EFE B9
F9 I JIJ9 EFE D9
F9 I JIJ9 EFE H9
F9 JG IJ9 I EFE H9
F9 JG IJ9 I EFE H9
F9 JG IJ9 I EFE H9
F9 JG IJ9 I EFE H9
F9 JG IJ9 I EFE H9
F9 JG IJ9 I EFE H9
F9 JG IJ9 I EFE H9
F9 JG IJ9 I EFE H9
F9 JG IJ9 I EFE HG DC BA 45JIJ9
F9 I EFE JIJ9
F9 I EFE J9
F9 I IJ9 FEFE JIJI b) Em que sentido a carga de prova tenderá a se mover, se
FE9 A C A B G C 9
D A B G C 9
D A B G C 9
D A B G C 9
D A B G C 9
D A B G C 9
D A B G C 9
D A B G C 9
D A B G C 9
D A B
J FEFEFE 1 JIIJ
for solta?
EFE967 QI9
F9 I J FEF9 I J FEF9 AB9
B9 I J FEF9 8: D9 CD9 BABA I9 I J FEF9 H9 CD9
D9 BABA I9 I J FEF9 H9 CD9
D9 BABA I9 I J FEF9 H9 CD9
D9 BABA I9 I J FEF9 H9 CD9
D9 BABA I9 I J FEF9 H9 CD9
D9 BABA I9 I J FEF9 H9 CD9
D9 BABA I9 I J FEF9 H9 CD9
D9 BABA I9 I J FEF9 H9 CD9
D9 BABA I9 I J FEF9 H9 CD9
D9 BABA I9 I J FEF9 HGHG DCDC BABA PI9 I J FEF9 I J FEF9 I
E 1 I9 E 89 AB9 I9 E C E G 9
H C E G 9
H C E G 9
H C E G 9
H C E G 9
H C E G 9
H C E G 9
H C E G 9
H C E G 9
H C E E I9 E EI9 c) Responda às questões a) e b) supondo que a carga de
FE9 EF9
F9 EF9
F9 9
: AB9
AA9 EF9
F9 C BAB9
D9
Q
AA9 EF9
F9 2H D9 9
G GH9
H9 C BAB9 AA9 EF9
F9 9
G HH9
GH9 C BAB9
D9 AA9 EF9
F9 9
G HH9
GH9 C BAB9
D9 AA9 EF9
F9 9
G HH9
GH9 C BAB9
D9 AB F9 EF9 9
G HH9
GH9
E C BAB9
D9 AA9 EF9
F9 2 9
G HH9
GH9 C BAB9
D9 AA9 EF9
F9 9
G HH9
GH9 C BAB9
D9 AA9 EF9
F9 9
G HH9
GH9 C BAB9
D9 AA9 EF9
F9 9
G HH9
GH9 C BAB9
D9 AA9 EF9
F9 G HHG DC BABA F9 EF9 EF9
F9 FEFE
FE9
EE9
F9 EF9
E EF9
E B EF9
E B EF9
E G B EF9
E G B EF9
E G B E EF9
E G 3A9
EF9
E G B EF9
E G B EF9
E G B EF9
E G B EF9
E G B EF9
E G H A B EF9
E EF9
E FEEF
prova seja negativa.
FFE9E9 FF9 ; E9
<9 FF9 <; B9 AB9
AQE9 FF9 AA E9
B9 FF9 GH9
H9 AG E9
GH9 AB9
B9 FF9 GH9
H9 AG E9
GH9 AB9
B9 FF9 GH9
H9 AG E9
GH9 AB9
B9 FF9 GH9
H9 AG E9
GH9 AB9
B9 FF9 GH9
H9 AG E9
GH9 AB9
B9 FF9 GH9
H9 AG E9
GH9 AB9
B9 FF9 GH9
H9 AG E9
GH9 AB9
B9 FF9 GG B9
H9 AB9 E9
FF9 GH9
H9
G AB9
B9 E9
FF9 HGHG BABA E9 FF9 E9
FF9
E E E 3B9 E E E E E E E E E 5H9 AH9
GH9 E GH9
H9 A E HGHG F9 E E FEFE
FE9
EFE9F9
F9 EF9
EF9 EF9
F9
E EF9
F9
E EF9
F9
E GH9
H9 EF9
F9
E G 9
H EF9
F9
E G 9
H EF9
F9
E G 9
H EF9
F9
E G 9
H EF9
F9
E G 9
H EF9
F9
E G 9
H EF9
F9
E G EF9
F9
E G EF9
F9
E EF9
E EF9
F9
E FEFE
2. (ITA-SP) Uma placa isolante, de dimensões muito
GG F9 GH9
H9 GH9
H9 GH9
H9 GH9
H9 GH9
H9 GH9
H9 GH9
H9 GH9
H9 HGHG F9
FE9=> QEF9 E 4 F9 EF9
E F9 EF9
E F9 EF9
E ?@ QH9 EF9 G EF9
F9 G EF9
F9 G EF9
F9 G EF9
F9 G EF9
F9 G EF9
F9 G EF9
F9 G EF9
F9 EF9 EF9
F9 grandes, está uniformemente carregada. Sabendo-se que o
EH9
G 5H9 G H9 E G H9 E G H9 E G H9 E G H9 E G H9 E G H9 E G HG E E E FE campo elétrico por ela gerado é o mesmo em todos os pon-
tos próximos à placa e que uma pequena esfera tem massa
de 25 gramas e o ângulo de afastamento entre a esfera e a
placa é de 30◦ ?, determinar:
Se todas as cargas Qi estiverem sobre uma mesma linha a) a força elétrica que atua na esfera, supondo que ela se
reta, que também comtém o ponto P , então a intensidade encontre em equilı́brio;
do campo em P será b) o campo elétrico da placa, sabendo-se que a carga na
esfera vale −5 µC.
X n
Q1 Q2 Q3
E=k + k 2 + k 2 + ... = kQi ri2
2
r1 r2 r3 i=1
3. (USP-SP) Uma carga elétrica puntiforme q = 2 × 10 −6 C
e de massa 10−5 kg é abandonada em repouso num campo
Esta é uma soma escalar, mais fácil de fazer do que a ne- elétrico uniforme de intensidade 104 N/C.
cessária no caso anterior. a) Qual é a aceleração adquirida por q?
b) Qual a velocidade da partı́cula no instante 8, 0 s?

Campo Elétrico Uniforme


Trata-se de um campo elétrico em que o vetor campo elétrico Exercı́cios Complementares
é o mesmo em todos os pontos, o que equivale a dizer que em
~ serão
cada ponto o módulo, a direção e o sentido do vetor E
os mesmos. Em consequência dessa definição, concluimos 4. (FUVEST-SP) O diagrama da figura seguinte representa
que as linhas de campo devem ser retas paralelas orientadas a intensidade do campo elétrico gerado por uma carga pun-
todas com o mesmo sentido. tiforme fixa no vácuo, em função da distância d à carga.
Por exemplo, para uma pequena região do espaço, muito a) Calcule o valor da carga Q que origina o campo.
longe de uma carga puntiforme, o campo elétrico se torna b) Determine a intensidade do campo elétrico em um ponto
quase uniforme. Próximo à superfı́cie da Terra, existe um que dista 30 cm da carga fixa.
Fı́sica E – Aula 4 45

1000 Assim, uma d.d.p. de 110 V entre dois pontos indica que o
campo (força elétrica) realiza um trabalho de 110 J sobre
800
cada l C de carga que se desloca de um ponto para outro.
600 Para analisar o sinal da d.d.p., tente imaginar você reali-
E (N/C)

zando o movimento de uma carga de prova entre os pontos


400 A e B, e observe os sentidos da força externa e do desloca-
mento. Por exemplo, se você deslocar uma carga positiva,
200
contra o campo elétrico numa determinada região, observará
que será realizado um trabalho externo positivo, e o poten-
0
0.00 0.05 0.10 0.15 0.20 cial da carga deslocada aumenta, porque ela foi deslocada
d (m)
para uma região de maior potencial.
5. (PUC-SP) Numa certa região da terra, nas proximidades
da superfı́cie, a aceleração da gravidade vale 9, 8 m/s 2 e o Potencial Elétrico Gerado por uma Carga Punti-
campo eletrostático do planeta (que possui carga negativa forme
na região) vale 100 N/C, e é na direção vertical, sentido
de cima para baixo. Determine o sinal e o valor da carga Para calcularmos o trabalho WEA→B realizado sobre a carga
elétrica que uma bolinha de gude, de massa 50 g, deveria +q, sendo deslocada próximo à uma carga puntiforme Q, de-
ter para permanecer suspensa em repouso, acima do solo. vemos utilizar conceitos matemáticos que o estudante verá
Considere o campo elétrico praticamente uniforme no local em seu curso superior: trata-se do cálculo integral, que, uti-
e despreze qualquer outra força atuando sobre a bolinha. lizado neste caso, nos fornecerá como resultado:
 
6. (Mackenzie-SP) Existe um campo elétrico E ~ apontando 1 1
WEA→B = −kQq −
para baixo, na atmosfera terrestre, com uma intensidade rB rA
média de 100 N/C. Deseja-se fazer flutuar nesse campo
uma esfera de enxofre de 0, 5kg. Que carga (módulo e sinal) Dessa maneira a diferença de potencial no caminho de A
precisa ter a esfera? para B será:
A→B
 
Wext. 1 1
VA→B = VB − VA = − = kQ −
q rB rA
Fı́sica E Aula 4 Se quisermos determinar o potencial de um dos pontos, por
exemplo, B, façamos rA tender ao infinito, onde supomos
que o potencial seja nulo. Quando isso acontece
Potencial Elétrico VB = k
Q
rB
Diferença de Potencial Essa equação fornece o potencial de B em relação a um
ponto no infinito. Se nos depararmos com uma configuração
Consideremos positiva uma carga que se desloca de A para de n cargas puntiformes, o potencial num ponto P dessa
B, em equilı́brio, ou seja, faz-se uma força externa F~ext. tal região será a soma algébrica dos potenciais devidos a cada
que anule a força elétrica F~E sobre a carga: carga, isto é:
F~ext. = −F~E   X n
Q1 Q2 Qn Qi
VP = k + + ...+ =k
Ao trabalho realizado pelo agente externo Wext. por unidade r1 r2 rn r
i=1 i
de carga que se desloca de A para B, denominamos diferença
de potencial ou tensão elétrica de A para B, habitualmente
Potencial dentro de um Campo Elétrico
representada por VB − VA ou simplesmente VAB .
Assim, matematicamente teremos: Seja q uma carga positiva que se desloca de A para B sobre
A→B
Wext. WEA→B uma linha de força do campo uniforme mostrado na figura
VB − V A = =− seguinte:
q q
Sendo o trabalho W e q grandezas escalares, a diferença de E
potencial também será uma grandeza escalar.
O trabalho WEA→B independe da trajetória escolhida entre
os pontos A e B, e isso é um resultado decorrente do fato
de a força elétrica ser conservativa.
Fext NM FE OPKL B
Unidades SI RQ A RQ T T S T MN S S S
No Sistema Internacional de Unidades, a unidade de dife- +q
rença de potencial (d.d.p.) será o joule/ coulomb, que é
denominada volt ou V .
46 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Como o campo é uniforme, a força elétrica que atua na carga contrários é um bom exemplo de campo elétrico uniforme.
q é constante e terá intensidade dada por: Na figura seguinte, a distância entre as placas vale 5 cm e a
intensidade do campo elétrico uniforme E é 2, 0×1O 5 N/C.
F = qE a) Qual a d.d.p. entre os pontos A e B indicados na figura?
b) Se o ponto A for tomado como nı́vel de referência para o
Sabemos, da mecânica, que o trabalho realizado por uma potencial, qual será o potencial do ponto B?
força constante e paralela ao deslocamento e dado por
A→B
Wext. = −FE · d E

Então a d.d.p. entre os pontos A e B, de A para B, será: Z A [Z


[V UVXYUW B
VB − VA = −E · d

e neste caso dizemos que a tensão cai de A para B. Em


geral, a d.d.p. é negativa na direção e sentido do campo
elétrico.
Exercı́cios Complementares
A relação obtida acima é de grande utilidade, uma vez que,
conhecida a d.d.p. e o deslocamento, obteremos facilmente
o campo elétrico. Observe que o campo elétrico poderá ser 4. (ACAFE-SC) No vácuo, um corpo eletrizado com carga
expresso também em volt/metro. Procure demonstrar que elétrica Q cria um potencial igual a +3000 V num ponto
l N/C = l V /m. A, situado a 30 cm de Q. Sendo k = 9 × 109 N · m2 /C 2 ,
determine:
Rigidez Dielétrica a) o valor da carga Q;
b) a intensidade do vetor campo elétrico no ponto A.
Sabe-se que o ar é isolante, porém quando submetido a
um grande campo elétrico, algumas moléculas são ioniza- 5. (UFRS-RS) Temos as cargas Q1 , Q2 e Q3 dispostas em
das e o ar se torna condutor. A esse limite de campo um retângulo de lados 6 cm e 8 cm. Calcule o potencial
elétrico máximo que um isolante suporta chamamos de ri- elétrico total no vértice A, que não contém nenhuma carga.
gidez dielétrica ou Emax . Para o ar de Jonville, sempre Dados: Q1 = 8 µC, Q2 = 16 µC, Q3 = −12 µC e k =
muito úmido, temos Emax ≈ 800 v/mm. 9 × 109 N · m2 /C 2 .

6. (IME-RJ) Calcular o trabalho das forças do campo


Pense um Pouco! elétrico de uma carga puntiforme Q = 5 µC para trans-
portar outra carga puntiforme q = 2, 0 µC de um ponto A
• Você saberia responder o valor da d.d.p. (diferença de a outro B, distantes 1, 0 m e 2, 0 m da carga Q, respecti-
potencial) entre o chão e uma nuvem, num raio? vamente. Esse trabalho é positivo ou negativo? Explique.
Dado: k = 9 × 109 N · m2 /C 2 .
• Qual a d.d.p. máxima entre dois fios paralelos, separa-
dos por uma distância de 10 cm, em Joinville?
• Num dado instante, a d.d.p. entre os eletrodos de uma Fı́sica E Aula 5
tomada é de 200 V . O que significa isso fisicamente?

Exercı́cios de Aplicação
Superfı́cies Equipotenciais
1. Qual o potencial de um ponto P , situado a 20 cm de Denomina-se superfı́cie eqüipotencial ao lugar geométrico
uma carga positiva de campo cujo valor é 4, 0 × xl0 −6 C? dos pontos que têm mesmo potencial elétrico. Nenhum tra-
balho é realizado no deslocamento de uma carga de prova
2. (FAAP-SP) Duas cargas Q1 e Q2 , de valores −2 µC e
entre dois pontos de uma mesma superfı́cie equipotencial.
+2 µC, respectivamente, estão separadas por uma distância
de 40 cm. Para aumentar a separação entre as cargas, é preciso que
a) Calcule o potencial no ponto P , situado na metade do um agente externo realize um trabalho, cujo sinal poderá
segmento que une as cargas Q1 e Q2 . ser positivo ou negativo, conforme sejam as cargas de sinais
b) Calcule o módulo, a direção e o sentido do vetor campo iguais ou opostos. Como sabemos, a esse trabalho corres-
elétrico em P . ponde uma energia armazenada no sistema sob a forma de
c) O que se pode concluir dos resultados obtidos com esses energia potencial elétrica. Assim, definiremos a energia po-
cálculos? tencial elétrica de um sistema de cargas elétricas puntifor-
mes como sendo o trabalho externo realizado para trazê-las
3. (UFSC-SC) O campo elétrico no interior de um sis- em equilı́brio de uma separação infinita até a configuração
tema de placas paralelas eletrizadas com cargas de sinais atual.
Fı́sica E – Aula 5 47

V (volts)

-50

-100

-150
1.0
V (volts) 0.5
-1.0 0.0
y (m)
150 -0.5 -0.5
0.0
x (m) 0.5 -1.0
100 1.0

50
Figura 1.2: O potencial elétrico em torno de uma carga pun-
0 tual positiva q = −1 nC. Na base estão as equipotenciais,
inicando no cı́rculo maior onde V = −10 V . Masca-se as
1.0 equipotenciais a cada 20 V .
0.5
-1.0 0.0
y (m)
Como o trabalho é a própria energia potencial elétrica E pot
-0.5 -0.5
do sistema de cargas {q1 , q2 }, então
0.0
x (m) 0.5 -1.0 Epot =
kq1 q2
1.0 r12
onde r12 é a distância entre as cargas q1 e q2 .

Pense um Pouco!
Figura 1.1: O potencial elétrico em torno de uma carga pun-
tual positiva q = +1 nC. Na base estão as equipotenciais, • Como seriam as superfı́cies equipotenciais de uma carga
inicando no cı́rculo maior onde V = +10 V . Masca-se as puntiforme?
equipotenciais a cada 20 V .
• Qual o trabalho necessário para se deslocar uma carga
O potencial elétrico que uma carga q1 origina no ponto P , q 0 em torno de uma carga fixa q, mantendo-se a
a uma distância r da carga, é dado por: distância fixa entre elas?
kq1
V1 =
r
Imaginemos, agora, que uma segunda carga q2 foi trazida Exercı́cios de Aplicação
do infinito até o ponto P . O trabalho realizado para tal é,
segundo a definição de potencial elétrico:
1. (FATEC-SP) Sabe-se que a carga do próton é igual em
W 2 = q 2 V1 valor absoluto à do elétron, tendo no entanto sinal contrário
48 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

ao da referida carga. Um próton tem velocidade relativa


zero em relação a um elétron. Quando eles estiverem sepa-
rados pela distância 10-13 cm, calcule a energia potencial
Fı́sica E Aula 6
do sistema.

2. (IME-RJ) Três cargas q1 , q2 e q3 estão dispostas, uma


em cada vértice de um triângulo equilatero de lado a. Qual
Condutores em Equilı́brio
a energia potencial do sistema? Suponha em q1 = 1, 0 µC,
q2 = −4, 0 µC, q3 = 2, 0 µC e a = 10 cm. Vamos estudar o campo elétrico e o potencial elétrico de
uma distribuição de cargas em um condutor em equilı́brio
3. No esquema abaixo representamos as superfı́cies equipo- eletrostático.
tenciais e as linhas de força no campo de uma carga elétrica Para estudar os campos elétricos, vamos usar não sistemas
puntiforme Q. Considere que o meio é o vácuo. Sendo de cargas puntiformes e sim distribuições de cargas em con-
V1 = 60 V ; V2 = 30 V ; V3 = 20 V , e do centro da carga até dutores. Deve-se considerar que estes estão em equilı́brio
V2 a distância r = 0, 30 m. Determine: eletrostático, ou seja, nenhuma carga está sendo colocada
a) o valor de Q; ou retirada do condutor, e todo o movimento interno de
b) a d.d.p. encontrada no caminho da superfı́cie com V 1 até cargas já cessou.
a outra com V2 ;
c) o trabalho da força elétrica que atua sobre uma carga de
prova q 0 = +1, 0 µC ao ser deslocada de V2 para V3 . Equilı́brio Eletrostático
Um condutor está em equilı́brio eletrostático quando
Exercı́cios Complementares nele não ocorre movimento ordenado de cargas elétricas.
Fornecendo-se ao condutor representado em corte da Fig.
1.1, uma a carga elétrica Q, a repulsão mútua das cargas
4. (USP-SP) Uma partı́cula de massa m e carga elétrica elementares que constituem Q faz com que elas fiquem tão
q > 0 está em equilı́brio entre duas placas planas, paralelas longe uma da outra quanto possı́vel. O maior afastamento
e horizontais, e eletrizadas com cargas de sinais opostos. A possı́vel corresponde a uma distribuição de cargas na su-
distância entre as placas é d, e a aceleração local da gravi- perfı́cie externa do condutor, situação, aliás, que desta-
dade é g. camos nas figuras de condutores que até agora apareceram
a) Determine a diferença de potencial entre as placas em em nossas aulas. Nessa configuração de cargas, todas na
função de m, g, q e d. superfı́cie, o condutor possui a sua menor energia potencial
b) Qual placa tem o maior potencial? Explique. elétrica.

5. (FEI-SP) Uma partı́cula da massa m = 200 mg e carga


q = +1µC é abandonada num ponto A e se dirige a outro
B. Sendo de −100 V a diferença de potencial de A e B, a
velocidade com que a partı́cula alcança B é:
a) 5, 0 m/s
b) 4, 0 m/s
c) 3, 0 m/s
d) 2, 0 m/s
e) 1, 0 m/s

6. (Santa Casa-SP) Sabe-se que a massa do elétron é 9, 1 ×


10−31 kg, que sua carga elétrica vale −1, 6×10−19 C e que a
diferença de potencial entre os ponto A até B é 100 V . Um
elétron é abandonado em B sob a ação exclusiva do campo
elétrico. O módulo da velocidade do elétron ao atingir o
ponto A é um valor mais próximo de:
a) 36 × 1012 m/s
b) 6, 0 × 1012 m/s
c) 6, 0 × 106 m/s
d) 35 × 106 m/s
e) 6, 0m/s
Figura 1.1: Um condutor carregado com carga positiva.

O Campo Interno

No interior de um condutor eletrizado, de qualquer formato,


o campo elétrico é nulo em todos os pontos, ou seja,
~ = ~0.
E
Fı́sica E – Aula 6 49

Isso pode ser constatado simplesmente notando que, se hou- constante. Assim, para o condutor da Fig. 1.1, temos
vesse campo elétrico no interior do condutor, ele agiria nos VA = V B = V C = V D .
elétrons livres, os quais teriam um movimento ordenado
sob sua influência, contrariando o conceito de condutor em
equilı́brio eletrostático. Condutor Esférico
Para se determinar o vetor campo elétrico e o potencial
O Campo Externo elétrico em pontos externos a um condutor esférico ele-
trizado, supõe-se sua carga Q puntiforme e concentrada no
Contudo, da sua superfı́cie para fora, o campo elétrico não centro:
será nulo. Porém, nesses pontos, o vetor campo elétrico E~ Q
Eext = k 2
deve ser normal à superfı́cie, como em A, na Fig. 1.1. Se o r
vetor campo fosse como E ~ 0 no ponto B da mesma figura, ele e
Q
teria uma componente tangencial à superfı́cie do condutor, Vext = k
o que provocaria movimento ordenado de cargas ao longo r
da superfı́cie. O potencial elétrico do condutor esférico de raio R é o po-
tencial de qualquer ponto interno ou superficial, sendo dado
pelo valor fixo:
O Poder das Pontas Q
Vint, sup = k
R
Nas regiões pontiagudas de um condutor carregado (região
C da Fig. 1.1), a densidade de carga, isto é, a concentração
de cargas elétricas por unidade de área superficial é mais Blingdagem Eletrostática
elevada. Por isso, nas pontas e em suas vizinhanças o campo
Considere um condutor oco A em equilı́brio eletrostático e,
elétrico é mais intenso.
em seu interior, o corpo C (Fig. 1.3). Como o campo elétrico
Quando o campo elétrico nas vizinhanças da ponta atinge no interior de qualquer condutor em equilı́brio eletrostático
determinado valor, o ar em sua volta se ioniza e o condutor é nulo, decorre que A protege o corpo C, no seu interior, de
se descarrega através da ponta. Esse fenômeno recebe o qualquer acão elétrica externa. Mesmo um corpo eletrizado
nome de “poder das pontas”. É nele que se baseia, por B externo induz cargas em A, mas não em C. Desse modo,
exemplo, o funcionamento dos pára-raios. o condutor A constitui uma blindagem eletrostática para o
corpo C.
Condutor Oco
Evidentemente, não importa se o condutor é maciço ou oco
(Fig. 1.2): o campo elétrico no interior do metal é sempre
nulo e as cargas se distribuem na sua superfı́cie externa.

Figura 1.3: A blindagem eletrostática.

Uma tela metálica envolvendo certa região do espaço


também constitui uma blindagem satisfatória – a chamada
“gaiola de Faraday”.
A blindagem eletrostática é muito utilizada para a proteção
de aparelhos elétricos e eletrônicos contra efeitos externos
perturbadores. Os aparelhos de medidas sensı́veis estão
acondicionados cm caixas metálicas, para que as medidas
não sofram influências externas. As estruturas metálicas
de um avião, de um automóvel e de um prédio constituem
blindagens eletrostáticas.
Figura 1.2: Um condutor oco.
Como Funciona o Pára-Raios?
Potencial Elétrico O pára-raios tem por finalidade oferecer um caminho mais
eficiente para as descargas elétricas, protegendo casas,
O potencial elétrico em todos os pontos, internos e su- edifı́cios, depósitos de combustı́veis, linhas de transmissão
perficiais, de um condutor em equilı́brio eletrostático, é de energia elétrica, etc.
50 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Saiba Mais e) ( ) As cargas elétricas em excesso distribuem-se na su-


perfı́cie externa do condutor.
O pára-raio foi criado por BENJAMIN FRANKLIN (l706-
1790). polı́tico, escritor e cientista norte-americano. Atual- + +
mente, é constituı́do essencialmente de uma haste condutora
disposta verticalmente na parte mais alta da estrutura a ser + +
+ +
protegida. A extremidade superior da haste apresenta uma
+ +
A C
ou mais pontas de material com elevado ponto de fusão, a +
outra extremidade da haste é ligada, através de condutores \]\^ B + + _]_` + a]
+ ab
metálicos, a barras metálicas que se encontram cravadas,
+
+
profundamente no solo. Se uma nuvem eletrizada estiver
+ + +
sobre as pontas do pára-raios, induz nelas cargas elétricas
intensificando o campo na região já ionizada pela descarga
lı́der. Produz-se a descarga principal através do pára-raios.
2. Considere uma esfera metálica oca provida de um orifı́cio
e eletrizada com carga Q. Uma pequena esfera metálica
neutra é colocada em contato com a primeira. Quais são as
afirmações corretas?
a) ( ) Se o contato for interno, a pequena esfera não se
eletriza.
b) ( ) Se o contato for externo, a pequena esfera se eletriza.
c) ( ) Se a pequena esfera estivesse eletrizada, após um con-
tato interno ficaria neutra.
d) ( ) Se aproximarmos a pequena esfera, sem tocar na es-
fera eletrizada, a carga elétrica da pequena esfera aumenta.

3. (Efei-MG) Um condutor esférico de raio R = 30 cm está


eletrizado com carga elétrica Q = 6, 0 nC. O meio é o vácuo
(k = 9 × 109 N · m2 /C 2 ). Determine:
a) o potencial elétrico e a intensidade do vetor campo
elétrico no centro da esfera;
b) o potencial elétrico e a intensidade do vetor campo
elétrico num ponto externo e situado a 50 cm do centro
da esfera.

Exercı́cios Complementares

4. (Efei-MG) Duas esferas metálicas, A e B, de raios R e


Pense um Pouco! 3R, estão eletrizadas com cargas 2Q e Q, respectivamente.
As esferas estão separadas de modo a não haver indução
entre elas e são ligadas por um fio condutor.
• Como funciona um pára-raios? Que área ele protege? a) Quais as novas cargas após o contato?
b) Qual opotencial elétrico de cada esfera, depois do con-
• Por que durante uma tempestade para se proteger das
tato?
chuvas é mais seguro ficar dentro do carro que debaixo
de uma árvore? 5. (ACAFE-SC) Duas esferas metálicas, A e B, de raios
10 cm e 20 cm, estão eletrizadas com cargas elétricas 5, 0 nC
e −2, 0 nC, respectivamente. As esferas são postas em con-
Exercı́cios de Aplicação tato. Determine, após atingir o equilı́brio eletrostático:
a) as novas cargas elétricas das esferas;
b) o potencial elétrico que as esferas adquirem.
1. (Cefet-BA) Considere um condutor metálico com a forma c) Houve passagem de elétrons de A para B ou de B para
indicada na figura. O condutor está eletrizado positiva- A? Explique.
mente e em equilı́brio eletrostático. Observe os pontos A,
B e C. Quais são as afirmações corretas? 6. (UNICAMP-SP) Conhecidas duas esferas metálicas
a) ( ) O campo elétrico em A é nulo. idênticas, A e B, de cargas elétricas 5, 0 × 10−6 C e
b) ( ) A densidade de cargas elétricas é maior em C do que 3, 0 × 10−6 C, respectivamente. As esferas são colocadas
em B. em contato.
c) ( ) O campo elétrico em B é mais intenso do que em C. a) Determine o número de elétrons que passou de um con-
d) ( ) Os pontos A, B e C possuem mesmo potencial dutor para outro.
elétrico. b) Qual das esferas recebe elétrons?
Fı́sica E – Aula 6 51

7. Sabendo-se que existe um campo elétrico na superfı́cie Os condutores que constituem o capacitor são denominados
da Terra, vertical para baixo igual a 100 N/C. Dado o raio armaduras do capacitor.
da Terra R = 6.400 km, determine: A classificação dos capacitores é dada em função da forma
a) O potencial elétrico da Terra (do chão); de suas armaduras e da natureza do dielétrico que existe
b) A carga elétrica total da Terra. entre as mesmas.
Em todo capacitor, existe uma relação constante entre o
Capacidade Elétrica módulo da carga (que é a mesma em valor absoluto nas
duas armaduras) e a d.d.p. V entre as armaduras. Essa
relação é denominada capacitância do condensador.
Denomina-se capacidade elétrica ou capacitâcia de um corpo
condutor a capacidade que ele possui de armazenar cargas. C = Q/V
Da mesma forma que a quantidade de moles de um gás
que um balão pode conter depende da pressão a que o gás
Num circuito, os capacitores serão representados por duas
estiver submetido e também das dimensões e forma do balão,
barras paralelas.
a capacidade elétrica dependerá das dimensões e forma do
condutor.
A experiência mostra que, se fornecemos a um condutor Capacitores Planos
cargas Q1 , Q2 , Q3 , ..., Q, o potencial adquirido pelo mesmo
será V1 , V2 , V3 , ..., V , sempre proporcionaias à carga Q O capacitor plano é constituı́do por placas condutoras pla-
fornecida. Isso quer dizer que o quociente Q/V é constante nas e paralelas, separadas por um dielétrico qualquer (ar,
(Fig. 1.4). mica, papel, polı́meros, etc.)

c +ed
ed c +ed
c +ed
c edc edc+ ed
c ed c ec
+ed c edc edc edc edc ed
c ed c +edc ec Q
c ed
ed c ed c ed c ed c ed c ed c ed c ec +
+ ecded c ed c ed c ed c ed c ed c ed c ec +
cd
e cd e cd e cd e cd e cd e cd e cd e ce
+ ed c ed c ed c ed c ed c ed c ed c ed c ec +
c ed
ed c ed c ed c ed c ed c ed c ed c ec V
+ed c ed c ed c ed c ed c ed c ed c ed c +ec + −
c+ +ed
ed c ed c ed c ed c ed c +ed c +ed c ec
+

Figura 1.4: Capacitor metálico carregado com carga positiva


+Q.

Essa constante de proporcionalidade C é denominada ca-


Seja A a área de cada armadura e d a distância entre as
pacitância do condutor.
mesmas. Consideremos inicialmente que haja vácuo entre as
placas. É possı́vel demonstrar, mediante a aplicação da lei
Unidades SI de Gauss, que o campo uniforme que existe entre as placas
é dado por:
No Sistema Internacional de Unidades (SI), temos: Q
E=
0 A
1 F = 1 f araday = 1 coulomb/1 volt = 1 F arad
onde 0 é a constante de permitividade elétrica do
A capacitância de um condutor que recebe uma carga de vácuo,
l coulomb, adquirindo um potencial de l volt, é igual a l F . 0 = 8, 85 × 1O −12 F/m
Na prática, os capacitores tem capacitância da ordem tı́pica
no SI.
de µF arad.

Relação Entre k e 0
Capacitores
As constantes k, a constante elétrica da lei de Faraday, e
Na prática, é impossı́vel obter condutores de capacitância
0 , a permissividade elétrica do vácuo, estão intimamente
elevada, sem que suas dimensões sejam extraordinariamente
relacionadas, e pode-se mostrar que:
grandes. No entanto, é possı́vel obtermos dispositivos, de
dimensões pequenas, capazes de armazenar uma razoável 1
quantidade de cargas com diferenças de potencial não muito k=
4π0
grandes. Esses dispositivos são denominados capacitares
ou condensadores. e como 0 é dado em F/m, então pode-se escrever a cons-
Um capacitor é um par de condutores, separados por um tante k em m/F , já que estas constantes são inversamente
isolante (dielétrico). proporcionais.
52 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Qual seria então o raio da esfera com capacitância de 1, 0 F ?


Como C = R/k então

R = kC = (9, 0 × 109 m/F )(1, 0 F ) = 9, 0 × 109 m

Se compararmos esse valor com o raio da Terra, cerca de


6.4 × 106 m, veremos que o capacitor teria que ter um raio
com aproximadamente 1.400 vezes maior que a Terra!

Conforme já estudamos anteriormente, a d.d.p. entre as


placas vale V = Ed. Assim: Pense um Pouco!
Qd • Qual a utilidade dos capacitores em nosso cotidiano?
V =
0 A
• Se tentarmos afastar as placas (armaduras) de um ca-
A capacitância do capacitor plano é dada por: pacitor carregado, realizaremos algum trabalho?
0 A • Se conectarmos duas esferas metálicas idênticas de ca-
C=
d pacitância C cada uma, qual a capcitância do conjunto?
Comente.
Observe que a capacitância obtida é diretamente proporci-
onal à área A das placas, e inversamente proporcional à sua • A capacitância de um corpo metálico depende dele ser
distância d. oco ou maciço? Explique.
Se, em vez de ar ou vácuo, houver entre as armaduras um
dielétrico de constante dielétrica b, a capacitância de um
condensador plano será maior, dada por: Exercı́cios de Aplicação
b0 A
C=
d 8. Três condutores, de capacidades 2 pF , 3 pF e 5 pF ,
estão eletrizados com cargas de 4 µC, 12 µC e −20 µC,
Para que o dielétrico tenha efeito sobre a capacitância, ele respectivamente.
deve ser colocado na região de campo elétrico do capaci- a) Determine os potenciais elétricos desses corpos.
tor. Alguns dielétricos como a mica e poliéster chegam a
aumentar a capacitância em até 100 vezes o seu valor no 9. (FUVEST-SP) Um capacitor plano tem uma capa-
vácuo (sem dielétrico). citância C. Entre suas armaduras há uma distância d. Qual
será sua capacidade se a distância entre suas placas for au-
mentada para 2d?
Capacitor Esférico Simples
10. (UFBA) Um capacitor plano possui capacidade C =
Se construirmos um capacitor com uma esfera simples con- 100 pF , área das armaduras A = 100 cm2 , e dielétrico
dutora de raio R, sua capacitância será com b = 5. Quando a ddp entre as armaduras for igual
Q Q R a 50V , calcule a intensidade do campo elétrico no interior
C= = = = 4π0 R do dielétrico. Dado: 0 = 8, 85 × 1O −12 F/m.
V kQ/R k
ou seja, a capacitância da esfera é diretamente proporcional
ao seu raio R. Exercı́cios Complementares
+ + + Q
++ +
11. (UFPR) Uma partı́cula de massa 2, 0 × 10−10 kg com
+ carga positiva e igual a 2, 0×1O −6 C penetra através de um
+ + + R orifı́cio, com velocidade de 1, 0×104 m/s, numa região onde
+ + + existe um campo elétrico uniforme de módulo 4 × 10 5 N/C.
+
+ + + + A distância entre as placas vale 10 cm. Determine a ener-
+ + gia cinética com que a partı́cula atinge a segunda placa,
+ + andando contra o campo elétrico.
+
Capacitor Esferico
´ + +
12. (UEL-PR) Um capacitor de capacidade C exibe, en-
tre seus terminais, uma diferença de potencial V . A carga
Exemplo elétrica armazenada nesse capacitor é dada por:
a) C/V
Vamos calcular a capacitância de uma esfera condutora de
b) V /C
raio igual a 1, 0 m.
c) C 2 V
R 1, 0 m d) CV 2
C= = ≈ 0, 11 nF e) CV
k 9, 0 × 109 m/F
Fı́sica E – Aula 8 53

13. (Puccamp-SP) Um capacitor de 8, 0 × 10−6 F é sujeito Propriedades


a uma diferença de potencial de 30 V . A carga que ele
acumulou vale: • Na associação em série, a capacitância equivalente do
a) 1, 2x10−4 C conjunto, Cser. será menor do que a menor das capa-
b) 2, 4x10−4 C citâncias utilizadas;
c) 2, 7x10−7 C
d) 3, 7x106 C • Como as cargas são iguals nos dois capacitores em série,
e) 7, 4x106 C a d.d.p. do maior capacitor será a menor;

14. (UF-ES) Um equipamento elétrico contém duas pilhas


• Se os capacitores ligados em série forem iguais C 1 =
de 1, 5 V em série, que carregam um capacitor de capa-
C2 = C, a d.d.p. de ambos será igual a V /2 e a ca-
citância 6, 0 × 10−5 F . Qual a carga elétrica que se acumula
pacitância equivalente será Cser. = C/2, a metade da
no capacitor, em coulombs?
capacitância de um dos capacitores;

• Para uma associação em série de n capacitores teremos


Fı́sica E Aula 8
1 1 1 1 1
= + + ...+ = sumni=1
Cser. C1 C2 Cn Ci

Associação de Capacitores
Associação de Capacitores em Paralelo
Assim como os aparelhos em geral, os capacitores podem
ser associados de vários modos, sendo os principais em série (Veja a Fig. 1.1(b) ).
e em paralelo. Se numa associação encontramos ambos os Neste caso, como os terminais de ambos os capacitores são
tipos, chamaremos de associação mista. ligados nos mesmo pontos a e b, conectados a uma bateria
de tensão V , a placa positiva de cada capacitor está ligada à
placa positiva do outro, o mesmo acontecendo com as placas
Associação de Capacitores em Série negativas.
Observamos que a mesma d.d.p. V é aplicada aos capacito-
C1 res da associação.
C1
C1 C2 C3 V = V1 = V2
a b a b
Cada capacitor adquire uma carga parcial:
a b

C2 C2 Q = Q 1 + Q2
(a) (b) (c)
A capacidade equivalente é dada por:

Figura 1.1: Associação de capacitores em série (a), em pa- Cpar. = C1 + C2


ralelo (b) e mista (c).

Na associação em série, ver Fig. 1.1 (a), quando uma fonte Propriedades
bateria de tensão V é ligada nos terminais a e b, as cargas
removidas de um terminal serão deslocadas para o outro, • Na associação em paralelo, a capacitância equivalente
ou seja, as cargas em ambos os terminais são de mesmo do conjunto, Cpar. será maior do que a maior das ca-
módulo: pacitâncias utilizadas;
Q1 = Q 2 = Q
• Como as tensões são iguals nos dois capacitores em pa-
. Então
Q Q ralelo, a carga do maior capacitor será a maior das car-
V1 = e V2 = gas;
C1 C2
Os capacitores adquirem diferentes d.d.p. V1 e V2 , respecti-
vamente, tal que • Se os capacitores ligados em paralelo forem iguais C 1 =
V = V1 + V2 C2 = C, a carga de ambos será a mesma e a capa-
citância equivalente será Cpar. = 2C, o dobro da capa-
e assim citância de um dos capacitores;
Q Q Q
= +
Cser. C1 C2
• Para uma associação em paralelo de n capacitores te-
e então a capacidade equivalente é dada por:
remos
1 1 1
= +
Cser. C1 C2 Cpar. = C1 + C2 + . . . + Cn = sumni=1 Ci
54 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Energia de um Caacitor 2. (FAAP-SP) Associam-se em série três capacitores neu-


tros com capacitâncias C1 = 20 µF , C2 = 50 µF e
Imaginemos um capacitor carregado. Liguemos agora suas C3 = 100 µF . Calcule a capacitância equivalente do sis-
armaduras por um fio condutor: as cargas negativas vão tema.
fluir para a outra armadura até que ambas se neutralizem.
O tempo necessário para isso é muito pequeno, e muitas ve- 3. Calcule a capacitância equivalente da associação mista
zes a descarga vem acompanhada de uma faı́sca que salta mostrada na Fig. 1.1 (c), para os capacitores C1 = 20 µF ,
dos extremos do condutor que une as armaduras. Conforme C2 = 10 µF e C3 = 40 µF .
já estudamos anteriormente, o transporte de cargas elétricas
entre pontos que possuem diferentes potenciais elétricos im-
plica aparecimento de energia elétrica. Quando uma carga Exercı́cios Complementares
elétrica é transportada entre dois pontos, entre os quais
existe uma diferença de potencial V qualquer, o trabalho
realizado é W = qV 4. (FCC-BA) Determine a energia acumulada num con-
junto de capacitores com capacitância total de 2.000 µF e
Na descarga do capacitor, porém, a d.d.p. varia, diminuindo sob tensão de 900 V .
à medida que uma parcela da carga vai se transferindo para
a outra armadura. 5. (UCS-RS) Dois capacitores de capacitância C 1 = 6, 0 µF
Como a carga total do capacitor é Q = CV , e a d.d.p. varia e C2 = 3, 0 µF são associados em paralelo e a associação é
de V até zero durante o processo de descarga, podemos submetida a uma d.d.p. V. O capacitor de capacitância C 1
tomar o valor médio da tensão como sendo V /2 e calcular o se eletriza com carga elétrica Q1 = 1, 2 × 10−4 C, e o de
trabalho capacitância C2 , com carga elétrica Q2 . Determine V e Q2 .
1 6. (Acafe-SC) Qual a d.d.p. que deve ser aplicada a um
W = qV = CV · f racV 2 = CV 2
2 capacitor, de capacitância 2, 0 µF , a fim de que armazene
energia potencial elétrica de 2, 5 × 10−3 J?
e como esse trabalho foi realizado durante a descarga, pode-
mos supor que essa energia estava armazenada no capacitor, 7. (UESB-BA) Um capacitor de um circuito de televisão
como energia potencial elétrica. tem uma capacitância de 1, 2 µF . Sendo a diferença de
Assim, definimos a energia do capacitor como potencial entre seus terminais de 3.000 V , a energia que ele
armazena é de:
1 a) 6, 7 J
E= CV 2
2 b) 5, 4 J
c) 4, 6 J
Observe que a expressão anterior pode ser reescrita de duas d) 3, 9 J
outras formas equivalentes: e) 2, 8 J
1 Q2
E= QV =
2 2C

Pense um Pouco!
• Cite duas aplicações direta dos capacitores.

• Alguém disse que os fios usados em circuitos elétricos


servem para igualar o potencial elétrico nas partes co-
nectadas nas suas duas pontas. O que você acha disso?

• Na figura 1.1, imagine que se conecte nos terminais a


e b, os terminais (polos) de uma bateria de tensão V .
Sobre a figura, pinte de uma cor todas as partes que
tem o mesmo potencial elétrico de a, e de outra cor
as partes que tem o mesmo potencial de b. Observe o
conclua você mesmo.

Exercı́cios de Aplicação

1. (UERJ) Uma associação de l.000 capacitores de l0 µF


cada um, associados em paralelo, é utilizada para armazenar
energia. Qual o custo para se carregar esse conjunto até
50.000 volts, supondo-se R$ l,00 o preço do kW h?
Quı́mica

que algumas destas partı́culas defletiam mais de 90 ◦ e umas


Quı́mica A Aula 1 poucas retornavam no caminho de onde tinham vindo. Ver
a Fig. 2.1.
Estes resultados sugerem um modelo de átomo no qual há
uma densa carga positiva central circundada por um grande
Estrutura Atômica volume vazio. Rutherford chamou esta região carregada po-
sitivamente de núcleo atômico.
Modelos Atômicos As partı́culas carregadas positivamente são chamadas
prótrons.
A primeira abordagem sobre a constituição da matéria data As partı́culas carregadas negativamente continuam sendo
de ± 400 anos a.C. Os filósofos gregos Demócrito e Leucipo chamadas de elétrons.
conceberam o átomo como a menor partı́cula constituinte
da matéria e supunham que essa partı́cula era indivisı́vel. Assim, o modelo de Rutherford consta de núcleo denso,
diminuto, carregado positivamente, e de uma parte envol-
Lavoisier: em 1780, é considerado o pai da Quı́mica por ter vendo esse núcleo, uma região rarefeita e proporcionalmente
criado o método cientı́fico: as leis surgem da observação da muito grande chamada eletrosfera, com elétrons, de carga
regularidade das teorias, como tentativas de explicação des- negativa.
sas regularidades. Provou que “na natureza nada se cria,
nada se perde, tudo se transforma”, ou seja, numa trans-
formação quı́mica da matéria, a massa se conserva. Resumo do Modelo de Rutherford
John Dalton: em 1808, criou a Teoria Atômica Clássica (ba-
Este foi o modelo proposto por Rutherford. Basicamente
seado em modelos experimentais), considerando os átomos
tinha os seguintes fundamentos:
como esferas maciças (Modelo da Bola de Bilhar), indi-
visı́veis.
• O átomo é dividido em duas regiões, núcleo e eletros-
J. J. Thomson: em 1897, através de experimentos sobre fera, no núcleo encontramos os prótons e os nêutrons,
descargas elétricas em gases rarefeitos, admitiu a existência na eletrosfera encontramos os elétrons;
de cargas negativas, os elétrons, e de cargas positivas, os
prótons. Propôs um modelo em que o átomo seria uma • Os prótons apresentam carga positiva, os elétrons apre-
esfera de eletricidade positiva, incrustada de elétrons com sentam carga negativa e os nêutrons apresentam carga
carga negativa (Modelo do Pudim de Passas). nula;
• A massa de um próton e de um nêutron equivalem a 1
u.m.a enquanto a massa do elétron é 1836 vezes menor
que a massa do próton ou do nêutron.

O número de prótons em um núcleo atômico é chamado de


número atômico, Z, do elemento.
O número total (soma) de prótons e nêutrons no núcleo é
chamado de número de massa, A, do elemento.

A=Z +N
Figura 2.1: Aparato Experimental de Rutherford.
Representação
Ernest Rutherford: em 1911, bombardeou uma lamina
metálica delgada com um feixe de partı́culas α. Estas A
ZX
partı́culas eram positivas. A maior parte das partı́culas
atravessava a lamina metálica sem sofrer desvio detectável, Mas, o modelo planetário de Rutherford apresenta duas fa-
algumas partı́culas atravessavam sofrendo desvio e um lhas cruciais:
número infı́mo de partı́culas refletiam. Se os átomos fos-
sem bolhas de geléia carregados positivamente as partı́culas • Uma carga negativa colocada em movimento ao redor
α deveriam passar facilmente através das folhas com uma li- de uma carga positiva estacionária, adquire movimento
geira deflexão ocasional de seus caminhos. Mas, percebeu-se espiral até colidir com ela;
56 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

• Essa carga perde energia emitindo radiação, violando o mesmo número de nêutrons;(c) o número de prótons perma-
Princı́pio da Conservação de Energia. nece constante, mesmo que os números de massa dos átomos
de um elemento variem;
c) o número atômico é dado pelo número de prótons exis-
Pense um Pouco! tentes no núcleo de um átomo;
d) n.d.a
1. Você sabe dizer o que significa “tempo de meia-vida”?
5. (UEL) O urânio-238 difere do urânio-235 por que o pri-
2. O que significa Fissão Nuclear e Fusão Nuclear? meiro possui:
a) 3 elétrons a mais;
b) 3 prótons a mais;
Exercı́cios de Aplicação c) 3 prótons e 3 nêutrons a mais;
d) 3 prótons e 3 elétrons a mais;
e) 3 nêutrons a mais.
1. A palavra átomo é originária do grego e significa “indi-
visı́vel”, ou seja, segundo os filósofos gregos, o átomo seria 6. (ACAFE) Um sistema é formado por partı́culas que apre-
a menor partı́cula da matéria que não poderia ser mais di- sentam a composição atômica de 10 prótons, 10 elétrons, 11
vidida. atualmente essa idéia não é mais aceita. A respeito nêutrons. Ao sistema foram adicionadas novas partı́culas. O
dos átomos, é verdadeiro afirmar que: sistema resultante será quimicamente puro se as partı́culas
a) ( ) Não podem ser desintgrados; adicionadas apresentarem a seguinte composição atômica:
b) ( ) São formados por pelo menos três partı́culas funda- a) 21 prótons, 10 elétrons e 10 nêutrons;
mentais; b) 20 prótons, 10 elétrons e 22 nêutrons;
c) ( ) Possuem partı́culas positivas denominadas elétrons; c) 10 prótons, 10 elétrons e 12 nêutrons;
d) ( ) Apresentam duas regiões distintas, núcleo e eletros- d) 11 prótons, 11 elétrons e 12 nêutrons;
fera; e) 11 prótons, 11 elétrons e 11 nêutrons;
e) ( ) Apresentam elétrons cuja carga elétrica é negativa;
f) ( ) Contém partı́culas sem carga elétrica, os nêutrons. 7. (FUVEST) As seguintes representações: 2 X 2 , 2 X 3 e2 X 4 ,
referem-se a átomos com:
2. (UFSC) Analise as afirmativas a seguir e assinale como a) igual número de nêutrons;
V ou F: b) igual número de prótons;
a) ( ) O primeiro modelo atômico baseado em resultados c) diferente número de elétrons;
experimentais, ou seja, com base cientifı́ca foi proposto por d) diferentes números atômicos;
Dalton; e) diferentes números de prótons e elétrons;
b) ( ) Segubdo Dalton, a matéria é formada de partı́culas
indivisı́veis chamadas átomos;
c) ( ) Thomson foi o primeiro a provar que que o átomo
não era indivisı́vel; Quı́mica A Aula 2
d) ( ) O modelo atômico proposto por Thomson é o da bola
de bilhar;
e) ( ) O modelo atômico de Dalton teve como suporte ex-
perimental para a sua criação a interpretação das leis das Modelos Atômicos
reações quı́micas.

3. (UFSC) Assinale a(s) alternativa(s) correta(s):


O Modelo Atômico de Bohr
a) ( ) Os átomos são partı́culas fundamentais da matéria;
Com o objetivo de solucionar estas limitaçãoes do modelo de
b) ( ) Os átomos são quimicamente diferentes quando têm
Ruthrford entra em cena um cientista chamado Niels Bohr.
números de massa diferentes;
c) ( ) Os elétrons são as partı́culas de carga elétrica posi- Niels Bohr: em 1913, propôs que o átomo é constituı́do por
tiva; um núcleo positivo, onde se concentra praticamente toda
d) ( ) Os prótons e os elétrons possuem massas iguais e massa do átomo, e por elétrons que giram ao seu redor em
cargas elétricas diferentes; órbitas circulars bem definidas, formando camadas, desig-
e) ( ) Os átomos apresentam partı́culas de carga nula de- nadas pelas letras K, L, M, N, O, P, Q.
nominados nêutrons; Através de processos experimentais Bohr, concluiu que:
f) ( ) Os átomos são partı́culas inteiramente maciças.
• Um elétron só pode ter certas energias especı́ficas, e
cada uma destas energias corresponde a uma órbita
Exercı́cios Complementares particular. Quanto mais afastado do núcleo maior a
energia do elétron;
4. (ACE) Assinale a alternativa falsa: • Se o elétron receber energia ele pula para uma órbita
a) o número de massa de um átomo é dado pela soma do mais afastada do núcleo;
número de prótons e de nêutrons existentes no núcleo;
b) um elemento quı́mico deve ter seus átomos sempre como • Como esta órbita não é natural ele tende a retornar
Quı́mica A – Aula 2 57

A mecânica quântica, que trata do universo microscópico


das partı́culas, não se descreve perfeitamente o átomo.
Heisenberg: em 1927, estabeleceu o Prı́ncipio da Incerteza,
segundo o qual “não é possı́vel predizer, ao mesmo tempo,
a posição e a quantidadade de movimento de um elétron”
Tudo que nós podemos conhecer sobre o movimento de um
sistema de partı́culas se reduz a uma função complexa Ψ de
coordenadas (x, y, z) das partı́culas e do tempo t.
Esta função é chamada Função de Onda, criada por
Figura 2.1: O modelo Atômico de Bohr. Schrödinger (1927).
O quadrado do módulo da função de onda |Ψ|2 representa a
probabilidade de se encontrar no instante t a determinada
para sua órbita de maior estabilidade, assim sendo, partı́cula.
ocorre liberação de energia;
Na concepção clássica, uma partı́cula se encontra ou não
• Para calcular a energia emitida pelo elétron, Max num determinado instante em um dado ponto do espaço.
Planck estabeleceu que a energia se propaga em “pa- Pela mecânica quântica nós só podemos conhecer a proba-
cotes”de quantidades mı́nimas e descontı́nuas. A essa bilidade de encontrar a partı́cula no ponto considerado.
quantidade mı́nima chamou de fóton ou quantum. O Schrödinger deduziu matematicamente regiões com proba-
valor do quantum é proporcional a frequência da onda bilidades de se encontrar o elétron, simplificadas por meio
ν, cuja magnitude pode ser calculada por de modelos geométricos que chamamos de orbitais.
Sommerfeld, de Broglie e Schrödinger formaram a Mecânica
E = hν Quântica, que nos levou ao modelo atômico atual. O átomo
possui núcleo denso com elétrons em orbitais.
onde h é a famosa constante de Planck, que tem valor
de 6, 63 × 10−34 J · s. Orbital é a região, em torno do núcleo, com maior probabili-
dade de se encontrar o elétron. O elétron move-se em torno
Se os átomos oscilantes transferem uma energia E para do núcleo.
a vizinhança, radiação de frequência ν = E/h será de-
tectada. É importante notar que a intensidade da ra-
diação é uma indicação do número de pacotes de ener-
gia gerados, enquanto E é a medida de energia de cada
pacote.

Sommerfeld: em 1916, estabeleceu que os elétrons descre-


vem órbitas circulares e elı́pticas em torno do núcleo.

Figura 2.3: Representação Atômica.

Figura 2.2: Modelo Atômico de Sommerfeld.


Isótopos, Isóbaros, Isótonos e Isoeletrônicos

Isótopos: são átomos de um mesmo elemento quı́mico que


O Modelo Atômico Atual apresentam diferentes número de massa e diferentes número
de nêutrons, ou seja são átomos de mesmo número atômico
Louis de Broglie: em 1924, foi quem lançou as as bases e diferentes número de massa.
de uma nova mecânica chamada ondulatória ou quântica,
através do Princı́pio da Dualidade matéria-onda para o
12 13 14
elétron: “Toda partı́cula em movimento, o elétron, no caso, 6C 6C 6C Isótopos de Carbono
tem associado a si uma onda”.
A mecânica clássica prevê, para cada corpo, sua trajetória,
16 17 17
conhecendo sua posição e velociade. 8O 8O 8O Isótopos de Oxigênio
58 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

Isóbaros: são átomos de elementos quı́micos diferentes mas 1s2 K 2


com mesmo número de massa. 2s2 , 2p6 L 8
3s , 3p6 , 3d10
2
M 18
40 4s , 4p6 , 4d10 , 4f 14
2
N 32
20 Ca 1840
Ar
5s2 , 5p6 , 5d10 , 5f 14 O 32
Isótonos: são átomos de elementos quı́micos diferentes, 6s2 , 6p6 , 6d10 P 18
mas com mesmo numero de nêutrons. 7s2 Q 2

5B
11
6C
12 Orbitais Atômicos

Isoeletrônicos: são átomos ou ı́ons que apresentam o Como vimos, orbital é a região, em torno do núcleo, com
mesmo número de elétrons. máxima probabilidade de se encontrar elétrons. As for-
mas dessas regiões são calculadas matematicamente e têm
2+ 1+N e 1− 3−
12 M g 11 N a 10 9F 7N o núcleo localizado no ponto zero dos eixos x, y e z.

Nı́veis e Subnı́veis de Energia

A eletrosfera do átomo está dividida em 7 regiões denomi-


nadas de nı́veis de energia ou camadas eletrônicas.
São as camadas K, L, M, N, O, P, Q, representadas pelos
números 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 denominados de números quânticos
principais e representados pela letra n.
O número máximo de elétrons em cada camada é calculado
pela equação
e = 2 · n2 sendo que

K(2), L(8), M (18), N (32), O(50), P (72), Q(98)

Mas para os 112 elementos quı́micos existentes temos:


K(2), L(8), M (18), N (32), O(32), P (18), Q(2) Figura 2.4: Coordenadas espaciais de um átomo.
Existem 7 subnı́veis de energia (s, p, d, f, g, h, i) que estão
As formas dos orbitais mais importantes são:
dentro das camadas. Mas para os 112 elementos existentes
não são ocupados todos os subnı́veis de energia e sim so- 1. esférica - chamado orbital s:
mente quatro, s, p, d, f , que são representados pela letra l
que significa número quântico secundário e são números que
vão de 0 a 3, ou seja, 0, 1, 2, 3 para os subnı́veis s, p, d, f ,
cada subnı́vel comporta um número máximo de elétrons
s(2), p(6), d(10), f (14).

Configuração Eletrônica

Diagrama de Linus Pauling


K(2) 1s2
L(8) 2s2 2p6
M(18) 3s2 3p6 3d10
N(32) 4s2 4p6 4d10 4f 14
O(32) 5s2 5p6 5d10 5f 14
P(18) 6s2 6p6 6d10
Q(2) 7s2

Representamos a distribuição eletrônica de duas formas: Figura 2.5: Representação do Orbital s.

1. ordem energética, seguindo as diagonais do diagrama 2. halter - chamado orbital p:


de Pauling:
1s2 , 2s2 , 2p6 , 3s2 , 3p6 , 4s2 , 3d10 , 4p6 , 5s2 , 4d10 ,
5p6 , 6s2 , 4f 14 , 5d10 , 6p6 , 7s2 , 5f 14 , 6d10 Prı́ncipio de Exclusão

2. ordem geométrica, agrupando os subnı́veis em camadas: Certas experiências, em particular a ação de um campo
magnético, mostram que as funções de onda construı́das uni-
Quı́mica A – Aula 3 59

Exercı́cios Complementares

3. (FUVEST) De acordo com os postulados de Bohr é cor-


reto afirmar que:
Figura 2.6: Representação do Orbital p. a) ( ) Os elétrons se movem ao redor do núcleo em órbitas
bem definidas, que são denominadas órbitas estacionárias;
b) ( ) Movendo-se numa órbita estacionária, o elétron não
camente sobre as coordenadas de espaço não são aptas para emite nem absorve energia;
explicar totalmente os fenômenos, o que levou a se intro- c) ( ) Ao saltar de uma órbita mais próxima do núcleo para
duzir uma nova coordenada chamada spin. Trata-se de um outra órbita mais afastada, o elétron absorve energia;
coosdenada suplementar associada à rotação do elétron. Os d) ( ) Quando o elétron de um átomo salta de uma ca-
valores permitidos para a função de spin são − 12 e 21 , e são mada mais externa para outra mais próxima do núcleo, há
de spins opostos. emissão de energia;
e) ( ) No núcleo de um átomo existem prótons e nêutros.
Dois elétrons podem ocupar um mesmo 4. (UEL) Átomos neutros e ı́ons de um mesmo elemento
orbital desde que possuam spins opostos. quı́mico tem, necessariamente, o mesmo número:
a) atômico;
b) de massa;
Este enunciado é conhecido por “Princı́pio de Exclusão, de
c) de oxidação;
Wolfgang Pauli”.
d) de carga;
Cada subnı́vel comporta um número máximo de elétrons e) de isômeros.
(como visto anteriormente). Se cada orbital comporta no
máximo dois elétrons, temos então: 5. (CESGRARIO) Um átomo Q tem número atômico dado
por (3x − 5). Um átomo R tem número de massa 6x. É
sábido que R e Q são isótopos. Assinale a distribuição
Representação do Orbital
2
eletrônica de Q, no estado fundamental, em ordem cres-
s ↑↓ 1 orbit. cente dos nı́veis energéticos:
p6 ↑↓ ↑↓ ↑↓ 3 orbit. a) [Ar] 4s2 , 4p6 4d8 .
d10 ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ 5 orbit. b) [Ar] 3d10 , 4s2 , 4p4 .
f 14 ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ 7 orbit. c) [Ne] 3d10 , 4s2 , 4p4 .
d) [Ar] 3d10 , 4s2 , 4p2 .
e) [Ne] 3d10 , 4s2 , 4p6 .
Pense um Pouco!
1. Você sabe quais são os tipos de radiações existentes e Quı́mica A Aula 3
quais as caracterı́sticas particulares de cada uma?

2. Quais são os efeitos causados pelas radições? E quais


as princı́pais aplicações das reações nucleares? Ligações Quı́micas

Estabilidade dos Átomos


Exercı́cios de Aplicação
Os gases nobres são os únicos encontrados na natureza na
forma monoatômica, ou seja, não se ligam se, apresentam
1. (ACAFE-99) A vitamina B12 , anti-anêmica, contém ı́ons na forma de átomos. Isto significa que o átomo é totalmente
de cobalto Co+2 . Dado: Co(Z = 27). A configuração estável.
eletrônica nos orbitais 4s e 3d do Co+2 , é: Os gases nobres (Coluna 8A da Tabela Periódica), com
a) 4s0 , 3d8 . exceção do hélio, apresentam oito elétrons na camada de
b) 4s2 , 3d7 . valência.
c) 4s2 , 3d5 .
d) 4s1 , 3d6 . Gases Nobres
e) 4s0 , 3d7 . He(Z=2) 2
Ne(Z=10) 2 8
2. (UDESC) Uma átomo com número atômico igual a 38, Ar(Z=18) 2 8 18 8
apresentará em seu antepenúltimo nı́vel: Xr(Z=36) 2 8 18 18 8
a) 8 elétrons. Xe(Z=54) 2 8 18 32 18 8
b) 18 elétrons. Rn(Z=86) 2 8 18 32 32 18 8
c) 16 elétrons.
d) 10 elétrons. Camada de valência é a camada eletrônica mais externa.
e) 6 elérons. Pode receber ou fornecer elétrons na união entre átomos.
60 Apostila do Curso Pré-Vestibular UDESC 2005 – Módulo I

A valência de um átomo é o número de ligações que um Repare nos exemplos acima que o cloro possui sete elétrons
átomo precisa fazer para adquirir a configuração de um gás de valência, enquanto que o ı́on cloreto, oito.
nobre. Uma ligação covalente é aquela ligação quı́mica formada
pelo compartilhamento de um par de elétrons entre dois
átomos. A Estrutura de Lewis de um composto covalente
Teoria do Octeto
ou de um ı́on poliatômico mostra como os elétrons estão
Foi feita uma associação entre a estabilidade dos gases no- distribuı́dos entre os átomos, de formas a mostrar a conec-
bres e o fato de possuı́rem 8 elétrons na última camada. tividade entre eles. No caso do metano, por exemplo, quatro
Surgiu então a Teoria do Octeto: elétrons, um de cada hidrogênio, mais os quatro elétrons de
valência do carbono, são emparelhados na Estrutura, mos-
trando como cada átomo se conecta a outro por um par de
Para atingir uma situação estável, há elétrons.
uma tendência dos átomos para conseguir
estrutura eletrônica de 8 elétrons na camada
de valência igual ao gás nobre de número
atômico mais próximo.

No caso de átomos menores em número de elétrons, a


tendência é alcançar o dueto, isto é, conseguir dois elétrons
na última camada, como o hélio (Z = 2) : 1s2 . É o caso do
hidrogênio e do lı́tio.

Classificação dos Elementos


Quanto à Configuração Eletrônica, podemos classificar os Figura 2.2: Configuração da estrutura de Lewis para o me-
elementos quı́micos como: tano.
Metais: São elementos que possuem menos de quatro
elétrons na camada de valência. Doam elétrons quando fa- Ao invés de utilizarmos dois pontos para indicar o par de
zem ligações quı́micas; elétrons que perpetuam a ligação covalente, podemos utili-
Não-Metais: São elementos que possuem mais de quatro zar um traço. Assim, o traço irá representar os dois elétrons
elétrons na camada de valência. Recebem elétrons quando da ligação covalente.
fazem ligações quı́micas;
Semimetais: São alguns elementos que ora comportam-se
como metais ora como não-metais, independente do número
de elétrons na camada de valência;
Hidrogênio: Não tem classificação, porém sua tendência
é de ganhar um elétron. Os elementos que possuem qua-
tro elétrons na camada de valência podem ceder ou receber
elétrons nas ligações.
O carbono por exemplo, terá comportamento de não-metal,
recebendo elétrons. Figura 2.3: Configuração da ligação covalente.
O silı́cio e o germânio são semimetais: ora cedem elétros,
ora recebem. Vamos representar na Figura (2.4) a estrutura de Lewis da
água. Dois hidrogênios são ligados ao átomo de oxigênio
central. Os elétrons de ligação são indicados pelas linhas
Estruturas de Lewis entre o oxigênio e cada um dos hidrogênios. Os elétrons
remanescentes - dois pares - que constituem o octeto do
Um sı́mbolo de Lewis é um sı́mbolo no qual os elétrons da oxigênio, são chamados de não-ligantes, por não estarem
camada de valência de um átomo ou de um ı́on simples são envolvidos em ligações covalentes.
representados por pontos colocados ao redor do sı́mbolo do O primeiro passo para se desenhar uma estrutura de Lewis
elemento. Cada ponto representa um elétron. Por exemplo: é determinar o número de elétrons de valência dos átomos
que serão conectados. Depois é necessário determinar qual
é o átomo central, e ligá-lo aos átomos periféricos por pares
de elétrons.
(a) (b)
Considere o dióxido de carbono CO2

Figura 2.1: Configuração eletrônica e estrutura de Lewis carbono(C) →


para o átomo neutro de cloro (a) e para o ı́on de cloro (b). tem 4e− de valência × 1 carbono = 4e−
Quı́mica A – Aula 3 61

aceitável. “O carbono está deficiente de elétrons - ele


tem só quatro elétrons em sua volta. Esta não é uma
estrutura de Lewis aceitável”.
• Se a camada de valência do átomo central não está
completa, use um par solitário de um dos átomos da
periferia para formar uma dupla ligação daquele átomo
com o átomo central. Continue o processo de fazer
múltiplas ligações dos átomos periféricos com o átomo
central, até que a camada de valência do átomo central
esteja completa.

Figura 2.4: Estrutura de Lewis da Água.

oxigênio(O) →
tem 6e− de valência × 2 oxigênio = 12e−

Existe um total de 16 e− para serem colocados na Estrutura


de Lewis.
Conecte o átomo central aos outros átomos na molécula com
ligações simples.
O carbono é o átomo central, os dois oxigênios são ligados
Figura 2.7: Construção da estrutura de Lewis do CO2 -2.
a ele; mais tarde iremos adicionar mais elétrons para com-
pletar os octetos dos átomos periféricos. Torna-se,
Conecte o átomo central aos outros átomos na molécula com
ligações simples.
O carbono é o átomo central, os dois oxigênios são ligados
a ele; mais tarde iremos ad