You are on page 1of 1

SOL 1 de 1

Venda de prédio em Coimbra


‘Amigos dos CTT’ receberam 1 milhão de euros de comissão
Por Luís Rosa
Um pagamento sem recibo de 1 milhão de euros a «Amigos dos CTT» estará relacionado com a
transacção de um prédio em Coimbra que lesou os CTT em cinco milhões de euros: o prédio foi
comprado por 15 milhões e vendido no mesmo dia por 20. O documento de prova foi encontrado no
escritório da empresa que supostamente pagou a comissão

3 comentários / 1063 visitas

Esta alienação, realizada em 20 de Março de 2003, permitiu que a empresa Demagre (cujos
sócios eram duas sociedades offshore) comprasse o prédio por 14,8 milhões de euros e o
revendesse no mesmo dia por 20 milhões de euros à ESAF (Espírito Santo Activos
Financeiros), do Grupo Espírito Santo. Nas buscas já realizadas, os investigadores
encontraram documentos com a referência «Amigos CTT – sem recibo – 1.000.000,00
Euros».

Investigação de Coimbra continua em Lisboa

Dois administradores da empresa compradora e Luís Vilar, presidente da concelhia do PS e


vereador da Câmara de Coimbra desde 1998, foram constituídos arguidos pelo DIAP
(Departamento de Investigação e Acção Penal) de Coimbra, por crimes de corrupção e
tráfico de influências.

Mas o facto de. entretanto, ter sido instaurado outro inquérito semelhante no DIAP de Lisboa contra a então administração
dos CTT, liderada por Carlos Horta e Costa – empresa que tem sede social em Lisboa – levou a que a investigação fosse
transferida para a capital.

O negócio dos edifícios já foi duramente censurado por auditorias da Inspecção-Geral de Obras Públicas e da
Inspecção-Geral de Finanças. No caso de Coimbra, o prédio tinha sido avaliado em 17,7 milhões, em 2000. Quando os CTT
decidiram vendê-lo, a TRAMCRONE (TCN), SA, propôs pagar 13,4 milhões. Numa semana, a administração dos CTT reviu
duas vezes o preço: primeiro para 15,9 milhões de euros (em 12/12/2002) e depois para 14,8 milhões. A TCN acabou por
passar os seus direitos para a Demagre.

No mesmo inquérito, existem ainda suspeitas de irregularidades na venda, em 2004, de outro edifício dos Correios,
localizado na avenida da República, em Lisboa, também à TCN. Esta empresa e a Demagre tinham em comum os dois
principais administradores: Júlio Macedo e Pedro Garcez.

Continue a ler esta notícia na edição impressa disponível nas bancas espalhadas por todo o país

http://sol.sapo.pt/Common/print.aspx

Related Interests