Sie sind auf Seite 1von 11

2009

INFORMAÇÕES GERAIS

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE E DEFESA CIVIL

NOVEMBRO DE 2009
APRESENTAÇÃO
Criado por meio do Decreto Municipal
n° 3.693, assinado pelo Prefeito Jorge
Mário em julho de 2009, o Parque
Natural Municipal Montanhas de
Teresópolis é fruto de um processo
participativo e democrático.
O Parque é a primeira unidade de
conservação de proteção integral criada
pelo município e, também, representa
um passo importante para a
conservação da biodiversidade da
Região Serrana do Estado do Rio de
Janeiro.

Santa Rita na área de influência do Parque. Foto: Acervo da SMMA. A sua integração ao Mosaico Mata
Atlântica Central Fluminense é a
primeira conseqüência prática, no
sentido de potencializar a gestão
integrada das diversas unidades de
conservação locais e, por outro lado,
consolidar a preservação dos
remanescentes florestais do bioma
Mata Atlântica, ainda existentes na
região.
Na criação do Parque merece destaque
o processo de consultas públicas,
desenvolvido ao longo de seis meses,
que envolveu diversos grupos sociais do
município de Teresópolis.
O ato de criação do Parque foi realizado
no dia 6 de junho de 2009, durante a
celebração dos 118 anos de
emancipação política do município de
Consulta Pública realizada em 27.06.09. Foto: Acervo da SMMA.
Teresópolis. Na ocasião, entre outras
autoridades, esteve presente o Ministro
do Meio Ambiente, Carlos Minc.
Hoje o Parque está criado e é uma
realidade. Agora é necessário juntar
esforços para a sua consolidação. Isto é:
avançar no sentido de criar as condições
necessárias para a sua implementação e
gestão integrada.
São muitos os esforços e as ações
necessárias para que isso aconteça.
Entretanto, todos os esforços e ações
passam por um caminho comum: a
parceira.

Ato de assinatura do Decreto de criação do Parque. Foto: Acervo SMMA.


INFORMAÇÕES GERAIS
Nome: Parque Natural Municipal
Montanhas de Teresópolis.
Localização: Teresópolis (RJ).
Gestão: Municipal.
Instrumento de Criação: Decreto
Municipal nº 3.693, de 03 de julho de
2009.
Data de Publicação: 16 de julho de
2009.
Órgão Gestor: Secretaria Municipal de
Meio Ambiente e Defesa Civil.
Secretário: Flávio Luiz de Castro Jesus.
Vista panorâmica do vale do Rio Santa Rita. Foto: Acervo SMMA. Endereço: Rua Rui Barbosa, 170–Várzea.
CEP: 25.963-090 – Teresópolis (RJ).
Telefone: (21) 2742 7763.
E-Mail: meioambiente@teresopolis.rj.gov.br

Pedra da Tartaruga. Foto: Acervo SMMA.

CARACTERÍSTICAS
Grupo de Manejo: Proteção Integral.
Área: 4.397 Hectares.
Bioma: Mata Atlântica.
Bacia Hidrográfica: Rio Paquequer.
Unidades de Manejo Relacionadas:
Mosaico Mata atlântica Central
Fluminense, Reserva da Biosfera da
Mata Atlântica e Corredor de
Biodiversidade Serra do Mar.
Principal via de acesso: BR 116 (Estrada
Rio – Bahia).

Formação rochosa no interior do Parque. Foto: Acervo SMMA


OBJETIVOS
De acordo com o seu Decreto de
criação, o Parque Natural Municipal
Montanhas de Teresópolis, tem como
principais objetivos:
I – Assegurar a preservação dos
remanescentes da Mata Atlântica da
porção fluminense da Serra do Mar,
bem como recuperar as áreas
degradadas ali existentes.
II – Proteger espécies raras, endêmicas,
e ameaçadas de extinção ou
insuficientemente conhecidas da fauna
e da flora nativa.
III – Integrar o Mosaico de Unidades de
Vista parcial do Rio dos Andradas. Foto: Acervo SMMA. Conservação da Natureza Mata
Atlântica Central Fluminense, no Estado
do Rio de Janeiro, contribuindo para a
conectividade entre as mesmas.
IV Assegurar a manutenção das
nascentes, mananciais e demais corpos
hídricos existentes em sua área de
abrangência.
V – Promover atividades de recreação,
educação ambiental e pesquisa
científica quando compatíveis com os
demais objetivos do Parque.
VI – Contribuir com a melhoria da
qualidade de vida da população por
meio do fornecimento, indireto, de
serviços e produtos ambientais.
Formação rochosa no interior do Parque. Foto: Acervo SMMA.

POTENCIALIDADES
A área de abrangência do Parque
apresenta um relevo montanhoso
proporcionado um ambiente favorável à
atividades de escaladas e caminhadas.
No seu interior estão localizadas
remanescentes florestais e muitas das
nascentes de rios da região, formando
habitats que abrigam muitas espécies
da fauna regional.
Desse modo, o manejo adequado e a
gestão integrada do Parque podem
contribuir para o desenvolvimento local
sustentável, notadamente nas
atividades de Ecoturismo, Pesquisa
Cientifica e Educação Ambiental.

Visita com moradores locais na área denominada Córrego do Príncipe. Foto: Acervo SMMA.
IMPLEMENTAÇÃO
Atualmente, com recursos próprios e
por meio de parcerias, a Secretaria
Municipal de Meio Ambiente e Defesa
Civil está concentrando esforços na
consolidação do Parque. Nesse sentido,
está disponibilizando um efetivo de
cerca de 10 (dez) funcionários para a
realização de atividades de
reflorestamento e fiscalização. Outra
atividade desenvolvida atualmente por
técnicos da Secretaria é a elaboração de
um esboço do Plano de Manejo.
Por outro lado, foram adquiridos alguns
equipamentos para o desenvolvimento
Área vizinha ao Parque com sistema de produção agrícola orgânica. Foto: Acervo SMMA.
de suas atividades básicas do Parque,
tais como: rádios transmissores e
aparelhos de GPS, máquinas
fotográficas e computador e
impressora. O Parque também já dispõe
da sua identidade visual, constituída de
Logomarca e Manual de Utilização da
mesma.

GESTÃO INTEGRADA
A abordagem adotada no processo de
criação do Parque possibilitou uma
grande mobilização social, tanto de
Reunião com moradores de um assentamento rural. Foto: Acervo SMMA instituições do setor governamental
quanto de organizações comunitárias.
Essa experiência está sendo aproveitada
para a construção de um modelo de
gestão do Parque, que inclua a
participação dos diversos grupos sociais
locais, especialmente aqueles
diretamente relacionados com a
unidade de conservação.
Nesse sentido, a equipe técnica da
SMMA está realizando contatos com os
representantes de instituições
governamentais que atuam na região, e
de organizações comunitárias e
lideranças locais, visando a criação do
Conselho Consultivo do Parque.
Pesquisador em atividade no Parque. Foto:Acervo SMMA.
DESAFIOS
São muitos os desafios e as dificuldades
para a consolidação do Parque.
Principalmente, considerando-se que a
unidade de conservação dispõe de
poucos recursos e não possui um
orçamento próprio.
De uma maneira geral as principais
dificuldades estão relacionadas com os
seguintes pontos:
1. Elaboração do Plano de Manejo;
2. Estruturação do setor de fiscalização;
Estrada vicinal de acesso ao Parque: Foto: Acervo SMMA. 3. Construção ou aquisição da sede;
4. Regularização Fundiária;
5. Aquisição de veículos e equipamentos
adequados.

PARCERIA
Atualmente, o Parque conta com uma
estrutura mínima para o
desenvolvimento das suas atividades
básicas. Mas ainda falta muito para que
a sua implementação seja efetivada.
Acesso ao Parque bloqueado: Foto: Acervo SMMA. Essa, portanto, é uma tarefa de todos
(governo e sociedade civil) que devem
atuar em conjunto, visando alcançar os
objetivos que justificaram a criação da
unidade de conservação.
Nesse contexto, a palavra chave é
parceria. Assim, a Secretaria Municipal
de Meio Ambiente coloca-se à
disposição para encontrar, juntamente
com os interessados, a melhor maneira
de estabelecer e firmar parcerias. Nesse
sentido, todos são bem-vindos
principalmente os diversos atores
sociais engajados na questão ambiental
e, especialmente, aqueles que desejem
colaborar na consolidação do Parque
Natural Municipal Montanhas de
Teresópolis.

Propriedade com potencial para ser a sede do Parque. Foto: Acervo: SMMA
A N E X O S

1. Pesquisas Realizadas

2. Decreto Municipal nº 3.963, de 03.07.09.

3. Mapa de localização.
PESQUISAS
O Levantamento Ecológico Rápido
realizado na área do Parque, em junho
de 2009, conseguiu identificar:
Mamíferos - 31 espécies;
Aves – 121 espécies;
Peixes – 9 espécies;
Insetos – 8 grupos;
Répteis – 19 espécies;
Anfíbios – 10 espécies.

Hydromedusa maximiliani

Myotis ruber

Trichomycterus sp

Thoropa miliaris

Erythrolamprus aesculapii

Thalurania glaucopis