Sie sind auf Seite 1von 3

PROTOCOLO CATETERISMO VESICAL: ALÍVIO E DEMORA

CNPJ: 08.566.440/0002-01
Rua: Francisco Bessa, 168, Nova Betânia CEP- 59.612-207
Telefax: (84) – 3323-7706 Fone: (84) – 84-3323-7700

PROTOCOLO CATETERISMO VESICAL:


ALÍVIO E DEMORA
CONCEITO:
Consiste na introdução de um cateter estéril através da uretra chegando até a bexiga, com técnica
asséptica, tendo como finalidade a drenagem da urina. Pode ser de alívio e de demora.
O cateterismo vesical de alívio é a introdução de um cateter para esvaziamento da bexiga em
pacientes com retenção urinária. O cateterismo vesical de demora é a introdução de um cateter na
bexiga com a finalidade de esvaziá-la, porém, com permanência prolongada.

OBJETIVOS:
o Possibilitar controle hídrico adequado
o No tratamento da retenção urinária (pós-operatórios, hipertrofia prostática, bexiga neurogênica,
etc.);
o Monitorar débito urinário no trans e pós-operatório de diversas cirurgias;
o Obter amostra de urina estéril para exames.

RESTRIÇÕES

o Hipertrofia prostática
o Estenose Uretral

ATIVIDADES OU TÉCNICAS PRÉ-REQUISITOS:


o Acolhimento
o Controle de infecção hospitalar
o Higiene e conforto

MATERIAL NECESSÁRIO:
08 ao 10, mulheres dos números 12 ao 16,
homens dos números 16 ao 22.
 Luva estéril  Sonda de nelatton para cateterismo
 Mascara descartável de alívio dos números 04 ao 16
 Pacote de cateterismo vesical: 01 cuba-  Gel anestésico (xilocaína a 2%)
rim  Seringa 20cc (adultos)
1 uba redonda  Ampolas de água bidestilada (demora)
2 10 gazes estéreis  Solução para anti-sepsia
1 orta gaze (pinça)  Fita adesiva (micropore)
2 01 campo fenestrado  Coletor de urina fechado (demora) e aberto
 Sonda de foley para cateterismo de (alívio)
demora dos números 08 ao 22 (adequando  Recipiente para lixo
ao tamanho da uretra do paciente), podendo  Gazes estéreis
ser de duas ou três vias, crianças dos
 Biombo
números
PROCEDIMENTO:

 Verificar prescrição médica no prontuário gel que será introduzido na uretra do cliente,
do usuário sonda vesical (demora ou alívio), coletor de
 Explicar o procedimento que será realizado urina fechado, gazes.
executando a anamnese e o exame físico  Calçar luva estéril
geniturinário  Lembrar de testar o balão com seringa cheia
 Lavar as mãos de ar e conectar a sonda ao coletor antes de
 Preparar material necessário e organizá-lo introduzi-la no cliente (cateterismo de
junto ao leito do usuário demora), aspirar as águas bidestilada com
 Colocar o usuário em decúbito dorsal com seringa de 20 ml na quantidade determinada
as pernas flexionadas, em posição na sonda e colocar o anestésico gel na
ginecológica (sexo feminino) ou com as seringa de 20ml. É importante ter o material
pernas estendidas (sexo masculino); pronto antes de expor o paciente.
 Abrir pacote de cateterismo vesical,  Colocar solução anti-séptica em cuba
dispondo todo material estéril sobre o redonda pequena;
campo estéril, como: seringas de 20ml para  Os passos a seguir são específicos dos
aspirar água bidestilada, testar o balão da cateterismos vesical feminino e masculino
sonda de demora e para colocar o anestésico de demora.

CATETERISMO VESICAL FEMININO

 Com pinça e gaze embebida em solução  Insuflar o balonete com a quantidade de


anti-séptica, realizar anti-sepsia do púbis, água bidestilada indicada no cateter,
face interna da coxa e genital, no sentido tracionando até que ocorra resistência
antero-posterior, dobrando a gaze duas  Fixar o cateter com fita adesiva na face
vezes e utilizando as duas faces apenas uma interna da coxa
vez desprezando logo em seguida;  Retirar o campo fenestrado
 Colocar o campo fenestrado sobre o cliente  Realizar retirada da solução anti-séptica para
de maneira a permitir a visualização do evitar queimaduras
meato urinário através da janela;  Fixar embaixo da cama do paciente a bolsa
 Colocar o dispositivo urinário estéril coletora de urina, deixando-a em nível
(papagaio ou aparadeira) entre as coxas do inferior ao da bexiga. Nunca fixar na grade
cliente para desprezar o fluxo urinário do cliente.
(alívio) que será drenado pela cateter  Retirar as luvas
vesical.  Promover o conforto e organizar o ambiente
 Lubrificar a ponta do cateter com gaze  Anotar na bolsa coletora a data e o nome de
contendo anestésico gel a 2% estéril; quem realizou o procedimento
 Introduzir o cateter vesical até iniciar a  Recolher o material utilizado e encaminhar
drenagem de urina e então avançar o cateter para Central de Materiais
por mais 3cm;  Registrar o procedimento em prontuário

• No cateterismo de alívio feminino e masculino, deverão ser seguidos os itens sobre organização do
material e anti-sepsia citados anteriormente. Lembrando que após a drenagem da urina o cateter
devera ser retirado para evitar infecção do trato urinário.
CATETERISMO VESICAL MASCULINO
 Introduzir o cateter pela uretra até que haja
 Seguir a mesma técnica anti-séptica do drenagem de urina, insuflando o balonete do
cateterismo feminino à exceção de: cateter e retornar o prepúcio retraído logo
 Colocar o cliente em posição ginecológica em seguida;
 Seguir a seguinte seqüência de anti-sepsia:  Fixar a sonda na face interna da coxa ou em
púbis, face interna da coxa, meato urinário, região hipogástrica;
glande (retrair prepúcio), corpo do pênis.  Retirar o campo fenestrado
Segurar o corpo do pênis com a mão não  Realizar retirada de solução anti-séptica;
dominante, elevando-o a um ângulo de 60 a  Promover o conforto e organizar o ambiente
90 graus  Fixar a bolsa coletora abaixo do nível da
 Colocar o campo fenestrado sobre o bexiga e anotar data e nome de quem
paciente, de maneira a expor o pênis. realizou o procedimento.
 Colocar o dispositivo urinário estéril  Retirar luvas
(papagaio) perto da região peniana para  Registrar o procedimento, dificuldade
drenagem da urina encontrada, sangramento e aspecto e
 Colocar a solução lubrificante na uretra quantidade de urina drenada.
através de uma seringa, tendo o devido
cuidado para não contaminá-la.

OBSERVAÇÃO: A CCIH preconiza que após realização do cateterismo vesical, seja colhido urocultura
para controle de infecção do trato urinário por este procedimento.