Sie sind auf Seite 1von 2
125 SUBTRAÇÃO, SUPRESSÃO OU DANO DE COISA PRÓPRIA NA POSSE LEGAL DE TERCEIRO ____________________________ 125.1 CONCEITO,

125

SUBTRAÇÃO, SUPRESSÃO OU DANO DE COISA PRÓPRIA NA POSSE LEGAL DE TERCEIRO

____________________________

  • 125.1 CONCEITO, OBJETIVIDADE JURÍDICA E SUJEITOS

DO CRIME

O art. 346 contém o seguinte tipo penal: “tirar, suprimir, destruir ou danificar coisa própria, que se acha em poder de terceiro por determinação judicial ou convenção”.

A pena é detenção, de seis meses a dois anos, e multa.

O bem jurídico protegido é a administração da justiça, sua regularidade, seu normal funcionamento, o interesse estatal em que os conflitos de interesse sejam resolvidos apenas no âmbito da intervenção do Poder Judiciário, bem assim no prestígio das relações contratuais.

Sujeito ativo é

qualquer

pessoa que, proprietária da coisa, realizar uma das

condutas incriminadas no preceito primário.

Sujeito passivo é o Estado e também o particular que esteja na posse lícita da coisa que pertence ao agente.

  • 125.2 TIPICIDADE

    • 125.2.1 Conduta e elementos do tipo

As condutas incriminadas são tirar, suprimir, destruir ou danificar coisa própria. Tirar é subtrair, tomar para si. Suprimir é fazer com que a coisa desapareça. Destruir é eliminar, tornar inexistente. Danificar é estragar, causar dano em sua estrutura ou aparência.

2 – Direito Penal III – Ney Moura Teles

O objeto material é a coisa material. Qualquer substância corpórea. Imóvel, só não poderá ser tirada, móvel poderá ser objeto de qualquer das condutas típicas.

A coisa pertence ao agente, todavia deve estar na posse de outra pessoa. Essa posse deve ser lícita em virtude de uma determinação judicial ou de um contrato. Assim, por exemplo, quando fora penhorada estando na posse do depositário ou fora objeto de contrato de locação, de comodato ou de empréstimo.

O crime é doloso. O agente deve ter consciência de que a coisa é sua e de que se encontra em poder de terceiro, em virtude de ordem judicial ou de convenção, e agir com vontade livre de tirá-la, suprimi-la, destruí-la ou danificá-la, sem qualquer outra finalidade especial.

Se o agente não tem conhecimento da legitimidade da posse pela pessoa que a detém, a subtração poderá se ajustar ao tipo do art. 345, quando tenha agido para satisfazer a pretensão própria.

  • 125.2.2 Consumação e tentativa

A subtração consuma-se, como no delito de furto, no instante em que o agente entra na posse da coisa, ainda que não tranqüila e mesmo que por pouco tempo.

A supressão é consumada quando a coisa desaparece. A destruição, com sua eliminação, a danificação quando ela sofre alteração, em sua aparência ou estrutura. A tentativa é possível em qualquer das modalidades típicas.

  • 125.3 AÇÃO PENAL

A ação penal é de iniciativa pública incondicionada, competente o juizado especial criminal, possível a suspensão condicional do processo penal.