Sie sind auf Seite 1von 2

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO

E. B. 2,3 RUY BELO


FICHA DE TRABALHO DE HISTÓRIA 8.º ANO

TEMA: A VIDA NA ÉPOCA DOS DESCOBRIMENTOS

TRABALHO DE GRUPO COM OS SEGUINTES OBJECTIVOS:

4 – Conhecer as doenças nos sécs. XV e XVI:


. As doenças mais comuns a bordo das naus
. As “sidas” dessa época

TEMA 4 : CONHECER AS DOENÇAS NA ÉPOCA DOS DESCOBRIMENTOS

“Existiam difíceis condições de vida a bordo causadas pela insuficiência


alimentar, pela falta de higiene, pela forte concentração de gente num espaço
limitado, pelas agressões climatéricas e pelo próprio balancear dos navios…
As doenças mais comuns eram as náuseas, enxaquecas, escorbuto, peste,
doenças intestinais e pulmonares. As terapêuticas administradas pelos físicos
de bordo eram as tradicionais sangrias e purgas, uma alimentação mais
adequada e a aplicação de variadas drogas e mesinhas…”
J. Manuel Azevedo e Silva “Os navios que descobriram o Mundo”

“ Os Descobrimentos vieram alterar a hierarquia das causas de morte,


colocando a guerra e os naufrágios em primeiro lugar nas estatísticas.
E, se a Sida pode ser considerada a praga do séc. XX, a Peste Negra foi o
espectro de morte do séc. XV. Seguiam-se outras doenças, novas e exóticas,
como a paludismo, a cólera e o escorbuto, responsáveis pela morte e
enfraquecimento da população…
O escorbuto foi descrito pela primeira vez em 1552 e contam-se casos de
naus em que nem uma dezena de homens se salvou… no entanto não era a
única enfermidade aparece, também, a falta de vinho e a falta de água que
levavam a efeitos de desidratação, a quebras de disciplina e a regimes de
racionamento…
Mas não era só nos navios que se morria de doença… a dificuldade em
produzir bens em quantidade suficiente e o constante clima de guerra deram
origem a epidemias de grandes dimensões para as quais os médicos nem
sempre tiveram resposta… Quaisquer que fossem os males adquiridos ou
trazidos para bordo as curas eram sempre as mesmas: sangrias, clisteres e
purgas.
Pior eram mesmo as condições sanitárias: “os passageiros vomitavam e
faziam as suas necessidades uns sobre os outros, numa atmosfera
nauseabunda, a que se acrescentava um forte odor … não é por isso de
estranhar que a falta de limpeza fosse uma das principais causas de morte
destes séculos…
Mas a descoberta de novas terras e de novos povos permitiu a descoberta de
novas plantas e substâncias importantes no tratamento de algumas doenças.
João de barros foi o primeiro a avançar com uma hipótese para as causas do
escorbuto, atribuindo-o ao uso excessivo de peixe salgado, biscoitos alterados
e outros alimentos em más condições. Apesar de as vitaminas ainda serem
desconhecidas nesta época, cedo os portugueses perceberam as vantagens
dos citrinos e de uma certa qualidade alimentar na prevenção do escorbuto…”

Cláudia Silva “Cadernos de saúde”