Sie sind auf Seite 1von 4

UNIDADE PRISIONAL EM CUIABÁ: Espaço de Privação de Liberdade, Espaço de Reflexão

Espaço de Privação de Liberdade, Espaço de Reflexão 203,44 88,74 53,36 79,87 LOCALIZAÇÃO 48,02 183,1 NO
Espaço de Privação de Liberdade, Espaço de Reflexão 203,44 88,74 53,36 79,87 LOCALIZAÇÃO 48,02 183,1 NO
203,44 88,74 53,36 79,87 LOCALIZAÇÃO 48,02 183,1 NO BRASIL CUIABÁ NA CIDADE CONDICIONANTES DO LOCAL-
203,44
88,74
53,36
79,87
LOCALIZAÇÃO
48,02
183,1
NO BRASIL
CUIABÁ
NA CIDADE
CONDICIONANTES DO LOCAL- ORIENTAÇÃO SOLAR, VENTOS DOMINANTES, VEGETAÇÃO
NORTE
VENTOS DOMINANTES
VEGETAÇÃO
DENSA
TOPOGRAFIA TOPOGRAFIA
C
NORTE
D
230
231
230
229
228
227
B
226
225
224
223
222
A
221
220
219
218
DIMENSÕES DO TERRENO
A= 79.468,60m2
“Tempo virá. Uma vacina preventiva de erros e violência se fará. As prisões se transformarão
em escolas e oficinas. E os homens imunizados contra o crime, cidadãos de um novo mundo,
contarão às crianças do futuro estórias absurdas de prisões, celas, altos muros de um tempo
superado.” (Cora Coralina)
292,18
262,96
372,82
AV B
65,31
335,54
58,78
118,55
106,7
PRINCÍPIOS Projeto colabore com a revisão do processo de formação de identidade do sujeito. Só
PRINCÍPIOS
Projeto colabore com a revisão do
processo de formação de identidade
do sujeito. Só assim ele pode parar de
se ver como “fora da lei”
Próximidade física e visual com a
sociedade. Não edificar penitenciárias
escondidas, mas que a sociedade
ocupe este espaço! O veja!

Vista do observador.

Frente da edificação

Vista do observador. Fundos da edificação

da edificação Vista do observador. Fundos da edificação Visão geral. Visão Interna   OBS TERRENO ÁREA

Visão geral.

Visão Interna

Fundos da edificação Visão geral. Visão Interna   OBS TERRENO ÁREA DO TERRENO 79.468,60
 
  OBS

OBS

TERRENO

ÁREA DO TERRENO

79.468,60

Esta área dever permitir ampliações e ser um complexo de unidades prisionais

ÁREA CONSTRUÍDA

   

ÁREA CONSTRUÍDA

7.909,32

ÁREA OCUPADA

   

ÁREA OCUPADA

17.248,00

ÁREA OCUPADA

   

TAXA DE OCUPAÇÃO

21,70%

PERMEABILIDADE

   

TAXA DE PERMEABILIDADE

78,30%

    TAXA DE PERMEABILIDADE 78,30% O partido adotado é pela aproximação da prisão com a
    TAXA DE PERMEABILIDADE 78,30% O partido adotado é pela aproximação da prisão com a

O partido adotado é pela aproximação da prisão com a sociedade, permitindo espaços amplos para todo tipo de atividades dentro da

unidades. Marcando simbolicamente o espaço Buscamos uma mudança no projeto de unidade prisional, abandonando as tipologias adotadas comumentes que tem como preocupação a segregação do sujeito e o controle de seu corpo.

A setorização rigida e super segmentada, também é ponto que combatemos, a aproximação dos setores dentro da unidade é um dos pilares

da proposta, permitindo que os funcipnários se aproximem e a estética da edificação não se confunda com a de blocos segmentados.

O projeto deve permitir um gradual acesso, devidamente controlado por segurança eletrônica, acesso de pessoas após revista e cadastro

adequado incluindo detecção de digital, vigilãncia pelas torres, mas não acreditamos que os muros e grades são o foco da segurança, mas a relação que se estabelece. Um dos pontos fundamentais da edificação é o pátio minterno que permite a vida em comunidade dos funcionários e reclusos.

RELAÇÕES ENTRE ESPAÇO E O HOMEM

- A produção do espaço depende da formação histórica de um povo, das relações culturais, do poder ideológico e condições tecnológicas.

SUJEITO

ESPAÇO

ARQUITETÔNICO

condições tecnológicas. SUJEITO ESPAÇO ARQUITETÔNICO RELAÇÃO SIMBÓLICA AGUÇA DETERMINADAS- RELAÇÕES E

RELAÇÃO SIMBÓLICA

SUJEITO ESPAÇO ARQUITETÔNICO RELAÇÃO SIMBÓLICA AGUÇA DETERMINADAS- RELAÇÕES E VIVÊNCIAS REFORÇA MARCAS

AGUÇA DETERMINADAS- RELAÇÕES E VIVÊNCIAS

SIMBÓLICA AGUÇA DETERMINADAS- RELAÇÕES E VIVÊNCIAS REFORÇA MARCAS NO PADRÃO DE CONDUTA “Como o homem
SIMBÓLICA AGUÇA DETERMINADAS- RELAÇÕES E VIVÊNCIAS REFORÇA MARCAS NO PADRÃO DE CONDUTA “Como o homem

REFORÇA MARCAS NO PADRÃO DE CONDUTA

E VIVÊNCIAS REFORÇA MARCAS NO PADRÃO DE CONDUTA “Como o homem percebe o mundo? É através

“Como o homem percebe o mundo? É através de seu corpo de seus sentidos que ele constrói e se apropria do espaço e do mundo. O lugar é a porção do espaço apropriável para a vida — apropriada através do corpo — dos sentidos” (Ana Carlos)

PROJETO ARQUITETÔNICOS HUMANIZADOS

PROJETO ARQUITETÔNICOS HUMANIZADOS
PROJETO ARQUITETÔNICOS HUMANIZADOS BOA CONVSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO
PROJETO ARQUITETÔNICOS HUMANIZADOS BOA CONVSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO

BOA CONVSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO

BOA CONVSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO
HUMANIZADOS BOA CONVSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO VISUAL ARQUITETÔNICO HUMANIZADO - ABERTURA; - PAZ;

VISUAL ARQUITETÔNICO HUMANIZADO - ABERTURA; - PAZ; -HARMONIA;

- TRANQUILIDADE;

HUMANIZADO - ABERTURA; - PAZ; -HARMONIA; - TRANQUILIDADE; AGUÇA VIVÊNCIAS DE LIBERDADE, BEM ESTAR E AUTO-ESTIMA

AGUÇA

VIVÊNCIAS DE LIBERDADE, BEM ESTAR

E AUTO-ESTIMA

AGUÇA VIVÊNCIAS DE LIBERDADE, BEM ESTAR E AUTO-ESTIMA PROMOVE DETERIORAÇÃO DOS CÁRCERES cada lugar se

PROMOVE

DETERIORAÇÃO DOS CÁRCERES

ESTAR E AUTO-ESTIMA PROMOVE DETERIORAÇÃO DOS CÁRCERES cada lugar se desenvolvendo ou melhor se realizando em

cada lugar se desenvolvendo ou melhor se realizando em função de uma cultura/tradição/língua/hábitos que lhe são próprios.

REAPROXIMAÇÃO PRISÃO-SOCIEDADE E IDENTIFICAÇÕES POSITIVAS

SOCIEDADE CONHEÇA AS PRISÕES. ESTÃO DEIXEM DE SER INSTITUIÇÕES HERMÉTICAMENTE FECHADAS.

1/4

DEIXEM DE SER INSTITUIÇÕES HERMÉTICAMENTE FECHADAS. 1/4 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO. FACULDADE DE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO. FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIAS. DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

XIII TURMA DE ARQUITETURA E URBANISMO CUIABÁ/MT ABRIL de 2013

TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO GUILHERME ROSA DE ALMEIDA ORIENTADOR: DR. TALES LOBOSCO

ARQUITETURA PENAL

1898

2/4

ARQUITETURA PENAL 1898 2/4 Sistema pavilhonar Entre os vários exemplos posteriores destaca-se a prisão de Lewisburg.
Sistema pavilhonar Entre os vários exemplos posteriores destaca-se a prisão de Lewisburg. (1932) . Arq.
Sistema pavilhonar
Entre os vários exemplos posteriores destaca-se a
prisão de Lewisburg. (1932) . Arq. Alfred Hopkins
Esse modelo surgiu com o intuito de evitarem as
rebeliões, criando pavilhões distintos e isolados entre
si. Um edifício prisional pavilhonar, resultante da
adição de pavilhões, permite reagrupar os presos de
pavilhão em pavilhão consoante as suas caracterís-
ticas ou seja, de isolar os núcleos, apesar de dificultar
um pouco a segurança do edifício, mantém de
antemão o eixo estruturador que dá continuidade
à dinâmica estrutural da própria prisão.
Sistema celas autocontidas Presídio Blundeston, em Suffolk, 1963. Inglaterra. Mantém uma configuração que permite o
Sistema celas autocontidas
Presídio Blundeston, em Suffolk, 1963. Inglaterra.
Mantém uma configuração que permite o controle
a partir de um ponto nodal, esta construção é a
primeira a se distanciar substancialmente do
esquema radial, pulverizando as unidades de
vivência em torno do edifício central, que abriga
espaços de uso comum à dinâmica estrutural da
própria prisão.
de uso comum à dinâmica estrutural da própria prisão. SETOR EXTERNO SETOR INTERMEDIÁRIO SETOR INTERNO FLUXOGRAMA
de uso comum à dinâmica estrutural da própria prisão. SETOR EXTERNO SETOR INTERMEDIÁRIO SETOR INTERNO FLUXOGRAMA
de uso comum à dinâmica estrutural da própria prisão. SETOR EXTERNO SETOR INTERMEDIÁRIO SETOR INTERNO FLUXOGRAMA
de uso comum à dinâmica estrutural da própria prisão. SETOR EXTERNO SETOR INTERMEDIÁRIO SETOR INTERNO FLUXOGRAMA

SETOR EXTERNO

SETOR INTERMEDIÁRIO

SETOR INTERNO

FLUXOGRAMA GERAL

  VIVÊNCIA COLETIVA ENSINO TRATAMENTO PENAL VISITAS INTÍMAS ADMINISTRAÇÃO GUARITA
 
VIVÊNCIA COLETIVA
VIVÊNCIA
COLETIVA
ENSINO
ENSINO
TRATAMENTO PENAL
TRATAMENTO PENAL
TRATAMENTO
PENAL

VISITAS INTÍMAS

ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO

GUARITA

GUARITA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO. FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIAS. DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

Pavilhões dispostos paralelamente

Planta projeto padrão - DEPEN. 2000.

Edifícios organizados a partir de pavilhões dispostos paralelamente - compreendem, da mesma forma, um módulo externo, restrito à administração, e diversos módulos intra-muros destinados às atividades e permanência de presos. Estes módulos encontram-se articulados por um grande corredor central. Para nossa análise, tomaremos como exemplo um projeto para peni- tenciárias desenvolvido pelo próprio DEPEN Este opção é conhecida como “poste telegráfico”. É possível localizar sua utilização inaugural em estabelecimentos carcerários na prisão de Wormwood Scrubs (1874), em Londres, e nas cercanias de Paris, na prisão em Fresnes-lès-Rungis (1894).

de Paris, na prisão em Fresnes-lès-Rungis (1894). VIVÊNCIA INDIVIDUAL OFICINAS SERVIÇOS POLIVALENTE GUARDA
de Paris, na prisão em Fresnes-lès-Rungis (1894). VIVÊNCIA INDIVIDUAL OFICINAS SERVIÇOS POLIVALENTE GUARDA
VIVÊNCIA INDIVIDUAL
VIVÊNCIA
INDIVIDUAL
OFICINAS
OFICINAS
Fresnes-lès-Rungis (1894). VIVÊNCIA INDIVIDUAL OFICINAS SERVIÇOS POLIVALENTE GUARDA EXTERNA FUNÇÃO DA

SERVIÇOS

POLIVALENTE

GUARDA

EXTERNA

FUNÇÃO DA PENITENCIÁRIA Sintetizando a postura da legislação brasileira temos segundo (LEAL 1998:36-40) quatro funções primordiais a ela associadas às prisões:

Retribuição - a prisão proporciona ao infrator um castigo, além de uma resposta à sociedade e - a prisão proporciona ao infrator um castigo, além de uma resposta à sociedade e àqueles diretamente prejudicados pela infração cometida; Intimidação - a existência da prisão representa uma ameaça inibidora a potenciais infratores; Ressocialização - a prisão possibilita ao infrator passar por um processo de reeducação e ressocialização, afastando-se da delinquência
por uma rotina de trabalhos, exercícios e regras disciplinares; e ressocialização, afastando-se da delinquência Incapacitação - a reclusão de infratores garante a Incapacitação - a reclusão de infratores garante a proteção do restante da sociedade ao impedir que estes venham cometer novos crimes.

As prisões não cumprem seu papel ressocializador, pois o foco é exclusão do sujeito. Mesmoq ue a legsialção diga o contrário. ENCARRAR A PRISÃO COMO PROCESSO. A prisão vem ocupando o centro desses debates na medida em que representa o principal instrumento do sistema para procurar impedir as atuações criminosas. O sistema penitenciário assenta-se sobre este tipo de punição como forma real e simbólica de interrupção do problema.a reclusão de infratores garante a proteção do restante da sociedade ao impedir que estes venham

sistema penitenciário assenta-se sobre este tipo de punição como forma real e simbólica de interrupção do

XIII TURMA DE ARQUITETURA E URBANISMO CUIABÁ/MT ABRIL de 2013

TURMA DE ARQUITETURA E URBANISMO CUIABÁ/MT ABRIL de 2013 CONTEXTO DAS PRISÕES NO BRASIL SISTEMA PENITENCIÁRIO

CONTEXTO DAS PRISÕES NO BRASIL

SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILIERA (1990-211)

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILIERA (1990-211) Contagem - MG: 70 homens se espremem onde caberiam apenas
EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILIERA (1990-211) Contagem - MG: 70 homens se espremem onde caberiam apenas
EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILIERA (1990-211) Contagem - MG: 70 homens se espremem onde caberiam apenas
EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILIERA (1990-211) Contagem - MG: 70 homens se espremem onde caberiam apenas

Contagem - MG: 70 homens se espremem onde caberiam apenas 12 Fonte: CPI Sistema Carcerário.

onde caberiam apenas 12 Fonte: CPI Sistema Carcerário. “isto” é uma cela no presídio central de

“isto” é uma cela no presídio central de Porto Alegre. Fonte: CPI Sistema Carcerário.

DADOS CONSOLIDADOS SOBRE A POPULAÇÃO CARCERÁRIA NO BRASIL 1

CONTEXTO GERAL NO MUNDO

PAÍSES COM MAIOR NÚMERO DE PRESOS

CONTEXTO GERAL NO MUNDO PAÍSES COM MAIOR NÚMERO DE PRESOS EUA CHINA RUSSIA 2.266.832 1.640.000 738.400

EUA

CHINAGERAL NO MUNDO PAÍSES COM MAIOR NÚMERO DE PRESOS EUA RUSSIA 2.266.832 1.640.000 738.400 BRASIL 514.582

RUSSIAGERAL NO MUNDO PAÍSES COM MAIOR NÚMERO DE PRESOS EUA CHINA 2.266.832 1.640.000 738.400 BRASIL 514.582

2.266.832

1.640.000

MAIOR NÚMERO DE PRESOS EUA CHINA RUSSIA 2.266.832 1.640.000 738.400 BRASIL 514.582 International Centre for Prison

738.400

DE PRESOS EUA CHINA RUSSIA 2.266.832 1.640.000 738.400 BRASIL 514.582 International Centre for Prison Studies.

BRASIL

PRESOS EUA CHINA RUSSIA 2.266.832 1.640.000 738.400 BRASIL 514.582 International Centre for Prison Studies.

514.582

International Centre for Prison Studies. http://www.prisonstudies.org (Acesso em 13/06/2012)

Studies. http://www.prisonstudies.org (Acesso em 13/06/2012) População Carcerária Total: 514.582 Número de
Studies. http://www.prisonstudies.org (Acesso em 13/06/2012) População Carcerária Total: 514.582 Número de

População Carcerária Total:

514.582

Número de Habitantes Brasil:

190.732.694

População Carcerária por 100.000 habitantes:

269,79

Número de Vagas (Secretaria de Justiça e Seg. Pública)

306.497

Déficit geral de vagas.

235.085

Número Penitenciárias:

Masculina 441

Feminina 50

Número Penitenciárias: Masculina 441 Feminina 50 PRINCIPAIS TIPOLOGIAS PENAIS NO BRASIL Pavilhões
Número Penitenciárias: Masculina 441 Feminina 50 PRINCIPAIS TIPOLOGIAS PENAIS NO BRASIL Pavilhões

PRINCIPAIS TIPOLOGIAS PENAIS NO BRASIL

Pavilhões organizados ao redor de pátio descoberto Planta do m ódulo de vivência de presos
Pavilhões organizados ao redor de pátio descoberto
Planta do m ódulo de vivência de presos do Centro de Reeducação de
Governador Valadares
Pavilhões organizados ao redor de pátio descoberto - compreen-
dem um módulo externo destinado ao setor administrativo e um
ou mais módulos intra-muros destinados aos detentos. Estes,
compostos por um ou mais pavimentos, apresentam corredores
de circulação voltados para um pátio interno, destinado ao
banho de sol e convívio. Um mesmo complexo pode abrigar
diversos pavilhões com regimes diferenciados e independentes
entre si, dispostos paralelamente e conectados por uma rua
interna cujo acesso é restrito a funcionários e agentes peniten-
ciários.
é restrito a funcionários e agentes peniten- ciários. CLÁSSICAS TIPOLOGIAS NA ARQUITETURA PENAL Poste
é restrito a funcionários e agentes peniten- ciários. CLÁSSICAS TIPOLOGIAS NA ARQUITETURA PENAL Poste

CLÁSSICAS TIPOLOGIAS NA ARQUITETURA PENAL

Poste telegráfico Prisão de Fresnes (França) Autoria de Francisque Henri Poussin Consiste na implantação de
Poste telegráfico
Prisão de Fresnes (França)
Autoria de Francisque Henri Poussin
Consiste na implantação de vários blocos celu-
lares dispostos paralelamente ao longo e de
ambos os lados. Apresenta vantagens no que
toca à orientação solar das celas. Facilidade de
comunicação de um espaço para outro. Em
caso de rebeliões ou qualquer outro conflito
que fosse, numa das alas, alastrava com facili-
dade para os restantes espaços.
alastrava com facili- dade para os restantes espaços. Imaginário das prisões são os muros altos, vigias
alastrava com facili- dade para os restantes espaços. Imaginário das prisões são os muros altos, vigias

Imaginário das prisões são os muros altos, vigias nas pontas e no centro, controle do acesso, esta relação esta em 99% dos presídios do mundo. Como ensina Foucault as prisões nasceram da necessidade de se privar as pessoas de liberdade e não de um projeto, por isso sua semelhança com uma fortaleza não é coincidência.

LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL

não é coincidência. LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL O esquema das DIRETRIZES é muito simples e
não é coincidência. LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL O esquema das DIRETRIZES é muito simples e
não é coincidência. LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL O esquema das DIRETRIZES é muito simples e
não é coincidência. LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL O esquema das DIRETRIZES é muito simples e
não é coincidência. LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL O esquema das DIRETRIZES é muito simples e
não é coincidência. LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL O esquema das DIRETRIZES é muito simples e
não é coincidência. LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL O esquema das DIRETRIZES é muito simples e
não é coincidência. LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL O esquema das DIRETRIZES é muito simples e
não é coincidência. LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL O esquema das DIRETRIZES é muito simples e
não é coincidência. LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL O esquema das DIRETRIZES é muito simples e
não é coincidência. LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL O esquema das DIRETRIZES é muito simples e
não é coincidência. LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL O esquema das DIRETRIZES é muito simples e
não é coincidência. LOCALIZAÇÃO DAS PRISÕES NO BRASIL O esquema das DIRETRIZES é muito simples e

O esquema das DIRETRIZES é muito simples e claro: são três setores com um nível de segregação entre um e outro. O objetivo com esta segregação é a segurança.Acreditamos que esta estrátegia arquitetônica é ineficiente, acreditamos que devemos interligar setores, que exista contato humano entre as pessoas e não isolamento apenas.

AGENTES
AGENTES

ANÁLISE DOS ESPAÇOS OCUPADOS PELAS PRISÕES

A proposta é compreender este processo de mudança Na localização das unidades prisionais dentro das cidades e não esquecer o forte carater simbólico que esta unidade possui. Segundo as Diretrizes para elaboração de proje- tos e construção de unidades penais no Brasil: “Os esta- belecimentos penais deverão estar localizados de modo a facilitar o acesso e a apresentação dos apenados e processados em juízo.” Este é um ponto de contradição deste documento referência, pois também recomenda: “Os complexos ou estabelecimentos penais não devem, de modo geral, ser situados em zona central da cidade ou em bairro emi- nentemente residencial”. É muito difício encontrarmos uma cidade onde os edificios da justiça não estejam nos centros políticos, históricos ou perto de residencias. Isso posto, escolhemos por um terreno ao lado do Fórum de Cuiabá, buscando desta forma facilitar as questões de logística, mas prinic- palemte tornar as penitenciárias um convite a serem pensadas por todos. Tornando “nobre” sua posição na cidade e não apenas em bairros de periferia,onde estas edificações são aceitavéis pelo poder público. A ideia aqui é aceita-las no espaço de poder.

PRISÃO COMO PROCESSO

PRISÃO COMO PROCESSO A prisão muitas vezes é vista como um fim, como se logo o

A prisão muitas vezes é vista como um fim, como se logo o sujeito não estive-se de novo na sociedade. Nós a vemos como um processo, um tempo-espaço para mudar o homem.

TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO GUILHERME ROSA DE ALMEIDA ORIENTADOR: DR. TALES LOBOSCO

SEGURANÇA E ECONOMIA NAS PRISÕES ANÁLISE DO TERRENO- URBANISMO Entendemos que as estratégias para a
SEGURANÇA E ECONOMIA NAS PRISÕES
ANÁLISE DO TERRENO- URBANISMO
Entendemos que as estratégias para a segurança sejam
01- Sonorização do ambiente, rádios e todas as formas de
facilidade de comunicação sem celular.
LOCALIZAÇÃO
DO TERRENO, CONTEXTO URBANO
MALHA URBANA- HIERARQUIA VIÁRIA
LEGENDA
USO E OCUPAÇÃO DO SOLO
CHEIOS E VAZIOS
CHEIOS
VAZIOS
LOTE
LEGENDA
VIAS COLETORAS (18m)
VIAS ESTRUTURAIS PGM (30m)
LEGENDA
RESIDENCIAL
INSTITUCIONAL
LOTE
PARQUES
ÁREA
INSTITUIÇÕES
PÚBLICA
VIAS COLETORAS PLANEJADAS (18m)
NORTE
VIAS ESTRUTURAIS PLANEJADAS (PGM 50m)
VIAS PRINCIPAIS (PFM 24m)
VIAS ESTRUTURAIS PLANEJADAS- VERDES PGM (50m)
VIAS LOCAIS PGM (12m)
VIAS PRINCIPAIS PLANEJADAS (30m)
TERRENO
02- Controle de entrada com catraca, contabilidade de
pessoas on line, de digitais cadastradas, e permição ou
nçao de ambientes
LEGENDA
ZONA URBANA DE USO MULTIPLO (ZUM)
PARQUES
ZONA DE INTERSSE AMBIENTAL 1 (ZIA
1)
ZONA DE AMORTECIMENTO 1
ZONA DE AMORTECIMENTO 2
ZONA DE CENTROS REGIONAIS OU SUBCENTROS (ZCR)
ZONA ESPCIAL DE INTERESSE SOCIAL 2 (ZEIS 2)
O terreno selecionado esta ao lado do Fórum da capital, que é simbolica-
mente provocativo, mas indica a necessidade de se aproximar as prisões da
sociedade. Resolve vários problemas de fluxo, como fácil acesso de fun-
cionários e visitantes. Facilidade de encaminhar para audiências no Fórum,
escoar com facilidade para tratamento médico
03- Filmar todos so espaços da penitenciária, registrar e
enviar os dados para fora da penitenciária.
Não existe um adensamento vertical no local e nem uma ocupação inten-
siva.
Quase toda ocupação da região é de edificações públicas. Algumas das
residencias próximas a este espaço são de ocupação irregulares. Em Cuiabá
existem unidades prisionais que são cercadas por casas e não existe inco-
modo do poder público.
Um estudo das vias, mostra a facilidade de acesso ao local. Localizado
dentro do Centro Político e Adminsitrativo do Estado. O que indica uma
aproximação da prisão do espaço de poder e não o isolamento.
04- Controle das imagens em tempo real por funcionários
em sala de controle adequada que possam controlar em os
acessos e portas, tudo automatizado.
ALTA DENSIDADE DO PROJETO
PROJETO COMPLEXO
DIÁLOGO COM A CIDADE
Uma das principais relações coma cidade e a
sociedade. Aproximar a prisão dos espaços de
poder, em uma relação que busque a compreen-
são destes espaços e sua transformação e não a
realação que existia no período colonial. envolvi-
mento com o problema.
Considerando que queremos a leitura do projeto
de uma vez só, vamos ter um projeto com alta
densidade e não em blocos separados. A forma de
distirguirmos as parte principais é através da
cobertura e da forma abobadada que a celas e
algums estaçõ vão ter. Esta forma reflete o
conceito do projeto.
Projeto tem como um dos focos se
relacionar com a Rua e não isolar a
edificação. Um espaço de transição é
fundamental para criar uma relação
hamonioso e receptiva com as pessoas
que ali entram.
PLANTA GERAL- LEGENDA
NORTE
ACESSO O acesso de carros se dá pelo controle das guaritas com cancelas, a edificação é cercada por alambrados pemitindo a visualização. O
GUARITA
01
hall de entrada se estende próximo a rua para que as pessoas que chegam de ônibus, visitas, funcionáris e outros possam acessar com
facilidade a penitenciária. Aproximando-a da sociedade e não punindo funcionários e visitas. Cadastro para acesso, espaço para
RECEPÇÃO/ENTRADA
02
espera da revista, local para guardar pertences, banheiros, revista e depois vias para acesso a administração ou ao espaço das celas.
ESTACIONAMENTO
03
ACESSO RECLUSOS
04
Acessos dos reclusos permite sala para espera à resvia, celas para pernoitar e banherio para higienização.
O estacionamento permite acesso a área de oficinas.
INTERIOR O setor administrativo é de fácil acesso, pois é o espaço mais frequentado da unidade para pessoas de fora. Os agentes aqui possuem espaço
ADMINISTRATIVO
05
para descanso, banho e copa o que permite a realização dos plantões com maior conforto e dignaidade. A sala multiuso permite espaço para
DESCANSO AGENTES
07
08
palestras, treinamentos, reuniões, etc. Este espaço é em geral negligenciado nas unidades, mas fundamental para organização do trabalho.
O setor penal, com cartório e a sala de apoio técnico pscicológico e serviço social se fecha para se aproximar dos outros setores, mas existe um
SALA MULTIUSO
pátio que integra os setores, permitindo o descanso ,as conversas em paz. Um espaço para os advogados conversarem com seus clientes e
SETOR PENAL
09
PÁTIO
10
também uma sala para juiz e as audiências, os juizes quando julgarem necessário podem despachar da unidade.
AUDIÊNCIA/JUIZ 11
WC E COPA
EDUCAÇÃO
O espaço para as atividades educacionais e leitura são generosos, amplos e prevêem que sejam ocupados por voluntários
além dos profisisonais da educação ali presentes. Uma ampla biblioteca tem o significado de requalificar os espaços de
privação de liberdade, permitindo que através da gestão e dos projetos ali preparados possa se tornar ,em fim ,um espaço de
ESCOLA E
12
reflexão.
BIBLIOTECA
06
ESPORTE
O espaço para esporte pretende-se um lugar de movimentação, ocupação direta e integrada à educação.
QUADRA
13
SERVIÇOS
Os serviços são aproximados para permitir um controle, o escoamento fácil dos produtos contruídos ou reformados dentro das
unidades. A formação profisisonal pelo trabalho é um dos objetivos do espaço de privação de liberdade.
LAVANDERIA/OFICINAS
14
TORRE DE ÁGUA E
CENTRAL DE ENERGIA
15
O setor de saúde é próximo as unidades de reclusão e tem fácil acesso a saída, pois é um dos maiores fluxos da unidades :encamin-
SAÚDE
har reclusos para exames e hospitais.
CONSULTÓRIO,
16
ENFERMARIA
RECLUSÃO
Principal espaço da edificação, todos os outros existem para que os reclusos que ali vivem possam ser outros. Ele que
marca o espaço e permite uma comunicação com o exterior visualmente, quebrando a lógica das unidades voltadas
CELAS, ESPAÇOS DE
VIVÊNCIA EM PEQUENOS
GRUPOS
17
para dentro de si mesmo.
TEMPLO
Espaço para celebração de cultos. Abre-se a palavra , evitando o eco das paredes retangulares e esta em um espaço com
acesso fácil aos reclusos. Um ponto de apoio aos reclusos.
18
TEMPLO ECUMÊNICO
ALIMENTAÇÃO
A cozinha e o refeitório no vertice da edificação, permite menor deslocamento para este espaço.
19
COZINHA E REFEITÓRIO
TORRES
TORRES
20
Torres de vigilância em pontos chaves
3/4
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO.
FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIAS.
DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO
XIII TURMA DE ARQUITETURA E URBANISMO
CUIABÁ/MT
ABRIL de 2013
TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO
GUILHERME ROSA DE ALMEIDA
ORIENTADOR: DR. TALES LOBOSCO
IMPLANTAÇÃO A CELA A implantação foi pensada para marcar o terreno, aproveitando boa parte da
IMPLANTAÇÃO
A CELA
A implantação foi pensada para marcar o terreno, aproveitando boa
parte da curva de nível que se mantém na mesma cota e a delimitação
e doimensões o terreno permite uma ampliação.
PERSPECTIVAS DO PROJETO
10,00
2,50
POSSIBILIDADE DE EXPANSÃO
EDIFICAÇÃO
Permitir que a edificação seja expandida.
Contudo, considerando que as prisões são em
geral super lotadas. Entendemos que esta
expansão deve ser pequena na edificação e
maior no complexo, com outras unidades.
PONTO DE ÔNIBUS
02 - PLANTA BAIXA ESQUEMÁTICO CELAS INDIVIDUAIS INFERIOR
QUADRA DE ESPORTES, COM ARQUIBANCADA
3,20
Estudo da setorização do projeto. Focando na leitura total do projeto; com
facilidade de acesso; sobrepocisão de setores.
02 - PLANTA BAIXA ESQUEMÁTICOS CELAS INDIVIDUAIS SUPERIOR
ESTRATÉGIA DE SOMBREAMENTO PASSIVO
Existe uma grande quantidade de vegetação no local,preve-se a
exploração da mesma para cerca a edificação, permitindo sombreamento
passivo e também permite uma semi permeabilidade vsiual.
Hertzberger :"Devemos procurar sempre o equilibrio enre visão e reclusão,
ou seja, buscar uma organização espacial que torne qualquer um, em
qualquer situação, capaz de escolher sua posição em relação aos outros "
RECEPÇÃO: MARCAÇÃO DE ENTRADA, QUADRO DE INFORMATIVOS,
CADASTRO DE VISITANTES E ADVOGADOS.
VISIBILIDADE EXTERNA
Permitir a visibilidade dos reclusos
para a rua e para vegetação do
terreno. Entendendo que este contato
humaniza o ambiente, não o
confinando em uma caixa de
concreto.
VENTILAÇÃO
03- PLANTA BAIXA ESQUEMÁTICO CELAS INDIVIDUAIS INFERIOR
A FORMA
A forma de semi abobada da cela permite uma amplitude da dimensão
O PÁTIO
da mesma; acabando com a sensação de opressão que muitas celas
possuem; mantém uma relação com o céu sob o qual homem constrói sua
vida.
01- Pátio:
Espaço de
vivência;
O labirinto que são as prisões, não permite nem
LEGENDA
SOMBRA NO PÁTIO PARA CONVERSAS, PERMITIR O DIALÓGO É UM
DOS PRINCÍPIOS DO PROJETO.
articula
os
espaços
adjacentes;
o contato
e
humanidade dos
funcionários. Um
PLANTA 01
permite
o encontro
e vivência
espaço que
integre todos
os
setores
para que
O
espaço inferior édestinado a vivência com
CIRULAÇÃO GERAL
dos
funcionários
da
unidade
as
visitas, permite atividades diversas, inclusive
possam compartilhar ideias, conflitos e soluções.
WC VISITA
trabalhos manuais. Possui uma visibilidade do
prisional.
02- Setor Penal
03- Setor Educação
04- Seor Administrativo
PRETENDE-SE QUE O ESPAÇO PERMITA
exterio.
VISIBILIDADE
PLANTA 02
CIRULAÇÃO GERAL
As celas estão em um nível superior, possuem
cama + sanitário + espaço para leitura + pia +
Que cada recluso possa
livremente, personalizar sua
cela
05- Setor Judiciário
CIRCULAÇÃO
armário.
PARA CELA
RELAÇÃO DE PROXIMIDADE
ESPAÇO CELA
SAÚDE
EDUCAÇÃO
CIRULAÇÃO GERAL
ESPAÇO
PENAL
VIVÊNCIA
ADM
ESPAÇO CELA
As celas estão em um nível superior, possuem
cama + sanitário + espaço para leitura + pia +
armário.
As celas possuam ventilção e iluminação
natural.
Existe um isolameto na parte superior e uma
vida coletiva na inferior.
Espaço permita estudar,
através do mobiliário e da
iluminação.
CORTE 03
Que o espaço inclua o
sujeito recluso, que permita
a reflexão.
AGENTES
DIVERSIDADE DE USUÁRIOS
Ousar para que o espaço de privação de liber-
dade, seja acessado por mais pessoas do que
apenas as que habitualmente a frequentam.
COMUNICAÇÃO VISUAL- TORNAR O CAMINHO DENTRO DA UNIDADE
FÁCIL.
4/4
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO.
FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIAS.
DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO
XIII TURMA DE ARQUITETURA E URBANISMO
CUIABÁ/MT
ABRIL de 2013
TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO
GUILHERME ROSA DE ALMEIDA
ORIENTADOR: DR. TALES LOBOSCO
2,50
10,75
CIRCULAÇÃO
CIRCULAÇÃO
CIRCULAÇÃO