Sie sind auf Seite 1von 14

Ensino Médio Professora : Elza L. Ribeiro

-

FILOSOFIA - 3º Ano Aluno(a)

Bimestre: 3º e 4º

A filosofia moral

Ética ou filosofia moral

3º e 4º A filosofia moral Ética ou filosofia moral Toda cultura e cada sociedade institui
3º e 4º A filosofia moral Ética ou filosofia moral Toda cultura e cada sociedade institui

Toda cultura e cada sociedade institui uma moral, isto é, valores concernentes ao bem e ao mal, ao permitido e ao proibido e à conduta correta e à incorreta, válidos para todos os seus membros. Culturas e sociedades fortemente hierarquizadas e com diferenças de castas ou de classes muito profundas podem até mesmo possuir várias morais, cada uma delas referida aos valores de uma casta ou de uma classe social. No entanto, a simples existência da moral não significa a presença explícita de uma ética, entendida como filosofia moral, isto é, uma reflexão que discuta, problematize e interprete o significado dos valores morais. Ao contrário, toda sociedade tende a naturalizar a moral, de maneira a assegurar sua perpetuação através dos tempos. De fato, os costumes são anteriores ao nosso nascimento e formam o tecido da sociedade em que vivemos, de modo que acabam sendo considerados inquestionáveis e as sociedades tendem a naturalizá-los (isto é, a tomá-los como fatos naturais existentes por si mesmos). Não só isso. Para assegurar seu aspecto obrigatório que não pode ser transgredido, muitas sociedades tendem a sacralizá-los, ou seja, as religiões os concebem ordenados pelos deuses, na origem dos tempos. Como as próprias palavras indicam, ética e moral referem-se ao conjunto de costumes tradicionais de uma sociedade e que, como tais, são considerados valores e obrigações para a conduta de seus membros. A filosofia moral ou a disciplina denominada a ética nasce quando se passa a indagar o que são, de onde vêm e o que valem os costumes. Na língua grega existem duas vogais para pronunciar e grafar nossa vogal e: uma vogal breve, chamada epsflon, e uma vogal longa, chamada eta. Éthos, escrita com a vogal longa, significa costume; porém, se escrita com a vogal breve, éthos, significa caráter, índole natural, temperamento, conjunto das disposições físicas e psíquicas de uma pessoa. Nesse segundo sentido, éthos se refere às características pessoais de cada um, as quais determinam que virtudes e que vícios cada indivíduo é capaz de praticar. A filosofia moral ou a ética nasce quando, além das questões sobre os costumes, também se busca compreender o caráter de cada pessoa, isto é, o senso moral e a consciência moral individuais.

Podemos dizer, com base nos textos de Platão e de Aristóteles, que, no Ocidente, a ética ou filosofia moral inicia-se com Sócrates. Sócrates, o incansável perguntador.

Percorrendo praças e ruas de Atenas — contam Platão e Aristóteles —, Sócrates perguntava aos atenienses, fossem jovens ou velhos, o que eram os valores nos quais acreditavam e que respeitavam ao agir.

Profª.: Elza L. Ribeiro

1

Que perguntas lhes fazia ele? Indagava: “O que é a coragem?”, “O que é a justiça?”, “O que é a piedade?”, “O que é a amizade?” A elas os atenienses respondiam dizendo serem virtudes. Sócrates voltava a indagar: “O que é a virtude?”. Retrucavam os atenienses: “É agir em conformidade com o bem”. E Sócrates questionava: “Que é o bem?”.

As perguntas socráticas terminavam sempre por revelar que os atenienses respondiam sem pensar no que diziam. Repetiam o que lhes fora ensinado desde a infância. Como cada um havia interpretado à sua maneira o que aprendera, era comum, quando um grupo conversava com o filósofo, uma pergunta receber respostas diferentes e contraditórias. Após um certo tempo de conversa com Sócrates, um ateniense via-se diante de duas alternativas: ou zangar-se com a impertinência do filósofo perguntador e ir embora irritado, ou reconhecer que não sabia o que imaginava saber, dispondo-se a começar, na companhia de Sócrates, a busca filosófica da virtude e do bem. Por que os atenienses sentiam-se embaraçados (e mesmo irritados) com as perguntas socráticas? Por dois motivos principais: em primeiro lugar, por perceberem que confundiam valores morais com os fatos constatáveis em sua vida cotidiana (diziam, por exemplo, “Coragem é o que fez fulano na guerra contra os persas”); em segundo lugar, porque, inversamente, tomavam os fatos da vida cotidiana como se fossem valores morais evidentes (diziam, por exemplo, “É certo fazer tal ação, porque meus antepassados a fizeram e meus parentes a fazem”). Em resumo, confundiam fatos e valores, pois ignoravam as causas ou razões por que valorizavam certas coisas, certas pessoas ou certas ações, e desprezavam outras. Por isso mesmo se embaraçavam ou se irritavam quando Sócrates lhes mostrava que estavam confusos, dizendo-lhes que haviam dito que a conduta de fulano era corajosa, mas não haviam explicado o que é a coragem, ou que a conduta de beltrano era justa, mas não haviam explicado o que é a justiça. Tais confusões, porém, não eram (e não são) inexplicáveis. Nossos sentimentos, nossas condutas, nossas ações e nossos comportamentos são modelados pelas condições em que vivemos (família, classe e grupo sociais, escola, religião, trabalho, circunstâncias políticas, etc.). Somos formados pelos costumes de nossa sociedade, que nos educa para respeitarmos e reproduzirmos os valores propostos por ela como bons e, portanto, como obrigações e deveres. Dessa maneira, valores e deveres parecem existir por si e em si mesmos, parecem ser naturais e intemporais, fatos ou dados com os quais nos relacionamos desde nosso nascimento: somos recompensados quando os seguimos, punidos quando os transgredimos. Sócrates embaraçava os atenienses porque os forçava a indagar qual a origem e a essência (ou a significação verdadeira e necessária) das virtudes (valores e obrigações) que julgavam praticar ao seguir os costumes de Atenas. Como e por que sabiam que uma conduta era boa ou má, virtuosa ou viciosa? Por que, por exemplo, a coragem era considerada virtude e a covardia, vício? Por que valorizavam positivamente a justiça e desvalorizavam a injustiça, combatendo-a? Numa palavra: o que eram e o que valiam realmente os costumes que lhes haviam sido ensinados? Dirigindo-se aos atenienses, Sócrates lhes perguntava qual o sentido dos costumes estabelecidos (os valores éticos ou morais da coletividade, transmitidos de geração a geração) mas também indagava quais as disposições de caráter (características pessoais, sentimentos, atitudes, condutas individuais) que levavam alguém a respeitar ou a transgredir os valores da cidade, e por quê. Ao indagar o que são a virtude e o bem, Sócrates realiza, na verdade, duas interrogações. Por um lado, interroga a sociedade para saber se o que ela está habituada a considerar virtuoso e bom corresponde efetivamente à virtude e ao bem; e, por outro, interroga os indivíduos para saber se, ao agir, possuem efetivamente consciência do significado e da finalidade de suas ações, se seu caráter ou sua índole são virtuosos e bons realmente. A indagação ética socrática dirige-se, portanto, à sociedade e ao indivíduo. As questões socráticas inauguram a ética ou filosofia moral porque definem o campo no qual valores e obrigações morais podem ser estabelecidos pela determinação de seu ponto de partida: a consciência do agente moral. É sujeito ético ou moral somente aquele que sabe o que faz, conhece as causas e os fins de sua ação, o significado de suas intenções e de suas atitudes e a essência dos valores morais. Sócrates afirma que apenas o ignorante é vicioso ou incapaz de virtude, pois quem sabe o que é bem não poderá deixar de agir virtuosamente.

Profª.: Elza L. Ribeiro

2

O legado dos filósofos gregos

Se examinarmos o pensamento filosófico dos antigos, veremos que nele a ética afirma três grandes princípios da vida moral:

1. por natureza, os seres humanos aspiram

ao bem e à felicidade, que só podem ser alcançados pela conduta virtuosa;

2. a virtude é uma excelência alcançada pelo

caráter, tanto assim que a palavra grega que

a designa é aretê, que quer dizer “excelência”.

É a força interior do caráter que consiste na

consciência do bem e na conduta definida pela vontade guiada pela razão, pois cabe a esta última o controle sobre instintos e impulsos irracionais descontrolados, que existem na natureza de todo ser humano;

3. a conduta ética é aquela na qual o agente

sabe o que está e o que não está em seu

poder realizar, referindo-se, portanto, ao que

é possível e desejável para um ser humano

Ilustração de Charles Robinson para a fábula “O vento e o sol”, de Esopo, autor

Ilustração de Charles Robinson para a fábula “O vento e o sol”, de Esopo, autor consagrado pelos gregos do século V a.C. pela simplicidade com que transmitia suas liçoes morais.

Saber o que está em nosso poder significa, principalmente, no se deixar arrastar pelas circunstâncias nem pelos instintos, nem por uma vontade alheia, mas afirmar nossa independência e

nossa

O sujeito ético ou moral não se submete aos acasos da sorte (ou o que os antigos chamavam de fortuna), nem à vontade e aos desejos de um outro, nem à tirania das paixões (ou sentimentos e desejos incontroláveis), mas obedece apenas à sua consciência — que conhece o bem e as virtudes — e à sua vontade racional — que conhece os meios adequados para chegar aos fins morais. A busca do bem e da felicidade são a essência da vida ética.

autodeterminação.

capacidade

de

Os filósofos antigos (gregos e romanos) consideravam que a vida ética transcorria como um embate contínuo entre nossos apetites e desejos — as paixões — e nossa razão. Por natureza, somos passionais e a tarefa primeira da ética é a educação de nosso caráter ou de nossa natureza para seguirmos a orientação da razão. A vontade possuía um lugar fundamental nessa educação, pois era ela que deveria ser fortalecida para permitir que a razão controlasse e dominasse as paixões.

O passional é aquele que se deixa arrastar por tudo quanto satisfaça imediatamente seus apetites e desejos, tornando-se escravo deles. Desconhece a moderação, busca tudo imoderadamente, acabando vítima de si mesmo.

Podemos resumir a ética dos antigos em três aspectos principais:

1. o racionalismo: a vida virtuosa é agir em conformidade com a razão, que conhece o bem, o

deseja e guia nossa vontade até ele. A vida virtuosa é aquela em que a vontade se deixa guiar pela razão;

2. o naturalismo: a vida virtuosa é agir em conformidade com a natureza (o cosmo) e com nossa

natureza (nosso éthos), que é a parte do todo natural. Agir voluntariamente não é, portanto, agir contra a necessidade natural (sobre esta não temos poder nenhum) e sim agir em harmonia com ela, de tal maneira que o possível, desejado e realizado por nossa vontade realize nossa natureza individual e a coloque em harmonia com o todo da natureza;

Profª.: Elza L. Ribeiro

3

3. a inseparabilidade entre ética e política: isto é, a inseparabilidade entre a conduta do indivíduo e os valores da sociedade, pois somente na existência compartilhada com outros encontramos liberdade, justiça e felicidade.

A ética, portanto, era concebida como educação do caráter do sujeito moral para dominar racionalmente impulsos, apetites e desejos, para orientar a vontade rumo ao bem e à felicidade, e para formá-lo como membro da coletividade sociopolítica. Sua finalidade era a harmonia entre o caráter do sujeito virtuoso e os valores coletivos, que também deveriam ser virtuosos.

O determinismo e a liberdade

O determinismo absoluto « A liberdade não existe, pois o homem é sempre determinado, seja por sua natureza biológica. (necessidades e instintos), seja por sua natureza histórico- social (leis, normas, costumes). Ou seja, as ações individuais seriam causadas e determinadas por fatores naturais ou constrangimentos sociais, e a liberdade seria apenas uma ilusão, essa concepção encontra-se presente no pensamento de filósofos materialistas do século XVIII, tais como os franceses Helvetius (17154771) e Holbach (17234789).

A liberdade absoluta — O homem é sempre livre, embora os defensores dessa posição admitam a existência das determinações de origem externa, sociais, e as de origem interna, tais como desejos, impulsos etc., sustentam a tese de que o indivíduo possui uma liberdade moral que está acima dessas determinações. Ou seja, apesar de todos os fatores sociais e subjetivos que atuam sobre cada indivíduo, ele sempre possui uma possibilidade de escolha e pode agir livremente a partir de sua autodeterminação. A maior expressão dessa concepção filosófica acerca da liberdade é encontrada no pensamento de Jean Paul Sartre, que afirmou que “o homem está condenado a ser livre”. A relação dialética entre liberdade e determinismo — O homem é determinado e livre ao mesmo tempo. Determinismo e liberdade não se excluem, mas se complementam. Nessa perspectiva não faz sentido pensar em uma liberdade absoluta, nem em uma negação absoluta da liberdade, a liberdade é sempre uma liberdade concreta, situada no interior de um conjunto de condições objetivas de vida, embora a nossa liberdade seja restringida por fatores objetivos que cercam a nossa existência concreta, podemos sempre atuar no sentido de alargar as possibilidades dessa liberdade, e isso será tanto mais eficiente quanto maior for a nossa consciência a respeito desses fatores. Essa concepção é encontrada nos pensamentos de Espinosa, Hegel e Marx. Embora haja muitas diferenças entre eles, o ponto em comum é a ideia de que a liberdade é a compreensão da necessidade (dos determinismos).

A relação entre liberdade e determinismo

Os homens fazem sua própria história, mas não a fazem como querem; não a fazem sob circunstâncias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente, legadas e transmitidas pelo passado.

KARL MARX. O 18 Brumário de Luís Bonaparte in Gol. Os pensadores, p. 329

Volto ao conceito marxiano, segundo o qual ,os homens fazem eles mesmos a história, mas em circunstâncias que não escolheram. Eu o expresso agora com a fórmula: O homem é um ser que dá respostas. Um ser que dá respostas é um ser que reage somente às alternativas que lhe são colocadas pela realidade objetiva. Mas, fazendo isso, este ser abstrai certas tendências contidas no processo espontâneo para transformá-las em perguntas e encontrar para elas uma resposta. Por isso, esta reação não é puramente espontânea. Um leão, ao devorar um antílope, constitui um processo puramente biológico, no qual não está presente qualquer alternativa. Quando, ao contrário, o homem, através de seu trabalho, eleva à abstração sua relação de intercâmbio com o ambiente para fazer dela um problema ao qual deve ser dada uma resposta, esta alternativa é inserida no processo histórico.

GEORG LUKÁCS.

4

Profª.: Elza L. Ribeiro

A Cidadania, a Virtude e a Felicidade

Aristóteles, bom filósofo, bom intelectual, mas também dotado de um agudo sentido prático, do dever e da ação, não deixa de discutir os prós e os contras da vida ativa e da vida contemplativa. Cidadão é, em geral, o homem politicamente ativo, politicamente partícipe da coisa pública. Sobretudo se for membro de assembleia deliberativa ou juiz, ou seja, se, de algum modo ou em alguma medida, participar do poder público. E especialmente se o enquadramento geral da sua participação política for, precisamente, uma forma política propícia a essa participação, como a democracia. Podendo haver diversas formas de cidadania, e várias classes ou tipos de cidadãos, a verdade

é que Aristóteles compreendeu bem que pode haver uma cidadania mais formal que real, e que a verdadeira cidadania implica uma efetiva participação (até nos cargos – e o autor cita o próprio Homero em seu abono). Esta ordem de ideias leva a uma conclusão talvez chocante, mas muito verdadeira: é que sem um mínimo de ócio e de ilustração, não se pode ser verdadeiro cidadão, até porque se não pode participar, por falta de tempo e de disponibilidade mental, reflexiva. Não é, assim, por elitismo ou outro qualquer complexo de exclusão que Aristóteles considera não poder um artesão ser um autêntico cidadão. É que ele não se encontra suficientemente livre, e não alcançará

a plena virtude, que é incompatível com uma vida “mecânica e mercenária” . E nem sequer o homem de bem e o bom cidadão são uma e a mesma coisa, pois requerem diferentes virtudes. Quem comanda, por exemplo, deve ter como principal virtude a prudência. E é muito adequado que os cidadãos sejam tão capazes de mandar como de obedecer… Mas o que será melhor: participar ativamente na cidadania, ou remeter-se para o recolhimento da vida privada? Para responder a esta questão, Aristóteles procura primeiro indagar qual a verdadeira felicidade. Porque não é ser-se político ou ser-se particular de qualquer forma que está em causa, mas a excelência da vida política, de um lado, e a excelência da vida privada, por outro. Neste sentido, antes de mais, deve investigar-se sobre as condições da felicidade particular. E, ao contrário do que muitos pensam, tanto nesse tempo como hoje, tal felicidade não reside na acumulação da riqueza ou dos bens exteriores, que apenas são instrumentos úteis. Assim, o que realmente importa são a inteligência e costumes excelentes, os bens da alma. E assim encaradas as coisas, a felicidade pública não difere da felicidade privada. Tal como acerca da felicidade privada, também os juízos se dividem sobre a pública, e de forma concorde e simétrica: os que louvam a riqueza privada como suprema felicidade, enaltecem os estados ricos; os que na vontade de poder, na dominação, no despotismo privado vêm a maior felicidade, louvam os estados opressores ou dominadores de outros; e finalmente os que prezam as virtudes privadas vêem a felicidade nas virtudes públicas. Aristóteles conta-se entre estes últimos. Mesmo assim, o problema não se encontra resolvido. Porque a vida virtuosa pode ser mais ativa ou mais contemplativa. E aí não há unanimidade entre os que louvam a virtude em geral. A descrição das duas posições sobre o envolvimento político é muito vívida, e poderia ter sido escrita por um autor de qualquer época, revelando não só dois tipos de pessoas, como ainda duas tendências contraditórias que por vezes se encontram em guerra no mesmo indivíduo:

Uns não dão nenhuma importância aos cargos políticos e consideram a vida de um homem livre muito superior à que se leva na confusão do governo; outros preferem a vida política, não acreditando que seja possível não fazer nada, nem portanto ser feliz quando não se faz nada, nem que se possa conceber a felicidade na inacção”. E agudamente comenta o Filósofo, com palavras de uma emudecedora sabedoria:

“Uns e outros têm razão até certo ponto e se enganam sobre o resto”.

E explicita as limitações e as ilusões de uns e outros. Aproveita para sublinhar a necessidade da igualdade entre os semelhantes, sendo contra a natureza e assim contra a honestidade a desigualdade que não derive da dissemelhança, assim como a necessidade do mérito provado e de energia muito activa para que alguém mereça ser obedecido. Tudo exposto, tudo ponderado, pronuncia-se a favor da vida activa, mas não da mera acção pela acção. A felicidade estará na acção política, desde que devidamente precedida pela meditação. A

Profª.: Elza L. Ribeiro

5

felicidade é, assim, tanto nos particulares como nas sociedade políticas, fruto de uma acção ponderada, previamente reflectida. De uma acção fruto da virtude, e de uma virtude pensada. A cidadania tem, pois, de ser virtude, e só ela conduzirá à felicidade.

Meus amigos, minha vida!

só ela conduzirá à felicidade . Meus amigos, minha vida! Para manter uma amizade verdadeira é

Para manter uma amizade verdadeira é necessário ter, além de boa vontade, intensidade, intimidade e anseio pessoal.

de boa vontade, intensidade, intimidade e anseio pessoal. A ética investiga os problemas humanos que envolvem

A ética investiga os problemas humanos que envolvem caráter e sentimentos. Amizade é uma disposição do caráter, afinada pela virtude, pelo qual desejamos ser iguais aos outros; é o desejo de exercer o bem. Convivência é característica importante da amizade pela qual sentimos necessidade de partilhar gostos, alegrias e pesares. Unidos pela amizade sincera, somos capazes de exercer o bem ao outro e a nós mesmos, almejando a felicidade mútua. Aristóteles enumera três tipos de amizade no Livro VIII da obra Ética a Nicômaco. O critério dessa classificação estabelece o motivo pelo qual estabelecemos vínculos de amizade:

— Utilidade: amizades conquistadas por causa da utilidade são circunstanciais e passageiras, pois desejamos o outro para satisfazer uma necessidade imediata nossa. Feita a conquista do que desejávamos, a amizade termina.

Prazer: amizades fundamentadas no prazer visam apenas desfrutar daquilo que é agradável no outro,

portanto também passageira e circunstancial.

Virtude: amizades perfeitas são aquelas em que os seres humanos se unem pelo desejo de fazer o bem;

invulneráveis à calúnia, ao tempo, à distância. Para Aristóteles, só os homens bons podem ser verdadeiros amigos. A virtude revela- se como característica fundamental para estabelecer amizade sincera, verdadeira e

duradoura. Outro pensador que filosofou a respeito da amizade foi Heráclito de Éfeso (540a.C - 470 a.C), que desenvolveu suas idéias antes de Aristóteles.

“Ele acreditava que o conflito determina o mundo. A relação e interação entre os opostos (bem e mal, luz e sombra, masculino e feminino etc.) são responsáveis pelo constante fluxo do mundo” conta Portolano. Para Heráclito, os contrastes andam juntos.

“Neste caso, ao contrário do que pensou Aristóteles, a amizade surge do encontro de dois entes antagônicos”.

E como diz o ditado popular: os opostos se atraem. Para Heráclito, os opostos são uma única coisa, logo, a amizade é simplesmente uma união. O escritor e aviador francês Antoine de Saint Exupéry (1900-1944) abordou o tema da amizade no famoso livro O Pequeno Príncipe. Na obra, ele conta a história de um garoto solitário que vive no espaço, e o seu sentimento por uma rosa.

Profª.: Elza L. Ribeiro

6

“O príncipe vive sozinho, mas aprendeu como amar uma rosa. Ele era amigo daquela flor.
“O príncipe vive sozinho, mas aprendeu como amar uma rosa. Ele era amigo daquela flor. A
amizade e o amor se confundem muitas vezes” ressalta Márcia. Num amor profundo, há uma
amizade profunda também.
“Os casamentos fluem melhor quando existe uma amizade por trás do amor”.
Sabemos que existem aqueles que procuram ser amigos do outro por interesse, porque precisam
de algo que determinada pessoa possui. Mas, além desse tipo de aproximação, há pessoas que
passam por um processo de emulação para procurar a figura do outro.
“Ela admira tanto a outra pessoa que chega ao ponto
de querer ser o amigo em sua amplitude. Ela quer ser
o outro, mesmo tendo plena consciência de quem ela
é”, explica Márcia Rodrigues Semenov.
-Esse sentimento não é relacionado à inveja, mas sim
a uma admiração intelectual, ou até mesmo da beleza
da amiga.
DEVEMOS VALORIZAR CADA UMA DE NOSSAS
AMIZADES. ELA É ESSENCIAL PARA UMA VIDA
FELIZ.
Profª.: Elza L. Ribeiro
7

Ética e Política

Se a política tem como finalidade a vida justa e feliz, isto é, a vida propriamente humana digna de seres livres, então é inseparável da ética.

De fato, para os gregos, era inconcebível a ética fora da comunidade política – a pólis como koinonía ou comunidade dos iguais -, pois nela a natureza ou essência humana encontrava sua realização mais alta. Quando estudamos a ética, vimos que Aristóteles

distinguira entre teoria e prática e, nesta, entre fabricação e ação, isto é, diferenciara poiésis de práxis. Vimos também que reservara à práxis um lugar mais alto do que à fabricação, definindo-a como ação voluntária de um agente racional em vista de um fim considerado bom. A práxis por excelência é a política. A esse respeito, na

Se, em nossas

Ética a Nicômaco, escreve Aristóteles:

Congresso Nacional

Congresso Nacional

ações, há algum fim que desejamos por ele mesmo e os outros são desejados só por causa dele, e se não escolhemos indefinidamente alguma coisa em vista de uma outra (pois, nesse caso, iríamos ao infinito e nosso desejo seria fútil e vão), é evidente que tal fim só pode ser

o bem, o Sumo Bem…Se assim é, devemos abarcar, pelo menos em linhas gerais, a natureza do Sumo Bem e dizer de qual saber ele provém. Consideramos que ele depende da ciência suprema e arquitetônica por excelência. Ora, tal ciência é manifestamente a política, pois é ela que determina, entre os saberes, quais são os necessários para as Cidades e que tipos de saberes cada classe de cidadãos deve possuir… A política se serve das outras ciências práticas e legisla sobre o que é preciso fazer e do que é preciso abster-se; assim sendo, o fim buscado por ela deve englobar os fins de todas as outras, donde se conclui que o fim da política é o bem propriamente humano. Mesmo se houver identidade entre o bem do indivíduo e o da Cidade, é manifestamente uma tarefa muito mais importante e mais perfeita conhecer e salvaguardar o bem da Cidade, pois o bem não é seguramente amável mesmo para um indivíduo, mas é mais belo e mais divino aplicado a uma nação ou à Cidade.

Platão identificara a justiça no indivíduo e a justiça na pólis. Aristóteles subordina o bem do indivíduo ao Bem Supremo da polis. Esse vínculo interno entre ética e política significava que as qualidades das leis e do poder dependiam das qualidades morais dos cidadãos e vice-versa, das qualidades da Cidade dependiam as virtudes dos cidadãos. Somente na Cidade boa e justa os homens poderiam ser bons e justos; e somente homens bons e justos são capazes de instituir uma Cidade boa e justa.

ÉTICA E POLÍTICA BRASILEIRA

uma Cidade boa e justa. ÉTICA E POLÍTICA BRASILEIRA A ética pode ser entendida como a
uma Cidade boa e justa. ÉTICA E POLÍTICA BRASILEIRA A ética pode ser entendida como a

A ética pode ser entendida como a ciência que estuda as relações morais dos homens entre si. Originada do grego ethos que significa costume, a ética surge para estudar e investigar os

8

Profª.: Elza L. Ribeiro

princípios, as normas de comportamento, ou seja, as práticas morais e tradicionais consideradas valores que regem as condutas humanas de determinada sociedade. (VAZQUÉZ, 2000). Os princípios éticos de uma sociedade podem e devem evoluir seguindo os valores morais que sofrem mutação conforme as mudanças econômicas, tecnológicas e sociais. Para Adolfo Vazquéz (2000) os princípios éticos evoluem devido a "necessidade de relacioná-los com as condições sociais as quais se referem, com as aspirações e interesses que os inspiram e com o tipo concreto de relações humanas que pretendem regulamentar". Durante a Idade Média a visão teocêntrica do mundo fez com que os valores morais da

religiosos, mais

precisamente os católicos, que impuseram a dialética do bem X o mal vinculados a fé, e pelos Dez Mandamentos que são seguidos e respeitados até hoje, como: não matar, não roubar, etc. Posteriormente, a visão iluminista transformou os valores éticos da sociedade, pois estes se tornaram secularizados. O fundamento ético passava a ser o próprio homem, e não mais Deus. Na concepção Kantiana (apud ARANHA, 1993)1, que é iluminista, o agir moralmente se funda exclusivamente na razão. Essa nova visão pressupõe o individualismo, uma vez que o homem é levado a agir seguindo a sua consciência, seus costumes ou a favor do que seria bom para si mesmo. Atualmente Habermas (1980 apud ARANHA, 1993) traz uma nova concepção para a ética. Sua teoria, influenciada por Kant, também pontifica a razão como fundamento básico, porém é uma

sociedade fossem substituídos. Essa começava a ser

regida pelos valores

razão comunicativa, onde o sujeito recorre à comunidade, ao dialogo, a interação social para chegar

à razão. Dessa forma, é necessário o entendimento para se conseguir uma única conclusão entre os

indivíduos do grupo social, conseguida através da utilização de argumentação racional. Por outro lado, a palavra "política" foi utilizada pela primeira vez por Aristóteles. Este disse que "o homem é um animal político, porque nenhum ser humano vive sozinho e todos precisam da companhia de outros". Dessa forma, "política se refere à vida na polis, ou seja, a vida em

comum, as regras de organização dessa vida, aos objetivos da comunidade e as decisões sobre todos esses pontos". (ARISTÓTELES, apud DALLARI, 1999). Weber (1926) traz duas concepções de política. A primeira diz que "por política entenderemos tão somente a direção do agrupamento político hoje denominado 'Estado' ou a influência que se exerce nesse sentido". Nessa concepção, torna-se viável e tolerável o uso da força ou violência pelo Estado para a garantia do seu poder, soberania e ideais. Na Segunda, entende por política "o conjunto de

esforços feitos visando a participar do poder ou a influenciar a divisão do poder, seja entre Estados, seja no interior de um único Estado". Dessa maneira, para Weber "qualquer homem que se entrega

a política aspira ao poder". O Estado consiste apenas em uma relação de dominação do homem pelo homem.

Poderíamos citar além dessas inúmeras outras definições do que é política, mas tomaremos como base a concepção de Dallari (1999, p.10) : "política é a conjugação das ações de indivíduos e grupos humanos, dirigindo-as a um fim comum". Este fim comum deve ter como ideal o bem-estar, a igualdade entre os componentes da sociedade e a paz social. A política resulta da própria vida em sociedade, das ações humanas e da necessidade de organização dessa sociedade, visando sempre ao bem comum, de tal modo que se atinja uma sociedade justa e livre.

Entre a ética e a política parece não existir um ponto em comum, pois agir conforme os padrões políticos significam que as suas atitudes estão distantes dos valores éticos da sociedade. Essa afirmação parece ser contraditória, pois se uma aspira a uma vida justa e feliz, torna-se inseparável da outra. Porém, esta finalidade é mera teoria, pois a política, na prática, não realiza o bem comum, mas o bem dos próprios detentores do poder e seus apadrinhados. A prática dos privilégios acontece no Brasil desde a época colonial. Ficou explicita com a divisão das capitanias hereditárias, pois os donatários que receberam as terras eram os nobres e/ou os amigos do Rei português.

Profª.: Elza L. Ribeiro

9

Atualmente, as palavras mais ouvidas nos jornais televisionados são promessas não cumpridas, corrupção, má utilização ou desvio de dinheiro público, desonestidade, compra de votos e abuso de poder, contradizendo a vontade dos eleitores que escolhem seus representantes a espera de pessoas honestas e preocupadas com os inúmeros problemas sociais enfrentados pelo Brasil. Os cidadãos exigem um mínimo de postura ética dos seus representantes no poder, mas não há resposta a esse clamor, pois os compromissos assumidos durante as campanhas eleitorais são "esquecidos". Depreendemos daí que os políticos não se preocupam com os problemas sociais que aterrorizam

a população, o que seria a sua obrigação. Ao contrario, são guiados pela sede do poder, o único fim

a que se dedicam. Dessa forma, a ética é "esquecida", torna-se mera especulação e inspiração para filósofos e escritores.

especulação e inspiração para filósofos e escritores. 1 VÁZQUEZ, Adolfo Sanchez. Ética. 20. ed. Rio de

1 VÁZQUEZ, Adolfo Sanchez. Ética. 20. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000 1 ARANHA, Maria Lucia. Filosofando. 2. ed. São Paulo: Moderna, 1993

Bonito ou feio? Uma questão de bom gosto

Todas as belezas contêm, como todos os fenômenos possíveis, algo de eterno e algo de transitório, de absoluto e de particular. A beleza absoluta e eterna não existe, ou melhor, ela não é mais que uma abstração que des flora na superfície geral de diversas belezas. O elemento particular de cada beleza provém das paixões e, como ternos nossas paixões particulares, temos nossa beleza.

Charles Baudelaire (1821 1867)

Certamente você já ouviu frases como: beleza não se põe à mesa; quem ama o feio, bonito lhe parece: ou o trecho do poema de Vinícius de Moraes: as muito feias que me perdoem, mas beleza é fundamental. Cada urna aborda o belo de maneira diferente: nem sempre o que é belo é bom; o amor transforma o feio em bonito; a beleza, com as desculpas do poeta, é mais que fundamental.

Mas afinal: a beleza está no objeto admirado ou no sujeito que o admira?

Quando contemplamos uma obra, uma música ou um objeto qualquer, somos afetados por eles, ou seja, o ato de perceber provoca sensações. A beleza, especificamente, causa sensações de plenitude e prazer. O objeto belo fala por si.

Várias vertentes filosóficas definem o que é o belo.

Para Platão, existe um modelo ideal para a beleza em si. Nesse sentido, o belo é inerente ao objeto, independente do sujeito que o observa. Aristóteles definiu o belo como algo apreendido na sua totalidade, cuja constituição é harmoniosa, simétrica e ordenada. Para Hegel (1770—1831), o belo é a manifestação sensível do absoluto, e a verdade, a manifestação objetiva e universal; portanto beleza e verdade são equivalentes. Para Kant (1724—1804), não existe um modelo-padrão do que é belo. Com suas palavras belo é aquilo que, sem conceito, apraz universalmente. Nesse contexto, o belo depende do sentimento do sujeito e não do conceito do objeto.

Nesse contexto, o belo depende do sentimento do sujeito e não do conceito do objeto. Profª.:

Profª.: Elza L. Ribeiro

10

A questão do feio está ligada à do belo, porém no sentido contrário. Tanto um quanto o outro abrange a questão do julgamento. O feio causa sensação de repulsa, desprezo, vergonha e, tal qual o belo, não se encerra numa única definição. Como vimos, os conceitos de belo e feio não são fechados, não possuem um único significado,

pois o julgamento estético depende do estado de espírito, da situação histórica, da cultura, da visão de mundo, da interpretação e doação de significados.

É

possível estabelecer o que é belo ou feio? Bem, isso é uma questão de gosto!

Não podemos compreender o gosto como algo arbitrário e determinado por preferências. Nesse sentido, o julgamento estético cai em dogmas geradores de preconceitos. Contemplar uma obra de arte ou uma paisagem requer a entrega ao campo da sensibilidade, momento em que acontece um diálogo entre contemplador e contemplado.

COMPREENDER PELOS SENTIDOS

A palavra estética vem do grego aesthesis, que significa sensibilidade. Ela foi utilizada originalmente pelo filósofo alemão Baumgarten (1 714—1 762) para designar o ramo da filosofia que estuda as manifestações artísticas. Baumgarten definiu essa nova disciplina como pensamento que reflete sobre a emoção. Para ele, a estética deve ser abordada do ponto de vista da subjetividade. Como, o subjetivo é muito amplo, envolve a imaginação, a sensação, o sentimento, o entusiasmo, o gosto, o sublime, as paixões, a memória e muito mais. Como seria possível, então, abstrair o conceito de estética, se ela investiga justamente o que é rebelde a qualquer racionalização?

Baumgarten afirmou que o pensamento belo deve brotar da contemplação das belas artes, momento em que a harmonia que existe no mundo cultural e natural se manifesta aos sentidos. Por isso, a sensibilidade é o canal aberto que possibilita a compreensão do belo.

Obra de arte, artista e admirador

Nem a verdade, nem o bem, nem o belo, nem a forma determinam o que é a arte. Em latim, ars, artis designa o ato de fazer, ou seja, instante em que se cria a obra, seja ela artística seja utilitária.

O que determina o ato de fazer? A personalidade do artista e o contexto histórico-cuural em que

ele vive, portanto não há uma definição fechada para a manifestação artística. Criar não significa pregar valores!

O olhar do admirador faz parte da obra na sua interpretação, como afirmou Pablo Picasso:

depois de terminado, o quadro continua a mudar, conforme o estado daquele que o contempla.

O artista pode determinar funções para sua obra:

Políticas: a obra toma uma posição crítioa respeito de um fato ou problema social, denuncianfo urna injustiça, propondo união ideologia política ou simplesmente, retratando a realidade de uma sociedade:

Reigiosas: servem às necessidades míiiças das pessoas, para afirmar determinada proposta reIiosa; fazem parte do próprio culto em alguns casos, tal como, as imagens sagradas da religião católica. Pedagógicas: têm uma função social de colaborar na educação das pessoas, levando-as a compreender o mundo por meio dos objetos artísticos.

Naturalistas: á obra tem a finalidade exclusivá de retratar a realidade; por.exemplo, 3 x 4 no RG. Formalistas: preocupam-se exclusívamente om a técnica usada naquele tipo de arte.

a fotográfia

Profª.: Elza L. Ribeiro

11

Atividade

1 – Relacione o poema de Ferreira Gultar com a obra de Marc Chagali, que vêm a seguir.

Gultar com a obra de Marc Chagali, que vêm a seguir. Ao balcão de Marc Chagali
Ao balcão de Marc Chagali — O poeta 1911

Ao balcão de Marc Chagali — O poeta 1911

A arte em nosso cotidiano

de Marc Chagali — O poeta 1911 A arte em nosso cotidiano Nos dias de hoje,

Nos dias de hoje, a palavra estética é usada em vários sentidos; todos eles, porém, partem do conceito primitivo usado pelos gregos antigos, ou seja, designar aquilo que tenha a ver com os sentimentos, com os sentidos, com a percepção. Assim, a estética também está ligada à atividade artística, já que se preocupa com as obras que o ser humano faz com a finalidade de serem belas, e com os sentimentos que elas provocam em nós. Em termos gerais, podemos dizer que a estética é a área da filosofia que estuda a arte e as suas relações com o ser humano.

A arte é o fundamento do mundo, pois todas as coisas existentes possuem forma, cor, textura, peso, cheiro, e esses objetos são apreendidos pelos nossos sentidos e pela nossa razão. Ao construir algo — qualquer coisa —, o criador está dando livre vazão ao seu imaginário, tornando reais seus desejos, suas fantasias e seus sonhos. O homem é um ser sociável, vive numa sociedade e convive com seus semelhantes. As coisas que criamos têm por objetivo despertar no outro sensações de prazer ou dor; admiração ou repulsa; aprovação ou desaprovação. Criamos coisas belas ou feias — não importa, pois beleza e feiúra são conceitos subjetivos —, para despertar sentimentos nos outros. Criamos coisas para tocar no mais íntimo dos sonhos e desejos. E é esse justamente o objetivo de toda obra de arte: despertar sentimentos, sensações, tornar presentes sonhos e desejos que tanto escondemos e reprimimos. O olhar é o sentido artístico por excelência, pois é por ele que conhecemos as coisas, que lemos o mundo.

Profª.: Elza L. Ribeiro

12

A arte é o centro da vida, e é a partir dela que deciframos o mundo. É somente com os olhos da arte que o homem consegue apreender a sua essência, pois esta se manifesta sob a forma artística.

Arte e técnica

GalIo, Ética e cidadania.

Vimos nesta apostila, que a maioria das pessoas aproxima espontaneamente arte e artesanato. Essa aproximação, como dissemos, decorre do fato de que o artista e o artesão produzem sozinhos e por inteiro uma obra e que esta exprime seus talentos e habilidades. Mas há ainda outro motivo para essa aproximação: o fato de que, historicamente, arte e artesanato eram a mesma coisa, e, portanto, o artesão e o artista eram o mesmo. A palavra arte vem do latim ars e corresponde ao termo grego tékhne, “técnica”, significando “toda atividade humana submetida a regras com vista à fabricação de alguma coisa”. Em latim, artesão, artífice ou artista se diz artifex, “o que faz com arte”, e também opticis, “o que exerce um ofício”; e o resultado de sua ação se diz opus (no singular) e opera (no plural), isto é, “obra” em português. A arte ou técnica era, portanto, uma atividade regrada com vista á produção de uma obra.

Em sentido amplo, ars ou tékhne significava “habilidade e agilidade para inventar meios para vencer uma dificuldade ou um obstáculo postos pela natureza”. Em sentido estrito, significava “o aprendizado e a prática de um ofício que possui regras, procedimentos e instrumentos próprios”. Ars ou tékhne era um saber prático. Por isso, a arte ou técnica se definia por oposição ao que acontece por acaso, ao que é espontâneo ou não deliberado e ao que é natural. Em seu sentido mais geral, ars (arte) era um conjunto de regras e procedimentos com a função de dirigir uma atividade humana para que esta realizasse fim a que se propôs. Assim, falava-se em arte médica, arte política, arte militar, arte retórica, arte poética, arte dietética, arte da navegação, arte da caça, arte de pintar, esculpir, dançar, etc.

Platão não distinguia a arte das ciências nem da filosofia, uma vez que todas elas são atividades humanas ordenadas e regradas. Aristóteles, porém, estabeleceu duas distinções que perduraram por séculos na cultura ocidental. A primeira distingue ciência de arte ou técnica: a ciência é um saber teórico que se refere ao necessário, enquanto a arte ou técnica é um saber prático que opera no campo do contingente ou do possível.

arte ou técnica é um saber prático que opera no campo do contingente ou do possível.

Profª.: Elza L. Ribeiro

13

FUNÇÕES DA ARTE

Ao longo da História, nem sempre a arte teve a mesma função. A arte serviu para aplacar a ira

dos deuses, para contar uma história, rememorar acontecimentos importantes, despertar um

sentimento religioso, aclamar virtudes morais, despertar sentimentos cívicos. Só no final do século

XIX e início do século XX é que a arte foi desvinculada desses interesses não-artísticos e

considerada um objeto propiciador de experiência estética com valores intrínsecos. Assim,

repassando pelas mais diversas situações e épocas, podemos distinguir três funções principais para

a arte:

A) Função pragmática ou utilitária – quando ela é um meio para alcançar outra finalidade.

Exemplos: a) nas igrejas medievais, as paredes pintadas ensinavam à população (que era analfabeta) as histórias de Cristo e dos santos; b) no início do séc. XX, os socialistas viam na arte

um meio para despertar sentimento cívico e manter a lealdade da população. Ou seja: a obra seria “boa” se correspondesse à sua finalidade.

B) Função naturalista – quando a obra apenas retrata, imita, copia, enviando-nos para o mundo

dos objetos. É o caso dos retratos de figuras políticas ou das imagens fiéis da natureza. Essa função surge na Antigüidade com os gregos e caminhou até o século XIX, quando surgiu a fotografia.

C) Função formalista – quando a preocupação é com a forma de apresentação da obra, sendo esta

a função que se preocupa unicamente com a forma artística como tal. Assim, qualquer que seja o

tipo de obra analisado: pintura, escultura, literatura, cinema, música, teatro etc., todos comportam

uma estruturação interna de signos selecionados a partir de um código específico. É esta função que

é capaz de sustentar e análise de um espectador cuja sensibilidade seja educada e madura. Existe

na arte contemporânea, mas também existe na arte de todos os séculos anteriores, pois mesmo que

a função da obra tenha sido utilitária ou formalista, o senso estético do artista fazia o melhor que podia.

Mas é bom que saibamos que esta distinção das funções é meramente didática, pois sabemos que freqüentemente há mais de uma função em uma só obra.

freqüentemente há mais de uma função em uma só obra. Profª.: Elza L. Ribeiro O que

Profª.: Elza L. Ribeiro

O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano.

Isaac Newton

14