You are on page 1of 3

publicado D.O.f.

Em 'h.JiiJ2J~._Q..L

Processo Te nO 02259/06

Município de Marcação. Poder Legislativo.


Prestação de Contas Anuais. Exercício de
2005. Recurso de Reconsideração.
Conhecimento e não provimento.

Acórdão APL TC N' )5 c] /2008.

RELATÓRIO

Este Egrégio Tribunal Pleno, em Sessão realizada em 24110/2007, apreciou as contas da


Mesa da Câmara Municipal de Marcação no exercício de 2005, de responsabilidade do Sr. Valdi
Fernandes da Silva, tendo decidido, através do Acórdão APL TC 824/2007:

1. Julgar regulares com ressalva as contas prestadas pela Mesa da Câmara


Municipal de Marcação, referente ao exercício de 2005;
2. Declarar o atendimento integral às exigências da LRF;
3. Determinar à Secretaria do Tribunal Pleno representação ao INSS acerca da
falta de retenção e recolhimento das contribuições previdenciárias incidentes
sobre subsídios dos vereadores de janeiro a setembro para as providências
cabíveis;
4. Recomendar ao gestor adoção de providências no sentido de adoção de estrita
observância dos ditames da Constituição Federal e das normas de caráter
previdenciário;

oProcurador do MPjTCE , André Carlo Torres Pontes interpôs Recurso de


Reconsideração contra a supracitada decisão, em razão de que dentre as irregularidades
apuradas pela Auditoria, foi indicada a falta de retenção e recolhimento ao órgão previdenciário
tocante aos agentes políticos no período de janeiro a setembro, e, conforme o entendimento do
recorrente, este fato é motivador para reprovação das contas , conforme reiterados julgados
deste egrégio Tribunal, como prova acostou aos autos cópia de outra decisão (fls. 2611262).

Como fundamento jurídico, o recorrente retoma a interpretação legal de que a


contribuição previdenciária dos agentes políticos passou a ser exigida ao final de setembro de
2004 (90 dias após a Lei 10.887, publicada em 21106/2004), não havendo mais questionamentos
sobre a sua exigibilidade durante o exercício de 2005.

Contesta o recorrente que não há prova nos autos de que o descumprimento das
obrigações tenha percorrido os meios legalmente previstos, pelo menos: consulta antes do
vencimento; reclamação ou recurso administrativo; ou ação judicial com provimento cautelar ou
meritório específico quanto à Lei 10.88712004.

Vislumbrou também que a fonte de custeio dos beneficios não poderá ser negligenciada
ou omitida pelo gestor sob pena de violação do princípio constitucional, previsto no § 5° do art.
195 da Constituição Federal:

"§ 5° - Nenhum beneficio ou sérvio da seguridade social poderá ser criado, majorado ou
estendido sem a correspondente fonte de custeio total".

l\frc41ClAssessorlPLENOIRecursosIReconsideraçãolCM Marcação-02259-06.doc
Processo TC nO 02259/06
I
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

Foi destacado na peça recursal o entendimento do PN TC 52/04, que orientou no sentido


de julgar irregulares as Prestações de Contas de Mesas de Câmaras de Vereadores que incidam
inclusive em não retenção e/ou não recolhimento das contribuições previdenciárias aos órgãos
competentes, incidentes sobre remunerações pagas pelo Município;

Por fim o recorrente pede que seja:

1) Determinada a notificação do recorrido para oportunizar-lhe contra-arrozoar


o presente recurso e as demais providências regimentais;
2) Conhecido e provido o presente recurso para julgar irregular a prestação de
contas da Mesa da Câmara Municipal de Marcação, exercício de 2005, em
razão da falta de retenção e recolhimento de contribuições previdenciárias
relativas aos agentes do período de janeiro a setembro de 2005.

Determinada a notificação do recorrido, Sr. Valdi Fernandes da Silva, este


apresentou seus argumentos, informando que a questão era controversa e que, com o
entendimento pacífico deste Tribunal em setembro/2005, foi que o gestor de pronto iniciou os
procedimentos de retenção e recolhimento da contribuição, acostando aos autos outra decisão
similar (fls. 270/277).

É o relatório, tendo sido efetuadas as notificações de praxe,

VOTO DO RELATOR

Este Relator concorda com a fundamentação jurídica apresentada pelo recorrente,


todavia, entendo que não cabe provimento o Recurso de Reconsideração interposto visto que, a
falta de retenção e recolhimento das contribuições previdenciárias incidentes sobre subsídios
dos vereadores de janeiro a setembro foi à única irregularidade remanescente na gestão em
análise. Outro aspecto é que não houve a omissão do recolhimento durante todo o exercício, na
realidade o gestor reconheceu a infração à norma legal e providenciou a retenção e recolhimento
da contribuição, quando já não pairava mais dúvidas.

E, considerando que na supracitada decisão foi contemplada uma representação ao


INSS, órgão responsável pela cobrança e aplicação das penalidades cabíveis, voto pelo
conhecimento do Recurso, e no mérito, pelo não provimento, mantendo-se integralmente os
termos da decisão recorrida.
É o voto.
DECISÃO DO TRIBUNAL

VISTOS, RELATADOS E DISCUTIDOS os presentes autos do Processo TC n"


02259/06 referente ao Recurso de Reconsideração interposto nos autos da Prestação de Contas \
\
Anuais da Mesa da Câmara Municipal de Marcação, de responsabilidade do então Presidente,
Sr. Valdi Fernandes da Silva, relativa ao exercício de 2005, e

CONSIDERANDO, o relato e o voto do Relator e o mais que dos autos consta;

IIfrc41ClAssessorlPLENOIReeursoslReeonsideraçãolCM Marcação-02259-06. doe


Processo Te nO 02259/06
I
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

ACORDAM OS MEMBROS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA


PARAÍBA, à unanimidade, em sessão plenária realizada nesta data em conhecer do Recurso de
Reconsideração interposto, porém não lhe concedendo provimento, mantendo-se integralmente
os termos da decisão recorrida.

Publique-se, registre-se e cumpra-se.


TC- PLENÁRIO MINISTRO JO - O i\GIpPINO, ,Jjde abril de 2008.
.... \

l\fre41ClAssessorlPLENOIReeursoslReeonsideraçãolCM Mareação-02259-06. doe