You are on page 1of 6

Processo TC n.

° 02674/06
Prestação de Contas do Instituto de Seguridade
Social do Município de Alhandra - ISSMA, relativa
ao exercício de 2005. Julga-se irregular a prestação
de contas, quando não satisfeitas as disposições
legais reguladoras da matéria. Aplicação de multa.
Assinação de prazo a atual administração municipal
e a administração do Instituto para fins de correção
das impropriedades constatadas. Comunicação ao
Ministério da Previdência Social. Recomendações.

ACÓRDÃO APL TC 3}= 12008

RELATÓRIO

Trata o presente processo da prestação de contas anual do Instituto de Seguridade Social


do Município de Alhandra - ISSMA1, relativa ao exercício financeiro de 2005, tendo como gestora a
Sra. Eciélia José Ribeiro da Silva.

Ao analisar a documentação encartada nos autos deste processo, e após destacar que a
referida prestação de contas foi encaminhada ao Tribunal dentro do prazo regulamentar, o órgão de
instrução ressaltou os principais aspectos institucionais, operacionais e legais do instituto em comento,
registrando que em 3111212005 existiam:
• 38 (trinta e oito) inativos;
• 10 (dez) pensionistas;
• 499 (quatrocentos e noventa e nove) beneficiários (fls. 06).

No relatório inaugural, o órgão de instrução fez algumas observações atinentes ao valor


das despesas uma vez que foi projetado o valor de apenas R$ 20.609,87, enquanto que, no exercício de
2005, foram gastos R$ 284.059,85, resultando em uma diferença a maior de R$ 263.449,98.

Conforme os demonstrativos apresentados, as receitas e as despesas se comportaram da


segum t e f1orma:
Exercícios 2003 2004 2005
Receita Orçamentária R$ 387.124,58 R$ 335.933,65 R$ 294.181,632
Transferências Financeiras - R$ 320.559,28
Patronal de mar a dez/05
Despesa Orçamentária R$ 235.417,70 R$ 264.852,68 R$ 284.059,85
Despesas Administrativas R$ 90.672,96 R$ 97.455,40 R$ 98.414,35
Folha de Pagamento - Valor Base R$ 2.166.048,41 R$ 2.166.048,41 R$ 2.637.633,92
Des. AdmIRem. servidor 4,19% 4,50% 3,73%
Fonte: PCA 2003, 2004 e 2005.

1 Destaca-se que o instituto foi criado através da Lei Municipal n" 141, de 27/05/1993 e alterada pela Lei nO
226/99 de 08 de junho de 1999;
2 Composição da Receita Orçamentária: R$ 192.153,18 - contribuição dos servidores, R$ 22.227,22,
contribuição patronal- meses de janeiro e fevereiro/2005 e R$ 79.800,63 - receita patrimonial (fls. 188).

~""" -, ~
\

C:\Assessor\PLENO\lndireta\ALH -ISSMA - 200502674- 06.doc


Processo Te n. ° 02674/06
I
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

Observa-se, portanto, a desobediência ao inciso IX, § 3° da Portaria do MPAS N° 4.992,


de 05/02/1999, alterada pela Portaria MP AS N° 1.317, de 17/0912003, a qual estabelece que a taxa
administrativa não poderá exceder a dois pontos percentuais da folha de pagamento (a partir de 2004,
este percentual é sobre o valor da folha de pagamento, somado aos proventos e pensões dos segurados
vinculados ao regime próprio de previdência relativamente ao exercício anterior).

Registrou-se no Balanço Financeiro (fls. 190) um incremento de 71,60% no saldo


financeiro para o exercício seguinte, visto que em 2004 o saldo acumulado perfazia R$ 462.876,14 e
em 3111212005 o saldo passou para 794.332,15.

O órgão de instrução constatou algumas irregularidades de natureza contábil,


administrativa e financeira (fls. 186/194), sobre as quais, devidamente notificado, a autoridade
responsável apresentou defesa no prazo regimental (fls. 385) e, após análise da defesa, o órgão de
instrução manteve as seguintes irregularidades:

De responsabilidade do Chefe do Poder Executivo, Sr. Renato Mendes Leite:

1. Não encaminhamento de Projeto de Lei ao Legislativo Municipal, com o


objetivo de adequar os beneficios, os segurados obrigatórios e as alíquotas de
contribuição à legislação previdenciária federal (subitem 1.1 deste relatório).

n. Ausência de repasses regulares das contribuições previdenciárias (subitem 1.4


deste relatório).

iii. Falta de cumprimento das obrigações assumidas junto ao ISSMA através de


Termo de Parcelamento de Débito (subitem 1.5 deste relatório).

De responsabilidade do Presidente da Câmara Municipal à época, Sr. José Lenildo Bezerra da


Silveira:

1. Ausência de repasses regulares das contribuições previdenciárias (subitem 2.2


do relatório).

n. Falta de cumprimento das obrigações assumidas junto ao ISSMA através de


Termo de Parcelamento de Débito (item 5.5 do relatório inicial).

De responsabilidade da gestora do instituto à época, Sra. Eciélia José Ribeiro da Silva:

1. Omissão às imposições da legislação previdenciária federal no tocante à


concessão de beneficios, segurados obrigatórios e alíquotas (subitem 3.1);

ii. Falta de empenho na cobrança das contribuições


Prefeitura e Câmara Municipal ao ISSMA (subitem 3.2);
não repassadas
fi:( ,
pela

\ '''.
AJI' V ;.~
/
/'

/
I1
I

C:\Assessor\PLENO\lndireta\ALH -ISSMA - 200502674- 06.doc


~ #1\
Processo TC n. o 02674/06
lll.
I
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

Empenho de despesas fora do período de competência, descumprindo a Lei n°


4.320/64, art.35, inciso II (subitem 3.4);

IV. Falta de comprovação do saldo da conta de investimentos, descumprindo o


art. 2°, da Resolução TC n" 07/97 (subitem 3.6);

v. Descumprimento das recomendações atuariais (subitem 3.8 deste relatório);

VI. Situação irregular com relação a vários critérios avaliados pelo MPAS
(subitem 3.93);

VIL Realização de despesas administrativas acima do limite de 2% determinado


pela Portaria MPS n" 4.992/99 no seu artigo 17, § 3°, e pela Lei n" 9.717/98,
art. l°, inciso 11I(subitem 3.3).

Instado a se manifestar o Órgão Ministerial, alvitrou ao Relator e ao Tribunal Pleno desta


Corte pelo (a):

a) Irregularidade da prestação de contas;

b) Aplicação da multa pessoal à gestora, em seu valor máximo com base no que
dispõe o art. 56, II e IH da LOTC/PB;

c) Assinação de prazo ao Poder Executivo de Alhandra e à gestão do ISSMA para


que comprovem o cumprimento dos requisitos constitucionais e legais de
funcionamento do referido sistema previdenciário ou a realização de estudos para
aferir a viabilidade de funcionamento do Instituto, e, acaso achado inviável e
conseqüente transposição dos beneficios para o INSS, sob pena de multa;

d) Representação junto ao Conselho Regional de Contabilidade acerca dos atos e


fatos relativos ao fechamento das contas do Instituto de responsabilidade dos
profissionais de contabilidade que os subscrevem, conjuntamente com o atual
Prefeito Municipal, Sr. Renato Mendes Leite;

e) Representação à douta Procuradoria-Geral de Justiça, na pessoa da Procuradora-


Geral, a fim de que adote as providências e cautela administrativas, cíveis e penais
de estilo a fim de apurar todos os indícios de cometimento de crimes e atos de
improbidade administrativa antes discutidos;

t) Comunicação ao Ministério da Previdência Social sobre a situação precária de


funcionamento do Instituto de Seguridade Social do Município de Alhandra -

3 Conforme pesquisa ao "site" do MPAS, às fls. 182, os critérios não atendidos foram: atendimento de
solicitação do MPS no prazo; caráter contributivo (ente e ativos -repasse); caráter contributivo (inativos e
pensionistas -repasse); concessão de beneficios não distintos do RGPS - previsão legal; demonstrativo de
Resultados da Avaliação Atuarial - DRAA; demonstrativo financeiro; demonstrativo previdenciário; equilíbrio

'J::
financeiro e atuarial; observância dos limites de contribuição do ente; observância dos limites de contribuição

do're~~;

C:IAss:'::r\P~ENoun~H - ISSMA- 2005 02674- 06.doc


Processo Te n. ° 02674/06
I
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

ISSMA, mormente sob o ponto de vista da atitude inerte em relação à obediência


aos ditames previdenciários para o fiel cumprimento dos beneficios dos segurados
daquele Instituto, e

g) Recomendação à atual e às futuras administrações do Instituto de Seguridade


Social do Município de Alhandra - ISSMA, para proceder à condução desta
autarquia com estrita obvservância aos princípios norteadores da Administração
Pública, de forma a evitar as eivas constatadas, especialmente, aquelas
concernentes aos registros contábeis.

Ressalta-se que as prestações de contas dos exercrcios de 2002 e 2003, sob a


responsabilidade da mesma gestora, foram julgadas irregulares através do Acórdão APL TC nO
407/2005 e do Acórdão APL TC 563/2007 (fls. 92 e 202/205).

É o relatório, tendo sido expedidas as notificações de praxe.

VOTO DO CONSELHEIRO RELATOR

Dos autos depreende-se que o superávit no exercício de 2005 aumentou, visto que o
Ativo Financeiro de R$ 462.786,14 contra os R$ 794.332,15 verificado no exercício de 2004.
Entretanto, a situação do Instituto continua preocupante, pois as irregularidades verificadas no
exercício de 2005 são similares às constatadas no exercício de 2004, inclusive a relativa à falta de
cumprimento das obrigações assumidas pela Prefeitura junto ao ISSMA, objeto do Termo de
Parcelamento de Débito, visto que a defesa informou que somente em março de 2006 as parcelas
acordadas começaram a ser quitadas através de débito automático em conta do Banco do Brasil.

Outro ponto importante é que, desde a apreciação das contas do exercício de 2002, foi
assinado prazo à gestora para implementação de medidas de adequação do Instituto à legislação
previdenciária vigente (Acórdão APL TC 407/2005, fls. 92), sem que até a presente data tenha sido
totalmente resolvidos os vícios legais e administrativos do Instituto.

Assim, voto no sentido de que este Egrégio Tribunal:

1) Julgue irregular a prestação de contas do Instituto de Seguridade Social do


Município de Alhandra, da responsabilidade da Sra. Eciélia José Ribeiro da Silva, relativa ao exercício
de 2005, em face da desobediência de algumas exigências da legislação previdenciária em vigor;

2) Aplique multa pessoal à gestora, Sra. Eciélia José Ribeiro da Silva, no valor de R$
2.805,10, por descumprimento das normas da legislação previdenciária, com supedâneo no inciso 11,
do art. 56 da Lei Complementar n° 18/93, assinando-lhe o prazo de 60 (sessenta) dias, a contar da
data da publicação do presente Acórdão, para efetuar o recolhimento ao Tesouro Estadual, à conta
do Fundo de Fiscalização Orçamentária e Financeira Municipal, a que alude o art. 269 da Constituição
do Estado, a importância relativa à multa, cabendo ação a ser impetrada pela Procuradoria Geral do
Estado (PGE), em caso do não recolhimento voluntário devendo-se dar a intervenção do Ministério
Público, na hipótese de omissão da PGE, nos termos do § 4° do art. 71 da Constituição Estadual;

\
~~ 'tJ;::
//! ~
c:\As~eSSOr\~LENO\lndi~LH - ISSMA - 2005 02674- 06.doe
ProcessoTe n. ° 02674/06
3) Assine prazo de 180 (cento e oitenta) dias ao Prefeito Municipal, Sr. Renato
Mendes Leite e à gestora do Instituto, Sra. Eciélia José Ribeiro da Silva, para que comprovem o
cumprimento dos requisitos constitucionais e legais de funcionamento do referido sistema
previdenciário ou a realização de estudos para aferir a viabilidade de funcionamento do Instituto, e,
acaso achado inviável, promover a transposição dos benefícios para o INSS, sob pena de aplicação
multa;

4) Comunique ao Ministério da Previdência Social da situação precana de


funcionamento do Instituto de Seguridade Social de Alhandra, como sugerido pelo órgão Ministerial;

5) Recomende à gestora do Instituto de Seguridade Social do Município de Alhandra


- ISSMA, para proceder à condução desta autarquia com estrita observância aos princípios
norteadores da Administração Pública, de forma a evitar as eivas constatadas, especialmente, aquelas
concernentes aos registros contábeis.

É como voto.

DECISÃO DO TRIBUNAL

VISTOS, RELATADOS E DISCUTIDOS os presentes autos do Processo TC n"


02674/06 referente à Prestação de Contas anuais do Instituto de Seguridade Social do Município de
Alhandra - ISSMA, relativa ao exercício financeiro de 2005, tendo como gestora a Sra. Eciélia José
Ribeiro da Silva, e

CONSIDERANDO os relatórios da Auditoria, o pronunciamento do Órgão Ministerial,


o voto do Relator e o mais que dos autos consta;

ACORDAM OS MEMBROS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA


PARAÍBA, à unanimidade, com declaração de impedimento do Conselheiro Antônio Nominando Diniz
Filho, em sessão plenária realizada nesta data em:

1) Julgar irregular a prestação de contas do Instituto de Seguridade Social do


Município de Alhandra, da responsabilidade da Sra. Eciélia José Ribeiro da Silva, relativa ao exercício
de 2005, em face da desobediência de algumas exigências da legislação previdenciária em vigor;

2) Aplicar multa pessoal à gestora, Sra. Eciélia José Ribeiro da Silva, no valor de R$
2.805,10, por descumprimento das normas da legislação previdenciária, com supedâneo no inciso 11,
do art. 56 da Lei Complementar n" 18/93, assinando-lhe o prazo de 60 (sessenta) dias, a contar da data
da publicação do presente Acórdão, para efetuar o recolhimento ao Tesouro Estadual, à conta do
Fundo de Fiscalização Orçamentária e Financeira Municipal, a que alude o art. 269 da Constituição do
Estado, a importância relativa à multa, cabendo ação a ser impetrada pela Procuradoria Geral do
Estado (PGE), em caso do não recolhimento voluntário devendo-se dar a intervenção do Ministério
Público, na hipótese de omissão da PGE, nos termos do § 4° do art. 71 da Constituição Estadual;

3) Assinar prazo de 180 (cento e oitenta) dias ao Prefeito Municipal, Sr. Renato
Mendes Leite e à gestora do Instituto, Sra. Eciélia José Ribeiro da Silva, para que comprovem o
cumprimento dos requisitos constitucionais e legais de funcionamento do referido sistema

~, ~

// I .

C:\Assessor\PLENO\lndireta\ALH -ISSMA - 200502674- 06.doe


Processo TC n. 002674/06
previdenciário ou a realização de estudos para aferir a viabilidade de funcionamento do Instituto, e,
acaso achado inviável, promover a transposição dos beneficios para o INSS, sob pena de aplicação
multa;
4) Comunicar ao Ministério da Previdência Social da situação precária de
funcionamento do Instituto de Seguridade Social do Município de Alhandra, como sugerido pelo
órgão Ministerial;

5) Recomendar à gestora do Instituto de Seguridade Social do Município de Alhandra


- ISSMA, para proceder à condução desta autarquia com estrita observância aos princípios
norteadores da Administração Pública, de forma a evitar as eivas constatadas, especialmente, aquelas
concernentes aos registros contábeis.

Publique-se, registre-se e cumpra-se.


TC- PLENÁRIO MINISTRO JO~-Q-1(Gij:WJ~(O,(;(de fevereiro de 2008.

o Rodri~s .c..atão
i .
ator -: i1 -, -

d\
-'~~-:-----/
i \.
-: eyl Barreto Braga de Aueiroz
/ Pr uradora GeraJ\~ ex&cicio

C:\Assessor\PLENO\lndireta\ALH ·/SSMA - 2005 02674- 06.doe

I
'li