You are on page 1of 2
Pastorear o rebanho de Deus e promover o amor pela família Kléber B. Lima / IBFH
Pastorear o rebanho de Deus e promover o amor pela família Kléber B. Lima / IBFH

Pastorear o rebanho de Deus e promover o amor pela família

Kléber B. Lima / IBFH – 2002/2013 Deus – Prazer em conhecê-lo!

Marcas autênticas de quem conhece a Deus.

1. Conhece a Deus, quem já encontrou pessoalmente com Cristo. (1.1-4) 2. Conhece a Deus, quem
1. Conhece a Deus, quem já encontrou pessoalmente com Cristo. (1.1-4)
2. Conhece a Deus, quem anda na luz. (1.5-2.2)
3. Conhece a Deus, quem ama obedecê-lo. (2.3-6)
4. Conhece a Deus, quem o obedece e ama! (2.7-11)
5. Conhece a Deus, quem se desenvolve na família da fé (2.12-14)

Escolha o seu amor

1 João 2.15-17

“Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.

(1 João 2.15)

O amor ao mundo e a Deus são incompatíveis.

T d:

  • 1. Os filhos de Deus distinguem-se pelo amor. (v.15)

(

)

Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.” (v.16)

 

O projeto da redenção é um projeto de amor. Nenhuma outra razão o explica: Efésios 2.4 D. Margarida: o cuidado com uma criança desenganada.

Se a semente é a de amor o fruto também deve ser.

João 15.12:

“Permaneçam no meu amor.”

Importante: não é qualquer amor. “É o amor do Pai.”

(v.15b)

O amor do Pai é “outrocêntrico”; é o amor que dá de si. (1 Coríntios 13) O amor é a marca do cristão autêntico: João 13.35

  • 2. Os apelos do mundo não devem ser ignorados. (v.16)

(

)

Pois tudo o que há mundo – a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos

... bens – não provém do Pai, mas do mundo.” (v.16)

O ser humano foi feito para amar. O pecado, no entanto, alterou o foco do amor humano para “egocêntrico”. E é exatamente aí, que o amor ao mundo faz sentido. O mundo tem apelos atraentes (mortais, mas interessantes aos olhos humanos):

  • 1. O desejo (cobiça) da carne. Impulso passional e avassalador pela autogratificação. A palavra de ordem é “busque o seu próprio prazer!” Este apelo torna o ser humano escravo do prazer. O mundo subverte até mesmo as necessidades básicas (físicas, segurança, aceitação, estima, realização) em desejos desenfreados. Deus é a fonte de deleite do cristão: Salmo 37.4.

  • 2. O desejo (cobiça) dos olhos.

Pastorear o rebanho de Deus e promover o amor pela família  Busca desenfreada pela aparência;
Pastorear o rebanho de Deus e promover o amor pela família  Busca desenfreada pela aparência;

Pastorear o rebanho de Deus e promover o amor pela família

Busca desenfreada pela aparência; atraente aos olhos Escravos da aparência: ver e ser visto.

Eva:

“viu que era agradável aos olhos.”

(Gênesis 3.6)

Davi: “viu Bate-seba” (2 Samuel 11.2) Jesus resistiu: “mostrou-lhe num relance todos os reinos do mundo.” (Lucas

4.5)

O pecado:

deixar-se guiar pelo que é aparente em detrimento da Palavra.

3. A ostentação dos bens (vaidade). Busca pelo prevalecimento; sobressair-se. Escravos do que se pode adquirir. Os bens dão uma falsa impressão de segurança (Provérbios 18.11) Provérbios 18.12: A vaidade precede a queda. Jesus: a vida de uma pessoa não consiste na quantidade dos seus bens. (Lucas

12.15)

3. Os apelos do mundo jamais prevalecerão sobre a vontade eterna de Deus.

(v.17)

Jesus: tenham tesouros que não se acabam. (Mateus 6.21) A vontade de Deus pode ser identificada pelo amor. E amor é o que prevalecerá

no céu: 1 Coríntios 13.13.

CONCLUSÃO:
CONCLUSÃO:

Escolha amar a Deus!