Sie sind auf Seite 1von 12

Curso de Direito Administrativo – Técnico do Seguro Social - INSS 2011(2012) Escrito por JULIENNE GUERRA

Com “Comentários Medulianos” por PEDRO MEDULA

Curso de Direito Administrativo – Técnico do Seguro Social INSS 2011(2012)

Escrito por JULIENNE GUERRA Com “Comentários Medulianos” por PEDRO MEDULA

Curso de Direito Administrativo – Técnico do Seguro Social - INSS 2011(2012)

Escrito por JULIENNE GUERRA

Com “Comentários Medulianos” por PEDRO MEDULA

APRESENTAÇÃO PESSOAL

JULIENNE GUERRA

Bom gente, o Pedro (Medula, mas pra mim é Pedro!) já falou um pouco sobre mim lá no fórum e acho que não tem muito mais a acrescentar. Se hoje sou Analista da SUSEP, que é o cargo que sempre quis, foi porque me dediquei aos estudos, ponto. Simples assim. E o que eu acho mais lindo nesse meio é que aqui prevalece o mérito! Quem faz por onde consegue ser aprovado. Vagabundo aqui não se cria.

Quero dizer também que não sou professora, nunca dei aula antes. O que aprendi sobre Direito Administrativo é conseqüência dos anos que passei estudando pra concurso. Não tenho a menor pretensão de querer transformar ninguém em um mestre no assunto, mas sim assimilar o suficiente pra conseguir responder às questões da FCC.

Então, é super óbvio que saber a matéria é uma coisa e saber transmitir para outras pessoas é algo beeeeem diferente, mas juro pra vocês que estou fazendo e dando o melhor de mim.

Com o auxílio do Pedro, vou tentar redigir de forma super clara, porque minha formação é jurídica e tenho um hábito de escrever as coisas sempre de maneira muito formal, o que por vezes, dificulta o entendimento.

Então faço minhas as palavras do Pedro ditas lá no fórum e vamos lá!

PEDRO MEDULA

COMO EH QUE EEEEHHHHH RAÇA!!!!

Meu nome é Pedro H. R. Barboza, vulgo Medula, hoje sou Servidor Federal (Técnico do Seguro Social), Skatista Profissional, Conselheiro Nacional da Confederação Brasileira de Skate, Administrador, Síndico e poeta nas horas vagas! (essa última afirmação vai ter gente se perguntando se é verdade! Heauhaeuehueha)

No fórum eu tenho tentado ajudar a galera, mas acredito que não se pode ajudar quem não quer ser ajudado. Então, galera, vocês terão de fazer a parte de vocês e arregaçar de estudar! Se não pretendem se dedicar de verdade, sugiro que parem por aqui! Concurso é mérito! Como diria a nobre Julienne Guerra: “Vagabundo aqui não se cria!”

Fiz vários corres e agora acompanho a Ju na escrita destas aulas. Na real ela é quem vai escrevê-las, eu só dou uma revisada e comento alguma coisa no “estilo Medula”, mas o mérito do conteúdo é todo dela!!!

Curso de Direito Administrativo – Técnico do Seguro Social - INSS 2011(2012)

Escrito por JULIENNE GUERRA

Com “Comentários Medulianos” por PEDRO MEDULA

Aqui, em respeito à sua necessidade de aprender e gravar as coisas rápido. Serei o mais objetivo possível e utilizar-me-ei da “Linguagem Meduliana”, com a qual tantos se divertem! Heuhaeuhauhae TAMO JUNTO!!!!!

APRESENTAÇÃO DO CURSO

Então galera, como expliquei no FC, esse curso tem o intuito de atender alunos avançados na matéria, no sentido de proporcionar a possibilidade de revisão por um material específico para este concurso, e os alunos que nunca viram a matéria e não podem perder tempo na busca do conhecimento.

Neste Sentido, a Ju vai avaliar os 9(nove) itens do edital e vai escrever uma aula para cada um deles, abordando os temas que nós julgaremos que podem ser cobrados neste concurso do INSS. Ao final de cada aula terão alguns exercícios comentados para fixar o conhecimento.

Não sabemos exatamente o que vai ser cobrado (assim como ninguém sabe. Ao menos não de forma honesta). Essa matéria é muito extensa e poderia ser objeto de explicação suficiente para lançar um livro. Mas vocês não podem perder muito tempo

com essa matéria, portanto vamos pinçar os itens que consideramos passíveis de cobrança

e EH NOIX!!! Se você tem tempo de sobra, ótimo! Dá uma lida nessas aulas e aprofunda

com outros materiais. Se você não tem, sugerimos que fique por aqui. Que fique muito claro que os assuntos serão abordados de acordo com o que nós deduzimos que possa ser cobrado. Se cair algo diferente, provavelmente para você acertar teria gasto mais tempo do que deveria com essa matéria, então fique susse! Tenha a certeza que nos esforçaremos para trazer a melhor relação custo benefício para vocês. Portanto, obrigado

por confiar em nós e boa leitura!

AUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU!!!!!

CRONOGRAMA

Assim como tudo na vida, precisamos ter uma programação.

Espero que vocês se programem com suas outras matérias, dia de início e dia de término do material X, um número Y de questões que pretendem resolver até tal data e assim por diante. Se querem mesmo passar, é importante que tracem um planejamento e o cumpram.

Então fica assim:

O número da Aula e equivalente ao seu número de tópico no Edital.

EX: Aula 1 – Tópico 1: Estado, governo e administração pública: conceitos

Aula 2 – Tópico 2: Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios.

E assim por diante

Curso de Direito Administrativo – Técnico do Seguro Social - INSS 2011(2012)

Escrito por JULIENNE GUERRA

Com “Comentários Medulianos” por PEDRO MEDULA

Serão 9 (nove) aulas, distribuídas da seguinte forma:

- Aula 1 - 25.12.2011

- Aula 2 - 30.12.2011

- Aula 3 - 04.01.2012

- Aula 4 - 09.01.2012

- Aula 5 - 14.01.2012

- Aula 6 - 19.01.2012

- Aula 7 - 24.01.2012

- Aula 8 - 29.01.2012

- Aula 9 - 03.02.2012

Se programem com este calendário. Se ele mudar em alguma coisa, será apenas para adiantarmos aulas. E vamo q vamo!!!

Dadas as orientações iniciais, largo o teclado e a Ju assume.

Vejo vocês nos “Comentários Medulianos”.

Ótima aula galeraaaaaaa!!!

NOIX QUE TAH!!!!

Curso de Direito Administrativo – Técnico do Seguro Social - INSS 2011(2012) Escrito por JULIENNE GUERRA

Com “Comentários Medulianos” por PEDRO MEDULA

AULA 1

Tópico 1 do Edital: Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios.

ÍNDICE

1. Diferenças entre Estado e Governo

2. Administração Pública

3.

Organização

4.

Poderes

5.

Princípios

6. Exercícios Comentados

Curso de Direito Administrativo – Técnico do Seguro Social - INSS 2011(2012)

Escrito por JULIENNE GUERRA

Com “Comentários Medulianos” por PEDRO MEDULA

1. Diferenças entre Estado e Governo:

O ESTADO é formado por um povo, um território e um governo. Por sua vez, o GOVERNO é

formado por todas as instituições dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, nas esferas Federal, Estadual e Municipal.

Pra memorizar:

ESTADO = POVO + TERRITÓRIO + GOVERNO.

Aqui cabe fazer uma observação pra diferenciar políticas de governo e políticas de Estado. Aí você pensa: não é tudo a mesma coisa? Não é!

As

governantes eleitos. Já as políticas de Estado são aquelas que governos.

políticas

de

governo são as que

têm exatamente

a duração do mandato

dos seus

permanecem por vários

O ESTADO é uma instituição política, social e juridicamente organizada, que ocupa território

definido, onde a lei suprema é a Constituição Federal, que é dirigida por um governo que possui soberania reconhecida, tanto internamente, quanto externamente.

Dá pra dizer que nessa parte inicial há uma certa junção de conceitos tanto de Direito Administrativo quanto de Direito Constitucional, pois essa questão é tratada em ambas as matérias. Ou seja, ta tudo junto e misturado! Mas isso é bom, pois você acaba estudando as duas.

Formas de Governo e Formas de Estado:

Existem diferentes formas de Governo e formas de Estado, mas acho o tema não será tão aprofundado na prova, então vamos apenas ver como é que acontece no Brasil.

O art. 1º da Constituição Federal diz o seguinte: “A República Federativa do Brasil, (

parte é definida a forma de Estado e a forma de Governo.

)”.

Nesta

A forma de Governo é a República, que tem as seguintes características: legitimidade popular dos chefes dos executivos (presidente, governador, prefeito) e das casas legislativas (vereador), temporariedade dos mandatos eletivos e prestação de contas dos gestores públicos. DE FORMA SIMPLES: os representantes são eleitos pelo povo, pra ficar no poder por um período de tempo determinado e tem a obrigação legal de dar satisfação de tudo que é feito com o dinheiro público e também dos atos que praticam na gestão da coisa pública.

A forma de Estado é a Federação, pois no Brasil temos diferentes pólos de poder que atuam de forma autônoma, quais sejam: a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios. Pólos de

Curso de Direito Administrativo – Técnico do Seguro Social - INSS 2011(2012)

Escrito por JULIENNE GUERRA

Com “Comentários Medulianos” por PEDRO MEDULA

poder? O que é isso? Isso significa que cada um desses entes (União, Estados, DF, Municípios) tem autonomia pra se organizar, pra legislar, pra administrar suas próprias estruturas.

COMENTÁRIO MEDULIANO: Raça, essa primeira parte é muito conceitual, então apenas entendam bem e decorem alguns conceitos, do tipo “ESTADO = POVO + TERRITÓRIO + GOVERNO”. Essa parte é o básico do básico, não acho que vão aprofundar muito mais do que o que ta ai, mas, no mínimo o que ta ai tem que saber, susse? Que siga o bonde!!!!

2. Administração Pública:

Da mesma forma, faremos aqui uma breve introdução do assunto, pois eles serão tratados com mais detalhes em aulas específicas, como por exemplo, poderes (tópico 5), organização (tópico 3) e princípios (tópico 2).

Como entender inicialmente o que é administração pública na ótica do Direito Administrativo? Primeiro, a administração pública pode ser interpretada de duas maneiras: uma mais abrangente e outra restrita.

O chamado SENTIDO AMPLO inclui todos os órgãos do governo que exercem algum tipo de função política (Função política é o estabelecimento das diretrizes e programas de ação de um determinado governo, da forma de atuação, ou seja, da fixação de políticas públicas, como temos hoje, por exemplo, o PAC, o Fome Zero, dentre outros).

Ainda dentro do sentido amplo temos os órgãos e pessoas jurídicas que desempenham função meramente administrativa, que é na verdade a execução das políticas públicas. Então o sentido amplo é tudão!

Já o SENTIDO ESTRITO está relacionado apenas com essa segunda parte, que é a que realmente nos interessa, dos órgãos e pessoas jurídicas que executam os programas de governo, atuando de forma meramente administrativa.

Comentário Meduliano:

Administração Pública em SENTIDO AMPLO: qualquer tipo de função política.

Administração Pública em SENTIDO ESTRITO: quando a função é apenas a de administrar (meio óbvio, não?)

Curso de Direito Administrativo – Técnico do Seguro Social - INSS 2011(2012)

Escrito por JULIENNE GUERRA

Com “Comentários Medulianos” por PEDRO MEDULA

3. Organização:

E pra começar a atuar, faz o que, como é que funciona?

Para que o Estado possa exercer suas atribuições é necessário que se organize através de duas formas possíveis: centralização e descentralização.

A CENTRALIZAÇÃO acontece quando o Estado atua diretamente prestando serviços através de

órgãos, sem personalidade jurídica e que integram a União, o Distrito Federal, os estados ou os

municípios. Neste caso, estamos falando da administração direta.

Exemplos de centralização: a Presidência da República, os Ministérios.

(Comentário Meduliano: Falou em CENTRALIZAÇÃO, é só lembrar que a bagaça é decidida “lá nas cabeça”, que não passa pra ninguém as atribuições, não descentraliza.)

Já na DESCENTRALIZAÇÃO o Estado vai desempenhar parte de suas atribuições através de

outras pessoas. Sendo assim, na descentralização teremos duas pessoas distintas: O Estado, aqui representado por uma das pessoas políticas (União, Distrito Federal, estados e municípios)

e a segunda pessoa que receberá do próprio Estado a atribuição de desempenhar determinada atividade.

Exemplos de descentralização: Autarquias, como é o caso do INSS (Comentário Meduliano: pra lembrar que o INSS é descentralizado é muito fácil, só lembrar que o Medula é meio “descentralizado”, pronto, não esquece mais! Heauheauheaea) , Empresas Públicas, como a Caixa Econômica Federal.

Para os casos de descentralização precisamos abordar outro aspecto relevante:

Como é que vai acontecer efetivamente a descentralização?

A DESCENTRALIZAÇÃO pode ocorrer de DUAS FORMAS: por outorga ou por delegação.

vai

TRANSFERIR A PRESTAÇÃO de um determinado SERVIÇO PÚBLICO. Aqui teremos que ter obrigatoriamente uma lei que vai criar ou autorizar a criação da entidade específica, em regra,

Na

OUTORGA

o

Estado

vai

CRIAR

uma

PESSOA

JURÍDICA

ESPECÍFICA

para

a

qual

por prazo determinado. Daí temos a denominada Administração Indireta.

contrato

administrativo ou ato unilateral somente a EXECUÇÃO de um determinado SERVIÇO. Aqui não há criação de entidade, há apenas a prestação do serviço por parte de uma delegatária que já

existe. Neste caso o prazo é determinado. É o que ocorre nas concessões, permissões e autorizações de serviços públicos. Trataremos com maior detalhamento destes conceitos no tópico 7.

Na

DELEGAÇÃO

o

que

ocorre

é

que

o

ESTADO

TRANSFERE

através

de

um

Curso de Direito Administrativo – Técnico do Seguro Social - INSS 2011(2012)

Escrito por JULIENNE GUERRA

Com “Comentários Medulianos” por PEDRO MEDULA

IMPORTANTE:

Aqui NA DESCENTRALIZAÇÃO cabe fazer um parêntese para esclarecer que não existe hierarquia entre administração direta e indireta. Ninguém “manda” em ninguém. O que ocorre é apenas uma vinculação. Não existe subordinação, mas somente uma vinculação, da qual decorre que uma entidade da administração indireta sofre controle ou supervisão por parte da administração direta que o criou.

Vamos usar o INSS (Comentário Meduliano: AAAAUUUU!!!!) pra ilustrar. O INSS é uma AUTARQUIA CRIADA POR LEI e que está VINCULADA AO MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL. O Ministério não é superior hierárquico do INSS, há entre eles um elo de vinculação. O Ministério fiscaliza o INSS pra ver se ele está cumprindo suas obrigações legais.

Ah!!! Precisamos ainda falar sobre o conceito de desconcentração. DESCONCENTRAÇÃO? “Diabéisso”?? (como diria um amigo meu cearense que eu adoro lá da SUSEP)

A DESCONCENTRAÇÃO nada mais é do que uma técnica que pode ocorrer tanto no âmbito da administração direta quanto da indireta. Técnica pra que? Pra poder realizar apenas a REPARTIÇÃO INTERNA DE COMPETÊNCIAS, dentro de suas respectivas estruturas, com o propósito de aperfeiçoar a prestação dos seus serviços. Como exemplo de desconcentração podemos citar a criação de departamentos e/ou funções dentro de uma entidade ou órgão. Neste caso, haverá subordinação, pois vai existir hierarquia tendo em vista que a repartição das competências/funções ocorre internamente.

Usando de novo o INSS pra exemplificar, temos desconcentração quando há a criação de Gerências Executivas (GEX) e Agências da Previdência Social (APS). Não são novas entidades, mas sim divisões internas para melhor desenvolver os trabalhos. OK?

Comentário Meduliano: Lembrar de desconcentração é só lembrar de você mesmo, pois, como você é muito foda, nada te desconcentra, só você mesmo. Quando diz: eu me desconcentrei. Então, a desconcentração foi sua, só sua, dentro de você!!! Assim, a DESCONCENTRAÇÃO é sempre REPARTIÇÃO INTERNA DE COMPETÊNICIAS!!!!

4. Poderes:

Os poderes administrativos serão tratados com detalhe no tópico 5, mas a título de ilustração cabem algumas considerações.

Os PODERES ADMINISTRATIVOS decorrem de dois princípios que norteiam o regime jurídico- administrativo. E o que é regime jurídico-administrativo e quais são esses dois princípios?

O REGIME JURÍDICO-ADMINISTRATIVO é aquele destinado aos órgãos e entidades integrantes da administração pública. É um regime de direito público e que se aplica aos agentes administrativos no exercício de suas funções.

Curso de Direito Administrativo – Técnico do Seguro Social - INSS 2011(2012)

Escrito por JULIENNE GUERRA

Com “Comentários Medulianos” por PEDRO MEDULA

Como decorrência desse regime específico temos os princípios da supremacia do interesse público e da indisponibilidade do interesse público.

Esses dois conceitos são super importantes para entendermos o por quê da administração pública ter prerrogativas que não existem para os particulares. Nas relações privadas não existe a necessidade de estabelecer proteção para nenhuma das partes, pois elas estão no mesmo pé de igualdade. Já em se tratando das relações entre a administração pública e um particular, aquela tem toda uma proteção especial porque ela tem de atuar com o fim de beneficiar a coletividade.

O PRINCÍPIO DA SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO é implícito, ou seja, não está enunciado. Esse princípio traduz a idéia de que o Estado tem que atuar visando o interesse público, que está determinado na Constituição Federal e nas leis. E para isso precisa dispor de mecanismos que não existem nas relações privadas, justamente pelo fato de que aqui o interesse público que representa um bem maior se sobreponha ao interesse privado da forma como foi dito mais acima.

Desta forma, se existir conflito entre interesse público e privado, o público prevalecerá. Daí podemos entender que a relação entre administração e particular ocorre de forma vertical, ou seja, unilateral e de cima para baixo. Claro que a atuação deste poder que se dá de forma unilateral ocorrerá sempre com observância da lei e do direito. Exemplo disso é a desapropriação de um terreno para a construção de um viaduto.

Por sua vez, o PRINCÍPIO DA INDISPONIBILIDADE DO INTERESSE PÚBLICO, que também é implícito, traduz as limitações ao exercício de seus poderes especiais. Isto porque a administração não pode atuar como dona das coisas públicas, mas sim mera gestora. Na verdade tal princípio quer dizer que a administração só pode atuar quando houver uma lei que autorize ou determine a sua atuação sempre dentro de limites pré-estabelecidos. É diferente para o particular, que pode fazer tudo o que não for proibido por lei. Exemplificando este princípio temos a necessidade de realização de concurso público para a admissão no quadros de pessoal.

Comentário Meduliano: Esses dois Princípios são muito importantes e de fácil entendimento. O que sempre tentam confundir é o lance de: “administração só pode atuar quando houver uma lei que autorize ou determine a sua atuação sempre dentro de limites pré-estabelecidos.” As bancas sempre tentam dizer que a administração pode fazer só o que a lei não proíba, isso é errado, isso é válido apenas para os particulares, como a Ju comentou. E porque isso? Simplesmente porque a Administração Pública nada mais é o que a gestão dos interesses Públicos. E os interesses públicos tem que ser previstos em lei (que vai autorizar ou determinar alguma ação para os Aministradores Públicos).

Curso de Direito Administrativo – Técnico do Seguro Social - INSS 2011(2012)

Escrito por JULIENNE GUERRA

Com “Comentários Medulianos” por PEDRO MEDULA

5. Princípios:

Princípios são “regras” que norteiam toda a atuação da administração pública. Podem ser explícitos ou implícitos.

A Constituição Federal, no caput do seu artigo 37 enumera cinco princípios basilares que regem toda a atuação administrativa: Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência (L-I-M-P-E – para memorizar!)

Entre os princípios implícitos podemos citar o da razoabilidade e proporcionalidade, mas esta parte será tratada com detalhes no tópico 2.

Comentário Meduliano 1: Taí! Pra quem leu a análise Meduliana, já se ligou. Mas taí a Ju que não me deixa mentir. Peguem o edital de vocês, matéria constitucional, item 2. Ta lá. CF Art. 37 ao 41. Da administração Pública. Acabamos de ver os CINCO MAIS IMPORTANTES PRINCÍPIOS da Administração Pública: LEGALIDADE, IMPESSOALIDADE, MORALIDADE e EFICIÊNCIA!!!! Regra mnemônica mais famosa que o Tom Cruise: L-I-M-P-E!!!

6. Treinando os conhecimentos:

Pra dar uma reforçada nos conceitos, seguem alguns itens acerca do assunto tratado que foram abordados em questões de concursos recentes da FCC.

1 - (FCC/TRE-AL/Analista/2010) O dever de prestar contas abrange a prestação de contas aos munícipes das atividades particulares do administrador público.

2 - (FCC/Casa Civil-SP/Executivo/2010) Administração Pública em seu sentido subjetivo compreende o conjunto de agentes, órgãos e entidades designados para executar atividades administrativas.

3 - (FCC/MPE-RS/Assessor/2008) Serviço desconcentrado é todo aquele que a Administração executa centralizadamente, mas o distribui entre vários órgãos da mesma entidade.

Curso de Direito Administrativo – Técnico do Seguro Social - INSS 2011(2012)

Escrito por JULIENNE GUERRA

Com “Comentários Medulianos” por PEDRO MEDULA

Respostas:

1 – Errado. O dever de prestar contas não está vinculado às atividades particulares do administrador público, mas sim as atividades públicas, aí compreendidos todos os atos de governo e gestão.

2 – Certo. A assertiva é autoexplicativa.

3 – Certo. É exatamente o que ocorre na desconcentração.

Bem, aqui termina a primeira Aula de Direito Administrativo para o INSS. Espero que tenham gostado e que seja realmente útil para a economia de tempo e assimilação da matéria.

Não consegui fazer meu cadastro ainda no Fórum Concurseiros, pois aparece uma mensagem dizendo que os cadastros estão temporariamente indisponíveis. O Pedro vai disponibilizar esta aula pra vocês e assim que eu conseguir fazer meu cadastro entro em contato pelo Fórum também.

Para as próximas aulas serão colocadas mais questões para aplicar o que foi apresentado.

Um grande abraço a todos e até lá!

Comentário Meduliano de finalera:

EEEEEEHHHH RAÇA!!!! Essa foi a primeira jateada de conhecimento, espero que tenha ficado acessível a todos e que tenham curtido. Qualquer comentário é totalmente bem vindo, a parada está sendo feita pra vocês e será muito legal ter um retorno sobre o que acharam.

Estudem, se esforcem e se dediquem o máximo que puderem!!!!

Quer passar na bagaça? Lembre sempre: Vagabundo aqui não se cria!

NO PAIN, NO GAIN!!! (Sem dor, não há vitória!)

ÓTIMOS ESTUDOS PRA GERAL!!!!

EH NOIX!!!!

AUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU!!!!!