Sie sind auf Seite 1von 12

http://www.jefersonbotelho.com.

br/2007/06/17/excludentes-de-ilicitude/

Temas Jurídicos Acadêmicos

HOME SOBRE O AUTOR FOTOS CONTATO E PALESTRAS Procurar nos arquivos...

Home » Palestras Destaques

EXCLUDENTES DE ILICITUDE
17 DE JUNE DE 2007 5,002 VISUALIZAÇÕES 15 COMENTARIOS IMPRIMIR ESTE ARTIGO

Pesquisa

Pesquisar

Publicações Recentes
POLÍCIA CIVIL PARTICIPA DA 1ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL
DE SEGURANÇA PÚBLICA
PALESTRA SOBRE SEGURANÇA PÚBLICA NA PARÓQUIA
SÃO SEBASTIÃO
FACULDADES DOCTUM PROMOVE PALESTRA SOBRE A
NOVA LEI DOS CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL
Direito Processual Penal II – Aspectos Gerais
“Não constitui segredo para ninguém que é justamente da essência do direito a que não é possível CRACKUDO: de VACILAO a MORTO-VIVO
renunciar, o ele achar-se eternamente condenado a só poder ver as árvores e jamais a floresta que elas
constituem.” Contentemo-nos, pois, com as árvores, sem, todavia, cometer o desatino de esquecer ou de
Temas Arquivo Mensal
negar a existência da floresta.
Artigos Jurídicos August 2009
(RADBRUCH)
Biografia July 2009
Hoje aqui estamos, mais uma vez sob a proteção de Deus, a fim de abordar um tema de
Conteúdo 2º ano June 2009
suma importante para o Direito Penal, instrumento regulador da vida em sociedade. Trata-se do estudo Conteúdo 5º ano May 2009
das excludentes de ilicitude, previstas no artigo 23 e ss do CP. Agradecemos a presença de todos, e em Conteúdo do 4º ano April 2009
especial pelo respeito a mim demonstrado ao longo dos nossos encontros em sala de aula, na certeza de Conteúdo 8º Período March 2009

que a construção de conhecimentos é tarefa essencial para o desenvolvimento social. A nossa Curso de Direito Penal February 2009
Faculdades Doctum January 2009
participação aqui é pequena, mas tem conteúdo de prazer e muito carinho a todos vocês.
Geral December 2008
IESI/FENORD November 2008
CRIME é: FATO TÍPICO
Informações Anti-drogas October 2008
ANTIJURÍDICO*
Manchete September 2008
CULPÁVEL
Notícias August 2008
Palestras July 2008
Conforme já estudado, fato típico é o comportamento humano, positivo ou negativo, que provoca um
Planos de Ensino June 2008
resultado e é previsto na lei penal como infração: Projetos e Monografias May 2008
Vídeos e Reportagens April 2008
Possui os seguintes elementos: March 2008
Visite Também
February 2008
■ Conduta humana dolosa ou culposa; Contato e Palestras January 2008
■ Resultado; Fotos November 2007
■ Nexo de causalidade entre conduta e resultado; Sobre o Autor October 2007
■ Enquadramento do fato material a uma norma penal incriminadora. September 2007
Blogroll
August 2007
Analisado o primeiro elemento do crime, na concepção analítica, tem o presente trabalho o intuito de Baixar Legal July 2007
Email June 2007
esclarecer alguns pontos relativos à exclusão da ilicitude, assunto tratado nos artigos 23, 24 e 25 do
Fotos May 2007
código penal brasileiro. Os artigos em destaque versam sobre os excludentes de ilicitude, ou
MundoSemFim April 2007
antijuridicidade, ou seja, aquelas situações em que não há crime, mesmo havendo fato típico. Tonotícias March 2007
Veleiro Virtual February 2007
January 2007
December 2006

Assim, o artigo 23 do Código Penal, preceitua:

Exclusão de ilicitude
Art. 23 – Não há crime quando o agente pratica o fato:
I – em estado de necessidade;
II – em legítima defesa;
III – em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito.

Excesso punível
Parágrafo único – O agente, em qualquer das hipóteses deste artigo, responderá pelo excesso doloso ou
culposo.

O CÓDIGO PENAL MILITAR, Decreto-Lei 1001/69, as causas excludentes de ilicitude estão previstas no
artigo 42 do citado estatuto. Senão vejamos:

Art. 42. Não há crime quando o agente pratica o fato:


I – em estado de necessidade;
II – em legítima defesa;
III – em estrito cumprimento do dever legal;
IV – em exercício regular de direito.
Parágrafo único. Não há igualmente crime quando o comandante de navio, aeronave ou praça de
guerra, na iminência de perigo ou grave calamidade, compele os subalternos, por meios violentos, a
executar serviços e manobras urgentes, para salvar a unidade ou vidas, ou evitar o desânimo, o terror, a
desordem, a rendição, a revolta ou o saque.

Exemplo clássico a doutrina é o homem que mata outra para se defender. Veremos adiante que se trata
de legítima defesa. O fato típico existe (matar alguém), porém não há crime, pois o agente somente agiu
de forma a se defender, conforme versa o artigo 23, II:

"Não há crime quando o agente pratica o ato em legítima defesa".

O eminente doutrinador Enrique Bacigalupo nos ensina, em seu Manual de Derecho Penal que:

A antijuridicidade consiste na falta de autorização da ação típica. Matar alguém é uma ação típica porque
infringe a norma que diz “não deves matar”, esta mesma ação será antijurídica se não for praticada sob o
amparo de uma causa de justificação. Ilicitude, ou antijuridicidade, é aquela relação de antagonismo, de
contrariedade entre a conduta do agente e o ordenamento jurídico.

■ ANTIJURIDICIDADE ou ILICITUDE é a contrariedade do fato à norma, tendente a causar lesão a um


bem jurídico tutelado.
ARTIGO 23: não há crime quando o agente pratica o fato…

EXCLUDENTES DE ILICITUDE, CAUSAS DE JUSTIFICAÇÃO ou DESCRIMINANTES são situações que


fazem com que o fato, embora típico, ou seja, amoldado a um modelo legal de conduta previsto como
crime – o tipo penal - não assuma um caráter de contrariedade ao direito.

ARTIGO 23: EXCLUDENTES GENÉRICAS

■ ESTADO DE NECESSIDADE;
■ LEGÍTIMA DEFESA;
■ EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO;
■ ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL.

IMPORTANTE: que o agente aja com consciência de que está acobertado por uma causa de justificação.
Tem que agir com consciência de que está em legítima defesa, estado de necessidade, etc

NA PARTE ESPECIAL TAMBÉM ESTÃO PREVISTAS EXCLUDENTES ESPECÍFICAS:

■ ARTIGO 128 –

Não se pune o aborto praticado por médico:


Aborto necessário
I – se não há outro meio de salvar a vida da gestante;

- ARTIGO 142 –
Exclusão do crime
Art. 142 – Não constituem injúria ou difamação punível:
I – a ofensa irrogada em juízo, na discussão da causa, pela parte ou por seu procurador;
II – a opinião desfavorável da crítica literária, artística ou científica, salvo quando inequívoca a intenção
de injuriar ou difamar;
III – o conceito desfavorável emitido por funcionário público, em apreciação ou informação que preste
no cumprimento de dever do ofício.

ARTIGO 146, § 3º Constrangimento ilegal


Art. 146 – Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, ou depois de lhe haver reduzido,
por qualquer outro meio, a capacidade de resistência, a não fazer o que a lei permite, ou a fazer o que
ela não manda:
Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.
Aumento de pena

§ 3º – Não se compreendem na disposição deste artigo:


I – a intervenção médica ou cirúrgica, sem o consentimento do paciente ou de seu representante legal,
se justificada por iminente perigo de vida;
II – a coação exercida para impedir suicídio.
LEGÍTIMA DEFESA – ARTIGO 25:

Art. 25 – Entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele
injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem.

CONCEITO: É a repulsa a injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem, usando
moderadamente os meios necessários.

NATUREZA: Trata-se de causa excludente da antijuridicidade. Assim, embora seja típico o fato, não há
crime em face da ausência de ilicitude.

FUNDAMENTO DA LEGÍTIMA DEFESA: O Estado, a partir do momento em que chamou a si a


responsabilidade de distribuir justiça, aplicando a lei ao caso concreto, pretendeu terminar com a justiça
privada, geradora de inúmeros excessos e incidentes incontroláveis. Entretanto, não podendo estar,
através de seus agentes, em todos os lugares ao mesmo tempo, deve facultar à pessoa agredida a
legítima defesa de seus direitos, pois, caso contrário, o direito deveria ceder ao injusto, o que é
inadmissível.
Como leciona Jeschek, a legítima defesa tem dois ângulos distintos, mas que trabalham conjuntamente;

a) no prisma jurídico-individual: é o direito que todo homem possui de defender seus bens juridicamente
tutelados. Deve ser exercida no contexto individual, não sendo cabível invoca-la para a defesa de
interesses coletivos, como a ordem pública e o ordenamento jurídico;
b) no prisma jurídico-social: é justamente o preceito de que o ordenamento jurídico não dever ceder ao
injusto, daí por que a legítima defesa manifesta-se somente quando for essencialmente
necessária,devendo ceder no momento em que desaparecer o interesse de afirmação do direito ou, ainda,
em caso de manifesta desproporção entre os bens em conflito. É desse contexto que se extrai o princípio
de que a legítima defesa merece ser exercida da forma menos lesiva possível ( Tratado de derecho penal
– parte general, p. 459-461).

A legítima defesa requer, para sua configuração, a ocorrência dos seguintes elementos:

■ QUE O SUJEITO CONHEÇA A SITUAÇÃO DE FATO JUSTIFICANTE, ou seja, sabe que está agindo em
legítima defesa (animus defendendi);
■ AGRESSÃO INJUSTA: AGRESSÃO É CONDUTA HUMANA. Não vale por exemplo, contra quem cumpre
mandado de prisão; vale contra inimputáveis; pode ser usada pelo provocador, desde que não
premeditadamente;
■ AGRESSÃO ATUAL OU IMINENTE: Atual é aquela está ocorrendo e iminente é aquela que está
prestes a ocorrer. Não é a simples ameaça;
■ LESÃO OU AMEAÇA DE LESÃO A DIREITO PRÓPRIO OU ALHEIO: Significa que o agente pode repelir
injusta agressão a direito seu (legítima defesa própria) ou de outrem (legítima defesa de terceiros).
Pode ser filho, cônjuge, um segurança com relação ao patrão.
■ USO DO MEIO NECESSÁRIO: eficaz e suficiente. NELSON HUNGRIA entende que é aquele que o
ofendido dispõe no momento em que está sendo agredido ou na iminência de sê-lo.
■ MODERAÇÃO NO EMPREGO DOS MEIOS: Significa que o agente deve agir sem excesso.
Comedimento, visando apenas afastar a agressão, interrompendo a reação quando cessar a reação
injusta.
■ INEVITABILIDADE: não é a covardia, mas no dizer de Damásio: “ o cômodo e prudente afastamento do
local”.

FORMAS DE LEGÍTIMA DEFESA:

1) Quanto à titularidade do interesse protegido:

■ Legítima defesa própria: quando a agressão injusta se voltar contra direito do agente;
■ Legítima defesa de terceiros: quando a agressão injusta ocorrer contra direito de terceiro.

2) Quanto ao aspecto subjetivo do agente:

■ Legítima defesa real: quando a agressão injusta efetivamente estiver presente.


■ Legítima defesa putativa: que ocorre erro – descriminante putativa

3) Quanto à reação do sujeito agredido:

■ Legítima defesa defensiva: quando o agente se limitar a defender-se da injusta agressão, não
constituindo, sua reação, fato típico;
■ Legítima defesa ofensiva: quando o agente, além de defender-se da injusta agressão, também
atacar o bem jurídico de terceiro, constituindo sua agressão fato típico.

■ PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE
■ LEGÍTIMA DEFESA DA HONRA

ESPÉCIES DE LEGÍTIMA DEFESA:

■ PRÓPRIA
■ DE TERCEIRO
■ RECÍPROCA: somente na PUTATIVA
■ SUCESSIVA

EFEITOS CIVIS DA LEGÍTIMA DEFESA:

Preconiza o artigo 188, I, do Novo Código Civil:

“Art. 188. Não constituem atos ilícitos:

■ os praticados em legítima defesa ou no exercício regular de um direito reconhecido.”

ESTADO DE NECESSIDADE – ARTIGO 24

Estado de necessidade
Art. 24 – Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para salvar de perigo atual, que não
provocou por sua vontade, nem podia de outro modo evitar, direito próprio ou alheio, cujo sacrifício, nas
circunstâncias, não era razoável exigir-se.
§ 1º – Não pode alegar estado de necessidade quem tinha o dever legal de enfrentar o perigo.
§ 2º – Embora seja razoável exigir-se o sacrifício do direito ameaçado, a pena poderá ser reduzida de um a
dois terços.

CONCEITO: É uma situação de perigo atual de interesses legítimos e protegidos pelo Direito, em que o
agente, para afastá-la e salvar um bem jurídico próprio ou de terceiro, não tem outro meio senão o de lesar
o interesse de outrem, igualmente legítimo.

NATUREZA: Trata-se de causa excludente da antijuridicidade. Assim, embora seja típico o fato, não há
crime em face da ausência de ilicitude.

■ QUE O SUJEITO CONHEÇA A SITUAÇÃO DO ESTADO DE NECESSIDADE


■ EXISTÊNCIA DE PERIGO ATUAL: PERIGO não é conduta humana. Pode ser fenômeno natural, ou
provocado por um animal, p.ex.
■ PERIGO IMINENTE: grande maioria dos autores entende que na expressa perigo atual também está
incluído o perigo iminente.
■ PERIGO NÃO PROVOCADO DOLOSAMENTE PELO AGENTE
■ INEVITABILIDADE: característica fundamental do estado de necessidade é que o perigo seja
inevitável, bem como seja imprescindível, para escapar a situação perigosa, a lesão a bem jurídico
de outrem.
■ RISCO DE OFENSA A DIREITO PRÓPRIO OU ALHEIO
■ INEXIGIBILIDADE DE SACRIFÍCIO DO DIREITO AMEAÇADO: Significa que a lei não exige do agente
que sacrifique o seu bem jurídico para preservar o bem jurídico de terceiros.
■ PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE
■ PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE
■ PRINCÍPIO DA PONDERAÇÃO DOS INTERESSES EM CONFLITO

Para o estudo da ponderação dos interesses em conflito, mister se faz o estudo do estudo do estado de
necessidade justificante e estado de necessidade exculpante:

Existem duas teorias a respeito do assunto:

1) TEORIA UNITÁRIA: Não imposta se o bem protegido pelo agente é de valor superior ou igual àquela que
está sofrendo a ofensa. É a teoria adotada pelo CP.

2) TEORIA DIFERENCIADORA: Para esta teoria, existe a distinção entre:

■ Estado de necessidade justificante – que afasta a ilicitude;


■ Estado de necessidade exculpante – que elimina a culpabilidade.

Para uma corrente doutrinária, haverá estado de necessidade justificante somente nas hipóteses em que
o bem afetado é de valor inferior àquele que se defende.

Se os bens forem de igual valor, ou se o bem afetado for de valor superior ao bem que se defende,
haveria estado de necessidade exculpante.

Vale ressaltar que o Código Penal Militar adotou a teoria diferenciadora em seus artigos 39 e 43, in verbis:

Estado de necessidade, com excludente de culpabilidade


Art. 39. Não é igualmente culpado quem, para proteger direito próprio ou de pessoa a quem está
ligado por estreitas relações de parentesco ou afeição, contra perigo certo e atual, que não provocou, nem
podia de outro modo evitar, sacrifica direito alheio, ainda quando superior ao direito protegido, desde que
não lhe era razoàvelmente exigível conduta diversa.
Estado de necessidade, como excludente do crime
Art. 43. Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para preservar direito seu ou
alheio, de perigo certo e atual, que não provocou, nem podia de outro modo evitar, desde que o mal
causado, por sua natureza e importância, é consideràvelmente inferior ao mal evitado, e o agente não era
legalmente obrigado a arrostar o perigo.

FORMAS DE ESTADO DE NECESSIDADE:

■ Quanto à titularidade do interesse protegido:

■ Estado de necessidade próprio (quando o agente salva direito próprio);


■ Estado de necessidade de terceiro (quando o agente salva direito de outrem).

■ Quanto ao aspecto subjetivo do agente:

■ Estado de necessidade real: que efetivamente está ocorrendo;


■ Estado de necessidade putativo: em que o agente incide em erro.

■ Quanto ao terceiro que sofre a ofensa:

■ Estado de necessidade agressivo – caso em que a conduta do agente atinge direito de terceiro
inocente. Exemplo: Para prestar socorro a alguém, o agente toma o veículo alheio, sem
autorização do proprietário.

■ Estado de necessidade ofensivo – caso que o agente atinge direito de terceiro que causou ou
contribuiu para a situação de perigo. Exemplo: A, atacado por um cão bravo, vê-se obrigado a matar
o cão.

ESPÉCIES DE ESTADO DE NECESSIDADE:

■ PRÓPRIO
■ DE TERCEIRO
■ RECÍPROCO: vale tanto no REAL quanto no PUTATIVO
■ SUCESSIVO
■ AGRESSIVO: atinge bem de terceiro
■ DEFENSIVO

EXCLUDESNTES DE ILICITUDE PREVISTOS NA LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS – LEI 9.605/98

Art. 37. Não é crime o abate de animal, quando realizado:


I – em estado de necessidade, para saciar a fome do agente ou de sua família;
II – para proteger lavouras, pomares e rebanhos da ação predatória ou destruidora de animais, desde
que legal e expressamente autorizado pela autoridade competente;
III – (VETADO)
IV – por ser nocivo o animal, desde que assim caracterizado pelo órgão competente.

§ 1º: DEVER LEGAL DE ENFRENTAR O PERIGO: bombeiros, policiais, etc

ESTRITO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL

Ensina o Professor Guilherme de Souza Nucci, que trata-se da ação praticada em cumprimento de um
dever imposto por lei, penal ou extrapenal, mesmo que cause lesão a um bem juridicamente protegido de
terceiros. Ocorre o estrito cumprimento do dever legal quando a lei, em determinados casos, impõe ao
agente um comportamento. Nessas hipóteses, amparadas pelo artigo 23, III, do Código Penal, embora
típica a conduta, não é ilícita.

Exemplos de estrito cumprimento de dever legal, largamente difundidos na doutrina:

■ policial que viola domicílio onde está sendo praticado um delito;


■ Emprego de força indispensável no caso de resistência ou tentativa de fuga;
■ Soldado de mata um inimigo no campo de batalha;
■ Oficial de justiça que viola domicílio para cumprir ordem de despejo, dentre outros.

EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO

Segundo ensina o Professor Guilherme de Souza Nucci, é o desempenho de uma atividade ou a prática de
uma conduta autorizada por lei, que torna lícito um fato típico. Essa excludente da antijuridicidade vem
amparada pelo art. 23, II do Código Penal, que emprega a expressão direto em sentido amplo. A conduta ,
nesses casos, embora tíica, não será antijurídica, ilícita.

Exemplos de exercício regular de direito largamente difundidos na doutrina:

Correção de filho pelo pai


Violência esportiva, praticada nos limites da competição
Prisão em flagrante por particular;
Direito de retenção por benfeitorias previsto no Novo Código Civil;
Desforço imediato no esbulho possessório.
Trote acadêmico ou militar;

■ NÃO EXISTE EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO NO CASO DE ESTUPRO PRATICADO PELO


MARIDO CONTRA A ESPOSA.
■ CASTIGOS DOS PROFESORES.

■ OFENDÍCULOS: Proveniente o termo da palavra offendiculum, que quer dizer obstáculo, impedimento,
significa o aparelho ou animal utilizado para a proteção de bens e interesses. São aparelhos
predispostos para a defesa da propriedade (arame fardado, cacos de vidro em muros, etc.). Mirabete.

Discute-se a respeito da melhor localização das denominadas ofendículas:

■ 1) LEGÍTIMA DEFESA PREORDENADA: Nélson Hungria, Magalhães Noronha e Francisco de Assis


Toledo, Frederico Marques, Raniere e outros estudam no capítulo da Legítima defesa.

■ 2) EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO: Bettiol e Aníbal Bruno preferem situá-las no exercício regular de
um direito
CONSENTIMENTO DO OFENDIDO

■ QUANDO O CONSENTIMENTO É ELEMENTO CONSTITUTIVO DO TIPO, exclui a tipicidade:


ESTUPRO, VIOLAÇÃO DE DOMICÍLIO, …

■ COMO CAUSA SUPRALEGAL DE EXCLUSÃO DA ILICITUDE:

REQUISITOS:

■ Bens jurídicos disponíveis;


■ Capacidade para consentir;
■ Anterioridade do consentimento;
■ Atuação nos limites do consentimento.

* EXCESSOS (ARTIGO 23 P. ÚNICO)

* LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA e ESTADO DE NECESSIDADE PUTATIVO

15 Comentarios »

kartielly Rocha disse:

Mais uma vez estou aqui para parabeniza-lo pelo site, e pela aula, que infelismente não
pude comparecer no mas em outra oportunidade acompanhei,que estava explicativa e
como sempre muito proveitosa.BJOS PARABÉNS!!!!

# 21 de June de 2007 às 11:16 am

leonardo da s. alves disse:

ESTOU LHE PARABENIZANDO PELA CLAREZA EXPLICAÇÃO

# 11 de December de 2007 às 10:13 pm

Glaziele Caetano disse:

salvou minha vida rsrs !!! tãO resumido porem tão complexo … valeu 10 no meu trabalho
de Direito Penal …

# 3 de May de 2008 às 12:55 am

Israel Lopes de Oliveira disse:

O estrito cumprimento do dever legal é apenas praticado por funcionário ou agente


público???

# 22 de July de 2008 às 9:10 pm


Agda Figueiredo disse:

Gosto demais da explicação do professor. Sua colaboração é fundamental para


estudantes de Direito.

# 28 de August de 2008 às 3:35 pm

Eduardo Freitas disse:

Meus parabéns pelo seu texto altamente explicativo e didático….é a primeira vez que leio
um artigo seu e com certeza não será a última. Abraços.

# 4 de September de 2008 às 3:24 pm

Rubens Alves da Silva disse:

Insígne mestre Jeferson Botelho.

O assunto em questão é de grande valia para mim, pois ajudou-me por demais a
entender a matéria em comento.Muito obrigado!

Respeitosamente,

Rubens alves da Silva

Acadêmico de direito, 5º período (Ulbra)

Manaus – AM

# 2 de October de 2008 às 1:47 pm

Lidiane Ferro Prado. disse:

Quero lhe parabenizar pela clareza de sua explicação…


Obrigado!

# 30 de October de 2008 às 5:46 pm

Luiz Antonio Abrantes Pequeno disse:

Professor, sua nota de aula é bastante clara e traz as informações que são necessárias
para quem quer se iniciar neste instigante tema.
Parabéns pelo didatismo.

# 10 de November de 2008 às 10:07 am

vera deomario disse:

excelentes comentarios sobre o assunto sinti falta de exemplos e de clariar mais


conhecimento do fato, se possivel detalhe mais com exeeplos

# 4 de April de 2009 às 7:12 pm

vera deomario disse:

excelentes comentarios sobre o assunto senti falta de exemplos e de clariar mais


conhecimento do fato, se possivel detalhe mais com exemplos
# 4 de April de 2009 às 7:15 pm

Camilo Somerlate Santana disse:

Apesar de não fazer parte do corpo discente que é qualificado por vossa senhoria, fico
impressionado com a facilidade que o senhor tem para extrair todo o significado do texto
juridico aos seus leitores, dando-nos a oportunidade de aproveitar mais do poderio do
Direito.

# 1 de May de 2009 às 11:25 pm

Layla disse:

O exercico regular de direito pode ser em caso de resistencia á prisão?

# 7 de May de 2009 às 3:30 pm

harley mourao disse:

parabéns sobre a explicação sobre nexo causal

# 21 de May de 2009 às 12:47 am

jaime disse:

Gostei muito do desenrolar do conteudo,,,


Muito proveitoso mesmo, estudo no colegio da policia militar da Ba em(feira de santana),
e me ajudou muito, muito….
Valeuuuuuuuuuuu

# 22 de July de 2009 às 6:09 pm

Deixe um comentário!

Faça seu comentário abaixo, ou um trackback do seu site. Você também pode se cadastrar nesses
comentários via RSS.

Seja simpático. Permaneça no assunto. Não faça spam.

Nome (necessário)

Email (não será mostrado) (necessário)

Site (opcional)
Você pode usar essas tags HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite="">
<cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

O Gravatar está ativado. Para ter sua imagem nos comentários, registre-se no Gravatar.

Enviar comentário

comentários recentes mais comentados mais vistos


Wlasir Pereira Muzzi on ASPECTOS PENAIS SOBRE O EXCLUDENTES DE ILICITUDE EXCLUDENTES DE ILICITUDE - 5,002 visualizações
USO, POSSE OU PORTE DE SPRAY DE PIMENTA
LEI MARIA DA PENHA O PODER DE DESTRUIÇÃO DO CRACK E A
nathii cézar e tarlise soares on Noções sobre Merla CRIMINALIDADE EMERGENTE - 4,090 visualizações
Noções sobre Merla
Adriana on Como identificar um usuário de maconha Noções sobre Merla - 3,959 visualizações
Como identificar um usuário de maconha
Breitner on TEORIA DAS JANELAS QUEBRADAS – A LEI MARIA DA PENHA - 3,942 visualizações
DESORDEM E A CRIMINALIDADE Aula Inaugural Curso de Administração de Empresas -
Fenord 2007 BREVES COMENTÁRIOS SOBRE CRIMES CONTRA A
ERCÍLIO JOSÉ PELLEGRINI on Só vai preso quem ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - 3,523 visualizações
resolver colaborar com a polícia

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Powered by WordPress | Log in | Entries (RSS) | Comments (RSS) | Arthemia theme by Michael Jubel adaptado por Hener Ramos