Sie sind auf Seite 1von 22

Ano 1 • Número 3 • Setembro • 2009

Quem quer ser professor


no Brasil? O que o Enem
nos diz

O que mudou no Censo Escolar


da educação básica

Avaliando o desempenho
no Enade de bolsistas
do ProUni

Quais são os municípios


brasileiros prioritários?
Ministério da Educação (MEC)
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)

Presidência Reynaldo Fernandes


Diretoria de Estudos Educacionais (Dired) Elaine Toldo Pazello
Diretoria de Estatísticas Educacionais (Deed) Maria Inês Pestana
Diretoria de Avaliação da Educação Básica (Daeb) Heliton Tavares
Diretoria de Avaliação da Educação Superior (Daes) Iguatemy Lucena
Diretoria de Tecnologia de Disseminação de Informações Educacionais (DTDIE) Bruno Adann
Sagratzki Coura
Diretoria de Gestão e Planejamento (DGP) Cláudio Salles

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) é uma


autarquia vinculada ao Ministério da Educação (MEC) e tem como principal atribuição coordenar
os sistemas e projetos de avaliação educacional no País, assim como organizar o sistema de
informações e estatísticas da educação brasileira.

Expediente
Na Medida é uma publicação eletrônica bimestral coordenada pela Dired/Inep e visa à qualificação do
debate sobre a educação no País a partir da disseminação de análises técnicas a um público amplo.

Coordenação geral Elaine Toldo Pazello (Dired)


Coordenação técnica Gabriela Moriconi (Dired)
Equipe técnica desta edição Rafaella Cabral (Dired); Alex da Silveira, Christyne da Silva,
Cíntia Antônio, Patrícia Teixeira, Mariana dos Santos, Maruska de Almeida (Deed);
Thiago Leitão (Diretoria de Políticas e Programa de Graduação/MEC)
Edição Maria Fernanda Conti Assessoria de Comunicação
Projeto gráfico/Capa/Diagramação Marcos Hartwich/Raphael Caron Freitas/Celi Rosalia Soares de Melo
Assessoria Técnica de Editoração e Publicações
Revisão Aline Ferreira de Souza e Josiane Cristina da Costa Silva
Assessoria Técnica de Editoração e Publicações
Distribuição Assessoria de Comunicação
Contato: namedida@inep.gov.br

É permitida a reprodução dos textos, desde que citada a fonte.

Artigos desta edição


Editorial ................................................................................................................... 3

1 Quem quer ser professor no Brasil? O que o Enem nos diz ........................................ 5

2 O que mudou no Censo Escolar da educação básica .................................................... 10

3 Avaliando o desempenho no Enade de bolsistas do ProUni ........................................ 15

4 Quais são os municípios brasileiros prioritários? ...................................................... 19


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

Editorial

Seja por meio do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio


Teixeira (Inep), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ou de outras
entidades governamentais, o Brasil vem produzindo uma série de dados educacionais,
os quais avançam em quantidade e em qualidade. Um dos estudos inseridos na 3ª edição
do boletim Na Medida descreve as mudanças promovidas no Censo Escolar da Educação
Básica, uma das principais fontes de dados educacionais do País. O estudo indica,
inclusive, que, após essas mudanças, já é possível observar diversos avanços em termos
da melhoria da qualidade da informação.

Uma das funções da coleta e do tratamento dos dados educacionais é poder gerar
indicadores para que estes subsidiem políticas públicas para melhoria da educação. Outro
texto deste boletim apresenta uma visão geral sobre os chamados municípios prioritários.
Foram definidos como prioritários os municípios de pior resultado no Índice de
Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), que foram os primeiros a receber assistência 3
do Ministério da Educação (MEC). O texto apresenta os critérios utilizados para essa seleção,
quais são esses municípios e a evolução de seu Ideb entre 2005 e 2007.

Além disso, os dados produzidos permitem que sejam feitas análises de diversos
aspectos das políticas educacionais em andamento no País. Um exemplo é o texto que
busca verificar se alunos bolsistas do Programa Universidade para Todos (ProUni) teriam
desempenho no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) pior que os
demais alunos dos cursos de ensino superior, o que indicaria uma possibilidade de
queda na qualidade dos cursos, após a inclusão dos bolsistas.

Outro exemplo é o estudo sobre o perfil de jovens de 17 a 20 anos atraídos para


a carreira do magistério no País, baseado em informações que podem ser obtidas por
meio do questionário socioeconômico respondido por eles ao participarem do Exame
Nacional do Ensino Médio (Enem). Esse estudo, assim como os demais contidos nessa
3ª edição do boletim Na Medida, não tem o propósito de ser conclusivo, mas sim de
chamar a atenção e contribuir para o debate de uma questão de grande importância em
nosso País: a capacidade das redes de ensino de atrair bons candidatos para a profissão
docente, em especial para a educação básica.

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

1 Quem quer ser professor no


Brasil? O que o Enem nos diz
Se há um consenso na área de educação, este é o da relevância do papel do
professor para o processo de ensino e para a aprendizagem dos alunos. Embora as
políticas educacionais sejam, em sua maioria, formuladas no nível do Ministério e
das Secretarias de Educação, a forma como essas políticas são implementadas e os
seus resultados são influenciados diretamente pelos agentes que as efetivam nas
salas de aula – os professores. São eles que, com maior ou menor autonomia, decidem
a metodologia a ser empregada, a forma como os materiais didáticos serão utilizados,
com que tipo de atividades o tempo em sala de aula será ocupado, quais métodos
de avaliação dos alunos serão empregados, entre outras questões de extrema
importância.

Nesse sentido, sabe-se que a forma como os professores tomam essas decisões e
desenvolvem seu trabalho diariamente depende de diversos aspectos, que vão desde a
sua motivação e o seu grau de adesão e comprometimento com essas políticas até os
recursos que têm disponíveis, como infraestrutura, material de apoio, orientação e,
principalmente, seus próprios conhecimentos e habilidades.

5
Desse modo, cada vez mais tem sido ressaltada a necessidade de se atrair e
selecionar profissionais com alto nível de conhecimentos e habilidades para a carreira
docente. Em relatório divulgado pela consultoria McKinsey & Company, em 2007, chama
a atenção o dado que indica que todos os dez países1 com as melhores notas no
Programme for International Student Assessment (Pisa) da Organização para a
Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) selecionam os professores dentre os
30% melhores graduados. Na Finlândia, esse percentual se reduz para 10% e na Coréia
do Sul, para 5% dos melhores graduados.

Será que no Brasil encontramos situação semelhante? O País consegue selecionar


os professores dentre os melhores graduados? Qual o perfil de quem quer ser professor
no País?

O Enem e a escolha da profissão


Os dados disponíveis não permitem responder exatamente se o Brasil também
consegue selecionar os seus professores dentre os melhores graduados. Para tanto,
seria necessário relacionar os resultados de exames de desempenho dos alunos ao
final do curso de graduação – como os resultados da prova do Exame Nacional de
Desempenho de Estudantes (Enade) – com os resultados das provas de concurso para
as carreiras do magistério das redes de ensino, o que não é possível.
1
São eles: Canadá, Austrália,
Bélgica, Finlândia, Hong No entanto, uma análise do perfil dos potenciais candidatos ao magistério pode ser
Kong, Japão, Holanda,
Nova Zelândia, Cingapura e realizada a partir de dados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Ao realizar o Enem,
Coréia do Sul. os candidatos respondem voluntariamente a um questionário que abrange tanto aspectos

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

socioeconômicos quanto relacionados a suas intenções e opiniões. Uma das perguntas é a


seguinte: “Que profissão escolheu seguir?”. As possíveis respostas a essa questão são:
(a) Ainda não escolhi;
(b) Profissão ligada às Engenharias/Ciências Tecnológicas;
(c) Profissão ligada às Ciências Humanas;
(d) Profissão ligada às Artes;
(e) Profissão ligada às Ciências Biológicas e de Saúde;
(f) Professor do Ensino Fundamental e Médio;
(g) Não vou seguir nenhuma profissão.

Embora a partir dos dados do Enem não seja possível saber se de fato o candidato
entrou em um curso superior de formação de professores e nem se um dia será
selecionado para ingressar na carreira docente por meio de concurso público,2 a
resposta de candidatos que estão em uma faixa etária de escolha da profissão – aqui
definida entre 17 e 20 anos – é um importante indicativo de sua intenção no momento
da realização do Exame. Esses dados permitem que seja feita uma análise do perfil de
alunos atraídos para o magistério no País, incluindo a nota que eles obtêm no Exame.

GRÁFICO 1 DISTRIBUIÇÃO DAS RESPOSTAS NO ENEM 2007 À QUESTÃO: “QUE PROFISSÃO


ESCOLHEU SEGUIR?”
Fonte: Elaboração Dired/Inep, a partir de dados do Enem 2007

Dentre os jovens de 17 a 20 anos que fizeram a prova do Enem em 2007,3 cerca


de 25% ainda não haviam escolhido, até aquele momento, a profissão que pretendiam
seguir. Dos que já haviam feito a escolha, a maioria optou por profissões da área de
Ciências Biológicas e da Saúde, seguidas por profissões da área de Engenharias e Ciências
Tecnológicas e da área de Ciências Humanas. Aqueles que escolheram a profissão de
2
A afirmação vale tanto para Professor de Ensino Fundamental e Médio correspondem a apenas 5,2% dos jovens.
candidatos que disseram Dessa forma, já parece ser pouco provável que o Brasil consiga, assim como os dez
ter escolhido a profissão
do magistério quanto para melhores países no Pisa, selecionar os professores entre os 30% melhores graduados,
os demais candidatos.
3
Última edição do exame com
pois isso pressuporia um percentual significativo de interessados na carreira do
microdados disponíveis para magistério, dos quais se poderia selecionar os melhores, posteriormente.
análise.
4
Foram excluídos da análise
aqueles que afirmaram que
ainda não escolheram uma
profissão, que não vão Analisando o perfil de quem quer ser professor
seguir nenhuma profissão Para analisar o perfil dos candidatos que afirmam ter escolhido a profissão do
ou não responderam a
questão. magistério, em comparação com os alunos que escolheram as demais profissões,4

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

estimamos uma equação da probabilidade de um candidato escolher a profissão


docente em função de suas características pessoais e de sua nota na prova do Enem.5
Isso nos permite ler o impacto de uma determinada variável sobre a probabilidade
da escolha do magistério, livre do efeito das demais variáveis, visto que a estimativa
fixa todas as demais variáveis e estima a probabilidade somente variando a
característica de interesse.6 Os resultados podem ser lidos da seguinte forma: um
candidato tem, em média, 6,69% de probabilidade de escolher ser professor do ensino
básico. Fixando todas as demais características e variando somente o gênero, por
exemplo, observamos que a probabilidade do candidato querer ser professor, caso
seja mulher, é de 7,21%, enquanto que, se o candidato for homem, a probabilidade
cai para 5,60%.

GRÁFICO 2 PROBABILIDADE DE ESCOLHER SER PROFESSOR, DE ACORDO COM O GÊNERO


7
Fonte: Elaboração Dired/Inep, a partir dos dados do Enem 2007

Também foi encontrada diferença entre as probabilidades de escolha do


magistério, de acordo com a dependência administrativa das escolas em que os alunos
estudaram: aqueles que estudaram a vida toda em escolas públicas têm maior
probabilidade de optar pela docência do que aqueles que estudaram parte ou toda a
vida em escolas privadas.
5
As variáveis testadas foram: a
nota no Enem; o gênero; a
cor/raça; o tipo de escola em
que estudou (pública ou
privada); a renda familiar; a
escolaridade da mãe; se tra-
balha; o turno em que estu-
dou; sua participação em
organizações como grêmios
estudantis, associações co-
munitárias, partidos políti-
cos e Organizações não go-
vernamentais (ONGs); e seu
interesse por questões rela-
cionadas a política nacional,
internacional e local, eco-
nomia, meio ambiente, desi-
gualdade social, cultura e
serviços públicos como edu-
cação e saúde.
6
Foi realizada uma análise GRÁFICO 3 PROBABILIDADE DE ESCOLHER SER PROFESSOR, DE ACORDO COM O TIPO DE ESCOLA EM
econométrica utilizando a
metodologia de regressão QUE CURSOU O ENSINO BÁSICO
logit. Fonte: Elaboração Dired/Inep, a partir dos dados do Enem 2007

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

As diferenças maiores começam a aparecer quando se analisa variáveis diretamente


relacionadas ao background familiar: a probabilidade de o candidato escolher a
profissão do magistério é três vezes maior para aqueles com menor renda familiar em
relação àqueles com maior renda familiar, e é quase duas vezes maior para aqueles com
mães que nunca estudaram em relação aos candidatos com mães mais escolarizadas.

GRÁFICO 4 PROBABILIDADE DE ESCOLHER SER PROFESSOR, DE ACORDO COM A RENDA FAMILIAR


DO CANDIDATO
Fonte: Elaboração Dired/Inep, a partir de dados do Enem 2007
* SM = Salários mínimos.

GRÁFICO 5 PROBABILIDADE DE ESCOLHER SER PROFESSOR, DE ACORDO COM A ESCOLARIDADE DA


MÃE DO CANDIDATO
Fonte: Elaboração Dired/Inep, a partir de dados do Enem 2007

Também é importante destacar os resultados em relação às notas dos candidatos


no Enem: aqueles com piores notas têm probabilidade quase três vezes maior de
escolherem a carreira do magistério do que aqueles com melhores notas. Ou seja, existem
evidências de que a carreira do magistério não está conseguindo atrair os melhores
candidatos, o que leva à reflexão de que é pouco provável que o País esteja selecionando
os professores entre os melhores alunos, já que estes têm baixa probabilidade de
quererem ser professores.

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

GRÁFICO 6 PROBABILIDADE DE ESCOLHER SER PROFESSOR, DE ACORDO COM A NOTA DO CANDIDATO


NO ENEM 2007
Fonte: Elaboração Dired/Inep, a partir de dados do Enem 2007

Vale ressaltar que, ainda para as demais variáveis testadas – como cor/raça do
candidato, se o candidato trabalha e sua participação em organizações como grêmios
estudantis, dentre outras –, os resultados encontrados apontaram para diferenças de
probabilidade bem pequenas – de menos de um ponto percentual.

Portanto, pelas evidências encontradas nesta análise, o indivíduo com maior


probabilidade de escolher o magistério – dentre aqueles com 17 a 20 anos que realizaram 9
o Enem 2007 e declararam a opção por uma profissão – tem o seguinte perfil: mulher,
estudou sempre em escola pública, tem renda familiar de até dois salários mínimos, a
mãe nunca estudou e tirou uma nota abaixo de 20 no Enem.

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

2 O que mudou no Censo Escolar


da educação básica
O Censo Escolar da educação básica
O Censo Escolar é um levantamento anual de dados estatístico-educacionais de
âmbito nacional. Trata-se do principal instrumento de coleta de informações da educação
básica. É uma pesquisa declaratória, de participação obrigatória, que engloba toda a
população em condição escolar matriculada em estabelecimentos públicos e privados
do País, abrangendo todas as diferentes etapas e modalidades de ensino.

As informações produzidas pelo Censo Escolar são úteis para a elaboração de


diagnósticos, para a formulação, implantação e avaliação de políticas públicas, bem
como para a tomada de decisões em educação. Atualmente, programas e ações
governamentais dependem do fornecimento das informações coletadas, tais como o
Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos
Profissionais da Educação (Fundeb) e o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica
(Ideb). Os recursos financeiros do Fundeb, repassados a Estados, Distrito Federal e
municípios em um determinado ano, são calculados com base no número de matrículas
constantes no Censo Escolar do ano imediatamente anterior. O cálculo do Ideb, por sua
vez, possui um componente de fluxo escolar obtido a partir de dados do Censo Escolar 10
referentes à aprovação, à reprovação e ao abandono de alunos.

Breve histórico do Censo Escolar


Censos que visam a obter informações educacionais não são novos no Brasil.
Desde 1872, a preocupação com analfabetismo, por exemplo, estava posta nos censos
demográficos. Todavia, foi em 1932 que se realizou, de fato, o primeiro censo com
preocupação exclusivamente educacional.

Em 1997, após um grande processo de redimensionamento do setor de


levantamentos estatísticos do Ministério da Educação (MEC), ocorrido nos anos de
1995 e 1996, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira
(Inep) assumiu as atividades estatísticas e de avaliação, antes realizadas pelo MEC. No
mesmo ano, recebeu a competência legal para organizar e manter o sistema de
informações e estatísticas educacionais pela Lei nº 9.448, de 14 de março de 1997.

A publicação da Lei nº 9.424, de 1996, que dispôs sobre o Fundo de Manutenção e


Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), definiu
que os dados de matrículas do Censo Escolar, publicados no Diário Oficial da União,
constituiriam a base para fixação da proporção dos valores repassados a Estados, Distrito
Federal e municípios. Tal vinculação implicou o fortalecimento e maior prestígio do
levantamento censitário, situação que se manteve com a substituição do Fundef pelo
Fundeb.

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

Em meados de 2007, com o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), ações


no sentido de inovar nos processos e nos conteúdos do Censo Escolar foram tomadas,
a fim de ampliar o conhecimento da realidade escolar, bem como da educação brasileira.

Mudanças no Censo Escolar


Até 1995, o Censo Escolar apresentava deficiências de cobertura, defasagem no
tempo de coleta e problemas de divulgação. Tais aspectos levavam a questionamentos
principalmente sobre a dimensão do atendimento escolar e do fluxo dos discentes, o
que gerava incertezas sobre a qualidade da informação e dificultava a utilização das
bases de dados produzidas.

Para solucionar tal situação, novos conceitos precisaram ser implantados, a


começar pela definição, em 1995, de um “Dia Nacional do Censo Educacional”. Tratou-
se de um marco temporal para o informe dos dados escolares, definido como a última
quarta-feira do mês de março. A partir de então, todas as escolas passaram a ter uma
mesma data de referência para as informações, o que melhorou consideravelmente a
qualidade dos dados.

A mais significativa mudança no Censo, no entanto, deu-se a partir de 2007, com


a alteração na unidade de informação. Até 2006, a menor unidade de informação era a
escola. Cada escola recebia formulários em papel, nos quais informava os dados
agregados referentes a suas turmas, matrículas, docentes e infraestrutura. Não havia a
possibilidade de inserir informações sobre cada aluno, cada docente, cada disciplina
11
ministrada ou a especificidade de cada turma. Os formulários preenchidos eram, então,
encaminhados às secretarias estaduais e municipais para digitação no Sistema de
Informações Educacionais (Sied). Como resultado, alunos e professores apareciam como
quantitativos agregados por estabelecimento, etapa e modalidade de ensino.

Com a mudança metodológica realizada em 2007, passou-se a coletar dados


individuais de alunos e docentes. Atualmente, são unidades de informação as escolas,
os alunos, as turmas, os docentes e os auxiliares de educação infantil. Para cada uma
dessas dimensões, há um cadastro específico no qual as escolas inserem informações
individualizadas, como o nome, a data de nascimento, o endereço, entre outras. Para
facilitar o procedimento e melhorar o controle da qualidade dos dados, a coleta e a
transmissão deles passaram a ser realizadas por uma ferramenta on-line, o Sistema
Educacenso. Embora alguns sistemas estaduais de ensino já utilizassem formulários
eletrônicos, ainda não se tratava, todavia, de um sistema on-line e integrado, para
melhorar a agilidade, a organização e a disseminação da informação.

Adicionalmente, a Portaria nº 264, de 2007, modificou para “Dia Nacional do Censo


Escolar da Educação Básica” a data de referência das informações declaradas ao
Censo Escolar da educação básica. Com essa portaria, a data foi alterada para a última
quarta-feira do mês de maio de cada ano. Nessa época, transferências de alunos, mudanças
de docente, série, horários, entre outros, já não ocorrem de forma tão intensa como se dá
no início do ano, garantindo que o Censo represente um momento em que as matrículas
já estão razoavelmente estabilizadas nas escolas.

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

Mudanças nos resultados


Em relação ao controle da qualidade de dados, a reestruturação de metodologia
procurou aproximar-se das técnicas de pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE), que coleta informação individualizada. O monitoramento realizado
pelo Inep mostra que, como resultado da mudança metodológica, o quantitativo de
matrículas apurado pelo órgão foi ao encontro dos números levantados pela Pesquisa
Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do IBGE, conforme o Gráfico 1.

12
GRÁFICO 1 COMPARATIVO DO NÚMERO DE MATRÍCULAS NO ENSINO REGULAR DA EDUCAÇÃO
BÁSICA NA REDE PÚBLICA – CENSO ESCOLAR E PNAD (EM MIL) – BRASIL
Fonte: Elaboração Deed/Inep, a partir de dados do Censo Escolar/Inep e da Pnad/IBGE

O Gráfico 1 indica que houve uma significativa queda no número de matrículas


entre 2006 e 2007, de acordo com o Censo Escolar. Essa queda deveu-se especialmente
ao fato de que a informação por aluno, a partir da nova metodologia, passou a ser
mais precisa, permitindo a identificação e a correção da duplicidade de alunos.1 Esse
fenômeno de diminuição do número de matrículas foi o indicativo de maior qualidade
da informação, tanto no momento da coleta quanto no da realização das críticas e
consistências dos dados.

Vale ressaltar que a individualização cadastral produziu resistências na


participação de algumas instituições privadas que deixaram de responder ao Censo
de 2007, o que também contribuiu para a queda de matrículas entre esses anos.
Essas instituições, zelosas das informações pessoais de seus alunos, ofereceram
questionamentos a essa metodologia. Todavia, a partir de uma campanha de
conscientização sobre os procedimentos de segurança e de garantia do sigilo das
1
Duplicidade de alunos é a pessoas, a confiança foi novamente fortalecida e a resistência superada. Assim, no
contagem de um mesmo
aluno em mais de uma ano de 2008, observou-se que diminuiu expressivamente o número de escolas
escola, seja na mesma
unidade federativa, seja em
privadas que não prestaram informações, com o consequente reflexo nas respectivas
unidades distintas. matrículas.

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

TABELA 1 NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO BÁSICA PARTICIPANTES DO CENSO, POR


DEPENDÊNCIA ADMINISTRATIVA – 2006, 2007 E 2008 – BRASIL

Fonte: Elaboração Deed/Inep, a partir de dados do Censo Escolar

No caso dos professores, os dados também se restringiam ao total desses


profissionais lotados em cada escola, por etapa e modalidade de ensino. Por
consequência, a dupla contagem de um mesmo indivíduo tinha probabilidade muito
maior de ocorrer do que entre alunos, pois um mesmo professor pode lecionar em mais
de uma etapa ou modalidade de ensino e, ainda, em mais de um estabelecimento. Essas
características do levantamento, presentes até o ano de 2006, limitavam o alcance das
informações e obrigavam todos os usuários do Censo Escolar a utilizarem o conceito de
função docente (que admite mais de uma contagem do mesmo indivíduo), sem
responderem à pergunta sobre quantos docentes atuam na educação básica, informação
fundamental para o planejamento e a definição de qualquer política pública afeta ao
setor.

Ao observar a quantidade de professores que lecionam em mais de um 13


estabelecimento, em 2007, é possível ter uma noção de quantas vezes um mesmo
professor pode ser contado, quando se utiliza a noção de função docente – isso sem
considerar as replicações por lecionar em mais de uma etapa ou modalidade de ensino.

TABELA 2 NÚMERO DE PROFESSORES DO ENSINO REGULAR, POR QUANTIDADE DE


ESTABELECIMENTOS EM QUE LECIONAM, SEGUNDO AS ETAPAS DE ENSINO – 2007

Fonte: Elaboração Deed/Inep, a partir de dados do Censo Escolar

Com a nova metodologia, para registrar os dados do professor no Censo Escolar,


tomou-se por base um código de identificação, gerado pelo próprio Educacenso para
cada indivíduo. Dessa forma, é possível relacionar cada professor às demais variáveis
coletadas, por exemplo, disciplinas ministradas, quantidade e tipo de escolas em que
trabalha, número de turnos e de turmas, entre outras.

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

Assim, os dados individualizados, tanto de alunos como de professores,


viabilizarão análises inéditas no País, como fazer cruzamentos entre as áreas de formação
e de atuação do professor ou, ainda, estimar o déficit de professores em determinadas
disciplinas. Com a constituição das séries históricas, será possível conhecer o fluxo real
de alunos, além de acompanhar as trajetórias de alunos, docentes e escolas.

14

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

3 Avaliando o desempenho no
Enade de bolsistas do ProUni
O Programa
O Programa Universidade para Todos (ProUni) foi criado em 2004 com a finalidade
de conceder bolsas de estudo em cursos de ensino superior de instituições privadas.
Em contrapartida, concede isenção de alguns tributos às instituições de ensino que
aderem a ele.1

Por meio do ProUni, o Governo Federal busca ampliar o acesso ao ensino superior
no País e contribuir para o cumprimento de uma das metas do Plano Nacional de
Educação, o qual prevê o atendimento em educação superior até 2010 para, pelo menos,
30% dos jovens de 18 a 24 anos.2

Para candidatar-se a uma bolsa do ProUni, o estudante deve ter cursado o ensino
médio na rede pública ou na rede particular na condição de bolsista integral e obter
nota mínima de 45 pontos na prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).3 Para
concorrer a uma bolsa integral, o candidato deve ter renda familiar per capita máxima
de 1,5 salário mínimo, e para a bolsa parcial, deve estar entre 1,5 e 3 salários mínimos.
O único caso em que não é necessário comprovar a renda é o de professores da rede
pública de ensino básico, em efetivo exercício do magistério, que integrem o quadro
permanente da instituição e estejam concorrendo a vagas em cursos de licenciatura,
normal superior ou pedagogia. E o único caso em que o candidato pode ter cursado o 15
ensino médio integral ou parcialmente em escolas privadas, sem bolsa, é o de portadores
de necessidades especiais (PNEs). Adicionalmente, o Programa reserva cotas para PNEs
e para os autodeclarados indígenas, pardos ou pretos4 – sendo que o cotista também
deve se enquadrar nos demais critérios de seleção descritos.

Ainda há outra exigência, desta vez referente ao comprometimento com o curso:


os bolsistas devem ser aprovados em, no mínimo, 75% do total das disciplinas cursadas
em cada período letivo. Caso contrário, o aluno perde a bolsa do ProUni.
1
Todas essas informações po-
dem ser encontradas no site
do ProUni: http://portal. Adicionalmente, em 2006, o Programa instituiu uma bolsa permanência no valor
mec.gov.br/prouni de R$ 300,00, com o objetivo de auxiliar no custeio das despesas educacionais dos
2
De acordo com dados da
Pesquisa Nacional por Amos- estudantes com bolsa integral em cursos presenciais com, no mínimo, seis semestres
tra de Domicílios (Pnad), em de duração e carga horária diária igual ou superior a seis horas.
2007, apenas 15% dos jo-
vens entre 18 e 24 anos cur-
savam ou haviam comple- Segundo dados divulgados pelo Programa, desde a criação até o processo seletivo
tado o ensino superior.
3
A nota utilizada é composta do segundo semestre de 2008, o ProUni já atendeu cerca de 430 mil estudantes, sendo
da média aritmética entre a 70% com bolsas integrais.
nota da parte de conheci-
mentos gerais e a nota da

4
redação.
O percentual de bolsas
A qualidade acadêmica dos alunos bolsistas
destinadas aos cotistas é Como acontece na implementação de grande parte das políticas de inclusão na
igual àquele de cidadãos
pretos, pardos e indígenas,
área da educação, foram levantados questionamentos relativos a uma possível queda
em cada Estado, segundo o na qualidade do ensino nos cursos superiores, devido à entrada dos bolsistas do ProUni.
último censo do Instituto
Brasileiro de Geografia e
Esses questionamentos estavam baseados no pressuposto de que os bolsistas do ProUni
Estatística (IBGE). seriam academicamente mais fracos que os alunos pagantes e comprometeriam o nível

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

das turmas. Do outro lado, os responsáveis pelo Programa afirmavam que a exigência
de que o candidato tire uma nota mínima no Enem, aliada aos demais critérios, teria
justamente a intenção de conjugar a inclusão à qualidade e ao mérito dos estudantes
com melhores desempenhos acadêmicos.

Para obter evidências de que a qualidade do ensino teria piorado – ou não – a


partir da criação do ProUni, seria necessária a existência de uma avaliação do ensino
superior cujos resultados fossem comparáveis ao longo do tempo, como é o caso do
Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb). Desse modo, seria possível
verificar qual a variação nas notas médias dos cursos com a inclusão de alunos bolsistas.
No entanto, esse ainda não é o caso do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes
(Enade), cujos resultados somente são comparáveis entre alunos da mesma área, que
tenham realizado o exame no mesmo ano.

Apesar dessa limitação, o Enade permite que se compare o desempenho de alunos


com bolsa integral ou parcial no ProUni com o desempenho de alunos pagantes de
instituições privadas de ensino superior. Assim, é possível obter evidências que
corroborem ou enfraqueçam a hipótese de que os bolsistas seriam academicamente
mais fracos que seus colegas pagantes. Isso pode ser feito no momento em que iniciam
o curso, por meio da comparação de notas do Enade entre ingressantes, e também no
momento da conclusão do curso, mediante a comparação de notas dos concluintes.

Comparando o desempenho de alunos no Enade 2007


Para evitar que a diferença de desempenho possa estar relacionada a diferenças
16
nas instituições e nos cursos que os alunos frequentam – como, por exemplo, acontecer
de que somente as melhores (ou piores) instituições ofereçam vagas no ProUni –,
foram comparadas as notas dos alunos ingressantes de determinado curso de uma
instituição, e o mesmo foi feito para alunos concluintes.5 Por exemplo, foi comparada
a média das notas dos estudantes bolsistas ingressantes do curso de Enfermagem da
Universidade A com as notas dos não bolsistas ingressantes do mesmo curso. Portanto,
só estão contidos nesta análise os cursos das instituições que possuem, no mínimo,
um aluno ingressante ou concluinte com bolsa no ProUni.

TABELA 1 NÚMERO DE ALUNOS DA AMOSTRA UTILIZADA NA COMPARAÇÃO DE NOTA

5
A nota utilizada na análise é a
nota geral do aluno no exame,
composta de 25% da nota de
formação geral e 75% da nota
do componente específico. Fonte: Elaboração Dired/Inep, a partir de dados do Enade 2007

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

Em 10 das 16 áreas avaliadas em 2007, havia um número suficiente de alunos para


comparação de notas entre bolsistas e não bolsistas.6 O número de bolsistas ingressantes
avaliados pelo Enade, em 2007, é bem mais expressivo que o de concluintes, devido ao
fato de que, como os primeiros alunos passaram a receber bolsas em 2005, esses
concluintes são alunos que conseguiram a bolsa quando já estavam cursando o ensino
superior, estando da metade para o final do curso – um número reduzido, se comparado
aos alunos que solicitam a bolsa já desde o primeiro ano da graduação.

A Tabela 2 mostra quantos cursos estão contidos na amostra utilizada neste estudo
e quantos são os cursos de instituições privadas que participaram do Enade 2007,
indicando que o número de cursos com alunos bolsistas do ProUni avaliados – os quais
foram utilizados nesta análise – representam uma parcela significativa desses cursos.

TABELA 2 NÚMERO DE CURSOS DA AMOSTRA UTILIZADA NA COMPARAÇÃO DE NOTAS E DE


CURSOS DE INSTITUIÇÕES PRIVADAS AVALIADOS PELO ENADE 2007

17

Fonte: Elaboração Dired/Inep, a partir de dados do Enade 2007

Os resultados da comparação7 mostram que, para os ingressantes, em todas as


áreas analisadas os alunos com bolsa ProUni possuem média maior no Enade do que
aqueles sem bolsa ProUni. Essa diferença positiva em favor dos bolsistas foi em torno
de 5,5 pontos – numa escala de 0 a 100 pontos.

TABELA 3 COMPARAÇÃO DAS MÉDIAS DE ALUNOS INGRESSANTES NO ENADE 2007

6
As demais áreas avaliadas em
2007 foram: Educação Físi-
ca, Fonoaudiologia, Nutri-
ção, Tecnologia em Agroin-
dústria, Terapia Ocupacional
e Zootecnia.
7
Os resultados estatisticamen-
te significativos a 1% estão
destacados em negrito nas
Tabelas 3 e 4. Fonte: Elaboração Dired/Inep, a partir de dados do Enade 2007

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

Já para os concluintes, os resultados mostraram que, na maioria das áreas


avaliadas, não houve diferença estatisticamente significativa entre os alunos com bolsa
ProUni e aqueles sem bolsa ProUni.

TABELA 4 COMPARAÇÃO DAS MÉDIAS DE ALUNOS CONCLUINTES NO ENADE 2007


Fonte: Elaboração Dired/Inep, a partir de dados do Enade 2007

Desse modo, não há como atribuir conclusões sobre os resultados encontrados

18
para os alunos concluintes dessas áreas. Apenas duas áreas apresentaram coeficientes
estatisticamente significativos: Biomedicina e Tecnologia em Radiologia. E aqui sim,
pode-se afirmar estatisticamente que os concluintes com bolsa ProUni possuem média
maior que os alunos concluintes sem bolsa ProUni.

De uma maneira geral, os resultados indicam ser muito pouco provável que a
inclusão dos alunos bolsistas tenha piorado a qualidade dos cursos de um modo geral,
já que o desempenho deles parece ser igual ou superior ao de seus colegas de curso.

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

4 Quais são os municípios


brasileiros prioritários?

Indicadores de desempenho educacional podem ter diversas funções. Uma delas


é identificar as redes de ensino com resultados aquém do desejado e propor medidas
para solucionar os problemas encontrados. Após a primeira divulgação do Índice de
Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), uma das ações do Ministério da Educação
(MEC) para ajudar os municípios que apresentaram os piores resultados foi designar
especialistas para seu acompanhamento. Esses técnicos fizeram visitas aos municípios,
procurando identificar os fatores responsáveis pelo baixo Ideb. A partir desse
diagnóstico inicial e das orientações dos técnicos, cada município elaborou um Plano
de Ação Articulada (PAR) que nada mais é do que um conjunto de ações com o objetivo
de melhorar a qualidade da educação. Esses primeiros municípios selecionados receberam
o nome de “municípios prioritários”.1

A seleção dos municípios foi feita com base no Ideb dos anos iniciais do ensino
fundamental da rede municipal de ensino. Os seguintes critérios foram adotados:
19
1) inicialmente foram selecionados os 1000 municípios de mais baixo Ideb (os
que empataram na milésima posição também foram selecionados);

2) em seguida, para evitar que algum Estado ficasse sem representação, foram
selecionados os municípios de mais baixo Ideb dentro de cada Estado (até 20
municípios), incluindo os já selecionados no primeiro passo (novamente, os que
1
De fato, a partir do lançamen- empataram na vigésima posição também foram incluídos). Para um município ser
to do Plano de Desenvol-
vimento da Educação (PDE), incluído, no entanto, o respectivo Ideb deveria estar abaixo da média nacional.
em 2007, todas as transfe-
rências voluntárias e assistên-
cia técnica do MEC aos muni- Assim, pode acontecer de um ou mais Estados ficarem com mais ou menos de 20
cípios, Estados e Distrito
Federal estão vinculadas à municípios na lista. Por exemplo: se um determinado Estado tem 30 municípios e todos
adesão ao Plano de Metas
Compromisso Todos pela estão entre os mil selecionados inicialmente, todos os 30 estão incluídos. Se outro
Educação e à elaboração do Estado também com 30 municípios tem apenas 8 selecionados entre os mil, então
Plano de Ações Articuladas
(PAR). Atualmente, todos os serão selecionados mais 12 para completar os 20 municípios por Estado, respeitando
26 Estados, o Distrito Federal
e os 5.564 Municípios assina- as regras de o Ideb ser menor que a média nacional e de todos os empatados serem
ram o Termo de Adesão ao incluídos. Portanto, esse Estado pode, ao final, permanecer com 8 municípios ou até
Plano de Metas do PDE.
2
Em 2005, foram selecionados
ter 20 ou mais na lista dos prioritários.
1.242 municípios brasileiros;
em 2007, 1.412 municípios.
Se considerarmos os municí- A distribuição pelo País dos municípios dessa seleção, que ficou conhecida como
pios que foram selecionados
em 2005 ou em 2007, temos
a “Lista dos Municípios Prioritários”,2 pode ser observada na Tabela 1 e nos Gráficos 1
1.827 municípios. e 2.

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

TABELA 1 NÚMERO E PERCENTUAL DE MUNICÍPIOS POR ESTADO QUE COMPUSERAM A “LISTA DOS
MUNICÍPIOS PRIORITÁRIOS” – 2005/2007

Fonte: Elaboração Dired/Inep, a partir dos dados de resultados do Ideb


* O Distrito Federal não possui rede municipal de ensino.

A Bahia é o Estado com a maior participação, com 15% dos municípios prioritários. 20
Em seguida, estão os Estados da Paraíba e do Piauí, com 8% cada. Essa maior participação
dos Estados do Nordeste também pode ser visualizada nos Gráficos 1 e 2. As áreas
vermelhas representam os municípios prioritários, que estão claramente concentrados
nas regiões Nordeste e Norte.

GRÁFICO 1 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS PRIORITÁRIOS PELOS ESTADOS EM 2005


Fonte: Elaborado por MEC/Inep/Dired

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

GRÁFICO 2 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS PRIORITÁRIOS PELOS ESTADOS EM 2007


Fonte: Elaborado por MEC/Inep/Dired

Para cada um dos Estados brasileiros, foi calculada a razão entre o número de
municípios prioritários e o total de municípios do Estado – apresentada no Gráfico 3. 21
Para o Brasil como um todo, dos 5.564 municípios brasileiros, 22,3% e 25,4% entraram
na lista de prioritários em 2005 e em 2007, respectivamente.

GRÁFICO 3 PERCENTUAL DE MUNICÍPIOS PRIORITÁRIOS EM CADA ESTADO – 2005/2007


Fonte: Elaboração Dired/Inep, a partir dos dados de resultados do Ideb

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

Em 2007, nos Estados do Acre e do Amapá, mais de 90% dos municípios são
prioritários. No Acre, esse número é constante nos dois anos, mas, no Estado do Amapá,
essa proporção aumentou significativamente – de 70% para 94% – entre 2005 e 2007.
Por outro lado, nos Estados da Região Sul do País, em São Paulo e em Minas Gerais, a
porcentagem de municípios prioritários é bem pequena.

Quantos atingiram ou superaram suas metas?


No Gráfico 4, observamos o percentual dos municípios prioritários por Estado
que alcançaram ou superaram as metas do Ideb estipuladas para eles em 2007 e
2021.

22

GRÁFICO 4 PERCENTUAL DE MUNICÍPIOS PRIORITÁRIOS QUE ATINGIRAM OU SUPERARAM SUAS


METAS DE 2007/2021, POR ESTADO
Fonte: Elaboração Dired/Inep, a partir dos dados de resultados do Ideb

Dos 1.827 municípios brasileiros prioritários, 1.493 (82%) atingiram ou superaram


a meta estipulada para 2007 e 196 (11%) chegaram a alcançar ou até mesmo a superar
a meta de 2021. Em Roraima, todos os municípios prioritários atingiram o Ideb estipulado
para 2007.

Do total de municípios prioritários, 415 apareceram exclusivamente em 2005 e,


destes, 5 chegaram a superar a meta estipulada para 2021. Esses municípios são: São
João do Sabugi/RN, Boa Vista do Tapim/BA, Santa Rita do Trivelato/MT, Cachoeira
Grande/MA e São Bento/SP. Este último município, inclusive, superou a meta do Brasil
para 2021 – lembrando que a meta do Brasil para 2021 é alcançar um Ideb igual a 6,
equivalente ao Ideb estimado na atualidade para os países desenvolvidos.

Calculando a diferença entre a meta do Brasil de 2021 e o Ideb de 2007 dos


municípios prioritários, é possível ter uma ideia do tamanho do percurso que eles

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009


NA MEDIDA BOLETIM DE ESTUDOS EDUCACIONAIS DO INEP

ainda têm que percorrer para alcançar o Ideb de países desenvolvidos. Em média, esses
municípios têm que aumentar o Ideb em quase 3 pontos para alcançar o valor 6. Esses
aumentos não são pequenos: conciliar melhora de fluxo escolar com melhora no
aprendizado demanda um real comprometimento com a qualidade da educação.

23

ANO 1 | NÚMERO 3 | 2009