Sie sind auf Seite 1von 81

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA LIMA

ESTADO DE MINAS GERAIS


EDITAL N° 01/2009

Notícia Relacionada: Prefeitura de Nova Lima - MG oferece 765 vagas de até R$ 7.951,17

O Prefeito de Nova Lima, no uso de suas atribuições, torna pública a abertura das inscrições e estabelece
normas para a realização do Concurso Público destinado a selecionar candidatos para provimento de
vagas nos cargos/especialidades do Quadro de Pessoal da Prefeitura Municipal de Nova Lima
relacionados no Anexo A deste Edital, de acordo com a legislação vigente.
1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
1.1 O Concurso Público será regido por este Edital, por seus Anexos e eventuais retificações, e sua
execução caberá à Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa - FUNDEP.
1.2 O concurso público tem por objetivo dar provimento aos cargos/especialidades, no nível inicial das
respectivas carreiras conforme estabelece o Anexo A deste Edital.
1.3 O prazo de validade deste Concurso Público será de 02 (dois) anos, contados a partir da data de
publicação da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado uma vez por igual período a
critério da Prefeitura Municipal de Nova Lima.
1.4 Toda menção a horário neste Edital terá como referência o horário oficial da cidade de Brasília-DF.
1.5 As vagas ofertadas neste Concurso Público estão distribuídas por cargo/especialidade e são aquelas
constantes no Anexo A deste Edital.
1.6 A cota de vagas reservadas aos candidatos portadores de deficiência será de 10% (dez por cento) e
está contida no total de vagas oferecidas e distribuídas neste Concurso Público, conforme Quadro de
Vagas do Anexo A deste Edital, em conformidade como disposto no Dec. n. 3.298 de 20 de dezembro de
1999.
1.7 Se novas vagas forem oferecidas durante o prazo de validade do concurso, 10% (dez por cento)
dessas serão destinadas a candidatos portadores de deficiência.
1.8 Ao número de vagas estabelecido no Anexo A deste Edital poderão ser acrescidas novas vagas que
surgirem, observada a disponibilidade financeira e orçamentária e que forem autorizadas pela Prefeitura
Municipal de Nova Lima, dentro do prazo de validade do Concurso Público.
1.9 O regime jurídico dos cargos/especialidades oferecidos neste Edital será o da CLT - Consolidação das
Leis do Trabalho, de conformidade com as normas contidas na Lei Municipal n° 2085, de 01 de junho de
2009 que cria cargos públicos efetivos no quadro de pessoal da Prefeitura Municipal de Nova Lima, Lei
Municipal n. 2.023/2007 que dispõe sobre o Plano de Cargos e Salários dos Servidores Públicos do
Município de Nova Lima, com exceção dos cargos referentes à secretaria municipal de educação, regidos
pela Lei Municipal n° 2.055/2008, devendo ser consideradas suas alterações e a legislação pertinente.
1.10 Todas as publicações oficiais serão feitas no hall da Prefeitura Municipal de Nova Lima, situada à
Praça Bernardino de Lima, n. 80, Centro - Nova Lima - MG, no horário de 9h as 17h e divulgadas no
endereço eletrônico <www.fundep.br/concursos>.
1.11 O candidato poderá obter o Edital deste Concurso Público por meio de download no endereço
eletrônico <www.fundep.br/concursos>.
2 ESPECIFICAÇÕES DOS CARGOS/ESPECIALIDADES
2.1 Os cargos/especialidades, os códigos e distribuição de vagas constam do Anexo A deste Edital.
2.2 As atribuições gerais, escolaridade, carga horária e vencimentos constam do Anexo D deste Edital.
3 REQUISITOS PARA INVESTIDURA NOS CARGOS/ESPECIALIDADES
3.1 O candidato aprovado e classificado neste Concurso Público, na forma estabelecida neste Edital, será
investido no cargo, se atendidas às seguintes exigências:
a) Ter sido aprovado e classificado no Concurso Público, na forma estabelecida neste Edital;
b) ser brasileiro nato, naturalizado que goze das prerrogativas do art. 12 da Constituição da República;
c) gozar dos direitos políticos;
d) ter no mínimo 18 (dezoito) anos completos na data da posse;
e) estar quite com as obrigações eleitorais;
f) estar quite com as obrigações do Serviço Militar, quando se tratar de candidatos do sexo masculino;
g) ter aptidão física e mental para o exercício das atribuições do cargo, a ser aferida em perícia médica
oficial, realizada pelo serviço médico oficial da Prefeitura Municipal de Nova Lima ou, em sua falta, por
quem este indicar;
h) comprovar escolaridade exigida para o cargo, conforme estabelece o Anexo D deste Edital.
3.2 Os requisitos descritos no item 3.1 deste Edital deverão ser atendidos cumulativamente e a
comprovação de atendimento deverá ser feita na data da posse por meio de documentação original,
juntamente com fotocópia.
3.3 A falta de comprovação de qualquer um dos requisitos especificados no item 3.1 deste Edital impedirá
a posse do candidato.
4 INSCRIÇÕES
4.1 Disposições Gerais
4.1.1 As inscrições serão efetuadas exclusivamente nas formas descritas neste Edital.
4.1.2 Antes de efetuar a inscrição e/ou o pagamento da taxa de inscrição, o candidato deverá tomar
conhecimento do disposto neste Edital e em seus Anexos e certificar-se de que preenche todos os
requisitos exigidos.
4.1.3 A inscrição do candidato implicará o conhecimento e a tácita aceitação das normas e condições
estabelecidas neste Edital, em relação às quais não poderá alegar desconhecimento.
4.1.4 Não haverá, sob qualquer pretexto, inscrição provisória, condicional ou extemporânea.
4.1.5 Não será admitida, sob qualquer pretexto, inscrição feita por fax, via postal, correio eletrônico ou
outro meio que não os estabelecidos neste Edital.
4.1.6 A Ficha Eletrônica de Isenção, o Requerimento Eletrônico de Inscrição e o valor pago referente à
taxa de inscrição são pessoais e intransferíveis.
4.1.7 O pagamento da taxa de inscrição, por si só, não confere ao candidato o direito de submeter-se às
etapas deste Concurso Público.
4.1.8 O candidato poderá concorrer somente para um único cargo/especialidade, conforme discriminado
no Anexo A deste Edital, devendo indicá-lo no Requerimento Eletrônico de Inscrição ou na Ficha
Eletrônica de Isenção.
4.1.9 Em nenhuma hipótese serão aceitos pedidos de alteração do cargo/especialidade, indicado pelo
candidato no Requerimento Eletrônico de Inscrição.
4.1.10 Em nenhuma hipótese será aceita transferência de inscrições entre pessoas, alteração de locais
de realização das provas e alteração da inscrição do concorrente na condição de candidato da ampla
concorrência para a condição de portador de deficiência.
4.1.11 A declaração falsa ou inexata dos dados constantes no Requerimento Eletrônico de Inscrição ou
na Ficha Eletrônica de Isenção determinará o cancelamento da inscrição e anulação de todos os atos
dela decorrentes, em qualquer época, sem prejuízo das sanções civis e penais cabíveis.
4.1.12 As informações constantes no Requerimento Eletrônico de Inscrição ou na Ficha Eletrônica de
Isenção são de inteira responsabilidade do candidato, eximindo-se a Prefeitura Municipal de Nova Lima e
a FUNDEP de quaisquer atos ou fatos decorrentes de informações incorretas, endereço inexato,
incompleto ou código incorreto referente ao cargo/especialidade pretendidos fornecidos pelo candidato.
4.1.13 A Prefeitura Municipal de Nova Lima e a FUNDEP não se responsabilizam por inscrições não
recebidas por falhas de comunicação, congestionamento das linhas de comunicação, falhas de
impressão, problemas de ordem técnica nos computadores utilizados pelos candidatos, bem como por
outros fatores alheios que impossibilitem a transferência dos dados e a impressão do boleto bancário.
4.1.14 Não se exigirá do candidato cópia de nenhum documento, no ato do preenchimento do
Requerimento Eletrônico de Inscrição ou da Ficha Eletrônica de Isenção, sendo de sua exclusiva
responsabilidade a veracidade dos dados informados.
4.1.15 Não poderá ser nomeado o candidato aprovado no Concurso Público que tenha 70 (setenta) anos
de idade ou mais, nos termos do art. 40, Inciso II da Constituição da República.
4.2 Taxas, procedimentos para inscrição e formas de pagamento
4.2.1 A inscrição do candidato implicará o conhecimento das presentes instruções e a aceitação das
condições do Concurso Público, tais como se acham estabelecidas neste Edital e nas normas legais
pertinentes, bem como em eventuais aditamentos e instruções específicas para a realização do certame,
acerca das quais não poderá alegar desconhecimento.
4.2.2 Os valores a serem pagos a títulos de Taxa de Inscrição, para os cargos/especialidades, serão os
seguintes:
a) Nível Fundamental Completo: R$ 25,00 (vinte e cinco reais);
b) Nível Médio e Técnico: R$ 45,00 (quarenta e cinco reais);
c) Nível Superior: R$ 70,00 (setenta reais);
4.2.3 O candidato deverá realizar sua inscrição, no período de 10 de agosto de 2009 a 21 de agosto de
2009, conforme os procedimentos estabelecidos nos itens 4.2.3.1 ao 4.2.3.5 e por uma das seguintes
formas:
a) via internet, acessando o endereço eletrônico <www.fundep.br/concursos> - link correspondente as
inscrições do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Nova Lima - Edital 01/2009, que estará
acessível, das 9 (nove) horas do dia 10 de agosto de 2009 às 19 (dezenove) horas do dia 21 de agosto
de 2009;
4.2.3.1 ler atentamente o Edital disponível no endereço eletrônico <www.fundep.br/concursos>;
4.2.3.2 preencher o Requerimento Eletrônico de Inscrição, indicando o código da opção do
cargo/especialidade para o qual irá concorrer, de acordo com o Anexo A deste Edital, confirmar os dados
cadastrados e transmiti-los pela Internet;
4.2.3.3 gerar e imprimir o boleto bancário para pagamento do valor de inscrição correspondente;
4.2.3.4 efetuar o pagamento, em dinheiro, da importância referente à inscrição expressa no item 4.2.2 de
acordo com o nível de escolaridade do cargo/especialidade para o qual irá concorrer, até o dia 24 de
agosto de 2009.
4.2.3.5 Para a inscrição, conforme disposto no item 4.2.3, alínea b, o candidato deverá comparecer ao
local, no período e horário indicados, munido de CPF e RG - documentos originais e efetuar o pagamento,
em dinheiro, da importância referente à inscrição expressa no item 4.2.2, por meio de boleto bancário que
será entregue no ato da inscrição.
4.2.4 O boleto bancário a que se refere o item 4.2.3.3 será emitido em nome do requerente e deverá ser
impresso em impressora a laser ou jato de tinta para possibilitar a correta impressão e leitura dos dados e
do código de barras e ser pago até o dia 24 de agosto de 2009.
4.2.5 O candidato, para efetivar sua inscrição, deverá obrigatoriamente efetuar o pagamento do valor da
taxa de inscrição impresso no boleto na rede bancária, preferencialmente, no Banco do Brasil,
observados os horários de atendimento e das transações financeiras de cada instituição bancária e
observado a data limite para pagamento (24 de agosto de 2009).
4.2.6 Em caso de feriado ou evento que acarrete o fechamento de agências bancárias na localidade em
que se encontra, o candidato deverá antecipar o pagamento, considerando o 1º dia útil que antecede o
feriado, desde que o pagamento seja feito no período de inscrição determinado neste Edital.
4.2.7 A segunda via do boleto bancário somente estará disponível para impressão durante o período de
inscrição determinado no item 4.2.3 deste Edital, ficando indisponível a partir das 19 horas e 10 minutos
do último dia de inscrição - 21 de agosto de 2009.
4.2.8 A impressão do boleto bancário ou da segunda via do mesmo em outro tipo de impressora é de
exclusiva responsabilidade do candidato, eximindo-se a Prefeitura Municipal de Nova Lima e a FUNDEP
de eventuais dificuldades na leitura do código de barras e conseqüente impossibilidade de efetivação da
inscrição.
4.2.9 Em nenhuma hipótese serão aceitos pedidos de alteração referente ao cargo/especialidade, bem
como devolução dos valores pagos a título de inscrição no certame.
4.2.10 A inscrição somente será processada e validada após a confirmação à FUNDEP, pela instituição
bancária, do pagamento do valor da taxa de inscrição concernente ao candidato, sendo automaticamente
cancelado o requerimento eletrônico de inscrição em que o pagamento não for comprovado.
4.2.11 Serão tornadas sem efeito as solicitações de inscrição cujos pagamentos forem efetuados após a
data estabelecida no item 4.2.3 deste Edital, não sendo devido ao candidato qualquer ressarcimento da
importância paga extemporaneamente.
4.2.12 Não será aceito pagamento da taxa de inscrição por depósito em caixa eletrônico, transferência ou
depósito em conta corrente, DOC, cheque, ordens de pagamento ou qualquer outra forma diferente
daquela prevista neste Edital.
4.2.13 O comprovante provisório de inscrição do candidato será o boleto original, devidamente quitado,
sem rasuras, emendas e outros, em que conste a data da efetivação do pagamento feito até o dia 21 de
agosto de 2009.
4.2.14 Não serão válidas as inscrições cujos pagamentos forem efetuados após a data estabelecida no
boleto bancário.
4.2.15 Não será devolvido o valor da taxa de inscrição pago em duplicidade, ou para
cargos/especialidades diferentes, ou fora do prazo.
4.2.16 Havendo mais de uma inscrição paga, independentemente do cargo/especialidade escolhido,
prevalecerá à última inscrição cadastrada, ou seja, a de data e horário mais recente. As demais inscrições
realizadas não serão consideradas, mesmo que sejam para cargos/especialidades diferentes e o valor da
taxa de inscrição não será devolvido.
4.2.17 A FUNDEP enviará e-mail confirmando o pagamento da inscrição. Em caso do não recebimento
deste, o boleto bancário quitado será o comprovante de requerimento de inscrição do candidato neste
concurso. Para esse fim, o boleto deverá estar autenticado ou acompanhado de respectivo comprovante
do pagamento realizado até a data limite do vencimento 21 de agosto de 2009 não sendo considerado
para tal o simples agendamento de pagamento.
4.2.18. Não será válida a inscrição cujo pagamento seja realizado em desobediência às condições
previstas neste Edital.
4.2.19. Não será efetivada a inscrição se, por qualquer motivo, houver inconsistência do pagamento da
taxa de inscrição, ficando o candidato obrigado a se manifestar, formalmente, nos termos do item 4.2.21 e
seus subitens.
4.2.20. A listagem dos candidatos que tiverem as suas inscrições deferidas será publicada no hall da
Prefeitura Municipal de Nova Lima e divulgada no endereço eletrônico <www.fundep.br/concursos>, até
o dia 31 de agosto de 2009.
4.2.21. Caberá recurso contra o indeferimento de inscrição por problemas ocasionados no pagamento da
taxa de inscrição.
4.2.21.1. O recurso deverá ser apresentado no prazo de 02 (dois) dias úteis, contados do primeiro dia
subseqüente da data de publicação das inscrições deferidas, por uma das seguintes formas:
a) diretamente pelo candidato ou por terceiro, na FUNDEP/Gestão de Concursos, situada à Avenida
Presidente Antônio Carlos, n. 6.627 - Unidade Administrativa II - 3º andar - Campus Pampulha/UFMG -
Belo Horizonte/MG (acesso pela Avenida Antônio Abraão Caram - portão 2), das 9h às 11h30min ou das
13h30min às 16h30min, dentro do prazo previsto no item 4.2.21.1 deste Edital;
b) diretamente pelo candidato ou por terceiro, na Prefeitura Municipal de Nova Lima, situada à Praça
Bernardino de Lima, n. 80, Bairro Centro - Nova Lima/MG, das 9h às 17h, dentro do prazo previsto no
item 4.2.21.1 deste Edital.
4.2.21.2. Os recursos deverão ser entregues digitados, em 02 (duas) vias (original e cópia) em envelope
fechado, tamanho ofício, contendo na parte externa e frontal do envelope os seguintes dados:
a) Concurso Público da Prefeitura Municipal de Nova Lima - Edital n. 01/2009;
b) referência: INDEFERIMENTO DE INSCRIÇÃO;
c) nome completo e número de inscrição do candidato;
d) cargo/especialidade para o qual o candidato está concorrendo.
4.2.21.3. A via original do recurso deverá ser acompanhada, obrigatoriamente, pelo original do
comprovante de pagamento da taxa de inscrição, bem como de toda documentação e das informações
que o candidato julgar necessárias à comprovação da regularidade da inscrição.
4.2.21.4. A decisão relativa ao deferimento ou indeferimento do recurso será publicada no hall da
Prefeitura Municipal de Nova Lima e divulgada no endereço eletrônico <www.fundep.br/concursos>.
4.2.21.5. A fundamentação do recurso contra o Indeferimento de Inscrição estará disponível após a
publicação de que trata o item 4.2.21.4 deste Edital, na sede da FUNDEP/Gestão de Concursos, na
Avenida Presidente Antônio Carlos, n. 6.627 - Unidade Administrativa II - 3º andar - Campus
Pampulha/UFMG - Belo Horizonte (acesso pela Avenida Antônio Abraão Caram - portão 2), das 9h às
11h30min ou das 13h30min às 16h30min e na Prefeitura Municipal de Nova Lima, situada à Praça
Bernardino de Lima, n. 80, Bairro Centro - Nova Lima/MG, das 9h às 17h, até a data limite de
encerramento das inscrições, para ser consultada pelo próprio candidato ou por seu procurador
devidamente constituído
4.3 Da Devolução da Taxa de Inscrição
4.3.1 Em nenhuma hipótese o valor da taxa de inscrição será devolvido ao candidato, salvo nos casos de
cancelamento ou não realização do Concurso Público.
4.3.2 Na hipótese de cancelamento ou não realização do Concurso Público, a restituição da Taxa de
Inscrição deverá ser requerida pelo candidato ou por procurador, devidamente constituído, por meio do
preenchimento e entrega de formulário a ser disponibilizado no endereço eletrônico
<www.fundep.br/concursos>, na FUNDEP/Gestão de Concursos, situada à Avenida Presidente Antonio
Carlos, n. 6.627 - Unidade Administrativa II - 3º andar - Campus Pampulha/UFMG - Belo Horizonte
(entrada pela Avenida Antônio Abraão Caram - portão 2), no horário das 9h às 11h30min ou das
13h30min às 16h30min, ou na Prefeitura Municipal de Nova Lima, situada à Praça Bernardino de Lima, n.
80, Bairro Centro - Nova Lima/MG, no horário das 9h às 17h.
4.3.3 O formulário de restituição da Taxa de Inscrição estará disponível, nos locais indicados no item
4.3.2, em até 03 (três) dias úteis após a data de publicação do ato que ensejou ao cancelamento ou a não
realização do certame.
4.3.4 No formulário, o candidato deverá informar os seguintes dados para obter a restituição da taxa de
inscrição:
a) nome completo, número da identidade e da inscrição do candidato;
b) cargo/especialidade;
c) nome e número do banco, nome e número da agência com dígito, número da conta corrente e CPF do
titular da conta;
d) número de telefones, com código de área, para eventual contato.
4.3.5 O formulário de restituição, devidamente preenchido e acompanhado da cópia do documento de
identidade do candidato, deverá ser entregue, em envelope fechado, tamanho ofício, em até 30 (trinta)
dias após o ato que ensejou ao cancelamento ou a não realização do certame, na sede da
FUNDEP/Gestão de Concursos com acesso pela Avenida Presidente Antônio Carlos, n. 6.627 - Unidade
Administrativa II - 3° andar - Campus Pampulha/UFMG - Belo Horizonte), no horário das 9h às 11h30min
ou das 13h30min às 16h30min, ou na Prefeitura Municipal de Nova Lima, situada à Praça Bernardino de
Lima, n. 80, Bairro Centro - Nova Lima/MG, no horário das 09 às 17h, devendo a entrega obedecer o
prazo estabelecido neste item.
4.3.6 No envelope, na parte frontal, deverá constar Ref. Restituição da Taxa de Inscrição - Concurso
Público da Prefeitura Municipal de Nova Lima - Edital n. 01/2009, nome completo, número da inscrição e
número do documento de identidade.
4.3.7 A restituição da Taxa de Inscrição será processada nos 20 (vinte) dias seguintes ao término do
prazo fixado no item 4.3.5, por meio de depósito bancário na conta indicada no respectivo formulário de
restituição.
4.3.8 O valor a ser restituído ao candidato será corrigido monetariamente pela variação do IGPM desde a
data do pagamento da inscrição até a data da efetiva restituição.
5 VAGAS DESTINADAS AOS CANDIDATOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA
5.1 Disposições Gerais
5.1.1 Nos termos do disposto no inciso VIII, do artigo 37 da Constituição da República, no inciso III, do
artigo 2° da Lei Federal 7.853, de 24 de outubro de 1989, nos artigos 4° e 37 do Decreto Regulamentador
3.298, de 20 de dezembro de 1999, alterados pelo Decreto 5.296, de 02 de dezembro de 2004, fica
reservado o percentual de 10% (dez por cento), das vagas oferecidas, por cargo/especialidade, neste
Edital e das que vierem a ser criadas durante o prazo de validade deste Concurso Público.
5.1.1.1 As vagas reservadas aos candidatos portadores de deficiência está contida no total de vagas
oferecidas e distribuídas neste Concurso Público, conforme discriminado no Quadro de Vagas do Anexo
A deste Edital, em conformidade como disposto no Dec. n. 3.298 de 20 de dezembro de 1999.
5.1.2 As deficiências dos candidatos, admitida a correção por equipamentos, adaptações, meios ou
recursos especiais, devem permitir o desempenho adequado das atribuições especificadas para o cargo.
5.1.3 O candidato portador de deficiência, ao se inscrever no Concurso Público, deverá observar a
compatibilidade das atribuições do cargo ao qual pretende concorrer com a deficiência da qual é portador.
5.1.4 Os candidatos portadores de deficiência, resguardadas as condições previstas no Decreto Federal
n. 3.298/1999, particularmente em seu art. 40, participarão do Concurso Público em igualdade de
condições com os demais candidatos, no que se refere ao conteúdo das provas, à avaliação e aos
critérios de aprovação, ao dia, horário e local de aplicação das provas e à nota mínima exigida.
5.1.5. Para fins de reserva de vagas prevista item 5.1.1 deste Edital, somente serão consideradas como
pessoas portadoras de deficiência aquelas que se enquadrem nas situações previstas no art. 4° do
Decreto Federal n° 3.298/1999, conforme as seguintes definições:
a) Deficiência física: alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano,
acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia,
paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia,
hemiparesia, ostomia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, nanismo, membros com
deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam
dificuldades para o desempenho das funções;
b) Deficiência auditiva: perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida
por audiograma nas freqüências de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz;
c) Deficiência visual: cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou menor que 0,05 no melhor olho, com a
melhor correção óptica; a baixa visão, que significa acuidade visual entre 0,3 e 0,5 no melhor olho, com a
melhor correção óptica; os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos
for igual ou menor que 60°, ou a ocorrência simultânea de quaisquer condições anteriores;
d) Deficiência mental: funcionamento intelectual significativamente inferior à média, com manifestação
antes dos dezoito anos e limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas, tais
como: comunicação, cuidado pessoal, habilidades sociais; utilização dos recursos da comunidade; saúde
e segurança; habilidades acadêmicas; lazer e trabalho;
e) Deficiência múltipla: associação de duas ou mais deficiências.
5.2 Procedimentos Especiais para Inscrição:
5.2.1 O candidato portador de deficiência, durante o preenchimento do Requerimento Eletrônico de
Inscrição, além de observar os procedimentos descritos no item 4 e seus subitens, deste Edital, deverá
proceder da seguinte forma:
a) informar se é portador de deficiência;
b) indicar o tipo de deficiência;
c) especificar a deficiência;
d) informar se necessita de condições especiais para a realização das provas;
e) manifestar interesse em concorrer às vagas destinadas aos portadores de deficiência;
f) enviar laudo médico nos termos do item 5.2.4 deste Edital.
5.2.2 O candidato portador de deficiência que não preencher os campos específicos do Requerimento
Eletrônico de Inscrição e não cumprir o determinado neste edital terá a sua inscrição processada como
candidato de ampla concorrência e não poderá alegar posteriormente essa condição para reivindicar a
prerrogativa legal.
5.2.3 O candidato portador de deficiência que desejar concorrer às vagas de ampla concorrência poderá
fazê-lo por opção e responsabilidade pessoal, informando a referida opção no Requerimento Eletrônico
de Inscrição, não podendo, a partir de então, concorrer às vagas reservadas para portadores de
deficiência, conforme disposição legal.
5.2.4 O candidato deverá entregar Laudo Médico, original ou cópia autenticada em serviço notarial e de
registros (Cartório de Notas), expedido no prazo máximo de 90 (noventa) dias antes do término das
inscrições, o qual deverá atestar a espécie e o grau ou nível de deficiência, com expressa referência ao
código correspondente da Classificação Internacional de Doença - CID - com a provável causa da
deficiência.
5.2.4.1 O Laudo Médico deverá ser entregue, em envelope fechado, diretamente pelo candidato ou por
terceiro, dentro do período de inscrições, nos seguintes endereços:
a) na Prefeitura Municipal de Nova Lima, Seção de Protocolo, situada à Praça Bernardino de Lima, n° 80,
andar térreo, Bairro Centro - Nova Lima, das 9h as 17h;
b) na FUNDEP/Gestão de Concursos, situada à Avenida Presidente Antônio Carlos, n. 6.627 - Unidade
Administrativa II - 3° andar, Campus Pampulha/UFMG, Belo Horizonte - MG (acesso pela Avenida Antônio
Abraão Caram - portão 2), das 9h às 11h30min ou das 13h30min às 16h30min.
5.2.4.2 No envelope, na parte frontal, o candidato deverá constar: Concurso Público Prefeitura Municipal
de Nova Lima - Edital n. 01/2009 - Ref.: Laudo Médico, o nome completo, número de inscrição e do
documento de identidade, bem como a especificação do cargo/especialidade para a qual concorre.
5.2.4.3 O Laudo Médico será considerado para análise do enquadramento previsto no artigo 4° do
Decreto Federal n° 3.298/1999, bem como para assegurar previsão de adaptação da prova do candidato.
5.2.4.4 O Laudo Médico mencionado terá validade somente para este Concurso Público e não será
devolvido, ficando a sua guarda sob a responsabilidade da Prefeitura Municipal de Nova Lima.
5.2.4.5 Encerrado o período das inscrições, a Equipe Multiprofissional designada pela Prefeitura Municipal
de Nova Lima analisará o Laudo Médico encaminhado pelo candidato, verificando se há correspondência
entre a Classificação Internacional de Doença - CID - constante do respectivo laudo e as exigências do
Decreto Federal n°. 3.298/1999 e suas alterações. Em caso negativo, a inscrição como candidato
portador de deficiência será indeferida e o candidato, nessas circunstâncias, será inscrito no Concurso
Público como candidato às vagas de ampla concorrência.
5.3. Procedimentos para Solicitação de Condições Especiais para Realização das Provas
5.3.1. O candidato que não estiver concorrendo às vagas reservadas a portadores de deficiência e que
por alguma razão necessitar de atendimento especial para a realização das provas, deverá fazer o
requerimento, indicando as condições de que necessita para a realização das provas e as razões de sua
solicitação. A concessão do atendimento especial fica condicionada à possibilidade técnica examinada
pela FUNDEP.
5.3.2. O candidato portador de deficiência poderá requerer, no ato da inscrição, a condição especial para
a realização das provas, indicando a condição de que necessita para a realização destas, conforme
previsto no artigo 40, §§ 1° e 2°, do Decreto Federal n°. 3.298/1999 e suas alterações.
5.3.3. A realização de provas nas condições especiais solicitadas pelo candidato portador de deficiência,
assim considerada aquela que possibilita a prestação do exame respectivo, será condicionada à
solicitação do candidato e à legislação específica, devendo ser observada a possibilidade técnica
examinada pela FUNDEP.
5.3.4. O candidato portador de deficiência, além do envio do Laudo Médico indicado no item 5.2.4 deste
Edital, deverá assinalar, no Requerimento Eletrônico de Inscrição, exclusivamente no período das
inscrições, a condição especial de que necessitar para a realização da prova, quando houver.
5.3.5. Os candidatos portadores de deficiência que eventualmente não procederem conforme disposto no
item 5.3.4, não indicando no formulário a condição especial de que necessita, poderão fazê-lo, até o
término das inscrições, por meio de requerimento de próprio punho, datado e assinado, devendo este ser
enviado à FUNDEP, acompanhado do respectivo Laudo Médico, conforme disposto neste Edital.
5.3.6. Na falta do Laudo Médico ou não contendo este as informações indicadas no item 5 e seus
subitens ou for entregue fora do prazo, o candidato perderá o direito de concorrer às vagas destinadas
neste Edital, aos candidatos portadores de deficiência, mesmo que declarada tal condição no
Requerimento Eletrônico de Inscrição, bem como não terá atendida a condição especial para realização
das provas.
5.3.7. O candidato portador de deficiência que necessitar de tempo adicional para a realização das provas
deverá encaminhar parecer emitido por especialista da área de sua deficiência justificando a necessidade
de tempo adicional, nos termos do § 2° do art. 40, do Decreto Federal n° 3.298/1999, até o término do
período das inscrições.
5.3.8. Aos deficientes visuais (cegos), que solicitarem prova especial em Braile, serão oferecidas provas
nesse sistema.
5.3.9. Aos deficientes visuais (amblíopes), que solicitarem prova especial ampliada, serão oferecidas
provas com tamanho de letra correspondente a corpo 24.
5.4 Resultado da Análise dos Laudos Médicos e/ou pedidos de condições especiais
5.4.1. Será publicado no hall da Prefeitura Municipal de Nova Lima e divulgado no endereço eletrônico
<www.fundep.br/concursos>, até o dia 31 de agosto de 2009, o resultado da análise dos laudos
médicos dos candidatos que tiveram suas inscrições como portador de deficiência e/ou pedido de
condições especiais deferidos/indeferidos, de acordo com parecer da Equipe Multiprofissional designada
pela Prefeitura Municipal de Nova Lima.
5.4.2 O candidato disporá de 02 (dois) dias úteis contados do 1° dia útil subseqüente à data da publicação
da relação citada no item 5.4.1, para contestar o indeferimento por meio de recurso.
5.4.3 O recurso deverá ser entregue, diretamente pelo candidato ou por terceiro, com indicação precisa
do objeto em que o candidato se julgar prejudicado, no prazo determinado no item 5.4.2, nos seguintes
endereços:
a) na Prefeitura Municipal de Nova Lima, Seção de Protocolo, situada à Praça Bernardino de Lima, nº 80,
andar térreo, Bairro Centro - Nova Lima, das 9h as 17h;
b) na FUNDEP/Gestão de Concursos, situada à Avenida Presidente Antônio Carlos, n. 6.627 - Unidade
Administrativa II - 3º andar, Campus Pampulha/UFMG, Belo Horizonte - MG. (acesso pela Avenida
Antônio Abraão Caram - portão 2), das 9h as 11h30min ou das 13h30min as 16h30min.
5.4.3.1 Os recursos deverão ser entregues digitados, em duas (02) vias (original e cópia) em envelope
fechado, tamanho ofício, contendo na parte externa e frontal do envelope os seguintes dados:
a) Concurso Público Prefeitura Municipal de Nova Lima - Edital n. 01/2009 - Ref.: Recurso - Laudo
Médico;
b) referência: INDEFERIMENTO DA ANÁLISE DOS LAUDOS MÉDICOS;
c) nome completo e número de inscrição do candidato;
d) cargo/especialidade para o qual o candidato está concorrendo.
5.4.4 Não serão aceitos pedidos de revisão após o prazo determinado no item 5.4.2.
5.4.5 A decisão relativa ao julgamento dos recursos será publicada no hall da Prefeitura Municipal de
Nova Lima e divulgada no endereço eletrônico <www.fundep.br/concursos>.
5.4.6 A fundamentação referente ao julgamento dos recursos estará disponível após a publicação de que
trata o item 5.4.5. deste Edital, na sede da FUNDEP/Gestão de Concursos, na Avenida Presidente
Antônio Carlos, n. 6.627 - Unidade Administrativa II - 3º andar - Campus Pampulha/UFMG - Belo
Horizonte (acesso pela Avenida Antônio Abraão Caram - portão 2), das 9h às 11h30min ou das 13h30min
às 16h30min,e na Prefeitura Municipal de Nova Lima, situada à Praça Bernardino de Lima, n.80, Centro -
Nova Lima - MG, das 9h as 17h, até a data de homologação deste Concurso Público, para ser consultada
pelo próprio candidato ou por seu procurador devidamente constituído.
6 COMPROVANTE DEFINITIVO DE INSCRIÇÃO - CDI
6.1 A FUNDEP enviará ao candidato, pelos Correios, para o endereço informado no Requerimento
Eletrônico de Inscrição, o Comprovante Definitivo de Inscrição - CDI, que conterá a indicação da data,
horário e local de realização das provas e o divulgará no endereço eletrônico
<www.fundep.br/concursos>, para consulta pelo próprio candidato, até 05 (cinco) dias úteis antes da
data de realização das provas.
6.2 O envio de comunicação pessoal dirigida ao candidato, ainda que extraviada ou por qualquer motivo
não recebida, não desobriga o candidato de consultar o endereço eletrônico
<www.fundep.br/concursos> para obter as informações necessárias sobre horários e locais das provas.
6.3 No caso de não-recebimento do CDI até 05 (cinco) dias úteis antes da data programada para a
realização das provas, o candidato deverá entrar em contato com a FUNDEP, para as devidas
orientações, pelo telefone (31) 3409-6827, pelo e-mail: concursos@fundep.ufmg.br, ou pessoalmente ou,
ainda, por terceiro, na FUNDEP/Gestão de Concursos, situada à Avenida Presidente Antônio Carlos, n.
6.627 - Unidade Administrativa II, 3º andar, (acesso pela Avenida Antônio Abraão Caram - Portão 2)
Campus Pampulha/UFMG, Belo Horizonte-MG, das 9h as 11h30min ou das 13h30min as 16h30min.
6.4 No CDI estarão expressos o nome completo do candidato, o número do documento de identidade, o
cargo/especialidade, a data, o horário, o local da realização das provas (escola/prédio/sala), a data de
nascimento e outras orientações úteis ao candidato.
6.5. É obrigação do candidato conferir no CDI seu nome, o número do documento utilizado na inscrição, a
sigla do órgão expedidor, o cargo/especialidade ao qual concorrerá, bem como a data de nascimento.
6.6. Eventuais erros de digitação ocorridos no nome do candidato, no número do documento de
identidade utilizado na inscrição, na sigla do órgão expedidor ou na data de nascimento deverão ser
comunicados pelo candidato ao aplicador de provas, no dia, no horário e no local de realização da prova
objetiva e constarão no Relatório de Ocorrências.
6.7. Em nenhuma hipótese serão efetuadas alterações e/ou retificações nos dados informados pelo
candidato no Requerimento Eletrônico de Inscrição, relativos ao cargo/especialidade e nem quanto à
condição em que concorre.
7. ETAPAS DO CONCURSO
7.1. A seleção dos candidatos será realizada da seguinte forma:
a) a primeira etapa será constituída de Prova Objetiva, para todos os cargos/especialidades de caráter
eliminatório e classificatório.
b) a segunda etapa será constituída de Prova de Títulos/Formação Acadêmica para todos os
cargos/especialidades de Nível Superior com caráter classificatório.
8. PRIMEIRA ETAPA
8.1. Prova Objetiva
8.1.1. A Prova Objetiva será aplicada a todos os candidatos deste Concurso Público, e será elaborada
nos termos do Anexo B deste Edital.
8.1.2. A Prova Objetiva versará sobre os conteúdos de acordo com cada cargo/especialidade a que o
candidato estiver concorrendo, conforme especificado no Anexo B deste Edital.
8.1.3 A Prova Objetiva para todos os cargos/especialidades conterá 40 (quarenta) questões de múltipla
escolha com 04 (quatro) alternativas de respostas para cada questão, sendo apenas 01 (uma) alternativa
correta, valendo 2,5 (dois e meio) pontos cada questão, totalizando 100 (cem) pontos.
8.1.4. Será eliminado deste Concurso Público o candidato que:
a) obtiver nota zero em qualquer um dos conteúdos avaliados na Prova Objetiva;
b) não obtiver o mínimo de 60% (sessenta por cento) de acertos no total de pontos distribuídos no
conjunto de conteúdos da Prova Objetiva.
8.2. Condições de Realização das Provas
8.2.1. As provas da primeira etapa deste Concurso Público serão aplicadas no município de Nova Lima,
no dia 26 de setembro de 2009, ficando esta data subordinada à disponibilidade de locais adequados à
realização das provas.
8.2.2. Havendo alteração da data prevista, as provas poderão ocorrer em sábados, domingos ou feriados.
8.2.3. Caso o número de candidatos inscritos exceda à oferta de locais adequados, a FUNDEP reserva-se
o direito de alocá-los em cidades próximas às determinadas para aplicação das provas, não assumindo,
entretanto, qualquer responsabilidade quanto ao transporte e alojamento desses candidatos.
8.2.4. Não haverá segunda chamada para as provas, devendo ser eliminado deste Concurso Público o
candidato ausente por qualquer motivo.
8.2.5. As Provas Objetivas deverão ser realizadas no prazo mínimo de 01 (uma) hora e máximo de 04
(quatro) horas.
8.2.6. Por motivo de segurança, os candidatos somente poderão deixar o local de provas após decorrida
01 (uma) hora do inicio.
8.2.7. O tempo de duração das provas abrange a assinatura e transcrição das respostas para a Folha de
Respostas.
8.2.8. Em nenhuma hipótese haverá prorrogação do tempo de duração das provas, respeitando-se as
condições previstas neste Edital.
8.2.9. Em nenhuma hipótese será permitido ao candidato prestar provas fora da data, do horário
estabelecido ou do espaço físico determinado pela FUNDEP.
8.2.10. O ingresso do candidato na sala para a realização das provas somente será permitido dentro do
horário estabelecido pela FUNDEP, informado no CDI e divulgado na internet pelo endereço eletrônico
<www.fundep.br/concursos>.
8.2.11. Os candidatos deverão comparecer aos locais de prova 60 (sessenta) minutos antes do horário
previsto para o início da realização das provas, munidos do original de documento de identidade oficial
com foto, de caneta esferográfica de tinta azul ou preta, lápis, borracha e, preferencialmente, do
Comprovante Definitivo de Inscrições - CDI.
8.2.12. No caso de perda, roubo ou na falta do documento de identificação com o qual se inscreveu neste
Concurso Público, o candidato poderá apresentar outro documento de identificação equivalente, conforme
disposto no item 8.3.13 deste Edital.
8.2.13. Serão considerados documentos de identidade oficial: Cédula Oficial de Identidade (RG), Carteira
expedida por Órgão ou Conselho de Classe (OAB, CREA, CRA, etc.), Carteira de Trabalho e Previdência
Social, Certificado de Reservista, Carteira de Motorista com foto e Passaporte válido.
8.2.14. O documento de identificação deverá estar em perfeita condição a fim de permitir, com clareza, a
identificação do candidato e deverá conter, obrigatoriamente, filiação, fotografia, data de nascimento e
assinatura.
8.2.15. Não serão aceitos documentos de identidade com prazos de validade vencidos, ilegíveis, não
identificáveis e/ou danificados, podendo o candidato ser submetido à identificação especial que
compreende a coleta de assinatura e a impressão digital em formulário próprio.
8.2.15.1. O candidato não poderá deixar o local determinado para a realização das provas até que seja
feita sua identificação digital.
8.2.16. O candidato deverá apor sua assinatura na lista de presença, de acordo com aquela constante no
seu documento de identidade.
8.2.17. Depois de identificado e instalado, o candidato somente poderá deixar a sala mediante
consentimento prévio, acompanhado de um fiscal ou sob a fiscalização da equipe de aplicação de provas.
8.2.18. Não será permitida nos locais de realização das provas a entrada e/ou permanência de pessoas
não autorizadas pela FUNDEP, observado o previsto no item 8.2.39.6 deste Edital.
8.2.19. A inviolabilidade das provas será comprovada no momento do rompimento do lacre dos malotes,
mediante termo formal, na presença de, no mínimo, 02 (dois) candidatos convidados aleatoriamente nos
locais de realização das provas.
8.2.20. Será proibido, durante a realização das provas, fazer uso ou portar, mesmo que desligados,
telefone celular, relógio digital, pagers, bipe, agenda eletrônica, calculadora, walkman, notebook, palmtop,
gravador, transmissor/receptor de mensagens de qualquer tipo ou qualquer outro equipamento eletrônico,
podendo a organização deste Concurso Público vetar o ingresso do candidato com outros aparelhos além
dos anteriormente citados.
8.2.21. O candidato deverá levar somente os objetos citados no item 8.2.11 deste Edital. Caso assim não
proceda, os pertences pessoais serão deixados em local indicado pelos aplicadores durante todo o
período de permanência dos candidatos no local da prova, não se responsabilizando a FUNDEP nem a
Prefeitura do Município de Nova Lima por perdas, extravios ou danos que eventualmente ocorrerem.
8.2.22. Os objetos ou documentos perdidos durante a realização das provas, que porventura venham a
ser entregues à FUNDEP, serão guardados pelo prazo de 90 (noventa) dias e encaminhados,
posteriormente à Seção de Achados e Perdidos dos Correios.
8.2.23. Durante o período de realização das provas, não será permitida qualquer espécie de consulta ou
comunicação entre os candidatos ou entre estes e pessoas estranhas, oralmente ou por escrito, assim
como não será permitido o uso de livros, códigos, manuais, impressos, anotações ou quaisquer outros
meios.
8.2.24. Durante o período de realização das provas, não será permitido o uso de óculos escuros, bonés,
chapéus e similares.
8.2.25. Será vedado ao candidato o porte de arma (s) no local de realização das provas, ainda que de
posse de documento oficial de licença para o respectivo porte.
8.2.26 As instruções constantes nos Cadernos de Questões da Prova Objetiva e na Folha de Respostas
complementam este Edital e deverão ser rigorosamente observadas e seguidas pelo candidato.
8.2.27 Ao terminar as provas ou findo o prazo limite para sua realização, o candidato deverá entregar ao
Aplicador de Sala, o Caderno de Questões da Prova Objetiva e Folha de Respostas da Prova Objetiva
devidamente preenchida e assinada.
8.2.28. O candidato poderá ser submetido a detector de metais durante a realização das provas.
8.2.29 Será eliminado deste Concurso Público o candidato que apresentar-se após o fechamento dos
portões.
8.2.30 Poderá, ainda, ser eliminado o candidato que:
a) tratar com falta de urbanidade examinadores, auxiliares, aplicadores ou autoridades presentes;
b) estabelecer comunicação com outros candidatos ou com pessoas estranhas a este Concurso Público,
por qualquer meio;
c) usar de meios ilícitos para obter vantagem para si ou para outros;
d) portar arma (s) no local de realização das provas, ainda que de posse de documento oficial de licença
para o respectivo porte;
e) portar, mesmo que desligados ou fizer uso, durante o período de realização das provas, de qualquer
equipamento eletrônico, como relógio digital, calculadora, walkman, notebook, palm-top, agenda
eletrônica, gravador ou outros similares, ou de instrumentos de comunicação interna ou externa, tais
como telefone celular, beep, pager entre outros;
f) fizer uso de livros, códigos, manuais, impressos e anotações;
g) deixar de atender as normas contidas nos Cadernos de Provas, na Folha de Respostas e demais
orientações expedidas pela FUNDEP;
h) recusar-se a se submeter a detector de metais e identificação digital;
i) deixar de entregar o Caderno de Questões e a Folha de Respostas da Prova Objetiva ao terminar as
provas ou findo o prazo limite para sua realização.
8.2.31. Caso ocorra alguma situação prevista no item 8.2.30 deste Edital, a FUNDEP lavrará ocorrência e,
em seguida, encaminhará o referido documento para Comissão do Concurso Público, a fim de que sejam
tomadas as providências cabíveis.
8.2.32. Somente serão permitidos assinalamentos na Folha de Respostas feitos com caneta esferográfica
de tinta azul ou preta, vedada qualquer colaboração ou participação de terceiros, respeitadas as
condições solicitadas e concedidas a portadores de deficiência.
8.2.33. O candidato não poderá amassar, molhar, dobrar, rasgar ou, de qualquer modo, danificar sua
Folha de Respostas, sob pena de arcar com os prejuízos advindos da impossibilidade de sua correção.
8.2.34. Não haverá substituição da Folha de Respostas por erro do candidato, salvo em situações que a
FUNDEP julgar necessário.
8.2.35. As questões das Provas Objetivas serão divulgadas no endereço eletrônico
<www.fundep.br/concursos> no 2° (segundo) dia subseqüente à realização das provas.
8.2.36. Na correção da Folha de Respostas da Prova Objetiva, serão computadas como erros as
questões não assinaladas, as que contenham mais de uma resposta ou as rasuradas.
8.2.37. Será considerada nula a Folha de Respostas da Prova Objetiva que estiver marcada ou escrita,
respectivamente, a lápis, bem como qualquer forma de identificação do candidato fora do lugar
especificamente indicado para tal finalidade.
8.2.38. Os gabaritos das provas objetivas serão publicados no 2° (segundo) dia subseqüente ao da
realização das provas no hall da Prefeitura Municipal de Nova Lima e divulgado no endereço eletrônico
<www.fundep.br/concursos>.
8.2.39. A candidata lactante que necessitar amamentar durante a realização da prova poderá fazê-lo,
desde que assim o requeira conforme o disposto no item 8.2.39.1 deste Edital.
8.2.39.1. A solicitação deverá ser feita em até 07 (sete) dias úteis antes da data de realização da prova,
por meio de requerimento, datado e assinado, entregue pessoalmente ou por terceiro, na Prefeitura
Municipal de Nova Lima, Seção de Protocolo, situada à Praça Bernardino de Lima, n. 80, Bairro Centro -
Nova Lima/MG, andar térreo, das 9h as 17hs, ou enviado, via FAX (31) 3409-6826 ou e-mail
concursos@fundep.ufmg.br à FUNDEP/Gestão de Concursos situada à Avenida Presidente Antônio
Carlos, n. 6.627 - Unidade Administrativa II - 3° andar - Campus Pampulha/UFMG - Belo Horizonte/MG
(acesso pela Avenida Antônio Abraão Caram - portão 2), das 9h as 11h30min ou das 13h30min as
16h30min.
8.2.39.2. A candidata que não apresentar a solicitação no prazo estabelecido no item 8.2.39.1 deste
Edital, seja qual for o motivo alegado, poderá não ter a solicitação atendida por questões de não
adequação das instalações físicas do local de realização das provas.
8.2.39.3. Na hipótese de não cumprimento do prazo estipulado no item 8.2.39.1 deste Edital, o
atendimento às condições solicitadas ficará sujeito à análise de viabilidade e razoabilidade do pedido pela
FUNDEP.
8.2.39.4. Não haverá compensação do tempo de amamentação em favor da candidata.
8.2.39.5. Para amamentação, a criança deverá permanecer no ambiente a ser determinado pela
coordenação local deste Concurso Público.
8.2.39.6. A criança deverá estar acompanhada somente de um adulto responsável por sua guarda
(familiar ou terceiro indicado pela candidata), e a permanência temporária desse adulto, em local
apropriado, será autorizada pela Coordenação deste Concurso Público.
8.2.39.7. A candidata, durante o período de amamentação, será acompanhada de um Aplicador, do sexo
feminino, da FUNDEP que garantirá que sua conduta esteja de acordo com os termos e condições deste
Edital.
9. SEGUNDA ETAPA
9.1. A segunda etapa será constituída de Prova de Títulos/Formação Acadêmica para todos os
cargos/especialidades de Nível Superior, que obedecerá aos critérios estabelecidos no Anexo C deste
Edital.
9.2. Os candidatos serão convocados para Prova de Títulos mediante publicação no hall da Prefeitura do
Município de Nova Lima e divulgação no endereço eletrônico <www.fundep.br/concursos>, devendo
apresentar a documentação em data, horário e endereço especificados na referida publicação.
9.3. O candidato deverá apresentar a documentação em envelope lacrado, tamanho ofício, contendo
externamente, em sua face frontal, os seguintes dados:
a) Concurso Público da Prefeitura Municipal de Nova Lima - PROVA DE TÍTULOS - Edital n. 01/2009;
b) nome completo e número de inscrição do candidato;
c) especificação do cargo/especialidade para o qual está concorrendo.
9.4. Será da exclusiva responsabilidade do candidato a entrega da documentação referente a títulos.
9.5. Todos os títulos deverão ser entregues de uma única vez, não se admitindo complementação,
suplementação, inclusão e/ou substituição de documentos.
9.6. Não serão aceitos títulos entregues fora do prazo por fax, via postal, internet ou qualquer outra forma
não prevista na publicação de que trata o item 9.2 deste Edital.
9.7. Quando a documentação estiver relacionada a certificados ou diplomas de cursos, estes deverão ser
apresentados mediante cópia - frente e verso - devidamente autenticada em serviço notarial e de registros
(Cartório de Notas).
9.8. O candidato poderá apresentar mais de um título, observados os valores máximos para pontuação
dispostos no Anexo C deste Edital.
9.9. As certidões ou declarações de conclusão dos cursos mencionados no Anexo C deste Edital referem-
se a cursos comprovadamente concluídos.
9.10. Somente serão aceitas certidões ou declarações de instituição de ensino superior legalmente
reconhecida pelo sistema de ensino, conforme a legislação em vigor.
9.11. Os títulos referentes à conclusão de Curso de Pós-Graduação em nível de Mestrado ou de
Doutorado, além do exigido para a posse, deverão ser de cursos reconhecidos pela Coordenação de
Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES - do Ministério da Educação e Cultura - MEC.
Caso o candidato ainda não detenha a posse de seu diploma de mestrado e doutorado, deverá
apresentar em seu lugar a ata da dissertação e ata da defesa de tese, acompanhadas da declaração do
coordenador do curso atestando a aprovação.
9.12. O título referente a curso de Pós-Graduação, além do exigido para a posse, quando for realizado no
exterior somente será considerado válido se o documento estiver traduzido para o português, por tradutor
juramentado e em conformidade com as normas estabelecidas na Resolução n. 01, de 03 de abril de
2001, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação.
9.15. Em nenhuma hipótese serão devolvidas ou disponibilizadas cópias, aos candidatos, dos
documentos referentes aos títulos.
9.16. Serão recusados, liminarmente, os títulos que não atenderem às exigências deste edital.
10. CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO E DESEMPATE
10.1. O Resultado Final deste Concurso Público será aferido pelo somatório dos pontos obtidos na
Primeira Etapa e na Segunda Etapa.
10.2. No Resultado Final, os candidatos aprovados e classificados constarão na ordem decrescente do
total de pontos obtidos no somatório de que trata o item 10.1 por cargo e respectivas especialidades para
as quais concorreram.
10.3. Havendo empate na totalização dos pontos, por cargo/especialidade, terá preferência o candidato
com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, na forma do disposto no parágrafo único do art. 27 da
Lei Federal n. 10.741, de 1º de outubro de 2003 - Estatuto do Idoso.
10.4. Persistindo o empate, o desempate beneficiará o candidato que, na ordem a seguir, tenha obtido,
sucessivamente:
10.4.1. para os cargos/especialidades Nível Fundamental Completo:
a) maior pontuação no conteúdo de Conhecimentos Gerais / Legislação Municipal;
b) maior pontuação no conteúdo de Língua Portuguesa;
c) maior pontuação no conteúdo de Matemática.
10.4.2. para os cargos/especialidades Nível Médio/Técnico Completo:
a) maior pontuação no conteúdo de Conhecimentos Específicos;
b) maior pontuação no conteúdo de Conhecimentos Gerais / Legislação Municipal;
c) maior pontuação no conteúdo de Língua Portuguesa.
10.4.3. para os cargos/especialidades Nível Superior:
a) maior pontuação no conteúdo de Conhecimentos Específicos;
b) maior pontuação no conteúdo de Conhecimentos Gerais / Legislação Municipal;
c) maior pontuação no conteúdo de Língua Portuguesa.
10.5 Persistindo o empate com aplicação dos itens 10.4.1 ao 10.4.3, será dada preferência, para efeito de
classificação, ao candidato de maior idade, assim considerando "dia, mês e ano de nascimento", e
desconsiderando "hora de nascimento".
10.6 Persistindo, ainda, o empate na classificação com a aplicação do item 10.5, será processado sorteio
público para definição de ordem de classificação.
10.7. A relação com os candidatos aprovados e classificados na ampla concorrência por
cargo/especialidade será publicada no hall da Prefeitura Municipal de Nova Lima e divulgada no endereço
eletrônico <www.fundep.br/concursos>.
10.8. O candidato portador de deficiência, se aprovado, além de figurar na lista de classificação
correspondente às vagas de ampla concorrência, terá seu nome publicado em lista específica de
classificação dos portadores de deficiência.
10.9. O resultado final deste Concurso Público contendo as relações discriminadas nos itens 10.7 e 10.8,
será publicado no hall da Prefeitura Municipal de Nova Lima e divulgado no endereço eletrônico
<www.fundep.br/concursos>.
11. RECURSOS
11.1. Caberá interposição de recurso fundamentado, no prazo de 02 (dois) dias úteis, contados do
primeiro dia subseqüente à data de publicação do objeto do recurso, nas seguintes situações:
a) contra questões das Provas Objetivas e gabaritos preliminares;
b) contra a totalização dos pontos obtidos na Prova Objetiva, desde que se refira a erro de cálculo das
notas;
c) contra pontuação atribuída na Prova de Títulos e a classificação final neste Concurso Público.
11.2. Os recursos mencionados no item 11.1 deste Edital deverão ser entregues, com indicação precisa
do objeto em que o candidato se julgar prejudicado, por uma das seguintes formas:
a) diretamente pelo candidato ou por terceiro, na Prefeitura Municipal de Nova Lima, no seguinte
endereço: Praça Bernardino de Lima, n. 80, andar térreo, Bairro Centro - Nova Lima/MG, Setor de
Protocolo, das 9h as 17hs, dentro do prazo previsto no item 11.1 deste Edital;
b) diretamente pelo candidato ou por terceiro, na FUNDEP/Gestão de Concursos, no seguinte endereço:
Avenida Presidente Antônio Carlos, n. 6.627 - Unidade Administrativa II - 3º andar, Campus
Pampulha/UFMG, Belo Horizonte - MG (acesso pela Avenida Antônio Abraão Caram - portão 2), das 9h
as 11h30min ou das 13h30min as 16h30min, dentro do prazo previsto no item 11.1 deste Edital;
11.3. Os recursos deverão ser entregues em 03 (três) vias em envelope fechado, tamanho ofício,
contendo na parte externa e frontal do envelope os seguintes dados:
a) Concurso Público Prefeitura Municipal de Nova Lima - Edital n. 01/2009;
b) nome completo e número de inscrição do candidato;
c) especificação do cargo/especialidade para a qual o candidato está concorrendo.
11.4. O recurso deverá obedecer às seguintes determinações:
a) ser digitado ou datilografado e entregue em 03 (três) vias (uma original e duas cópias);
b) apresentar identificação do candidato apenas na capa de recurso, conforme modelo apresentado neste
edital;
c) não conter qualquer identificação do candidato no corpo do recurso;
d) conter a indicação da questão/nota atribuída que está sendo contestada;
e) ser elaborado com argumentação lógica, consistente e acrescida de indicação de bibliografia
pesquisada pelo candidato para fundamentar seus questionamentos;
f) ser apresentado de forma independente para cada questão, ou seja, cada questão recorrida deverá ser
apresentada em folha separada com capa anexa conforme o modelo apresentado no item 11.14 deste
Edital.
11.5. Admitir-se-á um único recurso por candidato, para cada evento mencionado no item 11.1 deste
Edital, devidamente fundamentado.
11.6. Não serão considerados requerimentos, reclamações, notificações extrajudiciais ou quaisquer
outros instrumentos similares, cujo teor seja objeto de recurso apontado no item 11.1 deste edital.
11.7. Para interposição de recurso mencionado no item 11.1, alíneas "c", o candidato terá vista ao
formulário de avaliação de títulos somente por meio de arquivo digitalizado, no período recursal,
disponibilizado exclusivamente para esta finalidade no endereço eletrônico
<www.fundep.br/concursos>, no link referente ao Concurso Público Prefeitura Municipal de Nova Lima,
em que o candidato deverá informar o número do seu CPF e número de sua inscrição neste Concurso
Público.
11.8. A decisão relativa ao deferimento ou indeferimento do recurso será publicada no hall da Prefeitura
Municipal de Nova Lima e divulgada no endereço eletrônico www.fundep.br/concursos.
11.9. Após a publicação oficial de que trata o item 11.8 deste Edital, a fundamentação da decisão da
Banca Examinadora sobre o recurso ficará disponível para consulta individualizada do candidato no
endereço eletrônico <www.fundep.br/concursos>, até a data da homologação deste Concurso Público.
11.10. A decisão de que trata o item 11.8 deste Edital terá caráter terminativo e não será objeto de
reexame.
11.11. O (s) ponto (s) relativo (s) à (s) questão (ões) eventualmente anulada(s) será (ão) atribuído (s) a
todos os candidatos presentes na prova, independentemente de interposição de recursos.
11.12. Alterado o gabarito oficial pela Comissão de Concurso, de ofício ou por força de provimento de
recurso, as provas serão corrigidas de acordo com o novo gabarito.
11.13. Na ocorrência dos dispostos nos itens 11.11 e 11.12 deste Edital, poderá haver alteração da
classificação inicial obtida para uma classificação superior ou inferior, ou ainda, poderá ocorrer a
desclassificação do candidato que não obtiver a nota mínima exigida.
11.14. MODELO DE CAPA DE RECURSO
Concurso: Prefeitura Municipal de Nova Lima - Edital n. 01/2009
Candidato:
_____________________________________________________________________________
N°. do documento de identidade:
____________________________________________________________
N°. de
inscrição:_________________________________________________________________________
Cargo/especialidade:___________________________________________________________________
___
Data: ____ / ____ / ____
Assinatura:
12. RESULTADO DO CONCURSO
12.1. O Resultado deste Concurso Público será apurado através da soma das notas da Prova Objetiva e
Prova de Títulos, quando for o caso.
12.2. O Resultado deste Concurso Público será publicado no hall da Prefeitura Municipal de Nova Lima e
divulgado no endereço eletrônico <www.fundep.br/concursos>, onde os candidatos terão seus nomes
especificados por cargo/especialidade para os quais concorreram e dispostos em ordem crescente de
classificação.
12.3. Os candidatos que tiverem suas inscrições deferidas para concorrer às vagas destinadas aos
portadores de deficiência, se aprovados neste Concurso Público, terão seus nomes publicados na lista
geral da ampla concorrência e também em lista específica reservada aos portadores de deficiência.
12.4. Após o julgamento dos recursos previstos neste Edital, será publicado o Resultado Final deste
Concurso Público no hall da Prefeitura Municipal de Nova Lima e divulgado no endereço eletrônico
<www.fundep.br/concursos>.
13. HOMOLOGAÇÃO
13.1. O Resultado Final do Concurso Público será homologado pela Prefeitura Municipal de Nova Lima.
13.2. O ato de homologação do Resultado Final deste Concurso Público será publicado no hall da
Prefeitura Municipal de Nova Lima e divulgado no endereço eletrônico <www.fundep.br/concursos>.
14. NOMEAÇÃO
14.1. Concluído este Concurso Público e homologado o Resultado Final, a concretização do ato de
nomeação dos candidatos aprovados dentro do número de vagas ofertado neste Edital obedecerá à
estrita ordem de classificação, ao prazo de validade deste Concurso Público e ao cumprimento das
disposições legais pertinentes.
14.2. O candidato aprovado e classificado neste Concurso Público de que trata este Edital será nomeado
para o cargo/especialidade para a qual se inscreveu, devendo ser observado o número de vagas
estabelecido no Anexo A deste Edital.
14.3. A nomeação será feita, ainda, de acordo com a disponibilidade orçamentária da Administração.
14.4. Em caso de surgimento de novas vagas durante o prazo de validade deste Concurso Público,
observada a disponibilidade financeira e orçamentária, poderão ser nomeados mais candidatos
aprovados, de acordo com a estrita ordem de classificação, sendo 10% (dez por cento) delas destinadas
aos candidatos portadores de deficiência.
14.5. A nomeação dos candidatos portadores de deficiência aprovados e classificados neste Concurso
Público observará, para cada cargo/especialidade, a proporcionalidade e a alternância com os candidatos
de ampla concorrência.
14.6 A nomeação de candidato portador de deficiência classificado dar-se-á para o preenchimento da
décima vaga, da vigésima vaga, da trigésima vaga, e assim sucessivamente, nos termos do disposto no
inciso VIII, do artigo 37 da Constituição Federal, no inciso III, do artigo 2° da Lei Federal 7.853, de 24 de
outubro de 1989, nos artigos 4° e 37 do Decreto Regulamentador 3.298, de 20 de dezembro de 1999,
alterados pelo Decreto 5.296, de 02 de dezembro de 2004.
14.7 A nomeação de um candidato aprovado e classificado como portador de deficiência ensejará a
dedução dessa vaga do total de vagas oferecidas neste Edital para cada cargo/especialidade, em
decorrência do cumprimento da reserva legal disposta no Decreto Regulamentador 3.298, de 20 de
dezembro de 1999, alterados pelo Decreto 5.296, de 02 de dezembro de 2004.
14.8 Cumprida à reserva estabelecida no Decreto Federal n. 3.298, de 20 de dezembro de 1999, e suas
alterações, dar-se-á continuidade ao provimento das vagas destinadas à ampla concorrência.
15. EXAMES MÉDICOS PRÉ- ADMISSIONAIS
15.1 O candidato nomeado deverá se submeter a exames médicos pré-admissionais a ser promovido e
supervisionado pela Prefeitura Municipal de Nova Lima que deverão aferir a aptidão física e mental para
exercício do cargo.
15.2 Na realização dos exames médicos pré-admissionais, o candidato deverá apresentar:
a) formulário oficial fornecido pela Prefeitura Municipal de Nova Lima devidamente preenchido;
b) documento de identidade original;
c) resultado dos seguintes exames complementares, realizados às expensas do candidato: "hemograma
completo", "contagem de plaquetas", "glicemia de jejum", "urina rotina", "anti-HBs AG" e atestado de
higidez mental subscrito por médico psiquiatra;
d) para os Cargos de Professores, apresentar declaração de Fonoaudiólogo, às expensas do candidato,
atestado de aptidão para exercício do cargo.
15.3. No resultado de cada um dos exames descritos no item 15.2, alínea "c" e "d" deste Edital, deverá
constar o número do documento de identidade do candidato e a identificação do profissional que o
realizou.
15.5. Somente serão aceitos resultados originais dos exames, em que devem constar assinatura e
identificação do responsável técnico pelo laboratório.
15.6. Poderão, a critério clínico, serem exigidos novos exames e testes complementares considerados
necessários para a conclusão do exame médico pré-admissional, a expensas do candidato.
15.7. O candidato considerado inapto no exame médico pré-admissional estará impedido de tomar posse
e terá seu ato de nomeação tornado sem efeito.
15.8. O candidato inscrito como portador de deficiência, se aprovado na forma do disposto neste edital,
paralelamente à realização do exame médico pré-admissional, será submetido à inspeção por Junta
Médica a ser designada pela Prefeitura Municipal de Nova Lima.
15.8.1. A inspeção médica de que trata o item 15.8 verificará se existe ou não caracterização da
deficiência declarada pelo candidato, e em seguida emitirá o Atestado de Saúde Ocupacional. A Junta
Médica também deverá averiguar se existe compatibilidade da deficiência declarada pelo candidato com
as atribuições do cargo para o qual foi nomeado, nos termos do art. 43 do Decreto Federal n. 3.298/1999
e suas alterações.
15.8.2. Qualquer candidato, sendo portador de deficiência ou não, que não comparecer no dia, hora e
local marcado para realização da inspeção médica, será eliminado deste Concurso Público. Sendo
candidato às vagas da reserva legal, mas, não considerado portador de deficiência pela Junta Médica nos
termos do art. 4° e seus incisos do Decreto Federal n° 3.298/1999 e suas alterações, perderá este o
direito à vaga reservada aos candidatos portadores de deficiência, e será eliminado da relação específica
e permanecerá na relação de candidatos classificados para a ampla concorrência.
15.8.3. O candidato inscrito como portador de deficiência declarado inapto na inspeção médica em virtude
de incompatibilidade da deficiência com as atribuições do cargo será eliminado deste Concurso Público e
terá seu ato de nomeação tornado sem efeito.
15.8.4. O Atestado de Saúde Ocupacional que caracterize o candidato como não portador de deficiência,
propiciará ao candidato a oportunidade de recorrer à Prefeitura Municipal de Nova Lima, em caso de
inconformismo, no prazo máximo de 02 (dois) dias úteis, contados da data em que a Prefeitura Municipal
de Nova Lima der ciência do referido Atestado ao candidato.
15.8.5. O recurso de que trata o item 15.8.4 deste Edital deverá ser interposto por meio de requerimento
fundamentado e entregue na Prefeitura Municipal de Nova Lima, Praça Bernardino de Lima, nº 80, andra
térreo, Centro, CEP: 34.000-000 - Setor de Protocolo, no horário das 9h as 17h, sendo facultado ao
requerente a juntada dos documentos que julgar convenientes.
15.8.7. O recurso de que trata o item 15.8.4 deste Edital será decidido no prazo máximo de 10 (dez) dias
úteis e, se acatado, poderá a Prefeitura Municipal de Nova Lima convocar o recorrente para nova
inspeção médica a ser realizada por profissionais por ela designados.
15.8.8. O recurso de que trata o item 15.8.4 deste Edital suspenderá o prazo legal para posse do
candidato nomeado até seu trânsito em julgado na esfera administrativa.
15.9. As vagas que não forem providas por falta de candidatos portadores de deficiência aprovados serão
preenchidas pelos demais candidatos, observada a ordem geral de classificação.
15.10. Após a investidura do candidato nomeado como portador de deficiência, a deficiência não poderá
ser arguida para justificar a concessão de aposentadoria, salvo nas hipóteses excepcionais de
agravamento imprevisível da deficiência que impossibilitem a permanência do servidor em atividade.
16. POSSE
16.1. O candidato nomeado deverá tomar posse no prazo de 15 (quinze) dias, contados da data da
publicação do ato de sua nomeação.
16.2. O candidato que não tomar posse dentro do prazo mencionado no item 16.1 deste Edital terá seu
ato de nomeação tornado sem efeito.
16.3. Para tomar posse no cargo em que foi nomeado, o candidato deverá atender aos requisitos de
investidura dispostos no item 3 deste Edital e apresentar obrigatoriamente, os originais e as respectivas
fotocópias simples dos seguintes documentos:
a) documento de identidade reconhecido legalmente em território nacional, com fotografia;
b) título de eleitor e comprovante de votação na última eleição;
c) cadastro nacional de pessoa física - antigo CPF;
d) certificado de reservista ou de dispensa de incorporação, quando for do sexo masculino;
e) comprovante de residência atualizado;
f) comprovante de conclusão da habilitação exigida para o cargo, de acordo com o Anexo D deste Edital,
devidamente reconhecida pelo sistema federal ou pelos sistemas estaduais de ensino;
g) comprovante de registro em órgão de classe, quando se tratar de profissão regulamentada;
h) cartão de cadastramento no PIS/PASEP, se houver;
i) certidão de casamento, quando for o caso;
j) certidão de nascimento dos filhos, quando houver;
k) documento de identidade reconhecido legalmente em território nacional, com fotografia, ou certidão de
nascimento dos dependentes legais, se houver, e documento que legalmente comprove a condição de
dependência;
l) atestado de que não possui registro de antecedentes criminais, emitido pela Secretaria de Segurança
Pública do Estado, onde residiu nos últimos 05 (cinco) anos;
m) Atestado de Saúde Ocupacional - ASO - com conclusão pela aptidão ao exercício do cargo, emitido
pelo serviço médico oficial da Prefeitura Municipal de Nova Lima, em sua falta, o que for indicado;
n) uma foto 3x4 recente.
o) declarações, em formulários específicos:
1. declaração de bens ou valores que integram o patrimônio até a data da posse, ou a última declaração
de imposto de renda;
2. declaração, informando se exerce ou não outro cargo, emprego ou função pública no âmbito federal,
estadual ou municipal;
3. declaração, informando se já é aposentado, por qual motivo e junto a qual regime de previdência social;
4. declaração de não estar cumprindo sanção por inidoneidade, aplicada por qualquer órgão público ou
entidade da esfera federal, estadual ou municipal.
16.5. Estará impedido de tomar posse o candidato que deixar de apresentar qualquer um dos documentos
especificados no item 16.3 deste Edital, bem como deixar de comprovar qualquer um dos requisitos para
investidura no cargo estabelecidos no item 3 deste Edital.
17. EXERCÍCIO E MOVIMENTAÇÃO
17.1. Após tomar posse, o candidato passará à condição de servidor público e deverá entrar em exercício
no prazo de 15 (quinze) dias, contados da data da sua posse.
17.2. O servidor não poderá solicitar remoção, transferência, disposição para outro órgão público ou
qualquer outra forma de movimentação, devendo ser desconsiderada qualquer pretensão nesse sentido.
17.3. A Prefeitura Municipal de Nova Lima poderá, a qualquer tempo, por necessidade e interesse
público, promover a remoção, de ofício, dos profissionais investidos nos cargos/especialidades de que
trata este edital, entre as unidades de sua estrutura orgânica, na forma da lei.
18. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
18.1. A inscrição do candidato implicará a aceitação das normas para este Concurso Público contidas nos
comunicados, neste Edital, em editais complementares, avisos e comunicados a serem publicados.
18.2. Informações e orientações a respeito deste Concurso Público até a data da homologação poderão
ser obtidas através da FUNDEP/Gestão de Concursos, situada à Avenida Presidente Antônio Carlos, n.
6.627 - Unidade Administrativa II, 3º andar, Campus Pampulha/UFMG, Belo Horizonte-MG (acesso pela
Avenida Antônio Abraão Caram - portão 2), das 9h às 11h30min ou das 13h30min às 16h30min, ou pelo
telefone (31) 3409-6827, ou pelo e-mail concursos@fundep.ufmg.br, ou no endereço eletrônico
<www.fundep.br/concursos>.
18.3. É da exclusiva responsabilidade do candidato acompanhar a publicação de todos os atos, editais,
avisos e comunicados referentes a este concurso público que sejam publicados no hall da Prefeitura
Municipal de Nova Lima ou divulgados no endereço eletrônicos <www.fundep.br/concursos>.
18.4. As demais informações e orientações, após a homologação do concurso serão divulgadas no
endereço eletrônico oficial da Prefeitura Municipal de Nova Lima: <www.novalima.mg.gov.br>.
18.5. Os itens deste edital poderão sofrer eventuais alterações, atualizações ou acréscimos enquanto não
consumada a providência ou evento que lhes disser respeito, até a data de encerramento das inscrições.
Nesses casos, a alteração será mencionada em edital complementar, retificação, aviso ou errata a ser
publicada no hall da Prefeitura Municipal de Nova Lima e divulgada no endereço eletrônico
<www.fundep.br/concursos>.
18.6. Não será fornecido qualquer documento comprobatório de aprovação, classificação, atestados,
certificados ou certidões relativos a notas de candidatos neste Concurso Público, valendo, para esse fim,
a respectiva publicação.
18.8. A FUNDEP não fornecerá nenhum exemplar ou cópia de provas relativas a Concursos Públicos
anteriores para candidatos, autoridades ou instituições de direito público ou privado.
18.9. Os prazos estabelecidos neste edital são preclusivos, contínuos e comuns a todos os candidatos,
não havendo justificativa para o não cumprimento e para a apresentação de quaisquer recursos, títulos
e/ou de documentos após as datas e nas formas estabelecidas neste Edital.
18.10. As alterações em dispositivos legais e normativos, com entrada em vigor após a data de
publicação deste edital, não serão objeto de avaliação nas provas deste Concurso Público.
18.11. É da exclusiva responsabilidade do candidato, após a homologação e durante o prazo de validade
deste Concurso Público, manter seu endereço atualizado junto à Prefeitura Municipal de Nova Lima, por
meio de correspondência registrada endereçada á Prefeitura do Município de Nova Lima - Edital n.
01/2009, situada à Praça Bernardino de Lima, n. 80, Bairro Centro, CEP: 34.000-000, Nova Lima/MG,
assumindo a responsabilidade eventual do não recebimento de qualquer correspondência a ele
encaminhada pela Prefeitura Municipal de Nova Lima decorrente de insuficiência, equívoco ou alteração
dos dados constantes da inscrição.
18.12. A Prefeitura Municipal de Nova Lima e a FUNDEP não se responsabilizam por quaisquer cursos,
textos, apostilas e outros materiais impressos ou digitais referentes às matérias deste Concurso Público
ou por quaisquer informações que estejam em desacordo com o disposto neste edital.
18.13. Para contagem do prazo de interposição de recursos e entrega de documentos ou títulos, excluir-
se-á o dia da publicação e incluir-se-á o último dia do prazo estabelecido neste Edital, desde que coincida
com o dia de funcionamento normal da FUNDEP e da Prefeitura Municipal de Nova Lima. Em caso
contrário, ou seja, se não houver expediente normal na FUNDEP e na Prefeitura Municipal de Nova Lima,
o período previsto será prorrogado para o primeiro dia seguinte de funcionamento normal da FUNDEP e
da Prefeitura Municipal de Nova Lima.
18.14. Não serão considerados os recursos, títulos ou outros documentos encaminhados via fax, via
postal, internet ou qualquer outra forma que não esteja prevista neste Edital, assim como aqueles
apresentados fora dos prazos determinados neste Edital.
18.15. A comprovação da tempestividade dos recursos, títulos ou outros documentos será feita por
protocolo de recebimento, atestando exclusivamente a entrega. No protocolo constarão o nome do
candidato, a inscrição, o nome e código do cargo/especialidade para o qual concorre e a data de entrega
do envelope.
18.16. Não será disponibilizada cópia e/ou devolução ao candidato do recurso entregue, ficando a
documentação sob responsabilidade da FUNDEP até a homologação.
18.17. Não será permitido ao candidato a inclusão, complementação, suplementação ou substituição de
documentos/títulos durante ou após os períodos recursais previstos neste Edital.
18.18. A Análise dos recursos será de responsabilidade da FUNDEP, exceto o previsto no item 5.4.2.
18.19. Os certames para cada cargo/especialidade, regidos por este Edital, são independentes.
18.20. A Prefeitura Municipal Nova Lima poderá homologar, por atos diferentes e em épocas distintas, o
resultado final dos diversos certames.
18.21 Toda documentação referente a este Concurso Público ficará guardada por 06 (seis) anos na
Prefeitura Municipal de Nova Lima.
18.22. Incorporar-se-ão a este Edital, para todos os efeitos, quaisquer editais complementares, atos,
avisos e convocações, relativos a este Concurso Público, que vierem a ser publicados no hall da
Prefeitura Municipal de Nova Lima e divulgado nos endereços eletrônicos, <www.novalima.mg.gov.br>
e <www.fundep.br/concursos>.
18.23. Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Central de Concursos Públicos nomeada pelo
Prefeito de Nova Lima, ouvida a FUNDEP, no que couber.
18.24. Integram este Edital os seguintes anexos:
a) Anexo A - Quadro de Cargos/especialidades, Códigos e Distribuição de Vagas;
b) Anexo B - Quadro das Provas Objetivas;
c) Anexo C - Critérios de Avaliação da Prova de Títulos;
d) Anexo D - Atribuições Gerais dos Cargos/especialidades, Escolaridade, Carga Horária e Vencimento;
e) Anexo E - Programas e Bibliografias.
Nova Lima, 04 de agosto de 2009.
Carlos Roberto Rodrigues
Prefeito de Nova Lima
ANEXO A
QUADRO DE CARGOS/ESPECIALIDADES, CÓDIGOS E DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS
QUADRO DE CARGOS/ESPECIALIDADES - NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO
CÓD CARGO/ESPECIALIDADE VAGAS AMPLA CONCORRÊNCIA VAGAS DEFICIENTES
101 Armador 01 0
102 Atendente de Consultório Dentário 25 3
103 Bombeiro 05 1
104 Borracheiro 01 0
105 Calceteiro 02 1
106 Carpinteiro 03 1
107 Coveiro 02 1
108 Jardineiro 10 1
109 Motorista 04 1
110 Operador de Máquina - Carregadeira 01 0
111 Operador de Máquina - Motoniveladora 02 1
112 Operador de Máquina - Retroescavadeira 02 1
113 Pedreiro 15 2
114 Pintor 05 1
115 Serralheiro 02 1
116 Servente Escolar 37 4
117 Vigia 35 4

QUADRO DE CARGOS/ESPECIALIDADES - NÍVEL MÉDIO/TÉCNICO COMPLETO


CÓD CARGO/ESPECIALIDADE VAGAS AMPLA CONCORRÊNCIA VAGAS DEFICIENTES
201 Assistente Administrativo 184 19
202 Desenhista Técnico 06 1
203 Fiscal Municipal - Meio Ambiente 04 1
204 Fiscal Municipal - Obras e Posturas 04 1
205 Professor Educação Básica 15 2
206 Secretário (a) Escolar 10 1
207 Técnico Agrícola 01 0
208 Técnico de Apoio de Informática 07 1
209 Técnico de Edificações 11 1
210 Técnico de Enfermagem 14 1
211 Técnico de Enfermagem - PSF 16 2
212 Técnico de Estradas 01 0
213 Técnico em Agrimensura 02 1
214 Técnico em Enfermagem - do Trabalho 02 1
215 Técnico em Meio Ambiente 03 1
216 Técnico em Patologia Clínica 07 1
217 Técnico em Radiologia 03 1
218 Técnico em Segurança do Trabalho 02 1

QUADRO DE CARGOS/ESPECIALIDADES - NÍVEL SUPERIOR COMPLETO


VAGAS AMPLA VAGAS
CÓD CARGO/ESPECIALIDADE
CONCORRÊNCIA DEFICIENTES
301 Arquiteto 10 1
302 Assistente Social 44 5
303 Biólogo 02 1
304 Bioquímico 03 1
305 Odontólogo - Especialista em Endodontia 01 0
306 Odontólogo 02 1
307 Fonoaudiólogo 01 0
308 Enfermeiro 03 1
309 Enfermeiro – PSF 16 2
310 Engenheiro Agrimensor 07 1
311 Engenheiro Ambiental 02 1
312 Engenheiro Cartógrafo 02 1
313 Engenheiro Civil 12 2
314 Engenheiro - Segurança do Trabalho 02 1
315 Farmacêutico 04 1
316 Fiscal Municipal - Tributário II 07 1
317 Geógrafo 01 0
318 Médico Acupunturista 01 0
319 Médico Cardiologista 02 1
320 Médico Cirurgião Geral 02 1
321 Médico Dermatologista 02 1
322 Médico do Trabalho 02 1
323 Médico em Endoscopia 01 0
324 Médico Geriatra 01 0
325 Médico Ginecologista 04 1
326 Médico Homeopata 01 0
327 Médico Nefrologista 01 0
328 Médico Neurologista 01 0
329 Médico Otorrinolaringologista 01 0
330 Médico Pediatra 01 0
331 Médico Plantonista - Clínico Geral 14 2
332 Médico Plantonista - Pediatra 08 1
333 Médico Pneumologista 01 0
334 Médico PSF - Clínico Geral 13 2
335 Médico Psiquiatra 06 1
336 Médico Reumatologista 01 0
337 Médico Sanitarista 02 1
Médico em Radiologia - Especialista em
338 02 1
Ultrassonografia
339 Médico Urologista 01 0
340 Nutricionista 09 1
341 Pedagogo 05 1
342 Psicólogo 18 2
343 Terapeuta Ocupacional 05 1
ANEXO B
QUADROS DE PROVAS OBJETIVAS
QUADRO DE CARGOS/ESPECIALIDADES - NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO
PROVA OBJETIVA
CÓD CARGO/ESPECIALIDADE LÍNGUA CONHECI. GERAIS /
MATEMÁTICA
PORTUGUESA LEG.MUNICIPAL
101 Armador 10 10 20
102 Atendente de Consultório Dentário
103 Bombeiro
104 Borracheiro
105 Calceteiro
106 Carpinteiro
107 Coveiro
108 Jardineiro
109 Motorista
Operador de Máquina –
110
Carregadeira
Operador de Máquina –
111
Motoniveladora
112 Operador de Máquina -
Retroescavadeira
113 Pedreiro
114 Pintor
115 Serralheiro
116 Servente Escolar
117 Vigia

QUADRO DE CARGOS/ESPECIALIDADES - NÍVEL MÉDIO/TÉCNICO COMPLETO


PROVA OBJETIVA
CÓD CARGO/ESPECIALIDADE LÍNGUA CONHECI. GERAIS / CONHECI.
PORTUGUESA LEG.MUNICIPAL ESPECÍFICOS
201 Assistente Administrativo 15
202 Desenhista Técnico 15
Fiscal Municipal - Meio
203 15
Ambiente
Fiscal Municipal - Obras e
204 15
Posturas
205 Professor Educação Básica 15
206 Secretário (a) Escolar 15
207 Técnico Agrícola 15
208 Técnico de Apoio de Informática 15
209 Técnico de Edificações 15
10 15
210 Técnico de Enfermagem 15
211 Técnico de Enfermagem - PSF 15
212 Técnico de Estradas 15
213 Técnico em Agrimensura 15
Técnico em Enfermagem - do
214 15
Trabalho
215 Técnico em Meio Ambiente 15
216 Técnico em Patologia Clínica 15
217 Técnico em Radiologia 15
Técnico em Segurança do
218 15
Trabalho

QUADRO DE CARGOS/ESPECIALIDADES - NÍVEL SUPERIOR COMPLETO


CONHECI.
LÍNGUA CONHECI.
CÓD CARGO/ESPECIALIDADE GERAIS /
PORTUGUESA ESPECÍFICOS
LEG.MUNICIPAL
301 Arquiteto 10 15 15
302 Assistente Social 15
303 Biólogo 15
304 Bioquímico 15
305 Odontólogo - Especialista em Endodontia 15
306 Odontólogo 15
307 Fonoaudiólogo 15
308 Enfermeiro 15
309 Enfermeiro - PSF 15
310 Engenheiro Agrimensor 15
311 Engenheiro Ambiental 15
312 Engenheiro Cartógrafo 15
313 Engenheiro Civil 15
314 Engenheiro - Segurança do Trabalho 15
315 Farmacêutico 15
316 Fiscal Municipal - Tributário II 15
317 Geógrafo 15
318 Médico Acupunturista 15
319 Médico Cardiologista 15
320 Médico Cirurgião Geral 15
321 Médico Dermatologista 15
322 Médico do Trabalho 15
323 Médico em Endoscopia 15
324 Médico Geriatra 15
325 Médico Ginecologista 15
326 Médico Homeopata 15
327 Médico Nefrologista 15
328 Médico Neurologista 15
329 Médico Otorrinolaringologista 15
330 Médico Pediatra 15
331 Médico Plantonista - Clínico Geral 15
332 Médico Plantonista - Pediatra 15
333 Médico Pneumologista 15
334 Médico PSF - Clínico Geral 15
335 Médico Psiquiatra 15
336 Médico Reumatologista 15
337 Médico Sanitarista 15
Médico em Radiologia - Especialista em
338 15
Ultrassonografia
339 Médico Urologista 15
340 Nutricionista 15
341 Pedagogo 15
342 Psicólogo 15
343 Terapeuta Ocupacional 15
ANEXO C
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA PROVA DE TÍTULOS
CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR/FORMAÇÃO ACADÊMICA
PONTOS POR PONTUAÇÃO
TÍTULOS
TÍTULO MÁXIMA
Conclusão de curso de pós-graduação lato sensu, com carga horária
mínima de 360 horas - Especialização, na área de seleção específica a 2,0 2,0
que concorre.
Conclusão de curso de pós-graduação lato sensu, com carga horária
mínima de 360 horas - Especialização, em área diversa a que 1,0 1,0
concorre.
Conclusão de curso de pós-graduação stricto sensu - Mestrado, na
3,0 3,0
área específica a que concorre.
Conclusão de curso de pós-graduação stricto sensu - Doutorado, na
4,0 4,0
área específica a que concorre.
TOTAL MÁXIMO DE PONTOS NA PROVA DE TÍTULOS 10
ANEXO D
ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS/ESPECIALIDADES, ESCOLARIDADE, CARGA HORÁRIA E
VENCIMENTO
CARGOS/ESPECIALIDADES - NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO
CARGA
CARGO/ESPECIALIDADE ATRIBUIÇÕES ESCOLARIDADE VENCIMENTO
HORÁRIA
Preparam a confecção de
armações de estruturas de
concreto. Cortam e dobram Ensino
40 horas
Armador ferragens. Montam e aplicam Fundamental R$ 703,90
semanais
armações de fundações, Completo
pilares e vigas, de acordo com
as especificações recebidas
Planejam o trabalho técnico-
odontológico, de nível
fundamental em órgãos
públicos de saúde. Previnem
doença bucal, participando de
projetos educativos e de
orientação de higiene bucal.
Recepcionam pacientes no
consultório, agendam e
desmarcam consultas,
organizam e requisitam os
materiais, organizam arquivos,
preenchem fichas de
pacientes. Efetuam a
desinfecção e conservação
Ensino
Atendente de Consultório dos equipamentos do 30 horas
Fundamental R$ 703,90
Dentário consultório, solicitando a semanais
Completo
manutenção quando
necessário. Esterilizam
materiais e auxiliam o dentista
em atividades diversas, tais
como levantamento
epidemiológico, ações
preventivas, instrumentação e
acabamento de peças,
inclusive confecção de
modelos em gesso. Revelam
e montam radiografias intra-
orais. As atividades são
exercidas conforme normas e
procedimentos técnicos e de
biossegurança
Bombeiro Operacionalizam projetos de Ensino 40 horas R$ 703,90
instalações de tubulações, Fundamental semanais
definem traçados e Completo
dimensionam tubulações;
especificam, quantificam e
inspecionam materiais;
preparam locais para
instalações, realizam pré-
montagem e instalam
tubulações. Realizam testes
operacionais de pressão de
fluidos e testes de
estanqueidade. Protegem
instalações e fazem
manutenções em
equipamentos e acessórios
Realizam balanceamento,
montagem e desmontagem do
conjunto pneu-roda, efetuam
reparos de câmaras de ar e
Ensino
pneus. Controlam vida útil e 40 horas
Borracheiro Fundamental R$ 703,90
utilização de pneus. semanais
Completo
Trabalham seguindo normas
de segurança, higiene,
qualidade e proteção ao meio
ambiente.
Realizam manutenção geral
em vias, tapando buracos e
Ensino
refazendo calçadas. 40 horas
Calceteiro Fundamental R$ 703,90
Trabalham seguindo normas semanais
Completo
de segurança, qualidade e
proteção ao meio ambiente
Planejam trabalhos de
carpintaria. Confeccionam e
reparam móveis, palanques, Ensino
40 horas
Carpinteiro arquibancadas, telhados, Fundamental R$ 703,90
semanais
proteção de madeira, portas, Completo
janelas e esquadrias,
utilizando maquinário próprio
Auxiliar nos serviços
funerários. Construir,
preparar, limpar, abrir e fechar
sepulturas. Realizar
sepultamento de cadáveres e Ensino
40 horas
Coveiro trasladar corpos e despojos. Fundamental R$ 703,90
semanais
Efetuar a manutenção do Completo
cemitério, das máquinas e dos
equipamentos, bem cuidar
como da limpeza geral do
local
Efetuam preparo de mudas e
sementes em viveiros, cujas
atividades baseiam-se no
plantio e transplante das
espécies vegetais. Cuidam de
Ensino
praças e jardins públicos, 40 horas
Jardineiro Fundamental R$ 582,75
realizando atividades de semanais
Completo
varrição, recolhimento de lixo,
irrigação e adubação de
canteiros e apara da grama.
Podam e cortam árvores
quando necessário
Motorista Dirigem e manobram veículos Ensino 40 horas R$ 929,05
leves ou pesados e Fundamental semanais
transportam pessoas, cargas
ou valores, de acordo com as
normas do trânsito e
instruções recebidas.
Realizam verificações e
manutenções básicas do
veículo e utilizam
equipamentos e dispositivos
especiais, tais como
Completo e Carteira
sinalização sonora e
de Habilitação -
luminosa. Efetuam
Categoria D
pagamentos e recebimentos
no desempenho das
atividades. Trabalham
seguindo normas de
segurança, higiene, qualidade
e proteção ao meio ambiente.
Auxiliam deficientes,
gestantes, idosos e crianças
no embarque e desembarque
Operam máquinas Ensino
motoniveladoras e Fundamental
Operador de Máquina 40 horas
equipamentos ajustando Completo e Carteira R$ 816,83
(Motoniveladora) semanais
comandos e acionando de Habilitação -
movimentos dos mesmos. Categoria D
Avaliam condições de Ensino
funcionamento das máquinas Fundamental
Operador de Máquina e equipamentos, interpretando Completo e 40 horas
painel de instrumentos de R$ 816,83
(Carregadeira) Carteira de semanais
medição, verificando fonte de Habilitação -
alimentação, testando Categoria D
comandos de acionamento.
Preparam área para operação Ensino
dos equipamentos e materiais. Fundamental
Operador de Máquina Trabalham seguindo normas Completo e 40 horas
R$ 816,83
(Retroescavadeira) de segurança, higiene, Carteira de semanais
qualidade e proteção ao meio Habilitação -
ambiente Categoria D

Realizam a manutenção e
reforma de instalações
prediais. Organizam e
preparam o local de trabalho
Ensino
na obra; constroem fundações 40 horas
Pedreiro Fundamental R$ 703,90
e estruturas de alvenaria; semanais
Completo
aplicam revestimentos e
contrapiso; constroem redes
novas e realizam
manutenções em redes vivas
Preparam e aplicam tintas em
superfícies de instalações
prediais da Prefeitura e
Ensino
móveis diversos. Analisam e 40 horas
Pintor Fundamental R$ 703,90
preparam as superfícies a semanais
Completo
serem pintadas e calculam
quantidade de materiais para
pintura
Confeccionam, reparam e
instalam peças e elementos
diversos em chapas de metal.
Ensino
Realizam manutenção e 40 horas
Serralheiro Fundamental R$ 703,90
confecção de esquadrias, semanais
Completo
serviços de solda em
estruturas metálicas e outras,
corte de metais
Preparam refeições para
professores, alunos,
funcionários e mutirão,
efetuando o preparo de
alimentos de acordo com
métodos de cocção e padrões
de qualidade. Organizam a
cozinha ordenando alimentos
na despensa e freezer,
limpando todos os utensílios e
ambiente da cozinha; listando
ingredientes de acordo com a
previsão de consumo e
capacidade de Ensino
30 horas
Servente Escolar armazenamento; e Fundamental R$ 582,75
semanais
quantificando ingredientes Completo
para elaboração da lista de
compras. Limpam as
dependências da escola
coletando lixo; efetuando
varreções e lavagens em
geral; e limpando recintos e
móveis existentes nos
mesmos. Cuidam de crianças,
dando banho ocasionalmente,
acompanhando-as em caso
de acidente e prestando
assistência sempre que
necessário
Zelar pelo patrimônio público
a fim de evitar depredação e
roubo; zelar pela segurança
das pessoas e pelo
cumprimento das leis e
regulamentos; recepcionar e Ensino
40 horas
Vigia controlar a movimentação de Fundamental R$ 609,29
semanais
pessoas em áreas de acesso Completo
livre e restrito; fiscalizar
pessoas, cargas e patrimônio.
Prestar informações ao
público e aos órgãos
competentes

CARGOS/ESPECIALIDADES - NÍVEL MÉDIO/TÉCNICO COMPLETO


CARGA
CARGO/ESPECIALIDADE ATRIBUIÇÕES ESCOLARIDADE VENCIMENTO
HORÁRIA
Assistente Administrativo Executam serviços de apoio Ensino Médio 40 horas R$ 816,83
nas áreas de recursos Completo semanais
humanos, administração,
finanças e logística nas
diferentes Secretarias da
Prefeitura. Atendem usuários
e servidores, fornecendo e
recebendo informações;
tratam de documentos
variados, cumprindo todo o
procedimento necessário
referente aos mesmos;
preparam relatórios e
planilhas; executam serviços
gerais de escritórios
Elaboram desenhos de
Arquitetura e Engenharia Civil,
utilizando softwares
específicos para desenho
técnico, assim como podem
executar plantas, desenhos e
detalhamentos de instalações
hidrossanitárias e elétricas e
desenhos cartográficos; Ensino Médio
coletam e processam dados e Completo/ Curso
40 horas
Desenhista Técnico planejam o trabalho para a Técnico de Nível R$ 1.112,90
semanais
elaboração do projeto como, Médio completo em
por exemplo, interpretar Desenho Técnico
projetos existentes, calcular e
definir custos do desenho,
analisar croqui e aplicar
normas de saúde ocupacional
e normas técnicas ligadas à
construção civil, podendo
atualizar o desenho de acordo
com a legislação
Fiscalizam o cumprimento do
código de posturas do
município no que diz respeito
à limpeza, poluição e
Fiscal Municipal - Meio Ensino Médio 40 horas
degradação ambiental; R$ 951,63
Ambiente Completo semanais
aplicam penalidades, se
necessário; orientam os
contribuintes quanto ao
cumprimento do código
Fiscalizam o cumprimento do
código de posturas do
município. Aplicam
Fiscal Municipal - Obras e Ensino Médio 40 horas
penalidades se necessário; R$ 951,63
Posturas Completo semanais
orientam os contribuintes
quanto ao cumprimento do
código
Professor Educação Ministram aulas para Ensino Médio de 21h30min R$ 995,38
Básica estudantes de educação Magistério Completo semanais
infantil de 1° e 2° ciclo do
Ensino Fundamental e
Primeiro segmento da
educação de jovens e adultos.
Elaboram planos de aula
escolhendo temas, definindo
objetivos da aula,
selecionando e
confeccionando materiais
didáticos, definindo
metodologia de ensino e
elaborando esquema de aula.
Desenvolvem atividades
pedagógicas de fixação o
conteúdo. Desenvolvem
atividades recreativas em
horários estipulados. Avaliam
os estudantes de maneira
formal e não formal a partir do
conhecimento das
especificidades da turma,
aplicando e corrigindo as
avaliações; diagnosticando
necessidades dos alunos e
buscando soluções junto aos
supervisores. Elaboram
relatórios de andamento das
disciplinas e dos estudantes e
preenchem ficha de
desempenho dos alunos.
Participam de eventos do
calendário escolar,
confeccionando materiais para
decoração de festas, criando
atividades, e trabalhando no
evento. Atendem pais ou
responsáveis de alunos e
participam de reuniões
pedagógicas e
administrativas. Acompanham,
com profissional
especializado, o desempenho
dos alunos com necessidades
especiais. Eventualmente,
ministram aulas em oficinas
Secretário (a) Escolar Preenchem livros, relatórios e Ensino Médio 40 horas R$ 1.036,28
formulários referentes à Completo semanais
escola e aos alunos. Emitem
documentos solicitados,
preparam correspondências e
redigem atas de reunião.
Conferem diários de classe e
assinam documentos oficiais
da escola. Elaboram relatório
de freqüência e ocorrências
diversas de funcionários e
formulários exigidos pelo
Ministério da Educação.
Recepcionam o público em
geral, orientando- o para o
atendimento dentro da escola.
Controlam o arquivo corrente
e o arquivo morto. Solicitam
requisições e controle
necessários à manutenção da
escola. Na ausência da
Diretora Escolar, assumem o
papel da direção em questões
administrativas. Realizam o
censo escolar periodicamente.
Prestam assistência e
consultoria técnicas,
orientando diretamente
produtores sobre produção
agropecuária, comercialização
e procedimentos de
biosseguridade. Executam
projetos agropecuários em
suas diversas etapas.
Ensino Médio
Planejam atividades
Completo/ Curso
agropecuárias, verificando 40 horas
Técnico Agrícola Técnico de Nível R$ 1.112,90
viabilidade econômica, semanais
médio de Técnico
condições edafoclimáticas e
Agrícola
infra- estrutura. Promovem
organização, extensão e
capacitação rural. Fiscalizam
produção agropecuária.
Desenvolvem tecnologias
adaptadas à produção
agropecuária. Podem
disseminar produção
orgânica.
Asseguram o funcionamento
do hardware e da rede nas Ensino Médio
diferentes Secretarias da Completo/ Curso
Prefeitura; realizam técnico de Nível
Técnico de Apoio de 40 horas
manutenções corretivas e médio em R$ 1.112,90
Informática semanais
preventivas; atendem Informática ou
usuários, orientando-os na Manutenção de
utilização de hardware e Hardware
software
Realizam levantamentos
topográficos e
planialtimétricos, desenvolvem
e legalizam projetos de
Ensino Médio
edificações sob supervisão de
Completo/ Curso
um engenheiro civil; planejam 40 horas
Técnico de Edificações Técnico de Nível R$ 1.112,90
a execução, orçam e semanais
médio em
providenciam suprimentos e
Edificações
supervisionam a execução de
obras e serviços. Realizam o
controle tecnológico de
materiais e do solo
Desempenham atividades Ensino Médio 40 horas
Técnico de Enfermagem R$ 1.112,90
técnicas de Enfermagem em Completo/ Curso semanais
Técnico de Enfermagem - hospitais, clínicas e outros Técnico de Nível 40 horas R$ 1.483,66
PSF estabelecimentos de médio em semanais
assistência médica e Enfermagem
domicílios; prestam
assistência ao paciente;
desempenham tarefas de
apoio a outros profissionais de
saúde. Auxiliam os médicos
em procedimentos em geral,
posicionando de forma
adequada o paciente e o
Planejam a execução do
trabalho e supervisionam
equipes de trabalhadores de
construção de obras de infra-
estrutura. Auxiliam
engenheiros no
desenvolvimento de projetos,
no levantamento e tabulação Ensino Médio
de dados e na vistoria técnica. Completo/ Curso 40 horas
Técnico de Estradas R$ 1.112,90
Estruturam o serviço de coleta Técnico de Nível semanais
de resíduos sólidos das obras, médio em Estradas
controlando os procedimentos
de preservação do meio
ambiente. Realizam trabalhos
de laboratório, vendas e
compras de materiais e
equipamentos. Padronizam
procedimentos técnicos
Técnico em Agrimensura Executam levantamentos Ensino Médio 40 horas R$ 1.112,90
geodésicos e Completo/ Curso semanais
topohidrográficos, por meio de Técnico de Nível
levantamentos altimétricos e médio em
planimétricos; implantam, no Agrimensura
campo, pontos de projeto,
locando obras de sistemas de
transporte, obras civis,
industriais, rurais e
delimitando glebas; planejam
trabalhos em geomática;
analisam documentos e
informações cartográficas,
interpretando fotos terrestres,
fotos aéreas, imagens orbitais,
cartas, mapas, plantas,
identificando acidentes
geométricos e pontos de
apoio para
georreferenciamento e
amarração, coletando dados
geométricos. Efetuam cálculos
e desenhos e elaboram
documentos cartográficos,
definindo escalas e cálculos
cartográficos, efetuando
aerotriangulação, restituindo
fotografias aéreas
Desempenham atividades
técnicas de Enfermagem em
hospitais, clínicas e outros
estabelecimentos de
assistência médica e
domicílios; prestam
assistência ao paciente;
desempenham tarefas de
apoio a outros profissionais de
Ensino Médio
saúde. Auxiliam os médicos
Completo/ Curso
Técnico em Enfermagem - em procedimentos em geral, 40 horas
Técnico de Nível R$ 1.112,90
do Trabalho posicionando de forma semanais
Médio completo em
adequada o paciente e o
Enfermagem
instrumental. Organizam o
ambiente de trabalho.
Administram vacinas e
realizam exames de baixa
complexidade. Trabalham em
conformidade às boas
práticas, normas e
procedimentos de
biossegurança
Auxiliam profissionais de nível
superior na implementação de
projetos, gestão ambiental e
coordenação de equipes de
trabalho; operam máquinas,
equipamentos e instrumentos. Ensino Médio
Coordenam processos de Completo/ Curso
40 horas
Técnico em Meio Ambiente controle ambiental, utilidades, Técnico de Nível R$ 1.112,90
semanais
tratamento de efluentes e médio em Meio
levantamentos Ambiente
meteorológicos. Realizam
análises físico-químicas e
microbiológicas dos efluentes.
Monitoram a segurança no
trabalho
Técnico em Patologia Coletam, recebem e Ensino Médio 30 horas R$ 1.112,90
Clínica distribuem material biológico Completo/ Curso semanais
de pacientes. Preparam Técnico de Nível
amostras do material biológico Médio Completo em
e realizam exames conforme Patologia Clínica
protocolo. Operam
equipamentos analíticos e de
suporte. Executam, checam,
calibram e fazem manutenção
corretiva dos equipamentos.
Administram e organizam o
local de trabalho. Trabalham
conforme normas e
procedimentos técnicos de
boas práticas, qualidade e
biossegurança. Mobilizam
capacidades de comunicação
oral e escrita para efetuar
registros, dialogar com a
equipe de trabalho e orientar
os pacientes quanto à coleta
do material biológico
Preparam materiais e
equipamentos para exames e
radioterapia; operam
aparelhos médicos e
odontológicos para produzir
imagens e gráficos funcionais
como recurso auxiliar ao
diagnóstico e terapia.
Preparam pacientes e
realizam exames e
Ensino Médio
radioterapia; prestam
Completo/ Curso
atendimento aos pacientes 20 horas
Técnico em Radiologia Técnico de Nível R$ 1.112,90
fora da sala de exame, semanais
Médio Completo em
realizando as atividades
Radiologia
segundo boas práticas,
normas e procedimento de
biossegurança e código de
conduta. Mobilizam
capacidades de comunicação
para registro de informações e
troca de informações com a
equipe e com os pacientes.
Podem supervisionar uma
equipe de trabalho
Elaboram, participam da
elaboração e implementam
política de saúde e segurança
no trabalho (sst); realizam
auditoria, acompanhamento e
avaliação na área; identificam
variáveis de controle de
doenças, acidentes, qualidade
de vida e meio ambiente.
Ensino Médio
Desenvolvem ações
Completo/ Curso
educativas na área de saúde
Técnico em Segurança do Técnico de Nível 40 horas
e segurança no trabalho; R$ 1.112,90
Trabalho Médio completo em semanais
participam de perícias e
Segurança do
fiscalizações e integram
Trabalho
processos de negociação.
Participam da adoção de
tecnologias e processos de
trabalho; gerenciam
documentação de sst;
investigam, analisam
acidentes e recomendam
medidas de prevenção e
controle
CARGOS/ESPECIALIDADES - NÍVEL SUPERIOR COMPLETO
CARGA
CARGO/ESPECIALIDADE ATRIBUIÇÕES ESCOLARIDADE VENCIMENTO
HORÁRIA
Elaboram planos e projetos
associados à Arquitetura em
todas as suas etapas,
definindo materiais,
acabamentos, técnicas,
metodologias, analisando
dados e informações. Curso Superior
Fiscalizam e executam obras e Completo em
serviços, desenvolvem Arquitetura e 30 horas
Arquiteto R$ 2.985,30
estudos de viabilidade Registro no semanais
financeira, econômica, Conselho
ambiental. Podem prestar Competente
serviços de consultoria e
assessoramento, bem como
estabelecer políticas de
gestão. Executam e
supervisionam projetos do
município
Prestam serviços sociais,
orientando indivíduos, famílias,
comunidade e instituições
sobre direitos e deveres
(normas, códigos e legislação),
serviços e recursos sociais e
programas de educação.
Planejam, coordenam e
avaliam planos, programas e
projetos sociais em diferentes
áreas (seguridade, educação, Curso Superior
trabalho, jurídica, habitação e Completo em 30 horas
Assistente Social R$ 2.011,61
outras); orientam e monitoram Assistência Social e semanais
ações em desenvolvimento Registro de Classe
relacionadas à economia
doméstica, desenvolvimento
humano, economia familiar,
educação do consumidor,
alimentação e saúde, dentre
outras atividades.
Desempenham tarefas
administrativas e articulam
recursos financeiros
disponíveis
Biólogo Realizam diagnósticos Curso Superior 40 horas R$ 2.011,61
biológicos, moleculares e Completo em semanais
ambientais, além de realizar Biologia e Registro
análises clínicas, citológicas, no Conselho
citogênicas e patológicas. Competente
Estudam seres vivos,
desenvolvem trabalhos na
área de biologia, biologia
molecular, biotecnologia,
biologia ambiental e
epidemiologia e inventariam
biodiversidade. Organizam
coleções biológicas, manejam
recursos naturais,
desenvolvem atividades de
educação ambiental
Realizam tarefas específicas
de desenvolvimento,
produção, dispensação,
controle, armazenamento,
distribuição e transporte de
produtos da área farmacêutica,
tais como medicamentos,
alimentos especiais,
cosméticos, imunobiológicos,
domissanitários e insumos
correlatos. Realizam análises
clínicas, toxicológicas,
Curso Superior
fisioquímicas, biológicas,
Completo em
microbiológicas e
Farmácia com
bromatológicas; participam da 30 horas
Bioquímico especialidade em R$ 2.011,61
elaboração, coordenação e semanais
Bioquímico e
implementação de políticas de
Registro no
medicamentos; exercem
conselho de classe
fiscalização sobre
estabelecimentos, produtos,
serviços e exercício
profissional; orientam sobre
uso de produtos e prestam
serviços farmacêuticos.
Podem realizar pesquisa sobre
os efeitos de medicamentos e
outras substâncias sobre
órgãos, tecidos e funções
vitais dos seres humanos e
dos animais.
Atendem e orientam pacientes
e executam procedimentos
odontológicos, aplicam
medidas de promoção e
prevenção de saúde, ações de
saúde coletiva, estabelecendo
diagnóstico e prognóstico,
interagindo com profissionais Curso Superior
de outras áreas. Podem Completo em
desenvolver pesquisas na áreaOdontologia com
Odontólogo - Especialista 20 horas
odontológica. Desenvolvem especialidade em R$ 2.011,61
em Endodontia semanais
atividades profissionais junto a Endodontia e
crianças, adultos e idosos, Registro no
com ou sem necessidades Conselho de Classe
especiais, em diferentes níveis
de complexidade. Podem atuar
em consultórios particulares,
instituições públicas ou
privadas, ong´s. Exercem
atividade de ensino e
pesquisa.
Odontólogo Implementam ações de Curso Superior 20 horas R$ 2.011,61
promoção à saúde ao atender Completo em semanais
e orientar pacientes e executar Odontologia e
tratamento odontológico;
diagnosticam, avaliam
pacientes e planejam
tratamento. Administram local
e condições de trabalho,
adotando medidas de Registro no
precaução universal de Conselho de Classe
biossegurança. Podem
desenvolver pesquisas na
prática odontológica e integrar
comissões de normatização do
exercício da profissão
Atendem pacientes e clientes
para prevenção, habilitação e
reabilitação, utilizando
protocolos e procedimentos
Curso Superior
específicos. Tratam de
Completo em
pacientes e clientes; efetuam
Fonoaudiologia e 30 horas
Fonoaudiólogo avaliação e diagnóstico R$ 2.011,61
Registro no semanais
fonoaudiológico; orientam
Conselho
pacientes, clientes, familiares,
Competente
cuidadores e responsáveis;
desenvolvem programas de
prevenção, promoção da
saúde e qualidade de vida
Prestam assistência ao Curso Superior
paciente e/ou cliente em Completo em
30 horas
Enfermeiro clínicas, hospitais, Enfermagem e R$ 2.011,61
semanais
ambulatórios, transportes Registro no COREN
aéreos, navios, postos de - MG
saúde e em domicílio,
realizando consultas e
procedimentos de maior Curso Superior
complexidade e prescrevendo Completo em
ações; coordenam e auditam Enfermagem e
40 horas
Enfermeiro - PSF serviços de enfermagem, especialização em R$ 3.858,42
semanais
implementam ações para a Saúde da Família
promoção da saúde junto à Registro no
comunidade. Podem realizar COREN - MG
pesquisas
Realizam atividades em
topografia, levantando e
calculando pontos topográficos
e geodésicos. Elaboram
documentos cartográficos,
estabelecendo articulação de Curso Superior
cartas, efetuam levantamentos Completo em
por meio de imagens Engenharia de 30 horas
Engenheiro Agrimensor R$ 2.985,30
terrestres, aéreas e orbitais. Agrimensura e semanais
Gerenciam projetos e obras de Registro no CREA -
agrimensura e cartografia. MG
Assessoram na implantação
de sistemas de informações
geográficas, implementam
projetos geométricos. Podem
pesquisar novas tecnologias
Elaboram projetos de
engenharia, gerenciam obras,
prestam consultoria, Curso Superior
assistência e assessoria. Completo em
Coordenam a operação e Engenharia 30 horas
Engenheiro Ambiental R$ 2.985,30
manutenção do ambiental e semanais
empreendimento. Elaboram Registro no CREA -
pesquisas tecnológicas. MG
Contratam a execução de
obras e serviços.
Realizam atividades em
topografia, geodésia e
batimetria, levantando e
calculando pontos topográficos
e geodésicos. Elaboram
documentos cartográficos,
estabelecendo semiologia e Curso Superior
articulação de cartas, efetuam Completo em
levantamentos por meio de Engenharia 30 horas
Engenheiro Cartógrafo R$ 2.985,30
imagens terrestres, aéreas e Cartográfica semanais
orbitais. Gerenciam projetos e Registro no CREA -
obras de agrimensura e MG
cartografia. Assessoram na
implantação de sistemas de
informações geográficas,
implementam projetos
geométricos. Podem pesquisar
novas tecnologias.
Desenvolvem projetos de
Engenharia Civil; executam
obras; planejam, orçam e
contratam empreendimentos;
realizam vistoria técnica; Curso Superior
ordenam a operação e a Completo em
30 horas
Engenheiro Civil manutenção dos mesmos. Engenharia Civil e R$ 2.985,30
semanais
Notificam e autuam obras Registro no CREA -
irregulares. Controlam a MG
qualidade dos suprimentos e
serviços comprados e
executados. Elaboram normas
e documentação técnica
Elaboram projetos de
engenharia, gerenciam obras,
Curso Superior
prestam consultoria,
Completo em
assistência e assessoria.
Engenharia com
Engenheiro - Segurança Coordenam a operação e 30 horas
especialização em R$ 2.985,30
do Trabalho manutenção do semanais
Segurança do
empreendimento. Elaboram
Trabalho e Registro
pesquisas tecnológicas.
no CREA - MG
Contratam a execução de
obras e serviços.
Farmacêutico Realizam tarefas específicas Curso Superior 30 horas R$ 2.011,61
de desenvolvimento, Completo em semanais
produção, dispensação, Farmácia e Registro
controle, armazenamento, no Conselho
distribuição e transporte de Competente
produtos da área farmacêutica,
tais como medicamentos,
alimentos especiais,
cosméticos, imunobiológicos,
domissanitários e insumos
correlatos. Realizam análises
clínicas, toxicológicas,
fisioquímicas, biológicas,
microbiológicas e
bromatológicas; participam da
elaboração, coordenação e
implementação de políticas de
medicamentos; exercem
fiscalização sobre
estabelecimentos, produtos,
serviços e exercício
profissional; orientam sobre
uso de produtos e prestam
serviços farmacêuticos.
Podem realizar pesquisa sobre
os efeitos de medicamentos e
outras substâncias sobre
órgãos, tecidos e funções
vitais dos seres humanos e
dos animais.
Fiscalizam o cumprimento da
legislação tributária. Controlam Curso Superior
a arrecadação e promovem a Completo em
cobrança de tributos, Administração de
aplicando penalidades quando Empresas,
Fiscal Municipal - necessário. Analisam e tomam Economia, Direito e 40 horas
R$ 2.011,61
Tributário II decisões sobre processos em Ciências semanais
administrativo-fiscais; Contábeis e
controlam a circulação de Registro no
bens, mercadorias e serviços; Conselho
atendem e orientam Competente
contribuintes
Geógrafo Estudam a organização Curso Superior 40 horas R$ 2.011,61
espacial por meio da Completo com semanais
interpretação e da interação habilitação
dos aspectos físicos e específica em
humanos; regionalizam o Geografia
território em escalas que
variam do local ao global;
avaliam os processos de
produção do espaço,
subsidiando o ordenamento
territorial; participam do
planejamento regional, urbano,
rural, ambiental e da
formulação de políticas de
gestão do território; procedem
estudos necessários ao
estabelecimento de bases
territoriais; emitem laudos e
pareceres técnicos; monitoram
uso e ocupação da terra,
vistoriam áreas em estudo,
estudam a pressão antrópica e
diagnosticam impactos e
tendências.
20 horas
Médico Acupunturista R$ 2.438,32
semanais
20 horas
Médico Cardiologista R$ 2.438,32
semanais
20 horas
Médico Cirurgião Geral R$ 2.438,32
semanais
20 horas
Médico Dermatologista R$ 2.438,32
semanais
20 horas
Médico do Trabalho R$ 2.438,32
semanais
20 horas
Médico em Endoscopia Realizam consultas e R$ 2.438,32
Curso Superior semanais
atendimentos médicos; tratam
Completo em 20 horas
Médico Geriatra pacientes e clientes; R$ 2.438,32
Medicina com semanais
implementam ações para
Registro no 20 horas
Médico Ginecologista promoção da saúde; R$ 2.438,32
Conselho Regional semanais
coordenam programas e
de Medicina - MG,
serviços em saúde, efetuam 20 horas
Médico Homeopata Título de R$ 2.438,32
perícias, auditorias e semanais
Especialista na área
sindicâncias médicas;
específica e 20 horas
Médico Nefrologista elaboram documentos e R$ 2.438,32
Registro no CRM - semanais
difundem conhecimentos da
MG 20 horas
Médico Neurologista área médica. R$ 2.438,32
semanais
Médico 20 horas
R$ 2.438,32
Otorrinolaringologista semanais
20 horas
Médico Pediatra R$ 2.438,32
semanais
Médico Plantonista - Clínico 24horas
R$ 3.914,06
Geral semanais
Médico Plantonista - 24horas
R$ 3.914,06
Pediatra semanais
20 horas
Médico Pneumologista R$ 2.438,32
semanais
Realizam consultas e Curso Superior
atendimentos médicos; tratam Completo em
pacientes e clientes; Medicina com
implementam ações para Registro no
promoção da saúde; Conselho Regional
40 horas
Médico PSF - Clínico Geral coordenam programas e de Medicina - MG, R$ 7.951,17
semanais
serviços em saúde, efetuam Título de
perícias, auditorias e Especialista em
sindicâncias médicas; Saúde da Família e
elaboram documentos e Registro no CRM
difundem conhecimentos da -MG
área médica. Curso Superior 20 horas
Médico Psiquiatra R$ 2.438,32
Completo em semanais
Medicina com 20 horas
Médico Reumatologista Registro no R$ 2.438,32
semanais
Conselho Regional
Médico Sanitarista 20 horas R$ 2.438,32
semanais
Médico em Radiologia -
20 horas
Especialista em R$ 2.438,32
semanais
Ultrassonografia de Medicina - MG,
Título de 20 horas
Médico Urologista Especialista na área semanais R$ 2.438,32
específica e
Planejam, organizam,
administram e avaliam
unidades de alimentação e
nutrição; efetuam controle
higiênico-sanitário; participam
de programas de educação
Curso Superior
nutricional. Prestam
Completo em
assistência nutricional a 30 horas
Nutricionista Nutrição e Registro R$ 2.011,61
indivíduos e coletividades semanais
no Conselho
(sadios e enfermos). Elaboram
Competente
cardápio da merenda escolar,
creches, unidades de saúde,
dentre outros. Planejam e
executam projetos de combate
à baixa nutrição da população
carente do município
Implementam, avaliam,
coordenam e planejam o
desenvolvimento de projetos
pedagógicos/instrucionais nas
modalidades de ensino
presencial e/ou a distância,
aplicando metodologias e
técnicas para facilitar o
processo de ensino e
aprendizagem. Atuam em
cursos acadêmicos e/ou
Curso Superior
corporativos em todos os 40 horas
Pedagogo Completo em R$ 2.011,61
níveis de ensino para atender semanais
Pedagogia
as necessidades dos alunos,
acompanhando e avaliando os
processos educacionais.
Viabilizam o trabalho coletivo,
criando e organizando
mecanismos de participação
em programas e projetos
educacionais, facilitando o
processo comunicativo entre a
comunidade escolar e as
associações a ela vinculadas.
Psicólogo Implementam ações de Curso Superior 20 horas R$ 2.011,61
promoção à saúde psíquica, Completo em semanais
emocional e social, Psicologia e
principalmente por meio de Registro no
atendimento individual ou em Conselho
grupo; acompanham o Competente
desenvolvimento emocional e
os processos mentais e sociais
de indivíduos ou grupos, com
a finalidade de análise,
tratamento, orientação e
educação; diagnosticam e
avaliam distúrbios emocionais
e mentais e de adaptação
social, elucidando conflitos e
questões e acompanhando
o(s) paciente(s) durante o
processo de tratamento ou
estabilização. Coordenam
equipes e atividades da área e
afins
Atendem pacientes e clientes
para prevenção, habilitação e
reabilitação de pessoas,
utilizando protocolos e
procedimentos específicos. Curso Superior
Habilitam pacientes e clientes; Completo em
realizam diagnósticos Terapia
30 horas
Terapeuta Ocupacional específicos; analisam Ocupacional e R$ 2.011,61
semanais
condições dos pacientes e Registro no
clientes. Orientam pacientes, Conselho
clientes, familiares, cuidadores Competente
e responsáveis. Desenvolvem
programas de prevenção,
promoção de saúde e
qualidade de vida
ANEXO E
PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS
ANEXO
CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E BIBLIOGRAFIAS
ENSINO FUNDAMENTAL COMPLETO (para todos os cargos)
LÍNGUA PORTUGUESA
Leitura, compreensão e interpretação de texto: estabelecimento de relações entre idéias contidas no
texto; identificação do significado de palavras no texto; identificação de informações contidas no texto,
elaboração de conclusões a partir das informações contidas no texto.Conhecimentos linguísticos
aplicados ao texto: emprego e função de adjetivos, pronomes, advérbios e conjunções; identificação e
emprego da pontuação: ponto final, ponto de exclamação, ponto de interrogação, dois pontos, travessão e
vírgula; concordância do artigo com o substantivo e do adjetivo com o substantivo; concordância verbal.
Gêneros textuais: identificação de gêneros textuais e sua função (aviso, comunicado, bilhete, bulas,
receituários, circulares dentre outros)
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa. 46. ed. São Paulo: Nacional,
2005.
CUNHA, Celso, CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 2001.
LUFT, Celso Pedro. Novo guia ortográfico. São Paulo: Globo, 2000.
SACCONI, Luiz Antônio. Gramática essencial da língua portuguesa. São Paulo: Atual, 1991
Livros didáticos de Língua Portuguesa para o Ensino Fundamental -5ª a 8ª série/6º ao 9º ano
MATEMÁTICA
Operações com numerais inteiros e relativos. Múltiplos e divisores. Máximo divisor comum e mínimo
múltiplo comum. Números fracionários: operações. Números decimais: operações. Unidade de
comprimento, área, volume e tempo. Porcentagem, regra de três simples. Cálculo do perímetro e área de
triângulos, quadriláteros e circunferência. Problemas envolvendo raciocínio lógico. Leitura de gráficos,
tabelas e cronogramas de ações.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
Livros didáticos de Matemática para o Ensino Fundamental -5ª a 8ª série/6º ao 9º ano
CONHECIMENTOS GERAIS/LEGISLAÇÃO MUNICIPAL
Ética/Cidadania e direitos humanos. Meio ambiente e qualidade de vida. Segurança no trabalho (uso de
equipamentos). Direitos e deveres do funcionalismo.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
DIMENSTEIN, Gilberto. O cidadão de papel. A infância, a adolescência e os direitos humanos no Brasil.
São Paulo: Ática, 1997.
BRANCO, Samuel Murgel. O meio ambiente em debate. São Paulo: Moderna, 2002.
Jornais e revistas atualizados
NOVA LIMA. Lei Orgânica do Município.
BRASIL. Ministério do Trabalho. Segurança e Saúde no Trabalho.
ENSINO MÉDIO/TÉCNICO COMPLETO (para todos os cargos)
LÍNGUA PORTUGUESA
Interpretação de textos de diferentes gêneros. Conhecimento da língua portuguesa: linguagem formal.
Ortografia oficial/acentuação gráfica. As classes de palavras - definições, classificações, flexões,
emprego: substantivos, adjetivos, pronomes, verbos, advérbios, preposições e conjunções. Estrutura da
oração e do período: aspectos sintáticos e semânticos. Concordância verbal e concordância nominal.
Regência verbal e regência nominal. Ocorrência do sinal indicativo de crase. Pontuação. Variação
linguística: as diversas modalidades do uso da língua
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
CIPRO Neto, Pasquale e INFANTE, Ulisses - Gramática da língua portuguesa. 2, ed. São Paulo,
Scipione, 2003.
CUNHA, Celso; CINTRA, Luis F. Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 3. ed. Rio de
Janeiro: Nova Fronteira, 2001.
AZEREDO, José Carlos de. Gramática Houaiss da língua portuguesa. São Paulo: Publifolha, 2008.
CONHECIMENTOS GERAIS/LEGISLAÇÃO MUNICIPAL
Cidadania e direitos humanos. O mundo globalizado. Meio ambiente e qualidade de vida. Direitos e
deveres do funcionalismo.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
DIMENSTEIN, Gilberto. O cidadão de papel. A infância, a adolescência e os direitos humanos no Brasil.
São Paulo: Ática, 1997.
CARVALHO, Bernardo de Andrade. A globalização em xeque. São Paulo: Atual, 2000.
BRANCO, Samuel Murgel. O meio ambiente em debate. São Paulo: Moderna, 2002.
NOVA LIMA. Lei Orgânica do Município.
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - NÍVEL MÉDIO/TÉCNICO COMPLETO ASSISTENTE
ADMINISTRATIVO
Legislação que regulamenta a gestão pública - Noções básicas: Administração pública no contexto da
Constituição Federal: a Organização do Estado, a Administração Pública. Limitações impostas pela Lei de
Responsabilidade Fiscal. Gestão de materiais e compras: processo licitatório, pregão presencial e
eletrônico, contratos administrativos, material de consumo e permanente, controle de estoque, controle
patrimonial. Finanças e contabilidade pública: gestão financeira, ciclo orçamentário, execução
orçamentária e financeira.
O que é Administração - Noções básicas: Conceito de administração. Rápida história da teoria da
administração: ênfase nas tarefas, na estrutura organizacional, nas pessoas, na tecnologia, no ambiente,
nas competências e na competitividade. Técnica administrativa nas organizações
As Organizações - Noções básicas: Conceitos básicos. Modelo burocrático de organização;
características da burocracia e disfunções da burocracia; burocratização e desburocratização; adhocracia.
As organizações como sistemas abertos.
O processo administrativo - Noções básicas: Planejamento - conceito, tipos (estratégico, tático e
operacional), metas, projetos. Organização - estrutura organizacional, tipos de estrutura, autoridade e
responsabilidade, divisão do trabalho, gráficos de organização. Direção - conceito de direção, emissão de
ordens, motivação e comunicação, coordenação e liderança. Controle - importância e conceito de
controle, características e classificação do controle e tipos de padrões.
Informática e administração: Sistemas de informações administrativas. Processamento de informações.
Informática Básica: Sistema Operacional Microsoft Windows (configurações básicas do painel de controle,
organização de pastas e arquivos, operações de manipulação de pastas e arquivos como copiar, mover,
excluir e renomear). Editor de Textos Microsoft Word (criação, edição, formatação e impressão, criação e
manipulação de tabelas, inserção e formatação de gráficos e figuras). Planilha Eletrônica Microsoft Excel
(criação, edição, formatação e impressão, utilização de fórmulas, geração de gráficos). Internet
(produção, manipulação, organização de mensagens eletrônicas/ e-mail).
Métodos e processos administrativos: Gráficos de processamento. Formulários. Manuais de organização.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
CHIAVENATO, Idalberto. Administração: Teoria, Processo e Prática. 4ª edição, RJ: Campus/Elsevier,
2007. Parte I - Os Fundamentos da administração: introdução, capítulos 1 e 2; Parte III - Planejamento da
ação empresarial: introdução e capítulo 9; Parte IV - Organização da ação empresarial: introdução; Parte
V - Direção da ação empresarial: introdução e resumo dos capítulos 14 e 15 e Parte VI - Controle da ação
empresarial, introdução, capítulos 17 e 18.
CURY, Antônio. Organização & Métodos: uma visão holística. 7ª edição, SP, Atlas, 2000. Parte II -
Processos Organizacionais, capítulos 4, itens 4.1 a 4.7; Parte III - Métodos e Processos, capítulos 11, 12
e 15.
BRASIL, CONSTITUIÇÃO FEDERAL/1988. Títulos e Capítulos que tratam da Organização do Estado, da
Administração Pública, das Finanças Públicas (Normas Gerais e Orçamentos) e respectivas leis
complementares e Emendas Constitucionais.
LEI Complementar n.° 101/2000 - Lei de Responsabilidade Fiscal.
LEI n.° 4.320/64 - Finanças Públicas.
LEI de Licitação n.° 8666/93 e alterações posteriores: aspectos conceituais.
Lei n. 10.520/02 - Pregão
Publicações CONASS - Conselho Nacional de Secretários de Saúde, Coleção Progestores 2007 - 1ª
Edição. Livro 2 - A Gestão Administrativa e Financeira do SUS, itens: 1.3 (Gestão de materiais), 1.4
(Gestão de compras), 1.5 (Contratos administrativos), 2.1 (Importância da gestão financeira), 2.2 (Ciclo
orçamentário), 2.3 (Execução orçamentária e financeira). Disponível em:
www.conass.org.br/publicacao/index.html
SILVA, Adelphino Teixeira. Administração Básica. Atlas, São Paulo, 4ª Ed., 2007. Capítulos: 2 a 8; 15 e
16.
Manuais online do Microsoft Word 2000 ou XP.
Manuais online do Microsoft Excel 2000 ou XP.
Manuais online do Microsoft Outlook 2000 ou XP.
PERRY, G.M. Aprenda em 24 Horas Windows 98. Rio de Janeiro: Campus: 1998.
SANTOS JÚNIOR, M. J. F. Excel 97: passo a passo, São Paulo: Terra, 1997.
TORTELLO, J.E.N. Explorando a Internet. São Paulo: Makron Books, 1995.
DESENHISTA TÉCNICO
Perspectivas axonométricas e cavaleira. Escalas. Projeção ortogonol: três e seis vistas, supressão de
vistas e vistas especiais. Cortes e seções. Cotagem de desenhos. Leitura e interpretação de desenhos de
peças e conjuntos mecânicos. Leitura e interpretação de desenhos arquitetônicos. Processos e técnicas
construtivas. Convenções e normas em desenhos de: arquitetura, estrutural, elétrico, hidráulico,
telecomunicações, SPDA, layout, cartográfico, urbanístico, de engenharia, organização e métodos.
Desenvolvimento, detalhamento e desenho de projetos de arquitetura, estrutural, elétrico, hidráulico,
SPDA, layout, cartográfico, urbanístico, de engenharia, organização e métodos. Informática aplicada:
conceitos e facilidades em ambiente Windows, utilização dos aplicativos: MS Office, AutoCAD - versões
em inglês ou português.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
MANFÉ, Giovanni e outros. Manual de desenho técnico mecânico. São Paulo: Angelotti.
MICELI, Maria Tereza; FERREIRA, Patrícia. Desenho técnico básico. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 2.
ed., 2004.
FRENCH, Thomas E. Desenho técnico e tecnologia gráfica. Porto Alegre: Globo. 2005.
LAMARTINE, Oberg. Desenho arquitetônico. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico.
ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Normas de desenho técnico: NBR 8196 / NBR 8402 /
NBR 8403 / NBR 10067 / NBR 10068 / NBR 10126 / NBR 10582 / NBR 10647.
ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Normas aplicadas no desenho de arquitetura,
estrutural, elétrico, hidráulico, SPDA, layout, cartográfico, urbanístico.
MICROSOFT - Manuais do Sistema Operacional Windows.
MONTENEGRO, Gildo A. Desenho arquitetônico. São Paulo: Edgard Blucher, 4. ed., 2004.
AUTODESK - Manuais do Aplicativo AutoCAD.
MANUAL de ligações prediais de Concessionárias: CEMIG, COPASA, Oi, GVT.
FISCAL MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE
O meio ambiente na Constituição de 1988. Ética Ambiental. Crimes Ambientais. Sistema Nacional de
Meio Ambiente - SISNAMA. Instrumentos da Política Nacional e Estadual do Meio Ambiente. Sistema
Nacional de Unidades de Conservação - SNUC. Estações Ecológicas e Áreas de Proteção Ambiental. Lei
Orgânica do Município de Nova Lima. Licenciamento ambiental. Diretrizes Gerais de Política Urbana e
Plano Diretor Patrimônio Natural, Histórico e Artístico. Resíduos Sólidos. Fauna e Flora (Parques,
Florestas).
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
Agenda 21.
FREITAS, Vladimir de Passos, FREITAS, Gilberto de Passos. Crimes contra a natureza. São Paulo:
Editora Revista dos Tribunais NALINI, Renato. Ética Ambiental. Campinas: Millenium.
Legislação Federal: Constituição Federal, de 1988. Lei n. 11.445, de 05 de janeiro de 2005 (Política
Nacional de Saneamento Básico). Lei n. 4771, de 15 de setembro de 1965 (Código Florestal Brasileiro).
Lei n. 5.197, de 3 de janeiro de 1967 - Proteção à Fauna. Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981 (Política
Nacional de Meio Ambiente). Lei n. 9.433, de 8 de janeiro de 1997 (Política Nacional de Recursos
Hídricos). Lei n. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 (Lei de Crimes Ambientais). Lei n. 9795, de 27 de abril
de 1999 (Política Nacional de Educação Ambiental). Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000 (Sistema
Nacional de Unidades de Conservação). Lei n. 6.902, de 27 de abril de 1981 (Criação de Estações
Ecológicas, Áreas de Proteção Ambiental). Decreto n. 99.274, de 6 de junho de 1990 (Regulamenta a Lei
n. 6.902, criação de Estações Ecológicas e Áreas de Proteção Ambiental). Lei n. 7.679, de 23 de
novembro de 1988 (Proibição da pesca de espécies em períodos de reprodução). Decreto-Lei n. 221, de
28 de fevereiro de 1967 (Proteção e estímulos à pesca). Lei n. 10257, de 10 de julho de 2001(Diretrizes
Gerais de Política Urbana). Decreto-Lei n. 25, de 30 de novembro de 1937 (Organiza a proteção do
patrimônio histórico e artístico nacional). Resoluções do CONAMA: Resolução CONAMA n. 1, de 1986
(Estudo e Relatório de Impacto Ambiental) Resoluções CONAMA n. 237, de 1997; n. 308 de 2002; n. 377
de 2006 (Licenciamento Ambiental). Resolução CONAMA n. 306, de 2002; n. 381, de 2006 (Auditorias
Ambientais). Resolução CONAMA n. 357 de 2005 (Recursos Hídricos). Resoluções CONAMA n. 316, de
2002; n. 386, de 2006 (Qualidade do Ar) Resoluções CONAMA n. 258, de 1999; n. 307, de 2002; n. 313,
de 2002; n. 358, de 2005 (Resíduos Sólidos). Legislação Estadual Constituição Estadual de Minas Gerais.
Lei n. 14.309 de 19 de junho de 2000. Lei n. 7.772, de 08 de setembro de 1980 (Proteção, conservação e
melhoria do meio ambiente). Lei n. 13.199, de 29 de janeiro de 1999 (Política Estadual de Recursos
Hídricos). Lei n. 12.040, de 28 de dezembro de 1995 (ICMS Ecológico) Decreto n. 44.309, de 05 de junho
de 2006 (Licenciamento ambiental). Deliberação Normativa do Copam n. 74, de 09 de setembro 2004
(Autorização e Licenciamento Ambiental). Deliberação Normativa COPAM n. 95, de 12/04/2006 - Dispõe
sobre critérios para o licenciamento ambiental de intervenções em cursos d'água de sistemas de
drenagem urbana no Estado de Minas Gerais. Deliberação Normativa COPAM n. 96, 12/04/2006 -
Convoca municípios para o licenciamento ambiental de sistema de tratamento de esgotos e dá outras
providências.
Legislação Municipal: Lei Orgânica do Município de Nova Lima.
FISCAL MUNICIPAL DE OBRAS E POSTURAS
1. Obras
Topografia: princípios gerais; representação do relevo topográfico, escalas, instrumentos topográficos,
medidas de distâncias e ângulos, desenhos de plantas e perfis, triangulação. Noções de terraplenagem.
Noções de drenagem e taludes.
Orçamentos: levantamento de quantitativos, composição de custos, elaboração de planilhas em meio
magnético, elaboração de cronogramas físico-financeiros.
Leitura de projetos: arquitetônicos, de estruturas metálicas e de concreto armado, de instalações elétricas
e hidrossanitárias.
Métodos e técnicas construtivas: formas de madeira e metálicas para estruturas de concreto armado;
produção e lançamento do concreto; cura, adensamento e desforma.
Planejamento: planejamento e organização do trabalho de execução de obras civis.
Desenho auxiliado por computador (CAD): elaboração de desenhos utilizando o software AutoCAD da
Autodesk.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BORGES, A.C. Topografia. São Paulo: Editora Edgard Blücher, vol. 1 e 2, 1995 e 1997.
CREDER, H. Instalações Elétricas. 14. ed. Rio de Janeiro: LTC. 2002.
FERREIRA, P.; MICELI, M. T. Desenho Técnico. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico. 2008.
GOLDMAN, P. Introdução ao Planejamento e Controle de Custos na Construção Civil. São Paulo: Pini,
1986
OMURA, G. Introdução ao AutoCAD 2008. São Paulo: Alta Books. 2008.
TISAKA, M., Orçamento na Construção Civil. São Paulo: Pini, 2006.
VIANNA, M. R. Instalações hidráulicas prediais. Belo Horizonte: Imprimatur. 2004.
YAZIGI, W. A técnica de edificar. São Paulo: Pini. 2003.
2. Posturas
O Código Tributário Nacional. O Código Tributário Municipal. Administração Tributária Municipal. ITBI,
ISSQN, IPTU, Taxas Municipais. Código de Posturas. Organização do Sistema de Limpeza Urbana.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRASIL. LEI N° 5.172/1966. Código Tributário Nacional.
PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA
Ensino de Língua Portuguesa•
Alfabetização e letramento: pressupostos teóricos e implicações pedagógicas no cotidiano escolar. O
ensino da Língua Portuguesa na educação infantil E nos anos iniciais do ensino fundamental: discussões
atuais (linguagem, língua, interação e enunciação). O desenvolvimento da oralidade no cotidiano escolar:
capacidades e estratégias metodológicas. A prática da leitura: objetivos e finalidades da leitura; aspectos
indispensáveis à compreensão na leitura do texto; relação leitor/autor; diversidade textual e a prática
pedagógica (tipologia, suportes e gêneros textuais). A prática de produção de texto: condições de
produção; finalidade da produção de texto; ortografia; revisão textual. A apropriação do sistema de escrita
no cotidiano escolar: capacidades e estratégias metodológicas. O trabalho com a literatura infantil.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ALVARENGA, Daniel. Análise de Variações Ortográficas. In Revista Presença Pedagógica. Belo
Horizonte: Dimensão, março/abril, 1995. BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais. Língua Portuguesa.
MEC/SEF, 1997.
BRASIL, Pró Letramento. Alfabetização e Linguagem. MEC. 2007. BRASIL.
BRASIL, Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Vol 1, 2 e 3 MEC/SEF, 1998
FAE/CEALE/SEEMG, Coleção Orientações para o Ciclo Inicial de Alfabetização: cadernos do CEALE - 1,
2, 3, 4, 5 e 6. Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais. 2003.
MARCUSCHI, Luiz Antonio. A questão do suporte dos gêneros textuais1 UFPE/CNPq - 2003) Acesso:
lamarcuschi@uol.com.br
SOARES, Magda. Alfabetização e Letramento- Caminhos e Descaminhos. In: Revista Pátio. Porto Alegre:
Ed. Artmed, n. 29. Fev/Abr. 2004.
- Ensino de Matemática
A matemática na Educação Infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental: tendências atuais e
avaliação. A aprendizagem significativa e a construção do conhecimento matemático. A resolução de
problemas e processo ensino/aprendizagem da Matemática. Alfabetização matemática: O pensamento
lógico-matemático e a construção do número. As primeiras escritas numéricas. Número e numeração:
leitura, escrita, composição e decomposição de números, estruturas; características e princípios do
sistema de numeração decimal. Operação com números naturais: abordagem metodológica dos
diferentes significados da adição, subtração, multiplicação e divisão; processos operatórios e
propriedades; Números racionais representados sob a forma de fração e decimal: os diferentes
significados das frações, relação entre representações fracionárias e decimais de um mesmo número
racional; adição e subtração; cálculo simples de porcentagem. Grandezas e medidas: construção dos
conceitos de grandeza e de medida a partir da prática com unidades não padronizadas; medidas de
comprimento, capacidade e massa; unidade fundamental, múltiplos e submúltiplos de cada grupo; cálculo
do perímetro; superfície, área e volume; medidas de tempo, valor e temperatura. Geometria: construção
do espaço tridimensional; figuras bidimensionais e tridimensionais e seus elementos, propriedades das
figuras; ângulos. Tratamento da Informação: Leitura e interpretação de dados apresentados por meio de
tabelas e gráficos; identificação das possíveis maneiras de combinar elementos de uma coleção.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática v.3.
Brasília MEC/SEF, 1997.
BRASIL, Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil Vol 1, 2 e 3 MEC/SEF, 1998
CARRAHER, T. N. Aprender pensando. São Paulo: Vozes, 1984.
MINAS GERAIS. Secretaria de Estado da Educação: Guia Curricular de Matemática. Ciclo Básico de
Alfabetização/ Ensino Fundamental. v.1-2. Belo Horizonte: SEE/MG, 1997
TOLEDO. Marília, TOLEDO, Mauro. Didática de Matemática. São Paulo: FTD, 1998 Coleção conteúdo &
metodologia.
- Ensino de Ciências
A importância e os objetos do ensino de ciências na Educação Infantil e nos anos iniciais do ensino
fundamental. Diretrizes metodológicas para o ensino de ciências. A abordagem interdisciplinar no ensino
de ciências. O papel da experimentação no ensino de ciências. Conteúdos básicos das ciências naturais
que são objetos do ensino-aprendizagem nas séries iniciais relativos à tecnologia, noções de química e
física, corpo humano, ecologia, geologia e astronomia. Os blocos temáticos: ambiente; ser humano e
saúde; recursos tecnológicos; Terra e Universo. Temas transversais; meio ambiente e saúde; orientação
sexual. Avaliação em ciências.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais, volumes 4, 9 e 10. Brasília, MEC/SEF, 1997
BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais, Ciências Naturais. Brasília: MEC/SEF, 1997.
BRASIL, Parâmetros em ação. 1o e 2o ciclos. MEC. 1999.
BRASIL, Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil Vol 1, 2 e 3 MEC/SEF, 1998
WEISSMANN, Hilda. (Org.) - Didática das ciências naturais: contribuições e reflexões. Porto Alegre: Artes
Médicas. 1998.
- Ensino de História
História, historiografia e iconografia. O saber histórico escolar e sua importância social. Concepção do
ensino de História. Tempo histórico: a relação Tempo/espaço - orientações didáticas. Procedimentos
metodológicos e recursos didáticos: uso de diferentes gêneros textuais (poesia, textos jornalísticos,
histórias, contos, histórias em quadrinhos, etc) jogos, música, filmes, documentos, estudo do meio e
exploração de fontes orais como entrevistas e telejornalismo.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BITTENCOURT, Circe. O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1997.
BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros curriculares nacionais. História. Brasília:
MEC/SEF, 1997.
BRASIL, Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Vol 1, 2 e 3 MEC/SEF, 1998
DUTRA, Soraia F. O ensino de História para crianças. Belo Horizonte: Dimensão. Revista Presença
Pedagógica, v.6, n.31, jan /fev /2000. p.61-69.
- Ensino de Geografia
Concepção do ensino de Geografia (abordagem crítica). Estudo do espaço como construção social e
histórica da ação humana. O estudo da paisagem local (o lugar e a paisagem, natureza (transformação e
conservação). Urbano e rural: modos de vida e o papel das tecnologias na construção das paisagens
urbanas e rurais. Procedimentos metodológicos e recursos didáticos: estudo do meio, relatos de
experiências, mapas, maquetes, jogos, leitura e produção de textos.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais. Geografia. Brasília:
MEC/SEF, 1997.
BRASIL, Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Vol 1, 2 e 3 MEC/SEF, 1998
CASTRO GIOVANNI, A.C. (org.). Ensino de Geografia: práticas e textualização no cotidiano. Porto
Alegre: Mediação, 2000.
SANTOS, Milton. A natureza do Espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucilec, 1997.
SECRETÁRIO ESCOLAR
Organização do sistema de ensino: a educação na Constituição Federal; a Lei de Diretrizes e Bases da
Educação Nacional; a organização do sistema de ensino no estado e no município. Políticas educacionais
atuais: autonomia da escola; planejamento participativo; projeto político pedagógico; integração escola-
comunidade; inclusão; diversidade cultural. Ampliação do Ensino Fundamental para nove anos e o ensino
fundamental a partir de seis anos. Direito à Educação, à Cultura, ao Esporte e ao Lazer da criança e do
adolescente brasileiros. Regimento Escolar (composição, importância). Redação Técnica (Oficial): ofícios,
atas, memorandos, requerimentos, atestados, declarações, relatórios e outros expedientes. Tabelas e
representações gráficas: elaboração, análise e interpretação.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRASIL. Constituição Federal de 1988 - Título VIII, Capítulo III, Seção I;
BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Disponível em:
<www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm>
BRASIL. LDBEN: Lei n. 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Em especial, os artigos 21, 23, 24, 29, 30,
31, 32, 33, 34, 37 e 38.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos
do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação
Fundamental. - Brasília: MEC/SEF, 1998. 174 p. Disponível em:
<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/introducao.pdf>
BRASIL. Lei Federal n.11.114 de 16/05/2005 - Torna obrigatório o inicio do ensino fundamental dos 06
anos de idade.
BRASIL. Lei n.11.274/06, de 06/02/06. Altera a LDB. Ensino Fundamental de nove anos.
BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/ CEB n. 3/05 de 03/08/05. Ensino
Fundamental de nove anos.
BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB n.2/01, de 11/09/2001. Institui Diretrizes
Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica.
BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB n. 1/00, de 05/07/2000. Diretrizes
Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos.
MINAS GERAIS. Constituição Estadual - Titulo IV, Capitulo I, Seção III.
MINAS GERAIS. Conselho Estadual de Educação. Parecer CEE n. 1132/97, de 12/11/97 e 1158/97 de
11/12/98. Dispõe sobre a Ed. Básica nos termos da LDB.
MINAS GERAIS. Conselho Estadual de Educação. Parecer CEE n. 289/2006. Manifesta-se sobre a Lei n.
11.274 , de 06 de fevereiro de 2006, que altera a Lei Federal n.11.114, de 06 de maio de 2005 e dispõe
sobre a duração de nove anos para o ensino fundamental com matricula obrigatória aos seis anos de
idade.
NEY, João Luiz. Prontuário de redação oficial. Rio de Janeiro. Nova Fronteira.
Tabelas do IBGE (dados educacionais). Disponível em:
www.ibge.gov.br/brasil_em_sintese/educacao.htm
TÉCNICO AGRÍCOLA
Gerência Agropecuária: planejamento da produção agropecuária; custos de produção; administração
rural; comercialização agrícola. Bovinocultura de Leite: alimentos e alimentação; manejo do rebanho;
fatores que afetam a produção de leite; qualidade do leite. Avicultura: planejamento da atividade;
instalações; manejo do rebanho suíno e avícola; alimentos e alimentação; manejo e tratamento de dejetos
de suínos e aves. Fruticultura: cultura das principais fruteiras comerciais tropicais, subtropicais e
temperadas; adubação; produção de mudas; tratos culturais; manejo integrado de pragas, doenças e
plantas invasoras; colheita, classificação e padronização; conservação pós-colheita. Olericultura:
produção de mudas; cultura das principais olericolas comerciais; adubação; manejo integrado de pragas,
doenças e plantas invasoras; produção orgânica; colheita, classificação e padronização; conservação
pós-colheita. Grãos: culturas do milho, feijão, arroz e soja; plantio e tratos culturais; manejo integrado de
pragas, doenças e plantas invasoras; calagem e adubação; colheita e beneficiamento de grãos. Solos:
manejo e conservação dos solos; calagem; adubos e adubação orgânica e química; fertilidade do solo;
biologia do solo; física do solo.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ANTUNES, Luciano M. & RIES, Leandro R. Gerência Agropecuária: Análise de Resultados. Ed.
Agropecuária: Guaíba (RS), 2001. 2ª edição. 272 p.
NEIVA, R. S. Produção de Bovinos Leiteiros. UFLA: Lavras (MG), 2000. 2a edição. 514 p.
CFSEMG. Recomendações para o Uso de Corretivos e Fertilizantes em Minas Gerais - 5ª aproximação.
Ed.: Antonio Carlos Ribeiro, Paulo Tácito G. Guimarães e Victor Hugo Alvarez. Viçosa, 1999. 359 p.
EPAMIG. 101 Culturas - Manual de Tecnologias Agrícolas. Epamig: Belo Horizonte (MG), 2007. 800 p.
SOUZA, Jocimar L. & RESENDE, Patrícia. Manual de Horticultura Orgânica. Aprenda Fácil: Viçosa (MG),
2003. 546 p.
BARBOSA, Firmino J. V. et al. Sistema Alternativo de Criação de Galinhas Caipiras. Embrapa Meio Norte,
2007. Disponível no seguinte endereço eletrônico:
http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Ave/SistemaAlternativoCriacaoGalinhaCaipira/
index.htm
TÉCNICO DE APOIO DE INFORMÁTICA
O candidato deve ter conhecimento sobre o uso e manutenção de microcomputadores, ser capaz de
monitorar, avaliar e otimizar o desempenho de sistemas operacionais e redes de computadores (Windows
e Unix), recursos de entrada, armazenamento e saída de dados, consumo da unidade central de
processamento (CPU) e recursos de rede, aplicativos básicos de automação de escritório (MS Office
2003), bem como instalar e assegurar o adequado funcionamento dos hardwares e softwares. Deverá
também apresentar conhecimento de ferramentas de navegação internet e uso de correio eletrônico (e-
mail).
Programa
1. Sistemas Operacionais Microsoft Windows e Unix - Configurações básicas de Sistemas Operacionais.
Organização de pastas e arquivos. Principais aplicativos. Segurança e backup
2. Internet e Intranet - Conceitos e fundamentos. Utilização dos recursos WWW a partir dos Web
Browsers (aplicativos comerciais de navegação, de grupos de discussão e de sites de pesquisa).
Produção, manipulação e organização de mensagens eletrônicas (e-mail). Protocolo TCP/IP. Modos de
utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos associados à Internet/Intranet.
Arquitetura básica.
3. Hardware - Instalação, controle e manutenção de periféricos (Impressoras, scanners, modens etc).
Instalação e manutenção de memória e de discos rígidos e removíveis. Instalação e configuração de
placas de rede e de expansão.
Aplicativos de automação de escritório (Ambiente Windows) - Editor de Textos Microsoft Word 2003:
criação, edição, formatação e impressão; criação e manipulação de tabelas; inserção e formatação de
gráficos e figuras; geração de mala direta.
Planilha Eletrônica Microsoft Excel 2003: criação, edição, formatação e impressão; utilização de fórmulas;
geração de gráficos; classificação e organização de dados.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
Ajuda on-line do Sistema Operacional Windows.
Ajuda on-line dos aplicativos do Microsoft Office 2003.
ALMEIDA, M. G.; ROSA, P. C. Internet, intranet e redes corporativas. Rio de Janeiro: Brasport, 2000.
DIMARZIO, J. F. Projeto e arquitetura de redes: um guia de campo para profissionais. Rio de Janeiro:
Campus, 2001.
FERREIRA, SILVIO. Hardware: montagem, configuração & manutenção de micros. Rio de Janeiro: Axcel
Books, 2005.
MACHADO, Francis Berenger; MAIA, Luiz Paulo. Arquitetura de sistemas operacionais. 4. ed. Rio de
Janeiro: LTC, 2007.
NEMETH, Evi et al. Manual de administração do sistema UNIX. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2002
OLIVEIRA, M. A. M. Microsoft office 2003 standard. Ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2004.
SILBERSCHATZ, A; GAGNE, Greg; GALVIN, Peter Baer. Fundamentos de sistemas operacionais. 6. ed.
Rio de Janeiro: LTC, 2004.
TANENBAUM, Andrew S. Redes de computadores. 4. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2003.
TANENBAUM, Andrew S. Sistemas operacionais modernos. New Jersey: Pretentice-hall, 2003.
VASCONCELOS, Laércio. Manual de expansão de PCs. 2. ed. São Paulo: Makron Books, 2003
TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES
Alvenarias; Estruturas; Máquinas e equipamentos de construção civil; Instalações prediais; Leitura e
interpretação de desenhos técnicos; Higiene e segurança do trabalho; Orçamento de obras; Mecânica dos
solos; Topografia; Normas técnicas.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
AZEREDO, Helio Alves. O edifício e seu acabamento. 1ª ed. Editora Edgard Blucher, 1988.
CHAVES, Roberto. Manual do construtor: para engenheiros, mestres de obras e profissionais de
construção em geral. Rio de Janeiro: Ediouro-tecnoprint, c1979. 326 p
CREDER, Hélio. Instalações elétricas. 15. ed. Rio de Janeiro: LTC - Livros Técnicos e Científicos, 2007.
428p.
CREDER, Hélio. Instalações hidráulicas e sanitárias. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1972 412p.
DELA COLETA, José Augusto. Acidentes de trabalho: fator humano, contribuições da psicologia do
trabalho, atividades de prevenção. 2. ed. São Paulo: Atlas Ribeirão, 1991
DIAS, Luís Andrade de Mattos. Estruturas de aço: conceitos, técnicas e linguagem. 5. ed. São Paulo:
Zigurate, 2006. 218 p
ESPARTEL, Lelis; LUDERITZ, João. Caderneta de campo. 13a ed. Porto Alegre: Globo, 1983. 655p
ISAIA, G. C. (editor), Concreto, pesquisa e realizações, IBRACON, São Paulo, 2005.
PETRUCCI, Eladio Geraldo Requião. Materiais de construção. 11. ed. São Paulo: Globo, 1998
PINTO, Carlos de Sousa. Curso básico de mecânica dos solos em 16 aulas: com exercícios resolvidos. 2.
ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2002. 355p
RICARDO, Helio de Souza; CATALANI, Guilherme. Manual prático de escavação: terraplanagem e
escavação de rocha. 2. ed. rev., atual., ampl. São Paulo: Pini, 1990. 668p
ROCHA, Aderson Moreira da. Concreto armado. 8. ed. São Paulo: Nobel, c1988
RODRIGUEZ ALONSO, Urbano. Previsão e controle das fundações: uma introdução ao controle da
qualidade em fundações. São Paulo: E. Blucher, c1991. 142p.
SILVA, Gilberto Soares da. Curso de desenho técnico: para desenhistas, acadêmicos de engenharia,
acadêmicos de arquitetura. Porto Alegre: DC Luzzatto, 1993
TCPO 2000, Editora PINI, São Paulo.
VARGAS, Milton. Introdução à mecânica dos solos. São Paulo: McGraw-Hill, 1981. 509 p
YAZIGI, Walid. A técnica de edificar. 3ª Edição, São Paulo: Editora PINI, 2000.
Normas Técnicas: NBR-6457; NBR-6459; NBR-7180; NBR-7181; NBR-7182; NBR-7185; NBR-9895; NBR
14545; NBR 13292; NBR-5738; NBR-5739; NBR-7223; NBR-7217; NBR-7219; NBR-7251; NBR-9776;
NBR-6474; NBR-7215; NBR-11579; NBR-11580; NBR-11581; NBR-11582; NBR-13.133
TÉCNICO EM ENFERMAGEM
Lei do Exercício Profissional de Enfermagem e Código de Ética da Enfermagem. Atuação do técnico de
enfermagem no Programa Saúde da Família. Procedimentos para vacinação: sala de vacina, técnicas e
calendário nacional. Princípios da administração de medicamentos: vias, doses, técnicas e cuidados de
enfermagem. Feridas: cuidados de enfermagem relacionados ao tratamento e prevenção de lesões
cutâneas. Cuidados básicos de enfermagem na atenção à saúde da criança, adolescente, mulher, adulto
e idoso. Atendimento nos primeiros socorros. Cuidados básicos na atenção e controle das doenças
infectocontagiosas. Epidemiologia, prevenção e controle de infecções. A saúde mental no SUS.
Processos de desinfecção e esterilização de materiais.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ATKINSON, L.D; MURRAY. Fundamentos de enfermagem. Introdução ao processo de enfermagem. Rio
de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.
SANTOS, N.C.M. Urgência e emergência para a enfermagem. Do atendimento pré-hospitalar (aph) à sala
de emergência. 4 ed. São Paulo: Iátria, 2007.
BORGES, E.L.; SAAR, S.R.C.; MAGALHÃES, M.B.B. Feridas: como tratar. 2. ed. Belo Horizonte:
COOPMED, 2007.
LIMA, I.L.; MATAO, M.E.L. Manual do técnico e do auxiliar de enfermagem. 8. ed. Goiânia: AB, 2007.
CALENDÁRIO básico de vacinação da criança, calendário de vacinação do adolescente, calendário de
vacinação do adulto e do idoso. Disponível em: <www.saude.gov.br>
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Coordenação de doenças sexualmente
transmissíveis. Manual de controle de doenças sexualmente transmissíveis. 3. ed. Brasília, 1999.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde
da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Brasília. 2002.
BRASIL. Ministério da Saúde. Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmama. 3. ed.,
Brasília, 1986.
BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência e controle de doenças diarréicas. Brasília, 1993.
ENFERMAGEM: aspectos éticos e de organização da profissão.
BRASIL. Ministério da Saúde. Guia para o controle da hanseniase. Cadernos de atenção básica, n. 10.
Brasília, DF, 2002.
BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de procedimentos para vacinação. 4. ed. Brasília, 2001. 316p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Manual técnico para controle da tuberculose. Caderno de atenção básica,
n. 5. Brasília, 2002.
BRASIL. Ministério da Saúde. Programa de Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. 36p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria da Atenção à Saúde. A Saúde Mental no SUS: os Centros de
Atenção Psicossocial. Brasília, 2004.
CONSELHO Regional de Enfermagem de Minas Gerais. Legislação e normas. v. 9. n. 1, set., 2003.
COREN-MG. Código de ética e de ontologia de enfermagem. Decreto Lei n. 94.406-87, de 08 de junho de
1987. Regulamenta a Lei n. 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício de enfermagem
e dá outras providências. Brasília, 2003. Disponível em: <www.coren-mg.org.br>
KAPLAN, H; SADOCK, B.; GREBB, J. Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria
clinica. Tradução de Dayse Batista. 7, ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
HANUS, M.; MARCHAL, V. Psiquiatria e cuidados de enfermagem. 2. ed. São Paulo: Andrei, 2003.
KOCH R.M; MOTTA H.S; WALTER R.L Técnicas básicas de enfermagem. 24. ed. Curitiba: Florence,
2007.
OLIVEIRA, A.C. Infecções hospitalares. Epidemiologia, prevenção e controle. Rio de Janeiro: Medsi.
2005.
SANTOS, N.C.M. Enfermagem na prevenção e controle da infecção hospitalar. São Paulo; Iátria, 2003.
SILVESTRE, J.A., COSTA NETO, M.M. Abordagem do idoso em programa de Saúde da Famiia.
Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.19, n. 3, p. 839-47, jun. 2003. Atenção Primária.
CANETTI, M.D.; ALVAREZ, F.S.; SILVEIRA,J.M.S.; e outros. Manual básico de socorro de emergência. 2.
ed. São Paulo: Atheneu, 2007.
COLOMBRINI, M.R.C.; MUCKE, A. G.; FIGUEIREDO, R.M. Enfermagem em Infectologia. 4. ed. São
Paulo: Atheneu, 2000.
TÉCNICO EM ENFERMAGEM - PSF
Administração de medicamentos - Tipos de medicamentos, formas de apresentação, Vias de
administração de medicamentos, cálculos de doses de medicações. Administração de hemoderivados -
Rotinas das transfusões de sangue e hemocomponentes, conhecimento de sinais e sintomas da reação
transfusional imediatas e tardias. Prestar assistência ao paciente gravemente enfermo - Conhecer os
procedimentos de leitura de Pressão venosa central, interpretar dados fornecidos por monitores
cardíacos, conhecer procedimento de montagem e operação de respiradores artificiais. Mensuração de
dados vitais - Conceito, técnicas de mensuração e valores de referência. Feridas e curativos - Conhecer
os tipos de feridos, técnicas de realização de curativos, coberturas adequadas aos tipos de feridas.
Vacinas - Conhecer o programa nacional de imunização, conhecer técnicas de preparo de vacinas,
conhecer as vias de administração, conhecer as reações imediatas e tardias da aplicação de vacinas.
Doenças transmissíveis - Conceitos e tipos de doenças transmissíveis, formas de transmissão,
precauções padrão de prevenção e cuidados na assistência dessas doenças, conhecer as doenças de
notificação compulsória. Programa de saúde da família - Conhecer a estruturação de uma unidade básica
de saúde segundo orientações do MS, o conceito de acolhimento no PSF, o conceito e ações de visitas
domiciliares do PSF. Saúde do trabalhador - Conhecer a legislação que regulamenta a segurança e
saúde do trabalhador em estabelecimento de saúde, conhecer as doenças relacionadas ao trabalho.
Assistência humanizada de enfermagem - Favorecer a adaptação do paciente ao ambiente hospitalar,
aplicar as medidas terapêuticas propostas de forma humanística, realizar a entrevista de enfermagem.
Assistência de enfermagem no pré-hospitalar - conhecer e dominar os procedimentos de atendimentos de
emergências em vias públicas ou residências que competem ao técnico de enfermagem, saber das
normas de acompanhamentos dos pacientes atendidos na emergência até a unidade hospitalar. Infecção
hospitalar - conceito de infecção hospitalar, desinfecção, assepsia, anti-sepsia medidas de controle de
infecção hospitalar. Instrumentos cirúrgicos - reconhecer os instrumentos básicos de pequenas cirurgias,
conhecer a função básica de instrumentação cirúrgica.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ANDRADE, Selma Maffei de; SOARES, Darli Antônio; CORDONI JÚNIOR, Luiz (Orgs.). Bases da saúde
coletiva. Curitiba: UEL, 2001.
ANVISA, Hemovigilância: manual técnico de hemovigilância - investigação das reações transfusionais
imediatas e tardias não infecciosas, novembro de 2007.
ARANDA, C.M.S. de Souza et al. Manual de procedimentos para vacinação. 4. ed. Brasília: Ministério da
Saúde: Fundação Nacional de Saúde, nov / 2001. 316 p
BOGOSSIAN, L. Manual prático de pré e pós-operatório. 2. ed. Rio de Janeiro: Medsi, 1999.
BORGES, Eline Lima et al. Feridas: como tratar. Belo Horizonte: COOPMED, 2001. 144p
BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. 6.
ed. Brasília, 2005.
BRASIL, M. S. OPAS. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de
saúde, 2001.
CINTRA, E. A.; NISHIDE, V. M.; NUNES, W. A. Assistência de enfermagem ao paciente gravemente
enfermo. São Paulo: Atheneu, 2005.
COLOMBRINI, Maria Rosa Ceccato; MUCKE, Adriana Guzzo; FIGUEIREDO, Rosey Moralez de.
Enfermagem em infectologia: cuidados com o paciente internado. São Paulo: Atheneu, 2001.
COSTA, E. M. A.; CARBONE, M. H. Saúde da família: uma abordagem interdisciplinar. Rio de Janeiro:
Rubio, 2004.
DESTRUTI, Ana Beatriz C. B.; ARONE, Evanisa Maria; PHILIPPI, Maria Lucia dos Santos. Introdução a
farmacologia. 2. ed. São Paulo: SENAC, 1999.
ECKER, M.H.; ROTHROCK, J. C.
ALEXANDER. Cuidados de enfermagem ao paciente cirúrgico. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 1997.
HUDDLSTON, S.S., FERGUSOM, S. Emergências clínicas: abordagens, intervenções e auto-
avaliação.Praxis, 3. ed, 2006
JORGE, Silva Angélica, DANTAS, Sônia Regina Pérez Evangelista. Abordagem multiprofissional do
tratamento de feridas. São Paulo: Atheneu, 2005. 378 p
Norma regulamentadora n. 32 segurança e saúde do trabalhador em estabelecimento de saúde, 2004.
SANTOS, Iraci dos, FIGUEIREDO, Nébia Maria Almeida de, PADILHA, Maria Itayara Coelho de Souza et
al. Enfermagem assistencial no ambiente hospitalar. São Paulo: Atheneu, 2008.
SMELTZER, Suzanne C. O'Connell; BARE, Brenda G. (Ed.). Brunner & Suddarth. Tratado de
enfermagem médico-cirúrgica. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.
SOUZA, M. de et al. Assistência de enfermagem em infectologia. São Paulo: Atheneu, 2006
ZANINI, Antônio. C. & OGA, Seizi. Farmacologia aplicada. 3. ed. São Paulo: Atheneu.
TÉCNICO EM ESTRADAS
Planejamento e estudos de rodovias: projeto geométrico, análise de projeto, fases do projeto, escolha do
traçado, topografia; Construção, Conservação e Restauração de Estradas: Normas Técnicas,
terraplanagem, drenagem, obras complementares, ensaios e controle tecnológico, obras de arte corrente
e especiais, preparo do terreno, instalação do canteiro de obras, locação da obra, execução de
escavações e fundações; manutenção e construção; Operação Rodoviária: estudo de tráfego, pesagem,
sinalização e segurança viária; Engenharia Ambiental e Legislação Ambiental: EIA/RIMA (Resolução
CONAMA n.° 001/86), Licenciamento Ambiental - Resolução CONAMA n.° 237/97 e Política Nacional de
Meio Ambiente (Lei n.° 6.938/81); Superestrutura Ferroviária.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ANTAS, P.M. (1991). Estradas I - Projeto Geométrico. Apostila do Instituto Militar de Engenharia.
BAPTISTA, Cyro Nogueira. Pavimentação. Ed. Globo.
BELLIA, V. e Bidone, E.D. (1992). Rodovias, Recursos Naturais e Meio Ambiente. Editora Universitária da
UFF.
BRINA, H.L. (1988). Estradas de Ferro. Editora UFMG.
CARVALHO, Manuel Pacheco de. Curso de Estradas. Ed. Científica.
DENATRAN (1984). Interseções em Nível não Semaforizadas em Áreas Urbanas - Manual de Projeto.
DENATRAN (1986). Manual de Sinalização de Trânsito - Parte I: Sinalização Vertical.
DENATRAN (1986). Manual de Sinalização de Trânsito - Parte II: Marcas Viárias e Parte III: Dispositivos
Auxiliares à sinalização.
DER (1988). Serviços Rodoviários - Informações Básicas.
PAULA, Haroldo Gontijo de. Características Geométricas das Estradas. Edições COTEC.
PONTES Filho, Glauco (1998). Estradas de Rodagem - Projeto Geométrico. GP Engenharia.
SENÇO, Wlastermiler de. Terraplenagem. Escola Politécnica da USP.
SOUZA, Murillo Lopes de. Pavimentação Rodoviária. Livros Técnicos e Científicos Ed.
STOPATTO, Sérgio (1987). Via Permanente Ferroviária - Conceitos e Aplicações. Editora da USP.
VALDES, A. Ingenieria de Trafico. Terceira Ed. Editorial Dosset, Barcelona.
TÉCNICO EM AGRIMENSURA (2007/2008)
Topografia. Geodésia. Batimetria. Cartografia. Fotogrametria. Cadastro Técnico Municipal. Sistemas de
Informações Geográficas
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ANDRADE, José Bittencourt de. Navstar - GPS. Curitiba: UFP, 1988. 62 p.
CARDÃO, Celso. Topografia. Belo Horizonte: Arquitetura e Engenharia.
DUARTE, Paulo Araújo. Fundamentos de cartografia. 2. ed. Florianópolis: UFSC, 2002.
ESPARTEL, Lélis; LUDERITZ, João. Caderneta de campo. 3. ed. Porto Alegre: Globo, 1970. 655 p
MARCIA. Princípios de fotogrametria e fotointerpretação. São Paulo: Nobel, 1989. 257 p.
Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR 13.133 - Execução de Levantamentos Topográficos.
MARTINELLI, Marcello. Curso de cartografia temática. São Paulo: Contexto, 1991. 180 p.
SILVA, Antônio José Prata Amado da. O uso do GPS nas medições geodésicas de curta distância.
Curitiba: (s.n.), 1991. 180 p.
XEREZ, Carvalho. Topografia geral: topografia, fotogrametria, elementos de geodésia e de astronomia
geodésia. [s. l.]: Técnica, 1947. 2v.. Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR 14.166 - Rede de
Referência Cadastral Municipal.
TÉCNICO EM ENFERMAGEM DO TRABALHO
Equipe de Saúde Ocupacional e legislação do exercício da Enfermagem do Trabalho; Higiene,
identificação e classificação dos riscos no ambiente de Trabalho (Riscos ocupacionais: físicos, químicos,
biológicos e ergonômicos); Resíduos industriais. Controle da poluição do ar e águas nos locais de
trabalho ou circunvizinhanças; História natural das doenças: ocupacionais e não ocupacionais;
Ergonomia; conceito e sua aplicação no trabalho; Acidentes de trabalho: conceituação técnica e legal;
Legislação Especifica de Segurança (Normas Regulamentadoras - NR 01; 02; 03; 04; 05; 06; 07; 08; 09;
15; 32); Absenteísmo: causas e conseqüências; Atividades especificas do Serviço de Saúde Ocupacional;
Aspectos éticos e Deontologia de Enfermagem.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRASIL. Ministério da Saúde. Representação no Brasil da OPAS/OMS. Doenças relacionadas ao
trabalho: manual de procedimentos para serviços de saúde/ Ministério da Saúde do Brasil, Representação
no Brasil da OPAS/OMS; organizado por Elizabeth Costa Dias e cols. Brasília: Ministério da Saúde do
Brasil, 2001. 580p.: il (série A. Normas e Manuais Técnicos)
RESOLUÇÃO COFEN-240/2000 - Aprova o Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem e dá
outras providências.
www.fundacentro.gov.br
www.mte.gov.br
www.saude.gov.br
TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE
Educação Ambiental: Interpretação ambiental conceitos e características; Trilhas interpretativas: tipos e
características; Mobilização social: conceitos, objetivos e processo; Tendências e propostas pedagógicas
para zoológicos, jardins botânicos, parques e áreas verdes; Educação para sustentabilidade Educação
urbana; Gerenciamento ambiental; Valores humanos e consumo sustentável. Legislação e Impactos
socioeconômico-ambientais: Licenciamento ambiental e Avaliação de impactos ambientais (Legislação -
EIA/RIMA - Metodologias - Fases - Audiências públicas); Perícia ambiental; Subsídios para avaliação
econômica de impactos ambientais; Poluição ambiental (Água - Ar - Solo); Planejamento urbano x
Alteração da qualidade das águas - ar e solo; Recursos minerais e energéticos. Gerenciamento de
resíduos sólidos e de saúde. Ecologia E Meio ambiente: Relações entre os seres vivos e destes com o
ambiente ao longo do tempo geológico. Conhecimento da dinâmica das populações, comunidades e
ecossistemas. Conservação e manejo da fauna e flora e da relação saúde, educação e ambiente.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BAIRD, Colin. Química ambiental,. 2ed., reimpressão 2004. Porto Alegre, Ed Bookma. 622p. 2002.
DERISIO, J.C. Introdução ao controle de poluição ambiental. 2.ed. São Paulo: Signus Editora, 2000.
DIAS, Geraldo Freire. Educação ambiental: Princípios e Práticas. 5.ed. São Paulo: Ed. Gaia - 1998.
FRANCO, M.A.R. Planejamento Ambiental para a Cidade Sustentável.
FLORA, E.S. Prevenção e controle da poluição nos setores energéticos, industrial e de transporte.
Brasília, DF: ANEL, 2000.
Guerra, Antônio J. T & CUNHA, Sandra Baptista. Avaliação e Perícia ambiental. Bertrand Brasil. 8ª Edição
2007.
PINTO-COELHO, R.M. Tópicos em Gestão Ambiental. Belo Horizonte: Depto. Biologia Geral - ICB -
UFMG, 1998. (Apostila)
REBOUÇAS, A. C.; TUNDISI, J.G. Águas doces do Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 2ed. São
Paulo: Escrituras Editora, 2002.
RIBEIRO, Mauricio Andrés. ECOLOGIZAR. Pensando o ambiente humano. RONA Editora, 1998.
SÃO PAULO. Secretaria do Meio Ambiente. Coordenadoria de Planejamento Ambiental. Estudo de
Impacto Ambiental - EIA, Relatório de Impacto Ambiental - RIMA: Manual de orientação. São Paulo, 1989.
(Série Manuais)
TEIXEIRA, Wilson et al. Decifrando a terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000. Disponível em:
www.ofitexto.com.br/
RICKLEFS, E. Robert. Economia da Natureza. RJ: Ed Guanabara Koogan S.A. 5ª Edição, 2007.
ODUM, H.T, et al. Sistemas Ambientais e Políticas Públicas, disponível em
www.unicamp.br/fea/ortega/eco/index.htm
MIRRA, Álvaro L. V. Impacto ambiental
Resolução ANVISA - RDC N° 306, de 07/12/2004; a Resolução CONAMA N° 358, de 29/04/2005;
BORGES, M.E. RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - A EXPERIÊNCIA DE BELO HORIZONTE-2007.
Disponível em: www.ablp.org.br/senalimp2007/18-10-2007-2.php
TÉCNICO EM PATOLOGIA CLÍNICA
Microscopia - partes componentes do microscópio e manuseio. Limpeza e esterilização de material de
laboratório. Coleta e conservação de amostras biológicas. Anticoagulantes empregados. Realização e
interpretação do exame de urina: exame físico, pesquisa de elementos anormais. Bioquímica: estudo
geral de carboidratos, lípides e proteínas. Parasitologia: métodos de concentração de fezes. Principais
parasitas de interesse médico: Ascaris, Trichocephalus, Taenia, Schistosoma, Strongyloides,
Ancilostomideos, Enterobius, Entamoebas e Giárdia. -transmissão, profilaxia, forma infectante, habitat.
Hematologia: hemograma completo, técnicas de confecção e coloração de esfregaços sanguíneos,
contagem diferencial (relativa e absoluta) de leucócitos. Imunohematologia: ABO/Rh, Coombs direto e
indireto. Sorologia básica; Anti- Estreptolisina O, Reação de VDRL, Fator Reumatóide, Proteína C
Reativa. Microbiologia: principais cocos de interesse médico: isolamento e identificação das principais
espécies. Enterobactérias: isolamento, identificação. Principais meios de cultura utilizados no isolamento
e identificação de bactérias em geral.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
CARVALHO, William de Freitas. Técnicas médicas de hematologia e imuno-hematologia. 8. Ed. Belo
Horizonte: Coopmed, 2008.
STRASINGER, Susan King. Uroanálise e fluídos biológicos. 3. ed. São Paulo: Premier, 2000.
NEVES, David Pereira. Parasitologia humana. 11. ed. São Paulo: Atheneu, 2005.
MOTTA, Valter T. Bioquímica clínica para o laboratório. Princípios e interpretações. 4. ed. Porto Alegre:
Médica Missau, 2003.
SILVA, Carlos Henrique Pessoa de Menezes. Bacteriologia. Um texto ilustrado. Rio de Janeiro: Eventos.
TÉCNICO EM RADIOLOGIA
Física das radiações e radioproteção. Artefatos e controle de qualidade em mamografia. Bases
tecnológicas aplicadas aos Raios X. Mamografia - Técnicas e procedimentos. Anatomia. Mamografia -
Controle de qualidade. Sistema cardiorrespiratório - Técnicas e procedimentos. Anatomia. Tórax - Técnica
de alta Kv. Recursos técnicos. Abdômen - Técnicas e procedimentos. Anatomia. Membros superiores e
inferiores - Técnicas e procedimentos. Anatomia. Bacia - Técnicas e procedimentos. Anatomia. Coluna
vertebral - Técnicas e procedimentos. Anatomia. Crânio - Técnicas e procedimentos. Anatomia. Ossos da
face - Técnicas e procedimento. Anatomia. Seios paranasais - Técnicas e procedimentos. Anatomia.
Sistema digestório - Técnicas e procedimentos. Anatomia. Sistema urogenital - Técnicas e
procedimentos. Anatomia. Sistema Vascular - Técnicas e procedimentos. Anatomia. Traumatismos
craniencefálico, coluna vertebral, torácico, abdômen e osteoarticular - Técnicas e procedimentos. Tipos.
Radiologia portátil. Radiologia pediátrica. Todos os segmentos anatômicos anteriores - Técnicas e
procedimentos. Anatomia.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BIASOLI Jr., Antônio. Técnicas radiográficas. Rio de Janeiro: Rubió, 2006.
BOISSON, LF. Técnica radiológica médica básica e avançada. R.de Janeiro: Atheneu, 2007.
DIMENSTEIN, Renato; HORNOS, Ivare M. Mascarenhas. Manual de proteção radiológica aplicada ao
radiodiagnóstico. 2. ed. São Paulo: SENAC, 2004.
DIMENSTEIN, Renato; NETTO, Thomaz Ghlalardi. Bases físicas e tecnológicas aplicadas aos Raios X. 2.
ed. São Paulo: Senac, 2005 .
DIMENSTEIN, Renato; BALFER, Aron J. Guia prático de artefatos em mamografia. 2. ed. São Paulo:
SENAC, 2005.
LOPES, Aimar A.; LEDERMAN, Henrique M.; DIMENSTEIN, Renato. Guia prático de posicionamento em
mamografia. São Paulo: SENAC, 2000.
VAL, Francisco Lanari do. Manual de técnica radiográfica. São Paulo: Manole, 2006.
Pasqualete HÁ; Koch HÁ;
SOARES-PEREIRA, PM; KEMP, C. Mamografia atual. Rio de Janeiro: Revinter, 1998. Capítulos 2,3,4,5.
TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO
Programa de Gestão de Riscos Ocupacionais PPRA/PCMSO, CIPA, EPI. Legislação em Segurança e
Saúde no Trabalho, Legislação previdenciária, responsabilidade civil e criminal em acidentes do trabalho.
Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho (NR). Estatística aplicada ao controle de acidentes.
Cadastro de acidentes - Coeficientes de Frequência e Gravidade. Ergonomia - Princípios de biomecânica
e de organização do trabalho aplicados na prevenção de distúrbios músculo-esqueléticos (LER / DORT).
Equipamentos de Proteção Individual. Análise de Riscos Profissionais. Proteção Contra Incêndio.
Trabalho a céu aberto e em ambientes confinados. Sinalização de Segurança.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
COUTO, H.A. Ergo. Ergonomia aplicada ao trabalho em 18 lições. Belo Horizonte, 2002.
Temas em Segurança e Saúde no Trabalho. Legislação, análises de acidentes de trabalho, equipamentos
de proteção individual, estatística. Disponíveis em: <www.tem.gov.br/Temas/SegSau>
MANUAL de Legislação Atlas. 60. ed. Editora Atlas, 2007.
MACIEL, R.H. Prevenção da LER / DORT. O que a ergonomia pode oferecer. São Paulo: INST/CUT, s.d.
Série Cadernos de Saúde do Trabalhador. Disponível em: <www.instcut.org.br>
Normas Regulamentadoras 4, 5, 6, 7, 8, 9,11, 12, 13, 15, 16, 17, 18, 20, 21, 23, 24, 25, 26, 33.
PORTO, M.F.S. Análise de riscos nos locais de trabalho. São Paulo: INST/CUT, S.D. Série Cadernos de
Saúde do Trabalhador. Disponível em: <www.instcut.org.br>
NÍVEL SUPERIOR COMPLETO (para todos os cargos)
LÍNGUA PORTUGUESA
Compreensão e interpretação de textos. Variação linguística. Gêneros de texto. Coerência e coesão
textuais. Ortografia oficial. Acentuação gráfica. Acordo ortográfico de 2009. Estrutura da oração e do
período: aspectos sintáticos e semânticos. Substantivo: classificação, flexão, emprego. Adjetivo:
classificação, flexão, emprego. Pronome: classificação, emprego, colocação dos pronomes pessoais
oblíquos átonos, formas de tratamento. Verbo: conjugação, flexão, propriedades, classificação, emprego,
correlação dos modos e tempos verbais, vozes. Advérbio: classificação e emprego. Coordenação e
subordinação. Concordância verbal e nominal. Regência verbal e nominal. Emprego do sinal indicativo da
crase. Pontuação.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
CUNHA, Celso e CINTRA, Luís F. Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro:
Nova Fronteira.
CIPRO NETO, Pasquale e INFANTE, Ulisses. Gramática da língua portuguesa. São Paulo: Scipione.
ROCHA LIMA, Carlos Henrique. Gramática normativa da língua portuguesa. Rio de Janeiro: José
Olympio.
KOCH, Ingedore G. V. A coesão textual. São Paulo: Contexto.
CONHECIMENTOS GERAIS/LEGISLAÇÃO MUNICIPAL
Cidadania e direitos humanos. O mundo globalizado. A globalização e os movimentos antiglobalização. A
Democracia. Brasil: Dos governos militares ao ensaio de democracia.
Meio ambiente e qualidade de vida. Lei Orgânica do município. Direitos e deveres do funcionalismo
público.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BARBOSA, Alexandre de Freitas. O Mundo Globalizado. Política, Sociedade e economia. São Paulo:
Contexto, 2001 (Coleção Repensando a História).
BRASIL. Constituição, 1988. República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal/Centro Gráfico,
1988. Artigos de 196 -200. Disponível em:
<https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao_Compilado.htm>
CARVALHO, Bernardo de Andrade. A globalização em xeque. São Paulo: Atual, 2000.
BRANCO, Samuel Murgel. O meio ambiente em debate. São Paulo: Moderna, 2002.
DIMENSTEIN, Gilberto. O cidadão de papel. A infância, a adolescência e os direitos humanos no Brasil.
São Paulo: Ática, 1997.
GOHN, Maria da Glória, org. Movimentos sociais no início do século XXI. Antigos e novos atores sociais.
Petrópolis: Vozes, 2003 (Parte I).
NOVA LIMA. Lei Orgânica do Município.
SANTOS JR., Walter. Democracia. O governo de muitos. São Paulo: Scipione, 1996 (Coleção Opinião &
Debate).
MENDONÇA, Sonia Regina & FONTES, Virgínia Maria. História do Brasil recente. 1964-1992. São Paulo:
Ática, 1994 (Série Princípios).
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - NÍVEL SUPERIOR COMPLETO
ARQUITETO
História da arquitetura. Teoria da Arquitetura. Projeto arquitetônico. Desenho arquitetônico. Perspectiva.
Leitura e interpretação de projetos. Elementos de projeto. Projeto Assistido por Computador.
Coordenação e compatibilização de projetos complementares ao projeto arquitetônico. Urbanismo.
História do urbanismo. Desenho urbano. Implantação. Planejamento urbano e regional. Paisagismo.
Planejamento ambiental. Projeto paisagístico. Conforto ambiental. Conforto térmico. Acústica
arquitetônica. Iluminação natural e conservação de energia. Iluminação artificial. Luminotécnica básica.
Resistência dos materiais. Fundações. Alvenaria estrutural. Estruturas de concreto. Estruturas metálicas.
Sistemas estruturais. Projeto de estruturas. Construção de áreas urbanas e obras públicas. Habitação de
interesse social. Planejamento, orçamento e controle de obras. Elaboração de especificações técnicas.
Avaliação de bens. Materiais e técnicas de construção. Técnicas retrospectivas. Instalações elétricas,
Instalações
hidrossanitárias. Águas pluviais. Topografia. Legislação. Segurança do Trabalho. Equipamentos de
proteção individual e coletiva. Lei de Uso e Ocupação do Solo. Código de obras. Ética profissional.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BENEVOLO, Leonardo. A arquitetura no novo milênio. São Paulo: Estação Liberdade, 2007.
CREDER, Hélio. Instalações hidráulicas e sanitárias. 6. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos,
2006.
FRAMPTON, Kenneth. Historia crítica da arquitetura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
FROTA, Anesia Barros; SCHIFFER, Sueli Ramos. Manual de conforto térmico. 8. ed. São Paulo: Studio
Nobel, 2007.
MASCARO, Juan Luis. O custo das decisões arquitetônicas. São Paulo: Nobel, 1985.
REBELLO, Yopanan Conrado Pereira, 1949. A concepção estrutural e a arquitetura. 3. ed. São Paulo:
Zigurate, 2003.
ROMERO, Marta Adriana Bustos. A arquitetura bioclimática do espaço público. Brasília: Editora
Universidade de Brasília, 2001.
Normas Técnicas ABNT
NBR 14653 - Norma para avaliação de bens.
NBR 5410 - Instalações elétricas de baixa tensão.
NBR 5626 - Instalação predial de água fria.
NBR 9050 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos.
NBR 9077 - Saídas de emergência em edifícios.
Legislação Aplicada
BRASIL. Lei Federal 10257/01. Estatuto da cidade.
BRASIL. Lei Federal 6766/79. Parcelamento do solo urbano.
BRASIL. Resolução 205. Código de ética profissional do engenheiro, arquiteto, agrônomo e profissões
afins.
BRASIL. Resolução 218. Atribuições do engenheiro, arquiteto, agrônomo e profissões afins.
ASSISTENTE SOCIAL
Serviço Social contemporâneo nas relações de trabalho. O Assistente Social no processo de trabalho
institucional e suas implicações no resultado deste processo. A instrumentalidade no trabalho do
Assistente Social. As transformações contemporâneas e suas derivações na organização e na gestão do
trabalho. As implicações deste processo no trabalho do assistente social. Planejamento, gestão,
elaboração e execução de projetos sociais; Ética profissional em Serviço Social e o Código de Ética do
Assistente Social. A seguridade social brasileira, histórico da previdência social no Brasil e o processo da
reforma da previdenciária brasileira. A atuação profissional na previdência e o projeto ético político do
Assistente social. Política Nacional de Assistência Social. SUAS - Sistema único de Assistência Social no
Brasil. Estado de Bem Estar social - Welfare State . Rede social. O sistema de proteção social brasileiro.
Programas de transferência de renda com condicionalidades
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. Coleção
Mundo do Trabalho, Bointempo Editorial. 1999.
ARRETCHE, Marta, T. S. (1995) "Emergência e Desenvolvimento do Welfare State: teorias explicativas".
Boletim insformativo Bibliográfico - BIB, n° 39. BARROS, Ricardo Paes; CARVALHO, Mirela & FRANCO,
Samuel (s/d). Análise das vantagens e desvantagens de desenhos alternativos para programas de
transferência de renda com condicionalidades no Brasil. Mimeo.
BENJAMIN, Alfred. A entrevista de ajuda. 6 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
CEFESS - "Código de Ética Profissional do Assistente Social", Lei 8.662/93. 3a ed., Brasília - D.F., 1997.
BRAGA, Léa e CABRAL, Maria do Socorro (orgs.). O Serviço Social na previdência: trajetória, projetos
profissionais e saberes. São Paulo: Cortez, 2007.
BRASIL. Lei n° 8213/91 e decreto n° 5296/04 - Política Nacional do Deficiente.
BRASIL. Lei 8069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente.
BRASIL. Lei n° 10741, 01 de outubro de 2003 - Estatuto do Idoso.
BRASIL. Lei n° 11340 de 07 de agosto de 2006 - Lei Maria da Penha.
BRASIL. Lei 10836, de 09 de janeiro de 2004. Programa Bolsa Família.
BRASIL. Presidência da República. Lei Orgânica da Assistência Social, Lei n° 8.742, de 7 de dezembro
de 1993. DOU, Brasília, DF, 8 dez. de 1993.
BRASIL.. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência
Social. Política Nacional de Assistência Social. Brasília, DF, 2004.
BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de
BRONZO, Carla . Vulnerabilidade, Empoderamento e metodologias centradas na família: conexões e uma
experiência para reflexão 2007
BRONZO, Carla. Programas de Proteção Social e superação da pobreza: concepções e estratégias de
intervenção, trabalho entregue para obtenção do titulo de doutorado Ano de Obtenção: 2005.
DUARTE, Adriana. O processo de reforma da previdência social pública brasileira: um novo padrão de
regulação social do Estado? Revista Serviço Social & Sociedade. São Paulo: Cortez. Ano XXIV, n.73,
p.120-141, mar. 2003.
ARMANI, Domingos. Como elaborar projetos sociais? Porto Alegre: Tomo Editorial (Coleção Amencar),
2003.
GALDSMITH, Stephen; EGGERS, William D. Governar em Rede: O novo formato do setor público.
Brasília: ENAP, 2002.
GUERRA, Yolanda. Instrumentalidade do processo de trabalho e Serviço Social. In: Revista Serviço
Social e Sociedade n. 62. São Paulo: Cortez, 2000.
IANOMOTO, Marilda Vilela. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional.
São Paulo: Cortez, 1998. (Primeira Parte) JACCOUD, Luciana, 2006. Indigência e pobreza: efeitos dos
beneficios previdenciários, assistenciais e de transferências de renda. In: PELIANO, Ana Maria (org.).
Desafios e perspectivas da política social. Brasília: Ipea. Textos para Discussão n° 1248.
SEN, Amartya, Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Editora Schwarcz.2000
SPOSATI, Aldaíza. Modelo Brasileiro de Proteção Social não contributiva: concepções fundantes. ENAP
SILVA e SILVA, Maria Ozanira (2004) . "A política social brasileira no século XXI - A prevalência dos
programas de transferência de renda" São Paulo: Cortez.
Parâmetros para atuação dos assistentes sociais e psicólogos (as) na política de Assistência Social/
Cartilha Conselho Federal de Serviço Social e Conselho Federal de Psicologia. Encontrado no site
CRESS 6° região.
BIÓLOGO
Características do meio ambiente e comportamento dos seres vivos. Epidemiologia e controle de vetores
e reservatórios de doenças. Saúde pública. Conservação ambiental e desenvolvimento sustentável.
Manejo e melhoramento de organismos. Ameaças à diversidade biológica.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRASIL, 1999. Ministério da Saúde/Fundação Nacional de Saúde. Morcegos em Áreas Urbanas e Rurais:
Manual de Manejo e Controle. Brasília, 1996.
CONSOLI, R.A.G.B., OLIVEIRA, R.L. 1994. Principais Mosquitos de Importância Sanitária no Brasil,
Editora FIOCRUZ. 1.ed.
DENGUE. Instruções Para Pessoal de Combate ao Vetor. Manual de Normas Técnicas, 2001.
Guia de Vigilância Epidemiológica. Brasília. 6. ed. 2005. Capítulos: 1, 2, 3, 5, 6 (Dengue p. 231-253);
Doença de Chagas p. 282-296; Esquistossomose Mansônica p. 297-306; Febre Amarela p. 307-324;
Febre Maculosa Brasileira p. 330-343; Hantaviroses p. 395-408; Leishmaniose Tegumentar Americana p.
444-466; Leishmaniose Visceral p. 467-501; Leptospirose p. 502-520; Malária p. 521-540; Raiva p. 603-
632.
Manual Técnico do Instituto Pasteur. Manejo de Quirópteros em Áreas Urbanas. São Paulo, 2003.
Ministério da Saúde/Fundação Nacional de Saúde. Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por
Animais Peçonhentos. Brasília, 2001.
Ministério da Saúde/Fundação Nacional de Saúde. Manual de Vigilância Epidemiológica de Febre
Amarela.
NEVES, D.P. 2005. Parasitologia Humana. Editora Atheneo. 11. Edição.
ODUM. E.P. 2004. Fundamentos de Ecologia. Editora Fundação Calouste Gulbenbian. 7. Edição.
PELCZAR, M. 1996. Microbiologia Vol. I. 2. ed.. Makron books.
PRIMACK, R. B.; Rodrigues, E. 2001. Biologia da conservação. Ed. Midiograf. Londrina, 327p.
Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD), Brasília, 2002.
BIOQUÍMICO
Áreas de abrangência: Imunologia Clinica (Sorologia); Parasitologia Clinica; Hematologia Clinica;
Microbiologia Clinica e Bioquímica Clinica. Imunologia clínica (sorologia):
1. Sorologia: Importância dos testes sorológicos na Patologia Clinica
2. Parâmetros para validação de um teste sorológico
3. Aplicação de testes sorológicos
4. Testes Sorológicos: reações de precipitação; reações de aglutinação; testes de imunofluorescência;
técnicas de marcadores radioativos; técnicas imunoenzimáticas; ensaios quimioluminescentes; teste de
diagnóstico rápido; técnicas empregadas na automação (nefelometria, turbidimetria, imunoensaio
quimioluminescente); Citometria de fluxo.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
lROSE, N.R. et al. Manual of Clinical Laboratory Imunology. American Societ for Microbiology, Washington
DC, 4..edition, 1992.
STITES,D.P. et al., Imunologia Médica. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
PEAKMAN,M. & VERGANI,D. Imunologia Básica e Clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999.
ROITT,I et al., Immunology. Espanha: Mosby, 1998
FERREIRA,AW & ÁVILA, S.L.M.. Diagnóstico Laboratorial das Principais Doenças Infecciosas e Auto-
Imunes. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1996.p.1-302.
ANTUNES,L.J. & MATOS, K.T.F. Imunologia Médica. Livraria Atheneu, 1992.p 1-401
PEAKMAN,M. & VERGANI,D. Imunologia Básica e Clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999.
ODONTÓLOGO - Especialista em Endodontia
-Diagnóstico em endodontia: manifestações clínicas, radiográficas e histológicas das alterações pulpares
e periapicais, diagnóstico diferencial entre dores orofaciais odontogênicas e não odontogênicas, métodos
e técnicas de diagnóstico;
-Tratamentos conservadores da polpa dentária;
-Tratamento endodôntico radical: procedimentos pré-operatórios, topografia e anatomia da cavidade
pulpar, preparo mecânico-químico do SCR - técnicas de instrumentação manuais e automatizadas,
técnicas de odontometria radiográfica e eletrônica, soluções e técnicas para irrigação do SCR, medicação
intracanal, obturação dos canais radiculares;
-Biossegurança em endodontia;
-Urgências endodônticas;
-Microbiologia endodôntica;
-Reabsorções radiculares: diagnóstico, etiopatogenia e tratamento.
-Traumatismos dentários: epidemiologia, ações preventivas, cuidados imediatos e tratamento emergencial
das lesões traumáticas, fisiopatologia e prognóstico pulpar e periodontal das lesões traumáticas.
-Terapêutica medicamentosa em endodontia.
-Acidentes e complicações em endodontia.
-Inovações técnicas em endodontia, emprego do MTA.
-Prognóstico e controle pós-tratamento: reparo tecidual após tratamento endodôntico, avaliação de
sucesso e insucesso em endodontia;
-Retratamento enodôntico, e cirurgia paraendodôntica.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
COHEN, S. Caminhos da polpa. 9. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.
ESTRELA, C. Ciência endodôntica 2. ed. São Paulo: Artes Médicas, 2004. v.1 e 2.
LOPES, H.P.; SIQUEIRA JR., J.F. Endodontia. Biologia e técnica. 2. ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2004.
ODONTÓLOGO
Semiologia e patologia bucal;
Diagnóstico, planejamento integral e controle do processo saúde/doença;
Promoção de saúde bucal, educação em saúde;
Biossegurança;
Proteção do complexo dentino-pulpar;
Procedimentos restauradores, endodônticos, periodontais, protéticos, cirúrgicos e inovações tecnológicas
em Odontologia; Emergências e urgências em Odontologia;
Terapêuticas medicamentosas em odontologia;
Atendimento a pacientes com necessidades especiais; manifestações bucais das doenças sistêmicas;
Planejamento e atenção coletiva: políticas públicas/intersetoriedade; Sistema Único de Saúde;
Gestão e gerência da prática odontológica: organização de serviços, documentação;
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:
ANDRADE, E D. Terapêutica Medicamentosa em Odontologia. 2ª ed. Porto Alegre; Ed. Artes Médicas.
2006.
BRASIL. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção
e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras
providências. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8080.htm
BRASIL. Lei n. 8.142, de 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão
do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros
na área da saúde e dá outras providências. Disponível em:
<www.planalto.gov.br/Ccivil_03/LEIS/L8142.htm>
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 373, de 27 de fevereiro de 2002. Disponível em
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0373_27_02_2002.html>
GARONE NETO, N. et al. Introdução à dentística restauradora: diagnóstico, prevenção, proteção da
polpa, hipersensibilidade dentinária, adesão. São Paulo: Santos, 2003.
HADDAD, A.S. Odontologia para pacientes com necessidades especiais. São Paulo: Santos, 2007.
KRIGER, L. ABOPREV - Promoção de saúde bucal. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas. 2003.
LINDHE, J.; KARRING, T.; LANG, N.P. Tratado de periodontia clínica e implantologia oral. 4.ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. 1. 013p.
NEVILLE, B.W.; DANN, D.D.; ALLEN, C.M.; BOUQUOT, J.E. Patologia oral e maxilofacial. 2. ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.
PINTO, V. G. Saúde bucal coletiva. 5. ed. São Paulo: Santos, 2008.
SONIS, S.T.; FAZIO, R.C.; FANG, L. Medicina oral. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1996.
SUS - O que você precisa saber sobre o Sistema Único de Saúde. Associação Paulista de Medicina. São
Paulo: Atheneu. 2007.
FONOAUDIÓLOGO
Audiologia - Audiologia Clínica e Imitanciometria. Prótese Auditiva e Reabilitação do Deficiente Auditivo.
Otoneurologia. Potenciais evocados auditivos. Voz - Avaliação e Tratamento das Disfonias. Avaliação e
Tratamento Fonoaudiológico dos pacientes submetidos à cirurgia de cabeça e pescoço. Motricidade
orofacial - Avaliação e Tratamento dos Distúrbios da Motricidade Orofacial. Avaliação e Tratamento dos
Distúrbios da Fala (desvios fonético e fonológico); Linguagem - Bases neurológicas do desenvolvimento
da linguagem e da aprendizagem. Alterações do desenvolvimento de linguagem - princípios, avaliação e
tratamento. Avaliação e Tratamento dos Distúrbios da Linguagem Oral e Escrita; Saúde coletiva - Atuação
da fonoaudiologia em saúde pública. Atendimento fonoaudiológico nos diferentes níveis de atenção à
saúde. Prevenção e promoção da saúde na fonoaudiologia.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BEHLAU, M. Voz: o livro do especialista. Rio de Janeiro: Revinter, 2005, v. II.
FERREIRA L.P.; BEFI-LOPES; D.M.; LIMONGI, S.C.O. Tratado de fonoaudiologia. São Paulo: Roca,
2004.
LIMONGI, S.C.O. Fonoaudiologia: informação para a formação. Linguagem: desenvolvimento normal,
alterações e distúrbios. São Paulo: Guanabara Koogan, 2003.
MARCHESAN, I. Q. Fundamentos em fonoaudiologia: aspectos clínicos da motricidade oral 2 ed. São
Paulo: Guanabara Koogan, 2005.
MUSIEK, F. E.; RINTELMANN, W. F. Perpectivas atuais em avaliação auditiva. São Paulo: Manole, 2001.
VIEIRA, R. M.; ÁVILA C.; PEREIRA, L. Fonoaudiologia e saúde pública. 2. ed. São Paulo, Pró-Fono, 2000
ENFERMEIRO
Ética e legislação do exercício profissional e Código de Ética de Enfermagem. Epidemiologia e vigilância
em saúde. Saúde da família e estratégia de organização da atenção básica. Programa nacional de
imunização. Aspectos metodológicos da assistência de enfermagem: Sistematização da Assistência de
Enfermagem (SAE). Aspectos técnicos da assistência de enfermagem: princípios da administração de
medicamentos. Cuidados de enfermagem relacionados à terapêutica medicamentosa, ao tratamento de
feridas e prevenção de lesões cutâneas. Diagnóstico e planejamento da assistência de enfermagem:
conceito, finalidade e organização, qualidade total, recursos humanos, recursos materiais, relacionamento
humano e profissional, supervisão e liderança, trabalho em equipe, dimensionamento de pessoal,
educação continuada em enfermagem, administração da assistência de enfermagem. Assistência de
enfermagem na atenção à saúde da criança, adolescente, mulher, adulto, idoso e saúde mental.
Assistência de enfermagem ao individuo em situação de urgência/emergência. Assistência de
enfermagem na atenção e controle das doenças infectocontagiosas. Biossegurança: prevenção e controle
da população microbiana. Programa de Gerenciamento de Resíduos de Saúde (PGRSS). Saúde mental.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ANVISA - RDC 306 - 2004, que dispõe sobre gerenciamento de produção de resíduos.
BORGES, E.L.; SAAR, S.R.C.; MAGALHÃES, M.B.B. Feridas: como tratar. 2 ed. Belo Horizonte:
COOPMED, 2007.
BESSIE, L. MARQUIS, C.J. Administração e liderança em enfermagem: teoria e prática. São Paulo:
Artmed, 2005.
CALENDÁRIO básico de vacinação da criança. Calendário de vacinação do adolescente. Calendário de
vacinação do adulto e do idoso. Disponível em: <www.saude.gov.br>
COLOMBRINI, M.R.C.; MUCKE, A. G.; FIGUEIREDO, R.M. Enfermagem em infectologia. 4. ed. São
Paulo: Atheneu, 2000.
BRASIL. Portaria n. 2048/GM. 5 de novembro de 2002 (site: http://portal.saude.gov.br).
BRASIL. Decreto n. 94.406, de 8 de junho de 1987. Regulamenta a Lei n. 7.489, de 28 de junho de 1986,
que dispõe sobre o exercício de enfermagem e dá outras providências.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área técnica de saúde da mulher.
Assistência em planejamento familiar: manual técnico. 4. ed., Brasília, 2002.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Coordenação de doenças Sexualmente
Transmissíveis. manual de controle de doenças sexualmente transmissíveis. 3. ed. Brasília, 1999.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de atenção básica. Saúde
da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Brasília. 2002.
BRASIL. Ministério da Saúde. Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmama. 3. ed.,
Brasília, 1986.
BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência ao pré-natal: manual técnico. Brasília, 2000.
BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência e controle de doenças diarréicas. Brasília, 1993. Enfermagem:
aspectos éticos e de organização da profissão.
BRASIL. Ministério da Saúde. Controle do câncer cérvicouterino e de mama. 2. ed., Brasília, 1989.
BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional da Saúde. Manual de rede de frio. 3. ed., Brasília,
2001. 68p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Guia para o controle da hanseniase. Cadernos desatenção básica, n. 10.
Brasília, 2002.
BRASIL. Ministério da Saúde. Hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus: Protocolo. Cadernos de
Atenção Básica n. 7. Brasília, 2001.
BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de procedimentos para vacinação. 4. ed., Brasília, 2001. 316p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Manual técnico para controle da tuberculose. Caderno de atenção básica,
n. 5. Brasília, 2002.
BRASIL. Ministério da Saúde. Programa de Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. 36p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria da Atenção à Saúde. A saúde mental no SUS: os Centros de
Atenção Psicossocial. Brasília, 2004.
BRASIL. Portaria n. 2.529 de 19 de outubro de 2006, que dispõe sobre a internação domiciliar no âmbito
do SUS.
BRUNNER, L. S.; SUDDARTH, D. S. Enfermagem médico-cirúrgica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2005, v.1 e 2.
CONSELHO Federal de Enfermagem. Código de ética dos profissionais de enfermagem.
CONSELHO Regional de Enfermagem de Minas Gerais. Legislação e normas. v. 9, n. 1, set. 2003.
COREN-MG. Código de Ética e Deontologia de Enfermagem. Brasília, 2003.
BRASIL. Decreto Lei n. 94.406-87, de 08 de junho de 1987. Regulamenta a Lei n. 7.498, de 25 de junho
de 1986, que dispõe sobre o exercício de enfermagem e dá outras providências. Disponível em:
<www.coren-mg.org.br>
ENFERMEIRO E ENFERMEIRO PSF
Ética e legislação do exercício profissional e Código de Ética de Enfermagem. Epidemiologia e vigilância
em saúde. Saúde da família e estratégia de organização da atenção básica. Programa nacional de
imunização. Aspectos metodológicos da assistência de enfermagem: Sistematização da Assistência de
Enfermagem (SAE). Aspectos técnicos da assistência de enfermagem: princípios da administração de
medicamentos. Cuidados de enfermagem relacionados à terapêutica medicamentosa, ao tratamento de
feridas e prevenção de lesões cutâneas. Diagnóstico e planejamento da assistência de enfermagem:
conceito, finalidade e organização, qualidade total, recursos humanos, recursos materiais, relacionamento
humano e profissional, supervisão e liderança, trabalho em equipe, dimensionamento de pessoal,
educação continuada em enfermagem, administração da assistência de enfermagem. Assistência de
enfermagem na atenção à saúde da criança, adolescente, mulher, adulto, idoso e saúde mental.
Assistência
de enfermagem ao individuo em situação de urgência/emergência. Assistência de enfermagem na
atenção e controle das doenças infectocontagiosas. Biossegurança: prevenção e controle da população
microbiana. Programa de Gerenciamento de Resíduos de Saúde (PGRSS). Saúde mental.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ANVISA - RDC 306 - 2004, que dispõe sobre gerenciamento de produção de resíduos.
BORGES, E.L.; SAAR, S.R.C.; MAGALHÃES, M.B.B. Feridas: como tratar. 2 ed. Belo Horizonte:
COOPMED, 2007.
BESSIE, L. MARQUIS, C.J. Administração e liderança em enfermagem: teoria e prática. São Paulo:
Artmed, 2005.
CALENDÁRIO básico de vacinação da criança. Calendário de vacinação do adolescente. Calendário de
vacinação do adulto e do idoso. Disponível em: <www.saude.gov.br>
COLOMBRINI, M.R.C.; MUCKE, A. G.; FIGUEIREDO, R.M. Enfermagem em infectologia. 4. ed. São
Paulo: Atheneu, 2000.
BRASIL. Portaria n. 2048/GM. 5 de novembro de 2002 (site: http://portal.saude.gov.br).
BRASIL. Decreto n. 94.406, de 8 de junho de 1987. Regulamenta a Lei n. 7.489, de 28 de junho de 1986,
que dispõe sobre o exercício de enfermagem e dá outras providências.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área técnica de saúde da mulher.
Assistência em planejamento familiar: manual técnico. 4. ed., Brasília, 2002.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Coordenação de doenças Sexualmente
Transmissíveis. Manual de controle de doenças sexualmente transmissíveis. 3. ed. Brasília, 1999.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de atenção básica. Saúde
da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Brasília. 2002.
BRASIL. Ministério da Saúde. Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmama. 3. ed.,
Brasília, 1986.
BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência ao pré-natal: manual técnico. Brasília, 2000.
BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência e controle de doenças diarréicas. Brasília, 1993. Enfermagem:
aspectos éticos e de organização da profissão.
BRASIL. Ministério da Saúde. Controle do câncer cérvicouterino e de mama. 2. ed., Brasília, 1989.
BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional da Saúde. Manual de rede de frio. 3. ed., Brasília,
2001. 68p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Guia para o controle da hanseniase. Cadernos de atenção básica, n. 10.
Brasília, 2002.
BRASIL. Ministério da Saúde. Hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus: Protocolo. Cadernos de
Atenção Básica n. 7. Brasília, 2001.
BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de procedimentos para vacinação. 4. ed., Brasília, 2001. 316p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Manual técnico para controle da tuberculose. Caderno de atenção básica,
n. 5. Brasília, 2002.
BRASIL. Ministério da Saúde. Programa de Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. 36p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria da Atenção à Saúde. A saúde mental no SUS: os Centros de
Atenção Psicossocial. Brasília, 2004.
BRASIL. Portaria n. 2.529 de 19 de outubro de 2006, que dispõe sobre a internação domiciliar no âmbito
do SUS.
BRUNNER, L. S.; SUDDARTH, D. S. Enfermagem médico-cirúrgica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2005, v.1 e 2.
CONSELHO Federal de Enfermagem. Código de ética dos profissionais de enfermagem.
CONSELHO Regional de Enfermagem de Minas Gerais. Legislação e normas. v. 9, n. 1, set. 2003.
COREN-MG. Código de Ética e Deontologia de Enfermagem. Brasília, 2003.
BRASIL. Decreto Lei n. 94.406-87, de 08 de junho de 1987. Regulamenta a Lei n. 7.498, de 25 de junho
de 1986, que dispõe sobre o exercício de enfermagem e dá outras providências. Disponível em:
<www.coren-mg.org.br>
JULIO LITVOC, J., DE BRITO, F.C. Envelhecimento: prevenção e promoção da saúde. São Paulo:
Atheneu, 2004.
KAPLAN, H; SADOCK, B.; GREBB, J. Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria
clinica. Tradução de Dayse Batista. 7. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
HANUS, M.; MARCHAL, V. Psiquiatria e cuidados de enfermagem. 2 . ed. São Paulo: Andrei, 2003
KIRSCHBAUM, Dir. O trabalho de enfermagem e o cuidado em saúde mental: novos rumos? Cadernos
IPUB. Compreensão e critica para uma clinica de enfermagem psiquiátrica. Rio de Janeiro: UFRJ/IPUB,
2000, p. 15-36.
KURCGANT, Paulina. Administração em enfermagem. São Paulo: EPU, 2003.
BRASIL. Lei Federal n. 10.216, de 06/04/2001. Disponível EM: <www.inverso.org.br> link legislação
brasileira/leis federais.
BRASIL. Ministério da Saúde. Centro Nacional de Epidemiologia. Informe epidemiológico do SUS.
Brasília: Fundação nacional de Saúde, v. 7, n. 2, abr./jun. 1998.
LIMA, FONSECA. Pediatria ambulatorial. Rio Janeiro: Medbook, 2007.
OLIVEIRA, A.C. Infecções hospitalares. Epidemiologia, prevenção e controle. Rio de Janeiro: Medsi.
2005.
BRASIL. Resolução do COFEN n. 272/2002. "Dispõe sobre a sistematização da assistência de
enfermagem".
SANTOS, E.F. et al. Legislação em enfermagem. Atos normativos do exercício e do ensino de
enfermagem. São Paulo: Atheneu, 2002.
SANTOS, N.C.M. Urgência e emergência para a enfermagem. Do atendimento pré-hospitalar (aph) à sala
de emergência. 4 ed. São Paulo: Iátria, 2007.
SILVESTRE, J.A., COSTA NETO, M.M. Abordagem do idoso em Programas Saúde da Família. Cadernos
de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, v.3, p. 839-47, jun. 2003. 2 Atenção primária.
TANNURE, M.C.; GONÇALVES, A.M.P. SAE - sistematização da assistência de enfermagem: Guia
prático. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.
ENGENHEIRO AGRIMENSOR
Topografia. Geodésia. Fotogrametria e fotoidentificação. Sensoriamento remoto. Cartografia. Cadastro
técnico e planejamento urbano. Traçado de estradas e cidades. Agrimensura legal.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ANDRADE, José Bittencourt de. Navstar - GPS. Curitiba: UFP, 1988.
Associação Brasileira De Normas Técnicas. NBR 13.133: execução de levantamento topográfico. 1994.
BORGES, Paulo Torminn. Institutos básicos do direito agrário. 6.ed. São Paulo: Saraiva, 1991.
CASTRO, José Flávio Morais; Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Princípios de
cartografia sistemática, cartografia temática e sistema de informação geográfica (SIG). Rio Claro: UNESP,
Instituto de Geociências e Ciências Exatas, 1996.
COMASTRI, José Aníbal & TULER, José Cláudio. Topografia: altimetria. 2. ed. Viçosa: UFV , 1990.
COMASTRI, José Aníbal. Topografia: planimetria. 2. ed. Viçosa : UFV , 1992.
COMASTRI, José Aníbal; CARVALHO, Carlos A. B. de. Estradas: traçado geométrico. Viçosa: UFV, 1981.
ESPARTEL, Lelis. Curso de topografia. 7. ed. Porto Alegre: Globo, 1980.
ESPARTEL, Lelis; LUDERITZ, João. Caderneta de campo. 13 ed. Porto Alegre: Globo, 1983.
GEMAEL, C. Geodésia Física. Curitiba: UFPR, 1981.
GEMAEL, C. Introdução à geodésia geométrica: 1ª e 2ª partes. Curitiba: UFPR, 1987.
Instituto Mineiro de Avaliações e Perícias de Engenharia. Fundamentos de avaliações patrimoniais e
perícias de engenharia. Belo Horizonte: PINI, 1998.
LOCH, Carlos. A interpretação de imagens aéreas: noções básicas e algumas aplicações nos campos
profissionais. 4.ed. Florianópolis: UFSC, 2001.
MASCARÓ, Juan Luís. Manual de loteamentos e urbanizações. 2.ed. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 1997.
NOVO, Evlyn Márcia Leão de Moraes. Sensoriamento remoto: princípios e aplicações. 2.ed. São Paulo:
Edgard Blücher, c. 1992.
PAREDES, Evaristo Atencio. Introdução a aerofotogrametria para engenheiros. [Brasília]: CNPq;
[Maringá]: CONCITEC, 1987.
PINTO FERREIRA, Luis. Curso de Direito Agrário: de acordo com a Lei no 8.629/93. 2.ed. São Paulo:
Saraiva, 1995.
RAISZ, Erwin Josephus. Cartografia geral. Rio de Janeiro: Cientifica, 1969.
ROCHA, Cézar Henrique Barra. Geoprocessamento: tecnologia transdisciplinar. 2.ed. Juiz de Fora, 2002.
SEIXAS, José Jorge. Universidade Federal de Pernambuco. Geometria das fotografias: formulas
fundamentais. Recife: UFP, 1978.
SILVA, Ardemirio de Barros. Sistemas de informações geo-referenciadas: conceitos e fundamentos.
Campinas: UNICAMP, 1999.
SIQUEIRA, A. C. de. Ação de demarcação de terras. São Paulo: Saraiva, 1985.
ENGENHEIRO AMBIENTAL
Introdução às Ciências do Ambiente: Ecossistemas: definição e estrutura. Energia. Cadeias Alimentares.
Sucessão ecológica. Dinâmica das populações. Estabilidade dos ecossistemas. Ciclos biogeoquímicos. O
Meio Aquático: Estrutura e propriedades da água. Parâmetros indicadores de qualidade da água.
Comportamento ambiental dos corpos hídricos. Usos da água. Características dos esgotos domésticos e
industriais. Impactos ambientais sobre os corpos hídricos. Tratamento de esgotos domésticos e
industriais. O Meio Atmosférico: Estrutura e propriedades da atmosfera. Estática da atmosfera, condições
padrão. Água na atmosfera, umidade do ar. Estabilidade térmica e movimentos verticais. Dinâmica dos
ventos e movimentos horizontais. Parâmetros indicadores de qualidade do ar. Características das
emissões de origem industrial e veicular. Impactos ambientais das emissões atmosféricas. Tratamento de
gases de origem industrial e veicular. O Meio Terrestre: Elementos de geologia. Estrutura e propriedades
dos solos e sistemas aqüíferos. Escoamento e transporte de poluentes em meios porosos. Interação dos
solos com ecossistemas terrestres e hídricos. Impactos ambientais dos resíduos sólidos domésticos e
industriais. Gestão de resíduos urbanos e industriais. Gerenciamento de áreas contaminadas. Elementos
de Legislação Ambiental: Eventos e instrumentos internacionais de proteção ao meio ambiente.
Constituição brasileira e o meio ambiente.
Administração ambiental e fundamentos da Política Nacional de Meio Ambiente. Legislação penal e civil,
aplicadas ao controle ambiental. Administração dos Recursos Hídricos. Código Florestal.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRAGA, Benedito et al. Introdução à Engenharia Ambiental. São Paulo: Prentice Hall, 2005.
ART, Henry W. (Ed.) Dicionário de Ecologia e Ciência Ambiental. São Paulo: Companhia Melhoramentos,
1998.
BARROS, R.T.V., CHERNICHARO, C.A.L., HELLER, L., VON SPERLING, M. (eds) (1995). Manual de
saneamento e proteção ambiental para apoio aos municípios (Volume 2).
VON SPERLING - escola de engenharia UFMG - DESA: MG, - Introdução a Qualidade das águas e ao
tratamento de esgoto.
Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental- DESA-UFMG / Fundação Estadual do Meio
Ambiente - FEAM.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, Rio de Janeiro. Acervo das Normas Técnicas
aplicáveis à Engenharia Sanitária e Ambiental. Sites da Internet:
www.senado.gov.br/legbras/
www.feam.br/
www.igam.mg.gov.br/
www.ief.mg.gov.br/
www.copasa.com.br
www.mma.gov.br/
www.cidades.gov.br/
www.abes-dn.org.br
DN 74/2004 COPAM.
Lei 7772 de 8/9/1980.
Lei Municipal 1727 de 07/01/2002
Plano Diretor de Nova Lima (lei 2007/2007)
Decreto 44.309 de 05/06/2006 (licenciamento)
Decreto Municipal 1999 DE 18/08/2003
DN COPAM 95 de 12/04/2006 (licenciamento)
Deliberação Normativa Codema nº 01/2003
Lei 6766 de 19/12/1979 (parcelamento do solo)
Decreto 35624 (APASUL), de 08/06/1994.
ABNT aplicáveis à Engenharia Sanitária e Ambiental.
Sites: FEAM, IGAM, Ministério do Meio Ambiente, IEF, COPASA, Resolução CONAMA 237 de
1997(licenciamento ambiental)
ENGENHEIRO CARTÓGRAFO
Cartografia - Definições e conceitos fundamentais de Cartografia. Projeções cartográficas e sistemas de
coordenadas. Sistema Universal Transverso de Mercator (UTM). Escalas e precisão gráfica. Mapeamento
Sistemático Brasileiro e Sistema Cartográfico Nacional. Elaboração, atualização, leitura e interpretação e
análise de mapas e cartas topográficas. Cartografia digital
Topografia - Medição e cálculos de ângulos, distâncias, azimutes, rumos e deflexões. Determinação de
azimutes pela bússola, sol e estrelas. Instrumentos e métodos de levantamentos topográficos.
Determinação de coordenadas e altitudes. Representação da planimetria e da altimetria. Elaboração,
leitura, interpretação e análise de plantas topográficas. Cálculos de áreas e volumes. Locações. Utilização
do sistema GPS nos levantamentos topográficos. Geodésia - Definições e conceitos fundamentais de
Geodésia. Fundamentos de astronomia geodésica e coordenadas astronômicas. Forma e dimensões da
Terra. Geometria do elipsóide. Sistemas de coordenadas geodésicas e cartesianas. Datum geodésico
horizontal e datum vertical. Transformação de sistemas geodésicos. Cálculos e transformações de
coordenadas geodésicas e cartesianas. Ajustamento de observações. Métodos de levantamentos
geodésicos planimétricos e altimétricos. Geodésia por satélites, Sistema GPS e redes geodésicas ativas.
Sistema Geodésico Brasileiro. Fotogrametria - Definições e conceitos fundamentais de Fotogrametria.
Estereoscopia e paralaxe estereoscópica. Princípios de fotointerpretação. Vôo aerofotogramétrico. Apoio
de campo. Aerotriangulação fotogramétrica. Restituição fotogramétrica. Ortoprojeção, ortofotografias,
ortofocartas e mosaicos. Fotogrametria digital. Sensoriamento Remoto - Definições e conceitos
fundamentais de Sensoriamento Remoto. Princípios físicos do sensoriamento remoto. Comportamento
espectral de alvos. Sistemas sensores ópticos, Radares e LIDAR. Características das principais
plataformas e sistemas orbitais. Características das imagens e dados de sensoriamento remoto. Métodos
de processamento e extração de informações. Processamento de imagens e dados de sensoriamento
remoto. Produtos e aplicações do sensoriamento remoto. Sistemas de Informações Geográficas - SIG -
Definições e conceitos fundamentais de SIG. Componentes de Sistemas de Informações Geográficas.
Estruturas de dados geográficos. Aquisição e conversão de dados. Bancos de dados geográficos.
Análises geográficas. Interpolação de dados espaciais. Modelos digitais de elevação/terreno.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
Alfred Leick. GPS satellite surveying, ed John Wiley & Sons, 1995
Anderson, Paul S. Fundamentos Para Fotointerpretação, Rio de Janeiro, SBC, 1982.
Andrade, José Bittencourt. Fotogrametria. Curitiba, SBEE,1998.
Borges, Alberto de Campos. Topografia aplicada à Engenharia Civil, volumes 1, 2, ed Edgard Blucher,
1992
Burrough, P. McDonnell, R. Principles of Geographical Information Systems. Oxford University Press, New
York.
Cezar Henrique Barra Rocha. Geoprocessamento tecnologia transdisciplinar. Ed. do Autor, Juiz de Fora,
2000.
Cêurio de Oliveira, Cartografia moderna. IBGE, 1993
Davis R. E. et all. Surveying theory and practice, Mc Graw-Hill, New York, 1981,
Diego Alfonso Erba. Topografia para estudantes de Arquitetura, Engenharia e Geologia. Ed. Unisinos,
São Leopoldo-RS, 2003.
Erwin Raisz. Cartografia geral, Rio de Janeiro, Ed. Científica, 1969
Gemael, Camil. Introdução ao ajustamento de observações - Aplicações geodésicas. Editora UFPR.
Curitiba, 1994.
Gemael, Camil. Geodésia Física. Editora UFPR. Curitiba, 2002.
Gemael, Camil. Andrade, J. B. Geodésia Celeste. Editora UFPR. Curitiba, 2004.
Garcia, Gilberto J. Topografia aplicada às ciências agrárias, ed. Nobel, 1978
Godoy, Reinaldo. Topografia básica, FEALQ, 1988.
IBGE Departamento de Geodésia. Especificações e normas gerais para levantamentos geodésicos. Rio
de Janeiro, 1996
Jensen, J.R. Remote sensing of the environment: an earth resource perspective, Prentice-Hall.
Lillesand, T. M. Kiefer, R. W. Remote Sensing and Image Interpretation. John Wiley & Sons, New York.
Monico, João Francisco Galera, Posicionamento pelo NAVSTAR-GPS. São Paulo, UNESP.
Novo E M LM , Sensoriamento remoto princípios e aplicações, São Paulo, Edgar Blucher
Paredes Evaristo Atencio, Introdução a aerofotogrametria para engenheiros. CNPQ/CONCITEC, 1987
PAREDES, Evaristo Atencio, Práticas aerofotogrametricas e suas aplicações na engenharia.
CNPQ/CONCITEC, 1987
Richardus, P.; Adler R.K. Map projections for geodesists, cartographers and geographers. Netherlands,
North-Holland, 1972. 174 p.
Robinson, A.H. et all. Elements of Cartography. New York, John Wiley & Sons.
Wolf, P. R. Dewitt, A. B, Elements of Photogrammetry with Applications in GIS. McGraw-Hill New York.
ENGENHEIRO CIVIL
Resistência dos materiais: tensão e deformação; solicitação axial (tração e compressão); solicitação por
corte (cisalhamento); torção; flexão; flambagem; energia de deformação. Conceitos básicos de análise
estrutural; estruturas de concreto, aço e madeira - cálculo e dimensionamento. Materiais de construção.
Aglomerantes: cal, gesso e cimento: características e propriedades. Agregados: classificação. Concretos:
propriedades nos estados fresco e endurecido, fator água/cimento, resistência mecânica e durabilidade.
Argamassas: classificação, propriedades essenciais. Revestimentos cerâmicos: tipos, classificação,
assentamento convencional e com argamassa colante, juntas de dilatação. Aços para concreto armado.
Mecânica dos solos e fundações: fundamentos de geologia aplicada; caracterização e classificação dos
solos; prospecção geotécnica do subsolo; riscos geológicos; compactação; análise da estabilidade de
taludes; movimento de terra: aterro e desaterro; microdrenagem; proteção de encostas. Processos
construtivos: formas de madeira e metálicas para estruturas de concreto armado, produção e lançamento
do concreto, cura, adensamento e desforma. Planejamento e orçamento de obras: estudo de viabilidade
técnico-econômica; dimensionamento e gerenciamento de equipes e de equipamentos; redes PERT;
levantamento de materiais e mão-de-obra; planilhas de quantitativos e de composições de custos; listas
de insumos; valores por itens; cronogramas físico-financeiros; softwares comerciais para orçamentos.
Hidráulica: mecânica dos fluidos; drenagem pluvial e drenos superficiais e profundos. Instalações prediais:
noções de instalações de água fria, de água quente, de prevenção de incêndios, de águas pluviais, de
esgotos sanitários e de disposição de resíduos sólidos; instalações elétricas domiciliares; materiais;
elementos e sistemas construtivos; patologia e manutenção. Ambiente de trabalho na construção civil.
NR8 - Edificações; NR10 - Segurança em instalações e serviços de eletricidade; NR11 - Transporte,
movimentação, armazenamento e manuseio de materiais; NR17 - Ergonomia; NR18 - Condições e meio-
ambiente de trabalho na indústria da construção; NR23 - Proteção contra incêndio; EPIs e EPCs
utilizados em obras e serviços; critérios básicos para a promoção de acessibilidade de pessoas
portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. Ciências do ambiente: noções gerais de ecologia;
noções de ecossistema; meio ambiente - o lugar do homem na natureza; meio terrestre - lixo e poluição
do solo, poluição atmosférica; meio aquático - qualidade e utilização da água. Saneamento ambiental:
saneamento básico como instrumental no controle de endemias; água - padrões de qualidade e métodos
de coleta e análise; fontes de poluição (esgoto doméstico, efluentes industriais, sedimentos, etc.); padrões
de lançamento de efluentes; abastecimento (captação, tratamento, preservação, distribuição); sistemas
de controle e tratamento de efluentes de fontes de poluição; noções sobre tratamento de esgotos
sanitários; resíduos sólidos (características, disposição no solo, reaproveitamento de resíduos da
construção civil); controle de vetores, insetos, roedores e moluscos.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ABNT. Instalação predial de água fria (NBR 5626). Rio de Janeiro: ABNT, 1998.
ABNT. Instalações elétricas de baixa tensão (NBR 5410). Rio de Janeiro: ABNT, 2004.
ABNT. Instalações prediais de águas pluviais (NBR 10844). Rio de Janeiro: ABNT, 1989.
ABNT. Manutenção de edificações: Procedimento (NBR 5674). Rio de Janeiro: ABNT, 1999.
ABNT. Sistemas prediais de esgoto sanitário: Projeto e execução (NBR 9649). Rio de Janeiro: ABNT,
1999.
ABNT. Projeto de estruturas de concreto - procedimento (NBR 6118). Rio de Janeiro: ABNT, 2003.
ABNT. Projeto e execução de fundações (NBR 6122). Rio de Janeiro: ABNT, 1996.
ABNT. Projeto e execução de estruturas de aço de edifícios (NBR 8800). Rio de Janeiro: ABNT, 1986.
AZEVEDO NETTO, J. M. et al. Manual de hidráulica. 8 ed. atualizada. São Paulo: Blücher, 1998.
BARROS, R. T. V. et al. Manual de saneamento e proteção ambiental para os municípios. saneamento.
Belo Horizonte: DESA/UFMG. 1995, v. 2.
BAUER, L. A. F. Materiais de construção. Rio de Janeiro: LTC. 1997, v. 1 e 2.
BRAGA, B.; HESPANHOL, I. Introdução à engenharia ambiental. 2. ed., São Paulo: Prentice Hall. 2005.
CHOMA A. Como Gerenciar Contratos com Empreiteiros - Manual de Gestão de Empreiteiros na
Construção Civil. 2 ed. São Paulo: Ed. Pini.2007.
CREDER H. Instalações elétricas. 14. ed. Rio de Janeiro: LTC. 2002.
FIORITO, A. J. S. I. Manual de argamassas e revestimentos: estudos e procedimentos de execução. São
Paulo: Pini. 1994.
GERE, J. Mecânica dos materiais. São Paulo: Thomson Pioneira. 2003.
GOLDMAN P. Introdução ao planejamento e controle de custos na construção civil brasileira. 3. ed. São
Paulo: Pini, 2000.
FIKER, J. Linguagem do laudo pericial. São Paulo: Ed. Pini. 2005.
FIKER, J. Manual prático de direito das construções. São Paulo:Ed. Pini. 2005.
FIKER, J. Manual de Avaliações e perícias em imóveis urbanos. São Paulo: Ed. Pini. 2005.
GOMIDE, T., PUJADAS, F., FAGUNDES NETO, J. Técnicas de inspeção e manutenção predial. São
Paulo: Pini, 2006.
HACHICH W. et al. Fundações: teoria e prática. São Paulo: PINI. 1998.
JOPPERT JUNIOR, I. Fundações e Contenções de Edifícios: qualidade total na gestão do projeto e
execução. São Paulo: Ed. Pini. 2007.
LEET K. M. et al. Fundamentos da análise estrutural. São Paulo: McGraw-Hill. 2009.
LIMMER, C. V. Planejamento, orçamentação e controle de projetos. Rio de Janeiro: LTC. 1997.
MARCELLI, M. Sinistros na Construção Civil. São Paulo: Ed. Pini. 2007.
MATTOS A. Como preparar orçamentos de obras. São Paulo: Pini, 2007.
METHA, P. K.; MONTEIRO, P. J. M. Concreto, estrutura, propriedades. São Paulo: Pini, 1994.
SOUZA V. C. M., RIPPER, T. Patologia, recuperação e reforço de estruturas de concreto. São Paulo:
PINI, 1998.
SOUZA, U. Como reduzir perdas nos canteiros. São Pulo: Ed. Pini.
VIANNA, M. R. Instalações hidráulicas prediais. Belo Horizonte: Imprimatur, 2004.
YASIGI, W. A técnica de edificar. 5. ed.São Paulo: Pini, 2003.
ENGENHEIRO SEGURANÇA DO TRABALHO
Conceito e caracterização de insalubridade e periculosidade. Eliminação ou neutralização da
insalubridade e/ou periculosidade. Explosivos e inflamáveis. Energia elétrica. Radiação ionizante. Perícia
extrajudicial, perícia judicial e laudo pericial. Os danos à saúde do trabalhador. Trabalho em atividades
perigosas ou penosas. Jurisprudências relativas à insalubridade e periculosidade; Legislação e normas
técnicas e Perfil Profissiográfico Previdenciário: NR 03, 08 e 18. Legislação e as normas técnicas.
Proteção jurídica. Perícia judicial. Direito ambiental e meio ambiente do trabalho. Aposentadoria e laudos
técnicos. Aposentadoria especial. Critério de caracterização. Aposentadoria especial por ruído. Definição,
dispositivos legais, objetivo do perfil profissiográfico previdenciário. A utilização, manutenção e modelo de
formulário do perfil profissiográfico previdenciário; Proteção ambiental: Transformação do ambiente.
Controle de qualidade ambiental. Qualidade do ar e da água. Controle de resíduos e reciclagem;
Tecnologia e prevenção no combate a sinistro: Tecnologia e prevenção no combate a sinistro.
Propriedade físico-químico do fogo. O incêndio e suas causas. Classes de incêndio. Métodos de extinção.
Agentes e aparelhos extintores. Extintores de incêndio. Sistemas de prevenção e combate a incêndios.
Brigadas de incêndio. Planos de emergência e auxilio mútuo; Programa de prevenção de riscos
ambientais (PPRA) e Legislação da Medicina do Trabalho: NR 09. Elaboração do Programa de Prevenção
de Riscos Ambientais (PPRA). Registro, manutenção e divulgação do PPRA. Riscos ambientais.
Avaliação e controle de agentes ambientais. Riscos físicos, químicos, biológicos e mecânicos.
Temperaturas. Ruídos, poeiras, radiações ionizantes e não ionizantes, gases vapores, vibrações, calor e
frio, temperaturas extremas, iluminação, ventilação industrial e riscos químicos Técnicas de uso de
equipamentos de medições. Legislação da Medicina do Trabalho; Sistemas de Prevenção a combate a
incêndio e pânico; Ergonomia: NR-17. A aplicabilidade, Conceito, as linhas e tipos da Ergonomia.
Aplicação, métodos, técnicas e objetivo da ergonomia. Aplicação da Antropometria, biomecânica e
atividades musculares. Espaços e Postos de trabalho. Fatores ambientais. Ergonomia e prevenção de
acidentes. Informação e operação (informações visuais, uso de outros sentidos, controles e
relacionamento entre informação e operação). Transporte, armazenamento, movimentação e manuseio
de materiais. Equação de NIOSH. Duração, ritmo e carga de trabalho. Análise Ergonômica do Trabalho
(AET). Trabalho, tarefa e atividade.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Manual de aplicação da norma regulamentadora NR17 2ed.
Brasília: 2002.
CARDELLA, B. Segurança no trabalho e prevenção de acidentes: uma abordagem holística. São Paulo:
Atlas, 2008.
CHAVES, J. J. et al. Perfil profissiográfico previdenciário. Belo Horizonte: Folium, 2003.
DUL, J. e WEERDMEESTER, B. Ergonomia Pbrasil.rática. São Paulo: Edgard Blücher, 1995.
GUÉRIN, F.; et al., A. Compreender o trabalho para transformá-lo. São Paulo: Edgard Blücher, 2001.
IIDA, I. Ergonomia projeto e produção, São Paulo: Edgard Blücher, 2003.
LAVILLE, A. Ergonomia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1977.
MARTINEZ, W. N. Aposentadoria especial, 2. ed. São Paulo: LTr, 1999.
OLIVEIRA, S. G. Proteção jurídica à saúde do trabalhador. 2. ed. Revista ampliada e atualizada. São
Paulo: LTr, 1998.
ROCHA, J. C. S., Direito ambiental e meio ambiente do trabalho: dano, prevenção e proteção jurídica.
São Paulo: LTr, 1997.
SALIBA, T. M. E CORRÊA, M. A. C. Insalubridade e periculosidade. 2. ed. São Paulo: LTr, 1995.
BRASIL. Segurança e Medicina do Trabalho - Normas Regulamentadoras - NR-1 a 33, Portaria n. 3.214,
de 8 de junho de 1978. Legislação Complementar - Índices Remissivos, 62 ed. São Paulo: Atlas, 2008.
VIEIRA, S. I., JÚNIOR, C. P. Guia prático do perito trabalhista: aspectos legais, aspectos técnicos,
questões polêmicas. Belo Horizonte: Ergo, 1997.
ANVISA. Legislação da Anvisa.
CONASS - Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Publicações. Volumes 1 e 2.
RESOLUÇÃO da Diretoria Colegiada RDC n. 50, de 22 de fevereiro de 2002. Legislação da ANVISA.
SUS - Política de Humanização: CARTILHA HUMANIZA SUS. (Ambiência)
FARMACÊUTICO
Farmácia Social e Legislação - Código de ética da profissão farmacêutica. Bioética. Política de
medicamentos e de assistência farmacêutica. Atenção primária a saúde e a farmácia básica. Boas
práticas de fabricação, manipulação, distribuição e dispensação de produtos
farmacêuticos. Medicamentos genéricos. Medicamentos sujeitos a controle especial. Medicamentos e os
programas de saúde da família. Epidemiologia e estudos de utilização de medicamentos. Aquisição de
medicamentos e correlatos em instituição pública. Análise e qualidade da água para uso humano.
Vacinação de crianças, adultos e idosos. Farmacotecnia, controle e gerenciamento da qualidade de
matérias-primas, medicamentos, fitoterápicos e alimentos - Farmacotecnia e formas farmacêuticas
sólidas, liquidas, semissólidas e injetáveis. Formas farmacêuticas com velocidade de liberação controlada
e sistemas de liberação de fármacos. Análise de matérias-primas, controle de qualidade e estabilidade de
medicamentos: princípios gerais, métodos e interpretação. Armazenamento de medicamentos. Emissão e
análise de laudos de medicamentos e matérias-primas. Controle e gerenciamento da qualidade em
manipulação e fabricação de medicamentos. Bromatologia básica. Controle da qualidade em análises
físico-químicas. Farmacologia e terapêutica, toxicologia e atenção farmacêutica - Conceitos em
farmacocinética, bioequivalência e biodisponibilidade. Mecanismos gerais de ação e efeitos de fármacos.
Reações adversas. Fatores que afetam a resposta farmacológica. Hipoglicemiantes. Anticonceptivos,
Broncodilatadores. Anticoagulantes. Analgésicos e antiinflamatórios. Anti-hipertensivos. Cardiotônicos.
Diuréticos. Antimicrobianos (sulfonamidas, trimetoprima, penicilinas, cefalosporinas, quinolonas,
imidazólicos e nitroimidazólicos, macrolídios e tetraciclinas). Cuidados farmacêuticos na atenção primária
a saúde. Uso racional de medicamentos. Problemas relacionados a medicamentos. Farmacovigilância.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ALLEN, J.R.; POPOVICH, N.G.; ANSEL, H.C. Formas farmacêuticas e sistemas de liberação de
fármacos. 8. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.
AUTON, M.E. Delineamento de formas farmacêuticas. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.
BOBBIO, F.D.; BOBBIO, P.A. Introdução à química de alimentos. 3. ed. São Paulo: Varela, 2003.
BRUNTON, L.L.; LAZO, J.S.; PARKER, K.L. Goodman e Gilman. As bases farmacológicas da terapêutica.
11. ed. Rio de Janeiro: McGraw Hill, 2007.
CECCHI, H.M. Fundamentos teóricos e práticos em análise de alimentos. 2. ed. Campinas: UNICAMP,
2003.
FARMACOPÉIA Brasileira. 4. ed.. São Paulo: Atheneu, 2005. Partes I e II.
FUCHS, F.D.; WANNMACHER, L.; FERREIRA, M.B.C. Farmacologia clínica. Fundamentos da terapêutica
racional. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.
GIL, E.S. Controle físico-químico de qualidade de medicamentos. 2. ed. São Paulo: Farmabooks, 2007.
KOROKOLVAS, A. Análise farmacêutica. Rio de Janeiro: Guanabara. 1988.
LAPORTE, J.; TOGNONI G.; ROZENFELD, S. Epidemiologia do medicamento. Princípios gerais. São
Paulo: Hucitec-Abrasco, 1989.
PINTO, T.J. A.; KANEKO, T.M. Controle biológico de qualidade de produtos farmacêuticos, correlatos e
cosméticos. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2003. SIMÕES, C.M.O. et al. Farmacognosia: da planta ao
medicamento. 6. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2007.
TOZER, T.N.; ROWLAND, M. Introdução à farmacocinética e à farmacodinâmica. As bases quantitativas
da terapia farmacológica. Porto Alegre: Artmed, 2009.
Sugestão para a Legislação em medicamentos e ética. Suas atualizações e outras vigentes estão
disponíveis nos endereços eletrônicos do Conselho Federal de Farmácia e do MS/ ANVISA:
BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde/CONEP. Resolução n. 196, 10 out 1996.
Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Disponível em:
<http://conselho.saude.gov.br/web_comissoes/conep/aquivos/resolucoes/resolucoes.htm>
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 3916, 30 out. 1998. Brasília: Diário Oficial da União, DF, 10 nov.
1998. Aprova a Política Nacional de Medicamentos.
BRASIL. Ministério da Saúde. Lei n. 9.787, 10 fev 1999. Brasília: Diário Oficial da União, 11 fev. 1999.
Dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências.
BRASIL. Conselho Federal de Farmácia. Resolução n. 290, 26 abr.1996. Brasília: Diário Oficial da União.
Aprova o Código de Ética Farmacêutica.
BRASIL. Conselho Federal de Farmácia. Resolução n. 357, 20 abr 2001. Brasília: Diário Oficial da União.
Aprova o regulamento técnico das Boas Práticas de Farmácia.
BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução RE n. 560, 02 abr 2002. Brasília: Diário Oficial da União, 03 abr.
2002. Determina a publicação do Guia para a Realização de Estudos de Estabilidade.
BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução RDC n° 135, 29 mai 2003. Diário Oficial da União. Aprova o
Regulamento Técnico para Medicamentos Genéricos, 02 jun. 2003.
BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução RDC n° 210, 04 ago 2003. Aprova o Regulamento Técnico das
Boas Práticas para a Fabricação de Medicamentos. Brasília: Diário Oficial da União, 14 ago 2003.
BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução n. 338, 06 maio 2004. Brasília: Diário Oficial da União. Aprova a
Política Nacional de Assistência Farmacêutica.
BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução RDC n° 214, 12 dez 2006. Brasília: Diário Oficial da União.
Aprova o Regulamento Técnico das Boas Práticas para a Manipulação de Medicamentos para Uso
Humano em Farmácias.
FISCAL MUNICIPAL TRIBUTÁRIO II
Direito, Legislação e Contabilidade Tributária - Constituição Federal. Princípios Constitucionais
Tributários. Sistema Tributário Nacional. O Código Tributário Nacional. O Código Tributário Municipal.
Distribuição de competências. Tributos municipais e federais. Incentivos fiscais municipais. Elementos
fundamentais do tributo. Obrigação Tributária. Fato Gerador. Crédito Tributário e sua constituição.
Renúncia fiscal. Imunidade. Isenção. Não Incidência. Isonomia. Suspensão, extinção e exclusão do
crédito tributário. Tributos indiretos. Tributos diretos. Administração Tributária e o Processo Tributário
Administrativo. Instâncias de Julgamento e seu funcionamento. Recursos Administrativos. Crimes contra a
ordem tributária. Administração Tributária Municipal. ITBI, ISSQN, IPTU, taxas municipais. Aspectos
gerais do sistema de arrecadação de tributos municipais. Efeitos do parcelamento de Créditos Tributários.
Dívida Ativa. Instrumentos de controle e gestão tributária.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ALEXANDRINO, Marcelo; PAULO, Vicente. Manual de direito tributário. 6. ed. Rio de Janeiro: Impetus,
2008.
BRASIL. Decreto-Lei n. 406/1968. Estabelece normas gerais de direito financeiro, aplicáveis aos impostos
sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre serviços de qualquer natureza.
BRASIL. Lei n. 4.320/64. Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos
orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal.
BRASIL. Lei Complementar n. 123/2006.
BRASIL. Lei n. 5.172/1966. Código Tributário Nacional.
BRASIL. Lei n. 8.137/1990. Define crimes contra a ordem tributária, econômica e contra as relações de
consumo, e dá outras providências.
BRASIL. Lei Complementar n. 116/2003. Dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza,
de competência dos Municípios e do Distrito Federal, e dá outras providências.
CHIMENTI, Ricardo C.; PIERRI, Andréa de Toledo. Teoria e prática do direito tributário. 2. ed. São Paulo:
Saraiva, 2007.
Instrução NORMATIVA DIEF/SRE003/2002.
RESOLUÇÕES SEF/MG 3.311/2002 3 3.480/2003.
DECRETOS n. 1.535/2007 - Remissão de débitos fiscais e n. 1866/2007 - Dispõe sobre alvará provisório
para microempresa de pequeno porte.
NOVA LIMA -Lei Orgânica do Município
NOVA LIMA - Lei 1.869/2005 ("Estabelece normas e fixa valores para a cobrançado ISSQN para os
profissionais autônomos e uniprofissionais e dá outras providências.")
NOVA LIMA - Lei 1.907/2005 (Dispõe sobre as penalidades aplicadas pela infração às obrigações
estabelecidas na legislação tributária do município de Nova Lima e dá outras providências.)
NOVA LIMA - Lei 1.910/2005 (Dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza instituído no
Município de Nova Lima - ISSQN - e dá outras providências.)
NOVA LIMA - Lei 1.911/2005 (Institui o Código Tributário do Município de Nova Lima e dá outras
providências..
NOVA LIMA - Lei 1.914/2005 (Dispõe sobre as Taxas decorrentes do exercício regular do poder de polícia
e pela utilização efetiva ou potencial de serviços prestados ou postos à disposição pelo Poder Público
Municipal, a Contribuição para o Custeio dos Serviços de Iluminação Pública.)
NOVA LIMA - Lei 1.972/2007 ("Institui O Gerenciamento Eletrônico Do ISSQN, Imposto Sobre Serviços
De Qualquer Natureza, A Escrituração Econômico-Fiscal E A Emissão De Guia De Recolhimento Por
Meios Eletrônicos, Estabelece Obrigações Acessórias E Dá Outras Providências".
NOVA LIMA - Lei 2.031/2007 (Altera a Lei Municipal 1.914, de 28 de dezembro de 2005 - Taxas -,
modificando e corrigindo itens e valores em sua respectiva tabela.)
NOVA LIMA - Lei 2.073/2008 ("Altera dispositivos das Leis Municipais 1.910 de 28 de dezembro de 2005
e 1.972 de 28 de fevereiro de 2007 - ISSQN, e dá outras providências.")
NOVA LIMA - Decreto 2.673/2007 ("Regulamenta a Lei Municipal 1.972, de 28 de fevereiro de 2007, e dá
outras providências.")
NOVA LIMA - Decreto 2.765/2007 (Regulamenta o art. 58 da Lei 1.911, de 28 de dezembro de 2005 -
Código Tributário Municipal - estabelece normas para o Parcelamento de Créditos Tributários e dá outras
providências.)
NOVA LIMA - Decreto 2.819/2007 ("Regulamenta os artigos 42, 47, 49, 50 e 53 da Lei 1.911, de 28 de
dezembro de 2005 - Código Tributário Municipal -, dispondo sobre a extinção do crédito tributário ou
fiscal, mediante compensação, transação, remissão e dação em pagamento em bens imóveis.")
NOVA LIMA - Decreto 2.875/2008 ("Regulamenta dispositivos das Leis Municipais 1.907, de dezembro de
2005; 1.910, de dezembro de 2005; 1.972, de fevereiro de 2007, estabelece normas referentes ao ISSQN
e dá outras providências")
GEÓGRAFO
Princípios básicos de cartografia e de geoprocessamento: coordenadas, escalas, legenda, leitura e
interpretação de mapas, fotos e imagens, sensoriamento remoto e geoprocessamento. Conceitos básicos
de geomorfologia, pedologia, biogeografia e climatologia: relações entre os subsistemas litosfera, solo,
atmosfera, biosfera em meio tropical úmido. Conceitos básicos da geografia da população: indicadores da
dinâmica e da mobilidade espacial da população (natalidade, mortalidade, esperança de vida ao nascer,
fecundidade, migrações). O processo de urbanização, conurbação, metropolização: estrutura, morfologia,
funções, rede e hierarquia das cidades. O espaço e a produção rural: tendência da agropecuária no
Brasil, estrutura fundiária, rurbanização. Região, regionalização, planejamento regional e urbano:
conceitos, correntes e tendências. Avaliação de impactos ambientais: EIA, RIMA e outros. Problemas
socioambientais em áreas urbanas: riscos geológicos, geomorfológicos, climáticos, hidrológicos.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
AYADI, J.O. Introdução à climatologia para os trópicos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
AMORIM FILHO, Oswaldo Bueno. Reflexões sobre as tendências teórico-metodológicas da Geografia.
Belo Horizonte: IGC/UFMG, 1985.
CLARK, David. Introdução à Geografia urbana. Tradução: Lúcia Helena O. Gerardi e Silvana Maria
Pintaudi. São Paulo: Difel, 1985.
DOLFUSS, Olivier. A análise geográfica. Tradução Heloysa de Lima Dantas. São Paulo: Difusão Européia
do Livro, 1973.
DREW, David. Processos interativos homem-meio ambiente. Trad. João Alves dos Santos. São Paulo:
Difel, 1986.
George, Pierre. Os métodos da Geografia. Trad. Heloysa de Lima Dantas. São Paulo: Difusão Européia
do Livro, 1972.
GUERRA, Antônio José Teixeira, CUNHA, Sandra Baptista da. (Orgs) Geomorfologia: uma atualização de
bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.
GUERRA, Antônio José Teixeira, CUNHA, Sandra Baptista da (Orgs). Geomorfologia e meio ambiente.
Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.
JOHNSTON, R.J. Geografia e Geógrafos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1986.
MORAES NOVO, E.M.L. Sensoriamento remoto; princípios e aplicações. São Paulo: Edgard Blücher.
SANTOS, Milton. A natureza do espaço. São Paulo: Edusp.
TROPPMAIR, Helmart. Biogeografia e meio ambiente. Rio Claro: ed. do autor, 2002.
VIANELLO, Roberto Leite, ALVES, Adil Rainier. Meteorologia básica e aplicações. Viçosa: UFV, 2004.
ROCHEFORT, Michel. Redes e sistemas: ensinando sobre o urbano e a região. São Paulo: Hucitec,
1998.
ABGE/ACG/UFMG. Simpósio situação ambiental e qualidade de vida na Região Metropolitana de Belo
Horizonte: ABGE/IGC, 1985.
DINIZ, José Alexandre Felizola. Geografia da agricultura. São Paulo, Difel, 1986.
GEORGE, Pierre. Geografia da população. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1969.
MOURA, Ana Clara Mourão. Geoprocessamento na gestão e planejamento urbano. Belo Horizonte: A
Mourão, 2003.
DAMIANI, Amélia Luisa. População e Geografia. 8 ed. São Paulo: Contexto, 2004.
MÉDICO ACUPUNTURISTA
Medicina tradicional chinesa - Teorias básicas. Fisiologia. Mecanismos de ação da acupuntura.
Estudo Anátomofuncional dos meridianos principais e secundários (Tendinosos, divergentes e
extraordinários). Estudo dos pontos - Localização, função e conexões. Etiologia. Patogenia.
Zang Fu - Síndromes. Semiologia. Fisiopatologia dos meridianos principais. Os oito princípios
diagnósticos. As Síndromes de Qi, de Xue (sangue), de Jin Ye (líquidos orgânicos). Tratamento.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
CARNEIRO, Norton Moritz. Fundamentos da acupuntura médica. Ed. Sistema, 2001
ROSS, Jeremy - Zang Fu. Sistema de órgãos e vísceras da MTC. 2. ed. São Paulo: Roca.
WANG, Liu Gong, JIN PAI, Hong. Tratado contemporâneo de acupuntura e moxibustão. São Paulo:
CEIMEC, 2005.
YAMAMURA, Ysao. A Arte de inserir. 2. ed. São Paulo: Roca.
MÉDICO CARDIOLOGISTA
Insuficiência cardíaca. Doença reumática. Doença arterial coronária. Valvulopatias. Miocardiopatias.
Doenças do Pericárdio. Cardiopatias Congênitas. Hipertensão arterial sistêmica. Arritmias cardíacas.
Dislipidemias. Terapia trombolítica. Embolia Pulmonar. Cardiopatias e gravidez. Exames complementares
em cardiologia. Terapêutica medicamentosa em cardiologia.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRAUNWALD, E. Heart disease. A Textbook of cardiovascular Medicine. Philadelphia: W.B. Saunders
Co., 2004.
Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Brasil, 2004.
Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo Tratado de Cardiologia. 1. ed., 2000
MÉDICO CIRURGIÃO GERAL
Propedêutica da dor abdominal. Dor na fossa ilíaca direita. Exames complementares básicos em cirurgia.
Métodos de imagem nas cirurgias abdominais. Punção abdominal. Distúrbios hidroeletrolíticos e ácido-
básicos. Traqueostomia, estomias, drenagens, paracentese. Curativos, bandagens, cateterismo venoso
central. Úlcera cloridropéptica perfurada, íleos. Apendicite aguda, litíase biliar, colecistite aguda.
Derrames pleurais. Doenças clínicas que simulam abdome agudo cirúrgico. Politraumatizado: abordagem
inicial, primeiros socorros. Cânceres do aparelho gastrointestinal.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
FREIRE, E. Trauma. A doença dos séculos. Rio de Janeiro: Atheneu, 2001.
PAULA CASTRO, L. & COELHO, L.C.V. Gastroenterologia. Rio de Janeiro: Medsi, 2004.
ROCHA, M.O.C., PEDROSO, E.R.P., FONSECA, J.G.M., SILVA, O.A. Terapêutica Clínica. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 1998.
SABINSTON JR, d.C. Tratado de cirurgia. 15 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999.
SILVA, A.L. Cirurgia de urgância. 2. ed. Rio de Janeiro: Medsi, 1994.
VINHÃES, J.C. Clínica e terapêutica cirúrgicas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997.
WAY, W. Cirurgia. Diagnóstico e tratamento. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1993.
MÉDICO DERMATOLOGISTA
Anatomia e Fisiologia da Pele. Patologia Cutânea. Semiologia e Métodos Complementares. Alterações
Morfológicas Cutâneas Epidermo-Dérmicas. Afecções dos Anexos Cutâneos. Alterações do Colágeno,
Hipoderme, Cartilagens e Vasos. Infecções e Infestações. Dermatoses Por Noxas Químicas, Físicas e
Mecânicas. Inflamações e Granulomas Não Infecciosos. Dermatoses Metabólicas. Dermatoses por
Imunodeficiências. Afecções Congênitas e Hereditárias. Cistos e Neoplasias. Terapêutica Dermatológica
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRASIL, Ministério da Saúde. Vigilância em Saúde. Cadernos de Atenção Básica, n 21. Brasília, 2008.
Fitzpatrick, T.B., et al.. Tratado de dermatologia. 5. ed. Revinter, 2005.
Sampaio, S.A.P., Rivitti, E.A. Dermatologia. 3. ed. São Paulo: Artes Médicas, 2008.
MÉDICO DO TRABALHO
Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT). Doenças relacionadas ao trabalho prevalentes em nosso
meio. (Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho, pneumopatias ocupacionais, exposição
ocupacional a materiais biológicos, transtornos mentais relacionadas ao trabalho, intoxicações
ocupacionais). Ética médica. Legislação previdenciária. Nexo epidemiológico técnico previdenciário.
Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho. Organização da atenção à saúde do
trabalhador no Sistema Único de Saúde. Perfil profissiográfico previdenciário. Plano de benefícios da
previdência social. Processo saúde-doença e trabalho. Toxicologia ocupacional dependência de álcool e
de drogas. Dependência de álcool e drogas. Vigilância em ambientes de trabalho. Ergonomia.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
DIAS, E.C. Doenças relacionadas ao trabalho. Manual de procedimentos para os serviços de saúde.
Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em:
http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livros/genero/s_trabalhador.htm
MENDES, R. Patologia do trabalho. Atheneu. 2ª edição
NORMAS Regulamentadoras (NR) aprovadas pela Portaria nº 3.214, de 8 de junho de 1978. Disponível
em: www.mte.gov.br/Temas/SegSau/Legislacao/Normas/Default.asp
Código de Ética Médica. Disponível em: www.cfm.org.br
RESOLUÇÃO CFM n° 1.488/1998, publicada no DOU de 6/3/98, e retificação publicada no DOU de 18 de
março de 1998. Dispõe de normas específicas para médicos que atendam trabalhadores. Disponível em:
www.cfm.org.br
RESOLUÇÃO CFM n° 1.715, de 2004 Regulamenta o procedimento ético médico relacionado ao perfil
profissiográfico previdenciário. Disponível em: www.cfm.org.br.
BRASIL Lei Federal n° 8.213, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre o Plano de Benefícios da
Previdência Social. Disponível em: www.mg.trt.gov.br/ej/documentos/2002/legisfederal/Leis/LEI
%208213_1991.htm.
BRASIL. Decreto n° 3.048, de 6 de maio de 1999, que aprova regulamento da Previdência Social.
Disponível em: www.mg.trt.gov.br/ej/documentos/2003/legislacao/decreto_n_3048.htm.
BRASIL. Lei Federal n° 8.080, de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Publicada no D.O.U. de 20 de setembro
de 1990. Seção I.
BRASIL. Portaria n° 1.679/GM, de 19 de setembro de 2002, que dispõe sobre a estruturação da rede
nacional de atenção integral à saúde do trabalhador no SUS e dá outras providências.
BRASIL. Portaria n° 2.437/GM, de 7 dezembro de 2005, que dispõe sobre a ampliação e o fortalecimento
da Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador - RENAST - no Sistema Único de Saúde -
SUS - e dá outras providências.
INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/PRES N° 31, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008 - DOU DE 11/09/2008,
Dispõe sobre procedimentos e rotinas referentes ao Nexo Técnico Previdenciário, e dá outras
providências. Disponível em: www010.dataprev.gov.br/sislex/paginas/38/INSS-
PRES/2008/31.htm#RETIFICAÇÃO
MÉDICO EM ENDOSCOPIA
Preparo, sedação e monitoração em endoscopia digestiva. Equipamentos de endoscopia digestiva.
Estrutura física de um serviço de endoscopia digestiva. Desinfecção e esterilização de endoscópios e
acessórios. Anatomia endoscópica. Endoscopia digestiva alta diagnóstica. Endoscopia digestiva alta
terapêutica. Colonoscopia Diagnóstica. Colonoscopia Terapêutica. Endoscopia do Intestino Delgado
(enteroscopia e cápsula endoscópica). Endoscopia digestiva das vias biliares e pancreática diagnóstica e
terapêutica (colangiopancreatografia endoscópica retrógrada). Ecoendoscopia (ultra-sonografia
endoscópica) diagnóstica. Ecoendoscopia (ultra-sonografia endoscópica) terapêutica. Urgências e
emergências em endoscopia digestiva. Endoscopia em cirurgia da obesidade. Novas tecnologias de
imagem em endoscopia. Diretrizes da Sobed.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
SIVAK JR, Michael V. Gastroenterologic endoscopy. Second Edition. 1999
SLEISENGER & FORDTRAN'S. Gastrointestinal and Liver Disease, 7th edition. Saunders, 2002. ISBN
0721689736
SOBED. Endoscopia Digestiva Diagnóstica e Terapêutica. 1. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2005. ISBN:
8573099054
SOBED. Endoscopia Gastrointestinal Terapêutica. São Paulo: Tecmedd, 2007. ISBN: 85-99276-15-8
SAVASSI-ROCHA, PR et al. Tópicos em gastroenterologia. Edições 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14 e 15. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 1998-2006. ISBN: 85-7199-166-9 a 85-277-1122-2
SAVASSI-ROCHA, PR et al. Tópicos em gastroenterologia. Edições 16 e 17. Rio de Janeiro: MEDBOOK -
Editora Científica LTDA, 2007-2009 Josemberg M. Campos et al. Endoscopia em Cirurgia da Obesidade.
São Paulo: Livraria Santos Ltda, 2008
EVERSON L. A. Artifon et al. Tratamento das Complicações em Endoscopia Terapêutica com Base na
Prática. São Paulo: Liraria Santos Ltda, 2007. ISBN: 978-85-7288-625-2
Admar Borges da Costa Júnior. Endoscopia Digestiva de Urgência. São Paulo: Liraria Santos Ltda, 2009.
ISBN: 978-85-7288-743-4
DANI R. Gastroenterologia essencial. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. ISBN: 85-277-
1131-1
SILVERSTEIN, F.E, TYTGAT, G.N.J. Endoscopia Gastrointestinal. 3. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2003.
ISBN: 85-7309-206-8
Guidelines da Sociedade Americana de Endoscopia Gastrointestinal (ASGE Guidelines). Gastrointestinal
Endoscopy. St. Louis, MO: Editora Mosby. ISSN: 0016-5107 (acesso livre via PubMed)
The Paris Endoscopic Classification of Superficial Neoplastic Lesions: Esophagus, Stomach and Colon.
Gastrointestinal Endoscopy Vol. 58 n. 6 (suplemento), Dezembro de 2003. St. Louis, MO: Editora Mosby.
ISSN: 0016-5107
Maluf-Filho F et al. I Consenso Brasileiro de Ecoendoscopia. Arq. Gastroenterol., Oct./Dec. 2007, vol.44,
no.4, p.353-358. ISSN 0004-2803. Site da Sobed: www.sobed.org.br
MÉDICO GERIATRA
Biologia e epidemiologia do envelhecimento. Avaliação nutricional do idoso. Raciocinio clinico aplicado à
geriatria. O exame periódico de saúde. Atividade física. Tabagismo e alcoolismo. Incontinência urinária no
idoso. Seqüelas clinicas comuns do envelhecimento. Aspectos neuropsiquiátricos do envelhecimento.
Delirium no paciente idoso. Epidemiologia do câncer. Sindromes paraneoplásicas. Especificidade da
terapêutica geriátrica: farmacológica ou não-farmacológica. Cistite e pielonefrite. Hiperplasia prostática
benigna e prostatite. Pneumonia comunitária, pneumonia por broncoaspiração. Doença pulmonar
obstrutiva crônica. Embolia pulmonar. Asma brônquica. Tuberculose. Infecções pelos vírus herpes.
Herpes-zoster. Doença péptica gastrintestinal. Câncer do estômago. Doenças da vesícula biliar. Câncer
da vesícula biliar. Hemorragia gastrintestinal alta e baixa. Pancreatite. Hepatite viral aguda. Cirrose
hepática. Doença intestinal inflamatória. Hipertensão arterial sistêmica. Síndromes coronarianas
isquêmicas. Insuficiência cardíaca. Arritmias cardíacas. Diabete melito. Hipoglicemia. Hipo e
hipertireoidismo. Doença arterial aterosclerótica periférica. Osteoporose. Osteoartrite. Artrite reumatóide.
Ombro doloroso. Tratamento da insuficiência renal crônica. Manifestações endócrinas dos tumores.
Abordagem das anemias. Neuropatias periféricas. Parkinsonismo. Tremores, tiques, mioclonias e
estereótipos. Síndrome de Imunodeficiência Adquirida. Doença cerebral vascular isquêmica.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
COOPER DH, Krainik AJ, LUBNER SJ, RENO HEL. The Washington Manual. Manual de Terapêutica
Clínica. 32ª ed. Rio de Janeiro. Guanabara-Koogan, 2007;
SERRO AZUL LGCC, CARVALHO Filho ET, DÉCOURT LV. Clinica do Individuo Idoso. Rio de Janeiro,
Guanabara-Koogan, 1981;
GOLDMAN L, Ausiello DC. Cecil Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005;
KWOH C, Buch E, QUARTAROLO J, Lin TL. Medicina Interna. Rio de Janeiro, Guanabara-Koogan, 2005;
Lima DR. Guia do Residente Médico para o Ambulatório. Rio de Janeiro, Guanabara-Koogan, 2006;
Mcphee SJ, Papadakis MA, Tierney Jr LM. CURRENT Medical Diagnosis & Treatment. New York. Lange
Medical Books/McGraw-Hill. 2008;
MORAES EM. Princípios de Geriaria e Gerontologia. Belo Horizonte.COOPMED, 2008;
PEDROSO ERP, Oliveira RG. Clínica Médica. Belo Horizonte. Blackbook Editora, 2007;
ROCHA MOC, Pedroso ERP, SANTOS ARS. Infectologia Geriátrica. São Paulo, Fundo Editorial BYK,
1997;
STOLLER JK, Michota FA, MANDELL BF. The Cleveland Clinic. Revisão Intensiva de Medicina Interna. 4ª
edição. Rio de Janeiro, Guanabara-Koogan, 2007;
TALREJA DR, TALREJA RR, TALREJA RS. The Internal Medicine. Peripheral Brain. Philadelphia.
Lippincott Williams & Wilkins, 2005.
MÉDICO GINECOLOGISTA
Semiologia ginecológica. Sangramento uterino disfuncional e amenorréia. Síndrome Pré-menstrual.
Dismenorréia. Planejamento familiar. Síndrome do climatério. Vulvovaginites e doenças sexualmente
transmissíveis. Doenças da mama. Diagnóstico de gravidez. Modificações fisiológicas da gravidez.
Assistência pré-natal. Assistência ao parto. Hiperêmese gravidica.
Hemorragias da primeira e segunda metade da gravidez. Diabetes e gravidez. Doença hipertensiva
especifica da gravidez.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
CABRAL, A.C.V., DINIZ, S.S.A. Obstetrícia. Belo Horizonte: Edição dos Autores, 1998.
CAMARGO, A.F., MELO, V.H. Ginecologia ambulatorial. 1a ed.. Belo Horizonte: COOPMED, 2001.
CORRÊA, M.D et al. Noções práticas de obstetrícia. 13. ed. Belo Horizonte,COOPMED, 2004.
PÉRET, F.J.A., CAETANO J.P.J e colaboradores. Ginecologia & Obstetrícia: manual para
concursos/TEGO. 4º Ed. Guanabara Koogan, 2007.
ROCHA, M.O.C., PEDROSO, E.R.P., FONSECA, J.G.M., SILVA, O.A. Terapêutica clínica. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 1998.
MÉDICO HOMEOPATA
Histórico da homeopatia. Princípios fundamentais da homeopatia: similitude, experimentação no homem
são, doses minimas, medicamento único. Vitalismo segundo a homeopatia. Concepção de saúde e
enfermidade. Doença aguda. Doença crônica. Cura. Correntes terapêuticas. Semiologia homeopática:
fundamentação e conceitos. Anamnese homeopática. Sintomas. Clinica homeopática: diagnósticos e
compreensão do caso. Prescrição homeopática: primeira e segunda prescrição. Prognósticos. Matéria
médica homeopática e repertórios. Medicamentos homeopáticos: origem, métodos e escalas. Veiculos
homeopáticos. Formas farmacêuticas. Receituário homeopático. Bioterápicos
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ALLEN, T.F. The encyclopedia of pure materia medica. New Delhi: B.J. Publishers, 1982.
DIAS, A.F. Fundamentos da homeopatia: princípios da prática homeopática: curriculum minímum. Rio de
Janeiro: Cultura Médica, 2001. 580p.
FONTES, O. L. Farmácia homeopática: teoria e prática. São Paulo: Manole, 2001. 353p.
HAHNEMANN, S. Matéria médica pura. Traduzida para o inglês por Dudgeon com anotações de Hughes.
New Delhi: B.J. Publishers, 1972.
HAHNEMANN, S. A doença crônica. 2. ed. alemã, traduzida para o português por Benoit Mure. São
Paulo: G.E.H., 1984.
HAHNEMANN, S. Organon. 6. ed. alemã. Traduzida para o português por GEHSP "Benoit Mure" 2. ed.
São Paulo: GEHSP 1995.
HERING, C. Guiding symptoms. New Delhi: J.B. Publishers, 1971.
KENT, J.T. Filosofia homeopática, Trad. Ruth Kelson Original Lectunes on homeopathic: philosophy. São
Paulo: Robe Editorial. 1996.
KOSSAK-ROMANCH, A. Homeopatia em 1.000 conceitos. São Paulo: El Cid, 1984.
NASSIF, M.R.G. Compêndio de homeopatia. São Paulo: Robe Editorial. 1997, 3Vs.
TYLER, M.L. Retratos dos medicamentos homeopáticos. São Paulo: Santos Ed., 1995.
MÉDICO NEFROLOGISTA
Embriologia,anatomia e fisiologia renal. Avaliação clinica e laboratorial da função renal.
Urinalise. Métodos de Imagem em Nefrologia. Hematuria e proeteinuria. Síndrome Nefrítica
Síndrome Nefrótica. Glomerulonefrites rapidamente progressivas. Fisiologia e fisiopatologia dos distúrbios
hidroeletroliticios e ácido-básicos. Distúrbios da água e sódio. Distúrbios do metabolismo do potássio.
Distúrbios do metabolismo do cálcio, fósforo e magnésio. Acidose Metabólica. Acidose Respiratória.
Alcalose Respiratória. Alcalose Metabólica. Manifestações maiores das nefropatias (oliguria, anuria,
poliúria, nocturia, disuria, freqüência, hematuria e pigmenturia, cólica renal e dor no flanco, massa renal,
edema, hipertensão artéria e uremia) Doencas glomerulares primarias (Doença das lesões mínimas,
Glomeruloesclerose focal e segmentar, Glomerulopatia membranosa, Glomerulonefrite
membranoprolifera-tiva e crioglobulinemia, Nefropatia por IgA e distúrbios correlatos). O rim nas doenças
sistêmicas (Insuficiencia cardíaca congestiva, hepatopatias, Lupus eritematoso sistêmico e outras
doenças reumatologicas, Vasculites, Nefropatia diabética, Disproteinemias e amiloiodoses, Síndrome
hemolítico-urêmica e Púrpura trombocitopênica trombótica, Rim e HIV/AIDS e o rim nas doenças
infecciosas: GNDA, malária.l leptospirose, hepatites virais e esquistossomose). Analgésicos e o rim.
Insuficiência renal aguda. Insuficiência renal crônica (Fisiopatologia e manejo da progressão,
manifestações hematológicas das doenças renais, ostedistrofia renal,doença cardíaca e neurológica na
IRC, hemodiálise, diálise peritoneal. Doenças renais Heredofamiliares e congênitas (Doenças renais
policísticas, síndrome de Alport e distúrbios relacionados, Doenças císticas medulares, drepanocitose,
doença de Fabry). Doenças tubulointersticiais. Necrose de papila renal. O rim na gravidez e no idoso.
Uropatia Obstrutiva Refluxo vesico-ureteral. Nefrolitiase. Infeccões do trato urinário. Hipertensão Artéria
Sistêmica (Fisiopatologia, abordagem, propedêutica, formas secundárias, tratamento e emergências
hipertensivas). Hemodiálise e Hemoperfusão no tratamento das intoxicações. Biopsia renal Plasmaferese
em Nefrologia. Hemodialise (cinética, acessos vasculares, dialisadores,dialisato e membranas, amiloidose
por beta2 microglobulina,complicações). Dialise Peritoneal (Cinética, técnicas, indicações e contra-
indicações, CAPD, APD e DPI). Transplante renal (Indicações, contraindicações, preparo do doador e
receptor, imunossupressores, complicações).
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
DAUGIRDAS IT,Ing TS: Handbook of Dialysis, Boston, Little Brown,1994.
GREENBERG A. (ed): Primer on Kidney diseases, 2nd Edition, San Diego, Academic Press, 1998
HRICIK, Sedor and GANZ (ed): Segredos em Nefrologia, Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.
KNOBEL E (ed).:Terapia intensiva-Nefrologia e distúrbios do Equilíbrio Ácido-Base, São Paulo, Editora
Atheneu, 2005.
MASSRY and GLOSSOCK'S (ed):Textbook of Nephrology, Fourth edition, Lippincott William and Wilkins,
2001
RIELLA MC(ed): Princípios de Nefrologia e Distúrbios Hidroeletrolíticos, 4 edição, Rio de Janeiro,
Guanabara Koogan, 2003.
MÉDICO NEUROLOGISTA
Semiologia Neurológica. Síndromes Neurológicas e Topografia Lesional. Neurofisiologia
Neuroimagem. Liquor. Neuroinfecção. Doenças Vasculares. Tumores. Anomalias do Desenvolvimento
Neuronal. Desordens Neurocutâneas. Neuropatias Periféricas. Miopatias
Mielopatias. Ataxias. Distúrbios do Movimento. Doenças da Junção Neuromuscular. Esclerose Múltipla e
outras doenças desmielinizantes. Epilepsia. Cefaléias. Distúrbios do Sono. Tonteira e Vertigem.
Manifestações Neurológicas das Doenças Sistêmicas. Demências e Delírios. Desordens do Sistema
Autonômico. Desordens Psiquiátricas
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ALLAN H. ROPPER, ROBERT H. BROWN. Adams and Victor's Principles of Neurology, 8th edition.
McGraw Hill, 2005.
BILLER, J. Practical Neurology. 1st edition. Lippincott Williams & Wilkins. 2005.
NITRINI, R., BACHESCHI, LUIS ALBERTO. A Neurologia que Todo o Médico Deve Saber, 2. ed. São
Paulo: Atheneu, 2005.
PATTEN, J. Neurological Differential Diagnosis. 2nd edition. Springer. 1996.
ROWLAND, LP. Merrit´s Textbook f Neurology, 11th edition. Williams & Wilkins, 2005.
MÉDICO OTORRINOLARINGOLOGISTA
Epistaxes. Rinopatias agudas e crônicas. Tumores do nariz e seios paranasais. Sinusites agudas e
crônicas. Adenoamigdalites. Tumores da boca, faringe e laringe. Estomatites. Disfonias. Laringites agudas
e crônicas. Hipoacusias e vertigens: diagnóstico e tratamento. Otites externas. Otites médias agudas e
crônicas. Complicações das otites. Tumores do ouvido. Cefaléias e dores faciais. Malformações
congênitas em Otorrinolaringologia. Corpos estranhos em Otorrinolaringologia. Urgências em
Otorrinolaringologia.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BENTO, R.F., MINITI A., MARONE, S.A.M. Tratado de Otologia, São Paulo, Edusp Editora da
Universidade de São Paulo 1998.
CAMPOS, C.A.H., COSTA, H.O. Tratado de Otorrinolaringologia. São Paulo: Editora Rocca 2002, 5
volumes.
SIH, T. Otorrinolaringologia Pediátrica. Rio de Janeiro: Revinter 1998.
MÉDICO PEDIATRA
O pediatra como agente terapêutico. Desenvolvimento e crescimento da criança. Aleitamento materno.
Princípios da dietoterapia, avaliação nutricional. Fundamentos da prescrição pediátrica. Imunização da
criança. Distúrbios nutricionais e hidroeletroliticos. Abordagem clinica do adolescente, sexualidade,
tabagismo, alcoolismo, drogas ilícitas. Abordagem ao recém-nascido. Diagnóstico diferencial das doenças
exantemáticas. Problemas hematológicos. Problemas gastrointestinais. Problemas do trato respiratório.
Problemas do aparelho cardiovascular. Problemas neurológicos. Problemas endocrinológicos. Problemas
genitourinários. Problemas dermatológicos. Problemas reumatológicos. Reações medicamentosas,
interações entre drogas, antibioticoterapia. O laboratório em pediatria.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BEHRMAN, R.E., KLIEGMAN, A. Nelson Textbook of pediátricas. 17.th São Paulo: Elsevier, 2004.
International Edition, 2004
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica,
2005.
BRASIL. Ministério da Saúde. Doenças infectoparasitárias. Manual de bolso, 5. ed. Brasília, 2005.
LEÃO, et al. Pediatria ambulatorial. 4. ed. Belo Horizonte: COOPMED, 2004.
OLIVEIRA, R.G. Black book. Manual de referência em pediatria, medicamentos e rotinas médica. 3. ed.
Belo Horizonte: Copermed, 2005.
TONELLI, E., FREIRE, L.M.S. Doenças infecciosas na infância e adolescência. 2. ed. Belo Horizonte:
Médici, 2000.
MÉDICO PLANTONISTA - CLÍNICO GERAL
Princípios de terapia farmacológica. Princípios da antibioticoterapia. Radiologia do coração. Princípios de
eletrocardiograma.Conduta na insuficiência cardíaca. Edema agudo dos pulmões. Abordagem clinica das
taquiarritmias e bradiarritmias.
Hipertensão arterial sistêmica. Abordagem clinica da cardiopatia isquêmica. Parada cardio-respiratória.
Manobras de ressuscitação cardiopulmonar. Síndrome do choque. Asma brônquica. Pneumonias
comunitárias. Insuficiência respiratória aguda. Doença pulmonar obstrutiva crônica. Uropatia obstrutiva.
Cistite e pielonefrite.
Insuficiência renal aguda. Abordagem do paciente com diarréia. Doença intestinal inflamatória. Distúrbios
hidroeletroliticos e ácido-básicos.Pancreatite. Hepatites virais. Cirrose hepática. Hemorragia digestiva alta.
Encefalopatia hepática.
Leucopenia e leucocitose. Abordagem do paciente com sangramento e trombose.
Diabetes mellitus. Hipoglicemia. Hipo e hipertireoidismo. Anafilaxia. Alergia a picadas de insetos. Reações
adversas às drogas e aos alimentos. Síndrome de Imunodeficiência Adquirida. Abordagem clinica das
orofaringites agudas.
Sincope e Cefaléias. Acidente vascular cerebral. Convulsões e estado de mal epiléptico. Acidentes com
animais peçonhentos. Intoxicação alcoólica.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
GOLDMAN, L. AUSIELLO, D. C. Tratado de medicina interna. 22. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
GREEN, G. B.; HARRIS, I. S.; LIN, G. A.; MOYLAN, K. C. The Washington Manual. Manual de
Terapêutica Clínica. 31. ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 2005.
KASPER, D.L.; FAUCI, A. S.; LONGO, D. L.; BRAUNWALD, E.; HAUSER, S. L.; JAMESON, J. L.
Medicina Interna. 16. ed. Rio de Janeiro: McGraw Hill Interamericana do Brasil, 2005.
PEDROSO, E.R.P; OLIVEIRA, R.G. Blackbook. Clínica Médica. Belo Horizonte: Blackbook, 2007.
ROCHA, M.O.C.; PEDROSO, E.R.P.; FONSECA, J.G.M; SILVA. O.A. Terapêutica Clínica. Rio de Janeiro:
Guanabara-Koogan, 1998.
MÉDICO PLANTONISTA - PEDIATRA
Assistência ao recém-nascido normal e prematuro. Enterocolite Necrosante. Infecções congênitas mais
comuns (TORCHS). Assistência Neonato na sala de parto. Distúrbios metabólicos no período perinatal.
Sofrimento fetal agudo e encefalopatia hipoxico isquêmica.
Sepse neonatal. Desidratação e reidratação. Crise asmática. Pneumonias. Insuficiência cardíaca.
Hepatite. Leishmaniose visceral. Dengue hemorrágica. Ferimentos, corpos estranhos e grandes traumas.
Insuficiência renal aguda. Hematúria. Queimaduras. Intoxicações. Acidentes por animais peçonhentos.
Reconhecimento e primeiro atendimento à criança e ao adolescente gravemente enfermo/ em risco.
Assistência ventilatória. Instabilidade hemodinâmica. Cetoacidose diabética. Atendimento a parada
cardiorespiratória. Distúrbios hidroeletroliticos e ácidos básicos. Nutrição enteral e parenteral. Analgesia e
sedação. Arritmias. Distúrbios de coagulação. Morte encefálica: diagnóstico e legislação. Urgências
cirúrgicas. Violência contra criança e adolescentes. Direitos da criança e do adolescente.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRASIL, Lei Federal n. 8.069 de 13 de julho de 1990. ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE
BRASIL, Ministério da Saúde. ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO
INFANTIL. Saúde da Criança. Cadernos de Atenção Básica, n. 11, Brasília, 2002. (disponível
http://dtr2001.saude.gov.br/bvs/publicacoes/crescimento_desenvolvimento.pdf)
BRASIL, Ministério da Saúde . NOTIFICAÇÃO DE MAUS-TRATOS CONTRA CRIANÇAS E
ADOLESCENTES PELOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE: UM PASSO A MAIS NA CIDADANIA EM
SAÚDE Ministério da Saúde, Brasília,DF - 2002 (disponível
http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livros/genero/s00a.htm)
BRASIL, Ministério da Saúde, Brasília, 2002. GUIA ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MENORES DE 2
ANOS (disponível http://dtr2001.saude.gov.br/svs/pub/pub00.htm)
LEÃO, Ennio (et al.). Pediatria Ambulatorial. Belo Horizonte: COOPMED, 4. ed., 2005.
MANUAL de Segurança da Criança e do Adolescente Sociedade Brasileira de Pediatria 2003.
MINAS GERAIS. Secretaria de Estado da Saúde. Minas Gerais. Atenção à Saúde da Criança. Maria
Regina Viana et al. Belo Horizonte: SAS/DNAS, 2004.
MINAS GERAIS. Secretaria de Estado da Saúde. Assistência Hospitalar ao Neonato. Maria Albertina
Santiago Rego. Belo Horizonte, 2005.
OLIVEIRA, Reynaldo Gomes de. Blackbook Pediatria. 3. ed. Belo Horizonte: Black Book Editora, 2005.
MANUAL de Segurança da Criança e do Adolescente Sociedade Brasileira de Pediatria 2003.
TUBERCULOSE - GUIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Ministério da Saúde - FUNASA DF, 2002
(disponível dtr2001.saude.gov.br/svs/pub/pub00.htm)
WALDO E. Nelson. Tratado de Pediatria. vol, 1 e 2, 15. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997.
MÉDICO PNEUMOLOGISTA
Sintomatologia geral das doenças do aparelho respiratório. Abordagem do paciente com doença
respiratória. Estrutura e função respiratórias, distúrbios hidroeletrolíticos e ácido-básicos.
Diagnóstico diferencial da dor torácica. Asma brônquica. Sinusites agudas e crônicas. Bronquiectasia e
distúrbios localizados das vias aéreas e parênquima pulmonar. Doenças pulmonares intersticiais, doenças
pulmonares ocupacionais. Atelectasia e colapso pulmonar, encarceramento pulmonar. Pneumonia
adquirida na comunidade, Pnemonia do imunossuprimido e Pneumonia nosocomial. Tromboembolismo
pulmonar. Hipertensão Pulmonar e Vasculites pulmonares. Doença pulmonar obstrutiva generalizada
crônica, tabagismo. Câncer do pulmão e dos brônquios. Tumores malignos metastáticos. Manifestações
torácicas das doenças sistêmicas. Doenças da pleura, do diafragma, da parede torácica e do mediastino.
Síndrome da apnéia-hipopnéia do sono obstrutiva. Síndromes de hipoventilação e hiperventilação.
Insuficiência respiratória aguda e crônica. Doenças pulmonares supurativas, abscesso pulmonar.
Tuberculose. Micoses pulmonares. SIDA e complicações pulmonares.
Antibioticoterapia, oxigenioterapia.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
CORREIA DA SILVA L C Condutas em Pneumologia Vol I e II Rio de Janeiro, Revinter 2001.
TARANTINO A B Doenças Pulmonares 5ª Edição Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2002 .
MURRAY J Textbook Of Respiratory Medicine 4ª Edição Philadelpha: Saunders, 2005.
HANLEY ME, WELSH CH. Current Diagnosis And Treatment In Pulmonary Medicine. New York; Lange,
2003 .
CONSENSOS DE PNEUMOLOGIA
BETHLEN, N. Pneumologia. 4. ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2000.
GOLDMAN, L., BENNETT, J.C. Cecil Tratado de medicina interna. 23. ed. Rio de Janeiro, Guanabara
Koogan, 2007.
MÉDICO PSF CLÍNICO GERAL
Conhecimentos de planejamento e programação local / sistemas de informação. Processo de trabalho em
saúde. Trabalho em equipe: a transdisciplinaridade. Atribuição do médico de Saúde da Família e Atenção
Básica. Atenção Primária em Saúde e Vigilância em Saúde: conceitos e dimensões. Saúde da Família e
estratégias de organização da Atenção Básica. Mobilização Social, Promoção da Saúde e Prevenção.
Conhecimentos em Atenção à Saúde da criança e do adolescente. Conhecimentos em Atenção à Saúde
do adulto. Organização de ações de saúde da mulher (pré-natal, parto, puerpério) e do idoso. Urgência e
emergência dentro das atividades do PSF. Ética e legislação profissional.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS n. 648, de 28 de março de 2006. Brasília, 2006. Aprova a
Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização
da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de
Saúde. Disponível em: <www.saude.gov.br/dab>
SANT'ANA, A.M. A propósito da medicina de família. Disponível em: <www.sbmfc.org.br> acessado em
março de 2006.
STARFIELD, B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília:
UNESCO/Ministério da Saúde, 2002.
BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. Fundação Nacional de Saúde. Centro
Nacional de Epidemiologia. Brasília, 2006, cap. III.
DUNCAM, B.B.; SCHMIDT, M.I.; GIUGLIANI, E.R.J. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária
baseadas em evidências. Porto Alegre: Artmed, 2004.
LOPES, AC; WARD, LS; GUARIENTO, MH. Medicina ambulatorial. São Paulo: Atheneu, 2006
LINHAS GUIAS:
Atenção à Saúde da Criança - Viva Vida - SES - BH/2005.
Atenção à Saúde do Adolescente - Saúde em Casa - SES - BH/2006.
Atenção à Saúde do Adulto (Hipertensão e diabetes. Hanseniase. HIV/AIDS, tuberculose). Saúde em
Casa - SES- MG- BH/2006.
Atenção à Saúde do Idoso. - Saúde em Casa - SES - BH/2006.
Atenção ao pré-natal, parto e puerpério. Viva Vida - SES - BH/2005.
Disponível em: <www.saude.mg.gov.br>
MÉDICO PSIQUIATRA
Semiologia psiquiátrica: exame psiquiátrico, diagnóstico e classificação em psiquiatria. Métodos
complementares de diagnóstico: testes psicológicos, avaliações laboratoriais, neuroimagens,
eletroencefalograma. Clinica psiquiátrica: transtornos do humor; esquizofrenias e outros transtornos
psicóticos; ansiedade e transtornos relacionados; transtornos de personalidade; transtornos dissociativos
e somatoformes; transtornos alimentares; transtornos mentais pelo uso de substâncias psico-ativas;
transtornos mentais devido a condições médicas gerais (ou sindromes psicorgânicas); transtornos de
sexualidade, demências, retardo mental.
Psicopatologia: aspectos gerais: consciência e sensopercepção. Representações: conceitos e juízos.
Raciocínio: memória, atenção, orientação. Afeto e humor: volição. Pensamento: linguagem, inteligência.
Consciência e valoração do eu: esquema corporal e identidade, personalidade. Síndromes psiquiátricas.
Psicogeriatria e psiquiatria infantil. Psiquiatria Forense- fundamentos de prática psiquiátrica pericial;
avaliação da capacidade civil. Emergências Psiquiátricas. Terapêutica psiquiátrica: biológica e
psicofarmacológica (antipsicóticos, antidepressivos, ansioliticos, estabilizadores do humor, antiepilépticos,
interações medicamentosas, drogas médicas que provocam distúrbios psiquiátricos).
Eletroconvulsoterapia. Psicanálise: bases do tratamento psicanalítico. Transferência: os princípios do
funcionamento mental, noções básicas de psicanálise e suas interfaces com a psiquiatria e saúde mental.
Saúde mental: a legislação referente à saúde mental. As relações entre transtornos mentais, cidadania e
direito. O paciente infrator. A reforma da assistência psiquiátrica.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
SCHATZBERG. Manual de psicofarmacologia clínica. 6. ed. Rio de Janeiro: Artmed, 2008.
DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. Rio de Janeiro: Artmed,
2000.
KAPLAN e SADOCK. Manual de psiquiatria clínica. Rio de Janeiro: Artmed, 2007.
KAY, Tasman. Psiquiatria. Ciência comportamental e fundamentos clínicos. São Paulo: Manole, 2002.
PEC - Programa de Educação Continuada - Textos de aulas - Título de especialista em Psiquiatria
(Associação Brasileira de Psiquiatria) - Provas 2000- 2003- Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.
PEC - Programa de Educação Continuada (Associação Brasileira de Psiquiatria) - Textos de Aulas -
Provas 2004-2005. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.
FREUD S. Edição Standard Brasileira das obras completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. V.
XXII. Artigos: Sobre o início do tratamento. Recordar, repetir elaborar. Observações sobre o amor de
transferência. Sobre a psicanálise. Formulações sobre os dois princípios de funcionamento mental.
OTONI Barros F. Projeto de atenção interdisciplinar ao paciente judiciário (PAI-PJ). Caderno de Textos. III
Conferência Nacional de Saúde Mental. Brasília: Ministério da Saúde. 2001.
BRASIL. Lei Federal n. 10.216, de 06 de abril de 2001.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.391, de 28 de dezembro de 2002. (Regulamento da internação
psiquiátrica involuntária).
MINAS GERAIS. Secretaria da Saúde. Leis estaduais: Lei n. 11.802, de 18 de janeiro de 1995, e Lei n. 12
684, de 1o de dezembro de 1997.
MÉDICO REUMATOLOGISTA
Exame clínico do paciente reumático. Mecanismos etiopatogênicos da dor, da inflamação e da
autoimunidade. Doenças difusas do tecido conjuntivo. Espondiloartropatias. Vasculites. Doenças
reumáticas de partes moles. Osteoartrose. Artrites microcristalinas. Artrites infecciosas. Doenças
sistêmicas com manifestações articulares. Doenças osteometabólicas. Enfermidades reumáticas da
criança e do adolescente. Terapêutica em reumatologia. Laboratório em reumatologia. Métodos de
imagem em reumatologia.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
KELLEY'S. Textbook of Rheumatology. 6.edition, Elsevier Saunders, 2005.
KLIPPEL, J.H., DIEPPE, P.A. Rheumatology. 6.edition. Mosby International, 1998.
MOREIRA, C., Carvalho, M.A.P. Reumatologia - Diagnóstico e Tratamento. 2. ed. Rio de Janeiro: Médici
Editora Médica Científica, 2001.
MÉDICO SANITARISTA
Programa
Temas relevantes da Saúde Coletiva, compreendidos dentro das quatro áreas do conhecimento, a saber,
Políticas de Saúde e Planejamento; Epidemiologia; Saúde do Trabalhador e Ciências Sociais e Humanas
em Saúde.
Bibliografia
CARVALHO, AI; Buss, PM. Determinantes Sociais na Saúde, na Doença e na Intervenção. In: Giovanella,
Ligia; Escorel, Sarah; Lobato, Lenaura de Vasconcelos Costa; NORONHA, José de Carvalho; Carvalho,
Antônio Ivo (orgs). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008. Cap. 4,
p.141-166
BARATA, RB. Condições de Saúde da População Brasileira. In: Giovanella, Ligia; Escorel, Sarah; Lobato,
Lenaura de Vasconcelos Costa; Noronha, José de Carvalho; Carvalho, Antônio Ivo (orgs). Políticas e
Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008. Cap. 5, p.167-213.
NORONHA, JC; Lima, LD e Machado, CV. O Sistema Único de Saúde. In: Giovanella, Ligia; Escorel,
Sarah; Lobato, Lenaura de Vasconcelos Costa; Noronha, José de Carvalho; Carvalho, Antônio Ivo (orgs).
Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008. Cap. 12, p . 435-472
UGÁ, MAD e Porto, SM. Financiamento e Alocação de Recursos em Saúde no Brasil. In: Giovanella,
Ligia; Escorel, Sarah; Lobato, Lenaura de Vasconcelos Costa; Noronha, José de Carvalho; Carvalho,
Antônio Ivo (orgs). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008. Cap. 13,
p.473-505
BAHIA, L e Scheffer, M. Planos e Seguros Privados de Saúde. In: Giovanella, Ligia; Escorel, Sarah;
Lobato, Lenaura de Vasconcelos Costa; Noronha, José de Carvalho; Carvalho, Antônio Ivo (orgs).
Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008. Cap. 14, p.507-543
PAIM, JS. Modelos de Atenção à Saúde no Brasil. In: Giovanella, Ligia; Escorel, Sarah; Lobato, Lenaura
de Vasconcelos Costa; Noronha, José de Carvalho; Carvalho, Antônio Ivo (orgs). Políticas e Sistema de
Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008. Cap. 15, p. 547-573
GIOVANELLA, L e MENDONÇA, MHM. Atenção Primária à Saúde. In: Giovanella, Ligia; Escorel, Sarah;
Lobato, Lenaura de Vasconcelos Costa; Noronha, José de Carvalho; Carvalho, Antônio Ivo (orgs).
Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008. Cap. 17, p.575- 625
BRAGA NETO, FC; Barbosa, PR e Santos, IS. Atenção Hospitalar: evolução histórica e tendências. In:
Giovanella, Ligia; Escorel, Sarah; Lobato, Lenaura de Vasconcelos Costa; Noronha, José de Carvalho;
Carvalho, Antônio Ivo (orgs). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz,
2008. Cap. 18, p.665-704
GARRAFA, V. Bioética. In: Giovanella, Ligia; Escorel, Sarah; Lobato, Lenaura de Vasconcelos Costa;
Noronha, José de Carvalho; Carvalho, Antônio Ivo (orgs). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de
Janeiro: Editora Fiocruz, 2008. Cap. 24, p.853-869
ALMEIDA, C. Reforma de Sistemas de Saúde: tendências internacionais, modelos e resultados. In:
Giovanella, Ligia; Escorel, Sarah; Lobato, Lenaura de Vasconcelos Costa; Noronha, José de Carvalho;
Carvalho, Antônio Ivo (orgs). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz,
2008. Cap. 25, p.871-922
ESCOREl, S; Moreira, MR. Participação Social. In: Giovanella, Ligia; Escorel, Sarah; Lobato, Lenaura de
Vasconcelos Costa; Noronha, José de Carvalho; Carvalho, Antônio Ivo (orgs). Políticas e Sistema de
Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008. Cap. 28, p.979-1010
CARVALHO, DM. Medidas de Frequência de Doença. In: Medronho, RA; Carvalho,DM; Bloch, KV; Luiz,
RL; Werneck, GL. Epidemiologia. São Paulo, Rio de janeiro, Ribeirão Preto, Belo Horizonte: Atheneu,
2003. Cap. 2, p. 15-31
VERMELHO, LL; Leal AJC; Kale. Indicadores de Saúde. In: Medronho, RA; Carvalho,DM; Bloch, KV; Luiz,
RL; Werneck, GL. Epidemiologia. São Paulo, Rio de janeiro, Ribeirão Preto, Belo Horizonte: Atheneu,
2003. Cap.3, p. 33-55
MEDRONHO, RA; Perez, MA. Distribuição das Doenças no Espaço e no Tempo. In: Medronho, RA;
Carvalho,DM; Bloch, KV; Luiz, RL; Werneck, GL. Epidemiologia. São Paulo, Rio de janeiro, Ribeirão
Preto, Belo Horizonte: Atheneu, 2003. Cap. 4, p. 57-71.
GAZE, R; Perez, MA. Vigilância Epidemiológica. In: Medronho, RA; Carvalho,DM; Bloch, KV; Luiz, RL;
Werneck, GL. Epidemiologia. São Paulo, Rio de janeiro, Ribeirão Preto, Belo Horizonte: Atheneu, 2003.
Cap. 5, p. 73-89.
VERMELHO, LL; Monteiro, MFG. Transição Demográfica e Epidemiológica. In: Medronho, RA;
Carvalho,DM; Bloch, KV; Luiz, RL; Werneck, GL. Epidemiologia. São Paulo, Rio de janeiro, Ribeirão
Preto, Belo Horizonte: Atheneu, 2003. Cap. 6, p. 91-103.
BLOCH, KV; Coutinho, ESF. Fundamentos da Pesquisa Epidemiológica. In: Medronho, RA; Carvalho,DM;
Bloch, KV; Luiz, RL; Werneck, GL. Epidemiologia. São Paulo, Rio de janeiro, Ribeirão Preto, Belo
Horizonte: Atheneu, 2003. Cap.7, p. 107-113.
SANCHES, KRB; Camargo Júnior, KR; Coeli, CM; Cascão, AM. Sistema de Informação em Saúde. In:
Medronho, RA; Carvalho,DM; Bloch, KV; Luiz, RL; Werneck, GL. Epidemiologia. São Paulo, Rio de
janeiro, Ribeirão Preto, Belo Horizonte: Atheneu, 2003. Cap. 23, p. 337-359.
PINHEIRO, RS; Escosteguy, CC. Epidemiologia e Serviços de Saúde. In: Medronho, RA; Carvalho,DM;
Bloch, KV; Luiz, RL; Werneck, GL. Epidemiologia. São Paulo, Rio de janeiro, Ribeirão Preto, Belo
Horizonte: Atheneu, 2003. Cap. 24, p. 361-369.
CÂMARA, V M. Epidemiologia e Ambiente. In: Medronho, RA; Carvalho,DM; Bloch, KV; Luiz, RL;
Werneck, GL. Epidemiologia. São Paulo, Rio de janeiro, Ribeirão Preto, Belo Horizonte: Atheneu, 2003.
Cap. 25, p. 371-383.
PALÁCIOS, M; Rego, S; Schiamm, FR. A Regulamentação Brasileira em Pesquisa Envolvendo Seres
Humanos. In: Medronho, RA; Carvalho,DM; Bloch, KV; Luiz, RL; Werneck, GL. Epidemiologia. São Paulo,
Rio de janeiro, Ribeirão Preto, Belo Horizonte: Atheneu, 2003. Cap. 32, p. 465-477.
MENDES, R. Patologia do Trabalho. 2ª Ed. São Paulo, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto, Belo Horizonte:
Atheneu, 2003. Volume II. Parte I - Introdução e Bases Conceituais, p. 3-322
MENDES, R. Patologia do Trabalho. 2ª Ed. São Paulo, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto, Belo Horizonte:
Atheneu, 2003. Volume II. Parte IV - A Redução e Eliminação da Nocividade do Trabalho, p.1683-1931.
MÉDICO EM RADIOLOGIA ESPECIALISTA EM ULTRASSONOGRAFIA
Bases físicas dos métodos de diagnóstico por imagem:
Fundamentos físicos das radiações e efeitos biológicos. Raios X: características e produção. A formação
da imagem radiográfica. Controle e qualidade. Filmes radiográficos, sistemas intensificadores e
antidifusores. Fundamento da fluoroscopia, fluorografia e planigrafia. Proteção radiológica. Fundamentos
da ultra-sonografia, tomografia computadorizada e Ressonância. Magnética: princípios, técnica, aplicação
clínica. Meios de contrastes empregados no diagnóstico por imagens: características, indicações,
limitações de emprego e contra-indicações Sistemas de processamentos de filmes planos e especiais.
Controle de qualidade em Radiologia geral, mamografia, ultra-sonografia, tomografia computadorizada e
ressonância magnética.
Aparelho respiratório e cardiovascular
Métodos de imagenologia do tórax. Imagenologia do tórax normal. Elementos fundamentais na análise
imagenológica do tórax. Imagenologia: das alterações intersticiais, alveolares e mistas. Das doenças
pleuro-parietais e diafragmas. Do mediastino normal e patológico. Das doenças infecciosas pleuro-
pulmonares específicas e inespecíficas. Das repercussões pleuro-pulmonares de doenças sistêmicas.
Das doenças vasculares pulmonares e hipertensão pulmonar. Das atelectasias pulmonares. Do tórax nas
emergências. Do tórax em pediatria. Do tórax no paciente crítico. na D.P.O.C. Do aparelho cardiovascular
- rotinas. Nos aumentos cavitários cardíacos. Nas lesões orovalvulares. Nas cardiopatias congênitas. Da
aorta. Do sistema vascular periférico. Do sistema vascular periférico no trauma; e dos vasos do pescoço e
estruturas adjacentes. Tumores benignos e malignos dos pulmões.
Aparelho digestivo
Imagenologia: o abdômen - métodos de exploração. Do abdômen normal e agudo. Elementos
fundamentais na análise da imagenologia abdominal. Anomalias congênitas, estenoses, ulcerações,
divertículos, fistulas, tumores benignos e malignos, compressões extrínsecas, alterações sistêmicas e
vasculares, traumatismos e alterações endócrinas de: esôfago, transição esôfago - cardiotuberositária,
estomâgo e duodeno. Intestino delgado e grosso. Fígado, pâncreas, baço, vesícula e vias biliares.
Retroperitônio.
Aparelho urinário
Imagenologia do aparelho urinário - métodos. Elementos fundamentais na análise da imagenologia do
aparelho urinário. Imagenologia: das massas expansivas renais; da bexiga, ureteres e junções; da
próstata, vesículas seminais e bolsa; do aparelho urinário em pediatria; das lesões vasculares renais; e
das urgências em aparelho urinário, incluindo trauma. Da exclusão renal. Cálculos, calcificações renais e
nefrocalcinoses. Infecções renais específicas e inespecíficas. Supra-renal - doenças granulomatosas,
endócrinas e tumorais.
Ossos e articulações
Imagenologia das lesões osteomúsculo-articulares. Elementos fundamentais na análise da imagenologia
osteomúsculo-articulares. Imagenologia: das doenças inflamatórias e infecciosas osteomúsculo-
articulares. Das lesões tumorais e pseudo-tumorais. Das repercussões osteomúsculo-articulares das
doenças sistêmicas (incluindo metástases). Da coluna vertebral. Das alterações endócrinas, metabólicas,
isquêmicas e degenerativas. Da tuberculose óssea e vertebral. Da doença de Paget. Das lesões dos
músculos, tendões e ligamentos.
Ginecologia e obstetrícia
Imagenologia: em G/O - métodos; anomalias uterinas; infertilidade feminina; doença trofoblática;
endometrioses; do útero e anexos - normal e patológica; da gravidez: diagnóstico, evolução e,
complicações; avaliação ultra-sonografica do primeiro trimestre; avaliação ultra-sonográfica do segundo
trimestre; avaliação ultra-sonográfica do terceiro trimestre; avaliação ultra sonográfica do liquido
amniótico; avaliação ultra-sonográfico da placenta; anomalias fetais; gestação múltipla; hidropsia fetal.
Mama
Mama normal e alterações fisiológicas; lesões benignas e malignas; lesões inflamatórias; mama
masculina; mama operada e irradiada; mamografia x ultra-sonografia; ressonância magnética; biópsias;
bi-rads.
Neuroradiologia
Imagenologia do S.N.C - Métodos. Elementos fundamentais na análise da imagenologia do S.N.C.
Imagenologia: no T.C.E; no A.V.C; nas doenças vasculares do SNC; nas doenças infecciosas e
desmielinizantes; das massas expansivas do S.N.C; do S.N.C. em pediatria; do S.N.C. em pacientes
críticos; e do S.N.C. nas alterações sistêmicas desenvolvimento do cérebro e malformações congênitas.
doenças degenerativas e metabólicas. Aparelho genital masculino
Lesões inflamatórias e tumorais da próstata. Lesões inflamatórias e tumorais do testículo e epidídimo.
Torção do testículo. Traumatismos. Varicocele. Infertilidade.
Cabeça e pescoço
Seios paranasais. Nariz. Fossa pterigopalatina. Glândulas salivares. Espaço parafaringeo. ATM. Laringe.
Base do crânio. Órbitas - olhos. Rochedo e mastóides. Tireoide. Paratireoide.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BURGENER, Francis, KORMANO, Martti. Diagnóstico diferencial em tomografia computadorizada. 1. ed.
Rio de Janeiro: Revinter, 1998.
CERRI, Giovani G., OLIVEIRA ITS. Ultra-sonografia abdominal. 2. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2002.
JUHL, Paul. Interpretação radiológica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
KEATS, Theodore E. Atlas of normal roentgen variants that may simulate disease. 6. ed. St. Louis: Mosby,
1996.
KOPANS, Daniel B. Imagem da mama. 2. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.
KORMANO, Burgener. Differential diagnosis in conventional radiology. 2. ed. New York: Thieme, 1991.
OSBORN, Anne G. Diagnóstico neuroradiológico. 1. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 1999.
RUMACK, Carol M. Tratado de ultra-sonografia diagnóstica. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1999.
STOLLER, David W. Ressonância magnética ortopédica. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2001.
SUTTON, David. Text book of radiology and medical imaging. vols. I e II. 7. ed. EUA: Churchill
Livingstone, 2000.
HILTON, Saskia W., EDWARDS, David K. Radiologia pediátrica. 2 ed. Rio de Janeiro,Guanabara
Koogan ,1996
BROSSMANN J.F.J., STEMBERG J.W. Radiologia óssea- Limites do normal e achados patológicos
precoces. Rio de Janeiro, Revinter 2005
DAHNERT, W. Radiologia - Manual de Revisão. Rio de Janeiro. Revinter. 2001
HAAGA, J.R., LANZIERI, C.F., SARTORIS, D.J, ZERHOUNI, E.A. Tomografia computadorizada e
ressonância magnética do corpo humano. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1996.
SIEGEL M.J. Tomografia computadorizada do corpo em pediatria. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2001.
LEE, J.K.T., SAGEL, S.S., STANLEY, T.J., HAEIKEN, J.P. Tomografia computadorizada do corpo com
correlação com ressonância magnética. 3 ed. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 2001.
GREESPAN, A. Radiologia ortopédica. Rio de Janeiro: Guanabara, 2001.
KOBRUNNER S.H.H., SCHREER, I, DERSHAW D.D., FRASSON, A. Mama diagnóstico por Imagem. Rio
de Janeiro: Revinter.1999.
SIEGEL, M. Ultra-sonografia pediátrica. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.
PASTORE, A.R., CERRI, G.G. Ultra-sonografia em Ginecologia e Obstetrícia. Rio de Janeiro: Revinter,
2003.
SHANDNESS Jr., DEUGENE. Doppler colorido nas doenças vasculares. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2004.
BAILÃO, L.A., MUSOLE, F.B., MACHADO, L.E., RIZZI, M.C. Ultra-sonografia transvaginal. Ribeirão Preto:
Diagnosis, 1991.
CERRI, G.G., MOLNAR, L.J.,.VIZZOZO, D,C,P. Doppler. São Paulo: Sarvier. 1996.
LATCHAW, R.E. Computed Tomography of the head,neck & Spine.Chicago. Year Book Medical
Publishers, 1985.
BERGERON, R.T., OSBORN, A.G. Head and neck Imaging. CV Mosby Company,1984.
SHANKERL, Evans K., HAWKE, M., STAMNBERGER, H. Atlas de imagem dos seios paranasais. Rio de
Janeiro.Revinter,1997.
PUTTMAN, C.C.E., Ravin, C.E. Textbook of diagnostic Imaging. Philadelphia. WB Saunders Company,
1994.
FLEISHER, A.C., EMERSON, D.S. Ultra-sonografia com Doppler colorido em Ginecologia e Obstetricia.
Rio de Janeiro: Revinter, 1996.
MÉDICO UROLOGISTA
Semiologia urológica e imaginologia do trato urinário e genital. Traumatismo urogenital. Tumores: renais,
da próstata, da bexiga, da adrenal, do urotélio alto, de testículo e de pênis.
Litíase urinária. Infecções urinárias (Inespecíficas e Específicas). Uropediatria. Infertilidade masculina.
Disfunções sexuais masculinas. Uroginecologia. Uroneurologia. Doenças sexualmente transmissíveis.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
CAMPBELL 'S. Urology. 8th ed. W.B. Saunders, 2002.
Consensos Publicados pela Sociedade Brasileira de Urologia.
Guia Prático de Urologia. SBU, 2003.
Guia Prático de Urologia. SBU, 1999.
International Brazilian Journal of Urology. Artigos de Revisão (2000 - 2004).
RODRIGUES NETO, Nelson. Urologia.
SMITH'S. General Urology. 1992.
SROUGI, M., Dall´oglio, M., Cury, J. Urgências Urológicas Atheneu, 2006
NUTRICIONISTA
Nutrição normal: carboidratos, proteínas e lipídios: classificação, funções, digestão absorção,
metabolismo e necessidades nutricionais. Aspectos fisiológicos e nutricionais nos diferentes ciclos da
vida: gestação, aleitamento materno, lactação, infância, adolescência, fase adulta e terceira idade.
Bromatologia, tecnologia de alimentos e controle sanitário: estudo bromatológico dos alimentos: Leite e
derivados, carnes, pescados, ovos, cereais, leguminosas, gorduras, hortaliças, frutas e bebidas.
Propriedades físico-químicas dos alimentos. Condições higiênico-sanitárias e manipulações de alimentos.
Conservação de alimentos. Uso de aditivos em alimentos. Transmissão de doenças pelos alimentos.
Intoxicações e infecções alimentares. Técnica dietética: conceito, classificação e características dos
alimentos. Preparo de alimentos: processos e métodos de cocção. A pirâmide alimentar. Planejamento de
cardápios. Técnica dietética e dietoterapia. Administração de unidades de alimentação e nutrição:
características e atividades do serviço de nutrição. Aspectos físicos das unidades de alimentação e
nutrição. Planejamento, organização, coordenação e controle. Nutrição em saúde pública: Aspectos
epidemiológicos em carências nutricionais: desnutrição energético-protéica, hipovitaminose A, anemia
ferropriva, cárie dental. Indicadores, intervenções. Programas de Assistência de Saúde da Criança e da
Mulher. Nutrição materno-infantil. Educação alimentar nutricional. Avaliação nutricional em coletividades.
Nutrição prevenção e qualidade de vida. Alimentação equilibrada na promoção da saúde. Nutrição clínica:
atendimento sistematizado em nutrição. Atenção ambulatorial e domiciliar. Programa de dietoterapia em
condições clínicas específicas: doenças carenciais, doenças metabólicas, doenças cardiovasculares,
distúrbios alimentares, obesidade e magreza, hipertensão, diabetes mellitus, hepatopatias, nefropatias,
distúrbios do trato digestório, câncer, AIDS. Indicadores e diagnóstico do estado nutricional. Avaliação
bioquímica. Avaliação nutricional individualizada. Recomendações e necessidades de nutrientes.
Aconselhamento nutricional. Terapia nutricional enteral.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ACCIOLY, E.; SAUNDERS, C.; LACERDA, E. M. A. Nutrição em obstetrícia e pediatria. Rio de Janeiro:
Cultura Médica, 2002.
CARUSO, L.; SIMONY, R. F.; SILVA, A. L. N. D. Dietas hospitalares. Uma abordagem na prática clínica.
Belo Horizonte: Atheneu, 2004.
CUPPARI, L. Nutrição: Nutrição clínica no adulto. 2. ed. São Paulo: Manole, 2005.
GARCIA, E. M. Atendimento sistematizado em nutrição. São Paulo: Atheneu, 2005.
GOUVEIA, E. L. C. Nutrição: Saúde e comunidade. 2.ed. Rio de Janeiro: 1999.
MAHAN, L. K.; STUMP, S. E. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 11. ed. São Paulo: Editora
Rocca, 2005.
MEZOMO, Iracema F. B. Os serviços de alimentação: Planejamento e administração. 5.ed. rev. Barueri:
Manole, 2002.
ORNELLAS, L. H. Técnica dietética: Seleção e preparo dos alimentos. 8. ed. São Paulo: Atheneu, 2007.
SILVA JÚNIOR, E. Manual de controle higiênico sanitário em alimentos. 6. ed. São Paulo: Varela, 2005.
TEIXEIRA, S.; MILET, Z.; CARVALHO, J.; BISCONTINI, T. M. Administração aplicada às unidades de
alimentação e nutrição. São Paulo: Atheneu, 2006.
PEDAGOGO
Políticas públicas: fundamentos; Planejamento, coordenação, execução e acompanhamento de políticas,
projetos e ações públicas; Métodos e técnicas de trabalho no desenvolvimento de programas, projetos e
serviços públicos; Formação no trabalho e desenvolvimento de pessoas e equipes; Teorias pedagógicas:
fundamentos e questões atuais; A educação e a construção do conhecimento: a construção curricular, o
processo ensino-aprendizagem, as mediações pedagógicas; Educação e mudanças sociais, Pedagogia
da autonomia, Rede social, Políticas públicas de combate à pobreza, Intervenção psicossocial, Estado de
Bem Estar social - Welfare State.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
AFONSO, M. L. M.(org.) Oficinas em dinâmica de grupo: Um método de intervenção psicossocial. São
Paulo: Casa do Psicólogo, 2006. 159 p; AMARAL Daniela Patti do; SILVA Maria Teresinha Pereira.
Formação e prática pedagógica em classes hospitalares: respeitando a cidadania de crianças e jovens
enfermos. Disponível em <www.malhatlantica.pt/ecae-cm/daniela.htm>
ARRETCHE, Marta, T. S. (1995) "Emergência e Desenvolvimento do Welfare State: teorias explicativas".
Boletim informativo Bibliográfico - BIB, nº 39.
BECKER, Fernando. Educação e construção do conhecimento. Porto Alegre: ARTMED, 2001.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394, de 23 de dezembro de 1996.
BRASIL. Lei 8069, Lei 8069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente..
BRASIL. Conselho nacional dos direitos da criança e do adolescente. Resolução n. 41, de 13 de outubro
de 1995.
BRASIL. Ministério da Educação. Classe hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e
orientações. Secretaria de Educação Especial. Brasília: MEC; SEESP, 2002.
BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Nacionais para a educação especial na educação básica.
Secretaria de Educação Especial - MEC; SEESP, 2001.
COLL, César. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. Porto Alegre: ARTMED, 1994.
GALDSMITH, Stephen; EGGERS, William D. Governar em Rede: O novo formato do setor público.
Brasília: ENAP, 2002.
GANDIN, Danilo. Planejamento como prática educativa. 12. ed. São Paulo: Loyola, 2002
FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 23ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.
MAXIMIANO, Antônio César Amaru. Administração de projetos: como transformar idéias em resultados.
São Paulo: Atlas, 2007.
PEREIRA, José Matias. Manual de gestão pública contemporânea. São Paulo: Atlas, 2007.
ROUDINESCO, Elisabeth. A família em desordem. Rio de Janeiro: J. Zahr, 2003;
SEN, Amartya,. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Editora Schwarcz, 2000
UDE, Walter. Redes sociais: possibilidade metodológica para uma prática inclusiva. In:
VASCONCELOS, Celso dos Santos. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto político pedagógico
ao cotidiano da sala de aula. Cadernos Pedagógicos-Libertad, 2002.
ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.
PSICÓLOGO
Ética profissional do psicólogo / Ética como um fator de produção. Teorias da personalidade. Diagnóstico
psicológico: fundamentos e passos do processo psicodiagnóstico; testes psicológicos (tipos, aplicação,
interpretação, análise dos testes). Entrevista psicológica: definição, tipos e finalidades. Gestão de
pessoas: conceitos e desafios para a gestão de pessoas: ambientais, organizacionais e individuais.
Mudanças no enfoque da gestão de pessoas: parceiros, colaboradores, capital intelectual. Funções da
gestão de pessoas: Captação: importância do recrutamento e seleção, métodos de seleção, dinâmica de
grupo, avaliação do candidato, tendências. Desenvolvimento de pessoas: diagnóstico de necessidades,
treinamento, desenvolvimento e educação corporativa; planejamento, execução e avaliação das
atividades de treinamento e educação, treinamento a distância, redes de aprendizagem, aprendizado em
equipes. Avaliação de desempenho; meritocracia; gestão do desempenho: importância e
responsabilidade, métodos tradicionais e modernos; Diagnóstico e desenvolvimento
organizacional.Cultura e clima organizacional, Manutenção de pessoas: programas de relações com os
empregados, tipos e objetivos, público alvo. Acompanhamento funcional e Coaching.
Motivação: importância, teorias, abordagens contemporâneas, plataforma motivacional para uma
abordagem estratégica, aplicações do conceito. Liderança e influência: conceito, questões
contemporâneas e liderança eficaz. Qualidade de vida no trabalho e saúde ocupacional.
Transtornos mentais e do comportamento relacionados ao trabalho. Psicopatologia: conceituação;
alterações da percepção, representação, juízo, raciocínio, memória, atenção, consciência e afetividade;
doenças de natureza psíquica (alcoolismo, depressão, esquizofrenia, ansiedade). Possibilidades de
atendimento institucional e terapia de apoio. Instituições, análise institucional - principais abordagens.
Psicologia e políticas públicas municipais
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BRASIL, Sistema Único de Assistência Social - SUAS
BRASIL, Políticas Públicas de combate à pobreza.
ARAÚJO, Luis Cesar G. de. Gestão de pessoas: estratégias e integração organizacional. São Paulo:
Atlas, 2006.
BERGAMINI, Cecília Whitaker. Psicologia aplicada à administração de empresas: psicologia do
comportamento organizacional. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2005.
BITENCOURT, Claudia. Gestão contemporânea de pessoas. Porto Alegre: Bookman, 2004.
CHIAVENATO, Idalberto. Recursos humanos - 7. ed. compacta. São Paulo: Atlas, 2002
DEJOURS, Christophe. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. 5. ed. ampl. São
Paulo: Cortez, 1987.
FIORELLI, José Osmir. Psicologia para administradores: integrando teoria e prática. 4. ed. São Paulo:
Atlas, 2004.
FLEURY, Maria Tereza Leme; FISCHER, Rosa Maria; PETTIGREW, Andrew. Cultura e poder nas
organizações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1996.
GIL, Antônio Carlos. Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, 2001
GOULART, Iris Barbosa; SAMPAIO, Jader dos Reis (Orgs.) Psicologia do trabalho e gestão de recursos
humanos: estudos contemporâneos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.
HALL, Calvin Springer; LINDZEY, Gardner; CAMPBELL, John B. Teorias da personalidade. 4. ed. Porto
Alegre: Artmed, 2000.
LEME, Rogério. Seleção e entrevista por competências com o inventario comportamental: guia prático do
processo seletivo para redução da subjetividade e eficácia na seleção. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2007.
MOSCOVICI, Fela. Renascença organizacional: a revalorização do homem frente à tecnologia para o
sucesso da nova empresa. 8. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2000.
ORLICKAS, Elizenda. Consultoria interna de recursos humanos: pesquisa e benchmarking em empresas
de ponta. São Paulo: Futura, 2001.
ROSA, José Antônio. Análise e diagnóstico da empresa. São Paulo: STS Publicações e Serviços, 2001.
WAGNER III, John A.; HOLLENBECK, John R. Comportamento organizacional: criando vantagem
competitiva. São Paulo: Saraiva, 1999.
TERAPIA OCUPACIONAL
Análise de atividades e os recursos terapêuticos em Terapia Ocupacional. Avaliação em Terapia
Ocupacional: os instrumentos e sua aplicabilidade. A Terapia Ocupacional em contextos hospitalares.
Tratamento das disfunções ortopédicas, traumatológicas, reumatológicas, neurológicas e dos pacientes
com queimaduras. Órteses e adaptações: noções básicas, indicações e contra-indicações em situações
diversas. A Terapia Ocupacional e a Saúde do Trabalhador.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
CARLO, Marysia Mara Rodrigues do Prado de; SILVA, Silmara Nicolau Pedro da; BEIM, Setuko
Fukushima ET AL. Terapia Ocupacional em contextos hospitalares. Prática Hospitalar. Ano VIII, n.43.
jan.fev/2006. p.158-64. disponível em www.udc.es/grupos/cnduto/docs/Artigo_revPHTerOcupacional.pdf
CARLO, Marysia Mara Rodrigues do Prado de: LUZO, MCM. Terapia Ocupacional - reabilitação física e
contextos hospitalares. SP, Ed Roca, 2004: 352p.
EDELSTEIN, E. Joan; BRUCKNER, Jan. Órteses: abordagem clínica. Editora Guanabara Koogan: Rio de
Janeiro, 2006.
FREITAS, Paula Pardini. Reabilitação da Mão. Editora Atheneu: São Paulo, 2005.
GUTIERREZ, Cecília Maria Fernandes; BARFKNECH, Kátia S. Terapia Ocupacional nas LER/DORTs.
Boletim da saúde. Porto Alegre. Vol.19, n.1. jan-jun, 2005.
LANCMAN, Selma. Saúde, Trabalho e Terapia Ocupacional. Editora Roca: São Paulo, 2004.
NEISTADT, Maureen E., CREPEAU, Elizabeth Blesedell. Willard & Spackman: Terapia Ocupacional.
Nona edição, Editora Guanabara Koogan: Rio de Janeiro, 2002.
NUNES, Ciomara Maria Perez; PENA, Lucimara Raquel. Atuação da Terapia Ocupacional no
gerenciamento da dor crônica para o trabalho no complexo HC/UFMG. Anais do 8 Encontro de Extensão
da UFMG. BH, 03 a 08 outubro. Disponível em www.ufmg.br/proex/arquivos/8encontro/Trab_1.pdf
Organização Mundial de Saúde. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde.
Editora Edusp: 2001.
ROCHA, Eucenir Fredini. Reabilitação de pessoas com deficiência. Editora Roca: São Paulo, 2004.
TROMBLY, Catherine A.; RADOMSKI, Mary Vining. Terapia Ocupacional para Disfunções Físicas. Quinta
edição, Livraria Santos Editora Ltda: São Paulo, 2005