Sie sind auf Seite 1von 15

.,

., .,

".,

",.

PROJETO UNIVERRCIDADES-

EDITAL N° 014/2014- UESB

TíTULO DO PROJETO

Xadrez Pedagógico

Instituição

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

------~--------r---------------------------------------------------~

Campusc

~~ Itapetinga

_=

~iEe

do Projeto (Proponentes)

~

~ntldade

de membros:

(

) 3 ( X

) 4 (

) 5

[Nome

Curso

Semestre

Manoel Henrique de Morais Neto

RG: 1211386406

,---

Non1c

Vanessa do Nascimento de Jesus

RG: 1311191097

L!\lome

j Ueslei Souza Sanlos

1-

!PG:883398826

-

~-----

lKerollaynne Souza Ribeiro

e

i

RG: 1347173394

I E-mail: kekelzinha 13@hotmail.com

Pedagogia

7 Q

CPF: 01852623500

Telefone: 7791185308

Curso

Pedagogia

Semestre

4Q

CPF: 05868924517

Telefone: 77 81191363

Curso

Pedagogia

Semestre

2 Q

CPF: 02328408575

Telefone: 77 9168 0010

Curso

Pedagogia

Semestre

4 Q

CPF: 05780157570

Telefone: 073 81099866

ÁREA TEMÁTICA (indique a área mais relacionada a seu projeto):

(

) COMUNICAÇÃO SOCIAL - ( ) CULTURA- ( X ) EDUCAÇÃO

(

) TECNOLOGIA E PRODUÇÃO - ( ) DIREITOS HUMANOS EJUSTiÇA

(

)SAÚDE-(

) MEIO AMBIENTE - (

) TRABALHO

I umero previsto i Beneficiados

I

:

iN'.

d

e

20 estudantes

O público alvo sào vinte (20) estudantes de escolas

públicas em idade escolar de 9 e 10 anos matriculados a

Público Alvo

partir do

JO ano.

,

RESl'MO

o ~adrez pedagógico possui um grande potencial de auxílio à formação da pessoa em sentido amplo. podendo envolver o raciocínio lógico-matemático, noções de espaço, potencialização da linguagem, criatividade, capacidade de abstração, observação, reflexão, análise e síntese, possuindo um arcabouço para o exercício da interdisciplinaridade, devido a vasta abel1ura para associações de conteúdos escolares. Objetivando desenvolver novas perspectivas de ensino-aprendizagem utilizando o xadrez pedagógico para estudantes do ensino fundamental a

paltir do 4" Ano, este curso foi organizado em quatro etapas, com carga horária total de 20 horas, utilizando-se de aulas expositivas dialogadas e prática de exercícios, tendo como critérios de avaliação qualitativa: o envolvimento e a palticipação através de intervenções, e

quantitativa, através de questionário aplicado ao tél111inodo curso.

Palavras-chave: Xadrez Pedagógico, lnterdisciplinaridade, ensino-aprendizagem

L~TRODUÇÃO

o jogo de xadrez utilizado pedagogicamente,

está diretamente

relacionado COI11 a inteligência

lrígico-matemática, devido ao cálculo desde a quantidade

de peças, a quantidade

de casas

e

\ ariantes

no tabuleiro.

Mas,

ainda

um

leque

muito

grande

de possibilidades

de

desenvolvimento

de outras inteligências

à serem observadas como: a inteligência espacial,

que

é um fundamento

para análise

de posições

e controle

das peças

no tabuleiro;

a

cillestésica-corporal,

valorizando

a importância

do corpo

no movimento

que executa

o

raciocínio,

exaltando

a tomada

de decisão

da pessoa

em uma situação

problema

através do

movimento;

a inteligência linguística fortemente presente nas estruturas do pensamento

para

leitura

e compreensão.

Como

o

xadrez

é praticado

em

dupla,

pode

favorecer

o

desenvolvimento

das inteligencias intrapessoal e intelpessoal, pela interação e contato direto

com o outro levando em consideração

a imp0l1ància

que o outro tem na formação

da pessoa,

enfim, são várias as possibilidades

de desenvolvimento

que o aprendizado

pedagógico

do

xadrez pode proporcionar.

 

Os conteúdos

que compõem

esse curso são divididos

em dois grupos: os enxadrísticos,

ou

seja, os cOllteÚdos prÓprios do xadrez e os conteÚdos escolares, que serão utilizados tanto dar

consistência

ao ensino-aprendizagem

do xadrez,

como para facilitar

a compreensão

dos

próprios conteúdos escolares, associando

e aplicando os conceitos

de forma

prática. Frente ao

exposto, os conteúdos estão organizados

da seguinte forma:

COllteúdos ellxadrísticos: 10 Etapa:

contextualização

do jogo

de xadrez

(lenda

de sissa

e

história científica

do xadrez; as peças: características

e posições

iniciais;

o Rei;

a Dama;

xeque; xeque-mate;

rei afogado; registro de uma posição; anotações.

ZOEtapa:

condução do

Rei para o xeque-mate

(Rei, Dama

mate (Rei, Torre

X Rei);

o Bispo;

X Rei); captura

de peças; condução

do Rei para xeque-

o Cavalo;

o Peão: promoção

ou coroação;

en passant;

o

Roque; roque pequeno; roque grande. 3° Etapa:

valor comparativo

das peças; um pouco

mais

sobre anotação;

casos de empate:

empate por comum acordo, empate

por falta de material,

empate por Rei afogado,

pela regra dos cinqüenta

empate por xeque perpétuo,

empate pela tripla repetição,

empate

lances; centro; 4 0 Etapa:

iniciando a pal1ida; temas de combinação:

ataque duplo, xeque descobel10,

cravada de peças. cravada absoluta,

cravada relativa,

raio X,

desvio, atração, intercepção,

peça sobrecarregada.

sacrifício, tàlso sacrifício.

Os cOllteúdos

escolares são trabalhados

do início

ao fim em todas

as etapas

do curso

da seguinte

forma:

História, (mitos e lendas); Geografia (localização, mapas); Matemática (Sistema de

numeração decimal, conjuntos numéricos. soma, subtração, multiplicação e divisão, tabelas) e POliuguês com produção textual.

JUSTIFICATIVA

A inserção do jogo do xadrez nas escolas deu-se através da LOB 9394/96, em seus at1igos 26

e 27, incluir na parte diversificada dos currículos e também na patie consagrada à promoção

do despoli0. Porém é pouco o número de escolas do interior da Bahia que adotaram o jogo,

consequentemente, são poucas as crianças que tem acesso conhecimento do jogo de xadrez.

A relevância deste curso envolve impOliância científica, pois, se alicerça em conhecimentos

científicos para o seu desenvolvimento, envolve f01111ação pessoal, devido a necessidade de

haver contato, interação e relações de troca de experiências que serão estabelecidas durante o

curso, envolve também formação profissional, criando-se uma opoliunidade de unir teoria e

prática através do confronto de tudo que é aprendido na universidade, com a realidade

experimentada. É impOliante ressaltar também a impoliância sócio-política, ética e solidária,

na medida que ação educativa, corrobora para a emancipação das pessoas envolvidas através

do fOlialecimento dos seus recursos cognitivos. Sendo esse curso LImapossibilidade de levar o

xadrez para pessoas em vulnerabilidade social, toma a relevância sócio-política bastante

interessante.

contextua Iizada.

no sentido

de conceber

a questão

da inteligência

de forma

plural

e

Pattindo dos pressupostos da teoria das Imeligências Múltiplas de que existem vários tipos de

inteligências. sendo que, qualquer pessoa pode aprender ou melhorar qualquer uma delas,

implica no

pOIS. as inteligências trabalham juntas e o enriquecimento desenvolvimento da pessoa como um todo.

de

uma

OBJETIVOS:

Geral

Desenvolver novas perspectivas de ensino aprendizagem a paliir do xadrez pedagógico.

Específicos:

Atribuir significado ao xadrez; (através das lendas, e infonnações geográficas e história científica a respeito do xadrez, deve-se atribuir um significado para a sua origem e existência

c utilização, para que o curso tenha um sentido concreto para o paliicipante)

Conhecer as regras do xadrez; (o patiicipante precisa se apropriar de todos os conhecimentos

necessários acerca das paliicularidades desenvolvimento enxadrista

do jogo

de xadrez

para avançar

em

seu

Associar conteúdo escolares com conteúdo enxadrísticos; (perceber a utilidade dos procedimentos de soma e subtração, multiplicação e divisão, de organizar conjuntos, direção e sentido e produção textual, para aprender basicamente a jogar xadrez)

Jogar xadrez; (constitui um espaço impoliante para a conclusão do curso, é nesse espaço que

o participante

utilizará todo o conhecimento construído para exercitar no jogo de xadrez)

:\lARCO TEÓRICO

O xadrez pedagógico versus o conceito de autonomia de Piaget

A utilização do jogo não deve ser uma alternativa de recreação, ou de alguma forma reducionista, separado do currículo, mas sim utilizado, pedagogicamente, sendo então muito mais rico, servindo inclusive de um meio de praticar a interdisciplinaridade, pois para Angélico e Porfírio (20 10)

[ ]

o jogo de xadrez tem múltiplos liSOSna educação escolar, entre as

suas possibilidades, pode-se acrescentar a sua apresentação aos alunos

como tema transversal, enriquecendo suas aprendizagens e permeando a prática educativa em diversas áreas Oll mesmo inserindo-o como disciplina desde as séries iniciais.

É impOliante ressaltar que o xadrez pedagógico não é apenas um auxílio utilizado dentro de uma aula de uma única disciplina, por exemplo, somente aula de matemática, mas sim uma unidade composta por vários tipos de conhecimento. Assim trabalhamos por períodos, de

maneira holística, favorecendo

o processo de formação política dos estudantes.

Entendemos como parte do processo de f01111 ação política, práticas de sala de aula que incentive a iniciativa do estudante baseada na autonomia. Sobre a questão da autonomia é impoliante compreender o que a teoria piagetiana traz. Para Piaget, a autonomia surge 110 desenvolvimento da moral, que é composta por três fases: a primeira é anomia que

compreende a crianças de até cinco anos, em que a as regras são seguidas pelas ações de hábito, de obediência ou desobediência, mas sem a capacidade de relacionar o celio ou errado, bem e mal. A segunda é a heteronomia e se dá entre crianças de até nove ou dez anos de idade, em que a moral representa autoridade, isto é, as regras não correspondem a um acordo mútuo firmado entre os jogadores, mas sim como algo imposto pela tradição e, pOlianto, imutável. A terceira consiste na autonomia, é o amadurecimento de compreensão das regras, que através de julgamento crítico possibilita acordos mútuos, respeito e legitimação, corresponde ao último estágio do desenvolvimento da moral. Esse conceito de autonomia é

fundamental

para o delineamento e proposta do curso de xadrez pedagógico.

As inteligências Múltiplas e o xadrez pedagógico.

e

consequentemente as outras ciências, porque descobre a questão da inteligência de uma forma

pluralizada, ou seja, cada indivíduo possui diversos tipos de inteligências, o que chamamos

em linguagem comum de dom, competência ou habilidade. Aquelas pessoas rotuladas como

menos inteligentes nos testes de QI agora sào \ istas de outra f01111 a, porque se leva em

consideração o ambiente cultural onde se deu o desenvolvimento da pessoa, pois, as

A teoria das Inteligências

Múltiplas

veio revolucionar

o

melO da

psicologia

inteligências seriam justamente a capacidade de resolver problemas ou elaborar produtos \ alc,rizados em ambientes determinados. A partir de 1980. Gardner identificou as inteligências linguística, lógico-matemática, espacial, musical, cinestésica, interpessoal e intrapessoal. Deixando em aberto à identificação de novas inteligências ou a revisão das já identificadas. Baseada nessa teoria, entendemos o ensino-aprendizagem do xadrez pedagógico ~ P055i\ el para qualquer pessoa .

.\IETODOLOGIA E ESTRATÉGIA DE AÇÃO:

Uti Iizando-se de aulas expositivas dialogadas e prática de exercícios, tendo como critérios de

avaliação qualitativa o envolvimento e a pal1icipação através de intervenções e quantitativa,

através de questionário aplicado ao término do curso. O público alvo são vinte (20) estudantes

de escolas públicas em idade escolar de 9 e 10 anos, tendo como critérios: estar matriculado

no ensino fundamental. Em se tratando de um público ainda dependente de cuidados, de

pessoas responsáveis, as crianças serão habilitadas a pat1icipar do curso de xadrez mediante

autorização assinada pelos responsáveis e pelas próprias crianças, manifestando o desejo de

pal1icipar. Pensando em garantir o número de vinte (20) pal1icipantes, deverá ser realizado um

cadastro de reserva, para caso sUlja algum imprevisto ocasionando a falta de alguém, outro

pat1icipante ser chamado.

O espaço físico necessário para a realização deste curso é uma sala de aula com vinte e uma

(21) cadeiras e onze (11) mesas, Para desenvolver as atividades, serão necessários dez (10)

conjuntos de xadrez, um painel magnético expositivo com peças de imã, 20 blocos de

anotações e 20 canetas.

Nas atividades iniciais que envolvem exposições dialogadas, a metodologia é extremamente

participativa, os pal1icipantes serão orientados a intervir a qualquer momento para explanação

de dúvidas e questionamentos e comentários, com a sala organizada em semi-criculo,

privilegiando sempre a interação e construção coletiva da aprendizagem. Nas atividades

práticas serão formados emparceiramentos, onde, a tUl1na de vinte estudantes se dividirá em

dez duplas. determinadas por sOlieio.

A estratégia adotada para alcançar os objetivos propostos é construir a aprendizagem do

xadrez, a partir dos seus conhecimentos prévios dos conteúdos escolares, atrelando sempre

um sentido e objetivo para cada ação.

ATl'IDADES

1°) Dinâmica de apresentação: Objetivo: facilitar o relacionamento entre os participantes de

um grupo; Materiais: 20 folhas e 20 lápis; Desenvolvimento: o coordenador deverá numerar as cadeiras previamente de zero a vinte, no início da dinâmica deverá s0l1ear um número para

cada pal1icipante, referente aos números das cadeiras, e na sequência de ordem crescente formar pares, cada pessoa recebe um papel e um lápis, e tàrá uma entrevista ao parceiro sobre quem ele é, nome. idade, onde mora, o que gosta, o que não gosta, personagem favorito e por que? (Dez minutos para conclusão), em seguida o entrevistador apresenta as informações dos

entrevistados; Avaliação: Para que serviu o exercício? Como nos sentimos?

2") Início da primeira etapa, com a sala organizada em semicírculo, iniciar a apresentação do

xadrez como

instrumento pedagógico (questionar o que sabem sobre o jogo)

3°) Contar

a Lenda de Sissa, utilizando um mapa com a localização

da índia e fazer a

provocação sobre a leitura do número resultante, (explicar como se faz a leitura de números

com vários algarismos segundo o sistema de numeração decimal)

4°) Explicar a imp0l1ância da lenda, e fazer introdução da história científica do xadrez,

(influencias europeias com apresentação de mapa)

5°) Apresentar as peças do tabuleiro relacionando-as com a composição de reinos, utilizando os conhecimentos dos pal1icipantes, em seguida, organizar as peças em suas posições iniciais no tabuleiro de maneira que seja assimilado e compreendido facilitando a memorização.

6°) Apresentar o tabuleiro de xadrez, composição, introduzir os conceitos de horizontal, diagonal e vertical, calcular conjuntos de casas do tabuleiro a pm1ir das três direções.

7° Captura de peças, estabelecendo valor de acordo com o poder de captura, fazer cálculos utilizando soma, subtração, multiplicação e divisão.

8°) Aprender a anotar as posições das peças para se apropriar da linguagem enxadrista por

coordenadas

10°) Fazer anotações de pat1ida

j

: .) C (lnclusão

da primeira

usando todos os conhecimentos

etapa, com a turma organizada

construídos

até aqui.

em duplas, realizar uma pm1ida

I :c) Inicio da segunda

etapa, com a turma organizada

em semicírculo,

demostrar

conduções

do Rei para o xeque-mate

(Rei, Dama X Rei), utilizando

cálculos.

1]0) Condução

do Rei para xeque-mate

(Rei, Torre

X Rei) utilizando

soma, subtração,

multiplicação

e divisão.

13°) Explicar as seguintes regras do jogo: promoção

pequeno; roque grande.

ou coroação;

en passant;

o roque; roque

14°) Conclusão

da segunda

usando todos os conhecimentos

etapa, C0111 a turma organizada

construídos

até aqui.

em duplas, realizar uma pm1ida

15°) Início

da terceira

etapa, produzir

um texto

sobre

o que aprendeu

do xadrez

até

o

momento,

16°) Com a sala organizada em círculo, discutir sobre o valor comparativo

das peças.

17°) Explicar

em que situações

uma pat1ida pode terminar

empatada,

empate por comum

acordo, empate

por tàlta

de material,

empate por rei afogado,

empate por xeque perpétuo,

empate pela tripla repetição, empate pela regra dos cinqüenta lances.

18°) Explicar a impol1ância do centro do tabuleiro em uma pal1ida.

19 0 ) Conclusão

da terceira

etapa, Com a turma organizada

usando todos os conhecimentos

construídos

até aqui.

em duplas, realizar uma pa11ida

20

0 )

Início da qual1a etapa,

com a turma organizada

em semicírculo,

combinação:

ataque duplo, xeque descobe110, cravada de peças.

trabalhar

temas

de

21 0 ) Trabalhar, cravada absoluta, cravada relativa, raio X, desvio, atração.

22 0 ) , Trabalhar intercepção, peça sobrecarregada,

sacrifício, tàlso sacrifício.

2]0) Aplicar um questionário

composto por questões sobre os conteúdos

vistos até aqui.

24°) Conclusão da quat1a-etapa, jogar uma pal1ida de xadrez.

25°) Dinâmica de encerramento.

RESLLTADOS ESPERADOS

Um grande diferencial do xadrez pedagógico para as aulas comuns, além de "desafiar" os estudantes o tempo todo através de problemas, é o fato de os estudantes necessitarem manipular os objetos, no caso, as peças de xadrez. O movimento é fundamental para motivação dos estudantes e uma possibilidade para o professor de exercitar no interior da sala de aula, trabalhando conteúdos escolares, no simples deslocar de uma peça, gestos de autonomia. Uma consideração pel1inente é sobre o sucesso do diálogo e interligação entre diferentes conteúdo, pois, enquanto os estudantes praticam o movimento do cavalo, que é específico do xadrez, trabalha-se também as quatro operações, recursos linguísticos, raciocínio lógico, entre outros.

É assim que este trabalho pretende de forma pedagógica desenvolver novas perspectivas de ensino aprendizagem através do xadrez como instrumento pedagógico, esperando que ao final do curso o pmticipante tenha se apropriado dos conhecimentos básicos sobre o xadrez, mas principalmente. ter vivenciado uma experiência interdisciplinar.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ARMSTRONG, Thomas. Inteligências múltiplas na sala de aula. 2.ed. Porto Alegre: Artmed,

p.

2001, 192

BECKER, Ide I. Manual de xadrez. 320 p. ilust. - São Paulo: Nobel, 2002.

GARDNER, Howard. Inteligências Múltiplas: a teoria na prática. Howard Gardner; tradução de Maria

Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

LA TAILLE, Yves. Prefácio. In: PIAGET, Jean. A construção do real na criança. 3 ed. São Paulo: Ática,

2006.

PRZEWOZNIK, Jan e SOSZYNSKI, Marek. Como pensar em xadrez. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Uda., 2004.

RAMOS, Luiza Faraco. Faifi Ática, 2003.

TIRADO, Augusto C. S. B. Meu 1995.122 p.

E eles queriam contar. Coleção Turma da Matemática. São Paulo:

primeiro livro de xadrez: curso para escolares, Curitiba: Expoente,

LJESB

I

I

UESB - Universidade Estadual dOi,suroeste da Bahia

Campus de ITAPETINGA

C:~edeilciada pelo Dec. Est. f\jO 7.344 de 27.05,1998 publicado no D.O.E. de 2.8.05.1998

Atestado >.:2 ;·iatrícula I 2013.2

I

I

Aluno: MANOEL HENRIQUE DE MORAIS NETO M2t:rícula: 200920292

Identidade: 12'11386406

Curso: PEDAGOGIA - iT

!

i

I

OrlJão Emissor: S5P- BA

Atestamos que o aluno acima especificado está matriculado no períbdo 2013.2 nas seguintes disciplina

Código

Nome da Disciplina

EBI312

EDUCACAO ESPECIAL

E:B1316

COIH. E METOD, ENSINO FUND. LING. I)C)RT

EBI317

CONTo E MET. DO ENSINO FUND. GEOGRAFIA

EB1319

CONT. E METOD. ENSINO FUND. ~1ATEMATICA

EBI407

LINGUISnCA APLICADA A ALFAElETIZACAO

EBISOS

REALIDADE BRASILEIRA CONTEIVJPORANEA

EBI743

ESTÁGIO I - EDUCAÇÃO I~JFMTIL

ItapAtinga,28/01/2014

( fi'

.1

i\.:í il rt.T'!.'.(')i~l~r"~dlL i Iné1 h i )! \ )

SubgcrclltC'

de: Cursr,

l:;';

t·ES). i1AI'LTl:.(' '. -~5;':~il;

CredoTurma

Horário

3

EdEsp-P

SEX 07:20 /10:10

EdEsp-T

SEX 10:2CJ/11:10

3

CMEFLp·P

SEG 09:20/12:10

CrvlEFLp·T

SEG 07:20!

08:10

3

CMEFG-P TER 07:20/09:10

CMEFG-T

QUA 10:20/12:10

3

CMEFM-P QU!I 07:20 /

0:10

CMEFM-T

SEG 08:20/09:10

3

UV\-P

TER 09:21l /12:10

LPA-T

SAB 08:20 / 09:10

4

RBC

CMB 00:00 /23:00

3

ElníII7-E

(MB 00:[10 / n:oo

ElnfII7-P

CMS 00:00 / 23:00

UESB - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Campus de ITAPETINGA

Credenciada pelo Dec. Est. N° 7.344 de 27.05.1998 publicado no D.a.E. de 28.05.1998

Atestado de Matrícula I 2013.2

Aluno: VANESSA DO NASCIMENTO DE JESUS

Matrícula: 201210434 Identidade: 1311191097

Curso: PEDAGOGIA - IT

Orgão Emissor: SSP - BA

Atestamos que o aluno acima especificado está matriculado no período 2013.2 nas seguintes disciplina

Código Nome da Disciplina

 

CredoTurma

Horário

EBI722

METODOLOGIA DA PESQUISA EDUCACIONAL

(2)

3

MPE-P

QUI 18:30/21:10

 

MPE-T

QUI 21:10/22:00

EBI723

DIDÁTICA II (2)

3

DID II-P

QUA 18:30/21:10

 

DID II-T

QUA 21:10 /22:00

EBI724

GESTÃO NA EDUCAÇÃO (2)

3

GE-P

SEG 18:30/21:10

 

GE-T

SAB 14:20/15:10

EBI725

POLÍTICA PÚBLICA DA EDUCAÇÃO II

3

PPE II-P

SEX 18:30/21:10

 

PPE II-T

SEX 21:10/22:00

EBI726

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

3

FEI-P

SEG 21:10/22:50

 

FEI-T

CMB 00:00 / 23:00

EBI754

EDUCAÇÃO AMBIENTAL

2

EdAMB-P

TER 20:20

/ 22:00

 

EdAmb-T

TER 22:00/22:50

Itapetinga,

10/01/2014

UESB

UiESB- Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Campus de ITAPETINGA

-.='-::cenclada pelo Deco Est. !'Jo 7.-344 de 2-7.05.1998 publicado no D.C.E. de 28.05.1998

Atestado de Matrícula i 2013.2

Aluno: UESLEI SOUZA SANTOS

Matrícula: 201310407

Identidade:

0883398826

Curso: PEDAGOGiA - iT

Orgão Emissor: SSP - BA

':'.~2SC3ír,05 que o aluno acima especificado está matriculado no período 2013.2 nas seguintes disciplina

C6;:;1go Nome da Disciplina

 

Credo Turma

Horário

 

:: = =;C~OGU\ DA EDU(,I\çÃO

I (2)

4

SEDU-I

SAB 15:20/16:10

 

QUI 20:20/ 22:50

 

~SIC()LOGV\ D.u.EDUC/\Ç,;O

I (3)

3

PEdu

I-P

QU,n, 18:3 1 J / 21:_!_O

 

PEdu I-T

SAB 14:30/15:20

'--'T/

J

=:;""i

i j

FIL.OSOFIA DA EDUCAÇÃO I

(2)

4

FEdu I

SEX 21:10/22:00

 

SEX 18:30/21:10

 

3

HEdu II-P

 

HEdu

II -T

SAB 16:20/

17: 10

 

'" ';TROPOLOGIA

CULTURP,L (2)

3

AnCul-P

QUi\ 21:10/22:50

 

AnCul-T

QUI 18:30/20:10

 

?P2SSUPOSTOS LINGUÍSTICOS

PARA. O ESTUDO DA LINGUAGEM

3

PLEL-P

SEG 18:30/20:10

 

PLEL-T

TER 18:30/20:10

 

EST.4TÍSTIO\

APLICADA A EDUCACÃO

2

E,ô,E-P

TER 20:20/ 22:00

 

EAE-T

TER 22:00 I 22 50

Itapetinga, í 6/12/2013

(

.

,

I

AJ vl.Ll{;)j

1l!F"ta I OFe"

S

b

"

"a

L: !,na B .

fito

U gerentc ri". r

UESB

UESB - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Campus de ITAPETINGA

"'"I

~,

L-edenciada pelo Dec. Est. NO 7.344 de 27.05.1998 publicado no D.a.E. de 28.05.199E:

Atestado de Matrícula / 2013.2

Aluno: KEROLLAYNNE SOUZA RIBEIRO

~'atrícula: 201211953 Identidade: 1547173394

Curso: PEDAGOGIA - IT

Orgão Emissor: SSP - BA

.ltestamos que o aluno acima especificado está matriculado no período 2013.2 nas seguintes disciplina

Código

:::31724

E6[;'25

fEI'2ó

Nome da Disciplina

HETODOLOGIA DA PESQUISA EDUCACIONAL

DIDÁTICA II (2)

GESTÃO NA EDUCAÇÃO (2)

POLrnCA PÚBLICA DA EDUCAÇÃO II

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

EDUCAÇÃO AMBIENTAL

t3petinga, 27/09/2013

(2)

CredoTurma

Horário

 

3

MPE-P

QUI

18:30

/ 21:10

MPE-T

QUI

21: 10 I 22.:00

3

DID Il-P

QUA 18:30/21:10

DID II-T

QUA 21: 10,'

22:00

3

GE-P

SEG 18:30 /21:10

GE-T

SAB 14:20/

15:10

3

3

2

PPE Il-P

SEX 18:30 121:10

PPE lI-T

SEX21:10j

22:00

FEI-P

SEG 21:10/22:50

FEI-T

CMB 00:00

" 23:00

EdAMB-P

TER 20:20

I 22:00

EdAmb-T

TER 22:00

i 22:50