Sie sind auf Seite 1von 12
Universidade do Estado do Rio de Janeiro Centro de Tecnologia e Ciências Instituto de Física Armando

Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Centro de Tecnologia e Ciências Instituto de Física Armando Dias Tavares

Determinação da aceleração da gravidade utilizando um pêndulo simples

Arthur Ferreira Figueira Matrícula: 201310091511 Física Geral (Lab.) T2 Rio de Janeiro, RJ

2013

Determinação da aceleração da gravidade utilizando um pêndulo simples

Descrição da experiência

No dia 19/07/2013 foram realizadas, no laboratório de ensino, 5 medidas de tempo de 20 períodos de oscilação de um pêndulo. Cada uma delas era realizada com um determinado tamanho de fio preso a um peso de 20gf em sua extremidade livre. A montagem do pêndulo seguia o esquema abaixo:

Determinação da aceleração da gravidade utilizando um pêndulo simples Descrição da experiência No dia 19/07/2013 foram

Objetivo da experiência

O objetivo do experimento é calcular o valor da aceleração da gravidade e sua respectiva incerteza utilizando o método de ajuste linear, comparando o valor obtido experimentalmente com o valor de referência.

Cálculos

Sabendo que o período (

) de um pêndulo é calculado a partir do valor de

aceleração da gravidade ( equação:

)

e o

comprimento total do pêndulo (

) pela seguinte

√

Reescrevendo essa equação é possível obter o comprimento

.

Como

=

+

, tem-se:

(

)

(

)

Dessa forma, é possível associar a fórmula do período de um pêndulo com a equação de uma reta:

Sendo,

(

)

Os valores obtidos a partir da medição encontram-se no quadro abaixo:

 

Comprimento

20 períodos de

=(t/20) (s)

²/4π² (s²)

(x)

do fio

(

)

(y)

oscilação t(s)

 

Medida 1

1,20

 

44,18

2,2090

0,123603763

Medida 2

1,10

 

42,18

2,1090

0,112666141

Medida 3

1,00

 

40,72

2,0360

0,105001574

Medida 4

0,90

 

38,31

1,9155

0,092940408

Medida 5

0,80

 

36,08

1,8040

0,082435320

Como os valores de e obtidos experimentalmente, será possível calcular a estimativa do valor da aceleração da gravidade e sua respectiva incerteza utilizando o método de ajuste linear.

Cálculo do valor de g

Sendo , a estimativa do coeficiente angular ( ) é calculada da seguinte

forma:

.

É preciso, primeiramente, calcular os valores de

̅

̅

para se obter

 Média ̅: ̅ ∑ ̅ ̅ ̅  Desvio padrão : √ ∑ ̅ √
Média
̅:
̅
̅
̅
̅
Desvio padrão
:
̅

*Foi utilizado

por conta do grande desvio do valor esperado de

se fosse utilizado

na fórmula do

desvio padrão de

.

 Média ̅ : ̅ ∑ ̅ ̅ ̅  Desvio padrão : √ ∑ ̅
Média ̅ :
̅
̅
̅
̅
Desvio padrão
:
̅

*Como foi utilizado

no desvio padrão de

, foi mantido o mesmo padrão para o desvio padrão de

.

Covariância

:

 

̅

̅

 

[

]

 

Com esses valores, é possível calcular

.

 

Cálculo da incerteza

A incerteza de

pode ser calculada por:

 Cálculo da incerteza A incerteza de pode ser calculada por: √ Ainda é necessário calcular

Ainda é necessário calcular a estimativa do erro em cada medida de y ( dada por:

),

√ ( ) √ ( ) √ √
(
)
(
)

Com esses valores, é possível calcular

,

√

(com 1 algarismo significativo)

Com os valores de

e

é possível estabelecer a estimativa padrão para o

valor da gravidade obtida experimentalmente, sendo:

Ainda é possível calcular o erro relativo

para a análise de resultados, que

será:

Analise da compatibilidade do valor obtido com o valor de referência.

A partir da estimativa padrão obtida é possível analisar a compatibilidade com o valor de referência da aceleração da gravidade (provido no roteiro desse relatório). Sendo o valor de referência,

E a estimativa padrão de

,

̅

A compatibilidade do resultado será calculada da seguinte forma:

Se,

 

̅

 

, o resultado é compatível.

|

̅

|

, o resultado é inconclusivo.

 

|

̅

|

, o resultado é incompatível.

Calculando,

Como

, o resultado é compatível.

Resultados e conclusões

Com o experimento foi possível perceber que duas grandezas distintas, correlacionadas, podem ter seus valores interligados como se fossem uma equação de reta. Com isso é possível utilizar o método de ajuste linear para a estimativa de até duas constantes relacionadas a essas, sendo a aceleração da gravidade, no caso deste relatório, uma delas. Além disso, a partir dos resultados obtidos é possível concluir que o experimento teve um erro relativo de 3%, podendo ser considerado preciso já que foi realizado em laboratório de ensino e por erros aleatórios terem ocorrido devido ao pequeno número de medições realizadas. A exatidão do experimento pode ter sido um pouco comprometida por certos erros sistemáticos que não podiam ser minimizados, como a reação do aluno na marcação dos períodos com o cronômetro, resolução dos instrumentos utilizados entre outros fatores. Cabe ressaltar que o experimento foi compatível com o valor de referência da aceleração da gravidade, podendo ser considerado bem sucedido.