Sie sind auf Seite 1von 4

Design Gráfico 2º Período (Noite) Aluno: Willian Silva

Gráfico – 2º Período (Noite) Aluno: Willian Silva Universidade Estácio de Sá João Pessoa, 19 de
Gráfico – 2º Período (Noite) Aluno: Willian Silva Universidade Estácio de Sá João Pessoa, 19 de
Gráfico – 2º Período (Noite) Aluno: Willian Silva Universidade Estácio de Sá João Pessoa, 19 de
Gráfico – 2º Período (Noite) Aluno: Willian Silva Universidade Estácio de Sá João Pessoa, 19 de

Universidade Estácio de Sá João Pessoa, 19 de Agosto de 2014

Pesquisar sobre a prensa móvel de Johannes Gutenberg, a criação e a evolução da Internet. Redigir um texto com as suas palavras fazendo comparativo da prensa de Gutenberg e da criação da internet. A importância para a humanidade das duas criações e qual o impacto você acha que teremos para as gerações futuras.

Johannes Gutenberg

O inventor alemão, Johannes Gutenberg, o criador do processo de impressão

com tipos móveis, a tipografia, onde, com pouco tempo depois, em sociedade com Pedro Schoffer, aquele quem descobriu tanto o modo de fundir e fabricar os caracteres, aliando o chumbo ao antimônio, como a tinta negra, composta de fumo para, então, ser finalizado com as ideias do JG na “Das Werk der Buchei” (Fábrica de Livros). Apesar que o mérito da invenção pertence a Gutenberg, não só pela ideia dos tipos móveis, como pelo aperfeiçoamento da prensa.

A primeira tecnologia de impressão em larga escala utilizada. Foi construída a

partir do modelo da prensa de uva, o que não poderia ser diferente, pois na cidade onde Gutenberg viveu, a produção de vinhos era a principal fonte de renda da população. No

início da década de 1450, Gutenberg iniciou a impressão da Bíblia, com 641 páginas, calcula-se que foram produzidas cerca de 300 cópias, das quais ainda existem aproximadamente 40. Nem todas as cópias são iguais, tendo algumas, no início de novos capítulos, letras pintadas à mão.

Foi um inventor e gráfico alemão que introduziu a forma moderna de impressão de livros, que possibilitou a divulgação e cópia muito mais rápida de livros e jornais. Sua invenção do tipo mecânico móvel para impressão começou a Revolução da Imprensa e

é amplamente considerado o evento mais importante do período moderno.

Internet

As origens da internet remontam a uma pesquisa encomendada pelo governo dos Estados Unidos na década de 1960 para construir uma forma de comunicação robusta e sem falhas através de redes de computadores. Em 1993 foi criado o primeiro browser web, a utilização eficiente da Internet requeria o conhecimento de vários programas diferentes (ftp, gopher, telnet e vários outros). O primeiro browser Web, o Mosaic, veio mudar radicalmente esta situação. O acesso à informação disponível na Internet passou a ficar ao alcance de praticamente todos, mesmo aqueles com pouca cultura em informática.

A essência da Internet é a comunicação, chegou revolucionando nosso estilo de vida,

como pensamos, trabalhamos e vivemos. Consequentemente, para tal crescimento, os equipamentos pedem aprimoramentos, gerando novos conhecimentos, novas tecnologias e etc. Mundialmente a internet continua cada vez mais firme, passando a invadir (ou ser convidada) à intimidade de cada vez mais empresas, lares, escolas,

universidades e muitos outros locais. Sempre se adaptando a Internet sofreu muitas mutações, novas realidades. Mudou o perfil de seus usuários, mudaram as características dos computadores, a velocidade das redes, programas aplicativos, enfim, praticamente tudo.

A informação passou a ficar disponível de uma maneira simples e intuitiva. A transição

dos usuários entre um computador e outro passou a se dar de forma totalmente transparente. A Internet deixou de ser um reduto dos iniciados, dos experts em informática para fazer parte da vida de todos.

A internet é a mesma revolução da prensa de Gutenberg

Considerado o pai da imprensa, Johannes G. a partir da sua prensa de tipos móveis, foi possível realizar a impressão em grande escala de textos, surgindo, então, a imprensa.

Johannes Gutenberg é o Bill Gates do passado, sua invenção espalhou-se por todos os centros culturais Europeus, assim, renasceu o interesse pela aprendizagem e pelos clássicos na época do Renascimento, e assim foi passado de cultura em cultura em diversos idiomas, logo, o ‘livro’ tornou-se uma forma de lazer para a população, que tinha acesso agora a educação, informação num geral e tudo isso, graças ao grande engenho. Os livros naquele tempo, eram caros e somente os de grandes com poder aquisitivo tinham acesso. Com a chegada da prensa o custo do mesmo foi barateado, melhor aplicado, para maior o acesso da população e assim, democratizando a informação.

A importância do J.G. é tão impactante que anualmente nos Estados Unidos, é realizado o “Festival Gutenberg”, uma feira de demonstrações e inovações nas áreas do desenho gráfico, impressão digital, publicação e conversação de texto.

“Nós vivemos hoje sob o impacto da internet na mídia tradicional. Esse impacto é grande sobre todos os meios, mas principalmente os escritos e impressos”, disse o jornalista Ignacio Ramonet, editor do Le Monde Diplomatique (na França e Espanha) desde 1990, que esteve no Brasil recentemente para lançar seu livro “A explosão do jornalismo”.

Atualmente o mercado segue com opiniões em disputa, tendo primeiro, a mídia

que

ficou cheia de medo das teles e agora, morre de medo das redes sociais. O século

XXI

ficará marcado como o século da internet, assim como o XX ficou marcado como o

século da eletricidade. A internet, gera informações com muitas consequências em várias vertentes. É a mesma revolução da prensa de Gutenberg. E toda transformação

nas comunicações gera uma transformação na sociedade. Os jovens atuais

praticamente já não assistem mais TV. Estamos num cruzamento da internet com a TV,

que vive uma crise igual à da mídia impressa há alguns anos. Desta forma o papel, no

final, servirá para embrulhos, enfeites, origamis rs.

Então, contudo, eu digo que ambas as revoluções tiveram papeis fundamentais no desenvolvimento da Renascença, Reforma e na Revolução Científica e que ainda seguem suas bases materiais para a moderna economia baseada no conhecimento e a

disseminação da aprendizagem em massa. Muito brevemente, crianças já não terão o

hábito de leitura através dos livros, creio

me pergunto também, e a escrita? Apesar

de ao mesmo tempo eu achar relativo, por princípios, gosto talvez.

Mas é isso, o mundo globalizado segue!