Sie sind auf Seite 1von 32

Semanário Regional de Informação Director: João Campos www.jornalnordeste.

com
nº 685. 8 de Dezembro de 2009 . 0,75 euros

BRAGANÇA CAÇA MIRANDELA

Associação
Má gestão pode Comercial Rª. Abílio Beça, nº 97, 1º
Tel: 273 333 883 - BRAGANÇA
Os segredos comprometer tem orçamento
IMOPPI Nº 50426

da Maçonaria zonas de caça milionário

EDEAF não tem


licenciamento

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 


ENTREVISTA

“Teríamos um bom
Realidade. Para um profano (quem
ainda não foi admitido na Maçona-
ria) a realidade maçónica deve ser,
tal como para um Maçon, aquilo que

Governo de maçons”
parece ser. Estes valores são a base
da Maçonaria Tradicional e Regular
em Portugal. Por isso esforço-me por
desmistificar a Maçonaria.

13. @ O que considera ser


inaceitável num ser humano?
FACTOS R: O retrocesso ou a não aplica-
bilidade dos valores universais que
Nomeado: GRÃO-MESTRE comungamos e que em comum dese-
ÁLVARO CARVA jamos.
Tempo (idade); 49 anos
Lugar:   Luanda, Angola 14. @ Se pudesse passar uma
- Oleirinhos, Bragança                              noite com uma personalidade
Data de Nascimento: mundial, em quem recairia a
02 de Maio de 1960 sua escolha?
Signo: Touro R: Eu cruzo-me com diversas
Maior Virtude: Uma vida personalidades. Por diversos “cor-
ao serviço dos outros. redores” e em diversos locais. Viajo
Maior defeito: Tenho frequentemente e, felizmente, sou
dificuldades em escolher. convidado a estar presente em diver-
Origem: Portuguesa sas cerimónias oficiais e particulares.
Ofício: Quadro Bancário   Não tenho qualquer preferência por
Estado Civil: casado qualquer personalidade. Mas o meu
Religião: Católica desejo mais íntimo é estar com aque-
les que eu amo. E o melhor lugar do
mundo é junto daqueles que apreciam
1. @ Foi eleito recentemente Álvaro Carva, Grão Mestre da Grande Loja Nacional Portuguesa a minha companhia. Ou tenham inte-
membro do Conselho Cientifico resse em saber o que eu penso sobre
do Instituto Internacional de Maçonaria? viço da comunidade e vividos com Maçonaria. Como por exemplo estar
Ciências Políticas, juntando-se R: O Homem. É essencial que o intensidade e realismo. E se ler os aqui consigo.
a nomes como Mário Soares e Homem seja identificado como o Ser, livros publicados pelo escritor Braga
Durão Barroso. Para si, qual o com o Absoluto. Gonçalves encontrará outro tipo de 15. @ Se pudesse pedir 3 de-
significado desta eleição? histórias mais interessantes que a de sejos, quais seriam?
 R: Não estava à espera desta no- 5. @ Deus? Dan Brow. R: Que o homem se libertasse da
tícia. Acolho com humildade a selec- R: Cada Maçon é livre de inter- miséria humana e da fome. Fazê-lo
ção do Conselho.   pretar esse conceito, mas dá sentido 9. @ A Maçonaria deve per- sorrir de felicidade e de bem-estar.
à nossa Tradição e à metodologia ri- manecer elitista ou abrir as suas
2. @ Se todos os nossos po- tualizada, cujo fim é a Ordem univer- portas ao cidadão comum? 16. @ Três características
líticos fossem maçons, o estado sal na qual o Ser se manifesta. R: A Maçonaria está aberta a to- obrigatórias numa mulher?
de coisas em Portugal seria ou- das as pessoas livres e de bons costu- R: Nunca consegui ver a mulher
tro, bem como a qualidade das 6. @ Uma via pessoal? mes. Naturalmente atraiu indivíduos como um alvo desejável pela via da
nossas opções políticas? R: Sim. (sorriso) Essa é a au- que se caracterizaram pelas suas in- sexualidade. Vejo as mulheres como
R: Não tenho qualquer certeza têntica natureza do maçonismo. A quietudes científico-filosóficas e que seres humanos atenciosos, optimis-
dessa afirmação. Os maçons têm uma evolução espiritual e pessoal capaz actuaram em diversos meios sociais tas, criativos e com uma particulari-
inquietude com o Conhecimento. Um de produzir a união do coração e do ao longo dos três séculos da exis- dade de verem e prestarem atenção a
Conhecimento que se transcende, di- pensamento, da acção, colocando- tência da Ordem. Estes homens, tal situações de pormenor que o homem
reccionado para além das simples a ao serviço da construção humana, como fazemos hoje, ultrapassaram a não visualiza.
aparências físicas e mentais, requisi- sem dogmatismo e em fraternidade. dimensão humanista e a vocação que
to essencial e prévio para um traba- Teríamos assim um bom Governo de foi realizada com paixão. 17. @ Se a vida selvagem fos-
lho a favor do desenvolvimento social maçons ao serviço da República. Ou se um filme, que animal inter-
positivo. Se o maçon aplicar este pen- de qualquer Monarquia. 10. @ Que é que gosta de pretaria?
samento que a Escola Maçónica pre- ouvir na rádio e de ver em sua R: O animal com o comportamen-
coniza está à altura das decisões da 7. @ Porquê tanto secretismo casa? to mais parecido com o meu talvez
res publica de excelente qualidade. à volta da Maçonaria? R: Normalmente aprecio as notí- seja o rinoceronte. Estranho, não é?!
R: Há diversos tipos de segredos cias sobre os acontecimentos diários. É um animal blindado, mas normal-
3. @ A Maçonaria conheceu na Ordem Maçónica. Mas para Nós, Raramente vejo televisão e dedico mente calmo - é um herbívoro. Não
diversas fases de desenvolvi- os Maçons, é relevante o segredo so- parte do meu esforço à minha profis- tem predadores naturais quando o
mento? lene da iniciação e, acima de tudo, são. pretendem atacar. Às vezes sofre ata-
R: Sim. No Século das Luzes a não se revelar o nome dos irmãos, ques de fúria, como os que se vê na
sociedade europeia conheceu o movi- bem como os pormenores maçónicos. 11. @ Viagem de sonho? TV, destruindo jipes. Às vezes atacam
mento pós-renascentista que fazia da Os Estados ditatoriais e comunistas R: Já fiz todas as viagens de so- árvores de forma violenta. É um “tan-
livre expressão a cultura e a liberdade assassinaram muitos maçons. Temos nho que um comum cidadão deseja. que de guerra” com fins pacíficos.
intelectual e moral. No século XIX e de os proteger desses perigos se esse Haverá um lugar ou outro que não  
boa parte do século XX na defesa dos modelo regressar. conheço. Mas as viagens de sonho 18. @ Livro de cabeceira?
princípios democráticos da tolerân- estão todas realizadas e há muitos R: Neste momento tenho três
cia, igualdade e solidariedade e a sua 8. @ A Maçonaria Portugue- anos. livros de cabeceira. Livros comuns:
introdução nas legislações dos Esta- sa tem uma história ao nível da O Exército Perdido de Manfredi; D.
dos. Como dizemos, Nós, os Maçons, relatada por Dan Brown? 12. @ Quais os três valores Manuel do Cenáculo, Instruções Pas-
a Maçonaria é uma ascese da Huma- R: A Maçonaria portuguesa tem mais defendidos pela Grande torais, Projectos de Bibliotecas e Diá-
nidade à Beleza, à Força e à Sabedo- histórias e enredos que na minha Loja Nacional Portuguesa? rio e o volume VII da História da Fi-
ria universais. opinião suplantam a História conta- R: A nível interno conte com a losofia de Nicola Abbagnano. Para os
da por Dan Brown. Só que no nosso Lealdade, Coragem e Responsabili- momentos de maior intimidade com
4. @ O que identifica hoje a caso os acontecimentos são ao ser- dade. A nível externo a Aparência e o pensamento.

 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


Natal no Comércio Tradicional
SANDRA CANTEIRO do Pai Natal pe- so, a edilidade autorizou a abertura
las artérias locais dos estabelecimentos comerciais nos
ou a possibilida- feriados de 1 e 8 de Dezembro, com
Associação Comercial de de andar num vista à dinamização do comércio tra-
aposta em animação balão de ar quen- dicional.
natalícia para atrair te, no próximo
dia 23, são outras
consumidores das propostas. Bragança
A principal
“Comprar no comércio tradicio-
nal é manter a cidade viva” é o apelo
novidade da cam- Crise no comércio
que a Associação Comercial, Indus-
panha “Comprar
no comércio tra-
tradicional
trial e Serviços de Bragança (ACISB)
dicional é manter
lança a todos os consumidores e ha- Com um elevado número de lojas
a cidade viva” é a
bitantes da região nesta quadra nata- a fecharem portas, a ACISB apela ao
instalação de três
lícia. empenho e esforço dos comerciantes
Casinhas do Pai
Dada a forte concorrência das e habitantes da região para combater
Natal, na Praça
grandes superfícies comerciais e a a crise que assola o País.
da Sé, avenida
crise que o País enfrenta, a ACISB de- Segundo António José Carvalho,
Sá Carneiro e das
cidiu apostar na animação do centro os consumidores evitar fazer com-
Forças Armadas,
histórico de Bragança, bem como da pras noutras cidades, tais como Por-
onde os pais po-
avenida Sá Carneiro e zona da Bra- to, Vila Real ou Zamora. “Isso é dar
derão deixar as
guinha. um tiro no próprio pé e dar um em-
crianças ao cui-
“Estas acções são possíveis por- purrão para o comércio local se afun-
dado de educado-
que candidatámos estas três áreas ao ACISB garante animação em várias zonas da cidade dar”, sublinhou o dirigente.
res e monitores
Modcom, com vista à dinamização O combate à crise e ao encerra-
enquanto fazem
do comércio nessas ruas”, explicou o mento sucessivo de lojas passa, tam-
compras. Tam-
presidente da Associação Comercial, ficou a cargo da Câmara Municipal bém, pela actuação dos próprios co-
bém nestes espaços serão implemen-
António José Carvalho. de Bragança (CMB), a ACISB aposta merciantes de Bragança. “Têm que
tadas acções de solidariedade com
O projecto, orçado em cerca de 93 na animação e promoção comercial e contribuir e participar, por exemplo,
vista à recolha de brinquedos, roupas
mil euros, será comparticipado em levará a cabo a campanha Natal So- no arranjo dos estabelecimentos nes-
e alimentos, que serão encaminhados
60 por cento pelo programa, sendo lidário. ta época natalícia, ou têm que man-
para instituições sociais.
que a restante verba será suportada “Serão distribuído dísticos às ter os espaços abertos em horários
Recorde-se que, a par destas me-
pela ACISB. lojas, bem como brindes aos consu- que cativem os clientes”, explicou o
didas, a CMB autorizou a isenção do
É desta forma que, neste Natal, midores, como canetas, calendários, responsável, acrescentando que “não
pagamento da primeira hora nos par-
cerca de 550 estabelecimentos co- balões, guloseimas e guarda-chuvas serve de nada ter as lojas abertas
ques de estacionamento subterrâne-
merciais ganharão, assim, um novo para as crianças, entre muitos ou- quando as pessoas estão a trabalhar e
os da Praça Camões e da avenida Sá
colorido e vida, que prometem atrair tros”, adiantou o responsável. fechadas quando há gente pelas ruas
Carneiro durante este mês. Além dis-
novos consumidores ao comércio tra- Já nas ruas de Bragança, a músi- a querer comprar”.
dicional. ca e movimento tomarão conta da ci-
dade com a ajuda das tunas do Lar de
ACISB defende Natal São Francisco, do Patronato, a Tôna-
mais solidário tuna e a Real Tuna Universitária de
Bragança. Equipamentos insufláveis
Além da iluminação das ruas, que para os mais pequenos, a passagem

Licença Nº. 1330 AMI

Invista com confiança


Apartamento T3 - € 82.500 Apartamento T1 – Espanha T- 3 e T- 4 em construção
Usado, garagem fechada, dupla caixi- - € 90.000
lharia, bom isolamento, perto do centro A dois minutos do centro, ex-
Em zona turística, com bons
posição solar excelente, vistas
acabamentos
Apartamento T2 - € 78.000 panorâmicas, grandes áreas,
Excelente local, cozinha equipada c/ Rica Fé - Habitações de qualida- Acabamentos modernos etc.
móveis modernos, aquecimento central
completo. Óptimos acabamentos e vistas
de a preços imbatíveis
Últimos para venda – T-2 / T-3 /
panorâmicas para o Parque Natural de Escritório - Sá Carneiro
Montesinho T-4 / T-3 Duplex
Com 32 m2, venda € 32.000 /
arrendamento € 220/ mês
Apartamento T4 - € 135.000 Terreno - € 138.000
Com 182 m2, acabamentos de Av. Abade de Baçal, área 600
qualidade, junto ao Jardim da m2, com projecto Loja Comercial
Braguinha
Apartamentos T1 - Porto – € 65.000
Apartamento T3 - € 90.000 Ao bairro Santa Isabel
Ao Eixo Atlântico, último andar, Acabamentos de qualidade,
perto de tudo, mobília de cozinha, junto ao Hospital de S. João, a (antigos escritórios
grandes áreas. Como novo partir de € 90.000 Sisdouro)

R. Abílio Beça (Zn Histórica) • Tel: 273324569 • Fax: 273329657 • Bragança - www.predidomus.pt

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

EDEAF não tem licenciamento


foi iniciado mas ainda não está con-
cluído, bem como a parte eléctrica.
“O pavilhão estava a funcionar com
um contador de obra. Já pedimos o
TERESA BATISTA contador definitivo, pelo que a situa-
ção deverá ser resolvida a curto prazo
e os empresários já poderão pedir o
Câmara quer reestruturar seu contador”, garante a edil.
empresa municipal e pri-
vatizar as micro-empresas “EDEAF servia para celebrar
instaladas no pavilhão contratos, de forma ilegal, para
trabalhadores da Câmara”, ga-
A Empresa Municipal de De- rante Berta Nunes
senvolvimento de Alfândega da Fé
(EDEAF) não tem o processo de li- Instalado na EDEAF há dois anos,
cenciamento industrial concluído, ao Luís Mónico afirma que a questão
passo que as infra-estruturas eléc- das rendas é, igualmente, um ponto
tricas ainda não estão finalizadas. O a acertar com o novo executivo. “Já
pavilhão está a funcionar desde a sua fomos informados que vamos ter
construção com um contador de elec- que pagar a renda. Eu concordo com
tricidade de obra, o que impossibilita isso, mas é preciso negociar, porque
os empresários instalados na EDEAF quando fomos convidados pelo enge-
de conseguirem contadores individu- nheiro Cruz Oliveira para nos insta-
O licenciamento industrial da EDEAF ainda não está concluído
ais para os seus estabelecimentos. larmos, ficou protocolado que pagarí-
Esta situação já causou prejuízos gou a baixada da luz para a colocação diante a apresentação do certificado amos renda, mas eles instalariam as
a Luís Mónico, proprietário de uma do seu próprio contador, mas a EDP de exploração (cuja competência de cozinhas, o que não veio a acontecer.
cozinha regional de fumeiro. O em- ainda não efectuou o serviço. emissão cabe a uma entidade externa Eu investi cerca de 60 mil euros na
presário afirma que a luz é instável, Contactada pelo Jornal NOR- à EDP), terão condições para cele- instalação”, conta Luís Mónico.
pelo que as câmaras frigoríficas já DESTE, a EDP afirma que foram so- bração do contrato de fornecimento Perante a situação de falência
ficaram sem corrente aos fins-de-se- licitadas seis requisições de ligação, de energia”, explica a empresa, em técnica em que se encontra a EDEAF,
mana. “ Aquilo não está a funcionar a mas após a respectiva orçamentação, comunicado. Berta Nunes afirma que vai lançar um
cem por cento. Já tive prejuízos enor- os requerentes optaram por execução Confrontada com esta situação, a concurso para privatizar todas as mi-
mes por causa da luz. Tenho câmaras própria dos ramais de uso exclusivo. presidente da Câmara Municipal de cro-empresas que funcionam dentro
sempre carregadas de carnes frescas “Conforme o previsto na legislação Alfândega da Fé, Berta Nunes, afir- do pavilhão e reestruturar a empresa
para desmanche, fumeiro e adobes e em vigor, é necessária a formalização ma que quando pegou no processo da municipal. “A empresa estava a servir
já se estragaram devido a falhas de da entrega das infra-estruturas por EDEAF encontrou uma série de fa- para fazer contratos de trabalho para
luz”, denuncia Luís Mónico. parte dos requerentes, o que ainda lhas e anomalias, entre elas o proces- a Câmara, de uma forma ilegal”, con-
O empresário garante que já pa- não se verificou. A partir daí, me- so de licenciamento industrial, que cluiu a edil.

Mogadouro e Miranda
Alfândega da Fé 
EDP melhora serviços Peças da EDEAF à venda
Melhorar a qualidade do serviço ro Internacional, a EDP teve que re-  Arrancou no passado fim de se- Neves.
no Planalto Mirandês foi o objectivo correr a métodos adaptados a metas mana, na Casa da Cultura, a Feira de Fazem também parte do espó-
da EDP ao investir na subestação de ambientalmente favoráveis, ainda Perdidos e Achados de Alfândega da lio agora colocado à venda peças de
Mogadouro. que com custos mais elevados, como Fé, um certame organizado pela Câ- artesanato e cerâmica adquiridas
Através da ampliação do barra- a integração dos equipamentos na mara Municipal para disponibilizar pelas autarquia por ocasião das Fei-
mento de média tenção e da cons- paisagem natural e a utilização de à comunidade artigos que se encon- ras Medievais, realizadas há anos
trução de um troço inicial e de uma tecnologias com vista à protecção de travam nos armazéns da autarquia, atrás na vila e que desde essa altura
interligação da rede existente, insta- determinadas espécies. correndo o risco de deterioração.  não têm tido qualquer uso, e ainda
lou-se a linha de média tensão entre Deste modo, esta estrutura as- Grande parte dos objectos, pas- algumas peças oriundas da empresa
Mogadouro e Palaçoulo, no concelho segura uma distribuição geográfica síveis agora de serem adquiridos a municipal EDEAF.
de Miranda do Douro, o que permite mais eficaz da rede de média tensão, preços reduzidos, são peças de de- O certame está patente até ao
desdobrar a de Mogadouro – Sen- levando à melhoria da qualidade do coração e mobiliário detidas pela próximo dia 23 de Dezembro, de se-
dim. serviço. Alfândega Tur, e que foram armaze- gunda a sexta-feira, entre as 09h00
Uma vez que esta estrutura está nadas na sequência da remodelação e as 17h30, e ainda aos sábados e do-
instalada no Parque Natural do Dou- Sandra Canteiro da Estalagem da Nossa Senhora das mingos, entre 14h00 e as 17h30.

FICHA TÉCNICA
Fundador: Fernando Subtil - Director: João Campos (C.P. Nº 4110) - Secretária de Redacção e Administração: Cidália M. Costa
Departamento de Marketing e Publicidade: Bruno Lopes e Orlando Bragança - ASSINATURAS: Sandra Sousa Silva
REDACÇÃO: Bruno Mateus Filena, Orlando Bragança, Sandra Canteiro (C.P. Nº 8006), Teresa Batista (C.P. Nº 7576) e Toni Rodrigues
Correspondentes - Planalto Mirandês: Francisco Pinto - Mirandela: Fernando Cordeiro e José Ramos - Torre de Moncorvo: Vítor Aleixo
email:geral@jornalnordeste.com FOTOGRAFIA: Studio 101 e RC Digital
Propriedade / Editor: Pressnordeste, Unipessoal, Lda - Contribuinte n.º: 507 505 727 - Redacção e Administração: Rua Alexandre Herculano,
Nº 178, 1º, Apartado 215, 5300-075 Bragança - Telefone: 273 329600 • Fax: 273 329601
Registo ICS N.º 110343 - Depósito Legal nº 67385/93 - Tiragem semanal: 5.000 exemplares
Impressão: Diário do Minho - Telefone: 253 609 460 • Fax: 253 609 465 - BRAGA
Assinatura Anual: Portugal - 25,00 €; Europa - 50,00 €; Resto do Mundo - 75,00 €

 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Planalto aposta na CASOS DE POLÍCIA


Mogadouro

Intervenção Permanente Vídeo


vigilância
FRANCISCO PINTO
reforçada
Meios reforçados nas cor-
porações de bombeiros de
Miranda do Douro e Sendim
Miranda do Douro vai passar a
dispor de duas Equipas de Interven-
ção Permanente (EIP), que vão ope-
rar a partir dos quartéis de Bombei-
ros de Miranda do Douro e Sendim.
Este projecto, que integra uma
dezena de elementos, resulta de uma Edifícios municipais vão ser mais vigiados
parceria entre o Ministério da Admi-
nistração Interna e da Câmara Muni- A Câmara Municipal de Mo-
cipal de Miranda do Douro (CMMD). gadouro (CMM) vai instalar um
Segundo o vice-presidente da sistema de videovigilância nos edi-
CMMD, Ilídio Rodrigues, esta é o Bombeiros ganham mais prontidão
fícios municipais e no da Junta de
cumprimento de uma promessa elei- Recorde-se que os encargos fi- postas mais rápidas e eficazes, já que Freguesia local para evitar assaltos
toral. nanceiros para a manutenção das podem haver vidas em perigo e bens e actos de vandalismo.
“Estas duas equipas são extrema- duas equipas de socorro serão supor- materiais ameaçados”, sublinhou o A decisão não é recente, mas
mente importantes para o concelho, tados em partes iguais pelo Estado e responsável. volta a ser considerada depois de
porque se criam dez postos de traba- pela autarquia mirandesa. O protocolo entre autarquia de mais um assalto à secretaria do
lho e porque respondem, de forma “Não podemos comparar as exi- Miranda do Douro, secretaria de Es- edifício dos Paços do Concelho e
rápida, às solicitações das populações gências da população actual com as tado da Protecção Civil e os corpos de gabinetes da vereação, há cerca de
no âmbito da protecção civil”, acres- de há 20 ou 30 anos atrás. Actual- Bombeiros de Miranda do Douro e 2 semanas.
centou o autarca. mente, há necessidade de dar res- Sendim será assinado a breve prazo. A acção dos larápios resultou
no arrombamento de um pequeno

…Em flagrante
cofre e de uma máquina de distri-
buição de bebidas, além do furto
de dois telemóveis e outros objec-
tos pessoais.
Segundo o vice-presidente da
Criaram-se Ecocentros e CMM, João Henriques, o projec-
Ecopontos, mas a paisa- to com vista à implementação de
um sistema de videovigilância já
gem transmontana con- está em curso. Depois de mais dois
tinua manchada pelos anos à espera do parecer positivo
da Comissão Nacional de Protec-
“monstros domésticos” ção de Dados, o equipamento de-
verá ser instalado no início do pró-
atirados por uma ravina ximo ano.
qualquer. Esta fica na EN “A videovigilância é importan-
te para ajudar a travar este tipo de
315, em plena Serra de situações, pelo que o município vai
Bornes, mas “postais” investir cerca de 300 mil euros na
aquisição do sistema, que será ins-
como estes contam-se talado nos edifícios dos Paços do
às dezenas… Concelho, Biblioteca Municipal,
Complexo Desportivo e polides-
Envie-nos as suas sugestões para geral@jornalnordeste.com portivo da Junta de Freguesia, en-
tre outros imóveis públicos”, afian-
çou o autarca.

Tlm:
966830231

Lavagens
MARQUES
Parque do Feira Nova
BRAGANÇA

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Desporto fora-de-horas
todos os dias para construírem e pro-
moverem a modalidade em Portugal.
Um engenheiro civil, um economis-
ta e um estudante de design traçam
BRUNO MATEUS FILENA objectivos, mas o principal e comum
a todos é desenvolver o trial e fazer
com que ele cresça.
Festa da Red Bull sacudiu Têm levado a bom porto o nome
com destaque para os deste nosso país, tendo já participa-
do em provas internacionais. A título
campeões nacionais de exemplo, há dois anos foram par-
de Trial Bike ticipar numa prova do Campeonato
do Mundo em Paris. No meio de 80
O palco estava montado, a 28 de atletas, Daniel conquistou o primeiro
Novembro, numa das maiores pro- lugar e o seu irmão ficou em terceiro.
duções anuais, levadas a cabo no Este ano, a Taça de Portugal teve
Mercado. Quem disse que com pouco seis provas e o Campeonato Nacio-
dinheiro não se pode fazer uma gran- nal realiza-se apenas numa, que tem
de festa? Eis então que surge a Red lugar em várias pistas num só dia. O
Bull a provar o contrário. Decor e nível das provas é bastante elevado,
uma tenda, promotoras que vestiram mas, em termos globais, Espanha,
a pele de bailarinas e uma fantástica França e Inglaterra estão no topo.
Campeões nacionais fizeram demonstrações na pista do Mercado
demonstração de Trial Bike, com três A modalidade em Portugal está a
dos campeões nacionais de 2009. Na bi-campeão nacional na mesma ca- mologada pela Federação Portuguesa dar os primeiros passos e vê-se com
sua estreia em show off na cidade de tegoria, e Pedro Araújo, vencedor de Ciclismo ainda no princípio deste algumas dificuldades para conseguir
Bragança, Daniel Sousa, vencedor na categoria Seniores de Vila Verde, ano. “Um passo de gigante”, afirma apoios. O maior apoio desta tripla é
da Taça de Portugal na categoria de de apenas 15 anos. Foi graças a estes Daniel Sousa. Estes três atletas trei- a sua própria marca de bikes, COXX.
elites de 2009, o mano João Sousa, dois irmãos que a modalidade foi ho- nam 9 horas por semana e trabalham www.trialportugal.net

onde a dança tem um lugar de des-

Glamour em voz revelação


taque, a sua performance transpirava
uma energia presencial muito pró-
pria e desenvolvida no quase um ano
e meio de estrada, onde actuou em
casas como Estado Novo, Green Hill
e Pachá de Ofir, entre muitas outras,
de Norte a Sul do país.
Com um projecto iniciado no Ve-
rão de 2008, Mc-Angel viu-se dis-
tinguida por alguma da crítica nesse
mesmo ano, como a voz feminina re-
velação do house nacional. Depois da
sua primeira tournée, Ambition Tour,
participou na Oporto Beach Party, em
Julho de 2008, lado a lado com Bob
Sinclair e Tiesto, djs internacionais
da dance scene numa vertente mais
comercial.
Em Novembro, após convite da
Noite.pt para a celebração de uma
década de existência, Mc-Angel fez
a abertura da CD Tour 10 anos, onde
Mc-Angel fez 78 concertos no primeiro ano de digressão actuou com o dj Hallux e o percurs-
sionista Denny Beats. Em Maio de
BMF Mc-Angel é uma jovem cantora fez notar o seu agrado perante uma 2009, no seguimento de uma pro-
com um estilo provocador e sofisti- hora de actuação descontínua. Sába- posta da INpeople Magazine, inte-
cado, uma voz limpa e bem colocada, do imperou o glamour, a sensualida- grou o elenco da tournée 10 clubs 10
Pela primeira vez em que acompanha um house marcada- de e o atrevimento vocal, para além cidades.
Bragança, a mc voz revela- mente comercial, mas sempre com de momentos originais, quer em live No balanço do seu primeiro ano,
ção 2009 e capa da Inpeople um sorriso rasgado nos lábios. Na act, quer como mc em vários hits das de Junho de 2008 a Junho de 2009,
sua estreia em Bragança, mais con- pistas de dança. esta cantora oriunda de Espinho,
Magazine cretamente, no Moda Café, o público Com um dinamismo implícito, agendou 78 datas.

 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Consultua: dez anos VOZES


Isabel Rodrigues – forman-

a formar e educar
da do primeiro Curso EFA
“Antes de fre-
quentar este curso,
não tinha emprego
certo. Depois da for-
SANDRA CANTEIRO mação, fiz um está-
gio numa empresa,
onde acabei por ficar
Consultua comemorou uma a trabalhar até hoje. Sinto-me mais
década de existência dedi- preparada para novos desafios”
cada ao ensino e formação
António Piçarra
O décimo aniversário da Consul- – formando do primeiro Curso
tua foi celebrado perante centenas de
Técnico Agrícola
amigos, formadores e colaboradores
“Frequentei di-
que encheram o auditório Municipal
versos cursos de for-
de Mirandela.
mação na Consultua
Numa cerimónia que contou com
e também fui forma-
a presença do director Regional da
dor, o que me deu
Educação do Norte, António Leite, do
muito prazer. Gosto
presidente da Agência Nacional para
de partilhar os co-
a qualificação, Luís Capucha, e repre-
nhecimentos que adquiri ao longo
sentantes de diversas instituições de
da vida com os meus formandos”.
ensino, muitos foram os que quise-
ram prestar homenagem à empresa
que trabalha há uma década em prol Fernando Figueiredo
da educação e formação na região. - formando do primeiro Curso
“Verificámos que existiam lacu- Técnico Agrícola
nas em termos de qualificação no “Depois de me
distrito e escassez de oferta forma- licenciar, tive conhe-
tiva para públicos com curso supe- cimento que iriam
rior, pelo que quisemos proporcionar decorrer formações
Consultua entregou diplomas a centenas de formandos para técnicos e decidi
inscrever-me. Depois
de frequentar várias
Os números oportunidades de educação local- No que toca a projectos futuros,
formações na Consultua, sou for-
mente, contribuindo para a formação a Consultua vai continuar a actuar
da Consultua de pessoas com baixa escolaridade”, junto dos públicos com menos esco-
mador a tempo inteiro na empre-
sa”.
justificou a directora da Consultua, laridade.
- 45 funcionários; Rita Messias. “Ainda há muito a fazer na área
- 200 colaboradores; Segundo a responsável, a princi- da qualificação de adultos, pelo que Carlos Silvestre – primeiro
- 7.300 formandos; pal aposta da empresa tem sido em a aposta será continuar a oferecer avaliador externo do CNO
- 5.300 inscritos no Centro de No- cursos relacionados com o mundo oportunidades de educação a quem “Há pessoas que
vas Oportunidades (CNO); rural e qualificação de adultos. não as teve antes”, acrescentou a res- denigrem este projec-
- 30 por centro da formação é não “Todos os sectores de actividade ponsável. to, mas foi das melho-
financiada; exigem uma permanente actualiza- Prova disso, foram as centenas de res coisas que se fez
- 65 por cento dos formandos tem ção e formação. Contudo, dedicamo- pessoas que receberam, durante a ce- na educação em Por-
um nível de escolaridade inferior nos bastante ao sector agrícola, pois rimónia, os diplomas resultantes do tugal. Na Consultua,
ao 12º ano; é preponderante na região. Foi o que processo de Reconhecimento, Vali- há exigência e muito
- 35 por cento dos formandos tem sofreu mais evoluções e o que tinha dação e Certificação de Competências rigor, pelo que lanço o desafio para
curso superior. trabalhadores com baixas qualifica- e dos cursos de Educação e Formação que não parem por aqui”.
ções”, sublinhou Rita Messias. de Adultos.

ESPECIAL RÉVEILLON
Cabo Verde Ilha do Sal desde:
Partida de Lisboa a 26 e 27 Dez. ‘09
7 noites | APA

€ 840
Oásis Belorizonte | 4 estrelas
Inclui: avião + transfers + taxa aeroporto, segurança, combustível (€ 214)
+ Seguro Multiviagens. por pessoa em quarto duplo

braSIl Salvador desde:


Partida de Lisboa a 25 Dez. ‘09
7 noites | APA

€ 1.869
Vila Galé Salvador | Primeira Superior
Inclui: avião + transfers + taxa aeroporto, segurança, combustível (€ 197)
+ Seguro Multiviagens. por pessoa em quarto duplo

Exclui: Despesa de reserva (€29 por processo e não por pessoa) + suplementos;
lugares limitados; taxas sujeitas a alteração; sujeito às nossas condições gerais. CONSULTE-NOS.

ABERTO à hORA dE ALMOÇO


Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, nº 169 5300-252 Bragança
E-mail: braganca@abreu.pt - Tel: 273302400 - Fax: 273302409

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Vinhais na luta “Com a Sida


contra a violência não se brinca”
SANDRA CANTEIRO almente transmissíveis”, explicou a
coordenadora do projecto Educação
para a Saúde e Educação Sexual da-
Alunos pretendem chamar a quela instituição, Olinda Bragada.
atenção para os comporta- A par das actividades de sensibi-
mentos de risco lização e consciencialização, esta es-
trutura avançará, já no próximo mês,
Porque “Com a Sida não se brin- com acções de formação destinada
ca”, o Grupo de Teatro da Escola Se- aos docentes e aos próprios pais.
cundária Emídio Garcia (ESEG), em “Estamos a preparar actividades
Bragança, sob a orientação Acácio para os professores e os encarregados
Pradinhos, levou a palco uma peça de educação, para que saibam escla-
que pretende alertar para os riscos recer algumas dúvidas dos jovens ou
desta doença. encaminhá-los, por exemplo, para o
Este trabalho é, apenas, umas das nosso Gabinete de Apoio e Informa-
várias actividades desenvolvidas no ção ao Aluno que funciona na escola”,
Entidades de Vinhais envolveram-se na campanha âmbito do projecto Educação para a adiantou a responsável.
Saúde e Educação Sexual, implemen- Este projecto visa, ainda, a cria-
S.C. Vinhais e pelo Agrupamento de Es- tado na ESEG desde o início deste ção de um endereço electrónico, a
colas local, foram distribuídos laços ano lectivo, e das comemorações do partir do qual os alunos possam colo-
Entidades participam em brancos, que simbolizam a luta con- Dia Mundial de Luta contra a Sida. car, anonimamente, as suas dúvidas
tra este flagelo, material informativo, “Temos vindo a fazer acções de relacionadas com a sexualidade.
campanha de sensibiliza- pin’s e uma flor para as senhoras. “Estamos a pensar avançar com
sensibilização nalgumas turmas e
ção contra violência do- A iniciativa contou, ainda, com a trabalhado nos conteúdos de algumas um blog, à semelhança do ano ante-
méstica participação de elementos da Câmara disciplinas no âmbito da educação se- rior, onde podem ser colocadas ques-
Municipal de Vinhais. xual, abordando a problemática dos tões online, assegurando a privacida-
As ruas de Vinhais serviram de Mas a luta contra este flagelo não contraceptivos e das doenças sexu- de “, sublinhou Olinda Bragada.
palco à campanha de sensibilização se cingiu, apenas, às ruas daquela
no Dia Internacional contra a Violên- vila, sendo que em todos os Centros
cia Doméstica. de Saúde do ACES-Nordeste foi im-
Durante a acção, levada a cabo plementada a campanha sob o tema
pela equipa de Prevenção da Violên- “Violência Doméstica uma questão
cia Doméstica do Centro de Saúde de de Saúde”.

Assim sendo, a zona de restauração


Bragança e o ginásio da ESEG serão remodela-
“Liceu” em obras dos. O estabelecimento de ensino pas-
sará, também, a dispor de auditórios,
salas de espectáculo e sala de convívio
Ainda no primeiro trimestre do
para alunos, enquanto que a capacida-
próximo ano, a Escola Secundária Emí-
de para acolher alunos aumentará.
dio Garcia (ESEG), em Bragança, será
“Passamos de 27 para 33 salas de Pequenos actores alertaram para a problemática da SIDA
alvo de uma profunda intervenção.
aula normais e esperamos que a procu-
As obras, que deverão arrancar em
ra por parte dos alunos continue a au-
Fevereiro ou Março, prevêem a cons- Como se transmite o VIH Como não se transmite o VIH
mentar, já que temos uma diversidade
trução de novas salas de aulas e espa-
curricular muito alargada, com os cur-
ços com determinadas especificidades, - Relações sexuais; - Ar, alimentos, água, picadas de
sos profissionais e de formação”, subli-
como laboratórios e de informática, - Contacto com sangue infectado insectos e outros animais, louça, ta-
nhou Eduardo Santos.
entre outros. (não se deve partilhar seringas, agu- lheres, sanitas ou qualquer outro meio
Durante a intervenção, que deverá
“A construção antiga, que já tem lhas, escova de dentes, lâminas de bar- que não envolva sangue, esperma, flui-
ser concretizada ao longo de 18 meses,
40 anos, vai ser completamente remo- bear e/ou material cortante, bem como dos vaginais ou leite materno;
as aulas serão leccionadas em conten-
delada, enquanto que a estrutura des- piercings, instrumentos de tatuagem e - Urina, suor, lágrimas, fezes, sali-
tores próprios.
te bloco central vai manter-se, mas as de furar as orelhas e alguns utensílios va, secreções nasais ou vómitos, desde
Recorde-se que, actualmente, a
condições serão melhoradas”, adiantou de manicura); que não tenham sangue misturado;
ESEG acolhe cerca de 850 estudantes.
o director da ESEG, Eduardo Santos. - Durante a gravidez, parto e/ou - Contactos sociais, como o beijo
amamentação. na face, abraço ou aperto de mão.
Sandra Canteiro

 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

ACIM vai gerir 10 milhões


JM – O Conselho Consultivo
é um grupo de 45 empresários que
acreditam no nosso projecto e que
vão participar nas reuniões da Direc-
ção da ACIM, sempre que estejam a
Em 2001, Jorge Morais foi ser definidos projectos de relevo para
eleito presidente da Associa- a economia local. Por exemplo, no
ção Comercial e Industrial de caso do desfile de modo, vamos cha-
Mirandela (ACIM), herdando mar os empresários do vestuário e
uma pesada herança financei- calçado para definirmos uma estraté-
ra. Recentemente, a instituição gia adequada, envolvendo as pessoas
foi reconhecida como Pessoa com experiência nestes sectores. E
Colectiva de Utilidade Pública, assim será noutros eventos desta en-
fruto do trabalho desenvolvido vergadura.
para dignificar o Comércio, In-
dústria e Serviços da Capital do JM – Pretende efectuar alte-
Tua. rações nos modelos de organi-
Com 500 associados, a ACIM zação da Reginorde e Feira da
vai a votos no próximo dia 10 Alheira?
de Dezembro. JN - Vamos repensar toda a es-
Conheça os projectos da tratégia a partir duma candidatura
equipa que conseguiu levar a ao QREN que nos permitirá construir
cabo o projecto de internacio- um pavilhão multiusos para organi-
nalização “Trás-os-Montes e zar estas feiras temáticas.
Alto Douro Gourmet”. Jorge Morais reúne dezenas de empresários no Conselho Consultivo Sem esta infra-estrutura não po-
de juros. demos inovar e eu sou o primeiro a
Jornal Nordeste – Que ba- projecto Rotas do Douro, que tam- dizer que não me revejo nos moldes
lanço faz deste anos à frente da bém é um bom veículo de promoção JN – Quando tomou posse, em que se realiza a Reginorde e a Fei-
ACIM? dos produtos certificados da nossa a ACIM estava numa situação ra da Alheira, actualmente. Toda a
Jorge Morais (JM) – É um ba- região e envolve um investimento de financeira muito difícil. Conse- feira tem que ser coberta e com boas
lanço muito positivo. Hoje a ACIM é 500 mil euros. guiu equilibrar as contas? condições, tanto no Inverno como no
uma Associação transversal, que tra- JM – Nas Assembleia Gerais os Verão. Queremos fazer uma nave to-
balha na área comercial, industrial, “Todo o recinto da feira [Regi- nossos sócios têm acesso, de forma talmente coberta e sectoriar a Regi-
serviços e social. Além de ser a en- norde por várias feiras temáticas ao
tidade gestora da marca “Alheira de
norde] tem que ser coberto e muito transparente, aos relatórios de
contas e aos extractos bancários da longo do ano. Pela sua centralidade
Mirandela”, a ACIM não se cinge ao com boas condições, tanto no regional, Mirandela pode ter uma das
ACIM, desde 1 Janeiro a 31 de Dezem-
âmbito local, mas conseguiu envolver Inverno como no Verão” bro de cada ano. Apenas temos uma melhores feiras na área Agro-Alimen-
15 concelhos da região na criação da conta bancária e todas as entradas e tar e do Turismo da zona Norte. Haja
Rota do Azeite de Trás-os-Montes e JN – Quais são as apostas da saídas de dinheiro estão justificadas vontade política, porque Mirandela
Alto Douro. CIM para dinamizar o Comércio por documento contabilístico. tem acessibilidades e tem produtos
Há 5 anos iniciámos o proces- Tradicional? Para 2010 a ACIM participa em de excelência, mas falta-lhe este pa-
so para o reconhecimento da ACIM JM – Fomos pioneiros no pro- projectos que envolvem um orçamen- vilhão multiusos.
como Pessoa Colectiva de Utilidade jecto Urbcom, através da criação da to de cerca de 10 milhões de euros, Ao nível da alheira, estamos a
Pública e, alcançado este objectivo, Unidade Coordenação e Acompa- comparticipados em 70 por cento pelo aguardar a passagem da certificação
temos agora mais facilidade em efec- nhamento e da Mirandela Comercial QREN. São projectos já aprovados e de Especialidade Tradicional Garan-
tuar candidaturas ao Quadro de Re- (MIRCOM), que levou a uma nova contratualizados, independentemen- tida a Indicação Geográfica Protegida
ferência Estratégica Nacional. candidatura ao MERCA, em que os te de quem vencer as eleições, coisa (IGP), para que a Alheira de Miran-
Apostámos num projecto de In- projectos dos comerciantes foram que não aconteceu quando entrámos dela só possa ser produzida em Mi-
ternacionalização apoiado pela Agên- feitos aqui na ACIM, com os seus téc- nesta casa pela primeira vez. randela. O processo está concluído
cia para o Investimento e Comércio nicos e a preços simbólicos. Estamos JN – Como surgiu a ideia do e, a partir daqui, podemos organizar
Externo de Portugal para divulgar os a falar de 67 projectos para moderni- Conselho Consultivo? uma feira ainda mais profissional.
produtos certificados com Denomi- zar o nosso comércio tradicional.
nação de Origem Protegida. Conse- Já temos aprovado o projecto da
guimos financiar o projecto Trás-os-
Montes e Alto Douro Gourmet, que
Rota do Comércio Local, que con-
templa acções específicas de anima-
Duas listas na corrida
está em andamento e já levou um ção para o Natal no Comércio Tradi- Nas eleições da próxima 5ª feira há duas listas na corrida aos órgãos
grupo de 10 empresários a participar cional, Dia dos Namorados, Dia do sociais da ACIM. Jorge Morais lidera a lista A, composta ainda por Virgílio
em feiras internacionais na Alema- Pai, Feira da Alheira Campanha de Gomes, Carlos Santos, João Paulo Carlão, Vítor Borges, Rui Cepeda e Paulo
nha e Bélgica. Páscoa, Dia da Mãe, Dia Mundial da Valbom. Os candidatos à presidência da Assembleia-Geral e Conselho Fiscal
Para o ano será França e Luxem- Criança e o desfile de moda Mirande- são Paulo Sousa e Acácio Gonçalves, respectivamente.
burgo. Estamos a conseguir levar os la Fashion 2010. A lista B é encabeçada por Luís Mosqueiro, seguido de Eurico Dias, Vítor
nossos produtos endógenos além Estamos a criar um cartão de Noronha, Catarina Morais, José Messias, Bruno Martins e Tiago Ribeiro.
fronteiras, promovendo a nossa re- crédito que só pode ser utilizado nas António Martins e Rui das Neves são os candidatos à presidência da Assem-
gião em simultâneo. lojas do Comércio Tradicional, com bleia-Geral e Conselho Fiscal, respectivamente.
Estamos, também, envolvidos no condições muito vantajosas ao nível

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 


10 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE
Gastronomia micológica Vimioso
Artes e ofícios
BRUNO MATEUS FILENA
em força
I Jornada Gastronómica
Micológica de Vimioso
encheu muitas barrigas e
superou quaisquer expecta-
tivas
Uma sopa deliciosa de dois cham-
Feira contou com mais visitantes
pinhões (agaricus bisporus e agaricus
“portobelo”), bacalhau com natas e A Feira de Artes, Ofícios de Sabo-
míscaros (boletus edulis) e de sobre- res de Vimioso fechou com balanço
mesa, ananás flamejado com compo- positivo.
ta de pé azul (lepista nuda). Foi esta a O certame, que quer afirmar-se
refeição que encerrou, ao almoço, a I como uma referência no Planalto Mi-
Jornada Gastronómica Micológica na randês, faz de actividades, como as
albergaria “A Vileira”, em Vimioso, montarias, os passeios todo-o-terre-
levada a cabo entre 28 de Novembro Luís Garcia com os elementos do grupo “Anda Camino”, que encerrou as jornadas no, mostras gastronómicas e folclore
e 1 de Dezembro, com o apoio da As- locais, os grandes responsáveis pelo
sociação Micológica “A Pantorra”. leira faz um balanço positivo, mas conhece o proprietário da albergaria, acréscimo de visitantes.
Numa iniciativa inédita na vila, deixa um desabafo. “Gostaria que a que festejou o seu aniversário no dia De acordo com a organização, a
estiveram, em média, cerca de 80 nossa matéria-prima fosse transfor- de encerramento. 10ª edição do certame atraiu mais
pessoas por cada um dos três pri- mada pela positiva, para não termos Segundo o presidente de “A Pan- pessoas a Vimioso. O aumento do
meiros dias, vindas de Espanha, do de comprar em Espanha ou importar torra”, Xavier Martins, a associação número de visitantes reflecte-se nos
Porto, Mogadouro, Guimarães, entre produtos que são nossos. As pessoas apoiou esta iniciativa ao nível de su- negócios concretizados, já que os
outras localidades. andam no campo na apanha e depois gestões de ementas e algumas recei- expositores garantem que, este ano,
No final, o proprietário de A Vi- vendem aos de fora, porque aqui não tas. “Prestámos a nossa colaboração venderam mais porque as pessoas
há quem se dedique à elaboração e no sentido de divulgar a micogastro- procuram produtos com qualidade,
confecção de pratos”, confessa Luís nomia e dela foi tirado o melhor pro- especialmente espanhóis.
Garcia. veito. Dentro de um leque de receitas “É uma boa feira porque temos
A partir de agora, garante o em- possíveis, aproveitando os cogume- visitantes oriundos de toda a região
presário, vai ser diferente, pois mui- los da época, este foi um resultado e de Espanha. Este ano, houve um
tos dos pratos que foram reis nesta 100 por cento conseguido”, explicou aumento do número de pessoas que
primeira jornada serão adoptados o responsável. passaram pelo certame”, disse Vergí-
n’A Vileira. Numa década de existência, “A lio Pires, uma artesão de Palaçoulo.
Pantorra” tem desenvolvido diversas Segundo o presidente da Câmara Mu-
Pratos que preencheram emen- actividades relacionadas com a divul- nicipal de Vimioso, José Rodrigues,
gação e inventariação de cogumelos
tas das jornadas serão adopta- a feira vai virar um pouco de rumo.
existentes na nossa região, em espe- “Queremos criar certames sectoriais,
dos por A Vileira cial no Parque do Douro Internacio- pois temos condições para o efeito. A
nal, Parque Natural de Montesinho proximidade com Espanha é ponto
De acordo com Luís Garcia, a e a área protegida do Azibo e Monte que joga a nosso favor”, frisou.
iniciativa é para continuar, pelo que Morais. No primeiro dia, na abertu- Por seu lado, o presidente da As-
vai transmitir “a sua aprendizagem ra, houve uma actuação do Rancho sociação Comercial e Industrial de
pessoal” aos seus colegas hoteleiros e Folclórico de Vimioso. Já no encerra- Vimioso, Francisco Lopes, avança
realizar umas segundas jornadas com mento, foi a vez do grupo “Anda Ca- que “a divulgação dos conhecimentos
outra dimensão. “Não tinha ideia das mino” tocar os presentes com música e o potencial das empresas locais são
potencialidades dos cogumelos e fi- das Terras de Miranda, numa perfor- pontos fortes para quem aposta neste
Ananás flamejado rematou a última refeição quei verdadeiramente abismado”, re- mance digna de registo. certame”.

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 11


NORDESTE RURAL

Má gestão pode Faltam zonas


de caça turística
comprometer futuro da caça O mercado é próspero, mas a
falta de zonas de caça turística em
Trás-os-Montes levam os caçado-
TERESA BATISTA res do litoral Norte e Centro para o
Alentejo, onde esta figura cinegéti-
ca está mais desenvolvida. O alerta
Presidente da FACIRC de- é deixado por Raul Fernandes, que
fende formação para quem defende a aposta nestas áreas cine-
géticas.
está à frente das zonas de “Devia-se apostar mais nas zo-
caça nas de caça turísticas, visto que há
um bom mercado”, frisa o respon-
A pequena dimensão das zonas sável.
de caça do distrito dificulta a gestão O dirigente fala das dificulda-
por parte das associações e até pode des que existem para criar estas
comprometer o futuro de algumas zonas de caça e aponta o dedo à tu-
espécies. tela por não mostrar interesse em
No mapa do ordenamento ci- facilitar a criação de zonas de caça
negético do distrito de Bragança, as turísticas.
zonas de caça associativas aparecem “Acho que era interessante e
em maior número, mas apresentam oportuno que a oferta turística su-
áreas inferiores às zonas de caça mu- bisse e se aproximasse mais das
nicipal. Enquanto a média da área Raúl Fernandes mostra alimentadores para javalis na zona de caça de Grijó e Vilar do Monte outras figuras de ordenamento”,
de cada zona associativa se situa nos conclui Raul Fernandes.
se movimentam naquela área. Se eu treino aberto a toda a comunidade”,
2000 hectares, nas municipais o ter- exerço uma pressão forte e o vizinho enfatiza Raul Fernandes.
mo delimitado para cada zona ascen- do lado faz o mesmo, estamos a dizi- Raul Fernandes afirma que a re-
de aos 2500 hectares. Olhando para o mar um potencial que se pode manter gião tem um forte potencial cinegé- damente a aposta na recuperação de
ordenamento por concelho, Bragan- se o soubermos gerir”, explica Raul tico, que deve ser gerido de forma a habitats, no conhecimento das espé-
ça, Mogadouro e Macedo são os mu- Fernandes. contribuir para o desenvolvimento cies e na formação das pessoas que
nicípios com maior área ordenada. económico local. estão à frente das zonas de caça.
Considerando que as colectivida- Fazendo uma análise dos núme-
des do Nordeste Transmontano não
Distrito de Bragança à frente do “Nós temos um vasto território, a
única coisa que nós não temos é uma ros referentes ao ordenamento cine-
estão a fazer uma gestão adequada da distrito de Vila Real no que toca gético verificamos que a área ordena-
gestão eficaz dos nossos recursos”,
caça, o presidente da Federação das ao ordenamento cinegético lamenta o dirigente. da no distrito de Bragança é superior
Associações de Caçadores da 1ª Re- Para contrariar esta situação, à do distrito de Vila Real, tal como
gião Cinegética (FACIRC), Raul Fer- O responsável diz mesmo que, o responsável defende a criação de acontece com o número de zonas de
nandes, defende a aproximação de por mais que custe aos caçadores, é condições favoráveis à caça, nomea- caça. (ver quadro)
associações para desenvolverem um preferível parar de caçar uma deter-
trabalho conjunto. minada espécie para manter a sua
“Quanto maior é a zona de caça continuidade do que continuar até ao
mais fácil é a gestão. Por isso, temos ponto de já não haver solução. “Para
que deixar a nossa capelinha e come- termos caça no futuro é preciso fazer
çar a fazer aproximações, mantendo uma melhor gestão, que passará por
cada uma a sua identidade. Temos equilibrar a definição do número de
que saber gerir conjuntamente um caça para determinada espécie com
determinado espaço”, realça o res- aquilo que temos no terreno. Antes
ponsável. de abrirmos a caça devemos saber o
Na óptica do dirigente, é preciso que realmente temos e, se for caso
caminhar para os planos globais de disso, sabermos parar”, alerta o diri-
gestão das zonas de caça, sob pena de gente.
se comprometerem algumas espécies A abertura das colectividades
selvagens que povoam o Nordeste que gerem a caça no distrito é, por
Transmontano. isso, essencial para desenvolver o
“Nós estamos a trabalhar numa sector. “A maioria das associações
mesma população. Quando exploro estão muito fechadas em si mesmas.
os javalis na minha zona de caça, não Por exemplo, a Associação de Caça
estou a caçar só os que estão na mi- de Grijó e Vilar do Monte é um bom
nha zona, mas todos os animais que exemplo, pois temos um campo de

12 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


LUGARES

Vale de Asnes: história VOZES


Eugénia Pereira - 72 anos

entranhada na ruralidade
“Vale de Asnes já
foi vila e ainda temos
a casa onde funcionou
a cadeia… Também te-
mos a igreja, capelas…
TERESA BATISTA As pessoas trabalham
na agricultura. Antes,
iam à jeira para fora. Chegavam a
Freguesia do concelho de ir para Bragança. Agora vão para o
estrangeiro para as campanhas da
Mirandela foi vila e sede de maçã, do morango…”
concelho até ao início do
século XIX Maria Gonçalves - 62 anos
“O meu pai nas-
ceu na antiga cadeia
Longe vão os tempos em que Vale de Vale de Asnes.
de Asnes, no concelho de Mirandela, Uma vez foi à segada
era um centro de decisões. Hoje res- e começou a discutir
tam, apenas, vestígios do tempo em com outro homem.
que esta terra foi vila e sede de con- Então disse-lhe: ‘tu
celho. Numa visita à aldeia ainda é não te aproximes, que eu saí agora
possível visitar o tribunal, a cadeia, a da cadeia para vir para aqui e quan-
casa da guarda ou a forca onde eram do sair daqui volto para lá’. E o outro
condenados os criminosos, bem como ficou com medo”.
ouvir histórias dessa época, algumas
Igreja matriz secular ergue-se ao lado do antigo tribunal
já esvanecidas na memória das pes- Adérito dos Santos
soas com mais idade.
enaltecidas na letra do hino da fre- o medo, foram embora”, conta o pre-
- 78 anos
O património evidencia a impor-
“Sou natural de
tância desta freguesia em tempos guesia, que ainda não foi gravado (ver sidente da Junta.
Vale de Asnes. Ain-
longínquos. No entanto, o passar dos caixa). “O nosso objectivo é gravá-lo da estive 3 anos em
anos levou à alteração da traça ori- em CD, para que a nossa história fi- Vale fértil onde se estende a Espanha, mas voltei.
ginal de alguns marcos históricos. que registada”, salientou o autarca. aldeia é rico em espécies cine- Isto chegou a ser vila.
“Antes o pelourinho estava na praça, Entre as histórias que se vão con-
tando na aldeia, eis a lenda do capitão
géticas, que atraem caçadores As pessoas de outros
agora foi posto nas paredes da igreja, povos vinham aqui
que também é um monumento muito que, outrora, defendeu Vale de Asnes oriundos de toda a zona Norte tratar dos assuntos. Aqui era onde
antigo”, realçou o presidente da Jun- dos ataques protagonizados pela po- se tomavam as decisões. Tenho or-
ta de Freguesia de Vale de Asnes, Ma- pulação da aldeia vizinha de Bornes. Situada num vale fértil, a aldeia gulho por Vale de Asnes ter sido vila
nuel Ferreiro. “Quando nos vinham atacar, o ca- de Vale de Anes guarda história en- e concelho”.
Reza a história que por aqui te- pitão do exército estava aqui numa tranhada na ruralidade. A agricultu-
ra é, actualmente, a principal fonte
rão passado D. Sancho I e D. Manuel casa e foi quem defendeu a aldeia. Os
de rendimento dos cerca de 250 ha- Delfina Gonçalves - 74 anos
quando se deslocavam para Espanha, outros diziam, do Alto do Picoto, que “Nasci aqui e vivi
tendo concedido poder a Vale de As- matavam sete de cada vez e ele daqui bitantes que resistem na localidade.
sempre aqui. A minha
nes. dizia que sozinho matava sete. Dizem “Produz-se azeite, castanha, vinho…”,
mãe dizia que antes
As glórias desta terra são, ainda, que ainda matou um e os outros, com realça Manuel Ferreiro.
tínhamos guarda, ca-
A população jovem tem deixado deia e tribunal, mas já
Vale de Asnes para emigrar, mas no não é da minha lem-
regresso optam por se radicar nas
Hino à freguesia cidades. “Ainda vão recuperando
brança. Quando era
nova faziam-se aqui festas, vinham
algumas casas, mas a maioria dos pessoas exibir filmes às aldeias…
“A aldeia de Vale de Asnes tem história e tradições, já foi concelho nou- emigrantes prefere construir em Mi- Trabalhava-se muito, mas também
tros tempos, profetizada pelas gerações. Da praça o seu pelourinho, para randela ou em Macedo, porque têm havia alegria”.
que a gente o veja, é sempre orgulho do seu passado, foi mudado para lá melhores condições e trabalho”,
a igreja. Fontes de água pura, correndo sempre a brotar, matam a sede lamenta o autarca.
à nossa gente, que é quem a vem visitar. S. Pedro padroeiro, deste povo A caça é, igualmente, uma fonte afirma que ainda está a conhecer as
abençoado, tens a igreja e as capelas, onde és sempre venerado. Dois cru- de riqueza para a freguesia. “Temos necessidades da freguesia, mas realça
zeiros te distinguem, pela fé em si se encerram, ó gente nobre de Vale de uma associação, que é dinâmica, e a importância de construir um centro
Asnes, ó nobre gente desta terra. Ó terra tão produtiva, de trigo, azeite e temos recursos. Aqui ainda há bas- de convívio para os idosos. “A escola
cortiça, tens a castanha e o vinho e a verdejante hortaliça. Disse-te adeus tantes coelhos, perdizes, codornizes e primária fechou, a Câmara entregou
Vale de Asnes, disse-te adeus a chorar, ó terra amada da minha vida, com javalis”, realça Manuel Ferreiro. o edifício à Junta e agora vamos de-
saudades hei-de voltar”. No que toca a projectos, o autar- cidir o que fazer com o imóvel”, con-
ca, eleito a 11 de Outubro passado, cluiu Manuel Ferreiro.

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 13


NORDESTE RURAL

Azeite transmontano
Deste modo, a edição de 2010 do
Flos Olei atribuiu o prémio Cristina
Tiliacos a esta organização, destacan-
do o seu trabalho na promoção e di-

entre os melhores vulgação do sector olivícola.

Associação de Olivicultores
de Trás-os-Montes quer criar a
SANDRA CANTEIRO “João das Bar-
bas”, produzi- Denominação de Origem Prote-
do por Maria gida Douro
Eventos internacionais pre- Constança de
meiam produtos DOP Trás- Castro Doutel Com vista à comercialização de
de Andrade, azeite DOP Trás-os-Montes e Alto
os-Montes e Alto Douro de Cabanelas, Douro em grandes superfícies co-
no concelho de merciais, a AOTAD, em conjunto
De ano para ano, os azeites Deno- Mirandela, fi- com a Confederação de Agricultores
minação de Origem Protegida (DOP) cou entre os 20 Portugueses, promoveu a visita da
Trás-os-Montes e Alto Douro afir- melhores do Associação Portuguesa de Empresas
mam-se um pouco por todo o Mundo ano. de Distribuição à região. Os represen-
como produtos de excelência e qua- No leque tantes de grandes superfícies tiveram
lidade inigualáveis. Prova disso são dos oito azei- oportunidade de, ao longo de dois
as distinções e galardões alcançados tes DOP Trás- dias, conhecerem as qualidades dos
em eventos e iniciativas nacionais e Azeite de Trás-os-Montes é reconhecido em todo o mundo os-Montes azeites transmontanos, bem como
internacionais. referenciados respectivo potencial produtivo.
Prova disso é que, na edição do Olivicultores de Valpaços, “Porca de na edição deste ano, o Romeu da A AOTAD pretende, ainda, fo-
passado mês de Outubro da revis- Murça”, da Cooperativa Agrícola dos Sociedade Clemente Meneres foi ga- mentar a criação de Denominação de
ta Escanção (Sommelier), os azeites Agricultores de Murça, “CARM Pre- lardoado com o prémio “Azienda del Origem Protegida Douro, de forma a
“Acushla da Tetribérica”, “Cobranço- mium” e “Azcoa”. Cuore”, num universo de 19 rótulos a alargar a fileira regional e incentivar
sa” e “Rosmaninho”, da Cooperativa Recorde-se que esta avaliação foi nível nacional. a adesão a regimes de qualidade cer-
de Olivicultores de Valpaços, foram efectuada por um painel de seis pro- Mas se os azeites DOP Trás-os- tificada.
os únicos a fazer parte da categoria vadores que analisou 40 mostras de Montes estão entre os melhores de Contudo, e apesar de lutar pela
Excepcional/Extraordinária. azeite. todo o mundo, a Associação de Oli- promoção do sector olivícola, esta
Já com a classificação de Exce- A qualidade deste óleo de oliva vicultores de Trás-os-Montes e Alto estrutura depara-se com dificuldades
lente, a revista distinguiu os produ- DOP foi, também, destacada na edi- Douro (AOTAD) também tem sido financeiras, que prejudicam a con-
tos “Madural”, da Cooperativa de ção de 2010 do Flos Olei, em que o distinguida a nível internacional. cretização de projectos.

14 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


Tierra, Giente i Lhéngua

cousa.

A la cumbersa cun… FM – Sabemos que scolhiste l mi-


randés cumo oubjeto de ls tous studos

Alberto Gomez Bautista,


académicos na Ounibersidade Cum-
plutense de Madriç. Porquei?
AGB - You sou natural dua tierra cha-
mada L Bierzo adonde, para alhá de cas-

studioso de la lhéngua mirandesa. telhano, se fala tamien galhego i lhionés.


Isto tubo dues cunsequéncias, la prumeira
ye que sou mais atento a la porblemática
Fuolha Mirandesa (FM) – Cumo de la lhénguas minoritairas, la segunda
chegueste al coincimiento de la lhéngua ye que, al benir a bibir para Pertual, por
mirandesa? Cumo la tenes studado? rezones porfessionales, purmeiro Coim-
Alberto G. Bautista (AGB) - La pur- bra, apuis l Puorto, i por fin Lisboua, an-
meira beç qu’oubi falar na lhéngua mi- tressei-me mais por esta lhéngua. Fui an
randesa fui an la Ounibersidade de Sala- Lisboua qu’antrei an cuntato cun alguns
manca quando anda alhá andube a studar, mirandeses grácias als cursos dados pul
ne l curso de Filologie Pertuesa, an fins porsor Amadeu Ferreira.
de ls anhos 90 de l seclo atrasado. Uns Nesses cursos daprendi muita cousa,
anhos apuis tube l’ouportunidade d’oubir mas anque seia muito l sfuorço que stá
ua palhestra subre la lhéngua mirandesa a ser feito, dei-me de cuonta de que hai
dezida por Reis Quarteu, que çpertou l muito por studar. Hai ls trabalhos de José
miu antresse por este eidioma. Ampecei a Leite de Vasconcelos, António Mourinho
studá-lo de maneira anformal, atrabés de i muitos outros mais acerca de nós, mas
la lhiteratura, I solo apuis bieno l studo inda muita cousa puode ser feita i decidi
formal, ne ls cursos de la Associaçon de arrimar l ombro un cachico.
la Lhéngua Mirandesa, an Lisboua, adon- Assi quando, hai 6 anhos, ampecei ls
de conheci outras pessonas que falaban la cursos de doutoramiento an la Ouniber-
lhéngua i cun eilhas que daprendi muita
>>
Este rapaç, de 32 anhos, nacido an prestígio i la dan a coincer a nuobas gien-
Ponferrada, na quemunidade outonómica tes i an outros países. I assi, als poucos,
de Castielha-lhion, na region de L Bércio, se bai custruindo ua rede an que assenta l
zde hai muitos anhos que ten benido a coincimiento de la lhéngua i bai crecendo
acumpanhar la lhéngua mirandesa, a stu- l númaro de ls sous amigos, de ls que le
dá-la assi cumo a la region de Miranda, quieren bien i son curjidosos an relaçon
sendo hoije coincido por muitos mirande- a eilha. Ye amportante pa ls mirandeses
ses cumo un de ls sous. Apuis de ls sous tener cuncéncia de todo esto, coincer
studos na Ounibersidade de Salamanca, cada beç melhor la grande riqueza de la
bieno para Pertual i ten andado por Lis- sue lhéngua i de la sue cultura, cumo todo
boua cumo porsor de castelhano de l Ans- esto dében de ser upas para la lhebar pa-
tituto Cerbantes, anque seia formado an lantre i nun deixar que se muorra ou que
pertués, lhéngua que bien fala i scribe. perda fuorça.
De ls studos que ten benido a fazer i de ls Cumo se puode ber, son yá bários ls
cuntato culs mirandeses, Alberto Bautista studos de Alberto Bautista subre la lhén-
fala hoije bien l mirandés i scribe-lo sien gua i la lhiteratura mirandesas. Nun se
deficuldade, partecipando até an blogues conhece ou conhece-se mal l que nun se
mirandeses, sendo un de ls alunos de ls studa i muito hai inda por studar na lhén-
cursos de mirandés pormobidos an Lis- gua mirandesa, anque muito camino yá se
boua pula Associaçon de Lhéngua Miran- haba andado.
desa. Eiqui queda mais este teçtemunho,
Trabalhos cumo ls que Alberto Bau- que sirba de ancentibo a todos ls miran-
tista stá a fazer son eissenciales pa la deses i tamien de eisemplo a mjuitos per-
lhéngua mirandesa, nun solo porque la tueses quanto a esta que ye ua lhéngua de
dan a coincer melhor anquanto lhéngua, Pertual.
mas tamien porque le ouméntan l sou Amadeu Ferreira

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 15


LA FUOLHA MIRANDESA

>> sós un conhecedor i studioso de las cha-


madas lhénguas minoritairas?
sidade Complutense de Madriç, scolhi
AGB - You sou un outimista çcun-
studar la lhéngua mirandesa. La scuolha
fiado. La situaçon ye defícile, ls zafios
tubo a ber cula tradiçon que l departamen-
son einormes i difíceles. Mas sou outi-
to de Filologie Románica ten tenido ne l
mista puis acho que ls mirandeses yá se
studo de las bariadades sturo-lhionesas,
dórun de cuonta hai algun tiempo de la
grupo lhenguístico a que la lhéngua mi-
riqueza que ténen, de l balor cultural i até
randesa pertence i pula recetebidade i an-
eiquenómico que la lhéngua mirandesa
tresse que la mie perpuosta de studo tube
puode benir a tener. Cuido que l feito de
antre ls porsores, an particular la porsora
ser recoincido cumo lhéngua oufecial foi
Cármen Mejía que ye la diretora de la mie
buono, até porque nisto Pertual ten sido,
tese i fui tamien quien ourientou la tese de
an mie oupenion, un país eisemplar. Mas
mestrado.
cuido que falta mais ampeinho por parte
del Stado i de la Cámara Munecipal nua
FM – Yá apersente bários traba-
apuosta séria ne l ansino i dibulgaçon de
lhos subre la lhiteratura i outros temas
la lhéngua mirandesa.
mirandeses. Fala-mos deilhes.
AGB - Ye berdade, yá fui publicado
FM – Quales te parece que dében
an la rebista Babilónia, de la ULHT, un
de ser las percipales medidas a tomar
estudo antitulado Francisco Niebro, un
para defénsia i salbaguarda de l miran-
poeta mirandés, adonde se zambuolbe un
dés?
studo subre l poemairo Cula Torna Am- te-mos fazer melhor l diagnóstico de la aperfundado an studos académicos?
AGB - Faborecer l ansino i mesmo
puosta Quienquiera Ara / Em cama feita situaçon i actuar an cunsequéncia. Se ua AGB - Purmeiro pul strourdinario
oumentar la carga letiva de mirandés. Me-
qualquer um se ajeita de l poeta que am- lhéngua nun arranja recursos pa ls defren- antresse que ten para la lhenguistica an
lhorar la eimaige i dar-le mais prestígio a
baixo l pseudónimo de Francisco Niebro tes usos i funciones queda para atrás, ye giral, i para a lhenguísitica eibero-romá-
la lhéngua. Serie buono que eisistisse al-
ten yá bários lhibricos de poesie salidos. arrepassada por outras que si ls ténen. nica an particular. La stória de la lhéngua
gue anstituçon pública que pormobisse l
Tamien çtacarie ua trabalho que foi aper- mirandesa ten uas caratelísticas únicas
sou studo, ansino i dibulgaçon. Mas muita
sentado an Madriç andrento ua série de FM – Agora stás a acabar la tese de que nos puoden ajudar a antender melhor
coisa puode ser feita (i algo yá stá a ser
palhestras sobre lhiteratura de biaijes an doutoramiento. De quei trata? las outras lhénguas bezinas. Ademais se
feito) zde yá, seia ancentibar la escrita seia
la que se falaba de l mirandés na lhitera- AGB - Ye una cuntinuaçon i ua am- quejirmos perserbar un património, neste
la criaçon an lhéngua mirandesa (atrabeç
tura de biaiges, trabalho que an sue ourige pliaçon de la tese de mestrado, cun l causo lhenguístico i cultural, l purmeiro
de cuncursos lhiterários, etc.) zambol-
fui feito para ua de las cadeiras de ls cur- acrescento de a modo un resume de l sta- que tenemos que fazer ye coincé-lo mui
ber ua rede de beluntariado lhenguístico
sos de mestrado mas que çpertou algun do de ls studos subre la lhéngua feito a bien, senó nun hai heipótese de fazermos
ou splorar l potencial eiquenómico de la
antresse i por isso l cunbite pra l apersen- pensar ne ls lheitores an lhéngua castelha- nada de jeito.
lhéngua, antre outras muitas cousas.
tar nesse ciclo de palhestras an Maio de na que poderien tener algues deficuldades
2004. Para alhá disto tengo partecipado an chegar a la bibliografie an pertues i an FM – Qual ye la tue oupenion su-
Anterbista feita por
an ancuontros i dado alguas palhestras su- mirandés, mas que puoden star antressa- bre la situacion de l mirandés, tu que
Amadeu Ferreira
bre la lhéngua i la lhiteratura mirandesas. dos an saber mais sobre esta lhéngua.

FM – Tamien la tue tese de mestra- FM – Que percipales deficuldades


do (tesina) trata de l mirandés, ne l que tenes sentido?
ten a ber cula formaçon de palabras. AGB - Para alhá de algues ancom-
Fala-mos desse trabalho. prensions nalguas pessonas menos an-
AGB - Scolhi l tema de la formaçon formadas, solo la falta de trabalhos nesta
de palabras porque ye, an mie oupenion, área, puis ye ua ária birge, cumo quaije
ua ária eissencial pa l zmbolbimiento dua todo l que diç respeito als studos subre
lhéngua minoritaira, cumo ye l causo de la lhéngua mirandesa, anque haba cunta-
la lhéngua mirandesa. Studar este aspeto das eiceçones. Mas por outro lhado tengo
ye algo aparecido a tomá-le l pulso a un sentido muito l apoio i la simpatie de ls
malo, ajuda-mos a fazermos un diagnósti- mirandeses i de ls pertueses an giral. Cui-
co de l que se stá a passar. Dezido doutra do que ber a un strangeiro antressá-se por
maneira, se l mirandés stá a criar nuobas ua lhéngua marginada durante seclos faç
palabras, quier dezir que stá a purpará-se cun que ampécen a achar que se calha afi-
para ls zafios i pa las nuobas funçones que nal l mirandés ten algun balor, para alhá
la oufecializaçon i l atual zmbolbimiento de l folclórico.
lhançou. Ouserbar a que lhénguas bai a
saber de ls ampréstimos, ou quales son ls FM – Porque cuidas que ye ampor-
prefixos ou sufixos mais ousados premi- tante l mirandés ser tratado de modo

16 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


OPINIÃO

não é novo, mas esta troca de papéis faz-


VENDAVAIS me desconfiar de alguma coisa, até por-
que com esta crise e com o desemprego

Afinal, procuramos o quê?


que temos, não é fácil equacionar certas
atitudes. Enfim!
No meio desta confusão toda, onde
ninguém parece entender-se, temos a re-
partido em tal tarefa. o governo. Não sai de uma para se meter alidade da gripe que parece continuar a
Luís Ferreira
E falando do PSD, Passos Coelho noutra! Qualquer um se irritaria! É um existir e a matar. Lutar? Não lutar? Pre-
vem desafiar novamente Marcelo para ir facto que a vida do governo não está nada venir? Ainda não percebi bem se esta luta
É difícil saber o que se passa nes- a votos, concorrendo à liderança do par- fácil! Quando surge alguma coisa que está a encher os bolsos de alguém ou se é
te momento, quer em Portugal, quer no tido. Ora se o Marcelo já disse que não perspective um ponto a favor do primei- mesmo pertinente e anormal. O melhor é
mundo inteiro. Não sei mesmo se sabe- ia a jogo, a não ser que estivessem todos ro-ministro, logo alguém se lembra de estar atento, pois nunca se sabe!
remos entender as razões de muitas das do seu lado (!), o que quer agora o Passos atear uma fogueira. É verdade. Quando Saber, sabe o Obama, que quer en-
coisas que acontecem quase em catadupa Coelho? Daqui não sai coelho de certeza! Sócrates anunciou que iria por em práti- viar mais uns milhares de soldados para
e que nos baralham as ideias constante- Um coelho, sempre saiu da cartola ca um programa de emprego nas autar- o Afeganistão. Também não sei se aquilo
mente. do primeiro-ministro ao anunciar o au- quias para jovens licenciados, dando em- se tornará um novo Vietnam, ou não. Ele
Quando pensamos que temos coi- mento do salário mínimo nacional. Não pregos a milhares deles, imediatamente também não, certamente.
sas dignas de algum mérito ou algo que é muito, mas grão a grão… Os impostos se levantaram vozes tentando saber as Bem, até parece que tudo por aqui é
nos pode orgulhar, logo nos desiludimos parece que não vão subir, mas num rasgo intenções de tal atitude. Será que é para mesmo mau, mas não. Afinal de contas
nos dias subsequentes. Quando surgiu o de premonição, Sócrates sempre foi per- amenizar os descontentes? Será que o tivemos a cerimónia da entrada do nosso
Magalhães todos se levantaram a criti- guntando se alguém consegue dizer que objectivo é travar manifestações contra Tratado de Lisboa, ali para as bandas da
car tal facto, mas logo depois vieram di- em 2010 não é preciso subir impostos. a política de emprego? O que ocultará linha de Cascais! Uma honra, é verdade.
zer que era bom para as crianças e que Afinal, sobem ou não? É que 2010 está à estas intenções? Questões que muitos le- Sempre são coisas que nos enchem o ego!
o governo iria dar uns quantos milhares porta! vantaram e que não são propícias a um Pena foi que não tivéssemos tido cá a pre-
de computadores para as escolas. “Ai que A verdade é que não se entende nada governo salutar. Tudo isto tem que irritar sença de Hugo Chavez, pois era capaz de
bom” disseram muitos. Alguns dias após de coisa nenhuma. Tudo está envolto em quem governa, como é óbvio! ter acontecido uma manifestação e peras!
já não era tão bom e ergueram-se vozes confusão e em segredo. A confirmar isto, Portugal de facto, não está nada bem! Bem, nós sabemos que teve medo do pre-
contra tudo e contra todos, algumas com parece que Manuel Godinho pagou duas Recentemente até se concluiu que as prin- sidente da Colômbia e… antes prevenir
bastantes razões, diga-se de passagem. vezes 10.000 euros. Então será que Ar- cipais pontes estão em muito mau estado que remediar! Desta safou-se!
Uns receberam, outros não. Foi uma con- mando Vara recebeu duas vezes dez mil? e a precisar de uma intervenção urgente, E por falar em coisas boas, temos
fusão e ainda cresceu mais quando o tal Quando será que nos dizem o que se pas- antes que aconteça mais uma desgraça agora aí outra cimeira importante. É ur-
Magalhães serviu de embaixador de Por- sa? Quem é que está inocente, afinal? como a de Entre-os-rios. Atenção, que as gente salvar o planeta! De facto, temos
tugal na Venezuela. Que coisa triste! Mas A verdade é que o governo anda mes- pontes são necessárias para passar para a de prevenir o aquecimento global, pois
quando todos já se tinham esquecido mo aborrecido com tudo o que está a outra margem! qualquer dia o planeta dá um estouro e
destes factos, surge a intenção de impor acontecer e até tem razões para isso. Go- Para a outra margem querem passar acaba-se tudo! Mas nem aqui, as pessoas
um inquérito ao tal Magalhães. E agora? vernar assim é impossível! Pelo menos a algumas mulheres que, segundo notícias, se entendem! Que diabo de coisa. Para
O que irá daqui sair? Não sei se o PSD maioria parlamentar ganhou o combate pagam para ter sexo. Procuram o quê? quando esse entendimento? Realmente,
terá algum trunfo na manga, mas sempre contra a corrupção! Ainda bem, mas a lei Prazer ou querem esquecer o que está andamos à procura de quê? Sinceramen-
será interessante saber o que move este que Cavaco promulgou acabou por irritar mal, nos braços de um manganão? Isto te!

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 17


CULTURA

Chuva atrapalhou AGENDA CULTURAL


BRAGANÇA
Cinema
Forum Theatrum

desfile da Mascararte
2012
Até dia 9 de Dezembro, Sala 1
Circo dos Horrores: Assistente do Vampiro
Até dia 9 de Dezembro, Sala 2
Step Up 2: The Streets / 2012
Até dia 9 de Dezembro, Sala 3
TERESA BATISTA / SANDRA CANTEIRO Música
Teatro Municipal
Paco Diez: La Bazanca (quinteto)
Mau tempo levou grupo de Dia 11 de Dezembro, às 21h30
Dança
50 crianças da Escola Emí- Teatro Municipal
O Lago dos Cisnes
dio Garcia a cancelar parti- Dia 12 de Dezembro, às 21h30
Exposição
cipação no evento Auditório Paulo Quintela
Mascararte - 4o Bienal da Máscara
A chuva que caiu ao final da tarde De 3 a 11 de Dezembro
Casa da Seda
de quarta-feira levou à desistência de Exposição de Árvores de Natal
alguns participantes do Desfile Inter- Dia 8 de Dezembro
nacional de Mascarados, inserido no Museu Ibérico da Máscara e do Traje
Máscaras de Espanha
programa da Mascararte. Dia 8 de Dezembro
As 50 crianças da Escola Emídio Diversos
Garcia, que já tinham preparado a Praça Cavaleiro Ferreira
performance para o evento, acaba- Mascararte - 4o Bienal da Máscara
Feira de Artesanato
ram por adiar a exibição, devido ao De 4 a 11 de Dezembro
Caretos animaram desfile
mau tempo. Queima dos Mascaretos
Dia 11 de Dezembro
ta-feira. “É um local a pensar nas pes- Auditório da Casa da Seda
soas que vêm a Bragança nestes dias, Casulo das Histórias
já que fica num ponto mais central e Dia 12 de Dezembro, às 15h00
Auditório Paulo Quintela
de passagem”, explicou a vereadora Festa de Natal dos Idosos
da Cultura da Câmara Municipal de Dia 15 de Dezembro
Bragança, Fátima Fernandes.
Basta, assim, entrar na tenda que FREIXO DE ESPADA À CINTA
acolhe o evento para ver de perto a Cinema
Auditório Municipal
quantidade de máscaras de diversos As minhas adoráveis ex-namoradas
tamanhos, formatos e feitios ou peças Dia 11 de Dezembro, às 21h00
minuciosa e pacientemente trabalha- Teatro
Auditório Municipal
das por artesãos que marcam, cada
Teatro de Robertos Palhaços
vez mais, presença nesta iniciativa. Dia 9 de Dezembro, às 10h00
“A Feira da Máscara cresceu nas Exposição
suas características, bem como no Auditório Municipal
O Silêncio das Cegonhas
número de participantes, já que há
De 2 a 30 de Dezembro
Certame reúne artesãos do distrito mais jovens a iniciarem-se nesta arte O Pai natal da Geração XXI
e no fabrico de máscaras”, acrescen- Dia 14 de Dezembro, às 14h30
“ Os miúdos acabaram por não Praça Cavaleiro Ferreira acolhe tou a autarca.
O espaço que serve, também, de MACEDO DE CAVALEIROS
vir, com receio de ficarem doentes. A
Feira da Máscara palco a um variado leque de confe- Diversos
performance deles será exibida nou- Centro Cultural
tra altura, provavelmente no dia da Integrada na Mascararte, é possí- rências, subordinado à temática dos Espectáculo de Magia
queima dos Mascaretos”, afirmou a vel conhecer os trabalhos de nove ar- mascarados ibéricos, à apresentação Dia 12 de Dezembro, às 15h30
vereadora da Cultura da Câmara Mu- tesãos da região na Feira da Máscara, de obras e publicações, bem como a
espectáculos musicais, com artistas VIMIOSO
nicipal de Bragança, Fátima Fernan- instalada, pela primeira vez, na Praça
Cinema
des. Cavaleiro Ferreira, até à próxima sex- tradicionais de Portugal e Espanha. Casa da Cultura
Apesar do S. Pedro não ter ajuda- Push - Os Poderosos
do, os mascarados espalharam ener- Dias 12 e 13 de Dezembro, às 21h30

gia e muita animação pelas ruas da Exposição


Galerias de Exposição da Casa da Cultura
cidade. Exposição de peças em vidro “Cor de Luz”
A cor dos fatos e o som dos De 29 de Novembro a 11 de Janeiro
chocalhos não passou despercebido
aos transeuntes, que iam interagin- TORRE DE MONCORVO
do com os mascarados irreveren- Cinema
Cine-Teatro
tes. As minhas adoráveis ex-namoradas
No desfile participaram a Escola Dia 17 de Dezembro, às 21h30
Max e Companhia
Superior de Educação de Bragança,
Dia 18 de Dezembro, às 21h30
os grupos de mascarados da região,
nomeadamente de Salsas, Podence, VILA REAL
Ousilhão e Vila Boa, e uma delegação Exposições
de Zamora com a “Vaca Antrueja de Teatro de Vila Real - Sala de Exposições
Colecção de Arte do Teatro de Vila Real
Pereruela”. De 6 de Novembro a 31 de Dezembro
“A criatividade do desfile está Museu do Som e da Imagem
relacionada com os mascaretos das Vila Real vista do Céu:
Oito décadas de fotografia aérea
escolas, em que são os alunos a criar
De 7 de Novembro a 31 de Dezembro
a sua própria fantasia. Além disso, Dança
também criam todo o ritual à volta Teatro de Vila Real - Grande Auditório
dessa personagem”, remata Fátima O Lago dos Cisnes
Dia 11 de Dezembro, às 22h00
Fernandes. Exposição de Balbina Mendes marcou abertura da Mascararte

18 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


III Divisão Série B 1 MONCORVO
SERZEDELO 0
Complexo Desportivo Eng.º José Aires

Mau tempo dificultou


golo foram escassas, embora em Moncorvo
o Moncorvo continuasse a Árbitro – Pedro Meireles (AF Porto)
manter a sua superioridade EQUIPAS
e com maior percentagem de Vítor Bruno Paulo Jorge

a vida aos atletas


posse de bola. Nos segundos Pedro Borges Zé Pedro
45 minutos, o Serzedelo não Fernando (Klysman 71´´)
soube aproveitar o facto de (Joca 90´´+4´´) Bruno Sousa
estar a favor do vento, teve Glauber Feliz
Vítor Aleixo dificuldades em rematar à Zé Borges Maurício
Paulo Dores David
baliza de Vítor Bruno, à ex-
Filipe Mesquita Peixe
O vento e a chuva for- cepção do remate de Chegue- André Pinto Nera
tes que se fizeram sentir em rov, a meio da segunda parte. (Leandro 74´´) André Ká
Moncorvo foram uma condi- Marco Alves ainda mexeu na Elísio Pedro Mendes
cionante para o decorrer do equipa, mas as substituições Jaime (Cheguerov 66´´)
jogo, pois o vento não dei- operadas pelo técnico nada Baba
xava o esférico circular com de novo trouxeram ao Serze- (Rafa 84´´)
normalidade. O minuto oito delo, que teve muitas dificul- TREINADORES
foi mágico para Fernando, o dades, perante um Moncorvo Sílvio Carvalho Marco Alves
atleta moncorvense aproveita que soube defender o resul-
um pontapé de canto aponta- tado, tendo mérito na vitória Golos: Fernando 8´´.
do por Filipe Mesquita e faz o conquistada. Bom trabalho Disciplina: Amarelos – Glauber 36´´;
golo que viria a dar o triunfo da equipa de arbitragem, que Pedro Mendes 38´´; Nera 80´´; Vítor Bruno
89´´ e Filipe Mesquita 90´´+4´´; Vermelho
aos homens de Sílvio Carva- viajou do Porto, que teve o
Directo – Cheguerov 90´´.
lho. Depois do golo, ambas jogo controlado, realizando
as equipas não arriscaram uma exibição bastante posi-
Minuto 8 foi mágico para o Moncorvo muito e as oportunidades de tiva.

Distrital Iniciados 1 MONCORVO


VILA FLOR 3
Campo de Jogos Dr. Camilo José

Ainda não foi desta


Sobrinho em Moncorvo
Árbitro – Luís Santiago (AF Bragança)

EQUIPAS
Angelino Alexandre
v.a. ter a mão na bola, ficando por Zé Manuel Peixe
marcar uma grande penalida- (Paulo 42´´) Edgar
Ainda não foi desta que o de. Pedro Pinto (Vítor 62´´)
No segundo tempo e com João Trigo Gabriel
Moncorvo averbou o primei-
Rui Monteiro Pedro
ro triunfo do campeonato. A o empate a um golo, o Vila
(Tiago 39´´) Mário
turma da capital do ferro até Flor chega à vantagem no Marco Santos
começou bem, com um golo jogo, através de uma grande Pedro Andrade Fernando
apontado, logo nos primeiros penalidade, que motivou a Mário David
instantes do jogo. Ainda dis- expulsão do jogador moncor- Samuel João Paulo
pôs de mais oportunidades vense. Insistia a formação da (Areosa 54´´) Roberto
casa, mas com menos um ele- Alexandre
para ampliar a contenda, mas
(Miguel 35´´)
nem a trave, nem o guardião mento ficou mais complicada
Cláudio
Alexandre deixaram que o 1- a tarefa dos atletas da casa. E TREINADORES
0 se alterasse. Como a polé- como quem não marca arris-
Moncorvenses com dificuldades no arranque Tomás Dias
mica faz parte do mundo do ca-se a sofrer, foi o Vila Flor
futebol, reclamou-se penalty já em período de descontos a Fernando. te o jogo, ficando por marcar Golos: Pedro Andrade 1´´; João Paulo 21´´
no campo moncorvense, com fechar as contas do jogo com A equipa de arbitragem uma grande penalidade e al- e 56´´ e Fernando 70´´+2´´.
um defesa do Vila Flor a me- o terceiro golo, apontado por cometeu alguns erros duran- guns cartões por mostrar. Disciplina: Amarelos – João Trigo 58´´;
Vermelho Directo – Pedro Pinto 56´´.

1 14 17 37 44 48 25

18 19 25 30 44 1 3

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 19


NORDESTE DESPORTIVO

AF Bragança
CLASSIFICAÇÕES

Liga Sagres
12ª. Jornada
Liga Vitalis
12ª. Jornada
III Divisão Série A AFB 0 SENDIM
REBORDELO 2
9ª Jornada 7ª Jornada Campo Valentim Guerra, em Sendim
Classificação Classificação Classificação Classificação Árbitro – Nelson Ramos (AF Bragança)

Clubes P J Clubes P J Clubes P J


EQUIPAS
Clubes P J
1 Maria da Fonte 20 9 1 Argozelo 19 7
1 Sp. Braga 29 12 1 Feirense 21 12
2 Montalegre 19 9 2 Rebordelo 18 7
Luís Nelo
2 Benfica 29 12 2 Santa Clara 21 12
3 Portimonense 19 12
3 Mirandela 17 9 3 FC Vinhais 16 7 Rui Neca
3 FC Porto 26 12 4 Macedo de Cavaleiros 16 9 4 Vila Flor 16 7
4 Marítimo 19 12 4 Trofense 18 12
5 Bragança 15 9 5 Mirandês 14 7 Alves Nuno
5 Nacional 18 11 5 Desp. Aves 17 12
6 Beira-Mar 17 11
6 Limianos 13 9 6 Alfandeguense 12 7 David Nuno II
6 Rio Ave 16 12 7 Valenciano 11 9 7 Talhas 11 7
7 Sporting 15 11 7 Fátima 16 11
8 Marinhas 10 9 8 Mogadourense 11 7 António João
8 U. Leiria 14 11 8 Estoril Praia 16 12
9 Naval 14 12 9 Gil Vicente 15 11
9 Amares 10 9 9 Sendim 9 7 Moisés Bispo
10 Fão 8 9 10 Carção 6 7
10 V. Guimarães 13 12 10 Oliveirense 15 11
11 Santa Maria FC 7 9 11 Vimioso 4 7 Paulo Luby
11 P. Ferreira 11 12 11 Chaves 14 12
12 Belenenses 10 12 12 Sp. Covilhã 14 12
12 Morais FC 7 9 12 GD Poiares 3 7 Hélio Peseta
13 CCR Lamas 1 7
13 Académica 10 12 13 Penafiel 12 12
14 GD Milhão 0 7 Alex Marcos
14 Leixões 10 12 14 Varzim
15 Freamunde
12
10
12
12
Resultados Paulo Zé Márcio
15 Olhanense
16 V. Setúbal
8
8
12
11 16 Carregado 10 12
Bragança  1-0  Santa Maria FC
Resultados Filipe Miguel
Resultados Resultados Morais FC  3-2  Fão
Limianos  0-1  Maria da Fonte
Mogadourense  1-1  Carção Ivo Ludovic
V. Guimarães  1-4  FC Porto Oliveirense  ADI  Fátima Valenciano  0-2  Amares
Talhas  9-0  GD Milhão Toninho Melão
Sendim  0-2  Rebordelo
V. Setúbal  07/12  Sporting Chaves  1-1  Trofense Marinhas  1-2  Macedo de Cavaleiros Filipe Cláudio
Vimioso  1-2  Mirandês
Benfica  4-0  Académica Beira-Mar  08/12  Gil Vicente Montalegre  2-1  Mirandela
GD Poiares  0-4  Vila Flor
U. Leiria  07/12  Nacional Portimonense  1-1  Desp. Aves
CCR Lamas  1-3  Alfandeguense
Leixões  1-1  Sp. Braga Feirense  3-2  Sp. Covilhã TREINADORES
Naval  1-0  P. Ferreira Freamunde  1-2  Santa Clara Próxima Jornada FC Vinhais  0-3  Argozelo
Marítimo  5-2  Olhanense Varzim  1-1  Carregado
Próxima Jornada F. Pires Jorginho
Rio Ave  0-0  Belenenses Estoril Praia  0-0  Penafiel Montalegre  13/12  Santa Maria FC
Fão  13/12  Bragança
Próxima Jornada Próxima Jornada Maria da Fonte  13/12  Morais FC
Carção  13/12  Talhas
GD Milhão  13/12  Sendim
Golos: Márcio 56”, Ludovic 82”
Penafiel  13/12  Beira-Mar Amares  13/12  Limianos
Sp. Braga  13/12  Naval Rebordelo  13/12  Vimioso
Carregado  13/12  Chaves Macedo de Cavaleiros  13/12  Valenciano
Académica  13/12  Leixões Mirandês  13/12  GD Poiares

Revolta
Portimonense  13/12  Feirense Mirandela  13/12  Marinhas
Sporting  13/12  U. Leiria Vila Flor  13/12  FC Vinhais
Olhanense  13/12  Benfica Santa Clara  13/12  Trofense Alfandeguense  13/12  Mogadourense
FC Porto  13/12  V. Setúbal Fátima  13/12  Varzim Argozelo  13/12  CCR Lamas
Belenenses  13/12  V. Guimarães Desp. Aves  13/12  Estoril Praia

no Planalto
Marítimo  13/12  Rio Ave Sp. Covilhã  13/12  Oliveirense
P. Ferreira  13/12  Nacional Gil Vicente  13/12  Freamunde

Nacional Juniores C Nacional Juniores A


III Divisão Série B Nacional Juniores B 13ª. Jornada 13ª Jornada
9ª. Jornada 12ª. Jornada Classificação Classificação
Classificação Classificação Clubes
1 V. Guimarães
P
37
J
13
Clubes P J
1 Freamunde 32 13
Clubes P J Clubes P J 2 Sp. Braga 29 13 2 Fafe 23 13
1 Vila Meã 21 9 1 Padroense 27 12 3 Varzim 26 13 3 Trofense 23 13
2 Fafe 17 9 2 Varzim 27 12 4 Bragança 26 13 4 Famalicão 22 13
3 AD Oliveirense 16 9 3 V. Guimarães 25 12 5 Vizela 24 13 5 Moreirense 21 13
4 Amarante 14 9 4 Freamunde 21 11 6 Gil Vicente 20 13 6 Diogo Cão 20 13
5 Torre Moncorvo 13 9 5 Sp. Braga 20 12 7 AD Barroselas 20 13 7 Limianos 16 13
6 Leça 12 9 6 Diogo Cão 19 12 8 Famalicão 13 13 8 Chaves 16 13
7 Famalicão 12 9 7 Rio Ave 19 12 9 Marinhas 11 13 9 Bragança 15 13 Sendim critica trio de arbitragem
8 Joane 11 9 8 Vizela 16 12 10 Chaves 8 12 10 Vizela 14 13
9 Fafe 13 12 11 Ribeirão 7 13
9 Serzedelo
10 Rebordosa
10
9
9
9 10 Régua 11 11 12 ARC Paçô 0 12
11 Caç. Taipas
12 Valdevez
13
0
13
13
Um jogo com terreno im-
11 Infesta 5 9 11 Limianos
12 GD Cachão
5
0
12
12
próprio para o futebol, pois já
12 Pedrouços 3 9
Resultados Resultados se conhecem as limitações de
Resultados Resultados drenagem do campo Valentim
Vizela  1-0  Ribeirão
Joane  1-1  Amarante Fafe  3-0  Caç. Taipas
Fafe  1-0  Rebordosa Régua  0-9  Padroense Sp. Braga  6-0  Marinhas
Freamunde  1-0  Bragança Guerra. Numa quase lagoa lá
Rio Ave  1-2  Diogo Cão Bragança  2-1  Famalicão
Torre Moncorvo  1-0  Serzedelo
V. Guimarães  3-0  Freamunde V. Guimarães  3-0  Gil Vicente
Trofense  1-1  Vizela
Diogo Cão  1-0  Moreirense
se foi jogando com muitos ca-
Vila Meã  2-1  Famalicão
Pedrouços  1-2  Leça Fafe  4-2  GD Cachão ARC Paçô  ADI  Chaves
AD Barroselas  0-0  Varzim
Valdevez  2-7  Limianos sos à mistura, que o Sendim
AD Oliveirense  2-1  Infesta Vizela  5-1  Sp. Braga Chaves  2-0  Famalicão
Varzim  9-0  Limianos apontou ao juiz do encontro.
Próxima Jornada Próxima Jornada Próxima Jornada Na verdade houve lances que
Amarante  13/12  AD Oliveirense Limianos  3-0  Régua Marinhas  13/12  Ribeirão Próxima Jornada colocaram dúvidas, que acaba-
Infesta  13/12  Pedrouços Padroense  13/12  Rio Ave
Serzedelo  13/12  Vila Meã Diogo Cão  13/12  V. Guimarães
Famalicão  13/12  Sp. Braga ram por dar ao presidente do
Gil Vicente  12/12  Bragança Bragança  12/12  Caç. Taipas
Joane  13/12  Famalicão Freamunde  13/12  Fafe Chaves  13/12  V. Guimarães Vizela  12/12  Freamunde clube fortes razões para parti-
Rebordosa  13/12  Torre Moncorvo GD Cachão  13/12  Vizela Varzim  13/12  ARC Paçô Moreirense  12/12  Trofense
Leça  13/12  Fafe Sp. Braga  13/12  Varzim AD Barroselas  13/12  Vizela Limianos  12/12  Diogo Cão
cipar a sua revolta ao Conselho
Famalicão  12/12  Valdevez de Arbitragem da AF Bragan-
Chaves  12/12  Fafe
ça. Lances passíveis de penal-
Resultados
ti ficaram dois, mas cabe ao
Futsal - I Divisão Alpendorada  2-0  FJ Antunes
árbitro decidir se o estado do
13ª. Jornada
Vila Verde  3-5  Sporting
Mogadouro  3-2  AD Fundão Futsal Distrital campo pode servir de descul-
Belenenses  1-1  Ins. D.João V
Boticas  7-2  AAUTAD/Real Fut 7ª Jornada pa. O jogo não foi nada bonito
Classificação Freixieiro  8-3  Onze Unidos
SL Olivais  2-5  Benfica Classificação pelas razões já apontadas, mas
Clubes P J Clubes P J Clubes P J na 2ª parte uma desatenção
1 Benfica 35 13 8 Alpendorada 17 13 Próxima Jornada 1 Vila Flor 15 7 na defesa local deu para Már-
2 Belenenses 33 13 9 FJ Antunes 17 13 2 FC Mirandela 14 7
3 Sporting
4 Ins. D.João V
29
25
13
13
10 Boticas
11 SL Olivais
16
10
13
13
Freixieiro  12/12  SL Olivais
Boticas  12/12  Onze Unidos
3 C. Ansiães 14 7 cio confirmar, de cabeça, o que
4 GD Poiares 14 7
5 Mogadouro 21 13 12 AAUTAD/Real Fut 7 13 Belenenses  12/12  AAUTAD/Real Fut
5 SC Moncorvo 13 7 era esperado no cruzamento de
6 AD Fundão 20 13 13 Vila Verde 6 13 Mogadouro  12/12  Ins. D.João V
7 Freixieiro 20 13 14 Onze Unidos 5 13 Vila Verde  12/12  AD Fundão
6 Torre D. Chama 9 7 Bispo: o golo. Mais tarde veio o
7 GDC Roios 8 7
Alpendorada  12/12  Sporting
FJ Antunes  12/12  Benfica
8 Stº Cristo 7 7 golo da tarde com um chapéu
9 UD Felgar 3 7
10 CA Carviçais 3 7 de Ludovic a matar o marca-
dor, faltavam 8 minutos. O Re-
Resultados bordelo está a tentar lutar pelo
Resultados título, mostrou ter equipa, mas
Barranha SC  5-0  Macedense
Futsal - III Divisão - Série A Santa Luzia  5-5  Paredes Vila Flor  5-6  SC Moncorvo o Sendim não se ficou nada
A.R.C.A.  4-5  Contacto CA Carviçais  3-4  UD Felgar
7ª. Jornada Guimarães Futsal  2-3  Chaves Futsal Stº Cristo  8-11  GDC Roios atrás. Couberam à turma de F.
Junqueira  6-1  Monte Pedras
Mondim de Basto  2-2  Gualtar
GD Poiares  6-5  Torre D. Chama Pires as melhores oportunida-
Classificação Amanhã Criança  3-3  Pioneiros Bragança
C. Ansiães  3-3  FC Mirandela
des de golo, com as queixas já
Clubes P J Clubes P J referidas. Fica agora agendada
Próxima Jornada Próxima Jornada
1 Chaves Futsal
2 Barranha SC
19
16
7
7
8 Guimarães Futsal
9 A.R.C.A.
10
8
7
7
uma reunião para dar conta
Macedense  01/12  Amanhã Criança
3 Contacto 15 7 10 Gualtar 7 7 Paredes  01/12  Barranha SC SC Moncorvo  12/12  FC Mirandela das alegadas falhas do juiz, que
4 Junqueira 13 7 11 Macedense 6 7 Contacto  01/12  Santa Luzia UD Felgar  12/12  Vila Flor
5 Monte Pedras 13 7 12 Santa Luzia 5 7 Chaves Futsal  01/12  A.R.C.A. GDC Roios  12/12  CA Carviçais o Sendim acusa de “dualidade
6 Mondim de Basto
7 Paredes
11
11
7
7
13 Amanhã Criança
14 Pioneiros Bragança
3
1
7
7
Monte Pedras  01/12  Guimarães Futsal Torre D. Chama  12/12  Stº Cristo de critérios altamente injusti-
Gualtar  01/12  Junqueira GD Poiares  12/12  C. Ansiães
Pioneiros Bragança  01/12  Mondim de Basto ficada”.

20 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

AF Bragança 0 VINHAIS
ARGOZELO 3
Campo da CEE

Argozelo isolado no comando


Árbitro – Fernando Lhano (Bragança)
EQUIPAS
Nuno Pedro Vila
Pik Adolfo
Era esperado um jogo po, mas, emocionalmente, o Antero Joel Jarrete
emocionante e, acima de Vinhais perdeu o controle e Nuno Rafael Jorginho
Joli Rato
tudo, equilibrado e foi o que acabou quase toda a equipa
João Nuno
aconteceu. O público presen- “amarelada”. Márcio Kita
te, cerca de duas centenas de Já o Argozelo, com uma Infesta JP
pessoas, soube divertir-se, equipa de luxo e com um fu- Rui Ricardo Diz
protestar, ter picardias, mas tebol de primeira qualidade, Tiago Pedro Martins
tudo dentro da normalidade. acabou por marcar, numa Pedro Luizinho
Talvez tenha sido uma das bonita jogada entre Ricardo Montoia Paletas
João II Zamalek
maiores assistências no cam- Diz e Kita, este último isola-
Jonatas Serginho
po do CEE para o Distrital, do, abriu o marcador, num
apesar da chuva. toque de classe. Era a lógica TREINADORES
O jogo começou a aquecer do jogo, mas, 2” depois, Tiago Carlos Garcia F. Teixeira
logo após a expulsão do capi- fez um passe magistral, isolou
tão do Vinhais, João I. Tudo Márcio, que, com Pedro Vila, Golos: Kita 30”, 76”Pedro Martins 36”.
Disciplina: Amarelos – João 15”, 16”
aconteceu em, apenas, um pela frente falhou escandalo- Argozelo está imparável (seguido de vermelho), Infesta 38”, Rui
minuto. Dois amarelos: se o samente, através de lance que 40”, Pedro 55”, Luizinho 60”, Pik 64”, Tiago
primeiro é bastante discutí- irritou o treinador F. Teixeira. que foi o melhor remédio para O Argozelo não deixou e aca- 75”, João II 79”, Márcio 81”, Jonatas 86”.
vel, o segundo não deixa dúvi- Mas, o passe foi mais de meio a equipa de Carlos Garcia. O bou mesmo com o 3-0, num
das, com rasteira a Jorginho, golo, não marcou e sofreu o Vinhais nunca desistiu, mas monumental golo de Kita ao
que fugia pela direita, travado segundo. Pedro Martins e Kita perante o futebol da equipa primeiro poste, após um can- terá cometido erros, na base
pelo jogador vinhaense. Esta construíram um passe para de F. Teixeira não conseguiu to, aos 76”. Tendo em conta o do critério, que não interfe-
acção resultou em expulsão Ricardo Diz, que com mais melhor do que trocar bem a resultado feito e os muitos go- riram no resultado. No final,
e a turma do fumeiro a ficar um toque de jogador fora de bola, tentar equilibrar o mio- los perdidos, a vitória é justa, apesar da revolta, o Vinhais
com, apenas, dez atletas. O série fez o golo que tranquili- lo e procurar aqui e ali um mas fica marcada pelos pro- saiu do campo ao lado do Ar-
jogo continuou interessante, zou a equipa visitante. golo que encurtasse o marca- testos do Vinhais para com F. gozelo, como fazem os gran-
com bons artistas em cam- Depois veio o intervalo, dor, mas tal não foi possível. Lhano, que disciplinarmente des jogadores.

1 MOGADOURENSE
CARÇÃO 1 AF Bragança
Estádio Municipal Mogadouro
Árbitro – Rui Domingues
EQUIPAS
Bruno Carlos
Jogo emotivo e real
Fana Pancha O Carção está a fazer um campe- sultado justo, mas a equipa recuou,
Victor Hugo I onato muito tranquilo, com a vanta- adormeceu e os homens da casa vie-
Vidinha Gancho
gem de jogar bem defensivamente, ram para a frente à procura do golo
Rogério Pedro
Marcos Pimparel
apoiado num bloco forte, que dá mais do empate. Perante grande pressão,
Lagoa Palhau segurança ao miolo e ataque baseado a turma de A. Forneiro foi recuando,
Gilson Hugo II neste sector. até que, já na compensação, apareceu
Paulo Hugo III A equipa jogou uma primeira Paulo a marcar e a dar mais justiça
Beto Couto parte de igual para igual, criou pro- ao resultado. Tendo em conta que o
JP Luís blemas ao treinador Mogadourense, Mogadourense é candidato, foram
Cristiano Micha
Carlos Azevedo, e acabou mesmo dois pontos perdidos em casa, mas
Miranda
Gil Azevedo
com um nulo ao intervalo. Para a 2ª roubar mérito ao Carção seria dema-
parte, veio a surpresa, com um livre siado injusto. Rui Domingues fez um
TREINADORES directo de Palhau e o golo era o re- trabalho bem conseguido.
Carlos Azevedo A. Forneiro

Golos: Palhau 61”, Paulo 90+1

Carção complicou a vida a Azevedo

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 21


NORDESTE DESPORTIVO

III Divisão A 1 BRAGANÇA


SANTA MARIA 0 III Divisão Série A 3 MORAIS
FÃO 2
Estádio Municipal Bragança Jogo no Estádio de Santo André,

Ansiedade a mais Mais lutado


Árbitro – Ricardo Vigário (AF Porto) em Morais.
EQUIPAS Árbitro: João Braz (A. F. de
Castelo Branco)
Ximena Salgueiro
O G D Bragança entrou disposto a dar aos

que jogado
Pedrinha Hilário EQUIPAS
poucos sócios presentes uma outra imagem, Xavier (ex. Nelas) (Mata 56”) Armando Victor Oliveira
naquela que foi a estreia de Carlitos no co- F Silva Tiago Ismael Mosca
mando canarinho. Rui Gil Zé Pedro Genê (Pedro Silva 80’)
Pinhal Magalhães
O novo treinador pouco pôde mudar nas (Rudi 82’) Zito
Carlitos Edinho Denilson Zé Augusto
poucas horas de trabalho, mas a verdade é Luís Rodrigues 66” Lamosa Passi Jerónimo
que o Desportivo jogou muito bem durante Marco Móbil Piloto (Alex 59’) Carioca
os primeiros 45”. Ganhou com o 4-3-3 e não Valadares Pico Stigas Zé Rego
deixou os rapazes de Santa Maria de Galegos Badará Cris Ademir (Ruca 36’)
respirar. (Sana 90+1”) Joel Renato Tiago
Aos 10”, Carlitos, numa bonita jogada de Marco Fontoura (B Silva 56”) Karaté Carlos Viana
(Toni 66”)
envolvência, fez um chapéu a Salgueiro, mas Lixa Hélder Silva
Badará, na dúvida, foi à linha de golo confir- (Ibraima 90’+3’) Carlinhos
TREINADORES
Paulo Arrábidas (Luís Pedro 62’)
mar o trabalho do veterano médio da turma Carlitos João Salgueiro
da casa. Justo 1-0 e a jogar assim esperavam- TREINADORES
se mais golos, ou pelo menos o da tranquili- Golos: Badará 10”
Morais não se deixou surpreender Lopes da Silva Jô Faria
dade, que não apareceu.
A equipa foi para o intervalo com uma batida por Zé Pedro foi ao Golos: Lixa 29’, Denilson 45’+4’, Luís
FERNANDO CORDEIRO Pedro 79’, Denilson 86’, Luís Pedro 90’+2’.
magra vantagem e, na retoma, tal como pre- poste, repondo o alívio na de-
Disciplina: Rudi 82’, Ismael 88’, Armando
visto, o Bragança foi recuando. fesa local. Muito sofrimento, Nos primeiros minutos, os forasteiros 90’+1’, Carlos Viana 47’, c.v Jerónimo
Já na parte final do jogo, os locais apanha- mas os 3 pontos relançam a tentaram surpreender, mas o keeper local foi 90’+3’.
ram um susto. Pedrinha fez uma falta desne- equipa lá para cima na tabela soberbo a negar o golo. Na 2ª parte regressou
cessária dentro da área e grande penalidade e dão nova esperança. a chuva com intensidade e os forasteiros cor- cuperam a vantagem de dois
para o Santa Maria. Ricardo Vigário foi exem- reram atrás do prejuízo, acabando por reduzir golos em pouco tempo, com
A sorte bateu à porta de Ximena e a bola plar. aos 79’, por Luís Pedro, que ainda bisaria na Denilsom a rubricar mais um
partida. Só que os homens da casa traziam a livre soberbo.
lição bem estudada e não davam espaços de Resultado e vencedor jus-
penetração. Nunca deixavam de responder, to, com exibição convincente,
obrigando as unidades defensivas do Fão a quando tomou a iniciativa de
subir para desequilibrar numericamente. Re- jogo.

22 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 23
NORDESTE DESPORTIVO

Nacional Juniores A 1 FREAMUNDE


BRAGANÇA 0
Campo 2 de Freamunde

G.D. Bragança obrigado a ganhar Árbitro B.C. (AF Aveiro)

Moura
EQUIPAS
Nelson
Torres Nélio
O GD Bragança mostrou grandes jogadas de ataque e Pedrosa Francisco
bom futebol e procurou o acabou por não concretizar Batista Guerra
golo até ao minuto 15”, com duas delas, pois teve sempre Dani Jaime
muita garra e, acima de tudo, o guardião Moura pela frente. Ferreira Capello
Gustavo Valentim
concentração. Este resultado obriga o GDB
Mastigas Ricardo
Mas, um remate de Mas- a vencer o Taipas na próxi- Fábio Eddas
tigas do meio campo passou ma jornada já que a turma de André Pinto V Hugo
por cima de Nelson, bateu Marcelo Alves e João Genésio Marcos Padrão
no travessão e caiu dentro ficou “entalada” com 5 pontos Andrezinho Filipe
da baliza canarinha. Era um de atraso entre os play-off de Barbosa Paulo Lima
golo injusto naquela altura subida e descida. Castilho
do jogo, que viria, mesmo, a O Bragança terá que deci- TREINADORES
ditar o resultado final. Nin- dir melhor na altura de fazer Carlos Coelho M. Alves e J.
guém esperava este bom re- remates à baliza, porque à Genésio
mate, mas neste jogo tudo é pouca sorte juntou-se a an-
possível. siedade de marcar. O juiz de Golos: Mastigas 15”
Juniores canarinhos terão que vencer frente ao Taipas O Bragança arrancou três Aveiro esteve bem.

Nacional Juniores C 2 BRAGANÇA


FAMALICÃO 1
Campo da CEE
Árbitro – Ambrósio Vara (AF Bragança)

Equipas venceram a chuva EQUIPAS


André Reis
Esteves
João Neto
Veloso
Ivo (Rego 56”)
O Famalicão foi, prova- O Famalicão apostou no jogo, Saraiva Nogueira
velmente, das equipas que em lançamentos longos e co- Luís Trigo Araújo
melhor jogou em Bragança, locou à prova a defesa local. Chiquinho (Aires 62”)
apesar da chuva que não dei- Com mais ou menos eficiên- (Gonçalo 44”) Ribeiro
xou os miúdos tratar bem o cia, lá iam resolvendo os pro- Rui Alves Simão
futebol. Forte fisicamente e blemas. Zé L Portugal Freitas
Nuno Ricardo
com boas transacções para Na 2ª metade, o deses-
(Luís Silva 65”) Luís Oliveira
o ataque, abriu o marcador pero foi-se apoderando dos Filipe Hugo Silva
logo aos 2”, numa boa jogada adeptos da casa, com tempo a Luís Lisboa
pela esquerda. passar e o golo da vantagem
TREINADORES
Depois, bola na área para sem aparecer. Perdeu o Bra-
Betinho Antas José Meireles
Araújo e bonito golo do fa- gança boas oportunidades,
malicense. Remate à meia com Gonçalo, de cabeça, a Golos: Araújo 2”, Nuno20”, Luís Lisboa
volta à entrada da área e era mandar ao travessão e Luís 55”.
nessa altura melhor a equipa Lisboa abriu o livro, com uma
minhota, com boa postura jogada individual de classe e
física, jogadores combativos, um remate forte rente ao rel- penalti, mas perante a inde-
perante um Bragança mal vado, que levantou o estádio. cisão de Ambrósio Vara e o
fisicamente, mas melhor na Mas não era certa a vitória, os seu auxiliar marcou canto.
parte técnica e no tratamen- visitantes tentaram o empate Um erro em 70” é um traba-
to dos lances. Não criaram em lances onde eram muitos lho positivo, mas fica uma
praticamente uma jogada de fortes, bolas paradas, muitos pergunta: porque será que
perigo, excepção feita ao golo cantos fizeram tremedeira na um juiz de Bragança apita
do empate. Nuno pontapeou Sintético ensopado defesa local. No último mi- um jogo da equipa da casa? É
a bola com a ponta da bota e nuto, o caso do jogo, atraso certo que fez um bom traba-
a empatou aos 20”, para ale- pado campo do CEE. O golo mento, mais calma no meio de bola para o guarda- redes lho, à excepção desse erro, e
gria de quem via a sua equipa trouxe o condão de dar aos campo e começar a dominar André Reis, este agarrou, era o treinador do Famalicão até
a não acertar perante o enso- bragançanos melhor entrosa- o jogo, mas golos nem vê-los. livre indirecto na marca de gostou da actuação.

24 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

Distrital Infantis 0 ALFÂNDEGA


MIRANDELA 1 Distrital Infantis 7 BRAGANÇA
MACEDO 0
Infantis - Árbitros: Rui Domingues / Campo da CEE - Árbitros – Rui Sousa e

Mais forte só João Martins


EQUIPAS André brilhou Pedro Lopes (Bragança)
EQUIPAS

o temporal Luís Monteiro


Carlos Morais
Jorge Branquinho
Francisco Patatas
André
Ruben
Filipe
João Nuno
Rui Esteves André Pontes Artur Daniel
JOSÉ RAMOS Daniel Correia Ricardo Pinheiro Monteiro Torres
Humberto Além- Pedro Noronha Roque Camelo
O Alfandega recebeu a douro Luís Ribas Diogo Amaral Janeca
equipa do Mirandela sob um Luís Neves Mário Andrade Fábio Sérgio
forte temporal. António Rodrigues Francisco Costa J. Pedro I Cabe
Tiago Costa Luís Brea Miguel Pedro Aires
Jogo bem disputado, com
João Pereira José Ramos Madureira Coelho
a equipa forasteira a fazer cir- Luís Escobar José Alonso Álvaro
cular a bola e com lances de Fernando Pinto José Pereira Martins
bastante qualidade. João Gomes
TREINADORES
Mas foi de bola parada que TREINADORES Filipe Vaz Hugo Ribeiro
o Mirandela marcou o único
Nuno Camelo Ricardo Gomes
golo da partida, chegando ao Golos: Diogo Amaral 9”, Artur 14”, Roque
intervalo com o resultado de Golos: Francisco Patatas 5’ 18”, Marcos 24”, Ruben 32”, Fábio 45”,
Alfandega 0 - Mirandela 1. O guarda-redes da tarde em plena exibição 49”

Este jogo enganou, e de ça extrema à sua defesa. De- de Hugo Ribeiro.


que maneira. pois, a equipa mais confiante Este André tem quali-
Quem não o viu poderá atacou, foi marcando, mas os dades excelentes e desde há
pensar numa goleada fácil, 4-0 ao intervalo foram exa- muitos anos que não se via,
mas nada disso. Foi mesmo gerados para a produção ata- no GD Bragança, uma escola
André, o guarda – redes da cante do Macedo. de guarda-redes como esta.
casa, a ter uma preponderân- Filipe Vaz foi corrigindo Desde os Juniores A às
cia vital ao parar vários rema- a equipa, que passou a de- Escolas, há uma classe na
tes perigosos da rapaziada de fender melhor, mas fica esse baliza que pode vir a dar que
Macedo e a dar uma seguran- amargo de boca para a turma falar.

Marcação do sintético de Alfândega é um aspecto a rever


Distrital Infantis 14 MONCORVO
SENDIM 0
Campo de Jogos Dr. Camilo José
Na segunda parte, a equi- a ser construída muito cedo Sobrinho, em Moncorvo

Goleada construída
pa da Princesa do Tua conti- e, nos primeiros 20 minutos, Árbitro – Rui Paulo (AF Bragança)
nuou com o mesmo jogo, mas já os moncorvenses venciam EQUIPAS
não conseguiu mais golos. A por 5-0. Mas não se ficariam

muito cedo
Diogo Brás Gabriel
equipa da casa impôs-se bem por aqui mais golos viriam Ricardo Ângelo
perante o jogo da equipa fo- antes do intervalo, com des- Samuel Paulo
rasteira, deixando esta con- taque para os cinco golos André Marcos
cretizar as oportunidades que marcados por Luisinho, que, Tiago Ricardo
criou em toda a partida. a par de Samuel, esteve em Ruben Horácio
Os pupilos do Tua cons- Luisinho Rafael
destaque neste jogo. Embora
Jorge Bruno
troem boas jogadas, mas pe- na segunda parte, o ritmo da Telmo Edgar
cam, sobretudo, na finaliza- equipa da casa tivesse abran- Quinzinho Diogo
ção. dado, os golos continuaram a Gabriel
Nota negativa para o es- surgir com naturalidade e o TREINADORES
tádio do Alfândega, pois a resultado ia-se avolumando Tiago Pinto Nuno Reixa
marcação do campo foi feita com o decorrer do tempo. Do
provisoriamente com fitas, resultado nada a dizer, ven- Golos: Samuel 2´´ e 24´´; Ruben 3´´ e
que se soltavam constante- ceu a melhor equipa, a mais 48´´; Luisinho 12´´, 16´´, 22´´, 44´´ e 46´´;
mente, obrigando a equipa de organizada e que começa a Quinzinho 18´´ e 23´´; André 26´´; Jorge
arbitragem a interromper a 32´´ e Tiago 45´´.
Resultado dispensa comentários mostrar algum fio de jogo,
partida, repetidamente, para com algumas situações de
colocar nova marcação. Vítor Aleixo equipa do Moncorvo perfi- jogo estudadas, notando-se formação e é certo que com
Por isso, fica o reparo, lava-se superior ao Sendim trabalho de equipa. Já o Sen- o trabalho desenvolvido irá
para que situações destas não Foram 14 golos, mas até e demonstrou-o dentro de dim ainda só está a começar o haver melhorias na equipa do
se repitam no futuro. poderiam ter sido mais. A campo. A goleada começou seu caminho nos escalões de Planalto.

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 25


NORDESTE DESPORTIVO

Distrital Escolas 7 BRAGANÇA


MACEDO 1 Distrital Escolas 3 MONCORVO
SENDIM 1
Campo da CEE - Árbitros – Rui Sousa e Campo de Jogos Dr. Camilo José

Formação
Pouca oposição
Pedro Lopes (Bragança) Sobrinho em Moncorvo
EQUIPAS Árbitro – Rui Paulo (AF Bragança)

Luís
Nuno

Ricardo em alta EQUIPAS
Lucas Vasco
Ricardo João
Rui Paulo Tiago
DiDi Diogo Vítor Aleixo Daniel Ricardo
Rui Borges Miguel
Álvaro Fortunato David
João Mário
Cadete Ruben
Duarte Miguel André
Tiago Miguel
Tomas Pedro
Canadas Rafael
Pedro Rafael
Álvaro Pinto Rodrigo
Domingos Amendoeira
Sérgio Leonardo
Bruno Faria Sandro
Pedro Branco Alcino
Geraldo Cambres
Zé Manuel
TREINADORES
TREINADORES
Xaninha Hugo Ribeiro
Sílvio A. Carvalho Nuno Reixa
Golos: Ricardo 4”, Nuno 12”, Duarte Moncorvo asseguou 1ª vitória
Golos: Cadete 4´´; Ricardo 7´´; Daniel 36´´
Miguel (pb) 15”, 22”, 24”, 46”, Didi 45”,
Foi o primeiro triunfo do e Álvaro Pinto 48´´.
Pedro 50”
Moncorvo A neste campeona-
to, em que os jovens moncor- corvo venceu, foi mais equi-
Bragança demonstrou muita velocidade
venses mostraram a sua su- pa, mostrou melhor futebol
perioridade durante os 50´´ e aproveitou as ocasiões de
Duarte Miguel foi o golea- ras. Houve mérito da equipa futebol. Didi mostrou querer, minutos. Começa a notar-se golo criadas, com a equipa
dor de serviço. Marcou 3 golos da casa e Hugo Ribeiro deba- raça e vontade, além de ser trabalho ao nível da forma- do Planalto a dar tudo o que
para servir a sua equipa, mas te-se com falta de condições soberbo tecnicamente e de ção na região transmontana tinha para dar, mas a melhor
foi infeliz no lance que ditou para trabalhar no Macedo. juntar velocidade a tudo isto. e este jogo foi exemplo disso, preparação dos moncorven-
o único golo macedense. O Mesmo assim, deu garra aos A equipa sentiu a falta de Ge- com as duas equipas a entre- ses veio ao de cima no segun-
jogo não foi muito agradável seus pupilos. raldo, que por precaução não garem-se ao jogo, ficando pa- do tempo. Daniel e Álvaro fi-
devido à chuva persistente, No Bragança, muita velo- jogou. A constipação foi mais tente o espírito de equipa e de zeram os golos da vitória do
mas a entrega destes rapazes cidade de um miúdo de ape- forte e o grupo, unido, lá este- entre ajuda entre os atletas, o Moncorvo A, que de jogo para
derrubou todas essas barrei- nas 8 anos, mas com muito ve a saber dele. que é de ressalvar nestes es- jogo tem vindo a melhorar,
calões. mostrando o trabalho positi-
Quanto ao jogo, o Mon- vo que se faz na formação.

26 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

Futsal I Divisão 3 AC MOGADOURO


FUNDÃO 2
Pavilhão da Junta Mogadouro

Nervos até ao fim


Árbitros – Paulo Paraty e V. Rocha (Porto)
EQUIPAS
Allison Yuiu
Os nervos e a ansiedade quanto Neysinho, que teve Pin Diego
Mancuso Vinicius
acumulada com os anterio- poucos treinos durante a
Maniche Couto
res resultados foram trans- semana, respondeu em 50 Boi Bruno César
portados para o pavilhão por cento das suas capaci- Parada Júlio Cesar
de Mogadouro, mas acabou dades devido a uma lesão Kaka Mago
por ser o último minuto a que o acompanhou. Pin
manter a equipa nos luga- De um modo geral, a Neyzinho
res de acesso ao título. equipa respondeu bem ao Paulo Faria

Boi, Pin e Mário Freitas apelo de vitória, já que uma TREINADORES


foram os autores dos golos situação contrária colo- Artur Pereira NT
da partida. caria o CAM num cenário
Golos: Boi 5”, Vinicius 15”, Couto 19”, Pin
O Académico jogou sem desagradável. Ainda esta 37”, Mancuso 39”
o Ricardinho, que cumpria semana, a equipa ruma ao Disciplina: Couto e Bruno César
castigo, e Bruno Pereira, Algarve onde discutirá a eli-
incapacitado devido a uma minatória da Taça de Portu-
forte gripe que debilitou o gal contra o Inter-Vivos. cado, o Instituto D. João V.
atleta um dia antes do jogo. No próximo sábado, Recorde-se que, na primei-
O guarda-redes, Para- será o arranque da segunda ra volta, este foi um jogo
da, fez uma grande exibição volta e o CAM vai receber o que ficou na memória dos
Miguel Novo é o novo reforço do Académico com belíssimas defesas, en- rival directo e quarto colo- academistas.

Veteranos
Futsal III Divisão 7 MACEDENSE
PAREDES 5 Albicastrenses sabem receber
Pavilhão Municipal de Macedo de

Boa disputa
Cavaleiros
Árbitros – António Borges e Nuno
Pressa (A. F. Vila Real)

EQUIPAS
Um jogo de futsal que foi Nisga Camilo II
bem disputado, com boa or- Leonardo (cap) Miculi
ganização defensiva e atacan- Diogo Sukota
te, com bons lances de par- Patrick Grilo
te a parte predominando o Play Esteves
equilíbrio em três quartos da Paxa Camilo I
Nelson Pika Bilau
partida e um final de luxo dos
Camané Ricardo (cap)
locais a justificar a vitória. Capulho Roberto
Entrada nervosa da jo- Dino Couto
vem equipa do Macedense, Ruben Igor
a acusar a pressão dos últi- Ricardinho
mos resultados menos bons A foto possível com o mau tempo na Beira Interior
TREINADORES
e a necessidade de ganhar Costinha Treinador O Castelo Branco recebeu reflexos de outros tempos e,
para manter acesa a chama Macedense está bem organizado e venceu frente ao Clube de aos 16”, perante uma nova
da manutenção. Situação que Golos: 2-3 ao intervalo – 0-1 Grilo 3’, 0-2
Bilau 7’, 1-2 Ruben 13’, 2-2 Play 18’, 3-3 Bragança por 2-0 num jogo desatenção da equipa foras-
os forasteiros aproveitaram viu-se o mesmo filme só que
Esteves 19’, 3-3 Patrick 22’, 3-4 Grilo 25’, de retribuição. teira, Cunha faz o 2-0.
para contabilizar em golos as os anfitriões menos perdulá-
4-4 Ruben 26’, 5-4 Play, 6-4 e 7-4 Pika 38’ Depois de uma longa via- O Bragança tentou o golo
situações criadas, chegando rios, a não deixarem distan-
e 39’, 7-5 Bilau 39’ gem de cinco horas, o Clube e ainda marcou, mas foi anu-
ao 0-2. ciar os visitantes no marca- Disciplina: Ruben 10’ e Leonardo 29’, de Bragança jogou sob chu- lado pelo albicastrense Toni
Pedido de desconto do dor. O técnico da casa pede, Sukota 29’ e Miculi 38’
va constante e, no primeiro Rodrigues por pretensa mão
técnico Costinha para acertos de novo, um pedido de des-
minuto, Cunha abriu o mar- de Katsoranis que, afinal, não
tácticos e o empate a ser res- conto para acordar a sua jo-
cador com um remate seco à existiu. Mesmo assim, o Cas-
tabelecido. Contudo, depois vem equipa, que passa a não vitória.
entrada da área, sem possibi- telo Branco pode queixar-se
de uma nova desconcentra- dar espaços de penetração Quanto aos árbitros, foi
lidades para o antigo guarda- de uma grande penalidade.
ção, os forasteiros recupera- nem a perder a bola em zona um trabalho com alguma du-
redes de clubes, como o An- Zé Mola foi o melhor
ram a vantagem com que se proibida, terminando a parti- alidade no critério disciplinar
gola, Chaves, U. Santarém ou em campo no Bragança. Já
chegou ao descanso. da em grande nível conquis- de que se podem queixar os
G. D. Bragança. do lado do Castelo Branco,
Na etapa complementar, tando uma saborosa e justa macedenses.
Cancelinha já não tem os Cunha destacou-se.

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 27


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste – Semanário Regional e Informação Nº 685 de 8 de poente com Germano Paulo, inscrito na respectiva matriz sob o artigo

AGRADECIMENTO
Dezembro e 2009 226 da secção B, com o valor patrimonial correspondente à fracção de
CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO 6,54€, e o atribuído de cento e sessenta euros;
NOTÁRIA : FÁTIMA MENDES Que a restante parte do identificado prédio pertence aos herdeiros de
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO José Francisco Preto, pessoas com quem têm vindo a exercer a posse
Certifico, para efeitos de publicação, que no dia três de Dezembro de sobre o dito prédio.
dois mil nove, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Palácio Que os identificados bens imóveis somam o valor patrimonial de
da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de fls. 87, a fls. 16,56€, sendo de quinhentos euros o valor total atribuído aos mesmos,
89, do livro de notas para escrituras diversas número Sessenta e um, e nenhum dos referidos prédios se encontra descrito na Conservatória
foi lavrada uma escritura de justificação, na qual compareceram como do Registo Predial de Mogadouro, a cuja área pertencem.

Jorge Augusto outorgantes, VIRIATO AUGUSTO MARCOS, NIF 116 767 154, e Que os referidos bens imóveis vieram à posse dos justificantes, já no
mulher MARIA FERNANDA MARCOS, NIF 176 761 454, casados estado de casados, por volta do ano de mil novecentos e setenta e cinco
sob o regime da comunhão geral de bens, naturais, ele da freguesia de por partilha meramente verbal que com os demais herdeiros fizeram
Vilarinho dos Galegos, e ela da freguesia de Tó, ambas do concelho de por óbito do pai do justificante marido, Domingos António Marcos,

Sequeira
Mogadouro, residentes na Rua da Padaria, número 14, nesta vila de viúvo e residente que foi no lugar de Vila dos Sinos, freguesia de Vi-
Mogadouro, e declararam: larinho dos Galegos, concelho de Mogadouro, não tendo nunca porém
Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, dos sido celebrada a competente escritura de partilha.
seguintes bens imóveis, todos sitos na freguesia de VILARINHO DOS Que assim, os justificantes possuem os ditos bens imóveis há mais de
GALEGOS, concelho de Mogadouro: vinte anos, em nome próprio, na convicção de serem os únicos donos
Um — Prédio rústico, sito em Fonte Nova, composto de cultura ar- e plenamente convencidos de que não lesavam quaisquer direitos de
vense, com área de mil setecentos e cinquenta metros quadrados, a outrem, à vista de toda a gente e sem a menor oposição de quem quer
confrontar de norte com Moisés da Encarnação Lousas, sul com José que fosse desde o início dessa posse e composse, a qual sempre exer-
A família de Jorge Augusto Sequeira, na impossibilidade de o fazer, pessoal e Francisco Lopes, nascente com caminho público, e de poente com Vi- ceram sem interrupção, gozando todas as utilidades por eles propor-
riato Augusto Marcos, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 344 cionadas, com o ânimo de quem exerce direito próprio, nomeadamente
individualmente, como era seu desejo, vem, por este meio, agradecer reconhe- da secção E, com o valor patrimonial de 1,89€, e o atribuído de cem neles lavrando, semeando, plantado, sulfatando, tratando e colhendo
os respectivos frutos, como cereal, azeitona, batatas e os demais pro-
cidamente a todas as pessoas que directa ou indirectamente lhe manifestaram o euros;
Dois — A terça parte indivisa do prédio rústico, sito em Vales, compos- dutos agrícolas, cortando mato e silvas e procedendo a outros actos de
seu pesar e a acompanharam na sua dor e saudade. to de cultura arvense, com área de dois mil oitocentos e quarenta e três
metros quadrados, a confrontar de norte com José Francisco Pinto, sul
limpeza, usufruindo de todos os proventos e utilidades proporcionados
pelos referidos bens, praticando assim os mais diversos actos de uso,
e poente com Quirino Augusto, e de nascente com Fábrica da Igreja, fruição e defesa dos mesmos, à vista de toda a gente e portanto de
Bragança, 30 de Novembro de 2009. inscrito na respectiva matriz sob o artigo 41 da secção A, com o valor
patrimonial correspondente à fracção de 6,87€, e o atribuído de duzen-
eventuais interessados, tudo como fazem os verdadeiros donos, sendo
por isso uma posse de boa fé, pacífica, contínua e pública, pelo que,
tos e quarenta euros; dadas as enumeradas características de tal posse, adquiriram por usu-
Que a restante parte do identificado prédio pertence aos herdeiros de capião os identificados bens imóveis, figura jurídica que invocam, por
José Francisco Preto, residentes na referida freguesia de Vilarinho dos não terem documentos que lhes permitam fazer prova do seu direito

VENDE-SE
Galegos, pessoas com quem têm vindo a exercer a posse sobre o dito de propriedade, pelos meios extrajudiciais normais, dado o referido
prédio; modo de aquisição.
Bem situado. No Loteamento Três - Metade indivisa do prédio rústico, sito em Estrecadinha, com-
posto de cultura arvense, com área de doze mil novecentos e seis me-
Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico.
Mogadouro e Cartório Notarial, em 3 de Dezembro de 2009.

Boa Oportunidade! Laranja, Nº 4, paralelo tros quadrados, a confrontar de norte com Manuel António Martins,
sul com António Augusto Conde, nascente com Luís Maria Pires, e de
A Notária,
Fátima Mendes
à Avª. do Sabor, junto ao novo
T3, T4 e Duplex Lar da Obra Padre Miguel, Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 685 de 8 de Que os referidos prédios vieram à posse da justificante, ainda no estado

Cozinha, casas de banho em Bragança Dezembro de 2009


CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO
de solteira, por volta do ano de mil novecentos e oitenta e sete, por
acordo meramente verbal de partilha feito com os demais interessados
NOTÁRIA : FÁTIMA MENDES por óbito de seu avô, Manuel Joaquim Martins, viúvo de Laurentina
mobiladas. Aquecimento EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO Amélia Diogo, residentes que foram na dita freguesia de Vilarinho dos

completo. Garagens individuais, Calmo como se fosse um Certifico, para efeitos de publicação, que no dia quatro de Dezembro
de dois mil e nove, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Palácio
Galegos, não tendo nunca porém sido celebrada a competente escritura
de partilha.
Que assim, a justificante, possui os ditos prédios há mais de vinte anos,
com bons acessos. condomínio fechado. da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de fls. 92 a fls. 94,
do livro de notas para escrituras diversas número Sessenta e um, foi em nome próprio, na convicção de ser a única dona e plenamente con-
vencida de que não lesava quaisquer direitos de outrem, à vista de toda
Bons acabamentos. lavrada uma escritura de justificação, na qual compareceram como ou-
torgantes, LINA MARTINS ALMEIDA SANTOS, NIF 175 526 486, e a gente e sem a menor oposição de quem quer que fosse desde o início
marido FRANCISCO ANTÓNIO SANTOS, NIF 139 877 878, casados dessa posse, a qual sempre exerceu sem interrupção, gozando todas as
Prédio só com 3 andares Contacto: 964 648 090 sob o regime da comunhão de adquiridos, ambos naturais da freguesia e
concelho de Mogadouro, onde residem na Urbanização do Castelinho,
utilidades por eles proporcionadas, com o ânimo de quem exerce direi-
to próprio, lavrando e/ou mandando lavrar o prédio rústico, tratando e
Lote 41, tendo a mulher declarado: colhendo os frutos dele provenientes, nomeadamente batatas, feijão,
Que é dona e legítima possuidora, com exclusão de outrem, dos se- nabiças e ouros produtos agrícolas, permitindo que nele apascentem
guintes prédios: animais, ocupando o prédio urbano com objectos diversos, nele guar-
Um – Prédio rústico, sito em Ribeirinho, na freguesia de Vilarinho dos dando os seus haveres; melhorando-o e reparando-o com benfeitorias

Farmácias
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação nº 685 de 8 Galegos, concelho de Mogadouro, composto de horta, com área de du- diversas, substituindo elementos danificados, procedendo a actos de
de Dezembro de 2009 zentos e trinta e oito metros quadrados, a confrontar de norte, sul e nas- limpeza e conservação, praticando os demais actos de uso, fruição e
cente com caminho público, e de poente com Manuel Joaquim Martins, defesa dos mesmos, à vista de toda a gente e portanto de eventuais
inscrito na respectiva matriz sob o artigo 279 da secção H, com o valor interessados, tudo como fazem os verdadeiros donos, sendo por isso

de Serviço
patrimonial de 2,89€, e atribuído de cem euros; e uma posse de boa fé, pacífica, contínua e pública, pelo que, dadas as
Dois - Prédio urbano, sito na Rua de Baixo, na freguesia de Vilarinho enumeradas características de tal posse, a justificante adquiriu por usu-
dos Galegos, concelho de Mogadouro, composto de casa de habitação, capião os referidos prédios, figura jurídica que invoca, por não poder
com área coberta de cento e sessenta metros quadrados, a confrontar a fazer prova do seu direito de propriedade, pelos meios extrajudiciais
norte com Francisco Martins, sul com Francisco Davim, Nascente com normais, dado o referido modo de aquisição, e tendo o marido dito que
ANÚNCIO DE VENDA (1ª Publicação)
- Bragança - Arminda Adelaide Lopes, e de ponte com Rua Pública, inscrito na res-
pectiva matriz sob o artigo 85, com o valor patrimonial de 2.759,49€,e
confirma as declarações prestadas por sua esposa e que lhe presta o
necessário consentimento para a prática e inteira validade deste acto.
Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico.
Processo 820/07.5TBMDL atribuído de dois mil e oitocentos euros.
Mirandela - Tribunal Judicial - 1° Juízo Que nenhum dos prédios supra identificados se encontra descrito na Mogadouro e Cartório Notarial, em 4 de Dezembro de 2009.
Execução Comum Ref..lnterna: PE-190/2007 Conservatória do Registo Predial de Mogadouro, a cuja área perten-
Data: 30-11-2009 Hoje: Vale d’Álvaro cem, somam os mesmos bens o valor patrimonial global de 2.762,38€
e o atribuído dois mil e novecentos euros.
A Notária,
Fátima Mendes
Exequente: Banco Santander Totta, S.A.
Executado (s): Humberto Manuel France Batista dos Santo, Amanhã - Bem Saúde
Miguel Ângelo Marques dos Santos, Paula Cristina Parafita Lo-
Quinta - M. Machado

pes dos Santos e Maria de Fátima Ribeiro Marques dos Santos.

Agente de Execução, Solicitador de Execução, Alexandra


Gomes CP 4009, com endereço profissional em Av. João da
Sexta - Mariano
Cruz, n.° 70, Edifício S. José - 2.° Esq. Frente, 5300-178 Bra-
gança.
Sábado - Soeiro
Nos termos do disposto no artigo 890° do Código de Processo
Domingo - Atlântico
Civil, anuncia-se a venda dos bens adiante designados:
Segunda- Vale d’Álvaro
Bens em Venda

TIPO DE BEM: Imóvel


ARTIGO MATRICIAL: 5657 - Finanças de Mirandela.
DESCRIÇÃO: Prédio urbano em propriedade total, sem anda- Mais informações em Recorte e entregue ou envie este cupão devidamente preenchido para:
res nem divisões susceptíveis de utilização independente. Casa
de habitação composta de cave ampla para garagem, R/Chão www.jornalnordeste.com
Jornal Nordeste
com 3 assoalhadas, cozinha, casa de banho, corredor, despensa
e varanda. 1° andar com 3 assoalhadas, 2 casas de banho, corre-
dor e varanda, com quintal; confronta a norte com Lote 40, a sul
rua pública, a nascente com lote32 e a poente com lote 30. Sito
na Urb. Urbimira, 3°fase - Rua Cesário Verde, lote 3l Mirande-
la. Inscrito na matriz do Serviço de Finanças de Mirandela sob
o art.° 5657 e descrito na Conservatória do Registo Predial de
Mirandela sob o n° 1650/19930909. Rua Alexandre Herculano, Nº 178, 1º - Apartado 215
PENHORADO EM : 2007-12-27.
INTERVENIENTES ASSOCIADOS AO BEM:
EXECUTADOS: Miguel Ângelo Marques dos Santos e mu-
5300-075 BRAGANÇA - Tel.: 273 329 600 - Fax: 273 329 601
lher Paula Cristina Parafita Lopes dos Santos, casados na comu-
nhão de adquiridos, residentes em Mirandela;
Humberto Manuel France Batista dos Santos e
Território Nacional: 25,00 euros Europa: 50,00 euros
Resto do Mundo: 75,00 euros
mulher Maria de Fátima Ribeiro Marques dos
Santos, casados na comunhão geral, residentes
em Mirandela.
MODALIDADE DA VENDA: Venda me-
diante proposta em carta fechada, a serem
entregues na Secretaria do supra mencionado
Enviem-me o jornal para:
Tribunal, pelos interessados na compra, fican-
do como data para abertura das propostas o dia
28 de Janeiro de 2010, pelas 14:00 Horas.
VALOR BASE DA VENDA: 95.000,00€ Nome ________________________________________________
Será aceite a proposta de melhor preço, acima
do valor de 66.500,00€, correspondente a 70%
do valor base.
Endereço _____________________________________________
A sentença que se executa está pendente
Localidade ________________________ C.P. ________________
País __________________________________________________
de recurso ordinário Não
Está pendente oposição à execução Não
Está pendente oposição à penhora Não
Solicitador de Execução Telefone: ____________________ Nº Contr. _________________
Alexandra Gomes

28 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 685 de 8 Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 685 de 8 Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 685 de 8 Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 685 de 8
de Dezembro de 2009 de Dezembro de 2009 de Dezembro de 2009 de Dezembro de 2009

ANÚNCIO DE VENDA (2ª e última Publicação) ANÚNCIO DE VENDA (2ª e última Publicação)

Processo 690/07.3TBBRG-A Processo: 707/07.1TBBGC


Execução Comum Tribunal Judicia de Bragança 1° Juizo
Ref. Interna: PE- 112/2007 Execução Comum Ref. Interna: PE- 96/2007
EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO Data: 24-11-2009
Braga - Tribunal Judicial – Vara Mista
CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por Data: 26-11-2009
escritura lavrada no dia dois de Dezembro de dois mil e nove no CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por Exequente: Zelus - Administração de Condomínios, Sociedade
Cartório Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçalves escritura lavrada no dia dois de Dezembro de dois mil e nove no Unipessoal, Lda.
Exequente(s): FDO – Imobiliária, S. A.
Andrade, sito na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bragan- Cartório Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçal- Executado: Benjamim Alfredo Barreiro.
Executado (s): Nélson Augusto Fernandes Lopes
ça, exarada de oitenta e sete a folhas oitenta e oito verso do livro de ves Andrade, sito na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em
notas para escrituras diversas número “Setenta e dois – A”, JOSÉ Bragança, exarada de noventa e um a folhas noventa e dois verso Agente de Execução, Solicitador de Execução, Alexandra Gomes
Agente de Execução, Alexandra Gomes CPN 4009, com endereço
ALBINO RODRIGUES GONÇALVES e mulher CARLA MARIA do livro de notas para escrituras diversas número “Setenta e dois CPN 4009, com endereço profissional em Av. João da Cruz, n.° 70,
profissional Praça M.F.A., 7, 3° Esq. Sala A, 2800-172 Almada
CARNEIRO ALVES, casados sob o regime da comunhão de adqui- –A”, DUARTE AUGUSTO CORREIA e mulher MARIA BEA- Edifício S. José - 2.° Esq. Frente, 5300-178 Bragança.
Nos termos do disposto no artigo 890° do Código de Processo Ci-
ridos, ele natural da freguesia de Nogueira, concelho de Bragança, TRIZ PORTELA GOMES CORREIA, casados sob o regime da Nos termos do disposto no artigo 890° do Código de Processo Ci-
vil, anuncia-se a venda dos bens adiante designados:
ela natural da freguesia e concelho de Bragança (Sé), residentes na comunhão de adquiridos, ambos naturais da freguesia e concelho vil, anuncia-se a venda dos bens adiante designados:
Rua DR. Herculano da Conceição, Lote 2, 2º esquerdo, em Bra- de Bragança (Sé), residentes na freguesia de Samil, concelho de
Bens em Venda
gança, NIFS 205 245 498 e 197 300 677, fizeram as declarações Bragança, NIFS 102 606 730 e 175 389 454, fizeram as declarações Bens em Venda
constantes desta certidão, que com esta se compõe de duas laudas constantes desta certidão, que com esta se compõe de duas laudas
TIPO DE BEM: Quota
e vai conforme o original. e vai conforme o original. TIPO DE BEM: Quinhão Hereditário
NIPC: 507255305
Bragança, Cartório Notarial, dois de Dezembro de dois mil e nove. Bragança, Cartório Notarial, dois de Dezembro de dois mil e nove. DESCRIÇÃO: 1/12 do prédio urbano em propriedade total, sem
DESCRIÇÃO: Quota no montante de 5.000,00 euros que o execu-
A Colaboradora Autorizada tado Nélson Augusto Fernandes Lopes é titular na sociedade uni- andares nem divisões susceptíveis de utilização independente,
Bernardete Isabel C. Simões Afonso A Colaboradora Autorizada composta de uma divisão no rés-do-chão e duas no primeiro andar,
pessoal por quotas Nélson Augusto Fernandes Lopes, Unipessoal,
Bernardete Isabel C. Simões Afonso destinada a habitação, descrito na C.R.Predial de Bragança sob o n°
Lda NIPC 507255305, com sede em Bragança, na Av. Sá Carneiro,
Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, Fórum Theatrum, 1° piso, Loja 15 421/20041214 e inscrito na matriz da freguesia de Nogueira sob o
do prédio rústico, sito em Vale de Casa, freguesia de Nogueira, Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, artigo 21 - Serviço de Finanças de Bragança.
OBJECTO SOCIAL: Comércio a retalho de artigos de desporto,
concelho de Bragança, composto por cultura, com a área de qua- do prédio rústico, sito em Pereiras, freguesia de Samil, concelho de PENHORADO EM : 02.09.2008.
incluindo vestuário, calçado e acessórios..
tro mil e quinhentos metros quadrados, a confrontar do norte com Bragança, composto por cultura, dois castanheiros e duas arvores INTERVENIENTES ASSOCIADOS AO BEM:
PENHORADO EM : 08-01-2009
caminho, do nascente com termo, do sul com Maria da natividade de lenha, com a área de novecentos metros quadrados, a confron- EXECUTADOS: Benjamim Alfredo Barreira, Nif:153997311,
INTERVENIENTES ASSOCIADOS AO BEM:
e do poente com Napoleão Fernandes Rodrigues, não descrito na tar do norte e do nascente com Francisco Bento, do sul com Elisa casado com Ana Paula Coelho Saraiva no regime da comunhão de
EXECUTADOS: Nélson Augusto Fernandes Lopes, BI n°
Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na ma- Furtado Montanha e do poente com Alberto Vaz, não descrito na adquiridos, residente no Bairro Fundo Fomento Habitação, Bloco
10840427, NIF 225115778, solteiro, maior, residente em Carção,
triz respectiva, sob o artigo 1225, sendo de 10,68 euros o seu valor Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na ma- - A - Ent.3 - R/C Direito em Bragança..
Vimioso.
patrimonial, a que atribui o valor de quinze euros. triz respectiva, sob o artigo 145, sendo de 6,54 euros o seu valor MODALIDADE DA VENDA: Venda mediante propostas em
MODALIDADE DA VENDA: Venda mediante propostas em car-
Que entraram na posse do referido prédio, em mil novecentos e patrimonial, a que atribuem o valor de dez euros. carta fechada, a serem entregues na Secretaria do supra mencio-
ta fechada, a serem entregues na Secretaria do supra mencionado
oitenta e quatro, ainda no estado de solteiros, por doação verbal Que entraram na posse do referido prédio, em mil novecentos e nado Tribunal, pelos interessados na compra, ficando como data
Tribunal, pelos interessados na compra, ficando como data para
que dele lhe fez, Maria der Lurdes Gonçalves Rodrigues, residente oitenta e quatro, por compra verbal que dele fizeram a José Augus- para abertura das propostas o dia 13 de Janeiro de 2010, pelas
abertura das propostas o dia 05 de Janeiro de 2010, pelas 14:00
na Arrentela, concelho do Seixal, sem que no entanto ficassem a to Rodrigues, residente na Costa da Caparica, sem que no entanto 14:00 Horas.
Horas.
dispor de título formal que lhes permita, o respectivo registo na ficassem a dispor de título formal que lhes permita, o respectivo VALOR BASE DA VENDA: 1.400,00 Euros
VALOR BASE DA VENDA: 5000.00 euros
Conservatória do Registo Predial; mas, desde logo, entraram na registo na Conservatória do Registo Predial; mas, desde logo, en- Será aceite a proposta de melhor preço, acima do valor de 980 Eu-
Será aceite a proposta do melhor preço, acima do valor de
posse e fruição do identificado prédio, em nome próprio, posse traram na posse e fruição do identificado prédio, em nome próprio, ros, correspondente a 70% do valor base.
3.500,00€, correspondente a 70% do valor base.
assim detêm há muito mais de vinte anos, sem interrupção ou ocul- posse assim detêm há muito mais de vinte anos, sem interrupção ou INFORMAÇÕES ADICIONAIS: A venda do bem supra identifi-
tação de quem quer que seja. ocultação de quem quer que seja. cado será realizada na proporção de 1/12 que é quinhão hereditário
Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi- Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi- A sentença que se executa está pendente de recurso ordinário Não do Executado, conforme consta do registo do bem supra referido,
ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome Está pendente oposição à execução Não na competente Conservatória do Registo Predial de Bragança
próprio e com aproveitamento de todas as utilidades do prédio, no- próprio e com aproveitamento de todas as utilidades do prédio, no- Está pendente oposição à penhora Não
meadamente, amanhando-o, adubando-o, cultivando-o e colhendo meadamente, amanhando-o, adubando-o, cultivando-o e colhendo A sentença que se executa está pendente de recurso ordinário Não
os seus frutos, agindo sempre por forma correspondente ao exercí- Está pendente oposição à execução Não
os seus frutos, agindo sempre por forma correspondente ao exercí-
cio do direito de propriedade, quer usufruindo como tal o imóvel, Está pendente oposição à penhora Não
cio do direito de propriedade, quer usufruindo como tal o imóvel, Agente de Execução
quer beneficiando dos seus rendimentos, quer suportando os res- quer beneficiando dos seus rendimentos, quer suportando os res- Alexandra Gomes Solicitador de Execução, Alexandra Gomes
pectivos encargos, quer ainda pagando as respectivas contribuições pectivos encargos, quer ainda pagando as respectivas contribuições
e impostos, mantendo-o sempre na sua inteira disponibilidade. e impostos, mantendo-o sempre na sua inteira disponibilidade.
Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, con- Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, con- Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 685 de 8
duziu à aquisição dos imóveis, por usucapião, que invoca, justifi- duziu à aquisição do imóvel, por usucapião, que invocam, justifi- de Dezembro de 2009
cando o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 685 de 8
cando o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado
que esta forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer de Dezembro de 2009 Américo Alves
que esta forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer
outro título formal extrajudicial. outro título formal extrajudicial. Agente de Execução
Cédula 3394

EXECUÇÃO PARA PAGAMENTO DE QUANTIA CERTA

Astrólogo Curandeiro Processo N°. 116/07.2TBVLF


Execução Para Pagamento de Quantia Certa
N/Referência: P.I. n.° 79/07

Prof. SALOMÉ
Data: 24/11/2009
Exequente: Banco Espírito Santo, SA.
EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO Executado: Solinor – Soc. Oleaginosa do Norte

CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por ANÚNCIO


escritura lavrada no dia três de Dezembro de dois mil e nove no 2ª e última Publicação
Cartório Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçalves

Especialista dos casos amorosos, resolução Andrade, sito na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bra-
gança, exarada de noventa e cinco a folhas noventa e sete do livro
Nos autos acima identificados foi designado o dia 12 de Janeiro
2010 pelas 14H00, no Tribunal Judicial de Vila Nova de Foz Côa,
de notas para escrituras diversas número “Setenta e dois – A” ANI- para a abertura de propostas que sejam entregues até ao momento
969209609 em uma semana dos casos mais desespera- BAL JOSÉ MACHADO e mulher DILAR DA CONCEIÇÃO DOS
SANTOS MACHADO, casados sob o regime da comunhão de ad-
na Secretaria deste Tribunal, pelos interessados na compra dos se-
guintes bens móveis:

dos tais como: Amarração, Afastamento, quiridos, ambos naturais da freguesia de Mourão, concelho de Vila
Flor, onde residem, na rua Principal, nº 48, NIFS 168 064 227 e 167 Bens a vender: -

934074237 Problemas Profissionais e Familiares,


908 154, fizeram as declarações constantes desta certidão, que com
esta se compõe de três laudas e vai conforme o original.
Verba 1 - Veículo automóvel ligeiro de mercadorias, matricula 73-
42-EQ, marca Peugeot, modelo 205 XAD, 1769 cilindradas, bran-
Bragança, Cartório Notarial, três de Dezembro de dois mil e nove. co, gasóleo, do ano de 1994.
Negócios, Sorte, Justiça, Doenças estranhas A Colaboradora Autorizada
Verba 2 - Veiculo automóvel ligeiro de mercadorias, matricula
89-51-MB, marca Mercedes-Benz, modelo 412D/40,25, 2874 ci-
917049293 e crónicas, e Impotência sexual. Bernardete Isabel C. Simões Afonso lindradas, branco, gasóleo, do ano de 1998.

Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, Valor base dos bens a vender: -
dos seguintes bens: Verba 1: € 1.500,00 (sendo o valor a anunciar de € 1.050,00).

BRAGANÇA Não fique na Sombra 1- Prédio rústico, sito em Costinha, freguesia de Mourão, conce-
lho de Vila Flor, composto por horta de rega e vinha com cento
e cinquenta e duas cepas, com a área de mil cento e quarenta e
Verba 2: € 8.000,00 (sendo o valor a anunciar de € 5.600,00).
Em relação às propostas, não serão aceites todas as que forem de
valor inferior a 70% do valor base do bem em causa.
três metros quadrados, a confrontar do norte com António Augusto Penhorados a Solinor – Sociedade de Oleaginosa do Norte, com
Morais, do nascente com Manuel dos Santos Trigo, do sul com José sede na Av. 25 de Abril, 273, Bloco B-G, 5370-202 Mirandela.
PAGAMENTO APÓS RESULTADO Leandro Herd. e do nascente com Daniel Augusto dos Santos, não É fiel depositário Solinor – Sociedade de Oleaginosa do Norte.
descrito na Conservatória do Registo Predial de Vila Flor, mas ins- As propostas enviadas pelo correio deverão conter, sob cominação
crito na matriz respectiva, sob o artigo 681, sendo de 33,07 euros o de não serem consideradas, fotocópia do bilhete de identidade e
seu valor patrimonial, a que atribuem o valor de quarenta euros. número de contribuinte do proponente e/ou seu legal representante,
2- Prédio rústico, sito em Cabeço, freguesia de Mourão, concelho bem como telefone de contacto.
de Vila Flor, composto por terra com nove oliveiras, com a área de Os proponentes devem juntar à sua proposta, como caução, um
mil trezentos e vinte e três metros quadrados, a confrontar do norte cheque visado, à ordem do solicitador de execução no montante
com Luís Guilhermino Trigo e do sul com Ana Cecilia, de nascente correspondente a 20 % do valor base dos bens, ou garantia bancária
com caminho e do poente com Lídia Magalhães Pereira, não des- no mesmo valor.
crito na Conservatória do Registo Predial de Vila Flor, mas inscrito Sendo a proponente pessoa colectiva, deverá a referida proposta
na matriz respectiva, sob o artigo 1099, sendo de 7,18 euros o seu ser acompanhada por documento onde se possa aferir, sem margem
valor patrimonial, a que atribuem o valor de dez euros. para dúvidas, que quem a representa tem poderes para o acto.
Que entraram na posse dos referidos prédios, em mil novecentos
e oitenta, o primeiro por partilha verbal da herança aberta por óbi- O Solicitador de Execução,
to de Daniel Augusto dos Santos e o outro por compra verbal que Américo Alves
dele fizeram a João dos Santos, que foram residentes na referida
freguesia de Mourão, sem que no entanto ficassem a dispor de tí-
tulo formal que lhes permita, o respectivo registo na Conservatória
do Registo Predial; mas, desde logo, entraram na posse e fruição
dos identificados prédios, em nome próprio, posse assim detêm há
Soluções do Passatempo
muito mais de vinte anos, sem interrupção ou ocultação de quem
quer que seja. de 1/12/2009
Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi-
ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome
próprio e com aproveitamento de todas as utilidades dos prédios,
nomeadamente, amanhando-os, adubando-os, cultivando-os e co-
Sudoku
lhendo os seus frutos, agindo sempre por forma correspondente
ao exercício do direito de propriedade, quer usufruindo como tal
os imóveis, quer beneficiando dos seus rendimentos, quer supor-
tando os respectivos encargos, quer ainda pagando as respectivas
contribuições e impostos, mantendo-os sempre na sua inteira dis-
ponibilidade.
Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, con-
duziu à aquisição dos imóveis, por usucapião, que invocam, justi-
ficando o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado
que esta forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer
outro título formal extrajudicial.

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 29


LAZER

TECNOLOGIA & INTERNET PASSATEMPOS

Quirás de passagem , Sudoku

O objectivo é preen-
cher um quadrado
9x9 com números
de 1 a 9, sem repetir
números em cada
linha e cada coluna.
Também não se pode
repetir números em
cada quadrado de
3x3.
www.vinhais.com.pt/paginas/quiras.php
A 17 quilómetros de Vinhais, Quirás apresenta-se repleta de histórias, pai-
sagens inesquecíveis e gentes acolhedoras.
Através do endereço www.vinhais.com.pt/paginas/quiras.php, turistas,
curiosos ou naturais do concelho de Vinhais podem conhecer os antepassados
e geografia daquela freguesia localizada na margens do rios Mente e Rabaçal e
que integra cerca de 400 habitantes.
O site, desenvolvido por Raul Coelho, contempla uma galeria de imagens
que coloca Quirás à distância de um clique.
Soluções no próximo número

HORÓSCOPO Por Maysa

CARNEIRO GÉMEOS LEÃO BALANÇA SAGITÁRIO AQUÁRIO


Lua Imperatriz Papisa Ermita Morte Carro
Ninguém nos aconselha tão mal A confiança dá à conversa mais A consciência é muito bem educada. O sinal mais seguro da Sabedoria é Se a paixão conduz, deixe a razão se- A felicidade é a aceitação corajosa
como nosso amor-próprio, nem conteúdo do que a inteligência. Deixa logo de falar com aqueles que a constante serenidade. gurar as rédeas. da vida.
tão bem quanto a nossa consci- A harmonia é possível desde que não querem escutar o que ela tem a É de luz que necessita neste mo- Neste momento poderá passar pela Por vezes na nossa vida surgem cer-
ência. dizer”. sua cabeça algo como: “”Tenho que tas situações que não nos deixam
se disponha a ser realista. Não pro- mento para alcançar o conhecimen-
Sente-se numa profunda aflição Semana em que poderá ser confron- mudar o rumo da minha vida””. Con- ver qual o caminho que devemos
cure o ideal constantemente, pois to, e seguir a caminhada. Como é seguir, nem o que fazer. É necessário
em que é assaltado pela angustia, tada com revelações, algumas das vém ter a noção de como está para-
desse modo nunca irá adaptar-se paciente aprendeu a esperar, e desse fazer uma reflexão, avançar e confiar
pelo medo e como se não fosse quais bastante inesperadas. Talvez se do na encruzilhada sem encontrar a
as circunstâncias. Tudo isso poderá modo poderá alcançar, a tão dese- um pouco na sua intuição e na sor-
suficiente, por um sentido de cul- surpreenda com atitudes diferentes do saída. É necessário juntar forças, e
pa, e.. com a sensação que nada ser ultrapassado, se de uma vez por jada paz no seu relacionamento. te, para que as opções nos surjam de
usual , com as quais não estava á es- principalmente ter coragem para en- uma maneira clara. Se decidir nada
na sua vida é claro. Tudo isto é todas tomar consciência, que quem pera. Mas a vida é mesmo assim nem
Avalie bem todas as opções, que lhe frentar oposições ou circunstâncias
tem ao seu lado não poderá conti- possam surgir, e pense.. que os ca- fazer, só irá piorar a situação, esta
passageiro, mantenha-se tranqui- sempre o que planeamos ou julgamos menos boas. Atreva-se a mudar é deixa-lo-à na angustia.....”
lo e deixe passar esta fase menos nuar a ser sua segurança o seu porto estar certo, se coaduna com os outros. minhos mais cómodos não serão os importante para si.” Qualquer que seja a decisão não olhe
favoravel..” de abrigo.” Recomenda-se prudência, tanto a ní- melhores.” As entradas de dinheiro estão difí- para traz, siga decididamente o ca-
Mantenha a calma com os negó- Com a sua forte personalidade, vai vel profissional como nas finanças. Sem mudanças, ou novidades. ceis..mas não desanime. minho escolhido.
cios e com o dinheiro. conseguir alcançar os seus objecti- Algum cansaço pode leva-lo à depres- Tente alimentar-se saudavelmente. Evite esforços, tente ter cuidado com Como resultado desta situação po-
Instabilidade nervosa e pertuba- vos. Cuide da sua tensão arterial. são. a coluna. dem surgir insónias ou dores de
ções de sono. estomago.

TOURO CARANGUEJO VIRGEM ESCORPIÃO CAPRICÓRNIO PEIXES


Temperança Sol Dependurado Justiça Imperador Torre
A consciência é muito bem educa- Não é a força, mas a constância dos Amar não é apoderar-se do outro O amigo certo se reconhece numa O fim das disputas e das polémicas Único erro verdadeiro é aquele com
da. Deixa logo de falar com aque- bons sentimentos que conduz os para completar-se, mas dar-se ao situação incerta. não deve ser a vitória mas o aper- o qual nada se aprende.
les que não querem escutar o que homens à felicidade. outro para completá-lo. Aprendeu que os seus actos estão feiçoamento. Acontecimentos perturbadores ou
ela tem a dizer””. negativos podem estar na ordem do
Semana em que deve tentar descan- A sua posição é dificil neste mo- sobre avaliação. Por essa razão terá Semana de emoções intensas, mas
Semana, em que finalmente po- dia. Pondere bem todos os riscos e
sar sobre assuntos que ultimamente mento. Sente-se privado de liberda- que definir e clarificar a sua situa- em que deve ter algum cuidado, situações pois esta é uma carta de
derá entender, que com harmonia, lhe tem causado problemas. Apro- de. A sua relação está a passar por ção sentimental. Exponha os seus para não ferir susceptibilidades choques. Está na hora de alterar ati-
equilibrio e paz interior consegui-
veite para relaxar, saia, divirta-se uma fase de apatia, talvez mais de planos de forma clara e objectiva, mais sensíveis, pois embora pense tudes que não têm sido as mais cor-
rá alcançar o seu caminho. A feli-
,não fique em casa, pois a sua vida comodismo da sua parte. Se nada ponderando os seus sentimentos, o contrario, nem sempre tem razão. rectas, e dar novo rumo á sua vida.
cidade está nas suas mãos só tem Todo este turbilhão é difícil mas,
que saber utiliza-la. Acredite mais
sentimental está atravessar um mo- fizer para alterar tal situação, esta para não estragar à partida situações Não deve esquecer que para fazer
mento, mais risonho, e com contor- irá decerto morrer. Se ainda existir que podem ter tudo para dar certo.” valer os seus pontos de vistas, tem necessário pois talvez confrontado
no amor, evitando ser muito for- com o que perdeu, possa dar real-
mal ou rotineiro nos seus actos.” nos mais definidos.” algum amor, porque não tentar no- Procure chegar acordos, pois actu- que comecar por dar o exemplo,
mente valor ao que teve.”
Boa semana para iniciar projectos, Mesmo em tempos difíceis, talvez vamente. Talvez valha a pena.” ando isoladamente, não terá bene- mas... não de forma autoritária.” Semana em que não deve transportar
e por em pratica novas ideias. possa surgir algum aumento impre- Dificuldade em manter os compro- fícios. Grande energia que o ajudará a su- problemas familiares, para o seu lo-
Um regime alimentar diferente e visto. missos financeiros. Avalie problemas de visão. perar obstáculos no seu trabalho. cal de trabalho.
uma limpeza fisica ou espiritual Pode manter-se tranquilo, está tudo Irá notar uma quebra de vitalidade. Faça exercicios que ajudem o co- Concentre-se não se coloque em si-
terão efeito redobrado. bem por agora com a sua saúde. ração. tuações de risco.

30 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


INZONICES

INCLINÓMETRO
O
Pelourinho
POSITIV
IMI – A oposição insurge-se contra a taxa do Imposto Municipal so-
bre Imóveis no concelho de Bragança. Foi na última Assembleia Municipal.
IVO
NEGAT Oposição? Mas sempre existe oposição no município ou tudo não passa de
um golpe de teatro para marcar o início de mandato?

Jovem promissor – Nuno Reis foi


eleito para a Assembleia da Comunidade
Intermunicipal de Trás-os-Montes, numa
lista do PSD, claro. Este jovem vai longe e
dentro do PSD dá cartas a dominar dos-
AOTAD siers e em dons de oratória.
Juntamente com Nuno Reis, foram
João Carlos Figueiredo Os rótulos de azeite trans-
eleitos Cândido Alves (PSD), Luís Pires
Ex-presidente montanos e durienses somam
(PS), Cláudia Guedes de Almeida (CDS) e
da C.M. Alfândega prémios além fronteiras e a
José Lourenço (Movimento Sempre Pre-
Associação de Olivicultores
Desde a sua criação que a sente).
de Trás-os-Montes e Alto Dou-
EDEAF está a funcionar sem ro desbrava novos mercados
licenciamento industrial, re- FamaShow – O programa da SIC es-
e novas fileiras. A nova DOP
correndo a um contador de teve no Hotel SPA Alfândega. A reporta-
Douro pode ser um deles, mas
electricidade de obra. O deslei- gem passou anteontem e, lá do alto da sua
será benéfico dividir esta deno-
xo paga-se caro e, na hora de mansão, em Londres, Chaby Rodrigues
minação?
arrumar a casa, recordam-se gostou tanto do que viu que já telefonou
promessas que nunca foram para o hotel a reservar uma suite para fa-
cumpridas. zer um tratamento de “cerejoterapia”…

Chiu... não se queixe agora da

foto
falta de gente, que as jornalistas Nós, os políticos, temos muitas
podem ouvir... máscaras, principalmente
daquela lata...

Novela

Anima, mulher! A Mascararte


está tamanha seca que nem a
Ó Fátima, é dos carecas
chuva nos afecta.
que elas gostam mais?

8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 31


Última Hora
Miranda do Douro
“Canhono”
com selo DOP

Protecção era aguardada há anos


O cordeiro ou “canhono” mi-
randês já conseguiu a chancela de
Denominação de Origem Protegida
(DOP), após um período de espera
que se arrastou durante uma déca-
da. A distinção foi atribuída, recen-
temente, pela Comissão Europeia.
A notícia foi recebida com sa-
tisfação pelos pastores e membros
da Associação Nacional de Cria-
dores de Raça Churra Galega Mi-
randesa (ANCRCM), com sede em
Malhadas, no concelho de Miranda
do Douro.
“É uma mais valia económica
que vai satisfazer um desejo antigo
dos associados. Esperámos muito
tempo, mas acho que valeu a pena”,
argumentou Francisco Rodrigues,
pastor e presidente da ANCRCM.
Actualmente, o cordeiro mi-
randês é vendido a cerca de cinco
euros o quilo, mas os produtores
consideram que o preço terá de su-
bir, dada a qualidade da carne e o
aumento dos custos de produção.
Por seu lado, a secretária téc-
nica do livro genealógico daquela
raça, Anabela Torrão, explica que o
processo de certificação do cordeiro
mirandês foi longo, porque são exi-
gidas determinadas acções, como é
caso dos exames às qualidades or-
ganolépticas da carne. Além disso,
a legislação em vigor foi sendo alte-
rada, o que obrigou a tomar outros
procedimentos.
Esta é mais uma raça autóctone
da região trasmontana a exibir esta
distinção de qualidade superior,
reconhecida por Portugal e pela
União Europeia.
Agora, o objectivo passa pela
promoção da carne, através de cer-
tames que serão implementados
para o efeito, como é caso do Festi-
val de Sabores Mirandeses, que vai
decorrer em Fevereiro do próximo
ano.

Francisco Pinto

32 8 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE