You are on page 1of 3

Simone Sardeiro 1

Geógrafa, Especialista em Geoprocessamento (GIS Green River Community College/USA). Assessora Técnica do Núcleo de Geografia e Cartografia do Observatório de Sergipe.

RESUMO: O Observatório de Sergipe lança mais um produto, o banco de dados espaciais com informações sobre os Censos demográficos 2000 e 2010, bem como estatísticas vitais, informações territoriais de dados econômicos para o Estado de Sergipe.

PALAVRA CHAVE: dados geográficos, Banco de dados, Sig

INTRODUÇÃO: Numa época em que a sociedade privilegia a informação como necessidade básica para o planejamento e desenvolvimento de políticas próprias análises e mapas, conhecendo melhor as condições de vida da população nas áreas urbanas e rurais públicas, fundamentada em uma base de conhecimento sobre a realidade local, o Observatório de Sergipe disponibiliza o banco de dados espaciais com informações a nível territorial com dados econômicos e estatísticas vitais para Sergipe. A iniciativa se insere no projeto de implantação do Sistema Estadual de Informações e agregará uma gama de dados sobre Sergipe em diversos temas. A iniciativa é uma estratégia de disseminar dados dos Censos, contribuindo também para a alfabetização cartográfica da sociedade, que envolve experiências de ensino/aprendizagem em representação do espaço e incentivar o uso da geoinformação entre os gestores públicos e comunidade científica.

Trabalhar com a geoinformação significa utilizar Sistemas de Informações Geográficas, que aliam a Informática à Cartografia para realizar análise complexas. O Geoprocessamento é uma tecnologia interdisciplinar, que tem na análise espacial um lugar comum para as diferentes disciplinas do conhecimento. Serve para fundamentar estudos e pesquisas nas mais variadas área de interesse.

O arquivo em formato Geodatabase, que é a sigla de Geographic Data Bases (Banco de Dados Geográficos) representando uma nova geração de banco de dados georreferenciados. É uma forma

organizada de trabalhar as informações geográficas, porque, nesses formatos, além dos dados “puros”,

é possível armazenar regras de representação visual, funções e relacionamentos entre as categorias e um dicionário de dados (metadados), que auxilia o usuário na correta utilização das informações.

O Sistema Estadual de Informações sobre Sergipe está em fase de desenvolvimento e prevê a disponibilização

O Sistema Estadual de Informações sobre Sergipe está em fase de desenvolvimento e prevê a disponibilização de dados cartográficos de alta precisão tanto para qualquer localidade do estado.

Em Sergipe observa-se ainda uma quantidade muito grande de dados não sistematizados, o que compromete seu acesso e sua utilização tanto pelo gestor publico como pela sociedade geral. Esta ação representa um esforço pela democratização da informação e está relacionado ao conceito de open data. Nas edições futuras serão incorporados novos dados do Censo 2010 e mais informações geográficas sobre o Estado de Sergipe.

MATERIAL E MÉTODO: Os dados foram tabulados em formato de planilha eletrônica (Excel) e vinculados às informações gráficas de limites municipais, gerando um banco de dados geográficos no formato Esri file geodatabase. Inicialmente, são disponibilizadas 74 variáveis que envolvem temas sobre demografia, divisão territorial, domicílios, educação, renda, indicadores econômicos e finanças municipais. A formatação dessa base de dados permite ao usuário de geoinformação, ou não, liberdade e flexibilidade para construir suas.

Algumas das variáveis da geodatabase V.1 CONCLUSÕES: A integração de dados espaciais é bastante significativa na

Algumas das variáveis da geodatabase V.1

CONCLUSÕES: A integração de dados espaciais é bastante significativa na atualidade. Existem varias situações onde a informação localização é imprescindível para a tomada de decisão. A integração, de várias fontes e diferentes tipos de dados, é considerada um método onde você consegue ver uma conjuntura mais detalhada de uma problemática.

A base de dados criada para Sergipe é de grande utilidade para diversas atividades. Facilitando o compartilhamento e distribuição dos dados sobre Sergipe em diferentes esferas.

Esta ferramentas/metodologia analisa evidencia problemas, que podem ser tratados com atenção, e assim, resultaram em avanços relevantes para a população e conseqüente melhora na qualidade de vida. Assim, as geotecnologias são eficazes no planejamento interno e na organização interna da gestão pública.

REFERÊNCIAS:

IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br

CÂMARA, G; CASANOVA, M.; DAVIS, C.; VINHAS, L; QUEIROZ, G.R. Banco de Dados Livro online do INPE. 2005. Disponível em: <

http://www.dpi.inpe.br/livros/bdados/ >.

CARNEVALE, M.T. Infra-estrutura para informações espaciais. 2008. 111 f. Disserta-

ção (Mestrado) Univ

XAVIER, S. Geoprocessamento e SIG’s. Rio de Janeiro: IGEO, v l4, 104p, 2000.