Sie sind auf Seite 1von 22
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E FÍSICA CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E FÍSICA

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

UNIDADE 2 Limites de Funções Reais de Uma Variável

Objetivos

Calcular limites de funções.

Analisar a existência de limites.

Usar a definição de limites para provar validade do resultado do cálculo do limite.

Determinar a existência ou não de assíntotas verticais e/ou horizontais de funções

Aplicar os limites fundamentais no cálculo de limites envolvendo funções mais

complexas.

Cálculo Diferencial e Integral

Unidade 2 – Limites de Funções de uma Variável

UNIDADE 2 – LIMITES DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL

Nessa unidade serão estudados os conceitos de limites que permitem definir o comportamento de uma função em um determinado ponto.

2.1 Definições importantes

a) Vizinhança: Chama-se vizinhança (ou entorno) de centro em

(a δ , a + δ ), onde δ > 0

a

e raio

δ

ao intervalo aberto

Notação:

ε

(

a,

)

δ

=

(

a

δ

,a

+

δ

)

=

{

x

R |

x − a
x
a

<

δ}

Representação gráfica:

 

(

 

)

 

a δ

 

a

a + δ

b) Vizinhança perfurada: é o intervalo (a δ , a) (a, a + δ ), onde a não está incluído.

Notação: ε '(a,δ ) = (a δ , a)(a, a + δ ) = {x R | a δ < x < a + δ , x a}

Representação gráfica:

(

< a + δ , x ≠ a } Representação gráfica: ( ) a − δ

)

a δ

a

a + δ

c) Ponto de acumulação: um número a é dito ponto de acumulação do conjunto C se, e somente se, para toda vizinhança perfurada de centro a , existe pelo menos um ponto que seja do conjunto C.

d) Ponto isolado: um ponto a pertencente a C é ponto isolado de C se existe ε '(a) ao qual não existe nenhum ponto de C.

Exemplo 1: Represente a vizinhança

Solução:

x

5 <

0,5

1

2

<

x

5

<

1

2

5

x 5 < 0,5

.

1

2

<

x

<

5

+

1

2

4,5

<

x

<

2.2 Motivação para a definição de limite

A idéia de limite aparece intuitivamente em muitas

situações. Na Física, por exemplo, para definir a velocidade instantânea de um móvel utiliza-se o limite da velocidade média quando o intervalo de tempo tende a zero.

v é calculada como

A

velocidade

média

m

v m

=

s

1

s

0

s

=

t

1

t

0

t

. A velocidade instantânea

v

i

é

v

i

= lim

t 0

s

t

.

O cálculo de limites serve para descrever como uma

função se comporta quando a variável independente tende a um dado valor.

5,5 . s 1 ∆s s 0 ∆t t 0 t 1
5,5
.
s
1
∆s
s
0
∆t
t 0
t 1
função se comporta quando a variável independente tende a um dado valor. 5,5 . s 1

51

Cálculo Diferencial e Integral

Observação: Não importa o que aconteça com de f (x) para x perto de a .

Unidade 2 – Limites de Funções de uma Variável

f (x) quando x é igual a a , o que interessa é o comportamento

Notação:

lim

x

a

f (x)

=

L

lê-se “ L é o limite de f (x) quando x se aproxima de a ”.

O matemático francês Augustin-Louis Cauchy (1789-1857) foi a primeira pessoa a atribuir um significado matematicamente rigoroso às frases “ f (x) se aproxima arbitrariamente de L ” e “ x se aproxima de a ”.

Exemplo 2: Como será o comportamento da função de 2?

f

(

x

)

2

= x

x + 1

quando x está cada vez mais próximo

Solução:

1) Gráfico

2) Tabela

vez mais próximo Solução : 1) Gráfico 2) Tabela 3) Algébrico lim f ( x )

3) Algébrico

lim f ( x )

=

L

Lê-se: limite de f (x) quando x tende a

x

a

lim x

x

2

2

x

+

1

=

lim

x

2

2

2

2

+

1

=

lim

x2

3

=

3

é

L .

Observe os gráficos abaixo.

a)

= lim x → 2 3 = 3 é L . Observe os gráficos abaixo. a)

b)

x → 2 3 = 3 é L . Observe os gráficos abaixo. a) b) c)

c)

x → 2 3 = 3 é L . Observe os gráficos abaixo. a) b) c)

x

f(x)

1,0

1,000000

1,5

1,750000

1,9

2,710000

1,95

2,852500

1,99

2,970100

1,995

2,985025

1,999

2,997001

2

 

2,001

3,003001

2,005

3,015025

2,01

3,030100

2,05

3,152500

2,1

3,310000

2,5

4,750000

3

7,000000

d)

2,1 3,310000 2,5 4,750000 3 7,000000 d) O que acontece com a função f ( x

O que acontece com a função f (x) quando x se aproxima de a , mantendo-se porém x a ?

f (x) se aproxima do número L nos casos a), b) e c), porém no caso d) não se aproxima de nenhum

número.

Para os casos a), b) e c) pode-se dizer que o limite de

lim f (x)

x

a

=

L

.

Para o caso d), não existe o limite.

f (x) para

x tendendo a a é L e escreve-se

52

Cálculo Diferencial e Integral

Unidade 2 – Limites de Funções de uma Variável

É importante salientar que não importa o que acontece quando x = a , mas sim o que acontece com

f (x) para x nas proximidades de a .

Observemos que podemos tornar f(x) tão próximo de L quanto desejarmos, bastando para isso tomarmos x suficientemente próximo de a.

A linguagem utilizada até aqui não é uma linguagem matemática, pois ao dizermos, por exemplo, “x

suficientemente próximo de a”, não sabemos quantificar o quão próximo.

Como exprimir em linguagem matemática a definição de limite f (x) L

lim

=

x

a

?

(1) f (x) deve ser arbitrariamente próximo de L para todo x suficientemente próximo de a (e diferente de a ). Como definir proximidade arbitrária?

A matemática usa símbolos para indicar essas pequenas quantidades. Os símbolos usualmente são

ε (epsilon) e δ (delta). Considere um número ε > 0 , arbitrário. Os números de f (x) são tais que L ε < f (x)< L + ε distam

de L menos do que ε , ou seja, f ( x ) − L
de L menos do que ε , ou seja,
f
(
x
)
− L
< ε
. Portanto, dizer que f (x) é arbitrariamente próximo de L é o
mesmo que dizer: dado ε > 0 , temos
f
(
x
)
− L
< ε
.

(2) Assim, (1) pode ser reescrito como: Dado ε > 0 devemos ter

f

(

x

)

L

< ε

para todo

x

suficientemente próximo de a (e diferente de a). Por outro lado, dizer que x é suficientemente próximo de a para que

f

(

x

)

− L x − a
− L
x − a

< ε

significa dizer que

a sua distância a a é suficiente para que isto ocorra, ou seja, existe δ > 0 tal que, se

< δ

e

x a , então

f

(

x

)

L

< ε

. Em suma, dando ε > 0 qualquer, fixa-se a proximidade de

f (x) a

L . Então se

lim

f (x)

=

L

 

x

a

deve ser possível encontrar δ > 0 em correspondência a ε > 0 , tal que para todo x a cuja a distância a a seja menor que δ , tenhamos a distância de f (x) a L menor que ε .

2.3 Definição formal de limite finito

Escrevendo formalmente a definição de limite:

Dada uma função

 

f

com domínio D, seja a um ponto de acumulação de D e L um número, diz-se

que o número

L

é o limite de

f (x) com

x tendendo a a se, dado qualquer ε > 0 (epsilon), existe δ > 0

(delta) tal que x D ,

0 <

x

a

< δ

implica

f

(

x

)

L

< ε

.

Para indicar isso, escreve-se

lim

f (x)

=

L

.

x

a

2.4 Construção geométrica que ilustra a noção de limite

, dado ε , necessita-se achar δ como na

definição dada. Marcam-se L + ε e L ε no eixo dos y e por esses pontos traçam-se retas paralelas ao eixo x , que encontram o gráfico de f nos pontos A e B . Traçando retas paralelas ao eixo dos y por esses pontos,

e

obtêm-se os pontos C e D , intersecções dessas retas com o eixo dos x . Basta tomar δ > 0 tal que a δ a + δ sejam pontos do segmento CD . Observe que δ não é único. Em geral se toma o menor δ possível.

Sendo dados

f ,

e ε , sabendo que

lim

x

a

f (x)

=

L

a ,

L

53

Cálculo Diferencial e Integral

Unidade 2 – Limites de Funções de uma Variável

Integral Unidade 2 – Limites de Funções de uma Variável   f     2
 

f

 

2

x

1,

x

3

Exemplo 3: Como será o comportamento da função

(

x

)

=

 

quando

 

5,

 

x =

3

próximo de 3?

Solução:

 

x 3

< δ

x

f (x)

 

f (x) 5

< ε

 

0,05

2,95

 

4,9

 

0,1

0,04

2,96

4,92

0,08

 

0,03

2,97

4,94

0,06

0,02

2,98

4,96

0,04

0,01

2,99

4,98

0,02

0,001

2,999

4,998

 

0,002

Analisando os dados da tabela, observa-se que lim

f

(

x

)

=

5 .

 

x

3

Exemplo 4: Prove formalmente que lim(2

x 3

x

4)

=

2

.

Solução:

Deve-se provar que: dado qualquer

ε > 0 ,

existe

 

δ > 0

tal que

x D ,

(

2x 4

)

2

< ε

.

x

0

<

está cada vez mais

x

3

< δ

implica

(

2x

4

)

Calculando:

2

<

2

δ =

2

ε

2

=

(

2 4

x

ε

)

2

=

Logo, dado qualquer ε > 0 , existe

Assim, lim(2

x

3

x

4)

=

2 .

2

x

6

δ =

ε

2

= 2

x 3

<

2δ

,

tal que

x D ,

0

<

x

escolhe-se

δ =

ε

,
2

3

< δ

implica (

2x 4

)

2

então

< ε

.

54

Cálculo Diferencial e Integral

Unidade 2 – Limites de Funções de uma Variável

Exemplo 5: Prove formalmente que lim

x 2 =

4

.

x

2

Solução:

Deve-se provar que: dado qualquer

 

ε > 0 ,

existe

δ > 0

tal que

x D ,

0

2

x

4

<

ε

.

Calculando:

Necessitamos escrever

2

x

4

=
=

x 2

x + 2

x + 2

.

por um valor constante. Supondo δ 1, então

<

x

2 <

1

δ

=

x 2

1

<

x

min 1, ε

< δ

5

x + 2

2

<

1

1

<

x

<

3

5 =

x 2

ε

.

Escolhendo

x

2 4

=
=

, temos

5 =

ε

5

Formalmente, dado qualquer ε > 0 , existe

2

x

4

<

ε

.

Logo, lim

x

x

2

2

E1: Mostre que lim

x →−

2

(3

=

4

.

x +

7)

=

1

Exemplo 6: Dado ε = 0,03 , determine

Solução:

Pelo exercício anterior, como

δ > 0 tal que

δ =

ε

3

, então

(

3

<

< δ

δ

=

x

+

2

<

5

.

, então

min 1, ε

5

tal que

x D ,

3x + 7

)

1

δ =

0,03

3

< ε

sempre que

=

0,01

x + 2

0 <

< δ

 

x

2

< δ

implica

x

2

< δ

implica

.

2.5 Limites Laterais

Definição: Limite à direita

Seja uma função

f

f (x) com

x tendendo a a

definida pelo menos em um intervalo (a, b) , diz-se que o número L é o limite de

implica

pela direita se, dado qualquer ε > 0 , existe δ > 0 tal que

0 < x a < δ

f

(

x

)

L

< ε

. Para indicar isso, escreve-se

lim

f (x)

=

L

.

 

x

a

+

Definição: Limite à esquerda

definida pelo menos em um intervalo (c, a) , diz-se que o número L é o limite de

f (x) com x tendendo a a pela esquerda se, dado qualquer ε > 0 , existe δ > 0 tal que δ < x a < 0 implica

Seja uma função

f

f

(

x

)

L

< ε

.

Para indicar isso, escreve-se

lim

x

a

f (x)

=

L

.

55

Cálculo Diferencial e Integral

Unidade 2 – Limites de Funções de uma Variável

Existência do limite finito

Teorema: O limite

existem e têm o valor comum L .

lim

xa

f (x)

existe e é igual a L se e somente se os limites laterais

lim

x

a +

f (x)

e

lim

x

a

f (x)

f

(

x

)

=

x
x

Exemplo 7: Considere as funções

a)

b)

c) Determine, se houver,

d)

e)

f) Determine, se houver,

 

x

lim

f (x)

.

x

0

lim

g(x)

.

x

0

Calcule

x

Calcule

Calcule

Calcule

x

x

lim

0

+

lim

x

0

lim

0

lim

0

f (x)

.

f (x) .

g(x)

g(x)

.

.

+

e

g

(

x

)

=

x

Solução:

a)

b)

c)

d)

e)

f) Como

lim

x

0

+

f

lim

x

0

f

Como

lim

x

0

+

lim

x

0

g

g

(

(

x

x

)

)

1

=

= −

.

1

.

lim

x

0

+

f (x)

(

(

)

)

x

x

lim

=

=

0

0

g

(

x

0

+

.

.

x

)

=

lim

x

0

lim

x

0

+

f (x)

g

(

x

)

,

não existe

=

0

, existe

lim

x

0

f (x)

lim

x

0

g(x)

.

e seu valor é zero.

→ 0 f ( x ) lim x → 0 g ( x ) . e

E2. Prove que o limite de

E3. Dada a função f (x)=

a)

lim

x

0

f (x)

b)

Exercícios

 1, x ≤ 0 f ( x ) =  quando x tende a
1,
x ≤
0
f
(
x
)
=
quando x tende a zero não existe.
2,
x >
0
x , determine, se houver:

lim

x 0

+

f (x)

c)

lim

x

0

f (x)

E4. Calcule o limite L , depois determine δ > 0 tal que

f

(

x

)

L

< 0,01

sempre que

0 <

x

a

< δ

.

a) lim x − 4 x → 5 E3. a) não existe E4. a) 1
a) lim
x −
4
x →
5
E3. a) não existe
E4. a) 1

b)

lim

x 2

x

2

3

x

+

2

x 2

c)

lim

x →− 2

b) 0

b) 1; δ = 0, 01

Respostas

c) não existe

c) 1; δ = 0, 01

x

2

+

5

x

+

6

x + 2

56

Cálculo Diferencial e Integral

2.6 Propriedades usadas no cálculo de limites

Unidade 2 – Limites de Funções de uma Variável

Nesta seção são mostradas as propriedades usadas no cálculo de limites de funções.

Se

L ,

M , a

e k

são números reais e

lim

x

a

f (x)

=

L

e

lim

x

a

g(x)

=

M

, então

1. Limite da soma

O limite da soma de duas funções é a soma de seus limites:

 

{f (x) g x }

+

(

)

=

L

a

)

M

ε ε < +
ε
ε
<
+

2

2

<

ε

.

lim

x

Demonstração:

Seja ε > 0 , considera-se

2

Existe

Existe

δ

1

δ

2

>

>

0

0

tal que

tal que

0

0

<

<

x

x

a

a

<

<

Decorre que, para

{

δ = min δ ,δ

1

2

δ

1

δ

2

implica

implica

}

,

0

<

x

a

f

g

(

(

)

)

x

x

ε − L < . 2 ε − M < . 2
ε
− L
<
.
2
ε
− M
<
.
2

< δ

implica

Portanto,

 

f

(

x

)

+

g

(

x

)

(

L

+

lim

{f (x) g x }

+

(

)

=

L

+

M

.

x

a

M

)

f

(

x

)

L

+

g

(

x

ε .

a)

b)

2. Limite da diferença

+

M

.

O

limite da diferença de duas funções é a diferença de seus limites:

lim

{f (x) g x }

(

)

=

L

M

.

x

a

3.

Limite do produto

 

O

limite do produto de duas funções é o produto de seus limites:

lim

{f (x) g x }

(

)

=

L

M

.

4. Limite do quociente

x

a

O limite do quociente de duas funções é o quociente de seus limites, desde que o limite do

denominador não seja zero:

lim

x

a

(

f

  (

g

x

x

)

)


=

L

,
M

M

0

.

5. Limite da multiplicação por uma constante

O limite de uma constante multiplicada pela função é a constante multiplicada pelo limite da função:

lim

x

a

{k

f

(

x }

)

=

k

L

.

57

Cálculo Diferencial e Integral

6. Limite da potenciação

Unidade 2 – Limites de Funções de uma Variável

O limite da n-ésima potência de uma função é igual à n-ésima potência do limite da função:

lim

x

a

[

f

( )]

x

n

=

[

x

lim

a

Ou

ainda

f

( )]

x

n

lim

x

a

[

f

n

= L

( )]

x

g

(

, se n é um inteiro positivo qualquer.

x

)

=

[

x

lim

a

f

( )]

x

lim g

x

a

(

x

)

=

M

L

7. Limite da radiciação

O limite da raiz n-ésima lim n f ( x ) = lim f (
O limite
da
raiz
n-ésima
lim
n
f
(
x
)
=
lim
f
(
x
)
=
n L
n
, se
L
x
a
x
a
ímpar.

de

> 0

8. Limite de uma constante

é

e n é um inteiro positivo ou se

uma

função

igual

à

raiz

O limite de uma constante é a própria constante

9. Limite

da função identidade f (x) = x

lim

x

a

k

=

k

.

n-ésima

L 0

e

função:

n é um inteiro positivo

do

limite

da

O limite da função identidade é o valor de a :

lim

x

a

10. Limite de função polinomial

Para qualquer polinômio,

lim

x

a

p(x)

=

p(a)

.

(

p x

)

= c

0

+ c x + c

1

isto é,

11. Limite de função racional

lim

x

a

O limite de uma função racional

f

(

x

)

=

(

P x

)

Q(x)

f

(

x

)

=

lim

x

a

P

(

x

)

Q

(

x

)

=

(

P a

)

Q(a)

, desde que Q(a)0 .

x

=

2

x

2

a

.

+

+ c

n

n

x

e a

qualquer número real, então

quando x a pode ser calculado por substituição,

12.

Limite do logaritmo natural de uma função

O

limite do logaritmo natural de uma função é igual ao logaritmo natural do limite da função:

lim ln

x

a

f (x)

= ln lim

x

a

f (x)

= ln

L

.

Exemplo 8: Calcule os seguintes limites:

a)

b)

lim

x

5

lim

x

3

x

2

x

2

+

3

x

1

x + 5

c)

lim 2

x

2

+

Solução:

x +

5

lim 2

x

2

+

x

+

5

=

R: 40

R: 1

lim 2(2

h

0

+

h

)

+

5

=

9

58

Cálculo Diferencial e Integral

Unidade 2 – Limites de Funções de uma Variável

d) lim x + 4 − x → 3 Solução: lim + 4 = lim(3
d) lim
x +
4
x →
3
Solução: lim
+
4
=
lim(3
h
)
+
4
=
7
− x
x →
3
h →
0
e) lim
x −
1
+
x →
1
Solução: lim
=
lim
(1
+
h
)
1
=
0
+
x →
1
h →
0
2
f) lim
9
x
x → 3
Solução: lim
(3
h )
2
2
9
=
lim
9
9
+
6
h
h
h
0
h
→ 0
2
g) lim
x
+
1
+
x → 1

=

Solução: lim

x 1

+ x

2 +

1

=

lim(1

h 0

+

h

Exemplo 9: Considere a função

)

2

f

+

(

x

a)

b)

c) Determine, se houver,

Calcule

Calcule

lim

x

1

+

lim

x

1

f (x)

f (x)

.

.

lim

x

1

f (x)

.

1

)

=

=

2

x

2

x

+

1,

1,

x

x

<

1

1

0

Solução:

a)

b)

lim

x

1

+

lim

x

1

f

f

(

(

x

x

)

)

=

=

lim

x

1

+

lim

x

1

x

x

2

+

1

1

=

=

2

0

.

.

c)

lim

x

1

f (x)

não existe, pois os limites calculados em a e b são distintos.

E5. Dada a função

f

(

x

)

a)

b)

c)

Existe f (1) ?

Existe

lim

f

f

lim

x →− 1

+

(

x

)

=

f

(

x

) ?

(

1) ?

x →− 1

+

=

x

2

x

<

0

x

<

1

1

, responda:

<

x

<

2

1,

2

x

1

x =

, 0 <

1,

2

x

0,

+

4, 1

<

2

x

<

3

d)

e)

f)

Existe f (1) ?

Existe lim

x1

=

f

f

(

x

) ?

(1) ?

lim

x 1

f

(

x

)

59

Cálculo Diferencial e Integral

Unidade 2 – Limites de Funções de uma Variável

 

Resposta

a)

Sim,

f (1) = 0

b)

lim

f

(

x

)

=

0

c)

Sim

 

x →− 1

+

d)

Sim,

f (1) = 1

e)

lim

f

(

x

)

=

2

 

f)

Não

 

x 1

2.7 Limites Infinitos

Definições:

 

Se os valores de f (x) crescem indefinidamente quando x tende a a , escreve-se

(

lim f x

) = +∞

. A

 

x

a

notação

lim

f

(

x

) = ∞

significa

que

para

cada

M

> 0 ,

existe

δ > 0

tal

que

f (x) > M

sempre

 

que

x

a

0

<

x

a

< δ

.

 

Se

 

f (x)

decresce indefinidamente quando

x

tende a

a ,

então

(

lim f x

) = −∞

.

A notação

 

x

a

lim

f

(

x

) = −∞

 

significa que para cada N < 0 , existe δ > 0 tal que f (x) < N sempre que

0 <

x

a

< δ

.

x

a

Observação: Em qualquer um destes casos a reta x = a é chamada assíntota vertical do gráfico de f (x).

1 Exemplo 10: Mostre que lim x = +∞ . 2 x → 0 Solução:
1
Exemplo 10: Mostre que
lim x
= +∞
.
2
x → 0
Solução:
Mostrar que para cada
M > 0 ,
existe
δ
> 0
tal
que se
1
0 <
x
< δ
, então
> M .
2
x
1
1
2
1
Calculando:
x
<
δ ⇒
x
< δ
2 ⇒
>
= M
, logo
δ =
.
2
x
δ 2
M
1
Prova: Para cada
M > 0 , existe δ =
tal
que se
0 <
x
< δ
, então
M
1
1
1
1
2
x
<
δ ⇒
x
<
δ 2 ⇒
>
=
, isto é,
> M .
2
2
2
x
δ
(
M )
2
x
Exemplo 11: Calcule os seguintes limites:
x
1
a) <