Sie sind auf Seite 1von 41

Machine-to-machine Communication (M2M)

Machine-to-machine Communication (M2M) Alunos: Hávilla Hayssa Camargo dos Reis Lucas Quirino Freitas Luma Wanderley de
Machine-to-machine Communication (M2M) Alunos: Hávilla Hayssa Camargo dos Reis Lucas Quirino Freitas Luma Wanderley de

Alunos: Hávilla Hayssa Camargo dos Reis Lucas Quirino Freitas Luma Wanderley de Oliveira Sarah Helen F. Porto Vinícius Barcelos Silva

Roteiro

1.
1.

Definição e Características

 
2.
2.

Arquitetura M2M

 
3.
3.

Rede Capilar

 
4.
4.

Rede Celular

5.
5.

Aplicações Reais, Desafios e Oportunidades Futuras de Pesquisa

6.
6.

Bibliografia

 

Definição e Características

Definição e Características

Definição e Características

Telemetria

- Medição e comunicação de informações

- Ex:

Definição e Características ● Telemetria - Medição e comunicação de informações - Ex:

Definição

Tecnologias que permitem tanto sistemas com fio quanto sem fio a se comunicarem com outros dispositivos

Definição ● Tecnologias que permitem tanto sistemas com fio quanto sem fio a se comunicarem com

Características

● Operabilidade;

● QoS;

● Tomada de decisão;

● Desenvolvimento;

● Financeiro.

Arquitetura de uma Rede

M2M

Arquitetura de uma Rede M2M

● A arquitetura proposta pelo European Telecommunications Standards Institute (ETSI) [TS102690] tem dois domínios principais:

○ Device Domain (DevD);

○ Network Domain (NetD).

● Entre os dois encontra-se o Gateway Domain (GatD).

Arquitetura de uma Rede M2M

● De forma análoga, poderá ser classificado o Application Domain (AppD), como o domínio onde os dados dos dispositivos M2M são armazenados em massa, ou são diretamente acedidos pelos utilizadores.

Arquitetura de uma Rede M2M

Arquitetura de uma Rede M2M ● O Device Domain contém as redes, preferencialmente de potência e

● O Device Domain contém as redes, preferencialmente de potência e consumo reduzido, onde os dados são gerados por milhares de dispositivos embutidos nos ambientes.

Arquitetura de uma Rede M2M

● O ETSI exemplifica dois tipos de acesso ao DevD:

○ Ligação direta entre o NetD e o DevD através da rede de acesso;

○ Ligação indirecta do DevD com o NetD através de uma gateway.

Arquitetura de uma Rede M2M

● As capacidades de acesso à rede são definidas no NetD e permitem que o DevD e o GatD comuniquem com a rede de suporte central.

● A rede de acesso é vista como uma camada superior à rede capilar constituída pelos domain devices. É nesta camada que os dados são geridos, do ponto de vista das entidades controladoras, e partilhados com os utilizadores finais.

● As redes de acesso sugeridas são normalmente as redes móveis 3G e 4G.

Arquitetura de uma Rede M2M

Arquitetura de uma Rede M2M
Arquitetura de uma Rede M2M

Arquitetura de uma Rede M2M

● Outros projetos tentam dar igualmente resposta a uma arquitetura normalizada, escalável e aceitável, nomeadamente as propostas IEEE 802.16 p [IEEEM2M] e as propostas da 3GPP.

● A 3GPP publicou os documentos TS 22.368 e TR 23.888, os quais apresentam e descrevem vários cenários possíveis para os serviços M2M

[JPL10].

Arquitetura de uma Rede M2M

● O cenário (1) coloca o servidor M2M dentro do domínio do operador.

Arquitetura de uma Rede M2M ● O cenário (1) coloca o servidor M2M dentro do domínio
Arquitetura de uma Rede M2M ● O cenário (1) coloca o servidor M2M dentro do domínio

Cenário (1) .

Arquitetura de uma Rede M2M

● No cenário (2) o servidor está fora do domínio do operador.

Arquitetura de uma Rede M2M ● No cenário (2) o servidor está fora do domínio do

Cenário (2) .

Arquitetura de uma Rede M2M

● O cenário (3) mostra a comunicação direta entre dispositivos M2M sem servidores intermédios.

Cenário (3) .
Cenário (3) .

Rede Capilar

Rede Capilar

Rede Capilar

● Composta por:

1. Dispositivo embutido no ambiente

2. Fonte de dados recolhida (Objetos)

Rede Capilar

● Requisitos para o funcionamento:

1. Comunicação de curto alcance para dispositivos sem fios (wireless).

a. Gama de frequências Industrial, Scientific and Medical (ISM);

b. Redes sem fios de área pessoal e área corporal com ritmos de transferência reduzidos –Body Area Network (LRWPAN/WBAN);

c. Capacidade para superar interferências;

d. Ligações intermitentes e com diferentes dinâmicas entre dispositivos.

Rede Capilar

● Requisitos para o funcionamento:

2. Consumos reduzidos de energia:

a. Componentes hardware de potência reduzida;

b. Eficiência energética dos protocolos;

c. Capacidade de recolha de energia do ambiente;

d. Transição entre estados de baixo consumo de energia.

Rede Capilar

● Requisitos para o funcionamento:

3. Baixo custo de desenvolvimento:

a. Capacidades de processamento e comunicação reduzidas mas eficientemente focadas em objectivos específicos;

b. Tamanho e custo reduzido das plataformas hardware;

c. Altamente auto-sustentáveis e auto-organizáveis;

d. Elevada autonomia e longevidade;

e. Elevada escalabilidade.

Rede Capilar

● Devido às suas características intrínsecas, necessita de tecnologias menos dispendiosas e mesmo assim eficientes do ponto de vista energético, espectral e econômico.

● Podem ser sugeridas diferentes tecnologias com requisitos bastante semelhantes:

Rede Capilar

1. PowerLine Communication - As PowerLine Communications (PLCs) são uma tecnologia de comunicação cablada.

a. Comunicação por rede elétrica.

b. Melhor canditada para aplicações smart grids (redes elétricas inteligentes).

c. Acessos a internet.

Rede Capilar

2. IEEE 802.11 - Wi-Fi.

3. IEEE 802.15.1 - Bluetooth.

4. IEEE 802.15.3 - A norma 802.15.3 [IEEE802153] permite atingir ritmos de transferência elevados em WPAN para serviços com elevados níveis de QoS, como vídeo e música em tempo real.

Rede Capilar

5. IEEE 802.15.4 – define um conjunto de regras, restrições e técnicas protocolares em redes de comunicação sem fios para a

camada física e camada de ligação de dados de dispositivos LR- WPAN.

a. engloba todas as características necessárias para a criação de redes capilares.

b. Integração destas redes com a Internet, foram propostos protocolos coerentes ao nível das camadas de rede e aplicação:

RPL, CoAP, 6LoWPAN.

Rede Celular

Rede Celular

Rede Celular

Vantagens:

Partilha dos dados provenientes das redes capilares entre servidores, data centres ou diretamente entre utilizadores finais;

Oferece cada vez melhores coberturas e taxas de transferência;

Suporte a mobilidade;

Técnicas otimizadas de gestão de interferência;

Suporte para roaming entre redes diferentes;

Rede Celular

Vantagens:

Infraestruturas consistentes.

Rede Celular
Rede Celular

Rede Celular

● Mudança de 2G para 3G e 4G:

HSPA é uma tecnologia que suporta download de até 84 Mbit/s e 22 Mbit/s de upload, utilizando múltiplos canais de transmissão;

LTE:

■ demanda por vídeoconferêncas;

■ streaming de vídeos em alta definição;

■ suporte para jogos.

Rede Celular

● Mudança de 2G para 3G e 4G:

HSPA deve ser a tecnologia mais utilizada, em função dos custos, ainda mais altos, da LTE.

Rede Celular

● O padrão do 3GPP viabiliza os sistemas de comunicação móvel por celular e de terceira geração(LIMA 2008);

● A 3GPP vem tentando fazer melhorias necessárias para integração de aplicações M2M nas tecnologias

4G;

Rede Celular

● Muitas das características atuais das redes móveis não são compatíveis com as exigências das redes M2M futuras;

● Os 2 maiores desafios identificados são a falta de eficiência das redes 4G para tráfegos de pacotes de dados pequenos, e a previsível congestão do tráfego provenientes dos milhares dispositivos M2M;

Aplicações Reais, Desafios e Oportunidades Futuras de Pesquisa

Aplicações Reais, Desafios e Oportunidades Futuras de Pesquisa
Aplicações Reais, Desafios e Oportunidades Futuras de Pesquisa
 

Aplicações Reais

 

● Com o M2M passamos a ter construções inteligentes, onde podemos fazer medições de praticamente tudo.

○ Temperatura

 

○ Pressão

○ Luminosidade

 

○ Ruídos sonoros

○ Movimento

● Os dados capturados a partir do M2M podem ser utilizados em praticamente tudo.

○ Automação de prédios

 

○ Cidades inteligentes

○ Automação de industrial

○ Telemetria

○ Redes de energia inteligentes, estações de tratamento de água

 

Desafios

 

Temos três desafios primordiais no M2M:

 

1. Complexidade e diversidade de padrões

 

Atualmente diversos grupos e orgãos regulamentadores estão pesquisando e desenvolvendo padrões relativos ao M2M.

2. Alto custo

 
 

O M2M tem por característica o baixo custo em geral, mas diversas áreas ainda tem um custo elevado de implantação inteligente de aplicativos.

3. Alta complexidade da integração de diferentes áreas

 

Devido a variedade dos dados coletados a partir da aplicação inteligente.

Oportunidades Futuras de Pesquisa

● Wearbles (tecnologia para vestir)

○ Computação ubíqua como sexto sentido

● Aprimoramento de cidades inteligentes

○ Sensores á serviço dos cidadãos

● Automação residencial

○ Gestão da eficiência energética

● eHealt

○ Wearebles orientados a diagnóstico e tratamento de doenças crônicas

● Agricultura

○ Produtividade no campo com Drones

● Ampliação da interação entre dispositivos

Referências

1. Gouveia, P. Convergência de Redes Sem Fios para Comunicações M2M e Internet das Coisas em Ambientes Inteligentes. 2013. 198f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores) - Universidade da Beira Interior, Covilhã.2013.

2. A importância do M2M (machine to machine) na revolução da 'Internet das

Coisas'. CanalTech Corporate. Disponível em: <http://corporate.canaltech.com.

Coisas/>. Acesso em: 29 maio. 2015.

3. Machine to Machine. Wikipedia. Disponível em: <http://pt.wikipedia. org/wiki/Machine_to_Machine>.Acesso em: 30 maio. 2015.

4. Plano M2M – MACHINE TO MACHINE. SERCOMTEL. Disponível em: <http:

MACHINE.do>. Acesso em: 31 maio. 2015.

Referências

6. M2M I: Introdução. Teleco. Disponível em: <http://www.teleco.com. br/tutoriais/tutorialm2mI/pagina_1.asp>. Acesso em: 31 maio. 2015.

7. Internet of Things, M2M e aplicativos mobile: Tendências, oportunidades,

desafios e o que isso tem a ver com você. Disponível em: <http://pt.slideshare.

desafios-e-o-que-isso-tem-a-ver-com-voc>. Acesso em: 10 de junho. 2015.

8. O que é M2M? Veja o que significa o conceito da 'comunicação das máquinas'. Disponível em: <http://www.techtudo.com.br/dicas-e-tutoriais/noticia/2013/12/o-

html>. Acesso em: 10 de junho. 2015.

Referências

9.

M2M. Disponível em: <http://www.huawei.com/br/solutions/arpu-up/hw- u_169654-m2m.htm>. Acesso em: 13 de junho. 2015.

10.

M2M / Dispositivos Conectados. Disponível em: <http://www.4gamericas. org/pt-br/resources/technology-education/internet-things/m2m/>. Acesso em:

13 de junho. 2015.