Sie sind auf Seite 1von 27

FACULDADE MAURICIO DE NASSAU BACHAREL EM SISTEMAS DA INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO PROFº RÉGIS LUIZ DE SOUSA GOMES TURMA 2º SEMESTRE- NOITE

DATA:21/09/2015

WALNEY WILLAME DA SILVA RODRIGUES 17014569 DARLAN TABOSA FARIAS 17014556 MARCOS SOUZA DAMASCENO 17012060 MICHEL QUEIROZ PAULO AUGUSTO ALVES CARVALHO JUNIOR 17012755 DANIEL VIEGAS VIEIRA 17015413 ANDRÉ SOUZA BRENO SIQUEIRA DIEGO LIMA JONILSON CANEDO FERREIRA 17014393 RENATO RONALD MACHADO MONTEIRO 17001873

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO: CONCEITOS E PRÁTICAS ESSENCIAIS

BELÉM-PA

2015

WALNEY WILLAME / DARLAN TABOSA / MARCOS SOUZA MICHEL QUEIROZ / PAULO AUGUSTO / DANIEL VIEGAS ANDRÉ SOUZA / BRENO SIQUEIRA / DIEGO LIMA JONILSON CANEDO / RENATO MONTEIRO

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

Conceitos de Planejamento: Operacional, Tático e Estratégico; Objetivos, Metas E Planos; Visão E Valores. Ambiente; O Processo Administrativo: Planejamento, Organização, Direção e Controle; Visão Geral Das Funções Empresariais Básicas: Marketing, Finanças, Contabilidade, Produção e Logística e Recursos Humanos.

BELÉM-PA

2015

INTRODUÇÃO:

PLANEJAMENTO OPERACIONAL

Decisões ligadas ao controle e às atividades operacionais da empresa, para alcançar os padrões de funcionamento pré-estabelecidos, com controles do detalhe ou do planejamento operacional, criando condições para a realização adequada dos trabalhos diários da organização, com nível de informação de pormenores de um dado, uma tarefa ou uma atividade. É a área que cuida da parte das operações, por exemplo, dentro de uma empresa

esta área visa o desenvolver da mesma durante o dia a dia, deve esta atenta aos

mínimos

detalhes,

seja

na

área

interna

como

externa exemplo;

vendas,organização,limpeza,lideraça,e administração

PLANEJAMENTO OPERACIONAL Decisões ligadas ao controle e às atividades operacionais da empresa, para alcançar os padrões
PLANEJAMENTO OPERACIONAL Decisões ligadas ao controle e às atividades operacionais da empresa, para alcançar os padrões

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

O planejamento estratégico nada mais é aonde a organização quer chegar, ou seja, as metas e objetivos em longo prazo. É no planejamento estratégico que se tem a divisão das etapas de cada núcleo da empresa, é aonde se cria os valores dessa organização empresarial, é onde se analisa os fatores tanto internos como externos do ambiente a qual esta situada. É onde estão os cérebros da organização (presidente, executivos).

Analisar o ambiente é de fundamental importância, pois planejar os objetivos, oportunidades e obstáculos mesmo que ainda não existentes, para auxiliar e comandar os demais setores de planejamentos como o tático e o operacional, dessa forma precaver influencias que possam frear o real objetivo da organização.

A partir da analise do ambiente se estabelece as metas que se dividem em basicamente em duas colunas (o porquê da sua existência e a finalidade dela no mercado e seus objetivos). É nesse processo que se tem a visão aonde a empresa que chegar futuramente. Qual será seu diferencial com relação às demais do mesmo ramo, como ser competitivo em um mercado. Claro que com as metas e objetivos já definidos uma estratégia organizacional é capaz de traçar até rumos alternativos para um melhor desemprenho e competitividade de mercado.

Com a empresa em funcionamento se pode analisar se os objetivos foram alcançados, caso não, elabora novos planos para que sejam alcançados. Porem caso sejam alcançados implementar novos objetivos.

O estratégico está relacionado com a adaptação da organização a um ambiente

mutável, é orientado para o futuro aprendizagem organizacional.

e

que

não

deixa

de

ser

é

uma forma de

PLANEJAMENTO TÁTICO

No tático é aonde tudo o que foi pensado (metas da empresa) vão ser postas em pratica e os transformando-os em planos concretos a médio praz.

É o tático que faz a ligação entre estratégico e operacional, traduzindo o que foi estrategicamente pensado, fazendo com que o operacional as execute-as.

Em geral, é o tático que se observa que o que está sendo pondo em pratica alcançará suas metas ou não dentro do objetivo. Caso o objetivo não seja alcançado é o tático que levará a informação ao estratégico que terá uma nova visão para chegar às metas desejadas através de uma nova estratégia organizacional.

O tático Envolvendo métodos e tecnologias necessárias para as pessoas em seu trabalho, arranjo físico do trabalho e equipamentos como suportes para as atividades e tarefas. Envolvendo captação e aplicação do dinheiro necessário para suportar as várias operações da organização. Envolvendo os requisitos de vender e distribuir bens e serviços no mercado e atender ao cliente. Envolvendo recrutamento, seleção e treinamento das pessoas nas várias atividades dentro da organização. Recentemente, as organizações estão também se preocupando com a aquisição de competências essenciais para o negócio através da gestão do conhecimento corporativo.

OBJETIVOS, METAS E PLANOS

A procura por melhores resultados é algo imprescindível para que as organizações se mantenham competitivas em um cenário cadenciado tanto por regras advindas dos processos de internacionalização quanto pelo crescente nível de exigência pertencente a um novo perfil de consumidores. Desse modo, as organizações começam a atuar de forma bem mais ideológica e ainda, uma vez que os produtos e serviços mostram-se cada vez mais iguais e apresentam-se de maneira cada vez mais semelhante, as organizações atualmente andam apostando em um conjunto próprio de características – Missão, Visão e Valores – que as identifiquem e diferencie dos demais players.

MISSÃO

“Eis um teste para saber se você terminou sua missão na Terra: se você está vivo, não terminou”. Richard Bach

A missão é tida como o detalhamento da razão de ser da empresa, ou seja, é o porquê da empresa. Na missão, tem-se acentuado o que a empresa produz, sua previsão de conquistas futuras e como espera ser reconhecida pelos clientes e demais stakeholders.

De acordo com o consultor Sergio Luiz de Jesus, a missão de uma empresa está tão ligada ao lucro quanto ao seu objetivo social. Ainda segundo o consultor, toda missão dever orientar os objetivos financeiros, humanos e sociais da organização.

Algumas definições:

“A missão é, em essência, o propósito da organização”. (Valeriano).

“A Missão é a projeção da organização na visão do mundo e o papel que ela exercerá”. (Pavani, Deutscher e Lopes).

“Missão: razão de ser da empresa. Conceituação do horizonte, dentro do qual a empresa atua ou poderá atuar no futuro”. (Oliveira).

Exemplos de missão:

Fiat

Desenvolver, produzir e comercializar carros e serviços que as pessoas prefiram comprar e tenham orgulho de possuir, garantindo a criação de valor e a sustentabilidade do negócio.

HSBC

Garantir a excelência na entrega de produtos e serviços financeiros, maximizando valor para clientes e acionistas.

Gerdau

Gerar valor para nossos clientes, acionistas, equipes e a sociedade, atuando na indústria do aço de forma sustentável.

VISÃO

“Através dos séculos existiram homens que deram o primeiro passo ao longo de novos caminhos, sem outros recursos além de sua própria visão”. Ayn Rand

A visão é algo responsável por nortear a organização. É um acumulado de convicções que direcionam sua trajetória. O professor de empreendedorismo Louis Jacques Filion define visão como "a imagem projetada no futuro do espaço de mercado futuro a ser ocupado pelos produtos e o tipo de organização necessária para se alcançar isso".

Em suma, a visão pode ser percebida como a direção desejada, o caminho que se pretende percorrer, uma proposta do que a empresa deseja ser a médio e longo prazo e, ainda, de como ela espera ser vista por todos.

Algumas definições:

“Uma imagem viva de um estado futuro ambicioso e desejável, relacionado com o cliente, e superior em algum aspecto importante, ao estado atual”. (Whiteley)

“Articulações das aspirações de uma empresa a respeito de seu futuro”. (Hart) “Algo que se vislumbre para o futuro desejado da empresa”. (Quigley)

Exemplos de visão:

Fiat

Estar entre os principais players do mercado e ser referência de excelência em produtos e serviços automobilísticos.

HSBC

Ser o melhor grupo financeiro do Brasil em geração de valor para clientes, acionistas e colaboradores.

Gerdau

Ser global e referência nos negócios em que atua.

VALORES

“Dou valor as coisas, não por aquilo que valem, mas por aquilo que significam”. Gabriel Garcia Marques

Os valores incidem nas convicções que fundamentam as escolhas por um modo de conduta tanto de um indivíduo quanto em uma organização. Richard Barrett, ex- diretor do Banco Mundial, declara que em uma organização os valores “dizem” e os comportamentos “fazem”. Assim sendo, os valores organizacionais podem ser definidos como princípios que guiam a vida da organização, tendo um papel tanto de atender seus objetivos quanto de atender às necessidades de todos aqueles a sua volta.

Algumas definições:

“Uma crença que orienta julgamentos e ações por meio de objetivos específicos e imediatos”. (Rokeach).

“Desejáveis

metas ...

que operam como princípios que orientam a vida de uma

... pessoa”. (Schwartz). “Princípios que guiam a vida da organização”. (Tamayo e Mendes).

Exemplos de valores:

Fiat

Satisfação do cliente

Ele é a razão da existência de qualquer negócio.

Valorização e respeito às pessoas

São as pessoas o grande diferencial que torna tudo possível.

Atuar como parte integrante do Grupo Fiat

Juntos nossa marca fica muito mais forte.

Responsabilidade social

É a única forma de crescer em uma sociedade mais justa.

Respeito ao Meio Ambiente

É isso que nos dá a perspectiva do amanhã.

HSBC

Nossa conduta deve refletir os mais altos padrões de ética;

Nossa comunicação deve ser clara e precisa;

Nosso gerenciamento deve ser em equipe, consistente e focado;

Nosso relacionamento com clientes e colaboradores deve ser transparente e baseado na responsabilidade e confiança entre as partes.

Gerdau

Ter a preferência do CLIENTE / SEGURANÇA das pessoas acima

de

tudo

/

PESSOAS respeitadas, comprometidas e realizadas / EXCELÊNCIA com SIMPLICIDADE / Foco em RESULTADOS / INTEGRIDADE com todos os públicos / SUSTENTABILIDADE econômica, social e ambiental.

AMBIENTE EXTERNO E INTERNO

Ambiente interno: É a estrutura que compõe o ambiente da empresa para viabilizar o funcionamento da empresa, ambiente externo diz respeito a apresentação da empresa junto ao consumidor. Ambiente externo: avalie os concorrentes, fatores externos que podem influenciar diretamente na tomada de decisões e perspectivas.

Ambiente interno: Inclui fornecedores, sistema de informação, tecnologia disponível, departamentos (RH, P&D e produção). Recursos físicos: qual é a estrutura existente na empresa (espaço físico, máquinas, as peças são desenvolvidas na própria empresa, etc?)

  • - Recursos humanos: quantos e quem são os colaboradores? Recebem

treinamento? Na empresa ou fora dela? Há estímulo à diversidade, por ex., são

contratados e desenvolvidos funcionários pertencentes a minorias? Há plano de carreira?

  • - Recursos financeiros: como são obtidos os recursos para investir na atividade? São próprios?

  • - Recursos tecnológicos: Há aplicação de algum recurso tecnológico na empresa, seja na produção, na venda ou nos controles?

Ambiente externo:

  • - Quem são os concorrentes, clientes, agências governamentais, associações,

grupos de interesse como sindicatos, etc, que têm alguma influência dentro da

empresa (ambiente de tarefas)

- Quais são as variáveis do macroambiente que têm influência na empresa e de que forma elas influem em seu funcionamento? Ex.: Variação cambial, políticas do

governo, tecnologia existente, cultura, sociedade, meio ambiente

...

(macroambiente)

Quanto ao problema, que tal avaliar a inclusão social através de um projeto que ensine adolescentes grávidas, ou idosos, ou portadores de necessidades especiais, a criar bijuterias, e criar para esse projeto uma linha exclusiva de produtos a serem revendidos pela empresa para financiar o projeto e gerar uma renda para essas pessoas? A demonstração de responsabilidade social traria um belo marketing para a empresa, e essa linha de produtos, divulgada a sua origem, poderia gerar um belo lucro.

- Quais são as variáveis do macroambiente que têm influência na empresa e de que forma
- Quais são as variáveis do macroambiente que têm influência na empresa e de que forma

O PROCESSO ADMINISTRATIVO:

PLANEJAMENTO

ORGANIZAÇÃO

E

Planejamento é a determinação de um conjunto de procedimentos, de ações, visando à realização de determinado projeto. Planejamento e organização são interdependentes um não existe sem o outro.

Organização segundo o dicionário Houaiss trata-se do conjunto de normas e funções que tem por objetivo propiciar a administração de uma empresa. Organização pode ser definida também como ordenação das partes de um todo. Para que possamos realizar um planejamento que seja eficaz, devemos considerar as prioridades. Todas as atitudes racionais evidenciam, mesmo de forma subjetiva, uma ordem de prioridades. Até mesmo quando planejamos comprar um par de sapatos.

Assim,

o

essencial

é

ordenar as prioridades, segundo alguns critérios:

urgência; que envolva menor custo; praticidade; grau de dificuldade ou facilidade;

prazer;

Portanto, não se pode priorizar tarefas sem priorizar critérios. Então, o que é mais importante neste processo? tempo de execução? custo de execução? qualidade do produto final? Se a sua escolha (ou a escolha da política da empresa em que trabalha), por exemplo, for QUALIDADE DO PRODUTO FINAL, flexibilizamos o tempo e o custo.

QUALIDADE NA ORGANIZAÇÃO

Para iniciar seu “Plano de Organização”, é importante que o profissional tenha consciência de que vão acontecer dois movimentos, que podem ocorrer separada ou simultaneamente, dependendo da sua história de vida: um movimento externo e um movimento interno.

Por ser mais concreto a maioria das pessoas profissionais e empresas, começam

pelo movimento externo. Em curto prazo, ele é mais visível, além

de poder ser

exercitado com o suporte de várias ferramentas:

organização de espaços; organização

de

mesas;

organização

de

arquivos;

organização de agendas; organização de quadros de projetos e metas; organização

de métodos de trabalho.

O movimento interno, às vezes, é protelado, adiado ou até nem considerado, mas esse movimento interno é determinante para que o processo aconteça, sem atalhos, desvios ou rupturas. É a atitude, a opção em escolher organização, que é um processo de mudança (como o desenvolvimento de disciplina, autoconfiança, autoestima, marketing pessoal e profissional, etc.)

Uma das palavras de ordem do mercado de trabalho e do mundo globalizado é velocidade. Para atingi-la, um dos caminhos utilizados é o da organização. Qualidade é também um imperativo no momento atual. Pesquisas de consultores de qualidade informam que um dos itens que mais reprovam as empresas no processo de certificação é a dificuldade de levantar dados, acessar informações, comprovar processos: tudo devido à falta de organização.

O profissional secretário é vital no processo de organização e na implantação dessa cultura na empresa. Isto se dá a partir da sua auto-organização e da sua área de atuação. Novamente, constatamos a relação do conhecimento do todo para poder fazer a parte.

Em resumo, a organização é um processo de mudança gradativa. Tal processo envolve habilidades, métodos, ferramentas e disciplina, é um caminho de aprendizagem permanente, no terreno das conexões internas e externas. É uma

janela que todos precisam saber abrir e fechar, com a agilidade que o mundo dos negócios impõe.

SERVIÇO DE PLANEJAMENTO

Serviço de Planejamento é encarregado de dirigir a ação. O papel do Serviço de Planejamento consiste em:

Prever; as dificuldades que se apresentarão à aplicação do plano de trabalho;

Organizar: preparar o pessoal e o material em tempo oportuno. Comandar:

desencadear as intervenções das diferentes engrenagens da empresa, das

oficinas, das seções de produção. Coordenar e harmonizar os esforços de todos para aumentar a produtividade

do pessoal e dos meios de produção. Controlar, de modo permanente, o andamento do trabalho e a utilização dos

materiais.

Os meios empregados em planejamento colocam em evidência as razões pelas quais a quantidade de trabalho executada é inferior à prevista pelo plano fixado pela Diretoria. Da apreciação das causas e efeitos, assim como de sua relação com o tempo, deduzem-se ensinamentos úteis para o futuro:

Para evitar as paradas por falta de máquinas, materiais, dispositivos,

ferramentas e pessoal; Para evitar os atrasos de funcionamento ou realização;

Para reduzir os estoques;

Para reduzir as movimentações;

Para respeitar os prazos.

DIREÇÃO

A direção consiste na condução de empresa no alcance dos objetivos traçados, a sua função e tomar decisão tanto de liderança e intercomunicação com os subordinados. Liderando-os e comunicando-se com eles, para fazer acontecer essa função administrativa tem que haver muita habilidade do profissional pela área de atuação, essa direção pode ser nível de englobar toda empresa, departamento, e por fim a nível operacional, quanto mais estruturada a tarefa e quanto maior o poder da posição do líder, mais fácil é a situação de administrar.

CONTROLE

Tem objetivo de medir e corrigir o desempenho dos subordinados e esta, diretamente ligado ao planejamento, nesta função deve ser avaliado os progressos da empresa em seus objetivos e feitas as devidas correções para garantir que os resultados sejam satisfatórios, os principais pontos da função de controle são:

a) finalidade: apuração da legalidade dos atos da gestão verificação da fidelidade funcional dos agentes da administração, verificar se não há mais poderes por parte dos chefes do que aqueles previstos. A veracidade do desempenho no cumprimento dos programas estabelecidos, ou seja, os resultados adquiridos.

b)a oportunidade: o processo de controle atua no sentido de ajustar as operações a determinados padrões previamente estabelecidos e funciona de acordo com a informação que recebe.

c) Comparação do desempenho com o padrão estabelecido: é importante determinar os limites dos quais a variação ou erro ocorrido entre o desempenho esperado e o obtido poderá ser aceito como normal ou desejável. O desempenho deve ser comparado com o padrão para se verificar eventuais desvios ou variação.

d) Ação corretiva: o objetivo é manter as operações dentro dos padrões estabelecidos para que os objetivos sejam alcançados da melhor maneira possível. Assim as variações, erros, ou desvios devem ser corrigidos para que as operações sejam normalizadas. A ação corretiva visa fazer com que aquilo que é feito seja feito extremamente de acordo com o que se pretendia fazer.

VISÃO GERAL DAS FUNÇÕES EMPRESARIAIS BÁSICAS

Marketing vem do inglês, acompanhada pelo gerúndio dos verbos ing, dando-o um sentido de ação, tais como talking (“falando”) ou walking (“andando”).

Naturalmente a uma dificuldade em traduzi-la ao português, isso porque market é visto normalmente como substantivo (“mercado”), na qual parte sua colocação de gerúndio.

Portanto, tem-se adotado a palavra mercadologia, que por sua vez, nos leva ao sentido de estudo do mercado. Por essa e outras razões que este continua sendo usando em inglês no Brasil.

Marketing, em sentido estrito, é o conjunto de técnicas e métodos destinados ao desenvolvimento das vendas, mediante primeiramente a quatro possibilidades: preço, distribuição, comunicação e produto. Em sentido amplo, é a concepção da política empresarial, na qual o desenvolvimento das vendas desempenha um papel predominante.

É importante lembrar que o marketing não é apenas venda e/ou propaganda, estes fazem parte dos processos de marketing. Ele é um estado de espírito, uma filosofia de vida e também uma técnica: um modo específico de executar uma relação de troca (ou seja, identificar, criar, desenvolver e servir a procura).

O mercado é um ambiente dinâmico e mutante que vive sempre mudando, como os consumidores, os concorrentes, a economia, o clima e uma infinidade de outros elementos contribuem para esse movimento constante.

Alguns fatos podem ser considerados com o inicio da ciência do marketing. Aos anos 20 não se dava importância às necessidades do consumidor, ao mesmo tempo, começou haver tentativas de reverter à ideia de que os consumidores compraria qualquer coisa fabricada. A mudança começou a ocorrer em 1926 quando Frederick Schlink fundou em NY o clube dos consumidores de acordo com classificação das mesmas. 1933 schlink e Arthur Kallet lançam, nos estados unidos, o livro Hundred Milions of guinea Pigs(cem milhões de cobaias) nas quais aponta os riscos oferecidos por alguns produtos de consumo na área de alimentação, medicamentos e cosméticos. Em 1960 diversos autores, como Frey, Kelley, Kotler, Lazer e MacCarthy deram forma a essa nova ciência que passou a fazer parte do mundo empresarial e deu origem aos mais diversos cargos.

Marketing tem um duplo sentido como, por exemplo, A venda que se apoia em ações de curto prazo. É também uma atividade a médio e longo prazo. O objetivo final é assegurar a obtenção do maior benefício possível. Envolve tanto o social quando o gerencial, pessoal e organizacional, criação e troca, necessidades e desejos, produtos e valores. O trabalho do profissional de marketing começa muito antes da fabricação do produto e continua muito depois da sua venda. Ele é um investigador do mercado, um psicólogo, um sociólogo, um economista, um comunicador, um advogado, reunido em uma só pessoa.

Existem dois ambientes nas quais o marketing atua, o macroambiente que são fatores incontroláveis tais como economia, clima, política, religião, tecnologia, concorrência e o cliente. O microambiente é de fatores controláveis tais como: o produto em si, preço, condições de venda, forma de distribuir e divulgar e os serviços que podem ser fornecidos.

Pesquisas revelam que o marketing esta se tornando cada vez mais importante nas empresas, pois através dele é atingindo o objetivo de satisfazer os clientes e gerar lucros para a empresa, já que o marketing também é imagem da organização. Através dele as pesquisas mostra à organização tudo que se refere a preço,

satisfação do cliente, entre outros aspectos. Uma parte essencial da empresa. Se você não atende diretamente ao cliente, pelo menos estará fazendo isso indiretamente.

PRODUÇÃO:

PRODUÇÃO NA ORGANIZAÇÃO:

A função produção é central para a organização porque produz os bens e

serviços que são a razão de sua existência, mas não é a única nem, necessariamente, a mais importante. A função produção nas organizações representa a reunião de recursos destinados à produção de seus bens e serviços.

CRITÉRIOS ESTRATÉGICOS DA PRODUÇÃO:

Devem refletir as necessidades dos clientes que se busca atingir para um determinado produto de maneira a mantê-los fiéis à empresa.

Critérios

-

Descrição

Custo: Produzir bens/serviços a um custo mais baixo que a concorrência.

Qualidade: Produzir bens/serviços com desempenho de qualidade melhor que a concorrência

Desempenho de Entrega: Ter confiabilidade e velocidade nos prazos de entrega dos bens/serviços melhores que a concorrência.

Flexibilidade:

Ser capaz de reagir de forma rápida a eventos repentinos e

inesperados.

Existem várias formas de classificar os sistemas de produção. As mais conhecidas são:

Pelo grau de padronização dos produtos: produtos padronizados ou sob

medida. Pelo tipo de operação que sofrem os produtos: processos contínuos,

repetitivos em massa, repetitivos em lotes ou por projeto; Pela natureza do produto: bens ou serviços.

Exemplo do processo de produção:

 Pelo grau de padronização dos produtos : produtos padronizados ou sob  medida. Pelo tipo

O processo de produção compõe-se de três elementos associados: trabalho, matéria-prima, e instrumentos de produção.

GERENCIAMENTO LOGÍSTICO:

A logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o qual significará a esta Empresa o planejamento, coordenação, e a execução de um processo de controle de todas as atividades ligadas à aquisição de materiais para a formação de estoques, desde o momento de sua concepção até seu consumo final.

É de vital importância à redução de custos e ao aumento da competitividade. A Logística empresarial nasceu da importância da redução de custos nas empresas e na maior importância que se dá hoje em atendimento das necessidades dos clientes.

Quando todos os produtos se tornam iguais, a empresa mais competitiva será

aquela que

conseguir ser mais eficiente e eficaz, se antecipando a prováveis

problemas que possa vir a enfrentar. Some-se a isso, que o mundo está se tornando cada vez mais um mercado global, as fronteiras geográficas estão desaparecendo e a expectativa é que as empresas estejam preparadas para enfrentar as realidades desse novo desafio.

Em termos atuais, pode-se dizer que a Logística é a arte da preparação da produção que cuida do planejamento dos materiais, da obtenção de materiais, do planejamento da linha de produção, da alimentação da linha de produção e da distribuição dos produtos finais. A logística moderna passa a ser a maior preocupação dentro das empresas.

Ela deve abranger toda a movimentação de materiais, interna e externa à empresa, incluindo chegada de matéria-prima, estoques, produção e distribuição até o momento em que o produto é colocado nas prateleiras a disposição do consumidor final.

ELEMENTOS BÁSICOS DA LOGÍSTICA:

O quadro sinóptico, abaixo, contém os principais elementos conceituais da logística, que começa com o desenho e aprovação do processo, seguidos da implementação e operação:

problemas que possa vir a enfrentar. Some-se a isso, que o mundo está se tornando cada

Em resumo: "Logística é a arte de comprar, receber, armazenar, separar, expedir, transportar e entregar o produto/serviço certo, na hora certa, no lugar certo, ao menor custo possível"

FINANÇAS

A gestão financeira e um conjunto de ações e procedimentos administrativos envolvendo planejamento analisem e controle das atividades financeiras da empresa visando maximizar resultados econômicos financeiros decorrentes de suas atividades operacionais.

Na gestão financeira cabem as analises decisões e atuações relacionadas com os meios financeiros necessários a atividade da empresa, desta forma a função financeira integra todas as tarefas ligadas a obtenção, utilização e controle de recursos financeiros, uma adequada gestão financeira garante a saúde da empresa e também a tranquilidade para gestão de futuros investimentos.

Um Professional responsável pela gestão financeira necessita lidar com números e informações o tempo todo se a impressa tem números confiáveis ele consegue informações para tomar decisões, as informações financeiras que o empresário necessita tomar são obtidas por meios dos controles financeiros, dessa forma pode-se dizer que a finalidade dos controles financeiros seria de gerar informações úteis e confiáveis para diferentes empresários tomarem decisões adequadas ao negocio.

Por meio de uma estruturada gestão financeira que se alcançara rotinas mais eficientes o planejamento financeiro consiste em uma grande fonte de soluções para o administrador contribuir para uma maior eficácia organizacional na busca pelo alcance dos objetivos estipulados as estratégias formuladas pelas lideranças de uma empresa são guia referencial para todas as decisões em todos os níveis de qualquer empresa.

Neste objetivo terá de fazer parte de um conjunto de estratégias definidas na empresa para consegui algum entendo organizacional relevante assim que definido

esta questão as decisões em todos os escalões da estrutura empresarial devem estar coerentes com as estratégias da empresa assim sendo administração financeira passa significar importante influência.

CONTABILIDADE

A contabilidade e a ciência teórica

que estuda os métodos de

calculo e

registros da movimentação financeira de uma empresa, por exemplo, provém da contabilidade ações úteis para as decisões a serem tomadas dentro e for da empresa, interpretando, estudando, registrando e controlando os bens.

Todas as movimentações da empresa são registradas, resumidas em formas de relatórios e entregues aos interessados a saber das situações financeiras da empresa.

Hoje é possível que a contabilidade seja a base para todos os processos legais de uma empresa, sejam eles contratações, transações, entre outros serviços. Além disso, devem ser de seu cuidado também operações com tributos e trabalhistas como folha de pagamento, descontos, registros, emissão de notas e gerenciamento de balanços da empresa.

Toda

empresa,

seja

ela

qual

for,

precisa

do

apoio

de

alguém

do

mercado contábil, é um dos pontos cruciais para que ela cresça com bases sólidas e

sucesso posterior. Não há condições de manter um negócio muito tempo sem conhecer seus dados como lucro real, ativo e passivo, além do preço dos produtos. A contabilidade pode ser uma parceira nessa empreitada e tornar a empresa ainda mais organizada e com grandes chances de crescimento.

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

A área de recursos humanos busca basicamente compatibilizar as necessidades de curto prazo das pessoas com os objetivos de longo prazo das organizações. Nasceu como uma função de bem-estar social nas organizações. Mais tarde, passou a desempenhar uma função de controle sobre a utilização da mão-de-obra.

O modelo de gestão de recursos humanos mais praticado é aquele que tem ampla influência da Administração Científica de Taylor e da Escola de Relações Humanas, adaptar as pessoas ao sistema de trabalho taylorista.

Década de 80 a necessidade de praticar um modelo diverso de gestão de recursos humanos, baseado no comprometimento das pessoas. Este é um modelo que se desenvolve-se a partir da crise e recessão. Enfatizam-se a flexibilidade. Supõe-se que as pessoas acreditam nas mensagens da gerência e estão dispostas a aceitar desafios.

A área de Recursos Humanos então lida com estratégias de recursos humanos, relações sindicais, relações de trabalho e técnicas afetas à função recursos humanos, tais como recrutamento, seleção, treinamento, planos de cargos e salários, avaliação de desempenho, incentivos e remuneração.

CONCLUSÃO:

BIBLIOGRAFIA

KWASNICKA, E. L. Teoria geral da administração: uma síntese. São Paulo: Atlas

1987.

Introdução à administração. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 1995.

MOTA, F. C. P. Teoria das organizações: evolução e cultura. São Paulo: Pioneira,

1986.

WOOD, D. Buscando a renovação: a nova onda administrativa. Revista de Administração de Empresas. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas.

www.msbrasil.com.br/blog/contabilidade

www.youtube.com/Videoaula | Práticas de Finanças nas Empresas

HEMÉRITAS,

 

A.

B.

Organização

 

e

Normas.

São

Paulo:

Atlas,

1995.

NEIVA,

E.

G;

D’ELIA,

M.

E.

S.

As

novas

competências

do

profissional

de

secretariado.

 

São

Paulo:

IOB,

2009.

Revista

Secretária

Executiva.

Planejamento

e

Organização.

Ed.

Quantum,

março/2000,