Sie sind auf Seite 1von 41

Electrónica de Instrumentação

Medição de corrente alterna Medição de tensão alterna

I1 Rs
I2
Rm RS D1 Rm

FSD
Vi D2
RL
N1 N2

FSD

Meia onda
I1 N 2
=
I 2 N1 Rs

Rm

Vi

FSD

Onda completa
© Jorge Guilherme 2009 #75
Electrónica de Instrumentação
Medição de resistências de elevado valor
Anel de guarda

Iv malha
µA
Is
Vm
Vb

V
Is - corrente superficial

Vm ≅ 0

µA anel de guarda

1000V
5000V

Vb

© Jorge Guilherme 2009 #76


Electrónica de Instrumentação

© Jorge Guilherme 2009 #77


Electrónica de Instrumentação

Mega ohmimetro 0 – 500MΩ Gerador de tensão

N1 N2 oscilador

Fonte de Vb N1 N2

R2 alta tensão
R1
1kV - 5kV

Rx

Multiplicador com diodos


oscilador

Vb

© Jorge Guilherme 2009 #78


Electrónica de Instrumentação

Medição de Potência

© Jorge Guilherme 2008 #1


Electrónica de Instrumentação
Bibliografia:
• Fernandes, José, Medidas Eléctricas e Instrumentação, Escola
Superior de Tecnologia de Tomar.

© Jorge Guilherme 2008 #2


Electrónica de Instrumentação
Potência em C.C.
U = cte. , I = cte. P = U.I [W]

Potência em C.A.
p(t) = u(t) . i(t) [W] Potência instantânea

•Num circuito resistivo puro i(t) = u(t) / R i(t) em fase com u(t)
u2 (t )
p( t ) = u( t ) ⋅ i ( t ) = = Ri 2 ( t )
R
•Num circuito reactivo
Z = R + jωX Elementos reactivos ou
armazenadores de energia
Elementos resistivos ou
dissipadores de energia

Potência dissipada Potência reactiva


(efectivamente consumida) (trocada com a fonte)
© Jorge Guilherme 2008 #3
Electrónica de Instrumentação
p( t ) = u( t ) ⋅ i ( t ) [W ] Potência instânea
P = [ p( t )]AV [W ] Potência activa – (potência
efectivamente consumida pela carga)
S = U ef I ef [VA] Potência aparente – (potência posta
em jogo no circuito)
Q = S 2 − P 2 [VAr ] Potência reactiva – (potência trocada
entre o gerador e os elementos
S = P 2 + Q2
armazenadores de energia - recativos)
P
KP = Factor de potência
S
Para carga resistiva pura e u(t) periodica:
T T 2
1 1 U
P = ∫ u( t )i ( t )dt = ∫ = = U ef I ef = S
2 ef
u ( t )dt
T 0 RT 0 R
Q=0 KP = 1
© Jorge Guilherme 2008 #4
Electrónica de Instrumentação
Em regime alternado sinusoidal com frequência f = ω ( 2π )

u( t ) = U M sin(ωt + ϕ ) , i ( t ) = I M sin(ωt )
p( t ) = u( t )i ( t ) = U M I M sin(ωt ) sin(ωt + ϕ )

cos( A − B ) − cos( A + B )
sin A sin B =
2

p( t ) =
UM IM
[cos(ϕ ) − cos(2ωt + ϕ )]
2
p( t ) = U ef I ef cos ϕ − U ef I ef cos(2ωt + ϕ )
14243 14442444 3

Termo constante egual Termo variavel no tempo, com


ao valor médio de p(t) frequência 2f e valor médio nulo

© Jorge Guilherme 2008 #5


Electrónica de Instrumentação
P = U ef I ef cos ϕ Potência activa em regime alternado sinusoidal
K P = cos ϕ Factor de potência em regime alternado sinusoidal
P = S cos ϕ
S = U ef I ef Obs. – A amplitude do termo variavel de p(t) é sempre maior
ou igual ao termo constante. Há intervalos de tempo em que a
Q = S sin ϕ potência é negativa: potência devolvida ao gerador.

Circuito RL

Circuito RC

[Fernandes 1999]

© Jorge Guilherme 2008 #6


Electrónica de Instrumentação
Casos particulares:
•Carga resistiva pura: ϕ = 0  cos ϕ = 1 , P = S , Q = 0
•Carga indutiva pura: ϕ = 90º  cos ϕ = 0 , P = 0 , Q = S
•Carga capacitiva pura: ϕ = -90º  cos ϕ = 0 , P = 0 , Q = -S

 U ef
2
cosϕ = 1 ⇒ P = S.cosϕ = S =
ϕ = 0º ⇒  R
senϕ = 0 ⇒ Q = S.senϕ = 0

cosϕ = 0 ⇒ P = S.cosϕ = 0

ϕ = 90º ⇒  U ef
2

senϕ = 1 ⇒ Q = S.senϕ = S = X
 L

[Fernandes 1999]

© Jorge Guilherme 2008 #7


Electrónica de Instrumentação
Compensação do factor de potência:
Cargas fortemente reactivas Baixo consumo de energia
(baixo factor de potência) com elevada corrente

Perdas elevadas, quedas de


Obriga a sobredimensionamento tensão na rede
dos condutores e da potência
disponivel nos geradores
Para instalações de potência
elevada o factor de potência
deve ser > 0.85

Normalmanete as grandes
instalações são caracterizadas por
cargas indutivas: motores electricos
e iluminação (balastros)
© Jorge Guilherme 2008 #8
Electrónica de Instrumentação
Para compensar o caracter indutivo das cargas juntam-se baterias
de condensadores

Os condensadores são colocados em paralelo com a rede tentanto criar uma


componente capacitiva que anule a componente indutiva da corrente da carga.
As trocas de energia reactiva passam a dar-se entre as indutâncias da carga e os
condensadores.

Nas horas de vazio, os condensadores também devem ser retirados para evitar
sobrecompensação  facor de potência capacitivo.

© Jorge Guilherme 2008 #9


Electrónica de Instrumentação
Potência Eléctrica Trifásica:
U 1 ( t ) = 2U 1ef sin ωt
U 2 ( t ) = 2U 2ef sin(ωt − 2π 3)
U 3 ( t ) = 2U 3ef sin(ωt − 4π 3)

U 12 = 3 .U 1 ou U C = 3 .U S

Carga em estrela composta simples


A potência em cada fase será:
U i (t )
pi ( t ) = U i ( t ) I i ( t ) com I i ( t ) = pt ( t ) = p1 ( t ) + p2 ( t ) + p3 ( t )
Zi
Em que Zi é a impedância de carga nessa fase.
Para cargas não equilibradas (impedâncias diferentes
em casa fase), as potências devem ser calculadas Pt = P1 + P2 + P3
separadamente e a potência total será a soma das Qt = Q1 + Q2 + Q3
potências das 3 fases.
S t = Pt 2 + Qt2 ≠ S1 + S 2 + S 3
© Jorge Guilherme 2008 #10
Electrónica de Instrumentação
Carga equilibrada ligada em estrela:

U 12 = 3 .U 1 ou U C = 3 .U S I L1 = I L 2 = I L 3

Tensão composta Tensão simples

PΥ = P1 + P2 + P3 = 3U S I L cos ϕ = 3U C I L cos ϕ
QΥ = 3U S I L sin ϕ = 3U C I L sin ϕ
S Υ = 3U C I L

© Jorge Guilherme 2008 #11


Electrónica de Instrumentação
Carga equilibrada ligada em triângulo:

U C = 3 .U S I L1 = I L 2 = I L 3 = I = 3 I c arg a

Tensão composta Tensão simples


P∆ = 3 Pc arg a = 3U c arg a I c arg a cos ϕ
I
P∆ = 3U C I c arg a cos ϕ = 3U C cos ϕ
3
Q∆ = 3U C I sin ϕ
S ∆ = 3U C I
© Jorge Guilherme 2008 #12
Electrónica de Instrumentação
Wattímetro electrodinâmico

Circuito de tensão
 u 
α =K 1 {i L iV }AV ≈ K 1  i L {i L u}AV =KW {i L u}AV
K1 u u
 = R V >> X L V ⇒ i V = ≅
 RV  AV RV
2
R V + XL
2 RV
P = {Iu}AV → α =KW P

Potência activa

O Wattimetro electrodinâmico indica o verdadeiro valor da potência activa,


independentemente da forma de onda (valido também em c.c.)

© Jorge Guilherme 2008 #13


Electrónica de Instrumentação
Metodo de ligação do Wattimetro

Montagem para altas


impedâncias
α = K W (i L u )AV
= KW [i L (uA + uL )]AV
se u A << uL ⇒ α = K W PL

Montagem para baixas


impedâncias
α = K W (i L u )AV
= K W [uL (iV + i L )]AV
se iV << i L ⇒ α = K W PL
© Jorge Guilherme 2008 #14
Electrónica de Instrumentação
Compensação do Wattimetro

P = {uL [(iV + i L ) − iV ]}AV = (uL i L )AV


O enrolamento auxiliar é construido por forma a
que o efeito da passagem de iV anule (compense)
o efeito correspondente na bobine de corrente.

Calibres do wattímetro:
3 calibres:
•Umax  limitado pelo circuito de tensão
•Imax  limitado pelo circuito de corrente
•Pmax = Umax Imax

PERIGO: Para cargas cujo factor de potência seja inferior a 1 (não resistivas
puras) podemos exceder Umax ou Imax sem que isso se traduza numa indicação
do ponteiro que exceda Pmax, uma vez que P = Kp Uef Ief.
© Jorge Guilherme 2008 #15
Electrónica de Instrumentação
Forma de proteger o wattímetro:

excede-se o calibre Umax ou Imax sem exceder Pmax quando


cosϕ R < 1 (carga indutiva)
Utilizar amperimetro e voltimetro para
verificar máximos de corrente e tensão

PERIGO: Podemos exceder Umax ou Imax sem exceder Pmax se I < Imax ou
U < Umax, respectivamente, mesmo que Kp = 1.

© Jorge Guilherme 2008 #16


Electrónica de Instrumentação
Extensão do campo de medida do wattímetro:
Resistência adicional RAD no circuito de tensão

 R + R AD 
U maxFINAL =  V .U maxINICIAL
 RV 

R V + R AD R
Pmax FINAL = K V . Pmax INICIAL ⇒ K V = = 1 + AD
RV RV
Potencia medida: P ⇒ Potencia real: PR = K V . P

Necessidade de garantir a
equipotencialidade das bobines de
tensão e de corrente para evitar erros na
indicação do ponteiro devido a forças
de origem electroestática.

© Jorge Guilherme 2008 #17


Electrónica de Instrumentação
Transformadores de medida:
•Transformador de tensão (TT) – para ampliar o calibre de tensão
•Transformador de intensidade (TI) – para ampliar o calibre de corrente

PR = {u R .i L }AV = {u P .i P }AV = {(K V .u S ).(K I .i S )}AV = K V .K I .{u S .i S }AV



Pmedida

 uP
K V = u → Factor de ampliaçao do T.T.
 S

PReal = K V .K I .PMedida c/ 
 i
K I = P → Factor de ampliaçao do T.I.
 iS

© Jorge Guilherme 2008 #18


Electrónica de Instrumentação
Erros no wattímetro: PReal = U ef . I ef . cosϕ
ϕ ' < ϕ ⇒ cosϕ ' > cosϕ ⇒ PMedida = U ef . I ef . cosϕ ' > PReal

- Campos exteriores parasitas


Wattímetro Astático com 2 sistemas wattimétricos

- Correntes induzidas (Foucault) iFOUC

© Jorge Guilherme 2008 #19


Electrónica de Instrumentação
Medição de potência activa trifásica
Sistema a 4 fios (ligação em estrela c/ neutro)
Carga equilibrada
I 1ef = I 2ef = I 3ef = I l


ϕ = ϕ = ϕ = ϕ
 1 2 3

Carga desequilibrada
I 1ef ≠ I 2ef ≠ I 3ef ⇒ i 1 + i 2 + i 3 = i N


ϕ ≠ ϕ ≠ ϕ
 1 2 3

 3U C I l cosϕ → carga equilibrad a



P3φ = 
 P + P + P → Carga desequilib rada
 1 2 3

© Jorge Guilherme 2008 #20


Electrónica de Instrumentação
Medição de potência activa trifásica
Sistema a 3 fios sem neutro (carga em estrela ou triângulo)

 PT = P1 + P2 + P3 = (U 1 I1 )AV + (U 2 I 2 )AV + (U 3 I 3 )AV Método de Aron



 I1+I 2+I 3=0 (2 wattímetros)
PT = (U1 I1 )AV + (U 2 I 2 )AV − [U 3 ( I1 + I 2 )]AV Resultado independente de a carga estar ligada em
PT = [(U 1 − U 3 )I1 ]AV + [(U 2 − U 3 )I 2 ]AV estrela ou em triângulo e do equilibrio (ou não) do
sistema trifasico. PI e PII são potências fictícias sem
PT = (U 13 I 1 )AV + (U 23 I 2 )AV = PI + PII qualquer significado fisico (pode-se ter PI<0 ou PII<0)

© Jorge Guilherme 2008 #21


Electrónica de Instrumentação
Carga trifásica equilibrada (Método de Aron)
 Il
 1 I = I 2 = I 3 = I l (carga em Y) = (carga em ∆ )
 3
ϕ 1 = ϕ 2 = ϕ 3 = ϕ


 U13 = U 23 = U C (380V)

PI = (U13I1 )AV = U CI l cos(ϕ - 30º ) = U CI1cos(ϕ - 30º )


PII = (U 23I 2 )AV = U CI l cos(ϕ + 30º ) = U CI1cos(ϕ + 30º )
PI + PII = U CI1 [cos(ϕ - 30º ) + cos(ϕ + 30º )]
PI + PII = 3U CI1cos(ϕ ) = PT

© Jorge Guilherme 2008 #22


Electrónica de Instrumentação
 U CI l Carga indutiva
ϕ = 0º ⇒ PI = U CI l cos30º = 3 2
 ϕ > 60º
PI = U CI l cos(ϕ - 30º ) ⇒ ϕ = -60º ⇒ PI = 0  ⇒ PII < 0
cosϕ < 0.5i
ϕ = 30º ⇒ P = U I
 I C l

 Carga capacitiva
ϕ < -60º
 U CI l  ⇒ PI < 0
ϕ = 0º ⇒ PII = U C I l cos30º = 3 = PI  cosϕ < 0.5c
2

PII = U CI l cos(ϕ + 30º ) ⇒ ϕ = 60º ⇒ PII = 0
ϕ = -30º ⇒ P = U I
 II C l •PI PII , dependendo de ϕ

•Para ϕ > 60º (indutivo)  PII < 0  necessario
inverter 1 dos circuitos do wattimetro e PT = PI – PII

•Para ϕ < -60º (capacitivo)  PI < 0  necessario


inverter 1 dos circuitos do wattimetro e PT = PII – PI

•Wattimetro polizasico: Tem 2 sistemas


electrodinamicos sobre o mesmo eixo. Indica sempre
PT (não é necessario inverter).

© Jorge Guilherme 2008 #23


Electrónica de Instrumentação
Medição de potência reactiva trifásica
Cargas trifasicas equilibradas (Metodo de Aron)
PI - PII = U C I l [cos(30º −ϕ ) − cos(30º +ϕ )]
PI - PII = U C I l [2sen ϕ .sen30º ] = U C I l sin ϕ
QT = 3 U C I l sin ϕ = 3 (PI - PII )

•Para ϕ > 60º  Troca de ligações no wattimetro II QT = 3 (PI + PII )

•Para ϕ < -60º Troca de ligações no wattimetro I QT = − 3 (PI + PII )

•Se a carga for desiquilibrada será necessario utilizar instrumentos próprios para a medição de
potência reactiva, Varimetros.
© Jorge Guilherme 2008 #24
Electrónica de Instrumentação
Cargas monofasicas  Varímetro electrodinâmico
Q = U ef I ef sin ϕ
Q = U ef I ef cos(90º −ϕ )

i = I M .sen(ω .t )

u = U M .sen(ω .t + ϕ )
u' = U M .sen(ω .t + ϕ - 90º ) ⇒ Q = (u'.i )AV

Compensação de Rv e Ra

A resistência R0 e a bobine (Ra,La) são


dimensionadas para f=50Hz. Caso f ≠ 50Hz
já não se garante que αV=90º.

O uso de R0 e (Ra,La) torna o varímetro


electrodinâmico num aparelho mais caro que o
wattímetro, para iguais calibres de corrente e tensão.

© Jorge Guilherme 2008 #25


Electrónica de Instrumentação
Cargas trifasicas desequilibradas - Metodo dos 3 wattímetros
sistema a 4 fios

QT = Q1 + Q2 + Q3
(
Q1 = U 1 I 1 sin ϕ 1 = U 23 )
3 I 1 cos(90º −ϕ 1 ) = PI 3
Q2 = U 2 I 2 sin ϕ 2 = (U 31 3 )I cos(90º −ϕ ) = P
2 2 II 3  carga equilibrada → metodo Aron (2W)

= (U 3 )I cos(90º −ϕ ) = P
 
Q3 = U 3 I 3 sin ϕ 3 12 3 3 III 3 Sistema a 3 fios


carga desequilibrada → metodo do neutro ficticio (2W)

PI + PII + PIII 

QT = Q1 + Q2 + Q3 = 
3 
Sistema a 4 fios → carga equilibrada / desequilibrada → metodo dos 3W

. ( PI + PII + PIII ) → Supondo PI > 0, PII > 0 e PIII > 0


1
Q 3φ =
3
(cargas 1, 2 e 3 indutivas)
© Jorge Guilherme 2008 #26
Electrónica de Instrumentação
Cargas trifasicas desiquilibradas - Metodo do neutro ficticio
(2 wattímetros) – sistema a 3 fios

Q 3φ = (u'1 i 1 ) AV + (u'2 i 2 ) AV - [u'3 (i 1 + i 2 )]AV Criação de um neutro artificial N, com


Q 3φ = [(u'1 -u'3 )i 1 ]AV + [(u'2 -u'3 )i 2 ]AV R3 = Rad + Rv , para que o sistema trifasico de
tensões se mantenha equilibrado em relação ao
Q T = 3 ( PI + PII ) ponto N

© Jorge Guilherme 2008 #27


Electrónica de Instrumentação
Contagem de Energia:
t2
Energia Activa:
W = ∫ P(t)dt
t1

Unidade de W: Joule (J) 1 J = 1 W x 1 s = 1 Ws (energia: W=P.t)

1 KWh = 1KW x 1h =1000W x 3600s = 3.6x106J

© Jorge Guilherme 2008 #28


Electrónica de Instrumentação
Energia Reactiva:
t2

Wr = ∫ Q(t)dt
t1

Unidade de Wr usada na contagem: KVArh 1KVArh = 1KVAr x 1h

Compensação da energia reactiva

© Jorge Guilherme 2008 #29


Electrónica de Instrumentação
Contador de Indução:

Φv induz correntes Iv no disco


Φi induz correntes Ii no disco

Φv interage com Ii originando Fv => Tv


Φi interage com Iv originando Fi => Ti

© Jorge Guilherme 2008 #30


Electrónica de Instrumentação
Binários motores:

( )
TV φ V , I I i → acçao do fluxo φ V sobre a corrente I I i ( )
TI φI , I I v → acçao do fluxo φI sobre a corrente I I v

↓ induzida pelo fluxo φI ↓ induzida pelo fluxo φ V

FV .r FI .r

Tm = Tv – Ti
Binário motor
© Jorge Guilherme 2008 #31
Electrónica de Instrumentação
β = arg (φ I ) − arg (φV ) → desfasagem entre os fluxos φI e φ V
TM = KφV φ I sin β = K M U ef I ef sin β

 β = ϕ → TM = K M U ef I ef sin ϕ = K M Q

 β = 90º −ϕ → TM = K M U ef I ef cos ϕ = K M P

A posição do shunt magnético SM e o valor da resistência auxiliar RA permitem


controlar o ângulo β através da actuação na dispersão do circuito magnético de tensão

© Jorge Guilherme 2008 #32


Electrónica de Instrumentação

Ìman permanente  binário amortecedor TA  cria a condição da velocidade de equilibrio

TA = K A n TM = K M P
n – velocidade de rotação do disco

KM
No equilibrio dinâmico: dn/dt = 0 TM = TA ⇒ n = P
KA
t2
KM
N = N ( t 2 ) − N ( t1 ) = ∫ n( t )dt = W Um conta rotações integra n ao longo do tempo:
t1
KA
N = aW a – constante do contador [rot/KWh]

© Jorge Guilherme 2008 #33


Electrónica de Instrumentação
Contagem de Energia em Sistemas Trifásicos
Contador trifásico: 2 ou 3 sistemas motores (sobre o mesmo disco ou sobre discos
individuais solidários com o mesmo eixo)
Ligação do contador trifásico: identica à dos wattímetros na medição de potência activa

Sistema trifásico a 4 fios (cargas equilibradas ou desiquilibradas): 3 sistemas motores

© Jorge Guilherme 2008 #34


Electrónica de Instrumentação
Sistema trifásico a 3 fios (cargas equilibradas ou
desequilibradas): 2 sistemas motores – método de Aron

© Jorge Guilherme 2008 #35


Electrónica de Instrumentação
Contagem de Energia Reactiva
Utilização de contadores trifasicos de energia reactiva: montagens idênticas às da
contagem de energia activa

Utilização de contadores trifasicos de energia activa: montagen idênticas à utilizada na


medição de potência reactiva com wattímetros

WR = W ' / 3

Medida pelo contador

© Jorge Guilherme 2008 #36


Electrónica de Instrumentação
Consumidores em B.T. com S < 19,8 kVA
Tarifa simples (1 contador)


Tarifa bi - horaria (2 contadores)

Consumidores com S>39.6kVA


Esquema total de energia activa e reactiva

Consumidores em B.T. com 19.8 < S < 39,6 kVA


Tarifa tri-horária (3 contadores

© Jorge Guilherme 2008 #37