Sie sind auf Seite 1von 12

capítulo 5

Família e escola: uma parceria possível na prevenção de uso de droGas entre adolescentes

Jossara Cattoni araldi Kathie nJaine Maria ConCeição de oliveira

introdução

Este capítulo busca refletir sobre a re­ lação entre família e escola, com foco na dis­ cussão sobre a parceria possível entre essas duas importantes instituições nas ações de prevenção ao uso de álcool e outras dro­ gas na adolescência. O uso de drogas nas sociedades contemporâneas vem se tornan­ do um problema mundial de saúde pública de extrema importância, uma vez que esse fenômeno traz séries agravos à saúde físi­ ca e mental dos usuários. O álcool tem sido apontado como a droga mais consumida entre os jovens no Brasil e está associado a diversos comportamentos de risco, implican­ do acidentes e violências, baixo rendimen­ to escolar e outros transtornos (Pechansky, Szobot e Scivoletto, 2010). Uma série de le­ vantamentos nacionais realizados no Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBrID) tem evidenciado os seguintes aspectos: existe uma tendência do aumento da ingestão regular e elevada de be­ bidas alcoólicas pela juventude com ocorrên­ cia principalmente entre os mais jovens (12 a 15 anos); tem se elevado o consumo entre as meninas; e 50% dos adolescentes iniciaram o uso de álcool entre 10 e 12 anos (Galduróz e Caetano, 2004; Galduróz et al., 2005). O uso de drogas na adolescência é agravado pela própria condição de vulne­ rabilidade desse grupo etário. Marques e

Osorio.indd

59
59

Cruz (2000), citando Newcomb (1995), ressaltam que alguns dos principais fatores de risco para o uso de drogas nesse grupo

envolvem aspectos culturais, interpessoais, psicológicos e biológicos. Dentre eles, a dis­ ponibilidade das drogas, as leis e as normas sociais, dificuldades econômicas graves, uso de drogas na família ou atitudes positivas em relação a elas, conflitos familiares, com­ portamento antissocial e fatores biológicos, como suscetibilidade ao uso e vulnerabilida­ de ao efeito de drogas. Entretanto, alguns autores têm destacado a necessidade de in­ vestigar os fatores que contribuem para o não uso de drogas na adolescência, desta­ cando que a disponibilidade de informações completas e a proteção e afeto da família podem contribuir com as ações de preven­ ção (Sanchez, Oliveira e Nappo, 2005). No campo da saúde no Brasil, a Po­ lítica e as Ações para a Atenção Integral ao Uso de Álcool e Outras Drogas (Brasil, 2003) recomendam o desenvolvimento de ações intersetorias, que incluam a escola

e a família como estratégia fundamental

para a prevenção. No âmbito da educação,

o Ministério da Educação, no contexto dos

Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) (Brasil, 1998) para o ensino fundamental, introduziu temas transversais, tais como ética, meio ambiente, pluralidade cultural, saúde e consumo de drogas, para perpassar

as diferentes disciplinas do currículo escolar.

cultural, saúde e consumo de drogas, para perpassar as diferentes disciplinas do currículo escolar. 16/8/2010 10:07:58
cultural, saúde e consumo de drogas, para perpassar as diferentes disciplinas do currículo escolar. 16/8/2010 10:07:58

16/8/2010

cultural, saúde e consumo de drogas, para perpassar as diferentes disciplinas do currículo escolar. 16/8/2010 10:07:58

10:07:58

60
60

luiz carlos osorio, maria elizabeth pascual do valle e cols.

Osorio.indd

60
60

Esses temas devem ser trabalhados em uma perspectiva interdisciplinar e integrada à proposta pedagógica da escola. Em 2007 foi lançado o Programa Saúde na Escola (PSE), instituído pelo Decreto Presidencial n° 6286/2007 (Brasil, 2007) que visa a ampliar as ações de saúde junto aos alunos da rede pública de ensino. Sendo dividido em quatro blocos, o segun­ do deles trata da promoção da saúde e pre­ venção, devendo trabalhar as dimensões da construção de uma cultura da paz e com­ bate às diferentes expressões da violência, consumo de álcool, tabaco e outras drogas.

Neste bloco, haverá também a abordagem da educação sexual e reprodutiva e o estí­ mulo à atividade física e práticas corporais. A escola tem, portanto, um grande po­ tencial para atuar na prevenção ao uso de álcool e outras drogas, pois crianças e ado­ lescentes permanecem um longo período de tempo nesse espaço. E a família é a re­ ferência em termos de valores primordiais para os jovens, ainda que seja no plano ide­ alizado por muitos. Mas esta relação tem sido alvo de muitas polêmicas e debates. Como a família e a escola podem ser par­ ceiras? Diversos estudos (Noto e Galduróz, 1999; Carlini­Cotrim, 1998; Tondowski e Henriksson, 2007; Marlatt, 2001; Moreira et al., 2006) têm apontado que a questão das drogas é um tema tabu nas escolas e que as ações de intervenção ainda têm o foco no aspecto de guerra às drogas, movi­ mento norte­americano da década de 1980, que se caracterizou por um enfoque alarmis­ ta, intolerante e repressivo. Soma­se a essa situação o preconceito que muitas famílias têm em relação à informação sobre drogas

e a dificuldade que enfrentam com os filhos

com problemas de drogas. Assim, estabele­ cer uma parceria entre a escola e as famí­

lias visando ao desenvolvimento de ações de prevenção ao uso de álcool e outras drogas

é um grande desafio. Neste contexto, são

grandes as lacunas para o debate sobre esse

tema e sua prevenção, de modo que se possa romper com o caráter estigmatizante e pre­ conceituoso com que essa questão é em ge­ ral percebida na escola e na família.

ÁlCool e drogas: uM desafio a ser enfrentado

revisando a literatura sobre o tema, alguns autores, entre eles Brasil (2004) e romano e Laranjeira (2004), apresentam um arcabouço teórico para a compreensão da drogadição. Segundo esses autores, a relação do homem com as drogas vem mudando ao longo da história, o que influencia o entendi­ mento desse fenômeno e, consequentemen­ te, o tratamento aos dependentes químicos. A história da humanidade sempre es­ teve ligada às drogas. Segundo Araújo e Moreira (2006) e Toscano Jr. (2001), as drogas podem ser utilizadas dentro de ri­ tuais religiosos, festivos/recreativos, medi­ camentosos, enfim, por motivos diversos. Portanto, a ideia de que a presença de dro­ gas no repertório humano é algo recente e mostra­se equivocada. Inicialmente, segun­ do Brasil (2004), o drogadicto era conside­ rado alguém que estava tomado por uma entidade espiritual e que, portanto, deve­ ria ser tratado a partir de rituais específi­ cos. Posteriormente, o dependente químico passou a ser visto como alguém amoral, um marginal que deveria ser afastado da sociedade. Em 1966, a Associação Médica Americana passou a conceber o alcoolismo como doença, o que contribuiu para a reti­ rada de certos conceitos e preconceitos em relação ao drogadicto, pois preconizava a visão positivista da doença como fenômeno unicamente orgânico. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), define­se a dependência de drogas como um estado psíquico e, algu­ mas vezes, igualmente físico, que resulta da interação entre um organismo e uma dro­ ga psicoativa, incluindo uma compulsão de consumir a droga para experimentar seus efeitos psíquicos ou evitar o desconforto da sua ausência (OMS, 1993). Diante dessas conceituações ou per­ cepções é possível determinar o papel da pessoa doente, assim como o papel da fa­ mília, dos amigos e dos regimes de trata­ mento. As questões relativas ao uso abusivo

papel da fa­ mília, dos amigos e dos regimes de trata­ mento. As questões relativas ao
papel da fa­ mília, dos amigos e dos regimes de trata­ mento. As questões relativas ao

16/8/2010

papel da fa­ mília, dos amigos e dos regimes de trata­ mento. As questões relativas ao

10:07:58

manual de terapia familiar – volume ii

61
61

de álcool e outras drogas atingem todos ou

grande parte dos cidadãos, devido aos pro­ blemas que acarretam sobretudo para o âm­

bito da segurança pública e da saúde.

Prevenção de ÁlCool e outras drogas e atenção à saúde

Pereira e colaboradores (2004) de­ finem a prevenção como uma ação que oferece aos indivíduos a capacidade para enfrentar eventuais obstáculos que pos­ sam prejudicar a sua saúde. Para Vizzolto (1992), a prevenção consiste em um con­ junto de informações e de ações concretas em uma abordagem ampla de saúde, com

o objetivo de sensibilizar e informar as pes­

soas sobre as ocorrências de prejuízos à saú­

de devido ao uso indevido de drogas. Um

breve panorama sobre os primeiros modelos

de prevenção mostra que alguns não alcan­

çaram suas metas. Segundo Bucher (1988), os procedimentos preventivos ao uso de drogas surgiram com o objetivo de reduzir a disponibilidade dessas substâncias, desde a fonte até a comercialização e o consumo das

consideradas ilícitas. Para isso, a prevenção adotava medidas fiscais e repressivas, usan­ do como meios a ação judiciária e a repres­ são ao tráfico. Diante da proliferação do uso de drogas na contemporaneidade, os espe­ cialistas perceberam que tais medidas eram insuficientes, reconhecendo que outras es­ tratégias deveriam ser tomadas, entre elas a educação como uma necessidade universal.

A educação preventiva inicialmente tinha

como finalidade passar informações sobre

a questão das drogas e seus efeitos, com a

intenção de chocar, de amedrontar os jo­ vens; no entanto, essa medida não atingia

os objetivos esperados, como a redução do

consumo de drogas. Uma outra crítica e esse

modelo referia­se ao fato de ele não atin­ gir a uma população maior, além de que a prevenção era mais direcionada às drogas ilícitas com forte caráter moral, enquanto

o consumo de álcool e tabaco não tinha e

Osorio.indd

61
61

ainda não tem restrições legais em muitas sociedades. Na mesma perspectiva, Carlini­Cotrim (1998) argumenta que o modelo preventivo conhecido como “guerra às drogas” defen­ de a erradicação das drogas ilícitas e a in­ tolerância em relação aos usuários. Porém, evidenciam­se dois argumentos que susten­ tam a oposição a esse modelo. O primeiro deles é de que a ideia de erradicar as drogas nas sociedades é irreal, uma vez que, como já apontado, as drogas sempre estiveram presentes na história da civilização humana.

O segundo argumento é de que a “guerra às

drogas” fere os princípios éticos e os direitos civis, pois impor o não uso é impor regras de comportamento aos indivíduos e socie­ dade que vão muito além do que é direito do Estado. Um estudo realizado com professores de escolas públicas e particulares em uma ci­ dade de médio porte do sul do Brasil (Araldi, 2009) detectou a presença de tradicionais modelos preventivistas ao uso de drogas. Alguns educadores que fizeram parte do es­ tudo fizeram uma crítica a esse modelo re­ pressor, mas de maneira geral demonstraram que não atuam com outros modelos que se contraponham a esse. As representações so­ ciais de muitos educadores sobre prevenção ao uso de álcool e outras drogas está rela­ cionada ao ideal da escola como um espaço propício para o desenvolvimento humano

e social dos jovens. Secundariamente, esse

espaço poderia atuar na prevenção às dro­ gas e em outros temas que dizem respeito

à adolescência. Porém, na prática, delegam

essa atuação principalmente ao Programa Educacional de resistência às Drogas (PrOErD), aos psicólogos, aos orientadores pedagógicos e profissionais especializados na área. O PrOErD é um programa de in­ tervenção que segue o projeto DArE (Drug Abuse resistance Education) ou Educação para a resistência ao Abuso de Drogas, que tem como objetivo o treinamento para re­

sistir às pressões para que se envolvam com drogas. Inclui exercícios e atividades de sala de aula que ensinam o estudante a recusar, a

se esquivar e a não ceder perante a oferta de

de sala de aula que ensinam o estudante a recusar, a se esquivar e a não
de sala de aula que ensinam o estudante a recusar, a se esquivar e a não

16/8/2010

de sala de aula que ensinam o estudante a recusar, a se esquivar e a não

10:07:58

62
62

luiz carlos osorio, maria elizabeth pascual do valle e cols.

drogas. Conta com policiais na sua condu­ ção, porém, por ser um programa originado nos Estados Unidos, encontra alguns pro­ blemas como a falta de adaptação cultural, bem como as diferenças de representações sociais em relação à figura do policial ameri­ cano e brasileiro (Noto e Moreira, 2006). Em busca de um modelo preventivo que não parta desses princípios moralistas e da imposição do medo, surge o modelo de “redução de danos”. Segundo Carlini­Cotrim (1998), as ações preventivas baseadas na redução de danos dão ênfase na formação do jovem, acreditando que ele é capaz de discernir e optar de forma consciente e res­ ponsável sobre questões que fazem parte do seu cotidiano. Esse modelo de prevenção na prática escolar viabiliza­se por cinco mode­ los básicos:

n

conhecimento científico, que procura forne­ cer informações sobre as drogas de forma imparcial e científica;

n

educação afetiva, que tem como meta melhorar ou desenvolver a autoestima, trabalhar com a ansiedade, habilidade de decidir e interagir com o grupo;

n

oferta de alternativas, que procura desen­ volver sensações de expansão da mente, crescimento pessoal, desafio e alívio do tédio;

n

educação para a saúde, que valoriza o es­ tilo de vida saudável e onde são trabalha­ dos temas gerais, visando a formar uma consciência de algumas características não saudáveis;

n

modificação das condições de ensino, que parte do pressuposto de que a ênfase não recai na prevenção no abuso de drogas, mas na formação de jovens saudáveis com grande tendência em envolver pais e comunidade em suas atividades.

Nessa perspectiva da “redução de da­ nos”, o trabalho preventivo deve estar vin­ culado a uma proposta abrangente, onde o uso de drogas deve ser discutido dentro de um contexto mais amplo de saúde. Ética, pluralidade cultural, meio ambiente, saú­ de, orientação sexual, além do trabalho e

Osorio.indd

62
62

consumo são aspectos a serem abordados

no sentido de levar o jovem a refletir sobre

a dimensão da vida e o exercício da cidada­

nia, a fim de posicioná­lo diante das ques­ tões que interferem na vida coletiva.

adolesCênCia, faMília e esCola eM busCa de aPoio

Quando se fala em adolescência, pensa­se em fase de transição, momento em que a pessoa não é mais criança, mas tam­ bém não é adulto, caracterizada por pro­ fundas transformações biopsicossociais que conferem o caráter de singularidade ao ado­ lescente como sujeito. Segundo Tondowski e colaboradores (2007), a adolescência é um processo de in­ tensa descoberta e de ampliação do mundo infantil, pois nessa fase o convívio com os amigos ganha importância no contexto so­ cial, para além da família. Nesse processo de desenvolvimento evolutivo, há incorpo­ rações de novos hábitos, valores e padrões de comportamento, onde apenas alguns são deixados para trás. O adolescente busca um

novo lugar, um novo grupo com o qual se identifica e adquire segurança para iniciar a construção da própria identidade. Segundo esses mesmos autores, os jovens, nessa fase, sentem­se invulneráveis a enfrentar qual­ quer perigo, diante da necessidade de su­ perarem a si mesmos. Nesse contexto, as drogas podem proporcionar um aumento na sensação de poder, além de proporcio­ nar uma falsa diminuição das dificuldades

e ansiedades. Schenker e Minayo (2003, 2005) res­ saltam que, em relação ao uso de drogas, os

vínculos frágeis com a família e com a esco­ la são fatores de risco para o envolvimento de jovens com as drogas. Para essas autoras, família é uma instituição privadacom vários arranjos, mas basicamente tem a função de elaborar as relações primárias das crianças

e adolescentes. Do ponto de vista do aten­

dimento a jovens que fazem uso de drogas, partem das premissas do paradigma sistê­ mico e enfatizam a necessidade de ter claro

uso de drogas, partem das premissas do paradigma sistê­ mico e enfatizam a necessidade de ter
uso de drogas, partem das premissas do paradigma sistê­ mico e enfatizam a necessidade de ter

16/8/2010

uso de drogas, partem das premissas do paradigma sistê­ mico e enfatizam a necessidade de ter

10:07:58

manual de terapia familiar – volume ii

63
63

que os problemas das drogas se constituem um fenômeno multicausal, pois existem as questões orgânicas, psicológicas, sociocul­

turais, familiares e outros aspectos que se interinfluenciam. Pelo fato de a família ser o primeiro e mais importante núcleo de rela­ ções de uma criança ou adolescente, torna­ ­se necessário incluí­la como parte e não à parte do contexto, para não tornar o traba­ lho reducionista. A estrutura familiar ocidental vem pas­ sando por um longo período de transforma­ ção, acentuado nas últimas décadas devido

a variáveis ambientais, sociais, econômicas,

políticas e religiosas que estão vinculadas no decorrer do processo civilizatório (Osorio, 2002). Segundo Minuchin (1990), quando se trata de definir as funções das famílias, consideram­se dois objetivos distintos: pro­ teção psicossocial de seus membros, sendo este um objetivo interno, e a acomodação

a uma cultura e a transmissão desta, como

objetivo externo. Especificamente na prática clínica em atendimentos às famílias, faz­se necessá­ rio refletir constantemente sobre os múlti­ plos conceitos de família, como observam Andolfi e colaboradores (1984, p. 18),

Família é um sistema ativo em constante transformação, ou seja, um organismo complexo que se altera com o passar do tempo para assegurar a continuidade e o crescimento psicossocial de seus membros componentes. Esse processo dual de con­ tinuidade e crescimento permite o desen­ volvimento da família como a unidade e, ao mesmo tempo, assegura a diferencia­ ção de seus membros.

os desafios da esCola na Prevenção ao uso de drogas

Para Costa e Gonçalves (1988) e Osorio (2002), a família não tem um padrão fixo de se organizar, porém em todas as culturas a família tem a função de educar, fornecendo modelos e a formação de que um jovem ne­ cessita para ser adulto, além de transmitir

Osorio.indd

63
63

grande parte do saber social. Mas, após o advento da economia capitalista, nos sécu­ los XIX e XX, houve grandes transformações sociais e consequentemente mudanças no comportamento e na estrutura familiar, com

a entrada das mulheres no mercado de tra­

balho. Os autores ressaltam que, em decor­ rência da complexidade que envolve a nossa sociedade, a família conta com o apoio da escola como uma instituição que tem papel complementar na educação.

Assis e colaboradores (2005) discutem que, diferentemente de outras instituições,

a escola tem um enorme potencial para de­

senvolver a intervenção, pois tem a vanta­ gem de acompanhar por um longo período de tempo o crescimento e o desenvolvimen­

to dos jovens, podendo ainda acessar os pais

e responsáveis por eles. Sendo assim, a esco­

la pode contribuir muito na questão de pre­ venção ao uso de álcool e outras drogas. Nos programas de prevenção conside­ rados mais adequados, o uso de drogas deve ser discutido dentro de um contexto mais amplo de saúde e dos cuidados com o corpo. As drogas, a alimentação, os sentimentos, as emoções, os desejos, os ideais, ou seja,

a qualidade de vida entendida como bem­

­estar físico, psíquico e social, são aspectos

a serem abordados no sentido de levar o jo­

vem a refletir sobre como viver de maneira saudável.

De acordo com Vizzolto (1992), o pro­ fessor é um agente de educação. A ele cabe

a responsabilidade de informar os alunos. É

ele quem estabelece um contato direto com

o aluno e tem papel decisivo nos programas

de prevenção, uma vez que influencia na formação de valores e atitudes e é figura de

identificação. Para que essa tarefa seja reali­ zada, é necessário o conhecimento do assun­ to como um todo, da estrutura da disciplina

e do grupo de alunos. Nessa perspectiva, a

implementação de uma educação preventi­ va contra o uso de álcool e outras drogas re­ quer um planejamento prévio de atividades

a serem desenvolvidas pelas escolas. Uma pesquisa que avaliou um pro­ grama voltado para educação para valores (Minayo et al., 2004) aponta que, diante

avaliou um pro­ grama voltado para educação para valores (Minayo et al., 2004) aponta que, diante
avaliou um pro­ grama voltado para educação para valores (Minayo et al., 2004) aponta que, diante

16/8/2010

avaliou um pro­ grama voltado para educação para valores (Minayo et al., 2004) aponta que, diante

10:07:58

64
64

luiz carlos osorio, maria elizabeth pascual do valle e cols.

Osorio.indd

64
64

do impacto de mudanças de ordem políti­ ca, social e cultural, as instituições de ensi­ no são tomadas por uma carga de angústia

e insegurança, balizando as dificuldades do

momento de transição da contemporanei­ dade. No decorrer da avaliação, os autores verificaram vários relatos dos docentes que externavam que os temas mais polêmicos,

como sexualidade, drogas e violência, eram os menos elaborados e trabalhados nas es­ colas, diante do despreparo e das dificulda­ des de abordar tais questões. Esses resultados são semelhantes aos encontrados na pesquisa de Moreira e co­ laboradores (2006), que estudaram as si­ tuações relacionadas ao uso indevido de drogas nas escolas municipais de ensino fundamental de São Paulo, investigando ati­ tudes e comportamento dos coordenadores pedagógicos frente a essas questões. Os au­ tores concluíram que a prevenção permeia

a maioria dos discursos, porém, os coorde­

nadores relataram a falta de formação, de informação e que sentiram preconceitos em relação a essa temática. Na pesquisa de Minayo e colaborado­ res (2004) citada anteriormente, verificou­ ­se ainda que os educadores manifestaram uma visão idealizadora da escola, argumen­ tando principalmente que os pais delegam aos professores a missão de educar. No que concerne à pouca participação dos pais no cotidiano escolar, foram mencionados pelos docentes alguns fatores impeditivos, como:

horário das reuniões, falta de recursos de transporte de famílias mais carentes, o fato de as reuniões tratarem principalmente da questão de notas e disciplinas e pela falta de acolhimento e de parceria em relação à educação. Muitos pais entrevistados nessa pesquisa disseram temer os chamados das escolas, tendo em vista que a maioria das ve­ zes são convocados para tratarem de proble­ mas de comportamento ou fracasso escolar dos filhos. No entanto, durante a pesquisa, observou­se que os pais sentiram­se presti­ giados em participar do programa de edu­ cação para valores, inclusive aqueles que não sabiam ler, que solicitaram aos filhos

para fazer a leitura do material pedagógico direcionado aos pais. Contemporaneamente, os pais pare­ cem dispor de pouco tempo para os filhos, passando também à escola a responsabilida­ de de formar indivíduos. Diante desse fato, os educadores têm sido cada vez mais pres­ sionados pelas famílias e pela sociedade em geral a abordar temas como a questão das drogas. Por outro lado, os professores não se sentem preparados para lidar com essa demanda, tomando muitas vezes iniciativas improvisadas que servem mais para aliviar suas angústias do que propriamente para fazer um trabalho preventivo (Tondowski e Henriksson, 2007). Costa e Gonçalves (1988) salientam

que é dentro do contexto familiar e escolar que a criança assimila a maior parte de seus conhecimentos, hábitos e atitudes. Conse­ quentemente, os professores juntamente com os pais são as pessoas que estão em melhor posição para desenvolver uma proposta de educação vinculada a um contexto mais am­ plo, em que se incluem condições de vida, trabalho e relações sociais. Porém, a atuação conjunta dessas duas importantes instituições de socialização não

é tão simples. A pesquisa de Araldi (2009),

citada anteriormente, que investigou junto aos educadores do município de Lages (SC)

a relação da escola com a família e a preven­

ção ao uso de álcool e outras drogas, aponta que as representações que esses profissio­ nais têm sobre a adolescência, a família e o tema das drogas são fatores que dificul­ tam as ações de prevenção. Ideias arraiga­ das sobre o uso de drogas que passam por julgamentos morais dos jovens e de suas famílias foram muitas vezes colocadas pe­ los professores, sobretudo por aqueles que mencionaram não realizar nenhuma ativi­ dade relacionada ao uso de drogas. Nessa pesquisa, embora os professo­ res tenham diversos casos de uso e abuso de drogas entre adolescentes em algumas esco­ las, os educadores tendem a culpar diferen­ tes atores por esse fato. Alguns consideram que o abuso de álcool está relacionado à

diferen­ tes atores por esse fato. Alguns consideram que o abuso de álcool está relacionado à
diferen­ tes atores por esse fato. Alguns consideram que o abuso de álcool está relacionado à

16/8/2010

diferen­ tes atores por esse fato. Alguns consideram que o abuso de álcool está relacionado à

10:07:58

manual de terapia familiar – volume ii

65
65

autoafirmação dos adolescentes, a um pe­ ríodo de curiosidades sobre as bebidas e as drogas de modo geral, sem, no entanto, avaliarem o papel da escola nesse contex­

coólicas. Poucos educadores investigados

nhecer propostas que possam contribuir para esse aspecto. As poucas iniciativas identificadas de se trabalhar a questão das drogas estavam

to. Outros educadores citam a mídia como

mais relacionadas ao perfil dos professores

responsável por estimular o adolescente a

e

ao seu envolvimento com os jovens do

consumir bebida, assim como a família, por promover e consentir o uso de bebidas al­

referem uma atitude comunicativa com os jovens para discutir a questão das drogas e alguns dizem que até gostariam de abordar

que propriamente às diretrizes pedagógicas. Foram poucos os educadores que incorpora­ ram de fato a temática em suas ações, como uma professora de Educação Física de uma escola pública que procura trabalhar com

questão da prevenção às drogas, na dis­

a

o

tema mais abertamente, mas temem re­

ciplina que aborda “Qualidade de Vida”. O

presálias por parte daqueles envolvidos no

tráfico de drogas, seja aluno ou familiares.

conteúdo trabalhado por essa educadora se assemelha aos modelos de educação para

Considera­se, portanto, que há barreiras

a

saúde (Carlini­Cotrim, 1998) ou mode­

morais por parte dos educadores para abor­

lo

do estilo de vida saudável (Tondowski e

dar o tema, mas também avalia­se que essa abordagem é complexa e envolve a necessi­ dade de uma capacitação que discuta desde

Henrikson, 2007). Esses modelos preconi­ zam ações não tradicionais, pois têm como proposta uma visão de saúde integral do jo­

os preconceitos que permeiam o tema até

vem, com o objetivo de conscientizá­lo para

as estratégias mais eficazes de abordagem

a

escolha de estilos de vida saudáveis, com

e

encaminhamento da drogadição (Araldi,

qualidade.

2009).

De acordo com a perspectiva sistêmi­ ca, teoria adotada por Schenker e Minayo (2003), compreender a drogadição de ado­

lescentes é ir além do aspecto intrapsíquico

e individual para uma visão multifatorial,

em que o grupo familiar, de amigos, cole­ gas de escola, de trabalho e todo o contexto histórico­cultural e social estão imbricados nesse processo. Esse novo paradigma con­ forme Guimarães e colaboradores (2009), possibilita que a abordagem da drogadição ultrapasse a leitura do contexto familiar, acolhendo também explicações próprias do cenário onde se vive. A maioria dos educadores das escolas investigadas por Araldi (2009) informou que não teve capacitação específica para trabalhar a temática das drogas e não fo­ ram criadas oportunidades e projetos que pudessem aproximar os alunos, estabelecer um diálogo e uma relação de confiança para abordar a temática. Os dados revelaram que alguns professores não só desacreditam na possibilidade de atuar na prevenção como também não demonstram interesse em co­

Osorio.indd

65
65

] [

relaciono as várias outras situações (dro­ gas). Ela é trabalhada todo ano, pelo me­ nos um bimestre. (P/M1/Púb/1)

quando trabalho qualidade de vida

Nas falas da maioria dos educadores, no entanto, percebe­se falta de preparo e de engajamento nas questões que fazem parte do cotidiano dos adolescentes. Essa mesma percepção também foi observa­ da na pesquisa de Soares e Jacobi (2000) sobre “Adolescentes, Drogas e AIDS: ava­ liação de um programa de prevenção esco­

lar”. Observou­se no estudo a relutância e

o despreparo da instituição escolar em tra­ tar temas importantes como drogas e AIDS

e, ainda, a ausência de trabalhos preventi­

vos e avaliativos no âmbito educacional.

Entretanto, constatou­se que o discurso e

a prática dominantes como modelo de pre­

venção na escola é a abordagem baseada no modelo de “guerra às drogas”. De certa forma, prevalece um discur­ so de descrédito por parte dos professores entrevistados na pesquisa de Araldi (2009),

um discur­ so de descrédito por parte dos professores entrevistados na pesquisa de Araldi (2009), 16/8/2010
um discur­ so de descrédito por parte dos professores entrevistados na pesquisa de Araldi (2009), 16/8/2010

16/8/2010

um discur­ so de descrédito por parte dos professores entrevistados na pesquisa de Araldi (2009), 16/8/2010

10:07:58

66
66

luiz carlos osorio, maria elizabeth pascual do valle e cols.

Osorio.indd

66
66

em relação sobretudo às perspectivas de mudanças do jovem. Na visão de grande parte deste grupo não é possível reverter a situação de um jovem que faz uso de algum tipo de droga. Percebe­se que os professores sentem­se pressionados para repassar o con­ teúdo pedagógico e lidar com temas consi­ derados difíceis de abordar no cotidiano da escola. Alguns dos motivos associados a essa resistência foram identificados no estudo de Moreira e colaboradores (2006), como:

a falta de formação e informação, o precon­ ceito atribuído aos usuários de drogas e a sobrecarga de trabalho, dificultando dessa forma a responsabilidade de realizar um tra­ balho efetivo de prevenção. Essa visão também foi constatada no trabalho de Minayo e colaboradores (2004), que avaliou um programa de educação para valores que tinha como objetivo educar os jovens para a vida, propondo que os alunos passassem a incorporar em suas vidas valo­ res positivos como liberdade, autonomia, solidariedade e responsabilidade. Minayo e colaboradores (2004) constataram que mui­ tos educadores revelaram sentimentos de pessimismo em relação ao projeto pedagó­ gico proposto, denominado “Cuidar”. Uma das hipóteses consideradas pelas autoras para esse fato refere­se ao momento histó­ rico em que vive a sociedade, no qual a es­ cola, de certa forma, perde o seu prestígio como espaço de ensino, em função de uma enorme valorização dos meios tecnológicos de informação. Outra hipótese se refere aos baixos salários dos profissionais da área da educação que de certa forma desestimula a sua atuação. E, por último, que as escolas não estão preparadas humana e tecnologi­ camente para preencher as necessidades reais dos alunos. Acresce a esses problemas a noção que alguns professores têm da família, considerando­as desestruturadas, exaltando somente o lado negativo e refletindo pou­ co sobre o potencial desse grupo como fator de proteção. Alguns estudos vêm mostrando que as representações dos professores e edu­ cadores sobre a família é bastante pessimista,

considerando­a muitas vezes inapta para os cuidados com os filhos e omissa em relação

à escola. Na visão de muitos educadores, o

fato de convidar os pais para repassarem os problemas de seus filhos na escola cumpre

o papel de incluir a família nesse cotidia­

no. Esse aspecto aponta para a necessidade de compreender e incentivar a família para atuar na prevenção (Assis et al., 2005), so­ bretudo famílias que têm comprometimento com álcool e outras drogas e que precisam, sobretudo, receber apoio profissional da sociedade e das instituições em geral, para que possam promover um contexto seguro e afetuoso de cuidado com os filhos. Tondowski e Henriksson (2007) apon­ tam que os educadores, em geral, sentem­ ­se angustiados e preocupados com o tema do uso/abuso de drogas pelos adolescentes. Muitas vezes acabam tomando iniciativas e medidas improvisadas com o intuito de fa­ zer algum trabalho preventivo. Entretanto, essas ações, na maior parte das vezes, ser­ vem mais para aliviar a angústia do que to­ mar uma medida preventiva frente à questão das drogas. Contudo, ao propor um trabalho preventivo, a atitude do professor, quando não preconceituosa, contribui para a cons­ cientização da importância da vida e de seus cuidados com ela. As escolas sozinhas sen­ tem dificuldades de assumir essa tarefa, e há uma expectativa de contar com a partici­ pação da família; porém, na realidade, não parece haver diálogo sobre a questão do uso de álcool e outras drogas. O estudo de Araldi (2009) corrobora os achados de investigações anteriores, de que há pouca participação da família na es­ cola e de que os professores sentem­se pou­ co preparados para lidar com as famílias e com os problemas que envolvem os jovens como a questão da drogadição. Considera­se ainda que atualmente as escolas têm propósitos e funções diferen­ tes das iniciais, que se restringiam apenas a transmitir conteúdos, como afirma Aquino (1998). Esse autor aponta que, além da fun­ ção pedagógica clássica, hoje existe uma substituição de papéis e, muitas vezes, um acúmulo deles atribuídos aos profissionais

existe uma substituição de papéis e, muitas vezes, um acúmulo deles atribuídos aos profissionais 16/8/2010 10:07:58
existe uma substituição de papéis e, muitas vezes, um acúmulo deles atribuídos aos profissionais 16/8/2010 10:07:58

16/8/2010

existe uma substituição de papéis e, muitas vezes, um acúmulo deles atribuídos aos profissionais 16/8/2010 10:07:58

10:07:58

manual de terapia familiar – volume ii

67
67

de educação. O autor alerta que “parece pairar uma espécie de polivalência atribuí­ da ao educador: ele deveria ser um pouco pai, psicólogo, sociólogo, político, orienta­ dor, amigo, etc.” (Aquino, 1998, p. 95). Essa nova demanda que é atribuída ao educador refere­se às mudanças históricas, como no aspecto sociopolítico do país, do trabalho, do contexto familiar e até mesmo da expan­ são da mídia, que traz impactos sociais so­ bre as práticas escolares. Essas mudanças também são reveladas no estudo de Araldi (2009):

Tem aqueles que ficam de forma incondi­

cional ao lado da escola, as atitudes que

], tem

aqueles que resolvem achar que o profes­ sor é errado. (P/M1/Part/3) Eu acredito que a participação dos pais é quase nula. Leva pra escola e a escola que se vire. (P/H1/Part/3)

você tomar estão bem tomadas [

Porém, no estudo citado acima, observa­se que algumas visões divergentes podem fazer a diferença, creditando na fa­ mília uma possibilidade de parceria com a escola. Destaca­se o empenho de um gestor

em criar estratégias para atrair os pais para a escola, para discutirem juntamente aos filhos temas relacionados à adolescência. Esse tipo de atuação proativa mostra o cui­ dado com os jovens, com as famílias e com

o

ambiente escolar.

 

Se tivermos a parceria com os pais e a es­ cola puder mostrar a importância de eles estarem presentes, estarem dialogando

com seus filhos. [

]

a prevenção eu vejo

nesse sentido, uma parceria de pais e es­

cola [

].

(G/Part/4)

 
 

ConClusões

 
 

A temática da parceria entre a família

e

a escola quanto à promoção da saúde e a

prevenção do uso de risco de álcool e outras

drogas necessitam ganhar maior visibilidade em pesquisas e projetos político­pedagógicos

Osorio.indd

67
67

visando a encontrar estratégias eficazes de enfrentamento desse grave problema de saúde pública. As representações sociais identifica­ das junto a educadores das escolas públicas

e privadas pesquisadas, como no estudo de

Araldi (2009), sobre as ações de prevenção em relação ao uso de álcool e outras dro­ gas entre adolescentes, denotam algumas visões distintas, mas que em alguns momen­ tos se interpenetram. Conhecer o universo representacional dos atores envolvidos pode mostrar­se eficaz para melhor delinear a multiplicidade de percepções implicadas. A primeira delas, presente nas falas da maioria dos educadores, independentemen­ te da natureza da escola, representa uma visão preconceituosa e estigmatizante dos temas “adolescência” e “drogas”. As falas re­ velam resistências e dificuldades em refletir sobre a complexidade desses temas. As representações sociais sobre a adolescência encontradas na pesquisa estruturaram­se em torno de dois aspectos individuais dessa faixa etária: (a) as mudan­ ças físicas e biológicas que começam com o início da puberdade e terminam quando as responsabilidades adultas são assumidas; e (b) os “conflitos” decorrentes dos processos psicológicos típicos da idade. Esses aspec­ tos presentes no senso comum são os mais marcantes dessa etapa do desenvolvimento dos adolescentes. Nesse contexto, as expli­ cações para o uso de álcool e outras drogas restringem­se à necessidade de autoafirma­ ção, curiosidade, busca de liberdade e pra­ zer. Essa visão reducionista não contempla

contextos importantes que afetam a vida dos jovens, como os culturais, sociais, polí­ ticos e econômicos que interinfluenciam na sua formação. Essa concepção de adolescência repre­ sentada pelos educadores condiz com a for­ ma com que esses profissionais entendem a questão do uso de álcool e de outras drogas

e com a maneira com que encaram e reagem

frente a essa problemática. Desse modo, as representações sociais da adolescência fun­ cionam como um filtro que leva o docente

a interpretar o comportamento adolescente

adolescência fun­ cionam como um filtro que leva o docente a interpretar o comportamento adolescente 16/8/2010
adolescência fun­ cionam como um filtro que leva o docente a interpretar o comportamento adolescente 16/8/2010

16/8/2010

adolescência fun­ cionam como um filtro que leva o docente a interpretar o comportamento adolescente 16/8/2010

10:07:58

68
68

luiz carlos osorio, maria elizabeth pascual do valle e cols.

por um único aspecto, ou seja, o comporta­ mental. Assim, se o educador tem uma visão reducionista da adolescência, as possibilida­ des de abordar questões que transcendem os aspectos biológicos e psicológicos dessa etapa da vida também são reduzidas, por­ tanto, tendem a ser inócuas e superficiais frente à gravidade do problema das drogas na sociedade e na escola em particular. Neste sentido, a abordagem da ques­ tão das drogas em sala de aula pode ser bem ou malsucedida, quando docentes e discen­ tes tentam corresponder às expectativas de um ou de outro. Em outras palavras, se os educadores têm expectativas positivas em relação aos seus educandos, se apostam nas suas potencialidades e nas suas qualidades, os educandos responderão a essas expectati­ vas de forma mais proativa. Se não existem expectativas positivas dos educadores sobre os alunos, as possibilidades de realizar um trabalho sobre álcool e outras drogas é pra­ ticamente ineficaz. Uma outra visão mais ampliada repre­ sentada na fala dos educadores demonstra um pensamento mais reflexivo sobre o uso de álcool e outras drogas. Contudo, na prá­ tica, as ações ainda são atravessadas por muitos preconceitos em relação à atuação da família e a espaços de sociabilidade dos adolescentes. Há de certa forma uma culpa­ bilização da família por não saber lidar com

o adolescente, por ser permissiva e não es­

tabelecer limites aos jovens, principalmen­

te sobre o uso de álcool, droga legitimada socialmente.

Os educadores também vivem a dicoto­

mia de transmitir os conteúdos pedagógicos

e trabalhar, com os jovens, temas que fazem

responsáveis pode explicar as poucas e frá­ geis iniciativas das escolas em chamar as fa­ mílias para os estabelecimentos educacionais

e criar uma parceria para o enfrentamento

da questão, embora alguns professores assi­ nalem a importância desse apoio.

Percebeu­se que grande parte dos edu­ cadores preconiza a importância de desen­

volver ações voltadas para a prevenção às drogas nas escolas. Entretanto, essa atribui­ ção é delegada principalmente ao PrOErD

e aos profissionais especializados no tema.

Parece haver, nesse tipo de atuação, uma ci­ são entre o que acontece no âmbito escolar, que diz respeito ao trabalho dos educadores,

e às vivências dos jovens fora da escola, que

não diz respeito aos professores. Aspectos da sociabilidade dos jovens como participar de festas ou outros encontros sociais são vis­

tos de forma negativa, sem criticar suficien­ temente os fatores que influenciam essas formas de sociabilidade. Por isso, a família é vista como a principal causa dos problemas de comportamento ou desvios dos jovens. Essas barreiras impedem os educadores de enfrentar questões tabus, como as drogas e

a sexualidade, e criam empecilhos para es­

tabelecer um diálogo franco com os alunos

e com suas respectivas famílias.

Uma outra concepção representada pe­ los professores deste estudo apresenta uma visão dialética da adolescência e das drogas. Essa concepção está presente na fala de uma escola de ensino privado, cujos educadores podem ser denominados de “seminais”, ter­ mo utilizado por Minayo e colaboradores (2004) para designar aos professores que mostram uma abertura maior à realidade social dos jovens uma capacidade de escuta

parte do seu cotidiano, ou por falta de es­

essas instituições frente à problemática das

e

de diálogo com o adolescente, com os pais

tratégias para abordar os temas transversais

e

com seus pares. No discurso e na prática

previstos pelos PCNs, como o das drogas, ou por resistência frente a esses temas. A inter­ locução da escola com a família e vice­versa também carece de estratégias e capacidade de superar as dificuldades de diálogo entre

drogas.

esses educadores atuam com a complexida­ de da questão das drogas, com a contempo­ raneidade dos conceitos de adolescência e de família, potencializando um trabalho de prevenção holístico. É nessa direção que se vizualizam as possibilidades de realizar um trabalho preventivo, que promova a saúde

A

visão muitas vezes negativa dos

do adolescente, a sua resiliência (capacida­

educadores sobre o potencial dos pais ou

de de superar as dificuldades da vida) e ao

Osorio.indd

68
68
educadores sobre o potencial dos pais ou de de superar as dificuldades da vida) e ao
educadores sobre o potencial dos pais ou de de superar as dificuldades da vida) e ao

16/8/2010

educadores sobre o potencial dos pais ou de de superar as dificuldades da vida) e ao

10:07:58

manual de terapia familiar – volume ii

69
69

mesmo tempo acolha­o em suas dúvidas e projetos de vida.

A seguir, destacam­se alguns pontos

considerados relevantes para a reflexão so­ bre aspectos que podem fortalecer a parceria família­escola na prevenção ao uso de álcool

e outras drogas na adolescência. O primeiro

deles refere­se à necessidade da comunica­ ção aberta com os jovens sobre temas consi­ derados tabus, como drogas e sexualidade, bem como outros temas como direitos civis, ética, ecologia, etc.

O campo da saúde pública pode auxi­

liar para ampliar o conhecimento de abor­ dagens preventivas como redução de riscos/ danos visando a um enfoque compreensivo da questão e não somente repressivo. Há,

portanto, a necessidade de ofertar educação continuada aos educadores para orientá­los

a compor projetos educacionais específicos

e construir estratégias de enfrentamento apropriadas à realidade de cada escola, o que consequentemente os tornaria mais se­ guros nas suas intervenções. Medidas preventivas efetivas exigem uma prática dialógica entre educador e alu­ no, pois se entende que educar é mais do

que somente transmitir conhecimentos, é trocar ideias e experiências, é acima de tudo propiciar uma escuta de forma acolhedo­ ra. Os programas de prevenção, ao serem elaborados com a participação ativa dos adolescentes, podem permitir trazer ao pro­ grama problemas reais, detectar aspectos de risco e de vulnerabilidade e assim exercitar

o protagonismo juvenil e o compromisso na

viabilização das ações. As estratégias de prevenção nas esco­ las, em termos ideais, deveriam envolver a

participação de todos, ou seja, os que traba­ lham na instituição e as famílias, para que possam participar de cursos e debates sobre

a temática das drogas, em um processo con­

tínuo, para o desenvolvimento de atividades

e projetos. Essa problemática exige a integração entre todos para um trabalho coletivo e que este, quiçá, promova uma articulação com outros setores da sociedade, contemplando medidas de enfrentamento com a finalidade

Osorio.indd

69
69

de possibilitar adequações necessárias e mais promissoras às propostas de prevenção ao uso de álcool e outras drogas.

referênCias

ANDOLFI, M. et al. Por trás da máscara familiar:

um novo enfoque em terapia familiar. Porto Alegre:

Artes Médicas, 1984.

AQUINO, J. G. A escola e as novas demandas sociais: as drogas como tema transversal. In:

AQUINO, J. G. (Org). Drogas na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1998.

ArALDI, J. C. Representações sociais de educadores e práticas de prevenção em relação ao uso de álcool e outras drogas entre adolescentes de Lages, SC. 2009. 102 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Planalto Catarinense, Lages, 2009.

ArAÚJO, M. r.; MOrEIrA, F. G. Histórias das Drogas. In: SILVEIrA, D. X. da; MOrEIrA, F. G. Panorama atual de drogas e dependências. São Paulo: Atheneu, 2006.

ASSIS, S. G. de et al. Resiliência na adolescência:

refletindo com educadores sobre superação de dificuldades. rio de Janeiro: FIOCrUZ, 2005.

BrASIL. Decreto nº 6286, de 05 de dezembro de

2007. Institui o Programa de Saúde na Escola –

PSE e dá Outras Providências. Diário Oficial da União, Brasília, 6 dez. 2007.

BrASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Cur- riculares Nacionais. Temas Transversais. Brasília:

MEC, 1998.

BrASIL. Ministério da Saúde. A política do Minis- tério da Saúde para a atenção integral a usuário de álcool e outras drogas. Brasília, 2003.

BrASIL, V. r. Família e drogadição. In: CEVErNY, C. M. (Org.). Família e drogadição. São Paulo: Casa do Pscicólogo, 2004.

BUCHEr, r. A abordagem preventiva. In: BU­ CHEr, r. (Org.). As drogas e a vida: uma aborda­ gem biopsicossocial. São Paulo: EPU, 1988.

CArLINI­COTrIM, B. Drogas na escola: prevenção, tolerância e pluralidade. In: AQUINO, J. G. (Org.). Drogas na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1998.

COSTA, A. C. L. L. da; GONÇALVES, E. C. A so­ ciedade, a escola e a família diante das drogas. In: BUCHEr, r. (Org.). As drogas e a vida: uma abordagem psicossocial. São Paulo: EPU, 1988.

GALDUrÓZ, J. F. C.; CAETANO, r. Epidemiologia do uso de álcool no Brasil. Revista Brasileira de

GALDUrÓZ, J. F. C.; CAETANO, r. Epidemiologia do uso de álcool no Brasil. Revista Brasileira de
GALDUrÓZ, J. F. C.; CAETANO, r. Epidemiologia do uso de álcool no Brasil. Revista Brasileira de

16/8/2010

GALDUrÓZ, J. F. C.; CAETANO, r. Epidemiologia do uso de álcool no Brasil. Revista Brasileira de

10:07:58

70
70

luiz carlos osorio, maria elizabeth pascual do valle e cols.

Osorio.indd

70

Psiquiatria, São Paulo, v. 26, p. 3 ­ 6, 2004. Suple ­ mento I.

GALDUrÓZ, J. F. C. et al. Levantamento nacional sobre o consumo de drogas psicotrópicas entre estudantes do ensino fundamental e médio as rede pública de ensino nas 27 capitais brasileiras: 2004. São Paulo: UNIFESP, Centro Brasileiro de Informa­ ções sobre Drogas Psicotrópicas, 2005. GUIMArÃES, F. L. et al. Famílias, adolescência e drogadição. In: OSOrIO, L. C.; VALLE, E. P. (Org.). Manual de terapia familiar. Porto Alegre:

Artmed, 2009. MArLATT, B. C. Estratégias preventivas nas esco­ las. In: SEIBEL, S. D.; TOSCANO J. r. A. (Org.). De- pendência de drogas. São Paulo: Atheneu, 2001. MArQUES, A. C. P. r.; CrUZ, M. S. O adolescente e o uso de drogas. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 22, p. 32 ­ 6, 2000. Suplemento II. MINAYO, M. C. S.; NJAINE, K.; ASSIS, S. G. Cuidar cuidando dos rumos: conversa com educadores so­ bre avaliação de programas sociais. rio de Janeiro:

Claves, 2004. MINUCHIN, S. Famílias: funcionamento e trata­ mento. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990. MOrEIrA, F. G.; SILVEIrA, D. X.; ANDrEOLI, S. B. Situações relacionadas ao uso indevido de dro­ gas nas escolas públicas da cidade de São Paulo. Revista Saúde Pública , São Paulo, v. 40, n. 5, p. 810­7, 2006. Disponível em: <http://www.scielo. br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034­ 891

02006000600010&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>.

Acesso em: 21 jun 2010. NOTO, A. r.; GALDUrÓZ, J. C. F. O uso de drogas psicotrópicas e a prevenção no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva , r io de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 145 ­ 151, 1999. NOTO, A. r.; MOrEIrA F. G. Prevenção ao uso indevido de drogas: conceitos básicos e sua apli­ cação na realidade brasileira. In: SILVEIrA, D. X.; MOrEIrA, F. G. Panorama atual de drogas e dependência. São Paulo: Atheneu, 2006. OrGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classifica- ção de transtornos mentais e de comportamento da CID-10. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

OSOrIO, L. C. Casais e famílias: uma visão contem­ porânea. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PECHANSKY, F.; SZOBOT, C. M.; SCIVOLETTO,

S. Uso de álcool entre adolescentes: conceitos,

características epidemiológicas e fatores etio­ patogênicos. Revista Brasileira de Psiquiatria,

São Paulo, v. 26, p. 14 ­ 17, 2004. Suplemento 1. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.

php?script=sci_arttext&pid=S1516­444620040

00500005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 21 jun. 2010.

PErEIrA, C. A.; BOrDIN, S.; FIGLIE, N. B. Con­ ceitos básicos em prevenção ao abuso de álcool e outras drogas. In: FIGLIE, N. B. Aconselhamento em dependência química. São Paulo: roca, 2004.

rOMANO, M.; LArANJEIrA, r. Políticas públicas para o álcool. In: FIGLIE, N. B. Aconselhamento em dependência química. São Paulo: roca, 2004.

SANCHEZ, Z. V. D. M.; OLIVEIrA, L. G. de; NAPPO,

S. A. razões para o não­uso de drogas ilícitas entre

jovens em situação de risco. Revista de Saúde Públi- ca, São Paulo, v. 39, n. 4, p. 599 ­ 605, 2005.

SCHENKEr, M. E.; MINAYO, M. C. S. A implicação da família no uso abusivo de drogas: uma revisão crítica. Ciência e Saúde Coletiva , r io de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 299­306, 2003.

SCHENKEr, M. E.; MINAYO, M. C. S. Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na ado­

lescência. Ciência e Saúde Coletiva, rio de Janeiro,

v. 10, n. 3, p. 707 ­ 717, 2005.

SOArES, C. B.; JACOBI, P. r. Adolescentes, drogas

e AIDS: avaliação de um programa de prevenção

escolar. Cadernos de Pesquisa , São Paulo, v. 109, p. 213­237, mar. 2000.

TONDOWSKI, C. S.; CAMMArOTA, F. C. L.; HEN­

r IKSSON, V. Y. A saída do casulo. In: DALLA DÉA,

H. r. F. (Org.). Você tem sede de quê? Entre a cerve­

jinha e o alcoolismo. São Paulo: Musa, 2007.

TONDOWSKI, C. S.; HEN r IKSSON, V. Y. A escola e

as drogas: um novo desafio. In: DALLA DÉA, H. r.

F.

(Org.). Você tem sede de quê? Entre a cervejinha

e

o alcoolismo. São Paulo: Musa, 2007.

TOSCANO Jr., A. Um breve histórico sobre o uso de drogas. In: SEIBEL, S. D.; TOSCANO Jr., A. De- pendência de drogas. São Paulo: Atheneu, 2001.

VIZZOLTO, S. M. A droga, a escola e a prevenção. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1992.

Atheneu, 2001. VIZZOLTO, S. M. A droga, a escola e a prevenção . 5. ed. Petrópolis:
Atheneu, 2001. VIZZOLTO, S. M. A droga, a escola e a prevenção . 5. ed. Petrópolis:

16/8/2010

Atheneu, 2001. VIZZOLTO, S. M. A droga, a escola e a prevenção . 5. ed. Petrópolis:

10:07:58