You are on page 1of 6

NORMOSE

(Este conceito é desenvolvido no livro NORMOSE dos autores


Pierre Weil, Roberto Crema, Jean Yves-Leloup. Ed. Verus).

Para Pierre Weil a gênese da destruição do planeta tem sua raiz na


consideração da ilusão como normal.

A normalidade pode ser patológica.

Consenso – Quando todas as pessoas estão de acordo com respeito a


uma opinião ou a uma atitude e maneira de atuar.

O consenso dita a norma, que por sua vez quando adotada por
muitos cria o hábito.

Nossos costumes vem de normas que adotamos que adotamos, por


exemplo de nossos pais por introjeção.

As normas deveriam ter a função de preservar nosso equilíbrio


físico, emocional e mental, bem como a harmonia e a qualidade de
vida.

Lamentavelmente, nem todas as normas são benevolentes. Algumas


levam ao sofrimento e a enfermidades.

Definição: Conjunto de normas, conceitos, valores, estereótipos,


hábitos de pensar ou de agir, que são aprovados por consenso ou
pela maioria em uma determinada sociedade e que provocam
sofrimento, doença e morte.
A normose é algo patogênico e letal, executado sem que seus
autores e atores tenham consciência de sua natureza patológica.

Assim, pode-se considerar como características:


1. É um hábito de pensar, sentir e agir
2. Aceito como normal por consenso social
3. Tem natureza patogênica ou letal
4. Gênese pessoal ou coletiva, mediante processo de introjeção
5. Automática e inconsciente.

Algumas normalidades podem ser consideradas neutras por exemplo


almoçar ao meio-dia, outras saudáveis como caminhar todos os dias,
porém há algumas normalidades doentias que são consideradas
então as normóticas.

Tipos de Normose:

• Normoses gerais – atingi a população mundial ou grande parte


dela. Por exemplo a ditadura masculina.
• Normoses específicas – por exemplo as alimentares, as
políticas, e ideológicas.
• Normoses localizadas – carregam o aspecto geográfico.

Num certo sentido toda normose é uma forma de alienação, facilita a


instalação de regimes totalitários e sistemas de dominação.

Os automatismos se desfazem com a tomada de consciência, que


leva à liberdade.

Para Jean Yves Leloup a normose nos impede de sermos realmente


nós mesmos.
O consenso e a conformidade impedem o encaminhamento do
desejo de nosso interior. Há um desejo inconsciente de presença e
plenitude e junto com este desejo um medo inconsciente de
aniquilamento, dissolução do ego e suas construções, medo da
vacuidade,do vazio.

Para trabalhar com estes aspectos Leloup nos convida a dar o


próximo passo com atenção. Qual é a nossa motivação?

Para Roberto Crema, a análise da normose pode ser feita a partir dos
seguintes fundamentos:

FUNDAMENTO SISTÊMICO

A normose surge quando o sistema se encontra dominantemente


desequilibrado e mórbido. O indivíduo para se adaptar tem que ser
normótico.

Neste sentido a saúde pode ser vista pela capacidade da pessoa de


ser dotada de um certo e justo desajustamento, uma indignação
lúcida. Um desespero sóbrio.

O sintoma então, pode ser uma resposta ao desequilíbrio instalado.

QUEM DE NÓS TEM A CORAGEM DE DIZER NÃO VOU POR


AÍ, VOU SEGUIR MEU CORAÇÃO?
FUNDAMENTO EVOLUTIVO

“NÓS NÃO NASCEMOS HUMANOS, NÓS NOS TORNAMOS


HUMANOS”. (Joseph Campell).

O Ser Humano é um ser do caminho. Cada um se tornará um ser


plenamente humano à medida que investir nos talentos que o
mistério lhe confiou.

Evolução Natural – ser natural, ocorre ao acaso/necessidade,


mutação casuais, competitividade mecanicista.

Evolução Consciente – intencional, voluntária.

Pedagogia Iniciática – proposta pedagógica que inicie o ser humano


na tarefa essencial de se tornar plenamente humano, que facilite o
investimento no vasto e esquecido potencial da subjetividade, da
interioridade, do reino do coração.

Muitos anos de vida ou muita vida nos anos?

Normalmente, ou melhor, normoticamente, apenas aspiramos a uma


miséria suportável.

Estamos condenados à plenitude, os antigos diziam: “os deuses


guiam aqueles que querem, os outros, eles são arrastados.”
FUNDAMENTO PARADIGMÁTICO

Normose apega ao velho mito paradigmático, no fechamento e na


resistência aos novos horizontes que despontam.

Normose do Cientificismo -
- Darwin – determinismo biológico e competição entre as
espécies.
- Marx – determinismo econômico e competição entre classes.
- Freud – determinismo psíquico e cometição entre as potências
psicológicas.
Ninguém neste paradigma falou de cooperação, solidariedade,
fraternidade e sinergia.

Este paradigma nega a espiritualidade. Proliferação anárquica da


tecnologia.

Seres humanos íntegros e plenos como Buda e Cristo são alienados,


marginalizados da pesquisa aberta e rigorosa das potencialidades
humanas.

NESTE MOMENTO: “CAMINHAR UM POUCO MAIS


FIRME”, SÓ ISSO, SER A CADA DIA UM POUCO MENOS
TERRORISTA, UM POUCO MENOS MENTIROSO, UM
POUCO MAIS TRANSPARENTE, UM POUCO MAIS
AMOROSO, CONSISTE APENAS EM DAR O PASSO
SEGUINTE COM ATENÇÃO E CONFIANÇA.
Transmutar o lado da normose, do comodismo, da estagnação
evolutiva, da perda do sagrado e dos valores perenes, numa flor de
consciência de amor e de solidariedade.

“Pensar globalmente e agir localmente”.

A diferença entre Buda e o normóticos é que os problemas de um


Buda são reais, são problemas do instante, ao passo que os de um
normótico são fictícios, são ilusões do passado e ficções do futuro.

“Ser santo não é um privilégio de poucos, mas uma


responsabilidade de todos nós. Ser santo, é ser inteiro, é ser
simples, é ser transparente.” Teresa d’Ávila