You are on page 1of 3

Universidade Federal do ABC

Engenharia Ambiental e Urbana

Débora Lima Davanzo

RA:11006512

NUDEZ
Resenha para a disciplina de História da Cidade e do Urbanismo
Atenas é considerado o berço da filosofia, sendo considerada cosmopolita e tolerante,
uma vez que era aberta ao mundo. Em princípio, sua arquitetura busca demonstrar a coerência
entre palavras e atos. Para Péricles, refletindo o pensamento dos atenienses, “O poder está nas
mãos não da minoria, mas de todo o povo e todos são iguais perante a lei”.
Atenas era protegida por uma muralha que oferecia segurança mas limitava o espaço
da cidade, sendo esta alvo de fortificações e expansões ao longo dos anos. Como resultado da
cultura intensiva e das técnicas inadequadas de agricultura o solo era pobre e dois terços dos
grãos consumidos tinham que ser importados pelos atenienses.
Embora houvessem diferenças sociais, a demonstração de riqueza era desencorajada e
vista como uma ameaça ao grupo, uma vez que se buscava a igualdade entre os Homens.
Desta forma, as residências não eram opulentas, seu visual chegando a desanimar os visitantes
que vinham com grandes expectativas em relação à arquitetura. As casas eram, em sua grande
maioria, térreas e circundadas por ruas estreitas – famílias mais abastadas poderiam possuir
um pátio interno para circulação de ar ou um pavimento superior.
No entanto, eram considerados cidadãos dignos os homens, devido ao seu calor
corporal.. Associado ao esperma (sangue quente e detentor da vida) mais do que à
menstruação (sangue frio e inerte), o calor corporal era o que possibilitava a capacidade
humana de ver, ouvir, agir e reagir, falar, etc. – sendo retroalimentado por estas atividades.
Assim, aqueles afastados do debate e da ação – a mulher, devido à sua “natureza fria” e os
escravos, ocupados com o trabalho e subsistência, considerados degradantes – não eram aptos

as quais eram impossíveis de e atribuir responsabilidade devido ao caráter horizontalizado e desorganizado da votação. desafiando o limite entre deuses e humanos. estima-se que apenas 20 a 30 mil dos 150 a 250 mil cidadãos podiam de fato se dedicar. reservado. a Nudez era uma conquista da civilização.à política e à exposição de seus corpos. então. No entanto. mas atos de cunho sexual deviam ser feitos em pé. Tornou-se possível separar os cidadãos por tribos e atribuir a responsabilidade do voto de forma mais clara. a visibilidade individual se perdia no subgrupo formado pelas pessoas do redor. “Honra e vergonha. Curvar-se era visto com uma inferiorização dos indivíduos. Embora todos os homens pudessem exercer a política. os corpos retratados pelos atenienses eram menos individualizados e mais divinos. derivavam do conceito grego de fisiologia”. levando à decisões parciais e inapropriadas. Os homens podiam apaixonar-se uns pelos outros. Assim foi concebido a Casa do Conselho. às mulheres. Jovens e ideias. assegurando a manutenção da democracia e livrando-se (por exílio) de eventuais novos tiranos. A arquitetura do edifício contribuía para a passividade do ouvinte. O ginásio ateniense ensinava que o corpo era parte de uma coletividade. na cidade. confirmando sua dignidade como cidadão e relacionada à liberdade de pensamento. As assembleias aconteciam na Ágora. cuja a voz resplandecia vindo do chão. uma vez que tinham riqueza suficiente para viver sem preocupações. onde os homens estavam no mesmo nível e se viam como iguais – embora não pudesse houver penetração. no nível mais baixo que todos os ouvintes. devido ao grande número. permitindo que se distinguisse os fortes dos vulneráveis. Para o autor. com assentos para evitar a circulação de pessoas e prendendo mais a atenção da plateia ao interlocutor. treinando não só o físico como também a habilidade com a Palavra (ao contrário dos Espartanos). conferindo ao locutor um poder de manipulação até . Para Trucídides.

Assim. .então desconhecido. e não para seu desenvolvimento. o história da Democracia Ateniense caminhou para a disciplinarização da voz.