Sie sind auf Seite 1von 73
Paulo Franca Setembro 2009 Projetos de Disposição de Rejeitos na VALE: diversidade de soluções, riscos
Paulo Franca
Setembro 2009
Projetos de Disposição de Rejeitos na VALE:
diversidade de soluções, riscos e desafios

Introdução

Linha do Tempo

Crescimento das atividades de mineração (Andrew Robertson, 2007):

1900’s – beneficiamento de 100’s t/dia

1930’s – beneficiamento de 1000’s t/dia

1960’s –beneficiamento de 10.000’s t/dia

2000’s – beneficiamento de 100.000’s t/dia

2030’s - beneficiamento de 1.000.000’s t/dia

=> As estruturas geotécnicas (barragens) cresceram proporcionalmente para suportar este crescimento de produção

2 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

proporcionalmente para suportar este crescimento de produção 2 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,

Linha do Tempo

Estatisticamente a cada 30 anos, as barragens de rejeitos e as cavas de mineração:

aumentam dez vezes em volume e;

dobram em altura, ou profundidade.

=> Proporcionalmente aumenta também o risco ao negócio.

3 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

=> Proporcionalmente aumenta também o risco ao negócio. 3 Projetos de Barragens da Vale – Setembro

O Tamanho das Barragens

ICOLD: cerca de 36.000 barragens com altura 15m.

5% têm altura superior a 60m e apenas 1% tem altura > 100m.

No Brasil (CBDB): 450 barragens com altura 15m.

Pequenas Barragens x Grandes Barragens: O que é melhor sob os pontos de vista ambiental e econômico: várias pequenas barragens ou uma grande barragem ?

4 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

e econômico: várias pequenas barragens ou uma grande barragem ? 4 Projetos de Barragens da Vale

Estatísticas em MG

Estatísticas em MG 5 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009
Estatísticas em MG 5 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009
Estatísticas em MG 5 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

5 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Estatísticas em MG 5 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Estatísticas de rupturas

Ano Barragem Localização N o de Mortes 2009 Algodões 1 (PI) Brasil 2008 Espora (GO)
Ano
Barragem
Localização
N o de Mortes
2009
Algodões 1 (PI)
Brasil
2008
Espora (GO) e Apertadinho (RO)
Brasil
2007
Rio Pomba (MG)
Brasil
2004
Camará
Brasil
2003
Rio Pomba-Cataguazes (MG)
Brasil
2001
B1 Rio Verde (MG)
Brasil
5
1995
Placer
Filipinas
12
1994
Merriespruit
África do Sul
17
1986
Fernandinho
Brasil
7
1985
Stava
Itália
269
1978
Arcturus
Zimbabwe
1
1976
Teton
USA
11
1974
Bakofeng
África do Sul
12
1972
Buffalo Creek
USA
125
1970
Mufilira
Zâmbia
89
1963
Vajont / Baldwin Hills
Itália / USA
~3.000 / 5
1959
Malpasset / Vega de Tera
França / Espanha
421 / 150
6
Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Estatísticas de rupturas

Davies, 2002
Davies, 2002

7 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Estatísticas de rupturas Davies, 2002 7 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Mais estatísticas de rupturas

Martin, 2000
Martin, 2000

8 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Mais estatísticas de rupturas Martin, 2000 8 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Barragens na Vale.

Barragens na Vale

Números Absolutos

• Cerca de 300 barragens na Vale Brasil

• Somente na área de Ferrosos (Fe + Mn) = 229 barragens

62 barragens de rejeito

155 barragens de contenção de sedimentos

12 barragens para armazenamento de água

Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%

Classe III

47%

Classe I

18%

Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%
Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35%

Classe II

35%

10 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

de água Classe III 47% Classe I 18% Classe II 35% 10 Projetos de Barragens da

Barragens na Vale

!

sedimentos " 11 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
sedimentos
"
11 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Questões Fundamentais

1 – Como cuidar do “acervo” de barragens?

2 – Como tratar a contínua necessidade de geração de rejeitos => dependência de barragens ?

13 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

de geração de rejeitos => dependência de barragens ? 13 Projetos de Barragens da Vale –

Gestão de barragens na Vale.

Gestão de barragens

Filosofia de trabalho - planejamento

Estrutura de pessoal qualificada

Critérios de contratação/elaboração de projetos

Controle/acompanhamento da construção

Controle de operação do sistema de disposição de rejeitos

Programa de monitoramento/inspeções

Programa de auditorias/avaliação de segurança

Critérios de desativação

15 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

de segurança • Critérios de desativação 15 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Gestão de barragens

Conceito: parte integrante do sistema de gerenciamento da mina; compreende toda a política, documentação, planos, procedimentos e sistemas necessários a garantir que riscos à segurança, saúde, meio ambiente, financeiros sejam minimizados, durante todo o ciclo de vida da barragem.

Projeto
Projeto
Construção
Construção

Operação

Desativação

tempo
tempo

Fontes: A Guide to the Management of Tailings Facilities - Canadá Guidelines for Development of TMMP - Austrália

16 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Facilities - Canadá Guidelines for Development of TMMP - Austrália 16 Projetos de Barragens da Vale

Filosofia de trabalho

Utilização das melhores técnicas de engenharia disponíveis,

assegurando a qualidade das obras, a manutenção da qualidade

ambiental e a segurança, pessoal e patrimonial;

Uso de equipe própria de especialistas em constante interação com empresas de projeto e assessorados por consultores internacionais;

Contratar empresas de projeto e construção de capacidade

técnica comprovada, buscando excelência nos projetos e na execução das obras.

17 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

buscando excelência nos projetos e na execução das obras. 17 Projetos de Barragens da Vale –

Planejamento

Planejamento Projeto Conceitual Projeto Básico Projeto Executivo Diagnóstico Ambiental EIA-RIMA RCA-PCA 18
Projeto Conceitual
Projeto
Conceitual
Projeto Básico
Projeto
Básico

Projeto

Executivo

Diagnóstico Ambiental
Diagnóstico
Ambiental
Projeto Básico Projeto Executivo Diagnóstico Ambiental EIA-RIMA RCA-PCA 18 Projetos de Barragens da Vale –
Projeto Básico Projeto Executivo Diagnóstico Ambiental EIA-RIMA RCA-PCA 18 Projetos de Barragens da Vale –

EIA-RIMA RCA-PCA

18 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Básico Projeto Executivo Diagnóstico Ambiental EIA-RIMA RCA-PCA 18 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,

Planejamento

Planejamento Diagnóstico Ambiental Projeto Conceitual Projeto Básico EIA-RIMA RCA-PCA Projeto Executivo 19
Diagnóstico Ambiental
Diagnóstico
Ambiental
Projeto Conceitual
Projeto
Conceitual
Projeto Básico
Projeto
Básico
Diagnóstico Ambiental Projeto Conceitual Projeto Básico EIA-RIMA RCA-PCA Projeto Executivo 19 Projetos de
Diagnóstico Ambiental Projeto Conceitual Projeto Básico EIA-RIMA RCA-PCA Projeto Executivo 19 Projetos de

EIA-RIMA RCA-PCA

Projeto

Executivo

19 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Conceitual Projeto Básico EIA-RIMA RCA-PCA Projeto Executivo 19 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,

Planejamento

Simulador de Licenciamento

840

Aquisiçã o de Área 720 120 240 Contratação 1380 600 780 1470 1830 do EIA-
Aquisiçã
o de
Área
720
120
240
Contratação
1380
600 780
1470
1830
do EIA-
Realização
Elaboraçã
Obtenção da
RIMA, do
Elaboração
Contratação
da
o do
Autorização
Inventário
do EIA-
Inventário
de Supressão
da
Supressão
Florestal e
RIMA
360
Florestal
180 de Vegetação
Supressão 90
de
600
360
dos Estudos
Vegetação
120
600
780 1380
1470
Hidrológicos
240 420
120
1500
1590 1710
2070
2250
120
Obtenção
Obtenção
Elaboração
Contrataç
Seleçã
Contratação
da Licença
da Licença
do
ão da
o de
do PCA
de
Prévia
PCA
Obra
900 90
120
360
180
Site
Instalação
120
600 1500
1590
0
2070
1590 1710
720
1080
Elaboração dos
Obtenção
Estudos
da
Hidrológicos
Outorga
120
360
600
720
240 36
480
690
0
Contratação
Elaboração
Contratação do
Elaboração do
do Projeto
do Projeto
Projeto
Projeto
Conceitual
120 Conceitual
120 Básico/Executivo
120 Básico/Executivo
210

2970

Execuçã o da Obra 720
Execuçã
o da
Obra
720

3000

2250

2250 Obtenção da Licença de 180 Operação
Obtenção da Licença de 180 Operação
Obtenção
da Licença
de
180
Operação
 

2820

t

120

240

360

480

Etapas de Contratação – VALE / SUPRIMENTOS 80 Término da Atividade (dias)
Etapas de Contratação – VALE / SUPRIMENTOS
80 Término da Atividade (dias)

Etapas de Elaboração - CONSULTORIAS– VALE / SUPRIMENTOS 80 Término da Atividade (dias) Etapas de Obtenção de Licenças – ORGÃOS

Etapas de Obtenção de Licenças – ORGÃOS AMBIENTAISda Atividade (dias) Etapas de Elaboração - CONSULTORIAS Atividade 20 60 Prazo de Execução da Atividade

Atividade
Atividade

20

60

Prazo de Execução da Atividade (dias)

Inicio da Atividade (dias)

Etapa de Aquisição - VALE /de Execução da Atividade (dias) Inicio da Atividade (dias) 20 Projetos de Barragens da Vale –

20 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

da Atividade (dias) Etapa de Aquisição - VALE / 20 Projetos de Barragens da Vale –

Caminho Crítico

da Atividade (dias) Etapa de Aquisição - VALE / 20 Projetos de Barragens da Vale –

Equipe Especializada

A Vale Brasil possui no seu quadro de empregados na área de geotecnia, em torno de ¾ de profissionais com pós- graduação (especialização, mestrado) concluída ou em curso.

Trabalho em Equipe

mestrado) concluída ou em curso. Trabalho em Equipe Meio Ambiente Engenharias e Planejamento Geotecnia &

Meio

Ambiente

Engenharias e Planejamento

Trabalho em Equipe Meio Ambiente Engenharias e Planejamento Geotecnia & Hidrogeologia Meio Ambiente Geotecnia &

Geotecnia

&

Hidrogeologia

Engenharias e Planejamento Geotecnia & Hidrogeologia Meio Ambiente Geotecnia & Hidrogeologia Engenharias e

Meio Ambiente

e Planejamento Geotecnia & Hidrogeologia Meio Ambiente Geotecnia & Hidrogeologia Engenharias e Planejamento 21

Geotecnia

&

Hidrogeologia

Engenharias e Planejamento

21 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Ambiente Geotecnia & Hidrogeologia Engenharias e Planejamento 21 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,

Estrutura de pessoal

GTGH – Grupo Temático de Geotecnia e Hidrogeologia Vale

Existe desde maio/2005. É um fórum coorporativo, multidepartamental, democrático de intercâmbio técnico e temático, cujo objetivo é Discutir, Aperfeiçoar, Criar, Desenvolver, Difundir, Compartilhar e Multiplicar conhecimentos técnicos das áreas de Geotecnia e Hidrogeologia.

2º Seminário de Geotecnia e Hidrogeologia aplicadas à Mineração

Belo Horizonte, 3 e 4 de novembro - objetiva estimular o desenvolvimento técnico, científico e tecnológico através da troca de conhecimento e integração entre as áreas afins, como a engenharia de processo, planejamentos de longo e curto prazo, meio ambiente, infraestrutura, geologia, engenharia de projetos, engenharia de implantação, logística e operação de mina.

22 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

engenharia de implantação, logística e operação de mina. 22 Projetos de Barragens da Vale – Setembro

Critérios de contratação e elaboração de projetos

Seleção de projetista com base em experiência profissional;

Interação constante projetista x equipe técnica Vale durante elaboração do projeto => definição de critérios

Projetista da barragem inicial é mantido nas fases de alteamento;

Projetista acompanha execução;

Aporte tecnológico

23 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

• Projetista acompanha execução; • Aporte tecnológico 23 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,

Critérios de contratação e elaboração de projetos

Diretrizes para Elaboração de Estudos Hidrológicos e Dimensionamentos Hidráulicos em Obras de Mineração

Considerando que:

Estudos hidrológicos e dimensionamentos hidráulicos apresentam diversidade de critérios entre projetistas => dificuldade em auditar;

Características específicas das barragens de rejeito;

A eventual fixação de critérios por outros setores usuários de recursos hídricos e/ou legislação;

A necessidade de revisão/atualização de premissas hidrológicas;

Não pretende esgotar o assunto; é de suma importância receber comentários e contribuições dos projetistas

Pontos ainda polêmicos: a determinação da PMP pontual, a aplicabilidade dos métodos chuva-vazão, duração crítica da chuva de projeto, as elevadas taxas de abstração para as chuvas de curta duração, os critérios para desativação de barragens, materiais a serem empregados nas obras.

24 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

desativação de barragens, materiais a serem empregados nas obras. 24 Projetos de Barragens da Vale –

Controle de construção

Contratação de empresas de construção idôneas e de comprovada experiência;

Supervisão da construção por empresas de gerenciamento de obra/ controle tecnológico;

Presença constante do projetista na obra;

Atendimento aos critérios construtivos;

Registro da construção e relatórios de “as-built”

25 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

• Registro da construção e relatórios de “as-built” 25 Projetos de Barragens da Vale – Setembro

Controle de construção

Controle de construção 26 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

26 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Controle de construção 26 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Operação

Operação Disposição Hidráulica E m p i l h a m e n t o D

Disposição Hidráulica

Empilhamento Drenado

Rejeito Ciclonado

n a d o R e j e i t o C i c l o

Em vales encaixados

Em áreas planas

27 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Com diques internos

n a d o Em vales encaixados Em áreas planas 27 Projetos de Barragens da Vale

Controle de operação

%%!!
%%!!
##
##
$$ ""
$$ ""
!! &&
!! &&
'' !! !!
'' !! !!

($ )

*

"" !! && '' !! !! ($ ) * Gestão da Informação 28 Projetos de Barragens

Gestão da Informação

28 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

&& '' !! !! ($ ) * Gestão da Informação 28 Projetos de Barragens da Vale

Manual de Operação

Cada barragem tem seu Manual de Operação que estabelece os procedimentos para operação, manutenção, monitoramento e inspeções de segurança. A estrutura mínima é:

Introdução e Objetivos

Ficha Técnica da Barragem

Descrição Geral do Sistema

Definição de Atribuições e Responsabilidades

Bases para Operação do Sistema

Monitoramento e Manutenção do Sistema

Registros da Operação da Barragem

Relatórios de Incidentes

Plano de Contingência e Responsabilidades

Divulgação e Treinamento sobre o Manual de Operação

Documentos de Referência

29 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

sobre o Manual de Operação • Documentos de Referência 29 Projetos de Barragens da Vale –

Controle de operação

Lançamento de Rejeito

30 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
30 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Controle de operação

Formação de praia e manutenção de borda Livre

31 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
31 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Controle de operação

Manutenção Preventiva x Corretiva

32 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
32 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Gestão Efetiva

PCIB – Plano de Contigências Internas de Barragens

Atribuições e Responsabilidades

Atribuição

Responsável * (Quem?)

Ação

(O que?)

(Como?)

Operação e manutenção diária da barragem

Equipe: Operação e Manutenção

Supervisionar os trabalhos de operação e manutenção.

Gestão da barragem

Equipes de Geotecnia, Meio- Ambiente, Operação/Manutenção das Usinas e Infra- estrutura/Manutenção Civil

Fazer inspeções visuais periódicas e monitoramento contínuo dos instrumentos instalados na barragem conforme indicado no Manual de Operação da barragem.

Comunicação de ocorrências e anomalias

Cumprir o indicado no Manual de Operação da barragem e no PCIB conforme classificação do risco.

Tomada de decisão

Gerentes

Analisar os dados e fatos, ponderando as melhores e mais seguras opções mitigadoras do(s) problema(s).

Nota. (*) :Conforme Responsabilidades Cruzadas entre as áreas relacionadas à operação, manutenção, segurança, obras e meio-ambiente.

33 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

à operação, manutenção, segurança, obras e meio-ambiente. 33 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,

Gestão Efetiva

PCIB – Plano de Contigências Internas de Barragens

34

! " # $ % & '" ( & % & $ ) $ $
! "
# $ % & '" ( &
% & $ ) $
$ $
$
+ $
$ $
* $
$ , -
*
Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Monitoramento/ Inspeção

Geotec III – Sistema de Gerenciamento e Banco de Dados Geotécnicos

Tela do Sistema

Gerenciamento e Banco de Dados Geotécnicos Tela do Sistema Sincronismo 35 Projetos de Barragens da Vale
Gerenciamento e Banco de Dados Geotécnicos Tela do Sistema Sincronismo 35 Projetos de Barragens da Vale

Sincronismo

35 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Dispositivo móvel “Geotec Mobile”

Tela do Sistema Sincronismo 35 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009 Dispositivo móvel
Tela do Sistema Sincronismo 35 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009 Dispositivo móvel

Monitoramento/ Inspeção

GIS Geotecnia (Solução GIS Mineral)

BD Geotecnia

Dados padronizados Aplicação
Dados padronizados
Aplicação

36 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Aplicação 36 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009 G G I I S

GGIISS GGEEOOTTEECCNNIIAA

Aplicação 36 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009 G G I I S

Gestão de Riscos

Auditoria Independente/ Avaliação de Segurança

Periodicidade:

• Barragens Classe III: Anual

• Barragens Classe II: A cada dois anos

• Barragens Classe I: A cada três anos

• Além deste programa, são feitas inspeções mensais com registro no Geotec III

• Mais do que uma obrigação legal, é uma oportunidade para revermos nossas práticas, reforçarmos os pontos fortes e acionarmos os ALERTAS quando necessário

37 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

os pontos fortes e acionarmos os ALERTAS quando necessário 37 Projetos de Barragens da Vale –
38 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
38 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
39 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
39 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

40

Outros riscos

40 Outros riscos Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

41 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

41 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

41 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009
41 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Critérios de Desativação

Descaracterização

Eliminação do lago com preenchimento do volume residual com estéril / solo;

Eliminação da barragem e dos sedimentos depositados (retirada de todo o maciço e limpeza do reservatório);

Transformação da barragem em pilha de estéril quando pertinente (inexistência de nascentes subsuperficiais).

Adequação

Redimensionamento do vertedor para vazões decamilenares ou de PMP (precipitação máxima provável) e elevação do free board;

Adequação do maciço para galgamentos (transição e enrocamento no talude de jusante) e eliminação do free board – barragem galgável;

Manutenção do lago junto ao maciço e conseqüentemente da instrumentação e do monitoramento hídrico por tempo indeterminado;

Manutenção do lago afastado do maciço, mas com o sistema de drenos internos da barragem operando, e conseqüentemente da instrumentação e do monitoramento hídrico por tempo indeterminado;

42 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

e do monitoramento hídrico por tempo indeterminado; 42 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,

Critérios de desativação

Eventos extremos

MCE - máximo sismo possível

PMP - precipitação máxima provável

Forças perpétuas

adoção de Fator de Segurança compatível

performance dos materiais de construção

monitoramento/manutenção longo prazo

43 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

de construção • monitoramento/manutenção longo prazo 43 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Examplo de desativação

Projeto Wetlands - Mina da Cachoeira RDM-MG (DIMA);

44 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
44 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Consolidação

SGBP – Sistema de Gestão de Barragens e Pilhas

45 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
45 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Consolidação

SGBP – Sistema de Gestão de Barragens e Pilhas

Objetivos:

• garantir a informação atualizada e disponível on-line sobre barragens e pilhas de estéril;

• possibilitar indicadores;

• realizar a gestão dos riscos associados ao negócio Vale relativos às barragens e pilhas;

• possibilitar a gestão das conformidades ao longo do ciclo de vida das estruturas;

• possibilitar o gerenciamento da aplicação dos recursos.

de

o

gerenciamento

dos

planos

de

ação

por

meio

46 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

dos recursos. de o gerenciamento dos planos de ação por meio 46 Projetos de Barragens da

Consolidação

Consolidação 47 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

47 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Consolidação 47 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Consolidação

Consolidação 48 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

48 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Consolidação 48 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Como tratar a contínua dependência de barragens?

O que se vislumbra num futuro (próximo)?

Crescente dificuldade de licenciamento de novas

barragens, de alteamento de barragens existentes para

manter a produção e para utilização de água nova

Teores metálicos cada vez mais baixos nas minas, que exige maior manuseio para a mesma escala de produção

Alto CAPEX de novas barragens (aproximadamente 10% do total do investimento)

50 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

de novas barragens (aproximadamente 10% do total do investimento) 50 Projetos de Barragens da Vale –

Qual a nossa saída?

Reaproveitamento de rejeitos

Uso de tecnologias alternativas

Co-disposição e/ou disposição conjunta

Sequenciamento de lavra visando permitir o uso de cavas exauridas

Maior aproveitamento no processo (recuperação)

Uso futuro sustentável

51 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

no processo (recuperação) • Uso futuro sustentável 51 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,

Ciclo da Vida de uma Barragem

Escolha Planejamento Projeto Implantação Operação Fechamento do Local
Escolha
Planejamento Projeto Implantação Operação Fechamento
do
Local
Adequação/Modificação
Adequação/Modificação

52 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Operação Fechamento do Local Adequação/Modificação 52 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Ciclo da Vida de uma Barragem

Escolha Planejamento Projeto Implantação Operação Reaproveitar Fechamento do Local
Escolha
Planejamento Projeto Implantação Operação
Reaproveitar
Fechamento
do
Local
Adequação/Modificação
Adequação/Modificação

53 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Reaproveitar Fechamento do Local Adequação/Modificação 53 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Reaproveitamento de rejeitos

Recuperação e Armazenamento de Rejeitos

54 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
54 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Reaproveitamento de rejeitos

Dragagem e reprocessamento

Reaproveitamento de rejeitos Dragagem e reprocessamento 55 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
55 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
55 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
Reaproveitamento de rejeitos Dragagem e reprocessamento 55 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Reaproveitamento de rejeitos

Pesquisa nos reservatórios de barragem

de rejeitos Pesquisa nos reservatórios de barragem Recuperação de PFF já finalizados para as barragens
de rejeitos Pesquisa nos reservatórios de barragem Recuperação de PFF já finalizados para as barragens

Recuperação de PFF já finalizados para as barragens Feijão 1 e Mutuca 5; Resultados de processo indicam recuperação metalúrgica >60% com 67% Fe, 1,5% SiO2; Em estudo: processo de aglomeração a frio de PFF e ultra finos, para produção de SF.

56 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

de aglomeração a frio de PFF e ultra finos, para produção de SF. 56 Projetos de

Reaproveitamento de rejeitos

Utilização de Rejeitos na Construção Civil

de rejeitos Utilização de Rejeitos na Construção Civil 57 Projetos de Barragens da Vale – Setembro

57 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

de rejeitos Utilização de Rejeitos na Construção Civil 57 Projetos de Barragens da Vale – Setembro
de rejeitos Utilização de Rejeitos na Construção Civil 57 Projetos de Barragens da Vale – Setembro

Projeto "Barragem Zero”

Filtragem Filtragem dos dos rejeitos; rejeitos;

Espessamento Espessamento de de lamas lamas em em pasta; pasta;

Desaguamento Desaguamento dos dos rejeitos rejeitos grossos grossos em em peneira peneira desaguadora; desaguadora;

Soluções Soluções geotécnicas geotécnicas para para disposição disposição dos dos rejeitos; rejeitos;

Recuperação Recuperação adicional adicional de de minério minério de de ferro ferro nos nos rejeitos; rejeitos;

Aglomeração Aglomeração de de rejeitos rejeitos para para disposição disposição como como sólidos. sólidos.

58 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

para disposição disposição como como sólidos. sólidos. 58 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,

Filtragens dos Rejeitos

Usinas

Produçao de rejeitos

Testes filtragem

Quantidade de Filtros

t/h

Mtpa

% Fe

Correia

Disco

Pressão

Disco (120 m 2 )

Pressão (248 m 2 )

Alegria - IB 2 / IB 3

819

6,5

29,1

         

grossos

549

4,7

17,5

x

x

x

3

 

lama

270

2,3

52,5

   

x

 

17

Brucutu

1208

9,6

31,7

         

Grossos

894

7,7

24,3

x

x

x

5

 

Lamas

314

2,7

53,0

   

x

 

27

Cauê

1559

12,4

26,9

         

Grossos

1191

10,3

24,4

x

x

x

2

 

Lama

367

3,2

35,2

   

x

 

9

Conceiçao

1059

8,4

20,7

         

Grossos

911

7,9

16,9

x

x

x

2

 

lama

148

1,3

43,8

   

x

 

5

Fabrica Nova/ Timbopeba

768

6,1

43,8

         

Grossos

269

2,3

26,9

x

x

x

2

 

Lama

499

4,3

53,0

   

x

 

16

Pico - ITM A/B

359

2,9

24,3

         

grossos

208

1,8

9,7

x

x

x

2

 

lama

151

1,3

44,6

   

x

 

4

Vargem Grande(Atual)

632

5,0

57,4

         

grossos

215

1,9

54,4

x

x

x

2

 

lama

417

3,6

58,9

   

x

 

10

Vargem Grande (Futura)

1.571

13,6

22,9

         

grossos

1.025

8,9

12,5

x

x

x

10

 

lama

546

4,7

42,4

   

x

 

18

lama 546 4,7 42,4     x   18 Granulometria rejeitosDIFS 100 90 Rejeitos Finos 80
Granulometria rejeitosDIFS 100 90 Rejeitos Finos 80 (Lamas) 70 60 50 RejeitosGrossos 40 (Arenosos) 30
Granulometria rejeitosDIFS
100
90
Rejeitos Finos
80
(Lamas)
70
60
50
RejeitosGrossos
40
(Arenosos)
30
20
10
0
0,001
0,01
Granulometria(mm)
0,1
1
10
EspiraisCE
F. JonesCE
Flotação CE
LamaCE
Derick AL
Con.Mag. AL
% Passante

Flotação AL

F. Jigue CAFlotação AL

Flotação AL F. Jigue CA

LamaAL

FlotaçãoCA

LamaAL FlotaçãoCA

Sep.Mag.BR

LamaCA

Sep.Mag.BR LamaCA

Flatação BR

Flotação FN/TO

LamaBR LamaFN/TO

LamaBR

LamaFN/TO

LamaBR LamaFN/TO

Outros CA

Espiral ÁguaLimpa

59 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

FN/TO LamaBR LamaFN/TO Outros CA Espiral ÁguaLimpa 59 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,

Espessamento das Lamas

Espessamento das Lamas Empilhamento Empilhamento 60 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Empilhamento

Empilhamento
Empilhamento

60 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Espessamento das Lamas Empilhamento Empilhamento 60 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009
Espessamento das Lamas Empilhamento Empilhamento 60 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009
Espessamento das Lamas Empilhamento Empilhamento 60 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009
Espessamento das Lamas Empilhamento Empilhamento 60 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Estudos Realizados com Paste / Espessamento

Estudos Realizados com Paste / Espessamento 61 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

61 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Estudos Realizados com Paste / Espessamento 61 Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009

Drenagem dos rejeitos em peneira desaguadora

Drenagem dos rejeitos em peneira desaguadora Rejeito desaguado 62 Projetos de Barragens da Vale – Setembro

Rejeito desaguado

62 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Fotos: Teste de desaguamento na barragem de Feijão,

Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009 Fotos: Teste de desaguamento na barragem de

Peneira desaguadora

Projetos de Barragens da Vale – Setembro , 2009 Fotos: Teste de desaguamento na barragem de

Soluções geotécnicas para disposição dos rejeitos

Prática na Vale (Tradicional)

Lançamento/Aterro Hidráulico

Empilhamento de rejeito grosso

Rejeito ciclonado

Não Praticado na Vale

Secagem de Lama

Pasta/Espessamento

Filtragem e Desaguamento

Co-Disposição

Separada

 

Pasta

Rejeito e/ou Lama espessada

Estéril

Misturada

Confinada

Pasta confinado com estéril Rejeito e/ou Lama espessada confinado com estéril Rejeito confinado com Pasta

Pasta confinado com estéril Rejeito e/ou Lama espessada confinado com estéril Rejeito confinado com Pasta
Pasta confinado com estéril Rejeito e/ou Lama espessada confinado com estéril Rejeito confinado com Pasta

Pasta + Estéril (homogeneizado ou em camadas)

Rejeito e/ou Lama espessada + Estéril (homogeneizado ou em camadas)

63 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Rejeito e/ou Lama espessada + Estéril (homogeneizado ou em camadas) 63 Projetos de Barragens da Vale

Soluções geotécnicas para disposição dos rejeitos

Novas “FERRAMENTAS” para se Projetar Equipamento de Simulação de Disposição Hidráulica – ESDH (UnB)

de Simulação de Disposição Hidráulica – ESDH (UnB) Fonte: Ribeiro e Assis (1999). 64 Projetos de

Fonte: Ribeiro e Assis (1999).

64 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Hidráulica – ESDH (UnB) Fonte: Ribeiro e Assis (1999). 64 Projetos de Barragens da Vale –

Aglomeração de rejeitos para disposição como sólidos

Aglomeração de rejeitos para disposição como sólidos 65 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,
Aglomeração de rejeitos para disposição como sólidos 65 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,

65 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Aglomeração de rejeitos para disposição como sólidos 65 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,
Aglomeração de rejeitos para disposição como sólidos 65 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,
Aglomeração de rejeitos para disposição como sólidos 65 Projetos de Barragens da Vale – Setembro ,

Disposição em Cavas Exauridas

Cava Cauê - Itabira Pilha de Estéril Disposição de Rejeito
Cava Cauê - Itabira
Pilha de
Estéril
Disposição
de Rejeito
NOSSO DESAFIO: Sequenciamento de lavra para disposição de
NOSSO DESAFIO:
Sequenciamento de lavra para
disposição
de
Cava Fernadinho/Andaime 66 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
Cava
Fernadinho/Andaime
66 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

rejeitos

Cava Mutuca

Considerações finais

O que fazer para continuar operando?

Estruturas geotécnicas, principalmente barragens, são a herança da mineração;

Sociedade tem facilidade de nos “observar”- Google Earth

Barragens serão socialmente aceitáveis?

Como será o futuro da indústria de mineração ainda dependente de barragens?

Única saída: investir continuamente em

Boas Práticas de Gestão

+

Planejamento e Inovação Tecnológica

68 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Práticas de Gestão + Planejamento e Inovação Tecnológica 68 Projetos de Barragens da Vale – Setembro
69 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
69 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
70 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009
70 Projetos de Barragens da Vale – Setembro, 2009

Obrigado!

Paulo Ricardo Behrens da Franca Gerente Geral de Desenvolvimento e Planejamento

Diretoria de Operações de Ferrosos Sul

Phone: +55 31 3215 5148

Email: paulo.ricardo.franca@vale.com