You are on page 1of 4

Anexo 19 – Listagem das oficinas

Salientamos que a oficina nº 1 (Correio Museológico) só pode ser realizada


quando alguma das exposições retratarem pessoas que possam responder as
questões das crianças, portanto, não pôde ser executada durante o ano de
2009.

Oficina 1 – Correio Museológico


Público alvo: Crianças em idade escolar de 4º a 6º série;
Descrição: sempre que a exposição vigente no Museu retratar algum
personagem as crianças serão convidadas a lhes enviar uma mensagem que
poderá ser em formato de carta ou desenho. Esta mensagem será enviada a
personagem pela equipe do Museu, que também se encarregará de
encaminhar uma possível resposta às crianças.
Objetivos: com essa atividade pretendemos aproximar os alunos dos
personagens históricos, aguçando a percepção de que a história também é
feita no tempo presente.
Material necessário: folhas, canetas e envelopes.

Oficina 2 – Imagens que falam: recriando a exposição.


Publico alvo: Crianças em idade escolar de 4º série;
Descrição: após visita à exposição, é solicitado aos alunos que reproduzam a
exposição a partir de suas impressões do que viram e mais gostaram, ou seja,
que eles montem uma exposição da exposição vista, na forma de desenhos.
Os alunos deverão escolher um título criativo para sua exposição individual,
que será montada em formato de varal, onde eles poderão mediar a visita dos
colegas a sua própria exposição.
Objetivos: estimular que os alunos representem suas interpretações sobre
aquilo que viram durante a visita.
Material necessário: folhas coloridas, canetas coloridas, lápis de cores e giz
de cera, corda para varal.

Oficina 3 – Do fundo do baú: minha vida é peça de Museu.


Publico alvo: Adolescentes em idade escolar, de 7º série em diante;
Descrição: divididos em grupos os alunos deverão montar uma exposição
subsidiada por suas trajetórias individuais, dentro de um eixo temático comum,
escolhido pelo grupo. Para isso, deverão selecionar/escolher um nicho de
memórias que acreditem serem importantes para suas histórias pessoais e que
de alguma forma represente um pouco de si no grupo. Para isso os alunos
poderão dispor de seus itens pessoais que por ventura tenham consigo e de
um baú de memórias, onde estão guardados alguns objetos que poderão
ilustrar sua exposição, que deverá ser compartilhada com o grande grupo.
Objetivos: pretende-se que as narrativas pessoais explicitadas pelos grupos
sejam traduzidas e materializadas de diferentes formas criativas, onde os
estudantes estarão atribuindo significados e valor histórico as suas lembranças.
Material necessário: diferentes objetos que compõem o baú de memórias.

Oficina 4 – As aventuras de Biblos: o museu como espaço de educação e


preservação.
Publico alvo: crianças em idade escolar, de 4ª e 5ª série.
Descrição: o mediador apresenta o livro-personagem, chamado Biblos, e inicia
a leitura da história. Nela, Biblos conta em primeira pessoa suas aventuras
como um livro mau cuidado, destacando os hábitos que devemos evitar no
manuseio de livros. Cada aventura do Biblos deve ser interligada pela
mediadora ao livro que as crianças trouxeram, fazendo com que a identificação
amigável com o livro-personagem seja transferida para o livro que elas
manuseiam diariamente. Ao final da atividade cada criança recebe seu próprio
Biblos, em edição de 14cmx10cm.
Objetivos: pretende-se chamar a atenção para o cuidado no manuseio de
livros, lembrando que estes também são objetos de memória.
Material necessário: solicita-se os alunos tragam a visita seu livro didático (se
possível, seu preferido).

Oficina 5 – Estátua.
Publico alvo: crianças em idade escolar, de 4ª a 6ª série.
Descrição: o MUHM apresenta ao seu público uma série de objetos
previamente escolhidos para compor suas exposições. Quando um grupo de
estudantes chega ao espaço expositivo do museu eles se deparam com esses
objetos e com uma série de informações sobre eles. Para a apropriação e
compreensão de um objeto na exposição e principalmente na história é
interessante resgatar as memórias de que ele está impregnado. Para que isso
ocorra o MUHM propõe um jogo que exercita corpo e mente. A tradicional
brincadeira “estátua” entra no espaço museal como tentativa de trabalhar a
imaginação e o entendimento da trajetória de um objeto. A turma será dividida
em grupos e será feito um sorteio para decidir a distribuição de objetos
previamente selecionados pela equipe do Setor Educativo entre os grupos.
Cada grupo receberá uma ficha contendo todas as informações disponíveis
sobre o objeto sorteado – composição, dimensão, cor, doador, fabricação,
funcionamento e uma síntese de sua história – e discutirá uma espécie de
imagem que melhor representaria este objeto (uma cena de seu uso ou de sua
história). A cena será colocada em prática na forma de uma fotografia corporal,
ou seja, os alunos montarão a cena com seus corpos, mas sem encená-los,
ficarão parados como estátua. Uma fotografia real poderia ser tirada desta
imagem. Os que não fazem parte do grupo podem tentar adivinhar o objeto ou
modificar a imagem conforme a necessidade.
Objetivos: estimular a apropriação e a compreensão sobre os objetos
expostos no Museu.
Material necessário: fichas sobre os objetos.

Oficina 6 – Simulação
Publico alvo: 7ª a 8ª série, e Ensino Médio.
Descrição: a partir de uma situação problema a turma será dividida em grupos
e cada agrupamento representará um setor da sociedade (por ex. médicos,
governantes, etc.) e colocando-se no lugar daquele setor terão de argumentar
uma solução para o problema. Ao término desta etapa cada grupo
compartilhará com a turma sua posição, dando início ao debate onde cada
setor fará ou não concessões de seu ponto de vista para chegar a uma solução
consensual que dê conta do bem comum.
Objetivos: nessa atividade buscamos apresentar aos alunos as diferentes
formas que um problema social pode ser encarado pela sociedade e como a
participação de todos os setores auxilia para que a solução do mesmo seja
satisfatória para a maioria.
Materiais necessários: serão disponibilizados cartões com as informações
sobre o setor que cada grupo deverá representar, e num quadro maior será
apresentado o problema.