Sie sind auf Seite 1von 9
" data-type="pdf-document" id="pdf-document">
25 DE NOVEMBRO DE 2015 
 Recomendação de Compra: SHUL4 • Schulz: nossa nova Microcap

25 DE NOVEMBRO DE 2015

Recomendação de Compra: SHUL4

Schulz: nossa nova Microcap

Senior Solution: nova aquisição

nossa nova Microcap • Senior Solution: nova aquisição por Max Bohm , Analista CNPI* Caro Leitor,
nossa nova Microcap • Senior Solution: nova aquisição por Max Bohm , Analista CNPI* Caro Leitor,

por Max Bohm, Analista CNPI*

Solution: nova aquisição por Max Bohm , Analista CNPI* Caro Leitor, Nosso trabalho é selecionar as

Caro Leitor,

Nosso trabalho é selecionar as melhores microcaps da Bovespa, nas quais enxergamos grande potencial de valorização e assimetria de preço – muito para ganhar e pouco para perder.

Buscamos companhias líderes de mercado em seus setores de atuação, que sejam pouco endividadas e que mostrem boa rentabilidade. Este é o per l de empresa que queremos ter como nossa microcap.

NESTE ARTIGO:

Schulz (SHUL4):

bastante barata em relação aos principais múltiplos

Senior Solution:

nova aquisição

Neste sentido, chegamos à mais nova recomendação para a carteira: Schulz. Mais adiante, explicaremos porque SHUL4 é um ativo diferenciado e como, mesmo em meio às incertezas na economia brasileira, ela deve pavimentar um caminho de sucesso em seus negócios.

Compre SHUL4.

Reputação e reconhecimento internacional

Fundada há mais de 50 anos em Joinville-SC, Schulz é uma empresa do ramo metalúrgico que atua em dois segmentos: divisão automotiva e divisão de compressores.

Reconhecida pelos rigorosos controles de qualidade, a divisão automotiva é responsável pela produção e comercialização de peças usinadas e componentes para caminhões, tratores, máquinas agrícolas e equipamentos para construção. São peças de segurança com alto valor agregado que fazem a Schulz ser respeitada no Brasil e no exterior por clientes de destaque como Volvo, Scania, Mercedes Benz, John Deere, Caterpillar, entre outros. Esta divisão responde por 55% do faturamento da companhia.

Com 70% de market share na América Latina e 45% do faturamento, a divisão de compressores fabrica e comercializa compressores de ar de diferentes tipos e modelos, hidro- lavadoras e moto-bombas para uso em indústrias, serviços e residências. Com forte inovação em produtos e marcas conhecidas internacionalmente (Schulz, Wayne e Somar), é a única empresa brasileira capaz de concorrer com as principais marcas mundiais neste segmento.

Wayne e Somar), é a única empresa brasileira capaz de concorrer com as principais marcas mundiais

Diferenciada no setor, ganhos na crise

Você deve estar se perguntando: com esta crise na indústria brasileira, principalmente no setor automobilístico, a Schulz não deve estar mostrando queda nas vendas?

Há três pontos que podemos comentar e que explicam os resultados consistentes de Schulz nos últimos anos.

O primeiro deles é que a crise econômica varre do mapa aquelas empresas com gestão

ine ciente e com alto endividamento. É uma espécie de seleção natural, onde as companhias

que possuem uma boa gestão operacional e nanceira, capaz de entregar os pedidos de acordo com regras rigorosas dos clientes, serão as vencedores. Schulz vem ganhando market share nos últimos meses, à luz do enfraquecimento dos seus concorrentes domésticos.

O segundo ponto se refere à estrutura de representação comercial no exterior, que possibilita

maior agilidade nas exportações. Presente na Ásia, Europa e Ásia, Schulz consegue atender a esses mercados, competindo de igual para igual com empresas internacionais. Hoje, 30% do faturamento da companhia vem do mercado externo - em 2011 era apenas 11%.

companhia vem do mercado externo - em 2011 era apenas 11%. O terceiro e último ponto

O terceiro e último ponto é o reconhecimento da marca perante seus principais clientes. Líder

mundial no mercado de máquinas agrícolas, a empresa John Deere reconheceu recentemente

a Schulz como parceiro estratégico, credenciado para fornecer globalmente seus produtos. Schulz também ganhou o prêmio The Volvo Supplier Award, que reconhece as melhores empresas entre 1.500 fornecedores do Grupo Volvo. Estes são somente alguns exemplos do quanto a companhia é respeitada pela qualidade de seus produtos e serviços.

Assim, ela vem se destacando em seus setores de atuação e mostrando resultados resilientes trimestralmente, algo diferenciado se compararmos com as demais empresas de bens de capital e peças da Bovespa.

as demais empresas de bens de capital e peças da Bovespa. Apesar da desaceleração das vendas

Apesar da desaceleração das vendas no mercado interno, Schulz consegue direcionar

rapidamente sua produção para ser comercializada no exterior, conquistando novos

clientes e lançando novos produtos. Nos últimos anos, Europa e EUA vêm ganhando

mais expressão nas exportações.

e EUA vêm ganhando mais expressão nas exportações. Além disso, a empresa ajusta sua capacidade produtiva

Além disso, a empresa ajusta sua capacidade produtiva e sua estrutura de custos e

despesas à nova realidade econômica (principalmente pessoal, aço e energia elétrica),

conseguindo manter a margem ebitda acima de 18%.

Quando conversamos com o diretor nanceiro da Schulz, o mesmo falou que a

consistência nos resultados se deve ao planejamento estratégico bem realizado, que

possibilitou à companhia antever tendências e se antecipar aos movimentos dos

mercados de peças automotivas e de compressores de ar.

Sem dúvida, trata-se de uma companhia diferenciada e que quando a crise acabar estará mais sólida e com maior market share.

Projeções Financeiras e Valor Justo

Procuramos ser bem conservadores ao projetar receita, despesas, dívida e investimentos da companhia.

Com PIB fraco também em 2016 e câmbio desvalorizado em patamar acima R$ 3,70, acreditamos que Schulz continuará aumentando sua exposição ao mercado externo, que deve responder por 35% a 40% do faturamento da companhia em 2016.

Schulz vem gerando caixa e melhorando sua alavancagem nanceira, que no 3T15 atingiu 1,3x dívida líquida/ebitda, nível que consideramos confortável.

A companhia possui 30% da dívida em dólar, mas isso não é motivo para preocupação, tendo

em vista que o caixa gerado com as exportações é superior às despesas nanceiras que sofrem com variação cambial, ou seja, Schulz tem um hedge natural para sua dívida em moeda estrangeira.

Os investimentos se referem ao capex de manutenção das plantas industriais e à pesquisa e desenvolvimento de novos produtos. O capex da Schulz deve atingir R$ 15 milhões em 2015 e para os próximos anos deve girar em torno de 2,5% da receita líquida anual (média de R$ 17,5 milhões anuais).

A empresa vem pagando 30% do lucro (payout) em dividendos e JCP (juros sobre capital próprio) duas vezes ao ano. Segundo nossas projeções, Schulz poderia ter um payout maior

(50% por exemplo), dado que possui um uxo de caixa positivo anual e baixa necessidade de investimentos. Com o payout de 30% e o valor de mercado atual de SHUL4 (R$ 245 milhões),

o dividend yield para 2016 seria de 6,3%, acima da média das empresas listadas na Bovespa.

Seguem abaixo as projeções utilizadas para chegarmos ao valor justo:

acima da média das empresas listadas na Bovespa. Seguem abaixo as projeções utilizadas para chegarmos ao

Considerando o modelo de uxo de caixa descontado, o preço-alvo para SHUL4 é R$ 7,80, o que resulta em um potencial de valorização de 104% em relação à cotação de fechamento de ontem (R$ 3,82).

Trata-se de uma companhia com valor de mercado hoje de R$ 245 milhões, mas que seu valor justo, com base no uxo de caixa gerado por ela nos próximos anos, gira em torno de R$ 500 milhões.

Fizemos um teste de estresse com 10% de queda na receita de 2016, seguido de receitas anuais sem crescimento até 2019, assim como margem ebitda de 17% nos próximos 4 anos, e chegamos a um valor justo de R$ 6,00 para SHUL4, que ainda indicaria um ótimo upside.

Desta forma, camos bastante confortáveis em recomendar um ativo bastante descontado, o que pode ser reforçado pela análise por múltiplos a seguir.

Análise por Múltiplos

Comparamos os principais múltiplos de Schulz com algumas empresas listadas na Bovespa, que atuam no mercado de peças para setor automotivo: Tupy (TUPY3), Mahle-Metal Leve (LEVE3) e Iochpe Maxion (MYPK3).

Segue abaixo tabela comparativa:

e Iochpe Maxion (MYPK3). Segue abaixo tabela comparativa: Podemos veri fi car que SHUL4 negocia com

Podemos vericar que SHUL4 negocia com um desconto excessivo em termos de múltiplos e um prêmio no dividend yield, resultado de como sua cotação atual está barata.

Esta análise corrobora o potencial de valorização atrativo apresentado acima, a partir da análise fundamentalista.

Schulz é uma companhia que vem mostrando há anos ser muito boa na gestão operacional e ter forte geração de caixa. Possui boa exposição ao mercado externo, importante neste momento de desaceleração econômica no Brasil.

Listada desde 1994, SHUL4 possui liquidez restrita com média de R$ 140 mil em negócios diários e o nível de governança corporativa mais simples na Bovespa (nível tradicional), o que possibilita pouco acesso às informações nanceiras e benefício limitado aos acionistas minoritários em caso de mudança de controle (pouco provável). Estas seriam as únicas ressalvas em relação a SHUL4.

Por outro lado, considero que isso já se encontra ajustado em sua cotação e vejo Schulz como uma companhia que estará mais forte depois da crise com potencial para dobrar seu valor de mercado no médio/longo prazo.

Recomendamos a compra de SHUL4 com preço-teto de R$ 4,80 e preço-alvo de R$ 7,80.

Senior Solution: nova aquisição

No último dia 23/11, após o fechamento do mercado, Senior Solution (SNSL3) anunciou uma nova aquisição que consolida sua atuação na área de consórcios.

Adquiriu a empresa Pleno – Tecnologia & Sistemas Ltda., desenvolvedora de softwares aplicativos para o segmento de consórcios, por R$ 2,2 milhões à vista, mais R$ 700 mil caso a empresa alcance R$ 2,5 milhões de receita no nal de 2015. Nos últimos 12 meses, Pleno registrou R$ 2,4 milhões de faturamento, o que indica que a meta deve ser alcançada.

O múltiplo pago pela Senior Solution (1,1x ev/receita) está em linha com o múltiplo médio pago nas suas últimas aquisições de 1,0x.

Acreditamos que o movimento da SNSL3 foi positivo e seguimos conantes que a empresa continuará seu processo de consolidação, tornando-se cada vez mais uma “one stop shop” de sistemas para o mercado nanceiro.

Até a próxima,

tornando-se cada vez mais uma “one stop shop” de sistemas para o mercado fi nanceiro. Até

Track Record

 

Microcap Alerts

 

Ativo

 

Data

 

Preço

Preço Atual

Var

Teto

Preço-Alvo

Entrada

Entrada

CARD3

11/jul/2014

 

1,75

3,03

73,14%

3,50

5,70

SGPS3

28/jan/2015

 

2,44

3,01

23,36%

4,40

7,00

OFSA3

11/mar/2015

 

28,57

33,60

17,61%

35,50

41,00

SNSL3

14/jan/2015

 

8,20

9,35

14,02%

10,50

13,30

AGRO3

24/jun/2015

 

9,70

11,06

14,02%

12,00

14,80

SHUL4

25/nov/2015

 

3,82

3,82

0,00%

4,80

7,80

ABCB4

23/set/2015

 

9,80

9,75

-0,51%

10,50

14,70

FESA4

21/out/2015

 

7,29

7,21

-1,10%

8,50

12,00

ROMI3

20/mai/2015

 

2,38

2,20

-7,56%

2,00

2,80

PTBL3

12/ago/2015

 

2,50

2,23

-10,80%

3,00

4,50

PMAM3

15/abr/2015

 

3,08

2,61

-15,26%

2,20

3,60

 

Microcap Alerts - Trades Fechados

 

Ativo

Data Entrada

Data Saída

Preço Entrada

Preço Saída

Var

NUTR3

2/set/2014

25/mar/2015

 

1,73

 

0,96

-44,51%

BEMA3

17/dez/2014

19/ago/2015

7,82

 

9,59

22,63%

POSI3

23/out/2014

26/ago/2015

2,05

 

1,90

-7,31%

TEMP3

22/jul/2015

04/nov/2015

3,65

 

3,85

5,48%

(*) As recomendações da carteira podem gerar retornos formidáveis de curtíssimo prazo, mas pressupõem um horizonte ótimo de carregamento de 24 a 36 meses para colher a maior parte do upside projetado.

(**) Os valores de teto representam pontos máximos aceitáveis para entrada no papel (não confundir com preço-alvo).

(***) O preço-alvo de uma ação é calculado usando a metodologia de fluxo de caixa descontado e é usado para definir seu potencial de valorização.

(****) Os preços de entrada são baseados no fechamento da véspera e ajustados de forma a contabilizar eventos de custódia (dividendos, JCP, grupamentos, desdobramentos, bonificações e subscrições).

Disclosure

Elaborado por analistas independentes da Empiricus, este relatório é de uso exclusivo de seu destinatário, não pode ser reproduzido ou distribuído, no todo ou em parte, a qualquer terceiro sem autorização expressa. O estudo é baseado em informações disponíveis ao público, consideradas conáveis na data de publicação. Posto que as opiniões nascem de julgamentos e estimativas, estão sujeitas a mudanças.

Este

instrumentos nanceiros.

relatório

não

representa

oferta

de

negociação

de

valores

mobiliários

ou

outros

As análises, informações e estratégias de investimento têm como único propósito fomentar o debate entre os analistas da Empiricus e os destinatários. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias.

Informações adicionais sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos nanceiros aqui abordados podem ser obtidas mediante solicitação.

Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 17º da Instrução CVM nº 483/10, que as recomendações do relatório de análise re etem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente.

* O analista Max Bohm é o responsável principal pelo conteúdo do relatório e pelo cumprimento do disposto no Art. 16, parágrafo único da Instrução ICVM 483/10.

(*) A reprodução indevida, não autorizada, deste relatório ou de qualquer parte dele sujeitará o infrator a multa de até 3 mil vezes o valor do relatório, à apreensão das cópias ilegais, à responsabilidade reparatória civil e persecução criminal, nos termos dos artigos 102 e seguintes da Lei 9.610/98.