Sie sind auf Seite 1von 94

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

5

JoséRouliendeAndradeJunior

FormadoemEducaçãoFísicapelaUFPR, comespecializaçãoemFuteboleFutsal.

FUTSAL

AQUISIÇÃO,INICIAÇÃOE

ESPECIALIZAÇÃO

Curitiba

JuruáEditora

2007

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

7

Odesenhodacontracapafoipintadoporumacriança

de06anosdeidade,quetememsuavisão,comotoda

criançadesuaidade,ofutebolouofutsal,comouma

brincadeirapermanente,emqueela,acriança,possa

fazertudoquesuaimaginaçãomandar,poisojogoem

suavidaéalegria,éprazer.

EstaéahomenagemaomeufilhoJoãoPedro.

Ascriançasrecorremcomenormefreqüência

àfantasiaeaoseupodercorporal

(JoãoBatistaFreire.Pedagogiadofutebol,1998.)

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

9

DEDICATÓRIA

Estelivroédedicadoaosamantesdofutsal,atodosos

profissionaiscomquemtiveaoportunidadedetrabalhar.

Aminhafamília,minhaMãe,eemespecial,aminhacompanheira

dasbatalhasdodia­a­dia,KellyminhaesposaemeufilhoJoãoPedro.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

11

AGRADECIMENTOS

Agradeçoatodososalunoseatletascomquemtrabalhei,ecom

quemtrabalho:osalunosdasequipesdefutsaldocolégioBomJesuse

doParanáClube.

Aosmeuscolegasdetrabalho,Vinícius,companheirodetreino

dodia­a­dia,aoDuda,Fabiano,Luizão,Marcão,comquemtrocamos

muitasidéias,aoMarciuspelacontribuição.

AosProfessoresemestresWiltonqueprefaciouestelivro,eao

Amorimqueescreveunaorelha,competentestécnicosdofutsal

paranaense,comosquaisaprendimuito.

Àturmadapraia,quenosdiasdechuva,ficavammeapoiando

enquantoeuescrevia:

Célia,Nedi,Juca,Luiz,Rosana,Valeska,Carlos,Alcione,

Taynara,Aryane,Claudia,Nathália,Júlio,aoFly,aJadi,Moniqueeo

Kadu,peladisputadosofá.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

13

PREFÁCIO

Desdeolançamentodoprimeirolivro 1 doprofessorJunior,ofut­ salbrasileiropassoupormudançassignificativas.Se,porumlado,per­

demos,emnívelinternacional,ahegemoniaparaaEspanha(em2000,

na Guatemala,e em2004,na China),assistimosà exportação de boa parte dosnossoscraquespara paísesde todo o mundo e aferimos,em algunscasos,anaturalizaçãoprecocedejogadoresbrasileiros(fatores que,certamente,servemdealertaparaosquetrabalhamparaofutsal), poroutro lado,constatamos,emnível nacional,a ascensão de uma “novaera”,traduzidanapreocupaçãodaatualgestãodaCBFSemorga­ nizar“a casa”:a profissionalização da comissão técnica da seleção brasileira,oprojetodeconstruirumcentro de treinamento (a exemplo doqueocorrecomofutebol),adescentralizaçãodofutsalparaEstados que andavammarginalizados,o incentivo àscategoriasde transição

(Sub­15e17)eaofutsalfeminino(LigaNacional),acriaçãodasLigas

(Sul,Norte,Nordeste,Sudeste),ainclusãodofutsalnoPan­2007,enfim,

percebe­seumaclara(eboa)intençãoparacomopresenteeofuturodo

esportemaispraticadopelascriançasejovensbrasileiros.

Estelivrosurgenessecenário.Nasceu“contaminado”poresses ares.Querver?OprofessorRoulienescreveusemseapegaràsfamige­ radassériesde exercícios,semabordarastécnicas(osfundamentos), semdesenharossistemasofensivosedefensivosbásicos,semcompilaras regrasoficiais(conhecimentosquenumcertoperíodoforamnecessários, masque hoje se encontramdisponíveisamiúde na web).Ao contrário

disso,dedicou­searelacionareilustrar40jogosparaensinarfutsal,a

desenvolveroraciocíniopedagógicodequeotreinodeveprepararpara o jogo,isto é,de que o jogador,independentemente da idade,precisa conviver,notreino,comsituaçõesdejogo,enosapresentouasuapreo­ cupaçãoemmonitorar/pesquisaroqueacontecenojogodealtorendi­ mentopararepensaroseutreino.Bastariaissoparaquesetornasseum

1 Ojogodofutsal,técnicoetático,nateoriaenaprática.GráficaExpoente,1999.

14

JoséRouliendeAndradeJunior

livrodeleituraobrigatória.Masfezmais:emlinguagemacessível,pon­ derousobreainiciaçãodecriançasnofutsal,dividiuoprocessodeensi­ nodofutsalemtrêsfasesdistintase,porisso,exigente de abordagens peculiares,pontuouotreinamentotécnicoeotático,apresentouosprin­ cípiose asparticularidadesdo jogo de ataque,de defesa e de contra­ ataquee,ainda,comodesenvolvê­las.

Ao me depararcomeste livro,ratifiquei a convicção de que o futsalbrasileirotem,alémdosjogadoresmaistalentososdomundo,os melhorestécnicos.Enganam­se osque pensamque basta ser“bomde bola”para se consolidarcomo jogadorde futsal!Transformar­se num craquedasquadrasexigiráaprenderajogar,oqueimplicapreparar­se parajogar,perceberojogo,posicionar­seofensivaedefensivamentede forma inteligente,socializarhabilidadespessoais,enfim,construiruma sériedeconhecimentos.Olivroemquestãoéumademonstraçãodeque aprenderfutsalnão“caidocéu”edequeensinarbemfutsalépossívele necessário.Oaprendizadoemfutsal exige umlongo processo de cons­ truçãocultural.Cooperamparaisso,certamente,umbomtécnicoeum bomlivro.

WiltonCarlosdeSantana

MestreemeducaçãofísicapelaUnicamp(SP)

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

15

PREFÁCIO

Fiqueimuitohonradoaoreceberoconviteparacomentarsobre esta nova obra do ProfessorJosé Roulien Júniorporse tratarde um excelenteprofissionaldoesporteeumgrandeamigo.

ConhecioprofessorJuniorem1991numcursodeespecialização

na modalidade futsal e de lá para cá convivemose fortalecemosnossa amizadeprincipalmentenascompetiçõesrealizadasnasdiversascatego­ riasdonossofutsalportodooParaná.

Comissojásevãoquatorzeanosdedisputas,deconquistasede

algumasfrustraçõesdirigindováriasequipesporondepassamos,epor

estemotivotenhoacertezadequeestelivroqueabordaprincipalmente

assuntosreferentesàsnossascriançaspraticantesdefutsal,servirácomo

suporteaváriosprofissionaisquemilitamnestamodalidadeequeprocu­

ramsemprenovosaprendizadosenovosconhecimentos.

Alémde abordarasfasesde aprendizagemda criança,o livro apresentacapítulossobreasformasdeseatacaredefendernumavisão moderna diante de tantasmudançasque ocorremnasregrasdo futsal, comissotornandoamodalidadecadavezmaisatraenteeemocionante paraquemassisteeporoutroviés,exigindodostécnicosumacapacida­ deperceptivadeprepararsuasequipesutilizando­sedetodasasestraté­ giaspossíveisdeseremrealizadasduranteumapartidadefutsal.

Parabéns,meuamigoJunior.Esperoquecontinuecontribuindo

comseusconhecimentostantonapráticacomonateoria,poisoesporte

emgeralnecessitadeprofissionaiscomovocêquenãoselimitaapenas

embuscarresultadosquesatisfaçamsuasaspiraçõespessoais,masque

tambémdividecomseuscolegasdeprofissãotodaaexperiênciaadquiri­

daaolongodetantosanosdevivêncianamodalidadedefutsal.

Prof.MsAdolphoCardosoAmorim

TécnicodeFutsaleDocentedoCursodeEducaçãoFísicadoCESUMAR.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

17

APRESENTAÇÃO

Jásepassaramdezanos,duranteosquaistiveoprazerdeconvi­

verquasequediariamentecomocompetenteprofessorJúnior.Durante

essetempotodocontinuoimpressionadocomacapacidadequeelepossui

depensarerealizarascoisasdonossofutsaldemaneirasimpleseobje­

tivacomoonossoesporterequer.

Eleacompanhaaevoluçãodofutsalnãosomentenoâmbitodas

quadrascomofutsaldealtonível,mastambémcomoéimprescindível

hoje,naformaçãodocaráter,notrabalhodaautonomiaeconfiançado

adultodofuturoqueeducamosatravésdofutsal.

Asuaobraapresentasugestõestáticas,técnicaseindividuaisde como podemosdesenvolverde uma maneira inteligente o cotidiano do futsal,alémdissotrazdadosquepodemapontaralgumasinterrogações quantoàformaçãodocidadãoatravésdofutsal.

Parabéns,professorJúnior,etenhacertezadeque,comomedisse uma vezo mestre Ricardo Lucena,você é uma daspessoasque repre­ sentamofuturodonossofutsal.

ViníciusdosSantosFrança

EspecialistaemFutsal(Unopar)eTécnicodeFutsaldoParanáClube

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

21

INTRODUÇÃO

Comopassardosanosofutsaltemumcontínuoerápidodesen­ volvimentoemtodososconceitosqueoenvolvem;cadavezmaispaíses o praticam; assimcomo surgemseleçõesinternacionaiscomumbom padrãodejogoquenosimpressionam,poissomosconsideradosoPaísdo futsal.

Asalteraçõesnasregrasforamdeterminantesparaessaevolução,

nospaísesatualmentefiliadosàFIFA;busca­seaunificaçãodasregras,

principalmentenotamanhodasquadras.

Na sua trajetória o bome velho futebol de salão,ou somente “salão”,da década de 70 quando começou a sermassificado no antigo

sistema2X2,(queaindahojealgumasequipesoutilizam).Comopri­

meirocampeonatomundialdefuteboldesalão,organizadopelaFIFUSA

noBrasilem1982,asurgiramoutrossistemasdejogo:2.1.1,3.1,aser

maispopularizado,sendooParaguainossoprincipaladversárionãosóna

AméricaLatinacomotambémnomundotodo.

Estávamosna fase dasjogadasensaiadas,comgrandesequipes comooSUMOVdoCeará,clubecommaiornúmerodetítulosdahistória da Taça Brasil; BRADESCOdo Rio de Janeiro,PERDIGÃOde Santa Catarinaetc.,ondeosjogadorestinhamsuasfunçõesespecíficasdentro dojogo.

Na década de 90 o futsal tornou­se mundialmente conhecido. Surgirammovimentações,padrõesde jogo preestabelecido,constantes alteraçõesnasregrasque,obrigaramostécnicos,treinadores,preparado­ resfísicosapensaremeestudaremnovasformasdetreinos,contribuindo cadavezmaiscomaevoluçãododesportodabolapesada.Observam­se hojejogadoresrealizandomaisdeumafunçãodentrodojogo.

Internacionalmentetemosgrandesseleções,comoaEspanha,que

hoje,alémdeteromelhorcampeonatoeuropeu,tambéméonossoprin­

cipaladversárioeatualbicampeãmundial.AItália,vice­campeãmundial,

22

JoséRouliendeAndradeJunior

quehojetemumótimocampeonato,contacommuitosjogadoresítalo­ brasileiros,edeoutrospaísescomoaArgentina,queinvadiramasqua­ drasitalianas,cujaseleçãonacionalpossuiamaioriadebrasileirosnatu­ ralizados.ObservamosaRússiacomumótimopadrãodejogo,queusa muitoafisiologiacomofatordedesequilíbrio,fazendoconstantessubs­ tituições,poisconsideramseusjogadoresdomesmoníveltécnico,tendo sua equipe “inteira” dentro da quadra a todo momento.Ainda temos

Portugal,quenomundialde2000,ficoucomo3ºlugar,alémdeoutros

paísescomo a Croácia,Holanda,Bélgica etc.; e assimcomo jogadores brasileiros,temostambémmuitostécnicostrabalhandoforadoPaís.

Comovimos,ofutsalevoluiumuitonosúltimosanos.Hojete­

mosumavastabibliografiacomváriosautoresbrasileiroseespanhóis.

NoMundialdaGuatemala2000,perdemosahegemoniaparaos

espanhóis,poisestudaramnossaequipeecomumfortetrabalhonosder­

rotaramnafinalpor4X3.Nomundialde2004cruzamoscomosespa­

nhóisna semifinal,e apósumempate no tempo normal,nosvenceram

nospênaltis;tivemosquenoscontentarcomo3ºlugar.

Istonosprovaquealgoamaisfazdiferença,poisafisiologiaea

psicologiafazempartedeoutrasáreasdeconhecimentodotreinamento

donossoesporte.

Maseapartetécnicaetáticacomoanda?

Pensandonessaevolução,équefazemosváriasindagaçõessobre

o“nosso”esporte:Comoostécnicosestãosepreparandoparatrabalhar?

Porqueperdemosahegemoniamundial,setemososmelhoresjogado­

res?Aformaçãodosnossosatletasestásendofeitademaneiracorreta?E

apreparaçãodasnossasequipes?

Atualmente,citamosoexemplodocampeonatometropolitanode

CuritibaPR.Ascompetiçõescomeçamporvoltados06anosdeidade,na

categoria “mamadeira” (sub­07).Ojogo e a competição de que essas criançasparticipaméumareproduçãodojogodoadulto,comalteração apenasdotamanhodabolaenotempodejogo,masapressãoéigual, técnicosgritandonabeiradaquadra,Paisedirigentescobrandoresulta­ dos,muitasvezesbrigandonasarquibancadas.Seráqueéissoéesporte paracriança?Seráqueéissoqueumacriançaqueentranofutsalquer?O queesseesportevaideixarparaacriança?Ofutsalestásendoumfimou ummeio?Comosãofeitosostreinos?Osjogadoresprofissionaisdefut­ salsãoforjadosapartirdetenrasidades?Aprecocidadedascompetições garanteumfuturoatletaprofissional?

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

23

Dividimosesselivroem11capítulos,abordandotemasatuaisdo

treinamentodofutsal,sejaeleparaainiciação,sejaparaaespecialização. Procuramoscontribuircomoesporteatravésdeumestudoapresentado sobreainiciaçãodofutsal,algumasformasdetrabalhoqueservempara melhorardeumaformageralastécnicasdosatletas,quedevempassar porumaprendizadodessastécnicas,bemcomo,oaprendizadodatática. Deixamostambémumapropostatáticaparaainiciação,ealgumasativi­

dadespráticas.Pesquisamosalgunsjogosdaliganacionalde2004para

quepudéssemosdarsubsídiosnoplanejamentodenossostreinos.Tive­

mosaidéiadedefiniralgunstermostécnicosusadosnonossoesporteque

sãodevitalimportânciaduranteostreinoseosjogos.

Esperamoscontribuircomosprofissionaisqueatuamnaárea,a

refletirelogicamenteampliarseusconhecimentosdentrodofutsal,queé

oesportemaispraticadoemnossoPaís.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

25

CapítuloI

TERMOSTÉCNICOS

USADOSNOFUTSAL

Faz­se necessário definirmosostermostécnicosespecíficosdo futsal,usadospelostécnicosnostreinosejogos.Muitasvezesfalamos,e o atleta não entende o que queremosdizer.Colocamosalgunstermos, comosquaistrabalhamoseconstantementeusamosnonossodia­a­dia,e atémesmoparaquealinguagemdofutsalpossaserampliadapelaspes­ soasqueoacompanham.

1–GINGA,BALANÇO,VAI­E­VEM,DÁOGATO –todos

estestermosqueremdizero mesmo que “finta”,ou seja: livrar­se mo­ mentaneamentedoseumarcadorsemapossedebola,parapoderrecep­ cioná­laparadarcontinuidadeàjogadadasuaequipe.

2–PARALELA– movimentação exercida porumjogadorou umpasse,quesejaparalelaàlinhalateral.

3–DIAGONAL– movimentação exercida porumjogadorou umpasse,quesejafeitanadiagonal.

4–TROCADEALACOMPIVÔ –trocadeposiçãoentredois jogadores,ondeoqueestánopivôvaiparaumadasalas,eoqueestáem umadasalasvaiparaopivô.

5–PASSEDEGANCHO,GANCHINHO,CAVADO–éum

passelevantandoabola.Podeseraltoouàmeiaaltura.

6–CANETA–dribleoupasseexecutadoentreaspernasdeum

jogador.

7–PEDALADA–éumdribleexecutadoporumjogadorque

passaaspernasporcimadabola,umapernadecadavez.Requercoorde­

naçãoemvelocidade.

26

JoséRouliendeAndradeJunior

8 – ROLINHO– drible executado coma sola do pé,entre as pernasdoadversário.

9–BLOQUEIO–éasituaçãodentrodojogoondeumjogador

queestásemabola,atrapalhaumjogadoradversárioqueestámarcando

outrojogadordasuaequipe,comoobjetivodelevarumavantagemnu­

mérica.

10–DIVIDIRAMARCAÇÃO–éasituaçãoondeojogador

queestámarcandoficaemdúvidasemarcaesseouaquelejogador;ge­

ralmenteaconteceembolasparadas.

11 – ENCAIXARAMARCAÇÃO – acontece quando uma

equipeconseguefazerumaótimamarcaçãoeimpedirqueaequipead­

versáriaconsigaimporseusmovimentosofensivos.

12–DIMINUI,TIRA,APERTA–acontecequandoosjogado­

resqueestãomarcando,aproximam­sedosadversários,impedindo­osde

progrediremaoataque.

13 – SOBE AMARCAÇÃO – acontece quando a equipe que

estámarcandopassaarealizaramarcaçãonaquadradoadversário,dimi­

nuindoosespaçosdojogo.

14–RODÍZIO–acontecequandotrêsouquatrojogadoresde

umaequipemovimentam­sedentrodaquadra,trocandoasposições,com

oobjetivodechegaraoataque.

15–MOVIMENTAÇÃO–acontecequandoumaequiperealiza

movimentospadronizadosnaquadra,excetoogoleiro,parachegaraogol

adversário.

16–PADRÃO–éumtipodemovimentaçãorepetitivaecons­

tante,realizadaporumaequipecomoobjetivodechegaraogoladversá­

rio.

17–PIVÔCRAVADO–acontecequandoojogadorquefaza

funçãodopivô,estásemprepróximoàáreadoadversário,dandoreferên­

ciaaoseuataque.

18–REFERÊNCIA–existequandoumjogadorestáposiciona­

do emlocal determinado da quadra,para a bola chegaraté ele; geral­ menteéopivô,enoataque.

19–LINHADABOLA–éumalinhaimagináriaemrelaçãoao

localondeestáabola.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

27

20 – FUNIL – é quando umou doisjogador(es)que está(ão)

na(s)ala(s),está(ão)longedalinhadepasse,escondendo­sedojogo.

21–ESTÁTUA–quandoojogadorquevaireceberabolado

seucompanheiro,ficaparado;nãofinta,sendopressionadoporseumar­

cador,nãoconseguindoreceberabola.

22–BATE–termousadoquandoumjogadorchutaabolaem

gol.

23–CAIXOTE–éumtipodemarcaçãorealizadaondetrêsou

osquatrojogadoresfechamopivôadversário,impedindoqueeledêse­

qüênciaàjogada.

24–LINHADEPASSE–éumalinhaimagináriadojogador

quetemapossedebola,ondeelepossapassá­laaumcompanheiro.

25–DOBRA–háquandodoisjogadoresmarcamojogadorque

estácomabola.

26 – SEGUNDOPAU– é a bola cruzada,na direção do lado

opostodeondeestáogoleiro,muitocomumnosjogos.

27 – ENTRARNABOLA– é a maneira de recebera bola,

quandoojogadoradominacomasoladopé,tirando­adoseumarcador,

desequilibrandoomesmo.

28

JoséRouliendeAndradeJunior

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

29

CapítuloII

COMOACRIANÇAINICIA

NOESPORTE?

Acreditamosqueainiciaçãodofutsalestádivididaem:

1–Escolinhasparticulares,clubeseassociações:quevisamlu­

cro,e conseqüentemente,para obteremlucro,precisamterumgrande númerodealunos,perdendoassimaqualidadedasaulas.Tambémexiste acobrançadospais,quemuitasvezescomparamseusfilhoscomosou­ tros,questionandoosensinamentosdoprofessor,comoseexistisseuma fórmulaparaorápidodesenvolvimentodeumacriança.

2 – Nasescolase colégios: acreditamossemdúvida,que são o

melhorlugarparaoaprendizado,poisnãoexistecobrançaporresultados enemporlucro,poisatendemseusalunos,ofertandoatividadesesporti­ vasemhoráriosdiferenciadose bemestruturados; portanto,não existe pressãoporpartedospais.Acriançasedesenvolvelivrementeeescolhe o esporte que maislhe agrada.Pratica­o comalegria e espontaneidade; participadecompetiçõescolegiais,ondeoníveltécnicodosalunosébem parecido e conseqüentemente,numambiente maistranqüilo,seu rendi­ mentoserámelhor.

3 – Competiçõesoficiaisdosclubese associações.Acobrança

começadesdecedo,quepodeserpelosprópriostécnicos,poralgunspais, pordirigentes,quecomparamesportedecriançacomesporteprofissional

eachamquecriançasvitoriosascom06,07anosdeidadeterãogarantia

paraumfuturobrilhanteeumacarreirapromissoracomoatletaprofissio­

nal.

Devemoslembrarque quemtrabalha comcriançasna iniciação queenvolvaounão,acompetiçãotemdoiscaminhosaseguir:

30

JoséRouliendeAndradeJunior

1º– Especializarascriançaspara obteremresultados,passando porcimadosprincípiosdeeducador,esquecendoapartemetodológicae pedagógicaqueenvolveoesporte.Éoquemaisencontramosemcompe­ tiçõesoficiais.Ofatonosdeixaaidéiadequeelasqueremouprecisamse promoverconquistandotítulos.

2º– Realizarumtrabalho pautado no ensinamento do esporte, pedagogicamente correto,aplicando metodologiasadequadasàsfaixas etárias,respeitando ascriançascomo crianças,sema preocupação com resultadose conseqüentemente,comumdesenvolvimento apropriado, comagarantiadeumesportesadio.

Pudemosobservarnumapesquisafeitapelosprofessores:Wilton Santana,DaniloRibeiroeHeloísaReis,sobreainiciaçãodapráticasis­ temática de futsal e a idade de iniciação emcompetiçõesfederadasde jogadoresdefutsalcompassagempelaseleçãobrasileira,quearelação entreosjogadoresqueforamfederadosmuitocedoeconseqüentemente participaramde campeonatosestaduaise municipais,não garante um sucessonofuturo,comonosapontaoquadroabaixo.Considerou­sequea convocaçãoparaaseleçãobrasileiraéoobjetivodetodojogadorprofis­ sionaldefutsal.

Vejamos.

Atletascompassagempelaseleçãobrasileiradefutsal:

Númerodeatletas:27

Númerodeequipes:9

Cenário:LigaNacional/2003.

QUADRO1SantanaeRibeiro(2003).

Fatorespesquisados PerfildosAtletas Idadedeiniciação 11,18anosdeidade(+3,88) Idadedefederação 12anos(+3,82)
Fatorespesquisados
PerfildosAtletas
Idadedeiniciação
11,18anosdeidade(+3,88)
Idadedefederação
12anos(+3,82)
Nãojogarammamadeira,
70.3%
fraldinha(5­8anos).
Quemnãojogoudos5aos8anos
Iniciou­seaos13,14anos(+6,19)

Pensandosobreoensinodofutsal,vamosnosdepararcomalguns

fatoresquenosfizerambuscaralternativasparamelhorarnossosensina­

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

31

mentos.Paratanto,observamosquenosdiasatuaisascriançassãoinseri­ dasmuito cedo no futsal.Passamportreinossistemáticos,aprendendo

técnicas,táticas,participandodecompetiçõescom06,07anos.Seráque

grandesjogadoresdefutsaloufutebolpassaramporumaescolinha,por treinossistemáticos,aprendendo técnicas,táticas,participando de com­

petiçõescom06,07anos?Oubrincaramcomoscolegas,nasruaspraças,

praias,nofundodeumquintaletc.?

Deixamosessequestionamentoparareflexão,bemcomo,oque

nosapontaanossaexperiênciasobreainiciaçãodofutsal.

Será que nostreinossistemáticosa criança brinca? Será que existealegria,descontraçãoemnossostreinos?Seráqueascriançaspar­ ticipam,opinando,interagindo,ajudando a construiro treino? Será que sãorespeitadasasetapasdedesenvolvimento?Seráquesãotrabalhadas asvalênciasnecessáriasparaodesenvolvimentodascrianças?Encontra­ mos,hoje,emgrandepartedasaulas,arealizaçãodeumasériedeexercí­ ciosetarefasdefundamentos.Issonãoéerradoenãoesgotaumaprendi­ zadoparaojogo.Acreditamosqueadiversidadedojogodevaserinseri­ danasaulas,quedependedaorganização.Podemosiradiante.Emrela­ çãoaessefato,observamosatravésdevisitaseobservaçãodealgumas aulasdefutsalqueoprofessordáosinalparaoiníciodaatividade,para comofazeraatividade,ficandootreinoumareproduçãodefundamentos isolados.

Porexemplo,refletindo sobre umfundamento essencial para o futsal,opasse,emqualmomentodojogo,umjogador,sejacriançaou profissional,passaumabolasemaoposiçãodoadversário?Daíotreino de passe deve obedecera esse raciocínio.Acriança pensa e passa no momento necessário,da forma que ela acharmelhor,poisno jogo será assimtambém.Ela cria e aprende a lidarcomasdificuldadesque são apresentadas.

Lembramosumahistóriaquecontaoseguinte:

“Certavezaprofessorapediuparaseusalunosfazeremumde­

senho.Umdelesimediatamentecomeçouadesenhar.Aprofessoraentão

disse:

Aindanão;esperetodospegarocaderno.

Entãoelepensou:voudesenharumgato,umcachorro,umacasa

nocampo.

Aprofessoradisse:

32

JoséRouliendeAndradeJunior

Desenhemumaflor.

Eledesenhouafloreapintoudelaranjaeazul.

Eaprofessoradisse:

Pinteaflordevermelhoeocaule,marrom.

Oalunopintou,masachouqueogato,ocachorroemesmoasua

florlaranjaeazulerammaisbonitos.

Certodiairiamfazerumtrabalhocomargila.Entãopensou:fa­

reiumelefante,umamontanha,umcavalo.

Aprofessorafalou:

Vamosfazerumprato.

Elefezumpratofundo.Aprofessoradisse:

Façamumpratoraso.

Elefezumpratoraso,masachouqueseupratofundoficoumais

bonito.

 

Outrobelodiaaprofessoradisse:

Vamosfazerumdesenho.

Oalunoficouesperando.

Novamenteaprofessora:

Podedesenhar.

Então o aluno desenhou uma florvermelha como caule mar­

rom”.

Questionamentoscomoesses,nosfizeramestruturarnossostrei­ nos,partindo do que consideramosmaiscarente de mudanças,que é a iniciação à competição oficial emclubese associações.Pensamosem estruturareconstruirdeformaprogressivaodesenvolvimentodascrian­ çasdentrodofutsal,respeitandoasfaixasetáriaseascategoriasexisten­ tesdentrodoEstadodoParaná.

Buscamosusarumapedagogiavoltadaparaaformaçãodacriança, lendo autorescomo João Batista Freire,Wilton Santana,Júlio Garganta, PabloGrecoeoutros.

Assimdividimosasfasesdeformaçãodentrodeumaestrutura­

çãoparaaconstruçãoprogressivadodesenvolvimentodacriança,aqual

veremosnopróximocapítulo.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

33

CapítuloIII

FASESECARACTERÍSTICASDE

ACORDOCOMAIDADEESCOLAR

ECATEGORIASOFICIAIS

Começamosnosso estudo comparando asidadesbiológicasdas criançase adolescentescomasfasespropostas,o período escolare as categoriasquesãodisputadosvárioscampeonatospeloPaís.

Vejamosoquadroabaixo:

QUADRO2RoulienJr.(2005).

IDADE FASESDE PERÍODO CATEGORIAS BIOLÓGICA TREINAMENTO ESCOLAR OFICIAIS PRÉIII,EDUCAÇÃO MAMADEIRA
IDADE
FASESDE
PERÍODO
CATEGORIAS
BIOLÓGICA
TREINAMENTO
ESCOLAR
OFICIAIS
PRÉIII,EDUCAÇÃO
MAMADEIRA
INFANTIL–1ª,2ªE3ª
(SUB­07)E
06,07,08E09
SÉRIESDOENSINO
FRALDINHA
ANOS
AQUISIÇÃO
FUNDAMENTAL
(SUB­09)
10,11,12E13
4ª,5ª,6ªE7ªSÉRIES
PRÉ­MIRIM
ANOS
DOENSINO
(SUB­11)E
INICIAÇÃO
FUNDAMENTAL
MIRIM
(SUB­13)
8ªSÉRIEDOENSINO
INFANTIL
FUNDAMENTALE1º,
(SUB15)E
14,15,16E17
ESPECIALIZAÇÃO
2ºE3ºANODO
INFANTO
ANOS.
ENSINOMÉDIO
JUVENIL
(SUB­17)

34

JoséRouliendeAndradeJunior

3.1 FASEDEAQUISIÇÃO

Aaquisição dosfundamentosde futsal caracteriza­se pelo em­ pregodemétodoseestratégiasespeciaisdeensinoparaestafaixaetária, deacordocomosconteúdos.Trabalharemosdeformalúdica,atividades quedesenvolvamotalentomotorgeral,emváriasformasdemovimento, utilizandodiversostiposdematerial,enfatizandooaprendizadodofutsal, semapreocupaçãodeespecializaçãonessaounaquelaposição.Oobjeti­ voserámelhorarasbasesmotorasgerais,bemcomo,despertareaumen­ taro interesse pelo esporte.Essa fase corresponde a criançasde 6 a 9 anosdeidade.

CATEGORIAMAMADEIRA–SUB­07(06a07anos),cor­

respondeàeducaçãoinfantil.

“Emumcertojogodeumcertocampeonatoparacriançasque estãonessafaixaetária,comojogodesenvolvendo­secomabolamais foradaquadradoquedentro,ascriançastêmposiçãodefinida:vocêé

central,vocêéopivô,nãopassadameiaquadraetc.Faltando30segun­

dosparaacabarojogo,umaequipevenciapor4a3,lateralparaessa

equipe,ojogadorignoraotreinadorquepediuparadarumchutãopara frente,masacriançapensa,egostadefazerascoisasdasuamaneira,e entãoelapassaabolaparaseuamigo,estearecebe,dominaevaiem direçãoaogoladversário,oqueumacriançaquerfazercomabolano pé?Ogol,élógico,masparaotreinadordaquelaequipenão.Eleaos berrosdizpara criança:Você ta louco,faltam30 segundos.Não está vendo?(apontandoparaoplacar)Ficacomabola.

Comoumacriançapodecontrolar,otempodejogo,oplacar,a

situação?Quemseráolouco?

Outrojogodomesmocampeonato:indagodeumadessascrian­ ças,quemfoioartilheirodocampeonatoedojogo.Enquantoseuspais comemoravamna lanchonete,ele comasoutrascriançascorriampelo ginásio.Aídepropósitoperguntei:Fulano,quantofoiojogo?Quantos golsvocêfez?Earespostafoiprontamenterespondida,semperderum segundodabrincadeira:–Nãosei.

Aqueminteressamessescampeonatos?

Nós,adultos,recorremosaopensamentoeàlinguagememuitas

vezessomosgrandesadversáriosdascrianças.Quemépaisabedisso.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

35

Vejamosalgumasconsideraçõese característicasdascrianças nestafase.

Considerações

Afaseondeseiniciaoaperfeiçoamentodemúltiplasformasde

movimentoéadaaquisiçãodasprimeirascombinaçõesdemovimentos

dastécnicas,quedevemocorrerlentaesutilmente.

Ocomportamentodemovimentoécaracterizadoporumaneces­

sidadebemexpressademovimentocomcrescenteobjetividadeeestabi­

lidade.

Deve­se consideraro desejo de rendimento no brinquedo,na fantasiaenacompetiçãonatural,anecessidadedeimitaçãoeacrescente capacidadedalinguagemedopensamento.

Arecepçãodeinformaçãodesenvolve­seextraordinariamente.Já

aelaboraçãodessasinformaçõesaindaélimitada,sendoqueascorreções

dealgummovimentodevemserrestringidas.

Devemosaproveitar:anecessidadede movimento,asolicitação devariaçãoeanecessidadedeimitação,sendoostreinosbemdiversifi­ cados.

Acriança desenvolve suashabilidadesvoltadaspara si.Brinca sozinhadefutsal(eueabola).

CaracterísticasGerais

Egocentrismo;

Constantementeativa;

Imitativa,imaginativaeexibicionista;

Necessitademuitaatençãoeproteção;

Temdificuldadedemanteraconcentração;

Razoávelcoordenaçãonosgrandesmúsculos;

Naturalmenterítmica;

Preparofísicoénaturaleindividual,nãoadquirido;

Coordenaçãoóculo­manualestáemdesenvolvimento;

36

JoséRouliendeAndradeJunior

Agressividade;

Intuitiva.

ObjetivosCognitivos

Desenvolverapráticadohábitomoral(regras)(nãoregrasdo

jogo);

Desenvolvertraçossensoriaiseperceptivos.

ObjetivosSociais

Desenvolvertrabalhosdeinteraçãoecooperação,aluno,pro­

fessorefamília.

ObjetivosPsicológicos

Desenvolveroautocontrole;

Desenvolveraauto­estima.

ObjetivosMotores

Técnicos

Aprendizagemdosfundamentosbásicosdofutsal,condução, passe,domínio,chute,drible,marcação e proteção de bola, atravésdeatividadeslúdicaserecreativas.

Táticos

Sugerimosque todasascriançasjoguememtodasasposi­ ções,nãoasespecializandonessaounaquelaposição,enem asdeixando frustradasde ficaremsentadasno banco de re­ servas.

CATEGORIAFRALDINHA–SUB­09(08a09ANOS),Cor­

respondeaoensinofundamental.

Umjogofinaldecampeonato,muitascriançasestãotensas!Um certo jogador,ou melhor,uma certa criança,entra na quadra,bate a saídadomeiocomumchutão,bateolateral,notirodemetarecebeas

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

37

bolas,faltasentão,ésóelaquemcobra,quandoaequipevaimal,chora

porseroculpado,ah,tambéméocapitão,nuncafoisubstituído,éeleito

ocraquedoano.

Eoadversário,quandoojogoestáchegandoaofinal,oplacar

estáadverso,então,chamaocraquedoseutime,estranho,tambémnun­

casai,eparanossoespanto,ovestecomumacamisadecordiferentee

voltaparaojogocomolinha/goleiro.Oresultado,ojogoficamaiscal­

mo,nãohádiferençanoplacar,seráqueporfaltadetreino?Comcerte­

zanão,essasituaçãodojogoparacriançasnestafaixaetáriaéumtanto

quantocomplexa.

Easoutrascriançasdojogocomoficam?Falamosdetodaselas, asreservas,assimchamadas,muitasvezesestão trocando figurinhase brincandode“Papel,PedraeTesoura”.

Masenfimojogochegaaoseufinal,ascriançasmalsecumpri­

mentamecorrematrásdasbalasjogadaspelospais.Umatocoerente,

elasvoltamabrincar.

Considerações

Ascriançastêmgrandesatisfaçãopormovimentos;aprendema

adaptar­seàsexigênciasdeordemedisciplina;têminteresseprazerosona

soluçãodetarefasdemovimentoesportivo.

Devemosconsideraro entusiasmo porqualquertipo de jogo,e que perdemo interesse relativamente rápido,quando lhesé dada uma repetiçãoquantitativadamesmatarefacompoucavariação.

CaracterísticasGerais

Diminuiçãodoegocentrismo;

Maiorcompreensãoedomíniodalateralidade;

Melhornoçãodetempoeespaço;

Equilíbriomaisestruturado;

Maiorparticipaçãoemgrupo;

Maisreflexiva;

Maisaptaparaexecutartarefasemritmosmaisacelerados;

38

JoséRouliendeAndradeJunior

Gostadesertestadaematividadesqueenvolvemforça,agili­

dade,velocidadeedestreza;

Não gosta de sercobrada,podendo apresentarrespostasde instabilidadeemocional;

Obtémavançosnainteligênciaenaafetividade;

Observaesubmete­seaumagrandepartedasregras,controla

eimporta­secomoadversário;ganharsignificaêxito;

Começaarealizaraçõesdecoerência.

ObjetivosCognitivos

Desenvolverapráticadohábitomoral(regras–limites)

Intensificara captação dascriançasemrelação aostraços sensoriaiseperceptivos.

ObjetivosSociais

Possibilitar uma maior interação entre Professor­Aluno­ Família.

ObjetivosPsicológicos

Acompanharedesenvolverasrelaçõesintereintrapessoal.

ObjetivosMotores

Técnicos

Desenvolvimentodaaprendizagemdosfundamentosbásicos

dofutsal,atravésdejogosadaptadosejogosreduzidos.

Táticos

Direcionamentodejogosdedefesaeataqueatravésdesitua­

çõescriadasnosjogosreduzidoseadaptados.Paraosclubes

queentramemcompetiçõesoficiais,sugerimosquetodasas

criançasjoguememtodasasposições,nãoosespecializando

nessaounaquelaposiçãoenemasdeixandosentadasnoban­

codereserva.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

39

Quantomaisrecursosoprofessorpuderusarparailustraros

componentesinerentesaosjogos,melhor.

Segundo Piaget,o pensamento abstrato começa a se desen­

volverapartirdos10anosdeidade.

DevemosrefletirsobreoquedizJoãoBatistaFreireemPedago­

giadofutebol:

Próximodosseteanos,acriançaaprendeasocializarsuasha­

bilidades.Abrincadeiraéoambienteondeessasaprendizagensdevem

ocorrer,oesporteéparaajudaracriançaenriquecersuamotricidade.

Abrincadeiraéfavorecedoradasconstruçõesintelectuais,so­

ciaisemotorasdacriança.

3.2 FASEDEINICIAÇÃO

Caracteriza­seafasedeiniciação,alémdosaspectoscitadosna fase anterior,porumdirecionamento crescente para o desenvolvimento dojogocomoumtodo.Devehaverumdirecionamentoparaatáticado jogo,marcação,cobertura,saídasdebola,semrepetiçõesdemovimentos. Acriançadevepensarnoqueestáfazendo.Deve­sepromoverodesen­ volvimentodealgumasvalênciasfísicasdeacordocomasfaixasetárias e,gradativamente,acriançadeveadquirirconhecimentosespecíficosdo futsal.

CATEGORIAPRÉ­MIRIM–SUB­11(10a11anos)corres­

pondeaoEnsinoFundamental.

Comofazempartedodia­a­diaconversascomprofissionaisque

trabalhamjuntos,certodiaconversandocomoProfessorVinícius,com

quemtrabalhamoshácertotempoelemedisse:

–Voufazerpráticadejogonosub­11.Todosvãojogarindepen­

dentedoplacar;fareiumareuniãocomospaisparaexplicaroqueé.

Ótimaidéia,comalgunscasosquechamamaatenção.

Ojogoestava4a0.Oprofessorchamaogoleironointervalo,

vaientrarnojogo.Eleprontamentearregalaosolhoseficasurpreso.O

jogotranscorrenormalmentequandooadversáriofaz2gols,oprofessor

40

JoséRouliendeAndradeJunior

pede umtempo,o goleiro então olha para seu técnico e diz:Me tira, estoucansado.Achandoqueeraoculpadodosgols,nuncateveoportu­ nidade de jogar,nunca teve experiência de jogo.Continuou no jogo e conseguiramavitória.

Tambéméestranhooutroatleta,seéassimquepodeserchama­ do,queparoudejogarpornãoaceitaressasituaçãodesairdotime,de dividirresponsabilidades,poisassimé o jogo dosadultos,troca cons­ tantedejogadores,todostendoqueparticipar,masemoutrascategorias eraotitular,nuncasaía.

Hojeessaequipesedestacaporjogarcomalegria:Decidemos

campeonatos,nãotembrigadepaisporosfilhosnãojogarem,eome­

lhor:todosjogamsemhaverumadiferençagrandeentreumeoutro,se

respeitameaprenderamaconfiarumnooutro.

Considerações

Forteimpulsodemovimentocomoportunidadedevariaçãonas atividades.Podemserensinadoscadavezmaiselementostécnicosbási­ cos,detal modoque seja possível a continuação do futuro desenvolvi­ mentoparaasmodernastécnicasesportivasdofutsal.

Meinell(1996)colocaquenospequenosjogos,podemsertreina­

dastécnicasde jogo básicase formaselementaresde comportamento tático.

Ostreinosdevemserprogramadoscomgrandevariaçãonafor­ mação esportiva,comeducação variada dascapacidadescondicionaise habilidadesdecoordenação.Tambémpodeseralcançadoumótimodesen­ volvimentofísicoemotor.

CaracterísticasGerais

Maiormaturidadenosistemaneuropsicomotor;

Iníciodopensamentoabstrato;

Maiorinteresseporatividadescompetitivas;

Desenvolvenoçõesderesponsabilidadeedisciplina;

Maiorsociabilidade,interaçãoemgrupo;

Lateralidadedefinida;

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

41

Maiorcapacidadedeconcentração;

Melhornoçãodetempoeespaço;

Melhoraconstantedomovimento;

Rápidoaumentonahabilidadedeaprendizagem;

Rápidosprogressosnoaspectofísicoepsíquico;

Melhoraprincipalmenteacoordenação;

Compreendemaisasuacapacidadederendimento;

Potênciaevelocidadeaumentamconsideravelmente.

ObjetivosCognitivos

Consolidarohábitomoral;

Conscientizareintelectualizarasaçõesmotoras;

Desenvolverostraçosassociativoserelacionais.

ObjetivosSociais

Desenvolvernoçõesde solidariedade,integração e coopera­ ção,entreProfessor–Aluno–Colegas;

Aprenderarespeitarmutuamente,colegas,professoresead­

versários;

Conscientizaçãodorespeitomútuo.

ObjetivosPsicológicos

1. Trabalharamotivação,omedoeaatenção.

ObjetivosMotores

Técnicos:

Crescentedirecionamentonasparticularidadestécnicas,rea­

lizandotrabalhostécnicosdirecionados.

42

JoséRouliendeAndradeJunior

Táticos:

Noção dasfunçõesespecíficasde cada posição,atravésde jogosvoltadosparaatáticadofutsal.

CATEGORIAMIRIM– SUB­13 (12 a 13 ANOS)Ensino Fundamental

Citamosaqui algumascoisasescritasporatletasde uma das equipesdo Paraná Clube que fizeramparte dessa categoria apósa des­ classificaçãodaTaçaParaná,onde,noanoanterior,foramcampeões.

“Acho que está faltando maisconfiança entre a gente,está ro­ landomuitonervosismoporcausaquealgunsjogadoresestãorecebendo ”

muitapressãodospais

“Nãodevemosdeixarospaisinfluenciarnonossojogo

“Poderiarenderbemmais,masparecequenahoradojogoeu

”.

travoenãoconsigojogardireito

“Sinto que nostreinoseu me solto maisdo que no jogo,pois ”

quandoestávalendotenhoumpoucodemedodeerrar

“Na horado jogodevemostermaismotivação,concentração, alegria,raça,porqueoque viersódeve nosdaralegria e não triste­ ”

za

“Nósestamospassandoporummomentodifícel,masogrupoé

forteevaisuperar

“Professor,vamossercampeõesmetropolitano,vamosrecuperar

tudoissoqueperdemos

Verificamosaquiqueessesatletasemformaçãopercebemoque aconteceaoseuredoresentemascobranças.Apedidodoprofessores­ creveramcartasdandoumdepoimentodoquesentiamqueestavaaconte­ cendocomaequipe.Podemosnotarquecobranças,insegurança,podem atrapalharo rendimento,não emnível de conquistasde títulos,masde umdesenvolvimentonaturalqueoesportepodelhesproporcionar.

E como observamosemalgunsdepoimentos,a equipe classifi­

cou­seem4ºlugarparaoquadrangularfinaldocampeonatometropolita­

noefoiCampeã.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

43

Considerações

Afasedosub­13éafaseemquesedevedespertarointeresse

para a atividade esportiva duradoura.Fase favorável à aprendizagem, acentuando­se igualmente osexercíciosde desenvolvimento geral das capacidadesmotorasigualmentecomexercícioscompetitivosespecíficos.

Desenvolver­se­ãohabilidadesdeforçaeresistênciadeforça.

Éimportantedeixarqueascriançastreinemintensivamenteedar­

lhesmúltiplaoportunidadeparatestaremsuacapacidadenacompetição

CaracterísticasGerais:

Entusiasmodeaprendizagem(prontidão);

Boacapacidadedeaprendizagemmotora;

Alcançamrápidosprogressosmotores;

Melhoramdecisivamenteacoordenaçãomotora,comdomí­

nio,segurançaeeconomianaconduçãodomovimento;

Elevação considerável na potência e velocidade de movi­ mento;

Maioramadurecimentobiopsicofísicoesocial;

Sensocríticoaguçado;

Maisparticipativanasatividadesqueaenvolvem;

Desenvolvimentodopensamentoabstrato.

ObjetivosCognitivos

Promoverestilosdevidaativosecompreensãointelectualdas

estruturasdomeioambiente;

Intensificaracaptaçãodostraçosassociativoserelacionais.

ObjetivosSociais

Promoversolidariedade,integraçãoecooperação,entrePro­

fessor–Aluno–Colegas;

44

JoséRouliendeAndradeJunior

Aprenderrespeitarmutuamente,colegas,professoreseadver­

sários;

Conscientizaçãodorespeitomútuo;

Percepção desuaimportânciaeadooutro;

Aspectosmorais.

ObjetivosPsicológicos

Trabalharalegria,motivaçãointrínseca,competência e con­ fiança.

ObjetivosMotores

Técnicos:

Maiorcomplexidade no desenvolvimento dosfundamentos, quenumacontinuidadedevemseraprendidos,cadavezmais emformasjogadas,visandoasituaçõestáticasdojogo.

Táticos:

Iníciodeumtipodemovimentaçãoquepossibilitesituações

inerentesaosjogosdeataque,defesaetransição,ondeosjo­

gadorespassempelasposiçõeseaprendamsuasfunções;

Jogadasde bolasparadas(falta,lateral,escanteio e tiro de meta);

Físicos:

Testesdeaptidãoedehabilidades;

Iniciaçãodotrabalhoaeróbio;

Desenvolvimentodavelocidade.

3.3 FASEDEESPECIALIZAÇÃO

Caracteriza­se a fase de especialização porumdirecionamento crescente para asparticularidadesdo futsal,bemcomo,o desenvolvi­

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

45

mentodastécnicas,ainclusãodesistemastáticosedasvalênciasfísicas destasfaixasetárias,passando porumaumento sistemático de rendi­ mento.

CATEGORIAINFANTIL–SUB­15(14a15ANOS)1ªfase

doamadurecimento(Reestruturaçãodehabilidadesedestrezasmo­

toras)–EnsinoFundamental

Osprofessoresquetrabalhamoujátrabalharamcomessacatego­

ria,podemidentificarperfeitamentealgumassituações:

“Umjogoinesquecível,jogaramtudoquesabiam,fizeramtudo quefoitreinado,masoutrojogocomumadversáriotécnicamenteetati­ camentemaisfraco,que decepção:não jogaramnada ”.Preguiçanos treinos,notasbaixasnaescola,coisaquenuncahaviaacontecido.Faz partedainstabilidadequeencontramosnessafaixaetária.

Percebe­senessafaixaetáriaquecriançasqueeramtidascomo

“craques”nascategoriassub­07esub­08,começamanãosedestacar

mais,sendoultrapassadosporoutros,deixandodeseraspromessasde

umfuturojogador.

Vejamosentãooqueacontecenessaidade.

Considerações

Desejoreforçadodeauto­suficiência,opoderdepensareapreciar,

instabilidadedocomportamento.

Emcasosdeestagnaçãodeaprendizado,devem­selimitarano­ vosaprendizadosmaiscomplexos,melhorando­se a fixação de movi­ mentosjádominados.

Otreinamentodatécnicaedatáticapodemsermaisacentuados.

Otrabalhodeforçapodesermaisacentuado,jáaresistênciade

velocidadedeveserdosada.Otrabalhodeveserpacientenaeducaçãoe

naformaçãoesportivadessesjovens.

CaracterísticasGerais:

Surtodocrescimento;

Aumentodovolume,comotambémdopesodoorganismo;

46

JoséRouliendeAndradeJunior

Apresenta certo grau de fadiga e sintomasdesfavoráveisde cansaço;

Pulsaçãocardíacabasaldiminui;

Maiorcapacidadeparaaatividadefísica;

Perturbaçõesgástricas;

Apetiteprecário;

Sofrecertograudeanemia;

Isola­sedoconvíviocomoutraspessoas;

Torna­semaishostil;

Fasedoauto­erotismooumasturbação;

Antagonismosocial;

Emocionalmenteinstável;

Apresentaconstantesansiedades;

Faltadeconfiança;

Complexodeinferioridade;

Excessivatimidez;

Falta coordenação motora,devido ao rápido crescimento, tornando­odesajeitado;

Fasededefiniçãodaidentidade;

Sentimentodeinstabilidade,pelasmudançasqueocorremem

seucorpo,criandoproblemasemnãosaberoqueseugrupo

esperadesi;

Aumentodotecidoadiposo,queéfacilmenteabsorvidopelo

seuprópriocrescimento.

ObjetivosCognitivos

Contribuirnacrescenteevoluçãodeordemsocial.

ObjetivosSociais

Passaralgumasresponsabilidadesefunçõesperanteogrupo.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

47

ObjetivosPsicológicos

Contribuirnaestruturaçãoedefiniçãodaidentidade;

Reorganizarseuautoconceito.

ObjetivosMotores

Técnicos:

Aprimoramentodosfundamentosemformasjogadas;

Especificidade e automatização da execução dosfundamen­ tosdeacordocomatática;

Táticos:

Vivenciaratravésdospadrõesde jogo situaçõestáticasde ataque,defesa e transição,atravésde movimentaçõespré­ estabelecidasdeacordocomsistemasdejogo.

Bolasparadas.

Físicos:

Continuidadedotrabalhoaeróbico;

Iníciodotrabalhoanaeróbico;

Crescentetrabalhodeforça.

CATEGORIAINFANTO–SUB­17(16a17 ANOS)2ª fase doamadurecimento–fasedaestabilizaçãoedacrescenteindividua­ lização–EnsinoMédio

Observamosaquiumapesquisarealizadacomessacategoriana taça Paraná 2004 pelo ProfessorViníciusdosSantosFrança,que nos levaráaalgumasconclusões.

Foramentrevistados23atletas.

Nessa categoria que é a maispróxima da categoria principal,

dos23atletas,amédiadeatletasfederadossedeunosub­11,então,por

quefederarcriançasnosub­07enosub­09?Issoreforçaqueessascate­

goriasdevamteroutrosprincípios,nãoocompetitivo.

48

JoséRouliendeAndradeJunior

Verificamos também uma evasão de atletas dessa categoria. Acreditamosquepossaserporduashipóteses,comasquaisjánosdepa­ ramos:

1ª–Amigraçãoparaofuteboldecampo,umarealidadenacapi­

talparanaense,poistemosduasequipesnasérie“A”,primeiradivisãodo

futebolprofissional,eumanasérieB.

2ª–Adesistênciaporváriosmotivos;doisdessesmotivospode­

mosidentificá­los:

1–Estouenjoadodejogar,jáganheimuitostítulos,nãotenho

maissacoparatreinar.

2–Perdiavontadedetreinar,poisnuncajogueimuito.

Considerações:

Esta fase significa osanosde construção maisdecisivos,são moldadasasqualidadesdapersonalidadeeconstruídasashabilidadese prontidõesespecíficas.

Osatletasqueremafirmar­se esportivamente,porisso deve ser oferecidaaestimulaçãododesejoderendimento.

Oníveldahabilidadedeaprendizagemmotora,osprogressosno

desenvolvimentofísicoeaexpressãodatotalmaturaçãofísicapossibili­

tamumaeducaçãoilimitada,comsolicitaçõesdecondicionamentoeco­

ordenaçãorelativamentealtas.

Oobjetivodeveserconseguirumaharmonizaçãocomatividades

esportivas,paraqueoesportesetornenecessidadeepartefirmedeseu

mododevida.

CaracterísticasGerais:

Idadedamaturaçãosexual;

Algunsestirõesdocrescimentoserãoaos16anos;

Alteraçõesfísicas,menosperceptivas;

Condiçõesdeautonomia;

Incrementosnopesoenaaltura;

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

49

Aceleração do desenvolvimento muscular,acompanhada de aumentodeforçanasatividadesatléticas;

Declínionataxadedesenvolvimentodegordura;

Funçõeseresponsabilidadescaracterísticasdomundoadulto;

Começaadefinirsuaidentidadeevocação;

Elevaçãodotônusemocional;

Insegurançaconsigomesmo,comsuashabilidadeseinteres­

ses,devidoaoamadurecimentosexual;

Apresenta condição quase automática de analisar critica­ menteossistemasdevalores;

Período de luta contra o estereótipo social e contra a auto­ imagemdistorcidanafaseanterior;

Períododegrandessonhoseaspirações;

Grande desenvolvimento do coração,pulmão,pressão san­ güínea sistólica maiselevada,commaiorcapacidade para transportaroxigênio no sangue,menortaxa de batimentos cardíacosemdescanso;

Maiorcapacidade de neutralizarosprodutosquímicosdo exercíciomuscularcomooácidolático;

Asproporçõesdocorpotendemasetornarmaisharmonio­

sas.

ObjetivosCognitivos

Crescenteconscientizaçãodoatletanaformaçãodesuaima­

gem(corpo);

Assimilaçãodenovasfunções;

Conceitodesuacapacidadederealização.

ObjetivosSociais

Totalinteraçãocomseugrupo,poissóassimdesenvolveráos

aspectoscognitivoscitadosacima.

50

JoséRouliendeAndradeJunior

ObjetivosPsicológicos

Fortalecimentodesuaauto­estima;

Segurança;

Compreensãodesuaslimitaçõesefrustrações.

ObjetivosMotores

Técnicos:

Correçãoeaperfeiçoamentodosfundamentosatravésdetrei­

namentostécnicosdirecionados;

Táticos:

Desenvolvimentodospadrõesdejogo,apontandoparaalei­

turadojogonosaspectosofensivosedefensivos;

Bolasparadas.

Físicos:

Intensificaçãodotrabalhoanaeróbico;

Continuidadedotrabalhodeforça;

Orientaçãonutricional.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

51

CapítuloIV

TREINAMENTOTÉCNICO

4.1 ATÉCNICADOFUTSAL

Atécnicadofutsalnadamaisédoqueaquiloqueoatletafazin­ dividualmente dentro do jogo: osfundamentosdo desporto,condução, passe,chute,drible,finta,marcação.Mascomo desenvolveressesfun­ damentosnascrianças,nosfuturosatletas,e até mesmo aprimorá­los? Procuramosnestecapítulofazercomqueoleitordesenvolvanovasma­ neirasdetrabalho,saindodotradicionalismo,treinosondeoaluno/atleta participeativamentedaatividadenumasituaçãobemparecidacomojogo emsi,eparaosquejáatuamdeformadiferente,aprimoremseusméto­ dosdetrabalho.

Começaremospelapreparaçãotécnica.SegundoMatveev(2000),

apreparaçãotécnicadoatletaconsistenoconjuntodeensinamentosque lhe são ministradosacerca do movimento e da ação que constituemo meioadequadoàprossecuçãodacompetiçãoesportivaouàexecuçãodos treinos.

4.1.1 Apreparaçãotécnicapodeserdivididaem

Preparaçãotécnicaespecial,onde o atleta assimila o desporto emcausa,o futsal.Aprende asleisbiomecânicasdo movimento e as açõesrelativasaoobjetodaespecializaçãodesportivaeassimilapratica­ menteoscorrespondenteshábitosmotoreselevando­osatéao maisalto níveldeaperfeiçoamento.

Preparação técnica geral: consiste em ampliar, sistematica­ mente,aaptidãofísicageraldoatletaeosseusconhecimentosnaesfera dosfundamentosgeraisdatécnicadosexercíciosfísicoseemcompletar oarsenaldadestrezaehábitosmotoresquesãoúteisàvidaeàatividade

52

JoséRouliendeAndradeJunior

esportiva.Apreparaçãotécnicageralestáorientadaparaaassimilaçãode

conhecimentos,formaçãodadestrezaehábitosmotorescujapossecon­

tribuiráparaoaperfeiçoamentotécnicodofutsal.

Entrepreparaçãotécnicageraleespecial,utiliza­sea“transferên­

ciapositiva”dosconhecimentos,destrezasehábitos.

Greco(1998)sustentaqueoaprendizadodatécnicanãopodeser,

porsisó,oensinosistemáticodosfundamentosutilizadosnofutsal.Ele

deveserparecidocomojogo,desenvolvendoascapacidadesdeaprendi­

zadodoatleta,mesmooatletajáformado,poispoderemosmodificarseu

comportamento,aprimorandoassimoseurepertóriomotordodesporto.

Ilustrando, Wilton Santana (Futsal, metodologia da participa­

ção,lido1996)destacasobreosfundamentos:“Senãofragmentarmos

essasações,percebemosque elasacontecemquase que simultanea­ menteduranteojogo.Eudominoumabola,podereiconduzi­laouna presençadeumadversário,protegê­la;driblar;naseqüênciachutara golourealizarumpasse.Paratê­lanovamente,tereiquemarcarmeu adversárioou,seaminhaequipeestivercomapossedabola,desmar­ car­me.Nessa direção quanto menosraciocinarpara agir,melhor. Então porque haveruma preocupação constante emfragmentara aprendizagemdojogo?”.

Concluímosqueaaprendizagemdofutsalrequermuitomaisdo que treinos tradicionais, tarefas a realizar, onde são passadas informa­ ções, muitas vezes, sem respeitaro nível cognitivo do aluno, sem des­ pertarointeresse.Oquedespertaointeressenacriança?Sabemosquea aprendizagemestárelacionadacomamotivaçãoqueaplicamosemnos­ sosmétodosdetrabalho.

Devemos então usar a criatividade para planejar nossos treinos, nãosócomcrianças,mastambémcomadolescenteseadultos.

4.2 TREINAMENTOTÉCNICONOFUTSAL

Greco,1998,destacaque,considerandoaimportânciadacondi­

çãotécnicadeumatletanojogo,odesenvolvimentodatécnicadogesto

motorédecorrênciadiretadacapacidadedecoordenaçãomotora.

Umatletacommaiorgraudehabilidadepossuiummaiornúmero

desoluçõesparaosdiversostiposdesituaçõesqueimplicamsuaprática,

queéconhecidocomo“vocabuláriomotor”,que,porsuavez,édesen­

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

53

volvidoatravésdodirecionamentoedesenvolvimentodeatividadesade­

quadasnasdiferentesfases.

Éimportantequeacriança,oatletaemformaçãoouoatletajá

formado,sejaconstantementemotivado,poisamotivaçãoéumdosque­

sitosbásicosparaaaprendizagem,poissemelaocérebronãoprocessará

adequadamenteosestímulos,eaaprendizagemseráprejudicada.

Ésabidoquenossocérebrotrabalhacomumsistemadegratifica­ ção.Quando realizamosummovimento correto,o sistema nervoso nos propiciaráumasensaçãodeprazerquereforçanossavontadedeaprender.

Estamosdiantedefatosque,paraoaprendizadodatécnicaeda tática do futsal,assimcomo emoutrosdesportos,são necessáriospara umacorretaadequaçãopedagógicadosconteúdos,aplicandometodologias adequadasacadaníveldeaprendizagem,iniciandooensinopeloscon­ teúdosmaissimplese passando aosmaiscomplexos,sejamelespara criançaseminiciação,aperfeiçoamentooumesmoemtreinosparaaes­ pecialização.

Ascapacidadestécnicasestão interadaspordoismomentos: o processodeaprendizagemmotora,queseapóianonívelderendimento dascapacidadescoordenativas,e o desenvolvimento da capacidade do jogodofutsalatravésdosseusfundamentos.

Faz­se necessário aprimorara capacidade de coordenação nas atividadesque escolhemospara nossostreinosda técnica específica do futsal;assimoaluno/atletateráumótimodomínioecontrole,passando estatécnicaaserumahabilidadebásicadentrodojogo.

SegundoSchimit,1993,ashabilidadestécnicaspodemserclassi­

ficadasemtrêsdimensões:

4.2.1 Emrelaçãoaomeioambientedurantesuaexecução

Abertas:Quandooambienteévariáveleimprevisíveldurantea

ação,comonofutsal.Quandotemosapossedabola,sofremosumamar­

cação.Oquefazer?Aaçãoindividualarealizarésempreimprevisívele

podevariaremumdeterminadomomentodapartida.

Fechadas:Oambienteéestáveleprevisívelduranteaação.No futsal essa situação poderá sercomparada no tiro livre de 10 metros, quandoogoleirosabequeoadversáriochutarácontrasuameta.Eleterá umaaçãoafazerqueaserádetentardefender.

54

JoséRouliendeAndradeJunior

4.2.2 Habilidadesdiscretascontínuaseseriadas:

Omovimento é umprocesso contínuo de comportamento em oposiçãoaumaaçãobreve,bemdefinida.Nofutsal,issorefere­seauma açãodepassaremovimentar­se,frenteàmarcaçãodaoutraequipe.

4.2.3 Habilidadesmotorasecognitivas:

Na habilidade motora,aparece a qualidade do movimento,os fundamentosnecessáriospara jogaro futsal,condução,passe,drible, finta,chuteemarcação.

Na habilidade cognitiva,asdecisõessão sobre qual movimento fazer:voupassar,voudriblar,vouchutar.

Partindo dessashabilidades,é fundamental que nossostreinos despertemasvariabilidadesque são inerentesao jogo,trabalhando os fundamentosemformasjogadas,atravésde ensino variável do treina­ mentodesituação,depercepção,detomadadedecisãoedecriatividade porpartedosalunos/atletas.Todoesseprocessodetreinamentofacilitará ocomportamentodentrodojogo,nãosónainiciação/aprendizado,mas tambémodesenvolvimentodeatletasjáformados.

Acreditamosqueasatividadesquesãodesenvolvidasprocurando aprimoraressashabilidades,ajudarão osalunos/atletasno desempenho individual.

Outraforma,deaprendizadoeaperfeiçoamentodatécnica,étra­

balharmosatécnicaespecíficaqueusaremosnonossosistemadejogo,

defensivoeofensivo,treinotécnicodirecionado.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

55

CapítuloV

TREINAMENTOTÁTICONOFUTSAL

Otreinamentotáticonofutsalrequerdoatletaváriosfatores,fa­

toresessescomplexosparadeterminadasfaixasetárias.

Antesdesugerirmosumtreinamentoadequadoparaessasfaixas

etárias,éimprescindívelentendermosoqueéatática,comodesenvolver

ascapacidadestáticasdeumatleta.

No Livro “Iniciação Esportiva Universal” V.IGreco e Benda, 1998 consta: A tática nosjogosesportivoscoletivos,está relacionada comfatoresespaço­tempo­bola­adversário numa situação do jogo,re­ presentandoparaoatleta,umatarefaouumproblemaaserresolvido.A solução estará emdireta dependência da tomada de decisão,conside­ rando que esta decisão significa possuir,antecipadamente umobjetivo naação.Issoquerdizerqueoatletadeveestarpreparadoetreinadopara determinadassituaçõesquesolucionemosproblemasdojogo.

Algunstreinadoresenfatizamapenasalgumassituaçõestáticas,

quegeralmentesãodecorrentesdesuaexperiênciacomoatletasoutécni­

cos,esquecendoassim,deadequaratáticaaoatletaenãooatletaàtática,

principalmenteemrelaçãoàidadequeestásendotrabalhada.

Consideramosqueparaascriançasdeterminadassituaçõestáticas exigemuma complexidade grande,poiso atleta deve estarcapacitado parasobrepor­seàsexigênciasdeumjogo.Porissoassituaçõestáticas devemsertreinadasparadesenvolverainteligênciatáticadascriançase deacordocomsuaspossibilidades.

Ascapacidadestáticasestãoemdiretarelaçãocomascapacida­

descognitivas,técnicasefísicas,etemcomoobjetivocontribuirparao

comportamentoótimonacompetição.

56

JoséRouliendeAndradeJunior

GrecoeBendaclassificamocomportamentodosatletaseseorien­ tamàformaoupossíveisaçõesparasolucionarastarefas­problemaque se apresentamno contexto esportivo àsquaiso atleta deve recorrer,na situaçãoconcretadejogo.

Estassituaçõessão:

Tática Individual: Oresultado de umprocesso de elaboração ondeintervêmascapacidadesfísicas,técnicas,táticas,teóricasepsicoló­ gicas.

Éocomportamentodeumjogadorqueatravésdesuaaçãocon­ segue interpretar,no tempo,espaçoe situação,movimentosdirigidosa umdeterminadoobjetivo.

Issoexplicaasaçõesindividuaisdojogador,aespecificidadedo futsal,uma diagonal,uma paralela,uma bola nascostas,onde o atleta executaumatécnica,aplicadaaumasituaçãodejogo,atomadadedeci­ sãoparaescolhadeumadeterminadatécnicadentrodoseurepertóriode movimentos,comoobjetivodeobterumavantagemnojogo.

TáticadeGrupo:Sãoaçõescoordenadasentredoisoutrêsjoga­

dores(metade­1)baseadasnaseqüênciadeintervençõesindividuaisque

objetivamfundamentalmente,a continuidade da ação conforme o con­ ceito tático geral do jogo e o objetivo final do mesmo.Temoscomo exemploumasaídaemdiagonal,ouumpassenopivôeacorridadojo­ gadorquefezopasseparaochute.

TáticaColetiva: Sucessão simultânea de açõesde trêsou mais jogadoresestabelecidospreviamentequepermiterelacionaraspossíveis respostasdosadversáriosesubmetê­lasàprópriaintenção.Sãoassaídas detirodemeta,asjogadasensaiadasospadrõesdejogos.

Resumindo,o atleta deve tero conhecimento teórico dassitua­ çõestáticasespecíficasdo futsal para aplicardentro de umpadrão de movimentosestabelecidosatravésdogrupo,objetivandoobtervantagem nojogosejaparaatacar,sejaparadefender.

Ascapacidadestáticasgeraisestão constituídaspelo seguinte grupodecapacidades:

Capacidadeperceptiva:percepção/antecipação/atenção.

Capacidademnemônica:recordação/reconhecimento.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

57

Capacidade de pensamento: pensamento divergente e con­ vergente.

Capacidadedecoordenação:tempoespacialdeações.

Capacidade de tomada de decisão: elaboração de planose chamadavelozdosmesmos.

Resistência e perseverança psíquica: para aplicação no jogo dosconceitostáticoselaborados.

Consideramosissoumarealidadenosnossostreinosdefutsal,e muitasvezesnão entendemoso porquêde osatletasnão conseguirem realizarde forma adequada o que trabalhamosnostreinos.Repetindo váriasvezesumadeterminadasituação,comcerteza,aotermosoconhe­ cimentodessascapacidadestáticasgerais,poderemosmelhorarojogoda nossaequipe,desenvolvendotreinosquepossamsuprirasfalhasoudifi­ culdadesque osjogadoresencontramnostreinamentostáticos,poiso futsalacadaanoquepassa,nosencantamaispelascombinaçõeseestra­ tégiasdasformasdiferenciadasdejogoqueostécnicosdesenvolvem.

Apreparaçãotáticadeveserrealizadaemestreitarelaçãocoma

preparaçãotécnica.

Devemoslevaremconsideraçãonapreparaçãotática:

a elaboração do plano conveniente de atuação nascompeti­ ções,tendoemcontaaspossibilidadesdoatleta,ascaracte­ rísticasdosadversárioseascondiçõesconcretasdacompeti­ ção.

Aindadevemosdentrodoprocessodepreparaçãotáticadoatleta

preveralgumassituaçõescomo:

aassimilaçãodosfundamentosteóricosdatática.

oestudodaspossibilidadesdosadversáriosedascondições

dacompetição.

aassimilaçãodosrecursostáticos.

o desenvolvimento da racionalização tática,conhecimento dassituações,experiências,capacidadedeobservaçãoetc.

Devemosdesenvolvernoatletaosprocedimentospráticosdoseu

aproveitamentonasdiversascircunstânciasqueojogooferece,acriação

dojogadorinteligente.

58

JoséRouliendeAndradeJunior

Deacordocomessesestudos,deveserpropostoumtipodetreino quedesenvolvaoraciocíniotático,ondesugerimosquesejafeitoapartir

dacategoriapré­mirim(sub­11),criançasquefazem10anosecomple­

tem11anos).

Pode­seutilizarossistemasdejogo:2X2,eosistema3X1,sa­

bendoquecadaposiçãotemumafunçãoarealizar,eque todos devem passarportodasasfunções.

Exemplodosistema2X2,ondeasaídasefazcomtabelasim­

ples, aproximação em diagonal, ou lançamento direto do goleiro, para realizarafunçãodopivôenãoapenaslançamentoparadentrodaárea.

3 1 444 4 2 Exemplodosistema3X1,ondeo jogadorqueestánomeio, 1 4 2 2 3
3
1
444
4
2
Exemplodosistema3X1,ondeo jogadorqueestánomeio,
1
4
2
2
3

naposiçãonúmero2semovimentaparareceberabolaouparaabrires­

paço.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

59

Utilizamosapenas,a saída de umjogador,tabela simplese corta­luz,nassituaçõestáticasprocurando incentivara criatividade das criançasemtodasassituaçõesdatáticautilizada.

Na categoria infantil sugerimosa definição de umpadrão de jogo escolhido.Oimportante é que esse padrão dê subsídiosa certas açõesindividuaisespecíficasparaqueacriançapossausaremqualquer padrãodejogoqueirárealizarnascategoriasacima,açõesessasquecon­ sideramosimprescindíveiscomo: ummovimento na paralela,na diago­ nal,umatrocadealacompivô,umafintaetc.

60

JoséRouliendeAndradeJunior

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

61

CapítuloVI

OJOGODEDEFESA

Estejogoédevitalimportâncianumaequipedefutsal.Começa suaconstruçãocomasaçõesindividuaisasquaisosjogadoresprecisam estarpreparadospara identificá­lase usá­lasdentro da diversidade do jogo.

Procuramosdefini­lasnasseguintessituações:

1–Quandooadversáriotemapossedebola:

Aproximação(éaaproximaçãoaojogadorqueestácomabola).

Abordagem(diminui­seaomáximooespaçodojogadorqueestá

comabola).Éimportantenãolevarodrible.

Induçãodopasseoudacondução(induz­seojogadorapassarou conduzirabolaondesuaação de ataque possa sermaisdifícil ou para ondehajaumacobertura).

Nessasituaçãodevemosconsiderardoistiposdeabordagem:

Abordagemagressiva,ondeserádiminuídooespaço,eprocura­

mosroubaraboladoadversário.Atendênciadelevarodribleoucome­

terfaltaémaior.Ostécnicosdevemdefinirestratégiasparausá­la.

Abordagempassiva,neste caso aproxima­se do adversário cer­ candoomesmo.Diminui­seoriscodelevarodribleecometerfaltas.

2–Quandooadversárioestásemapossedebola:

Retorno (o jogadorretorna acompanhando seu adversário,ou retornaatrásdalinhadabolafechandopossíveisespaços).

62

JoséRouliendeAndradeJunior

Encaixedemarcação(ojogadorabordaseumarcador,impedin­

doquerecebaabola).Éimportanteacompanhá­loparanãotomarbola

nascostas.

Dobra(ojogadorabandonaseumarcadorevaiajudarseucom­

panheiroqueestámarcandooutrojogadorquetemapossedabola,fa­

zendoasituaçãodedoiscontraum).

Cobertura(ojogadordeveestarsempreatentoquandoestámar­ candoquemestásemapossedebola,semprebemposicionadocobrindo ospossíveisespaçosde infiltrações,principalmente quemestá do lado opostodeondeestáabola).

3–Quandooadversáriorecebeaboladecostasparaogol:

Essasituaçãonamaioriadasvezes,acontececomopivô.

Antecipação(ojogadorantecipa­seaoseuadversáriodesarman­

doajogadaouroubandoabolainiciandoumcontra­ataque).

Marcaçãoatrásdopivô(seojogadorquefazafunçãodopivô

receberabola,nãoencostar,impedindoqueelefaçaumgiro).

4–Outrasaçõespossíveis

Carrinho,ondeojogadorprojeta­seemdireçãoàbolaparatra­

varochute;nãopodeoadversárioestardepossedebola.

Falta,umrecursoparaimpediroataque,sóemúltimocaso.

Todasessasaçõesindividuaisdevemcombinarcomaestratégia

queaequipevaiusarnasuadefesa,tipodemarcação.Issodependede

algunsfatores,taiscomo:

Equipeadversária;

Momentoesituaçãodojogo;

Tamanhodaquadra;

Condiçãofísicaetc.

Essasaçõesdefensivasindividuaisdevemsertreinadas,procu­

randonostreinosarealidadedojogo.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

63

Veremosostiposdemarcaçãoexistentesnapráticaenaliteratura:

Começamospelaslinhasde marcação,que correspondema em queregiãodaquadramarcar.

Linha1

Marcaçãonaquadradeataque,próximoàáreadoadversário.

DEFESA

ATAQUE

L I N H A 1 Linha2 DEFESA ATAQUE L I N H A 2
L
I
N
H
A
1
Linha2
DEFESA
ATAQUE
L
I
N
H
A
2

Defesa

Ataque

Marcação entre a área do ataque e a meia quadra,depende das dimensõesdaquadra.

Defesa

Ataque

64

JoséRouliendeAndradeJunior

Linha3

Marcaçãopróximaàlinhacentraldaquadra,podevariarumpou­

coàfrenteouatrásdalinha,dependendodotamanhodaquadra.

DEFESA

ATAQUE

L I N H A 3 Linha4 Marcaçãoatrásdameiaquadra.Maispróximaàáreademetade­ DEFESA ATAQUE L I N H A
L
I
N
H
A
3
Linha4
Marcaçãoatrásdameiaquadra.Maispróximaàáreademetade­
DEFESA
ATAQUE
L
I
N
H
A
4

Defesa

Ataque

fensiva,tambémdependedotamanhodaquadra.

Defesa

Ataque

1 – Marcação Individual,onde o jogadorque está marcando acompanha seu adversário portoda a quadra.Existemastrocasnesta marcação,ondeosjogadoressecomunicamdentrodaquadraefazemas trocas,geralmente comandada pelosjogadoresque se posicionampor últimodadefesa.Émuitoimportantequeosjogadoresiniciantesapren­ damamarcarindividualmente,realizandoasaçõescitadasacima.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

65

2– Marcaçãoporzona, onde os atletas marcam os setores da

quadra,fechandoaslinhasdepasse,fazendocoberturas,fazendodobras.

Citamos aqui alguns desenhos táticos de marcação por zona na

quadradoadversário,linhas1e2.

2.1–MARCAÇÃOEM“Y”

DEFESA

ATAQUE

1 4 3 2 Nestecasoespera­seacobrançadetirodemetapelogoleiro,eco­ 2.2–MARCAÇÃOEM“YINVERTIDO” DEFESA ATAQUE
1
4 3
2
Nestecasoespera­seacobrançadetirodemetapelogoleiro,eco­
2.2–MARCAÇÃOEM“YINVERTIDO”
DEFESA
ATAQUE
3
2
1
4

meçaamarcação.Seogoleirosairpelasalas,osnúmeros1e2fazemas

funçõesdeinduçãodepasseedobras,eosnúmeros3e4,coberturas.Seo

goleirosairjogandocomjogadoresqueestãomaisavançados,onúmero3

cobre;osnúmeros1e2retornamfazendodobrasecobrindoosespaços.É

umaótimamarcaçãoparaevitaraligaçãodiretadogoleiroparaopivô.

66

JoséRouliendeAndradeJunior

Mudamosodesenhodamarcação,quandoaequipeadversária

levaojogadorparaofundo,ficandonum2.2.Ojogadornúmero1tirao

homemda bola,induzindo­o para a ala enquanto o jogadornúmero 2

dobraamarcação.Osjogadores3e4devemanteciparseusmarcadorese

fazercoberturas.

Veremosagoraduasmarcaçõesparaaslinhas3e4:

2.3–MARCAÇÃO1.2.1

DEFESA

ATAQUE

2 1 4 3
2
1
4
3

Marcaçãousadaparaaslinhas3e4,dependendodotamanho

daquadra.Visaamarcaçãodabola,diferenciandodamarcaçãoindividual, não se acompanha osjogadoresnassuasmovimentações.Onúmero 1 temduasfunções:pressionaroatacantequetemapossedebola,quando esteestápelomeioeinduziropasseparaumadasalas,entãoestepode

variarfechandoomeio,oudobraramarcação.Osnúmeros2e3fecham

asalas,pressionamosatacantesqueestãocomabolapelasalas,efazem

acobertura.Onúmero4marcaopivôefazcoberturas.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

67

2.4–MARCAÇÃO2.2

DEFESA

ATAQUE

3 1 4 2
3
1
4
2

Tambémparaamarcaçãonaslinhas3e4,dependendodota­

manhodaquadra.Visaamarcaçãodabola,diferenciandodamarcação individual,nãoseacompanhaosjogadoresnassuasmovimentações.Os

números1e2fazemasfunçõesdeinduziroatacantequetemaposseda

bolaparaoladodooutrojogador.Onúmero1induzparaoladodonú­

mero2evice­versa,dobrandoamarcaçãoobrigandooatacanteajogar

pelaala.Osnúmeros3e4fazemcoberturas.

68

JoséRouliendeAndradeJunior

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

69

CapítuloVII

OJOGODEATAQUE

Nofutsalojogodeataquetemumprincípiobásicoe definido:

conseguirvenceramarcaçãoadversária,paraprogredirnoespaçoefina­

lizarcontraametaadversária.

Paraqueissoaconteça,existemsituaçõesqueseapresentamno

contextodojogo,ondeosjogadoresrealizamaçõesindividuaisecoleti­

vas.Essasaçõesdevemsertreinadasparaoaprendizado,odesenvolvi­

mentoeoaprefeiçoamentodosatletas.

Essasaçõessão:

Drible:Facilitaojogoporcausarasuperioridadenumérica.

Tabela:Situaçãodetrocadepasseentredoisoumaisjogadores,

oquefacilitaoataque.

Consideramosqueessassituaçõessãoimportantesparaojogode

ataque,masquepodemserdificultadascomumaboamarcação.

Outrassituaçõestambémimportantese facilitadora do jogo de

ataque.

Corta­luz:Situaçãoemqueumjogadoratrapalhaomarcadorde

umcompanheiroparaqueeletenhaumavantagemnoataque.

Pisada:Ondeumjogadorsempossedebola,aproxima­sedojo­ gadorque está de posse de bola,passando portrás,podendo recebera bolacomapisada,nessasituaçãodeve­secuidarparaqueadefesanão dobreamarcação,recomenda­senãorepetiressaaçãocomfreqüência.

Diagonal:Açãoindividualmuitocomumnofutsal,temoobjeti­

vodeabriradefesaadversáriapodendoojogadorreceberabolaousim­

plesmenteabrirespaço.

70

JoséRouliendeAndradeJunior

Paralela:Umaaçãoparalelaàbola,ondeojogadorseprojetano

espaço,tambémmuitocomumnofutsal;excelenteaçãodeataque.

Bolanascostas:Situaçãoemqueoatacanteseprojetanascostas

doseumarcadorparareceberabola;requerpercepçãoevelocidadede

quemexecuta.

Quebrademarcação:Umjogadorsembolaseaproximadojo­

gadorqueestácomabola,paraumatabela,eimediatamentevaiparao

espaçovazio,objetivandofacilitaramovimentaçãodasuaequipe.

Trocadealaepivô:Ojogadorqueestánaalaseprojetanova­

zio,queopivôdeixoulivre,paraocuparoespaçoondeestavaoala.Nes­

samovimentaçãoosdoisjogadoresdevemapresentar­seemcondiçõesde

receberabola.

Essassituaçõesseencaixamdentrodatáticaindividualecoletiva. Osjogadoresdevemconhecere praticaressasaçõespara que joguem commaiorfacilidade.Essassituaçõesestãorelacionadascomostiposde treinamentosque lhessão aplicados.Umtreino pobre de situaçõesnão permitirá umaprendizado,no caso de iniciantes,e nemumaprimora­ mentonocasodaespecialização.

Umfacilitadorpara esse aprendizado está nospadrõesde jogo, quefazemosjogadoresrealizaremasaçõesdeataque.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

71

CapítuloVIII

PADRÕESDEJOGO

Neste capítulo trataremossobre ospadrõesde jogo,que nada maissãodoque,amaneiradeumaequipemovimentar­seerealizarações ofensivasdentrodaquadradejogo.

Citarei algumasque pudemosvivenciarna prática,preparando equipesemdiversoscampeonatos.Acreditamosquesãofudamentaispara queosjogadoresvivenciemasaçõesofensivas,buscandoasespecificida­ desdojogodeataque.

Usaremosaseguintelegenda:

Jogadoresdesdojogodeataque. Usaremosaseguintelegenda: Bola Movimentodojogador Movimentodabola 8.1

Boladesdojogodeataque. Usaremosaseguintelegenda: Jogadores Movimentodojogador Movimentodabola 8.1 REDONDAOUCIRCULAR.

Movimentodojogadordesdojogodeataque. Usaremosaseguintelegenda: Jogadores Bola Movimentodabola 8.1 REDONDAOUCIRCULAR. Este padrão

MovimentodabolaUsaremosaseguintelegenda: Jogadores Bola Movimentodojogador 8.1 REDONDAOUCIRCULAR. Este padrão caracteriza­se

8.1

REDONDAOUCIRCULAR.

Este padrão caracteriza­se pelosmovimentoscircularesque os jogadoresrealizamdentrodaquadra,tendocomoobjetivochegaraogol adversário.

72

JoséRouliendeAndradeJunior

DEFESA

ATAQUE

1 2 4 3 1ªOPÇÃO Bolaparaoespaçovazio: DEFESA ATAQUE 1 4 3 D 2
1
2
4
3
1ªOPÇÃO
Bolaparaoespaçovazio:
DEFESA
ATAQUE
1
4
3
D
2

Abolaépassadadonúmero2paraonúmero1;onúmero2des­

loca­separaolugardonúmero3;onúmero3paraolugardonúmero4;o

número4ocupaolugardonúmero1.Onúmero1conduzabolaaocen­

trodaquadra;estaéamovimentação.Emseguidaveremosasopções.

Ojogadornúmero2,recebeabolanaala,emcondiçõesdeir

para o espaço vazio,o jogadornúmero 3,temduasfunçõesque pode fazer,irparaosegundopauouaparecernomeioparaumatabelacomo

número2.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

73

2ªOPÇÃO

Bolaparatabela:

DEFESA

ATAQUE

1 4 3 2
1
4
3
2

Ojogadornúmero4,aoinvésdeabrirnaala,seaproximapelo

meio,paraumatabelacomonúmero1.

3ªOPÇÃO

Bolaparaoespaço:

DEFESA

ATAQUE

1 4 3 2
1
4
3
2

Ojogadornúmero4,aoinvésdeabrirnaala,seaproximapelo

meio,paraumatabelacomonúmero1,eimediatamentefazumaquebra

paraala.

74

JoséRouliendeAndradeJunior

8.2

QUATROEMLINHA

EstepadrãoémuitousadonaEuropa.Exemplificaremosaquial­

gumassituaçõesbásicas.

Posição básica: osquatro jogadoresde linha próximosunsdos

outros.

DEFESA

ATAQUE

1 2 3 4 1ªOPÇÃO Saídasimplesparadiagonaleparalela. DEFESA ATAQUE 3 1 2 4
1
2
3
4
1ªOPÇÃO
Saídasimplesparadiagonaleparalela.
DEFESA
ATAQUE
3
1
2
4

Abolapodeestarcomqualquerumdosjogadoresqueestãono

centrodaquadra(2ou3);nestecasoonúmero2.Estefazumpassepara

onúmero1ounúmero4;nestecasoparaonúmero4.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

75

Ojogadornúmero3vaiparaadiagonaleonúmero2paraapa­

ralela,onúmero1seaproximapelomeio.Temosduasopçõesdepasse

paraoataque.

Numsegundomomentocasoopassenãoentrenoataque,osjo­ gadores números 2 e 3 se posicionam nas alas para recomeçar a movi­ mentação.

2ªOPÇÃO

Saídasimplescomaproximaçãoparaatabela

DEFESA

ATAQUE

1 3 4 2 DEFESA ATAQUE 1 3 4 2
1
3
4
2
DEFESA
ATAQUE
1
3
4 2

Após a saída em diagonal e paralela, o número 4 passa para o número 1. O número 3 que estava fazendo uma diagonal, volta para o

meioefazumatabelacomonúmero1.

76

JoséRouliendeAndradeJunior

3ªOPÇÃO

Bolaparaopivô.

DEFESA

ATAQUE

1 3 4 2 Depoisdasaídadediagonaleparalelaonúmero4passaparao receberabola.Nomesmomomentoonúmero2seaproximapelomeio
1
3
4
2
Depoisdasaídadediagonaleparalelaonúmero4passaparao
receberabola.Nomesmomomentoonúmero2seaproximapelomeio
fazendoopivô.
DEFESA
ATAQUE
1
3
4
2

número 1.Onúmero 3 que estava fazendo uma diagonal,volta para o meio e faz uma quebra para a paralela,sendo tambémuma opção para

Onúmero1fazopasseparaonúmero2ecorreemsuadireção

paraafinalização.Senãoocorrerafinalização,passaparaaala,enquanto

onúmero4cruzaparaomeioparafinalizar;onúmero3voltaparaco­

brir.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

77

DEFESA

ATAQUE

1 3 2 4 8.3 PADRÃODEPARALELAEDIAGONAL Veremosalgumasopções. 1ªOPÇÃO DEFESA ATAQUE 1 2 4 3
1
3
2
4
8.3
PADRÃODEPARALELAEDIAGONAL
Veremosalgumasopções.
1ªOPÇÃO
DEFESA
ATAQUE
1
2
4
3

Consideramosessepadrãoimportanteparaojogolivre,poisnele utilizamos,alémdediagonaleparalela,trocadealaepivô,tabelascom aproximação,quebraspara o vazio,e jogo compivô.Ainda podemos utilizarumpivôfixo,ouamovimentaçãodosquatrojogadores.

Onúmero2fazopasseparaonúmero3ecorrenaparalela.O

número1seaproximapelomeio,onúmero4vaiparaoladocontrárioda

bola.

78

JoséRouliendeAndradeJunior

DEFESA

ATAQUE

4 1 3 2 DEFESA ATAQUE 4 1 3 2
4
1
3
2
DEFESA
ATAQUE
4
1
3
2

Ojogadornúmero3fazopasseparaojogadornúmero1quese

aproximounocentroefaztrocadealaepivôcomojogadornúmero2.

Daíseguemasopções.Ojogadornúmero1podefazerumpassenovazio

para o jogadornúmero 3,ou passarpara o jogadornúmero 2 que está fazendoopivônaala,comaproximaçãoparaafinalização.

2ªOPÇÃO

Tabelaoufugidapelaala

Nestaopçãoojogadornúmero1fazopasseparaonúmero4.O

número 3 que estava saindo,volta e se aproxima do jogadornúmero 4

paraumatabela,ouojogadornúmero3quebraamarcaçãoevaiparaa

alaparareceberabolanoespaço.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

79

DEFESA

ATAQUE

4 1 3 3 2 3ªOPÇÃO Bolaparatabelanaalaoposta. comonúmero1. DEFESA ATAQUE 4 3 2 1
4
1
3
3
2
3ªOPÇÃO
Bolaparatabelanaalaoposta.
comonúmero1.
DEFESA
ATAQUE
4
3
2
1

Nessaopção,ojogadornúmero1,apósfazeropasse,abrenaala

contrária,parareceberaboladojogadornúmero4.Ojogadornúmero3

está no fundo, o jogador número 2 aproxima­se no centro, para tabelar

4ªOPÇÃO

Bolaparaopivô.

O desenho tático é igual ao da opção anterior, onde o jogador

número4faráopasseparaojogadornúmero2,queestánopivô;onú­

80

JoséRouliendeAndradeJunior

mero4aproxima­separaafinalizaçãonaala,enquantoonúmero1apro­

xima­separafinalizarnomeio;onúmero3fazacobertura.

DEFESA

ATAQUE

4 3 2 1 8.4 OJOGODEQUINA Estejogoéusadoparasairdamarcaçãodaslinhas1e2.Foicriado
4
3
2
1
8.4
OJOGODEQUINA
Estejogoéusadoparasairdamarcaçãodaslinhas1e2.Foicriado
edesenvolvidopelotreinadorPauloCésardeOliveira, o PC, na GM e
Ulbra,depoisdetertrabalhandonaEspanha,noPlayasdeCastelón.Éo
atualtécnicodaSeleçãoBrasileiradeFutsal.
Acaracterísticadestejogoéumposicionamentobásico,comvá­
riasopções,ondeainteligênciatáticaéofatorfundamentalparaasvaria­
çõesquesãoapresentadas.
POSIÇÃOINICIAL
DEFESA
ATAQUE
3
4
2
1

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

81

1ªOPÇÃO

Osjogadoresnúmeros2,3e4movimentam­sesimultaneamente.

Onúmero2vaiemdireçãoaonúmero4,onúmero3vaireceberabola

dogoleiro,enquantoonúmero4vaiparaolugardonúmero3.

Nestaopçãoabolaéparaonúmero3noespaçovazio.

Vejamosestedesenho.

DEFESA

ATAQUE

4 2 3 1 Ojogadornúmero3fazopasseparaojogadornúmero1evai
4
2
3
1
Ojogadornúmero3fazopasseparaojogadornúmero1evai
paraovazio.Onúmero1faráopasseparaonúmero4quepassaráabola
novazioparaonúmero3.
DEFESA
ATAQUE
4
2
2
1
3

82

JoséRouliendeAndradeJunior

2ªOPÇÃO

Bolanovazioparaonúmero3

Namesmasituaçãoojogadornúmero3quandovaireceberabola

dogoleirovaiparaovazio,recebendoabolanovaziolançadapelogolei­

ro.

DEFESA

ATAQUE

4 2 3 1 3ªOPÇÃO Esta é para fugida do jogadornúmero 1. Quando vai receber
4
2
3
1
3ªOPÇÃO
Esta é para fugida do jogadornúmero 1. Quando vai receber o
passedonúmero3,sainascostasdoseumarcador.
DEFESA
ATAQUE
4
2
3
1

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

83

4ªOPÇÃO

Aquiveremosumafugidaparaojogadornúmero4.

Observemaprimeiramovimentação,comoestánodesenhoabaixo.

DEFESA

ATAQUE

4 2 3 1 voltaaproximando­sepelomeio. DEFESA ATAQUE 4 2 1 3
4
2
3
1
voltaaproximando­sepelomeio.
DEFESA
ATAQUE
4
2
1
3

Ojogadornúmero2,apósopassedonúmero3paraonúmero1,

E finalmente o jogadornúmero 2 passa para o número 3 que

voltou,eestepassanovazioparaonúmero4.

84

JoséRouliendeAndradeJunior

DEFESA

ATAQUE

4 2 1 3
4
2
1
3

Osinteressadosemsabermaissobreojogodequina,encontrarão subsídiosno livroFutsal apontamentospedagógicosda iniciação a especialização,deWiltonC.deSantana.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

85

CapítuloIX

OCONTRA­ATAQUE

Nestecapítuloapresentaremosalgumasatividadesparadesenvol­

veroscontra­ataques,açãocoletivamuitoimportanteparaodesempenho

deumaequipe.

Definiremosocontra­ataquecomosendoumasituaçãoemquea defesa leva vantagemsobre o ataque desarmando­a,e passando rapida­ mente para o ataque.Consideramosnuma visão espacial que oscontra ataquespodemser:

1X1–Ondeojogadorqueroubouabolasótemumdefensora

suafrente,alémdogoleiro.Asuavantagemédepegarojogadordedefe­ saemdesequilíbrio,ou mal posicionado e comumgrande espaço para finalizar.

Legendaparaosexemplosdecontra­ataque.

para finalizar. Legendaparaosexemplosdecontra­ataque. Movimentodojogador Movimentodabola

Movimentodojogador

Movimentodabola

Equipequesofreuocontra­ataque.

Equipequesairáparaocontra­ataqueemumcontraum.

Bola.

86

JoséRouliendeAndradeJunior

2X1–Situaçãocomvantagemnumérica,ondesaemdoisjoga­ Considerações:
2X1–Situaçãocomvantagemnumérica,ondesaemdoisjoga­
Considerações:

dorescontraum.

Considerações:

Quemestádepossedeboladeveconduzi­lacomvelocidade,

tercriatividadeebompasse.Apóspassarabola,entrapara2º

pau.

Quemestáseprojetandoparaoataquedeve,tervelocidade, estaràfrentedodefensoreentraremlinha de passe.Após receberabola,finalizartirandoaboladoalcancedogoleiro

oubuscarseucompanheirono2ºpau.

Paramarcar:

Háduasmaneiras:

1ª–Induzirocondutorparaalaediminuirseuespaço;ogoleiro

seencarregadecobrir.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

87

vacomabola. Nosdoiscasos,éimportantenãolevarodrible.
vacomabola.
Nosdoiscasos,éimportantenãolevarodrible.

2ª–Temporizarparaatrasaracondução;apósopasse,ogoleiro

cobreojogadorquerecebeuopasseeodefensoracompanhaquemesta­

2X2–Situaçãocomigualdadenumérica;avantagemédepegar

a defesa emdesequilíbrio,ou mal posicionada,e comumcerto espaço parafinalizar.

88

JoséRouliendeAndradeJunior

3X2–Situaçãodevantagemnumérica,muitocomumnosjogos.

Acreditamosquenoaltoníveléoquemaisacontece;porissoé muito importantetreinarcomoatacarecomomarcar.

muito importantetreinarcomoatacarecomomarcar. Considerações : Paraatacar : Abolasemprepelomeio. ∙

Considerações:

Paraatacar:

Abolasemprepelomeio.

Assimcomono2X1,quemestádepossedeboladeveconduzi­

lacomvelocidade,tercriatividadeebompasse.

Quemestá se projetando para oataque,deve tervelocidade, estaràfrentedodefensoreentraremlinhadepasse.Sereceber abola,finalizartirandoaboladoalcancedogoleirooubuscar

seucompanheirono2ºpau.

Senãoreceberabola,deve­seprojetarparao2ºpau.

Paramarcar:

Temporizaçãodeambos,oudequemestápróximodojogador

queestácomabola.

Umdosdoisqueestãomarcando,deveinduzirojogadorque

estácomabola,paraoladodoseucompanheiro.

goleirocobreabolade2ºpau.

Nãopodelevarodrible.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

89

Sugerimosagoraumaatividadeparatreinarassituaçõesdecon­ tra­ataque.Essa atividade começa coma primeira situação de
Sugerimosagoraumaatividadeparatreinarassituaçõesdecon­
tra­ataque.Essa atividade começa coma primeira situação de contra­
ataque,ouseja1X1.
Justificamosessaatividadedividindoduasequipesefazendouma
competiçãoentreelas.
–Situaçãode1X1:começaoprimeirodacolunaatacandocon­
traumdaoutracoluna:

Quementroucomabolaparaatacarcontraum,voltamarcandoo

próximodaoutracoluna.Quemmarcouvoltaparasuacoluna;adinâmica

éumataqueeumadefesa.

90

JoséRouliendeAndradeJunior

entracom abola volta marcando Umavariaçãoparaaprenderatemporizaréfazerqueadefesasó
entracom
abola
volta
marcando
Umavariaçãoparaaprenderatemporizaréfazerqueadefesasó
Outravariaçãoseriaojogadorqueataca,aoentrar,passarabola
–Situaçãode2X1:adinâmicadaatividadeéamesma.Acres­
1ªsituação

possaroubarabolanoseucampodedefesa.

paraogoleiro,quejogadentrodaregra.Numprimeiromomentopodesó

passar,depoislibera­oparafinalizar.

centa­semaisumataque.Quemvoltouparamarcaratacacomquemen­

tra,terminandosuaparticipaçãonoataque,daíretornaparasuacoluna,

ficandoumataque,umadefesaemaisumataque.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

91

2ªsituação

entracom abola volta marcando quemmarcouajuda quementra
entracom
abola
volta
marcando
quemmarcouajuda
quementra

–Situaçãode2X2:semprecommesmadinâmica.Acrescenta­se

maisuma defesa.Quemajudou o ataque,ao invésde sairno ataque e retornarparaacoluna,voltaajudandoseucompanheiroamarcar.

1ªsituação

ajudaráquemvai entrarcomabola ficaránacoluna
ajudaráquemvai
entrarcomabola
ficaránacoluna

2ªsituação

1ªsituação ajudaráquemvai entrarcomabola ficaránacoluna 2ªsituação

92

JoséRouliendeAndradeJunior

–Situaçãode3X2:mantém­seamesmadinâmica.Agoraacres­

centa­semaisumataque.Quemvoltoumarcandoeficarianacoluna,faz

maisumataque,eterminasuaparticipaçãonoataque,retornandoparaa

suacoluna.

1ªsituação

ajudarãoquem entrarcomabola 2ªsituação
ajudarãoquem
entrarcomabola
2ªsituação

Observamosuma seqüência para o treino dassituações.Faz­se necessário explicarassituaçõesdetemporização,indução e cobertura paraadefesa.Paraoataque,estimularacriatividadedequemconduz,o passeaceleradoeafinalização.

Esperamoscontribuirparaodesenvolvimentoeotreinodocon­

tra­ataque,equecadaumuseasuacriatividadeparadesenvolverativida­

desquesejamúteisparaojogo.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

93

CapítuloX

ATIVIDADESPRÁTICAS

PARTEI

Nessaprimeirapartesugerimosatividadesqueenfatizamolúdi­

co.Sãojogosemformasrecreativasqueenglobamosfundamentos.As

criançasbrincameaprendem.

1–JOGODAPERSEGUIÇÃO

MATERIAL:Seisbolaseseiscones.

FORMAÇÃO:Osconesserãocolocadosondeseencontramas

linhasdefundoelateral(escanteios)nalinhadomeiodaquadracoma

linhalateral.Formaremosumacolunaemumdoscones,depreferência

nalinhadefundocomalateral,ecadaumdosalunosatletasqueestão

nosconescomumabola.

DESENVOLVIMENTO:Aosinaldoprofessor,osalunosterão que alcançaro aluno do próximo cone.Quemforpego vai saindo,até sobraremcincoalunos.

VARIAÇÕES :

Mudarasmaneirasdeconduçãodebola.

Colocarobstáculosentreoscones.

OBJETIVO:Desenvolveraconduçãodebola.

2–BOLARADIOATIVA

MATERIAL:Umabolaparacadaaluno.

94

JoséRouliendeAndradeJunior

FORMAÇÃO:Dividirosalunosemdoisgrupos,cadagrupoem

meiaquadra.

DESENVOLVIMENTO:Aosinaldoprofessor,asequipesde­

vemjogarasbolasparaocampoadversário,fazendoumpasseouchute.

Acadadoisminutosoprofessorpáraojogo.Aequipequeestivercom

menorquantidadedebolasemseucampo,marcaumponto.

VARIAÇÕES:

Determinarotipodepasse,parteinterna,soladopé,peitodopé,

calcanharetc.

Determinarotipodechute,depeitodopé,debico.

Determinarumlocaldeondepossapassarouchutar.

Fazergolnastraves;ninguémpoderáentrarparadefenderdentro

daárea.

Colocardoisoutrêsalunosnaáreademetadaequipeadversária;

osalunosterãoquepassarabolaparaseuscompanheirosqueestãoden­

trodaárea.Quemconseguirmaisbolas,marcaumponto.

3–BOLAERRANTE

MATERIAL: Mesmonúmerodebolasedegrupos.

FORMAÇÃO:Gruposemnúmerosiguaisdealunos,quedevem ficaremumdeterminado local.Pode ser,umespaço de trêsmetrosda quadradevôlei,dentrodaáreademetaetc.

DESENVOLVIMENTO:Osalunosdeverãotrocarumdetermi­ nado número passes.Marca umponto a equipe que terminarprimeiro. Todosterãoquefazernomínimo,umpasse.

VARIAÇÕES:

Mudarotipodepasse.

Passaretrocardelugar.

4–PASSANDOEMDUPLAS

MATERIAL:Umabolaparacadadupla

FORMAÇÃO:Duplasespalhadaspelaquadra

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

95

DESENVOLVIMENTO: Asduplasdeverão trocarpassespela quadra,semdeixarqueoutra(s)dupla(s),intercepte(m)seupasse.

VARIAÇÕES:

Diminuiroespaço.

Aumentaroespaçoentreasduplas.

Realizaropassedegancho(interceptarsócomacabeça).

Fazerumacompetição:aduplacujopasseforinterceptado,sairá

dotreino,atésobrarumadupla.

5–FUTSALGIGANTE

MATERIAL:Umabolaegizparamarcaçãodaslinhas.

FORMAÇÃO: Alunosdivididosemduasequipes,espalhados entredoisconesdecadaladodaquadra,queservirãocomotraves.Cada alunoreceberáumnúmero,sendo que doisalunos,umde cada equipe, recebemonúmeroigual.

DESENVOLVIMENTO:Oprofessorchamaráumnúmeroeos alunosquecorrespondemaonúmerodeverãocorreratéocentro,come­ çandoojogo.Seumdosalunosdefenderochute,reiniciaojogopassan­ doabolaparaoalunodoseutime.Quemfizerogolmarcaráumponto para sua equipe.Se não fizeremo gol,o professordeixa umtempo de jogo,parachamaroutronúmero.

VARIAÇÕES:

Chamardoisnúmerosde cada vez,ficando o jogo doiscontra

dois.

Chamartrêsnúmerosdecadavez,ficandoojogotrêscontratrês.

Oalunoquedefendeochuteadversáriopoderáajudarseucolega,

ficandodoiscontraum,nãopodendorepetirsuaparticipação.Sedefen­

deroutrochute,deverápassarparaumcolega.

6–ESTAFETASDEFUNDAMENTOS

MATERIAL:Umabolaeumconeparacadagrupo.

FORMAÇÃO:Alunosdivididosemgrupos,dispostosemcolu­

nas.Oprimeirodecadacolunaestádepossedeumabola.

96

JoséRouliendeAndradeJunior

DESENVOLVIMENTO: Ao sinal,o primeiro aluno de cada grupodesloca­seconduzindoabolaemdireçãoaocone,noladooposto docampodejogo.Retornafazendoomesmo.Oprimeiroachegarnoseu grupo,marcaráoponto.

VARIAÇÕES:Deslocar­sedriblandoabolaentrecones.

Deslocar­seconduzindoa bola e emdeterminado local chutá­la emdireçãoaumameta.Quemfizerprimeiroogolmarcaráopontopara seugrupo.

Observações:Comcriatividade,oprofessorvariaráasformasde

condução,dribleechutedabola.

7–BOLICHE

MATERIAL:Maças,pinosoucones(quepodemsersubstituí­

dosporgarrafasplásticas),bolasdediferentestamanhos.

FORMAÇÃO:Osalunosserãodivididosemduasequipes,sen­ docadaumadispostaemfileira,aolongodeumalinha,numadasextre­ midadesdocampo.Ao centro dasduaslinhas,ficarão ospinos,umao ladodooutro.

DESENVOLVIMENTO:Aosinal,osalunosqueestãodeposse

dabolaachutarãoemdireçãoaospinos,tentandoderrubá­loscomabo­

lada,sendovitoriosaaequipequeconseguirderrubarospinosparaolado

doadversário.

VARIAÇÕES:

Disporospinossobrebancos,exigindoumchuteàmeiaaltura.

Disporbolasdemedicinebolsobrealinhaousobreobanco,sen­

doqueochutedeverásermaisforte,eabolapodeirparaoladodoad­

versário,porémpoderávoltarcomotoquedeoutrabolaparaoseucam­

po.Designarassimumtempoparaarealizaçãodaatividade.

Venceráaequipequeconseguirchutarabolaentreospinos,não permitindo que sejamderrubados.Aequipe que derrubarmenospinos seráavencedora.

Aatividadepoderáserexecutadacontandosomenteonúmerode bolasencontradasna sua equipe ao final do tempo,semnecessitarde apontarparaospinos,vencendoaequipequeestiverdepossedomenor númerodebolas.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

97

8–CHUTEAOALVO

MATERIAL:Umabolaparacadaalunoeumabolaparaadulto

defutsaloubasquetenocentrodaquadra.

FORMAÇÃO: Alunosdivididosemduasequipes,ficando na lateraldaquadra,devoleibol.

DESENVOLVIMENTO:Aosinal,osalunoschutarãosuasbo­ lastentando acertara bola central,como objetivo de fazerque a bola central ultrapasse a linha lateral adversária.Se ultrapassar,marcará um golparasuaequipe.

Abolacentralsópoderáserdefendidaseatingidacomasbolas

menores.

VARIAÇÕES:

Distribuirasequipesemquatroladosdeumquadrado,sendodois

ladosdestinadosparacadaequipe.

Incluirmaiornúmerodebolascentrais.

Variarosfundamentos:passecomoladodopé,chutedepeitode

pé,chutedebico.

Defenderabolacentralcomacabeça,comobumbum.

9–QUEMPASSAMAIS

MATERIAL:Duasbolas.

FORMAÇÃO:Forma­seduasequipes;uma,emcírculo,aoutra,

emcolunadefrenteparaocírculo;cadaequipetemumabola.

DESENVOLVIMENTO:Aosinal,oprimeiroalunodacoluna saiconduzindoabola,emvoltadocírculo,entregaparaopróximoaluno dacoluna.Aomesmotempoosalunosdocírculotrocampassesàvonta­ detendoquepassarparaquemaindanãorecebeuabola.Devemcontar ospassesemvoz alta.Quando todosda coluna já tiveremparticipado, trocam­seasfunções.Venceaequipequefizeromaiornúmerodepas­ ses.

VARIAÇÕES:

Fazeroexercíciocomapernacontrária.

Inverterosentidodequemconduzabola.

98

JoséRouliendeAndradeJunior

Quemterminardeconduzirabolaemvoltadocírculoentrano

círculocomobobinho.

Determinarumtipodepasse,soladopé,parteinterna,parteexterna.

Mudarasbolas,usarbolasdeborracha,defuteboldecampo,de

voleibol.

10–BATE­PRONTO

MATERIAL:Umabola.

FORMAÇÃO:Todaaturmadivididaem2equipes.

DESENVOLVIMENTO:Joga­seumaequipecontraoutra;idem

aocabeçobol;sóvalefazergoldebate­pronto.

11–VOLEIBOL

MATERIAL:Umabola.

FORMAÇÃO:Todaaturmadivididaem2equipes.

DESENVOLVIMENTO:Joga­seumaequipecontraoutra;idem

aocabeçobol;sóvalefazergoldevoleio.

12–JOGODEPASSES

MATERIAL:Umabola.

FORMAÇÃO:Duasequipes;mínimo3X3até6X6.

DESENVOLVIMENTO: O objetivo é a equipe fazer o maior

númerodepasses.Cadajogadorsópodedar2ou3toquesnabola.

VARIAÇÕES :Usarmeiaquadraouaquadrainteira.

13–JOGODAS6TRAVES

MATERIAL:Umabolaedozecones.

FORMAÇÃO:Duasequipes;mínimo3X3até6X6.

DESENVOLVIMENTO:Trêstravesemumalateraldaquadra

e3travesnaoutralateraldaquadra.Umaequipefazgolemumadas

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

99

laterais,eaoutrafazgolnaoutralateral.Objetivoécriarsituaçãonu­

mérica.

VARIAÇÕES :

Fazergolnasdiagonais,reduzindopara4traves,depoisinverter

olocalondefazgol.

14–JOGODAS4TRAVES

MATERIAL:Uma bolaeoitocones.

FORMAÇÃO:Duasequipes;mínimo3X3até6X6.

DESENVOLVIMENTO: Joga uma equipe contra outra.Exis­

tem4traves;2nalinhadefundoe2naslaterais.Umaequipefazgolna

frenteenadireitaemarcaatrásenaesquerda,evice­versa.

VARIAÇÕES :

Inverterastravesemquefazogol.

15–JOGODATRAVEMÓVEL

MATERIAL:Umabolaeumpedaçodecano,madeiraetc.

FORMAÇÃO:Duasequipes;mínimo3X3até6X6.

DESENVOLVIMENTO:Doisalunosficamcomumatrave,um

pedaçodemadeira,canoetc,nosombrosandandopelaquadra,tentando

fugirdabola.Éumjogonormal.Objetivoéfazergolnatravemóvel.

16–MÃECOLA

MATERIAL:Umabolaparacadaaluno.

FORMAÇÃO:Alunoslivresemmeiaquadracomasbolasnos

pés;umdosalunosdeveráterabolanamão.

DESENVOLVIMENTO:Oalunoqueestácomabolanamão, seráopegador,deverácolarencostandoasuanabolaemquemestáfu­ gindo.Osalunosque estão fugindo deverão conduzirsuasbolas,não podendoabandoná­las.Quemforpegoestácolado.

100

JoséRouliendeAndradeJunior

VARIAÇÕES:

Para descolar,o aluno deverá passara bola entre aspernasde quemestácolado.

Omãecoladeverácolar,quicandosuabola.

17–MÃEPEGA

MATERIAL:Umabolaparacadaaluno.

FORMAÇÃO:Alunoslivresemmeiaquadracomasbolasnos

pés,inclusivequemestásembola.

DESENVOLVIMENTO: Oaluno que está sembola deverá roubaraboladosseuscolegas.Quemficarsembolapassaaseropega­ dor.

VARIAÇÕES:

Aumentaronúmerodepegador.

Diminuiroespaço.

18–PIQUEBANDEIRA

MATERIAL:Duasbolas.

FORMAÇÃO:Duasequipesemcada meia quadra e uma bola nalinhadefundodecadaequipe.

DESENVOLVIMENTO: Cada equipe deverá entrarna quadra adversáriaparapegarabolaqueestánalinhadefundo.Oalunoquein­ vadira quadra adversária poderá sercolado,tendo que ficarno lugar. Quemconseguirpegaraboladeverápassarcomabolaparaseucampo, conduzindo­a.Quemestivercombola não poderá sercolado.Abola voltaaoseulugarsefortiradacomospés,incentivandoodribleeamar­ cação.

VARIAÇÕES:

Ultrapassaralinhafazendopasses.

Quemestivercoladoereceberabolaestarádescolado.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

101

19–CHAMANDOONÚMERO

MATERIAL:Seisbolas.

FORMAÇÃO:Atletasdispostosnaquadraepreviamentenume­

radospeloprofessor.

DESENVOLVIMENTO:Umatletacomeçarácomabola,con­

duzindopelaquadra,aqualquermomentochamaráumnúmero,deveráse

apresentar­separareceberabola,eassimpordiante.

VARIAÇÕES :

Receberabolacomasoladopé(entrarnabola).

Usarduasbolas.

Dividirnúmerospareseimparesemcadameiaquadra(comduas

bolas).

Comnúmerospareseimpares,onúmerochamadodevolveabola

paraquempassou;esteentãodeverádriblarefinalizaragol.

Idemaoanterior.Inclui­sequeonúmeroimediatamentesuperior

quefoichamadoajudanoataque,ficandodoiscontraum.

20–MINIFUTSAL

Umjogoreduzidoindicado,principalmentenasfasesdeaquisição

einiciação.

Comofunciona:

Dividimosaquadradejogonormalemtrêsouquatrominiqua­

dras.

Nasminiquadrassãofeitasáreasdetrêsmetros.

AstravessãofeitasdemadeiraoucanosdePVC.Podemmedir

entre1,40me1,60mdealturae2,40me2,60mdelargura.

Jogamdoiscontradois(categoriasub­07).Qualquerumpodede­

fenderdentrodaárea.

Numsegundomomentoparaacategoriasub­09,jogamtrêscon­

tratrêsequalquerjogadorpodedefenderdentrodaárea.

Ascriançasjogamesedivertem,brincamdefutsal.

Podemserfeitosfestivaiscomestejogoondetodosseenfrentam.

102

JoséRouliendeAndradeJunior

PARTEII

Consideramosqueestasatividadessãofacilitadorasparaojogo deataqueedefesa.Osobjetivosdevemserclarosebemdefinidospelo professor.Essasatividadesforamdesenvolvidasnostreinos; algumas adaptadas,outrasaprimoradas,epossivelmentealgumasjáconhecidas.

01–BOLANAMÃO

Ojogo desenvolve­se normalmente,emcinco contra cinco ou seiscontraseis.Cadaequipeteráumjogadorcomumabolanamão.O jogadorquetemabolanamãonãopodeparticipardojogo,entrandono jogoquandopassaabolaaumcompanheiro.

02–PEGARQUEMESTÁSEMBOLA

Espalhadosnaquadrajogadorescomesembolaedoispegadores comcoletesna mão.Osjogadoresque estiveremsembola poderão ser pegos,osqueestiveremcombolanão.Aestratégiaépassarabolapara quemestásendopego.

03–PASSANDONOCÍRCULOCENTRAL

Divide­seduasequipes,fazendopares;sópoderoubarabolado seu par.No círculo central ficará umjogador.Para fazergolsdeve­se obrigatoriamentepassarabolaparaojogadorqueestánocírculo.Este devolveabolaparaqualquerjogadordaequipequepassouabolaparao círculo,abrindoassimasduasmetasparaafinalização.

04–PASSANDONOCÍRCULOCENTRALENASÁREAS

Omesmojogoanterior.Acrescenta­seumjogadoremcadaárea

demeta,quetambémservirãoparareceberopasseeservirasequipes.

Podemosvariar:

Passouparaocírculo,sópodereceberabolaforadaquadrade

vôlei:

Passouparaaárea,sópodereceberabolanomeiodaquadra.

Incentiva­seastabelas.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

103

05–PASSANDONOCÍRCULOCENTRAL,PARAQUEM

SEAPROXIMA

Idemaojogonúmero04.Parafazergolemqualquermeta,opas­

sedeveserfeitonocírculocentralparaumjogadorqueentrenocírculo,

sendoqueestenãoparticipadoataque,eoseuparpoderoubarabolade

qualquerjogadoradversário.

06–JOGODE2X2EMCADAMEIAQUADRA

Jogam­sedoiscontradoisemcadameiaquadra.Parafazergolas

equipesdevempassarabolaparaumdosjogadoresqueestãonoataque.

Quemfazopasseajudaoataque,ficandotrêscontradois.Osdefensores

nãopodemretornar.

Pode­selimitaronúmerodetoquesnabolaporjogador,noataque.

Pode­sedarumtempoparafinalizar.

07 – JOGODE 2 X2 EMCADAMEIAQUADRACOM APROXIMAÇÃODEQUEMESTÁNOATAQUE

Idemaojogoanterior,sóqueumdosjogadoresdoataquepode

aproximar­senasuaquadradefensivaparainiciaroataque.

08–JOGODOSQUADRANTES

Divide­seaquadraemquatropartes.Joga­seumcontraumem

cadaparte.Quemconseguirlivrar­sedoseumarcador,ganhaodireitode

jogaremqualquerpartedaquadra;paraconstruçãodeataquedoiscontra

umetrêscontradois.

09–JOGODO3X1

Jogamtrêscontratrêsnameiaquadradedefesaeumcontraum

nameiaquadradeataque.Quemfazopasseparaoataqueajudaoataque,

ficandodoiscontraum.Define­seofixoeopivô,quedevematuarso­

mentenassuasposições.Osalasterãoafunçãode,quandoretomarema

possedebola,retornaremparasuaquadraparainiciarojogo.

104

JoséRouliendeAndradeJunior

Trocarasfunções.

Definirquequandoumdosalaspassaabolaparaoataque,oseu

marcadorpodeajudaradefesa,eofixoajudaoataque,ficandotrêscon­

tradois.

10–JOGODO4X0

Jogamquatrocontraquatroemmeiaquadra.Oobjetivoécolocar

umabolanoespaçoparaalguémqueseprojetouparaoataque,estefina­

lizacontraogoleiro.

Pode­sevariar.Ojogadorqueestavamarcando,ojogadorquefez

opasse,poderetornarparadefender,equemdeuopasseparaoataque

ajudaoataque,ficandodoiscontraum.

11–GOLZINHOSNAMEIAQUADRA

Jogonormal,cincocontracincoouseiscontraseis;colocam­se trêstravesdeconesnalinhadameiaquadra.Asequipesfazemgolnas travesnormaiscomgoleirose nastravesde cones,no sentido emque atacam.

Pode­sefazerogolduplo.Fezogolnoscones,podetambémfa­

zernogoleiro.

Pode­sefazerpares,paraamarcaçãoindividual.

12–JOGODOPIVÔ

Jogonormalcincocontracincoouseiscontraseis;cadaequipe

teráumpivônaquadradeataque.Parafazergolsobrigatoriamentedeve­

sepassarabolaparaopivô.Opivônãofazgol.

Pode­sefazerpares,paraamarcaçãoindividual.

13–JOGODORABO

Jogonormalcincocontracinco;osjogadoresterãocoletespresos

atrásnocalção.Paraobterapossedebola,osmarcadoresdeverãoroubar

osrabos.Obriga­seajogardefrenteparaoadversárioentrandonabola;a

marcaçãoaaproximar­se.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

105

14–JOGOPARAINTERCEPTARPASSES

Jogonormalcincocontracinco;osmarcadoressópodeminter­

ceptarpasses,nãopodemtiraraboladopédoadversário.Incentiva­sea

fintaparareceberabola,opasseforte,amovimentaçãosembola,bola

nascostasetc.

15 – JOGOPARAINTERCEPTARPASSES,COMDUAS

BOLAS

Idemaoanterior,comumabolaparacadaequipe.

16–JOGO3X3OU4X4EMCADAMEIAQUADRA

Jogamtrêscontratrêsouquatrocontraquatroemcadameiaqua­

dra.Parafazergols,adefesatemquepassarabolaaoataque.Saiuma

boladadefesadecadaequipe.

17–JOGO2X1X1

Saídadetirodemeta,saemdoiscontradois.Nocírculocentral estáumjogadordoataquequepodejogartambémpelasalas.Sereceber a bola,entramumdefensore maisumatacante,ficando o jogo quatro contratrês.Osmarcadoresdasaídadebolaretornam.Seadefesaroubar, entramaisumjogador,ficandoojogoquatrocontraquatro.

18–JOGODAANTECIPAÇÃO

Saiumjogadorcombolaemcimadalinhadaárea,ummarcador atrásdele,da linha de fundo.Quando chegarna linha da meia quadra, deve fazero passe para seu companheiro que está dentro de uma linha

pontilhada(podeserade9m.daquadradehandebol),sóqueesteterá

ummarcador,quepodeantecipá­lo.Seoatacantedominarabola,pode

fazerogoloupassá­laparaseucompanheiro.Seadefesaantecipar,ini­

ciaumjogodedoiscontradois.

Tambémincluem­seosalascommarcação.

106

JoséRouliendeAndradeJunior

19–JOGOPARAVENCERASLINHASDEMARCAÇÃO

Saídadetirodemeta,doiscontradois(linha1),maisdoisjoga­

doresposicionadosnasalas,umemcadalado,próximosàlinhadameia

quadra(linha3).Sereceberemabola,entrammaisdoisjogadoresdefen­

soresqueestão dentro da sua área,iniciando umjogo de quatro contra quatro;osmarcadoresdevemretornar.

20JOGO5X3

Jogamcincocontratrês,oscincotrocandopasseseostrêsmar­

cando.Seroubaremabola,podemfinalizaremqualquermeta.Também

podeserseiscontratrêsetc.

Futsal–Aquisição,InicializaçãoeEspecialização

107

CapítuloXI

PESQUISASEMFUTSAL

Nestecapítuloapresentaremosalgumaspesquisasfeitasemjogos

defutsaldaliganacionalde2004nasdiversasfases.Objetivamoscom

issocaracterizaralgumassituaçõesqueacontecemdentrodosjogos,que

possamcontribuircomostreinamentosdasequipes.

Forampesquisados8jogosdaliganacional2004.

Aspesquisasforamdirecionadasparaasseguintessituações:

Tempodepermanênciadosjogadoresemquadra.

Índicedechuteseondeacontecemosgols.

Situaçõesemqueacontecemosgols.

Usodogoleirolinhaoulinhagoleiro.

Vejamosentão.

TEMPODEPERMANÊNCIADOSATLETASEMJOGO

Nestapesquisaexcluímosogoleiro,considerandoapenasosjo­

gadoresdelinha.

Amédiadepermanênciaemquadrafoide18minutose38se­

gundos.

Omaiortempodepermanênciafoide40minutos,constatado

emdoisjogos.

Omenortempofoide3minutos.Essasvariaçõespodemocor­

reremfunçãode:

Opçãotática;