Sie sind auf Seite 1von 5
MATERIAL DE APOIO Disciplina: Direito Civil Professor: Murilo Sechieri Aulas: 11 e 12 | Data:
MATERIAL DE APOIO
Disciplina: Direito Civil
Professor: Murilo Sechieri
Aulas: 11 e 12 | Data: 24/03/2017
Murilo Sechieri Aulas: 11 e 12 | Data: 24/03/2017 ANOTAÇÃO DE AULA SUMÁRIO DOS FATOS JURÍDICOS

ANOTAÇÃO DE AULA

SUMÁRIO

DOS FATOS JURÍDICOS 8) Fatos 9) Planos de Análise dos Negócios Jurídicos

DOS FATOS JURÍDICOS

8) Fatos

I. Comuns/Jurígenos: aqueles que não geram qualquer consequência jurídica (Exemplo: chuva em alto mar; abrir o olho esquerdo primeiro que o direito ao acordar).

II. Jurídicos ‘lato sensu’ (jurígenos): são os acontecimentos aptos a gerar algum efeito jurídico relevante consistente na criação, extinção, conservação, modificação ou transmissão de uma situação jurídica.

Fatos Jurídicos ‘stricto sensu’: Ocorrem independentemente da atuação humana (Exemplo:

tempestade, decurso do tempo, etc.)

Ato/fato jurídico: são aqueles em que, embora esteja presente a atuação humana, esta é desprovida de vontade juridicamente relevante. Mistura de ato humano com fato da natureza (Exemplo: compra e venda de picolé feita por criança).

Atos jurídicos ‘lato sensu’: são aqueles em que é determinante a vontade humana para sua verificação. Só acontecem graças ao fato de que alguém quis praticar o ato em questão. A vontade é decisiva para que estes fatos aconteçam.

Atos jurídicos ‘stricto sensu’ /Atos meramente lícitos: são aqueles em que a vontade humana é dirigida à prática do ato (só se pratica porque o agente quer praticar), mas os seus efeitos são definidos pela lei, sem qualquer interferência da vontade do agente. (Exemplo:

reconhecimento de filho; mudança de domicílio).

Negócios Jurídicos: são aqueles em que a vontade do agente é dirigida não só à prática, mas em especial à definição dos efeitos jurídicos a serem gerados (Exemplo: definição de juros quando de uma compra).

(Exemplo: definição de juros quando de uma compra). Extensivo Trabalhista CARREIRAS JURÍDICAS Damásio

Extensivo Trabalhista

CARREIRAS JURÍDICAS

Damásio Educacional

o Negócios jurídicos Unilaterais: quando tem uma única vontade (Exemplo: testamento; promessa de recompensa). o

o

Negócios jurídicos Unilaterais: quando tem uma única vontade (Exemplo: testamento; promessa de recompensa).

o

Negócios jurídicos Bilaterais/Plurilaterais: é o conceito de contrato (negócio jurídico bilateral). Bilaterais: quando há duas vontades. Os contratos bilaterais (duas vontades) podem ser unilaterais no sentido de gerar obrigações apenas para um. (Exemplo: doação) Plurilateral: Exemplo: consórcio.

9) Planos de Análise dos Negócios Jurídicos

Escada Pontiana (Pontes de Miranda):

1º Degrau: Existência Jurídica 2º Degrau: Validade Jurídica 3º Degrau: Eficácia Jurídica

1º Degrau - Existência Jurídica:

É aquele que diz respeito aos elementos estruturais constitutivos de uma categoria jurídica, sem os quais ela fica descaracterizada.

Elementos:

1º: Manifestação de Vontade

Observação: a coação absoluta ou violência física, por excluir a vontade, torna o negócio inexistente. Observação: O silêncio pode ser entendido como manifestação de vontade, quando:

a) Houver previsão expressa na lei

b) As circunstâncias ou os usos indicarem neste sentido, desde que a lei não exija manifestação expressa (Exemplo: fornecimento periódico de vegetais. Toda segunda-feira o fornecedor leva, já sem pedidos, ou seja, há costume entre as partes).

Observação: Reserva Mental. É a manifestação de vontade não desejada pelo declarante, com o objetivo de enganar o destinatário; se for de conhecimento dele (destinatário), o negócio é considerado inexistente; se não for conhecida, o negócio existe. (Exemplo: pessoa A pede dinheiro emprestado para B. B afirma que vai emprestar, mas mentalmente diz que não vai pagar o empréstimo. Isso se chama reserva mental)

2º: Agente Emissor da Vontade: Alguma pessoa física, natural ou jurídica, ou até ente despersonalizado (Exemplo:

espólio; condomínio)

3º: Objeto: é a utilidade física ou não, com ou sem valor econômico, sobre a qual dizem respeito os interesses do agente. Não há objeto sem conteúdo.

4º: Forma pela qual a vontade é exteriorizada: pode ser escrita, verbal, etc.

há objeto sem conteúdo. 4º: Forma pela qual a vontade é exteriorizada: pode ser escrita, verbal,

Página 2 de 5

Antes de analisar a validade de algo, analisa-se a existência. 2º Degrau - Validade Jurídica:

Antes de analisar a validade de algo, analisa-se a existência.

2º Degrau - Validade Jurídica:

É a qualidade do negócio que decorre da observância dos requisitos legais de forma e conteúdo e permite que sejam gerados os efeitos programados pelo agente.

Requisitos de Validade:

Manifestação de vontade livre, consciente e isenta de má-fé.

Que o agente seja capaz e legitimado para o ato

Objeto lícito, possível, determinado, determinável.

Forma adequada (prescrita ou não defesa em lei) Artigo 107, CC: em regra, a forma é livre.

Art. 107. “A validade da declaração de vontade não dependerá de forma especial, senão quando a lei expressamente a exigir”.

Salvo disposição em contrário, é exigido instrumento Público para os negócios que versam sobre direitos reais imobiliários, de valor acima de 30 salários mínimos (Exemplo: Criação de hipoteca, servidão predial, etc. são exigidas forma) (Exemplo: contrato de fiança, pacto antenupcial por escritura pública)

Invalidade dos negócios Jurídicos: é a sanção que decorre da inobservância dos requisitos legais.

Há previsão de 02 graus de invalidade:

Nulo

Anulável

Principais diferenças entre NULO e ANULÁVEL:

Quanto à titularidade do interesse que era protegido pela norma que foi violada:

a) Se o interesse era público, haverá nulidade

b) Se particular/privado, haverá anulabilidade

Quanto à possibilidade de reconhecimento de ofício ou alegação do Ministério Público:

a) Nulo admite reconhecimento de ofício ou alegação do Ministério Público

b) Anulável não admite. Depende de alegação pelo prejudicado.

Quanto ao convalescimento pelo decurso do tempo:

a) Nulo não convalesce Exceções:

Processo Civil, em que o decurso do prazo para a Ação Rescisória, acarreta a sanação geral das nulidades.

Civil, em que o decurso do prazo para a Ação Rescisória, acarreta a sanação geral das

Página 3 de 5

 Artigo 1859, CC: decai em 05 anos o direito de impugnar a validade de

Artigo 1859, CC: decai em 05 anos o direito de impugnar a validade de um testamento, a contar de seu registro judicial.

Art. 1.859. “Extingue-se em cinco anos o direito de impugnar a validade do testamento, contado o prazo da data do seu registro”.

b) Anulável considera-se sanado se não for alegado dentro dos prazos decadenciais apontados pela lei. 1ª regra: 04 anos quando:

O vício for a incapacidade relativa do agente;

O motivo for algum dos defeitos do negócio jurídico.

2ª Regra: o prazo será de 02 anos sempre que não houver previsão de prazo diverso.

Quanto à possibilidade de ratificação/confirmação:

a) Nulo não admite

b) Anulável admite Como o nulo não admite confirmação, num contrato de locação firmado com menor incapaz, é preciso um contrato novo, pois este não se renova.

Quanto à natureza e os efeitos da sentença:

a) Nulo – a sentença é declaratória e sua eficácia é ‘ex-tunc’ (retroativa).

b) Anulável a sentença é desconstitutiva com eficácia ‘ex-nunc’ (não retroativa). Os efeitos devem ser preservados.

Hipóteses de Nulidade (artigo 166, CC):

Art. 166. É nulo o negócio jurídico quando:

I - celebrado por pessoa absolutamente incapaz;

II

- for ilícito, impossível ou indeterminável o seu objeto;

III

- o motivo determinante, comum a ambas as partes, for ilícito;

IV

- não revestir a forma prescrita em lei;

V

- for preterida alguma solenidade que a lei considere essencial para

a

sua validade;

VI

- tiver por objetivo fraudar lei imperativa;

VII - a lei taxativamente o declarar nulo, ou proibir-lhe a prática, sem

cominar sanção.

Inciso VII: Nos demais casos expressamente previstos pela lei (nulidades textuais), bem como quando a prática do ato for proibida, mesmo que não tenha sido cominada a sanção (são as nulidades virtuais ou implícitas).

Artigo 167, CC: trata da chamada ‘Simulação’. É a declaração de vontade enganosa com o objetivo de gerar efeitos jurídicos diversos dos que foram declarados ou não gerar qualquer efeito.

com o objetivo de gerar efeitos jurídicos diversos dos que foram declarados ou não gerar qualquer

Página 4 de 5

Espécies de Simulação: Art. 167. “ É nulo o negócio jurídico simulado, mas subsistirá o

Espécies de Simulação:

Art. 167. É nulo o negócio jurídico simulado, mas subsistirá o que se dissimulou, se válido for na substância e na forma.

§

I - aparentarem conferir ou transmitir direitos a pessoas diversas daquelas às quais realmente se conferem, ou transmitem;

II - contiverem declaração, confissão, condição ou cláusula não

verdadeira;

III - os instrumentos particulares forem antedatados, ou pós-datados.

2 o Ressalvam-se os direitos de terceiros de boa-fé em face dos contraentes do negócio jurídico simulado.

§

1 o Haverá simulação nos negócios jurídicos quando:

Simulação Absoluta: quando o negócio tem só aparência, mas não tem conteúdo. O negócio é nulo! (Exemplo: dono de imóveis que deseja ‘vender’ seus bens de forma simulada para outro, a fim de fraudar credores)

Simulação Relativa: quando o negócio simulado (que é nulo) é usado para acobertar o negócio dissimulado que é o efetivamente desejado (que é válido). (Exemplo: pai que tem 03 filhas e quer fazer uma doação para uma delas. Mas acaba fazendo um contrato simulado de compra e venda para acobertar a doação. O imóvel objeto da doação seria trazido à colação após o falecimento do pai e seria dividido entre as 03 filhas)

da doação seria trazido à colação após o falecimento do pai e seria dividido entre as

Página 5 de 5