Sie sind auf Seite 1von 18
Fisiologia Endócrina
Fisiologia
Endócrina

Profa. Letícia Lotufo

Claude Bernard: p ai da endocrinologia

Claude Bernard: p ai da endocrinologia Definiu o termo “milieu intérieur” Endocrinologia – estudo das secreções

Definiu o termo “milieu intérieur”

Endocrinologia – estudo das secreções internas do organismos.

Sistema Endócrino e Homeostasia (Cannon): O conceito que os hormônios possuem alvos distantes onde atuam para

Sistema Endócrino e Homeostasia (Cannon):

O conceito que os hormônios possuem alvos distantes onde atuam para manter a estabilidade do meio interno representou um grande avanço na compreensão da Fisiologia. A secreção dos hormônios ocorre em resposta a uma mudança no meio, afim de manter a homeostasia.

Tipos de sinalização

Tipos de sinalização

Funções principais do sistema endócrino:

• Manutenção d o meio interno (bioquímica do corpo - metabolismo).

• Integração e regulação do crescimento desenvolvimento

e

• Controle

e

manutenção

diferentes

dos

aspectos da reprodução

Definição clássica - H ormôn io

• Regulador químico d a função celular • Sintetizado por células endócrinas ( ? ??) • Liberados na c irculaç ão - t ransporte • Agem em t ecidos alvos • Efeitos fisiológicos importantes para todos o organismo

Sinalização Endócrina

Sinalização Endócrina

Tipos de hormônios

  • Peptídeos/proteínas:

3 a centenas de aas.

Produzidos apartir d e precussores de alto peso molecular.

Compreende a maioria dos hormônios

Peptídeos/proteínas - Síntese

Peptídeos/proteínas - Síntese

Tipos de h ormônios

  • Aminas:

Derivados da tirosina.

Incluem epinefrina, n orepinefrina e hormônios da tireóide.

  • Esteróides:

Derivados do colesterol. Incluem hormônios sexuais e vitamina D

Sintese da catecolaminas

Sintese da catecolaminas
Sintese da catecolaminas

Hormônios da Tiróide

Hormônios da Tiróide

Síntese de esteróides

Síntese de esteróides

Características físico-químicas d os hormônios

 

Hormônios

Hormônios

Características

derivados de

derivados do

Aminoá cidos

Colesterol*

Solubilidade

Hidrofilico

Lipofílico

Circulação no

Livre

Ligado a proteí nas

plasma

Meia-vida no

Curta (minutos)

Longa (horas-dias)

plasma

Concentraç ão no plasma

Muito baixa ( nM ou pM)

Baixa ( µM)

*inclui hormônios da tireoide

Biosíntese dos Hormô nios

 

Hormônios

Hormônios

Características

derivados de

derivados do

Aminoá cidos

Colesterol*

Mé t odos de

A partir de

Via

síntese

polipeptí deos

Multienzimática

Estocagem após

Grânulos

Liberados após a

síntese

secretórios

síntese

Origem

Ectoderme ou

Mesonephric ridge

embriológ ica

endoderme

(gonads, adrenals)

*inclui hormônios da tireoide

Hormônios viajam através da corrente sanguínea

Hormônios viajam através da corrente sanguínea

Mecanismos d e Transportes

• Hormô n ios hidrossolúveis circulam dissolvidos no plasma, e requerem um sistema de 2o. M ensageiros nas células alvo

• Hormô n ios lipossolú veis necessitam um sistema de transporte no plasma, mas podem se d ifundir através da membrana plasmática nas células alvo

A célula-alvo possui receptores para o hormônio

A célula-alvo possui receptores para o hormônio

Mecanismos d e A ç ão d os Hormônios

Características

Hormônios

Hormônios

derivados de

derivados do

Aminoá cidos

Colesterol

Localização do

Membrana externa

Citoplasma ou

receptor no t ecido alvo

da célula

núcleo

Sítio de A ção

Membrana

Núcleo

Mecanismo de

Mudanças na

Mudanças na

ação

membrana com a formação de mensageiros intracelulares

expressão gênica, afetam síntese d e mRNA e proteína

Receptores de Membrana • Receptores acoplados à proteína G (Metabotrópicos) • Receptores canais (i onotrópicos) •

Receptores de Membrana

• Receptores acoplados à proteína G (Metabotrópicos)

• Receptores canais (i onotrópicos) • Receptores Tirosina-quinase

Receptores acoplados à proteína G

Receptores acoplados à proteína G

Receptores acoplados à proteína-G

  • 1. Ativação d o receptor - ligante

  • 2. GTP d esloca G DP

  • 3. Liga/ativa outra proteína (e nzima)

  • 4. Ativa enzima e continua via de sinalizaç ão

Receptores acoplados à proteína-G 1. Ativação d o receptor - ligante 2. GTP d esloca G

Proteina G

+ β Reassociação α β γ Interacão com receptor inativo G TPase α + + Hormônio
+
β
Reassociação
α
β
γ
Interacão com
receptor inativo
G TPase
α
+
+ Hormônio
β
α
β
α
GDP
GDP
γ
GDP
GTP
γ
γ
Proteina G + β Reassociação α β γ Interacão com receptor inativo G TPase α +

Transdução de s inais

• 2os. Mensageiros

– AMPc í clico – IP3 e Diacilglicerol

Secundos mensageiros : A MPc

Secundos mensageiros : A MPc Membrana Plasmática

Membrana Plasmática

Secundos mensageiros : A MPc Membrana Plasmática

AMPcíclico

  • 1. Ativaç ão da A denil ciclase

  • 2. ATP é convertido em AMPc í clico

  • 3. Ativa proteí n a quinase A

AMPcíclico 1. Ativaç ão da A denil ciclase 2. ATP é convertido em AMPc í clico

Receptores acoplados a proteína G – via do AMPc

Receptores acoplados a proteína G – via do AMPc

Receptores acoplados a proteína G – via do IP3 e DAG

Receptores acoplados a proteína G – via do IP3 e DAG

Receptores Tirosina-quinase

Receptores Tirosina-quinase

Receptores Tirosina-quinase

Receptores Tirosina-quinase 1. Dimerização (ligação de 2 r eceptores) 2. Ativação da enzima - Tirosina quinase
  • 1. Dimerização (ligação de 2 r eceptores)

  • 2. Ativação da enzima - Tirosina quinase

  • 3. Adição d e grupos f osfatos

  • 4. Ativação de enzimas

  • 5. Resposta celular

Receptores Tirosina-quinase

Receptores Tirosina-quinase

Receptores Intracelulares

  • 1. Sinal passa através da membrana

  • 2. Liga a proteí nas intracelulares

  • 3. Resposta Celular

Receptores Intracelulares 1. Sinal passa através da membrana 2. Liga a proteí nas intracelulares 3. Resposta

Receptores Intracelulares

Receptores Intracelulares