Sie sind auf Seite 1von 123

Mulher, Sociedade

e Vulnerabilidade
 Patrícia Tuma Martins Bertolin
Denise Almeida de Andrade
Monica Sapucaia Machado
Organizadoras

Editor
Cassiano Calegari

Foto de capa
Jana Maria Brito
Conselho Editorial
Dra. Janaína Rigo Santin
Dr. Edison Alencar Casagranda
Dr. Sérgio Fernandes Aquino
Dra. Cecília Maria Pinto Pires
Dra. Ironita Policarpo Machado
Dra. Gizele Zanotto
Dr. Victor Machado Reis
Dr. Wilson Engelmann
Dr. Antonio Manuel de Almeida Pereira Mulher, Sociedade
Dr. Eduardo Borba Neves
e Vulnerabilidade

Editora Deviant LTDA


Erechim-RS
Rua Clementina Rossi, 585.
CEP: 99704-094
www.editoradeviant.com.br

DEVIANT
EDITORA

Editora Deviant
2017
Copyright © Editora Deviant LTDA

Categoria: Direito

Produção Editorial Sumário


Editora Deviant LTDA

Todos os Direitos Reservados

ISBN
978-85-69114-89-5 PREFÁCIO   11

Impresso no Brasil
Printed in Brazil APRESENTAÇÃO 13

GÊNERO E NORMA: O FEMINISMO EM CHODOROW E


I BUTLER 15
Danielly Passos de Oliveira
CONSIDERAÇÕES INICIAIS ���������������������������������������������������������������������������������15
AS MULHERES E A MATERNIDADE, SEGUNDO NANCY CHODOROW ��������������17
GÊNERO E NORMA EM JUDITH BUTLER �����������������������������������������������������������19
CONSIDERAÇÕES FINAIS �����������������������������������������������������������������������������������23
REFERÊNCIAS ����������������������������������������������������������������������������������������������������26

B546 Bertolin, Patrícia Tuma Martins. TEORIAS FEMINISTAS: O DIREITO COMO


II FERRAMENTA DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL  29
Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade/ Patrícia Vanessa Oliveira Batista Berner
Tuma Martins Bertolin, Denise Almeida de
CONSIDERAÇÕES INICIAIS ���������������������������������������������������������������������������������29
Andrade, Monica Sapucaia Machado - Erechim:
TEORIA CRÍTICA DO DIREITO E AS TEORIAS FEMINISTAS ��������������������������������30
Deviant, 2017.
O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO E A PRÁXIS FEMINISTA ���������������������������������37
247 p. 23 cm. SER MULHER É UMA QUESTÃO POLÍTICA ��������������������������������������������������������41
CONSIDERAÇÕES FINAIS �����������������������������������������������������������������������������������43
ISBN: 978-85-69114-89-5
REFERÊNCIAS ����������������������������������������������������������������������������������������������������44
1. Direito. 2. Condição da mulher I. Título.
MULHER E VULNERABILIDADE NO DIREITO
III BRASILEIRO: UMA QUESTÃO DE SENTIDOS  47
CDD 342.1156
Débora Massmann
Patricia Brasil
CONSIDERAÇÕES INICIAIS ���������������������������������������������������������������������������������48
ACESSO À JUSTIÇA E ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NO
ENTREMEIO ANALÍTICO: O JURÍDICO E O DISCURSIVO  ����������������������������������50
VI JUDICIÁRIO: O CASO PROPAGANDA “MUSA DO VERÃO
DA MEMÓRIA DISCURSIVA DE E SOBRE A MULHER �����������������������������������������53
2006” 99
CONSIDERAÇÕES FINAIS �����������������������������������������������������������������������������������60
Maria Cecília de Araujo Asperti
REFERÊNCIAS  ���������������������������������������������������������������������������������������������������61
CONSIDERAÇÕES INICIAIS ���������������������������������������������������������������������������������99
O SISTEMA DE JUSTIÇA E AS MULHERES ������������������������������������������������������101
A TRAJETÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA IGUALDADE NAS
IV RELAÇÕES DE GÊNERO NO BRASIL: AS EMPREGADAS A POSTURA DO JUDICIÁRIO ANTE A PERPETUAÇÃO DE ESTEREÓTIPOS
DE GÊNERO: O CASO DA MUSA DO VERÃO ���������������������������������������������������105
DOMÉSTICAS 65
CONSIDERAÇÕES FINAIS ���������������������������������������������������������������������������������116
Hildete Pereira de Melo
REFERÊNCIAS ��������������������������������������������������������������������������������������������������117
Cristiane Soares
Lourdes Maria Bandeira
A NECESSIDADE DE SUPERAÇÃO DAS POSIÇÕES
CONSIDERAÇÕES INICIAIS ���������������������������������������������������������������������������������66 VII DICOTÔMICAS SOBRE O FEMINICÍDIO NO BRASIL:
A CONSTRUÇÃO E A FORMALIZAÇÃO DOS DIREITOS DOS REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS  119
TRABALHADORES DOMÉSTICOS BRASILEIROS A PARTIR DOS ANOS
1940: UMA VISÃO GERAL �����������������������������������������������������������������������������������66 Denise Almeida de Andrade

AS RELAÇÕES DE DESIGUALDADE E O TRABALHO DOMÉSTICO Monica Sapucaia Machado


REMUNERADO ����������������������������������������������������������������������������������������������������72 Humberto César Temoteo Ribeiro
A EVOLUÇÃO DO EMPREGO DOMÉSTICO NO BRASIL E OS IMPACTOS CONSIDERAÇÕES INICIAIS �������������������������������������������������������������������������������120
DA “PEC DAS DOMÉSTICAS” NA FORMALIZAÇÃO DA CATEGORIA ������������������73
BREVES NOTAS SOBRE A EXPERIÊNCIA DE TIPIFICAÇÃO DO
IGUALDADE NAS RELAÇÕES DE GÊNERO: UM PROCESSO EM FEMINICÍDIO: UMA REFLEXÃO SOBRE O CASO DE CIUDAD JUAREZ -
CONSTRUÇÃO? ��������������������������������������������������������������������������������������������������80 MÉXICO  ������������������������������������������������������������������������������������������������������������121
CONSIDERAÇÕES FINAIS �����������������������������������������������������������������������������������81 CONCEITO E ESCLARECIMENTOS ACERCA DAS QUALIFICADORAS
REFERÊNCIAS  ���������������������������������������������������������������������������������������������������82 NO DIREIRO PENAL BRASILEIRO: UMA REFLEXÃO INICIAL SOBRE A
QUALIFICADORA DO FEMINICÍDIO  ������������������������������������������������������������������126
A URGÊNCIA DE SE SUPERAR ANÁLISES DICOTÔMICAS: LIMITAÇÕES
O TRABALHO FEMININO NA ERA GLOBALIZADA:
V RITMO INTENSIFICADO E PRECARIZAÇÃO  85
E CONTRIBUIÇÕES DA QUALIFICADORA DO FEMINICÍDIO PARA O
ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER ������������������������������������129
Patrícia Tuma Martins Bertolin CONSIDERAÇÕES FINAIS ���������������������������������������������������������������������������������133
Marilu Freitas REFERÊNCIAS ��������������������������������������������������������������������������������������������������134
CONSIDERAÇÕES INICIAIS ���������������������������������������������������������������������������������86
A GLOBALIZAÇÃO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS SOBRE O A IGUALDADE DE GÊNERO E A DESDIFERENCIAÇÃO
TRABALHO ����������������������������������������������������������������������������������������������������������86 VIII DOS SISTEMAS SOCIAIS NO ISLÃ: O ESTIGMA DA
UMA NOVA DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO? ��������������������������������������������������88 MULHER OPRIMIDA NO PANORAMA DOS DIREITOS
HUMANOS 137
DELINEAMENTOS DO TRABALHO FEMININO NA ERA GLOBALIZADA ��������������89
Tarin Cristino Frota Mont’Alverne
TERCEIRIZAÇÃO: PALAVRA FEMININA ���������������������������������������������������������������91
Silvana Paula Martins de Melo
CONSIDERAÇÕES FINAIS �����������������������������������������������������������������������������������95
CONSIDERAÇÕES INICIAIS �������������������������������������������������������������������������������138
REFERÊNCIAS ����������������������������������������������������������������������������������������������������95
O ISLÃ E AS ASSIMETRIAS NA MATERIALIZAÇÃO DO ALCORÃO:
DESDIFERENCIAÇÃO DOS SISTEMAS SOCIAIS  ����������������������������������������������142
DIREITOS HUMANOS COMO PROCESSOS DE LUTA À
IGUALDADE DE GÊNERO E ISLÃ NO PANORAMA DOS DIREITOS
HUMANOS ��������������������������������������������������������������������������������������������������������147
XI LUZ DA TEORIA CRÍTICA DO DIREITO: APORTES PARA
CONSIDERAÇÕES FINAIS ���������������������������������������������������������������������������������152 O ENFRENTAMENTO DA INVISIBILIDADE SOCIAL DE
COMUNIDADES ISOLADAS  197
REFERÊNCIAS ��������������������������������������������������������������������������������������������������153
Denise Almeida de Andrade
Roberta Laena Costa Jucá
A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA MULHERES E MENINAS
IX EM CONFLITOS ARMADOS E GENOCÍDIOS: O CASO CONSIDERAÇÕES INICIAIS �������������������������������������������������������������������������������198
DAS MENINAS YAZIDIS  157 INVISIBILIDADE E DISCRIMINAÇÃO EM COMUNIDADES ISOLADAS DO
SERTÃO CENTRAL DO CEARÁ �������������������������������������������������������������������������199
Flávio de Leão Bastos Pereira
A TEORIA CRÍTICA DOS DIREITOS HUMANOS EM HERRERA FLORES: OS
CONSIDERAÇÕES INICIAIS �������������������������������������������������������������������������������158
PROCESSOS DE LUTA POR DIGNIDADE  ���������������������������������������������������������201
O CORPO DA MULHER: IMPUREZA, DOMÍNIO E EXTERMÍNIO ������������������������160
EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS E ASSESSORIA JURÍDICA
OS YAZIDIS �������������������������������������������������������������������������������������������������������166 POPULAR: CAMINHOS PARA A CONCRETIZAÇÃO DOS PROCESSOS
CULTURAIS DE LUTA ����������������������������������������������������������������������������������������206
ESTUPROS DE GUERRA E ESTUPROS GENOCIDAS (WAR RAPES E
GENOCIDAL RAPES) ���������������������������������������������������������������������������������������170 CONSIDERAÇÕES FINAIS ���������������������������������������������������������������������������������208
O ESTABELECIMENTO DE PADRÕES DE COMPORTAMENTO BASEADOS REFERÊNCIAS ��������������������������������������������������������������������������������������������������209
NO GÊNERO E OS RISCOS DAÍ DECORRENTES - GENDERCIDE ������������������174
CONSIDERAÇÕES FINAIS ���������������������������������������������������������������������������������178
MEGAEMPREENDIMENTOS E IMPACTOS
REFERÊNCIAS ��������������������������������������������������������������������������������������������������182 XII SOCIOAMBIENTAIS: MULHERES, CRIANÇAS E
ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE  211
O DIREITO INTERNACIONAL DOS REFUGIADOS E AS Solange Teles da Silva
X QUESTÕES RELACIONADAS À VIOLÊNCIA DE GÊNERO: Jana Maria Brito
CONTRIBUIÇÕES DA CONVENÇÃO DE ISTAMBUL NA
Nathalia Lima
PROTEÇÃO DE MULHERES E CRIANÇAS REFUGIADAS  185
CONSIDERAÇÕES INICIAIS �������������������������������������������������������������������������������212
Tarin Cristino Frota Mont’Alverne
MEGAEMPREENDIMENTOS NA AMAZONIA, MULHERES, CRIANCAS E
Ana Carolina Barbosa Pereira Matos
ADOLESCENTES: POR QUE DEVEMOS DISCUTIR ESSAS QUESTÕES? 
CONSIDERAÇÕES INICIAIS �������������������������������������������������������������������������������186 ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������213
O DIREITO INTERNACIONAL DOS REFUGIADOS E A PROTEÇÃO DE IMPACTOS, INTERSECCIONALIDADE E VULNERABILIDADE ����������������������������216
MULHERES E MENINAS ������������������������������������������������������������������������������������188
PROTAGONISMO EM PROL DA MITIGAÇÃO DE IMPACTOS
A NECESSIDADE DE PROTEÇÃO DIFERENCIADA DAS MULHERES SOCIOAMBIENTAIS  ������������������������������������������������������������������������������������������222
PELO DIREITO INTERNACIONAL DOS REFUGIADOS: A CONVENÇÃO DE
CONSIDERAÇÕES FINAIS ���������������������������������������������������������������������������������224
ISTAMBUL NO CONTEXTO EUROPEU ��������������������������������������������������������������191
REFERÊNCIAS ��������������������������������������������������������������������������������������������������225
CONSIDERAÇÕES FINAIS ���������������������������������������������������������������������������������194
REFERÊNCIAS ��������������������������������������������������������������������������������������������������195
AS DEFICIÊNCIAS DA RESPONSABILIDADE
XIII CIVIL COMO FATOR DE AGRAVAMENTO DA
VULNERABILIDADE AMBIENTAL  227
Germana Parente Neiva Belchior
Diego de Alencar Salazar Primo
CONSIDERAÇÕES INICIAIS �������������������������������������������������������������������������������228
10 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Prefácio - 11
PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR
DANO AMBIENTAL �������������������������������������������������������������������������������������229
A FUNÇÃO PREVENTIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL
AMBIENTAL E A DESEJÁVEL PRODUÇÃO DE EFEITO DISSUASÓRIO
(DETERRENCE) �����������������������������������������������������������������������������������������232
Prefácio
VULNERABILIDADE AMBIENTAL, COMPLEXIDADE E RISCO:
RELAÇÃO COM A RESPONSABILIDADE CIVIL  �����������������������������������������238
CONSIDERAÇÕES FINAIS ��������������������������������������������������������������������������240
REFERÊNCIAS �������������������������������������������������������������������������������������������242 Não há como pensar em uma sociedade Justa sem olhar para o outro, para o
outro e seu entorno, para o outro e sua condição. Este é um livro sobre o outro, os
outros, nós todos e como vivemos. Os estudos aqui apresentados problematizam
as condições da existência em situação de vulnerabilidade e defendem, através da
afirmação, garantia e concretização dos direitos humanos fundamentais, o reco-
nhecimento desses grupos. Nesse percurso, o acúmulo das terias feministas, bem
como dos estudos de gênero são muito benvindos porque permitem sair do lugar
tradicional do Direito e avançar em um reflexão muito menos linear, mais muito
mais colorida, complexa e cheia de possibilidades.
Os estudos de gênero e o acúmulo herdados das diferentes perspectivas da
teoria feminista permitem não só pensar nas condições em que vivem as mulheres,
em especial no Brasil, mas antes, nos fazem refletir sobre a sociedade que estamos
construindo e como naturalizamos papéis, especialmente os de gênero.
A importância desse debate pode ser constatada quando observamos, por
exemplo, que em 2010, a ONU criou a ONU Women, uma agência exclusiva para
o empoderamento da mulher e a igualdade de gênero. Renomados centros univer-
sitários dos Estados Unidos e da Europa contam com programas específicos para
estudar os mais variados temas sobre gênero, desde identidade sexual, passando
por direitos trabalhistas até representatividade democrática. Harvard e Yale contam
com departamentos com graduação e pós-graduação em mulher, gênero e sexua-
lidade; Oxford conta com um mestrado em estudos de gênero; a Universidade de
Salamanca tem um Centro de Estudos da Mulher, assim como a Sorbonne, que
tem um departamento interdisciplinar em estudos de gênero.
No Brasil há importantes espaços acadêmicos vinculados a essa temática. A
Universidade Federal da Bahia conta com um programa de Pós-Graduação em Es-
tudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo, que titula mestras/
es e doutoras/es e a Universidade Federal de Santa Catarina, conta com o Núcleo
de Identidades de Gênero e Subjetividades. O Núcleo de Estudos de Gênero Pagu,
da Unicamp é sempre referência quando pensamos nos estudos de gênero, dentre
outros.
Pontuo esses exemplos para reafirmar a importância de abrir cada vez mais
espaço para pensar as questões de gênero e fazer conhecer o poderoso quadro teó-
rico que lhe dá sustentação e que não está restrito à análise exclusiva dos fatores da
desigualdade feminina, mas que permite questionar também a forma como cons-
truímos a ciência e o direito.
12 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Apresentação - 13
Assim, a relevância dessa obra não está apenas na fundamental apresentação
do debate contemporâneo de gênero, mas sim na relação deste marcador social e
a condição de vulnerabilidade decorrente da violação sistemática de direitos a que
estão submetidas a grande maioria das mulheres brasileiras e suas crianças. Para
além das violências de gênero, os trabalhos aqui apresentados olham também para Apresentação
circunstâncias de violência e vulnerabilidade ainda bastante invisibilizadas como a
precarização das condições de trabalho às quais as mulheres estão sujeitas; a opres-
são causada por um meio ambiente desequilibrado; a dificuldade de acesso aos
meios de justiça e igualdade social. A situação das mulheres que vivenciam conflitos O grupo de pesquisa (CNPq) “Mulher, Sociedade e Direitos Humanos”, vin-
armados e das mulheres refugiadas aqui também é olhada com atenção. culado ao Programa de Pós-Graduação em Direito Político e Econômico da Uni-
A condição humana de vulnerabilidade é cuidadosamente observada nos ar- versidade Presbiteriana Mackenzie, realizou em 15 de março de 2017 o I Ciclo de
tigos que compõem esse livro e que caminham entre o direito, a psicologia, a lin- Debates Mulher, Direitos Humanos, Sociedade e Vulnerabilidade, ponto de partida
guística, a economia, o meio ambiente, tecendo uma obra que oferece a todos nós para a organização deste e-book.
a possibilidade de pensar a realidade de forma ampla. Quando entendemos que a Entendemos que os estudos acadêmicos têm que cada vez mais se aproximar
realidade é uma construção social, fica mais fácil termos esperanças para enfrentar da realidade, e por meio da consolidação de parcerias entre pessoas, experiências e
os desafios que nos são colocados para que possamos ter uma sociedade cada vez instituições acreditamos que conseguiremos avançar na redução das vulnerabilida-
mais justa, mais igualitária, mais saudável, mais democrática. des, às quais grande parte da população brasileira está submetida.
Convido todas/os a se debruçarem sobre os trabalhos desses pesquisadores e Diante disto, à compilação das contribuições dos expositores do evento de 15
pesquisadoras que nos ofertam reflexões valiosas e dedicam seus estudos a desbra- de março, adicionamos, com extrema alegria, textos de pesquisadoras(es) e profes-
var os meandros da construção social das desigualdades. A vulnerabilidade não é soras(es) de diversas searas do conhecimento e atuação. O resultado é uma interes-
um problema do outro, mas todas/os nós. Boa leitura! sante reflexão sobre teorias feministas, o papel do Direito na regulação das relações
sociais, da violência contra a mulher, dos desafios dos processos migratórios no
século XXI e das consequências da vulnerabilidade do meio ambiente urbano e
Andréa Depieri
natural.
Professora do Departamento de Direito Os artigos dialogam entre si, mantendo, sempre, a independência das ideias
da Universidade Federal de Sergipe das(os) autoras(es) e de seus achados de pesquisa.
Há textos preponderantemente teóricos, como o de Danielly Passos de Oli-
veira sobre “Gênero e Norma: o Feminismo em Chodorow e Butler”, o de Vanessa
Oliveira Batista Berner, sobre “As Teorias Feministas: o Direito como ferramenta
de transformação social” e o de Patricia Brasil e Débora Massmann “Mulher e vul-
nerabilidade no Direito brasileiro: uma questão de sentidos”.
Outros, assumem a perspectiva de concretização de direitos como o artigo de
Hildete Pereira de Melo, Cristiane Soares e Lourdes Maria Bandeira, intitulado “A
trajetória da construção da igualdade nas relações de gênero no brasil: as emprega-
das domésticas”; a contribuição de Patrícia Bertolin e Marilu Freitas, “O trabalho
feminino na era globalizada: ritmo intensificado e precarização”. Ainda neste es-
copo, e mais voltados à realidade da norma, do Direito e do Poder Judiciário, dois
artigos: o de Maria Cecília Asperti, com o título “Acesso à justiça e estereótipos
de gênero no Judiciário: o caso propaganda ‘musa do verão 2006’; e o de Deni-
se Almeida de Andrade, Monica Sapucaia Machado e Humberto César Temóteo
Ribeiro que trataram sobre “A necessidade de superação das posições dicotômicas
sobre o feminicídio no brasil: reflexões introdutórias”.
14 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo I - 15

Algumas(ns) autoras(es) voltam-se ao cenário internacional. Tarin Mont´Al-


verne e Silvana Melo abordam a “A igualdade de gênero e a desdiferenciação dos

I
sistemas sociais no Islã: o estigma da mulher oprimida no panorama dos Direitos
Humanos”; Flávio de Leão Bastos Pereira enfrenta “A violência sexual contra mu-
lheres e meninas em conflitos armados e genocídios: o caso das meninas Yazidis”;
e “O direito internacional dos refugiados e as questões relacionadas à violência de
gênero: contribuições da convenção de istambul na proteção de mulheres e crianças
refugiadas” é a contribuição de Tarin Mont´Alverne e Ana Carolina Matos. GÊNERO E NORMA: O FEMINISMO
Encerrando a compilação temos os artigos de Denise Almeida de Andrade
e Roberta Laena Costa Jucá “Direitos Humanos como processos de luta à luz da EM CHODOROW E BUTLER1
Teoria Crítica do Direito: aportes para o enfrentamento da invisibilidade social de
comunidades isoladas”; de Solange Teles, Jana Maria Brito e Nathalia Lima “Me-
gaempreendimentos e impactos socioambientais: mulheres crianças e adolescentes
em situação de vulnerabilidade”; e de Germana Belchior e Diego Primo sobre “As Danielly Passos de Oliveira
deficiências da responsabilidade civil como fator de agravamento da vulnerabilidade Psicóloga clínica. Mestre em Literatura Brasileira pela Universidade Fe-
ambiental”, contribuindo para as reflexões sobre meio ambiente e vulnerabilidade. deral do Ceará. Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do
Ceará e pela Université Paris 7, Pós-doutoranda em Psicologia, no Núcleo
É louvável o caráter interdisciplinar da obra, que se diferencia da maior parte
de Investigações em Psicanálise da Universidade de São Paulo (USP).
dos trabalhos produzidos na área do Direito, mesmo quando lançamos o olhar para
as obras coletivas.
Agradecemos, sinceramente, as valiosas contribuições aqui mencionadas e de- Resumo: Este trabalho consiste numa pesquisa sobre o conceito de gênero, fundamentada
nas teorias de Nancy Chodorow e de Judith Butler. Nosso objetivo é mostrar como o gênero
sejamos uma ótima leitura.
constitui uma norma social que organiza os processos de subjetivação, sendo incorporada às
práticas cotidianas como algo “natural” e “necessário”. Desse modo, o gênero convenciona
um modo de ser e de perceber o mundo, dividido segundo uma lógica binária entre uma
Patrícia Tuma Martins Bertolin
forma masculina e uma forma feminina. Tal lógica implica e naturaliza uma divisão sexual
do trabalho: cabendo aos homens ocupar o espaço público e às mulheres - mesmo que
Denise Almeida de Andrade
atualmente também ocupem o espaço público – responsabilizar-se por todas as tarefas e
Mônica Sapucaia Machado atribuições do espaço doméstico.

Palavras-chave: Gênero. Percepção. Masculino. Feminino.

1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Este artigo tem por objetivo examinar como o conceito de gênero pode ser
compreendido como uma norma social e de que modo ele é incorporado pelos
sujeitos em suas práticas cotidianas e em suas formas de perceber e de organizar o
mundo. Para tanto, fundamentamos nossa análise nos constructos teóricos de duas
autoras: Nancy Chodorow e Judith Butler.
Para se trabalhar com o conceito de gênero, é necessário partir de uma aborda-
gem histórica. De acordo com Joan Scott (1995), o termo “gênero” foi inicialmente

1  GENDER AND NORM: THE FEMINISM IN CHODOROW AND BUTLER


16 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo I - 17

utilizado pelas feministas americanas para enfatizar o aspecto fundamentalmente (1995) não menciona Butler como uma pesquisadora pós-estruturalista importante
social das distinções baseadas no sexo. O objetivo era o de pontuar a necessidade de para os estudos de gênero porque a publicação do seu texto: “Gender: a useful cate-
incluir os homens, ao se pensar sobre as mulheres. Ou seja, de utilizar o conceito de gory of historical analisys” ocorre nos Estados Unidos em 1986. Posteriormente, esse
gênero para se referir à dimensão essencialmente relacional dos papéis atribuídos texto foi traduzido para o português como: “Gênero: uma categoria útil para a aná-
aos homens e às mulheres na sociedade. lise histórica”. O texto de Scott ao qual nos referimos é, portanto, anterior ao apare-
Em seu uso recente mais simples, o termo gênero é sinônimo de “mulheres”. cimento da obra que provocará uma mudança no modo como o gênero é teorizado
Contudo, numa acepção mais aprofundada, o gênero se torna uma maneira de se pelas ciências humanas e problematizado pelo feminismo: “Gender trouble: feminism
referir às maneiras pelas quais as identidades subjetivas de homens e de mulhe- and subversion of identity”, traduzido para o português como: “Problemas de gênero:
res são construções sociais, frutos de uma coerção social sobre um corpo sexuado feminismo e subversão da identidade” foi publicado nos Estados Unidos em 1990.
(SCOTT, 1995, p. 7). Nesse caso, o gênero pode incluir o sexo, mas não é direta- Partindo de uma concepção do gênero como um conceito complexo que tra-
mente determinado por ele. fega entre diversos campos do saber, nosso objetivo é tentar compreender de que
Ainda segundo Scott (1995), existem três posições teóricas distintas sobre o modo o gênero se constitui como uma norma incorporada pelos sujeitos em suas
gênero. Primeiro, a autora menciona as teóricas do patriarcado, que enfatizam a práticas cotidianas e em suas percepções de si próprios e dos outros. Para tanto,
subordinação das mulheres aos homens, tendo na reprodução o apogeu da alienação iremos nos fundamentar em dois aportes teóricos distintos: nas elaborações tecidas
do corpo feminino. A crítica tecida a essa posição consiste no fato dela concentrar por Nancy Chodorow no livro “Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud
sua análise na diferença física entre homens e mulheres, o que aponta para um a partir da mulher”, publicado nos Estados Unidos em 1978 e na concepção de
essencialismo, além de não procurar explicar de que maneiras a desigualdade de gênero desenvolvida por Judith Butler. Esses dois referenciais teóricos nos servirão
gênero se relaciona com outras desigualdades, como as econômicas, por exemplo. de fundamento para buscar respostas para a seguinte pergunta: como o gênero se
A segunda posição teórica mencionada por Scott abrange o campo das pes- constitui enquanto uma norma social incorporada pelos sujeitos em suas formas de
quisas marxistas. Nele, se situam as pesquisadoras marxistas que, ao mesmo tempo perceber o mundo e a si mesmos e de organizar suas práticas cotidianas? Para bus-
em que rejeitam o essencialismo, destacam a importância de considerar o patriar- car respostas para esta questão, realizamos uma pesquisa bibliográfica voltada para a
cado e o capitalismo como sistemas separados, embora em permanente interação. análise do conceito de gênero na teoria de Nancy Chodorow e na de Judith Butler.
Para Scott (1995), as teóricas do marxismo, no entanto, falham ao não conseguir Procuraremos mostrar em que aspectos as duas autoras se aproximam e no que elas
explicar as razões pelas quais os sistemas econômicos não determinam diretamen- divergem no que se refere à forma como definem o conceito de gênero enquanto
te as relações de gênero, haja vista que a subordinação das mulheres é anterior ao uma norma social.
capitalismo. Além disso, nessa posição, o gênero é abordado como uma espécie de
subproduto das estruturas econômicas.
A terceira posição teórica consiste na teoria das relações de objetos (na qual
2. AS MULHERES E A MATERNIDADE,
se destaca Nancy Chodorow) e nas teorias pós-estruturalistas (que, para Scott, são
representadas pela psicanálise lacaniana). Segundo Scott (1995), a teoria das rela- SEGUNDO NANCY CHODOROW
ções de objeto dá ênfase à divisão do trabalho existente na família, e apresentaria
como limitação exatamente esse aspecto: o de restringir a construção do gênero à Nancy Chodorow, nascida em 1944 nos Estados Unidos, é socióloga, psi-
esfera familiar, sem explicar como a sociedade se imprime nas formas de organiza- canalista, além de uma autora feminista bastante respeitada. Chodorow publicou
ção familiar. diversos livros e artigos. Dentre eles, o que causou maior repercussão no campo dos
Em relação às teorias pós-estruturalistas, Scott as define como estando an- estudos de gênero foi o livro: “The reproduction of mothering - psychoanalysis and the
coradas num construtivismo radical: onde a linguagem é erigida como o princípio sociology of gender”, de 1978, publicado no Brasil com o título: “Psicanálise da ma-
a partir do qual se constituem as subjetividades. Para a psicanálise lacaniana, o ternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher”. É sobre esta obra que voltaremos
masculino e o feminino não são características fixas - inerentes aos sujeitos - mas nossa atenção.
identificações instáveis. No entanto, adverte Scott, os lacanianos falharam ao se Segundo Nancy Chodorow, o fato das mulheres não apenas gerarem os filhos,
concentram em demasia na dimensão intrapsíquica. Além disso, certos conceitos mas assumirem a responsabilidade inicial pelos cuidados com a criança constitui
desenvolvidos por Lacan podem ser tomados numa perspectiva a-histórica, univer- um dos poucos aspectos universais e duráveis da divisão do trabalho entre os sexos
salizante, levando a uma “naturalização” de determinados aspectos da relação entre (1990, p. 17). No entanto, adverte a autora, a tarefa de cuidar das crianças é atribuí-
o masculino e o feminino. Tal crítica será aprofundada por Judith Butler. Scott da às mulheres não porque haja alguma característica intrínseca ao psiquismo femi-
18 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo I - 19

nino que torne as mulheres mais propensas a exercer um papel emocional dentro e Segundo Chodorow, a maternação das mulheres deve ser compreendida como
fora da esfera familiar. Não se trata da existência de uma “natureza” feminina volta- um elemento que se integra à organização social do gênero, sendo fundamental
da para o outro, mas sim de uma reprodução da maternação enquanto um elemento para a manutenção dessa organização. Nesse sentido, maternar transcende a von-
central de organização e de reprodução social do gênero. Nas palavras da autora: tade individual das mulheres, uma vez que existe um sistema econômico que se
mantém porque o trabalho reprodutivo encontra-se associado às mulheres e não
aos homens.
O argumento biológico em favor da maternalidade das mulheres baseia-se Chodorow enfatiza que a reprodução da maternação constitui um processo
em fatos que decorrem não do nosso conhecimento biológico, mas de nossa
educativo que se inicia na primeiríssima infância (1990, p. 81). Nesse processo,
definição da situação natural tal qual ela surge de nossa participação em cer-
tos arranjos sociais. O fato de que as mulheres tenham um intenso e quase entram em jogo não apenas elementos psicológicos que se desdobram na dinâmica
exclusivo papel materno deve-se a uma transposição social e cultural das suas da identificação entre mãe e filha ou, por outro lado, na necessidade do filho de se
capacidades de dar à luz e amamentar. Não é assegurado ou causado por essas afastar da mãe para se identificar como menino, mas também questões referentes
próprias capacidades (CHODOROW, 1990, p. 50). ao alheamento dos homens do cotidiano das crianças e da casa (o que leva alguns
meninos a se identificar com figuras hiper-masculinas: investidas de muita vio-
lência, de muito poder e de nenhuma capacidade de cuidado). Para Chodorow, a
A crítica tecida por Chodorow a uma ideia de natureza feminina circunscrita reprodução da maternação constitui e, mais do que isso, naturaliza uma norma de
e definida pelo corpo das mulheres é uma resposta àquilo que Foucault (1988) gênero em que as funções das mulheres são basicamente familiares: relacionadas
chamou de histerização do corpo da mulher. Um processo que, segundo ele, se aos vínculos pessoais e afetivos. Do lado oposto, os homens estariam “destinados”
consolidou durante o século XIX e teve como característica o esquadrinhamento a habitar o espaço público, a executar funções não familiares, a serem indivíduos
do corpo feminino a partir da articulação de uma série de saberes: médicos, morais, desobrigados do cuidado.
pedagógicos. Enquanto corpo saturado de sexualidade (histérico, necessitado de um
homem), o corpo das mulheres burguesas foi capturado pela medicina. Enquanto
corpo reprodutor, ele se tornava um corpo social: voltado para a missão de fazer das
crianças os futuros cidadãos de uma nação em crescimento. Enquanto reprodutora 3. GÊNERO E NORMA EM JUDITH BUTLER
ainda, a mulher era aproximada, pelos discursos religiosos, da imagem de Maria, a
mãe abnegada que se aproximava da santidade. Nesse sentido, a mulher, no século Judith Butler, nascida nos Estados Unidos, em 1956, é uma filósofa pós-es-
XIX, passou a ser definida por algo que se produzia em seu corpo, em sua natureza: truturalista considerada, atualmente, uma das principais referências, tanto para os
a maternidade (e todas as atribuições decorrentes do fato de ser mãe) se tornou a estudos de gênero quanto para o feminismo. Em seu livro “Gender trouble:feminism
principal identidade feminina das mulheres burguesas nas sociedades ocidentais and the subversion of identity”, publicado em 1990 - cujo título da edição brasileira
modernas (FOUCAULT, 1988, p. 99). é “Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade” -, Butler se ancora
Para Chodorow, no entanto, a maternação – que a autora define como o ato na psicanálise para dialogar e criticar o sujeito do feminismo, desenvolvendo uma
de cuidar das crianças – transcende a maternidade e não é um processo natural, concepção original de gênero, e da relação mantida entre sexo e gênero, ou entre os
mas fruto de uma educação contínua recebida pelas meninas desde a mais tenra conceitos de natureza e cultura.
infância. De acordo com Chodorow, se numa sociedade apenas as mulheres mater- Segundo Butler (2003, p. 17), há um equívoco na teoria feminista que ocorre
nam, isso implica uma divisão sexual do trabalho que é inegavelmente desigual e já na constituição do sujeito para o qual a representação política pretende se voltar.
desfavorável para as mulheres: Na constituição da categoria “mulheres”, o movimento feminista partiria do pres-
suposto de que existe uma unidade, uma identidade capaz de reunir e, em última
instância, representar esse conjunto tão disperso e tão profundamente variado de
Cuidar de crianças, como ocupação não paga, fora do mundo do poder públi- sujeitos. Para Butler (2003, p. 21) é difícil superar a ideia de que as mulheres podem
co, acarreta status inferior, menos poder e menos controle dos recursos que o
se reunir numa coletividade uma vez que compartilham a “feminilidade”. Supor
trabalho pago. A maternação das mulheres efetiva e perpetua a relativa falta
que as mulheres são igualmente submetidas à dominação dos homens ou que as
de poder das mulheres (CHODOROW, 1990, p. 52).
mulheres podem ser agrupadas em torno da feminilidade implica, segundo Butler,
exercitar um pensamento totalmente descontextualizado e separado de outras im-
portantes relações de poder, tais como: classe, etnia, contexto histórico e cultural,
20 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo I - 21

etc (1990, p. 21). Assim, explicita a autora, se alguém “é” uma mulher, isso certamente siderando o sexo como um elemento da natureza e o gênero como um elemento
não é tudo o que esse alguém é (1990, p. 20). da cultura. Se os corpos são, desde o início, significados pelo gênero, isso não quer
Para Butler, a tarefa política do feminismo contemporâneo não seria a de recu- dizer que todas as significações de gênero sejam possíveis. Tomando o gênero como
sar a política representacional, mas, fundamentalmente, a de repensar as construções um aparato, ou melhor, como uma norma, Butler (2004) enfatiza que algumas con-
ontológicas de identidade na prática da política feminista (1990, p. 22). E quais seriam figurações de gênero são consideradas socialmente legítimas, enquanto outras não
as consequências disso? Para responder tal questão Butler se propõe a realizar uma alcançam legitimidade social.
genealogia feminista da categoria mulheres. Ou seja, fundamentada em Foucault As configurações de gênero possíveis – legítimas - formam os chamados “gê-
(1989, 2000, 2003), ela pretende investigar as operações políticas que deram origem neros inteligíveis”, os quais instituem uma relação de coerência e de continuidade
e que garantem a consistência do sujeito do feminismo. Para Butler (2003), não há entre sexo, gênero, prática sexual e desejo. Butler, retomando Foucault (1988), abor-
sentido em manter uma ideia de representatividade que se sustenta por exclusão: da o processo de produção de uma verdade sobre o sexo que, nas sociedades ociden-
expulsando da categoria “mulheres” todos os sujeitos que, por quaisquer razões, não tais, desde o século XIX, passa pela normatização dos desejos. Nesse processo de
consigam ou se recusem a se adequar às exigências normativas implícitas na defini- normatização é instituída a heterossexualização dos desejos, que requer e institui a
ção do sujeito “mulher”. produção de oposições discriminadas e assimétricas entre “feminino” e “masculino”,
De acordo com Butler, para compreendermos esse processo complexo de pro- em que estes são compreendidos como atributos expressivos de “macho” e “fêmea”
dução de sujeitos enquanto mulheres ou enquanto homens é preciso investigar a (BUTLER, 2003, p. 38-39).
relação estabelecida entre sexo e gênero. Nessa relação, o sexo representaria a di- Para Butler, é através da regulação binária da sexualidade que se suprime toda
mensão biológica - a realidade dos corpos - e o gênero, a interpretação cultural e va- a multiplicidade subversiva da sexualidade. Tal supressão tem como consequência o
riável “recebida” por esses corpos. Para Butler, conceber que existe um sexo natural a aprisionamento da sexualidade no modelo hegemônico heterossexual, reprodutivo,
ser traduzido posteriormente pelo gênero é um efeito do sistema binário de gêneros ordenado pelos saberes médicos e jurídicos (2003, p. 41). O gênero funcionaria,
sobre o qual se organizam as sociedades ocidentais, ancoradas no sistema da hete- então, como uma unidade que implicaria uma coerência entre sexo, gênero e desejo.
rossexualidade compulsória. Esse sistema naturalizaria uma relação mimética entre Assim, a coerência ou a unidade internas de qualquer dos gêneros, homem ou mulher,
sexo e gênero: criando um dualismo entre a feminilidade – concebida como uma exige assim uma heterossexualidade estável e oposicional (2003, p. 45). Sustentada pelo
característica a ser compartilhada unicamente pelas detentoras de um corpo femi- aparato de gênero estaria uma divisão binária do mundo: de um lado, os espaços,
nino – e a masculinidade – concebida como uma característica a ser compartilhada atribuições e características masculinas; do outro, os espaços, atribuições e caracte-
unicamente pelos detentores de um corpo masculino. Butler aponta que, além da rísticas femininas.
evidência de que existe um espectro sexual mais amplo do que o binarismo macho e Butler nos convida a deixar de pensar nas categorias “homem” e “mulher” como
fêmea sugere (FAUSTO-STERLING, 2001), não há razão para supor que os gêneros substâncias permanentes, assumindo seu caráter de construções fictícias, provisó-
também devam permanecer em número de dois (BUTLER, 2003, p. 24). rias, instáveis e, principalmente, não necessariamente as únicas invenções possíveis.
Para Butler, o sexo seria, desde o princípio, uma categoria tomada em seu gênero A questão que move Butler diz respeito às diversas possibilidades de configurações
(BUTLER, 2003, p. 24). Desse modo, não faria sentido pensar o gênero como uma de gênero que não cabem no sistema da heterossexualidade compulsória, não se
interpretação cultural do sexo, uma vez que não existe o sexo como um domínio reduzem ao binarismo e que necessitam de um espaço de existência para além do
pré-discursivo a esperar uma tradução vinda da cultura. Os corpos estão, desde território da anormalidade.
sempre, inscritos na cultura, banhados em linguagem, imersos numa teia complexa Para Butler, o sistema da heterossexualidade compulsória se desdobra numa
de significados. Na concepção de Butler, portanto, o sexo é gênero: produção disciplinar do gênero, o que leva a efeito uma falsa estabilização do gênero,
no interesse da construção e regulação da sexualidade no domínio reprodutor (2003, p.
194). Tal regulação não só naturaliza a atribuição da feminilidade às mulheres e
O gênero não deve ser meramente concebido como a inscrição cultural de da masculinidade aos homens como organiza as definições da masculinidade e da
significado num sexo previamente dado (uma concepção jurídica); tem de
feminilidade e a divisão sexual do trabalho justificada por uma ideia de natureza:
designar o aparato mesmo da produção mediante o qual os próprios sexos são
estabelecidos (2003, p. 25). aos homens caberia ocupar o espaço público porque a masculinidade faz com que
se voltem para “fora”, às mulheres caberia ocupar o espaço privado porque a mascu-
linidade faz com que se voltem para “dentro”.
Para Butler, o sexo é produzido como um domínio pré-discursivo pelo efeito Resumindo: a regulação binária da sexualidade, além de suprimir a multipli-
do aparato do gênero. Então, é ilusório pensar a relação entre sexo e gênero, con- cidade subversiva da sexualidade, torna todas as configurações de gênero que se
22 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo I - 23

afastam do binarismo impossíveis de existir, ininteligíveis. Se a heterossexualidade a proximidade, seja com o construtivismo radical, seja com o essencialismo se desfaz
compulsória - uma vez naturalizada e institucionalizada - regula o gênero numa a partir de uma apropriação maior da psicanálise.
relação onde necessariamente só existem dois termos (o masculino e o feminino), Em se tratando da diferença sexual, por exemplo, Butler afirma em “Un-
todos os gêneros que não se definem por esses dois termos perdem a legitimidade doing Gender” (2004) que ela nunca é completamente dada, nem completamente
e, com isso, o direito de existir dignamente. construída, mas um somatório de ambas. A diferença sexual estaria no lugar onde
Butler enfatiza que o gênero não é uma substância, ou uma característica que a questão concernente ao biológico e ao cultural seria colocada e recolocada, e ja-
um sujeito possa possuir, mas um ato: o gênero é a estilização repetida do corpo, mais completamente respondida (BUTLER, 2004, p. 186). Ao combinar, sempre
um conjunto de atos repetidos no interior de uma estrutura reguladora altamente de uma maneira imprevisível, dimensões psíquicas, somáticas e sociais, o conceito
rígida (2003, p. 59). Ao pensar o gênero como um conjunto de atos, Butler intro- de diferença sexual apontaria para o caráter inapreensível e transgressor da sexua-
duz o conceito de performance, dando margem a uma interpretação errônea de que lidade humana.
o sujeito poderia “inventar” sua performance de gênero da maneira que lhe fosse Para Butler, o gênero seria a parte da diferença sexual que aparece como social
mais conveniente. Tal interpretação deixa de lado que a performance nunca ocorre e, portanto, é negociável e construída (2004, p. 186). O gênero seria, assim, a parte
livremente, ela é executada num cenário de constrangimentos: da diferença sexual vinculada à sociabilidade. Relacionando o conceito de gênero
ao de diferença sexual e, por sua vez, ao de sexualidade, na obra “Undoing gender”
(2004), Butler expõe de forma mais explícita dois aspectos cruciais de sua concep-
If gender is a kind of doing, na incessant activity performed, in part, without ção de gênero. O primeiro se refere ao fato do gênero ser uma norma social que é,
one’s konwing and without one’s willing, is is not for that reason automatic or
ao mesmo tempo, externa ao sujeito, mas constitui também esse sujeito e sua forma
mechanical. On the contrary, it is a practice of improvisation within a scene
of constraint (BUTLER, 2004, p. 1). de perceber o mundo e a si mesmo (2004, p. 70). O segundo aspecto diz respeito à
relação entre a sexualidade e a norma. Quando Butler afirma que nós nos posicio-
namos em algum lugar entre a norma e seu fracasso (2004, p. 74), ela se serve do
Em “Undoing Gender”, Judith Butler se dedica a esclarecer, aprofundar e tam- conceito de pulsão para afirmar que sempre algo escapa: ou seja, sempre haverá a
bém a revisar sua concepção de gênero delineada em “Problemas de gênero”. Fica possibilidade de transgressão: o gênero é o mecanismo pelo qual as noções de mas-
mais claro que o gênero, por ser uma norma, tem seus termos, desde o início, ins- culino e feminino são produzidas e naturalizadas, mas o gênero pode muito bem ser
critos fora do sujeito. Butler adverte que as normas sociais constituem as existências o aparato pelo qual esses termos são desconstruídos e desnaturalizados (BUTLER,
subjetivas, e nelas inscrevem desejos que são exteriores às subjetividades. Para a 2004, p. 42). Nesse sentido, o gênero seria, ao mesmo tempo, o aparato pelo qual
autora, a viabilidade de cada existência individual é profundamente dependente das o binarismo e a heterossexualidade compulsória são naturalizados, e os desvios, as
normas sociais (2004, p. 2). transgressões que nos permitem criar normas mais abrangentes e arranjos mais
Desde “Problemas de gênero” (2003), a autora se preocupa em esclarecer que a fluidos para as relações subjetivas. Se o gênero é o mecanismo pelo qual se natura-
divisão binária dos gêneros torna determinados sujeitos – os que se desviam da nor- liza a divisão binária entre o masculino e o feminino ele é, ao mesmo tempo, o que
ma – ininteligíveis e, desse modo, o seu próprio direito à vida se torna socialmente desestabiliza essa divisão: deixando entrever uma diversidade imprevisível: capaz de
mais frágil. O gênero, ao funcionar como uma norma, opera nas práticas sociais, desfazer a ilusão de que os humanos se dividem apenas entre homens ou mulheres.
definindo e separando o que é normal do anormal, do abjeto.
Em “Undoing gender” (2004), Butler examina alguns conceitos psicanalíticos
como, por exemplo, o conceito de pulsão e o de diferença sexual. A partir da leitura 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
do conceito de pulsão, a autora afirma que nós somos sempre conduzidos por algo
que não sabemos e que não podemos saber (2004, p. 15). Ao situar a pulsão como
um conceito limite, que se situa na fronteira entre o biológico e o cultural, Butler A partir das elaborações de Nancy Chodorow e de Judith Butler sobre o gêne-
considera que a sexualidade não é nunca completamente capturada pelas normas, ro, é possível perceber como o gênero se constitui enquanto uma norma. Segundo
uma vez que ela excede toda e qualquer regulação. Para Butler, a sexualidade não Chodorow (1990), desde a primeira infância, o gênero se inscreve na relação da
seria determinada pelo gênero. criança com seu principal cuidador – em geral, a mãe – dividindo e delimitando não
Se, em “Problemas de gênero” (2003), as proposições da Butler parecem lhe apenas os espaços a serem ocupados por homens e mulheres, mas também estabe-
colocar num lugar de defensora de um construtivismo radical, onde o gênero pode lecendo fronteiras no que se refere aos espaços psíquicos. Porque são - desde a mais
ser concebido como uma performance, uma “invenção” em “Undoing Gender” (2004), tenra infância - educadas para o cuidado, é como se as meninas, explica Chodorow,
24 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo I - 25

não se individualizassem completamente: ficando sempre presas à mãe, e ao outro uma vez que constitui a forma mesma como os sujeitos veem o mundo, se orientam
(um outro do qual terão de se ocupar, cedo ou tarde). Já os meninos precisam, para nele e também se percebem em sua singularidade. Nesse sentido, um sujeito “faz
se tornar seres masculinos, romper, recusar a identificação originária com a mãe. E gênero” a todo momento, sem pensar e quanto mais esse fazer é irrefletido mais é
na falta de referentes que possam fazer uma espécie de conciliação entre a neces- sustentado por normas que lhe escapam, que operam silenciosas, como se fossem
sidade dessa ruptura com a mãe e todo amor que sentem por ela e por tudo que a algo da natureza, incontornável, que apenas se desvelasse pelas ações.
ela se assemelha, tendem a negar, nesse processo, tudo o que é feminino. Posterior- No entanto, Butler é uma pensadora mais transgressora do que Chodorow.
mente, os elementos femininos recusados pelo menino vão pesar sobre a identidade Primeiro, porque existe em Chodorow um certo essencialismo implícito na divisão
masculina como uma ameaça. De tal maneira, que a identidade masculina vai repre- do mundo entre os meninos – que irão se masculinizar – e as meninas – que irão se
sentar sempre uma conquista dos atributos masculinos sobre uma feminilidade que feminilizar. Chodorow parte de um pressuposto que Butler tenta destruir em sua
deve ser totalmente recusada. (SCHENEIDER, 2000). Nesse processo de “se livrar teoria: o de que existe um sistema binário de gêneros dentro do qual os sujeitos irão
da feminilidade”, os meninos negam a capacidade de cuidar, pois aprenderam desde se situar. Obviamente, Chodorow não ignora que a feminilidade não é um atributo
muito cedo que tal capacidade é eminentemente feminina. Os meninos, portanto, único das mulheres assim como tampouco a masculinidade é um atributo apenas
ao se constituírem enquanto sujeitos, flertam sempre com o risco de se individuali- dos homens. Isso, no entanto, não exime a autora de relacionar e de dividir o mundo
zar em demasia, tornando-se adultos incapazes de cuidar. em dois destinos específicos: o masculino e o feminino.
Levando em consideração que Chodorow escreveu “Psicanálise da maternida- Quando tentamos fazer o movimento de ajustar o conceito à realidade das
de” em 1978, faz-se necessário pensar sobre as mudanças que ocorreram na divisão práticas cotidianas, as formulações de Chodorow são muito mais digeríveis. Apesar
sexual do trabalho, ou nas normas de gênero. É possível afirmar que assistimos, no de habitarmos o século XXI e de convivermos com constantes inovações tecnológi-
Brasil e no mundo, a uma flexibilização das relações de gênero (GOMES, 2009). cas, o mundo ainda nos parece seguramente dividido no que é masculino e no que é
A divisão rígida dos lugares e das atribuições próprios aos homens e às mulheres feminino. Essa segurança do binarismo, ainda que se mostre cada vez mais ilusória,
dá lugar, atualmente, nas sociedades ocidentais pós-industrializadas, à negociação, à provavelmente é mais fácil de ser absorvida do que a proposta de Butler de que
imprevisibilidade, à fluidez. No entanto, apesar da existência de muitos espaços de possam existir tantos diferentes gêneros quanto existem diferentes pessoas (2003).
negociação antes impensáveis, o discurso tradicional, que propõe para as mulheres Se se trata de uma provocação teórica ou de uma possibilidade prática, talvez seja
a responsabilidade de cuidar da vida familiar e dos afazeres domésticos, tende a algo que as próximas gerações irão nos mostrar.
permanecer forte, mesmo nos casos em que as mulheres estão solidamente inseridas No entanto, mais importante do que cogitar ou questionar sobre a (im)pos-
no mercado de trabalho (BORGES, ROCHA-COUTINHO, 2008). sibilidade de pensar um mundo sem gênero, é considerar que dentro do sistema
Se nos apoiamos na explicação dada por Chodorow para a manutenção a divi- binário, regido pelo modelo da heterossexualidade compulsória, não há como se
são sexual do trabalho em nossa sociedade: a saber, de que se trata de um processo pensar numa igualdade de condições para homens e mulheres na sociedade con-
educativo iniciado na primeiríssima infância e que, como tal, produz dois tipos de temporânea. Primeiro de tudo, porque esse modelo é definitivamente restrito: ape-
subjetividade muito distintos entre si – a masculina e a feminina –; fica mais fácil nas se enquadram neles os homens e as mulheres que se encontram ordenados
compreender porque não é suficiente que as mulheres estejam no mercado de tra- segundo a lógica da heterossexualidade. Ou seja: se for uma mulher, ela deve ser
balho (e até ganhem o suficiente ou mais do que o marido) para que ocorra uma feminina (preocupada com os sentimentos, interessada pelo casamento, deve querer
distribuição mais igualitária das tarefas reprodutivas. Não se trata, no entanto, de ter filhos e se ocupar deles, deve colocar a família em primeiro lugar na escala das
sugerir que as mudanças sociais não seriam suficientes para a reorganização dos es- suas ocupações e preocupações) e deve desejar um homem masculino: (pouco ou
paços públicos e privados e das tarefas produtivas e reprodutivas no campo das rela- nada preocupado com os sentimentos, um futuro provedor, um trabalhador, com
ções de gênero. Trata-se de pensar que é fundamental um trabalho de reeducação e, uma sexualidade que não precisa se circunscrever à esfera do casamento, etc), que,
sobretudo, um exercício de desnaturalização das práticas cotidianas. Como defende por sua vez precise de uma mulher que seja seu objeto de satisfação sexual e sua
Chodorow (1990), o caráter desfavorável e desigual da maternidade poderia ser cuidadora. Todos os outros sujeitos que não se “ordenam” segundo a lógica da he-
mitigado se não coubesse apenas às mulheres a tarefa de maternar. Mas, para que terossexualidade compulsória são banidos (dependendo do quanto se afastem dela)
os homens também maternem é preciso que homens e mulheres passem a conceber da terra da normalidade. E qual o problema de não ser normal? Nenhum. A não ser
o processo de parentalização de um modo diferente, não tradicional, não binário. que, em nossa sociedade, o anormal se aproxima perigosamente do abjeto. E tudo
Considerar que o gênero é uma norma inscrita nos corpos dos sujeitos e na- o que é abjeto – monstruoso – pode, como adverte Judith Butler perder com muito
turalizada nas suas práticas aproxima as teorias de Chodorow e Butler. Para as duas mais facilidade o direito à vida.
autoras, o gênero é altamente coercitivo porque ele se exerce como um poder sutil:
26 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo I - 27

Além de excluir toda uma gama de sujeitos que não se enquadram no padrão SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Por-
(porque não são homens e mulheres tais como “deveriam” ser: ou seja, não estão to Alegre, v. 20, n. 2, jul./dez. 1995.
completamente alinhados à norma) o sistema da heterossexualidade compulsória
demarca de modo essencialmente rígido a feminilidade e a masculinidade. Butler
nos conduz a refletir não apenas sobre o fato de que homens e mulheres podem ser
masculinos e femininos, mas também que os gêneros podem ser outra coisa para
além da masculinidade e da feminilidade. Nesse exercício, somos levados a buscar
desconstruir o sistema da heterossexualidade compulsória, pois só a partir da sua
desconstrução será, de fato, possível pensar numa reinvenção da masculinidade e da
feminilidade.
Quando Butler propõe a desconstrução do sistema da heterossexualidade
compulsória é preciso que fique claro que a autora não tem uma concepção ingênua
de que seria possível se viver numa sociedade sem a existência de normas, de prin-
cípios reguladores do comportamento individual e do coletivo. Para Butler (2004),
em nenhum momento se trata de pensar numa anomia, mas sim de propor que é
bastante possível e absolutamente necessário se criar uma sociedade com normas
mais fluidas: onde a diversidade seja legitimada em seu direito de existir e de ser
respeitada em sua diferença.

5. REFERÊNCIAS

BORGES, Carolina Campos, ROCHA-COUTINHO, Maria Luiza. Família e relações


intergeracionais no Brasil hoje: novas configurações, crises, conflitos e ambiguidades. In:
GOMES, Isabel Cristina (coord). Família: diagnóstico e abordagens terapêuticas. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.
BUTLER, Judith. Undoing gender. New York and London: Routledge, 2004.
______. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civi-
lização Brasileira: 2003.
CHODOROW, Nancy. Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mu-
lher. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos, 1990.
FAUSTO-STERLING, Anne. Dualismo em duelo. Cadernos Pagu. 2001.
FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.
______. Ditos e escritos, Vol II: arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensa-
mento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001
______. Ditos e escritos, Vol IV: estratégia poder saber. Rio de Janeiro: Forense Univer-
sitária, 2003.
______. História da sexualidade 1 – a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal,
1988.
GOMES, Isabel Cristina (coord). Clínica psicanalítica de casal e família: a interface com
os estudos psicossociais. São Paulo: Livraria Santos Editora, 2009.
28 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo II - 29

II
TEORIAS FEMINISTAS: O DIREITO COMO
FERRAMENTA DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL1

Vanessa Oliveira Batista Berner


Professora Titular da Faculdade Nacional de Direito da Uni-
versidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Coordenado-
ra do Laboratório de Direitos Humanos da UFRJ.

Resumo: O presente artigo aborda a construção das teorias feministas na perspectiva da


Teoria Crítica do Direito. O objetivo é demonstrar a necessidade de que o feminismo seja
trabalhado no âmbito da interseccionalidade, conjugando a prática com a teoria. A meto-
dologia é a revisão bibliográfica das diversas abordagens teóricas, abrangendo a pluralidade
de vertentes do feminismo contemporâneo e situando o direito como ferramenta de trans-
formação social. Como resultado, pretende-se demonstrar que ser mulher é uma questão
política.

Palavras-chave: Feminismos. Práxis Feministas. Teoria Crítica do Direito.

1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Na atualidade, as teorias feministas, no direito, têm sido debatidas a partir de


diversas perspectivas. Surgidas inicialmente no seio do debate da teoria crítica do
direito norte-americano, contemporaneamente há uma gama variada de vertentes,
entre as quais se destacam o feminismo negro, o feminismo queer e o feminismo desco-
lonial. Com isto, a discussão feminista passa pela questão de identidade e de raça,
sem, entretanto, se descuidar do problema de classes. Hoje, portanto, o debate fe-
minista é interseccional, na expressão cunhada pela feminista negra norte-americana
Kimberlé Crenshaw em 19892. Qual seria, portanto, o papel do direito? Para tratar

1  FEMINIST THEORIES: LAW AS A TOOL TO SOCIAL TRANSFORMATION


2 CRENSHAW, Kimberlé Williams. Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics, and
Violence Against Women of Color. Stanford Law Review 43(6), 1991, p. 1241–99.
30 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo II - 31

desse assunto, a proposta é fazer aqui um resgate do debate da teoria crítica do di- mas inevitáveis e basicamente justo. Os autores dessa corrente argumentavam que
reito, situar a discussão por meio da revisão bibliográfica e apresentar as propostas não existe neutralidade política para se abordar o direito. A partir desses estudos, o
que vêm sendo cogitadas acerca da possibilidade da reflexão jurídica contribuir para comportamento social se tornou uma fonte relevante para se examinar as políticas
a emancipação das mulheres. Para isto, o artigo se divide em três partes, sendo que jurídicas. Para os estruturalistas a prática informa a teoria. Assim, tornaram-se ati-
na primeira é abordada a Teoria Crítica do Direito e sua relação com as Teorias vos nas faculdades de direito, propondo reformas curriculares, clínicas jurídicas, re-
Feministas; a segunda parte estabelece o vínculo da teoria com a práxis feminista; visão de conceitos clássicos com “contratação”, “venda”, “posse”...Para eles, os deba-
e, finalmente, na terceira seção, discuto como ser mulher é uma questão política. tes sobre a profissão jurídica não podiam ser divorciados da prática social: o Direito
deve ativar a consciência social. A Escola Critical Legal Studies (CLS) estaduniden-
se estava conectada, nas não necessariamente alinhada, à Escola de Frankfurt, pois
os primeiros não concordavam com a construção de uma teoria moral e da política.4
2. TEORIA CRÍTICA DO DIREITO E AS TEORIAS FEMINISTAS
Segunda Geração (primeira metade dos anos 1980 - pós-estruturalistas ou descons-
trutivistas) - Centrada na interpretação de textos jurídicos, para os autores dessa
Foi na primeira metade do século XX que surgiram os primeiros ensaios acer- corrente todas as hierarquias do pensamento jurídico podem ser minadas por uma
ca de uma “teoria feminista do direito”, cuja proposta era anunciar seu potencial leitura desconstrutiva. Eles buscavam demonstrar como a visão jurídica do mundo
para mudar as condições sociais em que viviam as mulheres. Essas propostas teó- deriva do ambiente social e cultural externo: o que desconstrói são ideologias (p.
ricas tratavam de questionar se a aplicação da norma jurídica trazia resultados di- ex., definir “necessidade”). A desconstrução, aplicada ao Direito, é uma prática de
ferentes para homens e mulheres. As juristas feministas da época se dedicaram à interpretação que busca apresentar a complexidade e imprecisão do textos jurídicos.
releitura das normas básicas de direitos fundamentais e denunciavam a marginali- Como afirma Derrida (1972), o mundo que conhecemos é apenas um mundo de re-
zação das experiências, dos valores, das necessidades das mulheres. Questionava-se presentações e representações ad infinitum. Porém, esses autores trabalham também
a masculinidade do direito como o reflexo da hegemonia cultural dos homens, um com a construção social: o Direito tanto afeta quanto é constituído por valores, nor-
instrumento de proteção de valores, necessidades e interesses que nada mais era que mas, práticas, modismos de um ambiente cultural maior do que ele pretende con-
a normatização de uma visão androcêntrica do mundo. As mulheres juristas conce- trolar. A segunda geração foi considerada mais radical e “perigosa” que a primeira.5
biam o Direito como uma ferramenta da opressão, cuja neutralidade e objetividade Terceira Geração (final dos anos 1980 _ pós-modernos) - No final dos anos 1980
era - e continua sendo - questionável. havia uma forte reação contra a CLS, chamada de falida, irrelevante, banal, con-
Foi a teoria crítica que contribuiu para a compreensão da natureza do Direi- traditória, acusada de fazer ‘a crítica pela crítica’. Essa reação ensejou mudanças e
to, ao oferecer formas teóricas diferentes e progressistas, desenvolvidas a partir de o surgimento de novos movimentos, as teorias feministas e a teoria crítica da raça.
diversas fontes intelectuais. Nos Estados Unidos da América, a Teoria Crítica é Essa nova geração se caracteriza pela organização em torno de temas, com foco na
claramente associada à contracultura e ao ressurgimento dos movimentos de es- identidade, muito influenciada pelas teorias de Foucault sobre gênero, sexualidade e
querda no país. Por meio dessa corrente teórica redescobriu-se o potencial político raça. Para trabalhar essas novas categorias destaca-se o papel e responsabilidade do
e a crítica política dentro do Direito.3 Naquele país, os movimentos podem ser divi- intérprete. São teorias inacabadas, em aberto para novas gerações e novos espaços.
didos em três momentos, conforme a cartografia apresentada por GARY MINDA Os autores são muitos e se caracterizam por sua abordagem interdisciplinar, não
(1995, p. 106-127): ficando restritos a apenas um tema.6
Primeira Geração (meados dos anos 1970 ao início dos anos 1980 - estruturalistas) Foi no final dos anos 1970 que começaram a surgir nos EUA diversas corren-
- Focada em demonstrar a imprecisão da teoria jurídica, pretendia revelar como o tes de pensamento feminista, mas a jurisprudência sobre o tema já se avolumava
Direito justificava a dominação e o privilégio por meio do discurso abstrato que
propugnava pela neutralidade no processo e nos seus resultados. Para aqueles teó- 4 Destacam-se os seguintes autores: Duncan Kennedy (Legal Education); Mangabeira Unger; Peter
ricos, a racionalidade ou objetividade da lei existem em função de uma ideologia Gabel; Paul Harris; William Simon.
5 São seus autores principais; Jack Balkin, Gerald, E.Frug; Gary Peller.
liberal específica. Essa ideologia explicaria a escolha racional de conceitos de raça, 6  Feministas: Catherine A. Mac Kinnon, Ann Scales, Kathryn Abrams, Robin West, Carol Gilligan,
classe e gênero, com suas vantagens e desvantagens. O Direito seria uma construção Martha Minow, Drucilla Cornell, Mary Becker, Kimberle Crenshaw; teoria crítica da raça: Richard
ideológica que suportaria arranjos sociais e jurídicos, por meio do convencimento Delgado, Derrick Bell, Patricia Williams, Alan Freeman, Randall L. Kennedy; identidade e inter-
pretação: Charles Taylor (Canadá) - crítico do liberalismo e comunitarista, Stuart Hall ( Jamaica)
dos atores do direito e dos cidadãos, de que a ordem jurídica e social seriam siste- - sociologia da cultura; Axel Honneth (Alemanha) - relações de poder, reconhecimento e respeito.
Alguns autores vão circular em diversas áreas, como Nancy Fraser, na New School de Nova York, que
se aproxima dos estruturalistas, das teorias feministas e da discussão sobre reconhecimento; ou como
3 Em inglês, Critical Legal Studies - CLS. Martha Finneman, que trabalha na mesma linha que Fraser.
32 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo II - 33

desde os anos 1960, com as feministas criticando o direito e a sociedade a partir de buscar a igualdade formal em relação aos homens, por meio da eliminação de regras
uma perspectiva da mulher. Explica LESLIE BENDER (1988, p. 3): baseadas em gênero que levam ao tratamento diferenciado da mulher. Algumas
feministas, porém, entendiam que a mulher é diferente do homem e, portanto, em
alguns casos, deveria ser convencionado mais do que o tratamento igual. Essa con-
Feministas são retratadas como queimadoras de sutiãs, odiadoras de homens, trovérsia deslocou a questão feminista para a discussão sobre a simetria de gênero,
sexistas e castradoras... somos caracterizadas como bitchy, contestadoras,
fazendo com que as mulheres tivessem que provar serem iguais aos homens: as
agressivas, confrontadoras e não cooperativas, assim como excessivamente
sensíveis e sem humor. Não se admira que muitas mulheres, particularmente mulheres só poderiam requerer proteção legal se na comparação com os homens
mulheres que têm carreiras, lutem para se manter à distância do opróbio de ficasse demonstrada a igualdade das experiências.
serem rotuladas como feministas. (tradução livre)7 Em resposta à questão da igualdade/diferença, um grupo de feministas come-
çou a construir uma teoria segundo a qual as mulheres têm uma natureza própria,
que não é exatamente a “natureza humana” baseada no insight masculino. A me-
Muitos estereótipos foram feitos sobre o movimento feminista. Há muitos todologia da teoria feminista começa então a se modificar, e o “método feminista”
feminismos, mas todos eles se baseiam sobre duas posições centrais: primeiro, que passa a ser descrito como “um método de crescimento da consciência, que valoriza
a sociedade é moldada e dominada por homens e isto se chama patriarcalismo8; as experiências pessoais” (MINDA, 1995, p. 132-133). Essa metodologia fez com
segundo, que a sociedade subordina as mulheres aos homens. A partir desses princí- que as feministas passassem a ter um discurso mais experimental, com o qual se
pios, as feministas norte-americanas revisaram toda a legislação de seu país e con- valida a crítica ao direito. As feministas reivindicam que a evidência, baseada na
cluíram que esta era patriarcal e priorizava o gênero masculino. Historicamente, os experiência material, deve suportar a teoria. A ideia de aumento de consciência es-
juízes americanos reforçaram essa questão de gênero, reforçando o patriarcalismo e tabelece o quadro epistemológico que as feministas usam para expressar e validar as
refletindo seus valores nas decisões jurídicas, o que as feministas vão afirmar ser a experiências das mulheres, para expor como o conteúdo dessas experiências foram
justificativa legal da desigualdade de gênero. Assumir o papel da mulher como res- invalidadas pelo direito, investindo, inclusive na linguagem9.
ponsável primária pela educação dos filhos as excluiu, historicamente, das tomadas Como parte de sua consciência crítica, algumas feministas desenvolveram uma
de decisão política e de oportunidades econômicas. (MINDA, 1995, p. 129). teoria hedonista10 que se reporta diretamente ao “oprimido, dominado ou desvalo-
A primeira publicação relevante de uma “jurisprudência feminista” nos EUA rizado”, em contraposição ao linguajar e discurso jurídico pretensamente universal,
ocorreu em 1978, quando Ann Scales publicou um artigo intitulado Toward a Fe- mas, na realidade, masculinista. Essa corrente usa, experimentalmente, narrativas
minist Jurisprudence. Desde o primeiro momento ficou claro que não se pode ge- baseadas em histórias pessoais, que variam de estupros a questões matrimoniais,
neralizar acerca dos feminismos. Nos anos 1970 e 1980 o feminismo tratava de para avançar sobre mensagens substantivas sobre valores prazerosos para as mu-
debater se as mulheres deveriam ter o mesmo tratamento que os homens ou se lheres, a fim de explicar como o gênero feminino experimenta a desigualdade de
deveriam ser a eles equiparadas. Era o debate da “igualdade x diferença”. As femi- gênero e o abuso sexual. Essas feministas fazem mais do que descrever e imaginar
nistas dessa corrente questionavam se a desigualdade das mulheres no direito era o que é ser oprimida: elas enfatizam que seu método visa a esclarecer “atributos
o resultado de um paternalismo romântico dos homens, que concordavam em dar historicamente relacionados às mulheres”. Seu objetivo é explicar como o direito
às mulheres tratamento legal diferenciado. Elas arguiam se as mulheres deveriam subordina as mulheres. O ponto de vista experimental é usado para descobrir a
autêntica sexualidade feminina e a realidade de sua condição. Suas teorias são ba-
seadas na ideia de Foucault de que o “poder vem de todo lugar”. Elas alegam que o
7 No original: “Feminists are protrayed as bra-burners, man-haters, sexists, and castrators... we are
characterized as bitchy, demanding, agressive, confrontational, and uncooperative, as well as overly poder do patriarcado está em todo lugar.
sensitive and humorless. No wonder many women, particularly many career women, struggle to dis- Um ponto importante é que as feministas entendem que o direito contempo-
tance themselves from the opprobium appended to the label” râneo é masculino em sua essência, e que a forma de desafiar a dominância mascu-
8 Compreendido aqui como um sistema de relações dominantes, o patriarcalismo é a base e suporte
de todo tipo de autoritarismo ou totalitarismo. Substituir o termo “patriarcado” serve ao propósito de lina é desenvolver uma alternativa hedonista de direito, baseada nas experiências,
ir além da perspectiva de que apenas a mulher em abstrato é afetada pelas estruturas de dominação que demonstre os motivos para que a os interesses femininos estejam excluídos do
que imperam nas relações sociais no sistema capitalista. A expressão “patriarcalismo” é mais adequa-
da por abarcar todo o conjunto de relações opressoras: gênero, sexo, etnia, classe social, conjugadas
com a dimensão pública do poder e da exploração do ser humano nas relações sociais. O conceito de 9 sobre a importacia da metodologia e da linguagem para as teorias feminista, consultar MELINO,
patriarcalismo explicita as articulações das relações patriarcais, pois as estrururas que afetam aquelas Heloisa. Potência das Ruas. Direito, Linguagem e emancipação: processos de luta e o potencial trans-
diversas categorias não são varieaveis independentes, mas se interseccionam de forma relacional nos formador dos movimentos sociais. Rio de Janeiro, Multifoco, 2017.
determinados momentos históricos (HERRERA FLORES, 2005a, p. 29-30) 10 Doutrina ética, ensinada por antigos epicureus e cirenaicos, e por modernos utilitaristas, que afirma
constituir o prazer, só, ou principalmente, a felicidade da vida. Conferir MINDA, 1995, p. 131.
34 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo II - 35

discurso moderno, que evidencia porque as mulheres devem ocupar uma posição o feminismo cultural falharam em transformar as vidas das mulheres,
respeitada (e algumas vezes privilegiada) na análise legal e na argumentação. pois erraram o diagnóstico ao lutar por uma igualdade formal ou pelo
Nos anos 1980 destacam-se três diferentes escolas feministas nos Estados reconhecimento da diferença. Ou seja, o foco nos sintomas e não nas
Unidos, cujas diferenças são metodológicas, mas que estão unidas em seu esforço estruturas de dominação não podem reformar aquilo pelo que se luta.
comum de expor os diversos caminhos que o direito utiliza para perpetuar a hierar-
A obra de MacKinnon compreende tanto a crítica ao marxismo quanto
quia de gênero, buscando enfatizar as diferenças entre homens e mulheres:
ao feminismo teórico hegemônico. Ela defende que o pessoal é políti-
• a vertente liberal – essa escola está comprometida com a discussão da co, colocando em discussão a regulamentação jurídica do matrimônio,
igualdade formal como expressa na Emenda da Igualdade de Direitos e o aborto, a violência sexual, a prostituição e a pornografia. Alguns de
no movimento dos direitos civis norte-americano. Algumas feministas seus textos provocaram impacto concreto na construção de instituições
dessa corrente vão discutir a “simetria” de gênero, lutando por igualda- legais, como a definição de assédio sexual, considerado como instância
de de direitos e pela igualdade diante da lei: mesmas demandas, mesmo da discriminação sexual. Mais recentemente, suas contribuições reco-
tratamento; enquanto outras vão se dedicar a expor a dominação mas- locaram na pauta do direito internacional a questão da proteção das
culina e estabelecer a “diferença” entre homens e mulheres: mulheres mulheres nos conflitos armados. Uma de suas obras mais importantes,
merecem benefícios especiais porque são diferentes dos homens. Des- Feminism unmodified. Discourses on life and law, de 1987, é um exem-
tacam-se Martha Minow e Nancy Frasier. plo da metodologia que utiliza, confrontando grupos conservadores e
liberais, na tentativa de repolitizar os espaços de regulação que esses
• o feminismo cultural – defendem que há um caminho feminino distinto autores controlavam e a doutrina liberal neutralizava como questões
da aproximação moral e legal dos problemas que foi (e continua sen- de moral, invisibilizando o jogo de poder que encobriam. No livro, ela
do) ignorada ou subestimada na doutrina jurídica e na educação. Seu entra nos debates jurídicos dos anos 1980 nos EUA e mostra os li-
objetivo é expor os vieses no trabalho de psicólogos de crianças que se mites das estratégias de mudança legislativa. É uma autora de grande
baseiam expecialmente em valores masculinos para explicar o desen- influência na América Latina, especialmente nos temas de violência
volvimento psicológico infantil. É uma vertente importante porque de- sexual, pornografia e prostituição.
monstra a dinâmica psicológica da hierarquia de gênero. Seu principal
Ao analisarmos a forma como o feminismo, em suas diversas correntes, vai
expoente é a psicóloga Carol Gilligan.
aflorar nas diversas partes do mundo, é relevante compreeender como ele se insere
• o feminismo radical - Catharine MacKinnon é a principal autora desta dentro de um ambiente cultural determinado. Ao discorrer sobre o processo cul-
tural, em sua teoria da cultura, o filósofo crítico HERRERA FLORES (2005b) o
corrente. Sua obra contribuiu pra transformar nossa compreensão das
constrói a partir de três imaginários, ou seja, de três conjuntos de reações simbólicas
relações de dominação entre homens e mulheres. Participante de uma diante dos ambientes de relações em que estamos inseridos, uma abordagem teórica
corrente de feminismo radical, a autora examinou, a partir da teoria e que merece ser mencionada quando tratamos de localizar as teorias feministas na
da prática, as múltiplas formas de dominação patriarcal. Ao enfocar a cultura ocidental contemporânea:
dominação sexual, demonstrou ao mesmo tempo os limites do refor-
mismo liberal e a armadilha em que caíram os feminismos dominantes, • O imaginário social instituinte (nossas relações com a sociedade) – ofere-
que se enredaram na lógica da igualdade e da diferença. Para MacKin- ce materiais éticos e políticos para entender e, nesse caso, transformar
non, o direito não apenas não é neutro, mas a própria retórica liberal da nossa posição no “processo de humanização do humano”: trata-se do
igualdade é o manto por trás do qual a legalidade patriarcal estrutura processo contínuo de construção e reconstrução de nossa posição no
a opressão baseada no sexo. Tal opressão transcorre com a naturaliza- mundo. Para ele, a partir do imaginário social instituinte é que deve-
ção das relações de subordinação sexual, das quais não se fala porque mos trabalhar o que Stuart Hall (1999) chama “processos de articula-
supostamente são parte da vida privada, em que o amor é a regra. Para ção e entrelaçamento de posições políticas e culturais”.
ela os limites do liberalismo não são o único foco de crítica, mas tam- • O imaginário ambiental bio(sócio)diverso (nossas relações com os ambien-
bém as feministas. Ela entende que tanto o feminismo liberal como
36 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo II - 37

tes naturais) – em que se propõe materiais para reforçar uma relação A reflexão feminista se situa em uma perspectiva não instituída, mas insti-
não exploradora ou destrutiva dos processos naturais. Esse imaginário tuinte, um terreno de “vozes em interseção”12, não de dominação ou hegemonia. O
é centrado na luta contra a destruição do meio ambiente por parte dos feminismo não é uma alusão a uma doutrina ou programa teórico concreto, e sim
grandes interesses comerciais e financeiros que povoam o planeta. um compromisso (este sim, teórico) com dois aspectos fundamentais: a análise e denún-
cia dos efeitos que as instituições, políticas e ideias projetam sobre o bem-estar e
• O imaginário radical (nossas relações com nosso interior) – o conjunto de oportunidades em determinados contextos (em que se situam as mulheres); e com
materiais a partir dos quais se deve derrubar barreiras e bloqueios in- o conjunto de reflexões e ações orientadas a corrigir a situação de subordinação,
desigualdade e opressões de gênero.
teriores que nos impedem de nos articular com outros seres huma-
A finalidade do feminismo é cooperar para a emancipação e construção de
nos, estabelecer vínculos com a natureza e colocar em prática proces- uma sociedade sem discriminações por gênero, idade, pertencimento cultural ou
sos continuados de ressignificação do mundo. A questão é que, se não comunitário ou por desigualdades econômicas. Assim, HERRERA FLORES
temos materiais “radicais” suficientes para conectar com nosso interior (2005a: 41) reivindica uma teoria política feminista de viés “materialista extremo”
e dizer a verdade do somos e do que fazemos, dificilmente poderemos que aproxime a teoria e a práxis das realidades concretas, a fim de repensar radi-
nos interrelacionar com os outros ou com a natureza de modo criativo calmente o sentimento de convivência com seus modelos organizativos. Portanto,
e transformador. HERRERA defende que este imaginário radical tem deve-se impor outras interpretações e sentidos da realidade, abandonando o mi-
suas raízes profundas nas propostas feministas de luta antipatriarcal; nimalismo das diferenças sexuais. Deve-se ainda rejeitar toda teoria que parte de
nas aproximações fronteiriças às diversas percepções de mundo que idealizações, pois elas não superam os limites impostos de uma proposta de “dever
existem em nosso universo cultural; nas lutas contra o racismo e o colo- ser”. Ademais, o autor alerta que passou o tempo de denúncia de políticas cujo ob-
nialismo; na redução da vida ao puro consumismo de tudo e de todos11. jetivo são as mulheres. Para ele, esta não pode ser a única opção crítica e feminista,
pois já não basta colocar em evidência a discriminação de gênero. O materialismo
Situada neste “imaginário radical”, a teoria política feminista não é um bloco extremo leva a um tipo de teoria que construa a representação e a democracia a
teórico uniforme e homogêneo. Há, efetivamente, uma pluralidade de focos, uma partir do poder político, social e cultural.
diversidade de métodos, muitas vezes distantes entre si. Porém, o objeto enfrentado
é sempre o mesmo: o patriarcalismo como sistema de relações dominantes que co-
loca um só ponto de vista: o masculino, branco, proprietário e cidadão como padrão
universal. As diferentes matrizes derivam das diversas questões que o contexto so- 3. O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO E A PRÁXIS FEMINISTA
cial, político e econômico impõe à reflexão jurídica e filosófica. Há uma preocupa-
ção com o tempo e o contexto. As reivindicações, ao longo do século passado, resultaram em ganhos rele-
Em suma: se pretendemos realmente interrelacionar a cultura com a digni- vantes como a inclusão da violência contra a mulher e sua respectiva sanção como
dade, devemos lutar contra essas invisibilidades e esses silêncios, trazer para a luz forma específica de maus tratos; o direito ao voto; a revisão do poder marital sobre
nossas propostas que, de um modo ou de outro, ficaram relegadas à margem da His- a mulher; o acesso à educação; a revisão dos direitos trabalhistas e previdenciários;
tória em virtude dos processos coloniais que provocaram tantas desgraças. Uma vez os direitos sexuais e reprodutivos; o direito ao aborto... enfim, um novo corpo nor-
demonstradas as opressões e as explorações, lutar por formas distintas de produzir, mativo cujo fim é o de garantir a autonomia da mulher e a proibir expressamente a
de criar, de simbolizar o mundo que nos rodeia, de construir as condições para que discriminação por razão de gênero.
todas e todos tenham acesso igualitário aos bens necessários para uma vida digna. Porém, em que pesem os avanços alcançados até os anos 1970, especialmente
A pluralidade de enfoques e metodologias do feminismo, sua aparente desor- em termos normativos, a teoria política feminista se caracteriza por não ser um
dem teórica e conceitual deriva de uma sensibilidade, também ideológica, dos fatos bloco teórico uniforme e homogêneo. Assim, no sentido do proposto por Herrera
sociais. As teorias feministas buscam se aproximar da realidade. Primeiro, para des- Flores, mais recentemente têm se desenvolvido três correntes feministas relevantes:
construi-la (fazendo críticas ao tratamento de gênero) e, por fim, para reconstruí-la o feminismo negro, o feminismo queer e o feminismo chicano ou descolonial.
desde uma perspectiva normativa destinada à emancipação dos grupos marginali-
zados ou excluídos das garantias oferecidas pelo sistema patriarcal dominante.
12 Expressão da canadense Iris Marion Young em seu livro Intersecting Voices: Dilemmas of Gender,
11 Para ele, não consumimos objetos, mas diferenças culturais, convertendo-as em nossas próprias Political Philosophy, and Policy. Princeton: Princeton University Press, 1997.
visões de nós mesmos, ao nos entregarmos ao que o mass media quer que pensemos.
38 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo II - 39

Ao longo da história foi se consolidando uma “naturalização” dos valores mas- definido pelo autor como uma tradição “política, axiológica e sociológica” (HER-
culinos e femininos, e o patriarcalismo induziu à construção social do direito e RERA FLORES, 2005a), no qual um poder aumenta em relação direta com o
da política instituindo duas situações: uma visível - a da esfera dos que são iguais que resta de outro poder. Ele discorre acerca dos princípios em que se baseia o que
perante a lei; e uma invisível - a dos que são diferentes. Em que pesem os inegá- denomina de “bloqueio patriarcalista do circuito de reação cultural” que nos enreda
veis avanços alcançados em diversos países, especialmente, os europeus ocidentais, a todos e todas (HERRERA, 2005b, p. 120-123):
quanto à igualdade de tratamento, as velhas desigualdades se perpetuam ou são
1. princípio da dominação, que nasce das desequiparações discriminatórias
reinventadas, na mesma medida em que que as conquistas jurídicas se desfazem
diante da aparição de novas circunstâncias e conceitos. Assim, em relação à mulher, entre homens e mulheres, trabalhadores e capital, imigrantes e cidadãos:
aos progressos que foram até agora conquistados, fica uma incômoda questão: por o que um detém, ao outro é negado. Por meio da dominação, as expe-
que, nas condições atuais, as mulheres não se beneficiam na mesma proporção que riências dominantes de classe, sexo ou etnia se colocam como universais,
os homens dos progressos alcançados? Por que recebem um tratamento pior do como verdades objetivas. Assim, o masculino é uma abstração universal
que os homens na sociedade que juntos construíram? Esta é efetivamente, a grande e “natural”, quando o feminino é tão somente um ponto de vista carre-
questão diante do patriarcalismo. HERRERA FLORES (2005a, p. 31-32) propõe gado de particularidades e vinculações naturalistas;
que a resposta a esta pergunta deve ser feita em etapas:
2. princípio da complementaridade, a partir do qual o dominado aceita a
situação de inferioridade, reforçando sua identidade por meio do ina-
politicamente, o patriarcalismo pressupõe uma configuração da realidade em
que predomina o abstrato sobre o concreto, a desigualdade sobre a igualdade; fastável sentimento de que pertence a algo ou a alguém. Assim, a iden-
axiologicamente, o patriarcalismo impõe um conjunto de valores, crenças e tificação do grupo oprimido com o poderoso faz com que ele careça de
atitudes não deduzidas, nem dedutíveis, da realidade, a partir das quais um uma interpretação própria de sua opressão. Nesse sentido, o feminismo
grupo humano se coloca “naturalmente”, superior a todo o resto; sociologica- burguês, aliado ao individualismo liberal, adotou (talvez inconsciente-
mente, o patriarcalismo se constitui no conjunto de mecanismos enraizados
mente) a ideologia competitiva e atomista do individualismo.
na estrutura da sociedade. É a partir desses mecanismos que determinadas
pessoas e grupos são rechaçados ou sistematicamente deslocados da partici-
pação plena na cultura, na economia, na política dominantes na sociedade em
3. princípio da necessidade, que leva os grupos inferiorizados (mulheres,
determinado momento histórico. (tradução livre). negros, indígenas...) a não articular pontos de vista próprios e a colo-
car sempre alternativas que se originem nos princípios anteriores. BEL
HOOKS (1981) ensina que no sistema capitalista, o patriarcado está
Para o autor, esse patriarcalismo se relaciona umbilicalmente com o capita- estruturado de tal modo que o sexismo restringe o comportamento das
lismo, sendo este patriarchal e estruturado de forma racial, étnica, sexual e classis-
mulheres a alguns campos e o libera em outros. Isto faz com que as
ta. Na perspectiva do patriarcalismo capitalista, portanto, os problemas de gênero
mulheres muitas vezes ignorem as esferas em que são exploradas ou dis-
sempre deverão ser compreendidos em conjunto com as questões raciais, étnicas
e de classe social. Trata-se, pois, de um hetero-patriarcalismo, que conjuga o fazer criminadas, a ponto, inclusive, de parecer que não estão sendo oprimidas.
humano, as relações laborais, as relações sociais determinadas pela produção e o
ocultamento das diferenças realmente existentes nas relações mercantis capitalistas
4. princípio da vitimização. Em função dos princípios anteriores, os cole-
(HERRERA, 2005a, p. 32). Para compreender o patriarcalismo neste sentido não tivos submetidos à lógica patriarcal se percebem como pobres, cidadãos
nos serve nem o liberalismo extremo, que que não se incomoda com as diferenças de segunda classe, estigmatizados, sociologicamente inferiores. São qua-
sociais, nem o marxismo ortodoxo, cuja compreensao de mundo se dá a partir da lificados como vítimas, passíveis de sofrer as consequências negativas
propriedade e dos meios de produção. A luta de classes deve ser entendida como do sistema. Entretanto, sentir-se como vítima não significa ver-se como
inseparável de todas as outras lutas que travamos para alcançar uma vida digna. explorado, ou seja, sujeito de uma relação social concreta, determinada
No entanto, a partir desse modelo de patriarcalismo é que se vende como tradição pelo modo como se elaboram, se percebem e se enfrentam - política,
inexorável todo um conjunto de leis, normas e valores, todas as configurações ins- axiológica e socialmente - as diferenças e desigualdades. (tradução li-
titucionais e culturais que regulam as vidas das pessoas, dos povos, sem se admitir
qualquer contestação, sob a pena de se converter em marginal. O patriarcalismo é
40 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo II - 41

vre)13 mens para, dessa maneira, converte-la em algo cujo reconhecimento seja iniludível
para aqueles que estão envolvidos nas lutas libertadoras. Discutem detalhadamente
Em outras palavras, estou aqui falando de uma realidade que influi tanto so-
uma outra maneira, muito diferente dos feminismos ocidentais, de entender o pa-
bre mulheres quanto sobre homens, pois as relações de gênero, étnicas, raciais ou
triarcalismo a partir da colonialidade de gênero, convidando a pensar na cartografia
de classe são uma consequência, um ponto de partida das relações de poder. E é
do poder global a partir de um Sistema Moderno/Colonial de Gênero.
aqui que entram outras questões, como, por exemplo, o funcionamento do sistema
No mesmo sentido questionador se situam as teorias queer, cuja autora mais
judicial, aquele poder do Estado cuja função constitucional é a de decidir sobre as
conhecida é Judith Butler14, e que se propõem a abranger “corpos não normativos”,
possibilidades de igualação e quebra de isonomias. Se dermos uma simples olha-
para além da lei, colocando em cheque a própria racionalidade do saber moderno.
dela nos ordenamentos jurídicos contemporâneos, perceberemos rapidamente que,
Situa-se na área dos “saberes subalternos”, as formas de pensar que têm como ponto
na realidade, se configuram discriminando, aberta ou veladamente, as mulheres.
de partida a subalternidade, os que precisam ser ouvidos e ter espaço; a capacidade
Trata-se de uma construção, de uma “pedagogia de identidade”, que, nas palavras
de “ler” o que estava escondido, de desenterrar invisibilidades, baseando-se sobretu-
de MARCELA LAGARDE (2003), considera “natural” que as mulheres ocupem
do na ideia de que sexo e gênero são construções políticas.
os lugares próprios de mulheres, os negros de negros, os velhos de velhos etc. Um
Assim, o feminismo negro, o pós-colonial, o lésbico e outros, se colocam contra
dogma que não reside em uma essência sexual, étnica ou racial, mas na imposição
essa ideia de uma categoria homogênea e universal de “mulher” como sujeito po-
de um sistema de percepção politica, axiológica e sociológica que nos leva a crer
lítico e de direito, justamente por se tratar de uma categoria que, por representar
que cada qual deve estar em conformidade com a determinação que lhe foi imposta.
valores ocidentais, exclui outras categorias de mulheres. Sua reivindicação é a inter-
Como alerta AUDRE LORDE (2009, p. 2), “não há hierarquia de opressões (...) e eu
seccionalidade, cujo propósito é encontrar fórmulas que considerem a soma das dife-
não posso escolher entre as frentes em que eu devo batalhar contra essas forças da discri-
rentes desigualdades, como raça, sexo, classe social, orientação sexual etc. Fórmulas
minação, onde quer que elas apareçam pra me destruir. E quando elas aparecem para me
que sejam capazes de conceber sujeitos como categorias sociais heterogêneas. O
destruir, não durará muito para que depois eles aparecerem pra destruir você.”Cabe, pois,
feminismo interseccional pretende diminuir as assimetrias e as opressões por meio da
à teoria feminista se empenhar em ressaltar esses procedimentos.
visibilidade e da heterogeneidade.
Neste sentido, as feministas negras reagem contra a tendência de se tratar as
categorias de raça e gênero em separado. KIMBERLE CRENSHAW (1991) ar-
gumenta que um dilema que confronta as mulheres negras é que concepção domi-
nante de racismo e sexismo torna impossível sua representação, pois estão excluídas 4. SER MULHER É UMA QUESTÃO POLÍTICA
do discurso das feministas brancas, que chamam para si a responsabilidade de falar
por todas as mulheres. O desafio que colocam é que uma concepção dominante e A felicidade feminina é construída sobre nossa adaptação pessoal ao cativeiro
universal de gênero está comprometida com políticas de identidade, devendo abrir que nos é designado dentro da estrutura do patriarcalismo. Nossa definição política
o caminho para um discurso jurídico voltado para a diversidade de políticas cultu- deriva do que nos aprisiona, de nossa relação com o poder, se caracteriza pela pri-
rais da pós-modernidade. vação da liberdade e pela opressão. Nós, mulheres, somos cerceadas em nossa auto-
Autoras como MARÍA LUGONES (2010) pesquisam a interseção entre raça, nomia, no governo de nossos corpos, de nós mesmas. Nosso universo sociocultural
classe, gênero e sexualidade com o objetivo de entender a preocupante indiferença é machista, heterossexual, hetero-erótico, misógino.
que os homens demonstram em relação às violências que sistematicamente são Ser mulher é uma questão política. E essa questão é o que estabelece nos-
infringidas contra as mulheres negras, ou seja, nas mulheres não brancas vitimas da sos cativeiros, como defende Marcela Lagarde (2005). O que seremos depende de
colonialidade do poder e, inseparavelmente, da colonialidade de gênero. As mulhe- nossa condição sócio-histórica, da relação entre o ser e a existência, o abstrato e o
res de cor, uma coalizão orgânica entre mulheres indígenas, mestiças, negras, que se concreto, dos fatos particulares que nos colocam em nossos próprios cativeiros. Há
colocam não como vítimas, mas como protagonistas de um feminismo descolonial e poucas opções para nossos modos de vida: podemos escolher entre ser mães-espo-
inauguraram uma rica tradição de pensamento com análises críticas do feminismo sas, putas, freiras, presas, loucas. E só. E todas as opções se relacionam com nossa
hegemônico, precisamente porque este ignora a interseção de raça/classe/sexuali- sexualidade.
dade/gênero. Busca-se entender a forma como se constrói esta indiferença dos ho-

13 No mesmo sentido, ver ainda COLLINS, Patricia Hill. Black Feminist Thought. Knowledge, Con- 14 Ver, especialmente, BUTLER, Judith. Problemas de Gênero. Feminismo e Subversão da Identida-
sciousness, and the Politics of Empowerment. 2. ed. Routledge: New York; London, 2000. de. Col. Sujeito & História, 8 ed.. São Paulo, Civilização Brasileira, 2015.
42 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo II - 43

Uma mãe-esposa é o mais “positivo” paradigma de feminilidade. É a mulher re- tiva, oculta. Passamos a vida enredadas nas tramas tecidas ao nosso redor conforme
conhecida pela maternidade, pelo sentido de família, pela adaptação à vida conjugal. se realize o círculo particular de nossa sexualidade e do poder: nossos corpos são
É a mulher realizada normativamente. As mulheres deste grupo social específico procriadores ou eróticos, para os outros ou para o divino, mas sempre submetidos ao
são fadadas a expressar sua sexualidade dentro do que está convencionado ser a poder externo. Sempre incompletas, sempre politicamente inferiores aos homens.
“vida familiar”. Seu erotismo deve ser subjacente à procriação, sua mais relevante Somos territórios de disputa a serem ocupados e dominados no mundo patriarcal.
função, não importa se esta mulher é advogada, professora, médica, empresária, Como e em que grau ocorrem essas dominações depende da situação de cada
executiva de uma empresa multinacional ou política. Esse controle sobre seu corpo, mulher, dos espaços sociais e culturais em que estão inseridas, dos bens materiais e
sua sexualidade, seu erotismo, garante a estrutura patriarcal e seu papel no sistema simbólicos que cada uma possui, de sua capacidade criativa para viver e sobreviver
capitalista. Ela está irremediavelmente submetida ao seu marido, ao modelo de vida no cativeiro. Somos, cada uma de nós, únicas em nossa complexidade, podendo ser
que lhe foi pré-estabelecido, ainda que não o perceba. Suas decisões, seus desejos, muitas ao mesmo tempo, simultaneamente subalternas ou transgressoras. Apesar
sua vida, são direcionados por essa relação de poder em que o homem assume o de tudo, muitas  mulheres abandonamos os rígidos marcos que estabelecem para
papel dominante. Se não se adapta, não serve para ser “mãe-esposa”. Ser mãe não é nossa feminilidade, seja compulsoriamente, seja por vontade própria, a fim de en-
uma escolha, portanto: é, ao contrário, vital para estar “bem colocada”, para que ela contrar uma nova forma de vida. As que não se enquadram no estereótipo, porém,
exerça seu “papel no mundo”. As mães-esposas, quanto mais assumem este papel, são consideradas um equívoco, doentes, incapazes, alopradas… e, de uma forma ou
melhores são. Mulheres fiéis, castas, deserotizadas, monogâmicas. As boas mulhe- de outra, sempre cumprem, ainda que parcialmente, com o papel contra o qual se
res. rebelaram.
Elas são o oposto das putas, que, “obviamente”, são as mulheres más. Esse A teoria aliada à prática, essa práxis feminista de resistência capaz de nos apon-
grupo se caracteriza, exatamente, pelo erotismo: aquelas que concretizam o desejo tar o caminho da liberdade, da democratização da sociedade e da cultura em que
feminino negado, especialistas na sexualidade feminina sempre proibida, regula- estamos inseridos. Cada uma de nós, como mulher particular e única, carrega em si
da, enquadrada, tabulada. As putas são as que colocam seu erotismo à disposição a síntese do mundo patriarcal, suas regras e proibições, suas obrigações, seus meca-
do prazer do outro, encarnam a poligamia, estão disponíveis, não necessariamente nismos de aprendizado, sejam eles ideológicos, afetivos, intelectuais, políticos… E
estabelecem vínculos com os homens. Seus corpos não se destinam à reprodução, somos também o que não pode ser, insistindo em nos manifestarmos em espaços em
seus filhos não têm o pedigree dos filhos de uma mãe-esposa. E não se trata aqui que a divisão de classe, gênero e raça estão colocados cuidadosa e intencionalmente
somente das trabalhadoras sexuais. São também as amantes, as mulheres que se para nos manter nos respectivos compartimentos, cativas das categorias sociais de
permitem viver uma liberdade sexual fora da convencionalidade, as que têm filhos onde viemos. Contudo, dentro de cada uma de nós se encontra o outro, estão as
sem um marido, as que vivenciam uma prática sexual que não seja heteronormativa, instituições, as concepções do mundo e do poder. Cabe a nós escolhermos nossas
monogâmica, virginal. práxis, redefinirmos as regras do mundo, traçarmos novas formas de exercício do
As freiras são aquelas mulheres cuja sexualidade é castrada em favor do poder poder. De preferência coletivamente, com as outras mulheres, unidas no mundo
divino. Não procriam, não têm cônjuges, sublimam seu erotismo em favor do poder visível e no mundo que está oculto, a partir de nossos corpos, de nossa sexualidade,
religioso. São mulheres que se relacionam de forma servil e dependente com um de nossas histórias, de nossas lutas, tão diversas mas com tanto em comum. Para
Outro todo-poderoso e adorado, em nome de quem negam seu corpo, seu erotismo, romper o véu pesado do silêncio e viver a vida que pensamos para nós, precisamos
ao extremo, renunciando ao protagonismo e se dedicando aos outros. As presas são fazer nossas próprias alianças.
as mulheres que materializam o cativeiro, o encarceramento absoluto, reaprisiona-
das nas instituições de poder. Independente do delito que tenham cometido, sua
prisão é exemplar e pedagógica. Dados recentes apontam para o abandono das
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
mulheres presas, que não são visitadas sequer por sua família ou companheiros.
As loucas são as mulheres que contrariam a racionalidade humana, que levam ao
limite a transgressão da feminilidade. A loucura genérica das mulheres emerge de O conceito coletivo de “mulher” deve ser entendido no âmbito de sua utilidade
sua sexualidade, de sua relação com os outros. quando se trate de definir a opressão como procedimento sistemático, estruturado,
Todas nós, mulheres, ocupamos um ou mais de um desses espaços: casa, bor- institucional, para que se possa continuar usando o Direito como instrumento de
del, convento, prisão, manicômio. Nossa sociedade, nossa cultura, nos coloca dentro transformação social a partir do qual se normatize incorporando uma perspectiva
desses muros, construídos em torno dos aspectos definidores da feminilidade domi- de gênero. Só assim as mulheres deixam de ser objeto de direito para ser sujeitas
nante, seja ela boa, aceita, positiva, saudável, ou, ao contrário, negada, doente, deli- de direito. É a partir dessa mudança de perspectiva teórica que pode a atuação do
44 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo II - 45

Estado deixar de ser traumática e frustrante no que diz respeito à sua responsabi- Universidad de Deusto, 2005(a).
lidade de garantir direitos das mulheres, para se transformar em efetiva tutela de ______. El processo cultural. Materiales para la creatividad humana.Sevilla: Aconcagua,
nossos direitos e necessidades básicas. São essas as construções que os feminismos 2005 (b).
devem pautar juridicamente: aquelas capazes de aproveitar o potencial transforma- HOOKS, Bel. Ain’t I a woman? Black woman and feminism. South and End Press, Bos-
dor do Direito como ferramenta geradora de direitos para TODAS as mulheres. ton, 1981.
Então, nós, mulheres, e especialmente as mulheres juristas, precisamos nos inspirar ______. Feminist Theory: From Margin to Center. Cambridge, MA: South End Press, 2000.
no poema de Kate Rushin: IPEA. Nota Técnica.CERQUEIRA, Daniel; COELHO, Danilo Santa Cruz. Estupro
no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde. (versão preliminar). IPEA, Mar-
ço de 2014. Disponível em: http://ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecni-
La puente que tengo que ser ca/140327_notatecnicadiest11.pdf
Es la puente a mi propio poder LAGARDE Y DE LOS RÍOS, Marcela. El feminismo y la mirada entre mujeres. Con-
Tengo que traducir ferência no  Seminário  Internacional sobre Liderazgo y Dirección para  Mujeres.  Poder y
Mis propios temores Empoderamiento de las Mujeres. Nueva ética para nuevos liderazgos.  Valencia (España)
Mediar 2 y 3 Abril de 2003. Disponível em:  http://webcache.googleusercontent.com/search?q=-
Mis propias debilidades cache:2GcCYCVjPQ4J:pmayobre.webs.uvigo.es/textos/marcela_lagarde_y_de_los_rios/
Tengo que ser la puente a ningún lado el_feminismo_y_la_mirada_entre_las_mujeres_marcela_lagarde_rios.doc+&cd=1&hl=p-
Más que a mi ser verdadero t-BR&ct=clnk&gl=br
Y después ______. Los Cautiverios de las Mujeres. Madresposas, putas, monjas, presas y locas. 4. ed.
Mexico, DF: UNAM, 2005.
Seré útil
LORDE, Audre. Textos escolhidos de Audre Lorde. Herética Edições Lesbofeministas
independentes. I Am Your Sister - Collected and unpublished writings of AudreLorde, Oxford
University Press, 2009. Disponível em: https://we.riseup.net/assets/171382/AUDRE%20
LORDE%20COLETANEA-bklt.pdf
6. REFERÊNCIAS LUGONES, María. Hacia un feminismo descolonial. Hypatia, v. 25, no. 4 (Otoño, 2010).
Traducido por Gabriela Castellanos.
ANZALDÚA, Gloria. Borderlands: The new mestiza. La frontera. 4. ed. São Francisco: MACKINNON, Catharine. Feminismo inmodificado. Buenos Aires: Siglo Veintiuno,
Aunt Lute books, 2007. 2014.
BENDER, Leslie. A Lawyer’s Primer on Feminist Theory and Tort. Journal of Legal Edu- MINDA, Gary. Postmodern legal movements. Nova York, NYU, 1995.
cation. v. 38, no. 1/2 (March/June 1988), pp. 3-37. RUSHIN, Donna Kate. El Poema de la Puente. In This Bridge Called My Back: Writings by
Radical Women of Color, Editado por Cherrie Moraga, p. xxi-xxii. New York: Kitchen Table,
COLLINS, Patricia Hill. The Social Construction of Black Feminist Thought. Sins, v. 14, 1981, 1983), Tradução de Ana Castillo e Norma Alarcón. 
no. 4, Common Grounds and Crossroads: Race, Ethnicity, and Class in Women’s Lives
(Summer, 1989), pp. 745-773. TEIXEIRA FILHO, Fernando S. Et al. Queering.Cuiabá: Edufmt, 2013.

______. Black Feminist Thought. Knowledge, Consciousness, and the Politics of Empower-
ment. 2. ed. Routledge: New York; London, 2000.
CRENSHAW, Kimberlé.  Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics, and
Violence against Women of Color.  Stanford Law Review,  v. 43, no. 6 ( Jul., 1991), pp.
1241-1299
DERRIDA, Jaques. A farmácia de Platão. Tradução Rogério da Costa. São Paulo: Ilumi-
nuras, [1972] 2005.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A,1999.
HERRERA FLORES, Joaquín. De habitaciones propias y otros espacios negados. Una teoría
crítica de las opresiones patriarcales. Cuadernos Deusto de Derechos Humanos. n° 33. Bilbao:
46 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo III - 47

III
MULHER E VULNERABILIDADE NO DIREITO
BRASILEIRO: UMA QUESTÃO DE SENTIDOS1

Débora Massmann
Doutora em Letras pela Universidade de São Paulo. Pós-Douto-
ra em Semântica pela Universidade de Campinas. Professora do
Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Uni-
versidade do Vale do Sapucaí – PPGCL/UNIVÁS (MG).

Patricia Brasil
Doutoranda e Mestre em Direito Político e Econômico pela Universidade
Presbiteriana Mackenzie (Bolsista CAPES/PROSUP). Advogada. Pro-
fessora Universitária na Graduação em Direito da MetrocampDeVry.

Resumo: O capítulo que se inicia tem por objetivo analisar os sentidos mulher na ordem
jurídica brasileira que permeiam as dificuldades na superação da desigualdade de gênero
no Brasil. Tratando-se o Direito de linguagem atribuída ao poder do Estado, a relação da
linguagem jurídica com a sociedade se dá a partir de formações discursivas que, revestidas
de caráter coercitivo, compõem a memória que constitui os sujeitos de direito. Tendo em
vista essa imbricada relação entre direito e linguagem, o texto propõe uma reflexão sobre
a tríplice articulação: linguagem, direito e sociedade, a partir dos estudos materialistas da
linguagem propostos por Orlandi (2002), que nos permite apontar a persistência de uma
memória discursiva sobre o sujeito mulher que constituindo os sentidos que permeiam a
tutela estatal, torna-se um obstáculo à coerência do sistema jurídico e à superação da desi-
gualdade entre homens e mulheres.

Palavras-chave: Igualdade de gênero. Sujeito mulher. Discurso jurídico. Sentido de mulher.

Porque um direito, em seus efeitos reais,


está ainda muito mais ligado a atitudes,
a esquemas de comportamento do que a formulações legais.
Foucault

1  WOMEN AND VULNERABILITY IN BRASILIAN LAW:


A QUESTION OF SENSES
48 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo III - 49

sofreram algum tipo de agressão e a cada 11 minutos, uma mulher é estuprada no


1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS país5. Em 2013, 4.762 mulheres foram vítimas de feminicídio no Brasil6.
Os números da desigualdade apontam que há uma lacuna no funcionamento
O primeiro olhar sobre a questão proposta neste texto pode gerar inquieta- jurídico que impede a concretização da igualdade expressa no art. 5º da Constitui-
ções. Como questionar os sentidos de mulher para área jurídica, mais especifica- ção. Como consequência, obstrui-se o predomínio na sociedade do discurso jurídi-
mente para o Direito? Para alguns pode parecer óbvio que a mulher é um sujeito co que confere à mulher a natureza de sujeito de Direito. Há, portanto, uma contra-
de direitos. Direitos esses que se encontram inscritos como fundamento do Estado dição, um litígio entre a teoria de direitos e a prática deles na sociedade brasileira.
Democrático, no artigo 5º da Constituição de 1988. E ainda, parece inquestioná- Reconhecendo o Direito como um acontecimento histórico e ideológico que
vel que esses direitos existam e que são garantidos, em condições de igualdade, na se produz nas, pelas e para as relações sociais (REALE, 2002) e de relações de
relação com os direitos dos homens, com quem também se equivalem em deveres. poder e que funciona, consequentemente, como instrumento de coerção, propu-
Devemos lembrar que, a despeito da igualdade formal legislada, expressa no semo-nos a analisar a rede de sentidos que se entrelaça em torno da mulher no
texto Constitucional como fundamento do Estado brasileiro, diversas leis discri- Direito brasileiro. Para isso, consideramos que linguagem e sociedade se constituem
minatórias permaneceram vigentes até o século XXI. Além disso, também con- mutuamente (ORLANDI, 2012) e que o Direito, neste estudo, funciona como um
frontaram e ainda confrontam com a dicção constitucional, reiteradas decisões dos instrumento coercitivo na e da sociedade. Além disso, inscrevemo-nos na mesma
tribunais brasileiros, revelando conflitos e contradições em torno do sentido de posição teórica daqueles estudiosos que compreendem que o Direito é linguagem
mulher pelo e para o Direito. e é também interpretação (FERRAZ JÚNIOR, 2013). Assim, fundamentadas em
A completar, a situação é de desigualdade material nas várias dimensões da uma perspectiva teórico-analítica de entremeio, a saber, que se coloca entre a área
vida social, especialmente nos espaços de poder. Os indicadores sociais brasileiros do Direito e área das Ciências da Linguagem - sobretudo aquela da Análise de Dis-
demonstram que, apesar da mulher representar aproximadamente 52% da popu- curso -, propomo-nos a refletir sobre uma tríplice relação - a saber, Direito, história
lação, em 2013, e 52,3% do eleitorado brasileiro em 20162, o Brasil ocupa hoje a e linguagem -, que, para nós, é fundamental para a compreensão dos sentidos pro-
153ª posição no ranking mundial de participação de mulheres nos parlamentos, duzidos nos discursos de e sobre a Mulher em textos de referência para o Direito
com 10,7% dos assentos na Câmara dos Deputados ocupados por mulheres e pou- brasileiro. Buscamos dessa maneira relacionar a persistência da desigualdade de gê-
co mais de 14% dos mandatos no Senado exercidos por mulheres3. Além disso, nero nos diversos ambientes da sociedade com os diferentes sentidos que compõem
de acordo com o Índice Global da Desigualdade de Gênero de 2016, do Fórum a memória discursiva sobre a mulher na historicidade do Direito brasileiro.
Econômico Mundial, o Brasil ocupa a 79ª posição, a pior entre os países da Amé- É, pois, a partir deste olhar de entremeio, que se inscreve entre o jurídico e o
rica Latina. Este índice analisa a desigualdade relativa à capacitação política e à discursivo, que este estudo se debruça sobre três dispositivos da legislação brasileira
paridade entre os gêneros no trabalho4. - a saber, o Código Penal de 1940, o Código Civil de 1916 e a Constituição Bra-
Essa situação de desigualdade se apresenta, assim, de várias formas sendo que sileira de 1988. O modo como a mulher tem sido significada nestes textos produz
seu extremo é a violência que apresenta números alarmantes no Brasil. De acor- efeitos sobre e para ela na sociedade e nas relações jurídicas. É importante ressaltar
do com dados de pesquisa realizada pelo DataFolha, em 2016, 44% das mulheres que a posição-sujeito, no caso dos recortes selecionados para esta análise, é aquela
do Estado que se inscreve no discurso jurídico e, a partir desta inscrição, regula(-
menta) a vida em sociedade exercendo inclusive poder punitivo quando necessário.
Tem-se assim que, nas legislações que compõem o corpus deste trabalho, os senti-
dos postos em funcionamento se sustentam em diferentes condições de produção
e fazem circular formações discursivas diversas que revelam a persistência de um
conflito em torno da mulher.

2 BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral. Estatísticas Eleitorais: eleições 2016, eleitorado. Disponí-
vel em: http://www.tse.jus.br/eleicoes/estatisticas/estatisticas-eleitorais-2016/eleicoes-2016. Acesso 5 DataFolha. A Polícia Precisa Falar Sobre o Estupro: Percepção sobre violência sexual e atendi-
em: 30 abr. 2017. mento a mulheres vítimas nas instituições policiais. Disponível em: http://www.agenciapatriciagalvao.
3 GENEVE. Women in National Parliaments: situation as 1st March 2017. Disponível em: http:// org.br/dossie/wp-content/uploads/2016/09/FBSP_Datafolha_percepcaoviolenciasexual_set2016.
www.ipu.org/wmn-e/classif.htm. Acesso em 30 abr. 2017. pdf. Acesso em 30 abr. 2017.
4 World Economic Forum. Além de nossa existência: perspectivas para atingir a igualdade de gênero 6 WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. Dispo-
no local de trabalho atingem o ano 2186. Disponível em: http://www3.weforum.org/docs/Media/ nível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf. Acesso
GGGR16/GGGR16_PTBR.pdf. Acesso em: 30 abr. 2017. em 30 abr. 2017.
50 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo III - 51

com a história, com o real” (GUILLAUMOU; MALDIDIER, 2014, p. 177); e, de


2. ENTREMEIO ANALÍTICO: O JURÍDICO E O DISCURSIVO outro lado, o recorte, definido como a unidade de análise discursiva, que também é
resultado de um olhar analítico do pesquisador, “varia segundo os tipos de discurso,
A análise de discurso apresenta-se como um domínio disciplinar cujo inte- segundo a configuração das condições de produção e, mesmo, o objetivo e o alcance
resse está em refletir e analisar a linguagem na sua relação com a sociedade. Dito da análise (ORLANDI, 1984, p. 14). Ou seja, os recortes apresentados aqui abaixo
de outra maneira, a partir deste arcabouço teórico-analítico, busca-se investigar e não foram selecionados ao acaso: eles também põem em funcionamento gestos de
compreender os processos de significação que são postos em funcionamento nas di- análise e de interpretação (tal como o corpus) em função da sua relação com a lín-
ferentes produções de linguagem. O papel da análise de discurso, segundo Orlandi gua, com a história, com os sujeitos e com os sentidos de e sobre mulher no discurso
(2002, p. 26), é compreender “como um objeto simbólico produz sentidos, com ele do Direito brasileiro.
está investido de significância para e por sujeitos”. Para isso, essa teoria se interessa
pelos gestos de interpretação que são produzidos na relação entre sujeitos e senti- Recorte A: Recorte B: Recorte C:
dos, pois, como destaca Orlandi (2006, p. 24) “face a qualquer objeto simbólico, o CÓDIGO PENAL (1940) CÓDIGO CIVIL (1916) CONSTITUIÇÃO BRASILEI-
sujeito é instado a interpretar, pois ele se encontra na necessidade de “dar” sentido. (ainda em vigor, alterado (revogado em 2002) RA (1988)
em 2009)
O que é dar sentido? Para o sujeito que fala, é construir sítios de significação, é
Posse Sexual Mediante Fraude Art. 6. São incapazes, relativamente Art. 5º. Todos são iguais
tornar possíveis gestos de interpretação”.
Art. 215. Ter conjunção carnal a certos atos (art. 147, n. 1), ou à perante a lei, sem distinção
Observa-se aí que sujeito e sentido estão na gênese de qualquer reflexão de com mulher honesta, mediante maneira de os exercer: de qualquer natureza, garan-
e sobre a linguagem na perspectiva discursiva. De fato, para análise de discurso, fraude. II. As mulheres casadas, enquanto tindo-se aos brasileiros e aos
todo e qualquer dispositivo de análise deve ser organizado tomando como ponto Pena – reclusão, de um a três subsistir a sociedade conjugal. estrangeiros residentes no País
de partida a língua (consequentemente, o sentido), o sujeito e a história7, pois “o anos. Art. 36. Os incapazes têm por domi- a inviolabilidade do direito à
Parágrafo Único. Se o crime é cílio o dos seus representantes. vida, à liberdade, à igualdade,
sentido é assim uma relação determinada do sujeito – afetado pela língua – com a cometido contra mulher virgem, Parágrafo único. A mulher casada à segurança e à propriedade,
história. É o gesto de interpretação que realiza essa relação do sujeito com a lín- menor de dezoito anos e maior tem por domicílio o do marido, salvo nos termos seguintes:
gua, com a história, com os sentidos” (ORLANDI, 2002, p. 47). É a partir deste de quatorze anos. se estiver desquitada (art. 315), ou I – homens e mulheres são
tríptico elementar (língua, sujeito e história) aos estudos discursivos que podemos Pena – reclusão, de dois a seis lhe competir a administração do iguais em direitos e obriga-
anos: casal (art. 251). ções, nos termos desta Cons-
compreender o funcionamento da significação e que podemos, também, analisar as
tituição.
condições de produção, a ideologia, a memória discursiva entre outros elementos
Mulher Honesta/Mulher Virgem Mulher Casada/Incapaz Mulher igual ao Homem
que afetam o funcionamento da interpretação.
É pois fundamentadas na teoria discursiva que, nesta reflexão, analisamos os
sentidos produzidos em torna da “mulher” no âmbito do Direito brasileiro. Para isso, Ao realizar esse exercício de seleção do corpus e dos recortes que serão ana-
selecionamos alguns recortes (ORLANDI, 1984) retirados do corpus que compõe lisados, observa-se que a análise de discurso pode trazer contribuições importante
este estudo, isto é, três legislações distintas produzidas e publicadas em momentos à área do Direito já que, como destaca Ferraz Júnior (2013), Direito é linguagem.
históricos, ideológicos e políticos também distintos. A noção de corpus e de recorte Nessa perspectiva, à medida que se considera que a linguagem é o elo que conecta
nos é importante, pois, em análise de discurso, tanto a seleção do corpus quanto a o sujeito com o real, com a sociedade e com o Estado, passa-se a concebê-la como
do(s) recorte(s) já aponta para gestos de análise fundamentais: de um lado, o corpus, uma prática simbólica, como um trabalho de e com a significação. De acordo com
descrito como um conjunto de documentos, de formulações, já é o resultado (o pro- Orlandi (2007, p. 296), a linguagem é prática significativa que produz sentido ins-
duto) de um processo de análise e de interpretação do discurso na sua relação com crevendo-se na história. Nas palavras da autora,
as condições de produção, ou melhor, na “relação com a materialidade da língua, Quando dizemos que a linguagem é uma prática significativa e pensamos a
relação da linguagem com a sociedade e o Estado, queremos dizer que a prática, que
7 Para a Análise de Discurso, teoria de linguagem que se filia ao materialismo histórico,
proposta, na França, por Michel Pêcheux e desenvolvida no Brasil por Eni P. Orlandi, a é a linguagem, se relaciona com as práticas sociais em geral. Para fazer sentido, a
história possui um papel fundamental nos processos de significação. Orlandi (2002, p. 47) língua, sujeita a falhas (divisão), se inscreve na história, produzindo a discursividade.
destaca que a “Análise de Discurso pressupõe o legado do materialismo histórico, isto é, o A discursividade, por sua vez, caracteriza-se pelo fato de que os sujeitos, em suas
de que há um real da história de tal forma que o homem faz história mas também essa [...]
não lhe é transparente. Daí, conjugando a língua com a história na produção de sentidos, posições, e os sentidos constituem-se pela sua inserção em diferentes formações
esses estudos do discurso trabalham o que vai-se chamar a forma material [...] que é a forma discursivas. Estas se definem como aquilo que o sujeito pode e deve dizer numa
encarnada na história para produzir sentidos: esta forma é portanto linguístico-histórica.”
52 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo III - 53

situação dada em uma conjuntura dada, e refletem, no discurso, as formações ideo- que temos de cada um destes profissionais citados acima se constitui, de acordo
lógicas. com a autora, “nesse confronto do simbólico com o político, em processos que ligam
Assim, à medida em que Direito é linguagem (FERRAZ JÚNIOR, 2013) e discursos e instituições” (ORLANDI, 2002; p. 42). No caso do nosso corpus, a po-
sendo o Direito também um fenômeno social, este reflete os valores de determinada sição-sujeito Estado está inscrita discursivamente neste imaginário que a sociedade
sociedade, em determinado tempo, portanto, inscreve-se na história, relacionando- produz, por exemplo, sobre o judiciário e sobre o legislativo que se apresentam
-se com as condições de sua produção. Além disso, o Direito, seja como legislação, como os representantes do Estado no discurso jurídico.
seja como atividade judicial, reflete interesses específicos da sociedade que o produz:

a legislação que se pressupõe apta a tornar concreto o ideal de justiça é, de 3. DA MEMÓRIA DISCURSIVA DE E SOBRE A MULHER
fato, construída por alguns ‘porta-vozes’ do(s) grupo(s) dominantes da so-
ciedade que, inadivertidamente (ou não), perpetuam o status quo (CARVA- Com a Análise de Discurso, inaugura-se um novo espaço de reflexão sobre o
LHO; BERTOLIN, 2010, p. 185).
funcionamento da linguagem em que a história possui um papel fundamental nos
processos de significação. Para Pêcheux (1969), o sentido de uma palavra não existe
Quando dizemos que a análise de discurso contribui com a interpretação do em si mesmo. Isso acontece porque, segundo o autor, ele é determinado e afetado
Direito, reconhecemos a incompletude da hermenêutica jurídica centrada na nor- pelas posições ideológicas que estão em funcionamento no processo sócio-histórico
ma, na técnica, na determinação e no controle (ou melhor na ilusão do controle) de produção da linguagem. Ou seja, o sentido também tem história uma vez que é
do sentido das palavras. Diante disso, faz-se necessário repensarmos o processo de produzido e enunciado a partir de certas posições que são sustentadas por aquele
produção de sentidos e a interpretação na área do Direito. Impõe-se também trazer que fala a partir do lugar de onde fala, afinal, como destaca Orlandi, “o lugar a par-
para o centro dos debates do Direito a noção de opacidade da linguagem, as rela- tir do qual fala o sujeito é constitutivo do que ele diz” (ORLANDI, 2002, p. 39).
ções de força8 e relações de poder que estão no cerne de nossa sociedade e que, sem Trata-se das formações discursivas9 que projetam na linguagem as formações ideo-
dúvida, afetam os sentidos de e sobre mulher no discurso jurídico. lógicas: “as palavras, expressões, proposições adquirem seu sentido em referência às
Considerando que o lugar de que fala o sujeito lhe é constitutivo, nos recortes posições dos que as empregam, isto é, em referência às formações ideológicas nas
selecionados para esta reflexão, a posição-sujeito é aquela do Estado que fala de quais essas posições se inscrevem (ORLANDI, 2006, p. 17).
uma posição de poder e, pelo discurso jurídico, regulamenta a sociedade. Isso sig- Considerando o exposto, os sentidos que são produzidos em torno de e sobre
nifica que os dizeres estão revestidos de poder coercitivo, obrigatório, institucional, a mulher nos recortes selecionados para este estudo, inscrevem-se em determinadas
oficial e representativo da própria sociedade. Em outras palavras, os dizeres estão posições que, por sua vez, projetam formações discursivas e formações ideológicas
encapsulados em um poder hierárquico, que funciona a partir de um jogo imagi- relacionadas ao lugar ocupado por quem fala. Assim, a palavra mulher, quando em-
nário constitutivo do funcionamento da linguagem. Este jogo imaginário orienta e pregada nos recortes aqui analisados, retoma aquilo que já foi dito sobre a mulher
conduz todo processo de produção do discurso. Ele é absolutamente eficaz e per- por alguém em outras situações e outros textos/lugares.
suasivo, pois, segundo Orlandi (2002, p. 42), “assenta-se no modo como as relações De fato, observando o primeiro recorte, retirado do Código Penal de 1940, ve-
sociais se inscrevem na história e são regidas, em uma sociedade como a nossa, por rificamos que o bem jurídico tutelado pela lei penal é a dignidade sexual da mulher.
relações de poder”. Assim, a imagem que temos de um juiz, de um promotor, de Entretanto, a proteção expressa no texto da lei não acolhe a todas as mulheres mas,
um desembargador, de um professor, por exemplo, não se produz ao acaso. Ela é apenas, aquela designada como honesta. Esta, e apenas, esta mulher seria merece-
resultado da força que este jogo imaginário exerce na produção do dizer. A imagem dora da proteção ou da aplicação do poder punitivo do Estado. O crime se tornaria
ainda mais grave se praticado contra mulher virgem, ou menor de 18 e maior de 14
anos, como se verifica no recorte apresentado aqui abaixo.
8 Sobre as relações de força, Orlandi (2002, p. 39) assinala que “segundo essa noção, podemos dizer
que o lugar a partir do qual fala o sujeito é constitutivo do que ele diz. Assim, se o sujeito fala a partir
do lugar de professor, suas palavras significam de modo diferente do que se ele falasse do lugar de
aluno. [...]. Como nossa sociedade é constituída por relações hierarquizadas, são relações de força, sus-
tentadas no poder desses diferentes lugares, que se fazem valer na “comunicação”. A fala do professor
vale (significa) mais do que a do aluno”. Se estendermos essa reflexão para o âmbito do Direito, temos
que o juiz (ou o advogado, ou ainda o promotor), por exemplo, fala de um lugar em que suas palavras 9 De acordo com Orlandi (2006, p. 17), “chamamos então de formação discursiva aquilo que, numa
têm uma autoridade determinada em relação aos seus interlocutores. A fala do juiz, por exemplo, tem formação ideológica dada, isto é, a partir de uma posição dada numa conjuntura dada, determina o
mais “poder”, mais força do que a fala do réu. que pode e deve ser dito.
54 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo III - 55

Recorte A: Recorte B
Posse Sexual Mediante Fraude Art. 6. São incapazes, relativamente a certos atos (art. 147, n. 1), ou à maneira de
Art. 215. Ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude. os exercer:
Pena – reclusão, de um a três anos. II. As mulheres casadas, enquanto subsistir a sociedade conjugal.
Parágrafo Único. Se o crime é cometido contra mulher virgem, menor de dezoito anos e Art. 36. Os incapazes têm por domicílio o dos seus representantes.
maior de quatorze anos. Parágrafo único. A mulher casada tem por domicílio o do marido,
Pena – reclusão, de dois a seis anos salvo se estiver desquitada (art. 315), ou lhe competir a administração do casal (art. 251).

Segundo Barbosa (2016)10, o termo “mulher honesta” foi empregado no âm- Como se observa no artigo 6º do Código Civil de 1916, o sentido de mulher
bito do Direito como repetição pouco alterada de dispositivo das Ordenações vem aqui especificado pelo adjetivo casada. O texto da lei indica que a mulher ca-
Alfonsinas. A previsão foi reiterada com poucas mudanças no Código Criminal sada é parte daqueles que são designados como “incapazes” e que, nessa condição,
do Império de 1830, no Código Penal de 1890 e permaneceu no Decreto-Lei nº estão sob a responsabilidade e proteção de um representante capaz, este sendo, no
2.848/1940, o atual Código Penal Brasileiro. Observemos que já se tem aí um fun- caso da mulher casada, o marido. Ou seja, a mulher casada não é reconhecida como
cionamento de sentidos que, pela historicidade do termo, põe em funcionamento um sujeito de direitos, mas, assim como um acessório do marido.
uma formação ideológica e um pré-construído sobre a imagem da mulher na socie- É importante lembrar que o Código Civil foi publicado em 1916, mas sua
dade: a lei deve proteger a mulher honesta e mulher virgem. elaboração foi iniciada por Clóvis Beviláqua em 1899, ou seja, ainda no século XIX,
A tutela estatal sobre a mulher honesta persistiu no sistema jurídico brasileiro como destaca Dias (2016)11. Considerando as condições de produção do Código
até o ano de 2009, quando o Decreto-Lei nº 2.848/1940 foi alterado pela Lei nº Civil, não se pode desconsiderar as questões ideológicas desta época marcada por
12.015. Assim, por 21 anos coexistiram, em nosso sistema jurídico, o sentido de uma sociedade conservadora e patriarcal. Que sentidos poderiam ser produzidos
igualdade entre homens e mulheres conforme descrito no art. 5º da Constituição sobre a mulher se a sociedade valorizava o homem e sua superioridade (aparente)
Federal de 1988 e o sentido de mulher honesta do Código Penal de 1940, que em todas as relações sejam pessoais (familiares), sociais, políticas e jurídicas, entre
informava as decisões dos tribunais penais brasileiros na tutela de crimes sexuais. outras? O discurso que se materializa na textualidade do Código Civil de 1916
Na prática, o termo “mulher honesta”, embora retirado do Código Penal em 2009, reproduz a ideologia vigente e põe em funcionamento as relações de força: não
ainda aparece em discursos da área do Direito e da sociedade em geral, sobretudo, podemos esquecer quem é o autor (ou quem são os autores desta norma jurídica),
naqueles que tratam de violência contra a mulher. quem são as autoridades desta sociedade de transição do século XIX para o século
Essas considerações nos remetem hoje à pesquisa do instituto DataFolha XX. Há, neste período, uma hegemonia masculina que, conforme a análise aqui
(2016) sobre a violência contra a mulher, em especial quando avalia a assertiva: empreendida, ainda produz efeitos de sentido na sociedade contemporânea.
“mulheres que se dão respeito não são estupradas”. Dentre os participantes da pes- A partir deste gesto analítico, podemos historicizar os sentidos de mulher e
quisa, 42% dos homens e 32% das mulheres entrevistadas concordaram com essa observar justamente o funcionamento de uma memória discursiva (interdiscurso)
afirmação. Os dados apontam para o fato de que, mesmo no século XXI, ainda há que foi sendo constituída em torno da significação de e sobre a mulher nos textos
persistência deste discurso que responsabilizam a mulher pelos crimes sexuais de jurídicos e na própria sociedade. Nesse sentido, a memória discursiva (ou interdis-
que é vítima. Trata-se de um exemplo concreto do funcionamento dessa memória curso) constitui, pois, “todo o conjunto de formulações feitas e já esquecidas que
discursiva que vai estabilizando sentido de e sobre a mulher e assim, como o próprio determinam o que dizemos” (ORLANDI, 2002, p. 33). As palavras de Orlandi nos
DataFolha destacou “a ideia de controle do comportamento e do corpo das mulhe- conduzem a pensar que há um já-dito que permeia todo o processo de produção
res faz com que a violência sexual possa ser tolerada” (DataFolha, 2016). da linguagem e se coloca como componente fundamental para a compreensão do
Com o advento do Código Civil de 1916, vigente até 2002, outros/novos sen- funcionamento discursivo, sua relação com os sujeitos e com a ideologia. À medida
tidos em torno de e sobre a mulher foram discursivizados na norma jurídica: que observamos como significação se produz, conseguimos relacionar os dizeres de
e sobre a mulher, expressos nos recortes em análise, a toda uma rede de filiação de
sentidos que remete a uma memória e, assim, em sua historicidade, identificamos

10 Disponível em https://canalcienciascriminais.com.br/mulher-honesta-origem-da-ex- 11 DIAS, Maria Berenice. A Mulher no Novo Código Civil. Disponível em: www.mariaberenice.
pressao/. Acesso em 15 abr. 2017. com.br/uploads/18_-_a_mulher_no_código_civil. Acesso em 15 mai. 2017
56 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo III - 57

sítios de significância que, no discurso jurídico, inscrevem posições políticas e ideo- Universal dos Direitos Humanos, o Brasil se pronunciou juridicamente em relação
lógicas. à igualdade de todos os sujeitos perante a lei e específica que, no Brasil, “homens
A análise do terceiro recorte aponta justamente para o funcionamento da me- e mulheres são iguais em direitos e obrigações”, nos termos da Constituição de
mória discursiva e para essas posições políticas e ideológicas que ganham visibi- 1988.
lidade no discurso seja pelo dito, seja pelo não-dito. O artigo 5º da Constituição Dessa forma, o artigo 5º da Constituição Federal, ao contrário do que foi
Federal de 1988 destaca que observado nos outros recortes, estabelece, na materialidade linguística, a equidade
entre homem e mulher. No entanto, observando o funcionamento dos sentidos,
somos levados a compreender que ao especificar que “homens e mulheres são iguais
Recorte C em direitos e obrigações”, o texto constitucional põe em funcionamento um saber
Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos
discursivo que remete a um já-dito, isto é, àquele de que, juridicamente e historica-
brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberda-
de, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: mente, homens e mulheres não têm ou não tinham os mesmos direitos e as mesmas
I – homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição. obrigações. Em outras palavras, eles não são/eram compreendidos pela legislação
brasileira em patamar de igualdade. Desse modo, pelo não-dito, o recorte “C” fun-
ciona na direção de sentido dos recortes “A” e “B” e coloca em funcionamento a
Considerando que a “lei materializa o ideal de justiça de determinada socie- mesma memória discursiva sobre a mulher.
dade” (BERTOLIN; CARVALHO, 2010, p. 194), a partir da concepção consti- Conforme temos explicitado aqui, nesse funcionamento da memória discur-
tucional, todo o corpo normativo e todas as relações sociais do Estado Brasileiro siva, entram em cena sentidos sobre a mulher que já estão estabilizados em nossa
deveriam se desenvolver no sentido de garantir a igualdade entre homens e mulhe- sociedade e também sentidos em conflito. A estabilização de sentidos remete ao
res, de forma a permitir que todos tenham liberdade para decidir e desenvolver suas fato de que, “em todo dizer há algo que se mantém” (ORLANDI, 2002, p. 36).
aptidões pessoais sem limitações, ultrapassando os limites estabelecidos em função Quando estabilizados, os sentidos funcionam para naturalizar significações. En-
do gênero. tretanto, nem sempre é assim. A significação que está estabilizada pode sempre ser
Essa previsão constitucional significou, a princípio e em tese, o rompimen- rompida, deslocada ou (re)significada em função das condições de produção que
to com o sistema institucionalizado de dominação masculina, ao negar vigência a podem estabelecer uma tensão no discurso e assim produzir rupturas e equívocos
qualquer medida discriminatória, reconhecendo a igualdade como princípio funda- de significação ou, em outras palavras, colocar em funcionamento novos e outros
mental e base do Estado. A igualdade jurídica representou, ainda, o rompimento do sentidos para a mulher. De fato, conhecer como a linguagem funciona é pois, se-
paradigma público versus privado, que sempre limitou a atuação do Estado sobre as gundo Orlandi (2002, p. 10), “colocar-se na encruzilhada de um duplo jogo da
relações domesticamente estabelecidas, que figuravam intocáveis onde os homens memória: da memória institucional que estabiliza, cristaliza, e, ao mesmo tempo, o
reinavam absolutos (BERTOLIN et al; 2013). Neste aspecto, merece destaque a da memória constituída pelo esquecimento que é o que torna possível o diferente,
Lei Maria da Penha, promulgada em 2006, que passou a tratar com mais rigor a a ruptura, o outro”.
violência doméstica e passou para o Estado a iniciativa da investigação e do pro- Isso nos levar a considerar a relação que se estabelece entre língua, sujeito
cessamento dos crimes, permitindo, inclusive, a denúncia da situação de violência e história como um processo dinâmico. Estes três componentes estão na base do
por terceiros. processo significação e, consequentemente, também naquele da interpretação que,
Assim, observando o recorte “C” da perspectiva de entremeio, aquela que es- segundo Pêcheux (2014, p. 59), pode se dar de “maneiras diferentes ou mesmo
tamos construindo entre jurídico e discursivo, o artigo 5º reescreve, por exemplo, o contraditórias”. É justamente no entremeio do sentido estabilizado e do sujeito a
que já havia sido dito no artigo 7º da Declaração Universal dos Direitos Humanos equívoco (sentidos em conflito) que pode se dar a tensão do/no discurso e o efeito
que passou a ser adotada pela Organização das Nações Unidas em 10 de dezembro da polissemia. Trata-se pois do trabalho de interpretação. Ou ainda, como destaca
de 1948, a saber: “Todos são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer dis- Orlandi (2014, p. 2),
tinção, a igual proteção da lei. Todos têm direito a igual proteção contra qualquer
discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a
tal discriminação”12. Ou seja, depois de mais 50 anos da publicação da Declaração […] trabalho da memória em perpétuo confronto consigo mesma. E é neste
confronto da memória com a memória – [dos sentidos em conflitos/sujeito
12 In < http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Declara%C3%A7%C3%A3o-Univer-
a interpretação e dos sentidos estabilizados] - que se aloja o vai e vem da
sal-dos-Direitos-Humanos/declaracao-universal-dos-direitos-humanos.html >. Acesso em 20 mai. interpretação, dos gestos de leitura e da força do imaginário.
2017.
58 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo III - 59

os sentidos que se enlaçam em torno daquele imaginário sobre a mulher não aten-
dida pela tutela jurídica.
jogo que se estabelece entre a memória estabilizada e cristalizada pelas e nas
instituições - neste caso, temos aqui o próprio judiciário -, e a memória constituída
pelo esquecimento, aquele que rompe com os sentidos engessados e torna possível
o diferente, o outro o novo. Mais uma vez, a nuvem de palavras (confira aqui ao
lado) contribui para representarmos os sentidos que se enlaçam em torno daquele
imaginário sobre a mulher não atendida pela tutela jurídica.

Tem-se assim que sentidos em litígio são produzidos pela relação de interpre-
tação e apontam para o funcionamento do político na linguagem, da contradição,
da divisão dos efeitos de sentido. Nessa perspectiva, analisando recortes A, B e C
que foram selecionados para este estudo, se pensarmos numa representação gráfi-
ca, podemos, didaticamente, imaginar a representação sob a forma de nuvem de
palavras. Nesta imagem, estariam representados os diversos sentidos que, em tese,
compõem a memória discursiva que se produz em torno da significação de mulher
nos fragmentos A e B, apresentados anteriormente. De um lado (confira o quadro
ao lado), observa-se a memória discursiva da mulher protegida pelo direito, isto é,
todos os sentidos que podem ser construídos para aquela mulher que, de acordo A partir destes dois gestos de análise, compreendemos que, de acordo com o
com discurso jurídico, se insere no modelo tido “padrão” para uma sociedade ma- texto jurídico, apenas a mulher honesta, a mulher casada, a mulher mãe, a mulher
chista como é o caso da brasileira. Trata-se da mulher “certa”, da mulher direita, da dependente, a mulher frágil, a mulher do lar, merece a proteção do Estado. Isso
mulher honesta. porque somente essas mulheres estão compreendidas dentro de um imaginário de
Esse discurso sobre a mulher ideal traz consigo a memória discursiva de ou- honestidade, de dignidade e de proteção da mulher. Por outro lado, neste mesmo
tros sentidos para a mulher: aqueles opostos a essa descrição, isto é, os sentidos discurso, a mulher solteira, a mãe solteira, a trabalhadora, a sexualmente livre, a
que remetem àquela mulher que não é protegida pelo direito. O Direito, ao firmar mulher independente, a mulher capaz é desconsiderada juridicamente: a este es-
a proteção da mulher em um sentido específico e desejado, determina, ao mesmo tereótipo de mulher não caberia a proteção do Estado uma vez que, conforme as
tempo, sua discriminação e, consequentemente, sua exclusão. Produz, assim, um condições de produção deste discurso, seriam elas mesmas as responsáveis por se
deslizamento que conduz para a ruptura de sentidos, ou melhor, para o funciona- colocar em situação de risco e de violência.
mento político na linguagem que se manifesta, justamente, no embate, no litígio na Considerando que a memória discursiva é constitutiva dos sujeitos e, que o
divisão de sentidos. Essa ruptura é alcançada a partir do jogo que se estabelece entre Direito consiste na prestação da tutela (proteção) do Estado para resguardar um
a memória estabilizada e cristalizada pelas e nas instituições - neste caso, temos bem da vida, o efeito de sentidos que se produz a partir desta análise é o seguinte:
aqui o próprio judiciário -, e a memória constituída pelo esquecimento, aquele que a vida da mulher que não se enquadra no pré-construído de honesta e incapaz
rompe com os sentidos engessados e torna possível o diferente, o outro o novo. Mais está excluída da proteção do Estado. Fora da lei, a mulher, nesse sentido, justifica
uma vez, a nuvem de palavras (confira aqui ao lado) contribui para representarmos qualquer violência que venha a sofrer e toda a discriminação a que for submetida,
inclusive aquela praticada pelo próprio Estado. Percebe-se, então, que a noção de
60 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo III - 61

proteção Estatal pelo exercício do poder punitivo no Direito brasileiro está direta- sendo incapaz. Com o advento da Constituição Federal, a materialidade linguística,
mente atrelada ao caráter relacional dos papéis sociais. Esses papéis atribuídos ao isto é, o modo de dizer, de representar linguisticamente a lei dá a falsa compreen-
gênero, são construídos a partir das diferenças biológicas e sexuais entre homens e são, num processo de simples decodificação da língua, de que algumas mudanças
mulheres, enquanto representações do masculino e do feminino, respectivamente. parecem ter se operado no discurso do Direito, especificamente, na Constituição
Com efeito, trata-se de institucionalização da diferença como fator de desigualdade Federal. Entretanto, como nos ensina a análise de discurso, a linguagem não é
(MIGUEL, 2014, p. 81). Desta forma, pensar os sentidos de e sobre a mulher para transparente, isto é, as palavras não são repositórios de sentidos: não há como atra-
o Direito produz um jogo de significância promovido pela desestabilização dos vessar uma palavra e, atrás dela ou dentro dela, encontrar um sentido ali já posto
sentidos e dos sujeitos. Isso acontece porque, afetado pela história, pela ideologia (ORLANDI, 2007). Não há como olhar nas entrelinhas de um texto e dizer o que
e pelas condições de produção, o discurso está em constante movimento, ele flui, ele significa. Isso seria apenas analisar o conteúdo. Para fazer análise de discurso, é
se (re)significa, entrelaça-se de modo que os sentidos produzidos nessa movência preciso aperfeiçoar nossa escuta discursiva e relacionar, como foi destacado ao longo
“sempre podem ser outros” (ORLANDI, 2002, p. 37). texto, o sujeito, a linguagem (sentido) e a história funcionado em seus processos de
significação. Por isso, não podemos aceitar que, no art. 5º da Constituição, se diga
que novos e outros sentidos de e sobre a mulher e sobre a paridade entre mulher e
homem estão ali expressos.
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Conforme a análise realizada, observou-se que na materialidade linguística,
isto é, na estrutura da língua (forma de dizer), o movimento de sentidos, que se pro-
Ao percorrer textos de referência para o Direito brasileiro, a reflexão proposta duz em “Homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações”, põe em funcio-
neste estudo deu visibilidade à trama de sentidos que, historicamente, vem sendo namento um saber discursivo que remete ao já-dito, qual seja, homens e mulheres
produzida em torno de e sobre a mulher na sociedade brasileira, sobretudo, no não têm ou não tinham os mesmos direitos e as mesmas obrigações na legislação
âmbito do Direito. Esses sentidos não se constituíram, nem mesmo se constituem brasileira. Trata-se do funcionamento da memória discursiva, amplamente explo-
ao acaso. Ao contrário, eles são resultados de processos discursivos que envolvem rando neste estudo, que faz retornar o mesmo sentido em condições de produção
língua, história, ideologia, sujeitos, relações de poder, relações de força, instituições distintas fazendo assim a significação deslizar, deslocar, derivar para outros espaços
e todos os processos de significação que confluem para o funcionamento da lingua- simbólicos. O que se observou nos textos em análise foi justamente isso: o mes-
gem na sociedade. mo sentido de e sobre a mulher foi sendo (re)produzido de modos diferentes, (re)
Como foi possível observar, os sentidos que se produziram e se produzem em dito e (re)escrito de formas diversas por sujeitos distintos, em textos distintos, em
torno de e sobre a mulher refletem o legado conservador, patriarcal e machista da momentos históricos, sociais, ideológicos e jurídicos também distintos. A partir do
sociedade brasileira. Legado este que produziu, e ainda produz, seus efeitos afe- exposto, considera-se então que a memória discursiva de e sobre a mulher parece
tando as formas de significação na contemporaneidade. Legado este que enraizou persistir e resistir nos textos da legislação brasileira aqui estudados. Ao final desta
seus tentáculos na sociedade brasileira alcançando, desde sempre, instâncias que reflexão, as palavras de Foucault, em epígrafe, produzem seus efeitos de sentidos e
deveriam zelar e fazer funcionar a igualdade de gênero, como é o caso, dos textos nos provocam a (re)considerar aquele imaginário sobre a àrea Direito porque para
que compõem nosso corpus. Foucault (1998, p. 45) “um direito, em seus efeitos reais, está ainda muito mais liga-
Conforme o percurso teórico-analítico desenvolvido aqui, compreendeu-se do a atitudes, a esquemas de comportamento do que a formulações legais”.
que, antes de 1988, a institucionalização da ideologia de gênero nas práticas jurí-
dicas e sociais era um fato: o Direito normatizava a desigualdade entre homens e
mulheres, de um lado, regulamentando a supremacia e a (aparente) superioridade
masculina e, de outro lado, reforçando a vulnerabilidade, a inferioridade e a subor- 5. REFERÊNCIAS
dinação da mulher. Como destaca Dias (2015), até 1988, mesmo com que a publi-
cação de leis e estatutos em que a mulher estava, em tese, implicada, como é o caso BARBOSA, Ruchester. “Mulher Honesta”, conheça a origem da expressão. 15 set. 2016.
da Lei n.° 4.121de 1962, conhecida como Estatuto da Mulher Casada, a legislação Canal Ciências Criminais. Disponível em https://canalcienciascriminais.com.br/mulher-
brasileira não apresentou avanços significativos no que concerne à significação da -honesta-origem-da-expressao/. Acesso em 15 abr. 2017
mulher no Direito. BERTOLIN, Patricia Tuma Martins; ARAÚJO, Helena Romeiro; KAMADA, Fabiana
Se até 1988, a discursividade jurídica atribuía à mulher sentidos que remetem Larissa. As Políticas Públicas para a Promoção da Igualdade de Gênero no Brasil. In: BER-
à relações de poder e relações de força, em que, como vimos, ela era descrita como TOLIN, Patricia Tuma Martins; SMANIO, Giampaolo Poggio. O Direito e as Políticas
62 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo III - 63

Públicas no Brasil. São Paulo: Atlas, 2013. GENEVE. Interparliamentary Union. Women in National Parliaments: situation as 1st Mar-
ch 2017. Disponível em: http://www.ipu.org/wmn-e/classif.htm. Acesso em: 30 abr. 2017.
BERTOLIN, Patricia Tuma Martins; CARVALHO, Suzete. Igualdade Jurídica: verdade
ou sofisma?. In: BERTOLIN, Patricia Tuma Martins; ANDREUCCI, Ana Claudia Pom- GUILLAUMOU, Jacques; MALDIDIER, Denise. Efeitos do arquivo. A análise de dis-
peu Torezan (Org.). Mulher, sociedade e direitos humanos. São Paulo: Rideel, 2010. p. curso no lado da história. In: ORLANDI, E. P. (org.) Gestos de Leitura. Da história no
181-206. discurso. 4. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.
BIROLI, Flávia. Justiça e Família. In: MIGUEL, Luis Felipe e BIROLI, Flávia. Feminis- MIGUEL, Luis Felipe. A Identidade e a Diferença. In: MIGUEL, Luis Felipe e BIROLI,
mo e Política: uma introdução. 1a ed. São Paulo: Boitempo, 2014. Flávia. Feminismo e Política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014.
BRASIL. Câmara dos Deputados Federal. Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de OKIN, Susan Moller apud MIGUEL, Luis Felipe e BIROLI, Flávia. Feminismo e Políti-
1940. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei- ca: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014.
-2848-7-dezembro-1940-412868-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 30 abr. 2017.
ORLANDI, Eni Puccinelli. “Segmentar ou recortar”. In Linguística: questões e
______. Presidência da República. Lei nº 12.015, de 7 de Agosto de 2009. Disponível em: controvérsias, publicação do Curso de Letras do Centro de Ciências Humanas e Letras das
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12015.htm. Acesso em: 20 Faculdades Integradas de Uberaba, Série Estudos – 10, 1984, pp. 9-26.
abr. 2017.
______. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2002.
______. Presidência da República. Lei nº 3.071, de 1º de janeiro de 1916. Disponível em:
______. Eni Puccinelli. Análise de Discurso. In: LAGAZZI-RODRIGUES, Suzy e OR-
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L3071.htm, Acesso em: 30 abr. 2017.
LANDI, Eni Puccinelli. Discurso e Textualidade. Coleção Introdução às Ciências da Lin-
______. Presidência da República. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Disponível em: guagem. Campinas: Pontes, 2006.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm. Acesso em: 30 abr 2017.
______. Educação em direitos humanos: um discurso. In: ROSA, Maria Godoy Silveira, et
______. Constituição (2006). Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos al. Educação em Direitos Humanos: Fundamentos teórico-metodológicos. João Pessoa:
para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher.  Lei Maria da Penha. Bra- Editora Universitária, 2007.
sília, DF, 07 ago. 2006. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-
______. (org.) Gestos de Leitura. Da história no discurso. 4. ed. Campinas: Editora da
2006/2006/lei/l11340.htm>. Acesso em: 17 mar. 2015.
Unicamp, 2014.
______. Constituição (1967). Constituição nº 1967, de 24 de janeiro de 1967.  Consti-
PÉCHEUX, Michel. L’analyse automatique du discours. Paris: Dunod, 1969.
tuição da República Federativa do Brasil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/constituicao/constituicao67.htm>. Acesso em: 27 fev. 2015. ______. Ler o arquivo hoje. In: ORLANDI, E. P. (org.) Gestos de Leitura. Da história no
discurso. 4. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.
______. SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. (Ed.). Legítima Defesa da honra. 1991.
Disponível em: <http://stj.jus.br/portal_stj/publicacao/engine.wsp?tmp.area=1451&tmp;. WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil.
texto=113644>. Acesso em: 15 fev. 2015. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mu-
lheres.pdf. Acesso em 30 abr. 2017.
______. Tribunal Superior Eleitoral. Estatísticas Eleitorais: eleições 2016, eleitorado.
Disponível em: http://www.tse.jus.br/eleicoes/estatisticas/estatisticas-eleitorais-2016/elei- World Economic Forum. Além de nossa existência: perspectivas para atingir a igualdade de
coes-2016. Acesso em: 30 abr. 2017. gênero no local de trabalho atingem o ano 2186. Disponível em: http://www3.weforum.
org/docs/Media/GGGR16/GGGR16_PTBR.pdf. Acesso em: 30 abr. 2017.
CARVALHO, Suzete, BERTOLIN, Patricia Tuma Martins. Igualdade Jurídica: verdade
ou sofisma? In: BERTOLIN, Patricia Tuma Martins ANDREUCCI, Ana Claudia Pom-
peu Torezan (Org.). Mulher, sociedade e direitos humanos. São Paulo: Rideel, 2010.
DataFolha. A Polícia Precisa Falar Sobre o Estupro: Percepção sobre violência sexual
e atendimento a mulheres vítimas nas instituições policiais. Disponível em: http://www.
agenciapatriciagalvao.org.br/dossie/wp-content/uploads/2016/09/FBSP_Datafolha_per-
cepcaoviolenciasexual_set2016.pdf. Acesso em 30 abr. 2017.
DIAS, Maria Berenice. A Mulher no Código Civil. Disponível em: <www.mariaberenice.
com.br/uploads/18_-_a_mulher_no_código_civil>. Acesso em: 15 mai. 2017.
FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Tradução Raquel Ramalhete. 18. ed. Petrópolis: Vo-
zes. 1998.
64 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IV - 65

IV
A TRAJETÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA
IGUALDADE NAS RELAÇÕES DE GÊNERO NO
BRASIL: AS EMPREGADAS DOMÉSTICAS1

Hildete Pereira de Melo


Doutora em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade
Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Professora da Universidade Federal Flu-
minense – UFF. Editora da Revista Gênero do Programa de Estudos Pós-
-Graduados em Política Social da Universidade Federal Fluminense - UFF

Cristiane Soares
Doutora em Economia pela Universidade de Brasilia – UnB. Tecno-
logista do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

Lourdes Maria Bandeira


Pós-doutora em Sociologia do Conflito pela École des Autes Études en
Sciences Sociales. Doutora em Antropologia pela Universidade René Des-
cartes -Paris V. Professora titular da Universidade de Brasilia – UnB.

Resumo: Este artigo faz uma recuperação histórica da construção e da formalização dos
direitos reais dos trabalhadores domésticos brasileiros. Excluídas da legislação de 1940,
protetora dos diretos sociais, tanto estas como os trabalhadores rurais. As empregadas do-
mésticas representam uma das maiores ocupações das trabalhadoras brasileiras, mas esta
exclusão foi herança de um modelo histórico patriarcal e escravocrata. Com este olhar este
artigo analisa historicamente as alterações que a luta das domésticas foram introduzindo no
seu estatuto legal até alcançar a plenitude dos direitos trabalhistas em 2013. Em seguida
a partir dos microdados da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio (PNAD/IBGE),
constrói marcadores sociais de classe e das relações de gênero e raça, para analisar nos anos
de 2013, 2014 e 2015 este processo de transição da igualdade formal para a realidade do
cotidiano destas trabalhadoras. E conclui com uma breve avaliação da atuação das políticas
públicas pode romper com os elementos históricos e estruturais de desigualdade no campo
do trabalho, cuja condição de igualdade entre os sexos nas suas relações de gênero e raça não
é uma prioridade nacional.
Palavras-chave: Relações de gênero. Famílias. Legislação trabalhista. Igualdade. Trabalha-
dores domésticos.

1 THE PATH OF THE CONSTRUCTION OF EQUALITY IN GENDER RELATIONS


IN BRAZIL: DOMESTIC EMPLOYEES
66 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IV - 67

que abordam o tema se limitam a afirmar que a exclusão destes dois grupos da
1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS reforma trabalhista resultou das características de relações de poder e de trabalho
diferenciadas vividas por estes trabalhadores (MELO, 1998; FRAGA, 2013). No
Este estudo recupera historicamente a construção e a formalização dos di- campo, as oligarquias rurais tinham grande influência na política e na economia e,
reitos sociais dos trabalhadores domésticos brasileiros, ignorados pela legislação naquele período, o Brasil ainda era considerado uma economia predominantemen-
nacional de 1940. Esta deixou de lado a maioria dos trabalhadores do país: os tra- te agrícola. Por outro lado, é necessário destacar que a legislação trabalhista adotou
balhadores rurais e as empregadas domésticas. uma posição protecionista em relação às mulheres trabalhadoras, baseada em prin-
Este trabalho analisa apenas o caso das empregadas domésticas, onde as rela- cípios tais como - da fragilidade feminina, da defesa da moralidade, da proteção à
ções de trabalho são construídas culturalmente como “lugar de mulher” e a execu- prole e da natural vocação da mulher ao lar, assim como do caráter complementar
ção dessas tarefas não exige nenhuma qualificação. Portanto, uma relação familiar, do salário da mulher, fundamentando-se em um ideal de família patriarcal. Neste
cuja atividade ocorria no interior dos domicílios e no discurso oficial isto impediu modelo de família a chefia familiar seria do homem, tendo por objetivo proteger a
sua profissionalização.2 mulher trabalhadora no seu papel de mãe (BRUSCHINI et all. 2008).
Numa perspectiva social, considera-se que este tipo de exclusão foi herança de Por sua vez, um enorme contingente de trabalhadores rurais, tanto homens
um modelo histórico patriarcal e escravocrata vivenciado pela sociedade brasileira como mulheres, ficaram fora deste marco regulatório e desprotegidos, seja porque a
ao longo do tempo (MELO, 1998). Esta naturalização faz dessa ocupação o refú- força de mobilização política era escassa diante do poder de grandes latifundiários,
gio dos trabalhadores com baixa escolaridade e sem treinamento na sociedade. A conhecidos como os ‘coronéis’, seja porque a representação sindical era praticamen-
análise histórica das alterações que a luta das domésticas provocaram na legislação te inexistente. Esta exclusão se apoia na profunda desigualdade que caracterizava
social nacional é sucintamente apresentada, através das mudanças no seu estatuto e ainda permanece nas relações sociais brasileiras. No caso das empregadas do-
legal até alcançar a plenitude dos direitos trabalhistas em 2013. mésticas, as relações de trabalho em sua maioria eram tratadas como uma relação
No item seguinte a partir dos microdados da Pesquisa Nacional de Amostra familiar, de plena subserviência, cuja atividade se dava no interior dos domicílios
por Domicílio (PNAD/IBGE), foram construídos marcadores sociais de classe e familiares e não em empresas, o que dificultava a profissionalização desta categoria.
das relações de gênero e raça, para analisar nos anos de 2013, 2014 e 2015. Estes Desta forma a Consolidação da Lei do Trabalho (CLT) 4 definiu estas trabalhado-
marcadores são sinalizadores deste processo de transição da igualdade formal para ras como “os que prestam serviços de natureza não econômica à pessoa ou à família, no
a realidade do cotidiano destas trabalhadoras. Por último avalia a atuação das políti- âmbito residencial destas” (Decreto-Lei nº 3.078/1941, Art.7º, alínea “a”) e, conse-
cas públicas pode romper com os elementos históricos e estruturais de desigualdade quentemente, estas não foram incluídas no corpo da legislação trabalhista.
no campo do trabalho, cuja condição de igualdade entre os sexos nas suas relações Numa perspectiva social, pode-se considerar também que este tipo de ex-
de gênero e raça não é uma prioridade. clusão foi herança de um modelo sócio - histórico patriarcal e escravocrata. Este
se expressava na vontade do “senhor ou patrão” como a autoridade suprema tanto
na unidade sócio-familiar como produtiva brasileira. E mesmo após a abolição da
escravidão a convivência entre criadas e senhoras permaneceu marcada por relações
2. A CONSTRUÇÃO E A FORMALIZAÇÃO DOS DIREITOS patriarcais que definia a extrema desigualdade presente na sociedade, na qual as
DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS BRASILEIROS mulheres, senhoras ou criadas, eram submetidas ao poder masculino. O trabalho
com a reprodução da vida, tais como cuidar da casa, cozinhar, lavar louça, lavar e
A PARTIR DOS ANOS 1940: UMA VISÃO GERAL passar roupa, cuidar de crianças, idosos, doentes, era secularmente femininas. Estas
tarefas eram responsabilidades das mulheres, culturalmente definidas do ponto de
Este estudo recupera, historicamente, porque a construção e a formalização vista social, como donas de casa, mãe e esposa. As atividades de consumo familiar se
dos direitos reais dos trabalhadores brasileiros, nos anos 1940, ignoraram os traba- constituíam em serviços pessoais para o qual cada mulher internalizava a ideologia
lhadores rurais e a maioria das mulheres trabalhadoras brasileiras.3 Alguns estudos de servir aos outros, que era vista pela sociedade como uma “situação natural”, sem
remuneração e condicionada por relações afetivas entre as mulheres e as pessoas de
2 Para os trabalhadores rurais a justificativa relacionava-se a que as relações de trabalho no campo suas famílias.
não seguiam as mesmas regras das estabelecidas nas atividades urbanas: indústrias, comércio, trans-
portes.
3 Foram também excluídos os funcionários públicos e os servidores das autarquias paraestatais, estes 4 A CLT foi promulgada em 1º de maio de 1943, no governo de Getúlio Vargas, em plena ditadura
por que estavam sujeitos a um regime próprio de proteção social. do Estado Novo.
68 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IV - 69

Em outras palavras, percebe-se que, mesmo passado quase um século, são pou- Em entrevista para a Revista Maria Maria/UNIFEM, Melo (2002) identifica
cas as transformações observadas nas atividades desenvolvidas pelas mulheres no o trabalho das empregadas domésticas como o pior posto de trabalho, e é deno-
universo doméstico, sobretudo, quando se almeja a repartição do trabalho domésti- minado assim por ser tido como o lugar de mulher, como extensão das tarefas fe-
co entre os dois sexos. As empregadas domésticas, ainda hoje, constituem “...um dos mininas e ainda compreendidas como um “fazer por amor” que, segundo a autora,
segmentos ocupacionais mais expressivos na alocação da mão-de-obra feminina foi decorrência de um processo histórico que estabeleceu ao longo dos últimos 200
urbana” (AZERÊDO, 2002, p. 323). anos, a separação da produção de bens do âmbito familiar, reforçado pela herança
Ademais, deslocadas para o mercado, as pessoas que realizam tais atividades escravocrata como responsável pela desvalorização do trabalho doméstico. Assim,
se deparam com uma ‘herança’ social, cujo estigma de desvalorização permanece a autora traz para a análise a construção histórica destas relações baseada nas mu-
até os dias atuais. Patroas e empregadas participam de uma relação de identidade danças da economia, por meio do capitalismo que, por sua vez, fortaleceu as desi-
mediada pela lógica de servir aos outros como algo “natural”, embora essa relação de gualdades entre os gêneros, configurada na divisão sexual do trabalho. Poder-se-ia
trabalho tenha dois efeitos contraditórios: de um lado a questão de classe e de outro, afirmar que ainda existe um “modo de produção doméstico” fundado sobre a opres-
a identidade de gênero, raça/cor que é estabelecida entre as mulheres, que aponta são das mulheres, central na reiteração da dominação feminina, nessa permanência
para uma diferença estrutural entre mulheres, que se apóia na profunda desigualda- da divisão sexual do trabalho no espaço e no tempo.
de que caracteriza as relações sócio-raciais no Brasil. Portanto, coerentemente com Por sua vez, exercendo atividades no interior dos lares e famílias brasileiras, as
a sociedade de antanho, a legislação protetora do trabalho no Brasil, na década de domésticas foram silenciadas e, na efervescência industrial dos anos 1950, no co-
1940, ignorou o serviço doméstico remunerado no novo código legal. ração da sociedade industrial nacional, na cidade de Campinas (SP), por exemplo,
Segundo Hirata (2004, p. 43), “A questão dos móveis psico-afetivos da domi- surgiu uma associação profissional de empregadas domésticas. Em 1961 funda-se
nação, central neste campo, foi pouco explorada pelos sociólogos [....] As noções de na cidade do Rio de Janeiro a Associação Profissional dos Empregados Domésti-
“servidão voluntária”, de “consentimento” à dominação, bem como a convocação do cos do Rio de Janeiro.5 Este movimento não foi interrompido, nem mesmo pelo
“sentimento amoroso” são heurísticas para pensar o lugar dos afetos na reprodução regime militar implantado no Brasil em 1964. E as associações foram sendo criadas
da servidão doméstica”. Pois se deve considerar que as mudanças na divisão sexual pelo país afora, nos Estados do Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Minas
do trabalho profissional não foram acompanhadas de transformações similares na Gerais e Rio Grande do Sul.
divisão sexual do trabalho doméstico e familiar, onde a gestão e a execução das O que as trabalhadoras domésticas reivindicavam era, fundamentalmente, a
tarefas continuam a ser de responsabilidade das mulheres. Portanto, trata-se basica- extensão da legislação trabalhista e a seguridade social para a categoria. Provavel-
mente de uma intrincada relação entre as diferenças estruturais e as desigualdades mente estas organizadas na cidade de Campinas levaram as reivindicações para o
entre mulheres que compartilham de uma mesma condição de sexo, isto é, de ser Deputado Federal paulista Francisco Amaral (Movimento Democrático Brasileiro
fêmea da espécie humana, uma categoria ainda considerada como tendo menos va- – MDB/SP) e este formulou um projeto de lei que se transformou em uma legisla-
lor (AZERÊDO, 2002); ao contrário dos homens que são vistos como seres sociais. ção especial para as domésticas. Assim, em 1972, o Congresso Nacional aprovou a
A antropóloga Suely Kofes, ao analisar as relações e as diferenças entre patroas Lei nº 5.859/1972 que reconhecia apenas alguns direitos legais a essas trabalhado-
e empregadas explicitou o que denomina de “ambiguidade estrutural”, que permeia ras. Esta lei tornou obrigatória a assinatura da carteira de trabalho, o direito a férias
o discurso sobre as experiências da relação entre empregada e patroa, constituindo anuais remuneradas de 20 dias úteis e o direito a previdência social na qualidade
uma armadilha na prática política das empregadas domésticas e suas conexões com de segurados obrigatórios. No entanto, esta não regulou, por exemplo, o tamanho
outras relações de dominação, impedindo-as de romper “aquelas regras de convi- da jornada e nem o horário de trabalho, o que permaneceu a critério – e gosto dos
vência nos termos da relação familiar, privada, interpessoal, que marca o exercício patrões.
dessa mesma relação” (2001, p. 302). Desde 1960 (Lei nº 3.807/1960) as trabalhadoras domésticas podiam se ins-
Nas décadas seguintes algumas mudanças aconteceram e, em 1956, a Lei nº crever na Previdência Social como segurado facultativo. Lentamente, outros direi-
2.757/1956 distinguiu o serviço doméstico nos domicílios daqueles realizados por tos foram sendo assegurados como a instituição do vale-transporte com a Lei nº
porteiros, zeladores, faxineiros e serventes de prédios de apartamentos residenciais. 7.418/1985, cobrindo o deslocamento residência-trabalho e vice-versa, primeiro
Estes trabalhadores até então estavam excluídos dos direitos trabalhistas pela se- de forma facultativa e, em 1987, como uma obrigação do empregador. Porém,
melhança com o trabalho doméstico. Além disso, vale chamar atenção que esta
distinção entre ocupações, que incorporou este grupo de trabalhadores na CLT, 5 As empregadas domésticas desde os anos 1930 tinham tentado criar associações profissionais, a
favoreceu o trabalho masculino. primeira foi na cidade de Santos (SP). A associação fundada em Campinas teve como uma de suas
lideranças a ativista da associação santista dos anos 1930 – Laudelina de Campos Melo. Sobre a asso-
ciação carioca ver Oliveira, Conceição & Melo (1989).
70 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IV - 71

vale destacar que para tais obrigações do patrão/oa havia, a priori, a necessidade de doméstico remunerado aos menores de dezoito anos. Este decreto seguia as reco-
assinar a carteira, mas em geral isso não ocorria e, na prática, as obrigações mencio- mendações da Convenção 182, de 1999, da Organização Internacional do Trabalho
nadas não eram efetivadas. (OIT), que trata de eliminar as piores formas de trabalho infantil e que havia sido
Nos anos 1980, apesar do contexto ser de plena afluência das mulheres ao ratificada pelo Brasil em 2000, mas que era ignorada pela sociedade brasileira.
mercado de trabalho, suas dificuldades de ascensão já eram demarcadas pela extre- Provavelmente a luta das mulheres pela igualdade no mundo do trabalho e
ma desigualdade salarial entre os sexos, agravada pela ausência de politicas públicas na vida, em todos os países, seja a explicação para a mudança que aconteceu em
como, por exemplo, a existência de creches, ainda insuficientes até os dias atuais. 17 de junho de 2011. Neste dia, a 100º Conferência Internacional do Trabalho
Finalmente, em 1988, depois de uma ampla mobilização nacional de mulheres, aprovou uma Convenção e Recomendação histórica sobre trabalho decente para
foi promulgada uma nova Carta Constitucional no Brasil que ampliou o reconhe- as trabalhadoras domésticas do mundo. Na maioria dos países até então o traba-
cimento de um conjunto mais amplo de direitos para as empregadas domésticas. lho doméstico era objeto de uma regulação particular que, de uma maneira geral,
Embora elas tivessem o direito ao salário-mínimo, acrescentaram outros; irreduti- conferia às domésticas um menor reconhecimento dos direitos garantidos. Este
bilidade do salário, salvo negociação; décimo-terceiro salário; repouso semanal re- estatuto diferenciado para o serviço doméstico remunerado significava que, nessas
munerado, preferencialmente aos domingos; gozo de férias remuneradas, com pelo sociedades, estas atividades eram reconhecidas como o lugar da mulher e, portanto,
menos um terço a mais do que o salário normal; licença à gestante, sem prejuízo do gozavam de uma proteção social excepcional.
emprego e do salário normal, com licença de 120 dias; licença paternidade (cinco A nova recomendação internacional promovida pela OIT repercutiu no Brasil
dias); aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de 30 dias; e o movimento sindical das trabalhadoras domésticas ganhou fôlego para prosse-
aposentadoria e integração à Previdência Social. Mas, os direitos escritos para esta guir na luta. Para estender todos os direitos trabalhistas e previdenciários vigentes
ocupação – domésticas - na realidade ainda podiam ser “enquadradas” numa situa- aos demais trabalhadores e às trabalhadoras domésticas era necessário revogar o
ção de “servidão doméstica”. Por que a aprovação deste conjunto de direitos, mesmo parágrafo único do art.7º da Constituição Federal que restringia os direitos sociais
que ainda limitados não significou o seu cumprimento na vida real. Isto porque esta da categoria dos trabalhadores domésticos: “São assegurados à categoria dos trabalha-
ainda era uma legislação discriminatória que não igualava esta categoria aos de- dores domésticos os direitos previstos nos incisos IV, VI, VIII, XV, XVII, XVIII, XIX, XXI
mais trabalhadores, mas foi inegável que tinha havido um avanço. O movimento de e XXIV, bem como a sua integração à previdência social” (Constituição da República
mulheres e as trabalhadoras domésticas comemoraram a vitória porque durante os Federativa do Brasil). Portanto, a ampliação dos direitos exigia a revogação deste
trabalhos constituintes havia uma forte oposição à extensão destes direitos, uma vez parágrafo do art. 7º. E uma mudança em um texto constitucional implica numa
que era proposto que tudo ficasse como rezava a legislação de 1972, suficientemente votação no qual 2/3 dos deputados devem aprovar esta mudança. Uma tarefa árdua
“boa” para aquelas trabalhadoras. 6 para o movimento social e sindical nacional que representava cerca de sete milhões
Outra mudança que ocorreu com a Constituição de 1988 foi permitir a sin- de trabalhadoras e trabalhadores domésticos submetidos a regime jurídico desigual
dicalização das trabalhadoras domésticas e isso possibilitou a continuidade da em relação aos demais trabalhadores. O processo de ratificação interna de norma
luta pela obtenção dos demais direitos trabalhistas e previdenciários. Estes foram internacional, tal como exigido pela Constituição em vigor, faria nascer uma norma
basicamente obtidos a partir da primeira década dos anos 2000, como o acesso de caráter infraconstitucional, lei ordinária, que se apresentaria em conflito com a
facultativo ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e ao Programa Lei Maior. Portanto, em tese, o parágrafo único, do artigo 7º, da Constituição da
Seguro-Desemprego (Projeto de Lei da Deputada Benedita da Silva, Partido dos República Federativa do Brasil, impedia o ingresso no direito pátrio das normas
Trabalhadores – PT/RJ). Contudo, estes novos direitos ficavam a critério do em- previstas na nova Convenção 189, da OIT.
pregador, como a maioria dos anteriores. No entanto, tramitava na Câmara dos Deputados a Proposta de Emenda
Em 2006, o governo federal promulgou a Medida Provisória nº 286 que per- Constitucional,8 que propunha a mencionada revogação deste parágrafo úni-
mitia a dedução no Imposto de Renda (IR) o valor pago pelo empregador à Pre- co, do artigo 7º. Esta Emenda Constitucional teve parecer favorável aprovado
vidência Social do empregado doméstico. Esta medida tinha como objetivo incen- em 05/07/2011 na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Casa.
tivar a formalização da categoria que permanecia num patamar inferior a 30% do Criando, assim, a esperança de viabilidade jurídica da ratificação interna da nova
conjunto dessas trabalhadoras. 7 Em 2008, o Decreto nº 6.481 proibiu o serviço Convenção sobre o trabalho doméstico decente e a perspectiva de ampliação dos
direitos das empregadas e empregados domésticos. Embora o Brasil, naquele mo-
6 Segundo entrevista da advogada Comba Marques Porto, responsável pela articulação do Conselho mento não havia assinado a Convenção nº 156, da OIT, relativa à igualdade de
Nacional do Direito da Mulher do Ministério da Justiça com o Congresso Nacional durante os traba-
lhos da Assembleia Nacional Constituinte, a Hildete Pereira de Melo em maio de 2013.
7 Ver Melo; Sabatto (2011). 8 PEC nº 478/2010, de autoria do Deputado Carlos Bezerra (PMDB-MT).
72 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IV - 73

oportunidades e de tratamento para as trabalhadoras e os trabalhadores com res- sencial no encargo assumido, por parte das mulheres, do trabalho doméstico [...]”
ponsabilidades familiares. (HIRATA, 2004).
Em 2013, diversos projetos tramitavam na Câmara Federal, cuja finalidade era Por sua vez, as empregadas domésticas além de exercerem tarefas e atividades
a extensão do conjunto dos direitos trabalhistas as trabalhadoras domésticas. Estes singulares, “oferecerem” uma “disponibilidade permanente” de prestação de serviços,
foram apensados e terminaram no desenho geral da intitulada Emenda Consti- pois, (HIRATA, 2004), há que se reconhecer que existe também a afetividade nas
tucional n.72, que teve como origem a PEC 66/2012, também conhecida como a relações familiares, sobretudo destinada aos filhos menores; ou como afirma Segato
PEC das Domésticas. Esta vitória legislativa foi intensamente discutida pela so- “... a mãe que de fato conta – é a babá” [...], uma vez que este “desempenho-perso-
ciedade brasileira e finalmente foi regulamentada em maio de 2015 pelo Senado nagem” se constitui uma prática de longa duração histórica [...] que são maternida-
Federal e sancionada pela Presidenta Dilma Rousseff em junho de 2015. E assim, des transferidas e presentes na vida social desde os primórdios coloniais” (2007, p.
setenta e dois anos depois que os trabalhadores e trabalhadoras brasileiras tiveram 146). O premiado filme nacional da cineasta Anna Muylaet, “Que horas Ela volta”
acesso a uma legislação de proteção social, as domésticas conseguiram a equipa- de 2015, traça um duro perfil da ambiguidade destas relações que transitam entre
ração de todos os direitos dos demais trabalhadores regidos pela Consolidação das afetos e obrigações de trabalho, como domésticas, amas-de-leite ou babás. Atual-
Leis do Trabalho (CLT). mente, tais categorias existem, muitas das quais dissimuladas, ao migraram para a
função-tarefa de cuidadoras, diaristas, garis, faxineiras, entre outras ocupações no
interior dos lares.9
Desse modo, o mercado de trabalho brasileiro permanece demarcado por sig-
3. AS RELAÇÕES DE DESIGUALDADE E O
nificativas e persistentes desigualdades de gênero e raça e essa dimensão/situação
TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO deve ser priorizada nos processos de formulação, implementação e avaliação de po-
líticas públicas em geral, e, em particular, das políticas de emprego, inclusão social
Como afirmado acima, as relações de desigualdade entre aquelas/es que reali- e redução da pobreza.
zam as tarefas domésticas, no interior das famílias, continuam atribuídas, sobretu-
do, à responsabilidade das mulheres: donas de casa e/ou suas empregadas domésti-
cas. Na maioria mulheres pobres e negras, que as exercem em condições precárias 4. A EVOLUÇÃO DO EMPREGO DOMÉSTICO NO
no interior dos domicílios. Destaca-se que, em sua maioria, a doméstica recebe
plenamente pelas horas trabalhadas, embora no discurso patronal de um passado BRASIL E OS IMPACTOS DA “PEC DAS DOMÉSTICAS”
recente estas horas foram “trocadas” pelo alimento e vestimentas, o que faz com que NA FORMALIZAÇÃO DA CATEGORIA
a “condição” de servidão humana tenha se realizado de maneira “voluntária” e “gra-
tuita”, reforçando as condições de assimetria nas quais viveram estas trabalhadoras
Na bibliografia sobre o mercado de trabalho brasileiro, a década de 1970
(HIRATA, 2004).
é considerada um marco para a inserção das mulheres no mercado de trabalho
Para as mulheres de modo geral, mesmo aquelas que não são empregadas do-
(BRUSCHINI, 1994). Argumenta-se que a deterioração dos salários reais dos
mésticas, mas que se nominam como “do lar” ou “dona de casa”, “[...] a realização
trabalhadores no período contribuiu para aumentar a participação das mulheres
desse trabalho gratuito ao ‘longo da vida inteira’ [...], fora do contexto coercitivo
no mercado de trabalho, como uma forma de complementação da renda familiar.
(escravidão e servidão), coloca um problema ao sociólogo, notadamente quando,
Contudo, não se pode negar que, do ponto de vista econômico, a década de 1970
segundo Hirata (2004, p. 44):
teve seu período mais pujante e a dinâmica do mercado de trabalho atendeu esta
1) admite-se que se trata efetivamente de trabalho (pode-se dizer que não se
fase de expansão da economia, recrutando potenciais trabalhadores, o que favoreceu
trata de trabalho, mas de serviços prestados em troca de compensações afetivas, ma-
a mão-de-obra feminina.
teriais, simbólicas ou que se trata do resultado de negociações no interior do casal,
A Tabela 1 mostra que o nível de ocupação das mulheres de 10 anos ou mais
o que pressupõe necessariamente interações e reciprocidades etc.);
de idade teve a maior variação na década de 1980. Houve um aumento de 40% em
2) postula-se que se trata de uma “expressão” de amor (pode-se dizer que não
se trata de sentimento amoroso mas de uma lógica interiorizada, de normas e pa-
péis socialmente impostos, de alienação etc.; ou, do ponto de vista do sujeito, de 9 Vale lembrar que ficou definido como ‘afazeres domésticos’ o conjunto das seguintes atividades, se-
gundo a PNAD (1992): arrumar ou limpar toda ou parte da moradia; cozinhar ou preparar alimentos,
escolhas estratégicas etc.); aqui há que se destacar a dimensão dos afetos, “[...] es- passar roupa, lavar louça ou roupa, utilizando ou não aparelhos domésticos para executar as tarefas aos
moradores; cuidar de crianças, doentes ou dependentes.
74 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IV - 75

relação ao observado no Censo de 1970. No entanto, a desigualdade entre homens correspondendo a cerca de 20% da população ocupada feminina (SOARES et all,
e mulheres nas taxas de inserção reflete aspectos da divisão sexual do trabalho, 2014). Embora o trabalho doméstico no Brasil tenha se reduzido, argumenta-se
considerando que, em 2010, o percentual de mulheres ocupadas na população cor- que este dificilmente tenderá a desaparecer, visto que a sociedade brasileira ainda
respondia a 69% do percentual observado para os homens. Alguns pesquisadores conserva uma característica patriarcal e não houve uma redefinição acerca dos pa-
defendem a posição de que o percentual de mulheres no mercado de trabalho já peis de gênero.
atingiu seu máximo e há pouca margem para aumentar. Os argumentos destes se Além dos papeis de gênero desempenhados no interior da família, outro as-
baseiam no fato de que não houve uma divisão sexual do trabalho nos lares. As pecto importante que tem influenciado a inserção das mulheres no mercado de tra-
mulheres ocuparam o espaço público, mas os homens não migraram para o privado. balho é a escolaridade. Historicamente, as principais funções sociais das mulheres
Com efeito, a responsabilidade dos afazeres domésticos e cuidados continuam a eram o casamento, a maternidade e os cuidados (da casa e da família) fazendo com
cargo das mulheres, com uma jornada média de 21 horas semanais, sendo que para que a maior parte delas ficasse à margem da educação formal e do trabalho remu-
as mulheres rurais, a jornada média ultrapassa 26 horas semanais, fazendo com que nerado. No Brasil, até a década de 1980 as mulheres eram maioria entre os analfa-
a inserção feminina no mercado de trabalho esteja condicionada a uma conciliação betos. Contudo, a escolaridade feminina avançou progressivamente, visto que, em
entre trabalho e família. Assim como ressalta Hirata (2002) e Kergoat (2009), a 1960, na população com ensino superior as mulheres eram apenas 14,3%; em 1991,
divisão sexual do trabalho é uma decorrência das relações sociais de sexo, construída elas superaram os homens com este nível de ensino (51%) e, em 2010, as mulheres
e determinada historicamente, cujo espaço público é domínio masculino, cabendo correspondiam a quase 59% daqueles com nível superior concluído.
às mulheres o espaço privado, de reprodução social. Essa articulação entre trabalho Com o avanço da escolaridade, a entrada das mulheres - principalmente as
e família, na maioria das vezes, faz com que as mulheres tenham uma jornada no de classe média - no mercado de trabalho a partir da década de 1970 somente se
mercado de trabalho menor, em trabalhos mais precários (pouco formalizados e de tornou possível porque havia também um mercado [expressivo] não regulamenta-
baixa remuneração). do de trabalhadoras pouco escolarizadas, em grande parte mulheres negras e com
baixa qualificação dispostas a trabalharem por um salário sem garantias sociais, cujas
atividades eram essencialmente da “natureza” feminina.
Tabela 1 Dessa maneira, a inserção das mulheres no mercado de trabalho ocorreu de
Nível de ocupação das pessoas de 10 forma segmentada, de um lado por um grupo de mulheres pouco escolarizadas em
anos ou mais de idade por sexo - Brasil - ocupações precárias e informais como o trabalho doméstico; e, de outro, por mulhe-
1950/2010 res mais escolarizadas, sobretudo, oriundas de segmentos médios, em trabalhos de
maior qualidade, porém concentradas em áreas que remetem a “papéis” socialmente
Ano Homens Mulheres atribuídos as mulheres, tais como: saúde, educação e serviços sociais.
1950 78,2 13,3 Soares et al. (2014) ressaltam que se comparada a inserção ocupacional feminina
1960 77,1 16,6 desde o primeiro recenseamento, em 1872, até o mais recente, realizado em 2010,
1970 71,8 18,5 pode-se constatar que o mercado de trabalho brasileiro ainda conserva característi-
1980 71,0 25,9 cas de mais de um século atrás. O serviço doméstico ainda se constitui um impor-
1991 68,3 30,5 tante segmento de emprego feminino. E com o avanço da escolaridade, embora se
2000 61,1 35,4 evidencie uma maior inserção feminina em áreas anteriormente dominadas pelos
2010 63,3 43,9 homens, elas ainda estão concentradas naquelas que remetem e reforçam os papéis
Fonte: IBGE, Censos Demográficos. de gênero. As autoras chamam atenção também que as relações de desigualdade
ainda são proeminentes e permanecem enraizadas no tecido social. Elas citam a
área da saúde como o espaço onde as mulheres tiveram grande avanço; contudo, a
O serviço doméstico no Brasil, desde o final do século XIX, quando se realizou
inserção se deu de forma diferenciada de acordo com a ‘hierarquia’ sociocupacional,
o primeiro recenseamento, constitui o principal segmento ocupacional das mulhe-
visto que na categoria de chefes de clínicas médicas, por exemplo, o número de mu-
res brasileiras. Em 1872, do total de mulheres com profissão declarada, o serviço
lheres é bem reduzido. Com efeito, as autoras concluem que o padrão educacional
doméstico empregava cerca de um terço delas. Passado mais de um século, os dados
segundo as áreas de concentração se reflete no mercado de trabalho, o que nos faz
do Censo Demográfico 2010 indicaram que o serviço doméstico representa ain-
presumir que sem uma transformação no campo educacional, fica difícil romper
da um importante segmento do emprego feminino com 5,5 milhões de ocupadas,
com um modelo estrutural e desigual no mercado de trabalho.
76 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IV - 77

No que se refere à qualidade dos trabalhos, embora nos últimos dez anos Gráfico 1
o mercado de trabalho tenha registrado um crescimento da taxa de formalização
ainda há segmentos cujo percentual de trabalhadores que contribuem para a previ-
Proporção de pessoas de 16 anos ou mais de idade ocupadas na semana de referência como
dência é relativamente baixo. A maioria do emprego doméstico é informal, isto é, trabalhador doméstico sem carteira que contribuem para a previdência social individualmente
de 6,4 milhões de trabalhadores, quase 70% não tem carteira de trabalho assinada. por cor/raça - 2004-2014

Esse número representa mais de 4 milhões de empregados domésticos que foram 24,0

excluídos da reforma trabalhista desde a implantação da CLT e somente em 201510 19,1


tiveram todos os direitos trabalhistas equiparados aos dos demais trabalhadores 20,0

formais. Entre os empregados domésticos sem carteira que contribuem individual- 16,0
16,1 15,8

mente para a Previdência Social o percentual é de apenas 14%, o mais baixo entre 14,0
11,1
as demais categorias ocupacionais (SÍNTESE..., 2015).
12,0 11,7 11,9 11,4

O Gráfico 1 mostra ainda a evolução da contribuição previdenciária indivi-


9,8
8,4 9,4
8,0 6,7 6,9
5,9
dual dos empregados domésticos por cor/raça e verifica-se que há uma diferença 3,7
4,8 4,7
4,7 4,9 5,3
6,8

4,0 3,8
significativa na taxa de formalização entre brancos e negros, cuja relação de desi- 3,3 3,7 4,4
4,0 3,8
3,0 3,0 3,2

gualdade se intensificou com o crescimento da formalidade. Em 2004, o percentual 0,0


2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
de empregados domésticos sem carteira que contribuíam para a previdência era 3%
e, em 2014, esse percentual passou para 11%. O crescimento da formalidade neste
Total Brancos Pretos e pardos

grupo ocorreu principalmente a partir de 2011, cuja variação nos últimos quatro Fonte: IBGE, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2004-2014.
Nota: Não houve pesquisa em 2010.

anos foi de 72% entre os brancos e de 67% entre os negros. Somente entre 2013 e
2014 a variação foi de quase 18% e mostra esse movimento em busca de garantias
sociais, particularmente entre aqueles que não tem carteira de trabalho assinada. O serviço doméstico se distingue também das demais categorias ocupacionais
No trabalho doméstico, evidencia-se que 92% são empregadas domésticas e por apresentar dois tipos de trabalhadoras segundo o tipo de jornada com dis-
a taxa de formalização delas, em 2014, era de 40% somando, inclusive, aquelas que tribuição muito próxima: as “diaristas” e as “mensalistas”. Denominou-se diaristas
contribuíam individualmente. Embora este percentual seja baixo, há dez anos atrás aquelas com jornada inferior a 40 horas semanais e representam quase 47% do
o percentual era ainda menor (27,8%). Na perspectiva de evidenciar algum efeito total de empregadas domésticas. As mensalistas são aquelas com jornada igual ou
da mudança da legislação na taxa de formalização, os dados indicaram uma redução maior a 40 horas semanais, cuja distribuição representa 53% da categoria. A taxa de
de número de domésticas de 1,9 milhão para 1,8 milhão entre 2013 e 2014. A taxa formalização entre esses dois grupos é bastante distinta, visto que quase 90% das
de contribuição previdenciária, por sua vez, permaneceu a mesma. A maior variação diaristas estão na categoria de empregadas doméstica sem carteira, enquanto entre
da taxa de formalização ocorreu entre 2012 e 2013, com um aumento de 3,4 pontos as mensalistas este percentual é de 50%. Com efeito, uma política pública que te-
percentuais. nha como objetivo aumentar a taxa de formalização ou contribuição previdenciária
desta categoria deve atentar para este fato. Vale ressaltar que a recente legislação
brasileira de regulamentação do trabalho doméstico considera a obrigatoriedade da
assinatura da carteira de trabalho apenas para aqueles cuja relação de trabalho se
dá numa freqüência superior a duas vezes por semana. Logo, aquelas empregadas
domésticas com vínculo em mais de um domicílio na maioria das vezes ficam fora
do escopo desta legislação. O incentivo à formalização e à proteção social, neste
caso, carece de outros mecanismos.
A taxa de contribuição previdenciária das trabalhadoras com jornada de 40
horas ou superior não somente é mais elevada como o dobro daquelas com jornada
inferior a 40 horas na semana (56,8%). Nos últimos dez anos houve um aumento
significativo na proporção de contribuintes entre as mensalistas (19 p.p.); no entan-
10 Após a aprovação da PEC das domésticas em 2013, os direitos adquiridos pelo empregado domés- to, em termos relativos, a maior variação foi observada para as empregadas diaristas
tico a partir da Lei Complementar n0 150/2015 foram: adicional noturno, obrigatoriedade do recolhimento do FGTS por parte do empregador, (73,0%), cujo marco temporal ocorreu principalmente a partir de 2009. Isto mostra
seguro-desemprego, salário-família, auxílio-creche e pré-escola, seguro contra acidentes de trabalho e indenização em caso de despedida sem justa causa.
78 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IV - 79

que o crescimento da contribuição individual está relacionado com outros fatores, (Tabela 2). Entretanto, um aspecto importante desta análise da PNADC/IBGE
como a garantia da aposentadoria e outros benefícios da previdência social por (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilio Continua) é a possibilidade de evi-
parte dos contribuintes. denciar algum efeito da legislação no emprego doméstico formalizado.
De acordo com o Gráfico 2 constata-se que apenas uma em cada cinco dia- Apesar das limitações da análise de impacto, o Gráfico 3 mostra o comporta-
ristas negras são formalizadas, a menor taxa observada. As desigualdades entre as mento do emprego doméstico com e sem carteira de trabalho assinada logo após
categorias de domésticas e de cor ou raça são expressivas visto que as mensalistas a regulamentação da Lei Complementar n.150, de 01.06.2015, que garante todos
de cor branca têm uma taxa de formalização superior 3 vezes a taxa das diaristas os direitos trabalhistas aos empregados domésticos equiparando-os aos demais tra-
negras. Com efeito, as políticas de equidade de gênero no mundo do trabalho, no balhadores. O que se observa é que entre o terceiro e quarto trimestre de 2015, o
caso brasileiro, precisam levar em conta as características de inserção da população emprego doméstico teve um crescimento de 10% (9,3% se considerarmos somen-
segundo a cor ou raça. Tem-se que 71% das empregadas domésticas negras não têm te as empregadas domésticas). Há necessidade de se avaliar uma série maior para
carteira de trabalho assinada e destas 63% são diaristas. Logo, não necessariamente confirmar se este crescimento consiste numa maior taxa de formalização para as
as mudanças na legislação impactam diretamente este grupo de trabalhadoras. empregadas domésticas ou se o serviço doméstico tem se apresentado como uma
alternativa para as mulheres, visto que o mercado de trabalho não tem ofertado
opções melhores, assim como há outros membros da família desempregados, com-
Gráfico 2 prometendo a renda familiar.

Proporção de empregadas domésticas de 16 anos ou mais de idade ocupadas na semana de


referência que contribuem para a previdência social por cor/raça, segundo o grupo de horas
trabalhadas na semana - 2004-2014
Tabela 2
60,0 61,6
60,9
55,6 54,2
50,0
50,4
54,5
48,0
53,4 Pessoas de 14 anos ou mais de idade ocupadas na
42,3 43,7
47,7 46,7 46,8
44,8
40,3
semana de referência como trabalhador doméstico e
40,0 40,3
Rendimento médio
42,1
38,6 39,9
37,6 36,9
36,6 35,7
33,8
30,0 30,2
30,3 30,0 30,9
28,5 29,5 28,3
27,8 27,1
23,4 Estimativa (média Média anual em
Ano
20,0 19,5
16,5
15,3 16,0 17,8 17,6 17,0
15,6
16,5 17,7 anual em milhares) Reais (R$)
10,0
10,9
10,4
11,7 12,6
10,6 11,7
2012 6.136 702
0,0 2013 5.986 732
2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
2014 5.973 768
2015 6.075 767
Total Até 39 horas - Brancas Até 39 horas - Negras
40 ou mais - Brancas 40 ou mais - Negras

Fonte: IBGE, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2004-2014. Fonte: IBGE, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua.
Nota: Não houve pesquisa em 2010.

Dados mais recentes da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contí-


nua mostram que o emprego doméstico apresentou uma ligeira queda entre 2012 e
2014, voltando a crescer a partir de 2015. Considerando a conjuntura econômica do
período, outra característica importante do emprego doméstico, exercido majorita-
riamente por mulheres, é o seu papel de ser uma ocupação “volátil”, visto que nos
períodos de crescimento da economia e da renda familiar, as pessoas buscam outra
forma de emprego que não seja o emprego doméstico, pelo baixo salário e prestígio
social. Nos períodos de desaceleração econômica e crescimento do desemprego, o
emprego doméstico passa a ser uma opção, o que justificaria o aumento observado
no número de empregados domésticos em 2015, apesar da estabilidade dos salários
80 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IV - 81

Gráfico 3 balho pago e não pago) passou a ter mais cinco horas diárias (O Globo, Economia,
Variação do emprego doméstico com e sem carteira de trabalho assinada -
21/2/2016, p. 25).
I_2013/IV_2015 Ademais, do ponto de vista dos direitos constitucionais e trabalhistas que pas-
saram a ser similares a ambos os sexos, a partir da PEC das domésticas (2013), no
12
10
entanto, a persistência de desigualdades de gênero e raça/cor continua a se expressar
8
claramente tanto nas formas de inserção destas mulheres no mercado de trabalho,
6 como nos salários diferenciados, nas condições de desempenho do trabalho, no uso
4 do tempo, inclusive nas horas noturnas dedicadas ao trabalho familiar, evidenciado
2 por pesquisas recentes. 13 Portanto, a análise acurada, precisa e sistemática desses
- indicadores e de sua evolução torna-se uma condição para a elaboração de políticas
1_2013

2_2013

3_2013

4_2013

1_2014

2_2014

3_2014

4_2014

1_2015

2_2015

3_2015

4_2015
(2) e estratégias voltadas para alteração desse quadro.
(4) Por outro lado, historicamente, identifica-se uma maior apropriação pelos ho-
(6)
Com Carteira Sem carteira mens do poder político, do poder de escolha e de decisão sobre sua vida afetivo-
IBGE, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. -sexual e da visibilidade social no exercício das atividades profissionais. Este é um
processo que resulta em diferentes formas opressivas, o qual submeteu as mulheres
a relações de dominação, violência e violação dos seus direitos no desempenho pro-
fissional nos espaços públicos. Poder e visibilidade são construtos históricos, deter-
minados na e pelas relações sociais. Em cada conjuntura sócio-histórica é preciso,
5. IGUALDADE NAS RELAÇÕES DE GÊNERO:
portanto, analisar os elementos desta determinação do ponto de vista econômico,
UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO? político e cultural que incidem na vida cotidiana das mulheres trabalhadoras do-
mésticas, sobretudo, pois, estruturam valores, modos de pensar, de ser e agir. Ou
Historicamente, a luta social e política das mulheres têm sido pela busca de seja, trata-se não apenas de reconhecer quem tem poder e visibilidade, mas em quais
maior igualdade e autonomia econômica e de seus rendimentos; no entanto, esta condições materiais foram alicerçados e são efetivados, e que servem para ancorar
busca está diretamente relacionada com a distribuição mais equitativa na distribui- as desigualdades e exclusões as quais estão expostas as trabalhadoras domésticas.
ção dos afazeres domésticos e de cuidado.
Se considerado os dados da distribuição de mulheres de 16 anos ou mais ocu-
padas no trabalho doméstico por raça/cor, nas grandes regiões brasileiras, em 2012, 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS
ainda observa-se que as mulheres negras, em mais de 50% desempenham o traba-
lho doméstico, a saber: Região Norte (81,7%); Nordeste (79,2%); Centro-Oeste
As desigualdades de gênero e raça, historicamente, se constituíram (ainda se
(71,0%); Sudeste (60,0%). Somente a Região Sul tem um percentual inferior a
constituem) eixos estruturantes da organização das relações de trabalho no Brasil
50% de mulheres desempenhando o trabalho doméstico (34,3%)11. Levantamento
que, por sua vez, estão enraizadas na permanência e reprodução das situações da
realizado pelo Ministério do Trabalho, em 2008, informava que nas regiões Norte e
pobreza feminina, assim como das situações de exclusão social. Por isso, se coloca a
Nordeste, somente 26,4% das trabalhadoras domésticas tinha, em média, a carteira
necessidade urgente de enfrentar tais desigualdades tratando de mudar as caracte-
de trabalho assinada, sendo que entre as mulheres negras, era de 23,9%, enquanto
rísticas estruturais da sociedade brasileira, que segundo Abramo (2006, p. 2) a “...
para as mulheres brancas o índice aumentava para 30,2%.12 Por sua vez as infor-
transformação é imprescindível para a superação dos déficits de trabalho decente
mações da PNAD 2014 mostram que a dupla jornada de trabalho feminina (tra-
atualmente existentes, assim como para o efetivo cumprimento dos Objetivos de
Desenvolvimento do Milênio”. Para tanto, seria necessária a implementação de po-
liticas públicas a esta categoria de trabalhadoras domésticas, que considerasse desde
11 Informações disponíveis no ‘Relatório Anual Socioeconômico da Mulher-RASEAM’. Secretaria a capacitação das mesmas, pois seu índice de escolaridade não ultrapassa quatro
de Politica para as Mulheres, Brasília, março, 2014 (p.18).
12 Informação publicada no Jornal Correio Braziliense, 10/09/2008 (p.11). Manchete: “Retratos anos de escolaridade, assim como a observância de proteção à maternidade, a saúde,
Brasileiros”. Média de salário de mulheres negras chega a ser menor do que a metade de um salário
mínimo. Elas recebem quase 60% a menos do que os homens. Até no serviço publico são constatadas 13 Ver RASEAM/SPM, 2014 e BRUSCHINI, Cristina. Trabalho e Família: famílias urbanas de
distorções por gênero. baixa renda e políticas de apoio às trabalhadoras. São Paulo, FCC/DPE, 2008.
82 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IV - 83

sem contar que um número significativo delas ainda sofre alguma forma de violên- MOLINIER, Pascale. O Trabalho e a Psique. Uma introdução à psicodinâmica do traba-
cia no desempenho de suas atividades. lho. Brasília: Paralelo 15, 2013.
KOFES, Suely. Mulher, mulheres: identidade, diferença e desigualdade na relação entre
patroas e empregadas domésticas. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.
7. REFERÊNCIAS OLIVEIRA (ZICA), Anazir M.de, CONCEIÇÃO, Odete M.da, MELO, Hildete Pereira
de. “Domestic Workers in Rio de Janeiro: their struggle to organize”, In: CHANEY, Elsa
M., CASTRO, Mary Garcia, (edited). Muchachas No More – housesold workers in Latin
ENTREVISTA
America and the Caribbean. Philadelphia: Temple University Press, 1989.
Comba Marques Porto, advogada, juíza aposentada da Vara do trabalho da Capital do Rio
de Janeiro/Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, concedida a Hildete Pereira de SEGATO, Rita Laura. O Édipo brasileiro: a dupla negação de gênero e raça. In: Mater-
Melo em maio de 2013. nidade e Feminismo. Diálogos Interdisciplinares. Stevens, Cristina (org.) Florianópolis:
Editora Mulheres/EDUNISC, 2007.
ABRAMO, Laís. Desigualdades de Gênero e raça no Mercado de Trabalho brasileiro. São
Paulo, Ciência e Cultura, SBPC, v. 58, no. 4, Oct./Dec. 2006. Disponível em: http://cien- SOARES, C.; MELO, H. P.; BANDEIRA, L. “O trabalho das mulheres brasileiras: uma
ciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S0009-67252006000400020&script=sci_arttext. Acesso abordagem a partir dos censos demográficos de 1872 a 2010”. Anais, do XIX Encontro Na-
em: abr. 2016. cional de Estudos Populacionais, Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP),
São Pedro/SP – Brasil, de 24 a 28 de novembro de 2014.
AZERÊDO, Sandra. A ânsia, o sino e a transversalidade na relação entre empregadas e
patroas. Cadernos Pagu, no 19, Núcleo de Estudos de Gênero, Unicamp, 2002.
BRASIL, IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de Indicadores
Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2015. Rio de Janeiro,
2015.
BRASIL, Secretária de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, Relatório
Anual Socioeconômico da Mulher, (RASEAM), Brasília, 2013 e 2014.
BRUSCHINI, Cristina, O trabalho da mulher brasileira nas décadas recentes. Estudos
Feministas, CIEC/ECO/UFRJ, Número Especial, 2º semestre de 1994.
______. Trabalho e Família: famílias urbanas de baixa renda e políticas de apoio às traba-
lhadoras .São Paulo, FCC/DPE, 2008.
FRAGA, A. B. De empregada a diarista: as novas configurações do trabalho doméstico
remunerado. Rio de Janeiro: Editora Multifoco, 2013.
HIRATA, Helena. Trabalho doméstico: uma servidão “voluntária”? In: Políticas públicas
e igualdade de gênero. Tatau Godinho; Maria Lúcia da Silveira (orgs.). São Paulo: Coor-
denadoria Especial da Mulher, 2004 (Cadernos da Coordenadoria Especial da Mulher, 8).
JORNAL Correio Braziliense, 10 de setembro de 2008.
JORNAL O Globo, Caderno Economia, 21 de fevereiro de 2016.
MELO, Hildete Pereira de. De criadas a trabalhadoras. Revista Estudos Feministas. Rio
de Janeiro: IFCS/UFRJ, v. 6, no. 2, 1998.
MELO, Hildete P. de. Trabalhadoras Domésticas. In: Maria, Maria, Revista do Fundo de
Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher. Ano 4, no. 4, 2002.
MELO, Hildete P.de; SABATTO, Alberto. As trabalhadoras domésticas: eterna ocupa-
ção feminina. Até quando? In: BARSTED, L.L; PITANGUY, J. (orgs.). O Progresso das
Mulheres no Brasil – 2003-2010, Rio de Janeiro: CEPIA; Brasília: ONU Mulheres, 2011.
84 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo V - 85

V
O TRABALHO FEMININO NA ERA
GLOBALIZADA: RITMO INTENSIFICADO
E PRECARIZAÇÃO1

Patrícia Tuma Martins Bertolin


Doutora em Direito do Trabalho pela Universidade de São Paulo; com Pós-
-Doutorado pela Superintendência de Educação e Pesquisa da Fundação
Carlos Chagas; Professora do Curso de Graduação em Direito e do Pro-
grama de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito Político e Econômico da
Universidade Presbiteriana Mackenzie. Contato: p.bertolin@mackenzie.br.

Marilu Freitas
Doutoranda, Mestre e Especialista em Direito do Traba-
lho e da Seguridade Social pela Universidade de São Pau-
lo; Advogada. Contato: freitascoutinhoadv@hotmail.com.

Resumo: O presente artigo tem por objetivo analisar os impactos da globalização da econo-
mia sobre o trabalho feminino no Brasil. No país, a partir dos anos de 1970 e de modo mais
acentuado a partir da década de 1990, as mulheres viram agravadas as condições em que
costuma se dar a sua inserção no mercado de trabalho, preenchendo ocupações a tempo par-
cial e/ou mal remuneradas, constituindo a maior parte dos trabalhadores na informalidade
e em outras formas precárias de trabalho. O período foi marcado ainda pela intensificação
do ritmo do trabalho, prestado muitas vezes para empresas terceirizadas. O trabalho nessas
condições constitui forte risco à saúde física e mental dessas trabalhadoras, sobretudo em
face de serem as mulheres as responsáveis pela maior parte das atividades de cuidado com os
filhos e a família, desenvolvidas no espaço doméstico, como uma segunda jornada. Assim, as
transformações acarretadas pela globalização da economia às mulheres de baixa qualificação
não romperam com a divisão do trabalho, mas apenas a reconfiguraram.

Palavras-chave: trabalho da mulher, mercado de trabalho, terceirização, doença ocupacio-


nal.

1  FEMALE WORK IN THE GLOBALIZED AGE: INTENSIFIED RHYTHM AND PRE-


CARISATION
86 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo V - 87

polarização Norte-Sul (SANTOS, 1995, p. 291); no interior dos países, as desi-


1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS gualdades regionais foram agravadas e, no mundo do trabalho, modernizaram-se
os processos produtivos, passando as indústrias de ponta a adotar o toyotismo, em
A globalização da economia gerou a interdependência dos mercados e impor- substituição ao método fordista-taylorista, caracterizado pela produção em massa
tantes transformações nos métodos e condições de trabalho, marcadas pela preca- em linha de montagem.2
rização e vulnerabilidade. Nesse contexto, a empregabilidade feminina se ampliou Os reflexos dessas transformações sobre os trabalhadores e as trabalhadoras
no mundo todo, em face de as mulheres terem estado historicamente sujeitas às foram imediatos. Segundo Ricardo Antunes e Giovanni Alves (2004):
condições de opressão, exploração e subalternidade, dentro do que se convencionou
designar por divisão sexual do trabalho, um sistema segregacionista e hierarquizan- Com a retração do binômio taylorismo/fordismo, vem ocorrendo uma redu-
te das atividades desenvolvidas socialmente. ção do proletariado industrial, fabril, tradicional, manual, estável e especiali-
Consideraremos precarizados os trabalhos mal remunerados, sem perspectiva zado, herdeiro da era da indústria verticalizada de tipo taylorista e fordista.
de carreira e destituídos da totalidade ou de parte dos direitos sociais dos traba- Esse proletariado vem diminuindo com a reestruturação produtiva do capital,
lhadores (HIRATA, 2000, p. 44), assegurados pela Constituição de 1988 e pela dando lugar a formas mais desregulamentadas de trabalho, reduzindo forte-
legislação infraconstitucional. mente o conjunto de trabalhadores estáveis que se estruturavam por meio de
Neste artigo, analisaremos os reflexos da globalização sobre o trabalho hu- empregos formais.
mano e, especificamente, sobre a parcela feminina da mão de obra, e verificaremos
que a globalização, fenômeno de variados efeitos (econômicos, sociais, políticos, Os salários foram achatados, impôs-se um ritmo frenético no ambiente de tra-
culturais), longe de romper com a lógica da divisão sexual do trabalho, apenas a balho e verificou-se rápido crescimento do trabalho contingencial de meio período,
atualizou, preparando-a para o século XXI. do subemprego e do desemprego tecnológico. Grande quantidade de trabalhado-
res foi definitivamente excluída do mercado formal de trabalho, tendo em vista a
sua desqualificação para operar os novos e sofisticados equipamentos, enquanto a
2. A GLOBALIZAÇÃO DA ECONOMIA E ideologia neoliberal contribuía para o enfraquecimento do Estado e para o des-
manche das políticas sociais. A concorrência, que gerou grande reestruturação dos
SEUS REFLEXOS SOBRE O TRABALHO
mercados, tornou-se essencial à competitividade das empresas, que cada vez mais
precisaram inovar com produtos de qualidade a preços baixos.
Nas últimas décadas do século XX ocorreram transformações substantivas no As inovações tecnológicas e o “enxugamento” das empresas resultaram em de-
modo de produção e no comércio entre os países: as revoluções tecnológica e da semprego, agravado pelo fato de que as multinacionais, então reinventadas, migra-
informação e a intensificação, como jamais visto, das trocas internacionais. ram suas plantas produtivas para países de terceiro mundo, não mais por serem os
E um dos aspectos da vida social que mais sofreram os impactos dessas trans- celeiros do mundo (como o Brasil e Argentina dos anos de 1970), mas porque neles
formações foi o trabalho, pois ele ainda é um elemento central das sociedades hu- produziriam pagando baixíssimos salários, o que veio a acarretar “uma nova divisão
manas. Segundo Castells (2006, p. 265): internacional do trabalho” (ANTUNES, 2004).
Ricardo Antunes e Giovanni Alves (2004, p. 337), em acurada análise, desta-
cam entre os efeitos da globalização sobre o trabalho, o consequente aumento do
a transformação tecnológica e administrativa do trabalho e das relações
produtivas dentro e em torno da empresa emergente em rede é o principal
proletariado fabril e de serviços com diversas formas de trabalho precarizado (tra-
instrumento por meio do qual o paradigma informacional e o processo de balhadores terceirizados e subcontratados, entre outros) e o significativo aumento
globalização afetam a sociedade em geral.
do trabalho feminino, que tem sido absorvido pelo capital, preferencialmente nas
modalidades de trabalho part-time3, precarizado e desregulamentado.

2  A indústria fordista propiciou a organização da classe trabalhadora em sindicatos e o toyotismo


A tecnologia, que trouxe inovações absolutamente fascinantes, encurtou dis- favoreceu um sindicalismo de empresa, em que “a empresa é o lugar limitado da organização dos as-
tâncias e promoveu possibilidades de comunicação nunca antes imaginadas, tam- salariados” e “cuja característica essencial é ser reputado como bem mais ‘cooperativo’ que conflitivo”.
bém produziu consequências nefastas nas mais diversas esferas: na ordem interna- (CORIAT, 1994, p. 84 e 85).
cional, os investimentos de capital e os recursos científicos acentuaram a assimétrica 3 Os trabalhadores em tempo parcial não costumam ter os mesmos direitos trabalhistas, nem a
mesma proteção social de que dispõem os contratados em período integral – e esse parece ser um tipo
88 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo V - 89

Buscaremos compreender melhor os impactos da globalização econômica e da Helena Hirata, ao tratar da flexibilidade, palavra constantemente empregada
revolução tecnológica sobre o trabalho da mulher. – nem sempre com um sentido muito cristalino – nos contextos de reestruturação
dos mercados, destaca a conotação ideológica e positiva do termo, que significa
adaptabilidade, maleabilidade. Desse modo, “a degradação importante das condi-
ções de trabalho, de salários e da proteção social seria, assim, disfarçada por um
3. UMA NOVA DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO?
termo positivo” (HIRATA; SEGNINI, 2007, p. 91).
A rigor, flexibilidade, seja em um contexto de organização do trabalho, seja em
Diversos autores salientam o expressivo aumento da presença feminina no outro de mercado de trabalho e emprego, trata-se de sofisma a enevoar a relação
mercado de trabalho durante as últimas décadas do século XX4. Alguns chegam siamesa descrita nas lições de Hirata por “flexibilidade e precariedade andam fre-
mesmo a se referir a uma “feminização do trabalho”, fenômeno mundial e de reper- quentemente juntas” (HIRATA; SEGNINI, 2007, p. 91).
cussões particularmente importantes com relação à América Latina, tendo em vista A flexibilização de direitos se dá em um contexto de Estado mínimo, apto a
o imenso contingente de mulheres que ingressaram no mercado de trabalho - de obstaculizar que direitos trabalhistas sejam mantidos. Os sindicatos, enfraquecidos,
forma mais evidente a partir da década de 1990 (ANTUNES, 2008). tendem a restringir cláusulas que tratam dos direitos “da maternidade”, ignoran-
Este aumento da presença feminina no mercado pode ser atribuído ao fato de do demandas isonômicas de gênero. Isto decorre, pelo menos em parte, da fraca
que as mulheres costumam concordar em se submeter a trabalhos precários e/ou presença de mulheres em espaços estratégicos no mundo do trabalho, como nas
a tempo parcial, seja devido à imposição das empresas de experiência anterior, seja diretorias dos sindicatos (BERTOLIN; KAMADA, 2013, on line).
em razão dos períodos em que são forçadas a permanecer afastadas em virtude das A desde sempre controvertida globalização da economia produz reflexos avas-
exigências da maternidade, ou ainda devido à conciliação com as tarefas domésticas saladores no mundo do trabalho, principalmente sobre essa importante parcela da
(“múltiplas jornadas”), já que os cuidados com a casa e os filhos, em geral, são por mão de obra, a quem historicamente tem cabido uma grande parte de trabalho não
elas assumidos (BERTOLIN; CARVALHO, 2010, p. 193). remunerado, que é realizado em nome do amor à família.
Segundo Maria Rosa Lombardi (2010, p. 33-56), “essas características de É neste contexto que as mulheres viram multiplicarem-se seus locais de pres-
maior fragilidade do trabalho feminino costumam recrudescer em momentos de tação do trabalho, principalmente nos anos de 1990, com a intensificação do tra-
transformação social e econômica, sejam eles estruturais ou conjunturais [...]”. As- balho em domicílio5 ou do teletrabalho6, ou do trabalho para empresas terceiras,
sim, as mulheres são oneradas, em ambas as situações, com “oportunidades” de tra- aumentando a polêmica prática da terceirização. Vale ressaltar a lição de Helena
balho precário, que, em face de uma série de fatores (como a disponibilidade para Hirata (2007, p. 93): “Em todos os casos, a divisão sexual do trabalho é precondição
trabalhar apenas meio período ou os às vezes longos afastamentos do mercado de para a realização da flexibilidade do trabalho”.
trabalho para atender necessidades familiares), muitas delas não hesitam em aceitar.
A intensa competição internacional e o desemprego geram uma tendência à
redução de empregos estáveis e à precariedade, configurando uma situação de “crise 4. DELINEAMENTOS DO TRABALHO
do paradigma do emprego estável e protegido” (HIRATA, 2002, p. 147), aprofun- FEMININO NA ERA GLOBALIZADA
dando as desigualdades internas do sistema. Isso levou Laís Abramo a constatar
que o processo de precarização está marcado por uma variável de gênero, e a as- Não são poucos os trabalhos que apontam para uma dupla caracterização da
sociá-lo à reestruturação e à abertura comercial intensificadas nos anos de 1990 inserção feminina no mercado de trabalho7, haja vista que há trabalhadoras – me-
(ABRAMO, 1998). nos numerosas, é verdade – com mais escolaridade que a masculina, altamente qua-

de trabalho possível para muitas mulheres com responsabilidades familiares, daí serem elas sempre a 5 Historicamente essa forma de trabalho foi predominantemente feminina, tendo em vista a possi-
maior parte dos trabalhadores nessa condição. bilidade de compatibilizar uma atividade remunerada com o trabalho de cuidado com a própria casa e
4 Ver: ARAÚJO, Ângela Maria Carneiro; AMORIM, Elaine Regina Aguiar; FERREI- a família. Além disso, muitas das atividades eram as mesmas que já desenvolvia no lar, a exemplo das
RA, Veronica Clemente. Os sentidos do trabalho da mulher no contexto da reestruturação produ- costureiras prestando trabalho em domicílio.
tiva. Disponível em: http://www.ces.uc.pt/lab2004/inscricao/pdfs/painel29/AngelaArau- 6 “O teletrabalho é uma categoria de difícil definição. Muitas variáveis e suas combinações abrem
jo_ElaineAmorim_VeronicaFerreira.pdf. Acesso em: 20 jan. 2015; HIRATA, Helena. em demasia o leque de definições possíveis. A falta de uma conceituação precisa sobre o que é o tele-
Globalização e divisão sexual do trabalho. Cadernos Pagu, 2002, n.17-18, pp. 139-156. Di- trabalho e sobre quantos são os teletrabalhadores faz do conceito mais uma construção ideológica da
sponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n17-18/n17a06.pdf. Acesso em: 20 out. 2013; realidade ou, no máximo, uma tentativa de descrição dos diversos tipos ou modalidades de teletraba-
LOMBARDI, Maria Rosa. A persistência das desigualdades de gênero no mercado de lho existentes.” (ROSENFIELD, 2011, p. 215).
trabalho. In: COSTA, Albertina et. al. Divisão sexual do trabalho, Estado e crise do capitalismo. 7 Maria Cristina Bruschini e Maria Rosa Lombardi (2000) denominaram de bipolaridade do traba-
Recife: SOS CORPO, 2010, pp. 33-56. lho feminino a dupla realidade do trabalho feminino que analisaram no Brasil dos anos de 1990: de
90 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo V - 91

lificadas e, em alguns casos, chegando a ocupar cargos de comando, antes exclusivos Verificamos o mesmo no âmbito da indústria têxtil paulista, mais especifica-
dos homens. Em cotejo, em sua maioria, as trabalhadoras têm média instrução, mente, na fiação e na tecelagem, em anos mais recentes8. Constatamos que o piso
acumulam as tarefas domésticas ao trabalho remunerado e sofrem mais diretamente salarial na unidade produtiva de uma empresa multinacional, que está entre as líde-
a incidência dos ajustes estruturais do Estado sobre áreas como saúde e educação, res do setor, foi reduzido consideravelmente, e as condições de trabalho, de modo
ditados pelas políticas neoliberais. geral, precarizadas.
Segundo Maria Rosa Lombardi (2010, p. 43): Naquela empresa, a maioria dos trabalhadores do sexo masculino pediu de-
missão, mas as mulheres permaneceram na empresa, mesmo em condições tão ad-
versas. Sempre que perguntadas sobre o motivo dessa adaptação, as trabalhadoras
A focalização das políticas de saúde, de educação e assistência social teria entrevistadas explicaram que a empresa pesquisada era a maior do município e, em
resultado, assim, em maior carga de trabalho para as mulheres. No nível da
razão das demandas domésticas (cuidados com a casa e a família), elas não pode-
saúde, elas passaram a cuidar em casa dos idosos e doentes que não são mais
hospitalizados, pois esses atendimentos escapam da atenção primária, prio- riam buscar trabalho em outra localidade, como boa parte dos homens fazia.
ridade do Estado. Assim, o componente da aceitação das péssimas condições de trabalho tem
estado de fato presente na mão de obra feminina de baixa qualificação. Basta lem-
brar que no final da década de 1990, um período-chave de desregulamentação e
Ao passo que a globalização da economia gerou o enfraquecimento da pro- flexibilização de normas trabalhistas, 36% da força de trabalho feminina brasileira
dução industrial de países como o Brasil, decorrente da competição dos produtos se encontrava alocada em nichos precários do mercado de trabalho, contra 10% da
dos países asiáticos – tema que, por si só, demandaria outro artigo – acarretou o masculina (HIRATA, 2003).
crescimento do setor de serviços, em que a maior parte da mão de obra feminina se
encontra alocada. Contudo, como observa Liliana Segnini (1994, p. 43), as empre-
sas têm efetuado, em ambos os setores, permanentes ajustes ao sabor das flutuações
5. TERCEIRIZAÇÃO: PALAVRA FEMININA
da demanda, em razão das quais varia o número de trabalhadores por elas utiliza-
do. Essa estratégia, que exige constantes admissões e dispensas de trabalhadores,
abrange, entre outros mecanismos de gestão da mão de obra, principalmente a ter- A terceirização configura-se como “fenômeno pelo qual se dissocia a rela-
ceirização e o trabalho temporário. ção econômica de trabalho da relação justrabalhista que lhe seria correspondente”
A precarização seria a razão da visível preferência pela mão de obra feminina, (DELGADO, 2009, p. 407). Caracteriza-se pela interposição de terceiro na relação
nesse contexto. Segundo Liliana Segnini (1994, p. 60): jurídica, embora esta não se desnature enquanto bilateral, porquanto, na terceiriza-
ção está mantido, de um lado, o trabalhador e, do outro, o capital, transmudado nas
figuras das empresas prestadoras e nas tomadoras de serviço.
[...] o espaço privado, as tarefas domésticas deixam de ser limitadores para O fenômeno não é recente. A realidade histórica permite constatar a sua exis-
a mulher nesse contexto de trabalho; ao contrário, passam a ser elemento tência em tempos distintos ao século XX. Em que pese qualquer discussão que
qualificador, face à possibilidade de ter adquirido socialmente habilidades re- possa surgir a respeito deste fato, Marx registrou, pelos idos de 1866, em sua obra
queridas pelo trabalho flexível.
‘O Capital’, a voracidade pelo mais-trabalho. E, destacou a exploração do trabalho
alheio feminino e infantil, cravados no trabalho domiciliar, que, ao tempo do sur-
A autora, em estudo que envolveu uma pesquisa empírica voltada à inserção gimento da manufatura, constituiu-se em extensão da fábrica e das grandes lojas
feminina na automação bancária no Brasil, constatou que os homens admitidos no (MARX, 2013, p. 542).
setor mostravam frustração, diferentemente das mulheres, mais habituadas a tare- No Brasil, a terceirização ressurgiu sob a roupagem de instrumento de luta
fas que demandam pouca qualificação, são repetitivas e têm baixa possibilidade de para manutenção e ampliação do nível de emprego e como meio de recuperação
ascensão profissional. das forças econômicas, políticas e sociais frente a um mercado acirrado e competi-
tivo da era globalizada. Ao integrar o mundo dos fenômenos e envolver a vida dos

8 A pesquisa foi realizada sob a coordenação da Professora Doutora Darcy Mitiko Mori Hanashiro,
um lado, mulheres em ocupações precárias, com baixos rendimentos e baixos níveis de formalização no âmbito do Projeto “Da exclusão social no acesso ao emprego à inserção excluída: divisão sexual do
e, de outro, mulheres com profissões de nível superior, salários elevados, alta taxa de formalização e trabalho de mulheres na indústria têxtil paulista”, e contou com o financiamento do Conselho Nacio-
proteção social. A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil contemporâneo. nal de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
92 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo V - 93

indivíduos, a terceirização se efetivou, muitas vezes, independente da consciência Por tudo isso, as mulheres são a maioria dos trabalhadores vitimados pelas
deles em relação ao alcance do fato, expandindo-se no momento em que a mão de lesões de esforços repetitivos (LER) e distúrbios osteomusculares resultantes do
obra feminina começou a ser explorada com maior incidência. Ou seja, o capitalis- trabalho (DORT), a ponto de tornar-se recorrente o discurso de médicos e en-
mo encontrou na mão de obra feminina e pobre os braços perfeitos para garantir a genheiros do trabalho sustentando que as mulheres seriam mais propensas a essas
ampliação das empresas terceirizadas, que se dedicam em grande parte à indústria patologias, por sua natureza biológica. Esse argumento – que tem sustentado este-
têxtil e ao mercado de serviços. reótipos – é facilmente refutado, bastando para tanto que verifiquemos as condições
Assim, com o discurso histórico e socialmente arquitetado em torno da fragi- em que o trabalho feminino é, em sua maior parte, prestado.
lidade física, da habilidade e delicadeza das mãos, da paciência, responsabilidade e Questão ainda mais delicada concerne aos riscos psicossociais do trabalho,
maior capacidade de concentração, além da possibilidade de adaptação compatível que, segundo Luciana Veloso Baruki (2015, p. 37), “emergem, neste início de século,
com as tarefas do lar, as mulheres chegaram ao ano de 2016 encabeçando o topo dos como verdadeira questão de saúde pública”.
indivíduos que compõem empresas terceirizadas. Ao explicar a classificação da Organização Internacional do Trabalho10 sobre
O argumento de que por meio da terceirização ocorrerá o aumento da pro- a matéria, a autora elenca as suas causas, que facilmente remetem ao trabalho femi-
dutividade, do número de postos de trabalho e da competitividade da indústria na- nino. Seriam elas:
cional esconde o fato de que este fenômeno implica a expansão da precarização do
trabalho, que sempre apresentou grande incidência de rostos femininos (ASSUN-
ÇÃO, 2011). Portanto, a terceirização, mascarada pela reestruturação, é sinônimo a) a sobrecarga quantitativa, traduzida em uma grande quantidade de traba-
lho repetitivo para realizar em curto espaço de tempo; b) a carga qualitativa
de mulheres em risco, pois esta prática reduz, ainda mais, os salários, compromete as
insuficiente, sendo o trabalho monótono e inexistindo estímulos para a sua
condições de trabalho e, por conseguinte, piora a situação familiar já que é crescente prestação; c) o conflito de papéis e funções, tendo como exemplo maior as
o número de famílias pobres monoparentais chefiadas por mulheres.9 condições de dona de casa e mãe, cumuladas com o trabalho produtivo; d)
a falta de controle sobre a situação, sendo esta a condição daqueles que não
são ouvidos sobre os métodos e formas de prestação de trabalho, determina-
5.1.  A intensificação do ritmo e da duração do trabalho e seus reflexos dos por outrem (e a grande maioria das mulheres se encontra em condição
sobre a saúde física e mental das mulheres subalterna); e) a falta de apoio social, consistindo na falta de apoio por parte
de familiares, superiores ou colegas de trabalho; f ) os estressores físicos, que
Como visto, é característico do sistema toyotista de organização do trabalho dizem respeito ao trabalhador saber-se exposto a riscos físicos, químicos e
que os ritmos em que este é prestado sofram uma aceleração. Muito embora esse biológicos diversos, vindo a desenvolver, por conta disso, um risco psicossocial
sistema não seja movido por esteiras em permanente movimento, como nas linhas (BARUKI, 2015, p. 37-39).
de montagem fordistas, nele o trabalhador precisa ser multifacetado e célere, para
dar conta de várias atividades simultâneas.
Muitas mulheres estão submetidas a todos esses fatores de forma inten-
As mulheres têm sofrido os efeitos de uma cobrança incessante, dispondo de
pouco ou nenhum tempo para lazer e/ou descanso, uma vez que, em sua maioria, sa, em face da dupla jornada, do trabalho doméstico, quase todo repetitivo,
acumulam as obrigações do trabalho remunerado com as reprodutivas. Sendo assim, além de exercerem, no mundo do trabalho, atividade precarizada.
finda a jornada de trabalho produtivo, se iniciam suas atividades no lar, repetitivas e Luciana Veloso Baruki (2015, p. 113) observa ainda ser muito comum,
estressantes, não obstante invisíveis. Ademais, subsistem ainda empresas fordistas, nesses casos, a prática de culpabilização das vítimas:
muitas delas contratadas como terceirizadas por empresas maiores e tendo como
mão de obra preponderante a feminina.
O Estado colabora com esse processo quando trata a questão da saúde ocu-
pacional, notadamente a da saúde mental ocupacional, como um problema
9 Afirma Juliana Fruno (2015): “Segundo dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego do DIEE- que não lhe pertence, isto é, com indiferença. [...] Não são apenas os em-
SE (2014), os trabalhadores que são terceirizados recebem uma média de 24,7% a menos que os fun- pregadores e o Estado os únicos responsáveis pela hipertrofia do discurso de
cionários contratados diretamente pela empresa fim. Visto que as mulheres ganham em geral somente
80% do salário dos homens, isso significa que seus rendimentos seriam ainda menores! Além disso, culpabilização do indivíduo. No âmbito organizacional, a falta de solidarie-
as mulheres já são a maioria entre os trabalhadores terceirizados, por um agravante histórico da cons- dade entre pares decorre muitas vezes da crença coletiva de que aquele que se
trução do patriarcado, o qual relega as mulheres – de forma naturalizada – uma posição subalterna no
mercado e as reserva às posições com piores rendimentos e mais desvalorizadas socialmente.” 10 Ante o espaço restrito deste artigo, optamos por mencionar apenas a classificação da OIT, que, no
entanto, não é a única.
94 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo V - 95

fragiliza, adoece e termina por ser vítima de assédio é, na verdade um fraco e, significativa da sociedade a ponto de erguer entre os diferentes estratos verdadeira
nessa qualidade, portador de toda a responsabilidade pela situação difícil que barreira de invisibilidade social.
lhe sobreveio.

Assim, é importante se analisar as patologias e as psicopatologias decorrentes 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS


do trabalho sob uma perspectiva de gênero: o controle sobre o trabalho, se exercido
de modo a humilhar e constranger quem o presta, é tão perverso quanto importante Seja por razões estruturais, como a intensificação da concorrência gerada pela
na destruição da subjetividade dos trabalhadores e, em especial, das trabalhadoras. globalização, seja por fatores conjunturais, como a atual crise econômica, o mercado
de trabalho tem recebido maciçamente mulheres, muitas das quais costumam sub-
meter-se a condições menos vantajosas: salários mais baixos, empresas terceirizadas,
5.2.  Informalidade e invisibilidade social
trabalhos a tempo parcial.
A vida profissional de numerosas mulheres resulta onerada, em face das de-
As mulheres, como quaisquer outros trabalhadores, sofrem as consequências
mandas do cuidado com a casa e a família, principalmente os filhos menores, asso-
da contradição do sistema capitalista e do desenvolvimento humano. No entanto, a
ciadas às exigências dos empregadores de experiência profissional e aos períodos às
questão se agrava na esfera da informalidade. Este fenômeno que, obviamente, não
vezes longos que elas permanecem fora do mercado de trabalho.
se restringe ao universo feminino, alcança nele maior dimensão, em face da relação
Assim, as segregações e exclusões a que as mulheres têm estado sujeitas no
que se estabelece entre o trabalho precário e o exercido pela mulher.
espaço da produção são reflexos da sua condição subalterna no espaço reprodutivo,
A precariedade, conforme alhures já sublinhada, se efetiva na má remuneração
em que boa parte do trabalho desenvolvido por elas é prestado gratuitamente, em
e na ausência de expectativa de reconhecimento dos direitos sociais. O trabalho
nome do afeto à família. Disso resulta uma sobrecarga de trabalho intensa, que,
feminino, por si só, possui esta característica. Entretanto, a condição se sobressai,
muitas vezes, aliada a fatores outros, causa o adoecimento das profissionais do sexo
de modo alarmante, na informalidade. Neste patamar, os salários mostram-se bem
feminino.
menores do que os exercidos na formalidade. Assoma-se a esta característica o fato
Quando é possível, as mulheres ingressam no mercado de trabalho delegando
de que as mulheres, inseridas neste contexto, tendem a ter maior dificuldade de
seu trabalho na esfera doméstica a outras mulheres, na maioria das vezes sujeitas a
voltar ao mercado formal de trabalho, em face dos períodos às vezes longos de
condições vulneráveis, tendo em vista que ainda não tem ocorrido um importante
afastamento, por maternidade ou outras demandas familiares (OLINTO, 2004).
compartilhamento das responsabilidades familiares.
Em decorrência desta condição imposta às mulheres, percebemos que a su-
É mantida, assim, a divisão sexual do trabalho, que gera uma inserção precária
pressão maior de seus direitos trabalhistas aumenta a carga de sofrimento. Não raro,
das mulheres na esfera produtiva, que, por sua vez, mantem mulheres em condição
as mulheres sentem-se marginalizadas, inferiores em relação aos trabalhadores. É
vulnerável, em um perpétuo moto-contínuo.
um sofrimento invisível, muitas vezes velado pela própria trabalhadora como uma
Haverá solução para o trabalho precário dessas mulheres dentro da velha di-
forma defensiva, uma estratégia de autopreservação que, na maioria das vezes, re-
visão sexual do trabalho?
verte-se em doenças psicossomáticas.
A invisibilidade incute nas trabalhadoras o sentimento de “pouca significân-
cia”, fazendo com que elas se sintam como não pertencentes à classe trabalhadora11,
mas, a depender do trabalho desenvolvido, não são vistas sequer por seus pares. 7. REFERÊNCIAS
Para além da aparência, prevalece o sentimento de que o trabalho menos quali-
ficado se reveste de proporcional importância. Essa sensação comum de irrelevância ABRAMO, Laís. Um olhar de gênero: visibilizando precarizações ao longo das cadeias
traz consigo um estigma social que transfere ao indivíduo uma carga pejorativa produtivas. In: ABRAMO, Laís; ABREU, A. R. de Paíva (org.). Gênero e Trabalho na
de sua capacidade, de seu mérito pessoal, que alcança a compreensão de parcela Sociologia Latino-Americana. São Paulo: ALAST, 1998.
ANTUNES, Ricardo; ALVES, Giovanni. As mutações no mundo do trabalho na era da
mundialização do capital. Educação e Sociedade, Ago. 2004, vol. 25, n. 87, pp. 335-351.
Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v25n87/21460.pdf. Acesso em: 21 fev. 2011.
11 Ricardo Antunes (1999, p. 196) a denomina como aquela que “compreende a totalidade dos assa-
lariados, homens e mulheres que vivem da venda de sua força de trabalho e que são despossuídos dos ANTUNES, Ricardo. A nova era da precarização do trabalho? In: Condições do Trabalho
meios de produção”.
96 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo V - 97

no limiar do século XXI. In: DAL ROSSO, Sadi; FORTES, José Augusto Abreu Sá (org.) pitalismo. Recife: SOS CORPO, 2010, pp. 33-56.
Brasília: Épocca, 2008.
MARUANI, Margaret; HIRATA, Helena. As novas fronteiras da desigualdade: homens e
______. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São mulheres no mercado de trabalho. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2003.
Paulo: Boitempo, 1999.
MARX, Karl. O capital - Livro I. São Paulo: Boitempo, 2013.
ARAÚJO, Ângela Maria Carneiro; AMORIM, Elaine Regina Aguiar; FERREIRA, Ve-
OLINTO, Gilda; OLIVEIRA, Zuleica Lopes Cavalcante de. Gênero e Trabalho Precário
ronica Clemente. Os sentidos do trabalho da mulher no contexto da reestruturação produ-
no Brasil. Gênero, v. 5, n. 1, 2 sem. 2004. pp. 209-223. Disponível em: http://hdl.handle.
tiva. Disponível em: http://www.ces.uc.pt/lab2004/inscricao/pdfs/painel29/AngelaArau-
net/123456789/78. Acesso em: 11 fev. 2015.
jo_ElaineAmorim_VeronicaFerreira.pdf. Acesso em: 20 jan. 2015.
ROSENFIELD, Cinara L.; ALVES, Daniela Alves de. Autonomia e trabalho informacio-
ASSUNÇÃO, Diana (Org.) A precarização tem rosto de mulher. A luta das trabalhadoras
nal. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 54, no. 1, 2011, pp. 207-233. Disponível em:
e trabalhadores terceirizados da USP. Edições Iskra. 2011. http://www.scielo.br/pdf/dados/v54n1/06.pdf. Acesso em: 27 fev. 2015.

BARUKI, Luciana Veloso. Riscos Psicossociais e Saúde Mental do Trabalhador: por um


SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-moderni-
regime jurídico preventivo. São Paulo: LTr, 2015.
dade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995.
BERTOLIN, Patrícia Tuma Martins. Algumas reflexões sobre os impactos do comércio in-
SEGNINI, Liliana Rolfsen Petrilli. Feminização do trabalho bancário. In: BRUSCHINI,
ternacional sobre o mundo do trabalho. Revista do Departamento de Direito do Trabalho
Cristina; SORJ, Bila (org.). Novos Olhares: mulheres e relações de gênero no Brasil. São
e da Seguridade Social. Faculdade de Direito da USP, v. 2, p. 53-60, 2007.
Paulo: Marco Zero/Fundação Carlos Chagas, 1994.
BERTOLIN, Patrícia Tuma Martins; CARVALHO, Suzete. A segregação ocupacional da
mulher: será a igualdade jurídica suficiente para superá-la?. In: Patrícia T. M. Bertolin; Ana
Claudia P. T. Andreucci. (Org.). Mulher, Sociedade e Direitos Humanos. São Paulo: Edi-
tora Rideel, 2010.
BERTOLIN, Patrícia Tuma Martins;  KAMADA, Fabiana Larissa. Ausentes ou Invi-
síveis? A participação das mulheres nos sindicatos. Caderno Espaço Feminino (Onli-
ne), v. 25, p. 1, 2013. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/neguem/article/
view/13656/11077. Acesso em: 25 jan. 2015.
BRUSCHINI, Cristina; LOMBARDI, Maria Rosa. A bipolaridade do trabalho feminino
no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, nº 110, p. 67-104, julho 2000.
CASTELLS, Manuel. A Sociedade em rede. 9. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.
CORIAT, Benjamin. Pensar pelo avesso: o modelo japonês de trabalho e organização. Rio
de Janeiro: Revan: UFRJ, 1994.
DELGADO, Maurício Godinho. Curso de direito do trabalho. 8. ed. São Paulo, 2009.
FRUNO, Juliana. O projeto da terceirização e o trabalho da mulher. 2015. Disponível em:
http://brasildebate.com.br/o-projeto-da-terceirizacao-e-o-trabalho-das-mulheres/.
HIRATA, Helena. Globalização e Divisão Sexual do Trabalho. Cadernos Pagu, 2002,
n.17-18, p. 147. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n17-18/n17a06.pdf. Acesso
em: 20 out. 2013.
______. Flexibilidade, Trabalho e Gênero. In: HIRATA, Helena; SEGNINI, Liliana (org.).
Organização, Trabalho e Gênero. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2007, pp. 91-108.
______. Divisão sexual do trabalho: novas tendências e problemas atuais. In: Fundação
SEADE. Gênero no mundo do trabalho. São Paulo: Ellus, 2000, p. 44.
LOMBARDI, Maria Rosa. A Persistência das Desigualdades de Gênero no Mercado de
Trabalho. In: COSTA, Albertina et. al. Divisão sexual do trabalho, Estado e Crise do Ca-
98 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VI - 99

VI
ACESSO À JUSTIÇA E ESTEREÓTIPOS
DE GÊNERO NO JUDICIÁRIO: O CASO
PROPAGANDA “MUSA DO VERÃO 2006”1

Maria Cecília de Araujo Asperti


Doutoranda e Mestre em Direito Processual Civil pela Universi-
dade de São Paulo. Professora da Escola de Direito de São Pau-
lo da Fundação Getulio Vargas – FGV DIREITO SP.

Resumo: O artigo visa resgatar e repensar a agenda de pesquisa sobre acesso à justiça com
foco no reconhecimentode injustiças culturais e sociais contra as mulheres, como passo
necessário para efetivação desse direito e para prevenção e combate da violência de gênero.
Para tanto, além de uma breve revisão bibliográfica sobre o tema, propõe-se a análise das
decisões judicias proferidas pelo Tribunal de Justiça de São Paulo nos processos que dis-
cutiram a abusividade da propaganda “Musa do Verão”, veiculada pela cervejaria Skol no
ano de 2006. A análise dos argumentos dos votos revela diferentes posicionamentos sobre a
reprodução e perpetuação de estereótipos e práticas de objetificação da mulher. Conclui-se
que a maior percepção social sobre a ofensividade dessas práticas tem refletido no Judiciário,
que deve também exercer um papel de impulsionador das transformações necessárias para
superação dessas injustiças.

Palavras-chave: Acesso à justiça. Violência de gênero. Estereótipos. Objetificação. Publi-


cidade abusiva.

1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

A Lei Maria da Penha (Lei nº 13.340/2006) é muito mais lembrada por suas
disposições de cunho criminal do que pela política pública que pretende ver criada e
aperfeiçoada, a qual teria não só o intuito de coibir e prevenir a violência doméstica

1 ACCESS TO JUSTICE AND GENDER STEREOTYPES IN BRAZILIAN COURTS:


THE CASE OF THE AD “SUMMER MUSE 2006”
100 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VI - 101

e familiar (art. 1º), mas também para assegurar direitos fundamentais às mulheres A análise dos principais argumentos dessas decisões judiciais permite o apro-
(arts. 2º e 3º), promovendo-se, ao menos em teoria, uma mudança cultural e social fundamento da necessária reflexão sobre como o Judiciário tem lidado com ques-
que propiciasse as transformações preconizadas. tões de gênero e com os desdobramentos mais recentes desse debate.
Dentre os direitos fundamentais ressaltados pela lei está o acesso à justiça, que
não deve ser interpretado somente como o acesso aos Juizados de Violência Do-
méstica e Familiar – cuja implementação e consolidação ainda parece longe de atin-
2. O SISTEMA DE JUSTIÇA E AS MULHERES
gir o patamar almejado quando da criação da lei2 – mas ao sistema de justiça como
um todo, partindo-se de uma concepção mais ampla e mais atual desse direito.
Promover o verdadeiro acesso à justiça para a mulher significa compreender
os motivos que levaram à proteção legal que a Lei Maria da Penha visa assegurar.
2.1.  Acesso à justiça e injustiças simbólicas e culturais contra as
A violência que se trata é aquela baseada no gênero, de modo que a sua prevenção
mulheres
perpassa, necessariamente, pela compreensão da discriminação baseada no gênero
e no efetivo reconhecimento de direitos às mulheres, em um esforço que vai muito
Se a pauta de acesso à justiça foi predominante durante as discussões que
além da criminalização da violência. Assim, o problema que se propõe aqui discutir
culminaram na promulgação da Constituição Federal de 88 e em legislações como
é sobre como o sistema de justiça e, mais especificamente, o Judiciário, vem respon-
o Código de Defesa do Consumidor e a Lei de Ação Civil Pública, as décadas que
dendo às discussões de gênero na atualidade.
se seguiram foram permeadas por outros discursos, calcados, essencialmente, na
Para iniciar essa análise, é necessário resgatar e ressignificar a agenda de acesso
busca por maior efetividade e celeridade, valores esses que seriam conducentes a um
à justiça, colocado de lado os discursos de busca por efetividade e celeridade que
Judiciário mais propício ao crescimento econômico (ALMEIDA; CUNHA, 2010).
nortearam as últimas reformas institucionais e processuais. A verdadeira consagra-
Pensar em acesso, tal como proposto por Mauro Cappelletti e Bryant Garth
ção do acesso à justiça às mulheres demanda que operadores do direito (e não só
em seu famoso Projeto Florença (CAPPELLETTI; GARTH, 1978), não parece
os penalistas) voltem seu olhar para a atuação do Judiciário e do sistema de justiça
mais ser a tônica das reformas processuais e judiciárias, mais focadas em reduzir
face às injustiças culturais e simbólicas que ainda obstaculizam o acesso a direitos
o contingente de processos e promover a uniformização e maior rendimento do
por parte de grupos vulneráveis, como as mulheres. Discute-se a natureza dessas
processo. Como Ugo Mattei discorre ao analisar a agenda de pesquisa do acesso
práticas culturais e sociais, tais como a discriminação, estereótipos e a objetificação
nos últimos anos, este se tornou um “não-assunto”, ou um “non-issue” (MATTEI,
da mulher, e examinados exemplos tratados em pesquisas que analisaram decisões
2007, p. 2).
judiciais e falas de operadoras/es do sistema de justiça que reproduzem papéis de
Uma “quarta onda renovatória” de acesso à justiça pressuporia um cenário em
gênero e subjugações da mulher.
que o “movimento universal de acesso à justiça” (CAPPELLETTI, 1994) conti-
Para além dessas manifestações institucionais, propõe-se também a reflexão
nuasse em voga na agenda de reformas, o que não se confirma. Discursos sobre
sobre o papel do Judiciário diante de práticas socioculturais potencialmente discri-
excesso de litigiosidade3 e da necessária busca por maior celeridade e rendimento
minatórias às mulheres.
do processo poderia nos levar a crer que de fato o acesso à justiça é um “não-as-
O exemplo analisado é o da propaganda da AmBev para a cerveja Skol, di-
sunto”, um obstáculo superado. De outra ponta, o acesso à justiça em que se busca
vulgada no ano de 2006, em campanha intitulada “se o cara que inventou a Skol
a realização da justiça redistributiva também se confunde com ativismo judicial,
tivesse inventado a musa do verão”. A campanha foi objeto de uma Ação Civil
tornando-se alvo de críticas por parte daqueles que consideram que o protagonismo
Pública manejada pelo Ministério Público do Estado de São Paulo (Proc. nº
do Judiciário já foi longe demais.
583.00.2009.165466-9, 11ª Vara Cível do Foro Central da Comarca de São Pau-
lo) e de uma multa aplicada pela Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor
– PROCON/SP, em que se discutia seu caráter abusivo e discriminatório face as
mulheres. A multa em questão foi objeto de uma ação ajuizada pela Companhia 3 A exposição do Anteprojeto do Código de Processo Civil de 2015 confirma essa primazia do
Brasileira de Bebidas - AmBev (Proc. nº 0005431-07.2010.8.26.0053, 9ª Vara da discurso de acesso de litigiosidade, que culmina em uma suposição de que o acesso é um obstáculo
ultrapassado: “Como vencer o volume de ações e recursos gerado por uma litigiosidade desenfreada,
Fazenda Pública da Comarca de São Paulo). máxime num país cujo ideário da nação abre as portas do judiciário para a cidadania ao dispor-se a
analisar toda lesão ou ameaça a direito? Como desincumbir-se da prestação da justiça em um prazo
2 Segundo pesquisa divulgada por meio da Nota Técnica nº 13 do IPEA, apenas 1,04% dos muni- razoável diante de um processo prenhe de solenidades e recursos? Como prestar justiça célere numa
cípios brasileiros possuíam, em 2013, juizados ou varas exclusivos ou não exclusivos para o processa- parte desse mundo de Deus, onde de cada cinco habitantes um litiga judicialmente? (BRASIL, 2010,
mento de crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher (IPEA, 2015, p. 23). p. 7).
102 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VI - 103

Contudo, é possível afirmar que a pauta de acesso à justiça está totalmente su- reótipos reproduzidos e naturalizados que perpetuam a inferiorização da mulher na
perada no Brasil? Uma primeira constatação é a de que o congestionamento do Ju- sociedade em seus mais variados âmbitos, inclusive no seio familiar.
diciário não reflete uma multiplicidade de usuário, dado que são poucos entes – pri- A injustiça que a Lei Maria da Penha aponta não é necessariamente social,
mordialmente grandes litigantes públicos e privados – que utilizam excessivamente tal como as injustiças que pautaram a positivação de direitos sociais e as reformas
a justiça, seja demandando judicialmente, seja sendo acionados repetidamente em pautadas no “movimento pela universalização do acesso à justiça”. Tratam-se, como
virtude de sua atuação massificada (SADEK, 2008, p. 273-274). Enquanto isso, a Nancy Fraser propõe, de injustiças culturais ou simbólicas, presentes em padrões
justiça continua inacessível para as parcelas mais marginalizadas da população, cujas sociais de representação, interpretação e comunicação associados à dominação cul-
demandas, principalmente por direitos sociais e coletivos, continuam representando tural, ao ocultamento e ao desrespeito com base em gênero, raça ou orientação
uma procura suprimida, cujo acesso é dificultado por uma estrutura burocratizada sexual (FRASER, 2001, p. 232). Para sua superação, não bastam medidas de justiça
e ritualizada (SANTOS, 2011, p. 37-38), propositadamente distanciada da popu- corretiva ou mesmo de justiça redistributiva, somente, mas também de políticas de
lação. reconhecimento, que envolvem transformações culturais para valorização da diver-
Mas mesmo que as estruturas do sistema de justiça fossem de fato acessí- sidade e ruptura com padrões vigentes (FRASER, 1996, p. 7-8).
veis, cabe refletir se é realmente possível universalizar o acesso à justiça, tal como Se a discussão sobre as políticas de reconhecimento já está de certa forma
preconizado por Cappelletti e Garth no Projeto Florença. Marc Galanter traz in- avançada, a pauta de acesso à justiça não parece ter evoluído nesse sentido. Os dis-
teressante reflexão a esse respeito, ao argumentar que a percepção de injustiça “se cursos ainda são dominados por uma perspectiva quantitativa de acesso, por uma
expande dinamicamente com o crescimento do conhecimento humano, com os lógica corretiva e, quando muito, redistributiva, mas sem qualquer preocupação com
avanços da viabilidade técnica e os crescentes anseios de amenidade e segurança” a qualidade desse acesso, ou com seu potencial de transformação simbólica e de
(GALANTER, 2010, p. 44). reconhecimento de direito de minorias social e culturalmente oprimidas. Para que
A fronteira entre justiça e injustiça seria dinâmica e insuperável, de modo essa transformação atinja efetivamente as instituições do sistema de justiça, asse-
que a busca por acesso nunca cessaria, apenas ganharia novos contornos, conforme gurando-se verdadeiramente o direito e a mudança cultural preconizados na Lei
as percepções de injustiça se alterem ao longo da trajetória humana. Em outras Maria da Penha, é necessário se perguntar como o Judiciário enxerga as questões
palavras, o acesso nunca será um “não assunto”, mas sempre um assunto a ser redis- de gênero discutidas na atualidade. Há uma vontade ou disposição institucional
cutido e ressignificado, sendo certo que a decisão de ampliar ou restringir o acesso, de se promover a transformação simbólica e cultural necessária à superação dessas
ou, ainda, de priorizar demandas e direitos, seria, sem dúvida, uma escolha política injustiças?
(GALANTER, 2010, p. 46).
É essa ressignificação dos contornos e fronteiras do acesso à justiça que a Lei
Maria da Penha propõe ao reconhecer a necessidade de mudanças estruturais e 2.2.  Estereótipos e práticas discriminatórias como óbices ao acesso à
culturais para superação da violência decorrente da desigualdade e discriminação de justiça
gênero no Brasil. Se em um passado não tão distante a violência doméstica não era
socialmente tida como uma injustiça (o famoso bordão “em briga de marido e mu- A Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência
lher ninguém mete a colher” é sintomático), hoje se reconhece, ao menos normati- contra a Mulher (“Convenção de Belém do Pará”) preconizou que a proteção aos
vamente, o direito da mulher de acessar o sistema de justiça contra essa violência4. direitos da mulher compreende o direito de “ser livre de todas as formas de dis-
Entende-se, também, que essa violência não é fruto de meras desavenças fa- criminação” e “ser valorizada e educada livre de padrões estereotipados de com-
miliares, mas sim de um sistema de dominação social, de discriminação5 e de este- portamento e práticas sociais e culturais baseadas em conceitos de inferioridade
ou subordinação” (art. 6º). Essa previsão coaduna-se com a compreensão de que o
4 Diz-se ao menos normativamente, pois como a pesquisa do IPEA sobre sobre a “Tolerância Social combate à violência contra a mulher perpassa pela erradicação da injustiça cultural
à violência contra as mulheres” revela, o bordão “em briga de marido e mulher, não se mete a colher” simbólica, expressada em práticas culturais de difamação e desqualificação e repre-
ainda possui grande permeabilidade social: questionados se concordavam com essa afirmação, apenas
11,1% discordaram totalmente; 5,3% discordaram parcialmente; 1,4% ficaram neutros; 23,5% con- sentações públicas de atribuição de características ou papéis a alguém em virtude do
cordaram parcialmente e um surpreende percentual de 58,4% concordaram totalmente (IPEA, 2014,
p. 15).
5 “As desigualdades de gênero entre homens e mulheres advêm de uma construção só-
cio-cultural que não encontra respaldo nas diferenças biológicas dadas pela natureza. Um toricamente interpretados como restritos e privados, proporcionando a complacência e a
sistema de dominação passa a considerar natural uma desigualdade socialmente construída, impunidade (SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES, Exposição de
campo fértil para atos de discriminação e violência que se “naturalizam” e se incorporam Motivos n° 016, 2010).
ao cotidiano de milhares de mulheres. As relações e o espaço intra-familiares foram his-
104 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VI - 105

seu pertencimento ao um grupo social, depreciando categorias de pessoas e qualida- O alcance e impactos dessas injustiças culturais e simbólicas não podem ser de
des com estas associadas (FRASER, 1996, p. 31; CUSACK, 2014, p. 2). forma alguma minimizados. É a reprodução de práticas de exclusão, generalização,
A institucionalização dessas práticas é especialmente perniciosa quando se objetificação e subjugação da mulher, que acarreta e naturaliza desde a discrimina-
discute o acesso à justiça dos grupos e categorias de pessoas sujeitas às injusti- ção em ambientes profissionais e acadêmicos até a própria violência física, moral e
ças culturais e simbólicas, como as mulheres. Wânia Pasinato (2015, p. 422-423) psicológica da qual é vítima dentro e fora de seu núcleo familiar e afetivo.
discute, a partir de entrevistas com operadores jurídicos sobre a aplicação da Lei É sintomático, por exemplo, que ainda o estudo do IPEA sobre a “Tolerância
Maria da Penha, afirmações que revelam desconhecimento e falta de compreensão social à violência contra as mulheres” ainda revele um alto grau de concordância
sobre a violência baseada em gênero, como a de que mulheres “mentem”, “inven- (58,5% concordaram total ou parcialmente) por parte dos entrevistados com a afir-
tam histórias” que não sabem o que querem e que fazem o uso da lei com intuito mação “se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros”.
de prejudicar seus agressores. Essas posturas conformam um cenário institucional Como o estudo coloca, essa manifestação é reflexo da percepção social de que o
desfavorável à consolidação de políticas de gênero efetivas, tanto da perspectiva corpo das mulheres é de livre acesso aos homens “se elas não impuserem barreiras,
repressiva, quanto preventiva. como se comportar e se vestir ‘adequadamente’” (IPEA, 2014, p. 22-23).
Exemplos eloquentes também são identificados em decisões judiciais, es- Por isso, para além das importantes reflexões sobre estereótipos de gênero na
pecialmente aquelas relativas à interpretação e aplicação da Lei Maria da Penha. aplicação da Lei Maria da Penha, propõe-se também discutir a ação ou omissão
Fabiana Mendes de Oliveira (2014, p. 13-15) analisa estereótipos de gênero em das instituições do sistema de justiça face à perpetuação de estereótipos e de outras
decisões relacionadas à aplicação da Lei Maria da Penha pelo Superior Tribunal de práticas discriminatórias arraigadas culturalmente. O caso da propaganda da “musa
Justiça e destaca, dentre outros exemplos, a questão das “agressões mútuas”, ou seja, do verão 2006” é bastante representativo das possíveis reações do Judiciário a essas
o argumento judicial utilizado em episódios de violência física em que a mulher práticas, pois demonstra abordagens opostas de julgados a um mesmo anúncio ao
também teria agredido o agressor, o que afastaria a proteção estatal à mulher sob a longo do período entre 2012 e 2016. A seguir, a peça publicitária será brevemente
égide da Lei Maria da Penha. descrita, passando-se para a análise dos julgados proferidos em Ação Civil Pública
O caso narrado provém do julgado do Conflito de Competência nº 96.533/ e em ação para invalidação de multa administrativa em que se discute sua alegada
MG, de relatoria do Ministro Og Fernandes, da Terceira Seção, conforme julga- abusividade, em interpretação do art. 37, §2º, do Código de Defesa do Consumidor.
mento realizado em 05.12.2008. Da leitura da decisão, extrai-se que o Termo Cir-
cunstanciado de Ocorrência registra o relato do réu de que a autora teria “quebrado
seu telefone celular, passando a agredi-lo com socos e mordida em seu braço”. Já
3. A POSTURA DO JUDICIÁRIO ANTE A PERPETUAÇÃO DE
a autora narra que de fato quebrou o aparelho celular, “tendo mordido o braço do
namorado para se defender da agressão que este praticara contra ela”. No julgado, o ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO: O CASO DA MUSA DO VERÃO
STJ entendeu que “sendo o motivo que deu origem às agressões mútuas os ciúmes
da namorada, não há qualquer motivação de gênero ou situação de vulnerabilidade
que caracterize hipótese de incidência da Lei nº 11.340/06”, declarando o Juizado
Especial Criminal competente. Como Oliveira (2014) conclui, esse tipo de enten- 3.1.  A propaganda
dimento conduz a um paradoxo de que “se você deseja a proteção contra a violência
de gênero, deve apanhar quieta”, o que novamente revela uma falta de compreensão Em 2006, a AmBev lançou uma campanha para a Cerveja Skol conhecida
com relação à dinâmica da violência baseada em gênero, além de um estereótipo de por “Se o cara que inventou a Skol...”, com uma série de motivos, dentre os quais a
fragilidade da mulher, que deve suportar a agressão passivamente. “Musa do Verão 2006”6. No site da agência publicitária que desenvolveu o anúncio
A mulher, então, é frágil e passiva, deve sempre buscar a paz familiar, e quando descreve-se que
busca proteção em situações de violência, é mentirosa e se usa do sistema apenas
para prejudicar o agressor. Essas assimilações, quando perpetuadas pelo sistema de
justiça, geram um ambiente propício para a impunidade de situações de abuso con- O filme mostra a musa de verão como uma mulher inacessível, cheia de se-
guranças que a protegem dos fãs e fotógrafos. No meio da multidão que se
tra mulheres, além de dissuasório para aquelas que estão inseridas nessas situações
aglomera em volta do palco, montado na praia, um cara lança a seguinte
busquem ajuda. Tratam-se, sem dúvida, de práticas mapeadas pelos estudos citados
representativas do que se chama de injustiças culturais e simbólicas institucionais,
6 O vídeo da propaganda ainda pode ser acessado no Youtube (disponível https://www.youtube.
que inviabilizam o efetivo acesso da mulher e a postulação de seus direitos. com/watch?v=IZlIdMPDlzw, acesso em 3 mai. 2017).
106 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VI - 107

frase: “Se o cara que inventou a Skol tivesse inventado a musa do verão, ela dores acerca de seu papel no combate ou na perpetuação de práticas de injustiça
não seria assim. Seria assim…”. Num laboratório, Bárbara Borges é clonada simbólica e cultural contra as mulheres.
e na sequência distribuída em várias casas, num sistema de delivery de musa No julgamento da apelação, o voto afasta a prescrição declarada em primeiro
de verão. grau, entendendo-se aplicável o prazo de cinco anos previsto no artigo 27 do Có-
digo de Defesa do Consumidor, por se tratar de demanda que discute a violação do
No filme, enquanto a “musa do verão” possa para fotografias, ela está no mun- artigo 37, §2º da lei consumeirista. O dispositivo em questão estabelece a proibição
do real, protegida por seguranças, dentre os quais um alerta os fãs e fotógrafos para da publicidade abusiva, entendida como aquela que, “dentre outras a publicidade
que “não toquem” a moça. Na cena seguinte, a musa é clonada e entregue a diversos discriminatória de qualquer natureza”, argumento este utilizado pelo Ministério
homens. Um deles pergunta “se pode tocar” e outro reclama, ao receber uma “musa” Público em seu pleito, por entender que a mensagem estimularia a “coisificação”
com bigode de que “justo a minha veio com defeito”. Ao final, um senhor de idade feminina ao colocar a mulher como “mero objeto de prazer sexual masculino”.
pergunta se a dele “é importada”. Contudo, o acórdão não acolhe a argumentação do Ministério Público, en-
A propaganda foi veiculada entre janeiro e março de 2006 e foi objeto de uma tendendo não haver ofensa ao art. 37, §2º (p. 12), e sustenta esse posicionamento a
autuação por parte da Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (PRO- partir de dois requisitos para se responsabilizar uma empresa por uma propaganda
CON/SP) e de uma Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público de São alegadamente discriminatória: contexto social em que a propaganda é vinculada e
Paulo, ambos por abusividade da publicidade, que seria discriminatória e ofensiva às a “intenção de ofender”. Para o Relator, acompanhado em seu voto pelos demais
mulheres, retratadas como objetos à disposição de consumidores homens. membros da turma julgadora, esses critérios não estariam configurados no caso da
propaganda da Skol, que se inseriu em um contexto social que tornaria a propagan-
da aceitável (apesar do “mau gosto” do anúncio) e não revelaria qualquer “intenção
3.2.  A Ação Civil Pública pejorativa ou discriminatória”.
Do exame da decisão se extrai que a discussão sobre a intervenção judicial
Embasado em pareceres críticos à companha da Skol, o Ministério Público na publicidade potencialmente discriminatória não é o cerne da motivação, que se
do Estado de São Paulo ingressou com a ação judicial em 2009, ou seja, três anos desenvolve, essencialmente, na interpretação da propaganda em si. O Relator não
após a sua transmissão na televisão. Em primeiro grau, o processo foi extinto por discute, por exemplo, os limites da atuação do Judiciário à luz do direito à liberdade
prescrição, com fundamento na hipótese do art. 206, § 3º, V, do Código Civil (pre- de expressão, o que poderia conduzi-lo à conclusão de que a propaganda seria sim
tensão de reparação civil). O MP interpôs recurso de apelação, distribuído para a 4ª ofensiva, mas que não caberia à justiça estatal intervir nesse âmbito. Pelo contrário:
Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, sob a relatoria do sustenta-se que a despeito da existência de órgão de autorregulação, “intervenção
Desembargador Ênio Santarelli Zuliani, e julgado na sessão de 26 de abril de 2012 administrativa não repercute com força vinculativa e cabe examinar com liberdade
(Apelação nº 9000005-45.2009.8.26.0100). o referido anúncio” (p. 5). Assim, o cerne da discussão judicial é o caráter discrimi-
Muito embora não tenha sido proferido em sede de julgamento de casos re- natório da peça publicitária, ou seja, a incidência de violação ao artigo 37, §2º, do
petitivos e tampouco possa ser considerado um precedente à luz do quanto dis- CDC. A baliza que se propõe é a da “ilicitude” (“o bom direito não se coaduna com
posto no artigo 927 do Código de Processo Civil de 2015, o acórdão em questão práticas semelhantes, embora não se chegue a considerar uma ilicitude”), em uma
representa o primeiro enfrentamento judicial que se tem notícia da alegação de clara tentativa de racionalização de um critério legal claramente discricionário, que
abusividade em uma propaganda por discriminação às mulheres. Daí porque de é o da publicidade abusiva.
extrema pertinência a análise da fundamentação da decisão, que consiste em uma
interpretação do conceito de publicidade abusiva e discriminatória em casos de
3.2.1.  Contexto social e cultural e interpretação da propaganda
propagandas consideradas ofensivas às mulheres. Em sendo a primeira vez que o
dentro do terreno do fantasioso
Tribunal de Justiça de São Paulo discutira o tema, constrói-se uma interpretação
claramente extensiva da norma que embasa do pedido do MP, propondo-se crité-
rios ou requisitos não existentes em lei para aferição da abusividade publicitária. Ao examinar a alegada abusividade do anúncio, o Relator sustenta que a pro-
Cabe discutir esses critérios e demais argumentos do julgado a partir das noções de paganda deve ser interpretada a partir de seu caráter inerentemente fantasioso, o
injustiça simbólica e cultural aqui trazidas, a fim de se questionar a interpretação que permitiria maior liberdade ao publicitário. A este, seria fundamental explorar a
conferida judicialmente à peça publicitária, bem como a compreensão dos julga- associação do consumo da cerveja com elementos como verão, praias, diversão, hu-
mor e flertes, como reflexos de um “aspecto cultural da realidade brasileira” que não
108 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VI - 109

poderia ser abandonado na realização de “comercial proveitoso”. Esses aspectos cul- afastando uma interpretação literal do anúncio, o julgador se valha da literalidade
turais e sociais justificariam a retratação da “brincadeira sobre o desejo masculino para afastar a objetificação, ao dizer que a mercantilização da musa do verão estaria
de uma musa do verão em linha de produção”, o que não poderia ser interpretado restrita a ela, e não se estenderia às mulheres de modo geral. Não há, portanto, a
literalmente. tentativa de ruptura com práticas culturais estigmatizantes face às mulheres, perpe-
O voto cita, nesse ponto, doutrina de cunho jurídico para legitimação do tuando-se a imagem do desejo masculino da mulher objeto, que é legitimado por
argumento de que a publicidade se desenvolve no terreno do fictício7, do irreal, ser fantasioso (e não literal) e por se inserir em um contexto social de naturalização,
não podendo ser interpretado na sua literalidade8. Argumenta que seria absurdo que é apenas reproduzido pelo anúncio.
cogitar que a intenção da peça publicitária seria “convencer o telespectador de que
a compra da cerveja ‘Skol’ acarreta a distribuição de mulheres bonitas ‘clonadas’ aos
seus consumidores”. 3.2.2.  A imposição de um critério subjetivo de intencionalidade de
Cabe refletir, nesse tocante, se realmente a abusividade da publicidade reside se ofender e de se discriminar
somente na sua literalidade, ou se pode ser transmitida na mensagem subliminar
que visa estimular ao consumo. O próprio voto afirma ser “evidente que o imaginá- Ainda que o voto reconheça que o anúncio reproduz estereótipos, a sua abusi-
rio humano sofre a influência dos mais variados tipos de mensagem e não se pode vidade é novamente afastada pelo argumento de não haver uma intenção de ofen-
ignorar que é possível que a publicidade colabore para uma subjetividade distorci- der ou de discriminar9, não se estimulando que as pessoas “sejam mais ou menos
da”. Caberia analisar dessa perspectiva a mensagem veiculada de modo figurativo, machistas”. Essa intenção seria substituída pelo intuito humorístico, de brincadeira
ainda que não seja literal (aliás, quando uma propaganda é literal?). do anúncio. Há diversos trechos em que esse argumento é sustentado:
Não é necessário um grande exercício interpretativo para se verificar que a
mensagem da propaganda é a de que a distribuição de mulheres em domicílio seria
A defesa das mulheres pelo espaço merecido é uma luta contínua e que so-
algo desejável ao homem, tal qual uma Skol (“se o cara que tivesse inventado a Skol mente vai se encerrar quando a sociedade, de maneira unânime, reconhecer
tivesse inventado a musa do verão, ela seria assim [...]”). A literalidade da men- a isonomia. Porém, nem todos os comentários, as manifestações e até certas
sagem, ou seja, da entrega de mulheres como brindes, seria, claramente, absurda, brincadeiras sobre as diferenças entres homens e mulheres devem ser enten-
porém é nítido que se apela a um desejo masculino de possuir a mulher. De que a didas como sinônimo de ultrajes e desconsideração jurídica (p. 7);
mulher seja perfeita e estática, como uma mercadoria entregue em domicílio, e que O humor envolvendo as predileções, as qualidades, os defeitos e os conflitos
esteja à disposição do homem, como um bem de consumo. Daí porque a abusivida- de homens e mulheres constitui uma realidade social e, no mais das vezes,
de defendida pelo MP gira em torno da objetificação da mulher. mostra caráter inofensivo, podendo até refletir uma forma engraçada a co-
O acórdão nega, contudo, que a propaganda tenha fomentado a objetificação, nhecida “guerra dos sexos” [...], desde que não ocorram exageros ou abusos
ou “coisificação” da mulher, afirmando que essa imagem estaria restrita à figura de (p. 7-8);
uma musa do verão específico e que essa imagem estaria “fadada ao esquecimento Nessas circunstâncias e considerando o que foi mostrado no filme em comen-
em virtude do próprio marco temporal estabelecido”. É contraditório que, mesmo to, o objetivo não é de “coisificar” mulher nenhuma, mas sim, causar impacto
com humor, criar uma ficção para que os consumidores dêem risada, façam
7 “A intervenção administrativa não repercute com força vinculativa e cabe examinar com comentários, enfim, lembrem da marca e do produto divulgado (p. 9).
liberdade o referido anúncio, competindo, em primeiro plano, advertir que haverá sempre Um outro aspecto social que deve ser ressaltado é o de que o consumo de cer-
algo de fantasioso nos filmes comerciais (“nenhuma lingerie é usada por mulheres feias”), veja no Brasil sempre foi associado ao verão e, evidentemente, não poderiam
exemplifica FÁBIO ULHOA COELHO, in Doutrinas Essenciais: Responsabilidade Civil, faltar praias, piscinas e pessoas exibindo, com pouca roupa, o corpo. A esse
RT, coordenação de Nelson Nery Júnior e Rosa Maria de Andrade Nery, 2010, vol. VIII,
p. 546. Cabe ao espectador separar a ficção do que é real, filtrando o aceitável e rejeitando a acrescente como ingrediente indispensável um roteiro de diversão, flertes,
grosseria e a leviandade, sem se esquecer que a propaganda deve chamar a atenção e desper- festas, vaidade, humor, alegria, apresentando-se, justamente nesse contexto,
tar o desejo de consumo, caso contrário não alcança sua função. Um exemplo citado como a brincadeira sobre o desejo masculino de uma musa do verão em linha de
ofensivo é de se publicar, em jornais e revistas de intensa circulação, piadas de estrangeiros produção. Por mais talentosos que sejam os departamentos publicitários não
classificados como burros (MARIA LUIZA DE SABOIA CAMPOS, Publicidade: res- há como escapar dessas diretrizes para um comercial proveitoso e isso deve
ponsabilidade civil perante o consumidor, Cultural Paulista, 1996, p. 259)”. (p. 5).
8 Cumpre observar que exemplo utilizado pelo autor citado no voto (“nenhuma lingerie é usada ser considerado para fins de apurar a técnica empregada (p. 9).
por mulheres feias”) revela que não há, na referida doutrina, qualquer reflexo da discussão dos efeitos
culturais da perpetuação de estereótipos, debate esse do qual o julgado se exime. Não se questiona 9 “Mesmo aproveitando um estereótipo de mulher que não corresponda à realidade e uma espécie
ideário de beleza imposto pelas propagandas e a objetificação da mulher como práticas potencialmen- de desejo masculino que também não seja louvável ou generalizado, não há intenção de menoscabar o
te opressivas. sexo feminino” (TJSP, Apelação nº 9000005-45.2009.8.26.0100, 26.04.2012, p. 8).
110 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VI - 111

O tema da objetificação é complexo e comporta diversas interpretações, mas era o embasamento legal da autuação do PROCON/SP. Julga, então, procedente o
pode ser compreendido, essencialmente, como um tratamento em que seres huma- pedido da AmBev, declarando a invalidade da autuação e da respectiva multa, por
nos são vistos de forma instrumental para propósitos dos outros, remetendo-se a entender ter “descaracterizada a prática de propaganda discriminatória”.
uma noção de comoditização que nega a autonomia e a subjetividade do indivíduo, O PROCON/SP apelou da sentença e teve seu recurso distribuído para a 7ª
dando margem a variadas violações de fronteiras ou barreiras (NUSSBAUM, 1995, Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça, sob relatoria do Desembargador
p. 290). Luiz Sergio Fernandes de Souza (Apelação nº 0005431-07.2010.8.26.0053). Em
A objetificação da mulher implica em percebê-la como um objeto sexual, sessão de julgamento realizada em 11 de março de 2016 – ou seja, quatro anos após
apartado de suas características não físicas, o que muitas vezes pode se relacionar o julgamento do recurso do caso anterior – a apreciação judicial da propaganda foi
com sentimentos de propriedade ou quase propriedade. É por meio de generaliza- completamente diversa, entendendo-se ter havido abusividade e discriminação no
ções e estereótipos que os indivíduos integrantes de um grupo minoritário podem anúncio.
passar a ser “objetificados”, considerados fungíveis, apartados de sua singularidade e O voto vencedor, proferido pelo Relator, inicia-se afastando qualquer alegação
inseridos em pré concepções formuladas por grupos opressores. de coisa julgada pertinente a apreciação do caráter ofensivo da propaganda “Musa
Não há, necessariamente, uma intencionalidade na objetificação, assim como do verão 2006”, sob o argumento de que a interpretação do art. 37, §2º, do CDC
na perpetuação de estereótipos de forma geral. Justamente por serem práticas cul- no caso integraria os motivos da decisão, e não o seu dispositivo, não estando com-
turais, devem ser analisados pelos seus efeitos, e não pela intenção daquele que preendido, portanto, nos limites objetivos da coisa julgada, conforme redação do art.
as reproduz. Certamente um anunciante não terá uma intenção clara de subjugar 504, I, do CPC/2015, que reproduz a redação do art. 469, I do CPC/197311. Seria
mulheres, até porque – novamente – a publicidade não atua por meio de mensa- possível, portanto, rediscutir o tema.
gens literais, mas sim subliminares, que apelam ao inconsciente. Apelar ao desejo Passa-se então à apreciação da abusividade da propaganda, que é reconhecida
masculino por meio da negativa de autonomia da mulher retratada pode não revelar pelo voto do Relator e pelo voto convergente do Desembargador Moacir Peres,
um intuito discriminatório por parte da empresa, mas certamente acarreta efeitos restando vencido o Desembargador Sergio Coimbra Schmidt.
discriminatórios, na medida em que mulheres são colocadas como bens de consu-
mo de homens.
Percebe-se, assim, que a decisão judicial legitima o estereótipo das mulhe- 3.3.1.  Contexto social e cultural e impactos da propaganda
res perfeitas e estáticas, conformadas em objetos ou mercadorias à disposição dos
homens, por sua inserção no terreno fantasioso e humorístico da propaganda, em Em diversas passagens, o voto vencedor rebate diretamente a fundamentação
que não haveria intenção de discriminar. Argumentos em sentido diverso são per- do acórdão proferido na ação coletiva. Nesse sentido, o voto do Relator não nega o
cebidos como “moralistas” ou “radicais”, além de contraproducentes na busca pela caráter fantasioso e lúdico da arte publicitária, mas a caracteriza como um “fenô-
igualdade de gênero10. meno cultural dito derivado”, que reflete “valores e códigos da sociedade”. Contudo,
assinala a influência desta e o papel do direito de resguardar o consumidor vulnerá-

3.3.  A ação da AmBev contra a multa do PROCON


11 O julgado cita o inciso III do antigo art. 469 (“Não fazem coisa julgada: III – A apreciação da
questão prejudicial, decidida incidentemente no processo”), muito embora fale expressamente que “os
No ano de 2010, ou seja, seguinte ao ajuizamento da Ação Civil Pública, a motivos invocados no julgamento não fazem coisa julgada”, do que se infere que possivelmente houve
AmBev ajuizou ação referente à multa imposta pelo PROCON/SP. Em 16 de um erro de referência ao inciso do dispositivo. De toda forma, é importante pontuar que o CPC/2015
passou a prever a possibilidade de extensão dos limites objetivos da coisa julgada a questões prejudi-
outubro de 2013, ou seja, meses após o julgamento do recurso de apelação da Ação ciais (ou seja, questões cuja apreciação é prejudicial ao julgamento das questões de mérito) se presentes
Civil Pública, foi proferida sentença na ação contra o PROCON/SP, em que o juí- os requisitos do art. 503, §1º: (i) questão decidida expressa e incidentemente no processo; (ii) de sua
zo, tendo reconhecido a conexão entre as duas demandas, entendeu que já teria ha- resolução depender o julgamento do mérito; (iii) a seu respeito tiver havido contraditório prévio e
efetivo, não se aplicando no caso de revelia; (iv) o juízo tiver competência em razão da matéria e da
vido pronunciamento judicial sobre a alegada ofensa ao art. 37, §2º, do CDC, que pessoa para resolvê-la como questão principal; (v) não houver no processo restrições probatórias ou
limitações à cognição que impeçam o aprofundamento da análise da questão prejudicial. Esse dispo-
sitivo somente será aplicado a processos judiciais ajuizados após a vigência do CPC/2015, conforme
10 “Essa opção de mercado não permite que se faça uma interpretação moralista ou radical disposto nas suas disposições transitórias (art. 1.054). Assim, ainda que se pretendesse arguir que a
de tais situações, porque a própria conquista da igualdade dos sexos também deve trazer o apreciação do caráter ofensivo da publicidade seria uma questão prejudicial, o que não parece perti-
discernimento, o amadurecimento e a tolerância adequada para que se encarem e se dis- nente, tendo em vista que não se discute a existência de relação jurídica (como se previa no art. 5º do
cutam os mais emblemáticos temas e manifestações envolvendo os gêneros, respeitados os CPC/1973), a extensão dos limites da coisa julgada às questões prejudiciais não pode ser aplicada ao
valores da seriedade e da decência” (p. 8). presente caso, em que ambas as demandas foram ajuizadas ainda na vigência do CPC/1973.
112 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VI - 113

vel da influência da mensagem transmitida. Ainda sobre essa proteção legal, o voto Nesse contexto de mercantilização da mulher, não se pode desconsiderar as
convergente sustenta que “qualquer pessoa pode ser involuntariamente exposta à questões de gênero para dizer, como faz a autora, que a propaganda invoca
propaganda”, o que justifica que a liberdade de expressão de criação do anunciante apenas símbolos do verão, a exemplo do Sol, do mar, cenário no qual homens
não seja absoluta. A mensagem da publicidade pode, portanto, ser ofensiva, e possui e mulheres aparecem festejando em trajes praianos. Na verdade, o que se vê no
filme publicitário são “mulheres clonadas”, carregadas em carrinhos, do tipo
impactos mesmo afastada de sua literalidade.
que se vê em supermercados, sendo entregues por homens para homens. Nas
Assim como no acórdão da ação coletiva, o voto vencedor também preconiza palavras da própria autora, a ideia é transmitir a mensagem de que, naquele
uma interpretação contextualizada do teor da campanha “musa do verão”, porém mundo fantástico, mulheres com o fenótipo de musa estariam à disposição
conclui que “vai de encontro aos valores que começaram a se formar, mercê do de qualquer homem, assim como as cervejas da marca Skol. O argumento da
processo de redemocratização da sociedade brasileira, a partir dos anos 90, diante peça publicitária é mais do que infeliz, pois “coisifica” a mulher, servindo-a,
de marcos civilizatórios que não convivem mais com estereótipos e formas pré-con- mediante entrega, para desfrute do consumidor. Em outras palavras, nela, o
cebidas”. Também de modo similar, o voto convergente assinala a repercussão de gênero feminino transforma-se em objeto de consumo (p. 9);
campanhas realizadas em redes sociais (“como #primeiroassedio e a #meuamigo- Com isso, cria a ideia de que a mulher em questão é um bem a ser produzido
secreto”), refletindo o acirramento da luta pela igualdade de direitos da mulher. É em série e livremente consumido pelos homens. Coisificando a mulher, a
nesse contexto que conclui que a propaganda “faz discriminação de gênero e ofende peça discrimina, separa, aparta os gêneros, tratando o sexo masculino como o
os valores de um nicho grande da população”. consumidor e o feminino como o bem a ser consumido, que deve ser perfeito
(a propaganda faz alusão a um exemplar da “Musa” que teria “vindo com de-
feito”) para satisfazer aos desejos dos consumidores (voto convergente, p. 20).
3.3.2.  Irrelevância da intencionalidade

Finalmente, o voto vencedor repudia expressamente os rótulos de radi-


Novamente rebatendo os argumentos do acórdão da Ação Civil Pú-
calismo ou moralismo, ou de “politicamente correto” sustentados no voto da
blica, o relator expressamente afasta o elemento da intencionalidade ou da
ação coletiva e nas alegações da AmBev13. É invocado o dever da sociedade
má-fé do publicitário, associando o exame da sua abusividade ao potencial
como um todo de superar “estereótipos grosseiros”, denunciando a mensa-
ofensivo, ou ao dano potencial12.
gem desagregadora da mensagem publicitária e consignando que “a estética
É interessante a ressalva feita também pelo voto convergente quanto ao cará-
ter humorístico da peça publicitária. Sustenta o Desembargador que, diversamente feminina, por mais apreciável que seja, não se confunde com lata de cerveja,
do que ocorre na publicidade, que “invade” o dia-a-dia do consumidor, o espectador produto que as pessoas consomem e depois jogam fora”.
da peça humorística escolhe presenciar aquela representação, prevenindo-se quanto
ao seu teor potencialmente jocoso e até ofensivo.
Especificamente quanto ao potencial ofensivo ou de danos às mulheres, tanto
o voto vencedor quanto o voto convergente reconhecem expressamente a objetifi-
cação da mulher e defendem a necessidade de se coibir manifestações que reflitam 13 “A luta pelo espaço igualitário da mulher na sociedade é tema que ganha cada vez mais
a mercantilização ou comoditização das mulheres como bem de consumo dos ho- força no mundo. No momento em que a sociedade busca proscrever a ideia de que o gênero
feminino é mero objeto de prazer, não se pode legitimamente sustentar que a valorização da
mens. mulher seja vista apenas como uma bandeira de determinado setor (radical) da sociedade.
Todos estão envolvidos com a superação de estereótipos grosseiros, lugar comum sempre
presente quando o assunto é publicidade.
Não se trata de exercer o direito de tolerância, tampouco de romper com uma certa hipo-
crisia social, na linha do “politicamente correto”, mas de perceber que a estética feminina,
por mais apreciável que seja, não se confunde com lata de cerveja, produto que as pessoas
12 “E o abuso, ou a configuração dele, independe do elemento subjetivo, vale dizer, da in- consomem e depois jogam fora. É certo que, em tempos de racionalidade instrumental
tenção, da boa-fé ou da má-fé do idealizador da campanha publicitária ou do agente que (Horkheimer) e de modernidade líquida (Bauman), tudo é disponível, descartável. Mas
a patrocina, caracterizando-se a abusividade pelo dano potencial que pode causar a valores a filosofia contemporânea, ao mesmo tempo em que interpreta o mundo a nossa volta,
não econômicos, não importando a extensão ou intensidade”. O voto convergente também denuncia, faz pensar. E é terrível perceber o quão desagregadora pode ser uma mensagem
argumenta nesse sentido: “Observe-se que não se pretende aqui analisar a efetiva ofen- publicitária, promovida a peso de ouro, que penetra na casa das pessoas sem pedir licença.
sividade da peça publicitária (pois cada consumidor potencial reagiria diferentemente à De mais a mais, a televisão é serviço público, atuando as empresas, neste ramo, mediante
propaganda), mas, à semelhança do tratamento dado à publicidade infantil, busca-se coibir concessão” (p. 14-15).
o potencial abusivo da mensagem”.
114 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VI - 115

3.3.3.  Voto vencido mudança do olhar ou o mero fato de se tratarem de julgadores distintos (4ª
Câmara de Direito Privado e 7ª Câmara de Direito Público) explicaria a
C omo mencionado, o julgamento do recurso de apelação do divergência interpretativa?
PROCON/SP não foi unânime, tendo o Desembargador Coimbra Schimdt A análise do segundo acórdão demonstra que as mudanças culturais e
declarado o seu voto vencido. Inicia a sua argumentação descordando da comportamentais mais recentes influíram na cognição sobre a matéria. Am-
afirmação vencedora de que não haveria coisa julgada no caso em questão, bos julgadores vencedores fizeram referência ao contexto social da publi-
posto que o novo julgamento seria conflitante com a primeira decisão, crian- cidade, o primeiro (da Ação Civil Pública) para sustentar a aceitabilidade
do-se uma situação de “insegurança jurídica que compete ao Judiciário, pri- da propaganda, seu tom jocoso e não ofensivo, e o segundo (da ação para
mordialmente, afastar das relações socioeconômicas”. invalidação da multa) para defender seu caráter discriminatório e potencial-
Quanto à interpretação da peça publicitária, o desembargador alinha-se com mente ofensivo às mulheres. O voto convergente é expresso ao reconhecer
o posicionamento do Relator da apelação referente à Ação Civil Pública, relatando as lutas de minorias no Judiciário (“o feminismo tem acirrado sua luta pela
ter visto nesta igualdade de direitos”), em sentido similar ao voto do Relator Luiz Sergio
Fernandes Souza, que consigna que a superação de estereótipos faz parte da
[...] uma peça bem-humorada permeada de completo non-sense subjacente “luta pelo espaço igualitário da mulher na sociedade”, e que não se trata de
à absurda possibilidade de se reproduzir bela jovem, eleita ‘Musa do Verão um propósito de um setor radical, mas sim de um dever de toda a sociedade.
de 2006’ de modo a que cada sonhador pudesse tê-la não como uma figura Não é de se menosprezar os efeitos de uma decisão judicial que se opõe à per-
distante, imaginária, mas como algo palpável, material, a seu alcance. Esfor- petuação de práticas culturais discriminatórias e de estereótipos, consistentes com
cei-me para não rir, mesmo, quando em sessão examinava a peça, pois não a a injustiça cultural e simbólica aqui discutida. Veja-se, por exemplo, que em 2017 a
conhecia (não sou dado a assistir televisão) (p. 26).
Skol (AmBev) modificou drasticamente sua estratégia de publicidade, investindo
em uma espécie de contrapropaganda lançada no Dia Internacional da Mulher de
Além da questão do fantasioso, discutido em todas as decisões aqui examina- 2017 com o slogan “Redondo é sair do seu passado”14, em que artistas mulheres
das, o voto vencido também aborda o contexto social, afirmando que “é fato que, fizeram novos pôsteres, substituindo os das antigas campanhas. A cervejaria reco-
nas praias, os trajes femininos são cada vez mais sumários”. Reconhece-se, ainda, ser nhece que seus pôsteres antigos não mais a representam, mas não os deslegitima
a publicidade um subproduto cultural, que, no caso, reproduziria “o ideal da musa em seu contexto. Conforme fala da diretora de marketing em entrevista para site de
componente do imaginário masculino e isso desde tempos bem antigos”. A publici-
dade teria trazido o real para o irreal, com o “bom humor característico da picardia
do brasileiro associado à alegria imanente a reuniões em cervejarias”.
Diversamente do voto do Relator no caso da Ação Civil Pública, que em
diversos momentos critica o anúncio (apesar de não lhe considerar atentatório ao 14 Conforme descrição da campanha no site da agência de publicidade F/Nazca: “O mundo mudou.
Evoluiu. E a SKOL, que vem incorporando cada vez mais a pluralidade, a inclusão e o respeito em sua
art. 37, §2º, do CDC), o voto vencido elogia a peça, ressaltando a criatividade e postura, sabe que algumas de suas peças publicitárias do passado já não a representam mais. A cerveja
originalidade do publicitário e o humor da peça. Nas palavras do desembargador, o iniciou o ano convidando todas as pessoas a saírem do quadrado, da zona de conforto, e abrirem os
cerceamento à liberdade de expressão “apenas porque alguns viram a ousadia como olhares para novas perspectivas e para a beleza que existe nas diferenças. Agora, SKOL cria o mo-
vimento Redondo é Sair do seu Passado. O uso da figura feminina nas campanhas, como foi feito
ofensa à condição feminina” seria injustificado, representando uma ferida “de mor- no passado, não representa já há algum tempo o posicionamento da marca e este projeto nasce para
te” à publicidade brasileira e a “materialização da pior das censuras: a autocensura! ”. legitimar a evolução de SKOL. Oito artistas foram convidadas para fazerem releituras de pôsteres
antigos da marca e mostrarem, com a sua arte, as mulheres do jeito que SKOL as vê, fortes e inde-
pendentes. São elas: Eva Uviedo, Elisa Arruda, Carol Rosseti, Camila do Rosário, Manuela Eichner,
Tainá Criola, Sirlaney Nogueira e Evelyn Queiroz, a Negahamburguer. Como resultado, surgiram
3.4.  Mudança dos tempos? diferentes visões e estilos, mas o mesmo ponto em comum: a mulher empoderada.  O processo de
criação das novas peças deu origem a um filme para o digital, que entrou no ar ontem a noite, Dia
Internacional da Mulher, na página da cerveja no Facebook. Além disso, no site da SKOL haverá
Há, sem dúvida, uma diferença de perspectiva nos julgados analisados, informações sobre as artistas e o trabalho que realizam, detalhes sobre a produção de cada pôster e um
referentes a uma mesma propaganda, porém separados temporalmente por espaço para as pessoas indicarem bares e outros pontos de venda que eventualmente ainda tenham pe-
um período de quatro anos. Seria esse lapso temporal a explicação para a ças antigas, para que essas possam ser substituídas”. Disponível em: http://www.fnazca.com.br/index.
php/2017/03/09/reposter/. Acesso em: 5 mai. 2017.
116 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VI - 117

notícias, “não é uma forma de pedir desculpa, é uma forma de evoluir junto com o Como propõe Boaventura de Sousa Santos, um verdadeiro acesso à justiça é
mundo, sem negar o que aconteceu de fato”15. aquele em que novas demandas por direitos provocam a transformação do siste-
A Skol alega, portanto, que o contexto social mudou e que a propaganda em ma jurídico como um todo, em uma verdadeira revolução democrática da justiça
questão se justificava no contexto anterior. Tanto essa fala da cervejaria quanto as (SANTOS, 2011, p. 38). Espera-se que essa revolução democratizante implique
decisões judiciais analisadas ressaltam a importância do contexto social para aferi- também no reconhecimento das injustiças colocadas em juízo (são novas deman-
ção da abusividade da publicidade, no que diz respeito à discriminação e a objeti- das, mas não necessariamente novas injustiças) e que o sistema de justiça se coloque
ficação da mulher. Seria possível, acatando-se um raciocínio que inocenta a Skol, como um agente da transformação culturais e sociais necessária para efetiva garan-
dizer que não podemos condenar hoje uma propaganda veiculada em 2006. Os tia de direitos às mulheres.
tempos mudaram, e agora a publicidade dessa natureza não é aceitável.
No entanto, é importante questionar qual seria o motor das transformações
socioculturais que levam a percepção da inadequação e ofensividade das propa-
5. REFERÊNCIAS
gandas e demais manifestações culturais de cunho machista (ou racista, lgbtfóbico,
opressor de modo geral). Não caberia ao Judiciário, também, intervir nessas práti-
cas, sendo em si um agente ativo (e não somente passivo) dessas transformações? CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant G. Acesso à justiça. Trad. Ellen Gracie Nor-
thfleet. Porto Alegre: Fabris, 1988.
CUSACK, Simone. Eliminating judicial stereotyping: equal access to justice for women in
gender-based violence cases. Submitted to the Office of the High Commissioner for Human
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Rights on 9 June 2014. Disponível em: <stereotypingandlaw.wordpress.com>. Acesso em:
30 abr. 2017.
O presente artigo propõe, em linhas gerais, um resgate e uma ressignificação FRASER, Nancy. Social Justice in the Age of Identity Politics: Redistribution, Recognition, and
da agenda de pesquisa sobre acesso à justiça, atualmente colocada de escanteio em Participation. The Tanner Lectures on Human Values. Stanford University: 1996.
favor de pautas economicistas de combate à morosidade e à falta de efetividade do
______. From redistribution to recognition? Dilemmas of justice in a ‘postsocialist’ age. SEID-
processo, sempre com um viés quantitativo e de combate a uma suposta litigiosi- MAN, S.; ALEXANDER, J. (orgs.). The new social theory reader. Londres: Routledge,
dade excessiva. 2001, p. 285-293.
Há um abismo entre essa pauta norteadora das recentes reformas judiciárias e
processuais e as injustiças cada vez mais escancaradas, que acometem minorias em INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Tolerância social à vio-
lência contra as mulheres. Brasília: IPEA, 2014.
geral, especialmente as mulheres, cuja tutela de direitos ainda é vista muito mais
da perspectiva criminal do que da afirmação e do reconhecimento de seu direito ______. A institucionalização das políticas públicas de enfrentamento à violência contra
de uma paritária participação em todas as esferas públicas e privadas (FRASER, as mulheres no Brasil. Nota Técnica nº 13. Brasília: IPEA, 2015.
1995). Essas demandas não estão refletidas sequer nos marcos teóricos comumente MATTEI, Ugo. Access to Justice. A Renewed Global Issue? Electronic Journal of Comparative
referenciados no Brasil (em especial o “Projeto Florença”, de Mauro Cappelletti e Law. Dezembro de 2017. Disponível em Http://Www.Ejcl.Org/113/Article113-14.Pdf.
Bryant Garth), cujo foco é muito mais direcionado a uma justiça redistributiva do Acesso em 5 mai.2017.
que a uma justiça de reconhecimento. NUSSBAUM, Martha C. Objectification. Philosophy and Public Affairs. no. 24, outono 1995.
Pensar acesso à justiça para as mulheres perpassa, portanto, em refletir sobre
OLIVEIRA, Fabiana Mendes de Oliveira. Os Estereótipos de Gênero no Direito Brasilei-
práticas sociais e culturais opressoras, e sobre o papel do Judiciário enquanto repli-
ro e a Lei Maria da Penha - Análise de sua aplicação pelo STJ. Encontro da ANDHEP -
cador ou perpetuador dessas práticas. A análise do caso da propaganda “musa do
Políticas Públicas Para A Segurança Pública E Direitos Humanos. São Paulo: Faculdade
verão 2006” pretendeu discutir que o Judiciário perpetua essas práticas não somente de Direito da Universidade de São Paulo, 2014.
quando reproduz estereótipos de gênero ou subjuga a mulher, mas também quando
é conivente com representações opressivas, que objetificam a mulher, como é o caso PASINATO, Wânia. Acesso à justiça e violência doméstica e familiar contra as mulheres:
as percepções dos operadores jurídicos e os limites para a aplicação da lei maria da penha.
do anúncio em questão.
Revista Direito GV. n. 11, jul-dez 2015, p. 407-428.

15 “Skol lança ação para trocar cartazes machistas de bares”, G1, 13 mar. 2017. Disponível em http:// SADEK, Maria Tereza. Acesso à justiça: visão da sociedade. Justitia. no. 65, jan/jul 2008.
g1.globo.com/economia/midia-e-marketing/noticia/skol-lanca-acao-para-trocar-cartazes-machis- SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma Revolução Democrática da Justiça. São Paulo:
tas-de-bares.ghtml. Acesso em: 5 mai. 2017.
118 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VII - 119

Cortez, 2011.

VII
A NECESSIDADE DE SUPERAÇÃO DAS POSIÇÕES
DICOTÔMICAS SOBRE O FEMINICÍDIO NO
BRASIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS1

Denise Almeida de Andrade


Pós-doutoranda (CAPES-PNPD) em Direito Político e Econômi-
co pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Doutora e Mestre em
Direito Constitucional pela Universidade de Fortaleza – UNIFOR.

Monica Sapucaia Machado


Doutoranda (CAPES-PROSUP) e Mestre pelo Programa de
Mestrado e Doutorado em Direito Político e Econômico da Uni-
versidade Presbiteriana Mackenzie. Especialista em Adminis-
tração Pública pela Fundação Getúlio Vargas. Advogada.

Humberto César Temoteo Ribeiro


Delegado de Polícia do Estado de São Paulo. Especialis-
ta em Direito Público pela Universidade Anhanguera.

Resumo: O feminicídio foi inserido no ordenamento jurídico brasileiro pela Lei no


13.104/2015, e tem dividido opiniões sobre seu potencial de contribuir, significativamente,
para a diminuição dos altos índices de violência contra a mulher. Objetiva-se com este texto
realizar uma reflexão introdutória sobre os prováveis benefícios e perdas oriundos desta
alteração no Código Penal. O texto foi construído por meio de pesquisa bibliográfica, em
artigos e livros nacionais e estrangeiros, bem como da consulta e análise de documentos pro-
duzidos pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos. Para tanto, será apresentado
o panorama violência contra a mulher na cidade mexicana Ciudad Juarez, que protagoniza
quase três centenas de assassinatos de mulheres no período de dez anos, o que destacou o
México no cenário dos países latino-americanos. Em seguida, serão indicados o conceito, a
função e as características gerais que uma qualificadora possui no arcabouço normativo na-
cional, para, ao final, serem pontuados os ganhos e retrocessos que já podem ser observados
pela inserção do feminicídio no artigo 121 do Código Penal.
Palavras-chave: Ciudad Juarez. Feminicídio. Qualificadora.

1 THE NEED TO OVERCOME THE DICHOTOMOUS NARRATIVES ABOUT THE


FEMICIDE IN BRAZIL: INTRODUCTORY REFLECTIONS
120 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VII - 121

1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. BREVES NOTAS SOBRE A EXPERIÊNCIA DE


TIPIFICAÇÃO DO FEMINICÍDIO: UMA REFLEXÃO
No Brasil, assim como em vários países latino-americanos, a violência de gê-
nero contra a mulher2 ainda é uma realidade a ser enfrentada. De acordo com o SOBRE O CASO DE CIUDAD JUAREZ - MÉXICO
Mapa da Violência (WAISELFISZ, 2015, on line), a estimativa é de que, em 2013,
tenham sido praticados, aproximadamente, 7 feminicídios diários no Brasil (consi- A Organização das Nações Unidas – ONU define a violência contra a mulher
derando como autor, um familiar). como “any act of gender based violence that results in, or is likely to result in, physical,
Pretende-se, destarte, contribuir para uma melhor compreensão do contexto sexual or psychological harm or suffering to women”4 (ONU, 1993). Nesse artigo, o Fe-
em que se insere o feminicídio. A situação vivenciada pelas mulheres brasileiras minicidio será entendido como o assassinato de mulheres motivado por sua condi-
torna a análise da Lei no 13.104/2015 (que inseriu o feminicídio no inciso VI, do ção de pessoa do sexo feminino, por motivos de gênero, isto é, em que sua condição
Código Penal brasileiro) essencial ao entendimento sobre o real potencial desta al- de mulher influenciou o agressor.
teração se traduzir em ferramenta útil ao enfrentamento desse problema. Para tan- Na década de 1990, a América Latina iniciava um processo de alteração legis-
to, foi realizada pesquisa bibliográfica, com a consulta a artigos e livros nacionais e lativa5 em que buscou estabelecer novos parâmetros de atuação no enfrentamento
estrangeiros, e documental.De início, o caso da Ciudad Juarez3, no México, servirá à violência contra a mulher. Percebeu-se, neste momento, a preocupação com medi-
de esteio para a demonstração de que o feminicídio afeta toda a região da América das preventivas e educativas, alinhadas à urgente necessidade de compreensão, para
Latina e guarda semelhanças com a realidade de outros Estados, a exemplo do uma efetiva superação, das principais causas desta espécie de violência6.
Brasil; desta forma, esta experiência pode auxiliar no amadurecimento das reflexões A maior visibilidade na mídia para a gravidade destes crimes; a mitigação de
feitas sobre a realidade brasileira. falas e comportamentos que contribuíam para a (re)vitimização das mulheres e
Em seguida, entende-se relevante tecer breves esclarecimentos sobre o concei- insensibilidade social “em briga de marido e mulher não se mete a colher”; a proibi-
to de qualificadora para o Direito Penal nacional, bem como de suas características ção, no Brasil, da aplicação da Lei n° 9099 (referente aos crimes de menor potencial
gerais e de seu papel na tipificação dos delitos ou recrudescimento das penas. ofensivo) nos casos de violência doméstica foram alguns dos ganhos deste processo
Por fim, ponderações contrárias e favoráveis à inserção do feminicídio no CP de mobilização social, que possibilitou, inclusive, modificações legislativas no início
brasileiro serão apresentadas, no intuito de contribuir para o melhor conhecimento do século XXI.
das múltiplas facetas da questão, além de indicar que o pensamento dicotômico Todavia, o grande número de mulheres violentadas por parceiros e ex-parcei-
não auxilia na superação da violência contra a mulher, ao contrário, enfraquece os ros permaneceu alto, e em ascensão. Neste sentido, a partir anos 2000, registrou-
debates e as ações dos atores efetivamente comprometidos com o enfrentamento -se uma tendência, na América Latina, de tipificar o feminicídio - homicídio de
deste problema. mulheres praticado por homens7, com os quais, via de regra, mantinham relação
próxima e/ou afetiva8 - como um delito autônomo.

4 “Qualquer ato de violência motivado pelo gênero que resulte (ou seja provável que resulte) em
agressão ou gere sofrimento físico, sexual ou psicológico” (tradução livre).
5 De acordo com Campos (2015, p. 105), uma primeira geração de leis, neste sentido, ocorreu de
maneira sequenciada: “[...] na Argentina (2009), Bolívia (1995), Brasil (2006), Chile (2005), Colôm-
bia (2008), Costa Rica (2007), Equador (1995), El Salvador (2010), Guatemala (2008), Honduras
(1997), México (2007), Nicarágua (2012), Panamá (2013), Paraguai (2000), Peru (1997), dentre ou-
tros países”, todas comprometidas com o enfrentamento da violência contra a mulher, especialmente,
a praticada no âmbito doméstico.
6 Pode-se indicar, como exemplo no Brasil, a Lei Maria da Penha, de 2006, por meio da qual uma
séria de alterações foram inseridas no ordenamento jurídico nacional que se refere à apuração e ao
julgamento dos crimes de violência doméstica contra a mulher, bem como medidas educativas que
visam prevenir a prática do delito e não, somente, minimizar os efeitos de sua prática.
2 A partir deste ponto, será utilizada a expressão violência contra a mulher como sinônimo de vio- 7 Uma mulher pode ser autora ou co-autora de um feminicídio, apesar de não se ter registro, no Bra-
lência de gênero contra a mulher. sil, após a inserção desta qualificadora no Código Penal de situação que albergue essa possibilidade.
3 De logo, destaca-se que se conhece a peculiaridade dos crimes praticados em Ciudad Juarez, os 8 De acordo com Campos (2015, p. 105), uma primeira geração de leis, neste sentido, ocorreu de
quais apesentaram características singulares de perversão e brutalidade. Apesar disto, pode-se apontar maneira sequenciada: “[...] na Argentina (2009), Bolívia (1995), Brasil (2006), Chile (2005), Colôm-
semelhanças as quais se entende que serão úteis para a análise proposta neste texto. bia (2008), Costa Rica (2007), Equador (1995), El Salvador (2010), Guatemala (2008), Honduras
122 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VII - 123

Feminicídio é a expressão extrema da violência contra a mulher, indica que o O Estado mexicano aprovou, em fevereiro de 2007, a Ley General de Acceso
homicida possui a compreensão misógina de que a mulher é sua propriedade, não de las Mujeres a una Vida libre de Violencia11, que não manteve o texto original pro-
possui autonomia ou liberdade, é menos capaz (ou incapaz) de tomar decisões rele- posto por Lagarde, mas estabeleceu parâmetros e obrigações de atuação dos entes
vantes; e, por características particulares de sua prática, este crime careceria de tra- públicos, nas esferas da prevenção, proteção e assistência às mulheres vítimas de
tamento diferenciado: “la forma más extrema de terrorismo sexista, motivada por odio, violência, bem como determinou que os órgãos de segurança pública (municipais,
desprecio, placer o sentimiento de propiedad sobre las mujeres” (apud VÀSQUEZ, 2009). estaduais ou federais) atuem de forma a prestar um atendimento adequado e es-
Dentre várias justificativas favoráveis à retirada do feminicídio do rol dos ho- pecial a todas as mulheres vítimas desta espécie de violência (VÁSQUEZ, 2009, p.
micídios gerais, destacam-se: 1) o alto índice registrado nos países latino-americanos 110). Vale apontar que apesar de a Ley General não ter incorporado expressamente o
dos assassinatos de mulheres em razão de serem mulheres; e 2) as especificidades feminicídio ao arcabouço normativo mexicano, a proposta de Lagarde é um marco
que envolvem a prática delituosa, como instrumentos utilizados contra a vítima nas discussões sobre a violência contra a mulher.
e local do crime (residência da vítima), circunstâncias que não se diferenciam da Vale ressaltar que experiência do México se tornou referência nos debates so-
maioria dos homicídios gerais, e que precisam ser mapeadas a fim de que se avance bre feminicio, porque é uma população que vive em meio a um panorama de altas
em seu combate. taxas de violência, de múltiplas espécies, e pulverizada em todo o território do país
O antecedente direto da palavra feminicídio é a palavra inglesa femicide, utili- (ALBUQUERQUE; VEMALA, [s d]).
zada por Diana Russell9, em 1976, no Tribunal Internacional sobre crimes contra É preciso salientar as razões que levaram a violência contra a mulher a se
as mulheres, em Bruxelas, oportunidade que lhe garantiu repercussão internacional. destacar e demandar a atenção, mesmo em uma realidade de violência endêmica
A autora (RUSSELL, 2011, on line) afirma ter usado o termo para demonstrar que no país, inclusive, acarretando que o Sistema Interamericano de Direitos Humanos
há um ódio mortal de alguns homens contra as mulheres, que culmina por autorizar elaborasse um relatório sobre a situação dos direitos das mulheres na Ciudad Juarez
seu assassinato. (CIDH, 2003).
A incorporação da palavra feminicídio na realidade latino-americana deveu- A realidade de Ciudad Juarez12, localizada na fronteira com os Estados Uni-
-se, prioritariamente, às contribuições de Marcela Lagarde, deputada mexicana, dos, pode ser traduzida no número de 26813 mulheres assassinadas entre os anos de
quem cunhou o termo feminicídio, ao traduzir o texto de Diane Russell (2011, on 1993 e 2002 (ano de elaboração do documento), de acordo com relatório publicado
line) sobre femicide, optando por feminicídio e não femicídio10. Para Lagarde (2008, no ano seguinte (CIDH, 2003).
p. 216) “El feminicidio es el genocidio contra mujeres y sucede cuando las condiciones his- O relatório ratificou a situação de violência que afeta, indistintamente, ho-
tóricas generan prácticas sociales que permiten atentados violentos contra la integridad, la mens, mulheres e crianças, entretanto, apontou a impunidade e a dificuldade/mo-
salud, las libertades y la vida de niñas y mujeres”. rosidade para a apuração dos casos que envolviam a morte de mulheres como dife-
A participação de Lagarde nas discussões sobre o femincídio na América La- rença crucial entre as situações.
tina, transcende a incorporação do termo aos escritos e debates, pois apresentou,
como deputada, a primeira lei penal que tipificava o feminicídio como delito autô-
nomo, em fevereiro de 2006. The present report deals with the situation of violence against women in Ciudad
Juárez. It looks closely at the killings that have taken place since 1993, and gi-
ves equal attention to other manifestations of violence against women and to the
(1997), México (2007), Nicarágua (2012), Panamá (2013), Paraguai (2000), Peru (1997), dentre ou-
tros países”, todas comprometidas com o enfrentamento da violência contra a mulher, especialmente,
a praticada no âmbito doméstico. 11 O artigo 21 da Ley General define a violência feminicida como: “Es la forma extrema de violencia de
9 A própria autora afirma ter primeiro ouvido a palavra femicide em 1974, quando uma amiga lhe género contra las mujeres, producto de la violación de sus derechos humanos, en los ámbitos público y privado,
disse que uma autora americana pretendia escrever um livro com esse título. De logo, Russell com- conformada por el conjunto de conductas misóginas que pueden conllevar impunidad social y del Estado y
preendeu a relevância da palavra, que seria uma maneira de ressaltar que o homicídio contra a mulher, puede culminar en homicidio y otras formas de muerte violenta de mujeres” (VÁSQUEZ, 2009, p. 110).
por ser mulher, carece de uma configuração não neutral em relação ao gênero. Apenas anos depois, 12 Sabe-se que há pesquisas recentes que indicam que Ciudad Juarez, e outras cidades de fronteira
Russell afirma ter descoberto ser Carol Orlock a autora mencionada por sua amiga nos idos de 1974 com os Estados Unidos, não se distanciam de outras grandes cidades no que se refere aos elevados
(RUSSELL, 2011, on line): “Incidentally, when I finally discovered that Carol Orlock was the author who índices de violência contra a mulher. Ademais, considera-se essencial que se supere a divulgação de
had planned to write a book on femicide, but had never done so, she told me that she couldn’t recall how she had dados e pesquisas que não publicizam a metodologia utilizada. Todavia, não é o escopo deste artigo
defined femicide. She also expressed delight that I had succeeded in resurrecting this term that now promises to analisar referidos aspectos, cingindo-se as reflexões à narrativa do cenário atual do México e os im-
eventually raise global awareness of the misogynist character of most murders of women and girls, as well as pactos de sua trajetória na tipificação do feminicídio na América Latina. Sobre os temas indica-se
mobilizing women to combat these lethal hate crimes against us” (RUSSELL, 2011, on line). (ALBUQUERQUE; LAMADA).
10 Lagarde (2004, p. 5) justifica sua escolha pela palavra feminicídio, pois entende que ao traduzir 13 Esse número é indicado pelo Estado mexicano, para o período de janeiro de 1993 a janeiro de
femicide para o castelhano a palavra perde força, e não confere a devida ênfase ao “conjunto de delitos 2002, entretanto, a CIDH (2003) indica que há relatos de 285 mortes para o período de janeiro de
de lesa humanidade que contém os crimes e os desaparecimentos de mulheres”. 1993 a outubro de 2002.
124 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VII - 125

different forms of gender-based discrimination that underlie such violence. While sam desde o narcotráfico à fragilidade das instituições do sistema de justiça, o que
Ciudad Juárez as a locality is marked by a number of special challenges, inclu- impede a indicação inequívoca de um único fator.
ding high levels of violence that affect men, women and children, the levels of Por outro lado, é possível afirmar que há um consenso, inclusive entre Estado
violence against women, and the impunity in which most cases remain show e diversos atores sociais, que a maioria dos casos estão relacionados com manifesta-
that the gender dimensions of this violence have yet to be effectively addressed.
ções de violência de gênero. Esta afirmação pode ser corroborada pelo significativo
(grifou-se) (CIDH, 2003).
percentual de assassinatos nos quais foram constatadas provas de violência sexual
ou outra espécie de violência doméstica
O documento é resultado de uma visita à Ciudad Juarez e da compilação de
informações (documentos e estatísticas) prestadas por diversas fontes, como a pre-
The killing of women in Ciudad Juárez is strongly linked to and influenced by
feitura da Ciudad Juarez, organizações não governamentais, mídia, bem como de the prevalence of domestic and intrafamilial violence. A review of official data,
entrevistas realizadas com representantes do poder público, membros da sociedade press reports and nongovernmental reports indicates that a significant num-
civil e familiares das vítimas. Desta forma, a CIDH pretendeu albergar a maior ber of killings since 1993 evidently took place in connection with situations
diversidade possível de interlocutores atrelados, de alguma forma, às vítimas e à of domestic and intrafamilial violence. Violence within the family, including
apuração dos crimes. battery, sexual abuse and rape, is certainly not unique to Ciudad Juárez, or
A brutalidade e frequência com que as mortes ocorreram desde 1993 exigiu a to the Mexican State, for that matter. However, the lack of reliable statistics
atenção da CIDH, especialmente, pela percepção de que não estava sendo dado o remains one of the obstacles in defining the scope of the problem. In fact, the
devido andamento à apuração dos assassinatos, em que pese a truculência presente Special Rapporteurship has encountered no adequate data on the prevalence of
such violence in Ciudad Juárez15. (grifou-se) (CIDH, 2003).
nos assassinatos, o que, via de regra, mobiliza o aparato estatal de maneira mais
eficiente.
A relação entre um histórico de violência doméstica e familiar e as mortes em
When hundreds of nongovernmental organizations began contacting the Special Ciudad Juarez alinha-se à realidade de várias outras cidades e países latino-ame-
Rapporteur about the situation of women in Ciudad Juárez in late 2001, the key ricanos. Desta forma, a experiência mexicana, por meio do caso paradigmático de
concern set forth was that the killing of over 200 women since 1993 had been Ciudad Juarez, pode ser considerada um ponto de partida para as discussões sobre a
left in impunity. The victims were killed brutally: many were raped or beaten inserção da qualificadora do feminicídio no Brasil.
before being strangled or stabbed to death. A number of the bodies bore signs of As similaridades não se cingem aos altos índices de violência doméstica, es-
torture or mutilation14. (grifou-se). (CIDH, 2003). tendem-se à ausência de estatísticas claras e confiáveis, que impedem a elaboração
e implementação de medidas efetivas de enfrentamento à violência contra a mu-
lher; à impregnação de comportamentos e falas machistas e preconceituosas que
Os relatos de organizações não governamentais denunciavam, ainda, que além
revitimizam a família da mulher; à desídia com a apuração dos crimes em razão
de a maioria dos crimes remanescer impune, significativa parte dos que estavam em
da frequência com que ocorrem; estas são apenas algumas das dificuldades comuns
apuração eram encaminhados pelas autoridades responsáveis de maneira inadequa-
enfrentadas por ambos os países.
da, o que culminava, muitas vezes, em um tratamento desidioso com os trâmites de
apuração e desrespeitoso/discriminatório aos familiares das vítimas.
No que se refere às causas que motivaram a perpetração de tantos homicídios,
o próprio relatório da CIDH (2003, on line) reconhece que as motivações que oca-
sionaram a morte de quase 3 centenas de mulheres são, de fato, múltiplas e perpas-

15 “As mortes demulheres em Ciudad Juarez está fortelmente vinculada e influenciada pela violência
doméstica e intrafamiliar. Uma análise de dados oficiais, relatórios de imprensa e relatórios de institui-
14 “Quando centenas de organizações não governamentais entraram em contato com o Relator Espe- ções não governamentais indicam que um número significativo de mortes desde 1993 evidentemente
cial da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, para tratar sobre a situação das mulheres na ocorreram em conexão com situações de violência doméstica e intrafamiliar. Violência dentro da
Ciudad Juarez em 2001, a principal preocupação se referiu aos mais de 200 assassinatos de mulheres, família, incluindo espancamento, abuso sexual e estupro, certamente, não ocorrem apenas em Ciudad
desde 1993, que mantinham-se impunes. As vítimas foram mortas de forma brutal: muitas foram Juarez ou no México. Entratanto, a falta de estatísticas confiáveis mntem-se como um dos principais
estupradas ou surradas antes de serem estranguladas ou esfaqueadas até a morte. Alguns dos corpos obstáculos para se definir o escopo do problema. De fato, a relatoria especial não localizou nenhum
mostravam sinais de tortura ou mutilação” (tradução livre). dado adequadamente tabulado sobre a prevaçência de violência em Ciudad Juarez. (tradução livre).
126 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VII - 127

qualificadoras e majorantes (causas de aumento de pena), as quais estão descritas


3. CONCEITO E ESCLARECIMENTOS ACERCA tanto na Parte Especial do Código Penal e legislação extravagante, quanto na Parte
Especial do Código Penal.
DAS QUALIFICADORAS NO DIREIRO PENAL Um crime pode ser qualificado em virtude de várias circunstâncias, v.g., homi-
BRASILEIRO: UMA REFLEXÃO INICIAL SOBRE cídio por motive torpe ou fútil (ambas qualificadoras previstas no artigo 121, §2º,
CP). Neste ponto, destaca-se uma controvérsia presente na doutrina e jurispru-
A QUALIFICADORA DO FEMINICÍDIO dência (conforme será indicado abaixo), sobre a incidência das qualificadoras em
diferentes hipóteses no mesmo contexto fático criminoso. A seguir, três posições
As situações previstas como qualificadoras de uma infração penal conferem serão brevemente apresentadas:
novo patamar de pena a determinado tipo criminal. Isto significa que a(s) qualifi-
cadora(s) estipula(m) novo parâmetro mínimo e máximo de pena, o qual deve ser
a. deve-se utilizar uma delas (qualificadora) para qualificar o crime, sendo
observado logo na fase inicial de sua aplicação (artigo 68 do Código Penal brasilei- as demais utilizadas como agravantes genéricas, na segunda fase de apli-
ro16). Desta forma, o magistrado, já na fixação da pena-base, (artigo 59 do CP), está cação da pena, desde que, evidentemente, estejam previstas como tais –
adstrito aos limites previstos de forma abstrata pelo tipo qualificado. artigos 61 e 62 do CP ou circunstâncias judiciais desfavoráveis quando
Neste escopo, é importante ressaltar que qualificadora e causa de aumento de não previstas. Esta é a corrente que prevalece nos Tribunais Superio-
pena (também chamadas de majorantes) são institutos distintos. De um lado, as res, consoante precedentes, (STF, HC 100835, 1ª Turma, julgado em
qualificadoras estabelecem a alteração da faixa de fixação da pena (por exemplo: no 27/04/2010; STF, HC 85414, 2ª Turma, julgado em 14/06/2005), den-
homicídio simples a faixa de fixação da pena é de 06 (seis) a 20 (vinte) anos. No ho- tre os quais se destaca o Habeas Corpus 220624/RS, impetrado junto ao
micídio qualificado é de 12 (doze) a 30 (trinta); as majorantes, por sua vez, preveem Superior Tribunal de Justiça, e julgado pela 5ª Turma, em 10/11/2015:
somente um aumento da pena, o qual é mensurado na terceira fase da aplicação da
pena, momento em que o magistrado, com arrimo na pena intermediária atribuída,
fixa a pena definitiva. Conforme orientação jurisprudencial dessa Corte, havendo mais de uma cir-
É consenso na doutrina (FRAGOSO, 1982) que se justifica a existência de cunstância qualificadora reconhecida no decreto condenatório, apenas uma
qualificadoras no ordenamento jurídico brasileiro em razão de situações mais graves deve formar o tipo qualificado, enquanto as outras devem ser consideradas
do que a prevista no tipo penal base/fundamental, devendo, portanto, o legislador, circunstâncias agravantes, quando expressamente previstas como tais, ou cir-
prever e punir tais situações de forma específica e mais severa, conferindo efetiva cunstâncias judiciais desfavoráveis, de forma residual (STJ, HC 220624/RS,
proteção ao bem jurídico tutelado. 2015, on line).
Ratifica a afirmação acima, o descrito na Exposição de Motivos da Parte
Especial do Código Penal (1940), especialmente em seu item 38, ao tratar das
qualificadoras do delito de homicídio, a saber: “´[...] mas todas são especialmente b. utiliza-se uma como efetiva qualificadora, e as demais como circuns-
destacadas pelo seu valor sintomático: são circunstâncias reveladoras de maior tâncias judiciais desfavoráveis ao condenado, sendo aplicadas ainda na
periculosidade ou extraordinário grau de perversidade do agente” (grifou-se). primeira fase – fixação da pena-base;
Destarte, o conceito dos tipos qualificados pode ser deduzido como sendo
previsões legais que, em virtude de circunstâncias específicas, conferem maior re- c. considera-se que somente uma qualificadora pode ser utilizada, deven-
provabilidade na conduta do agente criminoso, elevando o patamar abstrato de do as demais serem desprezadas; trata-se de corrente minoritária, en-
pena, atribuído incialmente pelo crime base, constituindo-se, portanto, em um novo
contrando-se diversas críticas, principalmente, por violar o princípio da
tipo penal derivado autônomo17.
Percebe-se que as qualificadoras de um crime estão previstas na Parte Especial
isonomia constitucional.
do Código Penal, bem como nas legislações penais extravagantes, nunca na Parte No que se refere ao inciso VI do artigo 121, do CP, inserto pela Lei n no
Geral do Código Penal (NUCCI, 2014). Há, neste escopo, outra diferença entre 13.104/2015, o qual criou o tipo qualificado do feminicídio junto ao crime de ho-
micídio, incluindo-o, conforme as demais circunstâncias qualificadoras do homi-
16 A seguir, os autores utilizarão a sigla CP quando se referirem ao Código Penal brasileiro. cídio, como um delito hediondo (artigo 1º, I, da Lei n no 8072/1990), consoante
17 “[...] é aquele que se estrutura com base no tipo fundamental, a ele se somando circunstâncias que
aumental ou diminuem a pena” (MASSON, 2011, p. 259).
128 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VII - 129

parecer do projeto de Lei no 292 de 2013 do Senado Federal, o qual deu origem à Erradicar a Violência Contra a Mulher, denominada de “Convenção de Belém do
referida norma, observa-se como justificativa para sua criação: Pará” – promulgada pelo Decreto no 1.973 de 01/08/1996.
Destaca-se, nesse ponto, a discussão quanto à natureza da qualificadora do fe-
minicídio, e, consequentemente, a possibilidade de ocorrer um femicídio-priviegia-
O anseio pelo agravamento da punição penal nessas situações decorre do do. É pacífico o entendimento de que é possível incidir no crime de homicídio, ao
aumento de homicídios praticados contra mulheres. No Brasil, entre os anos
mesmo tempo, privilégio(s) e qualificadora(s), desde que esta(s) seja(m) de natureza
de 2000 e 2010, 4.3 mil mulheres foram assassinadas, sendo essa uma ten-
dência em toda a América Latina. Entre 1980 e 2010, dobrou o índice de objetiva (isto é, refira(m)-se a um dos modos de exexução do crime). Nesse caso,
assassinatos de mulheres no país, passando de 2,3 assassinatos por 100 mil ter-se-á a figura do homicídio privilegiado-qualificado.
mulheres para 4,6 assassinatos por 100 mil mulheres. Esse número coloca o Os que defendem que a qualificadora possui natureza objetiva salientam que
Brasil na sétima colocação mundial em assassinatos de mulheres, figurando, a violência de gênero é uma condição de fato que não se confunde com o motivo.
assim, dentre os países mais violentos do mundo nesse aspecto. [...] A ti- Destarte, as circunstâncias subjetivas previstas como privilégio (artigo 121, §1º, do
pificação do feminicídio ainda visa impedir o surgimento de interpretações CP) seriam compatíveis com circunstâncias objetivas (ligadas ao modo, meio ou
jurídicas anacrônicas e inaceitáveis, tais como as que reconhecem a violência forma de execução), possibilitando a formação da figura típica do feminicídio-pri-
contra a mulher como ‘crime passional’. Países como México, Guatemala, vilegiado.
Chile, El Salvador, Peru, Nicarágua e Argentina já incorporaram a figura do Em contrapartida, os que sustentam tratar-se o feminicídio de uma qualifi-
feminicídio às suas legislações penais. [...] No nível internacional, a Organi-
cadora subjetiva18 afirmam que a violência de gênero não é um meio, um modo ou
zação das Nações Unidas exortou seus países membros a tomar ações nesse
sentido, a fim de reforças sias legislações e, consequentemente, assegurar a uma forma de execução do delito, mas sim a razão pela qual o sujeito mata a pessoa,
devida investigação e punição dos agressores. A lei deve ser vista como um no caso, uma mulher. Por essa razão, não seria possível existir o tipo penal femini-
ponto de partida, e não de chegada, na luta pela igualdade de gênero e pela cídio-privilegiado.
universalização dos direitos humanos. Entende-se que, de fato, não se pode admitir o feminicídio-privilegiado, uma
vez que entendimento diverso seria, incongruente, inclusive, com sua proposta te-
leológica.
Ainda sobre a violência contra a mulher no Brasil e a dificuldade de sua su- Ressalta-se que a Lei no 13.104/2015, mantendo conformidade com as de-
peração: “a violência baseada no gênero era naturalizada ou mesmo ignorada pelo mais qualificadoras do crime de homicídio, também alterou a Lei no 8072/1990,
direito penal levando à conclusão de que os direitos humanos das mulheres não em especial o inciso I, do artigo 1º, o qual passou a prever igualmente como crime
eram objeto de proteção adequada” (CAMPOS, 2015, p. 105). hediondo o feminicídio.
Como consignado, na 57ª Sessão da Comissão sobre o Status da Mulher da
ONU, realizada em 15 de março de 2013, tem-se, no item E, a recomendação: “for-
talecer a legislação nacional, se for o caso, punir crimes violentos relacionados com
o gênero, assassinatos de mulheres e meninas e integrar mecanismos ou políticas 4. A URGÊNCIA DE SE SUPERAR ANÁLISES
específicos para prevenir, investigar e erradicar tais formas formas deploráveis de DICOTÔMICAS: LIMITAÇÕES E CONTRIBUIÇÕES
violência baseada no gênero” (ONUMulheres, 2013, on line).
No âmbito internacional, uma série de tratados alçaram à condição inequívo- DA QUALIFICADORA DO FEMINICÍDIO PARA O
ca de direitos humanos direitos relacionados à defesa da igualdade entre homens ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER
e mulheres e à erradicação da violência de gênero, dentre os quais destacam-se: a)
Convenção sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra a Mu-
Reconhece-se a impossibilidade de as normas jurídicas superarem problemas
lher (CEDAW), de 1979, ou Convenção da Mulher - promulgada pelo Decreto no
e injustiças sociais, especialmente, quando se verifica a escassez de espaços e opor-
89.460 de 20/03/1984; b) Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação
tunidades de discussão com a sociedade em geral, a fim de que as diversas vivências
de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher – promulgado pelo Decreto
possam ser partilhadas e consideradas na elaboração das normas.
no. 4.316 de 30/07/2002; c) Declaração sobre a Eliminação da Violência contra as
Mulheres – proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas na sua resolu-
ção 48/104 de 20/12/1993, e; d) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e
18 Leia-se, diz respeito ao motivo que levou o agente a cometer o crime.
130 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VII - 131

O arcabouço jurídico de uma sociedade é um dos vários espectros que auxi- tempo, aumenta-se a exigência de elaboração de estatísticas adequadas, as quais,
liam na compreensão de como as relações de poder se organizam, o que impacta para esta espécie de crime, devem albergar informações sobre vítima e agressor
diretamente na forma de lidar com as heterogêneas relações sociais. (sexo, idade, endereço, etnia, condição socioeconômica), dados sobre o local e os
Parece haver um superdimensionamento do potencial transformativo do Di- meios utilizados para a prática do ato delituoso, a relação da vítima com o agressor,
reito, uma vez que, não raro, tem-se a expectativa de alteração de práticas sociocul- o histórico de agressões anteriores etc. dados essenciais para subsidiar políticas pú-
turais históricas por meio da modificação de uma norma jurídica, seja penal, cível, blicas eficientes, que são menosprezados quando se mantem o feminicídio no rol
trabalhista, previdenciária etc. dos homicídios comuns.
Neste escopo, é que se entende que apontar possíveis ganhos e prejuízos oriun- Um outro ganho apontado à presença do feminicídio no CP é a sua contribui-
dos da tipificação do feminicídio no Brasil é o primeiro passo para uma avaliação ção para que se supere a aproximação que ainda se faz entre o feminicídio e os de-
robusta sobre referida inserção. nominados crimes passionais. A mídia (seja a televisão como meio de comunicação
A priori é importante, contudo, reconhecer que quaisquer resultados oriundos de massa, as redes sociais, revistas e jornais impressos) mantem, não raro, manchetes
de alteração legislativa, seja simples ou complexa, positivos ou negativos, não são e matérias identificando o feminicídio com os crimes passionais.
aferidos de forma imediata; considerando que a qualificadora do feminicídio foi Presta-se um desserviço à população e às instituições que compõem o sistema
inserida há pouco mais de 2 anos no ordenamento jurídico brasileiro, há uma limi- de justiça brasileiro com essas práticas, na medida em que se mitiga o principal
tação da análise aqui apresentada, o que impõe a periodicidade de reflexões desta fator para o assassinato de mulheres por parceiros e ex-parceiros, que é o machismo
natureza, nos próximos anos. exacerbado, que despreza e coisifica a mulher.
As atas19 do processo de aprovação da qualificadora do feminicídio (artigo Neste mesmo sentido, tem-se a tentativa (equivocada!) de construir um es-
121, VI, do CP) não serão objeto de estudo neste artigo, todavia, merece ser dito tereótipo único para os homens agressores, o de monstros. Ainda que o uso desta
que da leitura dos referidos documentos afere-se a tentativa de se dar continuidade linguagem busque, por vezes, maximizar o alerta para o descompasso da conduta (v.
aos avanços implementados pela Lei no 11.340/2006 – Lei Maria da Penha. Neces- g. tirar a vida de uma mulher porque ingressou com o pedido judicial de divórcio),
sário que se reconheçam as deficiências, especialmente no que se refere à prevenção auxilia sobremaneira para não se discutir o que está no bojo desses crimes, que se
e medidas educativas, na aplicação da mencionada Lei, mesmo após 11 anos de acredita ser a misoginia, o desprezo pela mulher: “Fixation on the pathology of per-
sua publicação. Todavia, também se verifica ganhos, como a maior visibilidade da petrators of violence against women only obscures the social control function of these acts”
violência contra a mulher. (CAPUTI; RUSSELL, 1992, p. 14).
Neste sentido, entende-se que a inserção do feminicídio no CP brasileiro não Ambos os caminhos acima indicados, reforçam o silêncio sobre os reais resul-
foi uma ação desconexa, dissociada de medidas já existentes; houve uma articulação tados de décadas de descaso com os altos índices de violência praticados contra a
com políticas públicas (ainda que passíveis de críticas) em andamento, bem como mulher no Brasil, especialmente, por parceiros e ex-parceiros. Neste cenário, dispor
com legislação anterior (como a própria Lei Maria da Penha e a alteração do CP, de norma penal individualizada como o feminicídio seria um meio de se romper a
Lei no 12.015/2009, ao modificar o texto de dispositivos e a denominação do título barreira da indiferença.
VI para “dos crimes contra a dignidade sexual), o que se contrapõe à crítica de que Por outro lado lado, as discussões apresentadas, preferencialmente, pelos de-
se tratou de uma alteração isolada. fensores do direito penal mínimo e do abolicionismo penal20 (ANDRADE, 2006)
Organismos internacionais de defesa dos direitos das mulheres, como a ONU
Mulheres (2016, on line), tem se posicionado de maneira favorável à inserção de
20 A seguir definições da mesma autora, Vera Andrade (2006) sobre ambos: “Os modelos minimalis-
tipos penais específicos como o feminicídio, pois defendem que os altos índices de tas estão às voltas com a limitação da violência punitiva e com a máxima contração do sistema penal,
homicídios praticados contra a mulher, em razão de sua condição de pessoa do sexo mas também com a construção alternativa dos problemas sociais. É possível divisar, nessa perspectiva,
feminino, exigem uma atuação pública diferenciada. duas linhas: a) modelos que partem da deslegitimação do sistema penal (concebida como uma crise
estrutural de legitimidade) para o abolicionismo ou minimalismos como meio; e b) modelos que par-
Ao afastar esses crimes das estatísticas e avaliações genéricas sobre homicí- tem da deslegitimação (concebida como uma crise conjuntural de legitimidade) para a relegitimação
dio, enfatiza-se a brutalidade vivenciada cotidianamente pelas mulheres; ao mesmo do sistema penal ou minimalismos como fim em si mesmo” (ANDRADE, 2006, p. 174); “O aboli-
cionismo, portanto, e isso deve ficar claro, não implica a ausência de controle social [...]Trata-se de
ultrapassar a mera cobertura ideológica de ilusão de solução hoje simbolizada no sistema penal, para
19 Em 2011, foi instaurada Comissão Parlamenta Mista de Inquérito – CPMI para investigar fatores buscar, efetivamente, soluções (punir x solucionar) deslocando o eixo tanto de espaço, do Estado para
e falhas que contribuem para que os índices de violência contra a mulher no Brasil sejam, assustado- a comunidade, quanto de modelo, de uma organização cultural punitiva, burocratizada, hierarquizada,
ramente, elevados. Em julho de 2013, foi publicado o relatório final da CPMI, no qual mais de 70 autoritária, abstrata, ritualística e estigmatizante para uma organização cultural horizontal, dialogal,
recomendações, para asmais diversas instâncias e instituições foram apostas, dentre as quais a alteração democrática e local de resposta não-violenta a conflitos que passa por uma comunicação não-violenta”
da legislação penal (SENADO FEDERAL, 2013, on line). (ANDRADE, 2006, p. 173).
132 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VII - 133

guardam compromisso com a realidade brasileira, uma vez que a lei penal tem his-
toricamente como destinatário pessoas de baixo poder social e econômico, haja 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
vista as atuais estatísticas sobre a população carcerária brasileira.
Ainda de acordo com as construções do direito penal mínimo, para se ter um É imprescindível reforçar que identificar o feminicídio com crimes passionais
Estado Democrático de direito, é imprescindível que o Estado tenha uma “estraté- é uma excrecência, não apenas jurídica mas também moral, pois justificar, no século
gia da máxima contenção da violência punitiva” (BARATTA, 2003, p. 4), em espe- XXI, o assassinato de uma mulher que por descontrole oriundo do excesso de amor, é,
cial porque os apenados tendem a ser a população mais pobre e vulnerável. no mínimo, revitimizar a mulher e sua família. Diante disto, todas as discussões que
Defende-se que o encarceramento do agressor não resguarda a vítima, tam- contribuam para essa superação são relevantes e devem ser respeitadas.
pouco ressocializa o preso, ao contrário, potencializa comportamentos violentos, os Ratifica-se a já mencionada limitação das reflexões aqui apresentadas tendo
quais serão reproduzidos se não com a mesma vítima (em caso de reconciliação) em vista a recente alteração do CP, em comento, que conta apenas com dois anos.
com outras mulheres. Altera-se a vítima, mas se mantém o cenário de violência Contudo, acredita-se que se pode obter ganhos com um corpo legislativo bem ela-
contra a mulher. borado, que subsidie ações políticas e judiciais comprometidas com a superação de
O sexismo é uma construção cultural reforçada diariamente por diversos am- problemas históricos, como a violência contra a mulher, o demanda uma contínua
bientes como as escolas, os meios de comunicação, a família, logo, seria necessário análise do arcabouço jurídico, incluindo as primeiras impressões sobre uma altera-
modificar as estruturas sociais, promover a igualdade para, de fato, transformar a ção normativa.
vida das mulheres. Neste sentido, entende-se que todas as críticas, supra indicadas, à inserção
O direito penal simbólico entende, ainda, que a tipificação não auxilia na ga- do inciso VI ao artigo 121 do CP são pertinentes, pois impedem a estagnação dos
rantia do direito das mulheres, mas sim reforça seu lugar de vítima, como apontou esforços, publicizam os recrudescentes desafios do sistema de justiça brasileiro e
Rosario González Arias “reduz tudo a uma lógica binária de culpáveis e vítimas, denunciam a “seletividade” do sistema penitenciário brasileiro, questões que não
simplifica a cena social a uma ideia muito básica” (CLADEM, 2012, p.208). podem ser alijadas das discussões sobre a violência contra a mulher.
Outra reflexão contrária à tipificação da qualificadora do Feminicídio é a de É inequívoco que concentrar esforços na punição do agressor dentro do atual
que não haveria real aumento de pena (quando da aplicação da pena pelo magis- modelo, na maioria das vezes, vai tão somente mudar a vítima da agressão. Ao cum-
trado), tendo em vista que os homicídios desta natureza historicamente já era qua- prir sua pena, o agressor retoma suas relações sociais e íntimas e reinicia o ciclo de
lificados por motivo torpe, e, por vezes, duplamente qualificado, o que garantiria, violência com outra mulher. Construir caminhos voltados à reabilitação do homem
inclusive, sua inserção no rol dos crimes hediondos. que agride é atuar, diretamente, no enfrentamento à violência contra a mulher.
Em que pese esse argumento ser razoável, ressalta-se que o enquadramento Por outro lado, diante da necessidade de medidas urgentes e que apresentem
da conduta delituosa é da alçada da autoridade policial, a partir de seu livre con- algum resultado a curto prazo, entende-se como positiva a presença do feminicídio
vencimento, não havendo, pois, possibilidade de imposição de um entendimento na legislação penal, especialmente, como uma tentativa de reforçar o compromisso
padrão, o que gera uma margem de possibilidade para o não enquadramento desses do Estado com o tema e conferir algum consolo à vítima e sua família, por perce-
crimes como homicídios qualificados (ainda que se reconheça a excepcionalidade berem que a brutalidade desses crimes está devidamente reconhecida pelo poder
dessa escolha). Ademais, o que se pode afirmar é que não haveria um significativo público.
aumento de pena, contudo, é possível e provável que haja sim o recrudescimento da Reconhece-se que esse passo é pequeno e restrito no contexto complexo da
pena, a depender do juízo. violência contra a mulher, por isso a relevância de se construir espaços de diálogos
O que se verifica, pois, é que tanto os argumentos contrários quanto os favo- colaborativos, a fim de que as contribuições das diversas áreas do conhecimento e
ráveis à tipificação do Feminicidio não intentam absolver o agressor ou culpabilizar instituições públicas e privadas que atendem mulheres vítimas de violência domés-
a mulher. Há, na verdade, um esforço para pensar e elaborar mecanismos eficientes tica possam redundar em alternativas possíveis de serem implementadas e eficientes
de enfrentamento à violência contra a mulher, o que, ressalte-se, não pode, de fato, na redução dos altos índices de feminicídio.
se resumir à esfera penal.
134 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VII - 135

130 estados- membros sobre violência contra a mulher. OnuMulheres. 2013. Disponível
6. REFERÊNCIAS em: http://www.onumulheres.org.br/noticias/18-03-13-comissao-sobre-o-status-da-mu-
lher-csw-termina-com-acordo-historico-entre-130-estados-membros-sobre-violencia-
-contra-a-mulher/. Acesso em: 10 mai. 2017.
ALBUQUERQUE, Pedro H. VEMALA, Prasad R. Femicide Rates in Mexican Cities
along the US-Mexico Border: Do the Maquiladora Industries Play a Role? Disponível em: RUSSELL, Diane. The origin and importance of the term femicide. 2011. Disponível em:
or http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.1112308. Acesso em 10 fev. 2017. http://www.dianarussell.com/origin_of_femicide.html. Acesso em: 10 abr. 2017.

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Minimalismos, abolucionismos e eficienticismo: a SENADO FEDRAL. Comissão Parlamentar Mista de Inquérito – CPMI. Relatório final.
crise do sistema penal entre a deslegitimação e a expansão. Revista Sequência, Florianópolis, “Com a finalidade de investigar a situação da violência contra a mulher no Brasil e apurar
no. 52, jul., 2006. denúncias de omissão por parte do poder público com relação à aplicação de instrumentos
instituídos em lei para proteger as mulheres em situação de violência”. 2013. Disponível
BARATTA, Alessandro. Princípios do direito penal mínimo. Para uma Teoria dos Direi- em: https://www12.senado.leg.br/institucional/omv/entenda-a-violencia/pdfs/relatorio-fi-
tos Humanos como Objeto e Limite da Lei Penal. Florianópolis: Mimeo, 2003. nal-da-comissao-parlamentar-mista-de-inquerito-sobre-a-violencia-contra-as-mulheres.
BRASIL. Decreto Lei no 2848 de 7 de dezembro de 1940. Exposição de Motivos da Parte Acesso em 10 abr. 2017.
Especial do Código Penal. Diário das Leis. Disponível em: https://www.diariodasleis.com. VASQUEZ, Patsilí Toledo. Feminicidio. Oficina en México del Alto Comisionado de las Nacio-
br/busca/exibelink.php?numlink=1-96-15-1940-12-07-2848-CP. Acesso em: 15 abr. 2017. nes Unidas para los Derechos Humanos (OACNUDH): México, 2009.
CAMPOS, Carmen Hein de. Feminicídio no Brasil: uma análise crítico-feminista. Sistema
Penal & Violência. Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 103-115, jan.-jun. 2015.
CLADEM - Comité de América Latina y el Caribe para la Defensa de los Derechos de la Mu-
jer. Contribuições ao debate sobre a tipificação penal do Feminicídio/Femicídio. Lima:
CLADEM. 2012. Disponível em: http://www.compromissoeatitude.org.br/wp-content/
uploads/2013/10/CLADEM_TipificacaoFeminicidio2012.pdf. Acesso em: 15 abr. 2017.
Inter-American Commission on Human Rights. The Situation of the Rights of Women in Ciu-
dad Juárez, Mexico: The Right to Be Free from Violence and Discrimination. Annual Report of
the Inter-American Commission on Human Rights 2002. Washington, DC: Organization
of American States, 2003. Disponível em http://www.cidh.org/annualrep/2002eng/chap.
vi.juarez.htm. Acesso em: 10 abr. 2017.
FRAGOSO, Heleno. Jurisprudência Criminal. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1982.
LAGARDE, Marcela. Por La vida y La liberdad de las mujeres. Fin al femicídio. El Dia,
fevereiro, 2004.
LAGARDE, Marcela. Del femicidio al feminicidio. Universidad Nacional de Colombia:
Colombia, 2006.
LAGARDE, Marcela. Antropología, feminismo y política: violencia feminicida y derechos hu-
manos de las mujeres. In: BULLEN, Margaret; MINTENGUI, Carmen Diez (coord.) Retos
teóricos y nuevas prácticas. Ankulegi: España, 2008.
ONU – Organização das Nações Unidas. Declaration on the Elimination of Violence against
Women. General Assembly. Proceedings of the 85th Plenary Meeting. Geneva: United Nations,
1993.
ONU Mulheres. Diretrizes Nacionais Feminicídio: investigar, processor e julgar com pers-
pectiva de gênero as mortes violentas de mulheres. ONU Mulheres;Secretaria de Políticas
para Mulheres: Brasilia, 2016.
______. Comissão sobre o Status da Mulher (CSW) termina com acordo histórico entre
136 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VIII - 137

VIII
A IGUALDADE DE GÊNERO E A
DESDIFERENCIAÇÃO DOS SISTEMAS SOCIAIS
NO ISLÃ: O ESTIGMA DA MULHER OPRIMIDA
NO PANORAMA DOS DIREITOS HUMANOS1

Tarin Cristino Frota Mont’Alverne


Professora do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade
Federal do Ceará (UFC). Mestrado em Direito Internacional Público -
Universite de Paris V (2004). Doutorado em Direito Internacional do Meio
Ambiente - Universite de Paris V e Universidade de São Paulo (2008).

Silvana Paula Martins de Melo


Mestranda em Direito, com área de concentração em Ordem Jurí-
dica Constitucional no Programa de Pós-graduação em Direito da
Universidade Federal do Ceará (PPGD/UFC). Especialista em Di-
reito Constitucional pelo Complexo Jurídico Damásio de Jesus.

Resumo: No presente escrito, discorreu-se inicialmente sobre o islã, tendo como pano de
fundo a Teoria dos Sistemas Sociais, esclarecendo confusões terminológicas. Logo após,
evocou-se o questionamento relacionado à (in)existência de igualdade de gênero no islã
compatível com a noção ocidental de direitos humanos que, por via de consequência, ense-
jaria o quadro de opressão das mulheres muçulmanas. Na oportunidade, foram analisadas
as assimetrias do islã na materialização do Alcorão, decorrentes da desdiferenciação dos sis-
temas sociais nos países muçulmanos. E por fim, fez-se um recorte metodológico compa-
rativo dos dispositivos inerentes à igualdade de gênero presentes na Declaração Universal
dos Direitos Humanos e nas Declarações islâmicas sobre direitos humanos, bem como no
Alcorão, na qualidade de fonte do sistema jurídico-religioso do islã, a fim de averiguar se há
ou não igualdade entre homem e mulher no contexto islâmico consoante a noção ocidental
de direitos humanos.

Palavras-chave: Igualdade de gênero. Islã. Direitos Humanos. Assimetrias. Desdiferenciação

1  GENDER EQUALITY AND THE DEDIFERENTIATION OF SOCIAL SYSTEMS IN


ISLAM: THE STIGMA OF WOMEN OPPRESSED IN THE OVERVIEW OF HUMAN
RIGHTS
138 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VIII - 139

Cairo sobre Direitos Humanos no Islã de 19908, ambas inspiradas no Alcorão,


1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS compilado no século VII9, na qualidade de fonte do sistema jurídico-religioso.
Sobre o tema islã10, normalmente existe um desalinho terminológico11. Im-
Na contextura da sociedade mundial hipercomplexa2, emergem questões con- portante evidenciar que, primariamente, se trata de uma religião, que surgiu há mais
trovertidas acerca da possibilidade de compatibilizar islã com a noção ocidental de de 1.400 anos, especificamente no século VII na Península Arábica e se expandiu
direitos humanos, principalmente, no que se refere à igualdade de gênero e ao papel por três continentes e inúmeras sociedades, encontrando condições vastamente di-
das mulheres muçulmanas. Aspectos relacionados à evolução social e a modernida- ferentes entre si, ensejando as assimetrias contemporâneas do islã. Os seguidores
de, sobretudo, no tocante a desdiferenciação3, em alguns países muçulmanos4, dos da fé islâmica são denominados muçulmanos. Essas pessoas anteriormente ao ad-
sistemas jurídico, político e religioso, bem como dos influxos do sistema cultural vento do islã eram politeístas, até que Muhammad (Maomé)12, considerado pro-
sobre estes, refletem na noção islâmica dos direitos humanos no islã. feta, disseminou a ideia da existência de um só deus, Allah e propôs a unidade de
Utilizando como pano de fundo a Teoria dos Sistemas Sociais5 nas perspec- todos os fiéis em ummah, isto é, única comunidade (AL-MUSAUI, 2006, p.25;
tivas de Luhmann (2006a) e Neves (2013b), pretende-se analisar neste escrito se AL-SHEHA, [s.n.t]a, p. 27; AL-SHEHA, 2007, p.11; DEMANT, 2014, p.15-24;
inexiste igualdade de gênero no islã compatível com a noção ocidental de direitos HUSSEIN, 2005, p.35).
humanos que, por via de consequência, ensejaria o quadro de opressão das mulhe- As manifestações de Muhammad, de inspiração divina13, foram compila-
res muçulmanas. Dessa forma, objetiva-se desvendar se afirmações neste sentido das formando o livro sagrado do islã, conhecido como Alcorão ou Corão14 (AL-
expressam a realidade ou se decorrem de constantes generalizações e do desconhe- -SHEHA, [s.n.t]a; AL-SHEHA, 2007, p.11; DEMANT, 2014, p. 14; CORDEI-
cimento das assimetrias nos países muçulmanos por parte do senso comum. RO, 2017, on line), que se tornou o fundamento escrito da fé islâmica, bem como da
Impõe-se, portanto, tecer alguns esclarecimentos iniciais restantes ao islã e ao legislação em diversos países muçulmanos15. Depreende-se o fato de que, hodier-
modelo sistêmico para, posteriormente, analisar dispositivos inerentes à igualdade namente, há síntese entre fé religiosa e organização sociopolítica em diversos países.
de gênero presentes na Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) de
19486, na Declaração Islâmica Universal dos Direitos Humanos de 19817 e na 8 Para mais esclarecimentos a respeito desta Declaração, fez-se necessária a consulta à obra. Dispo-
Declaração dos Direitos do Homem no Islã, também conhecida Declaração do nível em: < http://www.fmreview.org/sites/fmr/files/FMRdownloads/en/FMRpdfs/Human-Rights/
cairo.pdf>, conforme segue nas referências ao final do trabalho.
9 A compilação de todas as revelações dadas a Muhammad, segundo estudiosos do tema, só recebeu
2 Neves, com base na Teoria dos Sistemas Sociais desenvolvida por Luhmann, entende e trabalha sua versão definitiva trinta anos após sua morte, isto é, aproximadamente no ano de 662 d.C.
a sociedade moderna como sociedade mundial, pois em sua inteligência, se desvincula das organi- 10 Islam ou em português islã, significa exatamente submissão.
zações políticas territoriais. Sobressalta que a sociedade mundial é hipercomplexa, multicêntrica ou 11 As considerações trazidas à baila se justificam pelo fato de que o islã é pouco conhecido entre os
policontextural, pois não há um centro da sociedade que possa ter uma posição privilegiada, ou seja, ocidentais. Assim, suas relações no âmbito dos sistemas sociais seriam incompreensíveis, sem que se
não há um mecanismo ou sistema social a partir do qual todos os outros possam ser compreendidos fizessem tais esclarecimentos.
(LUHMANN, 2006a, p. 560; NEVES, 2013b, p. 24-44). 12 Sobre o Profeta mais importante para o islã, necessário mencionar que é conhecido no Ocidente
3 Inocorrência de diferenciação funcional dos sistemas sociais. como Maomé. O nome também encontra outras grafias na doutrina islâmica, a saber, Mohammad.
4 Consideram-se países muçulmanos aqueles em que a população é constituída por mais de 50% de Além disso, não há um consenso acerca da sua data de nascimento, pois algumas obras indicam o ano
muçulmano. A maioria deles é de membros da Organização de Cooperação Islâmica (OCI). Citam-se 570 e outras 571 d.C.
alguns: Afeganistão, Arábia Saudita, Bangladesh, Egito, Indonésia, Irã, Iraque, Paquistão, Síria, Tur- 13 Os estudiosos do tema relatam que o Profeta, aos quarenta anos, começou a ouvir vozes e ter visões
quia etc. Informações obtidas por meio de consulta ao sítio eletrônico, Disponível em <http://www. que acreditou ser do arcanjo Gabriel (Jibril) para lhe revelar a palavra de Allah. Após a sua morte (632
islam.org.br/o_islam_hoje.htm>. Para mais informações, verificar referências. d. C), seus seguidores se espalharam rapidamente pelas regiões vizinhas e deitaram as bases de um
5  Teoria dos Sistemas tem origem nas Ciências Biológicas, na Teoria de Maturana e Varela. Ao grande Império, que entre os séculos IX e XII foi um dos maios brilhantes que o mundo já viu. No
longo do tempo, foi sendo aplicada em diversos campos de estudos. Luhmann inspira-se nas Ciências entanto, as divergências entre seguidores do islã foram acentuadas. Uma delas refere-se à linha suces-
Biológicas para propor uma Teoria dos Sociais e uma Teoria da Sociedade Contemporânea. sória da liderança, que ensejou a divisão entre muçulmanos sunitas e xiitas que exerce influência até
6 Na ocasião da aprovação da DUDH a ONU contava com 51 membros fundadores em 1945, desde hoje sobre as escolas jurídicas dentro do islã (SALINAS, 2009, p. 71). Posteriormente, a base ocidental
então, passou a abarcar de maneira crescente e progressiva inúmeros outros Estados, contando hoje se expandiu pelo mundo, conquistou política, econômica e culturalmente as demais sociedade, logo,
com quase todos os países independentes do mundo (MAZZUOLI, 2012, p. 132). Fazem parte da houve o declínio do islã. Trata-se do conhecido processo de colonização, que levou à exploração das
atual composição da ONU, os países muçulmanos que utilizamos neste trabalho a título ilustrativo, sociedades não ocidentais (DEMANT, 2014, p. 318).
quais sejam: Arábia Saudita, Egito e Turquia. Para mais esclarecimentos a respeito desta Declaração, 14 Formas variantes, em língua portuguesa, para designar o Livro Sagrado do islã. Alguns autores de-
fez-se necessária a consulta à obra. Disponível em: < http://www.onu.org.br/img/2014/09/DUDH. fendem que “Corão” é a grafia correta, sob o argumento de que o “al”, em árabe, corresponde ao artigo
pdf >, conforme segue nas referências ao final do trabalho. definido “o” em português. A pesquisa segue a terminologia adotada por Demant (2014), portanto,
7 Para mais esclarecimentos a respeito desta Declaração, fez-se necessária a consulta à obra. Dis- optou-se pela utilização do termo “Alcorão”.
ponível em: <http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Documentos-n%C3%A3o-Inseridos- 15 Consideram-se países muçulmanos aqueles em que a população é constituída por mais de 50% de
-nas-Delibera%C3%A7%C3%B5es-da-ONU/declaracao-islamica-universal-dos-direitos-huma- muçulmano. A maioria deles é de membros da Organização de Cooperação Islâmica (OCI). Citam-se
nos-1981.html>, conforme segue nas referências ao final do trabalho. alguns: Afeganistão, Arábia Saudita, Bangladesh, Egito, Indonésia, Irã, Iraque, Paquistão, Síria, Tur-
140 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VIII - 141

Em um segundo momento, o islã pode se expressar como uma comunidade, se tornou mundial, multicêntrica ou policontextural (LUHMANN, 2006a, p. 560;
modo de viver ou tradição que regula todos os aspectos da vida16 e em sentido LUHMANN 2006b; NEVES, 2013b, p. 6-23).
geopolítico moderno17, em outras palavras, é uma doutrina que influencia e tem Estabelecidos tais esclarecimentos, reporta-se ao estudo, em linhas gerais, da
pretensão de determinar a vida social, econômica, política e as relações interna- evolução social nos países muçulmanos, destacando o sistema jurídico-religioso e
cionais dos seus seguidores. (DEMANT, 2014, p. 35, LE GOFF, 1990, p. 312). as consequências na elaboração do direito islâmico. Consoante mencionado há uma
Demant (2014, p. 14) é mais preciso no emprego terminológico, ao relatar que o espécie de desdiferenciação dos sistemas jurídico e religioso na maior parte dos paí-
vocábulo muçulmano refere-se a um fenômeno sociológico, enquanto islâmico diz ses muçulmanos e, em alguns se inclui também o sistema político. Nas palavras de
respeito especificamente à religião. No presente escrito, utiliza-se a palavra islã de Demant (2014, p. 35-36) “tudo se concentra num sistema jurídico-religioso total”.
forma ampla para tratar de questões relacionadas aos muçulmanos na sociedade Além disso, evidencia-se forte influência do sistema cultural de cada país nestes
mundial. sistemas, o que enseja assimetrias que repercutem no tratamento dos direitos hu-
A desordem terminológica é decorrente do caráter total do islã, tendo em vista manos.
que vai além de um simples corpo de crenças, pois, repita-se, se trata de algo que Nessa conjuntura, sobre tratamento dispensado à igualdade de gêneropelo islã,
influencia e tem pretensão de determinar toda a vida social e mesmo as esferas da tornou lugar comum afirmar que os países com maioria muçulmana se opõem aos
economia, da política e das relações internacionais (DEMANT, 2014, p. 14) preceitos contidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) e,
Com o intuito de, na sequência, interligar as noções sobre islã com o modelo consequentemente, a sua adaptação às respectivas legislações e práticas internas,
sistêmico, destaca-se que o conceito de sistema se contrapõe ao entendimento de legitimando, dessa maneira, violações de inúmeros direitos, principalmente os re-
ambiente (todos os outros elementos não componentes do sistema). Assim, o siste- lacionados às mulheres muçulmanas. Tal percepção é norteada pelas informações
ma se estabelece com amparo em uma espécie de ruptura com o ambiente, capaz de vinculadas no sistema da mídia. Essas informações não devem ser consideradas
criar nele uma estrutura relativamente independente de todo o resto. Tal ruptura é como válidas imediatamente, isto é, as reproduções não devem ser acríticas.
trabalhada por Luhmann (2006a, p. 471-490) como diferenciação (MELO; COR- Portanto, justifica-se a relevância social do tema pelo fato de que o islã é a re-
REIA, 2016, p. 31). ligião que mais cresce atualmente no mundo (DEMANT, 2014, p. 193; LE GOFF,
O paradigma teórico luhmanniano defende a existência de vários sistemas au- 1990, p. 293) e que os muçulmanos - migrantes, descendente e revertidos ao islã
topoiéticos18, entre eles os sistemas político, jurídico, econômico, religioso, cultural - se expressam em número elevado como parte da população de países diversos do
e dos meios de comunicação em massa (mídia), que figuram como os mais relevan- Ocidente19. Além disso, na sociedade mundial hipercomplexa muitos eventos con-
tes ao estudo que se apresenta. Em sua inteligência, a evolução social se materializa temporâneos remetem ao Oriente Médio20 e a sua situação política, como Prima-
como complexificação e diferenciação funcional dos sistemas sociais (LUHMANN, vera Árabe, ascensão do DAESH21 (popularmente conhecido no Ocidente como
2006a, p. 560; MELO; CORREIA, 2016, p. 31). Estado Islâmico) e a atual crise de refugiados, ensejada pela guerra civil na Síria.
Objetivando explicar a evolução social, Neves (2006; 2013b) parte desses en-
sinamentos de Luhmann (2006a), destacando que a efetiva diferenciação funcional
dos sistemas sociais ocorreu apenas na sociedade moderna, de sorte que a sociedade
19 França, Alemanha, EUA, países do Reino Unido, Áustria, Bélgica, Dinamarca são exemplos de
população muçulmana no Ocidente (DEMANT, 2014, p. 403).
quia etc. Informações obtidas por meio de consulta ao sítio eletrônico, Disponível em <http://www. 20 Na visão contemporânea geopolítica, região geográfica que liga por terra de três continentes, Áfri-
islam.org.br/o_islam_hoje.htm>. Para mais informações, verificar referências. ca, Ásia e Europa, compreendendo parte do território asiático e parcela territorial africana (ZÜGE
16 É necessário sobrelevar, para que se evitem desacertos corriqueiros, que o conceito de JUNIOR, 2004, p. 4). Há que se ressaltar, ainda, que o Oriente Médio não se trata de um local com
Mundo árabe difere da ideia de islã ou Mundo islâmico/muçulmano, pois está voltado única etnia (variedade étnica de árabes, curdos, persas, azeris, turcos, armênios etc.), crença (variedade
para os mais diversos aspectos como o da etnia, idioma, política e não tem uma ligação de crenças, dentre elas, judaísmo, cristianismo e islã), idioma (mais de 20 idiomas são falados, entre
necessária com a religião. Portanto, os árabes podem ser seguidores das mais diversas crenças eles, árabe, turco, persa e hebraico. Turco, persa e árabe podem designar tanto idioma quanto etnia) ou
(cristianismo, judaísmo etc.), muito embora, grande parte tenha aderido ao islã. cultura, bem como que o termo comporta discussões por ser considerado eurocentrista, isto é, como
17 Indica nação islâmica que, geralmente, se refere coletivamente à maioria muçulmana em países, uma invenção do Ocidente, (DEMANT, 2014, p, 15; SAID, 1996, p. 13-15).
estados, distritos ou cidades. Dessa forma, necessário destacar o equívoco na ideia de que os mu- 21  Anteriormente conhecido como Estado Islâmico no Iraque e na Síria (ISIS). Ganhou notorie-
çulmanos se encontram adstritos ao Oriente Médio, muito embora essa região, atualmente, abrigue dade no ano de 2013, como braço da organização terrorista Al-Qaeda. Posteriormente, os dois grupos
aproximadamente 400 milhões de muçulmanos (ZÜGE JUNIOR, 2004, p. 4). romperam os laços, quando foi declarado um califado (liderança) e a mudança de nome para o Estado
18 O conceito de autopoiese tem sua origem na teoria biológica de Maturana e Varela. Significa, Islâmico (EI). Atualmente, é considerado um dos grupos mais perigosos do Mundo, com atividades
inicialmente, que o respectivo sistema é constituído pelos próprios componentes que elabora. A con- brutais, dentre elas, sequestros, torturas e assassinatos de civis, divulgação de vídeos com decapitações
cepção luhmanniana de autopoiese afasta-se do modelo biológico, pois o ambiente não atua perante o de prisioneiros e ameaças de destruição de todos os que discordarem de seus preceitos. Concentram-
sistema nem meramente como condição infraestrutural de possibilidade da constituição dos elemen- -se, principalmente, no Iraque e na Síria e contam com relevante adesão de ocidentais (ALVAREZ
tos, nem apenas como perturbação, ruído; constitui-se como o fundamento do sistema. FILHO, 2015).
142 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VIII - 143

Dessa maneira é inegável que o islã encontra-se no topo da agenda internacional 2003, p. 83). Sobreleva-se que as fontes sagradas do islã, assim como as de outras re-
no tocante aos desafios das relações globais, isto é, que ultrapassam as fronteiras. ligiões, estão propícias a múltiplas interpretações, mas a diferença consiste no lugar
A pesquisa desenvolvida neste escrito, de acordo com os objetivos propostos, é de destaque conferido ao Alcorão pelos muçulmanos (DEMANT, 2014, p. 343).
no que concerne aos fins, exploratória. No respeitante às fontes ou procedimentos, O desenvolvimento dos países muçulmanos evidenciou que apenas as pres-
é bibliográfica e documental com suporte em livros, artigos e informações disponi- crições alcorânicas não seriam suficientes para solucionar os problemas, pois emer-
bilizadas em sítios eletrônicos. No que se refere à abordagem do problema, qualita- giram situações que não tinham sido mencionadas no Livro Sagrado, logo, houve
tiva. No que diz respeito à natureza, teórica (FERRAZ JR, 2011). a necessidade de outras normas proporcionando o desenvolvimento do direito is-
Assim, este ensaio se estrutura em dois tópicos, afora introdução e conclusão. lâmico que, conforme entendem alguns especialistas, é denominado Shari’a22, que
Inicialmente, faz-se uma exposição, no contexto da sociedade mundial, das assime- significa literalmente “caminho a seguir” (ANTES, 2003, p.130; DEMANT, 2014,
trias dos países muçulmanos e dos seus reflexos no direito, especialmente, no que p. 48; EL SAWY, 2002, p. 65).
se refere a materialização do Alcorão e a desdiferenciação dos sistemas sociais. Em Tecnicamente este termo refere-se ao código de comportamento ou sistema
seguida, faz-se um recorte metodológico comparativo dos dispositivos inerentes à de vida apresentado pelo islã, que estabelece o conhecimento dos direitos e deve-
igualdade de gênero - presentes na Declaração Universal dos Direitos Humanos res individuais e sociais, bem como das leis e normas de vida prescritas por Allah
e nas Declarações islâmicas sobre direitos humanos, bem como no Alcorão, na para a humanidade, em outras palavras, trata-se de um sistema jurídico-religioso
qualidade de fonte do sistema jurídico-religioso do islã, a fim de averiguar se há ou (DEMANT, 2014, p. 48; EL SAWY, 2002, p. 65), de uma lei baseada no Alco-
não igualdade de gênero no contexto islâmico harmonizável com o entendimento rão (ANTES, 2003, p. 130). Outra perspectiva entende que a utilização da Shari’a
ocidental. Com tais premissas, passa-se ao estudo das assimetrias do islã. como sinônimo de direito islâmico é uma simplificação excessiva da tradição jurí-
dica islâmica (GAMBARO; SACCO, 2013, p. 344; LAGE, 2016, p. 27). Contudo,
o presente estudo, para fins didáticos, opta pela utilização da primeira corrente de
pensamento que compreende Shari’a como um sistema jurídico-religioso.
2. O ISLÃ E AS ASSIMETRIAS NA MATERIALIZAÇÃO DO
Como todo o direito, a Shari’a emana de fontes, mas diante da complexidade
ALCORÃO: DESDIFERENCIAÇÃO DOS SISTEMAS SOCIAIS do sistema jurídico islâmico, e em virtude da existência de várias escolas jurídicas
que sofrem influência da divisão entre sunitas e xiitas23, há também divergência
Conforme evidenciado de maneira sucinta na introdução deste escrito, os paí- quanto ao reconhecimento dessas fontes. Para maior parte das escolas jurídicas
ses que têm a base religiosa no islã apresentam diversidade no que se refere à his- do islã, são reconhecidas como legítimas as seguintes fontes: Alcorão, sunna, ijma’
tória, cultura, etnia etc., decorrente do período de expansão da crença. Isso causou (consenso dos especialistas) e qiyas (conclusão por analogia) (ANTES, 2003, p. 139;
impactos na teoria tradicional que propõe a unidade de todos os fiéis em ummah, DEMANT, 2014, p. 46; EL SAWY, 2002, p. 65, LAGE, 2016, p. 34; SILVA, 2017,
isto é, única comunidade, o que também pressuporia unidade dos sistemas políti- on line).
co e jurídico. As diferenças fizeram com que os países muçulmanos tornassem-se Importa sobressaltar que a pesquisa desenvolvida neste escrito, por limitações
assimétricos, pois a própria religião, a depender do país, é praticada de múltiplas de espaço, analisa somente o Alcorão com fonte sagrada e principal fundamento de
formas. Há contrastes não apenas nas formas visíveis, rituais e sociais, mas até no validade para as legislações islâmicas que tratam dos direitos humanos, principal-
núcleo das crenças e na maneira de aplicá-las à sociedade (DEMANT, 2014, p. 15), mente, da igualdade de gênero, a fim de confrontar com a noção ocidental. Mencio-
o que se reflete na criação e aplicação do direito islâmico, especialmente, na noção nada fonte é constituída por 114 suras ou suratas, (capítulos) e mais de 6.000 ayas
de direitos humanos e, consequentemente, na ideia de igualdade de gênero e trata- (versos), sendo destas, aproximadamente 200 com caráter normativo (EL SAWY,
mento dispensado as mulheres muçulmanas. 2002, p. 67; ANTES, 2003, p. 124; ARAÚJO; ZAIDEN, 2017, on line). Trata-se
Sobre as divergências do direito no contexto islâmico, Bahlul (2006, p. 765) da base para a construção do direito islâmico e, por via de consequência, fonte de
relata que o fato de o islã não significar a mesma coisa para todos aqueles que o pro-
fessam ou praticam, sobressalta no âmbito do direito pela fragmentação decorrente
da multiplicidade de possibilidades de interpretação da fé. Há consenso, no entanto, 22 Nas pesquisas realizadas para este escrito deparou-se com várias formas de grafia deste
quanto à posição sagrada do Alcorão que é considerado por todos os muçulmanos termo, entre elas, xaria, Charia, Sharia, Shari’a e Sharia’ah Al Islamia. Optou-se pela utiliza-
como a principal fonte do islã. Assim, todas as leis islâmicas devem buscar o fun- ção do termo Shari’a.
23 Indispensável sobressaltar que atualmente, em média 85% dos muçulmanos no mundo
damento de validade em seus preceitos, não podendo contrariá-los. Trata-se de são sunitas (ATLAS, 2007, p. 32).
fonte considerada sagrada e que, em regra, determinam o direito islâmico (ANTES,
144 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VIII - 145

inspiração para as Declarações islâmicas sobre direitos humanos, cosoante se esbo- No Egito, a lei islâmica se mescla com as leis progressistas, logo, não se reco-
çará no tópico seguinte. nhecem oficialmente os crimes de honra, embora se tenha notícia de alguns casos.
Adentrando especificamente no terreno do sistema jurídico islâmico, deve-se Quanto à ablação, esta é proibida pelo governo egípcio, mas, há relatos de casos iso-
considerar que, na maior parte dos países muçulmanos, as leis estão condicionadas lados, geralmente, realizados por tribos com costumes pré-islâmicos, o que enseja
ao sistema religioso, materializando uma espécie de desdiferenciação entre esses sis- comoção estrangeira (EL SAWY, 2002, p. 181).
temas. Em alguns casos, a desdiferenciação ocorre entre os sistemas político, jurídico Em contrapartida, na Turquia as leis são progressistas e as agressões, em regra,
e religioso. Mas isto não é regra, como será demonstrado. são proibidas (DEMANT, 2014, p. 331). Simboliza o país mais moderno no con-
Na leitura de Antes (2003, p. 123) o islã busca a unidade na fórmula din-da- texto do islã, pois há separação entre Estado e a Religião desde 1924, ou seja, entre
wla (religião e Estado) o que impossibilitaria uma sociedade secular, contudo, des- os sistemas político e religioso, portanto, não se utiliza a Shari’a, sendo a exceção ao
taca que numa visão mais exata, as posições dos muçulmanos são as mais variadas. fenômeno da desdiferenciação (EL SAWY, 2002, p. 65).
Hofmann (1992, p. 114) observa que a fórmula determinante não é no sentido No que se refere ao véu islâmico em suas mais variáveis formas (burca, niqab,
de que a religião é o Estado, mas a ideia de junção entre religião e Estado. Dessa hijab etc.), trata-se de um dos aspectos mais polêmicos e estereotipados no Ociden-
maneira, podemos observar que compreendem domínios distintos que precisam ser te, pois se tem a imagem de opressão da mulher muçulmana. Cumpre esclarecer que
conduzidos a uma relação harmônica de maneira islâmica. civilizações pré-islâmicas já ostentavam o uso do véu, que no início estava mais as-
Para confirmar os argumentos trazidos e ilustrar a fragmentação do sistema sociado à classe social do que a religião. Cobrir o cabelo e partes do corpo e da face
jurídico islâmico nos países muçulmanos, destacam-se as ideias de igualdade de era um símbolo de status. Posteriormente, passou a ser usado apenas pelas esposas
gênero no islã e do tratamento dispensada às mulheres (pontos delicados acerca do de Muhammad. A adoção por todas as muçulmanas se deve a vários fatores, tais
alegado quadro de oposição aos direitos humanos) em três países, quais sejam: Ará- como, a conquista de áreas onde ele era comum na classe alta, o influxo de riqueza,
bia Saudita, Egito e Turquia. Entretanto, a citação ocorre sem pretensão de exaurir a elevação do status dos árabes e o fato de que as mulheres do profeta eram exemplo
as particularidades desses países. de modéstia (AL-KHAZRAJL; 2008, p. 49; AL-SHEHA, [s.n.t]b).
Tendo em conta que as leis islâmicas devem buscar o fundamento de validade O Alcorão não especifica o tipo de véu a ser usado, menciona apenas a utili-
no Alcorão24 não podendo contrariá-lo, sobre a igualdade de gênero e o tratamento zação como símbolo de recato (ALCORÃO, 24:31)26. Note-se que mais uma vez
dispensado as mulheres, dispõe o Livro Sagrado: “No Islam, a igualdade de con- as assimetrias ficam visíveis, pois existem tipos véus que são utilizados apenas em
dições entre os sexos, não somente é reconhecida, como imposta veementemente” determinados países, por exemplo, o niqab é obrigatório na Arábia Saudita, já no
(ALCORÃO, 114; 210), “Entre os Seus sinais está o de haver-vos criado com- Egito e Turquia há diversidade e maior liberdade na questão da utilização do véu
panheiras da vossa mesma espécie, para que com elas convivais; e colocou amor e (EL SAWY, 2002, p. 145).
piedade entre vós” (ALCORÃO, 30:21). Destas passagens, vislumbra-se a ideia de Na inteligência de El Sawy (2002, p. 181) “se em outro país muçulmano a
igualdade de gênero e a noção de que as mulheres devem ser tratadas com amor e mulher sofre restrições, por certo, a lei em vigor não é a islâmica”. A autora não
piedade. Além disso, em todo o texto não existe qualquer dispositivo atribuindo pu- considera legitimas as leis que não retiram o fundamento de validade do Alco-
nições para os denominados crimes de honra, para as vítimas de estupro, ou mesmo rão, sobrepondo costumes pré-islâmicos aos dispositivos Sagrados. Mesma linha
permitindo a ablação/circuncisão feminina25 - que é um costume tribal pré-islâmi- de pensamento é manifestada por Nogueira (2007, p. 61), para quem a circuncisão
co -, tampouco, impõe o “véu” islâmico como forma de submissão. feminina “não é, portanto, uma prática religiosa, e sim um costume de determinadas
Na Arábia Saudita, país ultraconservador, a lei permite punições para os deno- regiões”.
minados crimes de honra. Um caso emblemático refere-se a uma mulher estuprada Não se desconhece a existência de outras passagens no Alcorão que legiti-
e posteriormente condenada a receber “chibatadas”, pois na ocasião em que foi víti- mam tratamento cruel, a título exemplificativo, permissão para punições em caso
ma do estupro, estava dentro de um carro com um homem que não era seu parente, de adultério. Todavia, há que se esclarecer que tal punição é destinada para homens
o que é proibido naquele país (DEMANT, 2014, p. 359; FROTA, 2017, on line;
SAUDITA, 2017, on line). Não há, contudo, permissão para extirpação dos genitais
externos da mulher (EL SAWY, 2002, p. 181).
26 Dize às fiéis que recatem os seus olhares, conservem os seus pudores e não mostrem os seus
atrativos, além dos que (normalmente) aparecem; que cubram o colo com seus véus e não mostrem os
24 Convém esclarecer que se utiliza neste trabalho a tradução do Alcorão para o português de Samir seus atrativos, a não ser aos seus esposos, seus pais, seus sogros, seus filhos, seus enteados, seus irmãos,
El Hayek, disponível na página da Federação das Associações Muçulmanas do Brasil: <http://www. seus sobrinhos, às mulheres suas servas, seus criados isentas das necessidades sexuais, ou às crianças
fambras.com.br/nova/media/56080971ec522.pdf>. Para mais informações, verificar referências. que não discernem a nudez das mulheres; que não agitem os seus pés, para que não chamem à atenção
25 Extirpação dos genitais externos da mulher em um processo doloroso e traumático. sobre seus atrativos ocultos
146 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VIII - 147

e mulheres (ALCORÃO, 4:16)27, diferentemente da noção propagada pelo senso véu, não se sentem oprimidas e ocupam posição de destaque na sociedade mundial
comum ocidental. Ademais, não se pretende fazer uma defesa acrítica do islã, ao (BADRAN, 2009). Logo, não se pode continuar a propagar essa visão Ociden-
contrário, o que se objetiva é demonstrar a complexidade da situação, a fim de evitar tal estereotipada sobre as mulheres muçulmanas. Então, é possível compatibilizar
que sejam apresentadas formas de compreensão equivocadamente generalizantes. igualdade de gênero e islã? É o que se passa a abordar.
Diante dessas considerações, será que se pode falar em uma única Shari’a?
Badran (2009) concebe que existem duas modalidades de Shari’a, quais sejam, a que
decorre do Alcorão, no sentido de inspiração divina e princípios condutores, sendo
3. IGUALDADE DE GÊNERO E ISLÃ NO
considerada sagrada e as leis que são obra humana, portanto, abertas a questiona-
mentos e mudanças. Para ela, a modalidade sagrada precisa ser apurada por meio do PANORAMA DOS DIREITOS HUMANOS
esforço humano. Tal posicionamento abre caminho para se pensar na possibilidade
de reforma ou reinterpretação do direito islâmico, o que atualmente vem sendo O tópico que se inicia, faz um recorte metodológico comparativo dos dis-
feito por mulheres muçulmanas de vanguarda que tencionam realizar a releitura do positivos inerentes à igualdade de gênero presentes na Declaração Universal dos
direito islâmico a partir de uma interpretação progressista do Alcorão. Direitos Humanos e nas Declarações islâmicas sobre direitos humanos, bem como
É visível a fragmentação do direito islâmico, pois cada país, ao elaborar suas no Alcorão, na qualidade de fonte do sistema jurídico-religioso do islã, a fim de
leis nos seus respectivos sistemas parciais jurídicos, tem influxo dos sistemas cultu- averiguar se há igualdade entre homem e mulher no contexto islâmico consoante a
rais parciais. Muito embora, aparentemente, o sistema religioso seja determinante, noção ocidental de direitos humanos.
percebe-se que ele funciona como justificativa para aplicar costumes pré-islâmicos Sabe-se que a consolidação dos direitos humanos, nas relações internacionais,
à sociedade contrastando com o núcleo da crença presente no Alcorão. surge no século XX, em decorrência da Segunda Guerra Mundial, com o advento
Em decorrência disso, muitas práticas culturais pré-islâmicas vigentes nos dias Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), aprovada em 10 de dezem-
atuais têm sido inadequadamente associadas ao islã, como casamentos forçados, bro de 1948 pela Organização das Nações Unidas (ONU)29. Os internacionalistas
mutilação genital feminina, crimes de honra que ensejam apedrejamentos e até entendem que seu texto consolida a afirmação de uma ética universal, ao consa-
mesmo mulheres queimadas vivas28 e a criminalização das vítimas de estupro. Tais grar um consenso sobre valores de cunho mundial a serem seguidos pelos Estados
condutas receberam influxos históricos e culturais de tradições tribais, servindo a (PIOVESAN, 2012, p.185; COMPARATO, 2015, p. 68-69).
religião de tentativa para justificar as condutas mencionadas, o que não deveria se Hunt (2009, p. 209) destaca que “formou-se aos trancos e barrancos um con-
sustentar, considerando a inexistência de previsão no Livro Sagrado do islã (DE- senso internacional sobre a importância de se defender os direitos humanos. A
MANT, 2014, p. 150; NOGUEIRA, 2007, p. 60). Declaração Universal é mais o início do processo do que o seu apogeu”. Assim, a
O islã, tendo como principal fundamento o Alcorão, constitui apenas um fa- concepção internacionalista encontra alguns obstáculos para concretização, den-
tor, e não necessariamente o maior, que molda os reflexos e as escolhas dos países tre os quais: (a) o reconhecimento e a efetivação dos direitos humanos depende
muçulmanos, que diferem enormemente entre si em sua história, estrutura socioe- da postura dos Estados soberanos, (b) o questionamentos acerca da legitimidade
conômica, composição étnica, cultura etc. Enfim, há muitos “islãs”, cujos valores da Declaração, pois não foi ratificada pela totalidade dos Estados nacionais, mas
relacionados aos direitos humanos são variáveis (DEMANT, 2014, p. 335-336). aprovada pela Assembleia Geral da ONU, que não teria competência para produ-
Diante do que se expôs, a princípio, entende-se que a alegação de incompatibilida- ção de direito internacional com base na Carta das Nações Unidas e (c) a ausência
de do islã com a noção ocidental de direitos humanos e, por via de consequência, de acolhimento, como partes, de todas as comunidades jurídicas na produção de
com a ideia de igualdade entre homem e mulher é uma generalização feita pelo tratados internacionais sobre direitos humanos, portanto, não contariam com uma
senso comum decorrente do desconhecimento das assimetrias dos países muçulma- instauração universalista.
nos. Não se pode aduzir de forma inequívoca que todas as mulheres muçulmanas Para Piovesan (2007, p.16-31), existem sete desafios centrais à implementação
se encontram em situação de subordinação e opressão. Atualmente, é crescente o dos direitos humanos na ordem contemporânea, a saber: (1) Universalismo vs. Rela-
movimento das mulheres que declaram ter orgulho de ser muçulmanas e que tra- tivismo cultural; (2) Laicidade estatal vs. fundamentalismo religioso; (3) Direito
balham para ampliar as “vozes” das demais mulheres. Elas exaltam a utilização do
29 Na ocasião da aprovação da DUDH a ONU contava com 51 membros fundadores em 1945,
27 E àqueles, dentre vós, que o cometerem (homens e mulheres), puni-os; porém, caso se arrependam desde então, passou a abarcar de maneira crescente e progressiva inúmeros outros Estados, contando
e se corrijam, deixai-os tranquilos, porque Deus é Remissório, Misericordiosíssimo. hoje com quase todos os países independentes do mundo (MAZZUOLI, 2012, p. 132). Fazem parte
28 Os denominados crimes de honra punidos com a morte são frequentes no Afeganistão e Paquis- da atual composição da ONU, os países muçulmanos que utilizamos neste trabalho a título ilustrativo,
tão. quais sejam: Arábia Saudita, Egito e Turquia.
148 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VIII - 149

ao desenvolvimento vs. assimetrias globais; (4) Proteção dos direitos econômicos, conhecida Declaração do Cairo sobre Direitos Humanos no Islã, ambas foram
sociais, culturais vs. dilema da globalização econômica; (5) Respeito à diversidade inspiradas Alcorão. A primeira foi proclamada em 19 de setembro de 1981, pelo
vs. intolerância; (6) Combate ao terrorismo vs. preservação de direitos e liberdades Conselho Islâmico em Paris. A segunda, foi compilada em 5 de agosto de 1990 pela
públicas; e (7) Direito da força vs. força do Direito: desafios da justiça internacional. Organização de Cooperação Islâmica32 (CORDEIRO, 2017, on line).
De acordo com Neves (2017, on line), o conceito de direitos humanos na com- Motahari (2008, p. 128) relata que as normas islâmicas sobre direitos huma-
plexa e heterogênea sociedade mundial, relaciona-se com a abertura dessa socieda- nos tratam dos direitos inatos, inegáveis e inalienáveis dos homens que são pré-re-
de para o futuro e com a ideia central de inclusão jurídica como acesso ao Direito, quisitos da humanidade e que Allah as estabeleceu. Sobre igualdade entre homem e
pois a exclusão jurídica de amplos grupos humanos denota-se exatamente como a mulher, o Alcorão (114;210)33 não somente reconhece, como impõe, prescrevendo
dimensão negadora dos direitos humanos. que a distinção dos sexos é uma distinção fornecida pela natureza e não conta em
Atualmente, existem várias correntes para compreender os direitos humanos, questões espirituais, nem nas distinções artificiais, tais como: linhagem, riqueza,
dentre elas, emerge uma teoria crítica dos direitos humanos30 que se contrapõe à posição etc.
teoria tradicional. Há de se ressaltar, entretanto, que esta pesquisa parte da noção Por sua vez, a DIUDH em seu preâmbulo resguarda a dignidade da pessoa
ocidental da universalidade dos direitos humanos, precipuamente, no que se refere humana, a misericórdia para com a humanidade, a igualdade e a proteção dos di-
à igualdade de gênero para confrontar com a noção islâmica. reitos do homem. A garantia específica da igualmente encontra prescrições nos
O preâmbulo da DUDH dispõe, sobra a igualdade entre homem e mulher. artigos III, VI e XX34, destacando a igualdade de todos perante a lei e no acesso à
O artigo 1° destaca que: “Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e justiça, a concessão de salário igual para o exercício do mesmo ofício, oportunidade
direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras
com espírito de fraternidade”. A Declaração trata, ainda, de aspectos relacionados 32 A Organização de Cooperação Islâmica (OCI) é a segunda maior organização intergovernamen-
à igualdade nos artigos 2º, 7º, 10º, 16º n.º 1, 21.º n.º 2, 23 n.º 231 (ONU, 2017, on tal do mundo, composta por 57 Estados espalhados por quatro Continentes, configura a voz coletiva
line). do mundo muçulmano. A Organização tem relações consultivas e de cooperação com as Nações
Unidas e outras organizações intergovernamentais para proteger os interesses vitais dos muçulmanos
No que concerne à noção de direitos humanos no islã, é preciso evidenciar e trabalhar para a resolução de conflitos e disputas envolvendo os Estados-membros. Arábia Saudi-
que o Alcorão foi compilado no século VII, com prescrições imutáveis em razão de ta, Egito e Turquia, dentre outros, fazem parte da OCI. Para mais esclarecimentos a respeito dessa
sua origem divina. Allah é único o legislador neste caso (DEMANT, 2014, p. 327; Organização, fez-se necessária a consulta à página oficial. Disponível em: < http://www.oic-oci.org/
page/?p_id=52&p_ref=26&lan=en>, conforme segue nas referências ao final do trabalho.
EL AED, [s.n.t], p. 5). No entanto, a interpretação do Livro Sagrado é múltipla 33 No Islam, a igualdade de condições entre os sexos, não somente é reconhecida, como imposta
e ao servir de base para criação do direito islâmico, ensejou ampla fragmentação, veementemente. Se a distinção dos sexos, que é uma distinção fornecida pela natureza, não conta em
consoante analisado no tópico anterior. questões espirituais, muito menos contarão, certamente, as distinções artificiais, tais como: linhagem,
Quanto à adoção da Declaração Islâmica Universal dos Direitos Humanos riqueza, posição, raça, cor, origem etc.
34 III – Direito à Igualdade e Proibição Contra a Discriminação Ilícita: a. Todas as pessoas são
(DIUDH) e da Declaração dos Direitos do Homem no Islã (DDHI), também iguais perante a lei e têm direito a oportunidades iguais e proteção da Lei. b. Todas as pessoas têm
direito a salário igual para trabalho igual. c. A ninguém será negada a oportunidade de trabalhar ou
será discriminado de qualquer forma, ou exposto a risco físico maior, em razão de crença religiosa, cor,
30 Teoria crítica teve origem nas sociedades modernas. É comprometida com valores. Denota como raça, origem, sexo ou língua. IV – Direito à Justiça: a. Toda a pessoa tem o direito de ser tratada de
grandes expoentes: Alan Gewirth, Charles Beitz, James Griffin, Henry Shue e Allen Buchanan. acordo com a Lei e somente na conformidade dela. b. Toda a pessoa tem não só o direito mas também
31 Artigo II: 1 - Todo ser humano tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabe- a obrigação de protestar contra a injustiça, de recorrer a soluções prevista em Lei, com relação a qual-
lecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, idioma, religião, quer dano pessoal ou perda injustificada; para a autodefesa contra quaisquer ataques contra ela e para
opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer obter apreciação perante um tribunal jurídico independente em qualquer disputa com as autoridades
outra condição. 2 - Não será também feita nenhuma distinção fundada na condição política, jurídica públicas ou outra pessoa qualquer. c. É direito e obrigação de todos defender os direitos de qualquer
ou internacional do país ou território a que pertença uma pessoa, quer se trate de um território inde- pessoa e da comunidade em geral (hisbah). d. Ninguém será discriminado por buscar defender seus
pendente, sob tutela, sem governo próprio, quer sujeito a qualquer outra limitação de soberania. [...] direitos públicos e privados. XX – Direitos das Mulheres Casadas. Toda mulher casada tem direito a:
Artigo VII: Todos são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da lei. a. morar na casa em que seu marido mora; b. receber os meios necessários para a manutenção de um
Todos têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e padrão de vida que não seja inferior ao de seu marido e, em caso de divórcio, receber, durante o perío-
contra qualquer incitamento a tal discriminação. [...] Artigo X: Todo ser humano tem direito, em ple- do legal de espera (iddah), os meios de subsistência compatíveis com os recursos do marido, para si e
na igualdade, a uma justa e pública audiência por parte de um tribunal independente e imparcial, para para os filhos que amamenta ou que cuida, independente de sua própria condição financeira, ganhos
decidir sobre seus direitos e deveres ou do fundamento de qualquer acusação criminal contra ele. [...] ou propriedades que possua; c. procurar e obter a dissolução do casamento (khul’a), na conformidade
Artigo XVI: 1. Os homens e mulheres de maior idade, sem qualquer restrição de raça, nacionalidade da Lei. Este direito é cumulativo com o direito de buscar o divórcio através das cortes; d. herdar de
ou religião, têm o direito de contrair matrimônio e fundar uma família. Gozam de iguais direitos em seu marido, pais, filhos e outros parentes, de acordo com a Lei; e. segredo absoluto de seu marido, ou
relação ao casamento, sua duração e sua dissolução [...]. Artigo XXI [...] 2. Todo ser humano tem igual ex-marido se divorciada, com relação a qualquer informação que ele possa ter obtido sobre ela, e cuja
direito de acesso ao serviço público do seu país. Artigo XXIII [...] 2. Todo ser humano, sem qualquer revelação resulte em prejuízo a seus interesses. Idêntica responsabilidade cabe a ela, em relação ao
distinção, tem direito a igual remuneração por igual trabalho. marido ou ao ex-marido.
150 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VIII - 151

de trabalho para todos e vedação a descriminação de qualquer forma. Ao homem é homem e mulher, de acordo com os princípios alcorânicos, não se materializa no
atribuída a responsabilidade pela manutenção familiar (UNIVERSIDADE, 2017, sentido de opressão, muito pelo contrário, pois o homem exerce o papel de protetor,
on line). cosoante evidenciado.
Já a DDHI acerca da igualdade, preceitua, nos artigos 6º e 19, “a”35 (ISLAM, Contudo, diante das assimetrias dos países muçulmanos, em muitos casos, a
2017, on line) que a mulher é igual ao homem em dignidade, tendo direito de pos- situação que deveria ser de proteção se conduz a dominação e violência. Há tam-
suir identidade civil, independência financeira etc., atribui ao homem à manuten- bém países mais progressistas. O quadro de opressão parece não se justificar dentro
ção e bem-estar da família. Além disso, destaca que todos os indivíduos são iguais da crença, pois esta determina que todas as normas retirem fundamento de validade
perante a lei. do Alcorão, dessa forma, costumes tribais e pré-islâmicos não têm legitimidade.
Diante da menção as normas que tratam da igualdade de gênero, passa-se a Regressando-se aos países adotados para fins ilustrativos, na Arábia Saudita
comparação, a fim de averiguar se existe ou não igualdade de gênero no contexto is- a mulher é obrigada a utilizar o véu na modalidade niqab na esfera pública, é proi-
lâmico, compatível com a noção ocidental no panorama dos direitos humanos. Des- bida de conduzir automóveis e de estar acompanhada por um homem que não seja
te questionamento emerge, de maneira secundaria, a dúvida se referidas legislações da sua família, estando sujeita a punições em caso de desrespeito (CORDEIRO,
islâmicas de direitos humanos, que abordam a igualdade entre homem e mulher, 2017, on line). Nesse cenário, já existe um forte movimento, das próprias sauditas,
teriam caráter simbólicos. Neves (2013a, p. 30) define legislação simbólica como no sentido de reivindicar direitos em consonância com Alcorão, bem como uma
“produção de textos cuja referência manifesta à realidade é normativo-jurídica, mas interpretação progressista para fins de produção das leis que dele decorrem.
que serve, primariamente e hipertroficamente, a finalidades políticas de caráter não O Egito, por sua vez, um dos cenários das manifestações internacionalmen-
especificamente normativo-jurídico”. te conhecidas como Primavera Árabe36, muito embora se apresente com postura
Em outras palavras, na legislação simbólica a finalidade política é latente (uti- moderada, ainda retrata casos isolados e clandestinos de práticas pré-islâmicas de
lização do texto) e predomina sobre a finalidade manifesta do sistema jurídico (tex- mutilação genital feminina. A prática foi formalmente banida em 2008. Quanto ao
to). De forma generalizada, não ocorre à finalidade manifesta, isto é, a legislação véu, não há imposição de uma modalidade, inclusive, existem muçulmanas que não
não é feita para ser eficaz do ponto de vista jurídico (ineficácia social generalizada), utilizam o véu naquele país (EL SAWY, 2002, p. 181).
pois o uso do texto é apenas instrumental para dar vazão à finalidade política. Já a Turquia demonstra avanços legais e sociais no sentido de coibir tratamen-
Aqueles que defendem o caráter simbólico das Declarações islâmicas sobre tos violentos e degradantes contra as mulheres muçulmanas. Enquanto no Ociden-
direitos humanos, destacam que as mesmas não têm sido colocadas totalmente em te, em geral, o véu islâmico é visto como opressor e até mesmo motivo de descon-
prática, pelo que consideram que os países muçulmanos que manifestaram adesão, fiança, na Turquia é sinal de liberdade, pois foi proibido durante algum tempo em
o fizeram com o intuito de figurar positivamente no âmbito internacional (COR- virtude da posição secularista do país, agora se encontra permitido. Veja-se que não
DEIRO, 2017, on line). Além disso, relatam que as normas em comento são apenas há obrigatoriedade em sua utilização, mas sim liberdade de escolha (CILA, 2017,
uma interpretação da DUDH à luz do Alcorão, suprimindo direitos excessivos e on line; EL SAWY, 2002, p. 181).
acrescentando direitos que o Livro Sagrado prevê. Diante das considerações expostas, a princípio, constata-se que existe aproxi-
Constatou-se, no entanto, que o Alcorão e as três Declarações contemplam a mação entre a DUDH, Alcorão e as Declarações islâmicas sobre direitos humanos
igualdade de gênero. Sobressalta-se que no contexto do islã, existe diferença entre no que se refere a igualdade entre homem e mulher, mais do que isto, o Alco-
a ideia de igualdade e identidade. Igualdade significa paridade, equidade, já iden- rão há cerca de 1.400 anos concedeu direitos as mulheres, dentre eles, contratuais,
tidade significa uniformidade, isto é, que os direitos sejam exatamente os mesmos conjugais, como a possibilidade de divórcio, o controle de forma independente de
(MOTAHARI, 2008, p. 115). Dessa forma, a mulher no islã está numa situação sua fortuna e propriedades, o percebimento de pagamento igual ao do homem, à
diferente da situação do homem, isso não significa, necessariamente, um aspecto manutenção do nome de solteira etc., direitos semelhantes foram concedidos no
negativo. O próprio Alcorão (4; 34) deixa isso evidente quando relata que “os ho- Ocidente somente no século XX (MONTAHARI, 2008b, p. 130). No entanto, a
mens são os protetores das mulheres, porque Allah dotou uns com mais (força) do concretização de tais direitos encontra inúmeros obstáculos, agravando os questio-
que as outras, e pelo o seu sustento do seu pecúlio [...]”. Assim, a distinção entre namentos sobre o caráter simbólico dessas normas.

35 ARTICLE 6: (a) Woman is equal to man in human dignity, and has her own rights to enjoy as
well as duties to perform, and has her own civil entity and financial independence, and the right to 36 Protestos que ajudaram a derrubar regimes que estavam consolidados no Oriente Mé-
retain her name and lineage. (b) The husband is responsible for the maintenance and welfare of the dio. Tiveram início na Tunísia em dezembro de 2010. Seguiram protestos no Egito, confli-
family. ARTICLE 19: (a) All individuals are equal before the law, without distinction between the tos na Líbia e marcou o início do conflito na Síria, país que hoje é palco de uma guerra civil
ruler and the ruled. (LAGE, 2016, p. 108).
152 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VIII - 153

Motahari (2008, p. 131) afirma que todos os pontos contidos na DUDH, Percebe-se, no entanto, que embora o Alcorão e as três Declarações contem-
foram antecipados há quatorze séculos pelo islã. Sublinhando, ainda, que existem plem a igualdade de gênero, no contexto do islã existe diferença entre a ideia de
diferenças em algumas partes é que isto é um assunto atraente e interessante. Uma igualdade e identidade. Igualdade significa paridade, equidade, já identidade signi-
dessas diferenças materializada exatamente nos direitos dos homens e das mulhe- fica uniformidade, isto é, que os direitos sejam exatamente os mesmos (MOTAH-
res, onde o islã aprova a igualdade, mas não concorda com a uniformidade e exata ARI, 2008, p. 115). Dessa forma, a mulher no islã está numa situação diferente da
similitude de direitos. situação do homem, isso não significa, necessariamente, um aspecto negativo. O
Importante referir para os defendem que as Declarações islâmicas de direi- próprio Alcorão (4; 34) deixa isso evidente quando relata que “os homens são os
tos humanos são simbólicas, não são apenas os países muçulmanos que encontram protetores das mulheres, porque Allah dotou uns com mais (força) do que as ou-
dificuldades para implementação dos direitos humanos, países da Europa e das tras, e pelo o seu sustento do seu pecúlio [...]”. Assim, a distinção entre homem e
Américas desrespeitam, constantemente, direitos consagrados na DUDH. Feitas mulher, de acordo com os princípios alcorânicos, não se materializa no sentido de
estas colocações, segue-se para a conclusão do escrito. opressão, muito pelo contrário, pois o homem exerce o papel de protetor, cosoante
evidenciado.
Contudo, diante das assimetrias dos países muçulmanos, em muitos casos, a
situação que deveria ser de proteção se conduz a dominação e violência. Há tam-
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
bém países mais progressistas. O quadro de opressão parece não se justificar dentro
da crença, pois esta determina que todas as normas retirem fundamento de validade
De todo esse contexto, se objetiva com este escrito acadêmico, chamar a aten- do Alcorão, dessa forma, costumes tribais e pré-islâmicos não teriam legitimidade.
ção para as assimetrias do direito islâmico nos países muçulmanos que repercutem Na leitura de Said (1990), em geral o Ocidente trata a alteridade das muçul-
na concepção de direitos humanos no islã, especialmente, no que se refere à igual- manas de forma generalizante. Como se todas fossem submissas, desconsideradas
dade de gênero, bem como para o fato de que o Alcorão, fundamento de validade as diferenças de padrões nacionais e culturais. Já a mulher ocidental é caracterizada
do sistema jurídico-religioso islâmico e, por via de consequência, das Declarações como independente. Muito embora essa seja a leitura que o Ocidente faz de si
islâmicas, não somente reconhece, mas impõe veementemente a igualdade de con- mesmo, ela não representa a realidade da grande maioria das mulheres ocidentais,
dições entre os sexos (ALCORÃO, 114; 210). submetidas a graves problemas sociais e inferiorizadas em relação aos homens em
Entretanto, constata-se que o Alcorão, mesmo sendo o principal fundamento várias situações, como profissionais e econômicas. Ademais, atualmente, mulheres
do islã, constitui apenas um fator, e não necessariamente o maior, que molda os muçulmanas consideradas vanguardistas tencionam realizar a releitura do direito
reflexos e as escolhas dos países muçulmanos, que diferem enormemente entre si islâmico a partir de uma interpretação progressista do Alcorão, a fim de possibilitar
em sua história, estrutura socioeconômica, composição étnica, cultura etc. Enfim, a materialização da igualdade de gênero (como paridade) nos países muçulmanos.
vislumbra-se que há muitos “islãs”, cujos valores relacionados aos direitos humanos
são variáveis, pois receberam influxos de tradições tribais, servindo a religião de
tentativa para justificar as condutas opressoras, o que não deveria se sustentar, con-
siderando a inexistência de previsão no Livro Sagrado (DEMANT, 2014, p. 150; 5. REFERÊNCIAS
NOGUEIRA, 2007, p. 60).
Diante do que se expôs, a princípio, entende-se que a alegação de incompa- ALCORÃO Sagrado. Disponível em: < http://www.fambras.com.br/nova/me-
tibilidade do islã com a noção ocidental de direitos humanos e, por via de conse- dia/56080971ec522.pdf>. Acesso em: 30 jan. 2017.
quência, com a ideia de igualdade de gênero é uma generalização decorrente do AL-MUSAUI, Sayyed Hashem. O sistema Social no Islam. Tradução e revisão: Nesered-
desconhecimento das assimetrias dos países muçulmanos. Não se pode aduzir de din Khazraji et al. São Paulo: Marse, 2006.
forma inequívoca que todas as mulheres muçulmanas se encontram em situação de AL-SHEHA, Muhammad o mensageiro de Deus. Que Deus louve sua menção. Tradução
subordinação e opressão. Atualmente, é crescente o movimento das mulheres que de Muhammad Isa García. São Paulo: Escritório de difusão do Islã de Rabwah, 2007.
declaram ter orgulho de ser muçulmanas e que trabalham para ampliar as “vozes”
das demais muçulmanas. Elas exaltam a utilização do véu, não se sentem oprimidas _____. Abdul-Rahman. Il messagio dell’islam. [s.n.t]a.
e ocupam posição de destaque na sociedade mundial (BADRAN, 2009). Logo, não _____. Women in Islam & Refutation of some Common Misconceptions. [s.n.t]b.
se pode continuar a propagar essa visão Ocidental estereotipada sobre as mulheres ALVAREZ FILHO, José Mauro Couto. O Estado islâmico: um Estado Weberiano. In:
muçulmanas. FORTES, Gabriel Barroso; COUTINHO, Júlia Maia de Meneses; LOPES, Karin Becker
154 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo VIII - 155

(Org.). Teoria do Poder. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015. v. 2, p. 177-198. LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora da Unicamp, 1990.
ANTES, Peter. O Islã e a Política. Tradução de Frank Usarki. São Paulo: Paulinas, 2003. LUHMANN, Niklas. La sociedad de la sociedad. Tradução de Javier Torres Nafarrate. Mé-
xico: Herder; Universidad Iberoamericana, 2006a.
ATLAS básico da história universal. São Paulo: Escala Educacional, 2007.
_____. La sociedad mundial. Tradução de Javier Torres Nafarrate. In: Estudios Sociológi-
BADRAN, Margot. Feminism in islam: secular and religious covergences. Oxford: One
cos, v.24, n. 3, p. 547-568, 2006b.
World, 2009.
MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Direito internacional publico. 6. ed. São Paulo: Revista
BAHLUL, Raja. Perspectivas islâmicas do constitucionalismo. In: ZOLO, Danilo; COS-
dos Tribunais, 2012.
TA, Pietro (Org.), O Estado de Direito: História, teoria, crítica, São Paulo, Martins Fontes,
2006, p. 747-783. MELO, Silvana Paula Martins de; CORREIA, José Evandro Alencar. Separação de po-
deres como mecanismo de proteção à desdiferenciação funcional. In: MATOS, Rômulo
CILA, Lima. A mulher no islã: Egito e Turquia. Disponível em: < https://www.academia.
Richard Sales; MELO, Silvana Paula Martins de (Org.), Democracia e jurisdição cons-
edu/6030492/A_mulher_no_Isl%C3%A3_Egito_e_Turquia>. Acesso em: 27 jan. 2017.
titucional: estudos de interpretação da constituição, Rio de Janeiro, Lumen Juris, 2016, p.
COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. São Paulo: 27-45.
Saraiva, 2015.
MOTAHARI, Ayyatullah Sheikh Mortedha. Os Direitos das Mulheres no Islam. Tra-
CORDEIRO, Daniel Willyam da Silva. As Declarações Islâmicas e a Declaração Uni- dução e revisão: Editora Islâmica Al-Qalam e Ismail Ahmed Barbosa. São Paulo: Marse,
versal dos Direitos do Homem: Haverá equivalência Disponível em: <https://www. 2008.
academia.edu/4988906/As_Declara%C3%A7%C3%B5es_Isl%C3%A2micas_e_a_De-
NEVES. Marcelo. Entre Têmis e Leviatã: uma relação difícil. São Paulo: Martins Fontes,
clara%C3%A7%C3%A3o_Universal_dos_Direitos_do_Homem_haver%C3%A1_equi-
2006.
val%C3%AAncia>. Acesso em: 27 jan. 2017.
_____. A Constitucionalização simbólica. São Paulo: Martins Fontes, 2013a.
DEMANT, Peter. O mundo muçulmano. São Paulo: Contexto, 2014.
_____. Transconstitucionalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2013b.
EL AED, Saleh Ibn Hussein. O Direito dos não-muçulmanos sob um governo islâmico.
Tradução de Sheikh Ali M. Abdune. [s.n.t]. _____. A força simbólica dos direitos humanos. Revista eletrônica de Direito do Estado,
Salvador, Instituto de Direito Público da Bahia, nº 4, out./nov./dez., 2005. Disponível em: <
EL SAWY, Maria Izabel Sales de França. A shari’ah al islamia: Contextualização histórica,
http://www.direitodoestado.com/revista/REDE-4-OUTUBRO-2005-MARCELO%20
política e atualidade. 2002. 193p. Tese (Doutorado em Direito) - Centro de Ciências Jurí-
NEVES.pdf>. Acesso em 30 jan. 2017.
dicas, Universidade Federal de Pernambuco, 2002.
NOGUEIRA, Fabiana. Brasil & Islã: Teoria e prática do direito internacional. Rio de
FROTA, Hidemberg Alves da. A Universalidade dos Direitos Humanos no Mundo Mu-
Janeiro: Nova Razão Cultural, 2007.
çulmano. . Disponível em:< https://revistas.juridicas.unam.mx/index.php/derecho-inter-
nacional/article/view/150/237>. Acesso em: 30 jan. 2017. ORGANISATION OF ISLAMIC COOPERATION. History. Disponível em: <http://
www.oic-oci.org/page/?p_id=52&p_ref=26&lan=en>. Acesso em 30 jan. 2017
GAMBARO, Antonio; SACCO, Rodolfo. Sistemi giuridici comparati. 3. ed. Torino:
UTET Giuridica, 2013. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS BRASIL. Declaração Universal de Direi-
tos Humanos. Disponível em: <http://www.onu.org.br/img/2014/09/DUDH.pdf> Acesso
HOFMANN, Murad Wilfried. Der Islam als Alternative. München, 1992.
em 30 jan. 2017.
HUNT, Lynn. A invenção dos direitos. Tradução de Rosaura Eichenberg. São Paulo:
PIOVESAN, Flávia. Direitos Humanos e Justiça internacional: um estudo comparativo
Companhia das letras, 2009.
dos sistemas regionais europeu, interamericano e africano. São Paulo: Saraiva, 2007.
HUSSEIN, Imam Ali Ibnol. O Tratado dos Direitos. Tradução e revisão: Aldo Accinelli
_____. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional. 13. ed. São Paulo:
Pielago, Vanessa Primon e Nasereddin Taleb Al-Khazraji. São Paulo: Marse, 2005.
Saraiva, 2012.
ISLAM, human rigths and displacement. . Disponível em:< http://www.fmreview.org/sites/
SAID, Edward. Orientalismo o Oriente como invenção do Ocidente. Tradução de To-
fmr/files/FMRdownloads/en/FMRpdfs/Human-Rights/cairo.pdf >. Acesso em: 30 jan.
más Rosa Bueno. São Paulo: Companhia das letras, 1990.
2017.
SAUDITA estuprada por gangue é condenada a 200 chibatadas. Disponível em: <http://
LAGE, Leonardo Almeida. Transconstitucionalismo, direito islâmico e liberdade reli-
www.bbc.com/portuguese/reporterbbc/story/2007/11/071116_mulhersaudita_np.shtml>.
giosa. 2016. 125p. Dissertação (Mestrado em Direito) - Centro de Ciências Jurídicas, Uni-
Acesso em: 30 jan. 2017.
versidade de Brasília, 2016.
156 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 157

SILVA, Nathália Lipovetsky. Breve estudo sobre o sistema jurídico islâmico. Disponível
em: <http://www2.direito.ufmg.br/revistadocaap/index.php/revista/article/viewFile/56/55
shtml>. Acesso em: 30 jan. 2017.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Declaração Islâmica Universal dos Direitos Hu-
manos. Disponível em: < http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Documentos- IX
-n%C3%A3o-Inseridos-nas-Delibera%C3%A7%C3%B5es-da-ONU/declaracao-islami-
ca-universal-dos-direitos-humanos-1981.html>. Acesso em 30 jan. 2017.
ZÜGE JUNIOR, Odir. Judaísmo e islamismo: a injunção das tradições religiosas com a A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA
prática sócio-jurídica. 2004. 94p. Dissertação (Mestrado em Direito) – Departamento de
Filosofia e Teoria Geral do Direito, Universidade de São Paulo, 2004. MULHERES E MENINAS EM CONFLITOS
ARMADOS E GENOCÍDIOS: O CASO
DAS MENINAS YAZIDIS1

Flávio de Leão Bastos Pereira


Doutorando em Direito Político e Econômico pela Universidade Presbiteriana Macken-
zie. Mestre em Direito Político e Econômico. Professor de Direitos Humanos e Direito
Constitucional na Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Pro-
fessor convidado da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Componente do rol
de especialistas da International Nuremberg Principles Academy (Nuremberg, Alemanha).
Membro do Grupo de Pesquisas Arqueologia da Repressão – UNICAMP/CNPQ. Mem-
bro da International Network of Genocide Scholars (INoGS). Pesquisador do Grupo de
Pesquisas Conflitos Armados, Massacres e Genocídios na Era Contemporânea (EPPEN-
-UNIFESP).

Resumo: O artigo busca estabelecer a análise sobre o fenômeno da violência sexual prati-
cada contra meninas e mulheres durante conflitos armados, sem deixar de tangenciar sobre
a mesma espécie de violência em contextos marcados por processos genocidas, o que gera
distinções relevantes do ponto de vista analítico e científico para compreensão desta mo-
dalidade de violência baseada no gênero e que é utilizada como instrumento com distintos
objetivos conforme o cenário levado em consideração: conflitos internacionais ou intrafron-
teiras, e genocídios. A base primordial para as reflexões a seguir parte da consideração aos
estereótipos de gênero e sobre os papéis sociais reservados a homens e mulheres em tempos
de paz. Referidos estereótipos, deflagrados conflitos armados ou processos genocidas, com
o colapso das instituições e dos mecanismos de inibição da violência, são potencializados e
resultam na “tomada” do corpo da mulher vista como “troféu” tomado ao inimigo ou, ain-
da, como instrumento para destruição e extinção de um grupo por razões raciais, étnicas,
nacionais, políticas ou religiosas. Do ponto de vista antropológico e sociológico, o corpo da
mulher traz sobre si um terrível simbolismo, desde o período dos movimentos coloniais,
visto como objeto e, em certos contextos históricos, como impuro. Tal legado, que se faz
presente em distintas situações e sob várias circunstâncias, gera comportamentos letais para

1 SEXUAL VIOLENCE AGAINST WOMEN AND GIRLS IN ARMED CONFLICTS


AND GENOCIDITIES: THE CASE OF YAZIDIS GIRLS
158 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 159

mulheres nos cenários de conflito acima descritos. O recorte da análise é realizado sobre a padrões em suas dinâmicas, dita conduta prossegue admitida por certas instâncias e
situação das mulheres e meninas Yazidis atualmente cativas sob o domínio do movimento estruturas envolvidas nos respectivos conflitos, ainda que a justiça penal internacio-
terrorista Estado Islâmico (ISIS ou DAESH). nal e o sistema do Direito de Nova York (ONU), nas décadas recentes, tenham assu-
Palavras-chave: Violência sexual. Conflitos armados. Genocídio. Yasidis. mido a posição de protagonistas em alguns avanços, como no caso de condenações
por estupros genocidas impostas pelo Tribunal Criminal Internacional Para Ruanda,
apenas para lembrarmos um exemplo recente ou nas ações das Nações Unidas para
“Pilhei a cidade e matei os homens. As mulheres e os tesouros [...] Dividi-os da combate à violência sexual em situações de conflitos armados (UN Action Against
forma mais justa que pude entre todas as mãos [...]”. Sexual Violence in Conflict, on line).
Homero. Aliás, a referida Corte Criminal Internacional para Ruanda foi a primeira
a reconhecer o estupro como instrumento para cometimento de um genocídio
“We were registered. ISIS took our names, ages, where we came from and whether we (UNICTR, on line), no caso Jean-Paul Akayesu, bem como o primeiro a condenar
were married or not. After that, ISIS fighters would come to select girls to go with them. uma mulher acusada de colaborar para o estupro genocida4 de vítimas tutsis, no
The youngest girl I saw them take was about 9 years old. One girl told me that ´if they try caso de Pauline Nyiramasuhuko (UNICTR, on line)5.
to take you, it is better that you kill yourself´[…]”2. A despeito de avanços tais - ainda tímidos mas sempre bem-vindos - neces-
Menina de 12 anos sequestrada pelo ISIS. sário é o estabelecimento de visões críticas sobre as dinâmicas e sobre as causas
que propiciam a reiteração de crimes sexuais contra mulheres e meninas6 durante
situações de conflitos e nas quais os mecanismos de prevenção e inibição encon-
tram-se em colapso.
1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS
Muito embora pouco se fale a respeito, necessária é a compreensão de que as
raízes na prática destes crimes hoje considerados dentre os mais graves na ordem
É célebre a frase de Ésquilo3 segundo o qual a verdade é a primeira vítima jurídica internacional7, compõem categorias de violência preexistentes às guerras
das guerras. e genocídios, vigentes em sociedades em tempos de paz e presentes sob bases pa-
No caso da violência sexual cometida contra mulheres e meninas nos contex- triarcais, com variantes relacionadas a cada uma delas e de cunho religiosas, raciais,
tos das guerras e genocídios a verdade não é vitimada, mas simplesmente tolerada. étnicas, nacionais ou políticas.
Caracterizada uma guerra entre nações ou, ainda, mesmo nos conflitos arma- De fato, o modo pelo qual cada sociedade vê e considera a mulher guarda ín-
dos intrafronteiras, ao que podemos acrescentar os processos genocidários, o grau tima relação com a violência sexual praticada por grupos armados, componham tais
de sistematização na violência sexual perpetrada e de sofrimento imposto às vítimas grupos as forças oficiais ou grupos e milícias combatentes paramilitares.
do sexo feminino tomadas por tropas que as consideram troféus a serem expostos Fato é que, durante os conflitos ou após o desfecho de combates e batalhas
e oprimidos, em completa situação de vulnerabilidade, não é ignorado – pois o fe- – e, em alguns casos, mediante prévio estabelecimento de diretrizes para limpeza
nômeno é conhecido desde a antiguidade – mas é objeto de indiferença, tanto pelas étnica, as mulheres e meninas ainda no início de sua adolescência passam a ser alvos
autoridades e comandos que têm poder de decisão e mantêm relação de poder hie- imediatos nos dias atuais como se observa no caso das mulheres Tutsis durante o
rárquico sobre suas tropas nos palcos de operações, como também pelos agentes e
estruturas internacionais responsáveis pelo disciplinamento e responsabilização dos 4 Além do reconhecimento do estupro como crime de guerra e crime contra a humanidade, o Tri-
perpetradores da referida violência, segundo as normas globais e regionais proteti- bunal Criminal Internacional Para Ruanda reconheceu o estupro como instrumento para cometimento
do crime de genocídio, quando tiver por objetivo a destruição do grupo-alvo (Caso Akayesu, 1998). No
vas dos direitos humanos e definidoras das regras vigentes em situações de combate caso, a Câmara de Julgamento daquela Corte Criminal Internacional entendeu que os estupros prati-
(direito humanitário – o Direito de Genebra e o Direito de Haia). cados contra as mulheres Tutsis (que foram violentadas por serem mulheres e Tutsis), seria subsumível à
Significa afirmar que a despeito de encontrarmos uma prática reiterada ao descrição da Convenção Para Prevenção e Repressão ao Crime de Genocídio, constante da alínea “b” de seu
artigo 2º, que reconhece como atos de genocídio aqueles que traduzam grave atentado à integridade física
longo da história (incluídos os conflitos dos séculos XX e XXI, até o presente), com e mental de membros de um certo grupo. A gama de danos impostos às mulheres violentadas durante
guerras, conflitos armados e genocídios é variada e extensa, de difícil reparação, quando sobrevivem.
2 Depoimento de menina de 12 anos, cativa do ISIS por 7 meses e vendida 4 vezes, constante do 5 Veredicto de Pauline Nyiramasuhuko, Ex-Ministra de Relações Exteriores de Ruanda. http://
Relatório do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas de 15.6.2016 sobre a situação dos unictr.unmict.org/en/cases/ictr-98-42 - acesso em 21.2.2017.
Yazidis em poder do ISIS – 6 A prática de crimes sexuais contra homens e meninos não é tampouco uma conduta rara durante
http://www.ohchr.org/Documents/HRBodies/HRCouncil/CoISyria/A_HRC_32_CRP.2_en.pdf - conflitos armados e que merece também análise aprofundada e apropriada.
acesso em 1.3.2017. 7 Considere-se, por exemplo, a previsão do Estatuto de Roma constante da alínea “g”, item 1 de
3 Dramaturgo na Grécia antiga, viveu entre 525 a.C. e 456 a.C. seu artigo 7º.
160 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 161

genocídio de Ruanda (1994); das mulheres bósnio-muçulmanas ao longo da Guer- to da dominação masculina e dos mecanismos patriarcais de manutenção de tal
ra das Bósnia (1992-1995)8; das mulheres Yazidis a partir dos 14 anos de idade, domínio simbólico.
em poder do ISIS, no Iraque (2011-dias atuais) ou, ainda, no caso das mulheres O exemplo da experiência da destruição dos povos originários nas Américas,
em poder do grupo fundamentalista Boko Haram9, na Nigéria (2002-dias atuais). África, Ásia e Oceania constitui um desses casos. A nudez como hábito de vida das
E, se a causa imediata pode ser identificada no conflito em si, a motivação nações tradicionais e nativas ao redor do mundo em muito distanciava-se dos pila-
fundamental para tal violência em períodos de guerra e genocídios relaciona-se res morais e religiosos dos colonizadores. No imaginário destes a impureza marcava
muito mais com a consideração ao sexo feminino como objeto e troféu a ser con- os corpos e as mentes das nações indígenas, que eram por vezes associados a povos
quistado, bem como instrumento de imposição de humilhação ao país ou grupos bíblicos julgados pecadores10. Conforme explica Andrea Smith, se os corpos das
armados derrotados (no caso, v.g., dos estupros de guerra) ou, no caso dos processos mulheres indígenas eram considerados “sujos”, seriam eles sexualmente “violáveis”:
genocidários, como meios para destruição de grupos por razões raciais ou étnicas
(nas hipóteses dos denominados estupros genocidas).
Considerações, portanto, aos objetivos almejados pelos perpetradores; às di- Porque os corpos indígenas seriam sujos, eram considerados sexualmente vio-
láveis e estupráveis, e o estupro de corpos que eram considerados naturalmen-
nâmicas e grau de sistematização utilizados para a prática dos crimes sexuais; em
te impuros e sujos, simplesmente não importava. Por exemplo, prostitutas
relação à composição étnica, racial, religiosa e política dos grupos vitimados; ao quase nunca são acreditadas quando afirmam que foram estupradas, porque
contexto do conflito sob o qual ocorram as violações sexuais contra mulheres e a sociedade dominante considera que os corpos das profissionais do sexo são
meninas vitimadas, dentre outros, ajudam à definição da espécie de violência sexual indignos de integridade e, pois, violáveis a todo momento. Similarmente, a
praticada e sua inserção no tipo legal e convencional incidente. história da mutilação dos corpos de indivíduos indígenas, vivos ou mortos,
As considerações a seguir buscarão apontar alguns destes aspectos acima le- evidencia que os mesmos não teriam direito à integridade corporal11 (tra-
vantados, tendo por recorte, ainda, a situação das mulheres e meninas Yazidis du- dução livre).
rante o conflito no Iraque ao longo dos combates contra o Estado Islâmico (ISIS).
Note-se que a violência sexual perpetrada contra mulheres indígenas ao
longo do processo colonizador e mesmo nos dias atuais apresenta alguns com-
2. O CORPO DA MULHER: IMPUREZA, ponentes sobrepostos e comumente presentes em processos de violações e exter-
DOMÍNIO E EXTERMÍNIO mínios, especialmente os elementos referentes ao gênero e à etnia: estupra-se ou
extermina-se por ser mulher e também por pertencer a certa etnia.
Como dito, a violência sexual praticada contra mulheres e meninas durante
Na raiz da violência sexual contra as mulheres ao longo de processos his- as guerras e genocídios não é novidade entre as ferramentas de combate e destrui-
tóricos marcados por conquistas, colonizações, extermínios e guerras, a visão de pe- ção utilizados. Assim, também durante a primeira guerra mundial e no âmbito dos
cado e impureza imposta por colonizadores, sociedades e ordens dominantes como inúmeros conflitos que compuseram aquele cenário hostil generalizado na Europa,
inerentes ao corpo da mulher pertencente aos grupos colonizados, exterminados e não foi diferente.
resistentes, parece uma constante. Não sem razão, os movimentos feministas con- Constitui o genocídio do povo armênio um dos mais graves capítulos da refe-
temporâneos inserem o corpo feminino como objeto de discussão e questionamen- rida guerra. Também neste primeiro grande conflito mundial (1914-1918) o estu-
pro mostrou-se como uma das mais utilizadas armas pela gendarmeria Otomana,
8 “Entre 30.000 e 40.000 mulheres muçulmanas foram vítimas de estupro, na Guerra da Bósnia. O
estupro, na Guerra da Bósnia, entre 1992 e 1995, não foi um crime praticado por iniciativa particular
dos combatentes diante de vítimas indefesas; foi uma estratégia previamente pensada, arquitetada e 10 “In the colonial imagination, Native bodies are also immanently polluted with sexual sin. Theorists
efetuada durante o conflito nos chamados ‘campos de estupro’, bem como em locais e prédios trans- Albert Cave, Robert Warrior, H.C. Porter, and others have demonstrated that Christian colonizers often
formados em prisões e locais de martírio para as vítimas, muitas das quais cometiam suicídio antes ou likened Native peoples to the biblical Canaanites, both worthy of mass destruction. What makes Canaanites
após serem violentadas.” (PEREIRA, 2013, p. 205-206). Exemplo de tal localidade é o Hotel Villina supposedly worthy of destruction in the biblical narrative and Indian peoples supposedly worthy of destruc-
Vlas, em Visegrad, onde em torno de 20.000 mulheres foram estupradas, torturadas e assassinadas tion in the eyes of their colonizers is that they both personify sexual sin […]”. (SMITH, 2005, p.10).
por tropas sérvias. Hoje, é ainda utilizado como hotel, gerando discussões relevantes sobre a neces- 11 “Because Indian bodies are ‘dirty’, they are considered sexually violable and ‘rapable’, and the rape of
sidade de memorialização dos crimes cometidos no local - http://www.bbc.com/news/world-euro- bodies that are considered inherently impure or dirty simply does not count. For instance, prostitutes are al-
pe-35992642 . Acesso em 5.3.2017. most never believed when they say they have been raped because the dominant society considers the bodies of
9 O termo Boko Haram significa “a educação não-islâmica/ocidental é pecado”, no idioma Hausa, sex workers undeserving of integrity and violable at all times. Similarly, the history of mutilation of Indian
falado no norte da Nigéria. bodies, both living and dead, makes it clear that Indian people are not entitled to bodily integrity.” (SMITH,
2005, p.10).
162 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 163

com o escopo de humilhar e destruir a população armênia que marchava rumo à b. 200.000 mulheres de vários países da Ásia (conhecidas como comfort women)
morte em direção ao deserto da Anatólia. foram traficadas e mantidas como escravas sexuais pelo exército imperial japo-
Assim, Heitor de Andrade Carvalho Loureiro (2013, p. 53), ao explicar sobre nês13.
as marchas da morte imposta ao povo armênio, menciona que:
c. Em torno de 100.000 mulheres estupradas em Berlim após a queda da cidade;
em torno de 2 milhões em toda a Alemanha14 (a produção cinematográfica
Depois de reunidos na cidade, os armênios marchavam rumo ao deserto de intitulada Eine Frau in Berlin, de 2008, direção de Max Färberböck, narra tal
Derel-Zor; ou seja, marchavam rumo à morte...O fato é que a maioria dos dramática passagem15).
armênios deportados sequer chegava aos campos de concentração. As colu-
nas de mulheres, crianças e idosos iam se desintegrando pelo caminho, com d. Mulheres judias, ciganas, russas, polonesas, eslavas, oposicionistas etc. também
muitos de seus componentes morrendo por inanição e maus tratos. Muitas
padeceram sob violência sexual praticada tanto nos campos de concentração e
mulheres e crianças eram raptadas e levadas para os haréns de muçulma-
nos, como parte do botim conquistado... Outras tantas mulheres eram de extermínio nazistas, quanto após a liberação dos referidos campos16. Du-
estupradas e mortas em sequência [...] O estupro é uma arma usual dos rante o Holocausto praticado pelos nazistas as mulheres foram especialmente
genocidas. (grifamos). vitimadas pela criação de estruturas voltadas apenas para sua condição femi-
nina, como o campo de concentração de Ravensbrück, localizado a 90 km ao
norte da capital Berlim, na cidade de Fürstenberg. Além de toda estrutura de
De fato, o rapto de mulheres e meninas pelas forças Otomanas para serem tortura e morte das vítimas do nazismo, o estupro foi também método de terror
levadas aos haréns, bem como o estupro, puro e simples, foram técnicas de terror amplamente utilizado contra as prisioneiras consideradas inferiores pelas teo-
largamente praticadas contra o povo armênio durante o primeiro genocídio do sé- rias racistas do regime ou, ainda, em razão de seus posicionamentos políticos e/
culo XX cometido por um Estado contra cidadãos nacionais12. ou religiosos. Conforme informa o United States Holocaust Memorium Museum
No que se refere à segunda guerra mundial, podem ser apontados alguns dos (USHMM), o estupro e outras técnicas específicas de ataques à condição femi-
principais episódios de cometimento de violência sexual em larga escala contra po- nina foram largamente utilizadas no sistema concentracionário nazista:
pulações de mulheres e meninas:
a. Em torno de 20.000 mulheres chinesas, a partir dos 8 anos de idade, foram
estupradas em Nanquim (então capital da China) com a invasão das tropas Nos campos e nos guetos as mulheres eram particularmente vulneráveis a
imperiais japonesas àquela cidade, em 13 de dezembro de 1937. O fato é co- espancamentos e estupros. As judias grávidas tentavam esconder a gravidez
para não serem forçadas a abortar. As mulheres deportadas da Polônia e da
nhecido como o estupro de Nanquim (MASSACRE DE NANQUIM, on line).
União Soviética para fazerem trabalhos forçados eram sistematicamente es-
pancadas, estupradas, ou forçadas a manter relações sexuais com alemães em
troca de comida e outras necessidades básicas. Muitas vezes, as relações se-
12 Consideramos o primeiro genocídio praticado no século XX o extermínio dos povos Hereros e xuais forçadas entre as trabalhadoras escravas oriundas da Iugoslávia, União
Namas pelas tropas imperiais alemãs, sob o comando do Gal. Lottar von Trotha, entre 1904-1907, na Soviética ou Polônia, e homens alemães resultavam em gravidez, e se os ‘es-
Namíbia e para sufocar revolta dos referidos povos contra a colonização alemã. Se considerada, entre- pecialistas em raça’ determinassem que a criança a nascer não possuía ‘genes
tanto, a ação genocida de um Estado contra seus próprios cidadãos, o genocídio armênio foi o primeiro e arianos’ suficientes, as mães eram forçadas a abortar, ou eram enviadas para
com graus de sistematização mais detalhados do que o genocídio dos Namas e Hereros, embora tenha
darem à luz em maternidades improvisadas, onde as péssimas condições de
apresentado este extermínio, também, alguns métodos de assassinatos em massa bem sistematizados
pelos alemães, como o estabelecimento do primeiro campo de extermínio do século XX, conhecido higiene garantiriam a morte do recém-nascido (USHMM, on line).
como Shark Island. Para uma leitura mais detalhada sobre o tema, acesse http://s3.amazonaws.com/
academia.edu.documents/46046325/Territorios__Poderes_e_Identidades.pdf ?AWSAccessKeyI-
d=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1488132792&Signature=Q4ZCbnd9Pxq8ByhHf2r- 13 Para mais informações, acesse http://heinonline.org/HOL/LandingPage?handle=hein.journals/
buTPz0cg%3D&response-content-disposition=inline%3B%20filename%3DTerritorios_poderes_e_ nylshr19&div=58&id=&page=
identidades_a_ocup.pdf#page=123 . Mesmo durante o extermínio dos Namas e Hereros, o estupro de 14 http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/05/150508_estupro_berlim_segunda_guerra_fn
mulheres e meninas pelas tropas alemãs não foi deixado de lado, conforme informa Adam Jones: “... – acesso em 26.2.2017,
After five months of sporadic conflict, about 1.600 German soldiers armed with machine guns and cannons 15 Para mais informações acesse https://youtu.be/kKJqCYLoMq8 - acesso em 26.2.2017.
decisively defeated the Hereros at the Battle of Waterberg. After vanquishing the Hereros, the German Army 16 Para mais informações acesse https://books.google.com.br/books?hl=p-
launched a ´mass orgy of Killing´…Herero men were slowly strangled by wire and then hung up in rows t-BR&lr=&id=nLdJEZGkwrkC&oi=fnd&pg=PP1&dq=russian+women+raped+by+nazi+troop-
like crows, while young women and girls were regularly raped before being bayoneted to death…”. JONES, s&ots=DssPfsgGIK&sig=totK6GRU8aDFk5Bu6l-taKZC4mU#v=onepage&q=russian%20
Adam, ob.cit., p.122. women%20raped%20by%20nazi%20troops&f=false
164 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 165

Também em conflitos mais recentes o estupro como arma de guerra foi i. 48 mulheres estupradas a cada hora;
comum. Pode-se mencionar alguns casos relevantes: ii. 1.152 mulheres estupradas a cada dia;
a. Bangladesh, 1971 – durante os conflitos armados no país, cerca de 200.000 iii. 12% da população de mulheres do país estupradas ao menos uma vez;
mulheres e meninas foram estupradas pelos soldados paquistaneses. iv. 22% das mulheres do país forçadas por seus parceiros a manterem relações
contra sua vontade.23
b. India, 1992 – 882 mulheres estupradas pelas forças de segurança nas províncias
de Jammu e Kashmir.17
A gravidade da situação na República Democrática do Congo levou o país
c. Bósnia (1992-1995) – estima-se em 50.000 o número de mulheres estupradas a instalar o primeiro julgamento por estupros de guerra naquele país (o Julgamento
por combatentes sérvios nos denominados rape camps, com o objetivo de impor de Minovo), pelo qual foram acusados 39 militares pelo estupro de 135 mulheres e
a alteração da composição étnica das populações locais, portanto, o estupro meninas na cidade de Minovo. Contudo, apenas dois acusados foram efetivamente
como instrumento de limpeza étnica18. condenados pela prática de estupros de guerra24.
Jones refere-se ao processo grave e crescente de estupros no Congo, ressaltan-
d. Genocídio de Ruanda (1994) - Estima-se entre 250.000 e 500.000 o número do os níveis quantitativos de estupros perpetrados neste país, superiores se compa-
de mulheres e meninas estupradas19, sendo que em torno de 67% das vítimas rados ao genocídio de Ruanda:
violentadas contraíram AIDS em razão dos estupros sofridos. Apenas 6% re-
ceberam tratamento para a síndrome adquirida20. Segundo a Survivors’ Fund
Surpreendentemente, o recorde de estupros em massa no genocídio de Ruan-
(entidade humanitária britânica), vivem hoje em Ruanda em torno de 20.000
da foi alcançado e até superado nos anos posteriores ao holocausto – no vizi-
jovens nascidos dos estupros genocidas21. nho Congo, onde a violência sexual tem crescido até os dias presentes. ‘De-
zenas de milhares de mulheres, possivelmente centenas de milhares, foram
e. República Democrática do Congo – considerado o pior local no mundo para estupradas nos últimos anos,’ escreveu Jeffrey Gettleman do New York Times
as mulheres em razão da altíssima taxa de estupros cometidos desde o início em 2008. ( JONES, 2011, p. 472) (tradução livre). 25
das guerras que vêm devastando o país a partir dos anos 90 e após o genocídio
de Ruanda, com o qual as guerras congolesas guardam conexões22. As esta-
tísticas em relação ao número de estupros praticados naquele país africano Depreende-se, pois, por uma superficial análise histórica, que os estupros pra-
demonstram a gravidade da situação e o grau de vulnerabilidade de suas mu- ticados contra mulheres em situações de conflitos armados, aqui incluídos os geno-
lheres e meninas, como se depreende pela leitura de estudo da International cídios, constituem estratégias de guerra ou, naquele segundo contexto (genocídios),
Food Policy Research Institute at Stony Brook University in New York, publicado instrumentos para destruição dos grupos vitimados.
no American Journal of Public Health: Entendemos que, no caso das mulheres e meninas Yazidis, ao longo da guerra
travada em território iraquiano contra o Estado Islâmico especialmente a partir de
2014, ambas as hipóteses foram verificadas, como buscaremos esclarecer.

17 Para mais informações acesse http://scholarship.law.berkeley.edu/cgi/viewcontent.cgi?arti-


cle=1241&context=bjil – acesso em 26.2.2017.
18 Para mais informações acesse https://books.google.com.br/books?id=e4MsBgAAQBAJ&p-
g=PA73&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false – acesso em 26.2.2017.
19 Para mais informações acesse http://www.womenundersiegeproject.org/conflicts/profile/rwanda
- acesso em 26.2.2017.
20 Para mais informações acesse http://www.womenundersiegeproject.org/conflicts/profile/rwanda 23 Para mais informações acesse https://www.theguardian.com/world/2011/may/12/48-women-ra-
- acesso em 26.2.2017. ped-hour-congo - acesso em 26.2.2017.
21 Para mais informações acesse https://www.theguardian.com/world/2014/jun/08/rwanda- 24 Para mais informações acesse http://www.bbc.com/news/world-africa-27285268 - acesso em
-20-years-genocide-rape-children - acesso em 26.2.2017. 26.2.2017.
22 1ª Guerra do Congo – 1996/1997; 2ª Guerra da Congo – a partir de agosto de 1998; em 2008 – 25 “Astonishingly, the record of mass rape in the Rwandan genocide was matched and even surpassed in the
5.4 milhões de mortos. O pior conflito no mundo, desde a 2ª guerra mundial – 45 mil mortos por mês years following the holocaust – in neighboring Congo, where sexual violence has raged through to the present
- http://www.reuters.com/article/us-congo-democratic-death-idUSL2280201220080122 – acesso day. ‘Tens of thousands of women, possibly hundreds of thousands, have been raped in the past few years,’
em 26.2.2017. wrote Jeffrey Genttleman of the The New York Times in 2008.”
166 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 167

que) já tomada, lançam uma ofensiva militar contra Sinjar e demais vilarejos
3. OS YAZIDIS habitados pelos Yazidis. A frágil defesa curda (os combatentes Peshmerga28)
não resiste ao avanço organizado e avassalador dos combatentes do ISIS.
Os Yazidis constituem um dos mais antigos grupos humanos existentes no Com a queda de Sinjar, duas opções restaram aos Yazidis: fugir em direção
mundo, atualmente no ano 6.766 de seu calendário26, com suas crenças e cultos ba- ao monte Sinjar ou permanecer em suas casas aguardando pelo incerto. Em
seados na tradição oral vigentes já por cerca de 4.000 anos. Conforme informação torno de 200.000 pessoas fugiram em direção ao referido monte, muitos
do Instituto Humanitas da Unisinos (2014, on line): morrendo no caminho (especialmente crianças e idosos). Cercados pelas
tropas do ISIS, começaram a perecer pela falta de água e de alimentos, até
[...] Os yazidis são uma comunidade curdófona que possui entre 100 mil e que França, Reino Unido, Estados Unidos e Austrália, apoiados pelos com-
600 mil pessoas no Iraque, segundo estimativas. São dos povos mais antigos batentes Peshmerga e alguns combatentes Yazidis estabeleceram um cor-
da Mesopotâmia, onde sua crença surgiu há mais de 4.000 anos. Seu princi- redor humanitário. Aeronaves, sob fogo antiaéreo do ISIS buscavam atirar
pal local de culto é Lalish, no Curdistão iraquiano, mas milhares de yazidis mantimentos aos Yazidis que lutavam para sobreviver no monte Sinjar.
moram na Síria, na Turquia, na Armênia e na Geórgia, além da Europa, es-
pecialmente na Alemanha, onde vivem 40 mil yazidis [...].
Combatentes do Estado Islâmico patrulhavam a região em centenas de
veículos tentando encontrar Yazidis que ainda fugiam para sobreviver.
Estes, além daqueles que não fugiram, passaram a ser submetidos a um
Na realidade, as estimativas apontam a existência de 1,5 milhão de in- sistemático processo genocida nas mãos do ISIS. Fato é que, de imediato,
divíduos da etnia Yazidi no mundo. milhares de homens foram fuzilados ou degolados; em torno de 5.000 meni-
Assim, é no Iraque que o povo Yazidi vive em sua maioria, pratican- nas foram imediatamente aprisionadas pelos soldados dos ISIS, após terem
do suas crenças e exercendo sua fé cuja religião agrega elementos tanto do seus país assassinados e suas mães separadas. Meninas a partir dos 7 anos
Islamismo, quanto do Cristianismo. A utilização de elementos corânicos e já eram consideradas como “troféus” e passaram a ser vítimas das violações
cristãos, segundo o Professor Frédéric Pichon, da Universidade François Ra- sexuais.
belais, de Tours, deve-se à busca por maior invisibilidade e que lhe garantis-
se maior segurança (INSTITUTO HUMANITAS UNISINOS, 2014, on
line). Desde os séculos XVI e XVII os Yazidis são apontados como pratican-
tes de cultos satânicos por parte de grupos islâmicos (SCHAPIRO, 2014, on
line), o que lhes impôs – e ainda impõe – a tragédia de contarem com algo
em torno de 23 milhões de mortos nos últimos 700 anos, vítimas de inimi-
gos islâmicos e outros grupos. Viviam em torno de 2.000.000 de Yazidis há
apenas 200 anos atrás. Sua população vem sendo reduzida drasticamente
por conta de tais processos de extermínio, atingindo a acima mencionada
estatística de 1.500.000 de indivíduos vivos atualmente27.
É na região de Sinjar, na mesma região acima indicada ao mencionar-
mos o local sagrado dos Yazidis (Lalish), que de há muito vivia tal grupo, em
harmonia e plena convivência com seus vizinhos árabes.
A tragédia Yazidi começa a ser concretizada no dia 3 de agosto de 2014,
Região de Sinjar e de Lalish, no chamado Curdistão ira-
quando tropas do ISIS (Estado Islâmico), a partir da cidade de Mossul (Ira- quiano: a maior concentração de Yazidis no mundo.
26 O ano-novo Yazidi se dá a partir de 20 de abril, de cada ano. O mês de abril de 2017 marcará a
chegada ao ano Yazidi 6.767. - http://ekurd.net/yazidi-celebrate-red-wednesday-2016-04-20 - aces-
so em 3.3.2017.
27 Para mais informações acesse: http://www.yeziditruth.org/yezidi_genocide. 28  Aqueles que enfrentam a morte.
168 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 169

A conquista de Sinjar pelas tropas do ISIS, dentre várias consequências ime- As situações acima descritas ilustram apenas um pouco do processo geno-
diatas para o povo Yazidi e suas mulheres, revelou ao mundo a brutalidade e as cida em curso na região, por parte do Estado Islâmico e que tem por alvo o povo
intenções genocidas do referido grupo que busca estabelecer um califado sob a Yazidi. Almeja-se, claramente, a sua destruição.
ideologia Wahabista29 na região, dentre as quais: Até meados de 2016 calculava-se a quantidade de mulheres e meninas Yazidis
ainda em poder do Estado Islâmico em torno de 1.800 cativas31, número que che-
a. Imediata degolação dos homens Yazidis em poder do ISIS em caso de negativa
gou a ser de 3.200 mulheres aprisionadas sob terríveis condições.
de conversão;

b. Assassinato das mulheres maiores de 60 anos;


3.1.  Violência sexual sistematizada e autorizada
c. Separação das famílias;
Importante, neste ponto de nossa reflexão, estabelecer a característica da
d. Separação entre homens e mulheres; tomada de mulheres e meninas pelo Estado Islâmico e do tratamento conferido a
tais vítimas.
e. Transferência forçada de crianças e adolescentes, meninas e meninos: Neste sentido, conforme relato da Conselho de Direitos Humanos das Nações
Unidas aqui já mencionado (http://www.ohchr.org/Documents/HRBodies/HR-
i. Meninas acima de 12 anos foram levadas, após sua separação de suas Council/CoISyria/A_HRC_32_CRP.2_en.pdf ), não existem relatos de violações
mães; sexuais em massa e aleatórias contra as mulheres Yazidis. Tal fenômeno se deve à sis-
tematização e ao rígido controle, por parte dos respectivos superiores hierárquicos
ii. Meninas entre 7 e 12 anos foram depois tomadas de suas mães; do ISIS, sobre seus soldados. Vale dizer: os vários casos relatados de escravização
sexual, estupros etc., apresentam como contexto a violência individual contra as
iii. Meninos acima de 8 anos foram levados para campos de treinamento mulheres e meninas Yazidis, claramente autorizadas pelas respectivas esferas de
militar para se tornarem combatentes do ISIS. comando. A despeito das bases fundamentais patriarcais presentes na gênese da
violência sexual praticada pelo ISIS contra as mulheres e meninas em seu poder,
f. Mulheres solteiras foram entregues aos combatentes;
outro elemento fica patente neste contexto: mulheres e meninas Yazides sequer são
g. Mulheres solteiras que se diziam casadas, se descobertas, eram punidas ou consideradas humanas por seus raptores, mas simples objetos que podem ser usados
mortas30; em distintas situações e por distintos interesses, especialmente a satisfação sexual e
o lucro mediante a venda – e revenda - das vítimas, que normalmente são vendidas
h. Meninas e mulheres em posse dos combatentes do ISIS foram levadas para uma dezena de vezes, em muitos casos relatados por mulheres ou meninas que
distintas localidades e bases do ISIS, sendo vendidas mais de uma vez; conseguiram escapar. As mulheres e meninas cativas são consideradas mercadorias,
normalmente vendidas em mercados de venda e tráfico de seres-humanos conside-
i. Muitas das vítimas acima descritas cometeram ou tentaram cometer suicídio. rados escravos pelo ISIS, mercados tais existentes em Mossul (Iraque), atualmente
palco de batalha por sua libertação pelo Exército Iraquiano, e até mesmo em países
árabes aliados do Ocidente, como a Arábia Saudita (país muçulmano sunita e wah-
29 O Wahabismo consiste na ideologia islâmica fundada por Mohammed Ibn Abd al-Wahhab (1703- abista)32.
1792) e que prega a absoluta soberania de Deus. Rejeita, ainda, qualquer utilização de imagens, como
Santos em tumbas, por exemplo, que devem ser destruídas. Mohammed Ibn Abd-Wahhab era contrário Tal processo, em termos de dinâmicas das violações, guarda diferenças se com-
a qualquer espécie de inovação ou modernização na sociedade islâmica, que deve retornar às origens parado com estupros em massa até hoje debatidos, como nos casos de violações
puras da primeira geração do Islã – os Salafis (daí o termo Salafismo). O Wahabismo é a ideologia que praticadas por soldados soviéticos ao entrarem em território alemão, ao final da
inspira o Estado Islâmico e demais ações fundamentalistas. É também a fonte ideológica preponde-
rante no Reino da Arábia Saudita. Para maior detalhamento sobre a ideologia Wahabista, consulte: segunda guerra mundial ou aqueles praticados pelas tropas japoneses em Nanquim,
https://global.britannica.com/topic/Wahhabi - acesso em 1.3.17. em dezembro de 1937.
30 Muitas mulheres Yazidis, temendo o pior, se diziam casadas; para serem mais convincentes, pe-
diam a sobrinhos, sobrinhas e irmãos mais novos, que se dissessem seus filhos. O ISIS providenciou
uma médica para examinar e comprovar que em casos tais estava-se diante de uma mulher não virgem, 31 Para mais informações https://www.hrw.org/news/2016/04/05/iraq-women-suffer-under-isis -
portanto, casada. Há relatos, ainda, dando conta de que vizinhos árabes apontavam mulheres que acesso em 1.3.17.
eram, na verdade, solteiras. http://www.ohchr.org/Documents/HRBodies/HRCouncil/CoISyria/A_ 32 http://ahtribune.com/world/north-africa-south-west-asia/1221-yazidi-sex-slaves.html - acesso
HRC_32_CRP.2_en.pdf - acesso em 1.3.17. em 4.3.17.
170 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 171

A realidade existente para as mulheres e meninas Yazidis ainda em poder do Os estudos acerca dos estupros de guerra e estupros genocidas, visam também
Estado Islâmico, além do trauma de terem sido separadas de suas famílias e do esclarecer as suas consequências na seara dos denominados core crimes33. Acres-
assassinato de seus pais, mães e avós, implica no suplício dos estupros e agressões cente-se como fonte que vem também impulsionando tal evolução acadêmica os
diários e revendas (com ou sem os filhos pequenos) para outros homens do ISIS precedentes dos Tribunais Criminais Internacionais para Ruanda34 e para a ex-Iu-
(grande parte das vítimas foi revendida inúmeras vezes). goslávia35.
Entretanto, tal escravização sexual é controlada de forma absoluta pelos res- Neste sentido, podemos citar as lições da pesquisadora e Professora Assistente
pectivos comandos. Nada ocorre sem sua ciência e apenas os homens autorizados da Faculdade de Filosofia da Universidade do Kentucky, Dra. Natalie Nenadic e
podem comprar suas vítimas e violenta-las como desejar. Vale dizer: tais mulheres e que estabelece alguns delineamentos interessantes36. Assim, no que tange aos estu-
meninas são consideradas objetos, espólios de guerra e mercadoria. Não são consi- pros praticados contra mulheres e meninas em situações de guerra, portanto, em meio ou
deradas seres-humanos, por serem mulheres e por serem Yazidis. ao término dos combates, são características de tal contexto:
A combinação destes dois fatores, de gênero e étnico, constitui o elemento
a. Excessos nos atos de guerra praticados por todos os lados. Ex.: o tratamento
autorizador do genocídio de tal povo, para o ISIS e seus soldados.
brutal imposto aos prisioneiros, combatentes e/ou civis e os estupros pratica-
Neste ponto, é preciso ainda ser apontado outro instrumento de violência ao
dos por soldados de ambos os lados. Eles podem ocorrer de modo aleatório e
gênero feminino, consistente na lavagem cerebral imputada às mulheres muçul-
em massa contra as mulheres e meninas que vivam em certas regiões de terras
manas ou convertidas que passam a compor a chamada brigada feminina da ISIS
invadidas e tomadas aos inimigos e, em outras regiões do mesmo país ou terri-
(Al-Khansaa Brigade), responsáveis pela fiscalização, exercício do poder de polícia
tório, simplesmente não ocorrerem, seja por decisão dos próprios combatentes,
religioso em relação às demais mulheres e imposição de estrita observância às leis
seja por força de um comando eficiente sobre os soldados comandados.
da Sharia segundo a versão adotada pelo ISIS, principalmente. São estas mulheres
radicalizadas e militarmente treinadas as responsáveis por patrulhar as ruas das b. Os estupros, em casos tais, ocorrem em massa, sem organização sistêmica e
cidades dominadas pelo ISIS, exigindo o cumprimento das rígidas normas de com- sem objetivos previamente traçados. Não há, neste cenário, o prévio estabele-
portamento impostas pelo regime, bem como aplicando castigos físicos, o que não cimento de diretrizes traçadas pelas esferas superiores de comando, quanto ao
deixa de ser outra forma de violência voltada para as mulheres. cometimento das violações sexuais.
É evidente que tal brigada feminina não impede – não tem poder para tanto
- as violações sexuais perpetradas contra as mulheres, especialmente as meninas c. Nos cenários de guerras e combates, por força de avanços da tropa sobre o
Yazidis. território tomado, os estupros podem ser cometidos em grande quantidade
Neste ponto, pelo qual ressaltamos as dinâmicas de violência sexual específicas (em massa) – como no caso de Nanquim (1937) ou da Alemanha (1945) – ou,
sob rígido controle do ISIS, praticadas contra as meninas Yazidis, torna-se necessá- ainda, como dito acima, em quantidades menores.
rio estabelecer uma distinção quando da violência sexual (ou mais especificamente
o estupro) praticada em palcos de operações de guerra, ou quando praticados em d. Do ponto de vista jurídico, os estupros praticados sob tais cenários constituem
situações de processos genocidas em curso. violação às leis e costumes de guerra. Estabelece, por exemplo, o inciso VI, alí-
nea “e”, ítem “2”, do artigo 8º do Estatuto de Roma, que é conduta violadora das
leis e costumes de guerra o cometimento de atos de agressão sexual, escravidão
sexual, prostituição forçada, gravidez à força, tal como definida na alínea “f ” do
4. ESTUPROS DE GUERRA E ESTUPROS GENOCIDAS
parágrafo 2º do artigo 7º; esterilização à força ou qualquer outra forma de vio-
(WAR RAPES E GENOCIDAL RAPES) lência sexual que constitua uma violação grave do artigo 3º comum às quatro
Convenções de Genebra37.
Assim, podemos distinguir a relação sexual forçada (estupro) praticada
num contexto de guerra ou aquela praticada num contexto de genocídio, na medida
em que causas e objetivos podem ser distintos, ainda que a dinâmica seja a mesma: 33 Crime contra a humanidade, crime contra as leis e costumes de guerra e crime de genocídio.
a grave violência praticada contra uma mulher ou contra uma menina, forçada a 34 Para mais informações acesse http://unictr.unmict.org/.
manter relações sexuais com seu perpetrador. 35 Para mais informações acesse http://www.icty.org/.
36 Para mais informações acesse https://youtu.be/zBOCPAzDA98.
37 Para mais informações acesse https://www.icc-cpi.int/nr/rdonlyres/ea9aeff7-5752-4f84-be-
94-0a655eb30e16/0/rome_statute_english.pdf
172 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 173

Já na hipótese dos estupros praticados contra mulheres e meninas nos contex- perpetrador. A finalidade almejada é o extermínio dos indivíduos pertencentes
tos genocidários, algumas peculiaridades são também verificáveis: ao grupo-alvo (Tutsis, Yazidis, as populações negras no Sudão etc.).
a. Destruição sistêmica e planejada de um grupo étnico, racial, nacional, religioso,
d. Os estupros, sob tal contexto, poderão ser considerados crimes de guerra, ins-
praticada pelo lado perpetrador. Não há ações aleatórias como ocorre nas situa-
trumento para a prática de genocídio (crime de genocídio) e, também, crimes
ções de estupros de guerra. Por exemplo, as vítimas não são escolhidas a esmo,
contra a humanidade.
mas segundo seu pertencimento a um dos grupos acima. Logo, neste caso, além
do fator gênero, conjuga-se o fator grupo, como determinantes da escolha da De qualquer modo, tanto nas hipóteses de estupros de guerra, quanto na hipó-
vítima. No genocídio de Ruanda (1994), muitas vezes a violência sexual e o as- tese de estupros genocidas, a visão patriarcal e de submissão nutrida por sociedades
sassinato em sequência eram precedidos de uma breve análise sobre pertencer cujos processos educacionais e culturais não estabelecem parâmetros de formação
a vítima à etnia Hutu, Tutsi ou, ainda, ser mestiça. baseados na igualdade e no respeito entre os gêneros, encontra-se na raiz de padrões
de comportamento que, se em tempos de paz já se revelam extremamente lesivos
b. Violência sexual também em massa, neste contexto, porém com organização para as mulheres e meninas, tornam-se trágicos e letais para o gênero feminino em
sistêmica e escopo bem definido: destruir o grupo. No exemplo do caso bósnio, tempos de guerra, conflitos e extermínios.
em que pesem debates sobre ter se tratado de um genocídio, ou não, fato é que Some-se a tal opinião, o fato das estruturas internacionais, normativas e inter-
não pairam dúvidas sobre ter-se tratado de um processo de limpeza étnica e ventivas, basearem suas decisões e ações em parâmetros traçados que consideram o
que encontrou na gravidez forçada instrumento para alteração da composição homem a principal vítima, sem consideração primordial às mulheres, meninas, bem
étnica da geração nascida de tais violações sexuais. O objetivo dos estuprado- como a outro grupo-alvo já tradicional em tais conflitos, quais sejam, os homosse-
res era claro e bem definido. Ainda no caso de Ruanda, a prévia organização xuais e transexuais.
desceu ainda a detalhes mais específicos com a finalidade de buscar o extermí- Gradualmente, entretanto, a intersecção entre os crimes sexuais cometidos em
nio de todas as mulheres Tutsis do país: batalhões de estupradores infectados cenários de genocídios, como o caso da meninas Yazidis, começam a ser reconheci-
com vírus HIV foram organizados antes do início dos estupros38; a crueldade dos pelas esferas e autoridades internacionais, como no caso a definição das Nações
mediante as quais tais violações eram cometidas (muitas vezes diante de pais Unidas, que estabelece a violência sexual em conflitos como aquela que ocorre durante ou
e filhos; ou mediante a obrigação imposta sob armas, de um filho violentar a após o conflito, guardando com ele um nexo direto ou indireto de causalidade40.
própria mãe, sendo morto a seguir) tinha por escopo inviabilizar a continuida- No mesmo sentido Torelly, que relaciona e especifica a violência sexual nos
de da vida para as mulheres vitimadas. Neste sentido, correta a interpretação conflitos armados como aquela ligada ao fato da existência de tal conflito (TOR-
do Tribunal Criminal Internacional para Ruanda em se considerar o estupro RELY, on line), bem como ressalta a presença dos estereótipos sociais que recaem
como instrumento para prática do genocídio, inclusive subsumindo a conduta sobre a mulher em tempos de paz, ao citar Juan Méndez, relator especial das Nações
ao disposto pelo artigo 2º, alínea “b” da Convenção para Prevenção e Repressão Unidas para a Tortura, que critica a ausência de uma abordagem mais inspirada por
do Crime de Genocídio, de 9 de dezembro de 1948. uma perspectiva de gênero, nos termos seguintes:

c. Os estupros ocorrem, via de regra, com alta frequência e de modo uniforme no


contexto de um genocídio desencadeado, na medida em que há o prévio esta- […] Historicamente o conceito de tortura e maus tratos evoluiu em resposta
belecimento de diretrizes e objetivos pelas hierarquias superiores dos grupos a práticas e situações que afetavam desproporcionalmente aos homens. As-
sim, a análise … falha em adotar uma abordagem de gênero ou interseccional,
perpetradores. Assim ocorreu na região do Darfur (Sudão), durante o exter-
ou em avaliar adequadamente o impacto da discriminação estrutural e de es-
mínio dos grupos negros pelas forças oficiais do governo árabe, bem como por truturas de poder e estereótipos de gênero reproduzidos socialmente […] 41.
forças paramilitares (Janjaweed)39 ou durante o genocídio de Ruanda, pelas
milícias Interahamwe. A ação genocida é a regra e os estupros um de seus
principais instrumentos. O objetivo final não é a submissão das mulheres do Portanto, devem ser considerados, na análise da violência sexual pra-
inimigo (aqui uma das raízes culturais e antropológicas na consideração da ticada contra as mulheres em contextos de conflitos armados e genocídios,
mulher como mero objeto ou inferior ao homem) ou a satisfação sexual do bem como na busca de aperfeiçoamento dos mecanismos de inibição e pro-
38 Para mais informações acesse http://scholarship.law.berkeley.edu/cgi/viewcontent.cgi?arti-
cle=1241&context=bjil. 40 Para mais informações acesse UN, A/65/592-S/2010/604,§05.
39 Para mais informações acesse http://www.un.org/News/dh/sudan/com_inq_darfur.pdf. 41 Para mais informações acesse UN, A/HRC/31/57,§05 - https://youtu.be/a5grokGIEUY.
174 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 175

teção a tais vítimas, também alguns erros de avaliação localizados numa pro- Cone Sul43. Vale ressaltar que outras agressões à condição feminina foram também
vável discriminação estrutural presente nas estruturas de poder e nos estereótipos sistematicamente praticadas nestes contextos, como por exemplo o sequestro de
de gênero reproduzidos socialmente (MENDEZ apud TORRELY, on line). bebês de presas políticas encarceradas – clandestinamente, na maioria das vezes,
Em suma, os conflitos não “criam” tal violência; potencializam-na. A como no caso argentino44. É significativo que um dos mais célebres movimentos
de resistência argentina no mundo, comprometido com a busca da verdade e da jus-
violência tem origem e raízes em momento que precede ao colapso das ins-
tiça, seja exatamente a entidade de direitos humanos conhecida como Las Madres
tituições e dos mecanismos de inibição, durante guerras e genocídios. Ca-
de Plaza de Mayo45.
tegorias tais de violência de gênero presentes antes, durante e depois dos De fato, a visão que recai sobre a mulher nas sociedades patriarcais e mais
conflitos. conservadoras a relega ao papel secundário e de suporte ao homem. Este, o homem,
quando alcança o ápice social tem na posse da mulher o troféu e símbolo de sucesso
e poder.
5. O ESTABELECIMENTO DE PADRÕES DE Daí a utilização de táticas de guerra voltadas para a conquista da mulher do ini-
migo, num primeiro estágio de análise da violência sexual num contexto de comba-
COMPORTAMENTO BASEADOS NO GÊNERO E tes: tal domínio transmite mensagens ao inimigo, marca os territórios conquistados
OS RISCOS DAÍ DECORRENTES - GENDERCIDE (já que a mulher violentada, estigmatizada pela comunidade e muitas vezes pela
própria família, jamais retornará à terra natal, abandonada às pressas ou onde sofreu
a violência) e, ainda, em certos contextos, altera a composição étnica local, exata-
A despeito das novas análises fruto da atenção que vem sendo despertada
mente o caso na guerra da Bósnia, o que é atualmente considerado crime contra a
entre os estudiosos dos fenômenos das guerras e genocídios sobre a violência sexual
humanidade pelo Estatuto de Roma46.
perpetrada contra mulheres e meninas desde os conflitos mais antigos na história
O crime do estupro em massa deve também ser considerado, ainda, como ins-
da humanidade, até os dias atuais, algumas considerações de ordem sociológica
trumento de extermínio quando suas dinâmicas e objetivos sofrem variações quanto
devem também ser apresentadas na tentativa de se alcançar uma compreensão mais
ao grau de crueldade e seus objetivos, conforme enfatizamos acima ao tratarmos
completa e adequada sobre o fenômeno.
das distinções entre os estupros de guerra e os estupros genocidas. Mas, trate-se de um,
Assim, como dito acima, parece claro que a violência sexual imposta às mu-
ou de outro, em ambos os casos o desencadeamento de sua ação criminosa guarda
lheres e meninas nos conflitos armados encontram raízes em categorias de vio-
profunda relação com os papéis e expectativas impostas pelas sociedades para o
lência bem anteriores ao citado conflito, em si mesmo considerado. Vale dizer: as
masculino e para o feminino, ainda em tempos de paz.
bases culturais, sociológicas, patriarcais etc. que inserem a mulher numa situação
Para alguns estudiosos, como Mary Anne Warren, que cunhou o termo gender-
reificada, preexistem aos conflitos. Ao término destes, desaparecem os campos de
cide para definir o extermínio deliberado de pessoas pertencentes a um particular
concentração e demais estruturas e figurações típicas de períodos de conflagração,
mas permanecem as bases violentas acima mencionadas (entenda-se, violência não
necessariamente física) e que farão das mulheres e meninas, novamente, as princi- 43 Sugerimos a leitura do artigo O Uso Objetivo e Subjetivo da Violência Sexual Durante a Ditadura
pais vítimas no próximo conflito42. de Segurança Nacional Brasileira, de Janaína. Athaydes Contreiras - http://www.apers.rs.gov.br/arqui-
vos/1482924634.2016.12.28_Anais_XIII_Mostra_Final.pdf#page=103
Não sem razão, pelas mesmas causas, também encontramos o recurso à vio- 44 Duhalde informa que em torno de 400 bebês foram sequestrados pelos militares argentinos que
lência sexual (especialmente os estupros) e contra a condição feminina em geral, ao atuaram nos órgãos clandestinos de sequestro, tortura e extermínio durante o período de exceção que
longo de outros processos sócio-políticos traumáticos, como no caso da repressão vigorou na Argentina (1976-1983): “Dentro del plan sistemático de la Junta Militar, estuvo el secuestro y
apropriación de los hijos de los desaparecidos: más de 400 niños fueron sus víctimas. Botín de guerra dentro
perpetrada em ditaduras contra mulheres opositoras presas pelos respectivos re- de la cosificada deshumanización de las personas: matar a los padres y apropiarse de los hijos...El calvário
gimes e consideradas como inimigas internas, como ocorreu com as ditaduras do de aquellas madres es inenarrable: el saber que el hijo que tiene em sus entrañas lo perderá al nacer, pero que
también ello importará su propia muerte, es de uma crueldad infinita...La natalidad tiene, em la naturaleza
simbólica de las relaciones humanas, el sentido opuesto a la mortalidad. El sentido de la natalidad pone em
crisis al totalitarismo: Ella representa la capacidad de los hombres para empezar algo nuevo, para añadir algo
próprio al mundo y ningún totalitarismo puede soportar esto [Arendt] (...).” (DUHALDE, 2013, p.89).
42 Gays, transexuais, lésbicas etc. também compõem grupo alvo muito visado durante guerras, mas- 45  b Sobre a entidade, consulte: http://madres.org/.
sacres e genocídios. Em relação aos homens heterossexuais e meninos, costumam ser imediatamente 46 Ver artigo 7º, item 1, alínea “d” combinado com item 2, alínea “f ” do referido Estatuto. Referido
assassinados (para eliminar combatentes resistentes) ou tomados como força de treinamento para dispositivo define gravidez forçada como a privação ilegal de liberdade de uma mulher que foi engravi-
combates. Tais constatações revelam a existência de dinâmicas próprias de extermínio de gênero nas dada à força, com o propósito de alterar a composição étnica de uma população ou de cometer outras violações
guerras, conflitos armados e genocídios. graves do direito internacional.
176 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 177

sexo (POWELL, 2011, p. 121), o estabelecimento de papéis baseados no gênero on Sexual Exploitation and Abuse by International Peacekeeping Forces in the Central
possui consequências tão letais quanto as rotulações baseadas nos preconceitos ra- African Republic).48
ciais, étnicos, políticos, religiosos ou nacionais47. Informa Powell que Warren, entre- Nas hipóteses das guerras e genocídios, deve ser ressaltado, os mecanismos
tanto, conceituou o termo gendercide para referir-se a outras estruturas de violências de inibição da violência sexual contra as mulheres e meninas encontram-se, via
e de assassinatos de gênero especificamente de pessoas do sexo feminino, como o de regra, colapsados. Não existe qualquer obstáculo institucional ou legal entre o
infanticídio de bebês do sexo feminino (comuns na Índia e a China), perseguição a perpetrador e suas vítimas, entregues que são à própria sorte. No caso de estupros e
mulheres consideradas bruxas ou feiticeiras em certas regiões do planeta, mutilação abusos sexuais outros praticados por soldados componentes das missões de paz das
genital feminina, proibição à mulher para reproduzir ou a ideologias misóginas. A Nações Unidas, investigações e responsabilizações são efetivadas. Não sem razão o
aplicação do termo gendercide para assassinato de gênero seletivo em massa (que pode Conselho de Segurança da ONU adotou, em 2016, a Resolução n° 227249 visando
ser de mulheres ou também de homens), resulta de interpretação reformulada por coibir referida prática por membros de suas missões de paz e diante das reiteradas
Adam Jones, sobre a definição de Warren. Jones, ao tratar da violência sexual contra notícias de abusos sexuais contra as populações locais, muitas verificadas nas regiões
mulheres em situação de conflitos, discute o tema vislumbrando os estupros se- da África Central.
guidos de assassinatos em massa, bem como seu uso deliberado para transmissão Daí a relevância do veredicto proferido pelo Tribunal Criminal Internacional
do vírus HIV, nas hipóteses de prática de estupros genocidas (POWELL, 2011, para Ruanda, na acusação contra Jean-Paul Akayesu, na medida em que sua decisão
p.122), tal como ocorreu durante o genocídio de Ruanda. consistiu na primeira condenação da história por crime de genocídio proferida por
De fato, se à mulher é destinado um papel social marcado pela submissão ao uma Corte Internacional; foi também a primeira decisão na qual condenou-se au-
homem, como ocorre em grande parte dos países, a visão que prevalece ao lon- tor de violência sexual praticada durante uma guerra civil e, finalmente, tratou-se
go do desenrolar dos conflitos armados é exatamente a da tolerância para com a do primeiro julgamento da história por um tribunal internacional que reconheceu o
violência sexual e a submissão das mulheres pertencentes ao combatente inimigo. estupro com um ato de genocídio, com a intenção de destruir um grupo50. Como afir-
Vale dizer: a violência sexual e contra a condição feminina – e, em nossa análise mamos acima, a respectiva Câmara de Julgamento entendeu que a prática dos estu-
presente, o estupro – são tolerados pois considerados efeito colateral da guerra, e não pros em massa contra mulheres e meninas Tutsis ocorreu inserida num contexto no
um crime de guerra e contra a humanidade em si próprio considerados e apenados qual o objetivo final era a destruição do grupo. Os requintes de crueldade praticados
adequadamente, dada a sua gravidade. E ainda que encontremos o reconhecimento pelos perpetradores radicais Hutus visava não permitir a manutenção, na mente e
do estupro como instrumento para a concretização de tais crimes, inclusive com no espírito das vítimas, da viabilidade de continuidade e reconstrução de suas vidas.
condenações já registradas nos precedentes dos tribunais penais internacionais, do Ao comentar a referida histórica decisão, William A. Schabas ressalta ponto
ponto de vista sociológico e cultural, é ainda considerado uma consequência própria importante neste reconhecimento (o estupro como ato de genocídio) por um tribunal
da condição submissa da mulher, considerada um troféu a ser tomado ao inimigo. criminal internacional, na medida em que tal resultado foi fruto de pressão de en-
A cultura prevalente sobre o papel da mulher em variadas regiões do globo tidades não-governamentais, especialmente formada por mulheres, inclusive ruan-
geram situações de violência sexual praticadas mesmo por parte daqueles que de- desas, e não de espontânea ação do procurador atuante no caso. Afirma Schabas
veriam zelar pela segurança das referidas vítimas, conforme se observa pelas narra- (2009, p. 187):
tivas, até mesmo, em relação às forças das Nações Unidas que vêm se empenhando
em combater tal prática por parte de soldados componentes das referidas forças
internacionais, como se depreende pela leitura, a título de exemplo, do Relatório […] Neste ponto, o julgamento de Akayesu constitui uma grande contri-
buição para o progressivo desenvolvimento das normas sobre genocídio. O
Independente de Revisão sobre Exploração Sexual e Abuso por Forças Internacionais de
reconhecimento de que a violência sexual se coaduna com os graves danos
Manutenção da Paz na República Centro-Africana (Report of an Independent Review corporais e mentais talvez não seja revolucionário. É também preciso que se
tenha em mente que as vítimas Tutsis estupradas foram assassinadas, tam-
bém, como regra geral...a Câmara de Julgamento anotou, também, que na
maioria dos casos os estupros de mulheres Tutsis, na localidade de Taba, fo-
47 Não é novidade, na sociologia, o debate acerca de eventual distinção entre o significado do termo
gênero e do termo sexo, mantendo aquele (sexo) conexão com aspectos biológicos e fisiológicos, en- 48 Para mais informações acesse http://www.un.org/News/dh/infocus/centafricrepub/Indepen-
quanto este último (gênero) designaria formulações, papéis e expectativas sobre o feminino e sobre o dent-Review-Report.pdf .
masculino, impostas por sociedades e culturas. Entretanto, referido debate, inclusive entre os estudio- 49 Para mais informações acesse http://www.refworld.org/docid/56e915484.html .
sos do fenômeno do genocídio, vem perdendo força, sendo opinião crescente entre pesquisadores e 50 Para mais informações acesse https://www.hrw.org/news/1998/09/02/human-rights-watch-ap-
ativistas a complementariedade e a mútua interação entre as formulações de sexo e gênero. plauds-rwanda-rape-verdict .
178 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 179

ram acompanhados da intenção de matar aquelas mulheres. De qualquer for- aos direitos humanos, dentre outros, como verificado no caso Akayesu, julgado pelo
ma, a histórica banalização na prática de tais crimes violentos direcionados Tribunal Internacional Criminal para Ruanda.
especialmente contra mulheres gerou impactos nas acusações de genocídio É necessário que os estudos e interpretações acerca das dinâmicas que marcam
assim como ocorreu nos casos de acusações por crimes de guerra e crimes os crimes de guerra, crimes contra a humanidade e crime de genocídios passem a ter
contra a humanidade. O Procurador...” – Schabas se refere ao acusador no
a perspectiva de gênero como norte para sua mais completa compreensão, tipificação
caso Akayesu – “...não incluiu os crimes baseados no gênero, no indiciamento
inicial. Foi apenas no decorrer do julgamento, após pressões de organizações
e punição dos perpetradores.
não-governamentais, que o indiciamento foi emendado [...]51. (tradução li- No mesmo sentido, a Convenção para Prevenção e Repressão contra o Crime de
vre) Genocídio de 1948 deve ter sua interpretação ampliada para incluir o extermínio em
razão do gênero como elemento para caracterização do referido crime (de genocí-
dio), em que pese a bem-vinda subsunção do estupro como ato de genocídio e aten-
Referida constatação de Schabas demonstra, talvez, uma certa falta de sensibi- tado por impor às suas vítimas graves danos corporais e mentais, tal como disposto
lidade até mesmo por parte de componentes das estruturas internacionais e de seus pelo artigo 2º, alínea “b” da referida Convenção.
mecanismos de inibição para melhor compreensão sobre os elementos de gênero No que tange às normas internacionais e toda a sua sistemática, também de-
contidos em certas dinâmicas e em alguns processos de imposição de violência se- vem ter em consideração, quanto à sua leitura e exegese, que as primeiras vítimas
xual sobre grupos-alvos, nos cenários de guerras e genocídios. de tais conflitos são civis e, dentre estes, as mulheres e meninas, exatamente como
De qualquer modo, referido julgamento constitui um marco para o aperfei- ocorreu – e ainda ocorre – com as meninas e mulheres Yazidis desde 3 de agosto de
çoamento dos sistemas convencionais, legais e judiciais protetivos das mulheres e 2014 (data da invasão da região de Sinjar pelo Estado Islâmico), vendidas – e re-
meninas presentes nos palcos de operação de guerra ou genocidários. vendidas - em mercados no Iraque e na Síria, como escravas sexuais, não sem antes
Afinal, o caso Akayesu reconheceu a interseccionalidade entre o crime de es- terem seus preços e imagens catalogados na internet.
tupro genocida e o elemento da etnicidade. O Tribunal Criminal Internacional para Neste cenário, no caso específico das meninas Yazidis vitimadas durante a
Ruanda (ICTR) reconheceu que as mulheres vitimadas tornaram-se alvos devido à guerra da Síria, tanto em solo sírio quanto iraquiano, necessário é que o sistema
sua etnia (Tutsis) e em razão das visões e opiniões dos Hutus perpetradores sobre penal internacional protetivo dos direitos humanos forneça uma resposta efetiva no
as mulheres Tutsis, enquanto mulheres. Cuidamos, aqui, da evolução da idéia do es- sentido do julgamento dos combatentes – não apenas do Estado Islâmico – pela
tupro como instrumento para o genocídio, além de arma de guerra. prática de estupros de guerra e estupros genocidas, ao menos pelas violações aos
crimes de guerra (Direito de Genebra) e como ato de genocídio.
Significa afirmar que o sistema internacional protetivo dos direitos humanos
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS não pode deixar de exercer e concretizar sua principal função: romper com um sta-
tus quo letal para as mulheres e meninas em situação de conflitos armados. Referido
sistema deve caracterizar-se como fator de mudanças e de eliminação com condutas
Os avanços verificados pela sedimentação de interpretações mais voltadas toleradas já há séculos durante as guerras, consistentes na prática de crimes sexuais
para uma perspectiva de gênero acerca das violações sexuais e, em geral, contra a contra vítimas vulneráveis e indefesas, em tais contextos. Neste sentido, a responsa-
condição feminina, em contextos de conflitos armados internacionais e guerras ci- bilização das estruturas de comando mostra-se, também, indispensável.
vis, incluídos os genocídios, são ainda tímidos e fruto dos esforços de movimentos O desafio maior, entretanto, consiste no tratamento das causas de tal espécie
não governamentais feministas, de familiares das vítimas, entidades de proteção de violência, na medida em que a origem da violência de gênero reside nos estereó-
tipos dominantes nas sociedades em tempos de paz, especialmente as sociedades
predominantemente patriarcais e que impõem expectativas de comportamentos e
51 “...On this point, the Akayesu judgment constitutes a major contribution to the progressive development de papéis para homens e mulheres, meninos e meninas. Daí a importância de dis-
of the law of genocide. The recognition that sexual violence accords with serious bodily and mental harm is posições como o artigo 2º da Convenção das Nações Unidas contra todas as formas de
perhaps not revolutionary. It should also be borne in mind that the Tutsi victims of rape were also murdered, discriminações contra as mulheres52 e que determina aos Estados Partes que adotem
as a general rule…the Trial Chamber noted that ´in most cases, the rapes of Tutsi women in Taba, were ac-
companied with the intent to kill those women´. Nevertheless, the historic trivialization of such crimes of vio- todas as medidas apropriadas para:
lence directed principally against women impacted upon the prosecution of genocide as it did upon war crimes
and crimes against humanity. The Prosecutor did not include gender-based crimes in the initial indictment of
a. Modificar os padrões sócio-culturais de conduta de homens e mulheres, com
Akayesu. It was only midway through the trial, after pressure from non-governmental organizations, that
the indictment was amended […].” 52 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4377.htm - acesso em 6.3.2017.
180 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 181

vistas a alcançar a eliminação dos preconceitos e práticas consuetudinárias e estruturas públicas responsáveis pela inibição de comportamentos sexistas, machis-
de qualquer outra índole que estejam baseados na idéia da inferioridade ou tas e violentos contra meninas e mulheres.
superioridade de qualquer dos sexos ou em funções estereotipadas de homens Conforme explica Ana Claudia Pompeu Torezan Andreucci, ao comentar o
e mulheres; e, Relatório da OIT intitulado Trabalho e Família: Rumo a Novas Formas de Conciliação
com Corresponsabilidade Social, necessário é a busca por uma cultura marcada pela
b. Garantir que a educação familiar inclua uma compreensão adequada da ma- predominância de maior sensibilização cultural como norte construtor da cidadania:
ternidade como função social e o reconhecimento da responsabilidade comum
de homens e mulheres no que diz respeito à educação e ao desenvolvimento de
seus filhos, entendendo-se que o interesse dos filhos constituirá a consideração As atitudes em relação às desigualdades e discriminações entre homens e
primordial em todos os casos. mulheres só sofrerão alteração quando se instaurarem mecanismos de sensi-
bilização e conscientização social. Lembrando-se, todavia, que a discrimina-
Demonstrado está, claramente, que referidos padrões discriminatórios e ção não é uma decorrência apenas das leis, mas dos condicionamentos psi-
baseados no gênero evoluem para comportamentos absolutamente letais para o coculturais advindos de mitos e crenças enraizados na estrutura da sociedade
sexo feminino quando do colapso das instituições e dos mecanismos de inibição da patriarcal em que vivemos, contra os quais homens e mulheres devem se in-
violência sexual em cenários de guerras e genocídios. surgir. (ANDREUCCI, 2012, p. 195).
Os processos educativos devem ser revistos no sentido da implementação da
cultura de respeito à dignidade da mulher, que não pode ser vista como uma cate-
São exatamente tais alicerces culturais e patriarcais que sustentam, pela raiz,
goria de cidadãos cujos direitos, prerrogativas e poder de decisão devam sempre ser
as categorias de violência preexistentes às guerras e genocídios que, durante o curso
considerados, respeitados e efetivados à sombra das mesmas prerrogativas titulari-
destes, em face do colapso civilizacional próprio de tais períodos, conduzem meni-
zadas pelos homens.
nas e mulheres à absoluta vulnerabilidade e ao seu extermínio, inclusive, por meio
A valorização e o respeito à dignidade da mulher e ao gênero feminino mos-
da violência sexual.
tra-se de vital importância neste processo de revisão das linhas educacionais nas
É preciso que mulheres e homens lutem juntos para efetivação de mudanças
sociedades contemporâneas, nas quais o grau de violência parece voltar a crescer,
de padrões culturais que obstaculizam a efetividade da dignidade de mulheres e
especialmente em países como o Brasil53, Índia54, Rússia (cuja Câmara Baixa –
meninas inerentes à sua condição humana e tuteladas pelas normas internacionais
DUMA – aprovou Projeto de Lei em janeiro de 2017, descriminalizando a violên-
protetivas dos direitos humanos.
cia doméstica que não cause danos à saúde55), dentre outros países. Nota-se, clara-
O que não se pode mais admitir é a indiferença; indiferença em relação à
mente, o predomínio da visão que prepondera sobre as mulheres, relegando-as a um
violência discriminatória e de gênero, cotidiana nas sociedades contemporâneas;
papel privado da condição humana e de todas as garantias e prerrogativas que lhes
indiferença quanto à escravização sexual de meninas e mulheres, vendidas em mer-
são inerentes. Tal cenário é o combustível que impulsiona a prática dos estupros em
cados abertos e com preços tabelados na internet. Temos aí a barbárie oriunda da
massa durante os conflitos armados e genocídios.
indiferença pela humanidade, governos e organizações internacionais.
O modo pelo qual os meninos são educados deve ser urgentemente revisto
E, como afirmou Ellie Weisel, o oposto da vida não é a morte, é a indiferença.
a partir de consensos internacionais e nacionais; por meio da implementação de
O martírio de mulheres e meninas nas guerras e genocídios resulta exatamen-
políticas públicas de saúde, de educação, de cultura e, ainda, pela maximização das
te da indiferença e cumplicidade das instituições, das sociedades, de homens e tam-
bém mulheres, que em tempos de paz alimentam e toleram, nem sempre de modo
consciente, os estereótipos letais ao gênero feminino, privado de voz, de vontade e
53 Uma mulher foi agredida a cada três minutos no carnaval de 2017 na cidade do Rio de Janeiro de projeção no espaço público, o nos remete ao pensamento Arendtiano:
- http://racismoambiental.net.br/2017/03/03/uma-mulher-foi-agredida-a-cada-3-minutos-duran-
te-o-carnaval-no-rio/ - acesso em 5.3.2017.
54 O debate sobre como combater a cultura de estupros na Índia é mundialmente conhecido em
face de casos de violência sexual praticada por gangues de estupradores e que ganharam as manchetes
[...] Viver uma vida inteiramente privada significa, acima de tudo, estar priva-
de todo o mundo, demonstrando a vulnerabilidade das jovens mulheres na Índia em face da cultura do de coisas essenciais a uma vida verdadeiramente humana: estar privado da
machista lá vigente, que inclusive dita o comportamento de parte das autoridades responsáveis por realidade que advém do fato de ser visto e ouvido por outros, privado de uma
investigar e punir eventuais perpetradores - https://shorensteincenter.org/rape-culture-india-english- relação ‘objetiva’ com eles decorrente do fato de ligar-se e separar-se deles
-language-press/ - acesso em 5.3.2017. mediante um mundo comum de coisas, e privado da possiblidade de realizar
55 Para mais informações acesse http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,russia-descrimi-
naliza-violencia-domestica-que-nao-cause-danos-a-saude,70001643565 – acesso em 5.3.2017.
algo mais permanente que a própria vida. A privação da privatividade reside
182 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo IX - 183

na ausência de outros; para estes, o homem privado não aparece, e, portanto, é TORELLY, Marcelo. Disponível em: https://youtu.be/a5grokGIEUY. Acesso em: 5 mar.
como se não existisse. O que quer que ele faça permanece sem importância ou 2017.
consequência para os outros, e o que tem importância para ele é desprovido
UN, A/65/592-S/2010/604,§05.
de interesse para os outros (ARENDT, 2013, p. 71).

É preciso que se dê a ruptura de tais estereótipos de opressão, sob pena de


permitirmos a continuidade dos extermínios baseados na discriminação de gênero.

7. REFERÊNCIAS

ANDREUCCI, Ana Claudia Pompeu Torezan. Igualdade de Gênero e Ações Afirmati-


vas: Desafios e Perspectivas para as Mulheres brasileiras pós-Constituição Federal de 1988,
São Paulo: LTr, 2012.
ARENDT, Hannah. A Condição Humana. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2013.
BROWNMILLER, Susan. Against Our Will. Toronto: Bantam Books,1986.
DUHALDE, Eduardo Luis. Es Estado Terrorista Argentino. Buenos Aires: Colihue, 2013.
INSTITUTO HUMANITAS UNISINOS. Quem são os yazidis, alvo dos jihadistas do
Estado Islâmico? 2014. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/noticias/534276-quem-
-sao-os-yazidis-alvo-dos-jihadistas-do-estado-isl%C3%A2micoAcesso em: 13 mar. 2017.
JONES, Adam. Genocide: A Comprehensive Introduction. Routledge – Taylor & Francis
Group, New York, 2011.
LOUREIRO, Heitor de Andrade Carvalho. Genocídio Armênio (1915-1923: Massacre,
Deportações e Expropriação. Conflitos Armados, Massacres e Genocídios: Constituição
e Violações do Direito à Existência na Era Contemporânea. In: ZAGNI, Rodrigo Medina
Zagni; BORELLI, Andrea (orgs.). Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.
PEREIRA, Flávio de Leão Bastos. O Genocídio de Srebrenica. Conflitos Armados, Mas-
sacres e Genocídios: Constituição e Violações do Direito à Existência na Era Contempo-
rânea. In: ZAGNI, Rodrigo Medina Zagni; BORELLI, Andrea (orgs.). Belo Horizonte:
Fino Traço, 2013.
POWELL, Christopher John. Barbaric Civilization: A Critical Sociology of Genocide. Mc-
Gill-Queen´s University Press, 2011.
SCHABAS, William A. Genocide In International Law: The Crime of Crimes. 2. ed. Cam-
bridge: Cambridge University Press, 2009.
SCHAPIRO, Avi Asher. Who Are the Yazidis, the Ancient, Persecuted Religious Mino-
rity Struggling to Survive in Iraq?. National Geographic. 2014. Disponível em: http://
news.nationalgeographic.com/news/2014/08/140809-iraq-yazidis-minority-isil-reli-
gion-history/. Acesso em: 1 mar. 2-017.
SMITH, Andrea. Conquest: Sexual Violence and American Indian Genocide, MA: South End
Press Cambridge, 2005.
184 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo X - 185

X
O DIREITO INTERNACIONAL DOS
REFUGIADOS E AS QUESTÕES RELACIONADAS
À VIOLÊNCIA DE GÊNERO: CONTRIBUIÇÕES
DA CONVENÇÃO DE ISTAMBUL NA PROTEÇÃO
DE MULHERES E CRIANÇAS REFUGIADAS1

Tarin Cristino Frota Mont’Alverne


Professora da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Cea-
rá (UFC). Possui graduação em Direito pela Universidade de Forta-
leza (2001), mestrado em Direito Internacional Público - Université
de Paris V (2004), doutorado em Direito Internacional do Meio Am-
biente - Université de Paris V e Universidade de São Paulo (2008).

Ana Carolina Barbosa Pereira Matos


Doutoranda em Direito da Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre
em Direito em Ordem Jurídica Constitucional pela Universidade Federal
do Ceará (UFC). Especialista em Direito Processual Civil pela Universi-
dade de Fortaleza. Bacharel em Direito pela Universidade de Fortaleza.
Professora do curso de Direito do Centro Universitário Estácio do Ceará.

Resumo: É inegável que situações de deslocamento forçado são capazes de gerar efeitos
nefastos sobre os seres humanos, no entanto, homens e mulheres podem ser afetados de
maneiras diferentes. O presente artigo se limitará a analisar a necessidade de proteção dife-
renciada em relação às mulheres e meninas refugiadas e solicitantes de refúgio. O trabalho
ora desenvolvido tem como objetivo principal discutir de que forma o direito internacional
tem contribuído para a diminuição da vulnerabilidade de refugiadas e solicitantes de refúgio
do sexo feminino. No que concerne ao método de investigação adotado, a pesquisa cons-
truir-se-á a partir de análise bibliográfica e documental. Segundo a utilização de resultados,
trata-se de uma pesquisa aplicada. No que tange à abordagem, a pesquisa é qualitativa, por

1 INTERNATIONAL REFUGEE LAW AND ISSUES RELATED TO GENDER VIO-


LENCE: CONTRIBUTIONS OF THE ISTANBUL CONVENTION ON THE PROTEC-
TION OF WOMEN AND REFUGEE CHILDREN
186 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo X - 187

fim, no que se refere aos objetivos, trata-se de uma pesquisa explicativa. A pesquisa desen- Ademais, o simples fato de ser do sexo feminino pode dificultar bastante a
volvida verificou a existência de uma lacuna legal no que tange a tutela e proteção de direitos busca por refúgio, sendo muitos os fatores que podem dificultar que uma mulher
consagrados especialmente para a proteção de mulheres e meninas refugiadas. Diante deste se desloque até outro país para solicitar o reconhecimento de sua condição de re-
vácuo jurídico foi editada a Convenção de Istambul que tratou expressamente da necessi- fugiada.
dade de serem estabelecidas práticas diferenciadas e mecanismos de proteção especiais para
Dentre as dificuldades que poderão vir a ser experimentadas, destacam-se: as
a proteção das refugiadas. A referida Convenção pode vir a representar um grande avanço
para a proteção dos direitos das mulheres dentro do regime legal internacional acerca do
restrições quanto à sua liberdade de locomoção em seu país de origem; a falta de
direito dos refugiados. acesso a documentos de viagem, apenas por ser do sexo feminino; o fato de muitas
vezes serem vítimas de violência sexual durante a travessia (ACNUR, 2009, p. 40).
Palavras-chave: Convenção de Istambul. Direito internacional dos refugiados. Gênero. Re- Acrescente-se que, um dos motivos que podem ter levado a essas mulheres a
fugiadas e solicitantes de refúgio do sexo feminino. tentarem buscar refúgio em outro país pode ter sido a falta de proteção estatal em
seu país de origem contra as violências de gênero5 sofridas.
Observa-se que homens e mulheres podem ser afetados de maneiras dife-
rentes no que se refere a questões de deslocamento forçado, assim é essencial a
1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS concessão de tratamento diferenciado para as solicitantes de refúgio e refugiadas
(WCRWC, 2010, p. 01).
Com a crise internacional de refugiados que se instaurou no mundo, especial- Apesar de serem vislumbradas várias questões relacionadas ao gênero que me-
mente a partir do ano de 2014 com o agravamento do número de deslocados oriun- recem ser discutidas no que tange à proteção de vítimas de deslocamentos força-
dos da Síria, a questão da proteção internacional dos refugiados ganhou proporções dos internos e apatridia, a pesquisa ora desenvolvida pretende se debruçar sobre a
semelhantes àquelas vistas no período da Segunda Guerra Mundial. análise da necessidade de proteção diferenciada em relação às mulheres e meninas
De acordo com dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Re- refugiadas e solicitantes de refúgio, haja vista a urgência do tema diante da crise
fugiados – ACNUR de Abril de 2017, em relação aos sírios, do total de mais de atualmente instalada na Europa.
5 milhões de deslocados, 48,5% são do sexo feminino2. Percentual semelhante é O presente artigo tem por escopo discutir de que forma o direito internacional
verificado no que se refere ao número total refugiados em todo mundo, destes apro- tem contribuído para a diminuição da vulnerabilidade de refugiadas e solicitantes
ximadamente 50% são do sexo feminino (UNHCR, online). de refúgio do sexo feminino.
No Brasil, segundo dados divulgados pela Cáritas, o número de refugiados e Assim, a pesquisa está dividido em dois tópicos, no primeiro abordar-se-ão as
solicitantes de refúgio do sexo feminino vem crescendo, tendo passado de um per- previsões relacionadas aos direitos das mulheres constantes nas normas que inte-
centual de 13% do total no ano de 2013 para 36% no ano de 2016, além de ser cada gram o regime legal internacional sobre o direito dos refugiados.
vez mais comum a chegada no país de mulheres sozinhas ou acompanhadas apenas No segundo tópico serão discutidos os principais pontos da Convenção de
dos filhos menores para solicitar refúgio (MELLO, 2017, online). Istambul sobre a prevenção e o combate da violência contra a mulher e da violência
Em casos de refúgio, deslocamentos internos ou apatridia, as mulheres são um doméstica e a suas possíveis contribuições como instrumento legal capaz de mitigar
dos grupos mais vulneráveis, haja vista que o seu deslocamento forçado as expõem a vulnerabilidade de mulheres e crianças em situação de refúgio.
a riscos muito maiores do que aqueles enfrentados pelos homens nas mesmas con-
dições. 5 “The term ‘gender’ refers to ‘the social attributes and opportunities associated with be-
ing male and female and the relationships between women and men and girls and boys, as
Não é raro a mídia noticiar casos de estupro, espancamento e desrespeito well as the relations between women and those between men. These attributes are socially
aos direitos humanos mais básicos praticados contra mulheres e meninas desloca- constructed and are learned through socialization processes. They are context/timespecific
das3-4 – sejam estas deslocadas internas, solicitantes de refúgio ou, ainda, refu- and changeable. Gender determines what is expected, allowed and valued in a woman or
a man in a given context. In most societies there are differences and inequalities between
giadas. women and men in responsibilities assigned, activities undertaken, access to and control
over resources, as well as decision-making opportunities. Gender is part of the broader
2 Dados completos disponíveis em: < http://data.unhcr.org/syrianrefugees/regional.php > sociocultural context. Other important criteria for socio-cultural analysis include class, race,
3 Veja: Refugee Women and children ‘beaten, raped and starved in Libyan hellholes’. Disponível poverty level, ethnic group and age”(UNHCR, 2008, p.19). Diante do exposto, violência de
em: < https://www.theguardian.com/world/2017/feb/28/refugee-women-and-children-beaten-rape- gênero deve ser entendida como aquela praticada em decorrência das peculiaridades asso-
d-and-starved-in-libyan-hellholes > ciadas a pertença a um certo sexo, geralmente associada a pertença ao sexo feminino. No
4 Veja também: Women and children ‘endure rape, beatings and abuse’ inside Dunkirk’s refugee presente trabalho, o termo é utilizado para se referir a práticas violentas motivadas apenas
camp. Disponível em: < https://www.theguardian.com/world/2017/feb/12/dunkirk-child-refugees- pelo fato das vítimas pertencerem ao sexo feminino.
-risk-sexual-violence >
188 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo X - 189

opinião política passível de perseguição e discriminação6. Logo, as duas Conven-


2. O DIREITO INTERNACIONAL DOS REFUGIADOS ções citadas de maneira implícita também teriam garantido a proteção às mulheres
quando a perseguição contra elas se der com base neste tipo de opinião.
E A PROTEÇÃO DE MULHERES E MENINAS No que tange à vedação quanto às práticas discriminatórias, diante do en-
tendimento acima apresentado, a Convenção da OUA ainda teria contemplado de
No presente tópico será feita uma análise dos principais documentos inter- forma indireta a não discriminação contra refugiadas e solicitantes de refúgio do
nacionais de âmbito regional e universal, que formam o chamado regime legal do sexo feminino, pois prevê a vedação no que se refere à discriminação por pertença a
direito internacional dos refugiados, para se averiguar o tipo de proteção conferida um certo grupo social e por opiniões políticas.
por tais documentos para as refugiadas e solicitantes de refúgio do sexo feminino. A Declaração de Cartagena não tratou da questão da não discriminação de
A Convenção das Nações Unidas relativa ao Estatuto dos Refugiados de 1951, refugiados, no entanto, merece destaque o seu texto quanto às cláusulas de inclusão
bem como seu protocolo adicional de 1967, não tratou expressamente de questões consignadas para a definição de quem deve ser considerado como refugiado, haja
de gênero. vista que consagrou um conceito mais amplo, prevendo que também devem ser
Em uma análise do texto da Convenção percebe-se que, conforme exposto na considerados como refugiados aqueles que tenham fugido dos seus países porque a
introdução, as violências de gênero, assim como o sexo, não foram previstas como sua vida, segurança ou liberdade tenham sido ameaçadas por violação maciça dos
motivo de perseguição apto a garantir à vítima o reconhecimento de sua condição direitos humanos.
de refugiada. Apesar de não haver previsão expressa quanto à perseguição por sexo ou ques-
Ademais, ao tratar do dever de não discriminação dos Estados contratantes o tões de gênero na Declaração de Cartagena, o regime internacional de direitos
Estatuto dos Refugiados também não mencionou expressamente a não discrimina- humanos reconhece a necessidade de proteção diferenciada das mulheres - tendo
ção quanto ao sexo e/ou gênero. como principal fundamento legal a Convenção sobre a Eliminação de todas as
A Convenção da Organização da Unidade Africana - OUA também não Formas de Discriminação contra a Mulher -, logo, a violação de direitos básicos ga-
mencionou em caráter expresso como cláusula de inclusão prevista na definição de rantidos às mulheres e meninas deve ser interpretada como uma grave violação de
refugiado perseguições em virtude do sexo, gênero ou de violências de gênero. direitos humanos e, portanto, como cláusula de inclusão na condição de refugiado
Da mesma forma que a Convenção de 1951, a Convenção da OUA não con- nos termos da Declaração de Cartagena7.
signou uma vedação expressa de não discriminação por sexo ou gênero, mas apre- Além dos dispositivos já comentados, apenas a Convenção de 1951 versou
sentou um texto mais amplo que aquela, prevendo a proibição de discriminação por acerca da necessidade de observância das peculiaridades femininas e, em decorrên-
filiação em certo grupo social ou por opiniões políticas. cia destas, de um tratamento diferenciado para refugiados e solicitantes de refúgio
Ressalte-se que, apesar da falta de previsão expressa quanto às perseguições em do sexo feminino.
razão do sexo ou gênero nos documentos internacionais acima citados, o ACNUR Tal previsão, no entanto, se deu de maneira muito tímida e pontual, o Esta-
já reconheceu que o sexo pode ser incluído na categoria de “grupo social”. Para o tuto dos Refugiados, em seu artigo 24, que versa acerca da legislação do trabalho e
ACNUR (2002, p. 9), um grupo social, para os fins da Convenção de 1951, deve ser previdência social, previu que os Estados Contratantes deverão dar aos refugiados
entendido como sendo um grupo de pessoas que compartilham uma característica
comum, além do risco de serem perseguidas, sendo, muitas vezes, tal característica 6 “Tanto el ACNUR y los Estados Unido han afirmado que el término ‘opiniones políticas’, un mo-
inata, imutável e essencial para a identidade, consciência ou o exercício de direitos tivo de la Convención, incluye opiniones sobre los roles de género. Esto incluye el comportamiento no
conformista (como las mujeres que se niegan a someterse a la violencia) que le lleva a un perseguidor
humanos. a imputarle una opinión política a esa persona. No es necesariamente relevante si el individuo que
Em relação às mulheres, o ACNUR (2002, p. 9) reconheceu que estas formam solicita protección ha articulado la opinión en cuestión. La violencia sexual en represalia por opiniones
um grupo social definido por características inatas e imutáveis, recebendo geral- políticas reales e imputadas ha sido reconocida como una forma de persecución”. (ACNUR, 2015, p.
38)
mente um tratamento diferente daquele concedido a homens. 7 No que tange ao ordenamento jurídico brasileiro, destaque-se que a lei nº 9.474/97, que
Portanto, se a perseguição se der em relação à pertença ao sexo feminino, o que implementou o Estatuto dos Refugiados no Brasil, não versou acerca da vedação quanto a
seria aplicável para vítimas de violência de gênero, isto seria motivo suficiente para não discriminação, no entanto, adotou a definição mais ampla de refugiado proposta pela
garantir a proteção conferida pelo Estatuto dos Refugiados às mulheres e meninas. Declaração de Cartagena, garantindo o reconhecimento da condição de refugiado a toda
pessoa que devido a grave e generalizada violação de direitos humanos, é obrigado a deixar
Ademais, o ACNUR também já se posicionou no sentido de entender que seu país de nacionalidade para buscar refúgio em outro país (Art. 1º, III). Sendo assim, de-
o feminismo defendido por muitas mulheres pode também ser considerado como fende-se a possibilidade do reconhecimento da condição de refugiada a mulheres e meninas
vítimas de perseguição por questões de gênero pela legislação brasileira.
190 - Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade Capítulo X - 191

o mesmo tratamento que é dado aos nacionais acerca da regulamentação, dentre


outros temas, quanto ao trabalho das mulheres. 3. A NECESSIDADE DE PROTEÇÃO DIFERENCIADA DAS
A partir da análise do regime legal estabelecido pelo Direito internacional dos
refugiados, verifica-se que nenhum dos documentos analisados tratou da necessi- MULHERES PELO DIREITO INTERNACIONAL DOS REFUGIADOS:
dade de proteção diferenciada e de práticas necessárias para se garantir o bem-estar, A CONVENÇÃO DE ISTAMBUL NO CONTEXTO EUROPEU
a saúde e a integridade física de refugiadas e de solicitantes de refúgio do sexo
feminino, com o fito de pôr um fim ao ciclo de vulnerabilidade em que estas se
O Direito internacional dos refugiados surgiu no século XX como uma rami-
encontram ao sair de seus países de origem e que, por muitas vezes, acabam per-
ficação do Direito internacional dos direitos humanos10, estando a proteção dos
manecendo quando têm seus direitos humanos básicos desrespeitados nos países
refugiados baseada de certa forma na soberania dos Estados receptores, mas tam-
receptores, sejam ou não em campos de refugiados ou centros de detenção.
bém em princípios humanitários derivados do direito internacional geral (GOOD-
O Comitê CEDAW – Comitê para a Eliminação de todas as Formas de Dis-
WIN-GIL; MCADAM, 2007, p. 01).
criminação contra a Mulher defende que, em certas circunstâncias, apenas o trata-