Sie sind auf Seite 1von 9

Ensaio- O que é Magia do Caos –

Definindo CAOS
Introdução

Chaos, de acordo com o “Dicionario


Inglês de Oxford” Significa:
1. Um imenso vazio, brecha ou abismo.
2. Uma “forma amorfa vazia” de matéria primordial, o grande profundo ou
abismo dos quais o cosmos ou a ordem do universo evoluiu.
Ali estão um amontoado de definições adicionais, mas irrelevantes para essa
discussão.

Quando chaos é usado em magick, ali não há lugar para confusão ou desordem.

Chaos é o principio criativo por traz de toda a magick. Quando um ritual mágico é
executado, independente da “tradição” ou outras variáveis nos elementos da
execução, energia é criada com o intuito de fazer algo acontecer. Em seu livro,
‘Sorcery as Virtual Mechanics’, (Feitiçaria como Mecanica Virtual) Stephen Mace cita
um precedente cientifico para este princípio criativo.

Eu cito:

“Para manter simples, vamos limitar nosso exemplo a somente 2 elétrons, os pontos
transportadores de carga negativa. Vamos dizer que são um parte do vento solar–
particulas beta, por assim dizer–transmitido a partir do sol numa velocidade de
milhares de milhas por segundo. Dizer que esses 2 chegam perto o suficiente ao
ponto de fazer suas cargas negativas interagirem entre si, levando-as a repelir uma a
outra. Como eles podem realizar essa alteração dinâmica?”
“Segundo a eletrodinamica quântica, eles fazem trocando um photon “virtual”.
Um eletron gera-o, o outro absorve-o, e assim eles repelem-se mutuamente. O
photon é “virtual” porque não pode ser visto por um observador externo, sendo
totalmente contido na interação. Mas é real o suficiente, e a emissão e absorção de
photons virtuais é como a interação eletromagnética funciona.”

“A questão que é relevante para nosso propósito aqui é da onde o photon aparece.
Ele não sai de um eletron e aparece no outro, como um pedregulho atirado de uma
pedra para outra. Os próprios elétrons são inalterados, exceto no momento da troca.
Em vez disso o photon é criado no nada pela tensão da interação. De acordo com a
teoria corrente, quando 2 eletróns chegam próximos um do outro suas formas de
ondas interagem, ou cancelando um ou reforçando ambas, Formas de onda estão
intimamente ligadas a características como a carga elétrica, e nós poderíamos
esperar que a carga dos dois elétrons mudassem. Mas a carga dos elétrons não varia;
é sempre 1.602 x (-19) coulombs. Entretanto os photons virtuais simplesmente
aparecerem do vácuo e agem para reajustar o sistema. O stress gera-os e por sua
criação o stress é resolvido”.

Austin Spare entendeu este princípio em relação a fenomenos magickos muito


antes dos cientistas descobrirem photons ou iniciar experimentos na área da
ciência do chaos.

Austin Osman Spare - Um pouco de


história

Austin Spare nasceu a meia noite do dia 31 de dezembro de


1886 em um suburbio Londrino chamado Snow Hill. Seu pai era um Policial
Londrino, frequentemente ocupado a noite.
Spare mostrou um talento natural para desenhar ainda novo , e de 1901-1904
deixou a escola para servir como aprendiz em obra de arte de vidro colorido, mas
continuou sua educação no Art College em Lambeth. Em 1904 ele ganhou uma
bolsa para o Royal College of Art. Naquele ano ele também exibiu uma pintura na
academia real pela 1º vez.

Em 1905 ele publicou seu primeiro livro, “Earth Inferno”. Foi primeiramente escrito
para ser um livro de pinturas, mas incluiu comentários que mostravam algumas se
suas visões e tendencias espirituais. John Singer Sargent saudou-o com um gênio
aos 17 anos. Em um tempo não específico na sua adolescência Spare foi iniciado
em um culto às bruxas por uma feiticeira chamada Senhora Patterson, a qual Spare
referenciou como sua “Segunda Mãe”. Em 1908 ele realizou uma exposição na
Bruton Gallery. Em 1910 ele foi, por pouco tempo, um membro a Aurora dourada
(Golden Down). Desencantando com eles, ele mais tarde participou da Astrum
Argentium de Crowley. A Associação não durou muito. Crowley disse considerar
Spare ser um Mago Negro. Em 1909 Spare inicia a criação do “Livro dos Prazeres”.
Em 1912 sua reputação estava crescendo rapidamente no mundo da arte. Em 1913
ele publicou seu “Livro dos Prazeres”. É considerado ser seu mais importante
trabalho mágicko, e inclui detalhadas instruções para seu sistema de sigilização e as
“posturas de morte”- os quais o tornou mais conhecido.
De 1914 a 1918 ele serviu como um artista de guerra oficial. Ele foi destacado para
o Egito, onde teve um grande efeito sobre sua vida. Em 1921, ele publicou “Focus
of Life”, outro livro de desenhos com seus comentários únicos e magickos. De 1921
a 1924 Spare atingiu o topo de seu sucesso artístico, em 1924 ele publicou o
“Anathema de Zos”, no qual ele efetivamente corta relações com seus falsos e
modernos “amigos” artistas e Beneficiários. Ele retornou para o sul de Londres e
ocultamente encontra a liberdade para desenvolver sua filosofia, arte e magia.
Em 1947 Spare encontra Kennet Grant e torna-se ativamente envolvido com outros
ocultistas conhecidos nesse período. De 1948 a 1956 ele inicia um trabalho sobre o
Grimório definitivo do “Zós Kia Cultus”, que é referido em seus vários textos. Este
fica incompleto e é sintetizado por Kenneth Grant, que herdou todos os escritos de
Spare e muita destas informações foram incluídas em “Images and Oracles of Austin
Osman Spare” por Kennet Grant, mas ainda tem alguns trabalhos não publicados
que Grant planeja publicar após completar sua série Typhoniana.
Referências para esta seção são em sua maioria da introdução de Christopher Bray
para “The Collected Works of Austin Osman Spare” e dos “Excess Spare’”, que é uma
compilação feita pelo “The Temple Ov Psychic Youth -TOPY” de artigos impressos
sobre Spare de varias fontes.

A Magicka de Austin Osman Spare


A arte e a magicka de Spare estão intimamente relacionadas. É suposto que existam
mensagens em suas pinturas a respeito de sua filosofia mágicka. Foi alegado que
imagem específica de Senhora Patterson moveu-se – seus olhos abrindo e
fechando –. Spare é mais conhecido pelo seu sistema de utilização de sigilos. Sendo
um artista, ele era muito orientado visualmente.

O sistema consiste basicamente na escrita do intento (desejo), de preferência


em seu próprio alfabeto mágicko, eliminando todas as letras repetidas, e
então formando uma figura com as letras restantes. O Sigilo deve então ser
carregado. Existe uma grande variedade de formas de fazê-lo, mas a chave é
alcançar um estado de “vacuidade mental” (NT: também chamado gnose) – o
qual pode ser alcançado através de exaustão física, sexual dentre outros
métodos. Isto cria um “vácuo” ou “vazio” muito parecido com a condição
discutida no inicio do artigo, e é preenchido com a energia do mago. O sigilo,
estando agora carregado, deve ser esquecido para que a mente subconsciente
possa trabalhar sem as distrações e a dissipação de energia que a mente
consciente faz. Spare reconheceu que magia vem da mente subconsciente do
magista, não “espíritos” ou “deuses” externos.
Christopher Bray diz a respeito dos métodos de Spare na introdução de seu “Os
trabalhos coletados de Austin Osman Spare”:
Portanto na sua arte e escrita, Spare nos coloca no humor, ou mostra-nos exemplos
de que atitude nos precisamos adotar para o “afastar-se da consciência” para
entrarmos no infinito. Qual o nível da nossa consciência é necessário para garantir
êxito.

É preciso ter cautela na criação de dogmas, foi muito penoso para Spare elimina-los,
tanto quanto possível, para ter sucesso em sua magicka, entretanto um número de
pressupostos básicos sustentam a magia do caos.
Chaos é o potencial universal da força criativa, o qual está constantemente tentando
infiltrar-se através das rachaduras de nossas realidades pessoais e coletivas. É o poder
da Evolução/Devolução.

Shamanismo é inato dentro de cada um de nós e pode ser aproveitado se nos


qualificarmos ajustando nossa atitude/percepção e fazendo nosso ser pronto para
aceitar o espontâneo. Alcançando Gnosis, ou acertando o “ângulo de partida da
consciência e tempo”, é mais um dom do que uma habilidade.

Existem outros métodos para utilizar o mesmo conceito que Spare explica-nos.
Magistas que vieram após Spare tem escrito seus próprios métodos e expansões de
seus métodos com bastantes freqüência em revistas de ocultismo, principalmente
na Grã Bretanha. Spare certamente não é a primeira pessoa na história a praticar
este tipo de magia, mas foi ele que nomeou (apropriadamente) de Chaos.

Chaos desde Austin Osman Spare

Austin Spare morreu em 15 de maio de 1956, mas sua


magia não morreu com ele. Houve um grupo seleto de magos que vem praticando
suas versões de Chaos desde então, especialmente no norte da Inglaterra e
Alemanha.
Em meados da década de 70, Ray Sherwin foi editor chefe de uma revista chamada
“o Novo Equinox”. Peter Carroll era um contribuidor regular da revista, e juntos,
somada a instisfação com a cena magica da grã-Bretanha na época, formaram “Os
Iluminados de Thanateros“. Eles anunciaram no novo equinox e um grupo foi
formado. Parte da intenção do grupo era uma Ordem onde graus expressassem
mais as realizações do que a autoridade e hierarquia e além disso requerimentos
organizacionais inexistiam.
Por volta de 1986 Ray Sherwin “excomungou a si próprio” porque ele sentiu que a
Ordem estava escorregando de volta a estrutura de poder que ele
intencionalmente evitava com a criação do grupo. Peter Carroll ficou conhecido
como o lider do ”O Pacto”. A IOT continua a prosperar e é a unica organização
Caotica conhecida internacionalmente existente até hoje. a IOT também espalhou-
se na América, e com sedes em Encino, California, Atlanta e Georgia - NT: e Rio de
janeiro , Brasil - .
Existem também grupos menores de praticantes do Caos -NT: C.A.O.S kaos brasil,
magia do Caos -, como também indivíduos praticantes solitários.
O Chaos desde Spare tomou vida própria. Sempre continuará a crescer, é sua
natureza. É extremamente natural que o mundo da Ciencia ortodoxa descobrirá os
principios físicos inerentes a magia, entretanto os cientistas que fazem estas
descobertas não compreendem que é isso que estão fazendo. Será interessante
quando tiverem a sabedoria de nomea-la Ciência do Caos…

Ciência do Caos
A Ciência do caos moderna iniciou na década de 60 quando um punhado de
cientistas mente aberta que tinham em vista um padrão perceberam que equações
matemáticas simples inseridas em um computador poderia modelar padrões onde
cada bit é tão irregular e “chaotico” quanto uma cachoeira. Eles foram capazes de
aplicá-los para os padrões meteorológicos, litorais, todos os tipos de fenômenos
naturais. Equações singulares resultariam em imagens semelhantes a tipos
específicos de folhas, as possibilidades são incríveis. Centros e institutos foram
fundados a especializar-se em ” dinâmica não-linear ” e “sistemas complexos”.
Fenômenos naturais, como a Grande Mancha Vermelha de Júpiter , agora podiam
ser entendidos. Os termos comuns que a maioria das pessoas já ouviu falar até
agora: atratores estranhos, fractais, etc., estão relacionados ao estudo da
turbulência na natureza. Não há espaço para ir em torno destes temas em
profundidade aqui, e eu recomendo que aqueles que estão interessados neste
assunto ler “Chaos: making a new science“ de James Gleick e “Turbulent Mirror” por
John Briggs & F. David Peat.
O que estamos aqui preocupados é como isto se relaciona com magia. Muitos
magos, especialmente magos do caos, começaram utilizando estes termos, “fractal”
e “atratores estranhos” em suas conversas do dia-a-dia. A maioria destes tem
alguma compreensão da relação entre a magia e esta área da ciência. Para dizê-lo
muito simplesmente, um ato mágico bem sucedido é causado de um ato
aparentemente acausal. Estudando turbulência, cientistas do caos perceberam que
fenômenos na natureza aparentemente acausais são não somente a norma, mas
são mensuráveis por equações matemáticas simples. Irregularidade é a coisa de
que a vida é feita ja ouviram falar de sincronicidades?. Por exemplo: num estudo
dos padrões do ritmo das batidas do coração e das ondas cerebrais; padrões
irregulares são medidos de órgãos em seu funcionamento normal, enquanto que
padrões regulares é um sintoma direto de um ataque cardíaco prestes a ocorrer ou
um ataque epilético. Referenciando de volta a photons “virtuais”, um ato mágicko
de liberação de energia corretamente executado cria uma “forma de onda (NT:
wave form)”(visível pela fotografia Kirlian ) em torno do mago causando uma
turbulência em um espaço aetherico. Esta tubulencia provavelmente causará um
resultado, preferivelmente como o mago havia intencionado. Uma vez a energia é
lançada, o controle sobre o fenômeno está fora das mãos do mago, exatamente
como a equação que foi introduzida para o computador, o desígnio segue o
caminho definido para ele.
Os cientistas que trabalham nesta área teriam escarnecido esta explicação, eles não
têm idéia de que eles estão em processo de descoberta da física por trás magia.
Assim como muitos lugares comuns às ciências de hoje, a química, por exemplo,
foram considerados magia um dia. Entender este assunto exige, além de algumas
leituras, uma mudança de pensamento. Somos treinados desde cedo a pensar em
termos lineares, mas a natureza e o Chaos são não lineares, e, portanto exigem que
pensemos de forma não linear para serem compreendidos. Isso parece simples,
mas ainda assim ela me faz lembrar uma aula de lógica que tive na universidade.
Nós estávamos fazendo um simples silogismo aristotélico. Tudo o que tinha a fazer
era pôr linguagem cotidiana em um formulário de equação. Parece simples, e é. No
entanto, é necessário um processo de pensamento não-linear. Durante aquela lição
num espaço de uma semana, o total de alunos na classe passou de 48 para 9. Os
programadores de computador foram os primeiros a caírem fora. Aqueles de nós
que sobreviveram a aquela lição passaram a ganhar os mais altos pontos na sala,
mas o mais importante, descobrimos que tínhamos alcançado uma mudança
permanente na nossa maneira de pensar. Nossas vidas foram alteradas por aquela
única e simples mudança de perspectiva.
Ciencia do Caos está ainda em processo de descoberta, há magos aplicando seus
princípios , por pelo menos, desde que vêem escrevendo sobre magia. Uma vez
que os princípios dessa ciência começa a tomar o controle sobre o processo de
pensamento, o mago começa a notar tudo, desde os padrões em fractal de uma
fumaça subindo de um cigarro até aos padrões de sucesso e falhas em trabalhos
magickos, o que leva a compreensão do porque foram bem sucedidos ou não.

Definindo Chaos Magick


Caos não é em si mesmo, um sistema ou filosofia. É antes uma atitude que se aplica
a uma magia e filosofia, é a base para toda a magia que é a força criativa primal.
Um mago do caos aprende uma variedade de técnicas mágickas, geralmente a
quantidade que ele(a) consegue ter acesso da-lhe torrent,emule, mas vê através
dos sistemas e dogmas, vê a física causadora da força magicka e usa quaisquer
métodos que lhe agrade. Caos não vem com um Grimório específico ou mesmo um
conjunto de ética. Por esta razão, tem sido apelidado de “Caminho da mão
esquerda” por alguns que optam não entender aquilo que está além do próprio
caminho que escolheu. Não existe um conjunto específico de feitiços que são
considerados “feitiços da magia do Caos”. Um Mago do Chaos irá utilizar os
mesmos processos mágicos que outros caminhos, ou aqueles que ele(a) mesmo
criar. Todo e qualquer método ou informação são válidos, a única exigência é que
funcione. Dominar o papel da mente sub-consiente em operações magickas é o
cerne, o núcleo da mesma, e o estado chamado de “vacuidade” por Austin Osman
Spare é o caminho para este fim. Qualquer um que participou de um ritual bem
sucedido experimentou certo grau de “elevação” que este estado induz.
Um entendimento dos princípios científicos por trás magia não implica
necessariamente um ter um nível catedrático em física(embora isso não doeria
tanto, a atitude linear in loco que o estudante poderia estar presenciando),
experiências em resultados mágicos trarão o entendimento necessário.

Está serie é voltada para o aumento do número de pessoas que perguntam, “O que
é magia do caos?”. É muito básico e não pretende ser uma explicação completa de
qualquer um dos elementos descutidos. Muitos dos princípios de magia devem ser
auto-descobertos, minha única intenção aqui é tentar definir e trazer juntos os
vários elementos associados a Magia do Caos em um conjunto inteligível. Para
aqueles que desejam aprender mais sobre este assunto, tenho preparada uma lista
de leitura para esta seção, entretanto, devo enfatizar que existe sempre mais fontes
que uma pessoa conhece, então não se limite a esta lista. Chaos não tem limites…

Para Leitura:

 The Book Of Pleasure por Austin Osman Spare

 Anathema Of Zos por Austin Osman Spare

 A Book Of Satyrs por Austin Osman Spare

 Images and Oracles of Austin Osman Spare por Kenneth Grant

 The Early Work of A.O.S.

Excess Spare / Stations In Time

Estes três ultimos são coleções disponiveis pela TOPY - Disponivel em lojas:

 Chaos: making a new science por James Gleick

 Turbulent Mirror por John Briggs & F. David Peat

 Liber Null & Psychonaut por Peter J. Carroll

 Practical Sigil Magick por Frater U.D.