Sie sind auf Seite 1von 273

MATEMÁTICA I - A.C.

(Antes do Cálculo)

-4 -2 2 4

-2

-4

MAURICIO A. VILCHES
Departamento de Análise - IME
UERJ
2

Copyright by Mauricio A. Vilches


Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução parcial ou total
3

PREFÁCIO

"Por favor, poderia me dizer que caminho devo seguir agora?


Isso depende bastante de até onde você quer chegar."
Lewis Carrol - Alice no País das Maravilhas

Nestas notas apresentaremos uma breve revisão de alguns tópicos do ensino médio,
que achamos essenciais para êxito no estudo do Cálculo de uma Variável Real.
Na disciplina de Cálculo é sempre importante, para fixar os conceitos apresentados
na sala de aula, entender os exemplos e aplicacões de cada tópico estudado. A dife-
rença entre o Cálculo e outras disciplinas, é que no Cálculo serão utilizados todos os
conhecimentos, que teoricamente, deveriam ser estudados durante o ensino médio.
O Cálculo, requier um mínimo de maduridade e habilidadade para lidar com técnicas
e conceitos novos, daí a necessidade de apresentar esta notas baseadas essencialmente
na prática.
Admitiremos a familiaridade do leitor com os tópicos usuais em qualquer currículo do
ensino médio.
Por exemplo, familiaridade com o conjunto dos números reais, com as operações fun-
damentais e suas respectivas propriedades, bem como com a visualização geométrica
de R como uma reta, onde se fixou a origem, a unidade e um sentido de percurso e
com os conceitos de equação, identidades e funções.
Também é recomendável que o leitor possua conhecimento sobre o esboço de curvas e
gráficos elementares assim como sobre Trigonometria elementar.

Mauricio A. Vilches
Rio de Janeiro - Brasil
4
Conteúdo

1 INTRODUÇÃO 9
1.1 Desigualdades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.2 Intervalos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.3 Equações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.4 Equações Polinomiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.4.1 Equações Polinomiais de Primeiro Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.4.2 Equações Polinomiais de Segundo Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.5 Equações Redutíveis a Quadráticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.5.1 A Equação Biquadrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.5.2 Outras Equações Redutíveis a Quadráticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.6 Equações Algébricas não Polinomiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.7 Inequações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.7.1 Inequações Lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.7.2 Inequações Quadráticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.8 Outros Tipos de Inequações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.9 Valor Absoluto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.10 Distância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.11 Sequências: P.A. e P.G. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.12 Progessões Aritméticas (P.A.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.12.1 Interpolação Aritmética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.13 Progessões Geométricas (P.G.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.13.1 Interpolação Geométrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.14 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

2 A RETA NO PLANO 37
2.1 Plano Coordenado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.2 Distância entre dois Pontos no Plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
2.3 Ponto Médio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.4 A Reta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
2.5 Equação da Reta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
2.6 Intersecção com os Eixos Coordenados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
2.7 Equação Reduzida da Reta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
2.8 Intersecção com os Eixos Coordenados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
2.9 Colinearidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
2.10 Posição Geral de Duas Retas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

5
6 CONTEÚDO

2.11 Paralelismo e Perpendicularismo de Retas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52


2.12 Equação Geral do Primeiro Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
2.13 Distância de um Ponto a uma Reta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
2.14 Distância Entre duas Retas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
2.15 Famílias de Retas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
2.16 Famílias de Retas que passam pela Interseção de duas Retas . . . . . . . . . . . . 65
2.17 Intersecção de Retas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
2.18 Semiplanos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
2.19 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

3 AS CÔNICAS 77
3.1 A Parábola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
3.1.1 Elementos da Parábola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
3.2 A Elipse . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
3.2.1 Elementos da Elipse . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
3.2.2 O Círculo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
3.3 A Hipérbole . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
3.3.1 Elementos da Hipérbole . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
3.4 A Equação Geral do Segundo Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
3.4.1 Caso 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
3.4.2 Caso 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
3.4.3 Caso 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
3.5 Forma Normal das Cônicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
3.6 Elipses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
3.7 Parábolas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
3.7.1 Vértice da Parábola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
3.8 Hipérboles . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
3.9 Exemplos Diversos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
3.10 Família de Círculos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
3.11 Interseção de Curvas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
3.12 Propriedades Reflexivas das Cônicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
3.13 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127

4 POLINÔMIOS 131
4.1 Polinômios de uma Variável Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
4.2 Raízes de um Polinômio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
4.3 Algoritmo da Divisão de Polinômios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
4.4 Raízes Racionais de um Polinômio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
4.5 Sistemas de Equações no Plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
4.6 Inequações que Envolvem Polinômios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
4.7 Sistemas de Inequações de uma Variável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
4.8 Inequações no Plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
4.9 Sistemas de Inequações no Plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
4.10 Aplicações das Inequações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
4.11 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
CONTEÚDO 7

5 TRIGONOMETRIA 165
5.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
5.2 Identidades Trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
5.3 Equações Trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
5.3.1 Equações que envolvem senos e cossenos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
5.4 Inequações Trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
5.5 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187

6 TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES 193


6.1 Coeficiente Angular da Reta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
6.2 Ângulo entre Retas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
6.3 Forma Normal da Equação da Reta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
6.4 Distância entre Retas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
6.5 Triângulos Retângulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
6.6 Lei dos Senos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
6.6.1 Área de um Triângulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
6.7 Lei dos Co-senos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
6.7.1 Fórmula de Heron . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
6.8 Resolução de Triângulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
6.8.1 Triângulos Retângulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
6.8.2 Triângulos Arbitrários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
6.9 Resolução de Triângulos - Caso Ambíguo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220
6.10 Exemplos Diversos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
6.11 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230

7 TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES 237


7.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237
7.2 Translações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237
7.3 Rotações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243
7.4 A Equação Geral de Segundo Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
7.4.1 Eliminação do Termos Lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
7.4.2 Eliminação dos Termos Mistos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
7.5 Caso Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 254
7.6 Alternativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
7.7 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266

8 RESPOSTAS 269
8.1 Capítulo I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
8.2 Capítulo II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
8.3 Capítulo III . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 270
8.4 Capítulo IV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 270
8.5 Capítulo V . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 271
8.6 Capítulo VI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 271
8.7 Capítulo VII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272
8 CONTEÚDO

Bibliografia Básica 273


Capítulo 1

INTRODUÇÃO

Denotemos por N o conjunto dos números naturais, por Z o conjunto dos números inteiros e
por R o conjunto dos números reais.

1.1 Desigualdades
A representação geométrica dos números reais sugere que estes podem ser ordenados. Usando
os símbolos usuais para maior (>), maior ou igual (≥), menor (<), menor ou igual (≤), podemos
ver, por exemplo, que se a, b ∈ R e a < b, então b − a > 0; no eixo coordenado temos que a está
à esquerda de b. Para todo a, b ∈ R temos: ou a > b, ou a < b, ou a = b.

É conhecido que a ordenação dos números reais é compatível com as operações de adição e
multiplicação, definidas em R. De fato:

Proposição 1.1. Para todo x, y, z, w ∈ R, temos:

1. Se x > y, então x + z > y + z.

2. Se x > y e z > w, então x + z > y + w.

3. Se x > y e z > 0, então x · z > y · z.

4. Se x > y e z < 0, então x · z < y · z.

Outras propriedades elementares são:

1. Se x > y =⇒ −x < −y.

2. x · y > 0 =⇒ x > 0 e y > 0 ou x < 0 e y < 0.

3. x · y < 0 =⇒ x > 0 e y < 0 ou x < 0 e y > 0.

9
10 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

1.2 Intervalos
Muitos subconjuntos de R são definidos através de desigualdades. Os mais importantes são os
intervalos.
Sejam a, b ∈ R tais que a < b.

Intervalos Abertos
Os intervalos abertos de extremidades a e b, são denotado por (a, b) é definido por:

(a, b) = {x ∈ R/a < x < b}.

( )
a b

Figura 1.1: Intervalo aberto.

Intervalos Fechado
Os intervalos fechados de extremidades a e b, denotado por [a, b] é definido por:

[a, b] = {x ∈ R/a ≤ x ≤ b}.

[ ]
a b

Figura 1.2: Intervalo fechado.

Intervalos Semi-aberto e Intervalo Semi-fechado


Os intervalos semi-abertos e semi-fechados, são denotados e definidos, respectivamente, por:

[a, b) = {x ∈ R/a ≤ x < b} e (a, b] = {x ∈ R/a < x ≤ b}.

[ )
a b

( ]
a b

Figura 1.3: Intervalos semi-abertos e semi-fechados.

Os quatro intervalos assim definidos são ditos limitados. Introduzindo os símbolos −∞ e +∞,
os quais não são números reais, podemos definir os intervalos ilimitados:

(a, +∞) = {x ∈ R/a < x} e (−∞, a] = {x ∈ R/x ≤ a},


1.3. EQUAÇÕES 11

(−∞, a) = {x ∈ R/x < a} e [a, +∞) = {x ∈ R/x ≥ a}.

(
a

]
a

Figura 1.4: Intervalos ilimitados.

Note que:

R = (−∞, +∞).

Os intervalos aparecem de forma natural na resolução de inequações, pois, a solução é, em


geral, dada por um intervalo ou uma reunião de intervalos.

1.3 Equações
As equações são igualdades entre duas expressões matemáticas que apresentam alguns valo-
res desconhecidos, chamados incógnitas e que só se verificam para determinados valores das
incógnitas.
As equações aparecem de forma natural em diversas aplicações. Por exemplo:

[1] Um pintor experiente pinta uma casa em 10 horas e seu aprendiz pinta, a mesma casa, em
15 horas. Em quanto tempo pintam a casa se trabalham juntos?

[2] Uma corretora tem dois terrenos A e B, ambos de forma retangular. O comprimento do
terreno A mede 7 metros a mais que sua largura. O comprimento do terreno B mede 2 metros
a mais que o comprimento do terreno A e sua largura mede 3 metros a menos do que a largura
do terreno A. Se a área de B é de 37 m2 a menos do que a área do terreno A, determine as
medidas dos terrenos.

Observação 1.1.

1. Estudaremos as equações em R que apresentam uma incógnita. Resolver uma equação


em R significa determinar todos os valores possíveis, em R, da incógnita e que tornam a
igualdade verdadeira. A solução de uma equação é também dita raiz da equação. Para
determinar as raízes de uma equação utilizamos as propriedades elementares dos núme-
ros reais.

2. Como a definição de equação é muito ampla, nestas notas nós consideraremos as equ-
ções ditas elementares, isto é, as mais utilizadas e que não requerem quase nenhum pré-
requisito.
12 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

Exemplo 1.1.
[1] Um pintor experiente pinta uma casa em 10 horas e seu aprendiz pinta, a mesma casa, em
15 horas. Em quanto tempo pintam a casa juntos?
Seja x o número de horas do pintor e de seu aprendiz quando trabalham juntos. Se representa-
1
mos com a unidade (1), o trabalho total a ser realizado; então: é o trabalho realizado quando
x
trabalham juntos em uma hora, logo:
1 1
+
10 15
é a quantidade de trabalho realizado pelo pintor e seu aprendiz em uma hora, e:
1 1 1 1 1
+ = =⇒ = ,
10 15 x 6 x
donde temos x = 6, isto é, trabalhando juntos gastam 6 horas para pintar a casa.

[2] Uma corretora tem dois terrenos A e B, ambos de forma retangular. O comprimento do
terreno A mede 7 metros a mais que sua largura. O comprimento do terreno B mede 2 metros
a mais que o comprimento do terreno A e sua largura mede 3 metros a menos do que a largura
do terreno A. Se a área de B é de 37 m2 a menos do que a área do terreno A, determine as
medidas dos terrenos.
Seja x a largura do terreno A, então x + 7 é o comprimento do terreno A, (x + 7) + 2 é o
comprimento do terreno B, x − 3 é a largura do terreno B, x (x + 7) é a área do terreno A e
((x + 7) + 2)(x − 3) a área do terreno B; logo:

((x + 7) + 2)(x − 3) + 37 = x (x + 7),

donde obtemos −x+10 = 0 e x = 10. O terreno A mede 10 m de largura e 17 m de comprimento


e o terreno B mede 7 m de largura e 19 m de comprimento.

1.4 Equações Polinomiais


Um equação polinomial de grau n em R, é definida como:

a0 + a1 x + a2 x2 + a3 x3 + . . . . . . + an−1 xn−1 + an xn = 0,
onde ai ∈ R e an 6= 0. Os números reais ai são ditos coeficientes da equação polinomial.

Agora enunciaremos o Teorema Fundamental da Álgebra:

Teorema 1.1. Toda equação polinomial, de grau n ≥ 1 com coeficientes sendo números com-
plexos, admite n soluções complexas.

Ou equivalentemente:
Toda equação polinomial, de grau n ≥ 1 possui n raízes reais e/ou complexas.
Este teorema nos garante que podemos achar soluções das equações polinomiais.
1.4. EQUAÇÕES POLINOMIAIS 13

1.4.1 Equações Polinomiais de Primeiro Grau


Seja a ∈ R, a 6= 0, então

b
a x + b = 0 tem a única solução x = − .
a

Exemplo 1.2.

[1] A soma de dois números pares consecutivos é 102 . Ache os números


Seja x um dos números, o seguinte número par será x + 2; logo:

x + x + 2 = 102 =⇒ 2 x + 2 = 102 =⇒ x = 50.

Os números são 50 e 52.

[2] Um pai tem 42 anos de idade e seu filho 10 anos. Daqui a quantos anos a idade do pai será
o triplo da idade do filho?
Seja x os anos que devem passar; logo, devemos ter:

x + 42 = 3 (x + 10) =⇒ 2 x = 12 =⇒ x = 6.

Em 6 anos o pai terá o triplo da idade do filho.

1.4.2 Equações Polinomiais de Segundo Grau


Seja a, b, c ∈ R, a 6= 0, então
 √

 −b + b2 − 4 a c


 2a
a x2 + b x + c = 0 tem soluções: x =
 √

 −b − b2 − 4 a c
.


2a
Para outras equações polinomiais, ver os parágrafos seguintes.

Exemplo 1.3.

[1] Determine os números reais que são iguais ao seu quadrado.


Seja x o número procurado; logo devemos ter x2 = x, isto é:

x (x − 1) = 0 =⇒ x = 0 e x = 1.
[2] Determine a solução de (x − 3)2 + 5 = x + 4.
Desenvolvendo (x − 3)2 + 5 = x + 4, temos x2 − 7 x + 10 = 0 que tem soluções:

x = 2 e x = 5.
14 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

[3] A diferença entre as medidas da base e da altura de um retângulo é 4 m. Determine as


dimensões do retângulo se a área é 60 m2 .
Sabemos que a área de um retângulo é base × altura. Se x é a altura, temos:

x (x + 4) = 60 =⇒ x2 + 4 x − 60 = 0 =⇒ x = 6.

A altura mede 6 m e a base mede 10 m. Note que consideramos somente a raiz positiva da
equação.

1.5 Equações Redutíveis a Quadráticas


A seguir apresentaremos alguns tipos equações não quadráticas, porém solúveis pelos métodos
utilizados para equações quadráticas.

1.5.1 A Equação Biquadrada


A equação biquadrada é do tipo:,

a x4 + b x2 + c = 0,

onde a, b, c ∈ R, a 6= 0. Fazendo u = x2 , a equação fica:

a u2 + b u + c = 0,
qu e é uma equação quadrática.

Exemplo 1.4.
[1] Determine a solução de x4 − 3 x2 + 2 = 0.
Fazendo u = x2 , a equação fica:

u2 − 3 u + 2 = 0,

que tem soluções u = 1 e u = 2. Como x = ± u, as soluções da equação são:
√ √
x = 1, x = −1, x = 2 e x = − 2.

[2] Determine a solução de 3 x4 + 2 x2 − 1 = 0.


Fazendo u = x2 , a equação fica:

3 u2 + 2 u − 1 = 0,
1 √
que tem soluções u = −1 e u = . Como x = ± u, as soluções da equação são:
3
1 1
x = i, x = −i, x = √ e x = − √ ,
3 3

onde i = −1 é a unidade imaginária.
1.5. EQUAÇÕES REDUTÍVEIS A QUADRÁTICAS 15

1.5.2 Outras Equações Redutíveis a Quadráticas


As equações do tipo:

a (x − p)2 + b (x − p) + c = 0,

onde a, b, c, p ∈ R, a 6= 0. Fazendo u = x − p, a equação fica:

a u2 + b u + c = 0.

As equações do tipo:

a (xr − p)2 + b (xr − p) + c = 0,

onde a, b, c, p ∈ R, a 6= 0 e r ∈ Q. Fazendo u = xr − p, a equação fica:

a u2 + b u + c = 0.

Em geral, as equações do tipo:

a (xr − p)2n + b (xr − p) + c = 0,

onde a, b, c, p ∈ R, a 6= 0 e r ∈ Q. Fazendo u = (xr − p)n , a equação fica:

a u2 + b u + c = 0.

Exemplo 1.5.

[1] Resolva (x + 2)2 + 11 (x + 2) − 12.


Fazendo u = x + 2, a equação fica:

u2 + 11 u − 12 = 0 =⇒ u = −12 e u = 1.
Logo, x = −14 e x = −1.

[2] Resolva (x2 − 1)2 + (x2 − 1) − 12 = 0.


Fazendo u = x2 − 1, a equação fica:

u2 + u − 12 = 0 =⇒ u = −4 e u = 3.

Logo, x2 = −3 e x = ± 3 i, x = ±2.

[3] Resolva x2/3 + 4 x1/3 − 5 = 0.


Fazendo u = x1/3 , temos:
16 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

u2 + 4 u − 5 = 0 =⇒ u = −5 e u = 1.
Logo, x1/3 = −5 e x = −125, x1/3 = 1 e x = 1.

[4] Resolva (x2 − 8)2 − 5 (x2 − 8) + 6 = 0


Fazendo u = x2 − 8, temos:

u2 − 5 u + 6 = 0 =⇒ u = 2 e u = 3.
√ √
Logo, x2 − 8 = 2 e x = ± 10, x2 − 8 = 3 e x = ± 11.

1.6 Equações Algébricas não Polinomiais


Equações algébricas são equações em que para determinar suas soluções somente podemos uti-
lizar as operações de adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação inteira e radiciação.
As equações polinomiais são um caso particular das quações algébricas.

Exemplo 1.6.

[1] Determine a solução de x + 5 x = 6.

Primeiramente observemos que x > 0. Façamos t = x, (t > 0); então, a equação fica t2 +5 t = 6
que tem solução:

t = −6 e t = 1.
A única solução da equação original é x = 1.
√ √
[2] Determine a solução de 3x + 1 − x + 4 = 1.
1
Primeiramente observemos que x ≥ − ; escrevamos a equação:
3
√ √
3x + 1 = x + 4 + 1
e elevemos ao quadrado ambos os lados da equação. Temos:
√ √
3 x + 1 = ( x + 4 + 1)2 =⇒ x + 4 = x − 2 =⇒ x2 − 5 x = 0
que tem solução x = 0 e x = 5. Note que x = 0 não é solução da equação original (por que?);
logo, a única solução é x = 5.
p
3

[3] Determine a solução de 1+ x=2
Primeiramente observemos que x > 0. Elevando ao cubo ambos os lados da equação, temos:
√ √
1+ x = 8 =⇒ x = 7 =⇒ x = 49.
1.7. INEQUAÇÕES 17

1.7 Inequações
As inequações em R, são desigualdades que apresentam uma incógnita. Resolver uma inequa-
ção em R significa determinar todos os valores possíveis, em R, da incógnita e que tornam a
desigualdade verdadeira. Para determinar as raízes de uma inequação utilizamos as proprie-
dades elementares dos números reais.

Exemplo 1.7.

O preço para pintar um apartamento é apresentado de duas formas:

(a) 2500 reais mais 30 reais por hora.

(b) 100 reais por hora.

Quando a forma (a) é mais vantajosa?

Seja x o número de horas; então devemos resolver

250 ∼
100 x > 2500 + 30 x =⇒ x > = 35.714.
7
Logo, a proposta (a) é mais conveniente se a pintura for realizada em menos de 35 horas.

1.7.1 Inequações Lineares


Determinemos o conjunto-solução de:

a x + b ≥ 0.

Note:

a x + b ≥ 0 ⇐⇒ a x ≥ −b;

logo:
b
Se a > 0, x ≥ − ; o conjunto-solução é
a
b
[− , +∞).
a
b
Se a < 0, x ≤ − ; o conjunto-solução é
a
b
(−∞, − .
a
18 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

1.7.2 Inequações Quadráticas


Seja a x2 + b x + c = 0 a equação do segundo grau. Denotemos por

∆ = b2 − 4 a c
o discriminante da equação e α, β as raízes reais da equação (α ≤ β). O conjunto-solução S de
uma desigualdade quadrática depende dos sinais de a e de ∆, respectivamente.

1. Para ∆ > 0.

(a) Se a > 0, a desigualdade a x2 + b x + c ≥ 0 tem conjunto-solução:

S = (−∞, α] ∪ [β, +∞)

e a x2 + b x + c ≤ 0 tem conjunto-solução S = [α, β]

(b) Se a < 0, a desigualdade a x2 + b x + c ≥ 0 tem conjunto-solução:

S = [α, β]

e a x2 + b x + c ≤ 0 tem conjunto-solução S = (−∞, α] ∪ [β, +∞).

2. Para ∆ = 0.

(a) Se a > 0, a desigualdade a x2 + b x + c ≥ 0 tem conjunto-solução:

S=R

e a x2 + b x + c ≤ 0 tem conjunto-solução S = {α}.

(b) Se a < 0, a desigualdade a x2 + b x + c ≥ 0 tem conjunto-solução:

S = {α}

e a x2 + b x + c ≤ 0 tem conjunto-solução S = R.

3. Para ∆ < 0.

(a) Se a > 0, a desigualdade a x2 + b x + c > 0 tem conjunto-solução:

S=R

e a x2 + b x + c ≤ 0 tem conjunto-solução S = ∅.

(b) Se a < 0, a desigualdade a x2 + b x + c ≥ 0 tem conjunto-solução:

S=∅

e a x2 + b x + c < 0 tem conjunto-solução S = R.


1.7. INEQUAÇÕES 19

Para outras inequações polinomiais, ver os parágrafos seguintes.

Exemplo 1.8.

[1] Ache a solução de: 2 x2 − 3 x − 3 ≥ −1.


Note que 2 x2 − 3 x − 3 ≥ −1 é equivalente a 2 x2 − 3 x − 2 ≥ 0, ∆ > 0, a > 0 e as raízes de
1
2 x2 − 3 x − 2 = 0 são x = − e x = 2; logo:
2
1
S = − ∞, − ] ∪ [2, +∞).
2

[2] Ache a solução de: 3 (2 x − 5)(x − 1) ≤ (5 − 2 x)2 .

0 ≤ (5 − 2 x)2 − 3 (2 x − 5)(x − 1) =⇒ 0 ≤ −(2 + x) (−5 + 2x) =⇒ 0 ≥ (2 + x) (−5 + 2x).

5
As raízes de (2 + x) (−5 + 2x) = 0 são x = −2 e x = ; logo:
2
 5 
S = − 2, .
2

[3] Determine o conjunto solução de x2 + 1 < 2 x2 − 3 < −5 x.


Estudemos separadamente x2 + 1 < 2 x2 − 3 e 2 x2 − 3 < −5 x:
(a) x2 + 1 < 2 x2 − 3:

x2 + 1 < 2 x2 − 3 ⇐⇒ x2 − 4 > 0 =⇒ x < −2, ou x > 2.

Logo:

S1 = (−∞, −2) ∪ (2, +∞).

(b) 2 x2 − 3 < −5 x

1
2 x2 − 3 < −5 x ⇐⇒ 0 > (3 + x) (2 x − 1) =⇒ x > −3 e x < .
2

Logo:

1
S2 = (−3, ).
2

Logo:

S = S1 ∩ S2 = (−3, −2).

[4] Determine os valores de a tais que:


20 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

x2 y 2 + a x y 2 + y 2 + x y + a y + 1 > 0, ∀x, y ∈ R.

Fatorando, podemos reescrever a inequação:

p y 2 + q y + 1 > 0,

onde p = x2 + a x + 1 e q = x + a. Logo, temos uma equação quadrática em y; para que seja


positiva para todo y, devemos ter:
( (
p>0 x2 + a x + 1 > 0
⇐⇒
∆<0 3 x2 + 2 a x + 4 − a2 > 0.

Ambas as equações são quadráticas em x; logo devemos exigir que os discriminantes de ambas
as equações sejam negativos (por que?):
(
a2 − 4 < 0 √
2 2
⇐⇒ |a| < 2 e |a| < 3.
4 a − 12 (4 − a ) < 0

Logo:

√ √
S = (− 3, 3).

1.8 Outros Tipos de Inequações


[1] Ache a solução de: x3 < x.
Fatorando x3 − x = x (x + 1) (x − 1); então, x3 − x < 0 é equivalente a x (x + 1) (x − 1) < 0, da
qual obtemos x < −1 ou 0 < x < 1. O conjunto-solução é:

S = (−∞, −1) ∪ (0, 1).


[2] Ache a solução de:
6x − 2
≥ 9.
3x + 6
Note que a desigualdade não é equivalente a 6 x − 2 ≥ 9 (3 x + 6). Se 3 x + 6 > 0, isto é x > −2;
8
então, 6 x − 2 ≥ 9 (3 x + 6), donde obtemos x ≤ − . Se 3 x + 6 < 0, isto é x < −2; então,
3
8
6 x − 2 ≤ 9 (3 x + 6), donde obtemos − ≤ x. Logo, o conjunto-solução é:
3
8
S = [− , −2).
3
[3] Ache a solução de:
x+2 x
≤ .
x−1 x+4
1.9. VALOR ABSOLUTO 21

x+2 x 7x + 8
Resolvemos − ≤ 0, que é equivalente a ≤ 0, da qual obtemos
x−1 x+4 (x − 1) (x + 4)
8
− ≤ x < 1 ou x < −4. Logo, o conjunto-solução é:
7
  8 
S = − ∞, −4 ∪ − , 1 .
7
[4] Ache a solução de:

x+1 x
< .
2−x 3+x
x+1 x 3 + 2 x + 2 x2
Resolvemos − < 0, que é equivalente a > 0, logo:
2−x x+3 (x − 2) (x + 3)

Devemos resolver: 3 + 2 x + 2 x2 > 0, (x − 2) > 0 e (3 + x) > 0, donde x > 2


Devemos resolver: 3 + 2 x + 2 x2 > 0, x − 2 < 0 e 3 + x < 0, donde x < −3. Então:

S = (−∞, −3) ∪ (2 + ∞).

1.9 Valor Absoluto


O valor absoluto ou módulo de um número real a, denotado por |a| é definido como o maior
número do conjunto {a, −a}, ou equivalentemente:
(
a se a ≥ 0
|a| =
−a se a < 0.
Observe que o valor absoluto de um número real é sempre não negativo e possui as seguintes
propriedades imediatas. Sejam a, b ∈ R; então:


1. a2 = |a|, para todo a ∈ R

2. |b| < a se e somente se b ∈ (−a, a), a > 0

3. |a · b| = |a| · |b|

4. |b| ≥ a se e somente se b ≥ a ou b ≤ −a, a > 0



a |a|
5. = , se b 6= 0
b |b|

6. |a + b| ≤ |a| + |b|.

7. |a − b| ≤ |a| + |b|
22 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

8. |a| − |b| ≤ |a − b|.

Exemplo 1.9.
[1] Ache a solução de: |x2 − x + 1| > 1.
Pelas propriedades anteriores, |x2 −x+1| > 1 é equivalente a: x2 −x+1 > 1 ou x2 −x+1 < −1.
1 2 7
Se x2 −x+1 > 1, então x (x−1) > 0 e x < 0 ou x > 1; se x2 −x+1 < −1, então x− + < 0,
2 4
o que é impossível. O conjunto-solução é:

S = (−∞, 0) ∪ (1, +∞).


[2] Ache a solução de: |9 − 2 x| ≥ |4 x|.
Pela propriedades anteriores, |9 − 2 x| ≥ |4 x| é equivalente a: 9 − 2 x ≥ |4 x| ou 9 − 2 x ≤ −|4 x|;
Se 9 − 2 x ≥ |4 x|, então 2 x − 9 ≤ 4 x ≤ 9 − 2 x; logo,
9 3
− ≤x≤ .
2 2
Se 9 − 2 x ≤ −|4 x|, então 9 − 2 x ≤ 4 x ≤ 2 x − 9, que não possui solução. O conjunto-solução é:
 9 3
S= − , .
2 2
[3] Ache a solução de: 2 − |x − 3| ≤ 3 x + 1.
Pela propriedades anteriores, se x − 3 ≥ 0, temos: 2 − (x − 3) ≤ 3 x + 1 que é equivalente a
x ≥ 1. Por outro lado, se x − 3 < 0, temos: 2 + (x − 3) ≤ 3 x + 1 que é equivalente a x ≥ −1. O
conjunto-solução é:

S = [−1 + ∞].

3 − 2 x
[4] Ache a solução de:
≤ 4.
x+2

3 − 2x
Resolvamos −4 ≤ ≤ 4.
x+2
Se x > −2 , −4 (x + 2) ≤ 3 − 2 x ≤ 4 (x + 2):

11
(a) −4 (x + 2) ≤ 3 − 2 x, é equivalente a x ≥ − .
2
5
(b) 3 − 2 x ≤ 4 (x + 2), é equivalente a x ≥ − , e:
6
 5
S1 = − , +∞).
6
Se x < −2 , −4 (x + 2) ≥ 3 − 2 x ≥ 4 (x + 2):

11
(a) −4 (x + 2) ≥ 3 − 2 x, é equivalente a x ≤ − .
2
1.9. VALOR ABSOLUTO 23

5
(b) 3 − 2 x ≥ 4 (x + 2), é equivalente a x ≤ − , e:
6
11 
S2 = (−∞, − .
2
Finalmente:
11   5
S = S1 ∪ S2 = (−∞, − ∪ − , +∞).
2 6

[5] Resolva x + 1 > |x + 1|.
Primeiramente observamos que x + 1 ≥ 0, isto é −1 ≤ x; por outro lado, se x = −1 a inequação
não é válida.
Se x + 1 ≥ 0, então |x + 1| = x + 1 e:

x + 1 > x + 1 ⇐⇒ x + 1 > (x + 1)2 ⇐⇒ x2 + x < 0.
Logo:

S = (−1, 0).
|x|
[6] Resolva |x − 1| < .
x
Temos dois casos: x > 0 e x < 0.
|x|
Se x > 0, temos que = 1 e:
x
|x − 1| < 1 ⇐⇒ 0 < x < 2.
Logo:

S1 = (0, 2).
|x|
Se x < 0, temos que = −1 e S2 = ∅. Então:
x
S = S1 = (0, 2).
[7] Ache a solução de:
p
|x| − 1 ≥ a, a 6= 0.
Primeiramente, devemos ter |x| − 1 ≥ 0, isto é |x| ≥ 1. Logo:

x ∈ S1 = (−∞, −1] ∪ [1, +∞);


e:

|x| − 1 ≥ a2 .
Por outro lado, 1 + a2 > 1 e −(1 + a2 ) < −1, então:
Se a > 0:
24 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

x ∈ S2 = (−∞, −1 − a2 )] ∪ [1 + a2 , +∞);
e

S = S1 ∩ S2 = (−∞, −1 − a2 )] ∪ [1 + a2 , +∞).
Se a < 0, temos:

S = (−∞, −1] ∪ [1, +∞).


Por que?
[8] Ache a solução de:

x + 3 x
x − 2 ≥ |x| .

Note que:
(
x 1 se x > 0
=
|x| −1 se x < 0.

Se x > 0, resolvemos:

x + 3 x+3 x+3
x − 2 ≥ 1 ⇐⇒ x − 2 ≥ 1 ou ≤ −1.

x−2

Logo:

x+3 x+3 5 2x + 1
≥ 1 ou ≤ −1 ⇐⇒ ≥0 ou ≤0
x−2 x−2 x−2 x−2
1
⇐⇒ x > 2 ou − ≤ x < 2.
2
Isto é:

S1 = (0, 2) ∪ (2, +∞),

pois, x ∈ (0, +∞).

Se x < 0, como o valor absoluto de qualquer número é positivo, temos:

S2 = R − {2} ∩ (−∞, 0) = (−∞, 0).

logo, a solução é:

S = S1 ∪ S2 = R − {0, 2}.

[9] Se x ∈ N, ache a solução de:


1.10. DISTÂNCIA 25

p p
(x − 3)2 1 − |x − 3| − 4 − |x|
≤ 0.
x2 + x + 1

Analisando a inequação podemos obsevar que (x−3)2 é sempre não negativo e o denominador
é quadrático e sempre positivo pois seu coeficiente principal é 1 e seu discriminante ∆ = −3.
Logo, para resolver a inequação basta resolver:

p p p p
1 − |x − 3| − 4 − |x| ≤ 0 ⇐⇒ 1 − |x − 3| ≤ 4 − |x|.

Primeiramente:

1 − |x − 3| ≥ 0 e 4 − |x| ≥ 0 ⇐⇒ x ∈ [2, 4].

Agora:

p p
1 − |x − 3| ≤ 4 − |x| =⇒ |x| ≤ 3 + |x − 3|.

Como x ∈ N, verificamos a inequação para x = 2, 3, 4; logo, não é difícil ver que:

S = {2, 3, 4}.

1.10 Distância
Usando o valor absoluto podemos definir a distância entre dois números reais.

A distância entre os números reais a e b é |a − b|.

Então |a| é a distância de a à origem.

Exemplo 1.10.

[1] A distância entre os números π e −π é |π − (−π)| = 2 π.

[2] A distância entre os números −2 e −12 é | − 12 − (−2)| = | − 10| = 10 e a distância entre os


números −2 e 23 é |23 − (−2)| = 25.
1 3
[3] A distância entre os números − e é:
6 2

1 3 5 5
− − = − = .
6 2 3 3
26 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

1.11 Sequências: P.A. e P.G.


Denotemos por N o conjunto dos números naturais e por R o conjunto dos números reais.
Definição 1.1. Uma sequência de números reais é uma função:

f : N −→ R.

f (n) = an é chamado o termo geral da sequência. A sequência é denotada por:


 
an n∈N
= a1 , a 2 , . . . . . . , a n , . . . .

Não confundir a sequência an n∈N
com {a1 , a2 , . . . . . . , an , . . . } que é o conjunto-imagem da
função que define a sequência .

Exemplo 1.11.
 
1 1 1 1  1
[1] Se = 1, , , . . . , , . . . ; o conjunto-imagem é /n∈N .
n n∈N 2 3 n n

1 2 3 4 5 6 7

1
Figura 1.5: Gráfico da sequências .
n
√  √ √  √
[2] Se n n∈N = 1, 2, . . . , n, . . . ; o conjunto-imagem é { n / n ∈ N}.

1 2 3 4 5 6 7

√ 
Figura 1.6: Gráfico da sequência n .

[3] Se (−1)n = − 1, 1, −1, . . . , (−1)n , . . . ; o conjunto-imagem é {−1, 1}.


 
n∈N
1.12. PROGESSÕES ARITMÉTICAS (P.A.) 27

1.12 Progessões Aritméticas (P.A.)


Uma progressão aritmética (P.A.) é uma sequência em que cada termo, a partir do segundo, é
igual à soma do termo anterior com uma constante r, chamada razão da P.A.., isto é,

an n∈N
é uma P.A. ⇐⇒ an − an−1 = r, ∀n ≥ 1

Não é difícil ver que o termo geral e a soma dos n primeiros termos de uma P.A. são, respecti-
vamente:

(an + a1 ) n
an = a1 + (n − 1) r e Sn =
2
Logo, as P.A. são sequências do tipo:

a, a + r, a + 2 r, a + 3 r, . . . . . . , a + (n − 1) r . . .

1.12.1 Interpolação Aritmética


Interpolar aritmeticamente n números entre outros dois conhecidos a e b, consiste em construir
uma P.A.

a, a1 , a2 , ..., an , b.

Como a P.A. tem n + 2 termos e a1 = a e an+2 = b, podemos determinar r; de fato:

b−a
b = a + [(n + 2) − 1] r =⇒ r =
n+1
Uma vez conhecido o valor de r, obtemos todos os termos da P.A. Os termos da P.A. são cha-
mados meios aritméticos.

1.13 Progessões Geométricas (P.G.)


Uma progressão geométrica (P.G.) é uma sequência em que cada termo, a partir do segundo,
é igual ao produto do termo anterior por uma constante q 6= 0, chamada razão da P.G.. Isto é,
 an
an n∈N
é uma P.G. ⇐⇒ = q, ∀n > 1
an−1

O termo geral e a soma dos n primeiros termos de uma P.G. são, respectivamente:



n a1 se q = 1

an = a1 · q n−1 e Sn =
 a1 (1 − q n )
se q > 1


1−q

28 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

se a P.G. é finita. No caso em que a P.G. tem infinitos termos, temos:

a1
S= −1<q <1
1−q
Logo, as P.G. são sequências do tipo:

a, a q, a q 2 , a q 3 , . . . . . . , a q n−1 . . .

1.13.1 Interpolação Geométrica


Interpolar geometricamente n números entre outros dois conhecidos a e b; consiste en construir
uma P.G.

a, a1 , a2 , ..., an , b.

Com a P.A. tem n + 2 termos e a1 = a e an+2 = b, podemos determinar q; de fato:


r
n+1 n+1 b
b = aq =⇒ q =
a
Uma vez conhecido o valor de q, obtemos todos os termos da P.G. Os termos da P.G. são cha-
mados meios geométricos.
Exemplo 1.12.
[1] Determine cinco meios aritméticos entre -18 e 25.
A P.A. é: −18, a2 , a3 , a4 , a5 , a6 , 25. Então aplicando a fórmula para n = 5, a1 = a = −18 e
a7 = b = 25, temos:
43
r= ,
6
e:
65 11 7 32 107
a2 = − , a3 = − , a4 = , a5 = e a6 = .
6 3 2 3 6
1
[2] Determine quatro meios geométricos entre 25 e .
125
1
Temos que a1 = 25 e a6 = , logo:
125
r
5 1 1
q= = ,
3125 5
e:
1 1
a2 = 5, a3 = 1, a4 = , e a5 = .
5 25
[3] Se num edifício o primeiro andar se encontra a 7.4 m de altura e a distância entre dois
andares consecutivos é de 3.8 m, determine a altura do décimo nono andar.
1.13. PROGESSÕES GEOMÉTRICAS (P.G.) 29

Temos uma P.A. tal que r = 3.8; como an = a1 + (n − 1) r, temos que:

a19 = 7.4 + 18 × 3.8 = 75.8 m.



[4] Se os ângulos de um triângulo formam uma P.A. e se o maior ângulo é , determine a
12
medida dos outros ângulos.
Seja a3 o maior ângulo:



a1 = a3 − 2 r = − 2r
12








7π π
a2 = a3 − r = −r =⇒ a1 + a2 + a3 = π =⇒ r = .

 12 4




a3 = 7 π



12
π π
Logo: a1 = e a2 = .
12 3
[5] (Puc-SP) As medidas dos lados de um triângulo formam a P.A. (x + 1, 2 x, x + 5). Determine
o perímetro do triângulo.
Como an − an−1 = r para todo n temos a2 − a1 = a3 − a2 , donde x = 3 e o perímetro do
triângulo é 18.

[6] Numa empresa de serviços de informação telefônica do tipo 0300., o número de pessoas que
ligaram, por dia, variou de acordo com uma P.A. de razão 4. Sabendo-se que cada ligação foi
correspondente a 0.4 dólares, e que no primeiro dia duas pessoas ligaram, determine o número
mínimo de dias a fim de que o total arrecadado atinja o valor de 81.920 dólares:
Sabemos que:

(an + a1 ) n (2 a1 + (n − 1) r) n
an = a1 + (n − 1) r e Sn = = .
2 2
Como a1 = 0.8 e no segundo dia ligam 6 pessoas que corresponde a 6 × 0.4 = 2.4, temos r = 1.6
e:

(2 × 0.8 + (n − 1) × 1.6) n
81.920 = = 0.8 × n2 =⇒ n = 320.
2
Logo, são 320 dias.

[7] (Mack-SP) Seja a P.G. de termos positivos (x − 2, x2 + 11, 2 x + 2, . . .). Determine a7 .
Sabemos que:
an
= q;
an−1
a3 a2
logo, temos que = e:
a2 a1
30 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

a3 a1 = a22 =⇒ (2 x + 2) (x − 2) = x2 + 11 =⇒ x = 5.
Logo, a1 = 3 e a2 = 6 donde q = 2 e a7 = 192.
[8] Determine 3 números em P.G. tal que a soma seja 26 e o produto seja 216.
Temos:

2
a + a q + a q = 26

6
=⇒ q = =⇒ a2 − 20 a + 36 = (a − 2) (a − 18) = 0.

 3 3 a
a q = 216

Se a = 2, q = 3 e os números são 2, 6 e 18.


1
Se a = 18, q = e os números são 18, 6 e 2.
3
[9] A soma dos 3 primeiros termos de uma P.G. é 38. Sabendo que se subtraimos 2 do terceiro
termo, êles passam a formar uma P.A., calcule o quinto termo da P.G.
Sabemos que a1 + a1 q + a1 q 2 = 38 e que {a1 , a1 q, a1 q 2 − 2} é uma P.A, logo:

a1 (q − 1) = a1 q 2 − 2 − a1 q ⇐⇒ a1 [2 q − q 2 − 1] = −2.
Temos o seguinte sistema:

2
a1 + a1 q + a1 q = 38

3 2
=⇒ q = ou q = e a1 = 8 ou a1 = 18,
 2 3
a1 [2 q − q 2 − 1] = −2

respectivamente, e
81 32
a5 = ou a1 = .
2 9
[10] Um fundo de investimentos contava com 760 clientes e, no mês passado, admitiu 60 novos
investidores. Espera-se que, daqui por diante, o número de clientes novos, por mês, seja sempre
o dobro do número de clientes atraidos no mês anterior. Em quanto tempo o número total de
investidores nesse fundo ultrapassará 10000?
Note que temos:

760 + 60 + [120 + 240 + . . . . . . + 120 × 2n−1 ] > 10000 ⇐⇒


820 + 120 [1 + 2 + . . . . . . + 2n−1 > 10000

Este último é equivalente a:


155
120 [2n − 1] > 9180 ⇐⇒ 2n > ⇐⇒ 2n+1 > 155.
2
O menor n que satisfaz a desigualdade é n = 7; logo, 7 meses é o prazo mínimo.
1.13. PROGESSÕES GEOMÉTRICAS (P.G.) 31

[11] Ache 4 números naturais entre 2 e 486 tais que formem uma P. G.
Note que a1 = 2 e a6 = 486, logo

a6 = a1 q 5 =⇒ q 5 = 243 =⇒ q = 3.
Os 4 números são:

{, 6, 18, 54, 162}.


[12] Seja uma P.G. tal que an+1 < an para todo n ∈ N. Se a soma dos tres primeiros termos é 39
e o seu produto é 729, e se denotamos por a, b e c os tres primeiros termos da P.G, determine o
valor de a2 + b2 + c2 .
Seja q a razão da P.G, poderemos escrever os tres termos por:
x
{ , x, x q}.
q

Por outro lado:


x
× x × x q = 729 =⇒ x3 = 729 =⇒ x = 9.
q

9
Logo, temos: { , 9, 9 q}. Por outro lado:
q
9 1
+ 9 + 9 q = 39 =⇒ 3 − 10 q + 3 q 2 = 0 =⇒ q = ou q = 3.
q 3

Como os termos da P.G. satisfazem an+1 < an para todo n ∈ N, devemos ter que:
1
q=
3
(por que?). Os termos são 27, 9 e 3:

272 + 92 + 32 = 819.
32 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

1.14 Exercícios
1. Determine os valores de x tais que:


(a) x2 = x (g) |x| = |x + 7|
p
(b) (x − 1)2 = x − 1
√ (h) |x − 1|2 = |2 x + 1|
(c) x2 − 2 x + 1 = 1 − x

4 − x
(d) x4 = x2 (i)
=3
3x
(e) |x + 1| = |x − 1|
2
x
(f) |x − 1|2 = |2 x − 1| (j) =4
x − 1

2. Determine a solução de :

(a) (x + 5)2 − 2 (x + 5) − 5 = 0 (i) (x2 − 2)2 − 3 (x2 − 2) + 1 = 0

(b) x2/5 − 7 x1/5 − 8 = 0 (j) (x3 + 1)2 + 5 (x3 + 1) − 1 = 0


(c) 2 (x3 − 1)2 − 6 (x3 − 1) − 2 = 0 √ √
(k) ( x − 3)2 + x − 4 = 0
(d) x4/3 − 2 x2/3 − 2 = 0
(l) (x + 1)4 − 3 (x + 1)2 + 2 = 0
(e) 4 (x + 3)1/3 + 3 (x + 3)2/3 − 4 = 0
√ √ √ √
(f) x + 2 − 6 4 x + 2 − 16 = 0 (m) (( 5 x−1)4 −1)4 −2 ( 5 x−1)4 −1)+1 = 0

(g) (x − 3)2 − 5 (x − 3) + 6 = 0 (n) (x3 + 1)2 − (x3 + 1) − 2 = 0


(h) (x + 4)2 − (x + 4) − 4 = 0
(o) (x2 − 2 x + 1)2 − 5 (x2 − 2 x + 1) − 6 = 0

3. Ache a solução das seguintes desigualdades e represente no eixo coordenado o conjunto


solução:

(a) x4 − x2 < 0 (i) |x2 − 1||x + 1| > 0


(b) x2 − 2 ≥ x (j) 2 x2 − 2 ≤ x2 − x
(c) x2 + x > 2 (k) |x − 1| + |x − 2| > |10 x − 1|
(d) (x − 5)4 (x + 10) ≤ 0 (l) x2 − 7 x + 8 > (x − 6)2
(e) |x + 2| < 1 (m) |x2 − x − 1| < 2
(f) |x − 5| < |x + 1| (n) |x + 1| + |x + 2| > |10 x − 1|
(g) 4 x2 + 10 x − 6 < 0 (o) |x2 − 1| < |x − 1|
(h) |x − 1|2 < |2 x + 1|
1.14. EXERCÍCIOS 33

4. Resolva as seguintes inequações:

x x2
(a) ≥0 (g) ≥x+1
x−1 x+3
x
(b) −2≥0
x−5 x2 − 4
(h) ≥0
x−1 x+6
(c) >2
x+5
(x + 1) (x − 7)
x−1 (i) >0
(d) ≥0 (x − 1) (x − 6) (x + 3)
x+1
x x 1
(e) ≤ (j) 3 (x + 3) ≥ 2 (1 − )
x−3 x+1 x
x2 + 2 1
(f) >x (k) 3 ( − 3) > 5 (x + 1)
x+3 x

5. Se 3 x + 15 = 0, determine o valor de

|x + 5|
(a)
|x − 5|

|x − 8| |x + 6|
(b) |x| −
|1 − 2 x|

6. Verifique se é verdadeiro ou falso, dando um exemplo no caso de a resposta ser falso:

(a) Para todo x, y e z: |x + y + z| = |x| + |y| + |z| e

(b) Para todo x e y: |x − y| ≤ |x| − |y|.

(c) Para todo x e y: ||x| − |y|| ≤ |x + y|.

7. Resolva as seguintes inequações com valor absoluto:



(a) |2 x − 1| > 3 x + 1
(e) >2
x − 2
(b) |2 x + 5| ≥ |x + 4|

3 x − 1
x 1 (f)
<3
(c) − ≥ 5 x+7
5 2

2 x − 1 2 x − 1
(d) ≤1 (g)
>3
x+3 2x + 1
34 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

8. As temperaturas nas escalas de Fahrenheit (F) e Celsius (C) estão relacionadas pela fór-
mula:

5 (F − 32)
C= .
9
A que temperatura na escala de Fahrenheit corresponde na escala de Celsius um objeto
que está entre 40 e 50 graus Celsius.

9. Uma resistência tem 7 Ohms e uma resistência variável é instalada em paralelo. A resis-
tência resultante é dada por:

7R
RT = .
R+7
Determine o valor de R tal que RT seja maior que 3 Ohms.

10. O quíntuplo de um número x subtraído de 12 é sempre maior do que 13. Escreva e resolva
essa inequação.

11. A soma de 5 com a metade de um número é sempre maior do que a diferença entre 10 e
o dobro desse número. Resolva essa inequação.

12. (Parte Inteira) Para todo x ∈ R, denotamos e definimos a parte inteira de x por:

[[x]] = n ⇐⇒ n ≤ x < n + 1, onde n ∈ Z.

Verifique se é verdadeiro ou falso, dando um exemplo no caso de a resposta ser falso:

(a) [[x]] = x se, e somente se x ∈ Z.

(b) Para todo x e y: [[x]] + [[y]] < [[x + y]]


   
[[x]] x
(c) Para todo x e n ∈ N: =
n n

Determine a solução de:

(a) [[x]]2 − 2 [[x]] − 2 ≤ 0.

(b) [[4 x2 − 5 x − 4]] ≤ 1.


p
(c) [[x]]2 − 12 + [[x]]2 − [[x]] − 6 ≥ 0.

13. Determine quatro meios aritméticos entre 1 e 19.


1.14. EXERCÍCIOS 35

1
14. Determine cinco meios geométricos entre 8 e .
8

15. Determine seis meios geométricos entre 1 e 2187.

16. Numa P. A. a soma do segundo e quinto termos é 45 e a razão é a metade do primeiro


termo. Calcule a soma dos 20 primeiros termos.

17. Numa P. A. a razão, o número de termos e o último termo são números inteiros consecu-
tivos. Sabendo que o primeiro termo é -10, calcule a soma dos 10 primeiros termos.

18. Numa P. A. de 36 termos, o primeiro termo é 25 e o último 305. Calcule a razão.

19. Numa P. A. de 9 termos e razão 2, a soma de seus termos é igual a zero. Calcule o sexto
termo da P.A.

20. Numa P. A. o primeiro termo é 12 e a razão é 3. Calcule o número de termos para que a
soma seja 882.

21. Calcular a soma dos 80 primeiros termos da PA : 6, 9, 12, 15, 18 ...

22. Determine x para que x + 2, 18 + x e x + 66 estejam em P.G.

23. Numa P.G. de 6 termos, a soma dos 3 primeiros termos é 65 e a soma dos 3 últimos é 1755.
Calcule o primeiro termo.

24. Em 2005 o preço de um certo produto era x − 3 reais, em 2008 era de x + 1 reais e em 2011
era de 2 x + 8 reais. Sabendo que o aumento foi dado em P.G.,de 3 em 3 anos, determine
a razão da P.G.

25. Uma empresa de prospecção de água contratou a abertura de um poço sob as seguintes
condições: recebe 100 reais pelo primeiro metro perfurado, 200 pelo segundo, 400 pelo
terceiro e assim sucessivamente, duplicando sempre até o último metro perfurado. Se a
estimativa é de que o poço deverá ter 10 metros, quanto será o custo total da perfuração?

26. Três números a, b e c estão em P.A. Se a + b, b e b + c estão em P.G. e a2 + c2 = 8, calcule a


razão das duas progressões.

27. Determine n, se:

32 + 33 + . . . . . . 3n = 1089.

28. (UFSC 1989) Numa PG de 6 termos positivos a razão é 5. O produto do décimo termo
com o último é 12500. Determine o valor do terceiro termo.
36 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

29. Os termos do primeiro membro da equação:

3 + 6 + ... + x = 381

formam uma P.G. Determine o conjunto solução da equação.

30. (UFRRJ 2004) Em uma P.A. não constante de 7 termos, com termo médio igual a 6, os
termos 2a , 4a e 7a , nesta ordem, formam uma P.G. Determine esta P.A.

31. Quantos inteiros consecutivos, começando com 10, devem ser considerados para que sua
soma seja igual a 2035?

8
32. Determine a soma dos termos da P. G. infinita: 10, 4, .
5

33. Calcule a soma de todos os inteiros entre 100 e 800 que são divisíveis por 3.

34. (FUVEST/01) Uma P. A. e uma P. G. tem̂, ambas, o primeiro termo igual a 4, sendo que
os seus terceiros termos são estritamente positivos e coincidem. Sabe-se ainda que o
segundo termo da P. A. excede o segundo termo da P. G. em 2. Determine o terceiro
termo das progressões.
Capítulo 2

A RETA NO PLANO

2.1 Plano Coordenado

Um par ordenado de números reais é uma dupla de números reais (x, y), tais que (x, y) = (y, x)
se, e somente se x = y.

O elemento x do par ordenado é chamado primeira coordenada do par e y é chamado a se-


gunda coordenada do par.

De forma análoga à representação geométrica dos números reais, podemos representar geome-
tricamente os pares ordenados.

Para isto consideramos duas retas, que por conveniência impomos que se intersectem perpen-
dicularmente.

A reta horizontal é chamada eixo das abscissas ou eixo dos x e a reta vertical é chamada eixo
das ordenadas ou eixo dos y.

A interseção das retas é chamada origem, à qual associamos o par (0, 0) e atribuimos sentidos
a estas retas, que descrevem um plano, chamado plano coordenado.

As quatros regiões determinadas no plano por estas retas são chamadas quadrantes.

A representação de um par ordenado como um ponto do plano ( e reciprocamente), é feita de


forma análoga a do eixo coordenado.

Exemplo 2.1.

Considere os seguintes pontos:

A = (1, 2), B = (−2, 1), C = (−2, −1) e , D = (1, −2),

tem a seguinte representação no plano coordenado:

37
38 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

y
2 A

B 1

-2 0 1
x
-1
C

-2
D

Figura 2.1:

2.2 Distância entre dois Pontos no Plano


Usando o Teorema de Pitágoras podemos definir a distância entre dois pontos do plano coor-
denado.
y
y2 B

y1 A

x1 x2 x

Figura 2.2: Distância entre dois pontos.

Sejam A = (x1 , y1 ) e B = (x2 , y2 ) pontos do plano. A distância d entre A e B é:


p
d(A, B) = (x2 − x1 )2 + (y2 − y1 )2

A distância possui as seguintes propriedades imediatas.

Proposição 2.1. Sejam A, B e C pontos do plano, então:

1. d(A, B) ≥ 0 e d(A, B) = 0 se, e somente se A = B.

2. d(A, B) = d(B, A).

3. d(A, B) ≤ d(A, C) + d(C, B).


2.3. PONTO MÉDIO 39

2.3 Ponto Médio

Desejamos determinar o ponto médio entre o ponto A = (x1 , y1 ) e B = (x2 , y2 ). Denotemos


por P = (x, y) o ponto em questão. Isto é:

d(A, B)
d(A, P ) = d(B, P ) = .
2

Considere os seguintes pontos auxiliares R = (x, y1 ) e T = (x2 , y) como no desenho:

y2 B

P
y T

A
y1 R

x1 x x2

Figura 2.3: Ponto médio.

O triângulo ARP e o triângulo P T B são congruentes; logo, temos:

d(A, R) = d(P, T ) e d(R, P ) = d(T, B),

isto é:

x1 + x2 y1 + y2
x= e y=
2 2

Exemplo 2.2.

[1] Calcule a distância entre os pontos A = (2, −3) e B = (−2, 1). Aplicando a fórmula:

p √
d(A, B) = (−2 − 2)2 + (1 − (−3))2 = 32.
40 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

-2 -1 1 2

-1

-2

-3

-4

Figura 2.4: Exemplo [1].

[2] Se a abscissa de um ponto é 4 e sua distância ao ponto (−2, 6) é 10, determine a ordenada
do ponto.

Denotemos por A = (4, y) o ponto em questão e B = (−2, 6). Aplicando a fórmula:


p
10 = d(A, B) = 36 + (y − 6)2 ⇐⇒ y = −2 ou y = 14.

10

-2 -1 1 2 3 4

Figura 2.5: Exemplo [2]

[3] Determine o ponto no eixos dos x que é equidistante aos pontos (1, 3) e (−3, 5).

Denote por A = (1, 3), B = (−3, 5) e P = (x, 0) o ponto procurado, logo devemos ter:

d(A, P ) = d(B, P ) ⇐⇒ (x − 1)2 + 9 = (x + 3)2 + 25 =⇒ x = −3 =⇒ P = (−3, 0).


2.3. PONTO MÉDIO 41

-3 -2 -1 1

Figura 2.6: Exemplo [3]

[4] Verifique que os pontos A = (3, 8), B = (−11, 3) e C = (−8, −2) são os vértices de um
triângulo isósceles.
Calculemos d(A, B), d(B, C) e d(A, C);

p √
d(A, B) = (−11 − 3)2 + (3 − 8)2 = 221

p √
d(B, C) = (−8 + 11)2 + (−2 − 3)2 = 34

p √
d(A, C) = (−8 − 3)2 + (−2 − 8)2 = 221.
Logo, d(A, B) = d(A, C) e o triângulo é isósceles.
8

-10 -8 -6 -4 -2 2

-2

Figura 2.7: Exemplo [4]

[5] Verifique que os pontos A = (7, 5), B = (2, 3) e C = (6, −7) são os vértices de um triângulo
retângulo.
42 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

Calculemos d(A, B), d(B, C) e d(A, C);

p √
d(A, B) = (2 − 7)2 + (3 − 5)2 = 29

p √
d(B, C) = (6 − 2)2 + (−7 − 3)2 = 116

p √
d(A, C) = (6 − 7)2 + (−7 − 5)2 = 145.
Logo, d(A, B)2 + d(B, C)2 = d(A, C)2 ; os pontos são os vértices de um triângulo retângulo.

1 2 3 4 5 6 7

-2

-4

-6

Figura 2.8: Exemplo [5]

[6] Classifique o triângulo de vértices (−4, 3), (3, 0) e (0, 1).


Denotemos por A = (−4, 3), B = (3, 0) e C = (0, 1). Primeiramente calculamos:
√ √ √
d(A, B) = 58, d(B, C) = 10 e d(A, C) = 20.

Como d(A, B) 6= d(B, C) 6= d(A, C) é um triângulo escaleno.


3

-4 3

Figura 2.9: Exemplo [6]


2.4. A RETA 43

[7] Determine os pontos que distam 5 unidades do ponto A = (1, 2) e distam 2 unidades do
eixo dos x.

Seja P = (x, y) um ponto que satisfaz o pedido:


p
d(P, A) = (x − 1)2 + (y − 2)2 = 5 =⇒ (x − 1)2 + (y − 2)2 = 25.

Como a distância de P ao eixo dos x é 2, esta distância é exatamente a ordenada do ponto P ,


que pode ser nagativa ou positiva:

Se y = 2, temos que (x − 1)2 = 25, logo x − 1 = ±5, então x = 6 ou x = −4; os pontos são:

(6, 2), (−4, 2).

Se y = −2, temos que (x − 1)2 + 16 = 25, logo x − 1 = ±3, então x = 4 ou x = −2; os pontos
são:

(4, −2), (−2, −2).

-4 -2 2 4 6

-2

Figura 2.10: Exemplo [7]

2.4 A Reta
Algebricamente, a equação geral da reta é a equação de primeiro grau em duas variáveis; a
recíproca é válida. Existem diversas formas de apresentar as equações das retas no plano. Nós
veremos as mais importantes.

2.5 Equação da Reta


Sejam P1 = (x1 , y1 ) e P2 = (x2 , y2 ) dois pontos distintos no plano:
44 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

y P2
y2

P1
y1

x1 x2 x

Figura 2.11:

A equação da reta que passa pelos pontos P1 e P2 é:

y − y2 x − x2
= ,
y2 − y1 x2 − x1

ou equivalentemente:

ax + by + c = 0

onde a = y1 − y2 , b = x2 − x1 e c = x1 y2 − x2 y1 .

1. Reciprocamente, a equação:

ax + by + c = 0

representa uma reta.

2. Se a = 0 e b 6= 0, a reta é horizontal:
c
y=− .
b

3. Se b = 0 e a 6= 0, a reta é vertical:
c
y=− .
a

4. Se c = 0 a reta passa pela origem.

5. O ponto P0 = (x0 , y0 ) pertence à reta a x + b y + c = 0 se, e somente se a x0 + b y0 + c = 0.


2.6. INTERSECÇÃO COM OS EIXOS COORDENADOS 45

6. O número:

a y2 − y1
− =
b x2 − x1

é chamado coeficiente angular ou inclinação da reta.

7. No caso em que x1 = x2 , a reta vertical que não possui inclinação.

Não é difícil ver que se a reta passa pelos pelos pontos (a, 0) e (0, b), temos:

y−0 x−a
= =⇒ b x + a y = a b,
0−b a−0

logo:

x y
+ =1
a b

Esta forma de apresentar a equação da reta é dita forma dos interceptos.

2.6 Intersecção com os Eixos Coordenados


Considere a reta: a x + b y + c = 0.

1. Intersecção com o eixo dos x. Fazemos y = 0 na equação e obtemos:

c c
x=− =⇒ o ponto (− , 0).
a a

2. Intersecção com o eixo dos y. Fazemos x = 0 na equação e obtemos:

c c
y = − =⇒ o ponto (0, − ).
b b

Exemplo 2.3.

[1] Ache a equação da reta que passa pelos pontos P1 = (−1, 3) e P2 = (2, −4).
Neste caso: a = 3 + 4 = 7, b = 2 + 1 = 3 e c = −2; logo, a equação é: 7 x + 3 y − 2 = 0.
46 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

y
4

-1 1 2 3
x

-2

-4

Figura 2.12: A reta 7 x + 3 y − 2 = 0.

[2] Determine k tal que o ponto P = (3, k) pertença à reta 3 x + 5 y − 12 = 0.

O ponto P = (3, k) pertence à reta 3 x + 5 y − 12 = 0 se, e somente se 3 · 3 + 5 · k − 12 = 0; logo,


3
k= .
5

y
4

-1 1 2 3 4 5
x

-1

Figura 2.13: A reta 3 x + 5 y − 12 = 0 e o ponto P = (3, 3/5).

[3] Determine a inclinação da reta que passa pelos pontos (−2, −1) e (4, 3).

Escrevamos a equação da reta que passa por (−2, −1) e (4, 3):

−2 x + 3 y − 1 = 0.

2
Logo a inclinação é: .
3
2.6. INTERSECÇÃO COM OS EIXOS COORDENADOS 47

-4 -2 2 4

-1

-2

Figura 2.14: Exemplo [3].

[4] Determine k tal que a reta 4 x − k y − 7 = 0 tenha inclinação igual a 3.

Reescrevendo a reta:

4x 7 4 4
y= − =⇒ = 3 =⇒ k = .
k k k 3

[5] Determine k1 e k2 tais que a reta x + k1 y − 2 k2 = 0 intersecte o eixo dos x no ponto (−4, 0)
e o eixo dos y no ponto (0, 1).

2 k2
Fazendo x = 0, então y = , logo:
k1

2 k2
= 1 =⇒ 2 k2 = k1 .
k1

Fazendo y = 0, então x = 2 k2 , logo:

2 k2 = −4 =⇒ k2 = −2 =⇒ k1 = −4,

A reta é x − 4 y + 4 = 0.
48 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

2.0

1.5

1.0

0.5

-4 -2 2 4

Figura 2.15: Exemplo [4].

2.7 Equação Reduzida da Reta

Se uma reta não é paralela ao eixo dos y, então b 6= 0. Fazendo:

y2 − y1 x2 y 1 − x1 y2
m= e n= ,
x2 − x1 x2 − x1

obtemos a equação reduzida da reta:

y = mx + n

O número m é chamado coeficiente angular ou inclinação da reta e n é chamado coeficiente


linear da reta.

É fácil ver que a equação da reta que passa pelo ponto P0 = (x0 , y0 ) e tem coeficiente angular
m é:

y − y0 = m (x − x0 )
2.8. INTERSECÇÃO COM OS EIXOS COORDENADOS 49

y P2
y2
y −y
2 1

P1
y1 x2 −x1

x1 x2 x

Figura 2.16:

2.8 Intersecção com os Eixos Coordenados


Considere a reta: y − y0 = m (x − x0 ).

1. Eixo dos x. Fazemos y = 0 na equação e obtemos o ponto de interseção:

m x0 − y0 m x0 − y0 
x= =⇒ o ponto ,0 .
m m

2. Eixo dos y. Fazemos x = 0 na equação e obtemos o ponto de interseção:

y = −m x0 + y0 =⇒ o ponto (0, −m x0 + y0 ).

2.9 Colinearidade
Os pontos P1 = (x1 , y1 ), P2 = (x2 , y2 ) e P3 = (x3 , y3 ) são colineares se, e somente se as inclina-
çãos das retas que passam por P1 e P2 , P1 e P3 e P2 e P3 são iguais. Isto é:

y2 − y1 y3 − y1 y3 − y2
= =
x2 − x1 x3 − x1 x3 − x2

Exemplo 2.4.

[1] Obtenha a equação reduzida da reta que passa pelos pontos P1 = (2, 1) e P2 = (6, 5).

Neste caso: m = 1 e fazemos P0 = P1 ou P0 = P2 ; então, se x0 = 2 e y0 = 1, temos, y − x + 1 = 0


ou y = x − 1.
50 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

y
2

-1 1 2 3
x

-1

-2

Figura 2.17: A reta y = x − 1.

[2] Escreva na forma reduzida a equação: 4 x + 2 y + 5 = 0.


A forma reduzida é do tipo y = m x + n; então:

5
y = −2 x − .
2

[3] Determine se os pontos (0, −1), (1, 3) e (−1, −5) são colineares.
Devemos verificar que:

y2 − y1 3+1 y3 − y1 −5 + 1 y3 − y2 −5 − 3
= = 4, = =4 e = = 4;
x2 − x1 1−0 x3 − x1 −1 − 0 x3 − x2 −1 − 1
logo, são colineares.
6

- 1.0 - 0.5 0.5 1.0 1.5

-2

-4

-6

Figura 2.18: Exemplo [3].

2.10 Posição Geral de Duas Retas


Duas retas, no plano, podem ser:

Concorrentes, isto é, tem um único ponto em comum.


2.10. POSIÇÃO GERAL DE DUAS RETAS 51

Paralelas, isto é, não tem nenhum ponto em comum.

Coincidentes, isto é, tem infinitos pontos em comum.

Considere o sistema formado pelas retas:


(
a1 x + b1 y + c1 = 0
a2 x + b2 y + c2 = 0.

Sabemos que tal sistema linear, pode ter uma, nenhuma ou infinitas soluções. Logo:

Concorrentes, se, e somente se:

a1 b1
6= .
a2 b2

Paralelas, se, e somente se:

a1 b1 c1
= 6= .
a2 b2 c2

Coincidentes, se, e somente se:

a1 b1 c1
= = .
a2 b2 c2

Exemplo 2.5.

[1] Verifique se as retas 3 x − 4 y = 0, x + y − 7 = 0 e 4 x − 3 y = 0 determinam um triângulo


isósceles.

Devemos ver se as retas são duas a duas concorrentes; determinar os pontos de interseção e
finalmente verificar os lados do triângulo.

( ( (
3x − 4y = 0 x+y−7=0 3x − 4y = 0
x+y−7=0 4x − 3y = 0 4 x − 3 y = 0.

Note que as retas são concorrentes; as soluções dos sistemas são, respectivamente;

A = (4, 3), B = (3, 4) e C = (0, 0).

Por outro lado d(C, B) = d(C, A); logo, é um triângulo isósceles.


52 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

1 2 3 4 5

Figura 2.19: O triângulo isosceles, do exemplo [1/.

2.11 Paralelismo e Perpendicularismo de Retas

Sejam y = m1 x + n1 e y = m2 x + n2 as equações de duas retas.

As retas são paralelas se, e somente se:

m1 = m2

As retas são perpendiculares se, e somente se:

m1 · m2 = −1

Logo, as retas de equações a1 x + b1 y + c1 = 0 e a2 x + b2 y + c2 = 0 são perpendiculares, se, e


somente se:

a1 a2 + b1 b2 = 0

Em resumo, as retas l1 e l2 , são paralelas se, e somente se:

l1 : a x + b y + c1 = 0 e l2 : a x + b y + c2 = 0, c1 6= c2

Em particular, as retas y = m x e y = m x + b , são paralelas.


2.11. PARALELISMO E PERPENDICULARISMO DE RETAS 53

Figura 2.20: As retas y = m x e y = m x + b.

As retas l1 e l2 , são perpendiculares se, e somente se:

l1 : a x + b y + c1 = 0 e l2 : b x − a y + c2 = 0

Exemplo 2.6.

[1] Ache o valor de k tal que as retas:


(2 + k) x k−2
(a) y − = 1 e y − 3x + = 0 sejam paralelas.
2−k k+2
(b) k y = x + k 3 e y − 1 = 2 k 2 x sejam perpendiculares.

(a) As retas são paralelas se os coeficientes angulares são iguais; logo,

2+k
= 3 =⇒ k = 1.
2−k

1
Logo, temos as retas y − 3 x − 1 = 0 e y − 3 x − = 0.
3
y
2.0

1.5

1.0

0.5

-0.4 -0.2 0.2 0.4


x

-0.5

Figura 2.21: As retas do exemplo (a).


54 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

1 1
(b) As retas são perpendiculares se: · [2 k 2 ] = −1; donde k = − . Logo, temos as retas
k 2
4 y + 8 x − 1 = 0 e 2 y − x − 2 = 0.

y
2.0

1.5

1.0

0.5

-1.0 -0.5 0.5 1.0


x

Figura 2.22: As retas do exemplos (b).

[2] Determine a inclinação da reta perpendicular a reta que passa pelos pontos (2, 3) e (−4, 1).

A inclinação da reta que passa pelos pontos (2, 3) e (−4, 1) é:

1
m1 = .
3

Logo, a inclinação da reta perpendicular é:

1
m2 = − = −3.
m1

[3] Determine a equação da reta que passa pelo ponto (−3, −5) e é paralela à reta 3 y = −2 x+27.

A reta em questão é do tipo y = m x + b; como o coeficiente angular da reta 3 y = −2 x + 27 é


2 2
− , temos que m = − e:
3 3

2x
y=− + b,
3

6
como (−3, −5) pertence à reta: −5 = + b e b = −7, logo:
3

2x
y=− − 7.
3
2.11. PARALELISMO E PERPENDICULARISMO DE RETAS 55

10

-5 5

-5

-10

Figura 2.23: As retas do exemplos [3].

[4] Determine a reta que passa pelo ponto (−2, 3) e é perpendicular à reta 2 x − 3 y + 6 = 0.
2
A reta em questão é do tipo y = m x + b; como o coeficiente angular de 2 x − 3 y + 6 = 0 é ,
3
3
temos que m = − e:
2
3x
y=− + b.
2
Como x = −2 e y = 3, temos, b = 0. Logo:

3x
y=− .
2

-4 -3 -2 -1 1 2 3

-1

-2

-3

Figura 2.24: As retas do exemplo [4].

[5] Determine a reta que passa pelo ponto de interseção das retas 2 x−3 y+7 = 0 e 5 x+y+9 = 0
e é perpendicular à reta 2 x − y + 1 = 0.
Primeiramente, determinemos o ponto de interseção das retas, resolvendo o sistema:
56 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

(
2 x − 3 y = −7
5 x + y = −9.

Obtemos o ponto (−2, 1). A reta que procuramos tem equação y = m2 x+b tal que m1 ·m2 = −1,
onde m1 = 2 é o coeficiente angular da reta 2 x − y + 1 = 0; logo:

1 x
m2 = − e y=− + b.
2 2

Como a reta passa por (−2, 1), a reta procurada é x + 2 y = 0.

-3 -2 -1 1 2 3

-1

-2

-3

Figura 2.25: As retas do exemplo [5].

[6] Um ponto P é equidistante dos pontos A = (2, 1) e B = (−4, 3). Se a inclinação da reta que
2
passa pelo ponto P e C = (1, −1) é , determine P .
3
Seja P = (x, y), como d(P, A) = d(P, B) temos que:

(x − 2)2 + (y − 1)2 = (x + 4)2 + (y − 3)3 =⇒ y = 3 x + 5.

2
A reta que passa por P e C tem inclinação e sua equação é:
3

2 x − 3 y = 5;

substituindo nesta última equação y = 3 x + 5, temos:

20 25
2 x − 3 (3 x + 5) = 5 =⇒ x = − =⇒ y = − .
7 7
20 25 
O ponto P = − ,− .
7 7
2.11. PARALELISMO E PERPENDICULARISMO DE RETAS 57

10

-5 5

-5

- 10

Figura 2.26: As retas do exemplo [6].

1
[7] Determine a equação da reta que passa pelo ponto P = 3, , sabendo que a soma dos
2
comprimentos dos segmentos que ela determina sobre os eixos coordenados é 6.
x y
Considere a forma simétrica da equação da reta: + = 1, logo temos que a + b = 6 e:
a b
x y
+ = 1.
a 6−a
Como a reta passa por P :

3 1 9
+ = 1 =⇒ 2 a2 − 17 a + 36 = 0 =⇒ a1 = e a2 = 4.
a 2 (6 − a) 2
3
Logo, b1 = e b2 = 2 e obtemos:
2
2x 2y x y
+ =1 e + = 1.
9 3 4 2

2.5

2.0

1.5

1.0

0.5

2 4 6 8

Figura 2.27: As retas do exemplo [7].

[8] Considere o triângulo de vértices A = (2, 0), B = (−1, 6) e C = (4, 10). Determine a equação
da reta que contem a altura do triângulo, a partir do ponto A.
58 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

10

-6 -4 -2 2 4

Figura 2.28: Exemplo [8].

A inclinação da reta que liga B e C é:

4
m1 = ,
5
a altura do triângulo a partir do ponto A é determinada pela reta que passa por A e é perpen-
dicular à reta que passa por B e C; logo a inclinação dessa reta é:

5
m2 = − ,
4
e

5x
y=− + b.
4
5 5
Como o ponto A = (2, 0) pertence à reta: 0 = − + b e b = ; logo:
2 2
5x 5
y=− + ,
4 2
é a equação da reta que contem a altura.

2.12 Equação Geral do Primeiro Grau


A equação geral de primeiro grau é:

Ax + By + C = 0

onde A, B, C ∈ R, A e B não são simultaneamente nulos.


Pelo visto anteriormente, não é difícil ver que a equação geral do primeiro grau é a equação de
uma reta e reciprocamente toda equação de uma reta pode ser escrita como uma equação geral
do primeiro grau.
2.13. DISTÂNCIA DE UM PONTO A UMA RETA 59

1. Se B 6= 0, temos que:

Ax C
y=− − .
B B

2. Se B = 0 e C 6= 0, temos que:

C
x=− ,
A
reta paralela ao eixo dos y.

3. Se B = 0 e C = 0, temos que:

x=0

é a equação do eixo das y.

4. Se A = 0 e C 6= 0, temos que:

C
y=− ,
B
reta paralela ao eixo dos x.

5. Se A = 0 e C = 0, temos que:

y=0

é a equação do eixo das x.

2.13 Distância de um Ponto a uma Reta


Denotemos por l a reta de equação a x + b y + c = 0 e a reta perpendicular a l, passando pela
origem de equação b x − a y = 0. Resolvendo o sistema:
(
ax + by + c = 0
b x − a y = 0,

obtemos o ponto:
c
P = −k (a, b), onde k =
a2 + b2

Logo, a distância da origem a reta l é:


60 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

|c|
d = d(O, l) = √
a2 + b2

Figura 2.29: .

Em geral, a distância de um ponto Q = (x1 , y1 ) a reta l é dada por:

|a x1 + b y1 + c|
d(Q, l) = √ .
a2 + b2

Veja os próximos capítulos.

Q
d

Figura 2.30: .
2.13. DISTÂNCIA DE UM PONTO A UMA RETA 61

Exemplo 2.7.
[1] Determine a distância entre o ponto (−1, 2) e a reta 3 x − 4 y − 7 = 0.
Logo:

| − 3 − 8 − 7| 18
d= √ = .
9 + 16 5

[2] Determine a distância entre o ponto (0, 2) e a reta 12 x − 5 y + 4 = 0.


Logo:

| − 10 + 4| 6
d= √ = .
144 + 25 13

[3] Determine o valor de k tal que a distância da reta 8 x + 15 y + k = 0 ao ponto (2, 3) seja igual
a 2 unidades.
Temos:

|8 (2) + 15 (3) + k|
d= = 2 =⇒ |61 + k| = 34,
17
logo, k = −27 ou k = −95.

-5 5

Figura 2.31: Exemplo [3].

[4] Determine a equação da reta que passa pelo ponto (4, −2) e dista 2 unidades da origem.
A reta que passa por (4, −2) é do tipo:

y + 2 = m (x − 4) ⇐⇒ −m x + y + 4 m + 2 = 0.
Por outro lado:

|4 m + 2|
d(O, l) = √ = 2 =⇒ (4 m + 2)2 = 4 (m2 + 1) =⇒ m (3 m + 4) = 0,
m2 + 1
4
Logo, m = 0 ou m = − e
3
62 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

y + 2 = 0 e 4 x + 3 y − 10 = 0.

-4 -2 2 4

-2

-4

Figura 2.32: Exemplo [4].

2.14 Distância Entre duas Retas

Sejam l1 be l2 retas paralelas de equações:

a x + b y + c1 = 0 e a x + b y + c2 = 0; c1 6= c2 ,

respectivamente. Consideremos P = (x0 , y0 ) um ponto em l2 , logo:

a x0 + b y0 + c2 = 0 =⇒ −c2 = a x0 + b y0 ,

|a x0 + b y0 + c1 |
d(P, l1 ) = √ .
a2 + b2

Logo, a distância entre l1 e l2 é:

|a x0 + b y0 + c1 | |c1 − c2 |
d(l1 , l2 ) = d(P, l1 ) = √ =√ .
2
a +b 2 a2 + b2

Finalmente, temos:

|c1 − c2 |
d(l1 , l2 ) = √
a2 + b2
2.14. DISTÂNCIA ENTRE DUAS RETAS 63

Figura 2.33: A distância entre l1 e l2 .

Exemplo 2.8.

[1] Determine a distância entre as retas 3 x + 4 y − 13 = 0 e 3 x + 4 y + 7 = 0.


Como a = 3, b = 4, c1 = −13 e c2 = 7, temos:

|c1 − c2 |
d(l1 , l2 ) = √ = 4.
a2 + b2

-3 -2 -1 1 2 3

-2

-4

Figura 2.34: As retas do exemplo [1].

[2] Determine m tal que as retas m x + y = 12 e 4 x − 3 y = m + 1 sejam paralelas; determine


sua distância.
A condição de paralelismo das retas é:

m 1 4
= − =⇒ m = − .
4 3 3
Logo, as equações são:
64 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

1
4 x − 3 y + 36 = 0 e 4x − 3y + = 0.
3
A distância entre as retas é:
1
|36 − |
d= √ 3 ∼= 7.1333.
16 + 9

-4 -3 -2 -1 1 2 3 4

Figura 2.35: As retas do exemplo [2].

2.15 Famílias de Retas


Uma família de retas paralelas é definida por:

{a x + b y + k = 0 / k ∈ R},
com a e b fixados. O número k é dito parâmetro da família.
1.0

0.5

-1.0 - 0.5 0.5 1.0

- 0.5

-1.0

Figura 2.36: Família de retas x − y + k = 0.

A família de retas perpendiculares à família a x + b y + k = 0 é:


2.16. FAMÍLIAS DE RETAS QUE PASSAM PELA INTERSEÇÃO DE DUAS RETAS 65

a y − b x + k1 = 0.

1.0

0.5

-1.0 - 0.5 0.5 1.0

- 0.5

-1.0

Figura 2.37: As famílias de retas x − y + k = 0 e y + x + k1 = 0.

2.16 Famílias de Retas que passam pela Interseção de duas Retas

Sejam a família a x + b y + k = 0, as retas a1 x + b1 y + c1 = 0 e a2 x + b2 y + c2 = 0 e o ponto de


interseção das retas P . A equação:

a1 x + b1 y + c1 + k (a2 x + b2 y + c2 ) = 0

representa todas as retas que passam pelo ponto P , exceto a reta a2 x + b2 y + c2 = 0.

A importância desta equação é que podemos calcular a equação da reta que passa pela interse-
ção de duas retas dadas sem ter que determinar o ponto de interseção.

[1] Determine a equação da reta que passa pelo ponto (−2, 3) e pela interseção das seguintes
retas x + 5 y + 2 = 0 e 3 x + 4 y − 5 = 0.

A família de retas que passam pela interseção das retas dadas é:

x + 5 y + 2 + k (3 x + 4 y − 5) = 0.

Como o ponto (−2, 3) pertence á família, obtemos que k = −15, logo a equação da reta é:

4 x + 5 y − 7 = 0.
66 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

-4 -2 2 4

-1

Figura 2.38: Exemplo [1].

[2] Determine a equação da reta que passa pelo ponto de interseção das seguintes retas x+4 y −
18 = 0 e x + 2 y − 2 = 0 e tal que seja paralela a 3 x + 8 y + 1 = 0.
Considere:

x + 4 y − 18 + k (x + 2 y − 2) = 0 ⇐⇒ (k + 1) x + (4 + 2 k) y − 18 − 2 k = 0.
3
Por outro lado a reta deve ter inclinação − , logo, devemos ter:
8
k+1 3
− = − =⇒ k = 2,
4 + 2k 8
então:

x + 4 y − 18 + 2 (x + 2 y − 2) = 0 ⇐⇒ 3 x + 8 y − 22 = 0.

[3] Determine a equação da reta que passa pelo ponto de interseção das seguintes retas 3 x +
5 y + 26 = 0 e 7 x − 11 y − 13 = 0 e tal que seja perpendicular a 7 x + 3 y − 9 = 0.
Considere:

3 x + 5 y + 26 + k (7 x − 11 y − 13) = 0,
note que sua inclinação é:

3 + 7k
m1 = − ,
5 − 11 k
7
por outro lado a inclinação da reta 7 x + 3 y − 9 = 0 é m2 = − , como:
3
9
m1 · m2 = −1 =⇒ k = − .
4
Logo, a equação da reta perpendicular é:

3 x − 7 y − 13 = 0.
2.17. INTERSECÇÃO DE RETAS 67

-4 -2 2 4

-2

-4

-6

Figura 2.39: Exemplo [3].

2.17 Intersecção de Retas


Sejam y = m1 x + b1 e y = m2 x + b2 duas retas, então, o sistema:
(
y = m1 x + b1
y = m2 x + b2 ,

tem uma única solução se, e somente se as retas são não paralelalas, isto é, m1 6= m2 ; logo, seus
gráficos se intersectam num único ponto:

b2 − b1 b2 m1 − b1 m2 
P = , .
m1 − m2 m1 − m2

Analogamente para a interseção de mais de duas retas. Veja os próximos capítulos.

Exemplo 2.9.

[1] Ache os pontos de interseção das retas 2 x + 8 y − 5 = 0 e −2 x − 6 y + 9 = 0.


Temos o sistema:

x 5


y=− +

 4 8

y = − x + 3 ;



3 2
logo:

21
P = , −2).
2
68 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

5 10 15 20

-2

-4

Figura 2.40: Exemplo [1].

[2] Determine os vértices do triângulo de lados formados pelas retas y = 3 x , y = 2 − x e


y = x − 5. Resolvemos o sistema:


(1)
 y = 3x
(2) y =2−x

(3) y = x − 5.

1 3 7 3
Fazendo (1)=(2), temos x = e y = ; fazendo (2)=(3), temos x = e y = − e finalmente
2 2 2 2
fazendo (1)=(3), temos

5 15
x=− e y=− .
2 2

Logo, os vértices são:

1 3 7 3 5 15 
, , ,− e − ,− .
2 2 2 2 2 2
2.18. SEMIPLANOS 69

-4 -2 2 4

-2

-4

-6

-8

Figura 2.41: Exemplo [2].

[3] A soma de dois números é 28 e sua diferença é de 12. Ache os números.


Denotemos por x e y os números; logo, devemos ter:
(
x + y = 28
x − y = 12
que tem solução x = 20 e y = 8.

[4] Dois anos atrás, um homem era seis vezes mais velho que sua filha. Em 18 anos ele terá o
dôbro da idade da sua filha. Determine sua idade atual.
Denotemos por x a idade atual do pai e y a idade atual da filha. A equação para a condição de
2 anos atrás:

x − 2 = 6 (y − 2) =⇒ x − 6 y = −10;
a equação para a condição de 18 anos:

x + 18 = 2 (y + 18) =⇒ x − 2 y = 18.
Agora devemos resolver o sistema:
(
x − 6 y = −10
x − 2 y = 18,
que tem solução x = 32 e y = 7.

2.18 Semiplanos
Considere a reta l de equação:

a x + b y + c = 0,
70 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

tal que b > 0.

1. O ponto P = (x1 , y1 ) está acima da reta l se:

a x1 + b y1 + c > 0.

2. O ponto Q = (x2 , y2 ) está abaixo da reta l se:

a x2 + b y2 + c < 0.

P
Q

Figura 2.42: .

Isto é, uma reta determina duas regiões do plano chamadas semiplanos.

Exemplo 2.10.

[1] A reta y = x , determina os semiplanos:

x−y >0 e x − y < 0.


2.18. SEMIPLANOS 71

-4 -2 2 4

-2

-4

Figura 2.43: Gráfico de x − y < 0.

[2] A reta 2 x − y + 2 = 0, determina os semiplanos:

2x − y + 2 > 0 e 2 x − y + 2 < 0.

-4 -2 2 4

-2

-4

Figura 2.44: Grafico de 2 x − y + 2 > 0.

Veja os próximos capítulos.


72 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

2.19 Exercícios

1. Marque os seguintes pontos no plano coordenado e calcule a distância entre eles:

(a) (4, 5); (−4, −5) (g) (−5, 9); (4, −7)
(b) (0, 6); (−3, −6) (h) (−1, −10); (10, 2)
(c) (−2, −3); (−8, −6)
(i) (−4, 5); (−4, 9)
(d) (5, 7); (−4, 3)
√ 5
(e) ( 2, 1); (0, 1) (j) (2, ); (1, 3)
2
(f) (−π, 3); (3, π) √ √
(k) ( 225, 3); (15, 3)

2. Classifique os triângulos de vértices:

(a) (−2, 1), (2, −3) e (6, 5) (e) (7, 8), (5, 2) e (0, 7)
(b) (7, 0), (4, 1) e (6, 7) (f) (1, 1), (6, −1) e (4, −6)
(c) (−5, −3), (−7, 3) e (2, 6) (g) (−5, −2), (0, 1) e (1, 2)
(d) (−1, 5), (1, 1) e (5, −1)
(h) (2, 4), (5, −6) e (7, 9)

3. Utilize a fórmula da distância para verificar se os pontos são colineares.

(a) (−4, −6), (1, 0) e (11, 12) (d) (2, 4), (−2, 3) e (3, 3)

(b) (−2, −4), (3, 7/2) e (11, 12) (e) (−1/3, −3), (2, 4) e (5/2, 11/2)
(c) (23, 30), (2, 3) e (10, 5)
(f) (−2, 1), (2, 2) e (10, 4)

4. Utilize a fórmula da distância para verificar que os comprimentos das diagonais de um


retângulo são iguais.
√ √
5. Verifique que os seguintes pontos: (3, −3), (−3, 3) e (3 3, 3 3) são os vértices de um
triângulo equilátero.

6. Se (0, 0) e (a, 0) são vértices de um triângulo equilátero, determine o outro vértice.

7. Determine os pontos equidistantes dos pontos:


2.19. EXERCÍCIOS 73

(a) (0, −2) e (6, 4). (c) (5, 9) e (−2, −10)


(b) (−16, 4) e (2, 6)
(d) (32, 4) e (−9, 7)

8. Determine k tal que (4, 0), (k, 0) e (0, −6) sejam os vértices de um triângulo retângulo com
o lado reto em (0, 6).

9. Área de um triângulo. Se os vértices de um triângulo são (x1 , y1 ), (x2 , y2 ) e (x3 , y3 ),


verifique que a área do triângulo é dada por:

1
A= y1 (x2 − x3 ) + y2 (x3 − x1 ) + y3 (x1 − x2 ) .
2

10. Calcule a área dos seguintes triângulos, de vértices:

(a) (−3, 0), (0, −3) e (0, 3)

(b) (−4, 2), (5, 4) e (2, −3).

(c) (−6, −6), (−2, 8) e (4, 2).

(d) (−3, 4), (5, 3) e (2, 0).

(e) (−4, −1), (−1, 2) e (1, 1)

11. Ache a equação da reta que passa pelos pontos:

(a) P1 = (3, 1); P2 = (5, 2) (e) P1 = (2, 3); P2 = (4, 7)


(b) P1 = (1, 3); P2 = (2, 5) (f) P1 = (1, 1); P2 = (−1, −1)
(c) P1 = (−5, 3); P2 = (0, 4) (g) P1 = (−1, −1); P2 = (2, 3)
(d) P1 = (1, −1); P2 = (−1, 1)
(h) P1 = (−4, 1); P2 = (1, −1)

12. Ache a equação da reta que passa pelo ponto e inclinação dados:

(a) (−1, 2) e m = 4 (e) (−1, −1) e m = −1


(b) (3, 0) e m = −1/2 (f) (1, 2) e m não existe.
(c) (3, 7) e m = 0 (g) (3, 2) e m = 2.
(d) (4, −2) e m = 10
(h) (3, 2) e m = −2
74 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO

13. Ache as equações das retas que passam pelo ponto dado e:

1) são paralelas às retas dadas,

2) são perpendiculares às retas dadas:

(a) (−3, 2), 3 x − 7 y + 4 = 0 (d) (0, 1), −x + 4 y − 6 = 0

(b) (3, −2), 2 x + 5 = 0 (e) (1, 2), x − 2 y + 6 = 0


(c) (−2, 3), 5 x + y + 1 = 0
(f) (0, 1), −7 x + 2 y − 3 = 0

14. Considere o quadrilátero com vértices em (−5, 0), (3, 2), (5, −8) e (−7, −6):

(a) Determine as medidas de suas diagonais.

(b) Verifique que os pontos médios formam um paralelogramo.

(c) Determine o perímetro do paralelogramo.

15. Determine a área do triângulo formado pela reta 3 x−4 y −12 = 0 e os eixos coordenados.

16. Se os vértices de um triângulo são (0, 0), (4, 2) e (−2, 6), determine as equações das retas
que formam os lados do triângulo.

17. Obtenha a equação da reta paralela à reta 2 x + 3 y + 1 = 0 e que passa pelo ponto
P = (5, −2).

18. Ache a equação da reta perpendicular à reta 2 x + 5 y − 1 = 0 e que passa pelo ponto
P = (1, 1).

19. Verifique que as retas 2 x + 3 y = 1 e 6 x − 4 y − 1 = 0 são perpendiculares.

20. Determine k tal que as retas 2 x − 4 y − k = 0 e 9 x − 2 k y + 5 = 0 sejam perpendiculares.

21. Determine a equação da reta que passa pelo ponto (4, 8/3) e pela interseção das retas
3 x − 4 y − 2 = 0 e 9 x − 11 y − 6 = 0.

22. Ache a distância do ponto à reta dada:

(a) (−1, 2), 3 x − 4 y − 7 = 0 (d) (−3, 7), 4 x + 3 y − 5 = 0


(b) (0, 1), 2 x − 3 y − 11 = 0 (e) (3, −2), 2 x + 5 = 0
(c) (0, 2), 12 x − 5 y + 4 = 0 (f) (1, −3), −x + 2 y − 3 = 0
2.19. EXERCÍCIOS 75

23. Determine a família de retas que são paralelas à reta 2 x − 7 y + 2 = 0.

24. Determine a família de retas que são perpendiculares à reta 3 x + 2 y − 7 = 0

25. Determine k tal que uma reta da família de retas k x − y + 8 = 0 passe pelo ponto (−2, 4).
Ache a equação da reta.

26. Determine k tal que a reta 2 y + k x − 11 = 0 passe pela intersecção de x + 2 y + 5 = 0 e


2 x + 3 y + 3 = 0.

27. Determine k tal que a reta 5 x − 12 y + k = 0 diste 5 unidades da origem.



28. Determine k tal que a reta k x − y + 3 5 = diste 3 unidades da origem.

29. Determine a equação da reta que equidista das retas paralelas 12 x − 5 y + 3 = 0 e


12 x − 5 y − 6 = 0.

30. Determine k tal que uma reta da família de retas 3 x − k y − 7 = 0 seja perpendicular a
7 x + 4 y − 11 = 0

31. Determine a equação da reta que passa pela intersecção das retas 3 x + 2 y + 8 = 0 e
2 x − 9 y − 5 = 0 e é paralela à reta 6 x − 2 y + 11 = 0.

32. Determine a equação da reta que passa pela intersecção das retas 4 x − y − 1 = 0 e
7 x − 2 y = 0 e é perpendicular à reta 3 x + 8 y − 19 = 0.

33. Determine o ponto de intersecção das retas 9 x + 6 y − 14 = 0 e 3 x − 6 y + 10 = 0.

34. Determine os vértices do triângulo de lados formados pelas retas −2 x + 16 y − 4 = 0,


x − 2 y + 11 = 0 e −5 x − 3 y − 1 = 0.

35. Se ao primeiro de dois números é adicionado duas vezes o segundo, o resultado é 21, mas
quando ao segundo número é adicionado duas vezes o primeiro o resultado é 18. Ache
os números.

36. Seis anos atrás, João tinha quatro vezes a idade de Maria. Em quatro anos, ele terá o
dôbro da idade de Maria. Determine a idade deles.
76 CAPÍTULO 2. A RETA NO PLANO
Capítulo 3

AS CÔNICAS

As cônicas (ou seções cônicas), são curvas planas obtidas pela interseção de um cone circular
reto com um plano. As curvas obtidas são ditas cônicas não degeneradas e recebem o nome de
círculos, parábolas, elipses e hipérboles.

Definição 3.1. Sejam F um ponto e L uma reta, no plano, tais que F ∈


/ L. Chama-se cônica o
seguinte subconjunto do plano:

C = {P / d(P, F ) = e · d(P, L)},

onde e > 0.

Equivalentemente:

Uma cônica é formada pelos pontos P (lugar geométrico), do plano que satisfazem:

d(P, F ) = e · d(P, L).

O ponto F é dito foco, a reta L é dita diretriz e o número e é dito excentricidade da cônica.

Definição 3.2. Dada uma cônica C :

1. Se e = 1, a cônica é chamada parábola.

2. Se e < 1, a cônica é chamada elipse.

3. Se e > 1, a cônica é chamada hipérbole.

77
78 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

3.1 A Parábola

Figura 3.1: A parábola.

Por simplicidade, suponhamos que o foco da parábola está sobre o eixo dos y. Isto é, o foco é
F = (0, p), p 6= 0 e a diretriz L é a reta horizontal y = −p.

Pela definição, o ponto P = (x, y) pertence à parábola se, e somente se:

p p
d(P, F ) = d(P, L) ⇐⇒ x2 + (y − p)2 = (y + p)2
⇐⇒ x2 + y 2 − 2 p y + p2 = y 2 + 2 p y + p2
⇐⇒ x2 = 4 p y.

Se p > 0, a equação da parábola é:

x2
y= .
4p
3.1. A PARÁBOLA 79

F
P

Figura 3.2: Parábola para F = (0, p) e y = −p.

Se p < 0; o foco é F = (0, −p), a diretriz é y = p e a equação é:

x2
y=− .
4p

V
P

Figura 3.3: Parábola para F = (0, −p) e y = p.

3.1.1 Elementos da Parábola


1. O eixo focal é reta que passa pelo foco e é perpendicular a diretriz.

2. O ponto V da parábola mais próximo da reta diretriz é chamado vértice da parábola, ou


equivalentemente, o ponto de interseção da parábola com seu eixo.
80 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

3. A reta que liga o vértice ao foco e que é perpendicular à diretriz é dita eixo de simetria.

4. Se mudamos na equação da parábola x por −x a equação não muda; logo, a parábola é


simétrica em relação ao eixo dos y.

5. O segmento ou corda que passa pelo foco e é paralela à diretriz é dita latus rectum (lado
reto) da parábola. Note que o comprimento do lado reto é |4 p|, isto é 4 vezes a distância
do foco ao vértice. Este comprimento indica a abertura da parábola.

Analogamente, se o foco da parábola está sobre o eixo dos x; isto é, o foco é F = (p, 0), p 6= 0 e
L, a diretriz é a reta vertical x = p. Neste caso, a equação da parábola é:

y 2 = ±4 p x.
Se mudamos na equação da parábola y por −y a equação não muda; logo, a parábola é simétrica
em relação ao eixo dos x.

L V F

Figura 3.4: Parábola y 2 = ±4 p x.

Em resumo:

Equação Vértice Eixo Foco Diretriz Abertura

x2 = 4 p y (0, 0) x=0 (0, p) y = −p p > 0 acima, p < 0 abaixo

y2 = 4 p x (0, 0) y=0 (p, 0) x = −p p > 0 direita, p < 0 esquerda

Em geral, a equação da parábola com foco em F = (x0 + p, y0 ) e diretriz x = x0 − p é


3.1. A PARÁBOLA 81

(y − y0 )2 = 4 p(x − x0 ).

O ponto V = (x0 , y0 ) é o vértice da parábola e o eixo é paralelo ao eixo dos y.

Analogamente, a equação da parábola com foco em F = (x0 , y0 + p) e diretriz y = y0 − p é

(x − x0 )2 = 4 p(y − y0 ).

O ponto V = (x0 , y0 ) é o vértice da parábola e o eixo é paralelo ao eixo dos y.

Em resumo:

Equação Vértice Eixo Foco Diretriz Abertura

(x − x0 )2 = 4 p (y − y0 ) (x0 , y0 ) x = x0 (x0 , y0 + p) y = y0 − p p > 0 acima, p < 0 abaixo

(y − y0 )2 = 4 p (x − x0 ) (x0 , y0 ) y = y0 (x0 + p, y0 ) x = x0 − p p > 0 direita, p < 0 esquerda

Exemplo 3.1.

[1] Determine a equação da parábola com vértice na origem e diretriz y = −2.

Note que o eixo de simetria é o eixo dos y e a distância do vértice ao foco é p = 2, logo a equação
é:

x2
y= .
8

[2] Determine a equação da parábola com foco (0, −3) e diretriz y = 3.

A equação é x2 = 4 p y, como p = −3, logo a equação é:

x2 = −12 y.

Note que V = (0, 0).


82 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

-6 -4 -2 2 4 6

-1

-2

-3

Figura 3.5: Parábola de [2]

[3] Determine k tal que a parábola x = k y 2 tenha o foco em (3, 0).

Como o foco da parábola é (3, 0), temos:

y 2 = 4 p x =⇒ y 2 = 12 x.
1
Comparando as equações, temos que k = e a equação é:
12
y2
x= .
12

2 4 6 8

-5

Figura 3.6: Parábola de [3]

[4] Determinar o foco e a diretriz da parábola x2 − 16 y = 0.

Escrevemos x2 = 16 y; logo, p = 4, F = (0, 4) e y = −4.


3.1. A PARÁBOLA 83

- 10 -5 5 10

-2

-4

Figura 3.7: Parábola de [4]

[5] Determine a equação da parábola com vértice na origem e que passa pelo ponto (−2, 4) e
tem diretriz paralela ao eixo dos y.
A equação é do tipo y 2 = 4 p x, então 16 = −8 p e p = −2 e:

y 2 = −8 x.

-3 -2 -1 1 2

-2

-4

Figura 3.8: Parábola de [5]

[6] Determine o foco, o vértice e a diretriz da parábola y 2 + 6 y − 8 x + 1 = 0.


Completando os quadrados:

y 2 + 6 y − 8 x + 1 = 0 ⇐⇒ (y + 3)2 − 9 − 8 x + 1 = 0
⇐⇒ (y + 3)2 = 8 x + 8
⇐⇒ (y + 3)2 = 8 (x + 1).
84 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

Logo, V = (−1, −3) é o vértice, o foco F = (1, −3) e a diretriz x = −3.

-2 2 4

-2

-4

-6

-8

-10

Figura 3.9: Parábola de [6]

3.2 A Elipse

Figura 3.10: A elipse.

Por simplicidade, suponhamos que o foco está sobre o eixo dos x. Isto é, o foco é F = (p, 0) e a
diretriz é a reta vertical x = d tal que p 6= d.

Pela definição, o ponto P = (x, y) pertence à elipse se, e somente se:


3.2. A ELIPSE 85

p p
d(P, F ) = e · d(P, L) ⇐⇒ (x − p)2 + y 2 = e · (x − d)2
⇐⇒ x2 − 2 p x + p2 + y 2 = e2 · (x2 − 2 d x + d2 )
⇐⇒ (1 − e2 ) x2 + 2 (e2 d − p) x + y 2 = e2 d2 − p2 .

Figura 3.11:

Se escolhemos p = e2 d, obtemos:

x2 y2
(1 − e2 ) x2 + y 2 = e2 d2 (1 − e2 ) ⇐⇒ + =1
e2 d2 e2 d2 (1 − e2 )
x2 y 2
⇐⇒ + 2 = 1,
a2 b
√ a
onde a = e d e b = e d 1 − e2 . Note que p = a e e d = , por outro lado:
e

b p a2 − b2
= 1 − e2 =⇒ e = .
a a

a a2 − b2
A equação da elipse com foco F = (a e, 0), diretriz x = e excentricidade e = é:
e a

x2 y 2
+ 2 = 1, a>b
a2 b

Considere o seguinte desenho:


86 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

L1 L

P P
1

F1 F

Figura 3.12:

Com as notações do desenho, seja F1 = (−p, 0) e L1 a reta x = −d, então temos que:

d(P1 , F1 ) = d(P, F ) e d(P, L) = d(P1 , L1 ).


Logo, F1 também é foco e L1 é diretriz da elipse. Note que d(P, P1 ) = 2 p.

Proposição 3.1. A elipse é o lugar geométrico dos pontos P tais que:

d(P, F ) + d(P, F1 ) = 2 a.

3.2.1 Elementos da Elipse


Os elementos da elipse são:

1. Os focos F = (p, 0) e F1 = (−p, 0).

2. O eixo focal é a reta que passa pelos focos.

3. O centro é ponto médio entre F1 e F2 , isto é o ponto (0, 0).

4. A distância focal é d(P, P1 ) = 2 p.

5. A excentricidade é:

a2 − b2
e= ;
a
como b < a temos que: 0 < e < 1.
3.2. A ELIPSE 87

6. O eixo normal é a reta perpendicular ao eixo focal passando pelo centro

7. Os vértices A e A1 : pontos de interseção da elipse com o eixo focal e os vértices B e B1 :


pontos de interseção da elipse com o eixo normal.

8. O eixo maior é o segmento de reta que une os vértices A e A1 e o eixo menor é o segmento
de reta que une os vértices B e B1 .

d(A, A1 ) = 2 a e d(B, B1 ) = 2 b.

L1 L

A F1 F A
1

B1

Figura 3.13:

9. Se substituimos na equação da elipse x por −x e/ou y por −y a equação da elipse não


muda; logo, é simétrica em relação à origem.

10. Em qualquer elipse vale:

a2 = b2 + p2 ,

isto é o Teorema de Pitǵoras para o triângulo BOF . Analogamente, para o triângulo


BOF1 .
88 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

b a

A
O p F

Figura 3.14: Teorema de Pitǵoras.


p
De forma análoga, a equação da elipse com focos em (0, ±p) tal que b = a2 − p2 é:

x2 y 2
+ 2 = 1, a>b
b2 a

F1

Figura 3.15:

Em resumo:

Equação Centro Foco Eixo Maior Vértices - eixo maior Vértices - eixo menor

x2 y 2
+ 2 =1 (0, 0) (±p, 0) eixo dos x (±a, 0) (0, ±b)
a2 b

x2 y 2
+ 2 =1 (0, 0) (0, ±p) eixo dos y (0, ±a) (±b, 0)
b2 a

Se os pontos P da elipse que tem focos nos pontos F = (x0 − c, y0 ) e F1 = (x0 + c, y0 ) satisfazem
3.2. A ELIPSE 89

d(P, F ) + d(P, F1 ) = 2 a, a > c,

a elipse tem equação:

(x − x0 )2 (y − y0 )2
+ =1
a2 b2

onde b2 = a2 − c2 . Os focos são F = (x0 − c, y0 ) e F1 = (x0 + c, y0 ), a reta focal é y = y0 e


os vértices sobre a reta focal são A = (x0 − a, y0 ) e A1 = (x0 + a, y0 ). Os vértices sobre a reta
x = x0 , são B1 = (x0 , y0 − b) e B = (x0 , y0 + b).

y A1 F1 F A
0

B1

x0

Figura 3.16: A elipse.

A excentricidade é uma medida do “alongamento” da elipse. Por exemplo, se o eixo maior é


c c
paralelo ao eixo dos x, e = e para uma elipse de eixo maior paralelo ao eixo dos y, e = .
a b
Como 0 ≤ e < 1, quando e está mais perto de zero a elipse é mais circular e quando está perto
de 1 é mais alongada.
Em geral:

Equação Centro Foco Eixo Maior

(x − x0 )2 (y − y0 )2
+ =1 (x0 , y0 ) (x0 ± c, y0 ) paralelo ao eixo dos x
a2 b2

(x − x0 )2 (y − y0 )2
+ =1 (x0 , y0 ) (x0 , y0 ± c) paralelo ao eixo dos y
b2 a2
90 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

3.2.2 O Círculo

Figura 3.17: O círculo.

O círculo é um caso particular da elipse. No caso em que F = F1 , isto é a = b, a equação:

x2 y 2
+ 2 = 1 ⇐⇒ x2 + y 2 = a2 ,
a2 b
representa um círculo de raio a centrado na origem. Em geral, o círculo de raio a centrado em
(x0 , y0 ) tem equação:

(x − x0 )2 + (y − y0 )2 = a2 .
A excentricidade do círculo é e = 0.

1. O segmento de reta que liga dois pontos qualquer de um círculo é chamado de corda do
círculo.

2. A corda que passa pelo centro do círculo é chamada diâmetro do círculo. O comprimento
do diâmetro é igual a duas vezes o comprimento do raio.

Exemplo 3.2.
√ 1
[1] Se os focos de uma elipse são (0, ± 3) e a excentricidade é , ache a equação.
2

p 1 3 √
Como e = , temos que = , logo a = 2 3. Por outro lado:
a 2 a
a2 = b2 + p2 ⇐⇒ b2 = 9.
3.2. A ELIPSE 91

Logo a equação é:

x2 y2
+ = 1.
9 12

-3 -2 -1 1 2 3

-1

-2

-3

Figura 3.18: Exemplo [1].

[2] Determine os focos e a excentricidade da elipse 9 x2 + 25 y 2 = 225.


Dividamos a equação por 225:

9 x2 25 y 2 225 x2 y 2
+ = ⇐⇒ + = 1.
225 225 225 25 9
Como 9 < 25, então a2 = 25 e a = 5 e b = 3, a excentricidade:

a2 − b2 4
e= = = 0.8.
a 5
Por outro lado, p = a e = 4 e os focos são F = (4, 0) e F1 = (−4, 0).

-4 -2 2 4

-1

-2

-3

Figura 3.19: e = 0.8 no exemplo [2].

[3] Se uma elipse está centrada na origem, tem un foco em (3, 0) e a medida do eixo maior é 8,
determine a equação.
92 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

Como d(A, A1 ) = 2 a, então 2 a = 8 e a = 4, como F = (3, 0) temos p = 3, logo:

b2 = a2 − p2 = 16 − 9 = 7.
Logo, a equação é:

x2 y 2
+ = 1.
16 7
[4] Determine o centro, os vértices e os focos da elipse 9 x2 + 4 y 2 − 36 x + 8 y + 31 = 0.
Completando os quadrados:

9 x2 + 4 y 2 − 36 x + 8 y + 31 = 9 (x − 2)2 + 4 (y + 1)2 − 9.
Logo, temos a elipse:

(y + 1)2
(x − 2)2 + 9 = 1.
4
3
Logo, o centro é (2, −1); como a = 1 e b = , temos que os vértices são:
2
1 5
A = (1, −1), A1 = (3, −1), B = (2, ) e B1 = (2, − ).
2 2
√ √
5 5
Os focos são F = (2, −1 + ) e F1 = (2, −1 − ).
2 2

0.5

1 2 3

-1

-2

Figura 3.20: Exemplo [4].

[5] Verifique que a equação 9 x2 + 9 y 2 − 12 x + 36 y − 104 = 0 representa um círculo. Quais são


o centro e o raio do círculo.
Completando os quadrados:
3.2. A ELIPSE 93

2 2
9 x2 + 9 y 2 − 12 x + 36 y − 104 = 0 ⇐⇒ x − + (y + 2)2 = 16.
3
2 
Logo, o centro é , −2 e o raio é 4.
3
6

-4 -2 2 4

-2

-4

-6

Figura 3.21: Exemplo [5].

[6] Determine a equação do círculo que passa pelo ponto (1, 0) e é concêntrico ao círculo de
equação: x2 + y 2 − 2 x − 8 y + 13 = 0 .
Completando os quadrados:

x2 + y 2 − 2 x − 8 y + 13 = 0 ⇐⇒ (x − 1)2 + (y − 4)2 = 4.
Logo, a equação procurada é do tipo:

(x − 1)2 + (y − 4)2 = a2 ,
Como passa pelo ponto (1, 0), temos que a2 = 16 e:

(x − 1)2 + (y − 4)2 = 16.

-4 -2 2 4

Figura 3.22: Exemplo [6].


94 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

[7] Determine a equação do círculo que passa pelos pontos (5, 4), (1, 2) e (2, −5).
A equação geral de um círculo é (x − x0 )2 + (y − y0 )2 = a2 , como os pontos dados pertencem
ao círculo, devem satifazer à equação; logo, temos:

2 2 2
(1) (5 − x0 ) + (4 − y0 ) = a

(2) (1 − x0 )2 + (2 − y0 )2 = a2

(3) (2 − x0 )2 + (−5 − y0 )2 = a2 .

Fazendo (1) = (3) e (2) = (3), após simplificações temos:


(
x 0 + 3 y0 = 2
x0 − 7 y0 = 12,

logo, x0 = 5 e y0 = −1; utilizando (1), temos que a2 = 25, e a equação é:

(x − 5)2 + (y + 1)2 = 25.

2 4 6 8 10

-2

-4

-6

Figura 3.23: Exemplo [7].

[8] Determine os pontos do plano tais que a soma de suas distâncias a A = (−3, 0) e a B = (3, 0)
seja 10.
Deve ser uma elipse; de fato, seja P = (x, y):

p p
d(P, A) + d(P, B) = 10 ⇐⇒ (x + 3)2 + y 2 + (x − 3)2 + y 2 = 10
p p
⇐⇒ (x + 3)2 + y 2 = 10 − (x − 3)2 + y 2
p
⇐⇒ (x + 3)2 + y 2 = (10 − (x − 3)2 + y 2 )2
p
⇐⇒ (x + 3)2 + y 2 = 100 − 6 x + x2 + y 2 − 20 (x − 3)2 + y 2
p
⇐⇒ (−25 + 3 x)2 = (−5 (x − 3)2 + y 2 )2
⇐⇒ 16 x2 + 25 y 2 − 400 = 0.

Finalmente, temos a elipse:


3.3. A HIPÉRBOLE 95

x2 y2
+ = 1.
25 16

-4 -2 2 4

-2

-4

-6

Figura 3.24:

3.3 A Hipérbole

Figura 3.25: A hipérbole.

Por simplicidade, suponhamos que o foco está sobre o eixo dos x. Isto é, o foco é F = (p, 0) e a
diretriz é a reta vertical x = d tal que p 6= d.

Pela definição, o ponto P = (x, y) pertence à hipérbole se, e somente se:


96 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

p p
d(P, F ) = e · d(P, L) ⇐⇒ (x − p)2 + y 2 = e · (x − d)2
⇐⇒ x2 − 2 p x + p2 + y 2 = e2 · (x2 − 2 d x + d2 )
⇐⇒ −(e2 − 1) x2 + 2 (e2 d − p) x + y 2 = e2 d2 − p2 .

Se escolhemos p = e2 d, obtemos:

x2 y2
−(e2 − 1) x2 + y 2 = −e2 d2 (e2 − 1) ⇐⇒ − =1
e2 d2 e2 d2 (e2 − 1)
x2 y 2
⇐⇒ 2 − 2 = 1,
a b

√ a
onde a = e d e b = e d e2 − 1. Note que p = a e e d = ; por outro lado:
e

b p 2 a2 + b2
= e − 1 =⇒ e = .
a a


a a2 + b2
A equação da hipérbole com foco F = (a e, 0), diretriz x = e excentricidade: e = é:
e a

x2 y 2
− 2 =1
a2 b

De forma análoga da elipse: Se F1 = (−p, 0) e L1 a reta x = −d, então temos que:

d(P1 , F1 ) = d(P, F ) e d(P, L) = d(P1 , L1 ).

Logo, F1 também é foco e L1 é diretriz da hipérbole. Note que d(F, F1 ) = 2 p.

Proposição 3.2. A hipérbole é o lugar geométrico dos pontos P tais que:

d(P, F ) − d(P, F1 ) = ±2 a.
3.3. A HIPÉRBOLE 97

L1 L

F1 A A F
1

Figura 3.26: A hipérbole

3.3.1 Elementos da Hipérbole


Os elementos da hipérbole são:

1. Os focos F = (p, 0) e F1 = (−p, 0).

2. O eixo focal é a reta que passa por F e F1 .

3. O centro é ponto médio entre F1 e F2 , isto é o ponto (0, 0).

4. A distância focal é d(F, F1 ) = 2 p.

5. O eixo normal é a reta perpendicular ao eixo focal passando pelo centro

6. Os vértices A e A1 são os pontos de interseção da hipérbole com o eixo focal.

7. O eixo real é o segmento de reta que une os vértices A e A1 .

8. O eixo imaginário é a reta perpendicular ao eixo real passando pelo centro da hipérbole.

9. A excentricidade é:

a2 + b2
e= ;
a
como b > a, temos que e > 1.
98 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

10. A hipérbole também possui a propriedade Pitagórica: p2 = a2 + b2 .

p
b

Figura 3.27:

11. Se√a = b a hipérbole é dita equilátera. A excentricidade de qualquer hipérbole equilátera


é 2.

12. São denominadas assíntotas da hipérbole as retas:

bx
y=± ⇐⇒ b x − a y = 0 e b x + a y = 0.
a

x2 y2
Figura 3.28: A hipérbole a2
− b2
= 1.

Note que a equação da hipérbole pode ser escrita:

[b x − a y] [b x + a y] = a2 b2 .
Analogamente, a hipérbole de equação:
3.3. A HIPÉRBOLE 99

y 2 x2
− 2 = 1, a>b
a2 b

y2 x2
Figura 3.29: A hipérbole a2
− b2
= 1.

Se a excentricidade da hipérbole se aproxima de 1, p se aproxima de a e os ramos da hipérbole


se “fecham“. Se a excentricidade da hipérbole cresce, os ramos da hipérbole se “ abrem”.

Em resumo:

Equação Centro Foco Vértices Assíntotas

x2 y 2 bx
− 2 =1 (0, 0) (±p, 0) (±a, 0) y=±
a2 b a

y 2 x2 ax
− 2 =1 (0, 0) (0, ±p) (0, ±a) y=±
a2 b b

Se os pontos P da hipérbole que tem focos nos pontos F = (x0 − c, y0 ) e F1 = (x0 + c, y0 )


satisfazem

|d(P, F ) − d(P, F1 )| = 2 a, c > a,

a hipérbole tem equação:

(x − x0 )2 (y − y0 )2
− =1
a2 b2

onde b = c2 − a2 . As assíntotas são:
100 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

b
y − y0 = ± (x − x0 )
a

Em geral:
Equação Centro Foco Eixo Maior Assíntotas

(x − x0 )2 (y − y0 )2 b
− =1 (x0 , y0 ) (x0 ± c, y0 ) paralelo ao eixo dos x y − y0 = ± (x − x0 )
a2 b2 a

(x − x0 )2 (y − y0 )2 a
− + =1 (x0 , y0 ) (x0 , y0 ± c) paralelo ao eixo dos y y − y0 = ± (x − x0 )
b2 a2 b

Exemplo 3.3.

[1] Considere a equação da hipérbole 9 x2 − 16 y 2 = 144. Determine os vértices, os focos e as


assíntotas.
Dividamos a equação por 144:

9 x2 16 y 2 144 x2 y 2
− = ⇐⇒ − = 1.
144 144 144 16 9
Como 3 < 4, temos que os vértices são (4, 0) e (−4, 0); por outro lado:

p2 = a2 + b2 = 16 + 9 = 25
e p = ±5, os focos são (5, 0) e (−5, 0) As assíntotas são:

3x
y=± .
4

-4 -2 2 4

-1

-2

-3

Figura 3.30: Exemplo [1].


3.3. A HIPÉRBOLE 101

[2] Determine a equação e os focos da hipérbole de vértices (0, ±2) e assíntotas y = ±2 x.


a
Como os vértices estão sobre o eixo dos y, temos que a = 2; da assíntota temos que =2e
b
b = 1, logo a equação é:

y2
− x2 = 1.
4

Como p2 = a2 + b2 = 5, os focos são (0, ± 5).

-3 -2 -1 1 2 3

-2

-4

-6

Figura 3.31: Exemplo [2].

[3] Determine os vértices, a excentricidade e as assíntotas da hipérbole:

16 x2 − 160 x + 175 − 9 y 2 − 54 y = 0.

Completando os quadrados:

(x − 5)2 (y + 3)2
16 x2 − 160 x + 175 − 9 y 2 − 54 y = 0 ⇐⇒ − = 1.
9 16

5 35
Logo,os vértices são ( , 0) e ( , 0), a excentricidade:
4 4
√ √
a2 + b2 25 5
e= = = .
a 3 3

As assíntotas são:

4 x 29 4 x 11
y= − e y=− + .
3 3 3 3
102 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

5 10

-2

-4

-6

Figura 3.32: Exemplo [3].

[4] Determine a equação da hipérbole cujos focos estão sobre o eixo dos y e são simétricos em
5
relação à origem, sabendo que a distância entre os focos é 10 e a excentricidade é .
3
A equação da hipérbole deve ser:

y 2 x2
− 2 = 1,
a2 b
como d(F, F1 ) = 2 p, temos que p = 5 e p = e a, logo a = 3, como b2 = p2 − a2 = 16 e a equação
é:

y 2 x2
− = 1.
9 16

- 10 -5 5 10

-5

Figura 3.33: Exemplo [4].

[5] Determine os pontos do plano tais que a diferença de suas distâncias a A = (−5, 0) e a
B = (5, 0) seja 4.
3.3. A HIPÉRBOLE 103

Deve se uma hipérbole, de fato, seja P = (x, y):

p p
d(P, A) − d(P, B) = 4 ⇐⇒ (x + 5)2 + y 2 −
(x − 5)2 + y 2 = 4
p p
⇐⇒ (x + 5)2 + y 2 = 4 + (x − 5)2 + y 2
p
⇐⇒ (x + 5)2 + y 2 = (4 + (x − 5)2 + y 2 )2
p
⇐⇒ 4 − 5 x = −2 (x − 5)2 + y 2
⇐⇒ 21 x2 − 4 y 2 − 84 = 0.

Finalmente, temos a hipérbole:

x2 y2
− = 1.
4 21

-4 -2 2 4

-2

-4

-6

Figura 3.34: Exemplo [5]

[6] Se as assíntotas de uma hipérbole são 2 x − 3 y = 0 e 2 x + 3 y = 0, determine a equação da


hipérbole.

Sabemos que:

x2 y 2
[2 x − 3 y] [2 x + 3 y] = 22 32 ⇐⇒ − = 1.
9 4
104 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

-6 -4 -2 2 4 6

-1

-2

-3

Figura 3.35: Exemplo [6]

[7] Os vértices da base de um triângulo são A = (0, 0) e B = (3, 0). Determine o lugar geome-
trico do vértice C que se move segundo o ângulo da base CBA, que é igual ao dôbro do angulo
CAB

Considere o desenho:

A α x 2α B

Figura 3.36: Exemplo [7]

y y
Note que tg(α) = e tg(2 α) = . Por outro lado:
x 3−x

2 tg(α) y 2y y2
tg(2 α) = ⇐⇒ = ⇐⇒ (x − 1)2 − = 1.
2
1 − tg (α) 3−x  y2  3
x 1− 2
x
3.4. A EQUAÇÃO GERAL DO SEGUNDO GRAU 105

-2 -1 1 2 3 4

-2

-4

Figura 3.37: Exemplo [7]

3.4 A Equação Geral do Segundo Grau


A equação do segundo grau em duas variáveis:

A x2 + B x y + C y 2 + D x + E y + F = 0

sendo A e C não simultanemente nulos representa, em geral, uma cônica, cuja natureza de-
pende dos coeficientes. Denotemos o discriminante da equação por:

∆ = B 2 − 4 A C,
temos:

Se B = 0 e A = C, a equação representa um círculo.


Se ∆ < 0, a equação representa uma elipse ou uma circunferência.
Se ∆ = 0, a equação representa uma parábola ou uma reunião de duas retas paralelas.
Se ∆ > 0, a equação representa uma hipérbole ou uma reunião de duas retas concorrentes.
Se A = C = D = E = 0, B 6= 0 e F 6= 0, temos que:

x y = k,
é uma hipérbole.
Os outros casos são degenerados, os quais incluem pontos e retas.

3.4.1 Caso 1
B = 0, A C > 0.
Completando quadrados dos binômios nas variáveis x e y, a equação acima pode ser escrita
como:
106 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

A (x + h)2 + C (y + k)2 = L

onde:

D E
h= , k= e L = A h2 + C k 2 − F.
2A 2C
.

1. Se L = 0, o lugar geométrico é um ponto.

2. Se L e C ou A tem sinais opostos, não existe lugar geométrico.

3. Se L 6= 0, a equação pode ser escrita como:

(x + h)2 (y + k)2
+ = 1. (1)
L L
A C
Se A C > 0 (A e C tem o mesmo sinal) e L tem o mesmo sinal de A ou C, a equação (1) pode
ser escrita como:

(x + h)2 (y + k)2
+ = 1, (2)
a2 b2

L L
onde a2 = e b2 = .
A C
A equação (2) representa uma elipse centrada em (−h, −k) e eixos paralelos aos eixos coor-
denados; no caso particular A = C, a equação representa um círculo de raio a, centrado em
(−h, −k):

(x + h)2 + (y + k)2 = a2 .
Em resumo:

Proposição 3.3. Com as notações anteriores, seja:

A x2 + C y 2 + D x + E y + F = 0 ⇐⇒ A (x + h)2 + C (y + k)2 = L
então:

1. Se L = 0, o lugar geométrico é um ponto.

2. Se L e C ou L e A tem sinais opostos, não existe lugar geométrico.

3. Se L 6= 0, a equação representa uma elipse com eixos paralelos aos eixos coordenados.
3.4. A EQUAÇÃO GERAL DO SEGUNDO GRAU 107

3.4.2 Caso 2

B = 0, A C < 0.

Com as mesmas notações do Caso 1:

Se L > 0 e A > 0 (ou L < 0 e C > 0), a equação (1) pode ser escrita como:

(x + h)2 (y + k)2
− = 1, (3)
a2 b2


L L
onde a2 2
= e b = .
A C

Se L < 0 e C < 0 (ou L > 0 e A < 0), a equação (1) pode ser escrita como:

(y + k)2 (x + h)2
− = 1, (4)
b2 a2


L L
onde a2 = e b2 = .
A C

As equações (3) e (4) representam uma hipérbole de eixos paralelos aos eixos coordenados.

Se L = 0, a equação pode ser escrita como: A (x + h)2 − C (y + k)2 = 0, que representa duas
retas que se intersectam.

Em resumo:

Proposição 3.4. Com as notações anteriores, seja:

A x2 + C y 2 + D x + E y + F = 0 ⇐⇒ A (x + h)2 − C (y + k)2 = L

então:

1. Se L = 0, o lugar geométrico é um par de retas concorrentes.

2. Se L 6= 0, A e C com sinais opostos, a equação representa uma hipérbole com eixos


paralelos aos eixos coordenados.
108 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

3.4.3 Caso 3
B = 0, A C = 0.
Com as mesmas notações do Caso 1:
Se A = 0 e C 6= 0 a equação é:

C y 2 + D x + E y + F = 0,

que representa uma parábola de eixo paralelo ao eixo dos x.


Se A 6= 0 e C = 0 a equação é:

A x2 + D x + E y + F = 0,

que é a equação de uma parábola de eixo paralelo ao eixo dos y.


Se A = C = 0, a equação representa uma reta.
Em resumo:

Proposição 3.5. Seja:

A x2 + C y 2 + D x + E y + F = 0,
então:

1. Se A = 0 e C 6= 0, a equação representa uma parábola de eixo paralelo ao eixo dos x.

2. Se A 6= 0 e C = 0, a equação representa uma parábola de eixo paralelo ao eixo dos y.

3. Se A = C = 0, a equação representa uma reta.

3.5 Forma Normal das Cônicas


Utilizando completamento dos quadrados é possível obter, de forma analítica, as chamadas
equações normais das cônicas. Para mais detalhes, veja o parágrafo sobre rotações.

3.6 Elipses
Forma normal da elipse centrada no ponto (h, k):

(x − h)2 (y − k)2
+ =1.
a2 b2
3.7. PARÁBOLAS 109

Figura 3.38: Elipses com a > b e a < b, respectivamente.

Em particular, se a = b a equação representa um círculo centrado em (h, k) de raio a:

(x − h)2 + (y − k)2 = a2

3.7 Parábolas
Forma normal das parábolas. As parábolas de eixo paralelo ao eixo dos x:

y2 = p x + q
De eixo paralelo ao eixo dos y:

x2 = p y + q
p 6= 0.

Figura 3.39: Parábolas.

3.7.1 Vértice da Parábola


O vértice da parábola y = a x2 + b x + c é o ponto onde a parábola intersecta seu eixo e é dado
por:
b b2 − 4 a c
v = (− , − ).
2a 4a
110 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

Se a > 0, então v é o ponto da parábola de menor altura, pois o ponto mais próximo da diretriz
é o vértice.

Se a < 0, então v é o ponto da parábola de maior altura. Não é difícil ver que se v1 é a abscissa
do vértice da parábola, então:

a (v1 + x)2 + b (v1 + x) = a (v1 − x)2 + b (v1 − x)

para todo x ∈ R; usando completamento dos quadrados:

y = a (x − v1 )2 + q,

onde q = a v12 + b v1 + c.

Toda parábola pode ser determinada por três pontos não colineares.

Exemplo 3.4.

[1] Determine a parábola que passa pelos pontos (−1, 2), (1, −2) e (3, 4).

Devemos ter:

 a−b+c=2

a + b + c = −2

9a + 3b + c = 4

5 5
Resolvendo o sistema, temos a = , b = −2 e c = − ; logo:
4 4
5 x2 5
y= − 2x − .
4 4

-2 -1 1 2 3 4

-2

Figura 3.40: Exemplo [1].


3.8. HIPÉRBOLES 111

3.8 Hipérboles
Forma normal da hipérbole centrada no ponto (h, k):

(x − h)2 (y − k)2
− =1
a2 b2
ou

(x − h)2 (y − k)2
− + =1
a2 b2

Figura 3.41: Hipérboles.

Considre a hipérbole centrada na origem:

x2 y 2
− 2 = 1.
a2 b
As retas:

bx
y=±
a
são ditas assíntotas da hipérbole. Analogamente, na hipérbole:

y 2 x2
− 2 = 1,
b2 a
as assíntotas são:
ax
y=±
b
Em geral, as assíntotas de:

(x − h)2 (y − k)2
− =1
a2 b2
são as retas:

b (x − h) − a (y − k) = 0 e b (x − h) + a (y − k) = 0.
112 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

Exemplo 3.5.

[1] Determine as assíntotas da hipérbole x2 − y 2 = 1.


As assíntotas são: y = x e y = −x.
2

-2 -1 1 2

-1

-2

Figura 3.42: A hipérbole e suas assíntotas.

(x − 1)2 (y + 2)2
[2] Determine as assíntotas da hipérbole − = 1.
4 9
3x 7 3x 1
As assíntotas são: y = − ey=− − .
2 2 2 2

-4 -2 2 4 6

-2

-4

-6

Figura 3.43: A hipérbole e suas assíntotas.

3.9 Exemplos Diversos


Exemplo 3.6.

Diga o que representam as seguintes equações:


[1] 4 x2 + y 2 − 32 x − 12 y + 84 = 0.
[2] x2 + y 2 − 2 x = 3.
[3] 9 y 2 − 4 x2 = 36.
3.9. EXEMPLOS DIVERSOS 113

[4] 9 x2 − 4 y 2 − 18 x + 8 y − 31 = 0.
[5] x2 − y 2 − 2 x − 4 y − 3 = 0.
[6] y 2 − x − 1 = 0.
[7] x2 − 4 y − 3 = 0.
Soluções:
[1] A = 4, B = 0 e C = 1, então ∆ < 0. A equação representa uma elipse, pois A 6= C. De fato,
completando os quadrados:

4 x2 + y 2 − 32 x − 12 y + 84 = 4 (x − 4)2 + (y − 6)2 − 16 = 0,
que é a equação de uma elipse centrada no ponto (4, 6):

(x − 4)2 (y − 6)2
+ = 1.
4 16
[2] A = C = 1 e B = 0, logo, ∆ < 0. A equação representa um círculo. Completando os
quadrados:

x2 + y 2 − 2 x − 3 = (x − 1)2 + y 2 − 4 = 0
logo:

(x − 1)2 + y 2 = 4,
a equação de um círculo centrado no ponto (1, 0) e de raio 2.

y
2
y
10

1
8

-1 1 2 3
x
4

-1
2

1 2 3 4 5 6
x -2

Figura 3.44: Desenhos dos exemplos [1] e [2], respectivamente.

[3] Como A = −4, B = 0 e C = 9, então ∆ > 0; logo, temos a equação de uma hipérbole ou de
duas retas concorrentes:

y 2 x2
9 y 2 − 4 x2 = 36 ⇐⇒ − = 1,
4 9
que é a equação de uma hipérbole.
[4] Como A = 9, B = 0 e C = −4, então ∆ > 0; logo, temos a equação de uma hipérbole ou de
duas retas concorrentes.Completando os quadrados:
114 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

9 x2 − 4 y 2 − 18 x + 8 y − 31 = 9 (x − 1)2 − 4 (y − 1)2 − 36 = 0

logo, a equação representa uma hipérbole:

(x − 1)2 (y − 1)2
− = 1.
4 9

y y
4
3

2
2

-4 -2 2 4
x -2 2 4
x
-1

-2
-2

-3
-4

Figura 3.45: Desenhos dos exemplos [3] e [4], respectivamente.

[5] Como A = 1, B = 0 e C = −1, então ∆ > 0; logo, temos a equação de uma hipérbole ou de
duas retas concorrentes.Completando os quadrados:

x2 − y 2 − 2 x − 4 y − 3 = (x − 1)2 − (y + 2)2 = 0.

Logo, (x − 1)2 = (y + 2)2 ; então, y = x − 3 ou y = −x − 1, que representam duas retas


concorrentes.

y
3

-4 -2 2 4
x
-1

-2

-3

-4

Figura 3.46: Desenho do exemplo [5].

[6] Como A = B = 0 e C = 1, então ∆ = 0; a equação representa uma parábola de eixo paralelo


ao eixo dos x.
3.9. EXEMPLOS DIVERSOS 115

-1 1 2 3 4 5
x

-1

-2

Figura 3.47: Desenho do exemplo [6].

[7] Como A = 1 e B = C = 0, então ∆ = 0; a equação representa uma parábola de eixo paralelo


ao eixo dos y.

y
2.0

1.5

1.0

0.5

-3 -2 -1 1 2 3
x

-0.5

-1.0

Figura 3.48: Desenho do exemplo [7].

[8] Determine os pontos do plano que estão duas vezes mais afastados do ponto (2, 0) que do
ponto (5, 0).

Seja (x, y) um ponto arbitrário que satisfaz a hipótese do exemplo. Denotemos por:

p p
d1 = d((x, y), (2, 0)) = (x − 2)2 + y 2 e d2 = d((x, y), (5, 0)) = (x − 5)2 + y 2 .

Logo, devemos ter d1 = 2 d2 , isto é:

p p
(x − 2)2 + y 2 = 2 (x − 5)2 + y 2 =⇒ (x − 6)2 + y 2 = 4.

Os pontos estão sobre uma circunferência de centro (6, 0) e raio 2.


116 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

2 4 6 8

-1

-2

Figura 3.49: Desenho do exemplo [8].

[9] Determine os pontos do plano equidistantes do ponto (3, 2) e do eixo dos y.


Seja (x, y) um ponto arbitrário que satisfaz a hipótese do exemplo. Denotemos por:

p
d1 = d((x, y), (3, 2)) = (x − 3)2 + (y − 2)2 e
d2 = d((x, y), (0, y)) = x.

Logo, devemos ter d1 = d2 :

y 2 − 4 y − 6 x + 13 = 0,

isto é, os pontos estão sobre uma parábola

1 2 3 4 5

-1

-2

Figura 3.50: Desenho do exemplo [9].

[10] Determine a equação dos círculos que passam pela origem e cujos centros estão na reta
2 y − x − 1 = 0.
A equações devem ser do tipo:
3.10. FAMÍLIA DE CÍRCULOS 117

x2 + y 2 + A x + B y = 0,
pois (0, 0) pertence aos círculos. Por outro lado:

A 2 B A2 + B 2
x2 + y 2 + A x + B y = (x + ) + (y + )2 − ,
2 2 4
A B
logo, os centros são − ,− e pertecem à reta 2 y − x − 1 = 0, então:
2 2
B A A
2 − + − 1 = 0 =⇒ B = − 1.
2 2 2
Logo, a equação:

A
x2 + y 2 + A x +

− 1 y = 0, A ∈ R,
2
representa todos os círculos que satisfazem às condições pedidas.

1.5

1.0

0.5

-1.0 - 0.5 0.5 1.0

Figura 3.51: Desenho do exemplo [10], para diferentes valores de A.

3.10 Família de Círculos


A equação:

x2 + y 2 + D1 x + E1 y + F1 + k (x2 + y 2 + D2 x + E2 y + F2 ) = 0, D1 6= D2 , E1 6= E2 ,

com k 6= −1, representa uma família de círculos. Completando os quadrados, obtemos:

(x + M )2 + (y + N )2 + L = 0,

onde
118 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

D1 + k D 2 E1 + k E2 F1 + k F2
M= , N= e L= − M2 − N2
2 (k + 1) 2 (k + 1) (k + 1)
O centro da família de círculos é:

D1 + k D2 E1 + k E2 
− ,− .
2 (k + 1) 2 (k + 1)

No caso em que k = −1, obtemos a reta formada pelos centros da família de círculos:

(E1 − E2 ) y + (D1 − D2 ) x + F1 − F2 = 0.

1. Se os círculos são concêntricos, então a família é formada por círculos concêntricos.

2. Se os círculos não são concêntricos, então os círculos da família tem uma reta comum
formada pelos centros dos círculos.

3. Se os círculos se intersectam em dois pontos P1 e P2 , a família de círculos é formada por


todos os círculos, exceto x2 + y 2 + D2 x + E2 y + F2 = 0, que passam por P1 e P2 .

4. Se os círculos se intersectam em um único pontoP1 , a família de círculos é formada por


todos os círculos, exceto x2 + y 2 + D2 x + E2 y + F2 = 0, que se intersectam em P1 .

5. Se os círculos não se intersectam, qualquer par de círculos da família não se intersectam.

Utilizamos a família de círculos para obter a equação de um círculo que passa pela intersecção
dos elementos da família, sendo desnecessário determinar os pontos de interseção.

Exemplo 3.7.

[1] Determine o círculo que passa pelo ponto de intersecção dos círculos:
x2 + y 2 + 10 x − 10 y + 37 = 0 e x2 + y 2 − 10 x − 6 y − 31 = 0
e pelo ponto (3, 5).
A equação da família é:

x2 + y 2 + 10 x − 10 y + 37 + k (x2 + y 2 − 10 x − 6 y − 31) = 0.
Como o ponto (3, 5) pertence à família, deve satisfazer, para k 6= −1:
17
32 + 52 + 10 (3) − 10 (5) + 37 + k (32 + 52 − 10 (3) − 6 (5) − 31) = 0 =⇒ k = .
19
Substituindo o valor de k na equação da família, obtemos:

9 x2 + 9 y 2 + 5 x − 73 y + 44 = 0.
3.10. FAMÍLIA DE CÍRCULOS 119

Completando os quadrados, obtemos:

5 2 73 2 1885
x+ + y− = ,
18 18 162

que é a equação de um círculo. Note que se k = −1, obtemos 20 x − 4 y + 68 = 0.

10

-10 -5 5 10 15

-5

Figura 3.52: Desenho do exemplo [1].

[2] Ache a equação do círculo que passa pela intersecção dos círculos x2 +y 2 +7 x−10 y +31 = 0
e x2 + y 2 − x − 6 y + 3 = 0 e tem seu centro na reta x − y − 2 = 0.

Procuramos um elemento da família:

x2 + y 2 + 7 x − 10 y + 31 + k (x2 + y 2 − x − 6 y + 3) = 0,

k − 7 3 k + 5
se k 6= −1. O centro dos círculos é , e pertecem a reta x − y − 2 = 0, logo:
2k + 2 k + 1

k−7 3k + 5 7
− = 2 =⇒ k = − ,
2k + 2 k+1 3

substituindo o valor de k na equação da família e simplificando, obtemos:

7 3 65
(x − )2 + (y − )2 = .
2 2 2

Não é difícil verificar que os centros dos círculos são colineares.


120 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

10

-5 5 10

-5

Figura 3.53: Desenho do exemplo [2].

3.11 Interseção de Curvas


Sejam as curvas f (x, y) = 0 e g(x, y) = 0 tais que seus gráficos se intersectam no ponto P ; então,
as coordenadas de P são a solução do sistema:
(
f (x, y) = 0
g(x, y) = 0.

Analogamente, para n curvas:





 f1 (x, y) = 0




 f2 (x, y) = 0

 f3 (x, y) = 0

..

 .
...








 f (x, y) = 0.
n

Exemplo 3.8.

[1] Ache os pontos de interseção dos gráficos de y = x e y = x2 . Resolvemos o sistema:


(
y =x
y = x2 ,

donde x2 − x = x (x − 1), logo x (x − 1) = 0 e x = 0 ou x = 1. Os pontos são (0, 0) e (1, 1).


3.11. INTERSEÇÃO DE CURVAS 121

2.0

1.5

1.0

0.5

-0.5 0.5 1.0 1.5 2.0

-0.5

Figura 3.54: Exemplo [1]

[2] Ache os pontos de interseção dos gráficos de y = x3 −x e y = x4 +x3 . Resolvemos o sistema:


(
y = x3 − x
y = x4 + x3 ,

donde x4 + x3 = x3 − x, logo x4 + x = x (x3 + 1) = 0 e x = 0 ou x = −1. Os pontos são (0, 0) e


(−1, 0).

0.6

0.4

0.2

-1.0 -0.5 0.5 1.0

-0.2

-0.4

-0.6

Figura 3.55: Exemplo [2]

[3] Determine dois números cuja soma é 32 e seu produto é 255.


Sejam x e y os numeros, então:
(
x + y = 32
=⇒ y = 32 − x =⇒ x (32 − x) = 255 ⇐⇒ x2 − 32 x + 255 = 0.
x y = 255
Logo:

x1 = 17 e x2 = 15 =⇒ y1 = 15 e y2 = 17.
122 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

40

30

20

10

0 5 10 15 20 25 30

Figura 3.56: Exemplo [3]

[4] Ache os pontos de interseção dos gráficos de 2 x2 − y 2 = 7 e 3 x2 + 2 y 2 = 14.


Consideremos o sistema:
(
(1) 2 x2 − y 2 = 7
(2) 3 x2 + 2 y 2 = 14.
Multipliquemos (1) por 2 e somemos com (2), logo:

7 x2 = 28 =⇒ x = ±2.
De (1), obtemos y = ±1. Os pontos são:

(2, 1), (2, −1), (−2, 1) e (−2, −1).

-4 -2 2 4

-2

-4

Figura 3.57: Exemplo [4]

[5] Determine a área do quadrado inscrito na elipse 9 x2 + 16 y 2 = 625.


3.11. INTERSEÇÃO DE CURVAS 123

Como é uma elipse centrada na origem, resolvemos os seguintes sistemas:


( (
9 x2 + 16 y 2 = 625 9 x2 + 16 y 2 = 625
(a) (b)
x − y = 0, x+y =0
Isto é, as intersecções com as diagonais. De (a) segue que x = ±5, como x = y, temos os pontos

(5, 5) e (−5, −5).


Analogamente do sistema (b) temos que x = ±5, como x = −y, temos os pontos

(5, −5) e (−5, 5).


Logo, a medida do lado do quadrado é 10:

A = 100 u.a.

-5 5

-2

-4

-6

Figura 3.58: Exemplo [5].

[6] Determine a área do retângulo cujos vértices são os pontos de intersecção das curvas:
2 x2 + 3 y 2 = 24 e x2 − y 2 = 5.
Resolvamos o sistema:
(
(1) 2 x2 + 3 y 2 = 24
(2) x2 − y 2 = 5.
Multiplicamos por 3 a equação (2)( e obtemos:
r r
39 14
x=± =⇒ y = ± .
5 5
Logo, a área é:
124 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

r r √
39 14 4 546 ∼
A=4 = = 18.69 u.a.
5 5 5

-3 -2 -1 1 2 3

-1

-2

-3

Figura 3.59: Exemplo [6].

3.12 Propriedades Reflexivas das Cônicas

Parábola

A parábola é utilizada no design de holofotes e antenas pelas propriedades refletoras da luz e


das ondas que possui.
De fato, os raios que se originam no foco da parábola são refletidos para fora dela paralelamente
ao eixo da parábola; além disso, o tempo que leva um raio do foco até uma reta paralela à
diretriz é o mesmo para todos os raios.
Assim um espelho parábolico reflete a luz num feixe de raios paralelos; reciprocamente, se a
luz se aproxima do espelho com raios paralelos a seu eixo de simetria a luz fica concentrada no
foco.
3.12. PROPRIEDADES REFLEXIVAS DAS CÔNICAS 125

Figura 3.60: Reflexos na parábola.

Elipse

Quando uma elipse é girada ao redor de seu eixo maior se obtem uma superfície chamada
elipsóide, a qual possui a seguinte propriedade: se o interior do elipsóide for espelhado, a luz
ou o som, emitido a partir de um dos focos da elipse é refletido diretamente no outro foco, isto
é se alguem fala num foco outra pessoa que esta no outro foco a escutará.
Este princípio é utilizado em tratamento de cálculos renais mediante ondas de choque; o paci-
ente é colocado numa banheira com formato elítico de tal forma que o cálculo renal se localize
exatamente no foco; as ondas de choque geradas no outro foco serão refletidas no outro foco,
destruindo o cálculo, com dano mínimo.

Figura 3.61: Reflexos na elipse.

Em Mecánica Celeste, dependendo da velocidade, os cometas tem cônicas como órbitas, tendo
o Sol como foco.
126 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

Figura 3.62: Cometa.

Hipérbole
A luz dirigida a um dos focos de um espelho em formato de hipérbole é refletido na direção do
outro foco.
Esta propriedade, junto às outras propriedades das cônicas, é utilizada na construção dos mo-
dernos telescópios.
3.13. EXERCÍCIOS 127

3.13 Exercícios
1. Determine o raio e o centro dos seguintes círculos:

(a) x2 + y 2 − 2 x − 2 y − 5 = 0

(b) 2 x2 + 2 y 2 − 2 x − 2 y = 0

(c) 2 x2 + 2 y 2 − 12 x − 16 y = 0

2. Determine k tal que x2 + y 2 + m x + 4 y + 4 = 0 seja um círculo de raio 1.

3. Determine a equação da parábola se o foco e a diretriz são:

(a) (4, 0), x = −4 (d) (0, 2), y = −2

(b) (0, −3), y = 3 (e) (−7, 0), x = 7


(c) (−1/2, 0), x = 1/2.
(f) (0, −1/4), y = 1/4.

4. Determine o foco, o vértice e a diretriz de cada parábola:

(a) x2 = 12 y (d) (x + 4)2 = 16 (y + 2).

(b) 3 y 2 − 2 x = 0 (e) (y + 1)2 = −4 (x − 2)


(c) (y − 2)2 = 8 (x + 1)
(f) x2 + 6 x − 4 y + 1 = 0

5. Esboce os gráficos das parábolas dos dois ítens anteriores.

6. Determine a intersecção entre:

(a) y = x2 e x = y 2

(b) y = x2 + 1 e y = −x2 + 3

(c) y 2 = 4 x e x − 2 y + 3 = 0

(d) (x + 4)2 = 16 (y + 2) e y 2 − x = 0.

7. Determine a equação da elipse se:


128 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

(a) Um foco é (2, 0) e a diretriz é x = 9


(b) Um foco é (0, 4) e a diretriz é y = 9
(c) Um foco é (−2, 0) e a excentricidade é 1/3
(d) Os focos são (±4, 0) e os vértice são (±5, 0)
(e) Os focos são é (0, ±2) e os vértice são (0, ±4)
(f) Os vértices são (±5, 0) e os eixos em (±1, 0)

8. Determine o centro, os focos e os vértices de cada elipse:

(a) 9 (x − 3)2 + (y + 2)2 = 18 (d) 2 x2 + 3 y 2 − 8 x + 6 y + 5 = 0

(b) x2 + 4 x + 4 y 2 − 8 y + 4 = 0 (e) x2 + 9 y 2 + 6 x − 18 y + 9 = 0
(c) 9 x2 + 4 y 2 − 18 x + 16 y − 11 = 0
(f) 4 x2 + y 2 + 4 y = 0

9. Esboce os gráficos das elipses dos dois ítens anteriores.

10. Determine a equação da hipérbole se:

(a) Centro (0, 0), um foco (3, 0) e um vértice em (1, 0)


(b) Centro (0, 0), um foco (0, 5) e um vértice em (0, 3)
(c) Centro (0, 0), um foco (0, −6) e um vértice em (0, 4)
(d) Focos (−5, 0) e (5, 0), vértice em (3, 0)
(e) Foco (0, 6), vértices (0, −2) e (0, 2)
(f) Focos (−4, 0) e (4, 0), assíntota y = −x

11. Determine o centro, os focos, os vértices e as assíntotas de cada hipérbole:

(a) 4 x2 − y 2 = 16 (d) (x + 4)2 − 9 (y − 3)2 = 9

(b) y 2 − 9 x2 = 9 (e) 4 x2 − y 2 − 24 x − 4 y + 16 = 0
(c) (y − 2)2 − 4 (x + 2)2 = 4
(f) 2 y 2 − x2 + 2 x + 8 y + 3 = 0

12. Esboce os gráficos das hipérbolas dos dois ítens anteriores.

13. Determine a natureza das seguintes curvas:


3.13. EXERCÍCIOS 129

(a) 3 y 2 − 2 x − 12 y + 12 = 0 (h) x2 + y 2 + 16 x + 16 y + 64 = 0.

(b) 16 x2 − 9 y 2 = −144 (i) 5 x2 + 25 x + 10 y 2 − 5 = 0


(c) x2 + y 2 − 2 x − 8 = 0 (j) x2 + 8 x − y 2 + 3 y = 0.
(d) 2 x2 + 4 x + 3 y − 4 = 0 (k) x2 + y 2 − 4 x − 4 y = 0
(e) 9 x2 + 4 y 2 − 18 x − 16 y − 11 = 0
(l) x2 + y 2 − 18 x − 14 y + 130 = 0.
(f) 9 x2 − 16 y 2 − 36 x − 32 y − 124 = 0
(m) x2 + y 2 + 8 x + 10 y + 41 = 0
(g) 9 x2 + 16 y 2 = 25
(n) 4 x2 + 4 y 2 + 12 x − 32 y = −37.

14. Determine o círculo sabendo que os extermos de seu diametro estão em (−4, 4) e (−3, 3).

15. Determine a parábola y = a x2 + b x + c que passa pelos pontos (0, −3), (−3, 0) e (2, 5).

16. Determine o círculo de diâmetro 14 unidades e centro em (2, 5).

17. Determine a equação da reta que contem o diâmetro do círculo x2 + y 2 + 4 x − 6 y − 17 = 0,


perpendicular a 5 x + 2 y − 13 = 0.

18. Determine a elipse de centro na origem sabendo que a distância entre os focos é 14 uni-
dades e que passa por (−25, 0).

19. Determine a equação do círculo se os pontos que formam seu diâmetro são (−2, 3) e
(4, −1).

20. Determine a equação do círculo que passa pelos pontos (4, 0), (0, 3) e (−2, −2).

21. Dada a reta y = x + k e o círculo x2 + y 2 = 9, determine k tal que sejam secantes;

22. Determine a área do círculo 9 x2 + 9 y 2 + 72 x − 12 y + 103 = 0.

23. Para que valores de m a reta y = m x intersecta o círculo x2 + y 2 − 20 y + 36 = 0 em um


único ponto?

24. Para que valores de m a reta y = m x intersecta o círculo x2 + y 2 = r2 em dois pontos?

25. Determine a equação do círculo que passa pelos pontos (2, 1) e (3, −3) e seu centro está
na reta x + y − 5 = 0.

26. Determine a equação da elipse que tem um de seus vértices em (5, 0) e que passa pelo
ponto (2, 3).
130 CAPÍTULO 3. AS CÔNICAS

27. Determine o lugar geométrico dos pontos cuja distância a (−6, 0) é o dôbro da distância
a (6, 0).

x2 y 2
28. Determine o valor de k tal que y = k − x intersecte + = 1.
20 5

5x x2 y2
29. Determine o valor de k tal que y = + k intersecte − = 1.
2 9 36

30. A diretriz da parábola y 2 = 4 p x intersecta em um único ponto o círculo que tem o foco
da parábola como centro. Determine a equação do círculo.

31. Determine a equação do círculo tal que os pontos (1, 9) e (−3, 5) são diametralmente
opostos.

32. Uma hipérbole tem os mesmos focos que a elipse 51 x2 + 100 y 2 = 5100 e sua excentrici-
7
dade é . Determine a equação da hipérbole.
4

1
33. Um satélite de órbita elítica tem excentricidade e viaja ao redor de um planeta situado
3
num dos focos da elipse. Se a distância mais próxima do satélite ao planeta é de 400 km,
determine a maior distância.

34. Dada:

x2 y2
+ = 1,
a2 − ω b2 − ω
onde a, b > 0, a > b e ω ∈ R. Verifique:

(a) Se ω < b2 , a equação representa uma elipse.

(b) Se b2 < ω < a2 , a equação representa uma hipérbole.

(c) Quais são os respectivos focos?

(d) Se ω > a2 o que repressenta a equação?

35. Ache os pontos de interseção dos gráficos de:

(a) x2 − y = 1 e x2 − y 2 = 1

(b) 2 x2 − 3 y 2 = 6 e 3 x2 + 2 y 2 = 35
Capítulo 4

POLINÔMIOS

4.1 Polinômios de uma Variável Real


Um polinômio de grau n em uma variável real, é denotado e definido como:

P (x) = a0 + a1 x + a2 x2 + a3 x3 + . . . . . . + an−1 xn−1 + an xn (4.1)

onde ai ∈ R e an 6= 0. Os números reais ai são ditos coeficientes do polinômio. O número real


a0 é dito termo independente do polinômio. O polinômio (4.1) é dito mônico se an = 1.
Uma forma conveniente de escrever os polinômios é utilizar o símbolo de somatório, isto é:
n
X
ai xi = a0 + a1 x + a2 x2 + a3 x3 + . . . . . . + an−1 xn−1 + an xn , (4.2)
i=0

onde x0 = 1.
O número natural n é dito grau do polinômio (4.1) se é o maior valor tal que o coeficiente an 6= 0
e é denotado por grau(P (x)).
Se grau(P (x)) = 0, então (4.1) é dito polinômio constante; em particular , um polinômio é dito
nulo se todos os coeficientes de (4.1) são nulos; se grau(P (x)) = 1, então (4.1) é dito polinômio
afim; se grau(P (x)) = 2, então (4.1) é dito polinômio quadrático e assim por diante.

Proposição 4.1. Sejam:


n
X m
X
i
P (x) = ai x e Q(x) = bj xj
i=0 j=0

polinômios de grau n e m, respectivamente, então:


(a) Igualdade de polinômios:

P (x) = Q(x) ⇐⇒ n = m e ai = bi , ∀i = 1 . . . n = m.
(b) Adição de polinômios.

131
132 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

1. Se n ≥ m, então

m
X
P (x) + Q(x) = (ak + bk ) xk + am+1 xm+1 + . . . . . . + an xn .
k=0

2. Se m ≥ n, então

n
X
P (x) + Q(x) = (ak + bk ) xk + bn+1 xn+1 + . . . . . . + bm xm .
k=0

(c) Multiplicação de polinômios. Seja n ≥ m


n+m
X k
X
P (x) · Q(x) = ck xk onde ck = ai · bk−i ; 0 ≤ i ≤ n, 0 ≤ k − i ≤ m.
k=0 i=0

Logo:

P (x) · Q(x) = (a0 · b0 ) + (a0 · b1 + a1 · b0 ) x + . . . . . . an · bm xn+m


e ai = 0 se i > n, bj = 0 se j > m.

É imediato que se P (x) e Q(x) são polinômios de uma variável real, então:

1. grau(P (x) + Q(x)) ≤ maior{grau(P (x)), grau(Q(x))}.

2. grau(P (x) · Q(x)) = grau(P (x)) + grau(Q(x)).

Exemplo 4.1.

[1] Determine as constantes α, β, γ e δ para que os polinômios P (x) = α (x + γ)3 + β (x + δ) e


Q(x) = x3 + 6 x2 + 15 x + 14 sejam iguais.
Note que P (x) = α x3 + 3 α γ x2 + (β + 3 α γ 2 ) x + α γ 3 + β δ; logo P (x) = Q(x) se, e somente se:



 α=1

 3αγ = 6


 β + 3 α γ 2 = 15
 α γ 3 + β δ = 14,

donde α = 1, β = 3 e γ = δ = 2.
[2] Sejam P (x) = 3 x5 − x4 + x − 5 e Q(x) = −3 x5 + 6 x4 + 2 x3 + x2 − x + 1. Calcule P (x) + Q(x)
e P (x) · Q(x).
Note que grau(P (x) + Q(x)) ≤ 5:
4.2. RAÍZES DE UM POLINÔMIO 133

P (x) + Q(x) = 3 x5 − x4 + x − 5 − 3 x5 + 6 x4 + 2 x3 + x2 − x + 1 = 5 x4 + 2 x3 + x2 − 4.

Note que grau(P (x) · Q(x)) = 5 + 5 = 10:

P (x) · Q(x) = (3 x5 − x4 + x − 5) · (−3 x5 + 6 x4 + 2 x3 + x2 − x + 1)


= −9 x10 + 21 x9 + x7 − 7 x6 + 25 x5 − 29 x4 − 9 x3 − 6 x2 + 6 x − 5.

[3] Determine as constantes A, B e C tais que:

1 A Bx+C
= + 2 .
x3 − x2+x−1 x−1 x +1

A Bx+C A (x2 + 1) + (B x + C) (x − 1)
Note que: + 2 = ; então:
x−1 x +1 x3 − x2 + x − 1

1 A (x2 + 1) + (B x + C) (x − 1) x2 (A + B) + x (C − B) + A − C
= = .
x3 − x2 + x − 1 x3 − x2 + x − 1 x3 − x2 + x − 1

Logo, temos a igualdade de polinômios: 0 x2 + 0 x + 1 = x2 (A + B) + x (C − B) + A − C, donde:



A + B = 0

1 1
C − B = 0 =⇒ A = , B = C = − .
 2 2
A−C =1

Logo:
 
1 1 1 x 1
= − − .
x3 − x2 + x − 1 2 x − 1 x2 + 1 x2 + 1

4.2 Raízes de um Polinômio


O número real r0 é dito raiz do polinômio P (x) se, e somente se, P (r0 ) = 0. O seguinte resul-
tado é um teorema clássico em Matemática, chamado Teorema Fundamental da Álgebra:

Teorema 4.1. Todo polinômio P (x) de grau n ≥ 1 possui pelo menos uma raiz.

Estas raízes podem ser reais e/ou complexas; simples e/ou múltiplas.
Como corolário do teorema temos que todo polinômio P (x) de coeficientes reais pode ser ex-
presso como um produto de fatores lineares e/ou quadráticos.
Naturalmente esta decomposição depende essencialmente do grau de P (x) e da natureza das
raízes. Por exemplo:
134 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

1. P (x) = (x − a1 ) (x − a2 )..........(x − an ) ou

2. P (x) = (x − a)r (x − b1 )........(x − bs ) ou

3. P (x) = (a x2 + bx + c) (x − d1 )......(x − dl ) ou

4. P (x) = (a x2 + bx + c)r (x − d1 )......(x − dl ).

Corolário 4.1. Todo polinômio P (x) de grau n ≥ 1 possui n raízes.

Se ri são raízes do polinômio P (x), então existem únicos ki , tais que:

P (x) = an (x − r1 )k1 (x − r2 )k2 . . . . . . (x − rj )kj

onde k1 + k2 + . . . . . . + kj = n. Os números ki são ditos multiplicidade da raiz.


As raízes complexas de um polinômio aparecem aos pares, a raiz e sua conjugada. A cada par
de raízes complexas conjugadas aparece na fatoração um fator quadrático.
De fato, se a + i b e a − i b são raízes, então na fatoração de P (x) aparecerá (x − a)2 + b2 .
(Verifique!)

Exemplo 4.2.

[1] P (x) = x2 − 3x + 2 = (x − 2) (x − 1).


[2] P (x) = x3 + 4x2 + 5x + 2 = (x + 1)2 (x + 2).
[3] P (x) = x3 − x2 + x − 1 = (x2 + 1) (x − 1).
[4] P (x) = x8 + x7 − 9x6 + 3x5 − 33x4 + 3x3 − 35x2 + x − 12 = (x2 + 1)3 (x − 3) (x + 4).

4.3 Algoritmo da Divisão de Polinômios


O algoritmo da divisão de polinômios é completamente análogo ao da divisão de números
reais.

Proposição 4.2. Sejam P (x) e Q(x) polinômios tais que Q(x) é mônico; então existem únicos
polinômios F (x) e R(x) tais que:

P (x) = Q(x) F (x) + R(x), grau(R(x)) < grau(Q(x)).

Se R(x) = 0 ∀x, dizemos que Q(x) divide P (x). O polinômio R(x) é dito resto da divisão.
4.3. ALGORITMO DA DIVISÃO DE POLINÔMIOS 135

Exemplo 4.3.

[1] Divida os polinômios P (x) = x4 − 4 x3 + 6 x2 − 4 x + 2 e Q(x) = x2 − 2 x − 2.


(a) Escrevemos os polinômios na ordem decrescente de seus expoentes.

x4 − 4 x3 + 6 x2 − 4 x + 2
x2 − 2 x − 2.

(b) Obtemos o primeiro termo do quociente dividindo o termo de maior grau de P (x) pelo
termo de maior grau de Q(x): x4 ÷ x2 = x2 . A seguir, multiplicamos o termo obtido por Q(x) e
subtraimos esse produto de P (x): P (x) − x2 Q(x) = −2 x3 + 8 x2 − 4 x + 2. Há um dispositivo
prático para efetuar a divião:

x4 − 4 x3 + 6 x2 − 4 x + 2 : x2 − 2 x − 2 = x2 1o termo do quociente
x4 − 2 x3 − 2 x2
−−−−−−−−−−−−−−−−−−
− 2 x3 + 8 x2 − 4 x + 2

(c) Se o polinômio obtido da diferença tem grau maior ou igual ao de Q(x), repetimos o pro-
cesso para a diferença a partir de (b), ou seja, −2 x3 ÷ x2 = −2 x:

x4 − 4 x3 + 6 x2 − 4 x + 2 : x2 − 2 x − 2 = x2 − 2 x
x4 − 2 x3 − 2 x2
−−−−−−−−−−−−−−−−−−
− 2 x3 + 8 x2 − 4 x + 2
− 2 x3 + 4 x2 + 4 x
−−−−−−−−−−−−−−−−−−
4 x2 − 8 x + 2

Continuando o processo, obteremos finalmente, o quociente x2 − 2 x + 4 e resto 10 Logo:

P (x) = Q(x) (x2 − 2 x + 4) + 10.

[2] Divida os polinômios P (x) = x3 − x2 + 2 x − 2 e Q(x) = x2 − 1.


Repetiremos novamente os passos do algoritmo:
(a) Escrevemos os polinômios na ordem decrescente de seus expoentes.

x3 − x2 + 2 x − 2
x2 − 1.
136 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

(b) Dividimos o termo de maior grau de P (x) pelo termo de maior grau de Q(x). Obtemos o
primeiro termo do quociente. A seguir, multiplicamos o termo obtido por Q(x) e subtraimos
esse produto de P (x):

x3 − x2 + 2 x − 2 : x2 − 1 = x 1o termo do quociente
x3 − x
−−−−−−−−−−−−−−−−−−
− x2 + 3 x − 2

(c) Se o polinômio obtido da diferença tem grau maior ou igual ao de Q(x), repetimos o pro-
cesso para a diferença a partir de (b):

x3 − x2 + 2 x − 2 : x2 − 1 = x − 1
x3 − x
−−−−−−−−−−−−−−−−−−
− x2 + 3 x − 2
− x2 + 1
−−−−−−−−−−−−−−−−−−
3x − 3 resto

Logo P (x) = Q(x) (x − 1) + 3 (x − 1).


Se dividimos o polinômio P (x) de grau n por x − c, obtemos um polinômio Q(x) de grau n − 1
tal que R(x) é de grau zero, isto é, constante Rc tal que:

P (c) = Rc .

Esta propriedade é chamada regra de Ruffini.

Exemplo 4.4. Questão de (FEI-SP)

Calcule as constantes a e b do polinômio P (x) = x3 + 2 x2 + a x + b para que P (x) + 1 seja


divisível por x + 1 e P (x) − 1 seja divisível por x − 1.
Note que:
P (x) + 1 divisível por x + 1, implica em P (−1) + 1 = 0; logo, 2 − a + b = 0.
Por outro lado, P (x) − 1, divisível por x − 1, implica em P (1) − 1 = 0; logo, 2 + a + b = 0. Então,
temos o seguinte sistema:
(
2−a+b=0
2 + a + b = 0,

donde b = −2 e a = 0.
4.4. RAÍZES RACIONAIS DE UM POLINÔMIO 137

4.4 Raízes Racionais de um Polinômio


Considere o polinômio:

P (x) = a0 + a1 x + a2 x2 + a3 x3 + . . . . . . + an−1 xn−1 + an xn .


p
tal que os ai ∈ Z. Se ∈ Q, irredutível, for raiz de P (x), então p divide a0 e q divide an .
q

Exemplo 4.5.

Ache as raízes de:

[1] P (x) = 4 x3 − 3 x + 1.

Os divisores de 1 são ±1 e de 4 são ±1, ±2 e ±4; as possíveis raízes racionais do polinômio são:
1 1
±1, ± e ± . Note que P (−1) = 0; logo, dividindo por x + 1, obtemos:
2 4

P (x) = (x + 1)(4 x2 − 4 x + 1) = (x + 1) (2 x − 1)2 ;


1
a raiz é dupla.
2
2.0

1.5

1.0

0.5

- 1.0 - 0.5 0.5 1.0

- 0.5

- 1.0

Figura 4.1: Desenho do exemplo [1].

[2] P (x) = 3 x4 − 2 x3 − 21 x2 − 4 x + 12.

Os divisores de 12 são ±1, ±2, ±3, ±4, ±6 e ±12; os de 3 são ±1 e ±3; as possíveis raízes
1 2 4
racionais do polinômio são: ±1, ± , ±2, ± , ±3, ±4, ± , ±6 e ±12.
3 3 3
2
Note que P (−1) = P (−2) = P (3) = P ( ) = 0; logo, efetuando divisões sucessivas, obtemos:
3

P (x) = (x + 1) (x + 2)(x − 3) (3 x − 2).


2
As raízes são: −1, −2, 3 e .
3
138 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

100

80

60

40

20

-2 -1 1 2 3

- 20

- 40

Figura 4.2: Desenho do exemplo [2].

[3] P (x) = x5 − 5 x4 − 5 x3 + 25 x2 + 4 x − 20
Os divisores de −20 são ±1, ±2, ±4, ±5, ±10 e ±20; os de 1 são ±1; as possíveis raízes racionais
do polinômio são: ±1, ±2, ±4, ±5, ±10 e ±20.
Note que P (1) = P (−1) = P (2) = P (−2) = P (5) = 0; logo, efetuando divisões sucessivas,
obtemos:

P (x) = (x − 1) (x + 1) (x − 2) (x + 2) (x − 5).
As raízes são: ±1, ±2 e 5.
250

200

150

100

50

-6 -4 -2 2 4

- 50

Figura 4.3: Desenho do exemplo [3].

[4] Determine k tal que a soma das raízes do polinômio P (x) = k x2 − (1 + k) x + 3 k + 2 seja 2
vezes o produto de suas raízes.
Sejam r1 e r2 as raízes, então devemos ter: r1 + r2 = 2 r1 r2 ; não é difícil ver que:
1 2
r1 + r2 = 1 + e r1 r2 = 3 + ;
k k
logo,
1 4 3
r1 + r2 = 2 r1 r2 ⇐⇒ 1 + = 6 + =⇒ k = − .
k k 5
4.5. SISTEMAS DE EQUAÇÕES NO PLANO 139

3 x2 2 x 1 1
O polinômio é P (x) = − − + e as raízes são r1 = −1 e r2 = .
5 5 5 3

4.5 Sistemas de Equações no Plano


Os sistemas formados por duas equações lineares, foram vistos no capítulo anterior.

Primeiramente, veremos o sistema formado por uma equação linear e uma quadrática:
(
a1 x + b1 y + c1 = 0
a2 x2 + b2 y 2 + c2 = 0.
Para resolver o sistema, resolvemos a equação linear e substituimos na quadrática.

No segundo caso,veremos o sistema formado por duas equações quadráticas:


(
a1 x2 + b1 y 2 + c1 = 0
a2 x2 + b2 y 2 + c2 = 0.
Para resolver o sistema, substraimos ou somamos as equações.

Exemplo 4.6.

[1] Resolva:
(
x + 2 y − 10 = 0
x2 + y 2 − 25 = 0.
10 − x
Da primeira equação temos: y = ; logo, a segunda fica:
2
(10 − x)2
x2 + = 25 ⇐⇒ x (x − 4) = 0;
4
logo, x = 0 e x = 4; então, as soluções dos sistema são: (0, 5) e (4, 3).

-4 -2 2 4 6

-2

-4

Figura 4.4: Desenho do exemplo [1].


140 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

[2] Resolva:
(
3 x2 + 2 y 2 − 35 = 0 (1)
2 x2 − 3 y 2 − 6 = 0. (2)
Multipliquemos (1) por 2 e (2) por -3 e somemos; obtemos y = ±2; substituindo em (1), temos
que x = ±3; logo as as soluções dos sistema são: (3, 2), (−3, 2), (3, −2) e (−3, −2).

-4 -2 2 4 6

-2

-4

Figura 4.5: Desenho do exemplo [2].

[3] Resolva:
(
−4 + x2 − 8 y + 4 y 2 = 0 (1)
x2 + (y − 1)2 = 4. (2)
Note que:

x2
−4 + x2 − 8 y + 4 y 2 = 0 ⇐⇒ + (y − 1)2 = 2.
4
Logo, consideramos o seguinte sistema:
 2
x
 + (y − 1)2 = 2
 (1)
4



 2
x + (y − 1)2 = 4. (2)
r
8 8
Substraindo (1) de (2): x2 = ; logo, x = ± . substituindo em (2)
3 3
√ √
2 4 3+2 3 3−2 3
(y − 1) = =⇒ y = e y= ;
3 3 3
as as soluções dos sistema são:
r √ r √ r √ r √
8 3 + 2 3 8 3 − 2 3 8 3 + 2 3 8 3 − 2 3
, , , , − , e − ,
3 3 3 3 3 3 3 3
4.5. SISTEMAS DE EQUAÇÕES NO PLANO 141

-2 -1 1 2

-1

Figura 4.6: Desenho do exemplo [3].

[4] Resolva:
(
5 x2 + 4 y 2 = 48 (1)
x2 + 2 x y = 16. (2)

Multiplicamos (2) por 3 e substraimos, obtendo x2 + 2 y 2 − 3 x y = 0. Por outro lado:

x2 + 2 y 2 − 3 x y = (x − 2y) (x − y),
donde x = y e x = 2 y; substituindo, primeiramente, y = x em (2):

2 4 3
3 x = 16 =⇒ x = y = ± ;
3
substituindo x = 2 y em (2):
√ √
8 y 2 = 16 =⇒ y = ± 2 =⇒ x = ±2 2.

As soluções dos sistema são:


√ √ √ √
4 3 4 3 4 3 4 3 √ √ √ √
, , − ,− , (2 2, 2), , e (−2 2, − 2).
3 3 3 3

[5] A hipotenusa de um triângulo retângulo mede 41 m e a área do triângulo é 180 m2 . Deter-


mine o comprimento dos lados.
Sejam x e y os catetos do triângulo retângulo; então, por Pitágoras:

x2 + y 2 = 412 .
Por outro lado, a área do triângulo é:
xy
= 180.
2
142 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

Devemos resolver o sistema:;


(
x2 + y 2 = 1681
x y = 360.
A solução é x = 9 e y = 40 ou vice-versa. Os catetos medem 9 m e 40 m, respectivamente.

40

30

20

10

10 20 30 40

Figura 4.7: Desenho do exemplo [5].

4.6 Inequações que Envolvem Polinômios


Neste parágrafo apresentaremos inequações que envolvem polinômios ou combinações de po-
linômios e que são um pouco mais complexas do que as estudadas no início do capítulo. O
método de resolução, é essencialmente, estudar os sinais da desiguladade numa tabela.

Exemplo 4.7.
[1] Determine a solução de: 2 x3 − 2 x2 − 2 x − 4 > 0
Primeiramente fatoramos o polinômio:

2 x3 − 2 x2 − 2 x − 4 = (x − 2) (2 x2 + 2 x + 2);
O polinômio tem uma raiz real. De fato, o polinômio 2 x2 + 2 x + 2 tem ∆ < 0 e seu coeficiente
principal é positivo; logo, 2 x2 + 2 x + 2 > 0, para todo x ∈ R.

2 x3 − 2 x2 − 2 x − 4 > 0 ⇐⇒ (x − 2) (2 x2 + 2 x + 2) > 0 ⇐⇒ x − 2 > 0.


Logo, o conjunto-solução é S = (2, +∞).

[2] Determine a solução de: x4 − 2 x3 − 4 x2 + 8 x > 0


Primeiramente fatoramos o polinômio:

x4 − 2 x3 − 4 x2 + 8 x = x (x − 2) (x − 2) (x + 2).
4.6. INEQUAÇÕES QUE ENVOLVEM POLINÔMIOS 143

O polinômio só tem 4 raízes reais, duas repetidas. Logo:

x4 − 2 x3 − 4 x2 + 8 x > 0 ⇐⇒ x (x − 2) (x − 2) (x + 2) > 0.
Então, ou todos os membros da desiguldade são positivos ou todos negativos ou com sinais
trocados aos pares:

Polinômio (−∞, −2) (−2, 0) (0, 2) (2, +∞)


x - - + +
x−2 - - - +
x−2 - - - +
x+2 - + + +

x4 − 2 x3 − 4 x2 + 8 x + - + +

Logo, o conjunto-solução é S = (−∞, −2) ∪ (0, 2) ∪ (2, +∞).

[3] Determine a solução de:

x3 + x2 − 2 x
< 0.
x+4

Primeiramente fatoramos o polinômio:

x3 + x2 − 2 x = x (x − 1) (x + 2).
O polinômio tem 3 raízes reais diferentes. Note que x 6= −4. Logo:

x3 + x2 − 2 x x (x − 1) (x + 2)
< 0 ⇐⇒ < 0.
x+4 x+4
Então, ou o numerador é negativo e o denominador é positivo ou vice-versa, lembrando que
x 6= −4:

Polinômio (−∞, −4) (−4, −2) (−2, 0) (0, 1) (1, +∞)


x - - - + +
x+2 - - + + +
x−1 - - - - +
x+4 - + + + +

x3 + x2 − 2 x
+ - + - +
x+4

Logo, o conjunto-solução é S = (−4, −2) ∪ (0, 1).

[4] Determine a solução de:


144 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

6x 2
> .
x2 − 4x + 3 12 − 4 x
Primeiramente fatoramos o polinômio:

x2 − 4 x + 3 = (x − 1) (x − 3).
Logo:
6x 2 6x 2 13 x − 1
> ⇐⇒ 2 − > 0 ⇐⇒ > 0,
x2 − 4x + 3 12 − 4 x x − 4 x + 3 12 − 4 x 2 (x − 3) (x − 1)

se x 6= 3 e x 6= 1. Então, ou o numerador e o denominador são positivos ou ambos negativos:

Polinômio (−∞, 1/13) (1/13, 1) (1, 3) (3, +∞)


13 x − 1 - + + +
x−1 - - + +
x−3 - - - +

6x 2
> - + - +
x2 − 4x + 3 12 − 4 x

1
Logo, o conjunto-solução é S = ( , 1) ∪ (3, +∞).
13

4.7 Sistemas de Inequações de uma Variável


Para resolver um sistema de inequações resolvemos, em separado cada inequação do sistema
determinando seus respectivos conjuntos-solução. Finalmente, o conjunto-solução do sistema
é a interseção de todos os conjuntos-solução achados.

Exemplo 4.8.

[1] Determine a solução do sistema:


(
x3 − 2 x2 + 5 x > 10
2 x + 3 ≤ 4 x − 5.
Resolvamos, primeiramente, a inequação: x3 − 2 x2 + 5 x > 10. Fatoremos o polinômio:
x3 − 2 x2 + 5 x − 10 = (x − 2) (x2 + 5); o polinômio só tem uma raiz real; logo:

x3 − 2 x2 + 5 x > 10 ⇐⇒ x − 2 > 0.
E o conjunto-solução é S1 = (2, ∞). Por outro lado, resolvemos:

2 x + 3 ≤ 4 x − 5 ⇐⇒ x − 4 ≥ 0
que tem como conjunto-solução S2 = [4, +∞). Finalmente, o conjunto-solução do sistema é:
4.8. INEQUAÇÕES NO PLANO 145

S = S1 ∩ S2 = [4, +∞).

[2] Determine a solução do sistema:


 2
x − 4
>0
3−x
2 (4 x − 3) ≤ 9 x − 2.

Resolvamos, primeiramente, a inequação:

x2 − 4
> 0.
3−x
Para x 6= 3 e x2 − 4 = (x − 2) (x + 2), temos:

Polinômio (−∞, −2) (−2, 2) (2, 3) (3, +∞)


x−2 - - + +
x+2 - + + +
3−x + + + -
Sistema + - + -
Logo, o conjunto-solução é S1 = (−∞, −2) ∪ (2, 3). Por outro lado, resolvemos:

2 (4 x − 3) ≤ 9 x − 2 ⇐⇒ x + 4 ≥ 0
que tem como conjunto-solução S2 = [−4, +∞). Finalmente, o conjunto-solução do sistema é:

S = S1 ∩ S2 = [−4, −2) ∪ (2, 3).

4.8 Inequações no Plano


Consideremos curvas e/ou retas, no plano, que sejam definidas pela equação:

F (x, y) = 0.
Definamos os seguintes subconjuntos do plano:

A1 = {(x, y) / F (x, y) = 0}
A2 = {(x, y) / F (x, y) > 0}
A3 = {(x, y) / F (x, y) < 0}.

Estes subconjuntos tem as seguintes propriedades:

A1 ∩ A2 ∩ A3 = ∅ e A1 ∪ A2 ∪ A3 = R 2 .
Isto é, um ponto do plano pertence a um e somente um desses subconjuntos. Estes subconjun-
tos são chamados regiões do plano.
146 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

Exemplo 4.9.
[1] Seja F (x, y) = x + y − 2. A reta x + y = 2 divide o plano em:

A1 = {(x, y) / x + y = 2} = {(x, y) / y = 2 − x}
A2 = {(x, y) / x + y > 2} = {(x, y) / y > 2 − x}
A3 = {(x, y) / x + y < 2} = {(x, y) / y < 2 − x}.

Note que o ponto (1, 1) ∈ A1 ; (3, 2) ∈ A2 e (0, 0) ∈ A3 .


4

-2 -1 1 2 3 4

-1

-2

Figura 4.8: Regiões do exemplo [1].

[2] Seja F (x, y) = x2 + y 2 − 1, então o círculo x2 + y 2 = 1 divide o plano em:

A1 = {(x, y) / x2 + y 2 = 1}
A2 = {(x, y) / x2 + y 2 > 1}
A3 = {(x, y) / x2 + y 2 < 1}.
1 1
Note que o ponto (0, 1) ∈ A1 ; (1, 1) ∈ A2 e ( , ) ∈ A3 .
2 2

-1 1

-1

Figura 4.9: Regiões do exemplo [2].


4.8. INEQUAÇÕES NO PLANO 147

Em geral, toda curva separa o plano em 3 regiões A1 , A2 e A3 .


Por exemplo, se F (x, y) = 0 representa uma reta no plano, então os subsconjuntos A2 e A3 são
ditos semiplanos.
Logo, os pontos do plano que são solução de um inequação no plano, determinam uma região
no plano.

Exemplo 4.10.

[1] Esboce a região determinada pelos pontos que são solução de: x − y < 0.
x − y < 0 se, e somente se y > x, para todo x ∈ R. Os pontos que são solução da inequação
determinam uma região acima da reta y = x.
2

-2 -1 1 2

-1

-2

Figura 4.10: Região do exemplo [1].

[2] Esboce a região determinada pelos pontos que são solução de: x2 + y 2 − 2 x − 2 y + 1 > 0.
Completando os quadrados:

x2 + y 2 − 2 x − 2 y + 1 = (x − 1)2 + (y − 1)2 − 1;
logo, (x − 1)2 + (y − 1)2 = 1 é a equação de um círculo centrado em (1, 1) e raio 1. Os pontos
que são solução da inequação determinam uma região fora do círculo (x − 1)2 + (y − 1)2 = 1.

1 2

Figura 4.11: Região do exemplo [2].


148 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

[3] Esboce a região determinada pelos pontos que são solução de:

x−y+2
≥ 0.
x+y+2

x−y+2
Note que ≥ 0 se, e somente se:
x+y+2
x−y+2≥0 e x+y+2>0 ou x−y+2≤0 e x + y + 2 < 0.

Se x − y + 2 ≥ 0 e x + y + 2 > 0; então, −2 − x < y ≤ x + 2 tal que x > −2.


Se x − y + 2 ≤ 0 e x + y + 2 < 0; então, 2 + x ≤ y < −2 − x tal que x < −2.

-6 -4 -2 2

-2

-4

Figura 4.12: Região do exemplo [3].

[4] Esboce a região determinada pelos pontos que são solução de: |x + y| ≤ 2.
|x + y| ≤ 2 é equivalente a −2 ≤ x + y ≤ 2; logo, temos −2 − x ≤ y ≤ 2 − x, para todo x ∈ R.
Isto é, a região delimitada entre as retas y = −x − 2 e y = 2 − x.

-4 -2 2 4

-1

-2

Figura 4.13: Região do exemplo [4].


4.9. SISTEMAS DE INEQUAÇÕES NO PLANO 149

4.9 Sistemas de Inequações no Plano


Considere o sistema com n inequações.



 a1 x + b1 y ≤ c1




 a2 x + b2 y ≤ c2
 a3 x + b3 y ≤ c3


..

 .
 ...







 a x+b y ≤c
n n n

Uma solução do sistema é um ponto P = (x, y), no plano cujas coordenadas satisfazem cada
uma das desigualdades do sistema.
Como cada inequação determina um semiplano, temos que P é solução do sistema se, e so-
mente se P pertence a cada semiplano.
Logo, o método para determinar a região do plano que representa a solução do sistema, con-
siste em determinar as n regiões do plano, uma para cada inequação. Finalmente, fazemos a
interseção das n regiões obtidas.

Exemplo 4.11.

[1] Esboce a região determinada pelos pontos que são solução do sistema:

x + y ≤ 2

−x + y ≤ 2

y ≥ 0.

Esbocemos as retas y = 2 − x, y = x + 2 e y = 0:

-3 -2 -1 1 2 3

-1

Figura 4.14: As retas y = 2 − x (azul), y = x + 2(vermelho) e y = 0 (verde).


150 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

A região R1 determinada por x + y ≤ 2 é o conjunto dos pontos que ficam estritamente abaixo
da reta y = −x + 2.

-2 -1 1 2

-1

-2

Figura 4.15: A região R1 .

A região R2 determinada por −x + y ≤ 2 é o conjunto dos pontos que ficam abaixo da reta
y = x + 2.

-2 -1 1 2

-1

-2

Figura 4.16: A região R2 .

A região R3 determinada por y ≥ 0 ’e o conjunto dos pontos que ficam acima do eixo dos x:
4.9. SISTEMAS DE INEQUAÇÕES NO PLANO 151

-2 -1 1 2

Figura 4.17: A região R3 .

Finalmente a região que é solução do sistema é R = R1 ∩ R2 ∩ R3 :

2.0

1.5

1.0

0.5

-2 -1 0 1 2

Figura 4.18: região R.

[2] Esboce a região determinada pelos pontos que são solução do sistema:


x + y > 2

−2 x + y ≤ 1

−x + 2 y ≥ −3.

Esbocemos as retas y = −x + 2, y = 2 x + 1 e 2 y = x − 3:
152 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

-2 2 4 6

-2

-4

Figura 4.19: As retas y = −x + 2 (azul), y = 2 x + 1(vermelho) e 2 y = x − 3 (verde).

A região R1 determinada por x + y > 2 é o conjunto dos pontos que ficam estritamente acima
da reta y = −x + 2. A região R2 determinada por −2 x + y ≤ 1 é o conjunto dos pontos que
ficam abaixo da reta y = 2 x + 1.

3 4

3
2

-2 -1 1 2 3

-1 1 2

-1
-1

-2 -2

Figura 4.20: Gráficos das regiões R1 e R2 , respectivamente.

A região R3 determinada por −x + 2 y ≥ −3 ’e o conjunto dos pontos que ficam acima da reta
2 y = x − 3:
4.9. SISTEMAS DE INEQUAÇÕES NO PLANO 153

-2 -1 1 2 3 4

-1

-2

-3

Figura 4.21: região R3 .

Finalmente a região que é solução do sistema é R = R1 ∩ R2 ∩ R3 :

-2 2 4 6

-2

-4

Figura 4.22: região R.

[3] Esboce a região determinada pelos pontos que são solução do sistema:
(
x2 + y 2 ≤ 25
x2 + y 2 − 12 x + 20 ≥ 0.

x2 + y 2 = 25 é um círculo de raio 5, centrado na origem e:

x2 + y 2 − 12 x + 20 = (x − 6)2 + y 2 − 16 = 0

é um círculo de raio 4 centrado no ponto (6, 0). Logo, os pontos que são solução do sistema,
são os que estão fora do círculo (x − 6)2 + y 2 = 16 e dentro do círculo x2 + y 2 = 25:
154 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

-4 -2 2 4 6

-2

-4

Figura 4.23: Região do exemplo [3].

[4] Esboce a região limitada pelas curvas y = x2 e y = 4 x − x2 .


A interseção das curvas é dada pela solução do sistema:
(
y = x2
y = 4 x − x2 ,

do qual obtemos: x = 0 e x = 2; logo, a região é definida por:

{(x, y) ∈ R2 / 0 ≤ x ≤ 2, x2 ≤ y ≤ 4x − x2 }.

-1 1 2 3 4

Figura 4.24: Região do exemplo [4].

[5] Esboce a região determinada pelos pontos que são solução do sistema:
(
x2 − y 2 ≤ 1
y 2 − x2 ≤ 1.
4.10. APLICAÇÕES DAS INEQUAÇÕES 155

x2 − y 2 = 1 é uma hipérbole de vértices em (±1, 0) e y 2 − x2 = 1 é uma hipérbole de vértices


em (0, ±1). Por outro lado:
Se x < −1, temos que:
p p p p
− 1 + x2 ≤ y ≤ − −1 + x2 e −1 + x2 ≤ y ≤ 1 + x2 .

Se −1 ≤ x ≤ 1, temos que:
p p
− 1 + x2 ≤ y ≤ 1 + x2 .

Se x > 1, temos que:


p p p p
− 1 + x2 ≤ y ≤ − −1 + x2 e −1 + x2 ≤ y ≤ 1 + x2 .
Logo, os pontos que são solução do sistema, são os pontos limitados pelas 4 ramos das hipér-
boles.
4

-4 -2 2 4

-2

-4

Figura 4.25: Região do exemplo [5].

4.10 Aplicações das Inequações


A seguir apresentaremos alguns exemplos onde se aplicam as inequações:

Exemplo 4.12.

[1] Uma empresa produz x unidades de um certo produto a um preço, em dólares, dado por
x2 − 200 x + 1200. Quantas unidades do produto podem ser fabricadas com um orçamento de
5600 dólares?
Devemos verificar quando x2 − 200 x + 1200 ≤ 5600; isto é, resolver x2 − 200 x − 4400 ≤ 0, que
é equivalente a:

(x + 20) (x − 220) ≤ 0 ⇐⇒ −20 ≤ x ≤ 220.


156 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

Logo, podem ser produzidas, no máximo, 220 unidades.

[2] Uma empresa produz dois tipos de produtos obtendo um lucro de 10 dólares pelo primeiro
e 20 dólares pelo segundo. Quantas unidades de cada produto deve produzir para obter um
lucro acima de 10000 dólares?
Sejam a e b os produtos, x e y as unidades produzidas de cada produto, respectivamente. Logo,
o lucro será dado por 10 x + 20 y; então, devemos resolver:
x
10 x + 20 y > 10000 ⇐⇒ y > 500 − .
2
Então, se x é a quantidade de produtos do tipo a e y é a quantidade de produtos b, então y deve
x
ser estritamente superior a 500 − .
2
500

400

300

200

100

200 400 600 800 1000

Figura 4.26: Região do exemplo [2].

[3] Um investidor dispõe de 3000000 dólares para investimentos. Se aplica 1000000 dólares
num investimento que paga x de juros mensal e o restante do montante o aplica num outro
investimento que paga o dobro do primeiro, que condições deve ter a taxa de juros x para que
o investidor obtenha ganhos maiores que 90000 dólares?
Como x é o percentual dos juros, temos que os ganhos do investidor são:
   
x 2x
1000000 + 2000000 ,
100 100
Como o investidor deseja ganhar mais que 90000 dólares, devemos resolver:
   
x 2x
1000000 + 2000000 > 90000 ⇐⇒ 50000 x > 90000 ⇐⇒ x > 1.8 .
100 100

[4] Uma empresa produz dois tipos de produtos. Para produzir o primeiro necessita 20 uni-
dades de uma certa matéria prima e 6 unidades de mão de obra e para produzir o segundo
necessita 10 unidades da mesma matéria prima do primeiro produto e 8 de mão de obra. A
empresa tem um depósito com 400 unidades da matéria prima e 180 de mão de obra. Repre-
sente graficamente as possibilidades de produção da empresa.
4.10. APLICAÇÕES DAS INEQUAÇÕES 157

Denotemos por x o número de unidades produzidas do primeiro produto e por y o número


de unidades produzidas do segundo produto; tendo em conta que existem 400 unidades de
matéria prima:

10 x + 5 y ≤ 200.
Por outro lado, a mão de obra é de 180:

6 x + 8 y ≤ 180
Lembrando que x ≥ 0 e y ≥ 0. Logo, devemos estudar o sistema:
(
20 x + 10 y ≤ 400
6 x + 8 y ≤ 180,
que é equivalente a:

y ≤ 2 (20 − x)
y ≤ 3 (30 − x) .
4
Como x ≥ 0 e y ≥ 0, o conjunto-solução corresponde aos pontos que estão na interseção dos
quatro semi-planos.



 y ≤ 2 (20 − x)

 3 (30 − x)
y≤

4



 x ≥ 0

y ≥ 0.

30

25

20

15

10

5 10 15 20 25 30

Figura 4.27: Região do exemplo [4].


158 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

4.11 Exercícios
1. Sejam P (x) = x4 − 3 x3 − x2 + x − 1, Q(x) = x2 − 3 x + 2 e R(x) = x3 − x2 + x. Calcule

(a) P (x) − 2 Q(x) − 5 R(x) − x


(b) 5 P (x) + [Q(x) + x4 R(x)]
(c) R2 (x) + Q2 (x) − P 2 (x)
(d) R(x) P (x) − Q(x)2
P (x) · R(x)
(e)
Q(x)
P (x) Q(x) R(x)
(f) + +
Q(x) R(x) P (x)
(P (x) − Q(x))2
(g)
R(x) − x

2. Determine as constantes A, B e C tais que:

2x A B C
(a) = + +
x (x − 1) (x + 2) x x−1 x+2
1 A B C
(b) = + 2+
x2 (x + 3) x x x+3
2x + 1 A B
(c) 2
= + .
1−x 1+x 1−x
1 A B
(d) = + .
(x + 2)(2x + 1) x + 2 2x + 1
1 A B C
(e) = + + .
(x + 2)(x2 − 1) x + 2 x + 1 x − 11
1 A Bx + C
(f) 2
= + 2
(x − 1)(x + 1) x−1 x +1

3. Determine o quociente e o resto das divisões:

(a) 3 x4 − 5 x2 + 6 x + 1 ÷ x2 − 3 x + 4.

(b) 5 x5 − 4 x3 − 2 x + 1 ÷ x + 1.

(c) x11 − 1 ÷ x + 1.

(d) x5 − x4 + x2 − 4 ÷ x2 + 3 x − 4.

(e) x3 − 3 x2 + 2 x + 1 ÷ x2 − x + 1.
4.11. EXERCÍCIOS 159

4. Determine a constante m de modo que o polinômio P (x) seja divisível por Q(x), onde:

(a) P (x) = x2 − 2 x + m, Q(x) = x + 3

(b) P (x) = x4 − 3 x3 + m, Q(x) = x − 2

(c) P (x) = x4 − 3 x3 + m x − 12, Q(x) = x + 2.

(d) P (x) = 2 x4 − 3 x3 + m x − 12, Q(x) = x − 2.

5. Determine as constantes a e b de modo que o polinômio P (x) seja divisível por Q(x),
onde:

(a) P (x) = x4 − 3 x3 + a x + b, Q(x) = x2 − 2 x + 4.

(b) P (x) = 6 x4 − 7 x3 + a x2 + 3 x, Q(x) = x2 − x + b.

(c) P (x) = 8 x3 − 10 x2 + a x + b, Q(x) = 2 x2 − 3 x + 2.

(d) P (x) = 3 x3 + a x2 − 7 x + b, Q(x) = x2 − 5 x + 1.

6. Determine as raízes racionais dos polinômios:

(a) P (x) = x3 − 6 x2 + 11 x − 6

(b) P (x) = x4 − 5 x2 + 6

(c) P (x) = 2 x5 − 3 x4 − 14 x3 + 38 x2 − 8 x − 15

(d) P (x) = 2 x5 − 3 x4 − 14 x3 + 38 x2 − 8 x − 15

(e) P (x) = x5 − 10 x4 17 x3 + 76 x2 − 228 x + 144

(f) P (x) = x5 − 5 x3 + 3 x2 + 9 x

(g) P (x) = x5 + 10 x4 + 17 x3 − 64 x2 − 108 x + 144

(h) P (x) = 10 x6 − 27 x5 − 120 x4 + 120 x2 + 27 x − 10

7. Verifique a regra de Ruffini: O resto da divisão de P (x) por x − c é P (c).



8. Se a + b, com a ∈ Z e b ∈√N é uma raiz irracional do polinômio P (x) de coeficientes
racionais, verifique que a − b também é uma raiz do polinômio.

9. Resolva a equação 3 x4 − 5 x3 − 7 x2 + 3 x + 2 = 0, se 1 + 2 é uma das raízes.

√um polinômio P (x) de terceiro grau tal que P (−1) = 1, P (1) = −1 e P (i) = 0,
10. Determine
onde i = −1.
160 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

11. É possível determinar um polinômio P (x) de terceiro grau tal que P (−1) = P (1) = 0 e
P (i) = 0?

12. Determine um polinômio de grau 4 que seja divisível por x2 − 4 e possua como raízes 3 e
5.

13. Sejam P (x) = x2 − 4 e Q(x) = x3 − 2 x2 + 5 x + a, onde Q(2) = 0. Determine o resto da


divisão de Q(x) por P (x).

14. Sejam os polinômios P (x) = a x2 − 2 x + 1, Q(x) = x + 2 e R(x) = x3 + b x2 − 3 x + c.


Determine a, b e c tais queP (x) · Q(x) = R(x).

15. Determine a solução de:


( (
x + y = 12 x − y = −3
(a) (f)
3 x + 2 y = 48 x2 + y 2 = 5
( (
4x + 3y = 1 x+y =1
(b) (g)
3 x − 2 y = −5 xy + 2y = 2
( (
5 (x − y) = 4 x − 1 x2 − y 2 = 5
(c) (h)
28 (x − 2 y − 3) = 2 (15 x + 8 y) xy = 6
( (
x − y = 12 x2 + 4 y 2 = 25
(d) (i)
3x − 4y = 1 x2 − y 2 = 5
( (
3 x + 5 y = 11 x2 + 3 x y = 18
(e) (j)
4x − 3y = 5 x2 − 5 y 2 = 4

16. Determine o conjunto-solução de:

(
3x − 2 < x
(a)
6x − 4 > 3 − x
(
x+3≤5
(b)
x + 3 ≤ 2x

3x

5 x + 1 ≤ 2 + 5


(c)


2 (x + 3) ≥ x

4.11. EXERCÍCIOS 161
(
5x − 3 < 6 + 2x
(d)
3 − 2x > 4
(
3 x − 15 < x − 5
(e)
2−x≥6
(
x+3>0
(f)
x2 + x − 2 < 0

17. Esboce as regiões determinadas por:

(a) x − 2y − 3 > 0

(b) 2x + y > 5

(c) 2x − 3y ≤ −1

(d) 3x − 2y ≤ 13
x+y
(e) <0
x − 2y + 3

(f) x2 + y 2 − 2 x − 2 y + 1 ≥ 0

(g) (x − y) (x + y) ≥ 0

(h) (x − y) (x + y) ≤ x

(i) (x − y) (x + y) ≤ x y

18. Esboce as regiões da solução de:

(
2x − y < 3
(a)
x+y <3
(
x+y <2
(b)
2y − 2x > 4

x + y < 120



3 y − x ≤ 0
(c)


x ≤ 100

y ≤ 100
162 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS

x + y > 2

(d) −2 x + y ≤ 1

−x + 2 y ≥ −3

(
x2 − y ≤ 0
(e)
y2 − x ≤ 0
(
x2 + y 2 ≥ 1
(f)
x2 − y 2 ≤ 1

2 2
x + y ≤ 1

(g) x2 − y ≤ 0

 2
y −x≥1

x + y ≤ 1

(h) , x2 − y 2 ≤ 1

−x + y ≥ −1

19. A soma de 5 e a metade de um número é sempre maior que a subtração entre 10 e o dobro
desse número. Determine os números.

20. Dois números somam 38; se o primeiro é dividido por 3 e o segundo por 4 e sua diferença
é igual a 1, determine os números.

21. Três números naturais consecutivos são tais que a soma da metade do primeiro mais 2/3
do segundo tem como resultado o terceiro número. Determine os números.

22. Se o preço de fabricação de x unidades de um certo produto é x2 − 185 x + 1000 em reais,


quantas unidades podem ser fabricadas com um orçamento de 4000 reais?

23. Se a soma de 3 números naturais consecutivos é menor que 12, quais são os possíveis
números?

24. Num triângulo retângulo, um de seus ângulos agudos é π/15 radianos maior que outro.
Quais são as medidas de seus três ângulos?

25. O perímetro de um triângulo isósceles é de 19 cm. O comprimento de cada lado igual


excede em 2 cm o dôbro do comprimento do lado desigual. Quais são as medidas de seus
três lados?

26. Se as medições feitas numa quadra de esportes tem um erro de 1 metro e os valores dos
lados da quadra x e y satisfazem a 70 < x < 71 e 47 < y < 48, determine o perímetro e a
área da quadra.
4.11. EXERCÍCIOS 163

300
27. Se são compradas x unidades de um certo produto a um preço de +3 reais a unidade,
x
qual o número de unidades que devem ser vendidas para que as vendas ultrapassem 6000
reais?

28. Uma empresa pode vender um produto por 720 dólares a unidade. Se x2 + 360 x + 1000
é a lei para produzir x unidades por mês, determine quando a empresa tem perdas para
produzir tal produto.

29. Uma fábrica produz armários de duas categorias diferentes: de 200 e de 600 reais. Em
uma semana fabrica 16 armários com um custo total de 6000 reais. Quantos armários
fabricou de cada tipo?

30. A soma de dois números é 14. Somado 1 ao maior obtemos o dôbro do menor. Quais são
os números?

31. As idades de três crianças somadas de dois em dois são iguais a 6, 8, e 16, respectiva-
mente,. Determine as idades das crianças.

32. Determine as dimensões de um retângulo de perímetro 80 unidades e cuja medida da


2
altura é da base.
3

33. A diagonal de um retângulo mede 26 unidades e o perímetro 68 unidades. Determine as


medidas dos lados do retângulo.

34. A diferença de dois números positivos é 3 e a soma de seus quadrados é 65. Determine
os números.

35. A diagonal de um retângulo mede 85 m; se o lado menor é aumentado em 11 m e o lado


maior diminuido em 7 m, o comprimento da diagonal permanece o mesmo. Determine
as dimensões do retângulo original.
164 CAPÍTULO 4. POLINÔMIOS
Capítulo 5

TRIGONOMETRIA

Fenômenos de natureza cíclica ou periódicos são associados às funções trigonométricas. Por


exemplo, o batimento cardíaco, as ondas de rádio, o ritmo oscilatório dos braços durante uma
corrida, o movimento periódico dos planetas e a vibração de átomos em cristais.

5.1 Introdução
Inicialmente faremos uma revisão do conceito de radiano. Sabemos que arcos de círculos que
subtendem o mesmo ângulo central são semelhantes e que a razão da semelhança é a razão
entre os raios. Num círculo de centro O e raio r, seja l o comprimento do arco AB subtendido
pelo ângulo central α.

α
O r A

Figura 5.1:

l é diretamente proporcional a r e à medida do ângulo α. Admitindo que o arco e o raio sejam


medidos com a mesma unidade e denotando por med(α) a medida do ângulo α, temos:

l = k r med(α),
onde a constante k depende da unidade de medida de ângulos escolhida. Radiano é a unidade
de medida de ângulos para a qual k = 1, ou seja, tal que l = r med(α).
Em resumo, a medida do ângulo α em radianos é dada pela razão: l/r, onde l é o comprimento
do arco subtendido no círculo cujo centro é o vértice do ângulo e r é o raio do círculo. Como o
comprimento de um semicírculo ou arco de 180o é π r, então 180o = π radianos; logo,

165
166 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA

180 o ∼ o
1 rad = = 57
π
π ∼
10 = = 0.0174532 rad.
180
Note que a medida de um ângulo em radianos não depende da unidade de comprimento consi-
derada.
No plano coordenado consideremos um círculo orientado no sentido anti-horário, centrado na
origem e de raio igual a 1. Este círculo é denominado círculo trigonométrico.
O ponto A, interseção do círculo com o semi-eixo positivo das abscissas é chamado origem.
Os pontos A, B, C, D, interseções do círculo com os eixos coordenados o dividem em quatro
partes congruentes.

II I

C A
III IV

Figura 5.2:

Como a equação do círculo é x2 + y 2 = 1, seu comprimento é l = 2π. Portanto, a medida de


qualquer arco deste círculo é igual a sua medida em radianos.
Considere o ângulo α que determina sobre o círculo de raio 1, o arco de origem A = (1, 0) e
extremidade M = (x, y) tais que |OP | = x e |P M | = y, como no desenho:

α
O P A

Figura 5.3:
5.1. INTRODUÇÃO 167

O seno do ângulo α é denotado por sen(α) e definido por:

sen(α) = y

O co-seno do ângulo α é denotado por cos(α) e definido por:

cos(α) = x

y
A tangente do ângulo α é denotada por tg(α) e definida por: tg(α) = se x 6= 0; equivalente-
x
mente,

sen(α)
tg(α) = , se cos(α) 6= 0.
cos(α)
x
A co-tangente do ângulo α é denotada por cotg(α) e definida por cotg(α) = se y 6= 0; equiva-
y
lentemente,

cos(α)
cotg(α) = , se sen(α) 6= 0.
sen(α)

A partir das relações anteriores, definimos a secante e a co-secante do ângulo α por:

1 1 1 1
sec(α) = = e cosec(α) = =
x cos(α) y sen(α)

onde cos(α) 6= 0 e sen(α) 6= 0, respectivamente.


Sinais do seno, cosseno e tangente relativo a cada quadrante:

Quadrantes I II III IV

sen(α) + + − −

cos(α) + − − +

tg(α) + − + −

Identidades Fundamentais :

sen2 (α) + cos2 (α) = 1

De fato, considere:
168 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA

α
O P A

Figura 5.4:

Do triângulo OM P , temos que:


p p
d(O, M ) = (cos(α) − 0)2 + sen(α) − 0)2 = cos(α)2 + sen(α)2 ,

como d(O, M ) = 1 segue que:

sen2 (α) + cos2 (α) = 1.

Analogamente, temos:

tg 2 (α) + 1 = sec2 (α)

cotg 2 (α) + 1 = cosec2 (α)

As definições de seno, co-seno, tangente e co-tangente de um ângulo agudo são coerentes com
nossa definição. Por simetria, podemos obter os valores para os arcos maiores que π/2. Como
dois arcos são congruentes se suas medidas diferirem por um múltiplo de 2π, temos que dois
arcos congruentes tem a mesma origem e a mesma extremidade, portanto o mesmo seno, co-
seno, etc.
É comum representar todos os arcos congruentes ao arco θ por θ + 2kπ, onde k é um número
inteiro.
As funções trigonométricas podem ser estendidas para todos os números reais de modo que
sejam preservadas todas as suas propriedades básicas. A forma de estender é a seguinte: consi-
dere um círculo centrado na origem de raio 1 e fixe o ponto A = (1, 0) em tal círculo; considere
como sentido positivo, o sentido anti-horário; analogamente, o sentido negativo é o sentido
horário.
Para cada α ∈ R associamos um ponto P de modo que:
Se 0 < α < 2 π, partimos de A e percorremos o círculo no sentido positivo até obter um arco
cujo comprimento seja α. O ponto onde o arco termina é P .
5.1. INTRODUÇÃO 169

Se −2 π < α < 0, partimos de A e percorremos o círculo no sentido negativo até obter um


arco cujo comprimento seja |α|. O ponto onde o arco termina é P . Assim a cada número real
corresponde um ponto P .
Se α > 2 π será necessário dar mais uma volta no círculo, no sentido positivo, para atingir a
extremidade P do arco. Idem para α < −2 π. Assim a cada número da forma α + 2 k π (k ∈ Z)
corresponderá um ponto do círculo.

A seguir, apresentamos propriedades:

Se α 6= kπ/2, k ∈ Z: tg(α) cotg(α) = 1.


Se α 6= π/2 + kπ, k ∈ Z: sec2 (α) − tg 2 (α) = 1.
Se α 6= kπ, k ∈ Z: cosec2 (α) − cotg 2 (α) = 1.

Observamos que para qualquer ângulo α tem-se:

|sen(α)| ≤ 1 e |cos(α)| ≤ 1.

Periodicidade
Para todo k ∈ Z, temos:

sen(α + 2 k π) = sen(α) cos(α + 2 k π) = cos(α)


sec(α + 2 k π) = sec(α) cosec(α + 2 k π) = cosec(α)
tg(α + k π) = tg(α) cotg(α + k π) = cotg(α),

Adição dos arcos

sen(α ± β) = sen(α) cos(β) ± sen(β) cos(α).

cos(α ± β) = cos(α) cos(β) ∓ sen(β) sen(α).

tg(α) ± tg(β)
tg(α ± β) =
1 ∓ tg(β) tg(α)

cotg(α) cotg(β) ∓ 1
cotg(α ± β) = .
cotg(β) ± cotg(α)

Segue destas identidades que:


170 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA

1 
sen(α) sen(β) = cos(α − β) − cos(α + β)
2
1 
cos(α) cos(β) = cos(α − β) + cos(α + β)
2
1 
sen(α) cos(β) = sen(α + β) + sen(α − β) ,
2
e:

α + β α − β
sen(α) + sen(β) = 2 sen cos
2 2
α + β α − β
sen(α) − sen(β) = 2 cos sen
2 2
α + β α − β
cos(α) + cos(β) = 2 cos cos
2 2
α + β α − β
cos(α) − cos(β) = 2 sen sen
2 2

A verificação destas propriedades pode ser considerada como exercício. Usando as definições
é possível deduzir muitas outras propriedades ou identidades trigonométricas. Por exemplo:

r
1. sen(2 α) = 2 sen(α) cos(α) α 1 + cos(α)
7. cos( ) = ± .
2 2
2. cos(2 α) = cos2 (α) − sen2 (α)

1 − cos(2 α)
s
3. sen2 (α) = α 1 − cos(α)
2 8. tg( ) = ±
2 1 + cos(α)
1 + cos(2 α)
4. cos2 (α) = .
2
α sen(α)
9. tg( ) =
2 tg(α) 2 1 + cos(α)
5. tg(2 α) = .
1 − tg 2 (α)
r
α 1 − cos(α) α 1 − cos(α)
6. sen( ) = ± . 10. tg( ) = .
2 2 2 sen(α)

A seguir os valores mais utilizados de seno e co-seno:

α 0 π/6 π/4 π/3 π/2 3π/4 π


√ √ √
sen(α) 0 1/2 2/2 3/2 1 2/2 0
√ √ √
cos(α) 1 3/2 2/2 1/2 0 − 2/2 −1
5.1. INTRODUÇÃO 171

α 5π/4 4π/3 3π/2 5π/3 7π/4 11π/6 2π


√ √ √ √
sen(α) − 2/2 − 3/2 −1 − 3/2 − 2/2 −1/2 0
√ √ √
cos(α) − 2/2 −1/2 0 1/2 2/2 3/2 1

Finalmente:
 

sen(π − x) 
−cos(π − x)
 
−sen(x − π)
 −cos(x − π)

sen(x) = e cos(x) =
−sen(2 π − x) cos(2 π − x)
cos( π − x). sen( π − x).

 

 
2 2

Por outro lado:

π  π 
tg(α) = cotg −α sec(α) = cosec −α
2 2

π  π 
cosec(α) = sec −α cotg(α) = tg −α .
2 2

Exemplo 5.1.

[1] Transforme −1.570796 radianos em graus.

180 ∼
−1.570796 rad = −1.570796 × = −90o .
π

[2] Transforme 25o 120 em radianos.


Primeiro convertemos tudo em graus, dividindo 12/60 = 0.2, logo temos que 25o 120 = 25.2o
π ∼
25o 120 = 25.2 × = 0.439823 rad.
180
5π 11 π 
[3] Calcule o valor de tg e de cos .
4 4
Observe que:

5π π  π
tg = tg + π = tg = 1,
4 4 4
e

11 π  3π  3π 2
cos = cos + 2 π = cos =− .
4 4 4 2
[4] Expresse cos(4 α) em termos de cos(α).
172 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA

cos(4 α) = cos(2 (2 α)) = 2 cos2 (2 α) − 1 = 2 (2 cos2 (α) − 1)2 − 1


= 8 cos4 (α) − 8 cos2 (α) + 1.
π
[5] Se θ = , determine os valores de sen(θ), cos(θ),tg(θ), cotg(θ), sec(θ) e cosec(θ).
12

√ √
π π π π π π 6− 2
sen(θ) = sen − = sen cos − cos sen =
3 4 3 4 3 4 √ 4√
π π π π π π 6+ 2
cos(θ) = cos − = cos cos + sen sen =
3 4 3 4 3 4 4
sen(θ) √
tg(θ) = =2− 3
cos(θ)
1 4
sec(θ) = =√ √
cos(θ) 6+ 2
1 4
cosec(θ) = =√ √
sen(θ) 6− 2
1 1
cotg(θ) = = √ .
tg(θ) 2− 3
3
[6] Se sen(θ) = , determine os valores de cos(θ),tg(θ), cotg(θ), sec(θ) e cosec(θ).
5
Como:
9 16
cos2 (θ) = 1 − sen2 (θ) = 1 − = ;
25 25
4
então, cos(θ) = ± . Por outro lado, sen(θ) e cos(θ) são positivos no primeiro quadrante e no
5
segundo tem sinais opostos, positivo e negativo, respectivamente.
No primeiro quadrante:

3 4 3 1 5
sen(θ) = cos(θ) = tg(θ) = sec(θ) = =
5 5 4 cos(θ) 4

1 5 1 4
cosec(θ) = = cotg(θ) = = .
sen(θ) 3 tg(θ) 3

No segundo quadrante:

3 4 3 1 5
sen(θ) = cos(θ) = − tg(θ) = − sec(θ) = =−
5 5 4 cos(θ) 4

1 5 1 4
cosec(θ) = = cotg(θ) = =− .
sen(θ) 3 tg(θ) 3
5.1. INTRODUÇÃO 173

[7] Se tg(θ) = −2 e sen(θ) > 0, determine os valores de sen(θ), cos(θ), cotg(θ), sec(θ) e cosec(θ).
Como sec2 (θ) = 1 + tg 2 (θ) = 5, sen(θ) > 0 e tg(θ) < 0, então θ pertence ao segundo quadrante
e:

sec(θ) = − 5.
Como:

1 5
cos(θ) = =−
sec(θ) 5

2 5
sen(θ) = cos(θ) tg(θ) =
√ 5
1 5
cosec(θ) = =
sen(θ) 2
1 1
cotg(θ) = =− .
tg(θ) 2

[8] Duas linhas de trem, de 1.4 m de largura, se cruzam formando um losango, tal que um dos

ângulos de corte é . Calcule a distância d como no seguinte desenho:
9

d
α

α
1.4

Figura 5.5: .


Seja α = = 0.698132; então:
9
1.4
sen(0.698132) = =⇒ d = 2.17801.
d
[9] Se sec(x) − tg(x) = 2, calcule sec(x) + tg(x)
Como:

1 = sec2 (x) − tg 2 (x) = (sec(x) + tg(x)) (sec(x) − tg(x)) = 2 (sec(x) + tg(x)),


logo,
1
sec(x) + tg(x) = .
2
174 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA

π π
[10] Calcule o valor de cos4 − sen4 .
24 24
Como:

  
4 π 4 π
 2 π
 2 π
 2 π
 2 π

cos − sen = cos + sen cos − sen
24 24 24 24 24 24
√ √
π 2+ 6
= cos = .
12 4

[11] Simplifique:
p p
sen4 (x) + 4 cos2 (x) − cos4 (x) + 4 sen2 (x).

p p p p
sen4 (x) + 4 cos2 (x) − cos4 (x) + 4 sen2 (x) = (2 − sen2 (x))2 − (2 − cos2 (x))2
= (2 − sen2 (x)) − (2 − cos2 (x))
= cos2 (x) − sen2 (x)
= cos(2 x).

5.2 Identidades Trigonométricas


A capacidade de utilizar a Álgebra para manipular expressões trigonométricas é fundamental
para estabelecer identidades ou iguldades. Algumas das técnicas mais utilizadas são desen-
volver as expressões em função de outras mais básicas, a fatoração e a simplificação. Em geral,
para verificar uma identidade trigonométrica começamos pelo lado mais “complicado” e utili-
zamos as identidades básicas, vistas no parágrafo anterior.

Exemplo 5.2.

[1] Verifique que:

sen(α) 1 + cos(α)
+ = 2 cosec(α).
1 + cos(α) sen(α)
Somando a expressão da esquerda:

sen(α) 1 + cos(α) sen2 (α) + 1 + 2 cos(α) + cos2 (α)


+ =
1 + cos(α) sen(α) sen(α) (1 + cos(α))
2 (cos(α) + 1) 2
= =
sen(α) (1 + cos(α)) sen(α)
= 2 cosec(α).

[2] Verifique que:


5.2. IDENTIDADES TRIGONOMÉTRICAS 175

tg(x) + cotg(x)
= 1.
sec(x) cosec(x)
Desenvolvamos a expressão da esquerda:

sen(x) cos(x)
+
tg(x) + cotg(x) cos(x) sen(x)
=
sec(x) cosec(x) 1
sen(x) cos(x)

sen2 (x) + cos2 (x)


sen(x) cos(x)
=
1
sen(x) cos(x)
= 1.

[3] Verifique que:

cos(α − β)
= cotg(α) cotg(β) + 1.
sen(α) sen(β)
Desenvolvamos a expressão da esquerda:

cos(α − β) cos(α) cos(β) + sen(α) sen(β)


=
sen(α) sen(β) sen(α) sen(β)
cos(α) cos(β)
= +1
sen(α) sen(β)
= cotg(α) cotg(β) + 1.

[4] Verifique que:


r
α 1 − cos(α)
sen( ) = ± .
2 2
α
Como cos(2 θ) = 1 − 2 sen2 (θ), fazendo θ = , temos
2

α α 1 − cos(α)
cos(α) = 1 − 2 sen2 ( ) =⇒ sen2 ( ) =
r 2 2 2
α 1 − cos(α
sen( ) = ± .
2 2

[5] Verique que:

tg(α) + tg(β)
tg(α + β) = .
1 − tg(α) tg(β)
176 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA

Da definição:

sen(α) cos(β) + cos(α) sen(β)


sen(α + β) sen(α) cos(β) + cos(α) sen(β) cos(α) cos(β)
tg(α + β) = = =
cos(α + β) cos(α) cos(β) − sen(α) sen(β) cos(α) cos(β) − sen(α) sen(β)
cos(α) cos(β)
tg(α) + tg(β)
= .
1 − tg(α) tg(β)

[6] Verifique que:

tg(x) − sen(x) sec(x)


3
= .
sen (x) 1 + cos(x)
Da definição:

tg(x) − sen(x) sen(x) − sen(x) cos(x) sen(x) (1 − cos(x))


3
= 3
=
sen (x) cos(x) sen (x) cos(x) sen3 (x)
1 − cos(x) 1 − cos(x)
= 2
=
cos(x) sen (x) cos(x) (1 − cos2 (x))
1 − cos(x)
=
cos(x) (1 − cos(x)) (1 + cos(x))
1
=
cos(x) (1 + cos(x))
sec(x)
= .
1 + cos(x)

[7] Verifique que:

sen(x)
cosec(x) + cotg(x) = .
1 − cos(x)
Da definição:

1 cos(x) 1 + cos(x)
cosec(x) + cotg(x) = + =
sen(x) sen(x) sen(x)
 
1 + cos(x) 1 − cos(x)
=
sen(x) 1 − cos(x)
2
1 − cos (x)
=
sen(x) (1 − cos(x))
sen2 (x)
=
sen(x) (1 − cos(x))
sen(x)
= .
1 − cos(x)
5.3. EQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS 177

[8] Verifique que:

sen(x) tg 2 (x) + cosec(x) sec2 (x) = 2 tg(x) sec(x) + cosec(x) − sen(x).


Do primeiro membro, temos:

sen2 (x) 1 sen4 (x) + 1


sen(x) tg 2 (x) + cosec(x) sec2 (x) = sen(x) + = .
cos2 (x) sen(x) cos2 (x) sen(x) cos2 (x)
Do segundo membro, temos:

2 sen(x) 1
2 tg(x) sec(x) + cosec(x) − sen(x) = 2
+ − sen(x)
cos (x) sen(x)
2 sen2 (x) + cos2 (x) − sen2 (x) cos2 (x)
=
sen(x) cos2 (x)
sen (x) [1 − cos2 (x)] + 1
2
=
sen(x) cos2 (x)
sen4 (x) + 1
= .
sen(x) cos2 (x)

5.3 Equações Trigonométricas


Neste parágrafo utilizaremos o que foi estudado em Trigonometria.

Note primeiramente, que:

(
β + 2kπ
cos(α) = cos(β) ⇐⇒ α =
−β + 2 k π, k ∈ Z.

(
β + 2kπ
sen(α) = sen(β) ⇐⇒ α =
π − β + 2 k π, k ∈ Z.

(
β + 2kπ
tg(α) = tg(β) ⇐⇒ α = =⇒ α = β + k π, k ∈ Z.
π + β + 2 k π.

Exemplo 5.3.

[1] Determine a solução de:

sen(3 x) = cos(2 x).


π
Como sen(3 x) = cos( − 3 x), temos:
2
178 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA

π π π
cos( − 3 x) = cos(2 x) ⇐⇒ − 3 x = 2 x + 2 k π ou − 3 x = −2 x + 2 k π
2 2 2
π π
⇐⇒ 5 x = − 2 k π ou x = − 2 k π
2 2
π 2kπ π
⇐⇒ x = − ou x = − 2 k π, k ∈ Z.
10 5 2

[2] Determine a solução de:

2 sen(x) cos(x) = cos(x).


1
Fatorando a equação temos cos(x) (2 sen(x) − 1) = 0, donde: cos(x) = 0 ou sen(x) = . Logo:
2
π
 + 2kπ
2


cos(x) = 0 =⇒ x =

 3π

 + 2 k π, k ∈ Z.
2
ou:
π
 + 2kπ
6


1
sen(x) = =⇒ x =
2 
 5π

 + 2 k π k ∈ Z.
6
[3] Determine a solução de:

tg(2 x) sen(x) = sen(x) + tg(2 x) − 1.


Fatorando a equação temos sen(x) (tg(2 x) − 1) − (tg(2 x) − 1) = 0 ou

(tg(2 x) − 1) (sen(x) − 1) = 0,
donde tg(2 x) = 1 ou sen(x) = 1. Logo:

π π kπ
tg(2 x) = 1 =⇒ 2 x = + k π =⇒ x = + .
4 8 2
Analogamente:
π
sen(x) = 1 =⇒ x = + 2 k π, k ∈ Z.
2
[4] Determine a solução de:

sen(5 x) − sen(3 x) − sen(x) = 0.


Note que sen(5 x) − sen(3 x) = 2 cos(4 x) sen(x), logo:

sen(5 x) − sen(3 x) − sen(x) = 0 =⇒ sen(x) (2 cos(4 x) − 1) = 0.


5.3. EQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS 179

então:

sen(x) = 0 =⇒ x = k π
1 π kπ
cos(4 x) = =⇒ x = ± + .
2 12 2
Isto é:

π kπ
x = kπ ou x=± + , k ∈ Z.
12 2

[5] Determine a solução de:

cos(2 x) + 3 = 5 cos(x), se x ∈ [0, 2 π).


Note que cos(2 x) = 2 cos2 (x) − 1; logo, a equação fica:

2 cos2 (x) − 5 cos(x) + 2 = 0 ⇐⇒ (cos(x) − 2) (2 cos(x) − 1) = 0.


π 5π
Então, temos que x = ex= , pois a equação cos(x) − 2 = 0 não tem solução (por que?).
3 3
[6] Determine a solução de:
x
4 sen2 = 1, sex ∈ [0, 2 π).
2
x x 1 x
Como 4 sen2 = 1, então, sen = ± . Como 0 ≤ x < 2 π, então 0 ≤ < π
2 2 2 2
x 1
Se sen = , então:
2 2
π π
 
6 3

 

x 
= =⇒ x =
2   5π 
 5π

 

6 3
x 1
Se sen = − , não tem solução (por que?).
2 2
[7] Determine a solução de:

sen(2 x) = cos(4 x).


Como cos(4 x) = 1 − 2 sen2 (2 x), temos que:

sen(2 x) = cos(4 x) ⇐⇒ 2 sen2 (2 x) + sen(2 x) − 1 = 0.


Fazendo u = sen(2 x), temos 2 u2 + u − 1 = (2 u − 1) (u + 1) = 0.
1
Se u = , temos:
2
180 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA

π π
 



 6 


 12

 

 



 5π 


 5π
 6  12

 

2x = =⇒ x =


 13 π 

 13 π
 
6 12

 


 


 

 
 17 π

  17 π


 
6 12
Se u = −1, temos:

3π 3π
 

 

 2
  4

2x = =⇒ x =
7 π 7 π

 

 
2 4
[8] Determine a solução de:

4 sen2 (x) tg(x) − 4 sen2 (x) − 3 tg(x) + 3 = 0.


Note que podemos fatorar:

4 sen2 (x) tg(x) − 4 sen2 (x) − 3 tg(x) + 3 = (tg(x) − 1) (4 sen2 (x) − 3) = 0.


π
Se tg(x) = 1, então x = ; logo, a solução geral é:
4
π
x = + k π, k ∈ Z.
4

3 π 2π
Se sen(x) = ± , então x = ou x = ; logo, a solução geral é:
2 3 3
π 2π
x = +kπ ou x= + k π, k ∈ Z.
3 3

5.3.1 Equações que envolvem senos e cossenos


Determinemos a solução das equações do tipo:

a sen(x) + b cos(x) = c; a, b, c 6= 0

Fazemos sen(x) = u e cos(x) = v e resolvemos o seguinte sistema:


(
au + bv = c
u2 + v 2 = 1.
5.3. EQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS 181

Exemplo 5.4.

[1] Determine a solução de:



3 cos(x) + sen(x) = 1.
Resolvamos o sistema:
( √ √
u + 3v = 1 3
=⇒ v = 0, v = .
u2 + v 2 = 1. 2
1
Logo, u = 1 ou u = − , donde
2
π π
x = + 2kπ ou x = − + 2 k π, k ∈ Z.
2 6
[2] Ache a solução do sistemas:
(
tg(x) + tg(y) = 2
2 cos(x) cos(y) = 1.
Note que:

sen(x) cos(y) + sen(y) cos(x)


tg(x) + tg(y) =
cos(x) cos(y)
sen(x + y)
=
cos(x) cos(y)

como tg(x) + tg(y) = 2, temos sen(x + y) = 2 cos(x) cos(y) = 1, logo:


π
(1) x+y = .
2
Por outro lado:

2 cos(x) cos(y) = cos(x + y) + cos(x − y) = 1,


pela equação (1), temos cos(x − y) = 1 e:

(2) x − y = 0.
Resolvendo o sistema formado por (1), (2), obtemos:
π
x=y= + k π, k ∈ Z.
4
[3] Resolva o sistema:
(
sen(x) + sen(y) = 1
2 (x + y) = π.
182 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA

π
Como 2 (x + y) = π, temos que y = − x; logo:
2

π 
sen(x) + sen(y) = sen(x) + sen −x
2
π π
= sen cos(x) − cos sen(x)
2 2
= sen(x) + cos(x)

Devemos resolver a equação:

sen(x) + cos(x) = 1.
Resolvamos o sistema:
( (
u+v =1 v =1−u
⇐⇒
u2 + v 2 = 1 1 = u2 + (1 − u)2 =⇒ u (u − 1) = 0,
donde u = 0 ou u = 1; como v = 1 − u, sSe u = 0, temos que:
π
x = 2kπ e y= − 2 k π.
2
Se u = 1, temos, v = 0; logo:
π
x= + 2kπ e y = −2 k π.
2
[4] Resolva o sistema:

tg(x) + tg(y) = 1 (1)
3
cotg(x + y) = . (2)
4
4
Primeiramente observemos: de (2), temos que tg(x + y) = . Por outro lado de (1):
3
tg(x) + tg(y) 1 1 4
tg(x + y) = = =⇒ = ,
1 − tg(x) tg(y) 1 − tg(x) tg(y) 1 − tg(x) tg(y) 3
então:

4 tg(x) tg(y) = 1.
Consideremos o novo sistema:
(
tg(x) + tg(y) = 1 (1)
4 tg(x) tg(y) = 1; (2)

de (1) e (2) temos 4 tg 2 (x) − 4 tg(x) + 1 = 0; isto é (2 tg(x) − 1)2 = 0 e


1
tg(x) = =⇒ x ∼
= 0.46364 + k π.
2
[5] Resolva o sistema:
5.4. INEQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS 183


 (1) sen(x) cos(y) + cos(x) sen(y) = 1
1
 (2) sen(x) cos(y) − cos(x) sen(y) = .
2
Primeiramente observemos que o sistema é equivalente ao novo sistema:

 (1) sen(x + y) = 1
1
 (2) sen(x − y) = ;
2
donde:
 π
 π
(1) x + y =  (3) x+y =
2
 

 2 

e
 (2) x − y = π 5π

 

 (4)
 x−y = ;
6 6
do primeiro sistema obtemos:
π π
x= + 2kπ e y= + 2 k π, k ∈ Z;
3 6
do segundo sistema obtemos:

2π π
x= + 2kπ e y=− + 2 k π, k ∈ Z.
3 6

5.4 Inequações Trigonométricas


Seja a inequação do tipo:

sen(x) > sen(a).


Considere o desenho:

B A

sen(a)

Figura 5.6:

Logo, para que sen(x) > sen(a), o ângulo x percorre o arco AB,logo:
184 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA

a + 2 k π < x < −a + 2 (k + 1)π, k ∈ Z.


Isto é, do arco de extremidade A até o arco de extremidade B.

Seja a inequação do tipo:

cos(x) > cos(a).


Considere o desenho:

x
cos(a)

Figura 5.7:

Logo, para que cos(x) > cos(a) o ângulo x percorre o arco AB,logo:

−a + 2 k π < x < a + 2 k π, k ∈ Z.
Isto é, do arco de extremidade A até o arco de extremidade B.

Seja a inequação do tipo:

tg(x) > tg(a).


Considere o desenho:

B
A

tg(a)

Figura 5.8:

Logo, para que tg(x) > tg(a), o ângulo x percorre o arco AB,logo:
5.4. INEQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS 185

π
a+kπ < x < + k π, k ∈ Z.
2
Isto é, do arco de extremidade A até o arco de extremidade B.

Exemplo 5.5.

[1] Ache a solução de:


1
sen(x) > .
2
π 1
Note que sen = ; logo, temos:
6 2
π
sen(x) > sen ,
6
π
então, a = e:
6
π π
+ 2 π k < x < 2 π (k + 1) − , k ∈ Z.
6 6
[2] Ache a solução de:

3
cos(x) > .
2

π 3
Note que cos = ; logo, temos:
6 2
π
cos(x) > cos ,
6
π
então, a = e:
6
π π
− + 2 π k < x < + 2 π k, k ∈ Z.
6 6
[3] Ache a solução de:

tg(x) > 1.
π
Note que tg = 1; logo, temos:
4
π
tg(x) > tg ,
4
π
então, a = e:
4
π π
+ k π < x < + k π, k ∈ Z.
4 2
[4] Ache a solução de:

cos(2 x) + cos(x) ≤ −1.


186 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA

Note que cos(2 x) + cos(x) = 2 cos2 (x) + cos(x) − 1; logo:

cos(2 x) + cos(x) ≤ −1 ⇐⇒ cos(x) (2 cos(x) + 1) ≤ 0.

1
1. Se cos(x) ≥ 0 e cos(x) ≤ − , não temos soluções.
2

1
2. Se cos(x) ≤ 0 e cos(x) ≥ − , temos:
2
π 2π 4π 3π
+ 2kπ ≤ x ≤ + 2kπ ou + 2kπ ≤ x ≤ + 2 k π.
2 3 3 2

[5] Ache a solução de:

[cos(x) + sen(x)]2 < 1, se x ∈ (0, 2 π).

Note que [cos(x) + sen(x)]2 = 1 + 2 sen(x) cos(x) = 1 + sen(2 x) < 1; logo, devemos resolver:
π 3π
sen(2 x) < 0 ⇐⇒ <x<π ou < x < 2 π.
2 2

[6] Ache a solução de:

tg(x) sec(x)
< 0, se x ∈ [0, 2 π].
cotg 3 (x)

Note que:

tg(x) sec(x) sen4 (x)


< 0 ⇐⇒ < 0;
cotg 3 (x) cos5 (x)
logo, devemos resolver:
π 3π
cos(x) < 0 ⇐⇒ <x<π ou π<x< .
2 2
5.5. EXERCÍCIOS 187

5.5 Exercícios
1. Obtenha o valor simplificado de:
π
(a) sen θ + (d) sen(θ + 360 π)
2
3π (e) cos(θ + 480 π)
(b) cos θ +
2
3π π
(c) sec(θ + 6 π) (f) sen θ − cos θ +
2 2

2. Simplifique as expressões:

sen(2 x) sen2 (x) (1 + cos(x))


(a) (c)
tg(x) 1 − cos(x)
tg(π + x)
(b) cos(x)
tg(π − x) (d)
tg(x) (1 − sen(x))


2π 3 2π
3. Se sen = , calcule tg .
3 2 3

5π 1 5π 5π


4. Se sen = − √ , calcule tg e sec .
4 2 4 4

2
5. Se sen(x) = , determine cos(x), tg(x), sec(x), cosec(x) e cotg(x).
3

5
6. Se cos(x) = − , determine sen(x), tg(x), sec(x), cosec(x) e cotg(x).
6

7. Se sec(x) = −3, determine sen(x),cos(x), tg(x), cosec(x) e cotg(x).

4 sen(x) + cos(x) − tg(x)


8. Se tg(x) = − , determine o valor de .
3 sec(x) + cosec(x) − cotg(x)

9. Determine sen(α + β), cos(α + β),sen(α − β) e cos(α − β) e determine o quadrante em


que α + β e α − β pertecem, se:

4 5
(a) sen(α) = , cos(β) = , α no primeiro quadrante e β no segundo quadrante.
5 13
2 3
(b) sen(α) = , cos(β) = , α no segundo quadrante e β no quarto quadrante.
3 4

10. Se x + y + z = π, verifique que tg(x) tg(y) tg(z) = tg(x) + tg(y) + tg(z).


188 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA

11. Se tg(x + y) = 33 e tg(x) = 3, verifique que tg(y) = 0.3.

12 3 π
12. Se sen(x) = , cos(y) = e 0 ≤ x, y ≤ , determine:
13 5 2

(a) sen(x + y)

(b) sen(x − y)

(c) tg(x − y)

(d) tg(x + y)

13. Se x + y + z = π, verifique que:

x y z
(a) sen(x) + sen(y) + sen(z) = 4 cos cos cos
2 2 2
x y z
(b) cos(x) + cos(y) + cos(z) = 1 + 4 sen sen sen
2 2 2
(c) sen2 (x) + sen2 (y) − sen2 (z) = 2 sen(x) sen(y) cos(z)

14. Verifique as seguintes identidades trigonométricas:

(a) tg(x) + cotg(x) = 2 cosec(2 x)

(b) sen(x) cotg(x) sec(x) = 1

(c) sen(x) cos(x) (tg(x) + cotg(x)) = 1

(d) (1 − sen2 (x))(1 + tg(x)) = 1

(e) cosec2 (x) (1 − cos2 (x)) = 1

(f) tg(x) = cotg(x) − 2 cotg(2 x)

(g) (sen(x) + cos(x))2 + (sen(x) − cos(x))2 = 2

(h) tg 2 (x) cos2 (x) + cotg 2 (x) sen2 (x) = 1

(i) sen(x) cos(x) (tg(x) + cotg(x)) = 1

cos2 (x)
(j) 1 − = sen(x).
1 + sen(x)

cosec(x)
(k) = cos(x)
tg(x) + cotg(x)
5.5. EXERCÍCIOS 189

1 1
(l) + = 2 sec2 (x)
sen(x) + 1 sen(x) − 1
tg(2 x)
(m) = 2 cos2 (x)
tg(2 x) − tg(x)

(n) sec4 (x) − 2 tg 2 (x) − tg 4 (x) = 1


1 + sen(θ)
(o) sec(θ) + tg(θ) =
θ
1 − 2 sen2
2
cos(x − y) − cos(x + y)
(p) = tg(y)
sen(x + y) + sen(x − y)
x + y
sen(x) + sen(y) tg
(q) = 2
sen(x) − sen(y) x − y
tg
2

15. Determine a solucão, no intervalo indicado, quando for dado, de:

(a) sen(x) cos(x) = 0

(b) (tg(x) − 1) (2 sen(x) + 1) = 0

(c) sen(2 x) + sen(x) = 0

(d) cos(2 x) + cos(x) = 0

(e) 2 cos2 (x) − sen2 (x) + 1 = 0.



(f) 2 cos2 (x) − 3 cos(x) = 0.

(g) sen2 (x) − cos2 (x) = 1.



(h) 3 tg 2 (x) − 3 tg(x) = 0.

(i) sen2 (x) + sen(x) − 2 = 0; x ∈ [0, π/2].

(j) 3 cos2 (x) − 8 cos(x) + 4 = 0; x ∈ [0, π/2].

(k) cotg 2 (x) + cotg(x) − 2 = 0; x ∈ (0, π/3).

(l) sen3 (x) − sen2 (x) − 2 sen(x) = 0; x ∈ [0, π]

(m) 2 cos2 (x) + cos(x) − 1 = 0; x ∈ (0, 2 π)

(n) sen(2 x) sen(x) − 2 cos(x) = 0; x ∈ (0, 2 π)

16. Determine a solucão de:


190 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA

(a) 3 sen(x) + 5 cos(x) + 5 = 0 (g) tg 2 (x) + 2 = 3 tg(x)


(b) 2 cos(x) + 3 sen(x) = 2 √
(h) tg(x) sec(x) = 2
(c) 1 + sen(x) = 2 cos(x)
(i) tg(2 x) + 2 sen(x) = 0
(d) 3 sen(x) + 4 cos(x) = 2
(e) 5 cos2 (x) + sen2 (x) = 4 cos(x) (j) sec(x) = tg(x) + cotg(x)
1
(f) sen2 (x) + cos(2 x) = 11 π 
4 (k) cos(8 x) + cos(6 x) = 2 cos cos(x)
9

17. Prove as seguintes propriedades:

α + β α − β
(a) cos(α) + cos(β) = 2 cos cos
2 2
α + β α − β
(b) cos(α) − cos(β) = −2 sen sen
2 2
α + β α − β
(c) sen(α) + sen(β) = 2 sen cos
2 2
α − β α + β
(d) sen(α) − sen(β) = 2 sen cos
2 2

18. Dada a equação 2 cos2 (α) x2 −4 cos(α) x+4 cos2 (α)−1 = 0, sendo 0 ≤ α ≤ π, pergunta-se:

(a) Para que valores de α a equação tem soluções reais?

(b) Para que valores de α a equação admite raízes reais negativas?

19. Resolva os sistemas:


( ( √
sen(x) + sen(y) = 1 sen(x) + sen(y) = 3
(a) (e)
x+y =π cos(x) + cos(y) = 1

1
( 
cos(x) + cos(y) = 1 sen(x) cos(y) =
(b) 

 2
2 (x + y) = π (f)
cos(x) sen(y) = 1
( 


sen(x) + cos(y) = 1 2
(c)
2 (x + y) = π.
1


cos(x + y) =
2
( 
sen(x) + cos(y) = 1

(d) (g)
x+y =π
cos(x − y) = 1



2
5.5. EXERCÍCIOS 191

20. Resolva as inequações:



2 (c) sen2 (x) ≥ 1
(a) sen(x) + cos(x) ≥
√ 2 1
(b) |tg(x)| ≥ 3 (d) sen2 (x) ≥ se x ∈ [0, π]
2
192 CAPÍTULO 5. TRIGONOMETRIA
Capítulo 6

TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

A seguir apresentaremos uma série de aplicações da Trigonometria, que achamos serem pro-
veitosas para o leitor, a fim de entender inúmeros exemplos que aparecem de forma natural
nos problemas em Cálculo.

6.1 Coeficiente Angular da Reta


Considere a equação da reta:

y = m x + b.

O coeficiente angular da reta é dado por:

m = tg(α)

onde α é o ângulo formado pela reta e o eixo dos x.


O ângulo α é dito inclinação da reta.

y − y1
2

α
x2 − x1

α
x

Figura 6.1: .

193
194 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

6.2 Ângulo entre Retas


Não é difícil verificar que o ângulo formados pelas retas l1 e l2 de coeficientes angulares m1 e
m2 é:

m2 − m1
tg(α) =

1 + m2 m1

onde o ângulo é medido de l1 a l2 , 0 ≤ α ≤ π:

l2 l1
y
α

θ β
x

Figura 6.2: Ângulo entre retas.

De fato, β = α + θ e α = β − θ, logo:

tg(β) − tg(θ) m2 − m1
tg(α) = tg(β − θ) = = .
1 + tg(β) tg(θ) 1 + m2 m1
No caso em que a reta l2 seja vertical:

l2 l1
y

θ
x

Figura 6.3: Ângulo entre retas.


6.2. ÂNGULO ENTRE RETAS 195

Temos:
π π 
α= − θ =⇒ tg(α) = tg − θ =⇒ tg(α) = cotg(θ);
2 2
logo:
1
tg(α) = .
m1

Em geral:

1
tg(α) =
m1

Denotemos o ângulo formado por duas retas paralelas e o eixo dos x por α; se a primeira reta
passa pelo ponto (a, b) e a segunda pelo ponto (c, d), determinaremos a distância entre as retas.

(a,b)

(c,d)

α α

Figura 6.4: As retas.

As retas são da forma:

y − b = tg(α) (x − a) e y − d = tg(α) (x − c).

Note que é suficiente calcular a distância entre o ponto (c, d) e a reta y − b = tg(α) (x − a); logo:

c tg(α) − d + b − a tg(α) (c − a) tg(α) − d + b
d=
p =
;
tg 2 (α) + 1 sec(α)

então:

d = |(c − a) sen(α) + (b − d) cos(α)|.


196 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

Exemplo 6.1.


[1] Determine a equação da reta que passa pelo ponto (4, −1) e tem de inclinação .
4


A equação é y = m x + b, onde m = tg( ) = −1, logo:
4

y = −x + b.

Por outro lado, x = 4 e y = −1, então: b = y + x = 4 − 1 = 3 e:

y = −x + 3.

-2 -1 1 2 3 4 5

-1

-2

Figura 6.5: A reta do exemplo.

[2] Determine o ângulo entre as retas 2 x + 3 y − 1 = 0 e 6 x − 4 y + 5 = 0.

2 3
As retas tem coeficientes angulares m1 = − e m2 = ; então m1 · m2 = −1 e:
3 2

π
α= .
2
6.2. ÂNGULO ENTRE RETAS 197

-2 -1 1 2

-1

-2

Figura 6.6: A reta do exemplo.

[3] Determine o ângulo entre as retas 4 x − 2 y + 7 = 0 e 12 x + 4 y − 5 = 0.


As retas tem coeficientes angulares m1 = 2 e m2 = −3; então:

m1 − m2
tg(α) = = 1 =⇒ α = π .
1 + m1 m2 4

- 2.5 - 2.0 -1.5 -1.0 - 0.5 0.5 1.0

Figura 6.7: A reta do exemplo.

1
[4] Se as inclinações das retas que formam os lados de um triângulo são , 1 e 2, verifique que
2
o triângulo é isósceles.
Sabemos que um triângulo isósceles, tem dois lados iguais e um desigual. Denotemos por:

1
m1 = , m2 = 1 e m3 = 2.
2
Seja α o ângulo entre os lados formado pelas retas de inclinações m1 e m2 , logo:
198 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES


m1 − m2 1
tg(α) =
= .
1 + m1 m2 3

Seja β o ângulo entre os lados formado pelas retas de inclinações m1 e m3 , logo:


m3 − m1 3
tg(β) =
= .
1 + m1 m3 4

Seja γ o ângulo entre os lados formado pelas retas de inclinações m2 e m3 , logo:


m3 − m2 1
tg(γ) =
= .
1 + m2 m3 3

Como α = γ, temos que o triângulo é isósceles.

π
[5] Determine a equação da reta que passa pelo ponto (4, 10) e forma um ângulo de com a
4
reta 2 y = 3 x.

Como a reta passa pelo ponto (4, 10), tem a forma:

y − 10 = m1 (x − 4).

3x 3
A inclinação da reta y = é m2 = , logo:
2 2
π m2 − m1 2 m1 − 3 1
tg = =⇒ 1 = − =⇒ 2 + 3 m1 = −2 m1 + 3 =⇒ m1 = ;
4 1 + m1 m2 3 m1 + 2 5

logo, a equação da reta é:

5 y − x = 46.

3
No caso que m1 = e m2 desconhecido, temos
2
3 − 2 m2
1= =⇒ 2 + 3 m2 = −3 + 2 m − 2 =⇒ m2 = −5;
3 m2 + 2

logo, a equação da reta é:

5 y − x = 30.

Ambas as retas satisfazem a condição pedida.


6.2. ÂNGULO ENTRE RETAS 199

15

10

2 4 6 8 10

Figura 6.8: As retas do exemplo.

π 2
[6] Se o ângulo formado por duas retas é e o coeficiente angular de uma das retas é ,
4 3
determine o coeficiente angular da outra reta.
π 2
Sabemos que tg( ) = 1 e m1 = , temos:
4 3
m2 − m1 −2 + 3 m2
1 = tg(α) = = =⇒ m2 = 5.
1 + m2 m1 3 + 2 m2

[7] Determine os ângulos do triângulo de vértices A = (−2, 4), B = (4, −1) e C = (8, 2).
4

-2 2 4 6 8

-1

Figura 6.9: o triângulo e seus vértices.

Sejam l1 , l2 e l3 as retas que ligam os vértices do triângulo:


l1 é a reta que liga A a C, o coeficiente angular de de l1 é:

2−4 1
m1 = =− .
8+2 5
200 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

Analogamente l2 é a reta que liga A a B e l3 é a reta que liga B a C, os coeficientes angulares


são:

5 3
m2 = − e m3 = .
6 4

Seja α o ângulo formado por l1 e l2 , então:

m1 − m2 19 ∼
tg(α) = = = 0.542857 =⇒ α ∼
= 28o 300 .
1 + m1 m2 35

Seja β o ângulo formado por l2 e l3 , então:

m2 − m3 38
tg(β) = =− ∼ = −4.22222 =⇒ β ∼
= 103o 190 .
1 + m2 m3 9

Seja γ o ângulo formado por l3 e l1 , então:

m3 − m1 19 ∼
tg(γ) = = = 1.11765 =⇒ γ ∼
= 48o 110 .
1 + m1 m3 17

6.3 Forma Normal da Equação da Reta


Uma reta também pode ser determinada se o comprimento do segmento saindo da origem e
perpendicular à reta em questão e o ângulo formado pelo segmento e o eixo dos x são conheci-
dos.
De fato, considere o seguinte desenho:

P
y
1
d

θ
x1 x

Figura 6.10:
6.3. FORMA NORMAL DA EQUAÇÃO DA RETA 201

Seja P = (x1 , y1 ) e d a distância da origem ao ponto P ; então x1 = d cos(θ) e y1 = d sen(θ). O


coeficiente angular da reta é:

1 cos(θ)
m=− = −cotg(θ) = − .
tg(θ) sen(θ)
Sabemos que a reta que passa por P = (x1 , y1 ) de coeficiente angular m tem como equação
y − y1 = m (x − x1 ), então:

x cos(θ) + y sen(θ) − d = 0.
Não é difícil, verificar que se escrevemos a equação da reta:

a x + b y + c = 0,
temos:

a b c
cos(θ) = √ , sen(θ) = √ e d=− √ .
2
± a +b 2 2
± a +b 2 ± a2 + b2
O sinal das raízes é o contrário ao sinal de c. Logo a equação fica:

ax by c
√ + √ + √ = 0.
2
± a +b2 2
± a +b2 ± a2 + b2

Exemplo 6.2.
[1] Obtenha a forma normal da equação da reta 4 x + 3 y − 1 = 0

Como
√ o sinal da raiz deve ser contrário ao do termo independente, que neste caso é -1, temos:
4 + 32 = 5, logo:
2

4 3 1
cos(θ) = , sen(θ) = , e d= ,
5 5 5
4x 3y 1
logo, a equação é: + − = 0.
5 5 5
0.4

0.3

0.2

0.1

-0.1 0.1 0.2 0.3 0.4

-0.1

Figura 6.11: Reta do exemplo [1].


202 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

[2] Obtenha a forma normal da equação da reta 6 x + 8 y + 33 = 0

Como
√ o sinal da raiz deve ser contrário ao do termo independente, que neste caso é 33, temos:
− 62 + 82 = −10, logo:

6 x 8 y 33
− − − =0
10 10 10

6.4 Distância entre Retas


A distância entre duas retas paralelas é o comprimento do segmento perpendicular a ambas.
Sejam duas retas paralelas, de equações: y = m x + b1 e y = m x + b2 :

Figura 6.12: .

A distância entre as retas é:

|b2 − b1 |
d= √
m2 + 1

Ou, equivalentemente se a x + b y + c1 = 0 e a x + b y + c2 = 0, então:

|c2 − c1 |
d= √
a2 + b2

Exemplo 6.3.

[1] Determine a distância entre as retas 2 x + 3 y + 5 = 0 e 2 x + 3 y + 7 = 0.

7−5 2
d= √ =√ .
4+9 13
6.4. DISTÂNCIA ENTRE RETAS 203

-3 -2 -1 1

-1

Figura 6.13: As retas do exemplo [1]..

π
[2] Ache as equações de duas retas que formam com o eixo dos x um ângulo de e estão a
√ 4
uma distância de 2 do ponto P = (3, 4).

Sejam l1 e l2 as retas em questão, de equações a x + b y + c1 = 0 e a x + b y + c2 = 0 tal que


c1 6= c2 , pois as retas devem ser paralelas; logo:

a π
− = tg( ) = 1 =⇒ b = −a.
b 4

Então, l1 e l2 tem equações a x − a y + c1 = 0 e a x − a y + c2 = 0, e:

√ c1 − a
2 = d(P, l1 ) = √ =⇒ c1 = 3 a.
a 2

Por outro lado:

√ 3 a − c2
2 2 = d(l1 , l2 ) = √ =⇒ c2 = −a.
a 2

Então, a (x − y + 3) = 0 e a (x − y − 1) = 0; as equações de l1 e l2 são, respectivamente:

x − y + 3 = 0 e x − y − 1 = 0.
204 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

-4 -2 2 4 6

-2

Figura 6.14: Retas do exemplo [2].

6.5 Triângulos Retângulos

Uma aplicação interessante é determinar a altura de um objeto a partir de um ponto de obser-


vação de tal forma que a situação possa ser esquematizada num triângulo retângulo.

Considere o seguinte triângulo retângulo:

h
y

α
A x B

Figura 6.15: .

π
Onde 0 < α < . Logo:
2
6.5. TRIÂNGULOS RETÂNGULOS 205

cateto oposto y
sen(α) = =
hipotenusa h

hipotenusa h
cosec(α) = =
cateto oposto y

cateto adjacente x
cos(α) = =
hipotenusa h

hipotenusa h
sec(α) = =
cateto adjacente x

cateto oposto y
tg(α) = =
cateto adjacente x

cateto adjacente x
cotg(α) = = .
cateto oposto y

Como a hipotenusa é sempre maior que cada cateto, temos que:

0 < sen(α) < 1, 0 < cos(α) < 1, 1 < sec(α) e 1 < cosec(α).

É claro que todas as propriedades e identidades vistas anteriormente continuam válidas. Por
exemplo, do teorema de Pitágoras:

x2 y2
x2 + y 2 = h2 =⇒ + = 1 =⇒ sen2 (α) + cos2 (α) = 1
h2 h2
π
O ângulo complementar de α é − α, de onde temos novamente:
2

π 
sen(α) = cos −α
2
π 
cos(α) = sen −α
2
π 
tg(α) = cotg −α
2
π 
cotg(α) = tg −α
2

A área do triângulo:

xh
A= sen(α)
2
206 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

É comum, nos problemas utilizar a seguinte notação:

α é o ângulo de elevação, β é o ângulo de depressão e H é a horizontal:

H β

α H

Figura 6.16: Notações.

Exemplo 6.4.

π
[1] Ache o valor de x na figura, se α = :
4

11

α
x

Figura 6.17: Exemplo [1].

π x 11
cos = =⇒ x = √ .
4 11 2

[2] Ache o valor de α na figura:


6.5. TRIÂNGULOS RETÂNGULOS 207

64
32

Figura 6.18: Exemplo [2].

32 1 π
sen(α) = = =⇒ α = .
64 2 6

π
[3] Se os raios do sol formam um ângulo de com o chão e a sombra de um poste é de 86 cm,
3
qual é a altura do poste medida em metros?

α
86

Figura 6.19: Exemplo [3].

π y √
tg = =⇒ y = 86 3 =⇒ y = 148.956 cm =⇒ y = 1.489 m.
3 86

[4] Do alto de uma torre se observa o topo de uma antena, ambas separadas por 20 m, sob um

ângulo de . Se a torre tem 40 m, qual é a distância da torre ao topo da antena e qual é a
18
altura da antena?

Considere o desenho:
208 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

h
20 α

20

Figura 6.20: .

Logo, temos:
7π 20
cos( )= =⇒ y = 58.4761 m.
18 y
e

7π h − 40
tg( )= =⇒ h = 94.9495 m.
18 20

[5] Um pinheiro projeta uma sombra no chão de 162.15 m. Determine a altura do pinheiro se o
π
ângulo de elevação do sol é de .
6

α 162.15

Figura 6.21: .

Logo, temos:

h π
= tg =⇒ h = 93.61 m.
162.15 6

[6] Um farol está a 53 m acima do nível do mar. O ângulo de depressão de um barco é 0.3141
radianos ao sul. Determine a velocidade do barco, sabendo que se move para o oeste, por 2
min, o ângulo de depressão é 0.2443 radianos.
6.5. TRIÂNGULOS RETÂNGULOS 209

Sejam AD a altura do farol, C a posição do barco ao sul do farol, B a posição do barco após 2
min, α = 0.3141 e β = 0.2443. Veja o desenho:

53

β
B
A

α
C

Figura 6.22: .

No triângulo retângulo CAD, temos que:

d(A, C) = d(A, D) cotg(α) =⇒ d(A, C) = 163.15.

No triângulo retângulo BAD, temos que:

d(A, B) = d(A, D) cotg(β) =⇒ d(A, B) = 212.61.

No triângulo retângulo ABC, temos que:

p
d(B, C) = d(A, B)2 − d(A, C)2 =⇒ d(A, B) = 136.32.

O barco percorre 136.32 m em 2 min; sua velocidade é 69 m / min, aproximadamente.

π
[7] Um observador olha uma torre de alta tensão num terreno plano sob um ângulo igual a ;
3
π
se se afastar 25 metros, o observador vê a torre sob um ângulo de ; determine a altura da
4
torre.

Considere o seguinte desenho:


210 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

α β
A 25 B x C

Figura 6.23: .

π h √ h
Do triângulo BCD: tg( ) = , logo 3 = .
3 x x
π h h
Do triângulo ACD: tg( ) = , logo 1 = . Logo, devemos resolver o sistema
4 x + 25 x + 25
( √ √
h = 3x 25 25 3
=⇒ x = √ =⇒ h = √ = 59.1506 m.
h = x + 25 3−1 3−1

6.6 Lei dos Senos


Para qualquer triângulo ABC verifica-se:

sen(α) sen(β) sen(γ)


= =
a b c
onde a = |BC|, b = |AC|, c = |AB| são os lados opostos aos ângulos α = ∠CAB, β = ∠ABC e
γ = ∠ACB, respectivamente. Considere o seguinte desenho:

D
c

α γ
A C
b

Figura 6.24:
6.7. LEI DOS CO-SENOS 211

Seja D o ponto obtido pela interseção da reta que passa por C e é perpendicular ao lado AB.
Logo:

|CD| |CD|
sen(α) = , sen(β) = ,
|AC| |BC|

o que implica: |AC| sen(α) = |CD| = |BC| sen(β). Portanto:

sen(α) sen(β)
= .
a b

Analogamente, obtemos:

sen(α) sen(β) sen(γ)


= = .
a b c

6.6.1 Área de um Triângulo

Como aplicação direta da lei dos senos, obtemos a área do triângulo ABC:

1 1 1
A= a b sen(γ) = b c sen(α) = a c sen(β)
2 2 2

6.7 Lei dos Co-senos

Para qualquer triângulo ABC verifica-se:

a2 = b2 + c2 − 2 b c cos(α)

b2 = a2 + c2 − 2 a c cos(β)

c2 = a2 + b2 − 2 a b cos(γ)

onde a = |BC|, b = |AC|, c = |AB| são os lados opostos aos ângulos α = ∠BAC, β = ∠ABC e
γ = ∠BCA, respectivamente.

π
Considere o seguinte desenho, tal que α < .:
2
212 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

c a
h

α p q γ
A H C
b

Figura 6.25:

No triângulo BHC, temos que a2 = q 2 + h2 .


No triângulo BHA, temos que c2 = p2 + h2 . Como b = p + q temos:

a2 = b2 + c2 − 2 b p.
p
No triângulo BHA, temos que cos(α) = , logo:
c
a2 = b2 + c2 − 2 b c cos(α).
Analogamente, temos:

b2 = a2 + c2 − 2 a c cos(β)
c2 = a2 + b2 − 2 a b cos(γ).

6.7.1 Fórmula de Heron


Sabemos que a área de um triângulo é dada por:

a b sen(γ)
A= .
2
Denotemos por:

a+b+c
s=
2
o semiperímetro; então, pela lei dos co-senos:

a2 + b2 − c2
cos(γ) = .
2ab
Logo:
6.7. LEI DOS CO-SENOS 213

p p
4 a2 b2 − (a2 + b2 − c2 )2 (a + b + c) (a + b − c) (a − b + c) (b + c − a)
sen(γ) = = ,
2ab 2ab
e

p
A= s (s − a) (s − b) (s − c).

Exemplo 6.5.

[1] Constrói-se uma calha com uma folha de alumínio de 12 m de comprimento. Após marcar
4 m em cada lado, dobra-se a folha, dos dois lados, de modo a formar ângulos iguais a α, como
na figura. Determine a área da calha.

A área total é igual a soma das áreas de dois triângulos retângulos e de um retângulo. Veja o
seguinte desenho:

h h

α α
4 4 4

Figura 6.26:

Logo:

1 p
A = 2 [ h 16 + h2 ] + 4 h =⇒ A = 16 sen(α) [cos(α) + 1].
2
π
Por exemplo, se α = , então:
4

A = 8 [1 + 2] m2 = 19.3137 m2 .

[2] Num terreno plano, duas pessoas estão a uma distância de 500 m e olham o topo de um
2π 11 π
prédio sob ângulos de e de , respectivamente. Que distância tem entre cada um deles
9 36
e o prédio?

Considere o desenho:
214 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

b a

α β
500

Figura 6.27:

2π 11 π 17 π
α= = 0.698132 e β = = 0.959931; logo γ = π − (α + β) = = 1.48353; então, pela
9 36 36
lei dos senos:

a 500
= =⇒ a = 322.621 m.
sen(0.698132) sen(1.48353)
e

b 500
= =⇒ b = 411.14 m.
sen(0.959931) sen(1.48353)

[3] Se a entrada do metrô está a 120 m de um cinema e a 85 m de uma lanchonete de modo que

o cinema, o metrô e a lanchonete formem um ângulo de , determine a distância do cinema
9
á lanchonete.


Seja α = = 0.698132. Considere o desenho:
9

120
a

α
85

Figura 6.28:

Pela lei dos co-senos:

a2 = 1202 + 852 − 2 × 120 × 85 cos(0.698132) =⇒ a = 77.44 m.


6.7. LEI DOS CO-SENOS 215

[4] Os lados de um triângulo ABC medem a = 5, b = 4 e c = 3. Determine os ângulos do


triângulo.
Pela lei dos co-senos:

b2 + c2 − a2 π
cos(α) = = 0 =⇒ α = = 1.5708
2bc 2

c2 + a2 − b2 3
cos(β) = = =⇒ β = 0.927295
2ac 5

a2 + b2 − c2 4
cos(γ) = = =⇒ γ = 0.643501.
2ab 5

[5] Considere 3 círculos de raios 3, 5 e 9 cm tais que dois a dois se intersectam apenas num
único ponto. Qual é a área do triângulo que tem vértices nos centros dos círculos?
Considere o desenho:

3 3

5 9

5 9

Figura 6.29:

Denote por a = 8, b = 12 e c = 14, então:

1
s= [a + b + c] = 17,
2
logo:

s (s − a) (s − b) (s − c) = 2295 ∼
p
A= = 48 cm2 .

[6] Duas estações de radar, separadas por uma distância de 25 km, detectam um avião voando
pouco acima da reta que une as duas estações. A primeira o vê numa elevação de 35o e a
segunda o vê com uma elevação de 60o . Calcule a distância do avião à primeira estação.
Consideremos o seguinte desenho:
216 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

35 60
25

Figura 6.30:

Note que γ = 180 − (60 + 35) = 85; logo da lei dos senos:

b 25 25 sen(60)
= =⇒ b = =⇒ b = 21.773 km.
sen(60) sen(85) sen(85)

6.8 Resolução de Triângulos


Resolver um triângulo significa determinar o comprimento de seus lados e a medida de seus
ângulos.

6.8.1 Triângulos Retângulos


Considere o triângulo retângulo:
B
β

c
a

α
C A
b
π
Figura 6.31: Caso γ = .
2

Dados dois catetos


Determinamos a hipotenusa e os ângulos agudos. Dados a e b, utilizamos:
a π p
tg(α) = , β = − α e a = c sen(α) e c = a2 + b2 .
b 2
6.8. RESOLUÇÃO DE TRIÂNGULOS 217

Dados a hipotenusa e um cateto


Determinamos o outro cateto e os ângulos agudos. Dados a e c utilizamos:
p a π
b= c2 − a2 , sen(α) = e β= − α.
c 2

Dados um cateto e um ângulo agudo


Determinamos a hipotenusa, o outro cateto e outro ângulo agudo. Dados a e α utilizamos:

π
β= − α, b = a cotg(α) e c = a cosec(α).
2

6.8.2 Triângulos Arbitrários


Considere o triângulo:

C
γ

A α β
B
Figura 6.32:

Resolver um triângulo dados os 3 lados


Utilizamos a lei dos cossenos para determinar os ângulos:

b2 + c2 − a2 a2 + c2 − b2 a2 + b2 − c2
cos(α) = , cos(β) = e cos(γ) = .
2bc 2ac 2ab

Fazendo s = a + b + c, podemos também determinar os ângulos:

s s s
α (s − b) (s − c) β (s − a) (s − c) γ (s − a) (s − b)
tg = , tg = e tg = ,
2 s (s − a) 2 s (s − b) 2 s (s − c)

Ou
218 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

2 p 2 p
sen(α) = s (s − a) (s − b) (s − c), sen(β) = s (s − a) (s − b) (s − c) e
bc ac

2 p
sen(γ) = s (s − a) (s − b) (s − c)
ab

Resolver um triângulo dados dois lados e um ângulo comprendido


Sejam a, b e γ dados. Da lei dos cosenos:

p a2 − b2 + c2
c= a2 + b2 − 2 a b cos(γ), cos(β) = .
2ac
Donde, obtemos:

α = π − (β + γ).

Resolver um triângulo dados 2 lados e um ângulo oposto a um deles


Sejam α, a e b dados. Utilizando a lei dos senos, obtemos:

b sen(α)
sen(β) = .
a

b sen(α)
1. Se a < b sen(α), temos que > 1, logo sen(β) > 1 o que é impossível, este caso;
a
no tem solução.

π π
2. Se a = b sen(α), temos que sen(β) = 1 e β = , em tal caso temos uma solução, se α < .
2 2
O triângulo é retângulo.

b sen(α)
3. Se a > b sen(α), temos que < 1, logo sen(β) < 1. Temos dois possíveis valores
a
para β; um agudo e outro obtuso (são suplementares):

π
(a) Caso α < ; então, se a < b, temos duas soluções. Veja o Caso Ambíguo, na frente.
2
Se a ≥ b, temos uma solução.

π
(b) Caso α = ; então, se a > b, temos uma solução e o triângulo é isósceles,
2

π
(c) Caso α > ; então, se a ≤ b, não tem solução. Se b < a, temos uma solução.
2
6.8. RESOLUÇÃO DE TRIÂNGULOS 219

Resolver um triângulo dados dois ângulos e um lado


Sejam α, β e a dados. Como α + β + γ = π, temos que γ = π − (α + β). Utilizando a lei dos
senos:

sen(α) sen(β) sen(α) sen(γ)


= e = .
a b a c
Logo:

a sen(β) a sen(γ)
b= e c= .
sen(α) sen(α)

Exemplo 6.6.

[1] Resolva o triângulo se a = 12, b = 16 e c = 10.


Aplicamos

b2 + c2 − a2 53 ∼
cos(α) = = = 0.6625 =⇒ α = 0.84664
2bc 80

a2 + c2 − b2 1
cos(β) = =− ∼ = 0.05 =⇒ β = 1.62082
2ac 20

a2 + b2 − c2 25 ∼
cos(γ) = = = 0.7812 =⇒ γ = 0.674131.
2ab 32
π π
[2] Resolva o triângulo se a = 4, β = e γ = .
4 3
π π 5π
Primeiramente α = π − − = . Aplicamos:
4 3 12

a sen(β) 8 a sen(γ) 4 6
b= = √ ∼ = 2.9282 e c = = √ ∼= 3.5863.
sen(α) 1+ 3 sen(α) 1+ 3

[3] Resolva o triângulo se b = 4, c = 3 e α = .
12
Primeiramente:

a2 = b2 + c2 − 2 b c cos(α) ∼
= 31.21 =⇒ a = 5.59.
Por outro lado:

b sen(α) ∼
sen(β) = = 0.6912 =⇒ β = 0.76314.
a
Finalmente: γ = π − (α + β) ∼
= 0.545857.
π
[4] Resolva o triângulo se a = 70, b = 122 e α = .
4
220 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

Note que:

b sen(α) 61 ∼
sen(β) = =⇒ sen(β) = √ = 1.23.
a 35 2
Por outro lado, sen(x) ≤ 1 para quaquer x. Logo, não existe triângulo com estes dados.

6.9 Resolução de Triângulos - Caso Ambíguo


Quando são dados dois lados de um triângulo e o ângulo oposto a um deles temos um caso
ambíguo, pois a informação resultante pode produzir um, dois ou nenhum triângulo.
Se conhecemos os lados a e b e o ângulo α como no desenho:

b
h

Figura 6.33:

A chave para determinar os possíveis triângulos (se existem), com as informações dadas é a
altura h e o fato de que:

h = b sen(α)
Se a < h, não existe triângulo.
Se a = h, temos um triângulo retângulo.
Se a < b e h < a, temos dois triângulos.
Se a ≥ b, temos um triângulo.

Para fazer os exemplos, utilizaremos aproximações, por exemplo, π = 3.14159.

Exemplo 6.7.

[1] Resolva o triângulo tal que a = 6, b = 8 e α = = 0.623818.
35
Note que h < a e a < b; então temos dois triângulos
Da lei dos senos:
6.10. EXEMPLOS DIVERSOS 221

b sen(α)
sen(β) = =⇒ sen(β) = 0.783713 =⇒ β = 2.24097 ou β = 0.90062.
a
De qualquer forma α + β < π = 3.14159. Então, temos um triângulo para β = 2.24097 e outro
para β = 0.90062
Se β = 2.24097 e α = 0.628318, então γ = 0.2723046. Da lei dos senos:

b sen(γ)
c= =⇒ c = 2.745408.
sen(β)
Se β = 0.90062 e α = 0.610865, então γ = 1.612654. Da lei dos senos:

a sen(γ)
c= =⇒ c = 10.19887.
sen(α)

6.10 Exemplos Diversos


[1] Um geólogo utiliza um instrumento que mede o ângulo formado pelo topo de uma monta-
nha e o nível do solo. Num ponto, o ângulo é de 41o ; afastando-se 0.5 km o ângulo é de 37o .
Qual é a altura da montanha?
Temos a seguinte situação:

37 41
0.5 x
Figura 6.34:

Primeiramente, convertemos tudo a radianos: 370 = 0.645772 radianos e 41o = 0.715585 radia-
nos; logo temos o sistema:
( (
h = tg(0.645772) (x + 0.5) h = 0.753554 (x + 0.5)
⇐⇒
h = x tg(0.715585) h = 0.869287 x
logo x = 3.25558 e h = 2.83 km.

[2] Uma estação metereológica está situada a 120 km ao oeste de um grupo de salvamento.
Uma cidade está situada 40o ao nordeste da estação e a 30o noroeste do grupo de salvamento.
Qual é a distância da cidade ao grupo de salvamento e da estação metereológica?
222 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

Temos a seguinte situação:

o e γ

s
a
b

40 30
50 60
120

Figura 6.35:

Primeiramente, convertemos tudo a radianos: α = 50o = 0.872665, β = 60o = 1.0472 e γ =


70o = 1.22173, e:

120 sen(α)
a= =⇒ a = 97.8249,
sen(γ)
logo, o grupo de salvamento está a 97.8 km da cidade. Por outro lado:

120 sen(β)
b= =⇒ b = 110.593,
sen(γ)
logo, a estação metereológica está a 110.6 km. da cidade.

[3] Um avião é observado por duas pessoas que se encontram separadas por 1000 m e cada ob-
servador determina o ângulo de elevação de 40o e 35o respectivamente. Determine a distância
do obervador que tem o ângulo de elevação de 35o ao avião. A que altura está o avião?
Temos a seguinte situação:

a
h

40 35
1000

Figura 6.36:
6.10. EXEMPLOS DIVERSOS 223

Primeiramente, convertemos tudo a radianos: α = 40o = 0.698132, β = 35o = 0.610865 e


γ = 105o = 1.8326, e:

1000 sen(α)
a= =⇒ a = 665.463;
sen(γ)
logo, a distância do obervador ao avião é de 665.463 m. Por outro lado:

h = a sen(β) =⇒ h = 381.69;
logo, a altura do avião é de 381.69 m.

[4] Num terreno plano, utilizando um instrumento, se faz uma medição do ângulo entre o
terreno e um balão como indica a seguinte figura:

α
a

h b

63

20
75 72

Figura 6.37:

Determine a altura do balão a partir de cada medição; qual é altura do balão?

5π 2π 7π
Primeiramente, convertemos tudo a radianos: φ = = 1.309, β = = 1.25664 e γ = =
12 5 20
1.09956; logo:
π
α = π − (β + γ) = .
4
Então:

b 20
= =⇒ b = 25.2015 m.
sen(γ) sen(α)
e:

a 20
= =⇒ a = 26.8999 m.
sen(β) sen(α)
Finalmente:

h
sen(φ) = =⇒ h = 24.3428 m.
b
224 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

[5] Uma bola de futebol é colocada em um ponto localizado a 5 m e 8 m de cada uma das balizas
da meta cuja largura é de 7 m. Em que ângulo se vê a meta a partir daquele ponto?

Considere o desenho:

5
8

bola

Figura 6.38:

Pela lei dos co-senos:

a2 + c2 − b2
b2 = a2 + c2 − 2 a c cos(β) =⇒ cos(β) = .
2ac

Como a = 8, b = 7 e c = 5, temos:

1 π
cos(β) = =⇒ β = .
2 3

[6] As medidas das bases de um trapézio são 17 cm e 10 cm, e um de seus lados, 7 cm. O ângulo
8π ∼
entre as linhas em que estão os lados não paralelos é de α = = 0.5585 radianos. Determine
45
a medida do outro lado.

Considere o desenho:
6.10. EXEMPLOS DIVERSOS 225

P
α
x

B
y 7
C
10

A
17
z

D
Figura 6.39:

Note que os triângulos AP B e DP C são semelhantes, logo:


x x+7
= =⇒ x = 10.
10 17
Aplicando a lei dos cossenos ao trângulo AP B temos:

d(A, B)2 = x2 + y 2 − 2 x y cos(α) =⇒ 102 = 102 + y 2 − 20 y cos(α) =⇒ y (y − 16.96) = 0,

logo:

y = 16, 96.
Novamente, por semelhança de triângulos:

d(A, B) d(D, C) 10 17
= =⇒ = =⇒ z = 11.872.
d(A, P ) d(D, P ) 16.96 z + 16.96

O triângulo P DC é isósceles, onde d(D, C) = d(C, P ) = 17.

[7] Um barco parte com rumo a um porto situado a 150 milhas de distância. O barco navega a
uma velocidade constante de 15 milhas por hora e o percurso de navegação está submetido a
fortes correntezas e ventos cruzados. Após 4 horas o barco fica fora do curso em 0.111 radianos.

1. A que distância o barco se encontra do porto de saída, nesse instante?

2. Qual é angulo que deve girar para corrigir o rumo?

3. Em quanto tempo se alongou a viagem (considerando a velocidade sempre constante)?


226 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

Após 4 horas o barco percorreu 60 milhas. Considere o desenho:

60

150

Figura 6.40:

Devemos determinar a distância x e o ângulo θ de mudança de rumo. Então:


(a) Para determinar x utilizamos a lei dos cossenos, com γ = 0.111:

x2 = 1502 + 602 − 2 × 150 × 60 cos(0.111) = 8211 =⇒ x = 90.6;

o barco está, aproximadamente, a 90,6 milhas do porto de chegada.


(b) Como agora conhecemos os tres lados do triângulo utilizamos a lei dos cossenos para de-
terminar o ângulo α, oposto ao lado que mede 150 milhas:

1502 = 962 + 602 − 2 × 96 × 60 cos(α) =⇒ cos(α) ∼


= −0.840625 =⇒ α = 2.569232 rad,

Para corrigir o rumo, o barco deve girar sob um ângulo:

θ = π − 2.569232 ∼
= 0.57236 rad.

Note que 0.57236 ∼


= 33o .
(c) A distância total da viagem foi 60+96=156 milhas; as 6 milhas a mais de percurso gastam
aproximadamente, 24 minutos (0.4 horas). Logo, o barco teve um atraso de 24 minutos.

[8] Uma torre de 38 m de altura está num penhasco à margem de um rio. Do alto da torre, o
ângulo de depressão de um ponto na margem oposta é 0.48869 radianos e a partir da base da
torre o ângulo de depressão do mesmo ponto é de 0.3141 radianos. Determine a largura do rio
e a altura do penhasco.
6.10. EXEMPLOS DIVERSOS 227

Sejam BC a altura da torre, DB a do penhasco, A o ponto na margem oposta, α = 0.48869 e


β = 0.3141. veja o desenho:

C
α
γ
38
δ
B
β
b

c
ε

A D

Figura 6.41:

Do triângulo ABC, temos:

π π
γ= − α = 1.08211, δ= + β = 1.8849 e ε = π − (γ + δ) = 0.174583.
2 2

Por outro lado:

a sen(γ)
c= = 193.174.
sen(ε)

Do triângulo ABD, temos:

d(D, B) = c × sen(0.3141) = 59.68 e d(A, D) = c × cos(0.3141) = 183.72.

O rio tem 184 m de largura e o penhasco tem 60 m de altura, aproximadamente.

[9] Dado um paralelogramo tal que uma das diagonais mede 18 m, os ângulos adjacentes a essa
diagonal medem 50o e 200 , respectivamente. Determine a medida dos lados, da outra diagonal
e calcule sua área.

Considere o desenho:
228 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

B a C
β 20
50

c
18

50
20
A D

Figura 6.42:

Note que os dois triângulos divididos pela diagonal são congruentes.

1. Consideremos o triângulo ABC.

B a C
β 20

c
18

50

A D

Figura 6.43:

Como β = 180o − (50o + 20o ) = 110o , segue da lei dos senos:

a 18 18 sen(50o ) ∼
= =⇒ a = = 14.7 m.
sen(500 ) sen(1100 ) sen(110o )
e

c 18 18 sen(200 ) ∼
= =⇒ c = = 6.6 m.
sen(200 ) sen(110o ) sen(1100 )

Um dos lados paralelos mede 6.6 m. e o outro 14.7 m.

2. Calculemos a área do triângulo ABC:

18 c sen(50o ) ∼
A∆ = = 45.5 m2
2
então, a área do paralelogramo é:
6.10. EXEMPLOS DIVERSOS 229

A = 2 A∆ ∼
= 91 m2 .

3. Consideremos o triângulo ABD

B C

6.6
d

70
A 14.7 D

Figura 6.44:

Pela lei dos cosenos:

d2 = 6.62 + 14.72 − 2 × 6.6 × 14.7 × cos(70o ) ∼


= 13.9 m.
230 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

6.11 Exercícios
π
1. Determine k tal que a reta 3 x − k y − 8 = 0 forme um ângulo de com a reta
4
2 x + 5 y − 17 = 0.

2. Sejam a reta y = m x + b e α o ângulo formado pela reta e o eixo positivo dos x. Verifique
que m = tg(α). Determine a equação da reta que passa pelo ponto indicado e forme com
o eixo dos x o ângulo dado.
π π
(a) α = ; P = (2, 5) (e) α = ; P = (1, 0)
4 6
3π π
(b) α = ; P = (2, 5) (f) α = ; P = (−3, −2)
4 4
π π √
(c) α = ; P = (x0 , y0 ) (g) α = ; P = (1, 3)
2 3
(d) α = 0; P = (x0 , y0 )
(h) α = π; P = (1, 1)

3. Num triângulo de ângulos α, β e γ e lados a, b e c tal que 2 p = a + b + c, verifique:

α β γ
p sen p sen p sen
(a) a = 2 b= 2 e c= 2 .
β γ α γ β α
cos cos cos cos cos cos
2 2 2 2 2 2

2 (p − c) (p − b) 2 p (p − a)
(b) 1 − cos(α) = , 1 + cos(α) = .
bc bc

onde a = |BC|, b = |AC|, c = |AB| são os lados opostos aos ângulos α = ∠CAB,
β = ∠ABC e γ = ∠ACB, respectivamente.

4. Determine a área do triângulo ABC, se:


π 2π π
(a) c = 10, a = 3, β = (e) a = 2, α = eβ = .
4 9 9
π 7π π
(b) a = 1, b = 5, γ = (f) c = 4, α = eβ = .
4 18 3
π
(c) a = 1, b = 5, γ = π 7π
3 (g) a = 1, β = eγ = .
9 18
π
(d) b = 4, c = 10, α = 7π π
6 (h) b = 5, β = eγ = .
18 18
6.11. EXERCÍCIOS 231

5. A base de um triângulo isósceles mede 10 m e o ângulo oposto mede 0.8726 radianos.


Determine a área.

6. Em um triângulo retângulo, um dos ângulo é de 0.5235 radianos e o cateto oposto mede


12 cm. Determine o outro ângulo, a hipotenusa e o cateto que falta.

7. A hipotenusa de um triângulo retângulo mede 14 cm e um de seus catetos 11 cm. Calcule


o outro cateto e os ângulos.

8. Num triângulo retângulo cujos catetos medem 3 e 4 cm respectivamente, determine a


hipotenusa e a altura relativa a hipotenusa.

9. Considere 3 círculos de raios 4, 9 e 12 cm, tais que dois a dois se intersectam apenas num
único ponto. Qual é a área do triângulo que tem vértices nos centros dos círculos?

10. Considere a equação 2 cos2 (α) x2 − 4 cos(α) x + 4 cos2 (α) − 1 = 0, sendo 0 ≤ α ≤ π:

(a) Para que valores de α a equação tem soluções reais?

(b) Para que valores de α a equação admite raízes reais negativas?


11. Num triângulo retângulo a hipotenusa mede 3 m. Se um dos ângulos mede , deter-
36
mine as medidas dos catetos.
π
12. Num triângulo retângulo um dos ângulos mede e um cateto mede 3 cm, determine os
10
dois valores possíveis da hipotenusa.

13. Determine a base e altura de um triângulo isósceles cujo ângulo do vértice é 1.1344 radi-
ano, e cada lado igual mede 415 cm.

14. Uma torre de 45 m de altura projeta uma sombra de 12 m. Qual é o ângulo de elevação
do sol?

15. Verifique que a base b de um triângulo isósceles cujos lados iguais medem a e cujo ângulo
do vértice é θ é dada por:

θ
b = 2 a sen .
2

16. Resolva os seguintes triângulos retângulos:

π
(a) b = 5 e β = .
9
232 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

π
(b) b = 4 e β = .
18

(c) a = 6 e β = .
18
π
(d) b = 4 e α = .
18
(e) a = 38.64 e b = 48.74

(f) a = 506.2 e c = 984.8

(g) b = 672.9 e c = 888.1

17. Resolva os seguintes triângulos (lei dos senos):

2π π
(a) α = , β = e a = 2.
9 9
7π π
(b) α = , β = e c = 4.
18 3
2π 2π
(c) α = ,β = e c = 2.
9 9
7π π
(d) β = ,γ = e b = 5.
18 18

18. Resolva os seguintes triângulos (lei dos co-senos):


(a) a = 3, b = 4 e γ = .
9
π
(b) a = 6, b = 4 e γ = .
3
(c) a = 4, b = 5 e c = 3.

(d) a = 9, b = 7 e c = 10.

(e) b = 1, c = 3 e α = .
9

19. Resolva os seguintes triângulos:

5π π
(a) α = , β = e a = 1.
18 6
π
(b) a = 2, c = 5 e α = .
3
6.11. EXERCÍCIOS 233


(c) a = 3, c = 1 e β = .
9

(d) c = 5, b = 4 e α = .
18
π 2π
(e) α = ,c=2eγ = .
18 9
π
(f) a = 1, b = 2 e γ = .
3
π
(g) a = 2, b = 3 e α = .
9

(h) a = 5, c = 2 e α = .
9
(i) a = 9, b = 7 e c = 10
π
(j) a = 3, c = 2 e β =
2

20. A altura de um triângulo isósceles mede 33 cm e forma um ângulo de 0.9599 radianos


com um lado. Determine todos os elementos do triângulo.

21. Determine a hipotenusa de um triângulo retângulo se um cateto mede 75 cm, sabendo


que a bissetriz de um ângulo agudo mede 94 cm.

22. Duas pessoas distanciadas em 100 metros observam um balão que está no mesmo plano
vertical deles. O ângulo de elevação de uma é de 1.0821 radianos e o da outra é de 0.7155
radianos. Determine o valor da altura h em que se encontra o balão.

23. De um ponto do chão se vê uma torre com um ângulo de 0.4537 radianos. Calcule o
ângulo em que a distância será dupla, tripla e quádrupla.

24. Um avião voa de uma cidade A até uma cidade B, a uma distância de 150 milhas; depois
5π ∼
vira num ângulo de = 0.8726 radianos e se dirige à cidade C a uma distância de 100
18
milhas.

(a) Qual é a distância entre as cidades A e C.

(b) Qual é o ângulo em que deve girar o avião para voltar à cidade A?

25. A distância entre dois prédios de teto plano é de 60 m. A partir do telhado, a altura
do prédio de menor altura é de 40 m. Olhando do telhado ao outro prédio o ângulo de
elevação é de 0.6981 radianos. Qual é a altura do prédio mais alto?
234 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES

26. Duas estradas retas se cruzam sob um ângulo de 1.3089 radianos. Em uma das estradas
a 1 km. do cruzamento, há um posto de gasolina. Determine a menor distância do posto
para a outra estrada.

27. Calcule a base e a altura de um retângulo, sabendo que sua diagonal mede 84 cm. e um
dos ângulos adjacentes a ela é de 1.2566 radianos.

28. Um poste na posição vertical, colocado num plano horizontal, encontra-se a 3 m de uma
parede plana e vertical. Neste instante, o sol projeta a sombra do poste na parede. Sa-
bendo que esta sombra tem 17 m e que a altura do poste é 20 m, determine a inclinação
dos raios solares em relação ao plano horizontal.

π
29. Um retângulo com lados adjacentes medindo sen(a) e cos(a) com 0 ≤ a ≤ , tem perí-
√ 2
metro igual a 6. Calcule a área do retângulo.

30. Um navio, navegando em linha reta, passa sucessivamente pelos pontos A, B e C. O


comandante, quando o navio está em A, observa um farol F e calcula o ângulo
∠F AC = 30o . Após navegar 6 milhas até B, verifica o ângulo ∠F BC = 70o . Quantas
milhas separa o farol do ponto B?

31. Um observador está a 30 m de uma torre, num terreno plano que tem 1 m de altura em
π
relação à base da torre; o observador vê o topo da torre sob um ângulo de . Determine
5
a altura da torre.

32. Dois lados de um paralelogramo medem 12 m e 2 2 m e o ângulo formados por eles
π
mede . Calcule a área do paralelogramo.
4

33. Os lados de um triângulo ABC medem a = 5, b = 4 e c = 3. Calcule os ângulos.

π
34. Num triângulo retângulo, a hipotenusa mede 4 cm e um ângulo agudo mede . Deter-
12
mine a área do triângulo.

35. Um barco deve navegar de um porto A até um porto B distante 600 milhas. Para evitar
π
um temporal, o capitão decide sair da cidade A fazendo um desvio de ∼ = 0.349 radianos
9
em relação à linha reta que liga A e B; o barco se mantem a uma velocidade constante de
15 nós por 10 horas, onde está livre do temporal e pode dirigir-se diretamente à cidade
B:

(a) Qual é o angulo que deve corrigir o rumo do barco para dirigir-se à cidade B, após
passado o percurso com temporal?

(b) Em quanto tempo chegará à cidade B se a velocodade é mantida a 15 nós?


6.11. EXERCÍCIOS 235

π ∼
36. Um guarda florestal caminha por um caminho com uma inclinação de = 0.0872 ra-
3
dianos, diretamente para uma torre de observação de 30 m de altura. Quando o ângulo
2π ∼
de elevação da parte superior da torre é de = 0.6981 radianos, a que distância está o
9
guarda da torre?

37. Uma plataforma dista de um caminhão 80 cm do chão. Para conseguirem carregar facil-
mente uma betoneira, a tábua que serve de rampa não deve fazer com o chão um ângulo
π
superior a radianos. Que comprimento a tábua deve ter?
18

38. Utilizando a lei dos senos verifique que para todo triângulo temos:

α − β
a+b cos
= 2
c γ .
cos
2
Conclua que:

α − β
a−b tg
= 2 .
a+b α + β
tg
2
236 CAPÍTULO 6. TRIGONOMETRIA: APLICAÇÕES
Capítulo 7

TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

7.1 Introdução
Em muitas aplicações é muito importante escolher um sistema de coordenadas ou de referen-
cia adequado com o intuito de simplificar ao máximo as equações envolvidas de modo que
a resolução seja o mais eficiente possível; como no caso das cônicas. Este processo se realiza
utilizando as chamadas transformações de coordenadas ou de sistemas de referências.
As transformações que apresentaremos neste capítulo são as translações e as rotações.
As translações mudam o sistema de coordenadas de tal modo que o centro de uma curva fique
situado na origem do novo eixo.
As rotações se aplicam quando a curva está inclinada em relação aos eixos originais, fazendo,
através da rotação que a curva fique desinclinada em relação aos novos eixos.

As mudanças de coordenadas estão inseridas num contexto bem mais geral, que envolve outras
disciplinas estudadas no decorrer da graduação.

7.2 Translações
O processo de transladar um sistema de eixos coordenados em outro, implica uma transforma-
ção de coordenadas, onde tanto os eixos originais como os novos são paralelos de modo que
não sejam alteradas as unidades de medida.

Denotemos por:

{O, X, Y}
o sistema de coordenadas ortogonais no plano, de origem (0, 0) e de eixos coordenados X e Y .
Suponha que temos outro sistema de coordenadas:

{O1 , U,V},
ortogonal, centrado no ponto (h, k) e e de eixos coordenados U e V .

237
238 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

Y V

y v P

k
O1 u U

O h x X

Figura 7.1:

Do desenho anterior, segue que, o ponto P tem coordenadas (x, y) no sistema {X, Y} e coorde-
nadas (x − h, y − k) no sistema {U,V}. Fazendo isto para cada ponto do plano, temos a chamada
translação dos eixos.
A relação entre as coordenadas dos sistemas é:
(
x =u+h
y = v + k.
Ou, equivalentemente:
(
u =x−h
v = y − k.

Logo, podemos passar do sistema {O, X, Y} ao sistema {O1 , U,V}, e vice-versa.

Exemplo 7.1.

[1] Considere a reta:

a x + b y + c = 0, b 6= 0.
Transladando ao sistema {U,V}, temos:

a (u + h) + b (v + k) + c = 0 =⇒ a u + b v + (a h + b k + c) = 0.

Note que a translação não muda a inclinação da reta.

[2] Considere a elipse:

(x − h)2 +(y − k)2


+ = 1.
a2 b2
7.2. TRANSLAÇÕES 239

Reescrevendo a cônica no sistema {U,V}:

(
u =x−h
v = y − k.

Substituindo na equação, obtemos:

u2 v 2
+ 2 = 1.
a2 b

Isto é, uma elipse centrada em (h, k) no sistema {O, X, Y}, no sistema {O1 , U,V} é uma elipse
centrada na origem.

[3] Considere a hipérbole:

(x − h)2 +(y − k)2


− = 1.
a2 b2

Reescrevendo a cônica no sistema {U,V}:

(
u =x−h
v = y − k.

Substituindo na equação, obtemos:

u2 v 2
− 2 = 1.
a2 b

Isto é, uma hipérbole centrada em (h, k) no sistema {O, X, Y}, no sistema {O1 , U,V} é uma
hipérbole centrada na origem.


[4] Considere a curva y − b − x − a = 0.

Transladando a curva ao sistema {O1 , U,V}:

(
u =x−a
v = y − b;

substituindo na equacção, obtemos:


v= u.
240 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

Figura 7.2: A curva do exemplo [4].

[5] Considere x3 − 3 x2 − y 2 + 3 x + 4 y − 5 = 0; utilizaremos uma translação para eliminar os


termos lineares:

(
x =u+h
y = v + k.

Então:

F + (3 − 6h + 3h2 )u + (−3 + 3h)u2 + u3 + (4 − 2k)v − v 2 = 0,

onde F = −5 + 3h − 3h2 + h3 + 4k − k 2 . Para eliminar os termos lineares, façamos:

(
3 − 6h + 3h2 = 0
=⇒ h = 1, k = 2.
4 − 2k = 0

Fazendo:

(
x =u+1
y =v+2

e substituindo na equacção, obtemos:

u3 − v 2 = 0.
7.2. TRANSLAÇÕES 241

0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0

-2

Figura 7.3: A curva do exemplo [5].

Como as translações não modificam as inclinações das retas, elas transformam triângulos em
triângulos, retângulos em retângulos, em geral polígonos em polígonos, preservando a área.

[1] Considere a região limitada pelo triângulo de vértices (1, 1), (1, 4) e (5, 1).

A região limitada pelo triângulo é:

1 2 3 4 5

Figura 7.4: A região do exemplo [1].

Consideremos a translação:

(
u =x−1
v = y − 1.

Logo, os vérices são transladados da seguinte forma:


242 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

(x, y) = (1, 1) =⇒ (u, v) = (0, 0)


(x, y) = (1, 4) =⇒ (u, v) = (0, 3)
(x, y) = (5, 1) =⇒ (u, v) = (4, 0).

A região no sistema {O1 , U,V} é limitada pelo triângulo de vértices (0, 0), (4, 0) e (0, 3).

1 2 3 4 5

Figura 7.5: A região do exemplo [1], transladada.

[2] Considere a região do plano limitada pelas retas y = x, y = −x, y = x − 2 e y = 2 − x.


A região limitada pelas retas é:

1 2

-1

Figura 7.6: A região do exemplo [2].

Consideremos a translação:
(
x =u+1
y = v.
Logo:
7.3. ROTAÇÕES 243

y = x =⇒ v = u + 1
y = −x =⇒ v = −u − 1
y = x − 2 =⇒ v = u − 1
y = 2 − x =⇒ v = 1 − u.

A região no sistema {O1 , U,V} é limitada pelas retas v = u + 1, v = −u − 1, v = u − 1 e v = 1 − u.

1.0

0.5

-1.0 - 0.5 0.5 1.0

- 0.5

-1.0

Figura 7.7: A região do exemplo [2], transladada.

7.3 Rotações

Muitas vezes surge a necessidade de mudar o sistema de coordenadas original, rotando-o em


um certo ângulo para obter um novo sistema, onde possamos resolver de forma mais simples
um determinado problema, de forma que não sejam alteradas as unidades de medida.

Denotemos por {O, X, Y} o sistema de coordenadas ortogonais no plano, de origem (0, 0) e de


eixos coordenados X e Y .

A rotação de centro O e ângulo α passa o sistema {O, X,Y} para o sistema {O, U,V}.
244 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

Y
P
v
V U
B
y
u
β
α
α
x A
X
O

Figura 7.8:

Denotemos o ponto P = (x, y) no sistema {O, X, Y} e P = (u, v) no sistema {O, U,V}; logo:

x = OA = OP cos(α + β) = OP [cos(α) cos(β) − sen(α) sen(β)]


u = OB = OP cos(β)
v = P B = OP sen(β).

Logo: x = u cos(α) − v sen(α). Analogamente:

y = P A = OP sen(α + β) = OP [sen(α) cos(β) + cos(α) sen(β)]


= u sen(α) + v cos(α).

Então, temos:
(
x = u cos(α) − v sen(α)
y = u sen(α) + v cos(α).
Ou, equivalentemente:
(
u = x cos(α) + y sen(α)
v = −x sen(α) + y cos(α).

Logo, podemos passar do sistema {O, X, Y} ao sistema {O, U,V}, e vice-versa.

As rotações não preservam a inclinação das retas, mas preservam a área das regiões limitadas
por curvas.
7.3. ROTAÇÕES 245

Exemplo 7.2.

[1] Considere a região limitada pelo triângulo de vértices (1, 3), (2, 1) e (1, 1).
Façamos uma rotação de ângulo α = π.
( (
x = x1 cos(α) − y1 sen(α) x = −x1
⇐⇒
y = x1 sen(α) + y1 cos(α) y = −y1 .
Logo, os vérices serão transformados pela rotação assim:

(x, y) = (1, 1) =⇒ (u, v) = (−1, −1)


(x, y) = (1, 3) =⇒ (u, v) = (−1, −3)
(x, y) = (2, 1) =⇒ (u, v) = (−2, −1).

A região no sistema {O1 , U,V} é limitada pelo triângulo de vértices (−1, −1), (−1, −3)
e (−2, −1).

-2 -1 1 2

-1

-2

-3

Figura 7.9: A região e a região após a rotação do exemplo [1].

π
[2] Consideremos a curva x y = 2 e façamos uma rotação na origem de ângulo .
4
Façamos a rotação:

1

 π π x = √ (u − v)
= u cos( ) − v sen( )

x 
2
 

 4 4 

=⇒

y π π  1
= u sen( ) + v cos( ).
 
y = √ (u + v).


4 4 2
Logo, substituindo na equação:
246 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

u2 v 2
− = 1.
4 4

-4 -2 2 4

-2

-4

Figura 7.10: As hipérboles do exemplo [2].


[3] Identifique a curva 2 x2 + 3 x y + y 2 = 4, fazendo uma rotação de centro na origem e de
π
ângulo .
6

Façamos a rotação:

 √
 π π 3 1
= u cos( ) − v sen( ) u− v

x 
x =

 6 6 
 2 2
=⇒
 π π  √
y

= u sen( ) + v cos( ).


y 1 3
= u+ v.

6 6 2 2

Logo, substituindo na equação:

5 u2 v 2
+ = 4.
2 2
7.4. A EQUAÇÃO GERAL DE SEGUNDO GRAU 247

-1.5 -1.0 -0.5 0.5 1.0 1.5

-1

-2

Figura 7.11: As elipses do exemplo [2].

7.4 A Equação Geral de Segundo Grau


Voltemos à equação do segundo grau em duas variáveis:

A x2 + B x y + C y 2 + D x + E y + F = 0 (7.1)
sendo A e C não simultaneamente nulos. Seja ∆ = B 2 − 4 A C o discriminante da equação.

7.4.1 Eliminação do Termos Lineares


Os termos lineares da equação geral de segundo grau podem ser eliminados utilizando trans-
lação. De fato, considere:
(
x =u+h
y = v + k.

Substituindo na equação temos, que os termos lineares são:

.... + u (D + 2 A h + B k) + v (E + B h + 2 C k) + .....
Para zerar os termos lineares, devemos resolver o sistema:
(
(1) 2 A h + B k = −D
(7.2)
(2) B h + 2 C k = −E.

Caso 1
Se ∆ 6= 0, o sistema (7.2), tem uma única solução:
248 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

2DC − B E 2AE − B D
h= e k= ;
∆ ∆

logo, a translação elimina os termos lineares e translada o gráfico da equação horizontal e/ou
verticalmente. Logo, equação fica da forma:

A u2 + B u v + C v 2 + F1 = 0.

Caso 2

Se ∆ = 0, no sistema (7.2) multiplicamos (1) por B e (2) por 2 A e fazendo (1)-(2), obtemos:

(2 A B − 2 A B) h = B D − 2 A E.

Se B D − 2 A E 6= 0, o sistema (7.2) é inconsistente; logo, não poderemos eliminar ambos os


termos lineares; possivelmente eliminaremos somente um deles.

Se B D − 2 A E = 0, as equações do sistema (7.2) são dependentes; logo, existem infinitas so-


luções, cada translação serve para eliminar só termos lineares simultanemente. Logo, equação
também fica da forma:

A u2 + B u v + C v 2 + F1 = 0.

Proposição 7.1. O discriminante ∆ da equação (7.1) não muda após translações. Logo, a natureza da
curva não muda.

Exemplo 7.3.

Considere a equação x2 + y 2 − 3 x y − x + y + 4 = 0 e façamos a seguinte translação:

(
x=u+2
y = v − 3,

donde obtemos: u2 + v 2 − 3 u v + 12 u − 11 v + 30 = 0; note que os discriminantes das equações


não mudaram.
7.4. A EQUAÇÃO GERAL DE SEGUNDO GRAU 249

-5 5

-5

Figura 7.12: A curva original (azul) e a transladada (vermelha).

7.4.2 Eliminação dos Termos Mistos


Utilizaremos uma rotação adequada para eliminar o termo misto x y da equação. De fato,
consideremos a rotação:
(
x = u cos(α) − v sen(α)
y = u sen(α) + v cos(α)
e substituimos na equação (7.1), obtendo:

A1 u2 + B1 u v + C1 v 2 + D1 u + E1 v + F = 0,
onde:

B1 = 2 (C − A) sen(α) cos(α) + B [cos2 (α) − sen2 (α)] = (C − A) sen(2 α) + B cos(2 α).

Desejamos que B1 = 0 para eliminar o termo u v; logo, após aplicar algumas identidades trigo-
nométricas, temos:

A−C
B1 = 0 ⇐⇒ cotg(2α) =
B

Se A = C, temos a rotação:
π
α= .
4

Proposição 7.2. O discriminante ∆ da equação (7.1) não muda de sinal após rotações.
250 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

Em resumo, para eliminar os termos lineares da equação (7.1) fazemos translações e para eli-
minar os termos mistos fazemos rotações.

Se ∆ 6= 0; isto é elipses ou hipérboles, fazemos uma translação seguida de uma rotação.


Se ∆ = 0; isto é parábolas, fazemos uma rotação seguida de uma translação.

Exemplo 7.4.

[1] Elimine os termos mistos de 29 x2 − 24 x y + 36 y 2 + 118 x − 24 y − 55 = 0, achando o ângulo


de rotação.
Primeiramente, calculemos:

7 1 576 49
cotg(2α) = =⇒ sen2 (2 α) = 2
=⇒ sen2 (2 α) = =⇒ cos2 (2 α) = ,
24 1 + cot (2 α) 625 625
7
logo, cos(2 α) = ; utilizemos as seguintes identidades:
25
r
1 − cos(2 α) 3
sen(α) = =
r 2 5
1 + cos(2 α) 4
cos(α) = = .
2 5
Assim:
4u 3v


x = −

 5 5


y 3u 4v
= + .

5 5
Susbtituindo na equação:

−11 + 16 u + 4 u2 − 18 v + 9 v 2 = 0,
completando os quadrados, temos:

(u + 2)2 (v − 1)2
+ = 1,
9 4
que é uma elipse centrada no ponto (−2, 1); fazendo a translação:
(
x1 = u + 2
y1 = v − 1
temos:

x21 y12
+ = 1.
9 4
7.4. A EQUAÇÃO GERAL DE SEGUNDO GRAU 251

-4 -2 2

-1

-2

Figura 7.13: As elipses do exemplo [1].

[2] Elimine o termo misto de 17 x2 + 12 x y + 8 y 2 − 80 = 0, achando o ângulo de rotação.

Como antes, calculemos:

3 16 9
cotg(2α) = =⇒ sen2 (2 α) = =⇒ cos2 (2 α) = ,
4 25 25
3
logo, cos(2 α) = ; utilizamos as seguintes identidades:
5

r √
1 − cos(2 α) 5
sen(α) = =
2 5
r √
1 + cos(2 α) 2 5
cos(α) = = .
2 5

Assim:
 √
5
[2 u − v]


x =

 5
 √


y 5
= [u + 2 v].

5
Susbtituindo na equação:

u2 v2
+ = 1,
4 16
que é uma elipse centrada na origem.
252 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

2
1

-4 -2 2 4
-2 -1 1 2

-1

-1

-2

-3

-2

Figura 7.14: As elipses do exemplo [2].


[3] Elimine o termo misto de x2 − 4 x y + 4 y 2 + 5 5 y + 1 = 0, achando o ângulo de rotação.

Como antes, calculemos:

3 16
cotg(2α) = =⇒ sen2 (2 α) = ,
4 25
3
logo, cos(2 α) = ; utilizemos as seguintes identidades:
5

r √
1 − cos(2 α) 5
sen(α) = =
2 5
r √
1 + cos(2 α) 2 5
cos(α) = = .
2 5

Assim:
 √
5
[2 u − v]


x =

 5
 √


y 5
= [u + 2 v].

5
Susbtituindo na equação:

1 + 5u + 10v + 5v 2 = 0,

que é uma parábola.


7.4. A EQUAÇÃO GERAL DE SEGUNDO GRAU 253

-1.0 -0.5 0.5 1.0 1.5 2.0

-1.0 -0.5 0.5 1.0

-1

-1

-2
-2

-3 -3

Figura 7.15: Parábolas do exemplo [3].

[4] Elimine o termo misto de 3 x2 − 4 x y − 1 = 0, achando o ângulo de rotação.

Neste exemplo, calculemos:

4 2 tg(α) 4
tg(2α) = − ⇐⇒ = − ⇐⇒ 2 tg 2 (α) − 3 tg(α) − 2 = 0.
3 1 − tg 2 (α) 3

1 π
donde tg(α) = 2 ou tg(α) = − . Procuramos rotações para 0 < α ≤ ; utilizando a seguinte
2 2
identidade:

sec2 (α) = 1 + tg 2 (α).

1 4 2
Se tg(α) = 2, temos cos(α) = √ , por outro lado sen2 (α) = , então sen(α) = √ . Assim:
5 5 5
1


 x = √ [u − 2 v]
5




 1
y = √ [2 u + v].


5

Susbtituindo na equação:

4 v 2 − u2 = 1

que é uma hipérbole.


254 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

-2 -1 1 2

-1

-2

Figura 7.16: Hiperbóles do exemplo [4].

7.5 Caso Geral

Muitas vezes para simplificar uma equação que representa uma curva no plano, devemos efe-
tuar, seguidamente, translações e rotações ou vice-versa. Utilizando os parágrafos anteriores
veremos como realizar isto.

Seja P = (x, y) no sistema {O, X, Y}, P = (u, v) no sistema transladado {O1 , U,V}, O1 = (h, k)
e P = (x1 , y1 ) no sistema {O1 , X1 ,Y1 }, proveniente de uma rotação de ângulo α, como no
desenho:

Y
V
Y1
P X1
v

k α
O1 u U

O h X
Figura 7.17:

Logo, temos:
7.5. CASO GERAL 255

( (
x =u+h u = x1 cos(α) − y1 sen(α)
e
y =v+k v = x1 sen(α) + y1 cos(α).
Donde:
(
x = x1 cos(α) − y1 sen(α) + h
y = x1 sen(α) + y1 cos(α) + k.

Exemplo 7.5.
[1] Considere a região do plano limitada pelo triângulo de vértices (1, 1), (1, 4) e (5, 1).
Façamos uma translação::
(
x=u+1
y = v + 1,
seguida de uma rotação de ângulo α = π nos vértices, então:
( (
x = x1 cos(α) − y1 sen(α) + 1 x = −x1 + 1
⇐⇒
y = x1 sen(α) + y1 cos(α) + 1 y = −y1 + 1.
Logo:

(x, y) = (1, 1) =⇒ (0, 0)


(x, y) = (1, 4) =⇒ (0, −3)
(x, y) = (5, 1) =⇒ (−4, 0).

-4 -2 2 4

-1

-2

-3

Figura 7.18: Exemplo [1].


256 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

[2] Considere 3 x2 − 2 x y + 3 y 2 − 2 x − 10 y + 9 = 0.

Como ∆ < 0 a cônica é uma elipse; fazemos primeiramente uma transalação e substituimos na
equação, para eliminar os termos lineares:

(
x =u+h
y =v+k

então:

−2 h + 3 h2 − 10 k − 2 h k + 3 k 2 + (−2 + 6 h − 2 k) u + (−10 − 2 h + 6 k)v + 3 u2 − 2 u v + 3 v 2 + 9 = 0.

Logo, para eliminar os termos lineares devemos ter:

(
−2 + 6 h − 2 k =0
=⇒ h = 1, k = 2.
−10 − 2 h + 6 k =0

Temos:

(
x =u+1
y = v + 2;

substituindo na equação, obtemos:

3 u2 − 2 u v + 3 v 2 − 2 = 0.

Agora façamos uma rotação de ângulo α:

π
cotg(2 α) = 0 =⇒ α = ;
4
e

1


u = √ [x1 − y1 ]
2




 1
v = √ [x1 + y1 ];


2

substituindo na equação, obtemos:

x21 + 2 y12 = 1.
7.5. CASO GERAL 257

2.5

2.0

1.5

1.0

0.5

-1.0 -0.5 0.5 1.0 1.5

-0.5

Figura 7.19: As elipses do exemplo [2].

[3] Considere 52 x2 − 72 x y + 73 y 2 − 104 x + 72 y − 48 = 0.


Como ∆ < 0 a cônica é uma elipse; fazemos, primeiramente uma transalação e substituimos
na equação, para eliminar os termos lineares:
(
x =u+h
y =v+k
então:

F − (104 − 104h + 72k)u + (72 − 72h + 146k)v + 52u2 − 72uv + 73v 2 = 0,

onde F = −48 − 104h + 52h2 + 72k − 72hk + 73k 2 . Logo, para eliminar os termos lineares
devemos ter:
(
−104 + 104h − 72k =0
72 − 72h + 146k = 0.

Temos:
(
x =u+1
y = v;

substituindo na equação, obtemos:

−100 + 52u2 − 72uv + 73v 2 = 0.

Agora façamos uma rotação de ângulo α:

7 4 3
cotg(2 α) = =⇒ cos(α) = , sen(α) = ;
24 5 5
e
258 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

1


u = [4 x1 − 3 y1 ]

 5


v 1
= [3 x1 + 4 y1 ].

5
substituindo na equação, obtemos:

x21 + 4 y12 = 4.

1.5

3
1.0

2
0.5

-0.5 0.5 1.0 1.5 2.0 2.5

-2 -1 1 2

-0.5
-1

-1.0
-2

-1.5 -3

Figura 7.20: As elipses do exemplo [3].

Deixamos ao leitor, verificar que estes tipos de mudanças preservam a distância entre pontos.
√ √
[4] Considere 4 x2 + y 2 − 4x y − 8 5 x − 16 5 y = 0.
Como ∆ = 0 a cônica é uma parábola; fazemos primeiramente, uma rotação de ângulo α:
3 1 2
cotg(2 α) = − =⇒ cos(α) = √ , sen(α) = √ ;
4 5 5
e
1


x = √ [u − 2 v]
5




 1
y = √ [2 u + v],


5
substituindo na equação:

v 2 − 8 u = 0.
Note que não foi necessário fazer translações.
7.5. CASO GERAL 259

-6 -4 -2 2 4 6 8

-2

-4

-6

Figura 7.21: Parábolas do exemplo [4].

[5] Considere 9 x2 + 16 y 2 − 24x y − 34 x − 38 y + 51 = 0.


Como ∆ = 0 a cônica é uma parábola; fazemos primeiramente, uma rotação de ângulo α:

7 4 3
cotg(2 α) = =⇒ cos(α) = , sen(α) = ;
24 5 5
e

1


x = [4 u − 3 v]

 5


y 1
= [3 u + 4 v].

5
Donde, substituindo na equação:

25 v 2 − 50 u − 10 v + 51 = 0.

Agora fazemos uma translação:


(
u = x1 + h
v = y1 + k;

1
logo, k = e h = 1,então:
5

u = x1 + 1
1
v = y1 + ,
5
finalmente, substituindo em 25 v 2 − 50 u − 10 v + 51 = 0, obtemos:

y12 = 2 x1 .
260 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

2 4 6 8

-2

-4

Figura 7.22: Parábolas do exemplo [5].

[6] Considere x2 + 3 x y + y 2 − 10 x − 10 y + 5 = 0.
Como ∆ > 0 a cônica é uma hipérbole; fazemos primeiramente, uma transalação e substituimos
na equação, para eliminar os termos lineares:
(
x =u+h
y =v+k
então, para eliminar os termos lineares devemos ter:
(
2 h + 3 k = 10
=⇒ h = 2, k = 2.
3 u + 2 k = 10
Temos:
(
x =u+2
y = v + 2;
substituindo na equação, obtemos:

u2 + 3 u v + v 2 − 15 = 0.
Agora façamos uma rotação de ângulo α, Como A = C, temos que:

π 1
α= =⇒ cos(α) = sen(α) = √ ;
4 2
e

1

u = √ [x1 − y1 ]

2




 1
v = √ [x1 + y1 ].


2
7.6. ALTERNATIVA 261

Logo, substituindo na equação, temos que:

x21 y2
− 1 = 1.
6 30

10

-10 -5 5 10

-5

-10

Figura 7.23: Hiperbóles do exemplo [6].

Observe que se entramos diretamente com o sistema:


1


 x = √ [x1 − y1 ] + h
2




 1
y = √ [x1 + y1 ] + k,


2
para eliminar os termos lineares, devemos resolver o sistema:
(
h+k =4
h − k = 0;
donde novamente h = k = 2.

7.6 Alternativa
Utilizando algumas propriedades elementares das rotações podemos fazer a eliminação dos
termos mistos para ∆ 6= 0, quando o uso da Trigonometria for muito complicado.

Considere a equação geral de segundo grau:

A x2 + B x y + C y 2 + D x + E y + F = 0.
Se após uma translação, temos:

A1 x2 + B1 x y + C1 y 2 + D1 x + E1 y + F1 = 0,
262 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

é possível provar que, após uma rotação as seguintes quantidades não variam:

1. A + C = A1 + C1 .

2. B 2 − 4 A C = B12 − 4 A1 C1 .

Como desejamos B1 = 0, temos:

4 A C − B2
A1 C1 = .
4
Resolvendo o sistema:

A1 + C1 = A + C
2
A1 C1 = 4 A C − B ,
4
obtemos:

A1 x2 + C1 y 2 + F1 = 0.

Exemplo 7.6.

[1] Simplifique a equação: 20 x2 − 24 x y + 27 y 2 + 24 x − 54 y − 369 = 0.


∆ < 0; é uma elipse; eliminemos os termos lineares:
(
10 h − 6 k = −6
−8 h + 18 k = 18.
Obtendo h = 0 e k = 1; logo:
(
x=u
y = v + 1;
susbtituindo na equação:

20 u2 − 24 u v + 27 v 2 − 396 = 0.
Agora resolvamos o sistema:
 (
A1 + C1 = A + C A1 + C1 = 47
4 A C − B 2 ⇐⇒
A1 C1 = . A1 C1 = 396
4
donde A1 = 36 e C1 = 11 ou A1 = 11 e C1 = 36, então:

u2 v2
36 u2 + 11 v 2 = 396 ⇐⇒ + =1
11 36
ou:
7.6. ALTERNATIVA 263

u2 v2
+ = 1.
36 11

-6 -4 -2 2 4 6

-2

-4

-6

Figura 7.24: Elipses do exemplo [1].

[2] (ITA-1998) Simplifique a equação: 2 x2 − 4 x y + 4 y 2 − 2 x − 8 y + 9 = 0.


∆ < 0; é uma elipse, eliminemos os termos lineares:
(
4h − 4k = 2
−4 h + 8 k = 8.
5
Obtendo h = 3 e k = ; logo:
2

x = u + 3
5
y = v + ;
2
susbtituindo na equação:

u2 − 2 u v + 2 v 2 − 2 = 0.
Agora resolvamos o sistema (aplicado à última equação):
 (
A1 + C1 = A + C A1 + C 1 = 3
4 A C − B 2 ⇐⇒
A1 C1 = . A1 C 1 = 1
4
√ √
3+ 5 3− 5
donde A1 = e C1 = , então:
2 2
√ √
[3 + 5] x2 + [3 − 5] y 2 = 4,
pois F1 = −2.
264 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

Convidamos o leitor a refazer este exemplo utilizando o método anterior.

-2 2 4 6

-1

-2

Figura 7.25: Elipses do exemplo [2].

[3] (ITA-1989) Simplifique a equação: 2 x2 − 4 x y − 4 y 2 − 2 x − 8 y + 9 = 0.


∆ > 0; é uma hipérbole; eliminemos os termos lineares:
(
4h − 4k = 2
−4 h − 8 k = 8.

1 5
Obtendo h = − e k = − ; logo:
3 6

x = u − 1

3
5
y = v − ;

6
susbtituindo na equação:

6u2 − 12uv − 12v 2 + 38 = 0.

Agora resolvamos o sistema (aplicado à última equação):


 (
A1 + C1 = A + C A1 + C1 = −6
2 ⇐⇒
A1 C1 = 4 A C − B . A1 C1 = −108
4
√ √
donde A1 = −3 + 3 13 e C1 = −3 − 3 13, então:
√ √
[3 13 − 3] x2 − [3 + 3 13] y 2 = −38.

Convidamos o leitor a refazer este exemplo utilizando o método anterior.


7.6. ALTERNATIVA 265

-6 -4 -2 2 4 6

-2

-4

-6

Figura 7.26: Hipérboles do exemplo [3].


266 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

7.7 Exercícios
1. Elimine os termos lineares de:

(a) 2 x2 + y 2 + 16 x − 4 y + 32 = 0

(b) 3 x2 + 2 y 2 − 18 x − 8 y + 29 = 0

(c) 4 x2 + 4 y 2 + 32 x − 4 y + 45 = 0

(d) 2 x2 + 5 y 2 − 28 x + 20 y + 108 = 0

(e) 12 x2 − 18 y 2 − 12 x − 12 y − 5 = 0

2. Transforme a equação dada, transladando os eixos à nova origem indicada:

(a) x2 + y 2 + 2 x − 6 y + 6 = 0; (−1, 3).

(b) 3 x2 + 2 y 2 + 12 x − 4 y + 8 = 0; (−2, 1).

(c) 4 x2 − y 2 − 8 x − 10 y − 25 = 0; (1, −5)

(d) x y − 3 x + 4 y − 13 = 0; (−4, 3).

3. Transforme a equação dada, rotando os eixos, no ângulo indicado:

π
(a) x2 − 2 x y + y 2 − x = 0; .
4
√ π
(b) 3 y 2 + 3 x y − 1 = 0; .
3
π
(c) x4 + y 4 + 6 x2 y 2 − 32 = 0; .
4

4. Simplifique a equação dada, por uma translação de eixos adequada:


(a) x + 1 − y−2=0

(b) x2 + 4 y 2 − 16 x + 24 y + 84 = 0

(c) y 2 − 4 x + 8 y + 12 = 0

(d) x2 + y 2 + 4 x − 6 y = 0

Sugestão: nos três últimos exercícios, complete os quadrados e fatore.


7.7. EXERCÍCIOS 267

5. Utilizando uma translação, elimine os termos lineares da equação:

y 2 − x3 + 6 x2 − 12 x − 6 y + 17 = 0

6. Considere a região plana limitada pelas retas y − 2 x = 2, y + 2 x = 2, y − 2 x = −2 e


y + 2 x = −2. Utilizando uma translação adequada, obtenha a região, no sistema {O1 ,
U,V}, limitada por retas paralelas ao eixos coordenados. Esboce as regiões.

7. Identifique a curva 5 x2 + 6 x y + 5 y 2 − 9 = 0 fazendo uma rotação na origem de ângulo


π
igual a .
4

8. Elimine o termo misto x y de cada equação, por meio de uma rotação adequada:

(a) x2 + x y + y 2 = 8
√ √
(b) x2 + 2 3 x y + 3 y 2 + 3 x − y = 0

(c) x2 + 4 x y + 4 y 2 + 12 x − 6 y = 0

(d) 3 x2 − 3 x y − y 2 = 2

(e) 4 x2 − 6 x y − 4 y 2 − 5 = 0

(f) 3 x2 + 2 x y + 3 y 2 − 6 x − 6 y + 1 = 0

9. Simplifique cada uma das equações efetuando translações e rotações adequadas:

(a) x2 + x y + y 2 − 3 y − 6 = 0

(b) x2 + 3 x y − 3 y 2 + 6 x = 0

(c) 2 x2 − 4 x y − y 2 − 4 x − 8 y + 14 = 0
√ √
(d) 4 x2 − 4 x y + y 2 − 8 5 x − 16 5 y = 0

10. Através de translações e rotações, simplifique e identifique as seguintes cônicas:


(a) 7 x2 − 6 3 x y + 13 y 2 = 16.

(b) 8 y 2 + 6 x y − 12 x − 26 y + 11 = 0

(c) x2 − 2 x y + y 2 − 10 x − 6 y + 25 = 0

(d) 16 x2 + 16 y 2 − 16 x + 8 y − 59 = 0

(e) 2 x2 + 3 y 2 − 8 x + 6 y − 7 = 0
268 CAPÍTULO 7. TRANSLAÇÕES E ROTAÇÕES

11. Utilizando o método alternativo indicado no capítulo, identifique a cônica definida pela
equação:

(a) x2 − 10 x y + y 2 + x + y + 1 = 0

(b) 7 x2 + 6 x y − y 2 − 2 x − 10 y − 9 = 0

(c) 7 x2 + 13 y 2 − 6 3 x y − 16 = 0

(d) 7 x2 − 13 y 2 − 6 3 x y − 16 = 0

(e) 6 x2 + 26 y 2 + 20 3 x y − 2 x − 5 y − 324 = 0

π
12. Utilizando uma rotação dos eixos de ângulo , verifique que a equação:
4
√ √
x+ y=1

representa um segmento de parábola.


Sugestão: elimine os radicais antes de efetuar a rotação.

2
13. Obtenha uma translação de eixos tal que y = [sen(x) + cos(x)] + 2 passe a ter a forma
2
v = cos(u) no novo sistema de coordenadas.

π
14. Simplifique a equação x4 + 6 x2 y 2 + y 4 − 16 = 0, utilizando uma rotação de ângulo .
4
Esboce a curva no novo sistema.

15. Considere a equação da forma:

a y 2 + b y + c = p x3 + q x2 + r x + 1.

Verifique que a equação não muda de forma quando se realiza uma translação de eixos
com a nova origem (l, k).

16. Considere a equação da forma:

x2 + y 2 + x + y = 2.

Determine as condições para (h, k) quando se realiza uma translação de eixos, a fim de
que a equação fique da forma:

u2 + v 2 + A u + B v = 0.
.
Capítulo 8

RESPOSTAS

8.1 Capítulo I

1. (a) x ≥
√0 (b) x ≥ 1 (c) x ≤ 1 (d) para todo x ∈ R (e) 0 (f) x = 0, x = 2 + 2e
x=2− 2 √ √
(g) x = −7/2 (h) x = 0 e x = 4 (i) x = 1 (j) x = 2, x = −2 − 2 2 e x = −2 + 2 2
3 (a) (−1, 0) ∪ (0, 1) (b) (−∞, −1] ∪ [2, +∞) (c) (−∞, −2) ∪ (1, +∞) (d) (−∞, −10] ∪ {5}
(e) (−3, −1) (f) (2, +∞) (g) (−3, 1/2) (h) (0, 4) (i) (1, +∞) ∪ (−1, 1) ∪ (−∞, −1) (j)
[−2, 1] √ √
(k) (−1/4, 1/3) (l) (28/5, +∞) (m) (1/2 − 13/2, 1/2 − 13/2)
(n) (−1/6, 1/2) (o) (−2, 0)
5. (a) 0 (b) 42/11
7. (a) (−∞, −1) ∪ (2, +∞) (b) (−∞, −3) ∪ (−1, +∞) (c) (−∞, −45/2) ∪ (55/2, +∞) (d)
(−2/3, 4) (e) (2, 5) ∪ (1, 2) (f) (−10/3, +∞) (g) (−1, −1/2) ∪ (−1/2, −1/4)
9. R ∈ (21/4, +∞)
11. (2, +∞) 13. 23/5, 41/5, 59/5 e 77/5
15. 3, 9, 27, 81, 243 e 729
17. 80 19. 2 21. 9960 23. -1495/9 25. 102300 reais 27. n = 6 29. {192} 31. 55
33. 104850

8.2 Capítulo II
7. Os pontos que estão nas retas: (a) x + y = 4 (b) y + 9x + 58 = (c) 19y = 1 − 7x (d)
41x = 455 + 3y
11. (a) 1 − x + 2y = 0 (b) −1 − 2x + y = 0 (c) −20 − x + 5y = 0 (d) x + y = 0 (e)
1 − 2x + y = 0 (f) x − y = 0 (g) −1 − 4x + 3y = 0 (h) −3 − 2x − 5y = 0
13. (a) 1) paralela 7y−3x−23 = 0, 2) perpendicular 7x+3y+15 = 0 (b) 1) paralela x−3 = 0, 2)
perpendicular y +2 = 0 (c) 1) paralela y +5x+7 = 0, 2) perpendicular 5y −x−17 = 0 (d) 1)
paralela 4y −x = 0, 2) perpendicular y +4x = 0 (e) 1) paralela 2y −x−3 = 0, 2) perpendicular
y = 2x − 4 = 0 (f) 1) paralela 2y − 7x − 2 = 0, 2) perpendicular 7y + 2x − 7 = 0
15. 6 17. −4 + 2x + 3y = 0 21. 16 − 24x + 30y = 0

269
270 CAPÍTULO 8. RESPOSTAS

23. 2x − 7y + k = 0 25. k = 2 e 2 x − y + 8 = 0
27. k = 65 29. 12x − 5y − 3/2 = 0
31. 3x − y + 5 = 0 33. x = 1/3 e y = 11/6 35. x = 5 e y = 8

8.3 Capítulo III


√ √
1. (a) (1, 1) e r = 7 (b) (1/2, 1/2) e r = 2/2 (c) (3, 4) e r = 5
3. (a) y 2 = 16x (b) x2 = −12y (c) y 2 = −2x (d) x2 = 8y (e) y 2 = −28x (f) x2 = −y
7. (a) x2 /18 + y 2 /14 = 1 (c) x2 /36 + y 2 /32 = 1 (d) x2 /25 + y 2 /9 = 1 (e) x2 /12 + y 2 /16 =
1 √ √
11. (a) x2 /4 − y 2 /16 = 1; centro (0, 0); vértices (2, 0), (−2, 0), focos (−2 5, 0), (2 5, 0); assíntota
y = ±2x √ √
(b) y 2 /9 − x2 = 1; centro (0, 0); vértices (0, −1), (0, 1), focos (0, − 10), (0, 10); assíntota
y = ±3x √ √ √
(c) (y −2)2√ /4−(x+2)2 = 1; centro (2, −2); vértices (0, 2+2 5), (0, 2−2 5), focos (2, −2+2 5),
(2, −2 − 2 5); assíntota y = 2 ± 2(x + 2) √ √
2 2
(d) (x + √ 4) /9 − (y −√3) = 1; centro (−4, 3); vértices (−4 + 3 10, 0), (−4 − 3 10, 0), focos
(−4 + 10, 3), (−4 − 10, 3); assíntota y = 3 ± (x + 4)/3 √ √ √
2 2
√ /4−(y+2) /16 = 1; centro (3, −2); vértices (3+ 5, 0), (3− 5, 0), focos (3+2 5, −2),
(e) (x−3)
(3 − 2 5, −2); assíntota y = −2 ± 2(x − 3) √ √
(f) (y + 2)√2 /2 − (x − 1)√2 /4 = 1; centro (1, −2); vértices (0, −2 + 10/2), (0, −2 − 10/2), focos

(1, −2 + 6), (1, −2 − 6); assíntota y = −2 ± 2 (x − 1)/2

13. (a) parábola (b) hipérbole (c) círculo (d) parábola (e) elipse (f) hipérbole (g)
elipse (h) círculo (i) círculo (j) hipérbole (k) círculo (l) um ponto (m) um ponto
(n) círculo
15. y = x2 + 2 x − 3 um ponto 17. 5y − 2x − 19 = 0
21. Por exemplo k = 3 um ponto 23. Por exemplo m = ±3/4
25. (x − 53/10)2 + (y + 3/10)2 = 1258/100 um ponto 27. (x + 10)2 + y 2 = 64
29. k ∈ (−∞, −9/2) ∪ (9/2, +∞)
31. (x + 1)2 + (y − 7)2 = 8 √
37. (a) x = 1, y = 0; x = −1, y = 0 e x = 1.414213, y = 1 e x = − 2, y = 1.
(b) x = −3, y = 2; x = 3, y = 2; x = −3, y = −2 e x = 3, y = −2

8.4 Capítulo IV
1. (a) x4 − 8 x3 + 2 x2 + 2x − 5 (b) 5 x4 − 15 x3 − 4 x2 + 2 x − 3 + x7 − x6 + x5
(c) −6 x6 − 10 x5 + 11 x4 − 12 x3 + 11 x2 − 10 x + 3 + 6 x7 − x8
(d) x7 − 4 x6 + 3 x5 − 2 x4 + 3 x3 − 11 x2 + 11 x − 4
x(x2 −x+1)(x4 −3 x3 −x2 +x−1)
(e) x2 −3 x+2
−4+17 x+32 x4 +18 x3 −30 x2 −22 x7 +60 x6 −67 x5 −3 x8 +14 x9 −7 x10 +x11
(f) (x2 −3 x+2)x(x2 −x+1)(x4 −3 x3 −x2 +x−1)
2
(x4 −3 x3 −2 x2 +4 x−3)
(g) x2 (x−1)
8.5. CAPÍTULO V 271

3. (a) 3 x2 + 9 x + 10 e res = −39 (b) 5x4 − 5x3 + x2 − x − 1 e res = 2 (c) x10 − x9 + x8 −


x7 + x6 − x5 + x4 − x3 + x2 − x + 1 e res = −2
(d) x3 − 4 x2 + 16 x − 63 e res = −256 + 253x (e) x − 2 e res = 3 − x
5. (a) a = 8, b = −24 (b) a = −17,√b = −3 e a =√−2, b = 0 (c) a = 5, b = 2 (d) a = −13,
b = 2 9. x = −1, x = 2/3, x = 1 − 2 e x = 1 + 2
11. Não 13. a = −10 e R(x) = 9x − 18
15. (a) x = 24, y = −12 (b) x = −13/17, y = 23/17 (c) x = −6, y = −1 (d) x = 47, y = 35
(e) x = 2, y = 1 (f) x = −2, y = 1 e x = −1, y = 2 (g) x = 0, y = 1 e x = −1, y = 2 (h)
x = 3, y = 2 e x = −3, y = −2 (i) x = 3, y = 2, x = −3, y = 2, x = 3, y = −2 e x = −3, y = −2
(j) x = 3, y = 1 e x = −3, y = −1

15. (a) (b) (c) (d) (e)


3 3 3 3

2 2 2

1 1 1

1
-3 -2 -1 1 2 3 -3 -2 -1 1 2 3 -3 -2 -1 1 2 3

-1 -1 -1

-1 1 2 3

-2 -2 -2

(f) -1 (g) -3 (h) -3 (i) -3

19. x > 2 21. 8, 9 e 10 23. 1, 2, 3, 2, 3, 4


25. Cada lado igual mede 8 cm eo desigual 3 cm
29. 7 e 9 33. 24 unidades e 10 unidades 35. 75 m e 40 m

8.5 Capítulo V

1. (a) cos(θ)√ (b) sen(θ) (c)√sec(θ) (d) sen(θ) (e) cos(θ) √ (f) −sen(θ) cos(θ)
√ 3. − 3
5. cos(x) = 5/3, sec(x) = 3/√ 5, cosec(x) = 3/2,√tg(x) = 2 5/5, cotg(x)
√ = 5/2 5 √
7. cos(x) = −1/3, sen(x) = 2 2/3, cosec(x) = 3 2/4, tg(x) = −2 2, cotg(x) = −1/2 2.
15. (a) x = π/2 e x = 0 (b) x = π/4 e x = −π/6 (c) x = 0, x = π, x = 2π/3 e x = −2π/3
(d) x = π, x = π/3
(e) x = ±π/2 (f) x = π/2, x = π/6 (g) x = π/2, x = 3π/2 (h) x = 0, x = π/6
(i) faça u = sen(x); x = π/2 (j) faça u = cos(x) (k) faça u = cotg(x) x = π/4 (l) sem
solução (m) x = π/3 e x = π (n) x = π/2, x = 3π/2
19. (a) x = π/6, y = 5π/6 (b) x = 0, y = π/2; x = π/2, y = 0 (c) x = π/6, y = π/3
(d) x = π/2, y = π/2; x = π, y = 0 (e) x = π/3, y = π/3
(f) reescreva:
sen(x) cos(y) = 1/2 (sen(x + y) + sen(x − y) e cos(x) sen(y) = 1/2 (sen(x + y) − sen(x − y),
x = y = π/4
(g) x = π/3, y = 0

8.6 Capítulo VI
1. k = 7 5. A ∼ = 53.76 m2 7. 5 sqrt3 cm; ângulos: 0.903 rad e 0.6660 rad 9. 103.92 cm2
11. catetos ∼
= 2.46 m e ∼
= 1.72 m 13. base ∼
= 445.94 cm; altura ∼
= 350 cm
272 CAPÍTULO 8. RESPOSTAS

17. (a) b ∼
= 1.06, c ∼
= 2.7, γ = 2π/3 (b) a ∼ = 4.95, b ∼
= 8.26, γ = 5π/18 (c) a ∼ = 1.305, b ∼
= 1.305,

γ = 5π/9 (d) α = 5π/9, a = 5.24, c = 0.92∼
19. (a) b ∼= 0.66, c ∼= 1.29, γ = 5π/9 (b) não existe triângulo (c) b ∼
= 3.32, α ∼= 1.1 rad,
γ = 0.3 rad √
(d) a ∼= 8.082, β ∼= 0.173 rad, γ = 0.217 rad (e) β = 13π/18, a ∼= 0.54, b ∼
= 2.38 (f) c = 3,
α = π/6, β = π/2
(h) b ∼
=√4.25, β ∼
= 0.99 rad, γ ∼= 0.41 rad (i) α ∼ = 1.063 rad, β ∼= 0.748 rad, γ ∼
= 1.33 rad
∼ ∼
(j) b = 13 α = 0.98 rad,γ = 0.59 rad
21. a = 94 cm 25. 90.34 m 27. h ∼
= 79.89 cm, b ∼
= 26.53 cm
29. 0.25 ∼
31. = 22.9 m 33. α = 1.57 rad, β = 0.93 rad, γ ∼
∼ = 0.64 rad 37. ∼ = 459.8 cm

8.7 Capítulo VII


1. (a) 2u2 + v 2 − 4 = 0 (b) 3u2 + 2v 2 − 6 = 0 (c) u2 + v 2 − 5 = 0 (d) 2u2 + 5v 2 − 10 = 0
(e) 2u2 − 3v 2 − 1 √=0 √ √
3. (a) −u + v + 2 2 v 2 = 0 (b) −2 + 3 3 u2 − 3 v 2 = 0 (c) −16 + u4 + v 4 = 0
(
x =u+h
5. (a) Fazer a translação
y = v + k.
(
−3 h2 − 12 + 12 h = 0
(b) Agrupe os termos lineares e obter as equações:
−6 + 2 k = 0
(c) Resolva o sistema, obtendo h = 2 e k = 3.
(d) Faça a translação teremos: v 2 − u3 = 0
7. Elipse 8 u2 + 2 v 2 = 9 9. (a) x21 /6 + y12 /18 = 1 (b) 21x21 − 49y12 = 72 (c) 10x21 − 7y12 = 120
(d) v 2 − 8u = 0 √ √ √
11. (a) hipérbole (32(u − 2/8)2 − 48v 2 = 9 (b) hipérbole (4(u − 1/ 10)2 − (v + 7/ 10)2 = 7
(c) elipse u2 /4 + v 2 = 1 (e) hipérbole
13. x = u + π/4, y = v + 2
Bibliografia

[SM] Sullivan M.: Precalculo, Pearson Educación

[CH] Consortium Harvard: Calculus, John Wiley & Sons, Inc

[JS] J. Stewart: Calculus, concepts and contex, Brooks/Cole Publishing Company, Itp.

273