Sie sind auf Seite 1von 3

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA

PLANO DE DISCIPLINA

CURSO: Farmácia
DEPARTAMENTO: Farmácia
COMPONENTECURRICULAR: Química Farmacêutica
PERÍODO DE ESTUDO: 5º período
CARGA HORÁRIA TOTAL: 90h
PRÁTICA: 45h
TEÓRICA: 45 h
DISTRIBUIÇÃO DE TURMAS: Única
TEORIA: 40 alunos
PRÁTICA: Duas turmas de 20 alunos cada
PROFESSOR(ES): Maria do Carmo Frechiani

EMENTA

É importante conhecer a evolução histórica e o desenvolvimento dos fármacos, assim como a estrutura
química e propriedades físico-químicas de fármacos de diferentes classes terapêuticas relacionadas
respectivamente com a atividade farmacológica e farmacocinética. É também importante, conhecer os
diferentes métodos de síntese industrial e saber determinar a pureza dos fármacos através de métodos físico-
químicos de análise, possibilitando ao futuro profissional farmacêutico uma visão ampla, crítica e ética
relacionada à produção e utilização racional dos fármacos na prevenção, tratamento e cura das doenças.

CONTEÚDOS

 Conceito de Química Farmacêutica


 Evolução histórica e desenvolvimento de fármacos
 Estudo dos fármacos de acordo com as classes terapêuticas
 Quimiterápicos
 Hipnóticos sedativos
 Anestésicos locais
 Analgésicos, antitérmicos
 Antiinflamatórios
 Hormônios sexuais
 Aspectos abordados dos fármacos dentro das classes terapêuticas apresentadas
 Síntese industrial
 Reconhecimento dos grupos químicos ( grupos farmacofóricos) na estrutura responsáveis pela atividade
farmacológica.
 Influência das características físico-químicas nas propriedades farmacocinéticas.
 Relação entre a estrutura química e o mecanismo de ação.
 Previsão do perfil de novos fármacos de acordo com a estrutura química planejada.
 Apresentação da Farmacopéia Brasileira e outros códigos oficiais
 Estudo dos fármacos ( matéria- prima ) das classes terapêuticas apresentadas.
 Estudo dos métodos gerais de análise
 Ensaios limite e coloração de líquidos
 Determinação das constantes físicas
 Determinação da concentração
COMPETÊNCIAS GLOBAIS
 Conceituar Química Farmacêutica segundo diferentes autores.
 Dar-se conta da importância da evolução histórica , descoberta e desenvolvimento dos fármacos.
 Relacionar a estrutura química dos fármacos com a atividade farmacológica , além de reconhecer a influência
das características físico-químicas nas propriedades farmacocinéticas dos fármacos.
 Utilizar adequadamente os métodos físico-químicos de análise descritos na Farmacopéia Brasileira para
determinar e avaliar a qualidade dos fármacos utilizados no mercado farmacêutico.
 Conhecer e distinguir os diferentes métodos estratégicos de planejamento de fármacos e seus diferentes
processos de síntese industrial .
 Apresentar uma visão ampla, crítica e ética relacionada à produção e utilização racional dos fármacos na
prevenção, tratamento e cura das doenças


ESTRATÉGIAS
AULAS
COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DE ENSINO
Teórica /
APRENDIZAGEM
Prática
CONTEÚDOS

CONCEITUAIS PROCEDIMENTAIS ATITUDINAIS


 Utilizar os conceitos  Descrever a importância  Interessar-se pela  Aulas expositivas  02h
de Química dos conceitos básicos iaplicação dos conceitos dialogadas .
Farmacêutica. utilizados na Química básicos da Química
Farmacêutica. Farmacêutica.
 Conhecer a  .Esquematizar os  .Conscientizar-se da  Aulas expositivas  06h
evolução histórica, aspectos principais da importância do dialogadas
descoberta e o evolução histórica, conhecimento sobre a
desenvolvimento descoberta e o evolução histórica,
dos fármacos. desenvolvimento dos descoberta e o
fármacos de modo geral. desenvolvimento dos
fármacos.
 Identificar os  Descrever a estrutura  Valorizar o conhecimento  Aulas expositivas  37h
fármacos de química e correlacionar da estrutura química dos dialogadas .Estudos
diferentes classes com a atividade fármacos e sua relação orientados em
terapêuticas através farmacológica e com a atividade grupos
do estudo da propriedades farmacológica para uma  Trabalhos de
estrutura química, farmacocinéticas dos melhor compreensão do pesquisa (consulta
características fármacos. uso racional dos mesmos. em internet )
físico-químicas  Discussão de casos
relacionadas com a e dramatização
atividade
farmacológica e
propriedades
farmacocinéticas.
 Conhecer e saber  Consultar e correlacionar  Conscientizar-se da  Aulas expositivas  03h
utilizar os códigos os diferentes métodos de importância da utilização dialogadas.
oficiais para o análise físico-químico do código oficial. Pesquisa em
controle físico- utilizados em códigos material
químico das oficiais visando o controle bibliográfico.
matéria-primas dos físico-químico das Discussão em
fármacos matéria-primas dos pequenos grupos
fármacos. em aulas práticas de
laboratório.
 Saber proceder a  Realizar experimentos,  Valorizar a necessidade  Aulas práticas em  42h
análise físico- aplicando métodos físico- do conhecimento e pequenos grupos.
química da matéria- químicos de análise da aplicação dos métodos  Apresentação de
prima dos fármacos matéria-prima dos físico-químcos de análise relatórios sobre os
assegurando a fármacos. da matéira prima dos experimentos
qualidade dos  Elaborar laudos técnicos fármacos como uma das realizados.
mesmos . diferentes formas de  Elaboração de
assegurar a qualidade laudos técnicos
dos fármacos disponíveis
no mercado farmacêutico.
 Conscientizar-se da
importância dos laudos
técnicos.
RECURSOS MATERIAIS
 Utilização de quadro de pincel, transparências, datashow. Utlização de artigos científicos/Textos. Internet,
computador.
 Materiais , reagentes, vidrarias, instrumentos utilizados para avaliar a pureza da matéria-prima do fármaco.

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO (CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS)


 Avaliações estarão baseadas nas competências explicitadas. Serão utilizados diferentes instrumentos, tais
como :
 Provas individuais e coletivas práticas e teóricas;
 Relatórios individuais das aulas práticas.
 Observação do desempenho do aluno em aulas práticas e teóricas.

ACOMPANHAMENTO DO COMPONETNE CURRICULAR (Auto avaliação)

 Desenvolvimento das aulas, por meio de conversas com os alunos e documentos formais;
 Troca de experiências entre os professores;
 Rendimento do aluno em sala de aula através de sua participação.
 Os aspectos negativos serão considerados como possibilidades de reorientar o planejamento.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Bibliografia Básica:
KOROLKOVAS, A.; BURCKHALTER, J. H. Química Farmacêutica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.

MARTINDALE the complete drug reference. 35.ed. London: Pharmaceutical Press, 2007. 1 CD-ROM

Bibliografia Complementar:
BRUNTON, L. L. (Eds.). Goodman & Gilman as bases farmacológicas da terapêutica. 11. ed. Rio de Janeiro:
Mc Graw-Hill, 2006.

FRAGA, C. A. M. ; BARREIRO, E. J. Química medicinal: as bases moleculares da ação dos fármacos. Porto
Alegre: Artmed, 2001.

FARMACOPEIA brasileira. 4. ed. São Paulo: Atheneu, 1988. 2pt

FARMACOPEIA brasileira. 3. ed. São Paulo: Orgnização Andrei, 1977.

FOYE, W. O.; LEMKE, T. L.; WILLIAMS, D. A. (Ed.). Principles of medicinal chemistry. 4. ed. Baltimore:
Williams & Wilkins, 1995. temos 1 ex.

GOODMAN, L. S.; GILMAN, A. As bases farmacológicas da terapêutica. 9. ed. Rio de Janeiro: Mc Graw-Hill,
1996. 1436 p.

PARFITT, K. (Ed.) Martindale: the complete drug reference. 32.ed. London: Pharmaceutical Press, 1999.
2315 p.

THE UNITED HARMACOPEIA CONVENTION. The unitade states pharmacopeia: the national formulary.
Rockville,MD: Rand McNally, 1995.

REVISTAS
Química Nova
Revista Brasileira de Farmácia
Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas/Brazilian Journal of Pharmaceutical