Sie sind auf Seite 1von 15
09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas O

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

O PAPEL DA ECONOMIA CRIATIVA NO PROCESSO DE GENTRIFICAÇÃO DO

PORTO MARAVILHA

Amanda Wanis 1

Resumo: Nas últimas décadas viemos acompanhando a ascensão das ideias sobre economia criativa e sua difusão pelo mundo. No Brasil, tais ideias ganham força a partir de 2009, momento em que o Brasil se torna centro das atenções mundiais por sediar megaeventos esportivos. As ideias da chamada economia criativa reforçam o caráter capitalista das produções culturais, intensificando o processo de mercantilização da cultura, observados por Adorno desde meados do século passado. Neste artigo, estabelecerei relações preliminares entre o incentivo às empresas e coletivos criativos na área do porto maravilha, as transformações simbólicas envolvidas nas transformações urbanas dessa região e em que medida esses incentivos às chamadas classe criativas tem sido utilizada como estratégia para a gentrificação na região.

Palavras-chave: Urbanismo culturalizado, Gentrificação, Economia Criativa, Políticas Culturais, Porto Maravilha, Megaeventos, cultura como recurso.

INTRODUÇÃO

Nas últimas décadas, a cultura tem ganhado destaque nas agendas

internacionais de atores públicos principalmente no que se refere a planejamento

urbano e desenvolvimento econômico. Nessa perspectiva, a cultura deixa de ser um

fator neutro e passar a ser parte decisiva na gestão de cidades, que passa por nova

transformação para tentar se adequar à realidade das produções imateriais. Desse

modo, as transformações espaciais ultrapassam as dimensões físico-territoriais e

passam a estar relacionadas mais diretamente com aspectos das culturas locais.

1

Doutoranda do programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense (UFF) e Produtora Cultural do Instituto de Arte e Comunicação Social (IACS) da UFF. awanis@gmail.com.

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas Os

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

Os megaeventos esportivos também caminham nessa lógica e são utilizados como mola propulsora para a restruturação e recuperação econômica dos lugares. Neste cenário, encontra-se também a cidade do Rio de Janeiro, sede dos maiores eventos esportivos mundiais. Seus agentes públicos e representantes da coalizão local trazem a percepção do momento de oportunidade de ‘Re’ construir a imagem da cidade moldada nos novos paradigmas internacionais. Essa chamada ‘Re’construção simbólica da cidade, no entanto, tem sido produzida à revelia da multiplicidade e complexidade da cidade, apoiada em conceitos e princípios que pautam projetos e ações que, muitas vezes, vêm impulsionando processos de gentrificação, com dinâmicas concomitantes à construção da chamada cidade- espetáculo e cidade-mercadoria. Entre esses processos, destacamos o espaço que as políticas culturais vêm ocupando nas agendas públicas e sua relação com as transformações urbanas. Em meio a uma trajetória descontínua, frágil e disputada por distintos atores sociais, conceitos como da economia criativa ganham significados e status de política pública reforçando a ideia de cidade-empresa-cultural, ressignificando o papel do estado no desenvolvimento da cultura. O ideário de Cidade Criativa, difundido por agentes internacionais e posto em prática por atores locais, impulsiona o discurso econômico, trazendo a cultura à centralidade da pauta urbana, como justificativa de valor, tornando-se, então, ferramenta de mobilização de recursos econômicos. No Rio de Janeiro, esse ideário ganha espaço à medida que agentes públicos entendem a cultura como ferramenta na construção de uma imagem-marca de um “Rio mais criativo” e “amigável aos negócios”. No entanto, esses processos não são uma peculiaridade da cidade do Rio de Janeiro, percebemos a utilização das políticas culturais como recurso para a renovação tanto da economia como do espaço urbano em inúmeras cidades ao redor do mundo. No Brasil, especificamente no Rio de Janeiro, esses processos vêm sendo, por um lado, acelerados por este momento de sediar megaeventos internacionais e, por outro, tem servindo como

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas estratégia

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

estratégia de adesão social ao projeto de cidade que vem sendo implementado nos últimos anos. Neste artigo buscarei evidenciar como os ideários da economia criativa têm sido utilizados como recurso no processo de gentrificação que ocorre na região denominada Porto Maravilha. Em um primeiro momento, analisaremos a construção por parte dos agentes municipais e coalizões dominantes da percepção de espaço público, a relação essa percepção e a produção cultural urbana, assim como algumas ações que evidenciam o processo de privatização e normatização do espaço para possibilitar a fluidez do capital. Ainda nesse processo, perceber ações e políticas voltadas a economia criativa que reforçam esse caráter além de ser um recurso poderoso na aderência social a esse processo de cidade. Em um segundo momento, analisarei alguns aspectos gentrificadores já passíveis de observação no território, uma vez que esse é um processo em andamento. Evidenciarei como as atividades ditas ‘criativas’ e os coletivos e empresas estão contribuindo como um primeiro passo nesse processo. Demonstrarei ainda que essa não é uma peculiaridade carioca, mas um processo observado em outros locais no mundo, principalmente nesses momentos de grandes transformações urbanas. Analisarei também, como esse discurso se alinha ao momento de oportunidades que os gestores públicos e as coalizações dominantes atribuem à cidade ser sede de megaevento esportivo.

ESPAÇO PÚBLICO OU ESPAÇO PRIVADO ABERTO: A PRIVATIZAÇÃO DO PORTO MARAVILHA E SUA RELAÇÃO COM A CULTURA

O espaço público ocupa uma importante posição ideológica na sociedade democrática, conforme afirma Mitchell (1995), essa percepção sobre o espaço público se transformou desde, por exemplo, a antiga Grécia, e a definição mais recente encontra-se mais próxima a uma percepção normativa para o espaço do que uma descrição empírica das maneiras pelas quais esses espaços funcionam.

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas Neste

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

Neste artigo, defino o espaço público como “a representação material onde as interações sociais e atividades políticas de todos os agentes públicos acontece” (MITCHELL, 1995), neste sentido, é também nesse espaço onde os sistemas de significações sociais, atribuições simbólicas, e a própria construção cultural acontece. Para esse fim, é fundamental percebermos as construções simbólicas de espaço público atualmente difundidas na área de grande transformação urbana chamada de “Porto Maravilha”. Ainda antes de nos debruçarmos na região especificamente, é importante perceber quais ideologias e simbolismos estão envolvidos na percepção do espaço público, ou na construção de um espaço privado aberto. Ainda segundo Mitchell (1995), como construção ideológica, o espaço público possui dupla importância, sua articulação implica na noção de inclusão, o que o torna ponto de encontro de ações políticas e também é entendido como um local de liberdade de expressão no qual grupos marginalizados podem lutar por seus direitos. Desse modo, ao mesmo tempo em que o espaço público é um local de liberdade ele é também um espaço de disputas simbólicas e políticas. Contudo, essa mesma definição de espaço público pode tomar outros contornos quando a percebemos em uma cidade desigual, como o é acentuadamente o Rio de Janeiro. Nesse sentido, é fundamental diferenciar, como assim o fez Novais (2014),

as ideias de diferença e desigualdade. Para o autor, “a primeira refere-se à distinção

socialmente estabelecida entre as pessoas e grupos (

A segunda indica processo

suplementar de construção social que envolve o reconhecimento do que é desejável.” E ele continua: “Desigualdade diz respeito à redistribuição desequilibrada de recursos coletivos e à exposição desproporcional aos problemas decorrentes das práticas sociais.” A partir dessa diferenciação, percebemos que as disputas estabelecidas no espaço são também disputas desequilibradas, a partir do entendimento que os

diversos atores sociais possuem condições desiguais para impor seus interesses (NOVAIS, 2014). Ainda dialogando com Novais (2014) quando ele, a partir da

).

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas definição

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

definição de Ascher, afirma que apesar da sociedade contemporânea possuir uma forte imagem de intenso processo de diferenciação, processo esse que percebe a cidade como território plural, de singularidades e identidades, esse reconhecimento do diferente exclui a noção de desigualdade, assim como os conflitos. Somada a percepção de que a cidade é uma grande empresa e seus cidadãos consumidores, observamos aqui a virada da percepção do espaço público de liberdade e inclusão para um lugar de exclusão e despolitizado, no qual se percebe, ideologicamente, o diferente, mas ainda dentro de uma “base de categorias consideradas legítimas” (NOVAIS, 2014). Outro fator que corrobora esse processo contemporâneo de percepção do espaço público é a necessidade de ordenamento que o sistema capitalista precisa para escoar seus fluxos (GARNIER, 1076), ainda que em um processo contraditório de ordem e desordem urbana, por vezes o estado é invocado a atuar no ordenamento urbano para que o sistema capitalista continue a atuar sobre suas leis. É nesse processo que os espaços públicos se tornam espaço de recreação e entretenimento, espetacularizado, com regras de uso ou comportamento social determinado, se constituindo como um espaço de controle, de ordem e seguro (MITCHELL, 1995). Em outras palavras, na sociedade do consumo, em nome do conforto, segurança e lucratividade, as atividades políticas são repelidas do espaço público por um espetáculo altamente mercantilizado projetado para vender (MITCHELL, 1995). A diversidade legitimada cria espaços vendáveis em oposição ao descontrole social, a disneyficação dos espaços implica em alienação perante as possibilidades de relações sociais não-mediadas e aumenta o controle dos grupos de atores econômicos e sociais dominantes sobre a produção e utilização do espaço (MITCHELL, 1995). Nesse processo, as manifestações culturais e produções artísticas também respondem aos processos de ‘diversidade seletiva’ e ordenamento das relações sociais limitando, a partir de uma ordem econômica mercadológica, as possibilidades de criação.

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas No

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

No caso da região portuária do Rio de Janeiro, localizado próximo à região central da cidade, incluindo os bairros da Saúde, Gamboa e Santo Cristo, o processo extrapola essa compreensão contemporânea de espaço público e engendra-se pelo caminho da privatização do espaço público, tornando-o um espaço privado aberto. O plano urbanístico atual para a área, apresentado em sua versão inicial em 2009, “Porto Maravilha”, surge em um novo contexto de ‘requalificação’ do espaço em vistas a sede dos megaeventos que viriam nos anos seguintes. Nessa perspectiva, a cidade passa a ser tratada como produto, difundida com o objetivo de captar investimentos internacionais. O projeto de desenvolvimento da cidade se volta estritamente à sua performance econômica, pautando as ações na lógica do funcionamento de uma grande empresa (GOMES, 2012). Para alcançar esses objetivos, a gestão municipal optou por uma Operação Urbana Consorciada gerenciada por uma entidade específica, e ao que se entende até então, autônoma das demais instâncias administrativas do município, a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (CEDURP). Outro fator que corrobora a essa percepção de espaço privado aberto é a concessão das obras a um único consórcio, com a inclusão de alguns serviços urbanos como limpeza e manutenção (ALBRECHT, 2012). Para evidenciar esses processos de ordenamento, exclusão e privatização do espaço público, analisemos uma das ações de intervenção urbana relacionada com o espaço público e cultura é o Circuito da Herança Africana. O circuito foi criado a partir dos achados arqueológicos no Cais da Imperatriz, os quais evidenciaram que alí desembarcavam os escravos originários da Bahía e do Continente africano (GUIMARÃES, 2014). Segundo entrevista concedida por representantes do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), o circuito incluiu O Cais do Valongo, a Pedra do Sal, Jardim Suspenso do Valongo, Largo do Depósito, Cemitério dos Pretos Novos e Centro Cultural José Bonifácio. Segundo as representantes do IRPH, embora haja o mapa do circuito, não há marcos que oriente o visitante a percorrer e conhecer a história da herança Africana.

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas Motivados

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

Motivados pelo intercâmbio de uma americana especialista em cultura africana, o grupo de trabalho, que não é o mesmo idealizador do circuito, propôs uma série de marcos, sinalizações e memoriais para compor o circuito. Quando perguntadas sobre qual a relação entre a proposta e os diversos atores locais, uma das representantes disse ter apresentado a proposta ao Grupo de Trabalho Curatorial do Circuito Histórico e Arqueológico da Herança Africana, criado em 2011. O grupo é composto por representantes de instituições do circuito, representantes convidados e passiveis de substituição, e um corpo fixo de membros do poder público (Decreto Municipal 34.80). Portanto, o IRPH reduz a participação da criação desse circuito à uma representação que, notoriamente, possui uma prevalência da gestão municipal, tomando essa representatividade como um processo participativo. No entanto, o processo de captura da cultura afro-brasileira e sua transformação em imagem vendável de uma herança cultural fica mais evidente quando observamos os marcos propostos, os quais possuem basicamente o papel de ordenamento e controle da atuação nesse espaço público. Outro fator relevante nesse processo de ordenamento também dessa herança cultural é a pouca ou quase nenhuma interação entre essa proposta para o Circuito e a própria criação e manutenção do mesmo pela CDUR. Quando, em entrevista, questionadas pela relação do circuito e as demais ações realizadas no Porto Maravilha a resposta era “isso fica a cargo da CDURP”, dando-nos a entender que as ações propostas pouco tem relação com o próprio território, no sentido em que entendemos o espaço público como as relações sociais que nele ocorrem. Esse ordenamento e controle acaba por afastar a população que alí vivia, e os que ainda resistem, aqueles herdeiros vivos dessa herança afro-brasileira, uma população invisível também ao poder público, para permitir que “o carioca” posso descobrir suas heranças históricas. A partir da fala, encontrada em vários atores, públicos e privados, atuantes na área do Porto Maravilha, sobre as possibilidades que o projeto do Porto Maravilha abrem para “o carioca”, entendido como o morador da zona sul da cidade,

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas percebemos,

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

percebemos, assim como Novais (2014), que a desigualdade não é uma questão para esses atores e, portanto, aquelas relações que ainda resistem na região, relações de um momento pré-porto maravilha, se tornam invisível e portanto alheias a qualquer benefício proposto pelas políticas públicas construídas para essa região. Desse modo, percebemos que a mudança ideológica na percepção do espaço público, somada ao processo de privatização do espaço, ao projeto de cidade que envolvem as sedes de megaeventos esportivos e a captura dos processos culturais como imagem de uma herança africana vendável transformam simbolicamente o espaço, mesmo que para o circuito especificamente não tenha havido grandes transformações físicas, atribuindo força à uma percepção de espaço e a uma noção de pertencimento voltada a uma “word class” de turistas e empreendedores e enfraquecendo e invisibilizando a cultura afro-brasileira viva ainda existente no território. Este seria um primeiro passo rumo a uma gentrificação simbólica do espaço.

GENTRIFICAÇÃO NO PORTO MARAVILHA: ECONOMIA CRIATIVA COMO RECURSO Segundo Smith (2006), o processo de gentrificação pôde ser observado ainda na década de setenta como uma dimensão central do novo urbanismo que surgia naquele período. Para o autor, “a gentrificação implica no deslocamento dos moradores das classes populares dos centros” (SMITH, 2006 pg 63). No entanto, este processo sofreu algumas transformações ao longo do tempo e hoje ele apresenta um “significado tangível de renovação econômica e cultural” (SMITH, 2006 pg 64). Desse modo, a gentrificação passou a não representar mais somente uma estratégia de habitação, mas é a centralidade das mudanças metropolitanas nas áreas centrais das cidades, sejam elas de pequeno ou médio porte. Nesse sentido, ainda segundo Smith (2006), a gentrificação irá produzir paisagens urbanas as quais a classe média e media alta podem ‘consumir’ a partir de um processo de limpeza étnica e social dos territórios.

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas Neste

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

Neste momento, nos interessa mais o processo simbólico da gentrificação, da construção de nova identidade que corroborem com o processo de ‘limpeza’ do que a própria questão habitacional, embora, em certa medida, essa esteja relacionada àquela. Nesse sentido, é importante perceber que já foram realizadas algumas tentativas de transformação da região portuária. Segundo Guimarães (2014), a região recebeu ao longo do último século projetos urbanísticos que tinham como centralidade a idealização de um passado português (GUIMARÃES, 2014), a partir de uma macro-história que busca a autenticidade do lugar, sem que para isso reconhecesse suas dinâmicas sociais e culturais. Segundo a autora Roberta Guimarães, o último plano para a área (Plano Porto do Rio), divulgado em 2001, trazia uma percepção do lugar enquanto ‘vazios’ e ‘abandonos’ em uma percepção macroanalítica na qual apenas levava em consideração os aspectos industriais, e os edifícios públicos abandonados com a transferência da capital do Brasil para Brasília. Os aspectos residenciais e comerciais da região foram simplesmente ignorados, mas isso não significa que não tenha havido resistência por parte dessa população invisibilizada. Mas é a partir de 2009, impulsionado pelo momento de sede dos megaeventos que viriam nos anos seguintes, que o atual projeto de transformação urbana, Porto Maravilha, ganha a força, a adesão social e a justificativa de agilidade necessária para implementar tais transformações que possuem como centralidade a gentrificação, tanto no sentido de expulsão da classe mais pobre, quanto no sentido de transformar aquele território em espaço consumível. Para legitimar esse processo, um urbanismo culturalizado é invocado e investimentos em escala industrial são realizados para iniciar a transformação também da identidade cultural do lugar. O maior símbolo dessa transformação são os museus do Amanhã, projetado pelo arquiteto do star system espanhol Santiago Calatrava e o Museu de Arte do Rio, MAR. Além deles, outros microprocessos são implementados para transformar as características simbólicas do lugar, como o caso do circuito da Herança Africana, já apontado anteriormente, e o incentivo à

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas instalação

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

instalação de coletivos e empresas chamadas criativas. Sobre essa última estratégia, nos debruçaremos nos próximos parágrafos. As empresas e coletivos criativos são aqueles que desenvolvem atividades específicas produtoras de bens e serviços que têm como aspecto estruturador o singular, o simbólico e o intangível a arquitetura, o design e o audiovisual são bons exemplos. Essas empresas e coletivos compõem aquilo que tem se configurado no mundo todo como economia criativa. Esse termo tem sua origem em meados dos anos 90; no entanto, sua prática não é recente e pode ser reconhecida anteriormente a esse período, especialmente nos debates da Escola de Frankfurt nos trabalhos de Adorno e Horkheimer. Segundo John Howkins 2 , em recente entrevista para o site “Criaticidades”, a economia criativa está relacionada a uma questão de compra e venda de experiências ainda não vividas, e nessa perspectiva, a construção de espaços urbanos consumíveis é fortalecida por essas atividades. Para Garnier (2014), esse processo de gentrificação se relaciona com outro, o da metropolização, uma uniformização das cidades cuja remodelação obedece a critérios de atratividade e competitividade independente de qual seja esta cidade. Nesse sentido, são valorizadas atividades de alta tecnologia, uma população qualificada, habitantes e visitantes internacionais e equipamentos de alto nível, uma elitização do direito a cidade, segundo o autor, e, em outras palavras, a atração de uma ‘classe criativa’ 3 . Desse modo, seguindo uma tendência mundial, o Rio de Janeiro também é inserido na rede de Distritos Criativos 4 . A gestão municipal e alguns atores locais utilizam-se dessa chancela para impulsionar as transformações na região do porto, seguindo a tendência já anunciada por Garnier (2014) ao falar de Marsella, de converter as regiões industriais-portuárias e proletárias em uma capital de criação

2 Autor da primeira publicação inteiramente dedicada ao tema The Creative Economy: How People Make Money From Ideas, Inglaterra, 2001 3 Termo cunhado por Richard Florida em A ascensão da classe criativa de 2002. 4 Rede DC Network

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas que

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

que atraia capital e turistas ‘word class’. Do mesmo modo que em Marsella, Barcelona, Nova York ou Berlim, tenta-se fabricar uma imagem da área portuária como pós-industrial, limpa e criativa. Estratégias de marketing e Branding são utilizadas assim como os museus servem de marca para uma região em que a cultura é capturada e espetacularizada em uma forma totalmente descontextualizada do território. Com esses objetivos, os agentes municipais têm desenvolvido ações que estimule o deslocamento dessas empresas e coletivos criativos da zona sul da cidade para a região portuária, as estratégias são desde promessas de isenção fiscal até incentivos como internet de fibra ótica ou a possibilidade de participar da uma das maiores transformações urbanas do Rio contemporâneo. No entanto, as atividades desenvolvidas nas empresas hoje já instaladas na região são, em sua maioria, ligadas a área de comunicação, marketing e design e muitos dos seus clientes são do setor tradicional da economia, sob a perspectiva da criação e inovação, essas empresas pouco se relacionam com o território a que pertencem. O que observamos é mais uma construção de um discurso emoldurado pela ‘beleza cultural’ do que ações criativas voltadas a cultura ou a arte, que desenvolvam alguma relação com o território. Nesse sentido, a partir do entendimento de Sánchez (2012), Arantes (2009) e Vainer (2009), esse discurso tende a formar um sentimento de pertencimento, de um consenso e sensação de cidadania para uma elite, entendida como “o carioca”, capaz de mobilizar o imaginário coletivo de forma hegemônica em torno do objetivo de transformar o espaço. Em outras palavras, o ideário da ‘classe criativa’, da cultura e da arte é utilizado como um véu sedutor para o processo de gentrificação instalado naquele território. Esse processo fica muito claro, quando em entrevista de campo com alguns atores da chamada ‘classe criativa’, muitos deles se sentem pertencentes do processo de transformação urbana, mas não reconhecem o processo de gentrificação que ocorre em larga escala em localidades como o morro da conceição

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas e

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

e da providência. Esses atores não só não reconhecem o processo de gentrificação,

mas também não se reconhecem como peça importante no processo. Essa ilusão de transformação, limpeza e de um local livre para artistas e criativos é comprada sem qualquer filtro crítico. Quando questionados sobre a possibilidade das transformações urbanas, em curto prazo, impulsionarem os preços dos alugueis e dos imóveis de forma geral, a ponto deles, possivelmente, não se manterem ali, alguns dizem estar isentos dessa nova onda de gentrificação porque são proprietários e outros entendem isso como uma anomalia do sistema (SMITH, 2006)

e pouco percebem que são eles a porta de entrada para um segundo processo de gentrificação. Esses dois momentos de gentrificação já foram observados em diversos

lugares no mundo, como o caso do Soho, em Nova York, nos anos setenta, em que os artistas alí se instalaram pelos baixos preços do alugueis e tempos depois foram também ‘expulsos’ pelo processo de especulação imobiliário. O mesmo ocorreu na região Portuária de Barcelona, ou em Marsella. O mais recente caso ocorre em Berlim, intensificado em 2011 na candidatura Wowi a reeleição para prefeitura e com apoio o Partido Social Democrata (psd) que apostam na internacionalização da cidade e na atração da chamada classe criativa. Segundo artigo publicado no Times (SLOBODIAN e STERLING, 2013) apenas 20% dos berlinenses recebiam alguma forma de assistência social enquanto as políticas municipais voltavam-se a economia criativa, apostando na ampliação da Fashion Week alemã. Outro artigo na Der Spiegel (apud SLOBODIAN e STERLING, 2013) “noticiava que, enquanto o turismo se expandia, o prefeito vendia 110 mil unidades residenciais de propriedade da prefeitura e cortava os subsídios de outras 28 mil”. Segundo referido artigo, aluguéis subiram em 20% assim como o custo da moradia e

a taxa de desemprego na região. A partir dessas experiências internacionais e dos processos de transformações urbanas e simbólicas que temos observado na região portuária do Rio de Janeiro, percebemos que o incentivo aos coletivos criativos pouco se

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas relaciona

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

relaciona com o estímulo à criação artística e cultural e sua relação com o território e das relações sociais das quais emergem. O que temos observado é a tentativa de transformar o território em espaço consumível com uma cultura internacionalizada e deslocada de sua realidade social de modo a construir uma elitização do direito a cidade, acessível apenas a uma classe social específica intitulada de ‘o carioca’. Esse processo, conforme observamos, traz a economia criativa como véu que encobre os mais profundos processos de gentrificação da região.

REFERÊNCIAS

ADORNO, Theodor W; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro:

Editora Jorge Zahar, 2006. ALBRECHT, David. A OPERAÇÃO << Porto Maravilha>>: uma análise do estudo de viabilidade inicial. |Diálogos Brasil França. FAU Makenzie, 2012. ARANTES, Otília. “Uma estratégia fatal: a cultura nas novas gestões urbanas”. In:

ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. (org.). 5ª ed. A cidade do pensamento único:

desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2009. BIENENSTEIN, Glauco. “O espetáculo na cidade e a cidade no espetáculo: grandes projetos, Megaeventos e outras histórias”. XIV Encontro Nacional da ANPUR. Rio de Janeiro. Maio de 2011. BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Editora Bertrand, 1989. DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. DELGADO, Manuel. Introducción: La ciudad-Negócio. In: La ciudad mentirosa. Fraude y miséria del ‘Modelo Barcelona’. Barcelona: Catarata, 2010. GARNIER, Jean Pierre. Marsella 2013: el urbanismo como arma de destruicción massiva. GeocritiQ, 2014. Planificacion Urbana y Neocapitalismo. Universidade de Barcelona. Año I. N.6.

1976.

GOMES, Talitha. A cidade transformada em marca: investimento simbólico no projeto Rio 2016 e suas estratégias urbanas. Niterói. Dissertação defendida na Universidade Federal Fluminense. Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, 2011. GUIMARÃES, Roberta Sampaio. A utopia da pequena África: projetos urbanísticos, patrimônio e conflitos na Zona Portuária carioca. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014. HOWKINS, John. The Creative Economy: How People Make Money From Ideas. Pinguim Press, 2007. MITCHELL, Don. The End of Public Space? People’s Park, Definitions of the Public, and Democracy. Annals of American Geographers, Vol.85, N.1. 1995 MOLHO, Jérémie. From cultural policy to creative city governance: the urban roots of a new instrumentalization of culture. Université d’Angers: ESO, 2012.

NOVAIS, Urbanismo na cidade desigual: O Rio de Janeiro e os Megaeventos. R.B. Estudos Urbanos e Regionais. V.16, N.1, p 11-33. 2014.

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas PIRES,

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

PIRES, Vladmir Sybillas. “Ideias-força no pós-fordismo e a emergência da economia criativa”. Liinc em Revista, v. 5, n. 2, set., 2009, Rio de Janeiro, p. 215-230. Disponível em:

<http://www.ibict.br/liinc>. Acesso em: 13/06/2012 SÁNCHEZ, Fernanda. City Marketing: A nova Face da Gestão da cidade no final de século”. In: Cidade do Espetáculo. Política, planejamento e City Marketing. Curitiba: Editora Palavras,

1997.

A reinvenção das cidades para um mercado mundial. 2ª. ed, Chapecó: Argos,

2010.

SMITH, Neil. A gentrificação generalizada: de uma anomalia local à “regeneração” urbana

como estratégia global. In De volta à Cidade. Annablume, São Paulo. 2006. SLOBODIAN, Quinn e Sterling, MICHELLE. Saqueando Berlim. The Baffler, n. 23, 2013. Acessado em março 2014, disponível em:

http://www.revistaserrote.com.br/2014/01/saqueando-berlim-por-quinn-slobodian-e-michelle-

sterling/. VAINER, B. Carlos. “As Escalas do Poder e o Poder das Escalas: O que pode o poder local?”. Anais do IX Encontro Nacional da ANPUR. v. 1, mai, 2001, Rio de Janeiro. “Pátria, empresa e mercadoria: Notas sobre a estratégia discursiva do Planejamento Estratégico Urbano”. In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. (orgs.). 5ª ed. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2009. VAZ, Lilian; JACQUES, Paola. “Reflexão sobre os usos da cultura nos processos de revitalização urbana”. In: Anais do IX Encontro Nacional da ANPUR, 2001, Rio de Janeiro. “A “culturalização” do planejamento e da cidade: novos modelos?”. In: Cadernos PPG-AU/FAUFBA? Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Ano 2, número especial, (2004) Ana Fernandes, Paola Berenstein Jaques (Org)., Salvador:

PPG-AU, 2004.

WANIS, Amanda. Cidades Criativas: A construção de um ideário e sua influência na cidade do Rio de Janeiro”. Niterói. Dissertação defendida na Universidade Federal Fluminense. Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, 2013. Cidade Criativa: Política Urbana e Cultural na Reconstrução Simbólica do Rio Olímpico. V Seminário Internacional de Políticas Culturais. Rio de Janeiro, Casa de Rui Barbosa, 2014. YÚDICE, George. A conveniência da Cultura: usos da cultura na era global. 2ª ed. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

ENTREVISTAS

JABOR, Juliana Gerente de Intervenção Urbana do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade. 24 de outubro de 2014. XAVIER, Aline Gerente de Projetos especiais do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade. 14 de novembro de 2014. GUARANÁ, Fernanda. Diretora da FGuaraná Comunicação Estratégica e Fundadora do Coletivo do Porto. 17 de novembro de 2014. KRAICHETE, Daniel. Fundador do Distrito Criativo do Porto do Porto Maravilha e Diretor da empresa Ampliativo. 22 de setembro de 2014.

SITES

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas www.portomaravilha.com.br

09 a 11 de Novembro, Universidade Federal do Amazonas - UFAM Manaus - Amazonas

www.criaticidades.com.br