Sie sind auf Seite 1von 3

NÓDULO DE TIREÓIDE

(Consenso Brasileiro)

Alguns microcarcinomas podem evoluir agressivamente e ainda não existem


marcadores capazes de identificar esses casos, sendo que apenas os nódulos maiores
que 1 cm devem ser avaliados. No entanto, nódulos menores que 1 cm devem ser
avaliados se forem suspeitos por apresentarem características ultra-sonográficas de
malignidade ou se o paciente apresentar história de irradiação de cabeça e pescoço ou
de corpo inteiro, ou ainda uma história familiar positiva para câncer de tireóide.

RISCO AUMENTADO DE MALIGNIDADE

Crescimento rápido do nódulo


Fixação a estruturas adjacentes
Nódulo muito endurecido
Endócrina Múltipla
Historia familiar de Câncer de tiróide ou Neoplasia
História de irradiação de cabeça e/ou pescoço ou irradiação
total para transplante de medula óssea
Adenomegalia regional ipsilateral
Paralisia de corda vocal ipsilateral ao nódulo
Investigação adicional será necessária:
1) Caso se confirme o hipertireoidismo: mapeamento da tireóide
com iodo radiativo(cintilografia) está indicado para confirmar
se o nódulo é hiperfuncionante (quente). Aproximadamente
10% dos pacientes com nódulos solitários apresentam TSH
suprimido e nódulo hiperfuncionante; nestes casos, não é
necessária a realização da punção aspirativa com agulha fina
(PAAF), pois esses nódulos raramente são malignos.

Se as concentrações de TSH estiverem elevadas(hipotireoidismo),a dosagem de


anticorpo anti-peroxidase (anti-TPO) poderá ser solicitada para confirmar
Tireoidite de Hashimoto. Diante de um quadro de Tireoidite de Hashimoto, havendo
um nódulo bem definido à ultrasonografia (US), a punção aspirativa com agulha
fina(PAAF) deve ser realizada para afastar a coexistência de um câncer diferenciado de
tireóide ou mesmo de um linfoma.

OBS: Dosagens séricas de Calcitonina e Tg não devem ser solicitadas na avaliação


inicial do nódulo tireoidiano

PAAF
A PAAF é o método mais acurado disponível no momento para distinguir nódulos
benignos dos malignos. Os resultados da PAAF são classificados em 4 categorias:
1) benigna
2) maligna
3) suspeita de malignidade (neoplasia folicular ou de Hürthle)
4) não-diagnóstica.

Não é necessário repetir a PAAF quando o resultado da citologia é benigno

INDICAÇÃO DE PAAF:

1) Todos os nódulos SÓLIDOS > 1 cm;


2) Nódulos mistos (sólido+cístico) devem ser puncionados se entre 1,5 – 2,0 cm
3) Nódulos > 5mm com características ultrassonograficas suspeitas.

OBS: Nódulos císticos não precisam ser puncionados a não ser que a finalidade seja
terapêutica
Os nódulos sem indicação de punção e de caráter benigno devem ser acompanhados
com US a cada 12-18 meses e se o nódulo for “estável”, o intervalo pode aumentar.