Sie sind auf Seite 1von 7

1001

LEIA O TEXTO ABAIXO E RESPONDER ÀS PERGUNTAS A SEGUIR

Recado ao Senhor 903

“Vizinho,

Quem fala aqui é o homem do 1003. Recebi outro dia, consternado, a visita
do zelador, que me mostrou a carta em que o senhor reclamava contra o
barulho em meu apartamento. Recebi depois a sua própria visita pessoal –
devia ser meia-noite – e a sua veemente reclamação verbal. Devo dizer que
estou desolado com tudo isso, e lhe dou inteira razão. O regulamento do prédio
é explícito e, se não o fosse, o senhor ainda teria ao seu lado a Lei e a Polícia.
Quem trabalha o dia inteiro tem direito a repouso noturno e é impossível
repousar no 903 quando há vozes, passos e músicas no 1003. Ou melhor; é
impossível ao 903 dormir quando o 1003 se agita; pois como não sei o seu
nome nem o senhor sabe o meu, ficamos reduzidos a ser dois números, dois
números empilhados entre dezenas de outros. Eu, 1003, me limito a Leste pelo
1005, a Oeste pelo 1001, ao Sul pelo Oceano Atlântico, ao Norte pelo 1004, ao
alto pelo 1103 e embaixo pelo 903 – que é o senhor.

Todos esses números são comportados e silenciosos: apenas eu e o


Oceano Atlântico fazemos algum ruído e funcionamos fora dos horários civis;
nós dois apenas nos agitamos e bramimos ao sabor da maré, dos ventos e da
lua. Prometo sinceramente adotar, depois das 22 horas, de hoje em diante, um
comportamento de manso lago azul. Prometo. Quem vier à minha casa
(perdão: ao meu número) será convidado a se retirar às 21h45, e explicarei: o
903 precisa repousar das 22 às 7 pois às 8h15 deve deixar o 783 para tomar o
109 que o levará ate o 527 de outra rua, onde ele trabalha na sala 305. Nossa
vida, vizinho, está toda numerada: e reconheço que ela só pode ser tolerável
quando um número não incomoda outro número, mas o respeita, ficando
dentro dos limites de seus algarismos. Peço-lhe desculpas – e prometo
silêncio.

[…] Mas que me seja permitido sonhar com outra vida e outro mundo, em
que um homem batesse à porta do outro e dissesse: ‘Vizinho, são três horas da
manhã e ouvi música em tua casa. Aqui estou’. E o outro respondesse: ‘Entra
vizinho e come do meu pão e bebe do meu vinho. Aqui estamos todos a bailar
e a cantar, pois descobrimos que a vida é curta e a lua é bela’. E o homem
trouxesse sua mulher, e os dois ficassem entre os amigos e amigas do vizinho
entoando canções para agradecer a Deus o brilho das estrelas e o murmúrio
da brisa nas árvores, e o dom da vida, e a amizade entre os humanos, e o
amor e a paz.”

Adaptado de (https://educacao.uol.com.br/disciplinas/portugues/cronica-
genero-entre-jornalismo-e-literatura.htm)

Vamos ver como está sua compreensão de texto?

1) Analise as alternativas:

I- o apartamento 903 é muito barulhento.

II- o apartamento 1003 é muito silencioso.

III- o apartamento 1005 está vazio.

IV- o apartamento 305 é um escritório de advocacia.

V- o apartamento 1003 não é silencioso.

Em relação ao texto, qual ou quais são incorretas?

a) I e II

b) I, II e III

c) I, II, III e IV

d) I, II, III e V

e) II e III
2) O morador do 1003 recebeu, consternado, a visita do zelador que falava
sobre a reclamação de barulho desse apartamento. Em relação à palavra
consternado, podemos substituí-la, sem prejuízo do sentido contextual por:

a)comovido

b)lisonjeado

c)ignorado

d)chateado

e)feliz

3) “O regulamento do prédio é explícito”, diz o morador do 1003. Para dizer o


contrário, conforme o contexto, a alternativa correta seria:

a) O regulamento do prédio é claro.

b) O regulamento do prédio é bom.

c) O regulamento do prédio é inequívoco.

d) O regulamento do prédio é evidente.

e) O regulamento do prédio é obscuro.

4) Marque C para CONCORDA COM O TEXTO e D para DISCORDA DO


TEXTO:

( ) O morador do 903 recebeu reclamação do morador do 1003.

( ) O morador do 903 recebeu reclamação do zelador do 1003.

( ) O morador do 903 recebeu pedido de desculpas do morador do 1003.


a) D – D – C

b) C – C – C

c) D – D – D

d) D – C – C

e) D – C – D

5) Conforme o último parágrafo do texto, pode-se afirmar que:

a) o morador do 1003 acredita que precisaria morar em outro lugar.

b) o morador do 903 não aceitou o pedido de desculpas.

c) o morador do 903 aceitou o pedido de desculpas.

d) o morador do 1003 idealiza outra forma de viver.

e) o zelador mora no apartamento 103, que fica no térreo.

6) As palavras murmúrio e brisa, presentes no fim do texto, trazem o mesmo


sentido de:

a) pouca intensidade.

b) muita intensidade.

c) neutralidade.

d) motivação.

e) consciência ecológica.
Recuperação paralela 2001

CIDADANIA X CORRUPÇÃO
Indignar-se é preciso! Exercer cidadania, que só encontra cenário
propício em sistema democrático, implica a noção mínima dos direitos de
cidadão e a capacidade de reivindicá-los dos poderes constituídos. Ora, o
efetivo acesso ao Judiciário, último arquejo do cidadão, à educação, direito de
todos e dever do Estado, à saúde, à informação, dentre outros, depende da
vontade política posta e do grau de consciência e reivindicação de um povo.
Daí causar indignação o fato de se saber que com a presença da
corrupção quantidades incalculáveis de dinheiro deixam de chegar ao cidadão
em formas de bens e serviços de obrigação do Estado, indo, ao reverso, para
os bolsos de inescrupulosos indivíduos ou quadrilhas, que teimam em sangrar
o que é do povo. Corrupção não é prerrogativa do Brasil, o que não é consolo.
Tem-se notícia, só para ficar entres os Brics, que em países como a China, de
crescimento de vanguarda, os níveis de corrupção são imensos.
Penso que a educação para a não corrupção deve começar dentro de
casa, na família, nos mais singelos gestos, passar de forma efetiva e vigorosa
pela escola, no nível mais elementar até os superiores, e por campanhas
constantes dos meios de comunicação, de tal sorte que seja inculcada, de
maneira sólida e permanente, a ideia de que se deve ser ético e via de
consequência sempre se afastar da corrupção, seja na vida privada, seja,
principalmente, na vida pública, na qual aquele que a tal se habilita se
compromete a buscar incessantemente tudo que corrobore para a consecução
dos interesses do povo, vale dizer, tudo que facilite o pleno acesso à cidadania.
Estamos cansados de ver corrupção por todos os lados. O cidadão que
paga seus impostos e que vive do seu trabalho não merece ser vilipendiado por
inescrupulosos da lei do vale tudo. Educação para a não corrupção e para
cidadania, leis mais duras, Ministério Público e Judiciário mais implacáveis com
os corruptos! São caminhos...
Emmanuel Furtado - Desembargador do TRT e professor da UFC
Jornal O Povo – 12/02/2015 - ARTIGO DE OPINIÃO
1. O texto pode ser classificado como artigo de opinião porque
a) narra histórias de corrupção quem envolvem tanto o meio político quanto o
cidadão comum.
b) emite opinião sobre a cidadania e a corrupção, mas não deixa claro o ponto
de vista.
c) informa o cidadão sobre casos de corrupção que assolam o nosso país.
d) a opinião defendida no texto tem relação com os interesses políticos do
autor.
e) comenta criticamente um tema, defendendo um ponto de vista a partir de
argumentos.

02. A tese defendida pelo autor pode ser encontrada no seguinte trecho
a) “Tem-se notícia, só para ficar entres os Brics, que em países como a China,
de crescimento de vanguarda, os níveis de corrupção são imensos”.
b) “Exercer cidadania, que só encontra cenário propício em sistema
democrático, implica a noção mínima dos direitos de cidadão e a capacidade
de reivindicá-los dos poderes constituídos”.
c) “Daí causar indignação o fato de se saber que com a presença da corrupção
quantidades incalculáveis de dinheiro deixam de chegar ao cidadão em formas
de bens e serviços de obrigação do Estado...”
d) “Penso que a educação para a não corrupção deve começar dentro de casa,
na família, nos mais singelos gestos, passar de forma efetiva e vigorosa pela
escola, no nível mais elementar até os superiores, e por campanhas constantes
dos meios de comunicação...”
e) “O cidadão que paga seus impostos e que vive do seu trabalho não merece
ser vilipendiado por inescrupulosos da lei do vale tudo”.

03. O vocábulo que pode substituir o adjetivo “vilipendiado” sem causar


prejuízo ao sentido da frase é:
a) desprezado
b) valorizado
c) enganado
d) rejeitado
e) estimulado

04. A principal solução apontada no texto por Emmanuel Furtado sobre a


questão da corrupção é:

a) Fazer campanhas constantes nos meios de comunicação, conscientizando o


cidadão dos seus deveres e direitos.
b) Os corruptos devem ser punidos com rigor e devem reparar todo prejuízo
causado ao país e aos cidadãos.
c) As penas aplicadas para todos que se envolvem em casos de corrupção
devem ser bem mais severas.
d) As atitudes cidadãs devem ser ensinadas em casa, através de pequenos
gestos no dia a dia e nas escolas, a fim de formar o bom caráter das pessoas.
e) A população deve ir à rua para protestar contra a corrupção e exigir dos
políticos leis mais duras para esses casos.
05. Faz parte dos argumentos do autor:

I. A corrupção não é um problema apenas do Brasil.


II. O cidadão que paga os seus impostos é ultrajado pelos inescrupulosos.
III. A corrupção ocorre somente no meio político.
IV. O Ministério Público e o Judiciário são implacáveis com os corruptos.

a) Estão corretos os itens I e VI.


b) Estão corretos os itens I e III.
c) Estão corretos os itens II e III.
d) Estão corretos os itens III e IV.
e) Estão corretos os itens I e II.