Sie sind auf Seite 1von 31

CENTRO UNIVERSITARIO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

MATERIAIS PARA DESENHO E CONSTRUÇÃO DE MAQUETES FISICAS


Orientações e sugestões básicas quanto ao uso e manuseio e seus
processos de transformação.

ESQUADROS
Par de esquadros médios (45º e 60º) transparentes, sem graduação, com 2mm
de espessura, sem rebaixo. Modelo sugerido: 45º = 2532 e 60º = 2632. Abaixo
as referências da marca Trident.

ESCALIMETRO
Escalímetro triangular. Abaixo as referências da marca Trident. Modelo
sugerido: 7830/1 (30 cm).
TRANSFERIDOR
Meio círculo ou círculo completo: Abaixo as referências da marca Trident.
Modelo sugerido: 8115

COMPASSO
Compasso de tamanho médio, verificar firmeza da abertura. Existem várias
marcas no mercado (Kern, Staedler, etc.) Abaixo as referências da marca
Trident, com adaptadores para qualquer tipo de caneta e extensor para
ampliação do alcance.

LAPISEIRA
Existem várias marcas no mercado (Rotring, Faber Castell, Pentel, etc.) Utilizam
grafites com espessuras de 0,3mm;0,5mm; 0,7mm e 0,9mm. As cores
geralmente identificam as espessuras. É importante ter pelo menos duas
espessuras diferentes, preferencialmente 0,5mm e 0,9mm. Abaixo referencias
da Pentel Graphgear 500.
GRAFITES
Os grafites utilizados nas lapiseiras observam a seguinte gradação de acordo
com o quadro abaixo:

Grafites mais macios são indicados para desenhos artísticos e croquis e os


grafites mais duros para desenho técnico. Os grafites “B” e “H”, para uso geral.

LÁPIS 6B (OU BASTÃO DE GRAFITE 6B)


Extremamente macios além de usados em desenhos artísticos, servem para
transferir desenhos para os materiais que se queira cortar, preservando os
desenhos originais. Riscando com o bastão de grafite macio na parte de trás
dos desenhos ao repassarmos pressionando as linhas do desenho original
sobre o material, o grafite será depositado somente na área pressionada pela
caneta ou lapiseira, “imprimindo” no material as linhas que se quer recortar

.
BORRACHAS
Podem ser do tipo plásticas brancas, porem optem pelas mais macias. Para
grafites muito macio tipo 4b e 6b, o mais indicado é a massa limpa-tipos. Abaixo
algumas referências.

BASE DE CORTE
Placa de material sintético, emborrachado, resistente a cortes de estilete.
Existem várias marcas no mercado (Olfa, Pentell, Edding,etc.) e tamanhos
variados. O ideal para a disciplina é o tamanho A3.

ESTILETES
Podem ser de várias marcas (Olfa, Stanley, Edding, etc.) mas o ideal é investir
em ferramentas de melhor qualidade, pois a probabilidade de acidentes por
quebra ou imprecisões de seus mecanismos é menor. Suas lâminas trazem
marcações para o descarte ao perderem o corte, pois as pontas e as lâminas
devem ser mantidas afiadas para a obtenção de um corte perfeito do material.
Para trabalhos em materiais mais finos e “leves” recomenda-se os de lâmina
estreita e para trabalhos em materiais mais grossos e “pesados” os de lâmina
mais larga. Abaixo referências da marca Olfa. Obs.: Necessário a aquisição de
lâminas de reposição sempre de boa qualidade.

LAMINA ESTREITA LAMINA LARGA


(Mod: L300– Marca Olfa) (Mod: L2 – Marca Olfa)

ESTILETE PARA ACRILICO


Para cortes em materiais mais rígidos e duros, como acrílicos, marcações em
profundidade em madeiras, poliestireno de alto impacto, etc. No modelo da Olfa
L450, duas lâminas sobressalentes vêm armazenadas no interior da ferramenta.

ESTILETE PARA ACRILICO


(Mod: l450 – Marca Olfa)

TESOURA MÉDIA
Prefiram as de uso profissional e com pontas que cortem em toda a sua
extensão. Servem para cortar além de papeis, lâminas de poliestireno, telas
finas de arame, tecidos, etc.

RÉGUA METÁLICA
Réguas de aço utilizadas para guias de cortes retos. Nos tamanhos de 15cm,
30cm, 40cm, 60cm,100cm. Para os trabalhos em sala, sugerimos uma de 15 cm
para cortes pequenos e outra de 30 ou 40 cm, para cortes maiores. Com o tempo
suas bordas funcionam como “plainas”, raspadores eficientes para nivelar topos
de plásticos e acrílicos. É interessante colar uma fina lâmina de borracha, cortiça
ou uma lixa de gramatura fina com fita dupla face, para que não deslize sobre o
material a ser cortado.

FERRAMENTAS UTILIZADAS NA FABRICAÇÃO DE MAQUETES


SUGERIDAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DO CURSO PELOS
ALUNOS. (Indispensáveis para trabalhos que necessitem de precisão e
perfeito acabamento)

1.Arco de serra de ourives (plastico, metais, madeira)

2.Serra manual e gabarito (perfis de madeira, plasticos e metais macios)


3.Pinças (cruzadas, retas e curvas)

3.Ferro de solda, Pasta e Fio de Estanho (soldagem de arames)

4.Alicates de precisão (Sem estrias são mais indicados para maquetes)


5.Espatulas de odontologia (raspagens e calafetagem de precisão)

6.Espátulas de pintura (raspagens e calafetagem de precisão)

7.Furadores manuais para ourives (perfurações em qualquer material)


8.Marcador permanente (Marcações em plasticos, vidros, metais, etc)

OS MATERIAIS LISTADOS A SEGUIR SÃO PARA USO EVENTUAL EM


MODELOS ESPECÍFICOS E SERÃO SOLICITADOS EM MOMENTO
OPORTUNO NO DESENVOLVIMENTO DOS EXERCÍCIOS:

CARTÕES
Feitos com lâminas de papel superfinas coladas entre si (exceto o cartão-pluma).
As colas utilizadas no processo de laminação (colagem de vários para aumento
da espessura) devem ser a base de solvente, (colas de contato, colas de
reposicionamento, etc.) pois as colas a base de água, tendem a deformá-los com
as variações da humidade do ar. A laminação também pode ser executada com
fitas dupla face. Podem ser curvados sem a necessidade de marcação com
estilete (sem “facetar” a curvatura do papel) apenas passando-o sobre uma
superfície curva, evitando assim as linhas de corte verticais na superfície da
peça, que podem afetar a aparência geral da maquete. Além disso, nas
montagens de paredes curvas é necessário que se construa previamente as
lajes em torno da qual as paredes serão fixadas, ajudando assim a coesão do
conjunto.

1. Cartão- pluma - O Depron, Poliestireno Extrudado (XPS), mais conhecido


como cartão pluma, (material semelhante as bandejas de frios) permite o
corte, a moldagem, o lixamento, a colagem e a pintura, porém para cada
processo temos um tipo de manipulação específica. Existente no
mercado em vários tamanhos e espessuras de 3mm, 4mm, 5mm, 25mm
e 30mm, podem se apresentar crus, isto é, sem revestimentos e com
revestimentos nas duas faces em cartão tipo tríplex e em cores variadas.
O corte deve ser efetuado com bisturi ou estilete normal (de lâmina fina
ou grossa, porém nova e longa) em movimentos de “vai-e-vem”, ou
“deslizando” a maior parte da lâmina em contato com a superfície, para
que as células do material sejam cortadas (como no corte do isopor),
evitando-se assim os cortes “empurrando” a lâmina, que podem
“emprensar” as celulas e danificar o material. Podem ser adquiridos em
papelarias”.

2. Cartão-Paraná Cinza – Existentes no mercado em várias espessuras, os


mais utilizados no Curso são nas medidas de 1mm; 2mm e 3mm. Servem
bem para maquetes de estudo mas não são indicados para trabalhos de
acabamento final e detalhes, pois pela sua composição, são facilmente
danificados, além de terem suas faces diferentes do seu topo. Não
servem como bases de maquetes finais, pois deformam com facilidade.
Quando contraplacados entre si têm uma rigidez satisfatória e podem ser
usados em curvas de nível e bases de maquetes de estudo ou de
trabalho. Aceitam bem tintas à base de água (PVA, Acrílicas, Guache,
etc.) para pintura com tinta spray à base de solventes, devem receber
aplicação de seladora. À venda em papelarias.

3. Cartão Tríplex – Cartões com duas faces brancas que se apresentam em


diversas gramaturas (250g; 350g; 450g). Quanto maior a gramatura, mais
espesso é o papel. Utilizados simples ou laminados (unidos uns aos
outros, com cola de contato ou fita dupla face, para aumentar sua
espessura). Na construção de modelos, prefiram os com todas as lâminas
brancas, pois para acabamentos de união de paredes em ângulos,
deixam menos imperfeições. Podem ser pintados com tinta à base de
água e sprays à base de solventes. À venda em papelarias.
Composição do Papel Triplex com interior branco

4. Cartões Kraft – Papel Kraft (que possui o nome confundindo com a


técnica artesanal Craft) é fabricado a partir de uma mistura de fibras de
celulose curtas e longas, vindas de polpas de madeiras macias. As
espessuras são dadas pela sua gramatura, quanto menor, mais fino (80g,
110g, 300g e 420g).

Podem ser pintados com tinta à base de água e sprays à base de solvente.
Com aplicação de uma mistura de seladora e pó xadrez vermelho, imitam
bem o aço corten.

PAPÉIS
Existem diversos tipos mercado, alguns usados para pintura e desenhos
artísticos como Ingres, Canson, Canson MI-teintes, Vergê, Schoeller,etc. Para
trabalhos de arquitetura os mais utilizados são o papel manteiga, papel vegetal
e papéis milimetrados. Encontrados em rolos e blocos ou folhas avulsas de
diversos tamanhos.

PLÁSTICOS (Polímeros)
Existem diversos tipos de chapas plásticas no mercado. São vendidas em lojas
de acrílico. As mais usadas para a construção de maquetes são:

1. Poliestireno de Alto Impacto (PSAI) – Vulgarmente conhecido como


PVC ou PS (que na verdade são materiais semelhantes, porém diferentes
em sua composição). São os mais indicados pelo Curso para utilização
em maquetes finais de execução. Existem em diversas cores e as
espessuras de 0,3mm, 0,5mm, 1,0mm, 1,5mm e 2,0mm são as mais
utilizadas. Os de cor branca, são mais fáceis de cortar com estilete
normal, pois basta uma marcação leve para que se parta ao dobrarmos.
Os transparentes devem ser cortados com o estilete para acrílicos, pois
são mais duros e estilhaçam com facilidade e geralmente são utilizados
para representação de vidros, rios, mares e espelhos d’água, por isso
espessuras acima de 1mm, não são recomendáveis. Todos os cortes nos
tipos brancos e transparentes devem ser regularizados com lixa.

2. Chapas PET (Politereftalato de etileno) – Material plástico comumente


usado em garrafas de refrigerante. Apresentados como placas
transparentes ou em cores diversas, são muito flexíveis e fáceis de curvar
“a frio”, porém em esperssuras maiores que 1mm são muito difíceis de
cortar. Aconselhável o uso somente dos transparentes de 0,5mm até
1mm, que podem ser usados para representação de vidros e água.

3. PVC Expandido (Policloreto de vinil) - Chapa rígida de espuma


homogênea de células fechadas. Existente no mercado em várias cores
e espessuras. Os de cor branca e nas espessuras de 1mm, 2mm e 3mm
de espessura, podem ser facilmente cortados com estilete. Aceita bem
quase todos os tipos de processos (corte, dobra, fresagem, pintura, etc),
porém por terem células maiores menos compactas que o PSAI,
experiências com lixamento apresentaram porosidade e granulações
excessivas em suas superfícies.

4. Acrílico (Polimetil-Metacrilato - PMMA) –- Material termoplástico rígido,


transparente e incolor, considerado um dos polímeros, mais modernos e
com maior qualidade do mercado, por sua facilidade de adquirir formas,
por sua leveza e alta resistência. Aceita bem todos os tipos de processos
e após o corte necessita de lixamento. Riscos e arranhões podem ser
polidos. Deve ser cortado com o estilete para acrílico. Apesar do seu valor
comparativamente maior que dos outros materiais, é o material mais
indicado para se trabalhar em maquetes finais e de execução, pois além
da sua versatilidade, é o material utilizado nos processos de corte em
máquinas laser. São vendidos em lojas de acrílico nas medidas 2,00m x
1,00m ou chapas menores de 1,20m x 0,60m. É raro, porém podem
aparecer no mercado a espessura de 0,5mm (ótimo para pequenos
detalhes e cortes em maquina laser).

1. Poliuretano (PU) – Material existente no interior de pranchas de surf.


Utilizado nas mais variadas formas (espumas rígidas e flexíveis,
elastômeros (materiais elásticos), colas de alto desempenho, selantes,
preservativos, carpetes, peças de plástico rígido e tintas). Utilizados em
nosso Curso em placas de espumas sólidas e aeradas, com boa rigidez,
porém de fácil moldagem. Aceitam bem o corte, lixamento, colagem e
pintura. Material perfeito para concepção de estudos volumétricos.
2. Isopor (Poliestireno Expandido – EPS) – Utilizados na construção civil
com enchimentos em lajes de concreto e na confecção de caixas térmicas
para bebidas. Plástico celular rígido se apresenta como uma espuma
moldada constituída por um aglomerado de grânulos. Existem várias
densidades e espessuras diferentes. À venda em papelarias nas medidas
de 0,50m x 1,00m nas espessuras de 5mm, 10 mm, 15mm, 20mm, etc.)
indicados para estudos volumétricos e estudos de relevo. Os
procedimentos para corte e colagem são similares ao poliuretano e ao
cartão pluma.

MADEIRAS
Apresentam-se em placas ou chapas naturais de várias espessuras e tipos.
Algumas são aglomerados de fibras de madeira e resinas prensadas, outras são
lâminas retiradas por facas gigantes do próprio tronco da árvore. Aceitam quase
todos os tipos de processo (usinagem, moldagem, lixamento, colagem, pintura,
etc.) Os tipos mais utilizados no Curso são:

3. MDF (Medium-Density Fiberboard) - Placa de fibra de madeira de média


densidade, fabricado através da aglutinação de fibras de madeira
com resinas sintéticas e outros aditivos. O MDF é um material uniforme, plano
e denso, não possuindo nós. Empregado principalmente em móveis, é
um ótimo substituto para a madeira, em exceção para quando é
necessária maior rigidez. É encontrado no mercado nas dimensões
1,83m x 2,75m e nas espessuras de 2,5mm, 3,0mm, 6,0mm, 9,0mm,
12mm, 15mm, 18mm, 20mm e 30mm. Aceita bem todos os processos
como corte, lixamento, usinagem e pintura, com tintas à base de água
(PVA e Acrílicas – Tintas de Parede) e tintas em spray a base de solvente
(porém nesse caso precisam ser seladas antes da pintura).

4. Madeira Balsa – Espécie de madeira muito leve e de fácil


trabalhabilidade. Fácil de cortar e lixar, porém muito frágil necessitando
de atenção e cuidado em seu manuseio. Apresenta-se em forma de
placas e varetas, sendo estas mais caras. Como opção, a compra de
placas é mais indicada, pois pode-se criar varetas com seções
transversais de qualquer tamanho. Podem ser coladas com praticamente
todas as colas (colas de contato, cola branca cascorez, super bonder,
etc.). A venda em lojas de modelismo e papelarias especializadas.
5. Laminados de Madeira – Os laminados de madeira podem ser naturais
ou pré compostos. Os laminados naturais são retirados diretamente do
tronco da árvore e por isso são mais frágeis. Os laminados pré-
compostos, são cortados transversalmente à superfície de várias chapas
naturais coladas sobrepostas, por isso as linhas se apresentam de
maneira mais regular. As lâminas são frágeis, porém mais flexíveis que
os naturais. Encontrados na espessura de 0,5mm. Aconselha-se passar
uma camada de cola branca, transversalmente às fibras do laminado que
ficará para baixo, para assim, formar uma película plástica dando mais
coesão às fibras e evitando quebras.

Laminados de madeira natural Laminado de madeira Pré- composto

6. Cortiça – Apesar de não ser considerada “madeira” por alguns é oriunda


da casca de uma árvore (sobreiro), leve e com grande poder isolante.
Apresentam-se nas espessuras de 1,2,3,4,5,6,8 e 10 milímetros e
dimensões variadas. São ótimas para representar paredes e pavimentos
em pedra (em escalas menores), devido a textura de suas células.
Recebem bem tintas à base de água e a base de solventes. São
maleáveis e flexíveis, porém, vernizes e resinas podem deixá-las mais
rígidas para a representação de muros de pedra.
COLAS

1. Cola à base de PVA – A cola branca é um adesivo à base de PVA com


alta força de colagem e fácil aplicação. Este produto é especialmente
indicado para colagens de artefatos de madeira, madeira balsa, papel,
papelão, entre outros. Para colagem de serragem de madeira, pedriscos
ou pós de qualquer natureza em outras superfícies como madeira,
papelão, PSAI, cortiça, etc. Para montagem de maquetes de estudo em
cartões Tríplex e Paraná, aconselha-se utilizar um frasco pequeno de bico
extrafino. À venda em papelarias, madeireiras e casas de material de
construção.

2. Cola de Contato (“Cola de Sapateiro”) - é um adesivo de contato, à


base de borracha de policloropreno, desenvolvido para a colagem de
vários tipos de materiais laminados entre si (ex.: papel/papel;
madeira/madeira; couro/couro; plástico/plástico) ou combinados (ex.:
papel/madeira; madeira/couro; plástico/madeira; metal/plástico, etc.). A
colagem consiste em aplicar uma camada fina de cola nas faces dos
materiais a serem unidos. Deve-se esperar que a cola seque antes de
unir os materiais (5 a 10minutos). Aplica-se bem na colagem de papeis,
por não alterar suas propriedades de acordo com a temperatura ambiente.
A venda em lojas de tintas e casas de materiais de construção. Misturada
ao seu solvente a cola apresenta uma melhor aplicabilidade, fica mais
fluida e pode ser aplicada com pincel, permitindo maior controle. Abaixo
duas marcas existentes no mercado.
Cola Solvente Cola Solvente

3. Colas Instantâneas (Cianocrilato) – Existem várias marcas no mercado,


Loctite, TekBond, Cascola, Leo, etc. A marca que apresenta maior
variedade de usos para materiais diferentes é a TekBond. Abaixo
algumas referências e especificações.
Este adesivo não se aplica a colagem de materiais como isopor
especificamente ou lâminas de qualquer material entre si (PSAI, acrilico,
papel, madeira, etc.) com áreas muito grandes. Sua secagem é muito
rápida e deixa áreas nas superfícies com grande acúmulo de cola,
deformando a superficie dos materiais uma vez unidos. Se aplicam às
colagems de pequenas peças em pequenas áreas, pois não resiste a
grandes esforços e vibrações. Já a Tekbond 735 que contém borracha
na sua composição é a mais indicada nesses casos. Não é aconselhavel
sua aplicação na colagem de materiais transparentes, pois deixa um
“esfumaçado” branco, manchando o material. A Tekbond 932, é especial
para colagem de materiais transparentes, mas ainda não passou por
“testes práticos” pelo Curso. Vale experimentar. Á venda em papelarias,
lojas de couros, lojas de tintas, lojas de ferramentas e casas de material
de construção.

4. Cola de Acrilico (clorofórmio) – Indicada para colagem de materiais


plásticos transparentes como PSAI, PVC, PET, e principalmente acrílicos.
Na verdade não é uma “cola” e sim um solvente que ao ser aplicado com
pincel fino ou seringa entre dois materiais previamente unidos, o produto
extremamente volátil, nas superfícies dos materiais em contato com o ar
evapora-se rapidamente porém, nos locais onde eles se tocam o liquido
permanece por mais tempo fazendo assim a fusão. Os frascos
geralmente vem com 1 litro, mas em algumas lojas já se encontram à
venda também frascos de ½ litro. È aconselhavel sua utilização em vidros
pequenos e em frascos de 10 ml, pois a evaporação é rápida e o produto
pode perder sua funcionalidade. Outro recomendação é que se use dois
frascos pequenos para dividirmos os trabalhos com materiais diferentes.
Ao se trabalhar com materiais “brancos” parte do material se deposita nos
pêlos dos pincéis, “sujando” o produto, o que pode transferir opacidade
para materiais que são transparentes.
5. Colas Aerosol (“Spray”) – Existem também várias marcas no mercado
e para várias funções diferentes. Para sua utilização é necessário o uso
de EPIs (equipamentos de proteção individual- mascaras respiratórias e
óculos). À venda em lojas de tintas, lojas de ferramentas, papelarias, etc.)
A marca 3M, desenvolveu algumas delas para aplicações em colagens
específicas que apresentamos a seguir:
6. Colas Epóxi – Adesivo super forte, bi componente, isto é, a resina
(aglomerante) e o catalizador (acelerador da secagem) devem ser
previamente misturados em iguais quantidades. Existem diversas marcas
no mercado (Brascola, Loctite, 3M, etc.) a mais usada é a Araldite da
marca Brascola, que possui vários tipos com tempo de secagem
diferentes. Indicada para vários materiais como: metal, plásticos rígidos,
porcelana, borracha, vidro, mármore, azulejos, cerâmicas, concretos,
madeiras, etc. Após cura total do adesivo, permite lixamento, pintura,
usinagem etc. Resiste até a temperatura de 90ºC. Não inflamável. A
venda em lojas de ferramentas, lojas de madeiras, lojas de tintas,
papelarias, etc. Abaixo alguns exemplos com tempos de secagem
diferentes.

FITAS ADESIVAS
1. Fita Crepe – Existentes no mercado em várias larguras e funções
diferentes, são muito usadas para fixação de qualquer material, mascaras
para pinturas, e fixação temporária em colagem de peças que necessitem
de tempo para secagem de colas. Existem fitas para pintura automotiva
que suportam altas temperaturas e solventes de tintas. Para o Curso as
mais simples são suficientes. Norton, Adelbras e 3M são as mais comuns.
Abaixo algumas fitas adesivas da marca 3M
2. Fitas Dupla-Face – utilizadas em montagens rápidas de vários materiais
entre si e sobre outras superfícies como, lâminas de metal finas, cartões,
PSAI, laminas finas de papel, madeira balsa, folhas de lixa,etc. A
vantagem é a limpeza e rapidez em maquetes de estudo. As mais
indicadas, são as de pelicula adesiva plástica, que permite serem
retiradas com facilidade, no caso de necessidade de descolamento. A
marca ADELBRAS é a única composta desse material, comprovada em
testes efetuados pelo Curso. Abaixo dois tipos da marca ADELBRAS.
TINTAS
1. TINTAS À BASE DE ÁGUA

1.1. Tinta Acrilica ou PVA (Tinta de parede)– Pode ser usada sobre
qualquer material, como PSAI, acrilico, madeiras, papeis, cartões,
isopor, poliuretano, etc. (menos vidro, borracha e metais), desde que
a superficie seja preparada para isso. Geralmente os materiais
plásticos são lixados para melhor “ancoragem” das camadas de tinta.
À partir da tinta branca podemos criar outras cores, apenas misturando
pigmentos liquidos ou em pó. É ótima para retoques pois conseguimos
igualar e uniformizar a superficie lixada, apenas retocando a tinta.
Bastante prática para colagens de materiais transparentes após a
pintura, pois a tinta não se dissolve em contato com a cola
(cloroformio). Á venda em lojas de tintas.
1.2. Tinta Acrilica para Artesanato – Vendidas em potes de vários
tamanhos, depois de secas não se diluem. Formam uma película
plástica, meio emborrachada sobre a área pintada que quando lixada,
deixa a superfície totalmente irregular, não permitindo assim igualar as
cores e a superficie ao retocar pinturas.

1.3. Esmalte Sintético – Existem hoje os esmaltes a base de agua,


menos toxicos e de secagem rápida, porém usa-se pouco em
maquetes.
1.4. Tinta Guache – Mais baratas e indicadas para trabalhos infantis

1.5. Tinta Aquarela – Indicada para trabalhos artisticos de desenho e


pintura.
2. TINTAS À BASE DE SOLVENTES

2.1. Tintas em Aerosol – As mais usadas na fabricação de maquetes


são os famosos “Sprays”, muito difundidos pelos “pixadores” e
“grafiteiros” é um material prático para pinturas rápidas e com muitas
cores. À base de solventes, algumas cores precisam ser “fosqueadas”
para o uso em maquetes com vernizes foscos também em aerosol,
devido ao seu alto brilho. Algumas cores já vêm foscas, não
necessitando desse processo, como o primer (cinza fechado), preto e
branco. Como os trabalhos necessitam de velocidade, somente os de
secagem rápida (de 10 a 15 minutos) interessam ao Curso. É
impressindivel a leitura das instruções na lata. Devem ser aplicadas
várias camadas (no minimo 3) até a pintura final, afim de fazer uma
base com a propria tinta e ancorar as camadas posteriores, caso
contrario o solvente secará rápido demais “craquelando” (rachando) e
deformando a superficie do material.

2.2. Esmalte Sintético – tinta à base de solventes naturais ou


quimicos. De secagem muito lenta, não se indica sua utilização na
fabricação de maquetes.

2.3. Laca Nitrocelulose – São as tintas utilizadas nas pinturas de


veículos. Precisam ser diluídas em solvente Thinner, devido a sua
densidade para serem aplicadas com compressor e pistolas
(simulando o efeito do aerosol). Antigamente se usava em maquetes
na consolidação de pó de espuma para a fabricação de copas de
árvores, por sua secagem extremamente rápida, hoje outros
processos e produtos são utilizados para esse fim.

PIGMENTOS
Apresentam-se em forma de pó ou liquidos e servem para tingir ou alterar as
cores das tintas à base de água. Não possuem fixador por isso não podem ser
usados como tintas porém, misturados com vernizes, seladoras ou óleos, podem
ser utilizados para esse fim. Existem também os chamados pigmentos
universais, são líquidos e mais concentrados e que servem tanto para tintas à
base de água como para tintas à base de solventes.
1. Pigmentos em pó – O mais usado existente no mercado é o Xadrez.
Apresentan-se em várias cores e misturados à Seladora podem ser
usados como tintas.

2. Pigmentos líquidos – Existem várias marcas , (Coral, Xadrez,


Suvinil,etc...). Podem ser para tingir tintas à base de àgua e à base de
solventes (pigmento universal).

Pigmento líquido Suvinil Pigmento líquido Xadrez Pigmento Liquido Coral

VERNIZES

1. Verniz em Aerosol (Spray) – Existem várias marcas no mercado e


apresentan-se do tipo Fosco, Semi-Brilhante ou Brilhante. Utilizados para
fixar desenhos sobre papel ou outros suportes para evitar que se borrem,
os vernizes foscos tem larga aplicação também em maquetes, pois podem
simular vidros jateados e translucidos, com a aplicação do tipo fosco,
sobre materiais transparentes. Á venda em papelarias. Abaixo algumas
marcas existentes no mercado. (Necessário utilização de EPIs)
2. Vernizes protetores- Existem outros vernizes para madeiras, à prova
dágua, com proteção solar, pigmentados, etc. e suas aplicações,
dependendo do trabalho executado, podem ser feitas através de rolo,
pincel, pistola de pintura ou aerógrafo. Abaixo algumas marcas.
(Necessário utilização de EPIs)

3. Seladoras- Produtos similares ao verniz, porém mais econômicos.


Atuam como impermeabilizantes “selando” a superfície dos materiais, isto
é, fechando os “poros” para a aplicação de tintas e vernizes. Podem ser
a base de água, com aplicações em pinturas de paredes e à base de
solvente para uso em materiais porosos como madeira, cartão paraná,
MDF, etc. evitando assim gastos maiores com a aplicação de muitas
demâos no acabamento final. Podem ser aplicados com pincéis,
chumaço de estopa ou pistola de ar comprimido. Abaixo marcas
existentes no mercado. (Necessário utilização de EPIs).
SOLVENTES
Os solventes são muito importantes, pois permitem a diluição de tintas, vernizes
e colas, para uma melhor aplicação e para a limpeza dos utensilios após o uso.
(Necessário utilização de EPIs).

1. Redutor Thinner – Solvente universal para quase todas as tintas e


vernizes (não servem para diluição de colas). Existentes para finalidades
especificas como diluição de tintas automotivas, tintas à base de
solventes naturais ou apenas para lavagem de pincéis, rolos e pistolas de
ar comprimido. Abaixo alguns tipos e finalidades. (Necessário utilização
de EPIs).

Redutor Thinner Extra 1101


Recomendado para diluição de tintas sintéticas, primers e seladoras à
base de nitrocelulose. COMPOSIÇÃO: Hidrocarbonetos aromáticos e
álcool. Apresentação nas seguintes embalagens: 900 ml, 5 litros,18
litros e 200 litros.

Redutor Thinner Acabamento 2002


Recomendado para a diluição de lacas automotivas proporcionando
excelente alastramento em profundidade de brilho, facilitando assim o
trabalho de polimento. Possui grande poder retardante, suportando
umidade relativa do ar de no máximo 80%.
COMPOSIÇÃO: Hidrocarbonetos aromáticos, álcool, ésteres glicóis e
cetonas. Apresentação nas seguintes embalagens: 900 ml, 5 litros,18
litros e 200 litros.
Redutor Thinner Universal 2008
Recomendado para a diluição de lacas automotivas proporcionando
excelente acabamento, quando usado em dias normais, com até 70% de
umidade relativa do ar. COMPOSIÇÃO: Hidrocarbonetos aromáticos,
álcool, ésteres glicóis e cetonas. Apresentação nas seguintes
embalagens: 900 ml, 5 litros,18 litros e 200 litros.

Redutor Thinner Tempestade 3001

Recomendado para a diluição de lacas automotivas proporcionando


excelente alastramento em profundidade de brilho, facilitando assim o
trabalho de polimento. Possui grande poder retardante, suportando
umidade relativa do ar de no máximo 90%.
COMPOSIÇÃO: Hidrocarbonetos aromáticos, álcool, ésteres glicóis e
cetonas. Apresentação nas seguintes embalagens: 900 ml, 5 litros,18
litros e 200 litros.

2. Reducola (solvente para colas de contato) – Solvente para colas de


contato (“colas de sapateiro”). Geralmente as próprias marcas
fabricam o solvente do tipo específico. Abaixo algumas marcas já
citadas anteriormente no item “Colas de Contato”.

LIXAS

A lixa é um papel com superfície abrasiva composta geralmente por minerais,


frequentemente utilizado para acabamentos em diversos materiais através de
desbastes e polimentos. Sua granulação varia de 16 a 3000, que se refere ao
número de grãos por centímetro quadrado.
Quanto maior a granulação, mais fina ela é. Existem lixas de papel (lixas para
madeira, lixas para massas de parede, lixas d’agua) e lixas de pano para metais.
As mais indicadas para os trabalhos com materiais diversos é a lixa d’água, que
além de ser à prova d’agua (utilizadas em reparos de automóveis com água para
não perderem seu poder de lixar por acumulo de materiais em seus grãos), são mais
resistentes e duradouras, sendo as mais finas utilizadas em etapas pré-polimento.
Varetas de madeira, acrílico, PSAI, a própria régua metálica ou outro material rígido
com perfis diversos podem ser fabricadas. Nelas podemos fixar as folhas de lixa
para o auxílio nos acabamentos das peças de um determinado perfil ou de locais
onde as ferramentas normais ou somente a utilização da lixa com as mãos, não
consegue alcançar.

GRANULAÇÕES E INDICAÇÕES
1. Lixas de desbaste –Extremamente grossas para retirada de material
pesado
 Nº: 16, 20, 36, 40, 60

2. Lixas de desbaste – Grossas para pré-acabamento.


 Nº: 100, 120, 150, 180.

3. Lixas de acabamento – Médias para acabamento e fosqueamento


 Nº: 220,240, 280, 320.

4. Lixas de polimento – Lixas finas para pré – polimento


 Nº: 400, 500, 600, 800, 1200, 1600...., 3000

LISTA DE MATERIAIS E FERRAMENTAS OBRIGATÓRIOS DE USO


INDIVIDUAL PARA CURSAR A DISCIPLINA:

1. Óculos de proteção
2. Máscaras contra poeira
3. Base de corte (no mínimo tamanho A3)
4. Régua metálica (no minimo 30cm)
5. Escalímetro (grande)
6. Estilete de lâmina grande ou pequena (de preferência da marca olfa)
7. Lâminas de reposição para os estiletes
8. Riscador de acrílico (de preferência da marca olfa)
9. Par de esquadros médios
10. Tesoura média
11. Fita crepe 2cm de largura
12. Fita dupla face 2cm ADELBRAS (é necessário que seja desta marca)
13. Cola de Cianocrilato (Super Bonder, Tekbond, Cascola, etc...)
14. Cola branca Cascorez (frasco de bico fino)
15. Cola de isopor (frasco de bico fino)
16. Folhas de lixa d’agua nº 80/100/180/220/320
17. Pincéis (marta tropical) redondos nºs 2, 6, 10
18. Pincéis (marta tropical) chatos nºs 5, 10, 20