Sie sind auf Seite 1von 9

SISTEMA IMUNITÁRIO - JUNQUEIRA

Constituição  órgãos linfáticos + céls. Isoladas


Funções  defesa do organismo: identifica o agressor e o destrói.
Propriedade  eficiência da defesa:
 Capacidade de distinção entre as moléculas do corpo (self) e as moléculas estranhas
(non-self);
 Ampla distribuição das estruturas linfáticas;
 Constante circulação das células imunitárias no sangue, na linfa e tecido conjuntivo.
ÓRGÃOS LINFÁTICOS
Órgãos linfáticos centrais ou primários  medula - origem de todos os linfócitos - e timo
Meio de transporte  linfa ou sangue.
Órgão linfáticos periféricos ou secundários  baço, linfonodos, nódulos linfáticos, tonsilas,
apêndice, placas de Peyer ilíacas  aqui linfócitos completam diferenciação e proliferam.
Linfócitos T  origem na medula óssea e maturação no timo.
Linfócitos B  origem e maturação na medula óssea.
TIPOS BÁSICOS DE RESPOSTA IMUNITÁRIA
Imunidade celular  células imunocompetentes reconhecem moléculas estranhas na
superfície de outras células, as quais são mortas. Ex.: bactérias, células transplantadas,
cancerosas e infectadas por vírus.
 Participam desta  linfócitos T, mastócitos, leucócitos granulócitos (neutrófilos e
eosinófilos) e leucócitos agranulócitos (monócitos, macrófagos e linfócitos NK)
Imunidade humoral ou adquirida  depende de anticorpos.
IMUNÓGENOS  moléculas estranhas que provocam uma resposta imunitária que pode ser
celular, humoral ou ambas simultaneamente.
 Podem ser encontrados em células inteiras, como bactérias e células cancerosas, ou
pode integrar uma macromolécula, como proteína, polissacarídeo ou nucleoproteína.
 Geralmente são antígenos.
ANTÍGENO  molécula que reage com anticorpo.
 Pode provocar resposta imunitária ou não.
 Uma bactéria tem vários epitopos  provoca resposta humoral e celular.
 Determinante antigênico ou epitopo  parte da molécula antigênica  determina
imunidade humoral (linf. B)
 Peptídeos derivados da digestão parcial do antígeno + moléculas MHC da membrana
das células apresentadoras de antígenos determinam imunidade celular (linf. T)
ANTICORPOS
São glicoproteínas plasmáticas circulantes, do tipo gamaglobulina = imunoglobulinas.
Com o que interagem  epitopo que estimulou sua formação.
O que secreta-os  plasmócitos derivados dos linfócitos B.
Quais as suas funções:
 A partir da combinação com o epitopo específico, provoca o aparecimento de sinais
químicos, indicando a presença de um invasor aos outros componentes do sistema
imunitário.
 Aglutinar microrganismos  facilita a fagocitose
 Precipitar antígenos solúveis  pode torná-los inócuos
Complemento  grupo de proteínas do plasma sanguíneo
 Onde ocorre a síntese  fígado
 Como se ativam  pela ligação de antígenos e anticorpos IgG e IgM.
 Quais funções  facilita a fagocitose ou causa lise de microrganismos patógenos
Opsonização  formação o complexo antígeno-IgG por ligação de bactérias ao anticorpo 
facilita a fagocitose
IgG
 Mais abundante no plasma  75%
 Atravessa a barreira placentária.
 Como é constituída  duas cadeias leves idênticas e duas
cadeias pesadas idênticas
o Quando isoladas, as regiões C-terminais das cadeias pesadas
cristalizam facilmente  por isso o nome Fc (fragment
crystallizable)  interagem com receptores da superfícies
celulares
o As 4 regiões N-terminais (2 da c. leve e 2 da c. pesada) constituem a Fab
(fragment antigen-binding)  a sequência de aminoácidos varia, conferindo a
especificidade para o epitopo.
IgA
 Pequena quant. no sangue.
 Onde é encontrada  secreções lacrimal, láctea, salivar, nasal, brônquica, intestinal,
prostática e vaginal.
 Em que forma é encontrada  SIgA ou IgA secretora  dois monômeros unidos por
uma proteína J e combinados a peça secretora ou de transporte.
 Que propriedades possui  resistência às enzimas proteolíticas das secreções
 O que as produz  células epiteliais produzem a peça secretora, o resto é plasmócito
IgM
 10% das Ig do plasma, sob a forma de pentâmero.
 Predomina no início das respostas imunitárias
 Onde é encontrada  junto a IgD na membrana dos linfócitos B, como receptores que
se ligam a antígenos e, em sequência, estimulam a diferenciação em plasmócitos
 Ativam complemento.
IgE
 Forma de monômero
 Afinidade por receptores das membranas de mastócitos e basófilos
 Reação alérgica  interação antígeno-IgE
IgD
 0,2% das Ig plasmáticas, sob forma de monômero
 Reconhece antígenos e, por conseguinte, ativa linfócitos B.
LINFÓCITOS B
Presente em vários órgãos linfáticos, exceto timo.
Representam 5 a 10 % dos linfócitos do sangue, cada um coberto por IgM = receptores de
antígenos.
Ativados  proliferação e diferenciação em plasmócitos ou em células B da memória
imunitária.
LINFÓCITOS T
65 a 75% dos linfócitos do sangue, coberto por receptores TCR (t-cell receptor)
T helper  estimulam a transformação do linfócito B em plasmócito.
T supressor  inibem a respostas humoral e celular, apressando o término.
T citotóxicos  atacam célula estranhas e infectadas por vírus  produzem perforinas que
abrem orifícios nas membranas e provocam lise ou induzem as células-alvo à apoptose.
Ambos os linfócitos não se distribuem uniformemente nos diversos órgãos linfáticos,
ocupando regiões definidas.
Os linfócitos B e T não podem ser diferenciados sob qualquer microscópio, apenas por
imunocitoquímica.
Expansão clonal  proliferação das células B e T mediante exposição a antígenos
LINFÓCITOS NK
Natural killers  atacam células cancerosas ou infectadas por vírus sem estimulação prévia;
Não tem os marcadores de B e T na membrana;
Representam 10 a 15% dos linfócitos
CÉLULAS APRESENTADORAS DE ANTÍGENOS
Qual a origem  medula óssea
Onde encontram-se  na maioria dos órgãos
Quais os componentes  células dendríticas, macrófagos, células de Langerhans e linfócitos
B.
Como processam os antígenos  digerem
parcialmente as proteínas exógenas nos
endossomos e lissossomos, transformando-as em
pequenos peptídeos que são ligados às moléculas
MHC II.
 OBS.: Proteínas derivadas de patógenos que
habitam o interior da célula infectada são
digeridos por proteossomos, até formarem
peptídios que são acoplados a MHC I.
Qual a importância do processamento  as células T
apenas reconhecem antígenos associados a MHC,
diferentemente das células B que reconhecem
antígenos sem processamento prévio. Para o
reconhecimento utiliza-se moléculas de membrana
abaixo:
 TCD4+  interage com MHC II
 TCD8+  interage com MHC I
CÉLULAS DENRÍTICAS
Qual a origem  célula precursoras derivadas da medula óssea (possivelmente monócitos),
são liberadas no sangue ainda imaturas e se difundem nos órgãos linfáticos e não linfáticos
onde processam antígenos.
Onde encontram-se  em órgãos linfáticos estão em locais ricos em células T; na pele são
as Langerhans – apresentadoras e imunoestimuladoras de células T naïve.
Qual a sua função:
Mediante inflamação ou penetração de antígenos, elas processam-no e migram  adquirem
a capacidade de estimulação de linfócitos T e perdem a capacidade de captura de antígenos
quando migram para os órgãos linfáticos.
Células foliculares dendríticas  não derivam da medula óssea e não processam antígenos,
sua função  reter antígenos na superfície onde os linfócitos B podem reconhecê-los.
COMPLEXOS DE HISTOCOMPATIBILIDADE
O que são  HLA – Human Leukocyte Antigen – ou MHC – Major Histocompatibility
Complex  distingue moléculas estranhas de moléculas próprias do organismo // cada
humano possui uma estrutura única
Qual a sua classificação  MHC I - em todas as células // MHC II  nas APC
TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS
Não apresentam resposta imunitária = MHC I idêntico
 Autólogo  transplante para o mesmo indivíduo
 Isólogo  transplante provém de um gêmeo homozigótico
Apresentam resposta imunitária de linfócitos NK e Tc = MHC I diferente
 Homólogo  transplante provém de outro indivíduo da mesma espécie
 Heterólogo  transplante provém de outro indivíduo de espécie diferente
CITOCINAS DA RESPOSTA IMUNITÁRIA
O que são  um grupo de peptídeos e glicoproteínas de baixo peso molecular.
O que as produz  leucócitos – interleucinas // linfócitos – linfocinas // monócitos e
macrófagos – monocinas // células invadidas por vírus – interferonas // quimiotaxinas –
atraem leucócitos para a inflamação // fatores de necrose tumoral – estimula expressão de
moléculas de aderência entre as células, apoptose das células-alvo e a hipertermia.

TIMO
Órgão linfoepitelial
Onde está situado  mediastino, posterior ao esterno, na altura dos grandes vasos.
Como se estrutura  dois lobos, cápsula de tecido conjuntivo que origina septos, estes
dividem o parênquima em lóbulos que possuem:
 Zona cortical  cora-se com hematoxilina por + presença de linfócitos
 Zona medular  cora-se mais fracamente por + presença de células reticulares
epiteliais e corpúsculo de Hassall  células reticulares epiteliais em camada
concêntricas queratinizadas, as centrais degeneram, morrem e se calcificam.
Qual sua origem  seus linfócitos formam-se a parir de células mesenquimatosas que
invadem um esboço epitelial derivado do endoderma da 3ª e da 4ª bolsa faríngea.
Qual a composição celular  ambas as zonas tem os mesmo tipos celulares em proporções
diferentes, mais células do tipo T em diversos estágios de maturação, células reticulares
epiteliais e macrófagos

Células reticulares epiteliais


Não produzem fibras reticulares, mas possuem prolongamentos citoplasmáticos unidos por
desmossomos que formam um retículo em cujas malhas os linfócitos T maturam.
O que possuem  núcleos grandes, grânulos e tonofibrilas (queratina)
O que formam  camada por dentro do tecido conjuntivo da cápsula e septos, retículo da
cortical e da medular, camada em torno dos vasos sanguíneos e os corpúsculos de Hassall.

Vascularização e barreira hematotímica


As artérias penetram a cápsula  seguem pelos septos  originam arteríolas  penetram
o parênquima  cursam pelo limite corticomedular  originam capilares  alcançam a
cortical  formam arcos em direção a medula  desembocam em vênulas pós-capilares 
formam veias  penetram os septos  saem pela cápsula.
OBS.: A medular também recebe capilares diretamente do limite corticomedular.
Barreira apenas na zona cortical  endotélio capilar não fenestrado + lâmina basal,
pericitos, lâmina basal + células reticulares epiteliais  função de evitar antígenos
Vasos linfáticos  apenas eferentes, paredes dos vasos e conjuntivo dos septos e cápsula.
HISTOFISIOLOGIA
Maior desenvolvimento no feto e neonato; cresce até a puberdade; idoso é adiposo + conj.
Involução  inicia pela cortical que se adelgaça, a medular é mais resistente.
Formação e seleção de linfócitos T a partir de células-tronco imigrantes da medula óssea
Apenas 5% não sofrem apoptose  os mortos não reagiram aos antígenos ou reagiram aos
autoantígenos  são liberados para as áreas timodependentes  zona paracortical
linfonodal , bainhas periarteriais da polpa branca do baço e tecido linfoide frouxo entre
nódulos linfáticos das placas de Peyer e tonsilas.
Fatores de crescimento  timopoetina, timosina alfa, timulina e fator tímico humoral
Aceleram a involução  ACTH, corticoesteroides e hor. sexuais (opostos a castração)
LINFONODOS
Onde estão  axila, virilha, grandes vasos do pescoço, tórax, abdome e
mesentério, sempre no trajeto dos vasos linfáticos
Circulação linfática é unidirecional  entra pelos vasos aferentes na borda
convexa  sai pelos vasos eferentes no hilo
Como se estrutura  reniforme, hilo - onde passam vasos; mede 1mm a 2cm.
 Cápsula de tecido conjuntivo envia trabéculas ao interior, dividindo o
parênquima em compartimentos incompletos.
 Parênquima
o Região cortical superficial - predomínio de linfócitos B, há células
foliculares dendríticas, plasmócitos, macrófagos e células reticulares:
 Tecido linfoide frouxo  seios subcapsulares e peritrabeculares
 são espaços irregulares delimitados incompletamente por
células endoteliais, reticulares com fibras e macrófagos,
encaminham a linfa dos vasos aferentes para a medular.
 Nódulos ou folículos linfáticos  condensações esf. d linfócitos
o Região cortical profunda ou paracortical – predomínio de linfócitos
T, há células reticulares, plasmócitos e macrófagos.
o Região medular – comunica-se com os vasos linfáticos eferentes.
 Cordões
medulares 
linfócitos B,
fibras, células
reticulares,
plasmócitos e
macrófagos.
 Seios
medulares 
separam
cordões,
similares aos
da cortical
HISTOFSIOLOGIA
Linfonodo = filtro da linfa  passa obrigatoriamente nele, depois vai ao sangue
Recirculação de linfócitos  eles deixam o linfonodo pelos vasos eferentes, que confluem e
formam os grandes linfáticos com desembocadura nas veias // retornam aos linfonodos por
diapedese nas vênulas de endotélio alto = cuboide simples, da região cortical profunda.

BAÇO
Maior agregado de tecido linfoide e único interposto na circulação sanguínea  reflete na
importância ao combate de antígenos invasores do sangue.
Como se estrutura:
 Cápsula de conjuntivo denso
 Hilo na superfície medial, com cápsula trabeculada para passagem de vasos
sanguíneos, linfáticos de origem das trabéculas e nervos.
 Polpa esplênica dividida em compartimentos incompletos por trabéculas da cápsula,
não contem vasos linfáticos; rica em células e fibras reticulares, macrófagos, APC,
células linfáticas
o Polpa branca
 bainha linfática periarterial  predomínio linfócitos T
 nódulos linfático  predomínio linfócitos B
o Seios marginais  zona entre polpa branca e vermelha, presença de linfócitos,
macrófagos e células dendríticas (APC) que examinam o sangue proveniente das
artérias centrais por meio de ramificação.
o Polpa vermelha
 Cordões esplênicos ou de Billroth  separados por sinusoides, formados
por células e fibras reticulares (col. III), macrófagos, linfócitos B e T,
plasmócitos, monócitos, leuco. granulócitos, trombóticos e eritrócitos.
 Sinusoides esplênicos  revestidos por endotélio espaçado, lâmina basal
descontinua e fibras reticulares em rede contendo macrófagos

Circulação sanguínea
Artéria esplênica atravessa o
hilo  ramifica-se em
artérias trabeculares 
penetram o parênquima e
tornam-se artérias da polpa
branca ou centrais 
deixam a polpa branca e
formam as arteríolas
peniciladas  próximo a
terminação há elipsoides, formados por macrófagos, células reticulares e linfócitos
seguem-se os capilares que conduzem o sangue  não se sabe se por circulação aberta
ou fechada  chega ao sinudoides ou seios da polpa vermelha entre os cordões de Billroth
 veias da polpa vermelha  veias trabeculares – canais escavados nas trabéculas
revestidos de endotélio  veia esplênica.
HISTOFISIOLOGIA
Polpa branca produz linfócitos  migram para a vermelha e adentram os sinusoides
esplênicos, integrando o sangue.
Hemocaterese - remoção das hemácias em via de degeneração da corrente sanguínea pelos
macrófagos no baço e medula óssea.

MALT
Mucosa-associated lymphoid tissue – extenso conjunto de tecido linfático presente na
mucosa dos tratos genitourinário, respiratório (BALT) e digestório (GALT).
Qual a composição  nódulos linfáticos (acúmulos de linfócitos) + tecido linfático difuso
OBS.: em algumas regiões se apresenta bem estruturado  tonsilas, placas de Peyer do íleo
Tonsilas
Órgãos formados por aglomerados de tecido linfático incompletamente encapsulados,
postos abaixo e em contato com o epitélio das porções iniciais do TGI.
Tonsilas palatinas (2)  na orofaringe, tecido linfático + nódulos linfáticos sob o epitélio
estratificado plano com invaginações que formam criptas  estas contém células epiteliais
descamadas, linfócitos vivos e mortos e bactérias  podem gerar pontos purulentos na
amigdalite.
Tonsila faríngea  superoposterior na faringe, recoberta por epitélio pseudoestratificado
cilíndrico ciliado  em forma de pregas da mucosa.
Tonsilas linguais  pequenas e numerosas na base da língua, recobertas por epitélio
estratificado plano  cada uma apresenta uma invaginação profunda que forma a cripta.
Placa de Peyer
Em que consiste  10 a 200 nódulos, visível a olho nu como uma área oval sem vilosidades
na superfície do lado antimesentérico do intestino.
Existem 30 placas, a maioria no íleo.
Há células M em vez de células absortivas
 Células epiteliais especializadas que recobrem os nódulos linfáticos.
 Numerosas invaginações basais com muitos linfócitos e APC (macrófagos)  a
lâmina basal descontínua facilita o trânsito dessas células entre conj. e células M
 Captam antígenos, por endocitose, e transporta-os para os macrófagos e linfócitos
subjacentes  estes migram para outros compartimentos do sistema linfático onde a
resposta imunitária se inicia.