Sie sind auf Seite 1von 32

893546 01_Frontispicio 07/02/19 10:38 Page 1

893546 01_Frontispicio 07/02/19 10:38 Page 1 Passo a 1.ano o passo Hora da leitura

Passo a

1.ano o
1.ano o

passo

Hora da leitura
Hora da
leitura

893546 02-03_Apresentacao 07/02/19 10:42 Page 2

Apresentação O desenvolvimento das competências da leitura e da escrita pressupõe, muitas vezes, uma aprendizagem
Apresentação
O
desenvolvimento das competências da leitura e da escrita pressupõe,
muitas vezes, uma aprendizagem lenta e custosa. Antes de começar este
período, as crianças devem desfrutar as leituras que os adultos realizam
em voz alta — um estímulo que as ajuda a superar as dificuldades encon-
tradas no processo de leitura.
Os contos constituem o primeiro contacto de carácter literário dos
alunos com a língua. Além disso, transmitem conhecimentos ao apresentar
situações e conflitos que as personagens têm de resolver e ajudam a
desenvolver a imaginação, a curiosidade e o pensamento; isto é, os contos
transmitem cultura. Se conseguirmos que os alunos desfrutem a audição e
a compreensão de contos, estaremos a fomentar o hábito da leitura e a
despertar a sua curiosidade pela língua escrita.
O
caderno Hora da Leitura apresenta um conjunto de pequenos contos
ilustrados para explorar na «hora da leitura», dando resposta às orientações
do Plano Nacional de Leitura, que têm como objectivo principal motivar os
alunos para esta prática.
Existe um processo gradual de familiarização dos alunos com a escrita,
pelo que o primeiro conto é apresentado em letra manuscrita e os res-
tantes em letra de imprensa.
2

893546 02-03_Apresentacao 07/02/19 10:42 Page 3

Índice HISTÓRIA Página HISTÓRIA Página O PIRATA E A PRINCESA 4 O gato Dário 20
Índice
HISTÓRIA
Página
HISTÓRIA
Página
O
PIRATA E A PRINCESA
4
O
gato Dário
20
Miniatura
8
O
Outono
21
História da bicicleta verde
9
Alice no país das maravilhas
22
O papagaio
10
O
Polegarzinho
23
A tomada
11
A
raposa e a cegonha
24
As letras que se escaparam
12
O
rouxinol
25
Os bons vizinhos
13
Gulliver no país dos anões
26
Uma notícia curiosa
14
O campo na cidade
27
A
Primavera
15
A vaca Caaa
28
O
príncipe e o comerciante
16
Os primeiros animais domésticos
29
História do rato na loja
17
O dia de anos da minha mamã
30
O
fantástico cavalo de madeira
18
A mochila da Margarida
31
Os chocolates
19
Um dia na praia
32
3

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 4

O PIRATA E A PRINCESA

04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 4 O PIRATA E A PRINCESA H∞å ´ muito§, muito§ ano§, $contaμ

H∞å´

muito§, muito§ ano§, $contaμ $o§ |pirata§, $q† $h´å |uμ $™esourØ

¢escondidØ nå mis™erioså |ilhå $∂a§ |palμeira§. Nå $ßegundå-$ƒÆirå, $Ø |piratå P‰ernå $∂ P∞a† $cˇegou $å`

$aquı ¢ $alı $coμ $å $suå |p´å, ma§ nãØ ¢encontro† |umå $s´ø møÆdå $∂ $ourØ.

|ilhå. F£eΩ $buraco§

$s ´ ø møÆdå $∂ $ourØ. |ilhå. F£eΩ $buraco§ N∞å |™erçå-$ƒÆirå |πelå manhå, ˜ $quandØ

N∞å |™erçå-$ƒÆirå |πelå manhå,˜

$quandØ $olhavå $Ø ma®, vi† $q† $ß

$aproximavå nuμ $barcØ $å |prin©eså L∞ucíliå.

— B∞on§ dia§, |piratå P‰ernå $∂ P∞a†. V∞iμ $buscar $Ø |™esourØ ¢escondidØ.

— B∞on§ dia§, L∞ucíliå. S‰ $quiße®e§, |po∂emo§ |trabalha® |junto§ ¢ $®eparti® $Ø |™esourØ $quandØ $Ø ¢encontrarmo§ — $disß $Ø |piratå.

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 5

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 5 — P∞a®e©-μ |uμ $boμ $acordø — $®espon∂e† $å
893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 5 — P∞a®e©-μ |uμ $boμ $acordø — $®espon∂e† $å

— P∞a®e©-μ |uμ $boμ $acordø — $®espon∂e† $å |prin©eså.

N∞å $quartå-$ƒÆirå ¢escavaraμ ¢ ¢escavaraμ $ßeμ ¢encontra® $Ø |™esourØ.

C∞omØ |tinhaμ $foμ, $∂ecidiraμ $coμe® $algun§ $coco§, ma§ $Ø |piratå P‰ernå $∂ P∞a† nãØ $sabiå |t®epa® $ৠ|palμeira§.

— N∞ãØ |™ |p®eocuπe§, ¢e† ¢ensinØ-|™ — $disß L∞ucíliå, $dandØ |umå $ajudå.

O∞§ $doi§ $di√Ærtiraμ-$ß $subindØ ¢ $∂es©endØ $da§ |palμeira§ ¢ $coμendØ $coco§.

$∂es©endØ $da§ |palμeira§ ¢ $coμendØ $coco§. N∞å $quintå-$ƒÆirå voltaraμ $å |procura® $Ø

N∞å $quintå-$ƒÆirå voltaraμ $å |procura® $Ø |™esourØ. A∞Ø $cˇega® $å noi™, $Ø |piratå $olho† $a§ ¢est®ela§ $coμ $å $suå $lu¬etå.

— C∞omØ $ß $chamå $aq†elå $q† $brilhå |tantØ? — |πergunto†-$lˇ

$å |prin©eså. P‰ernå $∂ P∞a† ¢ensino†-$lˇ $Ø noμ $∂ muita§ ¢est®ela§ ¢ $conto†-$lˇ $história§ $sob® ¢ela§. Junto§ $∂esfrutaraμ $Ø $©é† ¢est®eladØ.

5

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 6

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 6 N∞å $ßextå-$ƒÆirå |procuraraμ $∂ novØ $Ø |™esourØ.

N∞å $ßextå-$ƒÆirå |procuraraμ $∂ novØ $Ø |™esourØ. D£epoi§ $∂ $lanchar,

$å |prin©eså $foı $busca® $o§ $livro§ $q† |tinhå |trazidØ nØ $barcØ ¢ $coμeço†

$å $‘-$lo§ˆ

— P∞o® $favo®, $‘ˆ $outrå √ÆΩ ¢esß |tãØ $di√ÆrtidØ $dØ $d†en∂ |ir®equıetØ — |πedi†-$lˇ P‰ernå $∂ P∞a†.

¢eμ voΩ $altå.

E |passaraμ $å |tar∂ ¢encantado§ $coμ $o§ $conto§ $∂ L∞ucíliå.

¢encantado§ $coμ $o§ $conto§ $∂ L∞ucíliå. N∞Ø $sábadØ voltaraμ $å ¢escava® $coμ $a§ |pá§

N∞Ø $sábadØ voltaraμ $å ¢escava® $coμ $a§ |p᧠$ßeμ ¢encontra®

$Ø |™esourØ. D£epoi§ $dØ |janta®, P£ernå $∂ P∞a† $canto† $linda§ $©anç˜øƧ $∂ |pirata§.

— Q∞† voΩ |tãØ $bonitå $q† |™en§! — $disß-$lˇ L∞ucíliå. — Gostavå $q† μ ¢ensinasße§ $a§ |tua§ $©anç˜øƧ.

E |passaraμ $gran∂ |par™ $då noi™ $å $ri® ¢ $å $canta®.

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 7

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 7 N∞Ø $domingØ, L∞ucíliå  P‰ernå $∂ P∞a† nãØ voltaraμ
893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 7 N∞Ø $domingØ, L∞ucíliå  P‰ernå $∂ P∞a† nãØ voltaraμ

N∞Ø $domingØ, L∞ucíliå  P‰ernå $∂ P∞a† nãØ voltaraμ $å |procura®

$Ø |™esourØ. D£ecidiraμ fica® nå |ilhå, |porq† $ß |tinhaμ $apaixonadØ.

— T£emo§ $a§ ¢est®ela§, $a§ |palμeira§, $o§ μeu§ $livro§ ¢ a§ |tua§ $©anç˜øƧ |parå no§ $di√Ærtirmo§ — $disß $å |prin©eså.

— N∞˜

$Ø |piratå.

|p®ecisamo§ $∂ møÆda§ $∂ $ourØ |parå $ße® $ƒÆliΩe§ — $ac®es©ento†

7

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 8

Miniatura

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 8 Miniatura Chamam-me Miniatura porque sou pequena. Porque apenas alcanço a

Chamam-me Miniatura porque sou pequena. Porque apenas alcanço

a mesa e tenho sempre de subir a uma cadeira para ir à janela. Os meus irmãos são muito altos! Eles cresceram muito e podem chegar à marmelada do armário mais alto da despensa. Eu não. Eu tenho sempre de pedir ajuda. Às vezes, os meus irmãos tropeçam em mim quando corro na rua. «Qualquer dia pisamos-te», dizem-me. Quero crescer já para que não me pisem. E sobretudo para chegar à marmelada. Conto pelos dedos os anos que tenho. Todos numa mão. Estive a pensar, e acho que vou comer sempre a sopa, a carne

e a salada. Assim, hei-de crescer num instante.

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 9

História da bicicleta verde

07/02/19 10:43 Page 9 História da bicicleta verde Certo dia, uma menina quis pintar a sua
07/02/19 10:43 Page 9 História da bicicleta verde Certo dia, uma menina quis pintar a sua

Certo dia, uma menina quis pintar a sua bicicleta

e escolheu a cor verde. A menina gostava muito do verde. Mas o irmão mais velho disse-lhe:

— Nunca vi uma bicicleta de cor verde. É melhor que a pintes de vermelho, ficará mais bonita.

A menina também gostava do vermelho. Por isso também se veste

de vermelho e se pôs a pintar a bicicleta dessa cor. Mas uma menina disse-lhe:

— Toda a gente tem uma bicicleta vermelha! Porque não a pintas de azul?

A menina pensou bem, e pintou a bicicleta de azul.

Mas um rapaz seu vizinho disse-lhe:

— Azul? Que cor tão escura! O amarelo é mais alegre!

E a menina pensou também que o amarelo era mais alegre, e foi buscar o amarelo. Por fim, o irmão mais velho voltou:

— Eu disse-te para a pintares de vermelho! Vermelho, escolhe

o vermelho!

Então, a menina fartou-se de rir e foi buscar a cor verde e pintou

a bicicleta de verde, de cor verde como a erva.

E não ligou patavina ao que os outros disseram!

URSULA WÖLFEL

Vinte e Oito Histórias de Rir (Adaptado)

9

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 10

O papagaio

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 10 O papagaio O menino de cabelo ruivo e de camisa

O menino de cabelo ruivo e de camisa às riscas brancas e azuis

chegou a casa com um pedaço de cartão que encontrou no parque.

Aquele menino chamava-se António, mas todos lhe chamavam Toni.

O Toni entrou em casa e fechou-se no quarto. Foi buscar uma tesoura

e papel às cores, e passou toda a tarde a trabalhar. Cortava e colava; colava e tornava a cortar. O Toni já estava

a acabar de fazer o papagaio. Então, a mãe chamou-o para ir jantar.

— Quando acabarmos de jantar, mostras-me o papagaio. Gosto muito de papagaios — disse o pai.

O Toni esperou impaciente pelo fim do jantar. Depois, correu para

o

seu quarto e trouxe o papagaio. Sentiu-se muito orgulhoso quando

o

seu pai disse:

Bom trabalho, Toni. É um papagaio muito bonito. Quando

o

terminares, iremos ao parque para o pôr a voar.

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 11

A tomada

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 11 A tomada Sou uma tomada feliz. Deste sítio, no mais
893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 11 A tomada Sou uma tomada feliz. Deste sítio, no mais

Sou uma tomada feliz. Deste sítio, no mais baixo da parede, divirto-me

a olhar para os pés que andam pela casa e as diferentes maneiras que têm de andar. É como no cinema! Vejam só as coisas que faço funcionar! Cada dia vejo algo de novo, há muitos aparelhos que funcionam através de mim. Mas tenho um segredo: dentro de mim há uma força muito potente. Chama-se corrente eléctrica e pode ser perigosíssima. Graças à corrente eléctrica podem funcionar muitos electrodomésticos: rádios, televisores, gira-discos… Felizmente existem as pilhas, que me ajudam um pouco! Cada vez que se aproxima alguém e liga a ficha, sinto muita curiosidade. Que se passará? A Joana seca o cabelo, o aspirador corre pelo chão, como se fosse um barco terrestre, o Carlos põe o rádio com

o volume no máximo… Mas, quando se aproximam de mim crianças, sinto por dentro um medo terrível. Elas também querem brincar comigo. Às vezes tocam-me. Então, a força que tenho dentro, a corrente eléctrica, dá-lhes uma

sacudidela tremenda. Se a sacudidela for muito forte, pode fazer parar

o coração… E eu não quero que isso aconteça!

GINSI LUARENGHI

11

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 12

As letras que se escaparam

— E os dois saíram do abecedário de mãos dadas.
E os dois saíram do abecedário de mãos dadas.

Queriam

Num domingo de um mês qualquer, de um ano qualquer, o Jota disse ao Pê:

Estou cansado de tantas palavras e de tantas letras. Vens comigo dar uma volta?

Já estavam fartos de estar sempre nos livros, nos quadros, nas folhas dos cadernos, nos cartazes publicitários ver a cidade. Queriam andar pelas ruas. Queriam brincar nos parques…

Quando as outras letras se aperceberam do espaço vazio deixado no abecedário, exaltaram-se muito e gritaram:

— Que desfaçatez! Que falta de profissionalismo!

E viam o Jota e o Pê muito contentes a divertirem-se no jardim. Sentiram inveja e decidiram ir ter com eles.

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 13

Os bons vizinhos

04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 13 Os bons vizinhos Na casa viviam um cão, um gato e
04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 13 Os bons vizinhos Na casa viviam um cão, um gato e

Na casa viviam um cão, um gato e um rato.

O criado dava todos os dias três ossos ao cão.

A criada dava todos os dias três sardinhas ao gato.

Ao rato ninguém dava de comer. E, por isso, procurava como podia os seus três pedacitos de queijo. Quando o rato saía, o gato corria atrás dele. Ao ouvir

tanta algazarra, o cão começava a correr atrás do gato.

E passavam todo o dia a correr, o gato atrás do rato e o cão atrás do gato. Até que um dia disse o cão:

rato e o cão atrás do gato. Até que um dia disse o cão: — Como

— Como somos vizinhos, vamos viver como bons amigos.

— Eu quero comer o rato — disse o gato.

bons amigos. — Eu quero comer o rato — disse o gato. E o cão respondeu-lhe:

E o cão respondeu-lhe:

— Todos os dias te trazem três sardinhas. Assim, não precisas de comer o rato.

Desde aquele dia, os três amigos vivem como bons vizinhos.

O

A

O

criado dá três ossos ao cão.

criada dá três sardinhas ao gato.

cão e o gato procuram os seus três pedacinhos de queijo

para o rato.

13

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 14

Uma notícia curiosa

04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 14 Uma notícia curiosa Carlos retirou de uma caixa um aparelho de

Carlos retirou de uma caixa um aparelho de rádio portátil e ligou-o. Uma música alegre ouviu-se no quarto. Os dois meninos cantavam ao mesmo tempo que o rádio tocava. Uns minutos mais tarde, a música parou de vez.

— Que se passa? O rádio avariou?

— Penso que não

Naquele momento, ouviu-se a voz de um locutor, que dizia:

— Senhoras e senhores, interrompemos a nossa emissão musical

para vos comunicar que, há aproximadamente uma hora, caiu na nossa cidade um meteorito. Como sabem, os meteoritos são fragmentos de planetas e de outros corpos celestes. Podemos adiantar-vos que não houve vítimas nem danos materiais. O meteorito caiu numa esplanada, mas estava vazia. Esperamos, em breve, dar-vos mais notícias. Podem continuar a ouvir o nosso programa musical Os dois meninos apagaram o rádio e disseram ao mesmo tempo:

— Vamos ver o meteorito!

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 15

A Primavera

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 15 A Primavera Quando chega a Primavera, todo o campo se
893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 15 A Primavera Quando chega a Primavera, todo o campo se

Quando chega a Primavera, todo o campo se enche de flores:

margaridas, papoilas, malmequeres, etc. Com a Primavera, as papoilas aparecem em metade dos trigais. Lembram manchas de cor vermelha sobre o verde dos campos. Na Primavera, os morangueiros começam a dar os seus saborosos frutos. As andorinhas regressam de grandes viagens e, atarefadas, começam a construir os seus ninhos com barro e palha debaixo dos beirais dos telhados. Nesses ninhos põem de três a seis ovos, dos quais nascerão as suas crias. Na Primavera, também as borboletas dão belíssimas cores ao campo.

15

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 16

O príncipe e o comerciante

07/02/19 10:43 Page 16 O príncipe e o comerciante — Bom dia — disse o principezinho.

— Bom dia — disse o principezinho.

— Bom dia — disse o comerciante.

Era um comerciante de pílulas aperfeiçoadas para acalmar a sede. Engolindo uma por semana, não há necessidade de beber.

— Porque vendes tu isso? — perguntou o principezinho.

— É uma grande economia de tempo. Os cálculos foram feitos

por peritos. Poupa-se cinquenta e três minutos por semana.

— E o que se faz desses cinquenta e três minutos?

— Faz-se o que se quer…

«Eu — disse o principezinho para consigo — se tivesse cinquenta e três minutos para gastar, o que fazia era dirigir-me devagarinho para uma fonte…»

ANTOINE DE SAINT-EXUPÉRY

O Principezinho

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 17

História do rato na loja

07/02/19 10:43 Page 17 História do rato na loja Uma vez, um rato entrou numa loja
07/02/19 10:43 Page 17 História do rato na loja Uma vez, um rato entrou numa loja

Uma vez, um rato entrou numa loja durante a noite. Cheirou todas as

coisas boas que havia por ali: manteiga, toucinho, salsichas, queijo, pão, pastéis, chocolate, maçãs, nozes e cenouras frescas.

A primeira coisa que fez foi sentar-se nas suas patitas traseiras,

mexer o rabito no ar e assobiar de contente. A questão era: por onde deveria começar? Decidiu roer um pacote de manteiga, mas, por um lado, o toucinho cheirava tão bem e, por outro, o queijo cheirava tão bem! Decidiu começar por roer o queijo, mas, por um lado, a salsicha cheirava tão bem e, por outro, o chocolate cheirava tão bem! Decidiu roer o chocolate, mas, por um lado, os pastéis cheiravam tão bem e, por outro, a manteiga cheirava tão bem!

O pobre ratinho corria de um lado para o outro. Não sabia por onde

devia começar a roer. E com tudo isto estava a fazer-se dia, e as pessoas entraram na loja. Expulsaram logo o ratito. E foi assim que o ratinho disse aos outros ratos:

— Não volto mais à loja. Quando começamos a comer, põem-te fora.

URSULA WÖLFEL

Vinte e Oito Histórias de Rir

17

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 18

O fantástico cavalo de madeira

07/02/19 10:43 Page 18 O fantástico cavalo de madeira A Beatriz e o Paulo estavam a

A Beatriz e o Paulo estavam a brincar em casa, quando ela disse:

— Lembras-te daquele fantástico cavalo que vimos na loja? Pois está em minha casa.

— Deram-to? — perguntou o Paulo.

— Não. Veio ele mesmo. Ontem, quando te foste embora, voltei para

vê-lo outra vez. Estive a olhar para ele um bocadinho e, quando me vim embora, reparei que ele me seguia. Veio atrás de mim, entrou em casa e ficou junto à janela.

— E como é que pode isso acontecer? — voltou a perguntar o Paulo.

— Já te disse que é um cavalo fantástico.

ANGELA IONESCU

(Adaptado)

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 19

Os chocolates

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 19 Os chocolates A mãe tinha comprado um pacote de chocolates
893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 19 Os chocolates A mãe tinha comprado um pacote de chocolates

A mãe tinha comprado um pacote de chocolates e deu-o ao Paulo.

— Paulo, como já és um menino crescido, podes guardar o pacote

de chocolates. Mas tem muito cuidado: não os comas todos de uma só vez. Quando chegou a hora do jantar, o Paulo disse:

— Não tenho fome esta noite, mamã…

— Não tens fome? Diz lá, quantos chocolates comeste?

— Todos, mamã.

— Todos? — disse a mãe preocupada, pois o Paulo tinha sido

sempre um menino muito obediente. — Não te tinha dito para não os comeres todos de uma só vez?

— Eu não os comi de uma só vez, mamã — respondeu o Paulo com

cara de inocente. — Meti-os na boca um depois do outro, não todos de uma vez: como tu me tinhas dito!

O Paulo dizia a verdade. A culpa era da sua mãe, que não se tinha

explicado bem. E ela admitiu-o com sinceridade. Às vezes, os adultos explicam-se mal.

— Lamento, Paulo — disse a mãe. — Eu queria dizer que tinhas

de comer apenas alguns chocolates e deixar outros para amanhã e mais uns poucos para depois de amanhã…

19

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 20

O gato Dário

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 20 O gato Dário É de noite. A cidade brilha, iluminada

É de noite. A cidade brilha, iluminada pelas luzes de todas as lojas; de todas as casas… Três gatos contemplam do cimo de um telhado o grande espectáculo. Um chama-se Fifi e diz:

As luzes de que mais gosto são as azuis.

O

outro chama-se Lulu e diz:

Eu gosto mais daquelas vermelhas. As que acendem e apagam.

O

outro gato chama-se Dário:

A luz de que eu gosto mais é a luz da Lua.

Lulu e Fifi gozam com ele.

— O que estás para aí a dizer, Dário? A luz da Lua é a mais feia! De repente, alguma coisa acontece na cidade. Todas as luzes se apagam. Há uma avaria. Lá no alto, a Lua afasta as nuvens que lhe tapam a cara.

A luz da Lua cai sobre a cidade; cai sobre os três gatos do telhado;

sobre a água do lago…

O gato Dário sorri e pergunta:

— Qual é a luz mais bonita?

Fifi e Lulu protestam. Não gostam que o Dário tenha razão.

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 21

O Outono

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 21 O Outono No Outono, fazem-se as vindimas. A muitas árvores,
893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 21 O Outono No Outono, fazem-se as vindimas. A muitas árvores,

No Outono, fazem-se as vindimas. A muitas árvores, como a figueira, a amendoeira, o álamo… caem-lhes as folhas no Outono. Por outro lado, a outras árvores, como a palmeira, o eucalipto, o pinheiro… caem-lhes muito poucas folhas. No Outono, o castanheiro dá-nos os seus frutos: as castanhas. Depois, o castanheiro fica despido: todas as suas folhas caem. Adeus, castanheiro! Até ao próximo ano! No Outono, os ouriços começam a ficar com frio. Por isso, retiram-se para a sua toca. Aí ficarão a dormir até que chegue o bom tempo. No Outono, os patos, as cegonhas, as andorinhas… emigram para terras quentes. Voam milhares e milhares de quilómetros! Quando chegar a Primavera, voltarão aos locais que abandonaram no Outono.

21

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 22

Alice no país das maravilhas

A Alice estava sentada num banco do jardim,
A Alice estava sentada num banco do jardim,

quando de repente viu um coelho que dizia:

— Meu Deus! Vou chegar atrasado! — E afastou-se rapidamente.

A Alice achou estranho ao ver que o coelho usava relógio e falava;

levantou-se e seguiu-o. Entrou atrás dele numa caverna que acabava numa porta. Mas a porta era tão pequena que a Alice não conseguiu

atravessá-la. A menina teve muita pena por não poder entrar, porque, no outro lado, via-se um lindo jardim. Então, a Alice viu em cima de uma mesa uma garrafa que tinha um cartão que dizia: «Bebe-me.» Bebeu metade da garrafa e, de repente, começou a ficar muito pequena, tão pequena como um gatinho.

— Que alegria — disse a Alice. — Agora já posso entrar no jardim!

No entanto, a chave da porta estava em cima da mesa e, como estava tão pequena, não podia alcançá-la. Então viu um bolo que dizia: «Come-me». A menina comeu um pedaço e, de repente, começou a crescer, e ficou tão grande como um gigante. Começou a chorar, e as suas lágrimas eram tão grandes que se formou um enorme charco no chão. […] De repente: Bang!!! A Alice acordou. Tudo tinha sido um sonho.

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 23

O Polegarzinho

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 23 O Polegarzinho Era uma vez um menino tão pequeno que
893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 23 O Polegarzinho Era uma vez um menino tão pequeno que

Era uma vez um menino tão pequeno que parecia um polegar;

por isso toda a gente lhe chamava Polegarzinho. Polegarzinho era o filho mais novo de uma família de lenhadores muito pobres. Um dia, Polegarzinho e os seus irmãos perderam-se no bosque. Depois de muito andar, chegaram a uma casa muito grande e velha. Bateram à porta:

— Tam-tam! Abram, por favor, temos frio!

A porta abriu-se e apareceu um homem grande, muito grande, tão grande como uma montanha. Tinha um aspecto feroz. Aquele homem era o ogre Golão. O Polegarzinho, como era tão pequeno, só conseguia

ver as enormes botas de sete léguas do ogre. De repente, o ogre Golão agarrou os sete irmãos com uma mão. Gritava e ria, dizendo:

— Que refeição tão boa para o meu dia de anos!

Mas, nessa mesma noite, enquanto o ogre dormia, o Polegarzinho tirou-lhe as botas de sete léguas. Depois, o Polegarzinho libertou os seus irmãos e meteram-se todos juntos nas botas de sete léguas; assim, num instante, chegaram a casa, onde os seus pais os receberam com grande alegria.

23

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 24

A raposa e a cegonha

04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 24 A raposa e a cegonha A raposa foi um dia buscar

A raposa foi um dia buscar a cegonha e, muito amável, disse-lhe assim:

— Irmã cegonha, penso que devíamos reforçar a nossa amizade. Aceitarias vir amanhã comer a minha casa?

— Com certeza — respondeu a cegonha, muito contente.

No dia seguinte, a raposa levou a sua amiga até à mesa, onde nada faltava. A cegonha observou que a comida, umas saborosas papas de

milho, estava servida nuns pratos muito planos, que davam pouco jeito ao seu longo bico.

— Gostava de devolver-te o convite — disse a cegonha. — Queres almoçar comigo?

A raposa aceitou muito agradada e acompanhou a cegonha à sua casa.

A comida era realmente apetitosa: um guisado que cheirava tão bem,

que a raposa ficou com água na boca. Só que estava servido em frascos altos e com o pescoço estreito. A cegonha podia alcançar muito facilmente com o seu longo bico os pedaços de carne, mas

a raposa, por mais que deitasse a língua de fora, não conseguia chegar ao manjar.

— Não gostas de partidas, irmã raposa? Pois cá se fazem, cá se pagam.

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 25

O rouxinol

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 25 O rouxinol O rouxinol é uma das aves com o
893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 25 O rouxinol O rouxinol é uma das aves com o

O rouxinol é uma das aves com o canto mais bonito.

E não canta apenas durante o dia; também canta à noite. Mas não é fácil ouvir o canto nocturno do rouxinol.

É uma ave muito tímida e prefere não ser vista.

A sua plumagem pardacenta ajuda-o a confundir-se com as folhas das árvores. Os seus ovos também são pardos. Assim é difícil vê-los. Os rouxinóis fazem os seus ninhos nos ramos baixos das árvores; utilizam folhas e pequenos ramos entrelaçados.

25

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 26

Gulliver no país dos anões

07/02/19 10:43 Page 26 Gulliver no país dos anões Há muitos, muitos anos, havia um homem

Há muitos, muitos anos, havia um homem chamado Gulliver que estava sempre a pensar em fazer viagens. Um dia, Gulliver embarcou num navio que se dirigia para os mares do Sul. Uma noite desencadeou-se uma forte tempestade. O barco chocou contra umas rochas e Gulliver caiu à água. Nadou durante muito tempo, até que alcançou uma praia. Saiu do mar completamente esgotado e adormeceu de imediato. Na manhã seguinte, não conseguiu levantar-se. Os seus cabelos estavam fortemente presos ao chão através de estacas. Depois de muitos esforços, conseguiu olhar para um lado e viu, com grande surpresa, que estava rodeado por uma multidão de anõezinhos. Gulliver compreendeu que tinha chegado ao país de Liliput, habitado por homenzinhos mais pequenos que um dedo.

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 27

O campo na cidade

04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 27 O campo na cidade O Carlos era um menino que vivia
04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 27 O campo na cidade O Carlos era um menino que vivia

O Carlos era um menino que vivia numa grande cidade. Todas as manhãs, quando ia para a escola, imaginava que caminhava

pelo campo. Em vez de postes eléctricos, via árvores cheias de ninhos.

E aos semáforos imaginava-os como montes onde vivia todo o género

de animaizinhos. Quando o Carlos andava pelas avenidas, sonhava que passeava por veredas através do campo. E, se atravessava a rua, pensava que estava a atravessar um rio caudaloso. Na sua turma, o Carlos era quem mais sabia de plantas e de animais: sabia distinguir entre um olmo e um choupo e reconhecer

as pegadas de uma ovelha ou as de uma mula. Porque o Carlos amava

a Natureza.

27

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 28

A vaca Caaa

A história que te vou contar é a de uma vaca que se chamava Caaa

e não Estrelinha, Manchinhas ou Caretas, como é habitual. […] Caaa não sabia fazer nada. Porque era uma vaca. Apenas sabia

comer, lamber-se e mugir. Nem sequer dormia bem. Porque ultimamente andava nervosa. O seu maior desejo era ser famosa. […]

O dia mais excitante na vida da vaca Caaa foi quando o Júlio, o seu

dono, foi ordenhá-la, e em vez de leite saiu batido de morango.

O Júlio não sabia o que pensar. Nem todas as vacas davam o mesmo

leite. Cada vaca tinha o seu leite particular, mas nunca tinha visto uma vaca dar batido de morango. Quando, à tarde, o Júlio ordenhava a sua vaca, ouvia aproximar-se os gritos das crianças da aldeia, nervosas de entusiasmo.

— Júlio! Júlio! Podemos entrar?

O Júlio levantava a cabeça e dizia-lhes:

— Não, ainda não.

E todos, de copos na mão, esperavam

— Não, ainda não. E todos, de copos na mão, esperavam que o Júlio acabasse de

que o Júlio acabasse de ordenhar a Caaa. «Agora sou realmente a vaca mais famosa que jamais existiu!», pensava

a Caaa.

O mínimo que estes meninos podem fazer

é pedir ao presidente da Junta que dê o meu nome a uma rua da aldeia. […]

O Júlio e a sua vaca ficaram famosos. Saíram nos jornais, na rádio

e apareceram na televisão. […] E por unanimidade deram à rua da escola o nome da vaca. Rua da vaca Caaa (habitante da aldeia).

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 29

Os primeiros animais domésticos

07/02/19 10:43 Page 29 Os primeiros animais domésticos Há muitos milhares de anos, todos os animais
Há muitos milhares de anos, todos os animais eram selvagens.
Há muitos milhares de anos, todos os animais eram
selvagens.

Os homens caçavam e as mulheres ficavam nas cabanas

a assar a carne.

O cão selvagem cheirou a carne assada e disse à mulher:

— Dá-me um pouco dessa carne que cheira tão bem.

A mulher respondeu-lhe:

— Dou-te toda a carne que quiseres. Mas tens de deixar de ser selvagem. Ajudarás a caçar e guardarás a nossa casa.

O cão aceitou e ficou na cabana a comer a carne.

Depois, a mulher começou a secar a erva perto da fogueira. Com

essa erva ia fazer o telhado da cabana. O cavalo selvagem cheirou

a erva e disse à mulher:

— Dá-me um pouco dessa erva que cheira tão bem.

A mulher respondeu-lhe:

— Dou-te toda a erva que quiseres. Mas tens de deixar de ser

selvagem. Vais ajudar-nos e levar-nos sobre ti sempre que o queiramos.

O

cavalo aceitou e ficou junto da cabana a comer palha.

O

caçador, ao chegar, disse:

— O que fazem aqui o cão selvagem e o cavalo selvagem?

A mulher respondeu-lhe:

— Estes animais já não são selvagens. O cão vai ajudar-te a caçar

e o cavalo vai levar-te a todo o lado.

E o caçador sentou-se junto à fogueira, muito satisfeito com

a inteligência da sua companheira.

29

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 30

O dia de anos da minha mamã

07/02/19 10:43 Page 30 O dia de anos da minha mamã É o dia de anos

É o dia de anos da minha mamã e vou comprar-lhe um presente, como

faço, desde o ano passado, porque antes era muito pequeno. Tirei as moedas que tinha no meu mealheiro. Felizmente tinha muitas, porque, por acaso, a mamã ontem deu-me dinheiro. Eu já sabia

qual era o presente que lhe ia oferecer: flores para colocar no grande jarrão azul da sala, um ramo muito, muito grande. Na escola estava muito impaciente pelo fim da aula para poder ir comprar o presente. Para não perder as minhas moedas, meti a mão no bolso durante

o

tempo todo, mesmo para jogar futebol no recreio, mas, como não sou

o

guarda-redes, não teve muita importância.

O guarda-redes era o Alcides, um rapaz que é muito gordo e que

adora comer. «O que se passa contigo? Porque estás a correr só com uma mão?», perguntou-me. Quando lhe expliquei que era porque ia comprar flores para a minha mamã, disse-me que teria preferido alguma coisa para comer — um bolo — rebuçados ou salpicão. Mas, como o presente não era para ele, não lhe dei atenção e marquei-lhe um golo. Ganhámos por 44 a 32.

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 31

A mochila da Margarida

07/02/19 10:43 Page 31 A mochila da Margarida A Margarida, ainda meio a dormir, levantou-se da
07/02/19 10:43 Page 31 A mochila da Margarida A Margarida, ainda meio a dormir, levantou-se da

A Margarida, ainda meio a dormir, levantou-se da cama. Este é o pior

momento do dia para a Margarida. Foi à casa de banho e tomou um duche. Tomou o pequeno-almoço e começou a preparar a mochila; tinha de colocar lá os livros, os lápis de cor, uma maçã, os cadernos, os berlindes… A mochila estava tão cheia que não se podia fechar. Finalmente, a Margarida saiu a correr de casa porque já era tarde para ir para a escola. Queria chegar lá o mais depressa possível. Correu pela rua, tropeçou numa pedra, meteu os pés em todas as poças

de água. Entrou no autocarro e começou a procurar o dinheiro para pagar o bilhete. «Que difícil é tirar o dinheiro da mochila!», pensou, desesperada. Alguns berlindes coloridos caíram ao chão e fugiram para debaixo das botas do revisor, que quase perdeu o equilíbrio. No interior do autocarro aconteceram, então, coisas muito estranhas. Uma senhora muito elegante agarrou-se ao pescoço do motorista a gritar:

— Ratos! Está tudo cheio de ratos coloridos!

— Não são ratos; são elefantes — disse um senhor a empurrar

com o pé um dos animaizinhos de plástico que tinham caído da mochila da Margarida.

— Acalmem-se, que eu estou aqui! — gritou o revisor. Por fim, chegaram à paragem!

A Margarida saiu do autocarro, e o motorista e o revisor suspiraram

de alívio.

31

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 32

Um dia na praia

893546 04-32_Historias 07/02/19 10:43 Page 32 Um dia na praia O Miguel começou com o seu

O Miguel começou com o seu balde e a sua pá a fazer um castelo de areia, como tantas outras vezes. Pouco depois, aproximaram-se duas meninas, a Adélia e a Joana, que se puseram a ajudar. A seguir, uns rapazes mais crescidos juntaram-se ao Miguel, à Adélia e à Joana. Já eram sete a fazer um castelo! De repente, não se sabe porquê, centenas de pessoas, adultos e jovens, de todos os pontos da praia, aproximaram-se do castelo que o Miguel tinha começado a fazer. Uns faziam os caminhos e o fosso; outros faziam as muralhas, as torres e as ameias… Todos fizeram na areia da praia o que sempre tinham imaginado sobre os castelos antigos! E conseguiram fazer um castelo muito grande, perfeito. Parecia um castelo verdadeiro.