You are on page 1of 8

Ficha de Avaliação n.

º 1

Grupo I
Sistema reprodutor humano

Observe a seguinte figura, respeitante à morfologia do sistema reprodutor feminino.

Fig. 1

1. Estabeleça a ligação entre os números 1, 4, 8, 10, 13 e 15 e os seguintes órgãos.


A – Útero D – Vagina
B – Trompas de Falópio E – Cérvix
C – Ovário F – Endométrio

2. A célula reprodutora masculina está representada pelo número ____ e a reação


acrossómica está a ocorrer nas células identificadas pelo número ____.
(A) 18 (…) 28 (C) 18 (…) 16
(B) 27 (…) 28 (D) 27 (…) 16

3. A espessura do revestimento uterino é controlada por hormonas, nomeadamente a ____,


produzidas ____.
(A) FSH e LH (…) nos ovários
(B) progesterona e os estrogénios (…) nos ovários
(C) FSH e LH (…) no complexo hipotálamo-hipófise
(D) progesterona e os estrogénios (…) no complexo hipotálamo-hipófise

Óscar Oliveira | Elsa Ribeiro | João Carlos Silva 1


© Edições ASA II, 2016
4. A fase menstrual do útero inicia-se no ____ dia do ciclo e é simultânea com a fase ____ do
ciclo ovárico.
(A) 14o (…) luteínica
(B) 1o (…) luteínica
(C) 14o (…) folicular
(D) 1o (…) folicular

5. Relativamente ao controlo hormonal do sistema reprodutor masculino, é possível afirmar


que…
(A) é mais complexo que o controlo do sistema reprodutor feminino.
(B) inclui mecanismos de retrocontrolo positivo e negativo.
(C) inclui apenas mecanismos de retrocontrolo positivo.
(D) inclui apenas mecanismos de retrocontrolo negativo.

6. As expressões seguintes referem-se a etapas que ocorrem entre a gametogénese e o


nascimento. Coloque-as pela ordem correta em que ocorrem.
A – Formação do blastocisto.
B – Início da meiose para a formação dos gâmetas masculino e feminino.
C – Reação acrossómica e cariogamia.
D – A cabeça do bebé exerce pressão no cérvix e estimula a libertação de oxitocina, que
desencadeia as contrações uterinas.
E – Fase embrionária do desenvolvimento intrauterino.

7. Identifica os órgãos do sistema reprodutor masculino responsáveis pelas seguintes funções.


A – Órgão onde ocorre a maioria das fases da gametogénese.
B – Estrutura onde há acumulação e maturação dos espermatozoides.
C – Glândula responsável pela secreção de um fluido que é libertado durante o ato sexual e
que lubrifica as vias genitais masculinas.
D – Órgão copulador, responsável pela deposição de gâmetas no aparelho reprodutor
feminino.
E – Transportam os espermatozoides dos testículos até à vesicula seminal.

8. Das seguintes afirmações selecione aquelas que dizem respeito unicamente ao sistema
reprodutor masculino.
A – Formação de gâmetas a temperatura inferior a 37 oC.
B – Na gametogénese formam-se no final células haploides.
C – Por cada divisão meiótica formam-se 4 células iguais e viáveis.
D – A testosterona é uma das principais hormonas envolvidas no funcionamento do sistema
reprodutor.
E – O sistema reprodutor sofre grandes desenvolvimentos durante a puberdade.
F – Desenvolvimento de caracteres sexuais secundários.
G – A uretra pertence aos sistemas reprodutor e excretor.
H – Envolvimento do complexo hipotálamo-hipófise no controlo hormonal.

9. Explique o controlo hormonal que os ovários exercem sobre o ciclo uterino.

Óscar Oliveira | Elsa Ribeiro | João Carlos Silva 2


© Edições ASA II, 2016
Grupo II
Desenvolvimento embrionário e gestação

Ao longo do desenvolvimento embrionário ocorrem importantes mudanças no feto e na


grávida.
A figura 2 representa as principais mudanças que ocorrem no embrião e no feto, com
destaque para o intervalo de tempo em que os diferentes órgãos se formam.

Fig. 2

1. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações, relativas
aos dados.
A – O sistema nervoso central é um dos primeiros sistemas de órgãos a formar-se no
desenvolvimento embrionário.
B – É possível ouvir os batimentos cardíacos após algumas semanas de gestação.
C – Quase todos os órgãos iniciam o seu desenvolvimento na fase fetal.
D – Ao longo do desenvolvimento embrionário não ocorre diferenciação celular nem
morfogénese.
E – Todos os órgãos iniciam a formação nas primeiras duas semanas.
F – Os órgãos sexuais masculinos e femininos formam-se nas últimas semanas de gestação.
G – Os anexos embrionários são essenciais na nutrição, manutenção e proteção da
integridade do embrião e do feto ao longo da gravidez.
H – O desenvolvimento fetal tem início imediatamente após a fecundação.

Óscar Oliveira | Elsa Ribeiro | João Carlos Silva 3


© Edições ASA II, 2016
2. Mencione a altura da gravidez em que é mais perigosa a exposição a agentes tóxicos.

3. Imediatamente após a implantação do blastocisto verifica-se…


(A) o fim da produção da hormona hCG.
(B) o início da produção da hormona hCG.
(C) uma intensa síntese de hormonas por parte do endométrio.
(D) a degeneração completa do corpo lúteo.

4. A nidação do blastocisto origina…


(A) a manutenção do endométrio na fase secretora.
(B) o início de uma nova fase folicular no ovário.
(C) a ocorrência de uma menstruação.
(D) um pico da hormona LH no sangue.

5. Relativamente à gestação humana é possível referir que…


(A) as mamas não sofrem qualquer tipo de modificação.
(B) o embrião não produz hormonas envolvidas na gravidez.
(C) as elevadas concentrações de estrogénio e de progesterona impedem a produção de
leite materno.
(D) a prolactina é essencial para iniciar o trabalho de parto e finalizar a gestação.

6. A amniocentese é um exame que permite o diagnóstico pré-natal de diversas


malformações, baseando-se na recolha de ____ e na análise do ____.
(A) líquido amniótico (…) teor da hormona hCG
(B) sangue (…) teor da hormona hCG
(C) sangue (…) cariótipo
(D) líquido amniótico (…) cariótipo

7. Os pulmões são dos últimos órgãos a formar-se de forma completa. Relacione este facto
com a forma como as trocas gasosas com o embrião/feto ocorrem e a função de alguns
anexos embrionários.

Óscar Oliveira | Elsa Ribeiro | João Carlos Silva 4


© Edições ASA II, 2016
Grupo III
Efeitos do álcool no aparelho reprodutor feminino

É do conhecimento científico que as mulheres que sofrem de alcoolismo têm problemas


associados ao aparelho reprodutor, com destaque para ciclos menstruais irregulares, ausência
de ovulação, infertilidade e risco de menopausa precoce.
Embora diversos estudos indiquem que o consumo reduzido ou moderado de álcool é
suficiente para reduzir a fertilidade feminina, outros indicam mesmo que o consumo baixo ou
moderado de vinho pode estimular a fertilidade feminina e masculina.

Experiência
Foi realizada uma experiência para investigar os efeitos do álcool na fertilidade feminina. A
amostra era constituída por 6120 mulheres com idade entre 21 e 45 anos, numa relação
estável com um parceiro e que procuravam engravidar sem recorrer a tratamentos de
fertilidade. O estudo decorreu de 1 de junho de 2007 a 5 de janeiro de 2016, na Dinamarca.

Métodos
O consumo de álcool semanal foi indicado por cada mulher, considerando uma bebida
equivalente a 330 mL de cerveja, a 120 mL de vinho, a 50 mL de licores ou a 20 mL de bebidas
espirituosas. O consumo total semanal foi calculado e agrupado numa das seguintes
categorias: sem consumo (menos de uma bebida); consumo moderado (1 a 7 bebidas);
consumo elevado (8 a 13 bebidas) e consumo excessivo (mais de 14 bebidas).
Na tabela I estão presentes as características dos elementos que participaram no estudo.

Tabela I
Número de bebidas consumidas semanalmente
Característica
Nenhuma 1-3 4-7 8-13 ≥ 14
o
N. de mulheres 1848 2801 1120 276 75
Idade média das
27 28 29 29 29
mulheres (anos)
Idade média dos
30 30 30 31 32
homens (anos)
Número de ciclos 488 713 264 74 25
irregulares (26,4%) (25,5%) (23,6%) (27,0%) (33,0%)
Índice de massa
23,2 22,9 22,6 22,8 22,2
corporal (média)
Número de
mulheres que 214 402 249 85 25
fumou durante o (11,6%) (14,4%) (22,2%) (31,0%) (33,0%)
estudo
Consumo de cafeína 417 1014 556 141 44
(≥150 g/dia) (22,6%) (36,2%) (49,6%) (51,0%) (59,0%)
Registo de infeções
557 876 394 94 27
sexualmente
(30,1%) (31,3%) (35,2%) (34,0%) (36,0%)
transmissíveis

Óscar Oliveira | Elsa Ribeiro | João Carlos Silva 5


© Edições ASA II, 2016
Resultados
Das participantes, 4210 engravidaram ao longo do estudo, com uma média de consumo de
duas bebidas por semana. A taxa de fertilidade foi calculada usando um modelo matemático
de acordo com o qual quanto mais rápido a mulher engravidasse, maior a sua taxa de
fertilidade (fig. 3). Contudo, o estudo não analisou os impactes do consumo concentrado de
bebidas, quando comparado com o consumo regular e distribuído na semana.

Fig. 3

Mikkelsen et al. (2016). Alcohol consumption and fecundability: prospective Danish cohort
study. BMJ 2016;354:i4262 (texto adaptado)

1. Com base nos dados, estabeleça a correspondência entre as afirmações e a chave.

Afirmações
A. O objetivo experimental foi a análise da relação entre o consumo de álcool antes de
engravidar e os seus efeitos na fertilidade.
B. Todas as mulheres que consumiram álcool tiveram uma redução da fertilidade, quando
comparado com as mulheres que não consumiram álcool.
C. O consumo semanal de 6 a 8 bebidas alcoólicas não afetou a fertilidade feminina.
D. O estudo foi elaborado com um reduzido número de mulheres.
E. O consumo de álcool em excesso reduziu a viabilidade dos espermatozoides.
F. A experiência incluiu um grupo controlo de mulheres que não beberam e que não
pretendiam engravidar.
G. A variável dependente correspondeu ao número de bebidas ingeridas semanalmente
por cada mulher envolvida no estudo.
H. O estudo da equipa de Mikkelsen contrariou estudos anteriores, que demonstravam que
o consumo moderado de álcool reduzia a fertilidade.

Chave
I. Afirmação apoiada pelos dados
II. Afirmação contrariada pelos dados
III. Afirmação sem relação com os dados

Óscar Oliveira | Elsa Ribeiro | João Carlos Silva 6


© Edições ASA II, 2016
2. Mencione uma possível hipótese experimental para o estudo analisado.

3. O modo de atuação do álcool ainda não é bem conhecido, mas os estudos em cobaias
laboratoriais (ratos e macacos), bem como em seres humanos, permitiu verificar que após a
ingestão de álcool os níveis de estradiol (estrogénios) e testosterona aumentaram
temporariamente.

3.1. Diversos países recomendam às mulheres não beberem mais de 7 bebidas por semana e,
se estiverem grávidas ou a tentar engravidar, não consumirem álcool. Relacione este facto
com o conhecimento atual sobre os impactes do álcool na fertilidade.

3.2. Selecione a opção que avalia corretamente as afirmações seguintes.

Afirmações
I. O aumento do nível de testosterona após a ingestão de álcool não terá impactes ao
nível da secreção de hormonas hipofisárias.
II. O consumo de álcool pode modificar os processos de retroalimentação positiva e
negativa do aparelho reprodutor feminino.
III. O consumo de álcool pode aumentar a fertilidade feminina em resultado de uma
diminuição da secreção da hormona LH.

(A) II é verdadeira, I e III são falsas.


(B) II é falsa, I e III são verdadeiras.
(C) I é verdadeira, II e III são falsas.
(D) III é verdadeira, I e II são falsas.

4. A contraceção permite…
(A) aumentar a fertilidade.
(B) evitar uma gravidez indesejada, ao impedir a produção e libertação de gâmetas, a
fecundação ou a nidação.
(C) inibir de forma total a produção de espermatozoides.
(D) controlar a fertilidade apenas de forma natural.

5. Não são considerados exemplos de causas de infertilidade…


(A) a imobilidade dos espermatozoides.
(B) as malformações congénitas.
(C) as disfunções hormonais.
(D) a abstinência.

6. Mencione dois exemplos de fatores de infertilidade feminina que afetem a fecundação.

7. Um casal não consegue engravidar, embora tente há mais de dois anos. Após uma análise
médica aos dois, foi detetada a existência de um muco cervical hostil aos espermatozoides.
Indique, justificando, que primeiro tratamento para a fertilidade aconselharia a este casal.

FIM

Óscar Oliveira | Elsa Ribeiro | João Carlos Silva 7


© Edições ASA II, 2016
Proposta de resolução

GRUPO I

1. A – 10; B – 13; C – 15; D – 1; E – 4; F – 8


2. Opção (A)
3. Opção (B)
4. Opção (D)
5. Opção (D)
6. B–C–A–E–D
7. A – Testículo; B – Epidídimo; C – Glândula de Cowper; D – Pénis; E – Canais deferentes
8. A, C, D e G
9. Os ovários produzem as hormonas estrogénio e progesterona, que estimulam o
desenvolvimento do endométrio e a sua degeneração quando os seus teores no sangue
baixam. A remoção dos ovários bloqueia de forma permanente o ciclo uterino, indicando
que as hormonas produzidas nos ovários controlam o ciclo uterino.

GRUPO II

1. Verdadeiras: A, B e G; Falsas: C, D, E, F e H
2. Nas duas primeiras semanas de gravidez (fase pré-embrionária).
3. Opção (B)
4. Opção (A)
5. Opção (C)
6. Opção (D)
7. Durante a fase embrionária e a fase fetal, as trocas de gases essenciais ao desenvolvimento
do bebé realizam-se com o sangue da mãe, ao nível da placenta (anexo embrionário). Os
pulmões só entram em funções a partir do momento em que as trocas gasosas ocorrem
com o ar atmosférico, isto é, logo após o nascimento. Assim, o desenvolvimento completo
dos pulmões só ocorre nos estádios finais do desenvolvimento fetal.

GRUPO III

1. A – I; B – II; C – I; D – II; E – III; F – II; G – II; H – I


2. A ingestão de álcool reduz a fertilidade feminina em mulheres que pretendem engravidar.
3.1. Como a estimulação do complexo hipotálamo-hipófise pelo estrogénio está
dependente da concentração desta hormona, nuns casos o estrogénio pode estimular
(retrocontrolo positivo) e noutros inibir (retrocontrolo negativo) o complexo hipotálamo-
-hipófise. Assim, as modificações na síntese do estrogénio causadas pela ingestão de álcool
podem afetar a produção de FSH e LH pelo complexo hipotálamo-hipófise, desregulando o
ciclo ovárico e o ciclo uterino indiretamente, aumentando o risco de infertilidade feminina.
3.2. Opção (A)
4. Opção (B)
5. Opção (D)
6. Infeções e tumores nos ovários e malformações nas trompas de Falópio que dificultem ou
impeçam a fecundação.
7. A inseminação artificial, pois com esta técnica seria ultrapassada a barreira do muco
cervical, sendo colocados os espermatozoides no interior do útero. Desta forma, reduzia-se
os efeitos negativos do muco cervical hostil na viabilidade e mobilidade dos
espermatozoides.

Óscar Oliveira | Elsa Ribeiro | João Carlos Silva 8


© Edições ASA II, 2016