Sie sind auf Seite 1von 9

UNIVERSIDADE FEDEREAL DO MATO GROSSO – CAMPUS SINOP – MT

INSTITUTO DE CIENCIAS DA SAÚDE


MEDICINA VETERINÁRIA
AMANDA MARTINEZ DE MORAES
JOAZ LOPES
LUD MILLA FERNANDES
NAILA GABRIELLI BÓZZIO VEIGA
THAINA FORTE MARTINELLO

MANEJO NUTRICIONAL DE FEMEAS CAPRINAS EM LACTAÇÃO

SINOP-MT
2017
1. INTRODUÇÃO:
A caprinocultura leiteira tem aumentado de forma bastante significativa
sua participação no cenário agropecuário brasileiro, superando o constante
desafio de conquistar e manter novos mercados para o leite de cabra e seus
derivados.
Acompanhando este movimento, o caprinocultor tem se especializado e
selecionado animais cada vez mais produtivos, tornando o manejo e a
alimentação de cabras leiteiras de alta produção um novo desafio para os
profissionais que atuam no setor.
Uma vez que constitui a base de qualquer sistema de produção, a
alimentação dos rebanhos leiteiros comerciais deve atender a esta nova
realidade, sob pena de comprometer a eficiência do sistema.
Adotar estratégias de alimentação visando o aumento do consumo e da
eficiência de utilização dos alimentos e a redução dos custos de alimentação é
fundamental para garantir o desenvolvimento econômico da atividade.
Ao alimentarmos a cabra em lactação, nosso objetivo é proporcionar
condições para a produção de altas quantidades de leite com uma composição
adequada de gordura e proteína, mantendo uma condição corporal ideal para
cada fase do ciclo produtivo.
É básico lembrar que a dieta deve apoiar-se no fornecimento constante
de alimentos volumosos de qualidade, seja na forma verde, como pastagens e
capineiras, ou conservada, como fenos e silagens, sob pena de perda de
eficiência na utilização dos nutrientes ingeridos, elevação acentuada do custo da
alimentação, bem como da ocorrência de distúrbios metabólicos.
Os alimentos concentrados devem ser utilizados como suplemento do
volumoso, de forma que a quantidade e a qualidade do concentrado oferecido
vai variar de acordo com a quantidade e qualidade do volumoso presente na
dieta, sempre se respeitando as exigências nutricionais de cada categoria
animal. A produção de leite vinculada à produção de volumosos de boa
qualidade sempre minimizará a necessidade de compra e/ou o custo por quilo
de alimento concentrado, ferramenta efetiva para diminuir o custo alimentar por
litro de leite produzido.
Um fator determinante do sucesso de qualquer programa nutricional é
garantir que o animal apresente adequado consumo de alimentos. Para que isto
ocorra, não basta apenas oferecer uma dieta bem balanceada, pois inúmeros
outros fatores relacionados ao manejo nutricional têm reflexo na ingestão de
alimentos pelo animal.
Normalmente existem 4 dietas nas fazendas leiteiras:
• Uma formulada pelo nutricionista.
• Uma preparada pelo funcionário responsável pela alimentação do
rebanho.
• Uma distribuída no cocho de alimentação.
• Uma consumida pelos animais (sendo esta a única que importa).
É por esse motivo que um bom manejo nutricional vai muito além da
simples formulação da dieta. Apesar de algumas semelhanças com os ovinos e
bovinos, os caprinos apresentam diferenças marcantes (hábitos alimentares,
composição do leite e carcaça, exigências nutricionais) que justificam um
tratamento diferenciado para seu correto manejo e alimentação (NRC, 1981;
MORAND-FEHR, 1991; RIBEIRO, 1997; RESENDE ET AL., 2001).
2. METODOLOGIA

O embasamento bibliográfico foi realizado em plataformas de pesquisa como


SCIELO, e Google Acadêmico. Teve-se como referencias palavras chaves como
lactação, caprinos, manejo, dieta, capacidade de produção. Foram encontrados
aproximadamente 1.620 artigos, dos quais foram selecionados 5, a partir do ano
de publicação, região onde foram realizados os estudos e artigos acadêmicos.

3. DESENVOLVIMENTO

3.1 FASES DA LACTAÇÃO E PRODUÇÃO

Antes de saber como fazer um bom manejo nutricional de seu rebanho


caprino, é importante conhecer o que acontece em cada fase da lactação no
metabolismo do animal.

3.1.1 FASE 1

Esta é a primeira fase da lactação e certamente a mais delicada. O nível de


produção aumenta rapidamente, atingindo o pico entre a terceira e a quarta
semana de lactação, enquanto a capacidade de ingestão aumenta mais
a a
lentamente, atingindo o máximo entre a 5 e 8 semana. Com isso, a cabra perde
peso, pois elimina mais nutrientes pelo leite do que é capaz de ingerir através da
alimentação, fenômeno denominado balanço energético negativo. Em geral, esta
a a
mobilização é intensa entre a 4 e 8 semana de lactação, variando em função
dos níveis de produção e capacidade de ingestão. Durante as três primeiras
semanas, o peso diminui de 3 a 6 kg, continuando este processo por mais algum
tempo, embora mascarado pelo aumento de peso do conteúdo digestiva. Essa
fase dura cerca de dois meses.
Em função do exposto, a maior preocupação nessa fase é fazer com que
o período de balanço energético negativo seja superado o quanto antes,
devendo-se utilizar rações palatáveis e com elevada densidade energética.
Como é freqüente o uso de elevadas quantidades de concentrado, não se deve
descuidar da fibra. O escore logo após o parto deve estar entre 2,75 e 3,50 e
após 45 dias de lactação o escore não deve estar abaixo de 2 e não deve ter
diminuído mais do que 1,25 da avaliação feita logo após o parto.
A produção de leite é influenciada pela saúde e pelo acúmulo de reservas
corporais (condição corporal ao parto). Durante o período de transição, as cabras
devem ingerir energia em quantidades suficientes para suprir sua demanda por
nutrientes, em função da redução de consumo apresentada nesta fase. Dessa
maneira, a cabra não deve iniciar a lactação muito magra ou gorda, pois tais
condições podem predispor a problemas metabólicos, reprodutivos e produtivos.
A composição do leite pode também ser influenciada pela dieta,
principalmente o teor de gordura, a densidade e o extrato seco (RODRIGUES,
2001).
3.1.2 FASE 2

Esta é uma fase mais simples, pois a capacidade de ingestão está


normalizada e a produção de leite começa a diminuir. No início desta fase o peso
da cabra se mantém estável e passa a aumentar lentamente, cerca de 0,6 a 1,9
kg por mês. A importância desta reconstituição aumenta com a intensidade da
mobilização anterior e com a concentração energética da ração. Esta fase
termina com a fecundação e é a que tem a duração mais variável, em função do
intervalo de partos. Portanto, quando o ciclo é anual, dura cerca de cinco meses,
enquanto dura apenas um mês quando o intervalo de partos é de oito meses (3
partos em 2 anos).
Pelo nível de produção estar diminuindo lentamente e a ingestão de
alimentos elevada, é a fase onde se começa a acertar a condição corporal da
cabra, preparando-a para a gestação e para a próxima lactação. O escore deve
estar entre 2,0 e 2,25 no início da fase e alcançar 2,50 a 2,75 no final da fase.

3.1.3 FASE 3

Essa fase se inicia com a concepção e dura 90 a 105 dias, dependendo


do período seco que será aplicado. Durante esse período, que corresponde aos
primeiros três a três meses e meio da gestação, o peso da cabra aumenta
lentamente, cerca de 2 a 4 kg, acumulando-se reservas corporais devido ao
balanço energético positivo, permitindo-se o ajuste da condição corporal da
cabra. Esta fase não difere muito da anterior, exceto pelo fato da cabra estar em
gestação e pelo nível de produção de leite inferior, pois o desenvolvimento do
feto ainda é pequeno.
É importante fornecer uma mistura mineral completa e bem equilibrada,
inclusive nos microelementos, e evitar mudanças de lotes para que não ocorram
abortos por traumatismos causados por brigas entre os animais. O escore deve
estar entre 2,50 e 2,75 no início da fase e alcançar 2,75 a 3,25 no final da fase.

3.1.4 FASE 4

O início desta fase é marcado pela secagem, que deve ocorrer cerca de
45 a 60 dias antes do parto, que conseqüentemente corresponde à duração
média desta fase. Se a cabra não for seca, esta fase não fica tão evidente, mas
em termos de exigência, continua a existir, pois ela corresponde ao terço final da
gestação, quando ocorre o maior crescimento da(s) cria(s), cerca de 85% (Figura
3), aumentando a demanda por nutrientes, enquanto a capacidade de ingestão
da cabra é limitada, tanto pelo volume ocupado pela gestação como pelas
gorduras acumuladas como reserva. O escore deve estar entre 2,75 e 3,25 no
início da fase e alcançar 3,00 a 3,50 próximo ao parto. Convém ressaltar que no
início dessa fase o escore aumenta, mas no último mês de gestação já começa
a diminuir, em função da mobilização provocada pela alta demanda do feto e
baixa capacidade de ingestão.
O ganho em peso dessa fase, entre 6 a 9 kg, corresponde principalmente
ao crescimento do(s) feto(s), de tal forma que logo após o parto a cabra retorna
praticamente ao peso que estava no início desta fase, ou até menos, em função
da mobilização de reservas para o(s) feto(s), problema exacerbado no caso de
três cabritos médios ou dois grandes. Durante as três últimas semanas de
gestação o peso aumenta, mas de forma menos intensa, podendo inclusive se
estabilizar imediatamente antes do parto. A capacidade de ingestão em kg de
matéria seca permanece estável, mas diminui aproximadamente 5 a 10% se
expressa em relação ao PV.
Utilizar um volumoso de boa qualidade, de preferência feno, permitindo
uma sobra compatível com sua qualidade e de 500 a 800 g de concentrado.
Caso se utilizem silagens, estas não devem ser o único volumoso, pois a
ingestão de matéria seca normalmente não é muito elevada, problema agravado
pelo elevado teor de água. Valem aqui os cuidados apresentados para o terço
final da primeira gestação, atenuada pelo fato de não haver mais a preocupação
com o desenvolvimento corporal da cabra, que, mesmo no caso das cabras de
segunda cria, que ainda apresentam um pequeno crescimento, as exigências
para esta finalidade já serem bem reduzidas. Por outro lado, é ligeiramente
agravado pela maior freqüência de partos múltiplos e formação de fetos maiores.
Tomar cuidado com a ocorrência de toxemia da gestação, que ocorre tanto com
sub como com superalimentação e avaliar a necessidade ou não de utilizar
rações aniônicas. Nesse caso, cuidado com alimentos muito ricos em potássio,
como o feno de alfafa.
No final da gestação e início da lactação, os animais apresentam redução
no consumo de alimentos e mudanças fisiológicas, enquanto ocorre aumento
dos requerimentos, dado o crescimento fetal e a produção de leite. Os últimos
21 dias de gestação e os primeiros 21 dias de lactação são conhecidos como
período de transição (GRUMMER, 1995). É típico de animais em período de
transição reduzir o consumo em até 30% antes do parto, iniciando o balanço
negativo de nutrientes (RODRIGUES, 2001).

4. MANEJO ALIMENTAR NA LACTAÇÃO

Para aumentar a produtividade da cabra e garantir alta eficiência


alimentar, o produtor precisa estar atento para a curva de lactação do seu
rebanho. Isto ajuda a reduzir custos com a alimentação e permite um
monitoramento mais preciso da saúde do rebanho. A mudança para uma dieta
com menor densidade de nutrientes deve ser baseada na produção de leite e na
condição corporal do animal. Uma vez que cabras de alta produção direcionam
mais nutrientes para o leite, é importante monitorar de perto sua condição
corporal para garantir que as reservas corporais sejam restabelecidas durante o
final da lactação e período seco.
Como a energia é o principal nutriente limitante da produção de leite, o
aumento nos níveis de concentrado na dieta pode reduzir a concentração de
fibra abaixo do necessário. Pesquisas realizadas no E (Kika) de la Garza Institute
for Goat Research, Langston University, Oklahoma, USA,
sugerem os seguintes níveis de fibra a serem utilizados na dieta de cabras
leiteiras (Sahlu and Goetsch, 1998):

• FDN maior que 25-28%, dependendo da produção de leite e estágio de


lactação,
sendo pelo menos 75% desta FDN proveniente de alimento volumoso.
• FDA maior que 19-21%.
Níveis mais baixos de fibra na dieta podem reduzir a porcentagem de gordura
do leite e aumentar o acúmulo de gordura corporal num momento em que a
partição de nutrientes para síntese do leite é desejada. Portanto, a relação
concentrado volumoso que não deve exceder 60:40.
Fontes de gordura podem ser utilizadas para aumentar a densidade
energética da dieta até um limite de 3 a 4% da matéria seca, uma vez que níveis
mais altos podem reduzir a digestibilidade da fibra e reduzir a absorção de cálcio.
No início da lactação, cabras de alta produção podem necessitar de
quantidades de proteína além daquela sintetizada pela microbiota ruminal a
partir de nitrogênio não proteico e fontes de proteína degradável no rúmen. A
eficácia da inclusão de alimentos ricos em proteína não degradável no rúmen na
dieta de cabras leiteiras ainda não foi adequadamente estabelecida, mas é
provável que tenha o mesmo valor que para dietas de vacas em início de
lactação.
Nunca deve ocorrer uma alteração brusca para uma dieta rica em
concentrados no início da lactação. Esta mudança pode levar a uma redução na
ingestão de alimentos, baixos teores de gordura no leite, grandes perdas em
condição corporal no início da lactação, reduzido volume de leite no pico, baixa
persistência da lactação, fezes anormais e aumento na incidência de distúrbios
metabólicos. O nível de concentrado na dieta deve aumentar cerca de 0,150 kg
por semana até o pico de lactação.
O quadro 9 apresenta as exigências para produção de leite de cabras
confinadas, por litro de leite, entre o 2o e 7o mês de lactação (fase 2 do ciclo),
sem considerar alteração de peso vivo.

Quadro 9: Exigências para produção de leite de cabras confinadas, por litro de


leite, entre o 2o e 7o mês de lactação, sem considerar alteração de peso vivo.
Energia Proteína Minerais Vitaminas
ED EM EL UFL NDT PB PD PM ou Ca P A D
(Mcal) (Mcal) (Mcal) (g) (g) (g) PDI (g) (g) (g) (UI) (UI)
Exigência por kg de leite com 3,5% de gordura – cabras alpinas

1,500 1,219 0,655 0,385 342 68 48 43 4,0 1,5 3.800 760

Exigência por kg de leite com 4,7% de gordura – cabras anglo-nubianas

1,817 1,482 0,796 0,468 412 79 56 50 - - 3.800 760

Exigência para cada 0,1% de variação no teor de gordura do leite

0,241 0,197 0,111 0,065 55 - - - - - - -

Exigência para cada 10 kg de variação no PV

0,369 0,301 0,170 0,100 78 10 7 6,2 0,5 0,5 - -

ED: energia digestível; EM: energia metabolizável; EL: energia líquida; UFL: unidade forrageira leite; NDT:
nutrientes digestíveis totais; PB: proteína bruta; PD: proteína digestível; PM: proteína metabolizável; PDI:
proteína digestível no intestino; Ca: cálcio; P: fósforo.
Fonte: Ribeiro (1997) adaptado de NRC (1981), INRA (1988) e AFRC (1997).

O quadro 10 apresenta os indicadores de alimentação de cabras leiteiras


em cada fase do ciclo de produção de acordo com Broqua (1995) e Jenot (2001).
Os valores indicam médias que podem variar em função do animal, da produção
de leite e dos alimentos disponíveis.
Quadro 10: Indicadores de alimentação de cabras leiteiras em cada fase do
ciclo de produção.
Fase 1 Fase 2 Fase 3 Fase
Cabra de 60 kg o
Início da Do pico à Da 44 e
Produção de 4kg/dia no pico o
5 mês
lactação cobertura cobertura à
secagem de
Ingestão de matéria seca (kg / dia) 2,5 3,0 1,5 a 2,0 gestaçã
1,5
o
Concentração energética (UFL / kg MS) 0,90 a 0,90 a 0,70 a 0,80
0,95 0,95 0,90
Concentração protéica (g PDI / kg MS) 100 a 110 90 a 110 70 a 90 70 a 80

Fibra bruta (% MS) > 17 > 17 17 a 22 > 20

Nível de concentrado (% MS) < 60 < 60 < 50 < 30

Nível de gordura (% MS) 3a6 3a6 3a6 --

UFL: Unidade forrageira leite; PDI: Proteína digestível no intestino.


Fonte: adaptado de Broqua (1995) e Jenot (2001).

Segundo Meschy (2002), o coeficiente de absorção real do fósforo é maior


nas cabras do que em outros ruminantes, sendo adotado o valor de 70% para
cálculo. O coeficiente de absorção do cálcio é notadamente reduzido na
presença de altos níveis de cálcio na dieta, sendo o valor de 30% adequado
somente quando o cálcio na dieta não está em excesso.
O quadro 11 apresenta o consumo diário recomendado de cálcio, fósforo
e magnésio para uma cabra de 60 kg, produzindo 4 kg/dia, ingerindo 2,5 kg de
matéria seca.

Quadro 11: Consumo diário recomendado de cálcio, fósforo e magnésio para uma
cabra de 60 kg, produzindo 4 kg/dia, ingerindo 2,5 kg de matéria seca.
Ca P Mg (g/dia)
(g/dia) (g/dia)

Mantença 1,20 2,30 0,20


Lactação 5,20 3,8 0,44
Total 6,40 6,10 0,64
Coeficiente de absorção real 30 70 20
(%)
Consumo recomendado 21,30 8,71 3,20
Fonte:adaptado de Meschy (2002).

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Adotar estratégias de alimentação visando o aumento do consumo e da


eficiência de utilização dos alimentos e a redução dos custos de alimentação é
fundamental para garantir o desenvolvimento econômico da caprinocultura
leiteira.
Os hábitos alimentares e a capacidade dos caprinos em selecionar o
alimento ingerido devem ser levados em conta na proposição de sistemas de
alimentação, seja em condições de pastejo, seja em alimentação no cocho, visto
a sua influência na quantidade e qualidade do alimento ingerido.
A maximização do consumo de matéria seca é um dos principais fatores
que incide sobre a produção de leite.
A estratégia de alimentação de cabras em lactação deve levar em
consideração tanto a qualidade da forragem utilizada como também a sua
disponibilidade (quantidade e freqüência de fornecimento), procurando-se um
equilíbrio entre sobra e oferta.
Sistemas de avaliação do escore de condição corporal desenvolvidos
para ovinos e bovinos não são diretamente aplicáveis aos caprinos leiteiros, cuja
forma e local de deposição de gordura é diferente.

6. REFERÊNCIAS BILBIOGRÁFICAS

Borges P.H.C, Bresslau S. Manejo de alimentação em cabras em lactação.


Belo Horizonte, MG, 17 a 21 de março de 2003.

GRUMMER, RIC R. 1995. Impact of changes in organic nutrient metabolism


on feeding the transition dairy cow. J. Animal Sci., 73: 2820-2833, 1995.

JENOT,F. et al. Une lactation se prepare avant la mise-bas. L’Eleveur de


chèvre, n.9, juin, 2001.

MORAND-FEHR,P. et al. Notation de l’étatcorporel: à vos stylos! La Chèvre,


175, p.39-42, 1989.

MORAND-FEHR,P. Feeding behaviour of goats at the trough. In: MORAND-


FEHR,P. (ed.). Goat nutrition. Wageningen:Pudoc, 1991, p.3-12.

MORAND-FEHR,P.,DOREAU,M. Ingestion et digestion ches les ruminants


soumis à un stress de chaleur. INRA Productions Animales, v.14, n.1, p.15-
27, 2001.

NRC. Nutrient requirements of goats: angora, dairy and meat goats in


temperateand tropical countries. Washington:National Academy Press, 1981.
91p.

RIBEIRO,S.D.A. Caprinocultura: criação racional de caprinos. São


Paulo:Nobel, 1997. 318p.

RESENDE,K.T. et al. Exigências nutricionais de caprinos leiteiros. In:


REUNIÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 38, Piracicaba,
2001. Anais… Piracicaba:SBZ, 2001.
RESENDE,K.T. et al. Produção de leite de cabras em regime de pasto. In:
SEMINÁRIONORDESTINO DE PECUÁRIA, 6, Fortaleza, 2002. Anais…
Fortaleza:FAEC, 2002, p.187-199.

RODRIGUES, C.A.F. 2001. Efeito do nível de energia líquida da dieta sobre


o desempenho e perfil de ácidos graxos não-esterificados de cabras
leiteiras com diferentes condições corporais no período de transição. Tese
de Metrado apresentada ao Departamento de Zootecnia da Universidade
Federal de Viçosa- MG, p.87, 2001.
RODRIGUES, M. T. 1998. Uso de fibras em rações de ruminantes. In:
Congresso Nacional dos Estudantes de Zootecnia – CONEZ – Viçosa – MG.
Anais ... Viçosa, 1998.

SAHLU,T.,GOETSCH,A.L. Feeding the pregnant and milking doe. In: Goat


Field Day, Langston, 1998.

Proceedings… Langston:E (Kika) de la Garza Institute for Goat Research, 1998.

MESCHY,F. Eléments minéraux majeurs: données récents chez les caprins.


INRA Productions Animales, v.15, n.4, p.267-271, 2002

JENOT,F. et al. Une lactation se prepare avant la mise-bas. L’Eleveur de


chèvre, n.9, juin, 2001.