You are on page 1of 13

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

ENGENHARIA MECÂNICA

Controle de temperatura de
sistemas de degelo utilizados
em refrigeradores

Disciplina: Controle e Servomecanismos – EL68J


Turma : S41
Alunos: Adriano de Freitas
Marlon Gritten Sieben
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ EL68J – Controle e Servomecanismos

VISÃO GERAL

OBJETIVO GERAL

Validar um modelo de controlador para o sistema de controle de


temperatura de degelo.
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ EL68J – Controle e Servomecanismos

VISÃO GERAL
ELEMENTOS DO SISTEMA

E1: Trocador de calor: resfria o ar forçado para conservação de alimentos


refrigerados. Componente onde atua a resistência.
E2: Corrente elétrica: Variável manipulada para variação da potência da resistência.
E3: Resistência de degelo 850W/m, com 1 metro de comprimento e zona fria de 45mm
cada lado. Temperatura na superfície é a variável controlada.
E4: Sensor de temperatura tipo bulbo: medição da temperatura (variável
controlada).
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ EL68J – Controle e Servomecanismos

VISÃO GERAL
ELEMENTOS DO SISTEMA

E5: Ventiladores: geram distúrbio no sistema se desligados durante o degelo.


E6: Termostato, desliga a resistência em caso de superaquecimento do Gás
Refrigerante (sistema de segurança somente).
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ EL68J – Controle e Servomecanismos

VISÃO GERAL ENSAIO

- Medição realizada na parte mais crítica do


resistor, próximo à zona fria;
- Realizado várias sequências de medições (as
mais precisas foram as últimas);
- Filmado e depois registrado a cada 0,5 segundos;
- Somente ligado ventilação forçada simulando
temperatura;
- Transferência de calor por radiação somente.
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ EL68J – Controle e Servomecanismos

DIAGRAMA DE BLOCOS

ELEMENTOS DO SISTEMA
Variável Controlada (PV): Temperatura da superfície do tubo do resistor.
Variável Manipulada (MV): Corrente elétrica da rede.
Distúrbio 1(Distúrbio na MV): Oscilação de tensão na rede.
Distúrbio 2 (Distúrbio na PV): Fluxo de ar e temperatura do mesmo (causada
por E1 e/ou E5).
Set-point (SP): Valor desejado para a temperatura externa do resistor.
Controle: Modelo do controle PID usado para este sistema.
Planta: Modelo do sistema a ser controlado.
Sensor: Modelo do sensor. Considerando o sensor ideal a FT do sensor é igual a
1.
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ EL68J – Controle e Servomecanismos

DINÂMICA DO SISTEMA (Modelo Matemático)


ORDEM DO SISTEMA
( ) 1ª Ordem ( X ) 2ª Ordem ( ) Outro .

Sistema Superamortecido
  4,04
wn  0,022

2,15 * 0,022 2
FT  2
s  2 * 4,04 * 0,022 * s  0,022 2
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ EL68J – Controle e Servomecanismos

VALIDAÇÃO DO MODELO
SIMULAÇÃO

CURVA DE VALIDAÇÃO
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ EL68J – Controle e Servomecanismos

SINTONIA
SIMULAÇÃO PARA O PROBLEMA SERVO EM MF

Kp  10

Ti  600

Td  25
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ EL68J – Controle e Servomecanismos

SINTONIA
SIMULAÇÃO PARA O PROBLEMA REGULATÓRIO EM MF

DISTÚRBIO 1 –
Variação de
Tensão na rede

Kp  10

Ti  600

Td  25
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ EL68J – Controle e Servomecanismos

SINTONIA
SIMULAÇÃO PARA O PROBLEMA REGULATÓRIO EM MF

DISTÚRBIO 2 –
Ventilação
desligada

StepTime  350
InitialVal ue  0
FinalValue  0,1
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ EL68J – Controle e Servomecanismos

PROBLEMAS, DIFICULDADES E SOLUÇÕES


PROBLEMA 1: Obter os dados
SOLUÇÃO: Bancada em laboratório
PROBLEMA 2: Obter a planta e validar
SOLUÇÃO: Após calculo inicial, várias iterações
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ EL68J – Controle e Servomecanismos

CONCLUSÃO
- Sistema PID pode ser implementado nos trocadores de calor
- Nem todos os distúrbios são lineares (jato de água)
- Sistema pode não ser eficaz em trocadores de calor maiores, ou que
bloqueiam facilmente de gelo.