Sie sind auf Seite 1von 48

Qualidades Ergonômicas

em IHC
Os 8 critérios principais da ergonomia em IHC
● Condução
● Carga de Trabalho
● Controle Explícito
● Adaptabilidade
● Gestão de Erros
● Homogeneidade/Coerência
● Significado dos Códigos e Denominações
● Compatibilidade
Condução
O software ergonômico aconselha, orienta, informa e conduz o usuário na interação com o
computador (mensagens, alarmes, rótulos, etc.), possibilitando:

● A localização do usuário, ou seja, que saiba, a qualquer hora, onde se encontra, numa
sequência de interações ou na execução de uma tarefa;

● Conhecimento das ações permitidas, bem como suas consequências;

● Obtenção de informações suplementares;


Condução - Prestreza
Presteza é a qualidade que guia o usuário, permitindo a ele saber onde se encontra (e
saber também como chegou a esse estado). Um software prestativo guia o usuário através
das ferramentas de ajuda e facilita o aprendizado através de legendas, títulos, etc.
Condução - Feedback Imediato
Feedback Imediato trata da resposta do sistema às ações do usuário.

Para cada entrada, o software deve oferecer uma resposta, de forma rápida, com um tempo
de resposta apropriado e consistente, com informações sobre a operação solicitada e seu
resultado.

A qualidade e rapidez são importantes para satisfação e confiança do usuário, e ajuda a


entender melhor o funcionamento do sistema.

Um feedback ruim traz desconforto e maior chances de cometer erros, já que o usuário
pode suspeitar de falha no sistema e tomar atitudes que prejudiquem a operação em
andamento.
Condução - Legibilidade
Legibilidade diz respeito às características lexicais das informações apresentadas na tela
que possam dificultar ou facilitar a leitura desta informação.

Esse critério diz respeito a características como cor, tamanho da fonte, espaçamento entre
linhas, etc.

Exemplos: Fundo escuro com letras claras, e letras maíusculas e minúsculas.


Condução - Agrupamento/Distinção de Itens
Esta qualidade diz respeito à organização visual dos itens de informação relacionados uns
com os outros, levando em conta a localização e algumas características gráficas para
indicar relações entre os vários itens mostrados.

Ela pode ser divida em dois critérios: Agrupamento/Distinção por localização e


Agrupamento/Distinção por formato.
Condução - Agrupamento/Distinção de itens (Localização)

Este critério trata do agrupamento de itens em uma localização específica, para


indicar se eles são de uma determinada classe ou não, ou para indicar diferenças
entre classes, e o posicionamento relativo dos itens dentro de uma classe.
Condução - Agrupamento/Distinção de itens (Formato)

Esse critério diz respeito às características gráficas da interface, indicando se um


item pertence ou não a uma determinada classe através do formato, cor, etc.

É mais fácil para o usuário aprender o relacionamento de itens se diferentes


formatos ou códigos ilustrarem suas similaridades ou diferenças.
Carga de Trabalho
Quanto maior for a carga de trabalho cognitivo para o usuário, maior será a probabilidade de
cometer erros. Quanto menos o usuário for distraído por informação desnecessária, mais
será capaz de desempenhar suas tarefas eficientemente, pois quanto menos ações são
necessárias, mais rápidas as interações.

O critério Carga de Trabalho está dividido em dois subcritérios: Brevidade e Densidade


Informacional.
Carga de Trabalho - Brevidade
Brevidade corresponde ao objetivo de limitar a carga de trabalho de leitura e entradas, e o
número de passos. O software Breve respeita a capacidade de trabalho perceptivo e
cognitivo do usuário para entradas e saídas.

Quanto menos entradas, menor a probabilidade de cometer erros. Quanto mais sucintos
forem os itens, menor será o tempo de leitura.

O critério Brevidade se divide em duas qualidades elementares: Concisão e Ações mínimas.


Brevidade - Concisão e Ações mínimas
Concisão: O critério concisão diz respeito à carga perceptiva e cognitiva de
saídas e entradas individuais.

Ações mínimas: A qualidade Ações Mínimas diz respeito à carga de trabalho em


relação ao número de ações necessárias à realização de uma tarefa. Trata-se de
limitar, tanto quanto possível, o número de passos pelos quais o usuário deve
passar.
Carga de Trabalho - Densidade Informacional
Diz respeito à carga de trabalho do usuário, de um ponto de vista perceptivo e cognitivo,
com relação ao conjunto total de itens de informação apresentados aos usuários, e não a
cada elemento ou item individual.

Na maioria das tarefas, a performance dos usuários é diminuída quando a densidade da


informação é muito alta ou muito baixa.

A carga de memorização do usuário deve ser minimizada. Eles não devem precisar
executar tarefas cognitivas complexas quando estas não estão relacionadas com a tarefa
em questão.
Controle Explícito
Com um software obediente o usuário tem o controle explícito sobre os processamentos do
sistema. Quando os usuários definem explicitamente suas entradas, e quando estas
entradas estão sob controle, os erros e as ambiguidades são limitados. Além disso, o
sistema será melhor aceito pelos usuários se eles tiverem controle sobre o diálogo.
Controle Explícito - Ações Explícitas do Usuário
A relação entre o processamento pelo computador e as ações do usuário deve ser explícita.

Quando o processamento pelo computador resulta de ações explícitas dos usuários, estes
aprendem e entendem melhor o funcionamento da aplicação.
Controle Explícito - Controle do Usuário
Se refere ao fato de que os usuários deveriam estar sempre no controle do processamento
do sistema. Cada ação possível do usuário deve ser antecipada e opções apropriadas
devem ser oferecidas.

O controle sobre as interações favorece a aprendizagem e assim diminui a probabilidade de


erros. Como consequência, o computador se torna mais previsível.
Adaptabilidade
Diz respeito a capacidade de um sistema de reagir conforme o contexto, e conforme as
necessidades e preferências do usuário.

Uma interface não pode atender ao mesmo tempo a todos os seus usuários em potencial. A
interface deve, conforme contexto, se adaptar ao usuário.

Deve-se fornecer procedimentos, opções e comandos diferentes que permitam alcançar um


mesmo objetivo.
Adaptabilidade - Flexibilidade
Se refere aos meios colocados à disposição do usuário que permitem personalizar a
interface a fim de levar em conta suas necessidades.

Quanto mais formas de efetuar uma tarefa existirem, maiores serão as chances de que o
usuário possa escolher e dominar uma delas no curso de sua aprendizagem.
Adaptabilidade - Consideração da Experiência do
Usuário
A consideração da experiência do usuário diz respeito aos meios implementados
que permitem que o sistema respeite o nível de experiência do usuário.

A interface deve também ser concebida para lidar com as variações dos níveis de
experiência. Usuários experientes não têm as mesmas necessidades informativas
que novatos.
Gestão de Erros
A gestão de erros diz respeito a todos os mecanismos que permitem evitar ou
reduzir a ocorrência de erros, e quando eles ocorrem, que favoreçam sua
correção.
Gestão de Erros - Proteção Contra Erros
A proteção contra os erros diz respeito aos mecanismos empregados para
detectar e prevenir os erros de entradas de dados ou comandos, ou possíveis
ações de conseqüências desastrosas e/ou não recuperáveis.
Gestão de Erros - Qualidade das Mensagens de Erro

A qualidade das mensagens refere-se a pertinência, a


legibilidade e a exatidão da informação dada ao usuário sobre a
natureza do erro cometido (sintaxe, formato, etc.), e sobre as
ações a executar para corrigi-lo.
Gestão de Erros - Correção dos Erros
O critério correção dos erros diz respeito aos meios
colocados à disposição do usuário com o objetivo de permitir a
correção de seus erros.
Homogeneidade/Coerência
O critério homogeneidade/coerência refere-se à forma na
qual as escolhas na concepção da interface (códigos,
denominações, formatos, procedimentos, etc.) são conservadas
idênticas em contextos idênticos, e diferentes para contextos
diferentes.
Significado dos Códigos e Denominações
O critério significado dos códigos e denominações diz
respeito a adequação entre o objeto ou a informação
apresentada ou pedida, e sua referência. Códigos e
denominações significativas possuem uma forte relação
semântica com seu referente.
Compatibilidade
O critério compatibilidade refere-se ao acordo que possa
existir entre as características do usuário (memória, percepção,
hábitos, competências, idade, expectativas, etc.) e das tarefas,
de uma parte, e a organização das saídas, das entradas e do
diálogo de uma dada aplicação, de outra. Diz respeito também,
ao grau de similaridade entre diferentes ambientes e aplicações.
Checklist de acessibilidade da Web para Usuários Idosos

Foi desenvolvida por Márcia Barros de Sales em sua tese de mestrado na


Universidade de Santa Catarina, orientada pelo Dr. Walter de Abreu Cybis.

Essa checklist foi desenvolvida a partir de várias oficinas com idosos, coleta de
informações sobre acessibilidade Web e testes com avaliadores.

Houve três ciclos de elaborações e testes da checklist, até chegar na versão final.
Checklist de acessibilidade da Web para Usuários Idosos

O checklist é composta de 40 questões, organizadas pelos critérios ergonômicos


citados anteriormente, além de existir um nível de prioridade para cada uma das
questões na hora da checagem.

O checklist foi validado de diferentes maneiras e repetidas vezes, e os níveis de


sistematização obtidos foram satisfatórios. O checklist pode ser usado como uma
ferramenta efetiva de apoio para desenvolvedores Web com vista a sua
acessibilidade.
Referências
[01] CYBIS, W. de A. Engenharia de Usabilidade: Uma abordagem
Ergonômica. Florianópolis, pp.31-38, 2003.

[02] SALES, M. B. Desenvolvimento de um Checklist para a avaliação de


acessibilidade da Web para usuários idosos. Disponível em:
<http://tede.ufsc.br/teses/PEPS2193-D.pdf>. Acesso em: 18/02/2017.
Obrigado